SlideShare uma empresa Scribd logo
Módulo 1- Cultura da Ágora
Contexto Histórico
HCA 10º Ano Prof. Carla Freitas
Civilização
Cicládica
Civilização Grega
Ver Manual Páginas 34 e 35
Contribuiu para a expansão da cultura grega
Grécia
Continental
Faz parte da
Península
Balcânica
Grécia Insular – parte constituída por mais de 1400 ilhas nos
Mares Egeu e Jónio (actualmente são habitadas 227 ilhas)
Grécia
Asiática –
Parte que
se localiza
na Ásia
Menor
• Terreno muito montanhoso (cerca de 80%);
• Apresenta vales profundos e pequenas e raras planícies;
• O solo é pobre, por isso a agricultura é pouco produtiva;
• O clima é Mediterrânico, com verões quentes e secos,
os invernos são amenos e pouco chuvosos;
• Costa muito recortada e numerosos portos naturais;
• Mar calmo e facilmente navegável.
Motivos:
 A necessidade de terras férteis para a agricultura;
 A procura de matérias-primas;
 A procura de produtos para comercializar e de mercados para vender os seus produtos.
 Fuga a lutas e dificuldades em meados do séc. VIII a.C.
Mantinham ligações comerciais, religiosas e culturais intensas, o que contribuiu para
expandir a arte e a cultura helénicas.
.
Cidades-Estado ou Pólis:
•Território rural envolvente: agrupa aldeias e campos vizinhos
• Política e economicamente independente (Autarcia)
•Capacidade de defesa
 relevo montanhoso,
 numerosas ilhas
dificuldades de comunicação
isolamento da população
Factores de união:
a língua, a religião, os jogos e os costumes
Marcado por diversos factores:
 Predomínio da democracia, ainda que noutras cidades se
verificassem outros regimes como oligarquias, monarquias e
tirania
 Invasões persas – que ditaram a supremacia de Atenas,
graças à sua importância na vitória da Batalha de Salamina,
e que conduziram à Liga de Delos
 Modo de vida característico marcado pelo equilíbrio entre o
trabalho e o ócio, o que contribuiu para o aparecimento de
diversas atividades culturais
 Expansão da cultura helénica – graças à colonização
 Final do século Atenas perde supremacia com a guerra do
Peloponeso
Situava-se na
Peninsula Balcânica,
na Ática
Uma das poucas
zonas da Grécia com
planícies férteis.
 Guerras Pérsicas
 Superioridade dos hoplitas atenienses
 Papel de liderança na Liga de Delos, aliança defensiva,
contra as invasões dos persa.
 Tesouro da liga aproveitado para obras em Atenas
 Pagamento de tributos a Atenas
Módulo 1   contexto histórico regular
Módulo 1   contexto histórico regular
Módulo 1   contexto histórico regular
Módulo 1   contexto histórico regular
 A pólis era constituída por:
 Acrópole, situada na parte mais alta da cidade, onde se encontrava o
principal templo, onde se guardava o tesouro da cidade, era o primeiro
espaço muralhado.
 Ágora, ou praça pública, era a parte mais baixa da cidade, onde se
encontravam as zonas residenciais, administrativas e comerciais.
Constituía o centro da cidade e aí se desenvolvia o debate político, o
convívio social e se realizavam as trocas comerciais.
 Zona rural, com campos, pastos e bosques, servia para abastecer a
cidade de produtos agrícolas.
 Porto, porto era da máxima importância para o comércio que os
gregos faziam pelo Mediterrâneo
 Principal atividade era o comércio marítimo - Exportavam vinho, azeite
e produtos artesanais e Importavam cereais, madeira e metais.
 Também desenvolveram:
 Agricultura (cereais; vinha; produção de mel e extração de madeira,
árvores de fruto - oliveira, figueira, amendoeira)
 Exploração do subsolo (prata e mármore)
 Artesanato (cerâmica; construção naval; metalurgia; joalharia)
 Pesca, o peixe era um dos principais alimentos dos atenienses.
 Para facilitar o comércio passaram a utilizar a moeda – o dracma
 Muito do trabalho era feito por escravos
Cidadãos Metecos Escravos
Cidadãos
 Homens livres; filhos de pai e mãe atenienses,
maiores de 18 anos; serviço militar cumprido; tinham
direitos políticos e só eles podiam possuir terras
Metecos
 Estrangeiros que viviam em Atenas; eram homens
livres mas não tinham direitos políticos; tinham que
pagar impostos e cumprir o serviço militar;
dedicavam-se ao comércio e ao artesanato;
Escravos
 Grupo mais numeroso da sociedade ateniense;
prisioneiros de guerra ou cidadãos condenados por
dívidas; não tinham direitos; faziam os trabalhos mais
duros e em situações especiais podiam conseguir a
liberdade
Atenas foi governada por diversos sistemas
políticos:
•A monarquia/oligarquia: o poder pertencia ao
rei ou aos nobres;
•A tirania: o poder pertencia a um único
governante que tomava todas as decisões;
Os conflitos sociais levaram Sólon/Clistenes a
realizar reformas que defendiam a igualdade de
direitos políticos, entre todos os cidadãos. Esta
reforma foi concluída por Péricles dando origem à
.
Clístenes
Péricles
REFORMADORES:
 Sólon
 pôs fim à escravatura por dívidas;
 Clístenes
 estabeleceu uma nova divisão administrativa
do território (Demos)
 reconheceu a igualdade de direitos a todos os
cidadãos;
 Péricles
 remunerou o exercício dos cargos públicos
com as Mistoforias
demos=povo + kratos= poder.
Regime político no qual a soberania é exercida pelo
pertence ao conjunto dos cidadãos.
Características da democracia ateniense
 Democracia Direta
 Isonomia (igualdade perante as leis)
 Isocracia (igualdade do acesso aos cargos) - maioria dos cargos
por sorteio e com mandatos anuais, quem tivesse cargos
públicos era pago pelas Mistoforias)
 Isegoria (igualdade no acesso à palavra);
Módulo 1   contexto histórico regular
 Só os cidadãos podiam participar no governo da
cidade;
 Dificuldade dos cidadãos que habitavam nos campos
em ir às assembleias;
 Existência de escravos numa forma de governo que
defendia a igualdade de direitos;
 Imperialismo exercido por Atenas através da Liga de
Delos
 A existência da condenação ao ostracismo e à morte;
 Limitação à liberdade de expressão; quem
conspirasse contra a democracia era condenado ao
ostracismo.
Grandes festas cívico-religiosas: Abertas
aos cidadãos ou a toda a Hélade)
 Rituais religiosos
 Festivais de teatro, música, poesia
 Provas desportivas
 Concursos de beleza masculina
União entre cidadão (participação cívica)
lazer e sociabilidade
grandeza de Atenas
Panateneias
Dionísio e o teatro
Mitologia- Conjunto de contos
ou histórias, sobre os deuses
que procuravam explicar os
fenómenos que o ser humano
não conseguia compreender,
como a formação da terra, etc..
Também podiam falar sobre
aspetos morais e da condição
humana (do bem e do mal, da
origem humana, vida e morte)
Módulo 1   contexto histórico regular
 Deuses
• eram semelhantes aos
humanos (Características
físicas e traços de caráter)
• Eram imortais e tinham
poderes
• viviam na terra, no monte
Olimpo
 Acreditavam em heróis,
semideuses e criaturas
mitológicas como os
centauros, ou sátiros, etc.
 Procuravam os oráculos como
forma de orientar as suas
vidas
1º - Colónias da Ásia Menor, séc. IV a. C.
Desenvolvimento económico e bem-estar
Ócio
Intercâmbio cultural
espírito crítico e reflexivo:
explicações coerentes e racionais
Nasce a FILOSOFIA
Pitágoras
Anaximandro
2º Atenas, séc. V a.C
Situação económica, política e cultural
favorável
Sofistas
Concentram a atenção no Homem
enquanto ser pensante
Perspetiva humanista:
o Homem e a sua ação, a procura da
verdade
FILÓSOFOS SOCRÁTICOS
Protágoras
"O homem é a medida de
todas as coisas, das coisas
que são, enquanto são, das
coisas que não são, enquanto
não são."
 Filosofia antropológica: conhecimento do
Homem, de si próprio e do que o rodeia
 Método da dialética (diálogo)
 Chegar à Virtude, à Verdade, ao Belo, ao
Bem
 Objectivo: orientar o Homem, na sua vida
individual e social
“Só sei que nada sei e o facto de saber isso
coloca-me em vantagem sobre aqueles que
acham que sabem alguma coisa”
 Valoriza a Razão e a Moral
 Defende o conhecimento recorrendo aos
conceitos racionais (Ideias)
 Sociedade perfeita, justa, em harmonia
com a Natureza (“A República”)
 Fundou no ginásio, Academos, a
Academia
“Não há nada bom nem mau a não ser estas
duas coisas: a sabedoria que é um bem e a
ignorância que é um mal.”
 Fundador da lógica e do espírito científico
 Procurava causas e leis gerais que regem a
matéria através:
 observação do real
 Experimentação
 valorização da razão
 Foi mestre de Alexandre Magno
 Fundou o Liceu, em Atenas onde surge a 1ª
grande biblioteca (saber enciclopédico)
“O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato
reflete.”
Século V – Apogeu
Péricles promove restauros e novas construções (ex. Acrópole entregue a Fídias)
Torna-se atracão para artistas, filósofos, intelectuais
ATENAS : centro cultural e artístico
Finais do séc. V a.C (Guerra do Peloponeso) - Decadência
Acaba por perder a independência em 338 a.C.
Continuou a ser um importante centro filosófico cultural e
artístico
 Caracterizar o contexto geográfico da Grécia relacionando-o com o modo de vida dos gregos.
 Definir Pólis e caracterizá-la quanto aos espaços que a constituem
 Justificar a formação da Pólis
 Justificar a superioridade ateniense no século V
 Explicar a importância de Péricles para o desenvolvimento da democracia ateniense e para a superioridade
ateniense
 Caracterizar a sociedade ateniense
 Caracterizar a democracia ateniense estabelecendo paralelismos com o presente
 Avaliar a democracia ateniense quanto ao respeito pelas suas características
 Caracterizar a mitologia e culto em Atenas
 Explicar o aparecimento da Filosofia e o seu carácter antropológico em Atenas
 Reconhecer a importância de alguns filósofos socráticos para o desenvolvimento do pensamento racional
centrado no homem.
Módulo 1   contexto histórico regular

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquiteturaArte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
Susana Simões
 
1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora
Vítor Santos
 
Ceramica grega
Ceramica gregaCeramica grega
Ceramica grega
Ana Barreiros
 
Módulo 1 contexto histórico profissional
Módulo 1   contexto histórico profissionalMódulo 1   contexto histórico profissional
Módulo 1 contexto histórico profissional
Carla Freitas
 
Exame módulo 1 de HCA
Exame módulo 1 de HCAExame módulo 1 de HCA
Exame módulo 1 de HCA
teresagoncalves
 
A arte grega parte 1
A arte grega parte 1A arte grega parte 1
A arte grega parte 1
Carla Teixeira
 
Partenon e Templo Deusa Niké
Partenon e Templo Deusa NikéPartenon e Templo Deusa Niké
Partenon e Templo Deusa Niké
Ana Barreiros
 
A cultura da ágora
A cultura da ágoraA cultura da ágora
A cultura da ágora
Rui Dário
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
Ana Barreiros
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
cattonia
 
MÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfMÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdf
josepinho
 
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Hca Faro
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
Ana Barreiros
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
Ana Barreiros
 
Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1   pintura e cerâmica grega regularMódulo 1   pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
Carla Freitas
 
Templo da deusa niké
Templo da deusa nikéTemplo da deusa niké
Templo da deusa niké
Ana Barreiros
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
Carla Freitas
 
Exame mód.1 mv - critérios
Exame   mód.1 mv - critériosExame   mód.1 mv - critérios
Exame mód.1 mv - critérios
teresagoncalves
 
A batalha de salamina
A batalha de salaminaA batalha de salamina
A batalha de salamina
Ana Barreiros
 
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdfMódulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
NunoOliveira413523
 

Mais procurados (20)

Arte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquiteturaArte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
 
1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora
 
Ceramica grega
Ceramica gregaCeramica grega
Ceramica grega
 
Módulo 1 contexto histórico profissional
Módulo 1   contexto histórico profissionalMódulo 1   contexto histórico profissional
Módulo 1 contexto histórico profissional
 
Exame módulo 1 de HCA
Exame módulo 1 de HCAExame módulo 1 de HCA
Exame módulo 1 de HCA
 
A arte grega parte 1
A arte grega parte 1A arte grega parte 1
A arte grega parte 1
 
Partenon e Templo Deusa Niké
Partenon e Templo Deusa NikéPartenon e Templo Deusa Niké
Partenon e Templo Deusa Niké
 
A cultura da ágora
A cultura da ágoraA cultura da ágora
A cultura da ágora
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
MÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfMÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdf
 
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1   pintura e cerâmica grega regularMódulo 1   pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
 
Templo da deusa niké
Templo da deusa nikéTemplo da deusa niké
Templo da deusa niké
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
 
Exame mód.1 mv - critérios
Exame   mód.1 mv - critériosExame   mód.1 mv - critérios
Exame mód.1 mv - critérios
 
A batalha de salamina
A batalha de salaminaA batalha de salamina
A batalha de salamina
 
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdfMódulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
 

Semelhante a Módulo 1 contexto histórico regular

M1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseM1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo ateniense
João Neves
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
Lucio Oliveira
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
Margarida Moreira
 
Resumo grécia
Resumo gréciaResumo grécia
Resumo grécia
Péricles Penuel
 
Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
Civilizacaogrega
Nuno Pinto
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
ISJ
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
Victor Melo
 
Grécia Antiga - Aula 2
Grécia Antiga - Aula 2Grécia Antiga - Aula 2
Grécia Antiga - Aula 2
Escola Modelo de Iguatu
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
cattonia
 
Os Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo VOs Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo V
Sílvia Mendonça
 
Civilização grega
Civilização gregaCivilização grega
Civilização grega
mundica broda
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
Braulio Santos Pereira
 
GRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGAGRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGA
Jackeline Póvoas
 
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia AntigaCapítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
ISJ
 
Civilizações do Mundo
Civilizações do MundoCivilizações do Mundo
Civilizações do Mundo
PanquecasSIAA
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Alexandre Protásio
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
ricardup
 
Grecia
GreciaGrecia
Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.
Rainha Maga
 

Semelhante a Módulo 1 contexto histórico regular (20)

M1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseM1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo ateniense
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
Resumo grécia
Resumo gréciaResumo grécia
Resumo grécia
 
Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
Civilizacaogrega
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
Grécia Antiga - Aula 2
Grécia Antiga - Aula 2Grécia Antiga - Aula 2
Grécia Antiga - Aula 2
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
 
Os Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo VOs Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo V
 
Civilização grega
Civilização gregaCivilização grega
Civilização grega
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
GRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGAGRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGA
 
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia AntigaCapítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
Civilizações do Mundo
Civilizações do MundoCivilizações do Mundo
Civilizações do Mundo
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.
 

Mais de Carla Freitas

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
Carla Freitas
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
Carla Freitas
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Carla Freitas
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
Carla Freitas
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
Carla Freitas
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
Carla Freitas
 

Mais de Carla Freitas (20)

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
 

Último

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 

Módulo 1 contexto histórico regular

  • 1. Módulo 1- Cultura da Ágora Contexto Histórico HCA 10º Ano Prof. Carla Freitas
  • 3. Contribuiu para a expansão da cultura grega
  • 4. Grécia Continental Faz parte da Península Balcânica Grécia Insular – parte constituída por mais de 1400 ilhas nos Mares Egeu e Jónio (actualmente são habitadas 227 ilhas) Grécia Asiática – Parte que se localiza na Ásia Menor
  • 5. • Terreno muito montanhoso (cerca de 80%); • Apresenta vales profundos e pequenas e raras planícies; • O solo é pobre, por isso a agricultura é pouco produtiva; • O clima é Mediterrânico, com verões quentes e secos, os invernos são amenos e pouco chuvosos; • Costa muito recortada e numerosos portos naturais; • Mar calmo e facilmente navegável.
  • 6. Motivos:  A necessidade de terras férteis para a agricultura;  A procura de matérias-primas;  A procura de produtos para comercializar e de mercados para vender os seus produtos.  Fuga a lutas e dificuldades em meados do séc. VIII a.C. Mantinham ligações comerciais, religiosas e culturais intensas, o que contribuiu para expandir a arte e a cultura helénicas.
  • 7. . Cidades-Estado ou Pólis: •Território rural envolvente: agrupa aldeias e campos vizinhos • Política e economicamente independente (Autarcia) •Capacidade de defesa  relevo montanhoso,  numerosas ilhas dificuldades de comunicação isolamento da população Factores de união: a língua, a religião, os jogos e os costumes
  • 8. Marcado por diversos factores:  Predomínio da democracia, ainda que noutras cidades se verificassem outros regimes como oligarquias, monarquias e tirania  Invasões persas – que ditaram a supremacia de Atenas, graças à sua importância na vitória da Batalha de Salamina, e que conduziram à Liga de Delos  Modo de vida característico marcado pelo equilíbrio entre o trabalho e o ócio, o que contribuiu para o aparecimento de diversas atividades culturais  Expansão da cultura helénica – graças à colonização  Final do século Atenas perde supremacia com a guerra do Peloponeso
  • 9. Situava-se na Peninsula Balcânica, na Ática Uma das poucas zonas da Grécia com planícies férteis.
  • 10.  Guerras Pérsicas  Superioridade dos hoplitas atenienses  Papel de liderança na Liga de Delos, aliança defensiva, contra as invasões dos persa.  Tesouro da liga aproveitado para obras em Atenas  Pagamento de tributos a Atenas
  • 15.  A pólis era constituída por:  Acrópole, situada na parte mais alta da cidade, onde se encontrava o principal templo, onde se guardava o tesouro da cidade, era o primeiro espaço muralhado.  Ágora, ou praça pública, era a parte mais baixa da cidade, onde se encontravam as zonas residenciais, administrativas e comerciais. Constituía o centro da cidade e aí se desenvolvia o debate político, o convívio social e se realizavam as trocas comerciais.  Zona rural, com campos, pastos e bosques, servia para abastecer a cidade de produtos agrícolas.  Porto, porto era da máxima importância para o comércio que os gregos faziam pelo Mediterrâneo
  • 16.  Principal atividade era o comércio marítimo - Exportavam vinho, azeite e produtos artesanais e Importavam cereais, madeira e metais.  Também desenvolveram:  Agricultura (cereais; vinha; produção de mel e extração de madeira, árvores de fruto - oliveira, figueira, amendoeira)  Exploração do subsolo (prata e mármore)  Artesanato (cerâmica; construção naval; metalurgia; joalharia)  Pesca, o peixe era um dos principais alimentos dos atenienses.  Para facilitar o comércio passaram a utilizar a moeda – o dracma  Muito do trabalho era feito por escravos
  • 18. Cidadãos  Homens livres; filhos de pai e mãe atenienses, maiores de 18 anos; serviço militar cumprido; tinham direitos políticos e só eles podiam possuir terras Metecos  Estrangeiros que viviam em Atenas; eram homens livres mas não tinham direitos políticos; tinham que pagar impostos e cumprir o serviço militar; dedicavam-se ao comércio e ao artesanato; Escravos  Grupo mais numeroso da sociedade ateniense; prisioneiros de guerra ou cidadãos condenados por dívidas; não tinham direitos; faziam os trabalhos mais duros e em situações especiais podiam conseguir a liberdade
  • 19. Atenas foi governada por diversos sistemas políticos: •A monarquia/oligarquia: o poder pertencia ao rei ou aos nobres; •A tirania: o poder pertencia a um único governante que tomava todas as decisões; Os conflitos sociais levaram Sólon/Clistenes a realizar reformas que defendiam a igualdade de direitos políticos, entre todos os cidadãos. Esta reforma foi concluída por Péricles dando origem à . Clístenes Péricles
  • 20. REFORMADORES:  Sólon  pôs fim à escravatura por dívidas;  Clístenes  estabeleceu uma nova divisão administrativa do território (Demos)  reconheceu a igualdade de direitos a todos os cidadãos;  Péricles  remunerou o exercício dos cargos públicos com as Mistoforias
  • 21. demos=povo + kratos= poder. Regime político no qual a soberania é exercida pelo pertence ao conjunto dos cidadãos. Características da democracia ateniense  Democracia Direta  Isonomia (igualdade perante as leis)  Isocracia (igualdade do acesso aos cargos) - maioria dos cargos por sorteio e com mandatos anuais, quem tivesse cargos públicos era pago pelas Mistoforias)  Isegoria (igualdade no acesso à palavra);
  • 23.  Só os cidadãos podiam participar no governo da cidade;  Dificuldade dos cidadãos que habitavam nos campos em ir às assembleias;  Existência de escravos numa forma de governo que defendia a igualdade de direitos;  Imperialismo exercido por Atenas através da Liga de Delos  A existência da condenação ao ostracismo e à morte;  Limitação à liberdade de expressão; quem conspirasse contra a democracia era condenado ao ostracismo.
  • 24. Grandes festas cívico-religiosas: Abertas aos cidadãos ou a toda a Hélade)  Rituais religiosos  Festivais de teatro, música, poesia  Provas desportivas  Concursos de beleza masculina União entre cidadão (participação cívica) lazer e sociabilidade grandeza de Atenas Panateneias Dionísio e o teatro
  • 25. Mitologia- Conjunto de contos ou histórias, sobre os deuses que procuravam explicar os fenómenos que o ser humano não conseguia compreender, como a formação da terra, etc.. Também podiam falar sobre aspetos morais e da condição humana (do bem e do mal, da origem humana, vida e morte)
  • 27.  Deuses • eram semelhantes aos humanos (Características físicas e traços de caráter) • Eram imortais e tinham poderes • viviam na terra, no monte Olimpo  Acreditavam em heróis, semideuses e criaturas mitológicas como os centauros, ou sátiros, etc.  Procuravam os oráculos como forma de orientar as suas vidas
  • 28. 1º - Colónias da Ásia Menor, séc. IV a. C. Desenvolvimento económico e bem-estar Ócio Intercâmbio cultural espírito crítico e reflexivo: explicações coerentes e racionais Nasce a FILOSOFIA Pitágoras Anaximandro
  • 29. 2º Atenas, séc. V a.C Situação económica, política e cultural favorável Sofistas Concentram a atenção no Homem enquanto ser pensante Perspetiva humanista: o Homem e a sua ação, a procura da verdade FILÓSOFOS SOCRÁTICOS Protágoras "O homem é a medida de todas as coisas, das coisas que são, enquanto são, das coisas que não são, enquanto não são."
  • 30.  Filosofia antropológica: conhecimento do Homem, de si próprio e do que o rodeia  Método da dialética (diálogo)  Chegar à Virtude, à Verdade, ao Belo, ao Bem  Objectivo: orientar o Homem, na sua vida individual e social “Só sei que nada sei e o facto de saber isso coloca-me em vantagem sobre aqueles que acham que sabem alguma coisa”
  • 31.  Valoriza a Razão e a Moral  Defende o conhecimento recorrendo aos conceitos racionais (Ideias)  Sociedade perfeita, justa, em harmonia com a Natureza (“A República”)  Fundou no ginásio, Academos, a Academia “Não há nada bom nem mau a não ser estas duas coisas: a sabedoria que é um bem e a ignorância que é um mal.”
  • 32.  Fundador da lógica e do espírito científico  Procurava causas e leis gerais que regem a matéria através:  observação do real  Experimentação  valorização da razão  Foi mestre de Alexandre Magno  Fundou o Liceu, em Atenas onde surge a 1ª grande biblioteca (saber enciclopédico) “O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete.”
  • 33. Século V – Apogeu Péricles promove restauros e novas construções (ex. Acrópole entregue a Fídias) Torna-se atracão para artistas, filósofos, intelectuais ATENAS : centro cultural e artístico Finais do séc. V a.C (Guerra do Peloponeso) - Decadência Acaba por perder a independência em 338 a.C. Continuou a ser um importante centro filosófico cultural e artístico
  • 34.  Caracterizar o contexto geográfico da Grécia relacionando-o com o modo de vida dos gregos.  Definir Pólis e caracterizá-la quanto aos espaços que a constituem  Justificar a formação da Pólis  Justificar a superioridade ateniense no século V  Explicar a importância de Péricles para o desenvolvimento da democracia ateniense e para a superioridade ateniense  Caracterizar a sociedade ateniense  Caracterizar a democracia ateniense estabelecendo paralelismos com o presente  Avaliar a democracia ateniense quanto ao respeito pelas suas características  Caracterizar a mitologia e culto em Atenas  Explicar o aparecimento da Filosofia e o seu carácter antropológico em Atenas  Reconhecer a importância de alguns filósofos socráticos para o desenvolvimento do pensamento racional centrado no homem.