SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Unindo conhecimento em prol
Fenologia e Fisiologia
da soja
Marta Guimarães Soares Araújo
1. Introdução;
2. Os estádios fenológicos;
3. Os ciclos c3 e c4;
4. Principais hormônios;
5. Hábito de crescimento;
6. Ecofisiologia da soja.
Sumário:
2
“Fenologia refere-se a parte da botânica que estuda as diferentes
fases do crescimento e desenvolvimento das plantas, tanto a
vegetativa quanto a reprodutiva, demarcando lhes as épocas de
ocorrência e as respectivas características.”
- Gil Miguel de Sousa Câmera.
Introdução:
3
“A partir dos caracteres morfológicos se define as necessidades
fisiológicas do vegetal naquele dado momento, facilitando, assim,
a interferência para garantia de bons resultados na lavoura.”
- Autor desconhecido.
Introdução:
4
“A fisiologia estuda os processos e funções do vegetal, bem como
as respostas das plantas às variações do meio ambiente (solo,
clima e outras espécies vegetais e animais).”
- Autor desconhecido.
Introdução:
5
 A linguagem usada na fenologia:
1. Foi Criada por Fehr e Caviness, em 1977;
2. Complementada por Ritchie et al, em 1977.
Exemplo: Ve, Vc, V1,... R1, R2, R3, R4, R5.1, R5.2...
 Idade fenológica é diferente de idade cronológica.
Os estádios fenológicos:
6
 São divididos em 2 fases:
1. Estádios vegetativos;
2. Estádios reprodutivos.
Os estádios fenológicos:
7
Fonte: Andrii Bezvershenko, Dreamstime.
 No estádio vegetativo:
 Ve: Emergência;
 Vc: Cotilédone desenvolvido.
Os estádios fenológicos:
8
Fonte: Cnptia Embrapa, 2000. Fonte: Cnptia Embrapa, 2000.
 V1:
Os estádios fenológicos:
9
Fonte: Cnptia Embrapa, 2000.
• Abertura total das
folhas
unifolioladas;
• Primeira folha
trifoliolada;
• Inicio do
acumulo de
matéria seca.
 V2:
Os estádios fenológicos:
10
Fonte: Cnptia Embrapa, 2000.
• Caída das folhas
cotiledonares;
• Começo do
desenvolvimento
autrófico;
• Ínicio da fixação
de nitrogênio.
 V3:
Os estádios fenológicos:
11
Fonte: Cnptia Embrapa, 2000.
• Irá até Vn;
• Pulverização de
cobalto e molibdênio;
• Em V5, começa-se a
realizar panos de
batida.
 R1 e R2:
Os estádios fenológicos:
12
Fonte: Cnptia Embrapa, 2000. Fonte: Cnptia Embrapa, 2000.
Apenas uma flor
aberta
Mais de uma
flor aberta
 R3 e R4:
Os estádios fenológicos:
13
Fonte: Cnptia Embrapa, 2016.
R3. R4.
 R5:
Os estádios fenológicos:
14
Fonte: Cnptia Embrapa, 2016.
• Passagem da
matéria seca
para os grãos;
• Divididos em
5 sub estádios
(Ritchie et al.
1977).
R5.1 R5.3 R5.5
Sub estádios em R5:
Os estádios fenológicos:
15
Fonte: Cnptia Embrapa, 2000.
 R6, R7 e R8:
Os estádios fenológicos:
16
Fonte: Cnptia Embrapa, 2016.
R6 R7.3 R8
• R7 se divide em
3 sub estádios;
• R8 divide se em
2 sub estádios;
• É feita a colheita
com 16% da
umidade.
Os estádios fenológicos:
17
Estádi
o
Denominação Descrição
R1 Inicio do florescimento Uma flor aberta em qualquer nó da haste principal.
R2 Florescimento pleno Uma flor aberta num dos 2 últimos nós da haste principal,
com folha completamente desenvolvidas.
R3 Inicio da formação de vagem Vagem com 5mm de comprimento num dos 4 últimos nós
da haste principal, com folha completamente desenvolvida.
R4 Vagem completamente desenvolvida Vagem com 2cm de comprimento num dos 4 últimos nós
da haste principal, com folha completamente desenvolvida.
R5 Inicio do enchimento de grãos Grão com 3mm de comprimento em vagem num dos 4
últimos nós da haste principal, com folha completamente
desenvolvida.
R6 Grãos verdes ou vagem cheia Uma vagem contendo grãos verdes preenchendo a
cavidade das vagens de um dos 4 últimos nós da haste
principal, com folha completamente desenvolvida.
R7 Inicio da maturação Uma vagem normal na haste principal com coloração de
madura .
R8 Maturação plena 95% das vagens com coloração de madura.
Fonte:CnptiaEmbrapa,2000.
 Existem 3 tipos de crescimento
1. Determinado;
2. Semi determinado;
3. Indeterminado.
Hábito de crescimento:
18
Hábito de crescimento:
19
Indeterminado.
Semi-determinado.
Determinado.
Fonte: Biblioteca Setorial da faculdade de Agronomia- UFRGS, 2018.
Ciclo C3 e C4:
20
Fonte: Educapoint, 2020.
Ciclo C3 e C4:
21
Fonte: Embrapa, 2019.
Ciclo C3 e C4:
22
Fonte:cbvfisiolgiavegetal,2012.
Ciclo C3 e C4:
23
Fonte: Embrapa, 2019.
Ciclo C3 e C4:
24
Fonte: Educapoint, 2020.
 Presença de fotorrespiração em plantas C3;
 85% das plantas são C3;
 As plantas c4 possuem mais eficiência em temperaturas
acimas de 30°.
Ciclo C3 e C4:
25
Tabela de comparação de desempenho entre plantas C3 e C4.
Ciclo C3 e C4:
26
C3 C4
Fotorrespiração Possui Não possui
Temperatura ótima 20-25 30-45
Eficiência quântica X
temperatura
Diminui Constante
Taxa de transpiração 500-1000 200-350
“Substância química biologicamente ativa, produzida por uma
planta que, em baixas concentrações regula determinados
processos fisiológicos, sendo em geral produzido por uma parte
da planta e transloucada para promover a ação em outra parte.”
- Biasi, 2002.
Principais hormônios:
27
 Os hormônios são diferentes dos reguladores vegetais.
 Os principais hormônios vegetais são:
1. Auxinas;
2. Giberelinas;
3. Citocininas;
4. Acido abscísico;
5. Etileno;
6. Sistemina, (Fosket 1944).*
Principais hormônios:
28
 Auxinas:
1. Principal: ácido 3-indolacético
(AIA);
2. Transportado de célula a célula;
3. Funções:
1. Alongamento celular;*
2. Tropismo;*
3. Formação de raízes;*
4. Divisão celular;
5. Diferenciação de tecidos vasculares;
6. Dominância apical;
7. Senescência foliar;
8. Abscisão de folhas e frutos;
9. Retardo e amadurecimento de frutos.
Principais hormônios:
29
Fonte:Abrasem,2019.Fonte:CnptiaEmbrapa,2000.
 Giberelinas:
1. Existem cerca de 118 tipos
atualmente;
2. Transporte feito pelo floema e
xilema;
3. Funções
1. Crescimento do caule;*
2. Induz a germinação da semente;*
3. Indução a masculinidade em flores
dioicas.*
4. Produção de enzimas durante a
germinação;
5. Crescimento de frutos;
Principais hormônios:
30
Fonte:Alamy,2017.Fonte:CnptiaEmbrapa,2000.
 Citocininas:
1. Relação com o hormônio
AIA;
2. Transportado pelo xilema;
3. Funções:
 Divisão celular;*
 Morfogênese;*
 Quebra de dominância apical;*
 Crescimento de brotos laterais;*
 Expansão foliar;
 Retardo da senescência foliar;
 Abertura dos estômatos,
 Desenvolvimento de cloroplastos.
Principais hormônios:
31
Fonte:Alamy,2017.
Fonte:RevistaCultivar,2017.
 Ácido abscísico:
Principais hormônios:
32
Fonte: Cnptia Embrapa, 2000. Fonte: Dias, 2020.
 Ácido Abscísico:
1. Transporte feito pelo floema e xilema;
2. Funções:
 Fechamento dos estômatos;
 Dormência de gemas;
 Senescência e abscisão;
 Indução a síntese de proteínas em sementes.
Principais hormônios:
33
 Etileno:
1. Potente hormônio vegetal;
2. Movimenta-se por difusão;
3. Função:
 Quebra de dormência;
 Epinastia;
 Abscisão de folhas e
frutos;
 Floração;
 Amadurecimento de
frutos.*
Principais hormônios:
34
Fonte:Dias,2020.
“Investigar o comportamento fisiológico de plantas frente às
diferentes condições físicas, químicas e biológicas do
ambiente, visando responder questões referentes a fatores que
controlam seu crescimento, sobrevivência, abundância e
distribuição espacial e temporal.”
- Programa de pós graduação em botânica, UFRGS.
Ecofisiologia da soja:
35
 Temperatura:
1. Regiões com temperaturas entre 20° e 30°;
2. Lugares com temperaturas menores que 10° e maiores que 40°
são inadequadas;
3. Floração ocorre com temperaturas acima de 13°.
Ecofisiologia da soja:
36
Ecofisiologia da soja:
37
Fonte: Embrapa, 1998.
 Fotoperíodo:
1. A soja é considerada planta de dia curto;
2. Quanto mais próximo do equador menor é a amplitude do
fotoperíodo ao longo do ano;
3. Solução: cultivares com período juvenil longo.
Ecofisiologia da soja:
38
 Como funciona a indução ao florescimento?
Atinge o valor crítico do fotoperíodo;
Ecofisiologia da soja:
39
Fonte: Cnptia Embrapa, 2005.
 Água:
1. Principal fator limitante para uma alta produção;
2. É aproximadamente 90% do peso da planta;
3. Germinação da semente com 50% do seu peso em água;
4. 450mm a 800mm/ ciclo.
Ecofisiologia da soja:
40
Ecofisiologia da soja:
41
Fonte: Berlato e Bergamaschi, 1979.
Ecofisiologia da soja:
42
Fonte: Embrapa Soja, 2007.
Ecofisiologia da soja:
43
Fonte: Fitotecnia UFRGS, 1992.
Ecofisiologia da soja:
44
Fonte:Castilho,2019.
 Zoneamento de risco climático:
1. Definir áreas menos sujeitas a riscos de insucessos devido as
adversidade climáticas;*
2. O zoneamento de risco climático é diferente de aptidão de
terras.
Ecofisiologia da soja:
45
Ecofisiologia da soja:
46
Fonte: Cnptia Embrapa, 1997.
Ecofisiologia da soja:
47
Fonte: Cnptia Embrapa, 1997.
Ecofisiologia da soja:
48
Fonte: Cnptia Embrapa, 1997.
Unindo conhecimento em prol
Marta Guimarães Soares Araújo
soaresaraujo00@gmail.com
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na sojaGeagra UFG
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGeagra UFG
 
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaGustavo Avila
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoGeagra UFG
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAGeagra UFG
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaGeagra UFG
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaGeagra UFG
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Geagra UFG
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoGeagra UFG
 
CULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJACULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJAGeagra UFG
 
Sorgo: Colheita e beneficiamento
Sorgo: Colheita e beneficiamento			 			Sorgo: Colheita e beneficiamento
Sorgo: Colheita e beneficiamento Geagra UFG
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozGeagra UFG
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaGeagra UFG
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptxNUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptxGeagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do GirassolFenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do GirassolGeagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoGeagra UFG
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
 
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
CULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJACULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJA
 
Sorgo: Colheita e beneficiamento
Sorgo: Colheita e beneficiamento			 			Sorgo: Colheita e beneficiamento
Sorgo: Colheita e beneficiamento
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptxNUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
 
Tratamento de sementes
Tratamento de sementesTratamento de sementes
Tratamento de sementes
 
Fenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do GirassolFenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do Girassol
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
 

Semelhante a Fenologia e Fisiologia da soja

Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.Geagra UFG
 
Macronutrientes geta
Macronutrientes getaMacronutrientes geta
Macronutrientes getaIury Felix
 
Cromatografia para Planejar a Agroecologia pós Covid-19
Cromatografia para Planejar a Agroecologia pós Covid-19Cromatografia para Planejar a Agroecologia pós Covid-19
Cromatografia para Planejar a Agroecologia pós Covid-19Blanco agriCultura
 
Aplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do MilhoAplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do MilhoGeagra UFG
 
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerradoManejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerradodaviagr
 
Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...
Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...
Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...adrianaqalmeida
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseGeagra UFG
 
Capim limão orgânico
Capim limão orgânicoCapim limão orgânico
Capim limão orgânicoFabio Morais
 
1 teórica - conceitos de fertilidade do solo
1   teórica - conceitos de fertilidade do solo1   teórica - conceitos de fertilidade do solo
1 teórica - conceitos de fertilidade do soloVanessa 2 DOMINGOS
 
PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTURAS SOB PLANTIO DI...
PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS EM DIFERENTES SISTEMAS DE  CULTURAS SOB PLANTIO DI...PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS EM DIFERENTES SISTEMAS DE  CULTURAS SOB PLANTIO DI...
PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTURAS SOB PLANTIO DI...Francihele Müller
 
Inoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e BioestimulantesInoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e BioestimulantesGeagra UFG
 
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sobUtilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sobJose Carvalho
 
Relacao inseto-planta.pdf
Relacao inseto-planta.pdfRelacao inseto-planta.pdf
Relacao inseto-planta.pdfNdiaOliveira40
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinaismnmaill
 
Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)João Carraça
 
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.Jose Carvalho
 

Semelhante a Fenologia e Fisiologia da soja (20)

Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
 
Macronutrientes geta
Macronutrientes getaMacronutrientes geta
Macronutrientes geta
 
Cromatografia para Planejar a Agroecologia pós Covid-19
Cromatografia para Planejar a Agroecologia pós Covid-19Cromatografia para Planejar a Agroecologia pós Covid-19
Cromatografia para Planejar a Agroecologia pós Covid-19
 
Aplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do MilhoAplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do Milho
 
Trabalhos de Iniciação Científica
Trabalhos de Iniciação CientíficaTrabalhos de Iniciação Científica
Trabalhos de Iniciação Científica
 
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerradoManejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
 
Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...
Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...
Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Capim limão orgânico
Capim limão orgânicoCapim limão orgânico
Capim limão orgânico
 
1 teórica - conceitos de fertilidade do solo
1   teórica - conceitos de fertilidade do solo1   teórica - conceitos de fertilidade do solo
1 teórica - conceitos de fertilidade do solo
 
PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTURAS SOB PLANTIO DI...
PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS EM DIFERENTES SISTEMAS DE  CULTURAS SOB PLANTIO DI...PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS EM DIFERENTES SISTEMAS DE  CULTURAS SOB PLANTIO DI...
PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTURAS SOB PLANTIO DI...
 
Inoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e BioestimulantesInoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e Bioestimulantes
 
Aula de compostagem
Aula de  compostagemAula de  compostagem
Aula de compostagem
 
Aula de compostagem
Aula de  compostagemAula de  compostagem
Aula de compostagem
 
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sobUtilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
 
Circulartecnica 73
Circulartecnica 73Circulartecnica 73
Circulartecnica 73
 
Relacao inseto-planta.pdf
Relacao inseto-planta.pdfRelacao inseto-planta.pdf
Relacao inseto-planta.pdf
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
 
Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)
 
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
 

Mais de Geagra UFG

INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxGeagra UFG
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxGeagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfGeagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxGeagra UFG
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaGeagra UFG
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxGeagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA Geagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxGeagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxGeagra UFG
 
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoGeagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
 
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milho
 

Fenologia e Fisiologia da soja

  • 1. Unindo conhecimento em prol Fenologia e Fisiologia da soja Marta Guimarães Soares Araújo
  • 2. 1. Introdução; 2. Os estádios fenológicos; 3. Os ciclos c3 e c4; 4. Principais hormônios; 5. Hábito de crescimento; 6. Ecofisiologia da soja. Sumário: 2
  • 3. “Fenologia refere-se a parte da botânica que estuda as diferentes fases do crescimento e desenvolvimento das plantas, tanto a vegetativa quanto a reprodutiva, demarcando lhes as épocas de ocorrência e as respectivas características.” - Gil Miguel de Sousa Câmera. Introdução: 3
  • 4. “A partir dos caracteres morfológicos se define as necessidades fisiológicas do vegetal naquele dado momento, facilitando, assim, a interferência para garantia de bons resultados na lavoura.” - Autor desconhecido. Introdução: 4
  • 5. “A fisiologia estuda os processos e funções do vegetal, bem como as respostas das plantas às variações do meio ambiente (solo, clima e outras espécies vegetais e animais).” - Autor desconhecido. Introdução: 5
  • 6.  A linguagem usada na fenologia: 1. Foi Criada por Fehr e Caviness, em 1977; 2. Complementada por Ritchie et al, em 1977. Exemplo: Ve, Vc, V1,... R1, R2, R3, R4, R5.1, R5.2...  Idade fenológica é diferente de idade cronológica. Os estádios fenológicos: 6
  • 7.  São divididos em 2 fases: 1. Estádios vegetativos; 2. Estádios reprodutivos. Os estádios fenológicos: 7 Fonte: Andrii Bezvershenko, Dreamstime.
  • 8.  No estádio vegetativo:  Ve: Emergência;  Vc: Cotilédone desenvolvido. Os estádios fenológicos: 8 Fonte: Cnptia Embrapa, 2000. Fonte: Cnptia Embrapa, 2000.
  • 9.  V1: Os estádios fenológicos: 9 Fonte: Cnptia Embrapa, 2000. • Abertura total das folhas unifolioladas; • Primeira folha trifoliolada; • Inicio do acumulo de matéria seca.
  • 10.  V2: Os estádios fenológicos: 10 Fonte: Cnptia Embrapa, 2000. • Caída das folhas cotiledonares; • Começo do desenvolvimento autrófico; • Ínicio da fixação de nitrogênio.
  • 11.  V3: Os estádios fenológicos: 11 Fonte: Cnptia Embrapa, 2000. • Irá até Vn; • Pulverização de cobalto e molibdênio; • Em V5, começa-se a realizar panos de batida.
  • 12.  R1 e R2: Os estádios fenológicos: 12 Fonte: Cnptia Embrapa, 2000. Fonte: Cnptia Embrapa, 2000. Apenas uma flor aberta Mais de uma flor aberta
  • 13.  R3 e R4: Os estádios fenológicos: 13 Fonte: Cnptia Embrapa, 2016. R3. R4.
  • 14.  R5: Os estádios fenológicos: 14 Fonte: Cnptia Embrapa, 2016. • Passagem da matéria seca para os grãos; • Divididos em 5 sub estádios (Ritchie et al. 1977). R5.1 R5.3 R5.5
  • 15. Sub estádios em R5: Os estádios fenológicos: 15 Fonte: Cnptia Embrapa, 2000.
  • 16.  R6, R7 e R8: Os estádios fenológicos: 16 Fonte: Cnptia Embrapa, 2016. R6 R7.3 R8 • R7 se divide em 3 sub estádios; • R8 divide se em 2 sub estádios; • É feita a colheita com 16% da umidade.
  • 17. Os estádios fenológicos: 17 Estádi o Denominação Descrição R1 Inicio do florescimento Uma flor aberta em qualquer nó da haste principal. R2 Florescimento pleno Uma flor aberta num dos 2 últimos nós da haste principal, com folha completamente desenvolvidas. R3 Inicio da formação de vagem Vagem com 5mm de comprimento num dos 4 últimos nós da haste principal, com folha completamente desenvolvida. R4 Vagem completamente desenvolvida Vagem com 2cm de comprimento num dos 4 últimos nós da haste principal, com folha completamente desenvolvida. R5 Inicio do enchimento de grãos Grão com 3mm de comprimento em vagem num dos 4 últimos nós da haste principal, com folha completamente desenvolvida. R6 Grãos verdes ou vagem cheia Uma vagem contendo grãos verdes preenchendo a cavidade das vagens de um dos 4 últimos nós da haste principal, com folha completamente desenvolvida. R7 Inicio da maturação Uma vagem normal na haste principal com coloração de madura . R8 Maturação plena 95% das vagens com coloração de madura. Fonte:CnptiaEmbrapa,2000.
  • 18.  Existem 3 tipos de crescimento 1. Determinado; 2. Semi determinado; 3. Indeterminado. Hábito de crescimento: 18
  • 19. Hábito de crescimento: 19 Indeterminado. Semi-determinado. Determinado. Fonte: Biblioteca Setorial da faculdade de Agronomia- UFRGS, 2018.
  • 20. Ciclo C3 e C4: 20 Fonte: Educapoint, 2020.
  • 21. Ciclo C3 e C4: 21 Fonte: Embrapa, 2019.
  • 22. Ciclo C3 e C4: 22 Fonte:cbvfisiolgiavegetal,2012.
  • 23. Ciclo C3 e C4: 23 Fonte: Embrapa, 2019.
  • 24. Ciclo C3 e C4: 24 Fonte: Educapoint, 2020.
  • 25.  Presença de fotorrespiração em plantas C3;  85% das plantas são C3;  As plantas c4 possuem mais eficiência em temperaturas acimas de 30°. Ciclo C3 e C4: 25
  • 26. Tabela de comparação de desempenho entre plantas C3 e C4. Ciclo C3 e C4: 26 C3 C4 Fotorrespiração Possui Não possui Temperatura ótima 20-25 30-45 Eficiência quântica X temperatura Diminui Constante Taxa de transpiração 500-1000 200-350
  • 27. “Substância química biologicamente ativa, produzida por uma planta que, em baixas concentrações regula determinados processos fisiológicos, sendo em geral produzido por uma parte da planta e transloucada para promover a ação em outra parte.” - Biasi, 2002. Principais hormônios: 27
  • 28.  Os hormônios são diferentes dos reguladores vegetais.  Os principais hormônios vegetais são: 1. Auxinas; 2. Giberelinas; 3. Citocininas; 4. Acido abscísico; 5. Etileno; 6. Sistemina, (Fosket 1944).* Principais hormônios: 28
  • 29.  Auxinas: 1. Principal: ácido 3-indolacético (AIA); 2. Transportado de célula a célula; 3. Funções: 1. Alongamento celular;* 2. Tropismo;* 3. Formação de raízes;* 4. Divisão celular; 5. Diferenciação de tecidos vasculares; 6. Dominância apical; 7. Senescência foliar; 8. Abscisão de folhas e frutos; 9. Retardo e amadurecimento de frutos. Principais hormônios: 29 Fonte:Abrasem,2019.Fonte:CnptiaEmbrapa,2000.
  • 30.  Giberelinas: 1. Existem cerca de 118 tipos atualmente; 2. Transporte feito pelo floema e xilema; 3. Funções 1. Crescimento do caule;* 2. Induz a germinação da semente;* 3. Indução a masculinidade em flores dioicas.* 4. Produção de enzimas durante a germinação; 5. Crescimento de frutos; Principais hormônios: 30 Fonte:Alamy,2017.Fonte:CnptiaEmbrapa,2000.
  • 31.  Citocininas: 1. Relação com o hormônio AIA; 2. Transportado pelo xilema; 3. Funções:  Divisão celular;*  Morfogênese;*  Quebra de dominância apical;*  Crescimento de brotos laterais;*  Expansão foliar;  Retardo da senescência foliar;  Abertura dos estômatos,  Desenvolvimento de cloroplastos. Principais hormônios: 31 Fonte:Alamy,2017. Fonte:RevistaCultivar,2017.
  • 32.  Ácido abscísico: Principais hormônios: 32 Fonte: Cnptia Embrapa, 2000. Fonte: Dias, 2020.
  • 33.  Ácido Abscísico: 1. Transporte feito pelo floema e xilema; 2. Funções:  Fechamento dos estômatos;  Dormência de gemas;  Senescência e abscisão;  Indução a síntese de proteínas em sementes. Principais hormônios: 33
  • 34.  Etileno: 1. Potente hormônio vegetal; 2. Movimenta-se por difusão; 3. Função:  Quebra de dormência;  Epinastia;  Abscisão de folhas e frutos;  Floração;  Amadurecimento de frutos.* Principais hormônios: 34 Fonte:Dias,2020.
  • 35. “Investigar o comportamento fisiológico de plantas frente às diferentes condições físicas, químicas e biológicas do ambiente, visando responder questões referentes a fatores que controlam seu crescimento, sobrevivência, abundância e distribuição espacial e temporal.” - Programa de pós graduação em botânica, UFRGS. Ecofisiologia da soja: 35
  • 36.  Temperatura: 1. Regiões com temperaturas entre 20° e 30°; 2. Lugares com temperaturas menores que 10° e maiores que 40° são inadequadas; 3. Floração ocorre com temperaturas acima de 13°. Ecofisiologia da soja: 36
  • 38.  Fotoperíodo: 1. A soja é considerada planta de dia curto; 2. Quanto mais próximo do equador menor é a amplitude do fotoperíodo ao longo do ano; 3. Solução: cultivares com período juvenil longo. Ecofisiologia da soja: 38
  • 39.  Como funciona a indução ao florescimento? Atinge o valor crítico do fotoperíodo; Ecofisiologia da soja: 39 Fonte: Cnptia Embrapa, 2005.
  • 40.  Água: 1. Principal fator limitante para uma alta produção; 2. É aproximadamente 90% do peso da planta; 3. Germinação da semente com 50% do seu peso em água; 4. 450mm a 800mm/ ciclo. Ecofisiologia da soja: 40
  • 41. Ecofisiologia da soja: 41 Fonte: Berlato e Bergamaschi, 1979.
  • 42. Ecofisiologia da soja: 42 Fonte: Embrapa Soja, 2007.
  • 43. Ecofisiologia da soja: 43 Fonte: Fitotecnia UFRGS, 1992.
  • 45.  Zoneamento de risco climático: 1. Definir áreas menos sujeitas a riscos de insucessos devido as adversidade climáticas;* 2. O zoneamento de risco climático é diferente de aptidão de terras. Ecofisiologia da soja: 45
  • 46. Ecofisiologia da soja: 46 Fonte: Cnptia Embrapa, 1997.
  • 47. Ecofisiologia da soja: 47 Fonte: Cnptia Embrapa, 1997.
  • 48. Ecofisiologia da soja: 48 Fonte: Cnptia Embrapa, 1997.
  • 49. Unindo conhecimento em prol Marta Guimarães Soares Araújo soaresaraujo00@gmail.com Obrigada!