SlideShare uma empresa Scribd logo
Ana Fabyely Kams
LITERATURA DE CORDEL E A
EQUIVALÊNCIA DO ORAL E ESCRITO:
A POESIA COMO MANIFESTAÇÃO
POPULAR
Acesse: www.desmazelas.com.br
 Influências europeias trazidos pelos
colonizadores Nordeste
 Por volta de 1750 apareceram os primeiros
poetas populares que narravam histórias em
versos.
 Manifestação popular
CORDEL
cantada
declamada
 Repentistas x Cordelistas
 As diversas vozes traduzem dramaticidade e
vivacidade às narrativas.
VOZES
TRADIÇÕES ORAIS
AUTORIDADE DO TEXTO
AUTORIDADE DO POETA
VERDADE/BELEZA DO TEXTOMEMÓRIA
“É só repetindo, e repetindo sem parar, que os
conhecimentos vão poder integrar-se na memória
das pessoas, transformar-se em tradição” (Ria
Lemaire, 2010)
TRADIÇÃO
ESCRITO /
TRANSCRITO
PÚBLICO
ACEITAR
NÃO
ACEITAR
 Johannes Gutenberg Tipografia
 Instrumento de utilização para a elite;
 Poetas da oralidade utilizaram esta tecnologia
para produzir suas „folhas volantes‟ – que eram
textos cantados e declamados em praças e
feiras.
IMPRENSA
PRENSA TIPOGRÁFICA DE
GUTENBERG
 O cordel é conhecido como o “jornal do povo”.
Ele faz registros de momentos históricos ou do
contexto em que aconteceram os fatos.
 No Brasil, principalmente no Nordeste brasileiro
elas passaram a ser comercializadas em folhetins
expostos em varal. E entre 1960 e 1970 passou a
ser empregada como Literatura de Cordel.
O Cordel brasileiro, continua a tradição de ser um
tipo de poesia popular com origem oral e que
depois pode ser impressa em folhetos rústicos.
O maior clássico do Cordel. O folheto mais
vendido de todos os tempos.
 As vivas vozes poéticas estão trans(es)critas
em folhetos expostos em bancadas, ou em
livros exibidos em estantes.
 A criação da imprensa e de editoras, ao longo
dos tempos, apagou a existência de outras
formas de expressão.
Os folhetos de cordel se fixaram no sistema produtivo
de editoração e consumo devido a 3 fatores:
a) Existência amadurecida da prática cantada;
b) A presença das máquinas tipográficas no Nordeste;
c) A apropriação, por parte dos poetas cantadores –
emergentes poetas de cordel -, dessas novas
tecnologias de informação e comunicação. (Santos,
2009, p. 19)
 Os folhetos manifestaram-se na evolução da oralidade
para a escritura. A poesia oral e a poesia escrita, se
entrecruzam, de modo que a segunda se apresenta
como continuidade da primeira.
 No campo mercadológico, há um distanciamento entre
as duas práticas, logo que a poesia de folhetos tem
suas regras próprias de produção, circulação e
comercialização, diferentes das da poesia oral. (Sousa,
2009)
"Cordel quer dizer barbante
Ou senão mesmo cordão,
Mas cordel-literatura
É a real expressão
Como fonte de cultura
Ou melhor poesia pura
Dos poetas do sertão. (...)”
Alexandre Pavan
Este material foi produzido para ser apresentado
na Comunicação Oral do Congresso de Filosofia
da UERR.
Data de 07/06/2013
Acesse: www.desmazelas.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
Gracita Fraga
 
Literatura de Cordel
Literatura de CordelLiteratura de Cordel
Literatura de Cordel
Luciano Dias
 
Slides - Oficina de Córdeis
Slides - Oficina de CórdeisSlides - Oficina de Córdeis
Slides - Oficina de Córdeis
Leonardo Lira
 
A Literatura de Cordel em Sala (Projeto Pibid 2013)
A Literatura de Cordel em Sala (Projeto Pibid 2013)A Literatura de Cordel em Sala (Projeto Pibid 2013)
A Literatura de Cordel em Sala (Projeto Pibid 2013)
Universidade Federal de Roraima
 
Oficina cantoria, cordel e cult. popular
Oficina   cantoria, cordel e cult. popularOficina   cantoria, cordel e cult. popular
Oficina cantoria, cordel e cult. popular
angelamariagomes
 
Oficina de leitura literatura de cordel
Oficina de leitura    literatura de cordelOficina de leitura    literatura de cordel
Oficina de leitura literatura de cordel
Islânia Castro
 
Oficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aula
Oficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aulaOficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aula
Oficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aula
japquimica
 
Revista Cordel
Revista CordelRevista Cordel
Revista Cordel
Mayara Carol Araujo
 
Oficina de leitura
Oficina de leituraOficina de leitura
Oficina de leitura
Islânia Castro
 
Atividade literatura de cordel
Atividade literatura de cordelAtividade literatura de cordel
Atividade literatura de cordel
juditholima
 
SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.
SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.
SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.
Tissiane Gomes
 
Língua Portuguesa - Literatura de Cordel (6º ano)
Língua Portuguesa - Literatura de Cordel (6º ano)Língua Portuguesa - Literatura de Cordel (6º ano)
Língua Portuguesa - Literatura de Cordel (6º ano)
Tânia Regina
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
Kássia Mendes
 
SLIDES – LITERATURA DE CORDEL.
SLIDES – LITERATURA DE CORDEL.SLIDES – LITERATURA DE CORDEL.
SLIDES – LITERATURA DE CORDEL.
Tissiane Gomes
 
O que é literatura de cordel
O que é literatura de cordelO que é literatura de cordel
O que é literatura de cordel
Jorge Marcos Oliveira
 
Prova 6º c artes
Prova 6º c artesProva 6º c artes
Prova 6º c artes
Zivaini Pio de Santana
 
A História do Cordel
A História do CordelA História do Cordel
A História do Cordel
Kelvin Douglas
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
Edson Alves
 
Cordel
CordelCordel

Mais procurados (19)

Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Literatura de Cordel
Literatura de CordelLiteratura de Cordel
Literatura de Cordel
 
Slides - Oficina de Córdeis
Slides - Oficina de CórdeisSlides - Oficina de Córdeis
Slides - Oficina de Córdeis
 
A Literatura de Cordel em Sala (Projeto Pibid 2013)
A Literatura de Cordel em Sala (Projeto Pibid 2013)A Literatura de Cordel em Sala (Projeto Pibid 2013)
A Literatura de Cordel em Sala (Projeto Pibid 2013)
 
Oficina cantoria, cordel e cult. popular
Oficina   cantoria, cordel e cult. popularOficina   cantoria, cordel e cult. popular
Oficina cantoria, cordel e cult. popular
 
Oficina de leitura literatura de cordel
Oficina de leitura    literatura de cordelOficina de leitura    literatura de cordel
Oficina de leitura literatura de cordel
 
Oficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aula
Oficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aulaOficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aula
Oficina interdisciplinarizando com o cordel na sala de aula
 
Revista Cordel
Revista CordelRevista Cordel
Revista Cordel
 
Oficina de leitura
Oficina de leituraOficina de leitura
Oficina de leitura
 
Atividade literatura de cordel
Atividade literatura de cordelAtividade literatura de cordel
Atividade literatura de cordel
 
SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.
SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.
SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.
 
Língua Portuguesa - Literatura de Cordel (6º ano)
Língua Portuguesa - Literatura de Cordel (6º ano)Língua Portuguesa - Literatura de Cordel (6º ano)
Língua Portuguesa - Literatura de Cordel (6º ano)
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
SLIDES – LITERATURA DE CORDEL.
SLIDES – LITERATURA DE CORDEL.SLIDES – LITERATURA DE CORDEL.
SLIDES – LITERATURA DE CORDEL.
 
O que é literatura de cordel
O que é literatura de cordelO que é literatura de cordel
O que é literatura de cordel
 
Prova 6º c artes
Prova 6º c artesProva 6º c artes
Prova 6º c artes
 
A História do Cordel
A História do CordelA História do Cordel
A História do Cordel
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Cordel
CordelCordel
Cordel
 

Destaque

LITERATURA DE CORDEL: A ORALIDADE DO CORDEL ENQUANTO VOZ POPULAR
LITERATURA DE CORDEL: A ORALIDADE DO CORDEL ENQUANTO VOZ POPULARLITERATURA DE CORDEL: A ORALIDADE DO CORDEL ENQUANTO VOZ POPULAR
LITERATURA DE CORDEL: A ORALIDADE DO CORDEL ENQUANTO VOZ POPULAR
pibidletrasifpa
 
Introdução aos gêneros do discurso e literários
Introdução aos gêneros do discurso e literáriosIntrodução aos gêneros do discurso e literários
Introdução aos gêneros do discurso e literários
Fabricio Souza
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
angelamariagomes
 
Ideologia mais escolas literarias
Ideologia mais  escolas literariasIdeologia mais  escolas literarias
Ideologia mais escolas literarias
Uniesp
 
A IMPORTÂNCIA DA LITERATURA DE CORDEL NO COTIDIANO DOS ALUNOS DA EJA
A IMPORTÂNCIA DA LITERATURA DE CORDEL NO COTIDIANO DOS ALUNOS DA EJAA IMPORTÂNCIA DA LITERATURA DE CORDEL NO COTIDIANO DOS ALUNOS DA EJA
A IMPORTÂNCIA DA LITERATURA DE CORDEL NO COTIDIANO DOS ALUNOS DA EJA
Vis-UAB
 
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Cristina Ramos
 
Projeto literatura de_cordel_ivanilda
Projeto literatura de_cordel_ivanildaProjeto literatura de_cordel_ivanilda
Projeto literatura de_cordel_ivanilda
Ivanilda Milfont
 
Oficina de História em Quadrinhos
Oficina de História em QuadrinhosOficina de História em Quadrinhos
Oficina de História em Quadrinhos
Tatiane Souza
 
Pornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-la
Pornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-laPornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-la
Pornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-la
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Figuras Linguagem
Figuras LinguagemFiguras Linguagem
Figuras Linguagem
clemildapetrolina
 
Cores em Cordel
Cores em CordelCores em Cordel
Cores em Cordel
arrozcompalmito
 
História da língua portuguesa
História da língua portuguesaHistória da língua portuguesa
História da língua portuguesa
ma.no.el.ne.ves
 
Possessive Nouns
Possessive NounsPossessive Nouns
Possessive Nouns
mdyik_slicker08
 
Cordel adolescente, ô xente!
Cordel adolescente, ô xente!Cordel adolescente, ô xente!
Cordel adolescente, ô xente!
Lucimeire Lima
 
Verbal Tenses - Simple Present
Verbal Tenses - Simple PresentVerbal Tenses - Simple Present
Verbal Tenses - Simple Present
acessoriaem21ma
 
Substantivos - nouns
Substantivos - nounsSubstantivos - nouns
Substantivos - nouns
janildes
 
A (indiscreta) história da pornografia
A (indiscreta) história da pornografiaA (indiscreta) história da pornografia
A (indiscreta) história da pornografia
Edenilson Morais
 
Plural Of Nouns
Plural Of NounsPlural Of Nouns
Plural Of Nouns
Narielyn Elias
 
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opiniãoDiferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Elaine Maia
 
Personal PRONOUNS & VERB TO BE
Personal PRONOUNS & VERB TO BEPersonal PRONOUNS & VERB TO BE
Personal PRONOUNS & VERB TO BE
guestc423b92
 

Destaque (20)

LITERATURA DE CORDEL: A ORALIDADE DO CORDEL ENQUANTO VOZ POPULAR
LITERATURA DE CORDEL: A ORALIDADE DO CORDEL ENQUANTO VOZ POPULARLITERATURA DE CORDEL: A ORALIDADE DO CORDEL ENQUANTO VOZ POPULAR
LITERATURA DE CORDEL: A ORALIDADE DO CORDEL ENQUANTO VOZ POPULAR
 
Introdução aos gêneros do discurso e literários
Introdução aos gêneros do discurso e literáriosIntrodução aos gêneros do discurso e literários
Introdução aos gêneros do discurso e literários
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Ideologia mais escolas literarias
Ideologia mais  escolas literariasIdeologia mais  escolas literarias
Ideologia mais escolas literarias
 
A IMPORTÂNCIA DA LITERATURA DE CORDEL NO COTIDIANO DOS ALUNOS DA EJA
A IMPORTÂNCIA DA LITERATURA DE CORDEL NO COTIDIANO DOS ALUNOS DA EJAA IMPORTÂNCIA DA LITERATURA DE CORDEL NO COTIDIANO DOS ALUNOS DA EJA
A IMPORTÂNCIA DA LITERATURA DE CORDEL NO COTIDIANO DOS ALUNOS DA EJA
 
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
 
Projeto literatura de_cordel_ivanilda
Projeto literatura de_cordel_ivanildaProjeto literatura de_cordel_ivanilda
Projeto literatura de_cordel_ivanilda
 
Oficina de História em Quadrinhos
Oficina de História em QuadrinhosOficina de História em Quadrinhos
Oficina de História em Quadrinhos
 
Pornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-la
Pornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-laPornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-la
Pornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-la
 
Figuras Linguagem
Figuras LinguagemFiguras Linguagem
Figuras Linguagem
 
Cores em Cordel
Cores em CordelCores em Cordel
Cores em Cordel
 
História da língua portuguesa
História da língua portuguesaHistória da língua portuguesa
História da língua portuguesa
 
Possessive Nouns
Possessive NounsPossessive Nouns
Possessive Nouns
 
Cordel adolescente, ô xente!
Cordel adolescente, ô xente!Cordel adolescente, ô xente!
Cordel adolescente, ô xente!
 
Verbal Tenses - Simple Present
Verbal Tenses - Simple PresentVerbal Tenses - Simple Present
Verbal Tenses - Simple Present
 
Substantivos - nouns
Substantivos - nounsSubstantivos - nouns
Substantivos - nouns
 
A (indiscreta) história da pornografia
A (indiscreta) história da pornografiaA (indiscreta) história da pornografia
A (indiscreta) história da pornografia
 
Plural Of Nouns
Plural Of NounsPlural Of Nouns
Plural Of Nouns
 
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opiniãoDiferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
 
Personal PRONOUNS & VERB TO BE
Personal PRONOUNS & VERB TO BEPersonal PRONOUNS & VERB TO BE
Personal PRONOUNS & VERB TO BE
 

Semelhante a Literatura de Cordel e a equivalência do Oral e Escrito: A poesia como manifestação popular

3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt
3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt
3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt
Roseli Gomes Martins
 
Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
Portal do Vestibulando
 
Vanguardas em ação
Vanguardas em açãoVanguardas em ação
Vanguardas em ação
Lilian Siqueira
 
Professora Wiliane
Professora WilianeProfessora Wiliane
Professora Wiliane
joaoxxiii
 
Seminario de portugues poesia marginal
Seminario de portugues poesia marginalSeminario de portugues poesia marginal
Seminario de portugues poesia marginal
Carolayne Carvalho dos Santos
 
Semana de Letras 2008 - Letras e Telas de Angola
Semana de Letras 2008 - Letras e Telas de AngolaSemana de Letras 2008 - Letras e Telas de Angola
Semana de Letras 2008 - Letras e Telas de Angola
Ricardo Riso
 
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.pptliteratura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
almeidaluana280
 
concretismo
concretismoconcretismo
concretismo
whybells
 
Mc luhan visao som e furia
Mc luhan visao som e furiaMc luhan visao som e furia
Mc luhan visao som e furia
Ronaldo Henn
 
Muito Além do Final Feliz: A Trajetória e a Consolidação da Telenovela como P...
Muito Além do Final Feliz: A Trajetória e a Consolidação da Telenovela como P...Muito Além do Final Feliz: A Trajetória e a Consolidação da Telenovela como P...
Muito Além do Final Feliz: A Trajetória e a Consolidação da Telenovela como P...
Phillipe Xavier
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Modernismo.pptx
Modernismo.pptxModernismo.pptx
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdfE. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
Elizeth608
 
Artigo tcc final
Artigo tcc finalArtigo tcc final
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
heleira02
 
Baile da biblioteca1
Baile da biblioteca1Baile da biblioteca1
Baile da biblioteca1
Teresa Maia
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
KarinaSouzaCorreiaAl
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
AlessandraSoaresMont
 
A literatura romântica.
A literatura romântica.A literatura romântica.
A literatura romântica.
Vanuza Duarte
 
Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02
Adriane Ferreira
 

Semelhante a Literatura de Cordel e a equivalência do Oral e Escrito: A poesia como manifestação popular (20)

3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt
3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt
3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt
 
Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
 
Vanguardas em ação
Vanguardas em açãoVanguardas em ação
Vanguardas em ação
 
Professora Wiliane
Professora WilianeProfessora Wiliane
Professora Wiliane
 
Seminario de portugues poesia marginal
Seminario de portugues poesia marginalSeminario de portugues poesia marginal
Seminario de portugues poesia marginal
 
Semana de Letras 2008 - Letras e Telas de Angola
Semana de Letras 2008 - Letras e Telas de AngolaSemana de Letras 2008 - Letras e Telas de Angola
Semana de Letras 2008 - Letras e Telas de Angola
 
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.pptliteratura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
 
concretismo
concretismoconcretismo
concretismo
 
Mc luhan visao som e furia
Mc luhan visao som e furiaMc luhan visao som e furia
Mc luhan visao som e furia
 
Muito Além do Final Feliz: A Trajetória e a Consolidação da Telenovela como P...
Muito Além do Final Feliz: A Trajetória e a Consolidação da Telenovela como P...Muito Além do Final Feliz: A Trajetória e a Consolidação da Telenovela como P...
Muito Além do Final Feliz: A Trajetória e a Consolidação da Telenovela como P...
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Modernismo.pptx
Modernismo.pptxModernismo.pptx
Modernismo.pptx
 
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdfE. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
 
Artigo tcc final
Artigo tcc finalArtigo tcc final
Artigo tcc final
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
 
Baile da biblioteca1
Baile da biblioteca1Baile da biblioteca1
Baile da biblioteca1
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
A literatura romântica.
A literatura romântica.A literatura romântica.
A literatura romântica.
 
Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02
 

Mais de Universidade Federal de Roraima

Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Universidade Federal de Roraima
 
Resenha do Livro: Semântica para a Educação Básica de Celso Ferrarezi
Resenha do Livro: Semântica para a Educação Básica de Celso FerrareziResenha do Livro: Semântica para a Educação Básica de Celso Ferrarezi
Resenha do Livro: Semântica para a Educação Básica de Celso Ferrarezi
Universidade Federal de Roraima
 
[Resenha] Afinal, o que é Literatura Infantil?
[Resenha] Afinal, o que é Literatura Infantil?[Resenha] Afinal, o que é Literatura Infantil?
[Resenha] Afinal, o que é Literatura Infantil?
Universidade Federal de Roraima
 
Amor de Maria - Inglês de Sousa (Contos Amazônicos) Ebook
Amor de Maria - Inglês de Sousa (Contos Amazônicos) EbookAmor de Maria - Inglês de Sousa (Contos Amazônicos) Ebook
Amor de Maria - Inglês de Sousa (Contos Amazônicos) Ebook
Universidade Federal de Roraima
 
Dicionário de Bolso - Oswald de Andrade
Dicionário de Bolso - Oswald de AndradeDicionário de Bolso - Oswald de Andrade
Dicionário de Bolso - Oswald de Andrade
Universidade Federal de Roraima
 
Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)
Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)
Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)
Universidade Federal de Roraima
 
Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?
Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?
Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?
Universidade Federal de Roraima
 
O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]
O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]
O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]
Universidade Federal de Roraima
 
Fundamento Histórico da Semântica Lexical
Fundamento Histórico da Semântica LexicalFundamento Histórico da Semântica Lexical
Fundamento Histórico da Semântica Lexical
Universidade Federal de Roraima
 
Análise de poemas - Thiago de Mello
Análise de poemas  - Thiago de MelloAnálise de poemas  - Thiago de Mello
Análise de poemas - Thiago de Mello
Universidade Federal de Roraima
 
Oficina de Tertúlia Literária na Escola e Teatro de Sombras
Oficina de Tertúlia Literária na Escola e Teatro de SombrasOficina de Tertúlia Literária na Escola e Teatro de Sombras
Oficina de Tertúlia Literária na Escola e Teatro de Sombras
Universidade Federal de Roraima
 
A Poesia como Manifestação Popular
A Poesia como Manifestação PopularA Poesia como Manifestação Popular
A Poesia como Manifestação Popular
Universidade Federal de Roraima
 
LDB - (resumo) TÍTULO VIII - em slide
LDB - (resumo) TÍTULO VIII - em slideLDB - (resumo) TÍTULO VIII - em slide
LDB - (resumo) TÍTULO VIII - em slide
Universidade Federal de Roraima
 
Clássicos do Cordel ed.2 : O Cachorro dos Mortos - Leandro Gomes de Barros
Clássicos do Cordel ed.2 : O Cachorro dos Mortos - Leandro Gomes de BarrosClássicos do Cordel ed.2 : O Cachorro dos Mortos - Leandro Gomes de Barros
Clássicos do Cordel ed.2 : O Cachorro dos Mortos - Leandro Gomes de Barros
Universidade Federal de Roraima
 
Donzela Teodora (Cordel) de Leandro Gomes de Barros
Donzela Teodora (Cordel) de Leandro Gomes de BarrosDonzela Teodora (Cordel) de Leandro Gomes de Barros
Donzela Teodora (Cordel) de Leandro Gomes de Barros
Universidade Federal de Roraima
 
Resenha A performance, recepção, leitura de Paul Zumthor
Resenha A performance, recepção, leitura de Paul ZumthorResenha A performance, recepção, leitura de Paul Zumthor
Resenha A performance, recepção, leitura de Paul Zumthor
Universidade Federal de Roraima
 

Mais de Universidade Federal de Roraima (16)

Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
 
Resenha do Livro: Semântica para a Educação Básica de Celso Ferrarezi
Resenha do Livro: Semântica para a Educação Básica de Celso FerrareziResenha do Livro: Semântica para a Educação Básica de Celso Ferrarezi
Resenha do Livro: Semântica para a Educação Básica de Celso Ferrarezi
 
[Resenha] Afinal, o que é Literatura Infantil?
[Resenha] Afinal, o que é Literatura Infantil?[Resenha] Afinal, o que é Literatura Infantil?
[Resenha] Afinal, o que é Literatura Infantil?
 
Amor de Maria - Inglês de Sousa (Contos Amazônicos) Ebook
Amor de Maria - Inglês de Sousa (Contos Amazônicos) EbookAmor de Maria - Inglês de Sousa (Contos Amazônicos) Ebook
Amor de Maria - Inglês de Sousa (Contos Amazônicos) Ebook
 
Dicionário de Bolso - Oswald de Andrade
Dicionário de Bolso - Oswald de AndradeDicionário de Bolso - Oswald de Andrade
Dicionário de Bolso - Oswald de Andrade
 
Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)
Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)
Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)
 
Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?
Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?
Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?
 
O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]
O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]
O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]
 
Fundamento Histórico da Semântica Lexical
Fundamento Histórico da Semântica LexicalFundamento Histórico da Semântica Lexical
Fundamento Histórico da Semântica Lexical
 
Análise de poemas - Thiago de Mello
Análise de poemas  - Thiago de MelloAnálise de poemas  - Thiago de Mello
Análise de poemas - Thiago de Mello
 
Oficina de Tertúlia Literária na Escola e Teatro de Sombras
Oficina de Tertúlia Literária na Escola e Teatro de SombrasOficina de Tertúlia Literária na Escola e Teatro de Sombras
Oficina de Tertúlia Literária na Escola e Teatro de Sombras
 
A Poesia como Manifestação Popular
A Poesia como Manifestação PopularA Poesia como Manifestação Popular
A Poesia como Manifestação Popular
 
LDB - (resumo) TÍTULO VIII - em slide
LDB - (resumo) TÍTULO VIII - em slideLDB - (resumo) TÍTULO VIII - em slide
LDB - (resumo) TÍTULO VIII - em slide
 
Clássicos do Cordel ed.2 : O Cachorro dos Mortos - Leandro Gomes de Barros
Clássicos do Cordel ed.2 : O Cachorro dos Mortos - Leandro Gomes de BarrosClássicos do Cordel ed.2 : O Cachorro dos Mortos - Leandro Gomes de Barros
Clássicos do Cordel ed.2 : O Cachorro dos Mortos - Leandro Gomes de Barros
 
Donzela Teodora (Cordel) de Leandro Gomes de Barros
Donzela Teodora (Cordel) de Leandro Gomes de BarrosDonzela Teodora (Cordel) de Leandro Gomes de Barros
Donzela Teodora (Cordel) de Leandro Gomes de Barros
 
Resenha A performance, recepção, leitura de Paul Zumthor
Resenha A performance, recepção, leitura de Paul ZumthorResenha A performance, recepção, leitura de Paul Zumthor
Resenha A performance, recepção, leitura de Paul Zumthor
 

Último

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 

Último (20)

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 

Literatura de Cordel e a equivalência do Oral e Escrito: A poesia como manifestação popular

  • 1. Ana Fabyely Kams LITERATURA DE CORDEL E A EQUIVALÊNCIA DO ORAL E ESCRITO: A POESIA COMO MANIFESTAÇÃO POPULAR Acesse: www.desmazelas.com.br
  • 2.  Influências europeias trazidos pelos colonizadores Nordeste  Por volta de 1750 apareceram os primeiros poetas populares que narravam histórias em versos.  Manifestação popular CORDEL cantada declamada
  • 3.  Repentistas x Cordelistas  As diversas vozes traduzem dramaticidade e vivacidade às narrativas. VOZES
  • 4. TRADIÇÕES ORAIS AUTORIDADE DO TEXTO AUTORIDADE DO POETA VERDADE/BELEZA DO TEXTOMEMÓRIA
  • 5. “É só repetindo, e repetindo sem parar, que os conhecimentos vão poder integrar-se na memória das pessoas, transformar-se em tradição” (Ria Lemaire, 2010) TRADIÇÃO
  • 7.  Johannes Gutenberg Tipografia  Instrumento de utilização para a elite;  Poetas da oralidade utilizaram esta tecnologia para produzir suas „folhas volantes‟ – que eram textos cantados e declamados em praças e feiras. IMPRENSA
  • 9.  O cordel é conhecido como o “jornal do povo”. Ele faz registros de momentos históricos ou do contexto em que aconteceram os fatos.
  • 10.  No Brasil, principalmente no Nordeste brasileiro elas passaram a ser comercializadas em folhetins expostos em varal. E entre 1960 e 1970 passou a ser empregada como Literatura de Cordel.
  • 11. O Cordel brasileiro, continua a tradição de ser um tipo de poesia popular com origem oral e que depois pode ser impressa em folhetos rústicos.
  • 12. O maior clássico do Cordel. O folheto mais vendido de todos os tempos.
  • 13.  As vivas vozes poéticas estão trans(es)critas em folhetos expostos em bancadas, ou em livros exibidos em estantes.  A criação da imprensa e de editoras, ao longo dos tempos, apagou a existência de outras formas de expressão.
  • 14. Os folhetos de cordel se fixaram no sistema produtivo de editoração e consumo devido a 3 fatores: a) Existência amadurecida da prática cantada; b) A presença das máquinas tipográficas no Nordeste; c) A apropriação, por parte dos poetas cantadores – emergentes poetas de cordel -, dessas novas tecnologias de informação e comunicação. (Santos, 2009, p. 19)
  • 15.  Os folhetos manifestaram-se na evolução da oralidade para a escritura. A poesia oral e a poesia escrita, se entrecruzam, de modo que a segunda se apresenta como continuidade da primeira.  No campo mercadológico, há um distanciamento entre as duas práticas, logo que a poesia de folhetos tem suas regras próprias de produção, circulação e comercialização, diferentes das da poesia oral. (Sousa, 2009)
  • 16. "Cordel quer dizer barbante Ou senão mesmo cordão, Mas cordel-literatura É a real expressão Como fonte de cultura Ou melhor poesia pura Dos poetas do sertão. (...)” Alexandre Pavan
  • 17. Este material foi produzido para ser apresentado na Comunicação Oral do Congresso de Filosofia da UERR. Data de 07/06/2013 Acesse: www.desmazelas.com.br