SlideShare uma empresa Scribd logo
SIMBOLISMO
PROF. SÁLUA FAYAL
O QUE É?
• O Simbolismo surgiu na Europa na segunda metade do século
XIX em resposta ao cientificismo, tendência intelectual de matriz
positivista que preconizava a adoção do método científico para
a investigação de todas as áreas do saber e da cultura.
• Em resposta a esse materialismo cientificista, os escritores
simbolistas buscaram o resgate de certos valores do
Romantismo que foram esquecidos pelo Realismo.
De acordo com a proposta simbolista, a arte e a literatura não
poderiam ser retratadas apenas sob o ponto de vista da realidade.
Nasce então uma nova arte europeia por meio da marginalidade
de Verlaine, do amoralismo de Rimbaud e da destruição de linguagem
por Mallarmé, em oposição a Belle Époque, do capitalismo financeiro e
industrial que se apoderava até então de boa parte do mundo.
CONTEXTO HISTÓRICO
• arrefecimento dessas correntes
materialistas e cientificistas
• auge da evolução burguesa
• o processo industrial (2ª Revolução
Industrial) é alavancado pela
unificação da Alemanha, em 1870, e
da Itália, no ano seguinte.
• neocolonialismo que fragmenta a
África e a Ásia para as grandes
potências mundiais.
• Também esse é o momento em que se
projetam os fatores que irão desencadear
a Primeira Guerra Mundial.
• Nas artes, a projeção é de frustração,
medo e desilusão e o Simbolismo surge
como uma forma de negar a realidade
subjetiva. Renascem, assim, os ideais
espiritualistas.
• O Simbolismo passa a ser a rejeição ao
mecanicismo por meio do sonho, da
tendência cósmica e do absoluto.
• Abrange a camada da sociedade que está
à margem do processo de avanço
tecnológico e científico promovido pelo
capitalismo.
• O movimento é marcado pela busca do
homem pelo sacro e de um sentimento de
totalidade que faz da poesia uma espécie
de religião.
SURGIMENTO DO
SIMBOLISMO
Os primeiros indicativos do
movimento apontam
para Baudelaire, através da
publicação de As Flores do
Mal (1857), apontando certas
perspectivas simbolistas.
O Manifesto Simbolista foi publicado
pelo crítico Jean Moréas em 1886 no
Le Figaro, em 18 de Setembro de 1886.
Posteriormente, houve publicações
como Le symboliste (1886), La plume
(1889), Le Mercure de France (1890) e
La révue blanche (1891).
CARACTERÍSTICAS GERAIS
• Subjetivismo
• Linguagem vaga
• Abuso de metáforas, aliterações, comparações e sinestesias
• Uso do soneto
• Misticismo
• Religiosidade
• Interesse pela loucura humana
• Pessimismo
• Retomada de elementos românticos
A “TORRE DE MARFIM”
Essa acentuada valorização da liberdade e do espaço subjetivo do
ser humano tende a transformar o contato com a realidade social opressiva
num processo angustiante, conduzindo a um inevitável pessimismo sobre a
condição humana. Os simbolistas rejeitam o mundo social e político, e
adotam a atitude aristocratizante de produzir uma literatura compreensível
apenas pelos “iniciados”. Esse procedimento tornou comum a afirmação de
que os poetas simbolistas se fechavam numa verdadeira “torre de marfim”,
onde se dedicavam à pesquisa de espaços íntimos cada vez mais
profundos e distanciados da realidade social. Nefelibatas – palavra grega
que significa “habitantes das nuvens” – é o termo muitas vezes utilizados
para designá-los.
FIGURAS DE LINGUAGEM DO
SIMBOLISMO
• Visto que a linguagem do simbolismo está repleta de combinações sonoras e sensoriais,
os escritores desse movimento buscaram recursos que potencializassem a musicalidade
da escrita.
• Assim, as figuras de linguagem mais utilizadas no simbolismo, as quais estão
relacionadas em maior parte, à sonoridade (figuras de som), são:
• Aliteração: caracterizada pela repetição de consoantes ou de sílabas.
• Assonância: caracterizada pela repetição de vogais.
• Onomatopeia: caracterizada pela inserção dos sons reais.
• Sinestesia: caracterizada pela combinação de diferentes sensações relacionadas com o
sistema sensorial (visão, olfato, paladar, audição e o tato).
AUTORES EUROPEUS
• August Strindberg • Fiódor Dostoiévski • Friedrich Nietzsche
Gerard Manley Hopkins Arthur Rimbaud Aleksandr Blok
SIMBOLISMO EM
PORTUGAL
• O marco inicial do simbolismo português foi a publicação da obra
"Oaristos", de Eugênio de Castro (1869-1944) em 1890.
• Os poetas simbolistas portugueses que merecem destaque são:
Camilo Pessanha (1867-1926), Eugênio de Castro (1869-1944),
Augusto Gil (1873-1929), Raul Brandão (1867-1930) e Antônio
Nobre (1867-1900).
CAMILO PESSANHA
Camilo Pessanha (1867-1926) foi um poeta
português, o melhor representante do
Simbolismo de Portugal. Sua poesia é
marcadamente pessimista, sendo notória
sua rejeição pelo mundo material
Clepsidra, título simbólico, que se refere a um
instrumento de medição do tempo dado na
Grécia aos oradores, instrumento do tipo da
ampulheta, mas no qual corria água.
Foneticamente o título lembra igualmente
"hidra", o monstro devorador. O título aponta,
assim, para a fragilidade da vida e da condição
humana, para o fluir inexorável do tempo, que
não deixa que nada se fixe na retina
(poema Imagens que passais pela retina). Ora
são estes os grandes temas da obra: a
efemeridade de tudo quanto passa, a perda, a
inutilidade do que se faz ou vive.
Fonte: https://www.passeiweb.com/estudos/livros/clep
sidra
SIMBOLISMO NO BRASIL
Combatidos pelos parnasianos, que desfrutavam grande
prestígio na época, os simbolistas não encontraram boa receptividade
acabaram desenvolvendo um trabalho quase marginal, agrupados ao
redor de algumas revistas de vida normalmente efêmera. Além do
grupo carioca inicial e de outros do Rio de Janeiro, o movimento
conheceu seguidores em São Paulo, em Minas Gerais, na Bahia, no
Paraná e no Rio Grande do Sul. A prosa do período não alcançou
resultados muito satisfatórios.
Seu marco introdutório foi registrado
em 1893 com a publicação das
obras Missal (prosa)
e Broquéis (poesia), ambas de Cruz
e Sousa, considerado o maior autor
simbolista brasileiro.
Além de Cruz e Sousa, destacaram-
se Alphonsus de Guimaraens e
Pedro Kilkerry.
AUTORES BRASILEIROS
CRUZ E SOUSA
Considerado o precursor do simbolismo no
Brasil, João da Cruz e Sousa foi um poeta
brasileiro nascido em Florianópolis.
Sua obra é marcada pela musicalidade e
espiritualidade com temáticas individualistas,
satânicas, sensuais. Suas principais obras: Missal
(1893), Broquéis (1893), Tropos e fantasias (1885),
Faróis (1900) e Últimos Sonetos (1905)
Nos Santos óleos do luar, floria
Teu corpo ideal, com o resplendor da
Helade...
E em toda a etérea, branda claridade
Como que erravam fluidos de
harmonia...
As Águias imortais da Fantasia
Deram-te as asas e a serenidade
Para galgar, subir a Imensidade
Onde o clarão de tantos sóis radia.
Do espaço pelos límpidos velinos
Os Astros vieram claros, cristalinos,
Com chamas, vibrações, do alto,
cantando...
Nos santos óleos do luar envolto
Teu corpo era o Astro nas esferas solto,
Mais Sóis e mais Estrelas fecundando!
Em Sonhos...” de Cruz e Souza
presente na obra “Broquéis”
ALPHONSUS DE GUIMARAENS
Um dos principais poetas simbolistas do Brasil, Afonso
Henrique da Costa Guimarães, possui uma obra marcada
pela sensibilidade, espiritualidade, misticismo,
religiosidade. Sua temática é a morte, a solidão, o
sofrimento e o amor.
Sua produção literária apresenta características neo-
romântico, árcades e simbolistas. Suas.principais obras:
Setenário das dores de Nossa Senhora (1899), Dona
Mística (1899), Kyriale (1902), Pastoral aos crentes do amor
e da morte (1923).
Quando Ismália enlouqueceu,
Pôs-se na torre a sonhar...
Viu uma lua no céu,
Viu outra lua no mar.
No sonho em que se perdeu,
Banhou-se toda em luar...
Queria subir ao céu,
Queria descer ao mar...
E, no desvario seu,
Na torre pôs-se a cantar...
Estava perto do céu,
Estava longe do mar...
E como um anjo pendeu
As asas para voar...
Queria a lua do céu,
Queria a lua do mar...
As asas que Deus lhe deu
Ruflaram de par em par...
Sua alma subiu ao céu,
Seu corpo desceu ao mar...
REFERÊNCIAS
• https://www.todamateria.com.br/simb
olismo-caracteristicas-e-contexto-
historico/
• https://brasilescola.uol.com.br/literatur
a/simbolismo.htm
• https://www.todamateria.com.br/simb
olismo-no-brasil/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Alexandre Barbosa
 
Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia)
Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia) Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia)
Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia)
Isaquel Silva
 
Cap08 arcadismo
Cap08 arcadismoCap08 arcadismo
Cap08 arcadismo
whybells
 

Mais procurados (20)

Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 
Mário Quintana
Mário QuintanaMário Quintana
Mário Quintana
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
Álvares de Azevedo
Álvares de AzevedoÁlvares de Azevedo
Álvares de Azevedo
 
Arcadismo 2010
Arcadismo 2010Arcadismo 2010
Arcadismo 2010
 
Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia)
Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia) Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia)
Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia)
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Romantismo 2.0
Romantismo 2.0Romantismo 2.0
Romantismo 2.0
 
NoçõEs De VersificaçãO
NoçõEs De VersificaçãONoçõEs De VersificaçãO
NoçõEs De VersificaçãO
 
Literatura Contemporânea
Literatura  ContemporâneaLiteratura  Contemporânea
Literatura Contemporânea
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Cap08 arcadismo
Cap08 arcadismoCap08 arcadismo
Cap08 arcadismo
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
 

Semelhante a Simbolismo

Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
nagelaviana
 
Língua portuguesa
Língua portuguesaLíngua portuguesa
Língua portuguesa
Lucas Alan
 
Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02
Adriane Ferreira
 
A estética simbolista
A estética simbolistaA estética simbolista
A estética simbolista
CamileBMoura
 
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Ma_rcia
 
Simbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no BrasilSimbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no Brasil
moiseis55
 
Simbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no BrasilSimbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no Brasil
moiseis55
 
Simbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no BrasilSimbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no Brasil
moiseis55
 

Semelhante a Simbolismo (20)

Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
Língua portuguesa
Língua portuguesaLíngua portuguesa
Língua portuguesa
 
Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
O que é simbolismo
O que é simbolismoO que é simbolismo
O que é simbolismo
 
A estética simbolista
A estética simbolistaA estética simbolista
A estética simbolista
 
Simbolismo/Decadentismo
Simbolismo/DecadentismoSimbolismo/Decadentismo
Simbolismo/Decadentismo
 
Simbolismo teoria
Simbolismo teoriaSimbolismo teoria
Simbolismo teoria
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
 
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdfsimbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
 
Simbololismo
SimbololismoSimbololismo
Simbololismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Ideologia mais escolas literarias
Ideologia mais  escolas literariasIdeologia mais  escolas literarias
Ideologia mais escolas literarias
 
Literatura informativa
Literatura informativaLiteratura informativa
Literatura informativa
 
Simbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no BrasilSimbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no Brasil
 
Simbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no BrasilSimbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no Brasil
 
Simbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no BrasilSimbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no Brasil
 

Último

CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 

Último (20)

O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 

Simbolismo

  • 1.
  • 3. O QUE É? • O Simbolismo surgiu na Europa na segunda metade do século XIX em resposta ao cientificismo, tendência intelectual de matriz positivista que preconizava a adoção do método científico para a investigação de todas as áreas do saber e da cultura. • Em resposta a esse materialismo cientificista, os escritores simbolistas buscaram o resgate de certos valores do Romantismo que foram esquecidos pelo Realismo.
  • 4. De acordo com a proposta simbolista, a arte e a literatura não poderiam ser retratadas apenas sob o ponto de vista da realidade. Nasce então uma nova arte europeia por meio da marginalidade de Verlaine, do amoralismo de Rimbaud e da destruição de linguagem por Mallarmé, em oposição a Belle Époque, do capitalismo financeiro e industrial que se apoderava até então de boa parte do mundo.
  • 5. CONTEXTO HISTÓRICO • arrefecimento dessas correntes materialistas e cientificistas • auge da evolução burguesa • o processo industrial (2ª Revolução Industrial) é alavancado pela unificação da Alemanha, em 1870, e da Itália, no ano seguinte. • neocolonialismo que fragmenta a África e a Ásia para as grandes potências mundiais. • Também esse é o momento em que se projetam os fatores que irão desencadear a Primeira Guerra Mundial. • Nas artes, a projeção é de frustração, medo e desilusão e o Simbolismo surge como uma forma de negar a realidade subjetiva. Renascem, assim, os ideais espiritualistas. • O Simbolismo passa a ser a rejeição ao mecanicismo por meio do sonho, da tendência cósmica e do absoluto. • Abrange a camada da sociedade que está à margem do processo de avanço tecnológico e científico promovido pelo capitalismo. • O movimento é marcado pela busca do homem pelo sacro e de um sentimento de totalidade que faz da poesia uma espécie de religião.
  • 6. SURGIMENTO DO SIMBOLISMO Os primeiros indicativos do movimento apontam para Baudelaire, através da publicação de As Flores do Mal (1857), apontando certas perspectivas simbolistas.
  • 7. O Manifesto Simbolista foi publicado pelo crítico Jean Moréas em 1886 no Le Figaro, em 18 de Setembro de 1886. Posteriormente, houve publicações como Le symboliste (1886), La plume (1889), Le Mercure de France (1890) e La révue blanche (1891).
  • 8. CARACTERÍSTICAS GERAIS • Subjetivismo • Linguagem vaga • Abuso de metáforas, aliterações, comparações e sinestesias • Uso do soneto • Misticismo • Religiosidade • Interesse pela loucura humana • Pessimismo • Retomada de elementos românticos
  • 9. A “TORRE DE MARFIM” Essa acentuada valorização da liberdade e do espaço subjetivo do ser humano tende a transformar o contato com a realidade social opressiva num processo angustiante, conduzindo a um inevitável pessimismo sobre a condição humana. Os simbolistas rejeitam o mundo social e político, e adotam a atitude aristocratizante de produzir uma literatura compreensível apenas pelos “iniciados”. Esse procedimento tornou comum a afirmação de que os poetas simbolistas se fechavam numa verdadeira “torre de marfim”, onde se dedicavam à pesquisa de espaços íntimos cada vez mais profundos e distanciados da realidade social. Nefelibatas – palavra grega que significa “habitantes das nuvens” – é o termo muitas vezes utilizados para designá-los.
  • 10. FIGURAS DE LINGUAGEM DO SIMBOLISMO • Visto que a linguagem do simbolismo está repleta de combinações sonoras e sensoriais, os escritores desse movimento buscaram recursos que potencializassem a musicalidade da escrita. • Assim, as figuras de linguagem mais utilizadas no simbolismo, as quais estão relacionadas em maior parte, à sonoridade (figuras de som), são: • Aliteração: caracterizada pela repetição de consoantes ou de sílabas. • Assonância: caracterizada pela repetição de vogais. • Onomatopeia: caracterizada pela inserção dos sons reais. • Sinestesia: caracterizada pela combinação de diferentes sensações relacionadas com o sistema sensorial (visão, olfato, paladar, audição e o tato).
  • 12. • August Strindberg • Fiódor Dostoiévski • Friedrich Nietzsche
  • 13. Gerard Manley Hopkins Arthur Rimbaud Aleksandr Blok
  • 15. • O marco inicial do simbolismo português foi a publicação da obra "Oaristos", de Eugênio de Castro (1869-1944) em 1890. • Os poetas simbolistas portugueses que merecem destaque são: Camilo Pessanha (1867-1926), Eugênio de Castro (1869-1944), Augusto Gil (1873-1929), Raul Brandão (1867-1930) e Antônio Nobre (1867-1900).
  • 16. CAMILO PESSANHA Camilo Pessanha (1867-1926) foi um poeta português, o melhor representante do Simbolismo de Portugal. Sua poesia é marcadamente pessimista, sendo notória sua rejeição pelo mundo material
  • 17. Clepsidra, título simbólico, que se refere a um instrumento de medição do tempo dado na Grécia aos oradores, instrumento do tipo da ampulheta, mas no qual corria água. Foneticamente o título lembra igualmente "hidra", o monstro devorador. O título aponta, assim, para a fragilidade da vida e da condição humana, para o fluir inexorável do tempo, que não deixa que nada se fixe na retina (poema Imagens que passais pela retina). Ora são estes os grandes temas da obra: a efemeridade de tudo quanto passa, a perda, a inutilidade do que se faz ou vive. Fonte: https://www.passeiweb.com/estudos/livros/clep sidra
  • 19. Combatidos pelos parnasianos, que desfrutavam grande prestígio na época, os simbolistas não encontraram boa receptividade acabaram desenvolvendo um trabalho quase marginal, agrupados ao redor de algumas revistas de vida normalmente efêmera. Além do grupo carioca inicial e de outros do Rio de Janeiro, o movimento conheceu seguidores em São Paulo, em Minas Gerais, na Bahia, no Paraná e no Rio Grande do Sul. A prosa do período não alcançou resultados muito satisfatórios.
  • 20. Seu marco introdutório foi registrado em 1893 com a publicação das obras Missal (prosa) e Broquéis (poesia), ambas de Cruz e Sousa, considerado o maior autor simbolista brasileiro. Além de Cruz e Sousa, destacaram- se Alphonsus de Guimaraens e Pedro Kilkerry.
  • 22. CRUZ E SOUSA Considerado o precursor do simbolismo no Brasil, João da Cruz e Sousa foi um poeta brasileiro nascido em Florianópolis. Sua obra é marcada pela musicalidade e espiritualidade com temáticas individualistas, satânicas, sensuais. Suas principais obras: Missal (1893), Broquéis (1893), Tropos e fantasias (1885), Faróis (1900) e Últimos Sonetos (1905)
  • 23. Nos Santos óleos do luar, floria Teu corpo ideal, com o resplendor da Helade... E em toda a etérea, branda claridade Como que erravam fluidos de harmonia... As Águias imortais da Fantasia Deram-te as asas e a serenidade Para galgar, subir a Imensidade Onde o clarão de tantos sóis radia. Do espaço pelos límpidos velinos Os Astros vieram claros, cristalinos, Com chamas, vibrações, do alto, cantando... Nos santos óleos do luar envolto Teu corpo era o Astro nas esferas solto, Mais Sóis e mais Estrelas fecundando! Em Sonhos...” de Cruz e Souza presente na obra “Broquéis”
  • 24. ALPHONSUS DE GUIMARAENS Um dos principais poetas simbolistas do Brasil, Afonso Henrique da Costa Guimarães, possui uma obra marcada pela sensibilidade, espiritualidade, misticismo, religiosidade. Sua temática é a morte, a solidão, o sofrimento e o amor. Sua produção literária apresenta características neo- romântico, árcades e simbolistas. Suas.principais obras: Setenário das dores de Nossa Senhora (1899), Dona Mística (1899), Kyriale (1902), Pastoral aos crentes do amor e da morte (1923).
  • 25. Quando Ismália enlouqueceu, Pôs-se na torre a sonhar... Viu uma lua no céu, Viu outra lua no mar. No sonho em que se perdeu, Banhou-se toda em luar... Queria subir ao céu, Queria descer ao mar... E, no desvario seu, Na torre pôs-se a cantar... Estava perto do céu, Estava longe do mar... E como um anjo pendeu As asas para voar... Queria a lua do céu, Queria a lua do mar... As asas que Deus lhe deu Ruflaram de par em par... Sua alma subiu ao céu, Seu corpo desceu ao mar...