SlideShare uma empresa Scribd logo
Lídia Sequeira Presidente do Conselho de Administração Administração do Porto de Sines, S.A. Novos Caminhos do Transporte Marítimo As Auto-Estradas do Mar III Encontro dos Portos da CPLP
Auto-Estradas do Mar - Projecto Prioritário n.º 21 da RTE-T ( Artigo 12-a do Regulamento da RTE-T) FONTE:  Site da Comissão Europeia Objectivos principais: Concentrar fluxos de mercadorias em cadeias logísticas de base marítima Aumentar a coesão e reduzir os impactos ambientais Reduzir os congestionamentos terrestres através da intermodalidade Principais corredores: Baltic motorways of the sea Western Europe motorways of the sea South Eastern motorways of the sea South Western motorways of the sea
O conceito ideal de Auto-Estrada do Mar é baseado numa noção de continuidade ( Desafios da Cadeia Logística) FONTE:  Projecto PORTMOS desenvolvido pela APP  Características Sem bottlenecks que causem  atrasos ou custos adicionais Com procedimentos simplificados  e paperless Com intermodalidade ágil nos  pontos de fricção  Entre dois ou mais estados membros  da UE e estados vizinhos Serviços com frequencia e fiabilidade  assegurada Componente terrestre Componente marítima Pontos de fricção Transporte Rodoviário Conceito ideal de Auto-Estrada do Mar  Transporte Marítimo  de Curta Distancia
Round of the World Services Round of the World Services AUTO-ESTRADAS DO MAR GLOBAIS Futuro: alargamento do conceito AEM às rotas intercontinentais
PORTO HUB: Condição para um pais se integrar nas Auto-Estradas marítimas globais ( Uma questão de soberania nacional – Essencial para as importações/exportações)
TEU 1.000-2.500 4.000-5.000 5.000-12.000 12.000-15.000 First (1956-1970) Second (1970-1980) Third (1980-1988) Fourth (1988-2000) Fifth (2000-2005) Sixth (2006-…) Evolução da dimensão dos navios porta-contentores (Utilização frequente de navios com calados > 14m) Converted Cargo Vessel Converted Tanker Cellular Containership Panamax Class Post Panamax / Panamax I (2000) Panamax II (2014) Length (m) 135 200 215 250 290 275-305 335-364 364-397 Draft  (m) < 9 10 11-12 11-13 14-15 15-17 500 800 3.000 4.000 Beam Rows Outreach Spreader’s Height  NA NA 28-30 m/beam 10-12 rows 28-34 m/out. 30-34 m/height 40-48 m/beam 16-18 rows 46-52 m/out. 34-40 m/height 30-33 m/beam 12-14 rows 34-40 m/out. 30-34 m/height 45-55 m/beam 20-22 rows 56-65 m/out. 40-44 m/height Operados em Sines
O caso de Sines: Diminuição dos Custos de Transporte (Fortes economias de escala) Fonte: Ocean Shipping Consultants, A.T. Kearney analysis (adaptado)  Small feeder Large feeder Interoceanic small vessel Interoceanic large vessel Price Evolution + - 1.750 3.500 7.000 14.000 Unit Costs pr TEU TEU capacity load per vessel
MOTHERSHIPS BILBAU GIJON VIGO SINES CÁDIZ FIGUEIRA DA FOZ LEIXÕES MADRID FEEDERS FEEDERS O caso de Sines: Ligações por feeder ao hinterland (TMCD)
O Caso de Sines: Acessibilidades Rodo e Ferroviária ( 26 comboios/dia: 8 contentores + 8 combustíveis + 10 carvão)
SMS WEB e-mail WEB e-mail SMS O caso de Sines: Procedimentos simplificados e  paperless   (Maior eficiência portuária) Sistema Utiilizador EDIFACT Sistema Utiilizador FLAT FILE Sistema Utiilizador XML SDS SafeSeaNet VTS Costeiro Cartão Único Facturação XML Acesso Público  no campus portuário
Operação 24 horas por dia, 365 dias por ano, sempre com  flat-rate . O caso de Sines: Flexibilidade Laboral e Tarifas planas (Maior eficiência portuária)
O caso de Sines: Mão-de-obra altamente especializada e de origem local (Possibilidade de formação na  CPLP)
O caso de Sines: Equipamentos de última geração (Maior eficiência portuária)
O caso de Sines: Um mothership em operação 14.000TEU 15,95 m
O caso de Sines: Feeders em operação
ZAL Pólo B Terminal  XXI Terminal  XXI (expansão) Contentores (expansão) Terminal  GNL Terminal Multipurpose Terminal Granéis Líquidos Terminal Petroquímico ZILS ZAL Pólo A ZAL Pólo A (expansão) Expansão Terrestre Prevista Expansão Marítima Prevista Expansão (Contentores) Potencial Logístico (APS) Limite da Área de Jurisdisção da APS Rodovia Principal Rodovia Secundária Ferrovia Esteira de Tubagem
Obrigado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Feliciana Monteiro
 
Rte t2014.20
Rte t2014.20Rte t2014.20
Rte t2014.20
Idalina Leite
 
Porto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégicaPorto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégica
Cláudio Carneiro
 
Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
Idalina Leite
 
A inserção nas redes transeuropeias
A inserção nas redes transeuropeiasA inserção nas redes transeuropeias
A inserção nas redes transeuropeias
Ilda Bicacro
 
A competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporteA competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporte
Ilda Bicacro
 
O Novo Mapa de Portugal
O Novo Mapa de Portugal O Novo Mapa de Portugal
O Novo Mapa de Portugal
Idalina Leite
 
As redes de transportes em portugal
As redes de transportes em portugalAs redes de transportes em portugal
As redes de transportes em portugal
Patricia Degenhardt
 
Janela Única Logística dos portos portugueses
Janela Única Logística dos portos portuguesesJanela Única Logística dos portos portugueses
Janela Única Logística dos portos portugueses
aplop
 
4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)
4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)
4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)
InsMonteiro40
 
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICOREDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
Rui Rodrigues
 
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logísticaA estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
aplop
 
7° ano geografia - rede de transporte
7° ano   geografia - rede de transporte7° ano   geografia - rede de transporte
7° ano geografia - rede de transporte
Vivian Santos
 
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Idalina Leite
 
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
713773
 
Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1
Idalina Leite
 
O sistema de transportes
O sistema de transportesO sistema de transportes
O sistema de transportes
Cristiano Ferreira Cesarino
 
Transportes aéreos- Geografia A
Transportes aéreos- Geografia ATransportes aéreos- Geografia A
Transportes aéreos- Geografia A
Ana Catarina
 
Gasodutos
GasodutosGasodutos
Gasodutos
Pedro Peixoto
 
Os transportes em Portugal - Geografia 11º Ano
Os transportes em Portugal - Geografia 11º AnoOs transportes em Portugal - Geografia 11º Ano
Os transportes em Portugal - Geografia 11º Ano
713773
 

Mais procurados (20)

Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
 
Rte t2014.20
Rte t2014.20Rte t2014.20
Rte t2014.20
 
Porto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégicaPorto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégica
 
Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
 
A inserção nas redes transeuropeias
A inserção nas redes transeuropeiasA inserção nas redes transeuropeias
A inserção nas redes transeuropeias
 
A competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporteA competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporte
 
O Novo Mapa de Portugal
O Novo Mapa de Portugal O Novo Mapa de Portugal
O Novo Mapa de Portugal
 
As redes de transportes em portugal
As redes de transportes em portugalAs redes de transportes em portugal
As redes de transportes em portugal
 
Janela Única Logística dos portos portugueses
Janela Única Logística dos portos portuguesesJanela Única Logística dos portos portugueses
Janela Única Logística dos portos portugueses
 
4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)
4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)
4 a competitividade dos diferentes modos de transporte (1)
 
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICOREDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
 
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logísticaA estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
 
7° ano geografia - rede de transporte
7° ano   geografia - rede de transporte7° ano   geografia - rede de transporte
7° ano geografia - rede de transporte
 
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
 
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
 
Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1
 
O sistema de transportes
O sistema de transportesO sistema de transportes
O sistema de transportes
 
Transportes aéreos- Geografia A
Transportes aéreos- Geografia ATransportes aéreos- Geografia A
Transportes aéreos- Geografia A
 
Gasodutos
GasodutosGasodutos
Gasodutos
 
Os transportes em Portugal - Geografia 11º Ano
Os transportes em Portugal - Geografia 11º AnoOs transportes em Portugal - Geografia 11º Ano
Os transportes em Portugal - Geografia 11º Ano
 

Destaque

Terminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de SinesTerminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de Sines
Tânia Domingos
 
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
APS - Administração dos Portos de Sines e do Algarve, S.A.
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Cláudio Carneiro
 
Porto de leixões andre maia
Porto de leixões andre maiaPorto de leixões andre maia
Porto de leixões andre maia
aeplognorte
 
Considerações sobre içamentos pesados oficial
Considerações sobre içamentos pesados   oficialConsiderações sobre içamentos pesados   oficial
Considerações sobre içamentos pesados oficial
Camilo Filho
 
História do porto o porto de leixões
História do porto   o porto de leixõesHistória do porto   o porto de leixões
História do porto o porto de leixões
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 

Destaque (6)

Terminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de SinesTerminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de Sines
 
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Porto de leixões andre maia
Porto de leixões andre maiaPorto de leixões andre maia
Porto de leixões andre maia
 
Considerações sobre içamentos pesados oficial
Considerações sobre içamentos pesados   oficialConsiderações sobre içamentos pesados   oficial
Considerações sobre içamentos pesados oficial
 
História do porto o porto de leixões
História do porto   o porto de leixõesHistória do porto   o porto de leixões
História do porto o porto de leixões
 

Semelhante a III Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de Sines

Os transportes e as Telecomunicações.pptx
Os transportes e as Telecomunicações.pptxOs transportes e as Telecomunicações.pptx
Os transportes e as Telecomunicações.pptx
IsabelRodrigues673409
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Alfredo Garcia
 
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimoVantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
francisogam
 
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimoVantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
francisogam
 
Ccr esse - solucoes integradas - 13/09/2012
Ccr esse - solucoes integradas - 13/09/2012Ccr esse - solucoes integradas - 13/09/2012
Ccr esse - solucoes integradas - 13/09/2012
Secretaria Planejamento SC
 
Modais (Transportes)
Modais (Transportes)Modais (Transportes)
Modais (Transportes)
Kelmmany Wesley
 
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESESINVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
aplop
 
gps8_transportes.pptx
gps8_transportes.pptxgps8_transportes.pptx
gps8_transportes.pptx
ProfBrunoFilipeCirur
 
O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal, com enfoque no ...
O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal,  com enfoque no ...O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal,  com enfoque no ...
O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal, com enfoque no ...
Cláudio Carneiro
 
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA 18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
Cláudio Carneiro
 
Logistica no Brasil e no Mundo (2005)
Logistica no Brasil e no Mundo (2005)Logistica no Brasil e no Mundo (2005)
Logistica no Brasil e no Mundo (2005)
Mario Silvestri Filho
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Rosária Zamith
 
Relatrio final - IEVA
Relatrio final - IEVARelatrio final - IEVA
Relatrio final - IEVA
Cláudio Carneiro
 
A TECNOLOGIA ASSOCIADA À COMPETITIVIDADE NO SECTOR PORTUÁRIO – PORTO...
A  TECNOLOGIA  ASSOCIADA  À  COMPETITIVIDADE  NO  SECTOR  PORTUÁRIO  –  PORTO...A  TECNOLOGIA  ASSOCIADA  À  COMPETITIVIDADE  NO  SECTOR  PORTUÁRIO  –  PORTO...
A TECNOLOGIA ASSOCIADA À COMPETITIVIDADE NO SECTOR PORTUÁRIO – PORTO...
aplop
 
Wq
WqWq
Portos 2021
Portos 2021Portos 2021
PosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.ppt
PosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.pptPosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.ppt
PosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.ppt
AmadeuRocha6
 
2009 copinaval 3
2009 copinaval 32009 copinaval 3
2009 copinaval 3
Newton Narciso Pereira
 
Revista APS N.º 61 – Dezembro 2013
Revista APS N.º 61 – Dezembro 2013Revista APS N.º 61 – Dezembro 2013
Revista APS N.º 56 – Junho 2012
Revista APS N.º 56 – Junho 2012Revista APS N.º 56 – Junho 2012

Semelhante a III Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de Sines (20)

Os transportes e as Telecomunicações.pptx
Os transportes e as Telecomunicações.pptxOs transportes e as Telecomunicações.pptx
Os transportes e as Telecomunicações.pptx
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimoVantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
 
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimoVantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
 
Ccr esse - solucoes integradas - 13/09/2012
Ccr esse - solucoes integradas - 13/09/2012Ccr esse - solucoes integradas - 13/09/2012
Ccr esse - solucoes integradas - 13/09/2012
 
Modais (Transportes)
Modais (Transportes)Modais (Transportes)
Modais (Transportes)
 
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESESINVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
 
gps8_transportes.pptx
gps8_transportes.pptxgps8_transportes.pptx
gps8_transportes.pptx
 
O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal, com enfoque no ...
O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal,  com enfoque no ...O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal,  com enfoque no ...
O Tráfego de Contentores como parte da Logística Multimodal, com enfoque no ...
 
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA 18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
18 ANEXO I – RELATÓRIO DO GTIEVA
 
Logistica no Brasil e no Mundo (2005)
Logistica no Brasil e no Mundo (2005)Logistica no Brasil e no Mundo (2005)
Logistica no Brasil e no Mundo (2005)
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
 
Relatrio final - IEVA
Relatrio final - IEVARelatrio final - IEVA
Relatrio final - IEVA
 
A TECNOLOGIA ASSOCIADA À COMPETITIVIDADE NO SECTOR PORTUÁRIO – PORTO...
A  TECNOLOGIA  ASSOCIADA  À  COMPETITIVIDADE  NO  SECTOR  PORTUÁRIO  –  PORTO...A  TECNOLOGIA  ASSOCIADA  À  COMPETITIVIDADE  NO  SECTOR  PORTUÁRIO  –  PORTO...
A TECNOLOGIA ASSOCIADA À COMPETITIVIDADE NO SECTOR PORTUÁRIO – PORTO...
 
Wq
WqWq
Wq
 
Portos 2021
Portos 2021Portos 2021
Portos 2021
 
PosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.ppt
PosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.pptPosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.ppt
PosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.ppt
 
2009 copinaval 3
2009 copinaval 32009 copinaval 3
2009 copinaval 3
 
Revista APS N.º 61 – Dezembro 2013
Revista APS N.º 61 – Dezembro 2013Revista APS N.º 61 – Dezembro 2013
Revista APS N.º 61 – Dezembro 2013
 
Revista APS N.º 56 – Junho 2012
Revista APS N.º 56 – Junho 2012Revista APS N.º 56 – Junho 2012
Revista APS N.º 56 – Junho 2012
 

Mais de Portos de Portugal

ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
Portos de Portugal
 
Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012
Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012
Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012
Portos de Portugal
 
Plano de Ordenamento do Espaço Marítimo discutido na Figueira da Foz (Margari...
Plano de Ordenamento do Espaço Marítimo discutido na Figueira da Foz (Margari...Plano de Ordenamento do Espaço Marítimo discutido na Figueira da Foz (Margari...
Plano de Ordenamento do Espaço Marítimo discutido na Figueira da Foz (Margari...
Portos de Portugal
 
III Encontro de Portos da CPLP – Renato Rochini – Multiterminais-Brasil
III Encontro de Portos da CPLP – Renato Rochini – Multiterminais-BrasilIII Encontro de Portos da CPLP – Renato Rochini – Multiterminais-Brasil
III Encontro de Portos da CPLP – Renato Rochini – Multiterminais-Brasil
Portos de Portugal
 
III Encontro de Portos da CPLP – Adalberto Francisco - Multiterminais, Angola
III Encontro de Portos da CPLP – Adalberto Francisco - Multiterminais, AngolaIII Encontro de Portos da CPLP – Adalberto Francisco - Multiterminais, Angola
III Encontro de Portos da CPLP – Adalberto Francisco - Multiterminais, Angola
Portos de Portugal
 
III Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – Brasil
III Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – BrasilIII Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – Brasil
III Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – Brasil
Portos de Portugal
 
III Encontro de Portos da CPLP – Luís Barroso – Porto de Lisboa
III Encontro de Portos da CPLP – Luís Barroso – Porto de LisboaIII Encontro de Portos da CPLP – Luís Barroso – Porto de Lisboa
III Encontro de Portos da CPLP – Luís Barroso – Porto de Lisboa
Portos de Portugal
 
III Encontro de Portos da CPLP – Carlos Gouveia Lopes – Porto de Setúbal
III Encontro de Portos da CPLP – Carlos Gouveia Lopes – Porto de SetúbalIII Encontro de Portos da CPLP – Carlos Gouveia Lopes – Porto de Setúbal
III Encontro de Portos da CPLP – Carlos Gouveia Lopes – Porto de Setúbal
Portos de Portugal
 
III Encontro de Portos da CPLP – Serigne Mbaye Thiam – Dakar (Senegal) (versã...
III Encontro de Portos da CPLP – Serigne Mbaye Thiam – Dakar (Senegal) (versã...III Encontro de Portos da CPLP – Serigne Mbaye Thiam – Dakar (Senegal) (versã...
III Encontro de Portos da CPLP – Serigne Mbaye Thiam – Dakar (Senegal) (versã...
Portos de Portugal
 
III Encontro de Portos da CPLP – Vieira dos Santos – Comunidade Portuária do ...
III Encontro de Portos da CPLP – Vieira dos Santos – Comunidade Portuária do ...III Encontro de Portos da CPLP – Vieira dos Santos – Comunidade Portuária do ...
III Encontro de Portos da CPLP – Vieira dos Santos – Comunidade Portuária do ...
Portos de Portugal
 
III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)
III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)
III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)
Portos de Portugal
 
III Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de Leixões
III Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de LeixõesIII Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de Leixões
III Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de Leixões
Portos de Portugal
 
III Encontro de Portos da CPLP – Franklim Spencer – ENAPOR, Cabo Verde
III Encontro de Portos da CPLP – Franklim Spencer – ENAPOR, Cabo VerdeIII Encontro de Portos da CPLP – Franklim Spencer – ENAPOR, Cabo Verde
III Encontro de Portos da CPLP – Franklim Spencer – ENAPOR, Cabo Verde
Portos de Portugal
 
Legislação Marítimo-Portuária 2008-2009
Legislação Marítimo-Portuária 2008-2009Legislação Marítimo-Portuária 2008-2009
Legislação Marítimo-Portuária 2008-2009
Portos de Portugal
 
Cúpula dos Portos da CPLP reunida em S. Vicente
Cúpula dos Portos da CPLP reunida em S. VicenteCúpula dos Portos da CPLP reunida em S. Vicente
Cúpula dos Portos da CPLP reunida em S. Vicente
Portos de Portugal
 
Reunião preparatória do III Encontro de Portos da CPLP
Reunião preparatória do III Encontro de Portos da CPLPReunião preparatória do III Encontro de Portos da CPLP
Reunião preparatória do III Encontro de Portos da CPLP
Portos de Portugal
 

Mais de Portos de Portugal (16)

ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
 
Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012
Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012
Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012
 
Plano de Ordenamento do Espaço Marítimo discutido na Figueira da Foz (Margari...
Plano de Ordenamento do Espaço Marítimo discutido na Figueira da Foz (Margari...Plano de Ordenamento do Espaço Marítimo discutido na Figueira da Foz (Margari...
Plano de Ordenamento do Espaço Marítimo discutido na Figueira da Foz (Margari...
 
III Encontro de Portos da CPLP – Renato Rochini – Multiterminais-Brasil
III Encontro de Portos da CPLP – Renato Rochini – Multiterminais-BrasilIII Encontro de Portos da CPLP – Renato Rochini – Multiterminais-Brasil
III Encontro de Portos da CPLP – Renato Rochini – Multiterminais-Brasil
 
III Encontro de Portos da CPLP – Adalberto Francisco - Multiterminais, Angola
III Encontro de Portos da CPLP – Adalberto Francisco - Multiterminais, AngolaIII Encontro de Portos da CPLP – Adalberto Francisco - Multiterminais, Angola
III Encontro de Portos da CPLP – Adalberto Francisco - Multiterminais, Angola
 
III Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – Brasil
III Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – BrasilIII Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – Brasil
III Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – Brasil
 
III Encontro de Portos da CPLP – Luís Barroso – Porto de Lisboa
III Encontro de Portos da CPLP – Luís Barroso – Porto de LisboaIII Encontro de Portos da CPLP – Luís Barroso – Porto de Lisboa
III Encontro de Portos da CPLP – Luís Barroso – Porto de Lisboa
 
III Encontro de Portos da CPLP – Carlos Gouveia Lopes – Porto de Setúbal
III Encontro de Portos da CPLP – Carlos Gouveia Lopes – Porto de SetúbalIII Encontro de Portos da CPLP – Carlos Gouveia Lopes – Porto de Setúbal
III Encontro de Portos da CPLP – Carlos Gouveia Lopes – Porto de Setúbal
 
III Encontro de Portos da CPLP – Serigne Mbaye Thiam – Dakar (Senegal) (versã...
III Encontro de Portos da CPLP – Serigne Mbaye Thiam – Dakar (Senegal) (versã...III Encontro de Portos da CPLP – Serigne Mbaye Thiam – Dakar (Senegal) (versã...
III Encontro de Portos da CPLP – Serigne Mbaye Thiam – Dakar (Senegal) (versã...
 
III Encontro de Portos da CPLP – Vieira dos Santos – Comunidade Portuária do ...
III Encontro de Portos da CPLP – Vieira dos Santos – Comunidade Portuária do ...III Encontro de Portos da CPLP – Vieira dos Santos – Comunidade Portuária do ...
III Encontro de Portos da CPLP – Vieira dos Santos – Comunidade Portuária do ...
 
III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)
III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)
III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)
 
III Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de Leixões
III Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de LeixõesIII Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de Leixões
III Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de Leixões
 
III Encontro de Portos da CPLP – Franklim Spencer – ENAPOR, Cabo Verde
III Encontro de Portos da CPLP – Franklim Spencer – ENAPOR, Cabo VerdeIII Encontro de Portos da CPLP – Franklim Spencer – ENAPOR, Cabo Verde
III Encontro de Portos da CPLP – Franklim Spencer – ENAPOR, Cabo Verde
 
Legislação Marítimo-Portuária 2008-2009
Legislação Marítimo-Portuária 2008-2009Legislação Marítimo-Portuária 2008-2009
Legislação Marítimo-Portuária 2008-2009
 
Cúpula dos Portos da CPLP reunida em S. Vicente
Cúpula dos Portos da CPLP reunida em S. VicenteCúpula dos Portos da CPLP reunida em S. Vicente
Cúpula dos Portos da CPLP reunida em S. Vicente
 
Reunião preparatória do III Encontro de Portos da CPLP
Reunião preparatória do III Encontro de Portos da CPLPReunião preparatória do III Encontro de Portos da CPLP
Reunião preparatória do III Encontro de Portos da CPLP
 

Último

Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
InsttLcioEvangelista
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applicationsIntroduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
João de Paula Ribeiro Neto
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxFoi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
lindalva da cruz
 

Último (6)

Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applicationsIntroduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxFoi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 

III Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de Sines

  • 1. Lídia Sequeira Presidente do Conselho de Administração Administração do Porto de Sines, S.A. Novos Caminhos do Transporte Marítimo As Auto-Estradas do Mar III Encontro dos Portos da CPLP
  • 2. Auto-Estradas do Mar - Projecto Prioritário n.º 21 da RTE-T ( Artigo 12-a do Regulamento da RTE-T) FONTE: Site da Comissão Europeia Objectivos principais: Concentrar fluxos de mercadorias em cadeias logísticas de base marítima Aumentar a coesão e reduzir os impactos ambientais Reduzir os congestionamentos terrestres através da intermodalidade Principais corredores: Baltic motorways of the sea Western Europe motorways of the sea South Eastern motorways of the sea South Western motorways of the sea
  • 3. O conceito ideal de Auto-Estrada do Mar é baseado numa noção de continuidade ( Desafios da Cadeia Logística) FONTE: Projecto PORTMOS desenvolvido pela APP Características Sem bottlenecks que causem atrasos ou custos adicionais Com procedimentos simplificados e paperless Com intermodalidade ágil nos pontos de fricção Entre dois ou mais estados membros da UE e estados vizinhos Serviços com frequencia e fiabilidade assegurada Componente terrestre Componente marítima Pontos de fricção Transporte Rodoviário Conceito ideal de Auto-Estrada do Mar Transporte Marítimo de Curta Distancia
  • 4. Round of the World Services Round of the World Services AUTO-ESTRADAS DO MAR GLOBAIS Futuro: alargamento do conceito AEM às rotas intercontinentais
  • 5. PORTO HUB: Condição para um pais se integrar nas Auto-Estradas marítimas globais ( Uma questão de soberania nacional – Essencial para as importações/exportações)
  • 6. TEU 1.000-2.500 4.000-5.000 5.000-12.000 12.000-15.000 First (1956-1970) Second (1970-1980) Third (1980-1988) Fourth (1988-2000) Fifth (2000-2005) Sixth (2006-…) Evolução da dimensão dos navios porta-contentores (Utilização frequente de navios com calados > 14m) Converted Cargo Vessel Converted Tanker Cellular Containership Panamax Class Post Panamax / Panamax I (2000) Panamax II (2014) Length (m) 135 200 215 250 290 275-305 335-364 364-397 Draft (m) < 9 10 11-12 11-13 14-15 15-17 500 800 3.000 4.000 Beam Rows Outreach Spreader’s Height NA NA 28-30 m/beam 10-12 rows 28-34 m/out. 30-34 m/height 40-48 m/beam 16-18 rows 46-52 m/out. 34-40 m/height 30-33 m/beam 12-14 rows 34-40 m/out. 30-34 m/height 45-55 m/beam 20-22 rows 56-65 m/out. 40-44 m/height Operados em Sines
  • 7. O caso de Sines: Diminuição dos Custos de Transporte (Fortes economias de escala) Fonte: Ocean Shipping Consultants, A.T. Kearney analysis (adaptado) Small feeder Large feeder Interoceanic small vessel Interoceanic large vessel Price Evolution + - 1.750 3.500 7.000 14.000 Unit Costs pr TEU TEU capacity load per vessel
  • 8. MOTHERSHIPS BILBAU GIJON VIGO SINES CÁDIZ FIGUEIRA DA FOZ LEIXÕES MADRID FEEDERS FEEDERS O caso de Sines: Ligações por feeder ao hinterland (TMCD)
  • 9. O Caso de Sines: Acessibilidades Rodo e Ferroviária ( 26 comboios/dia: 8 contentores + 8 combustíveis + 10 carvão)
  • 10. SMS WEB e-mail WEB e-mail SMS O caso de Sines: Procedimentos simplificados e paperless (Maior eficiência portuária) Sistema Utiilizador EDIFACT Sistema Utiilizador FLAT FILE Sistema Utiilizador XML SDS SafeSeaNet VTS Costeiro Cartão Único Facturação XML Acesso Público no campus portuário
  • 11. Operação 24 horas por dia, 365 dias por ano, sempre com flat-rate . O caso de Sines: Flexibilidade Laboral e Tarifas planas (Maior eficiência portuária)
  • 12. O caso de Sines: Mão-de-obra altamente especializada e de origem local (Possibilidade de formação na CPLP)
  • 13. O caso de Sines: Equipamentos de última geração (Maior eficiência portuária)
  • 14. O caso de Sines: Um mothership em operação 14.000TEU 15,95 m
  • 15. O caso de Sines: Feeders em operação
  • 16. ZAL Pólo B Terminal XXI Terminal XXI (expansão) Contentores (expansão) Terminal GNL Terminal Multipurpose Terminal Granéis Líquidos Terminal Petroquímico ZILS ZAL Pólo A ZAL Pólo A (expansão) Expansão Terrestre Prevista Expansão Marítima Prevista Expansão (Contentores) Potencial Logístico (APS) Limite da Área de Jurisdisção da APS Rodovia Principal Rodovia Secundária Ferrovia Esteira de Tubagem

Notas do Editor

  1. A informação contida nesta apresentação é válida durante o período de testes