SlideShare uma empresa Scribd logo
Adriano Gomes
Helder Marques
Mark Macedo
Ricardo Teixeira
Vítor Silva
TransportesTransportes
ÍndiceÍndice
Definição de transporteDefinição de transporte
Origem e evolução dos transportesOrigem e evolução dos transportes
RodoviárioRodoviário
FerroviárioFerroviário
MarítimoMarítimo
AéreoAéreo
OleodutoOleoduto
Evolução dos transportes no PortoEvolução dos transportes no Porto
Classificação dos transportesClassificação dos transportes
Quanto à modalidadeQuanto à modalidade
Quanto à formaQuanto à forma
Características, vantagens e desvantagens dosCaracterísticas, vantagens e desvantagens dos
transportestransportes
Índice (cont.)Índice (cont.)
A logística dos transportesA logística dos transportes
Na EuropaNa Europa
Em PortugalEm Portugal
Controlo e supervisão de frotasControlo e supervisão de frotas
Algoritmo de transporteAlgoritmo de transporte
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
BibliografiaBibliografia
Transporte, meio de translação de pessoas
ou bens a partir de um lugar para outro.
O transporte comercial moderno está ao
serviço de interesses públicos e inclui:
todos os meios e infra-estruturas implicados nos
movimentos das pessoas ou bens;
serviços de recepção, entrega e manipulação de tais
bens.
Transporte comercial de pessoas:
Serviço de passageiros
Transporte comercial de bens:
Serviço de mercadorias
Definição de TransporteDefinição de Transporte
Evolução dos
transportes:
Rodoviários
Ferroviários
Marítimos
Aéreos
Oleodutos
Desde os primeiros tempos da sua existência
que o homem reconheceu a necessidade de se
deslocar entre variados lugares.
Durante séculos, os tradicionais meios de
transporte usavam como principal forma de
deslocação a tracção animal.
Com a evolução natural, necessitou de meios
que lhe permitissem deslocar-se entre dois
lugares de forma cada vez mais rápida.
Evolução dos Transportes: RodoviáriosEvolução dos Transportes: Rodoviários
Graças à revolução industrial, surgem os
primeiros engenhos com motores a vapor.
Com a invenção de Rudolf Diesel, os motores
de explosão, deu-se um enorme incremento
no transporte rodoviário.
Evolução dos Transportes: RodoviáriosEvolução dos Transportes: Rodoviários
Henry Ford lançou o
“Model T”, lançando
definitivamente a
era do automóvel.
Evolução dos
transportes:
Rodoviários
Ferroviários
Marítimos
Aéreos
Oleodutos
Evolução dos
transportes:
Rodoviários
Ferroviários
Marítimos
Aéreos
Oleodutos
Com o desenvolvimento da rede de estradas,
os transportes rodoviários de passageiros
começaram a ganhar terreno face ao seu mais
directo concorrente, o comboio.
Evolução dos Transportes: RodoviáriosEvolução dos Transportes: Rodoviários
Hoje em dia, com uma rede de auto-estradas
bastante desenvolvida, as redes de
transportes rodoviários chegam a todos os
pontos do país.
Evolução dos
transportes:
Rodoviários
Ferroviários
Marítimos
Aéreos
Oleodutos
Em 1705, Thomas Newcomen inventa a
máquina a vapor, melhorada por James Watt
em 1765.
A primeira locomotiva foi apresentada em
público em 1814, graças a George Stephenson.
Evolução dos Transportes: FerroviáriosEvolução dos Transportes: Ferroviários
Evolução dos
transportes:
Rodoviários
Ferroviários
Marítimos
Aéreos
Oleodutos
Durante a Revolução Industrial houve um
aumento do volume da produção de
mercadorias e a necessidade de transportá-las
com rapidez.
Evolução dos Transportes: FerroviáriosEvolução dos Transportes: Ferroviários
A Europa começa a
incentivar este meio
de transporte e a
desenvolver as suas
próprias redes e as
ligações com os países
vizinhos.
Evolução dos
transportes:
Rodoviários
Ferroviários
Marítimos
Aéreos
Oleodutos
O precoce aperfeiçoamento do transporte
aquático foi estimulado pela concentração da
população junto ao litoral, e zonas fluviais.
Desde cedo se manifestou a veia marítima do
povo português.
Evolução dos Transportes: MarítimosEvolução dos Transportes: Marítimos
O mar torna-se
numa referência
económica e
cultural para os
Portugueses,
atraindo os
homens, as
actividades e os
recursos.
Evolução dos
transportes:
Rodoviários
Ferroviários
Marítimos
Aéreos
Oleodutos
Durante o século XIX foram dados grandes
avanços graças à tecnologia da energia a
vapor.
O primeiro barco a empregar a propulsão a
vapor, numa travessia transatlântica, foi o
Savannah, em 1819.
Evolução dos Transportes: MarítimosEvolução dos Transportes: Marítimos
O motor diesel
trouxe um suposto
funcionamento mais
económico para as
embarcações
modernas.
Evolução dos
transportes:
Rodoviários
Ferroviários
Marítimos
Aéreos
Oleodutos
A história da aviação remonta a tempos pré-
históricos.
Foi já no séc. XVIII que o Homem voou pela
primeira vez.
Evolução dos Transportes: AéreosEvolução dos Transportes: Aéreos
Evolução dos
transportes:
Rodoviários
Ferroviários
Marítimos
Aéreos
Oleodutos
O transporte aéreo é a forma de transporte
mais moderna e que mais rapidamente se
desenvolveu.
Foi após a Primeira Grande Guerra Mundial
que o transporte aéreo alcançou maior
notabilidade.
Evolução dos Transportes: AéreosEvolução dos Transportes: Aéreos
As canalizações para a
distribuição da água
têm sido usadas desde
tempos remotos.
Os Pipelines apenas
apareceram depois de
1859, com o
descobrimento do
petróleo.
Em 1990, os Pipelines
representavam 20% do
transporte total de
mercadorias nos
Estados Unidos.
Evolução dos Transportes: OleodutosEvolução dos Transportes: Oleodutos
Evolução dos
transportes:
Rodoviários
Ferroviários
Marítimos
Aéreos
Oleodutos
Evolução dos
transportes no
Porto
A barra do Douro sempre foi demandada por
barcos provenientes de várias regiões, que
vinham realizar, essencialmente operações
comerciais.
O transporte de carga e até de passageiros,
era feito por barcos rabelos que acostavam à
margem direita do rio, junto à ribeira.
Evolução dos Transportes no PortoEvolução dos Transportes no Porto
Evolução dos
transportes no
Porto
Em 1895, foi a inauguração da primeira linha
eléctrica, no Porto, entre Massarelos e a
Cordoaria.
Os carros eléctricos vieram substituir a
tracção animal, aumentando a velocidade de
deslocação.
Evolução dos Transportes no PortoEvolução dos Transportes no Porto
Quanto à modalidade:
Terrestre
Rodoviário
Ferroviário
Oleodutos
Aquático
Marítimo
Fluvial
Aéreo
Classificação dos TransportesClassificação dos Transportes
Classificação dos
transportes:
Modalidade
Forma
Quanto à forma:
Modal ou unimodal
Envolve apenas uma modalidade
Multimodal
Envolve mais do que uma modalidade
Regido por um único contrato
Intermodal
Envolve mais do que uma modalidade
Regido por um contrato para cada modalidade
Sucessivo
Envolve transbordos para veículos da mesma
modalidade
Regido por um único contrato
Classificação dos TransportesClassificação dos Transportes
Classificação dos
transportes:
Modalidade
Forma
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Características:
Os veículos movimentam-se em caminhos
pavimentados.
Não apresentam necessidade de terminais.
A infra-estrutura é propriedade pública.
Determinados trajectos exigem uma taxa de
utilização.
Apresenta uma legislação organizada pelo
estado.
Transporte RodoviárioTransporte Rodoviário
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Vantagens:
Flexibilidade do serviço.
Flexibilidade no deslocamento de cargas.
Rapidez (Ponto-a-Ponto).
Menores custos de embalagem.
Manuseamento de pequenos lotes.
Elevada cobertura geográfica.
Muito competitivo em curtas e médias
distâncias.
Flexibilidade no atendimento de embarques
urgentes.
Entrega directa e segura dos bens.
Transporte RodoviárioTransporte Rodoviário
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Desvantagens:
Unidades de carga limitadas.
Dependente das infra-estruturas.
Dependente do trânsito.
Dependente da regulamentação.
Mais caro em grandes distâncias.
Transporte RodoviárioTransporte Rodoviário
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Características:
Os veículos movimentam-se sobre carris.
Constituídos por carruagens interligadas entre
si.
A infra-estrutura apresenta terminais
(estações), onde é permitida a carga e
descarga.
Os serviços de transporte são arrendados ao
operador que poderá ser privado ou público.
Transporte FerroviárioTransporte Ferroviário
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Vantagens:
Menor custo de transporte para grande
distâncias.
Sem problemas de congestionamento.
Terminais de carga próximo das fontes de
produção.
Adequado para produto de baixo valor
acrescentado e alta densidade.
Adequado para grandes volumes.
Possibilita o transporte de vários tipos de
produtos.
Independente das condições atmosféricas.
Eficaz em termos energéticos.
Transporte FerroviárioTransporte Ferroviário
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Desvantagens:
Não possui flexibilidade de percurso.
Necessidade maior de transbordo.
Elevada dependência de outros transportes.
Pouco competitivo para pequenas distâncias.
Horários poucos flexíveis.
Elevados custos de manuseamento.
Transporte FerroviárioTransporte Ferroviário
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Características:
Transporte através de meios aquáticos (mares
e rios).
Os transportes representam um importante
elo de ligação entre o continentes.
Os portos absorvem o impacto do fluxo de
cargas do sistema.
Existe uma grande variedade de navios
(Tanques, Porta-Contentores, Cargueiros,
entre outros…).
Transporte MarítimoTransporte Marítimo
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Vantagens:
Competitivo para produtos com baixo custo de
tonelada por quilómetro transportado.
Qualquer tipo de cargas.
Maior capacidade de carga.
Menor custo de transporte.
Transporte MarítimoTransporte Marítimo
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Desvantagens:
Baixa Velocidade.
Disponibilidade limitada.
Maior exigência de embalagens.
Necessidade de transbordo nos portos.
Distância aos centros de produção.
Menor flexibilidade nos serviços aliados a
frequentes congestionamentos nos portos.
Transporte MarítimoTransporte Marítimo
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Características:
Utiliza o ar como meio de navegação.
Serviço terminal a terminal (aeroportos).
Obedecem a um conjunto de regulamentos
extremamente rígido.
A capacidade de carga dos aviões tem
aumentado significativamente.
Transporte AéreoTransporte Aéreo
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Vantagens:
Ideal para o envio de mercadorias com pouco
peso e volume.
Maior rapidez.
Eficácia comprovada nas entregas urgentes.
Acesso a mercados difíceis de serem
alcançados por outros meios de transporte.
Redução dos gastos de armazenagem.
Agilidade no deslocamento de cargas.
Possibilita redução de stocks por aplicação de
procedimentos just in time.
Não necessita embalagem mais reforçada
(manuseamento mais cuidadoso).
Transporte AéreoTransporte Aéreo
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Desvantagens:
Menor capacidade de carga.
Custos bastante elevados em relação aos
outros meios de transporte.
Pouco flexível por trabalhar terminal a
terminal.
Menos rápido para pequenas distâncias (menos
de 500 km).
Transporte AéreoTransporte Aéreo
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Características:
Transporte realizado no interior de tubos.
A movimentação dá-se através de sistemas de
bombagem.
Os sistemas de bombagem baseiam-se na
variação de pressão entre zonas, pelo que, os
produtos propagam-se das zonas de mais
elevada pressão paras zonas de pressão mais
reduzida.
OleodutosOleodutos
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Vantagens:
Fluxo de produtos é monitorizado e
controlado por computador.
Perdas e danos do produto por ruptura dos
oleodutos são bastante raros.
Mudanças climáticas têm pouca influência no
fluxo de produtos e não afecta os produtos.
Baixa dependência de trabalho humano.
Longa vida útil.
OleodutosOleodutos
Características,
vantagens e
desvantagens:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
Desvantagens:
Limitada diversidade de produtos.
Rede extremamente rígida.
Investimento elevado.
OleodutosOleodutos
ComparaçãoComparação
In “Logística”, J. M. Crespo de Carvalho
Comparação:
Rodoviário
Ferroviário
Marítimo
Aéreo
Oleodutos
TransportesTransportes
A Logística de Transporte na Europa
Ponto de situação (Europa)
Ponto de situação (Portugal)
Objectivos da EU
Desenvolvimento dos Transportes/Logística em
Portugal
A Logística do
Transporte na
Europa
Ponto de situação
(Europa)
Ponto de situação
(Portugal)
Objectivos da EU
Desenvolvimento dos
Transportes
/Logística em
Portugal
A Logística do
Transporte na
Europa
Ponto de situação
(Europa)
Ponto de situação
(Portugal)
Objectivos da EU
Desenvolvimento
dos Transportes
/Logística em
Portugal
A globalização e o alargamento a Leste
constituem novos desafios
Origem de congestionamentos, ruído, poluição
e acidentes
Dependentes dos combustíveis fósseis
Para resolver estes aspectos é preciso:
Apostar na modernização da logística:
Aumentar a eficácia dos vários modos de transporte
Aumentar a eficácia das sua combinações
Realizar uma melhor repartição do tráfego
A Logística do Transporte EuropaA Logística do Transporte Europa
A Logística do
Transporte na
Europa
Ponto de situação
(Europa)
Ponto de situação
(Portugal)
Objectivos da EU
Desenvolvimento dos
Transportes
/Logística em
Portugal
O sector da logística representa 5 400 mil
milhões de euros .
Os custos da logística representam entre 10 e
15% do custo final dos produtos.
A logística ainda não é objecto de análises
estatísticas fiáveis.
Estima-se que em 2010 o sector dos
Transportes cresça cerca de 38%.
Aumento do preço dos combustíveis - atenção
prioritária a esta área.
Ponto da situação (Europa)Ponto da situação (Europa)
78% do nosso comércio internacional é com
países da EU.
83% realiza-se por via rodoviária.
68% do comércio com outros continentes por
via marítima.
Transporte rodoviário é o principal meio
utilizado no País.
Situação geográfica propícia ao transporte
marítimo (55 milhões de toneladas/ano)
Cerca de 400 mil turistas/ano transitam pelos
portos do país.
Ponto de situação (Portugal)Ponto de situação (Portugal)
A Logística do
Transporte na
Europa
Ponto de situação
(Europa)
Ponto de situação
(Portugal)
Objectivos da EU
Desenvolvimento dos
Transportes
/Logística em
Portugal
Problemas ao nível de :
congestionamento,
degradação das infra-estruturas e
aumento da dependência de produtos petrolíferos.
Cadeias de abastecimento e sistemas de
controlo pouco distribuídos (Porto e Lisboa).
Falta de intermodalidade (meio rodoviário).
Ponto de situação (Portugal)Ponto de situação (Portugal)
A Logística do
Transporte na
Europa
Ponto de situação
(Europa)
Ponto de situação
(Portugal)
Objectivos da EU
Desenvolvimento dos
Transportes
/Logística em
Portugal
World Competitiveness Yearbook 2005
Portugal
30ª posição quanto à densidade da rede de
estradas/km2.
37ª posição no que toca ao transporte aéreo.
27ª posição em relação ao nível ferroviário.
Ponto de situação (Portugal)Ponto de situação (Portugal)
A Logística do
Transporte na
Europa
Ponto de situação
(Europa)
Ponto de situação
(Portugal)
Objectivos da EU
Desenvolvimento dos
Transportes
/Logística em
Portugal
Sistemas de bilhética sem contacto.
Sistema de informação/orientação.
Aumentar o n.º de terminais multimodais.
Promover a Intermodalidade.
Ponto de situação (Portugal)Ponto de situação (Portugal)
A Logística do
Transporte na
Europa
Ponto de situação
(Europa)
Ponto de situação
(Portugal)
Objectivos da EU
Desenvolvimento dos
Transportes
/Logística em
Portugal
Bons Índices VS Fraca Articulação.
O país evidencia capacidade.
O Problema do Atomismo.
Consequências ao nível de:
Esquemas de gestão menos eficientes.
Desaproveitamento de factores.
Desaproveitamento da especialização.
Necessidade de reforçar a Logística do seu
mercado interno.
Ponto de situação (Portugal)Ponto de situação (Portugal)
A Logística do
Transporte na
Europa
Ponto de situação
(Europa)
Ponto de situação
(Portugal)
Objectivos da EU
Desenvolvimento dos
Transportes
/Logística em
Portugal
A Comissão pretende intervir nos domínios
seguintes:
Identificar os estrangulamentos
Tirar partido das tecnologias de informação e de
comunicação
Utilizar melhor as infra-estruturas
Criar um certificado de qualidade
Simplificar as cadeias multimodais
Promover uma estrutura regulamentar da
multimodalidade a nível mundial
Estabelecer normas europeias de carregamento
Objectivos da UEObjectivos da UE
A Logística do
Transporte na
Europa
Ponto de situação
(Europa)
Ponto de situação
(Portugal)
Objectivos da EU
Desenvolvimento dos
Transportes
/Logística em
Portugal
Em desenvolvimento:
Integração da rede de transportes na rede ibérica,
europeia e transeuropeia.
Mobilidade sustentável das pessoas.
Apostar na vertente comercial e empresarial dos
nossos portos.
Desburocratização das actividades portuárias.
Maximizar a eficiência do transporte marítimo e
impulsionar o fluvial e o ferroviário.
Incorporação de logística num modelo de gestão
racional.
Desenvolvimento dosDesenvolvimento dos
Transportes/Logística em PortugalTransportes/Logística em Portugal
A Logística do
Transporte na
Europa
Ponto de situação
(Europa)
Ponto de situação
(Portugal)
Objectivos da EU
Desenvolvimento
dos
Transportes
/Logística em
Portugal
Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas
Transporte
Rodoviário
Porque razão é
necessário?
Gestão de frota
Objectivos
Controlo e Supervisão de Frotas
Porque razão é necessário?
Gestão de frota
Informação necessária
Objectivos
Porque razão é necessário?
Recursos – veículos, trailers, condutores
Serviço – principal interface físico com o cliente
Manutenção – periódicas do veículo
Substituição – saber o momento certo
Segurança e monitorização – recurso a tecnologias
para obter informação em tempo real
Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas
Transporte
Rodoviário
Porque razão é
necessário?
Gestão de frota
Objectivos
Gestão de Frotas
Funções desempenhadas:
Agendamento de Manutenção Periódica
Controlo de Peças
Administração de Frota
Custo de Frota
Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas
Transporte
Rodoviário
Porque razão é
necessário?
Gestão de frotas
Objectivos
Gestão de Frotas
Agendamento de Manutenção Periódica
Histórico de serviço
Relatórios de Manutenção
Análises de custo de reparações
Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas
Transporte
Rodoviário
Porque razão é
necessário?
Gestão de frotas
Objectivos
Gestão de Frotas
Controlo de Peças
Inventário de Stock
Localização de Stock
Relatórios de Stock
Produção de Notas de Encomenda Automática
Informação Técnica do Fornecedor e Fabricante
Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas
Transporte
Rodoviário
Porque razão é
necessário?
Gestão de frotas
Objectivos
Gestão de Frotas
Administração de Frota
Criação de Relatórios para o Governo, se necessário
Notifica Renovação de Documentos
Seguros, Imposto de Selo, Licenças, etc…
Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas
Transporte
Rodoviário
Porque razão é
necessário?
Gestão de frotas
Objectivos
Gestão de Frotas
Custo de Frota
Análises de Custo do Veículo
Análises de Custo do Condutor
Custo Global da Frota
Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas
Transporte
Rodoviário
Porque razão é
necessário?
Gestão de frotas
Objectivos
Gestão de Frotas
Objectivos
Maximizar o tempo de uso dos veículos.
Maximizar a capacidade de utilização dos veículos.
Minimizar a quilometragem.
Minimizar o número de veículos usados.
Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas
Transporte
Rodoviário
Porque razão é
necessário?
Gestão de frota
Objectivos
Algoritmo de TransporteAlgoritmo de Transporte
Metodologia deMetodologia de SLATERSLATER
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
Factores
determinantes na
escolha do
Transporte:
Características do
cliente
Características
ambientais
Características do
produto
Características da
empresa
In “Logística”,
J. M. Crespo de Carvalho
Características do cliente:
Localização geográfica
Acessos aos pontos de entrega
Restrições de tempo
(dias da semana, hora do dia, …)
Tamanho da encomenda
(e volume de vendas anual)
Conhecimento do produto
(para efeitos de carga/descarga e evitar estragos)
Equipamento mecânico para manuseamento do
produto
Nível de serviço requerido e tempo de resposta
Tipo de venda (FOB ou outros)
Requisitos depois da venda (pós-venda)
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
Factores
determinantes na
escolha do
Transporte:
Características do
cliente
Características
ambientais
Características do
produto
Características da
empresa
Características ambientais
Outros utilizadores rodoviários
(e seus efeitos)
Infra-estrutura
Tecnologia
(veículo e equipamento)
Clima
Considerações legais
Tendências rodoviárias
(são as mais gravosas para o ambiente)
Tendências ambientais
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
Factores
determinantes na
escolha do
Transporte:
Características do
cliente
Características
ambientais
Características do
produto
Características da
empresa
Características do produto
Peso
Volume
Forma
Natureza frágil
Obsolescência e deterioração
Perigo
(ex: toxicidade)
Valor
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
Factores
determinantes na
escolha do
Transporte:
Características do
cliente
Características
ambientais
Características do
produto
Características da
empresa
Características da empresa
Política de nível de serviço
Política de lead-time
Vendas territoriais
Localizações de depósitos / Centros de distribuição
Localização de instalações fabris
Políticas financeiras
Políticas e desempenho da concorrência
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
Factores
determinantes na
escolha do
Transporte:
Características do
cliente
Características
ambientais
Características do
produto
Características da
empresa
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
Passos para
determinação
das alternativas
de modos de
transporte
In “Logística”,
J. M. Crespo de Carvalho
Aproximação matricial:
1. Selecção das decisões iniciais
a) Selecção do modo de transporte
b) Selecção das especificações do equipamento
c) Escolha das opções financeiras
d) Escolha das necessidades de operações
1. Selecção de dois importantes factores
a) Que afectam cada decisão requerida
b) Para ser elaborada a matriz decisional de dupla entrada
1. Selecção das alternativas básicas
a) Que cobrem as condições impostas pela matriz
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
Aproximação
matricial
Aproximação matricial (cont):
4. Determinação das necessidades da empresa
a) Analisando os factores mais importantes e posicionando-os
4. Selecção dos recursos requeridos
a) Tomando em consideração os resultados iniciais
4. Combinação das soluções das matrizes
a) Para providenciar um transporte eficiente
b) Que identifique tarefas de transporte
c) Recursos apropriados para as tarefas
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
Aproximação
matricial
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
Ferramentas para
decisões sobre
transporte
In “Logística”,
J. M. Crespo de Carvalho
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
In “Logística”,
J. M. Crespo de Carvalho
Nacional Internacional
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
In “Logística”, J. M. Crespo de Carvalho
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
In “Logística”, J. M. Crespo de Carvalho
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
In “Logística”, J. M. Crespo de Carvalho
Metodologia de
Slater:
Último passo
Colocar em prática a solução encontrada
Medir o sucesso dessa solução
Através da experiência prática
Avaliar os resultados
Melhorar, se necessário, ao longo do tempo
Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
BibliografiaBibliografia
http://manueljoao.no.sapo.pt/breve%20historia.htmhttp://manueljoao.no.sapo.pt/breve%20historia.htm
http://www.monografias.com/trabajos/transporte/transporte.shtmlhttp://www.monografias.com/trabajos/transporte/transporte.shtml
http://www.transportesemmovimento.com/trrodoviario.htmhttp://www.transportesemmovimento.com/trrodoviario.htm
http://europa.eu/scadplus/scad_pt.htmhttp://europa.eu/scadplus/scad_pt.htm
http://www.portugal.gov.pthttp://www.portugal.gov.pt
““The Handbook of Logistics and Distribution Management” – 2nd edition,The Handbook of Logistics and Distribution Management” – 2nd edition,
Alan Rushton, John Oxley, Phil CroucherAlan Rushton, John Oxley, Phil Croucher
““Logística”, J. M. Crespo de CarvalhoLogística”, J. M. Crespo de Carvalho
““O Porto: origem, evolução e transportes”, Guido de MontereyO Porto: origem, evolução e transportes”, Guido de Monterey

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transportes Módulo 7
Transportes   Módulo 7Transportes   Módulo 7
Transportes Módulo 7
abarros
 
Meios de Transportes - 9 ano
Meios de Transportes - 9 anoMeios de Transportes - 9 ano
Meios de Transportes - 9 ano
Jonatãs Demétrio
 
Gestão de transporte
Gestão de transporteGestão de transporte
Gestão de transporte
Ângelo Xavier
 
Transporte e logística aula 01 - 13 fev2012-1
Transporte e logística   aula 01 - 13 fev2012-1Transporte e logística   aula 01 - 13 fev2012-1
Transporte e logística aula 01 - 13 fev2012-1
André Bathista
 
Revisão transportes perguntas e respostas
Revisão transportes perguntas e respostasRevisão transportes perguntas e respostas
Revisão transportes perguntas e respostas
Fernanda Lopes
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Rosária Zamith
 
A escolha do tipo de transporte
A escolha do tipo de transporteA escolha do tipo de transporte
A escolha do tipo de transporte
Robson Soares Costa
 
Modal rodoviário
Modal rodoviárioModal rodoviário
Modal rodoviário
FaseLog
 
Trabalho De Geografia Transportes
Trabalho De Geografia   TransportesTrabalho De Geografia   Transportes
Trabalho De Geografia Transportes
Fernando Pedro Moreira
 
Slides sistema de transportes
Slides sistema de transportesSlides sistema de transportes
Slides sistema de transportes
Oberlania Alves
 
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimoVantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
francisogam
 
Modais de transporte
Modais de transporteModais de transporte
Modais de transporte
Matheus Roger
 
O s meios de transportes
O s meios de transportesO s meios de transportes
O s meios de transportes
Rosemildo Lima
 
Logística 3 transportes
Logística 3 transportesLogística 3 transportes
Logística 3 transportes
Andrey Martins
 
Modais (Transportes)
Modais (Transportes)Modais (Transportes)
Modais (Transportes)
Kelmmany Wesley
 
Trabalho de-geografia-transportes
Trabalho de-geografia-transportesTrabalho de-geografia-transportes
Trabalho de-geografia-transportes
Giovanni Guimarães
 
Meios de transportes
Meios de transportesMeios de transportes
Meios de transportes
Débora Sales
 
A importância dos transportes 11º ano
A importância dos transportes   11º anoA importância dos transportes   11º ano
A importância dos transportes 11º ano
Florindafranco
 
Tipos de Transportes
Tipos de TransportesTipos de Transportes
Tipos de Transportes
lidia76
 
Modal rodoviario
Modal  rodoviarioModal  rodoviario
Modal rodoviario
edilene lemos gama
 

Mais procurados (20)

Transportes Módulo 7
Transportes   Módulo 7Transportes   Módulo 7
Transportes Módulo 7
 
Meios de Transportes - 9 ano
Meios de Transportes - 9 anoMeios de Transportes - 9 ano
Meios de Transportes - 9 ano
 
Gestão de transporte
Gestão de transporteGestão de transporte
Gestão de transporte
 
Transporte e logística aula 01 - 13 fev2012-1
Transporte e logística   aula 01 - 13 fev2012-1Transporte e logística   aula 01 - 13 fev2012-1
Transporte e logística aula 01 - 13 fev2012-1
 
Revisão transportes perguntas e respostas
Revisão transportes perguntas e respostasRevisão transportes perguntas e respostas
Revisão transportes perguntas e respostas
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
 
A escolha do tipo de transporte
A escolha do tipo de transporteA escolha do tipo de transporte
A escolha do tipo de transporte
 
Modal rodoviário
Modal rodoviárioModal rodoviário
Modal rodoviário
 
Trabalho De Geografia Transportes
Trabalho De Geografia   TransportesTrabalho De Geografia   Transportes
Trabalho De Geografia Transportes
 
Slides sistema de transportes
Slides sistema de transportesSlides sistema de transportes
Slides sistema de transportes
 
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimoVantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
 
Modais de transporte
Modais de transporteModais de transporte
Modais de transporte
 
O s meios de transportes
O s meios de transportesO s meios de transportes
O s meios de transportes
 
Logística 3 transportes
Logística 3 transportesLogística 3 transportes
Logística 3 transportes
 
Modais (Transportes)
Modais (Transportes)Modais (Transportes)
Modais (Transportes)
 
Trabalho de-geografia-transportes
Trabalho de-geografia-transportesTrabalho de-geografia-transportes
Trabalho de-geografia-transportes
 
Meios de transportes
Meios de transportesMeios de transportes
Meios de transportes
 
A importância dos transportes 11º ano
A importância dos transportes   11º anoA importância dos transportes   11º ano
A importância dos transportes 11º ano
 
Tipos de Transportes
Tipos de TransportesTipos de Transportes
Tipos de Transportes
 
Modal rodoviario
Modal  rodoviarioModal  rodoviario
Modal rodoviario
 

Destaque

Importancia da agua
Importancia da aguaImportancia da agua
Importancia da agua
Joao Oliveira
 
Онисенко О. Стихи
Онисенко О. СтихиОнисенко О. Стихи
Онисенко О. Стихи
Unbib Mk
 
Vergílio ferreira
Vergílio ferreiraVergílio ferreira
Vergílio ferreira
Joao Oliveira
 
A escolha do tipo de transporte.
A escolha do tipo de transporte.A escolha do tipo de transporte.
A escolha do tipo de transporte.
Robson Soares Costa
 
Ana maria magalhães
Ana maria magalhães Ana maria magalhães
Ana maria magalhães
Joao Oliveira
 
Infraestrutura do Setor Rodoviário de Cargas
Infraestrutura do Setor Rodoviário de CargasInfraestrutura do Setor Rodoviário de Cargas
Infraestrutura do Setor Rodoviário de Cargas
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Biografia de vergílio ferreira
Biografia de vergílio ferreiraBiografia de vergílio ferreira
Biografia de vergílio ferreira
Joao Oliveira
 
Vamos falar sobre frete?
Vamos falar sobre frete?Vamos falar sobre frete?
Vamos falar sobre frete?
luderei
 
Reabilitação domiciliar de Joelho
Reabilitação domiciliar de JoelhoReabilitação domiciliar de Joelho
Reabilitação domiciliar de Joelho
Daniel Xavier
 
Logistica de Transportes - Slides
Logistica de Transportes - SlidesLogistica de Transportes - Slides
Logistica de Transportes - Slides
Willian dos Santos Abreu
 
Transporte ferroviário brasileiro
Transporte ferroviário brasileiroTransporte ferroviário brasileiro
Transporte ferroviário brasileiro
Marcelo Cordeiro Souza
 
Plano de Negocios-e-gestao-2015-2019-apresentacao-a-imprensa
Plano de Negocios-e-gestao-2015-2019-apresentacao-a-imprensaPlano de Negocios-e-gestao-2015-2019-apresentacao-a-imprensa
Plano de Negocios-e-gestao-2015-2019-apresentacao-a-imprensa
Petrobras
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
Thais Benicio
 

Destaque (13)

Importancia da agua
Importancia da aguaImportancia da agua
Importancia da agua
 
Онисенко О. Стихи
Онисенко О. СтихиОнисенко О. Стихи
Онисенко О. Стихи
 
Vergílio ferreira
Vergílio ferreiraVergílio ferreira
Vergílio ferreira
 
A escolha do tipo de transporte.
A escolha do tipo de transporte.A escolha do tipo de transporte.
A escolha do tipo de transporte.
 
Ana maria magalhães
Ana maria magalhães Ana maria magalhães
Ana maria magalhães
 
Infraestrutura do Setor Rodoviário de Cargas
Infraestrutura do Setor Rodoviário de CargasInfraestrutura do Setor Rodoviário de Cargas
Infraestrutura do Setor Rodoviário de Cargas
 
Biografia de vergílio ferreira
Biografia de vergílio ferreiraBiografia de vergílio ferreira
Biografia de vergílio ferreira
 
Vamos falar sobre frete?
Vamos falar sobre frete?Vamos falar sobre frete?
Vamos falar sobre frete?
 
Reabilitação domiciliar de Joelho
Reabilitação domiciliar de JoelhoReabilitação domiciliar de Joelho
Reabilitação domiciliar de Joelho
 
Logistica de Transportes - Slides
Logistica de Transportes - SlidesLogistica de Transportes - Slides
Logistica de Transportes - Slides
 
Transporte ferroviário brasileiro
Transporte ferroviário brasileiroTransporte ferroviário brasileiro
Transporte ferroviário brasileiro
 
Plano de Negocios-e-gestao-2015-2019-apresentacao-a-imprensa
Plano de Negocios-e-gestao-2015-2019-apresentacao-a-imprensaPlano de Negocios-e-gestao-2015-2019-apresentacao-a-imprensa
Plano de Negocios-e-gestao-2015-2019-apresentacao-a-imprensa
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
 

Semelhante a Wq

Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimoVantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
francisogam
 
T3G2.cleaned (1).ppt
T3G2.cleaned (1).pptT3G2.cleaned (1).ppt
T3G2.cleaned (1).ppt
miguel498486
 
7° ano geografia - rede de transporte
7° ano   geografia - rede de transporte7° ano   geografia - rede de transporte
7° ano geografia - rede de transporte
Vivian Santos
 
gps8_transportes.pptx
gps8_transportes.pptxgps8_transportes.pptx
gps8_transportes.pptx
ProfBrunoFilipeCirur
 
Os transportes e as Telecomunicações.pptx
Os transportes e as Telecomunicações.pptxOs transportes e as Telecomunicações.pptx
Os transportes e as Telecomunicações.pptx
IsabelRodrigues673409
 
Modais de Transportes.ppt
Modais de Transportes.pptModais de Transportes.ppt
Modais de Transportes.ppt
OzaiasCarvalho
 
Transp 1
Transp 1Transp 1
Transp 1
milaoliveira118
 
Atps passo 4
Atps  passo 4Atps  passo 4
Atps passo 4
freiitasbruna
 
Slide modal rodoviário
Slide   modal rodoviárioSlide   modal rodoviário
Slide modal rodoviário
Reginaldo Moura
 
Transporte Ferroviário no Brasil - por Maísa da Silva Fernandes
Transporte Ferroviário no Brasil  - por  Maísa da Silva FernandesTransporte Ferroviário no Brasil  - por  Maísa da Silva Fernandes
Transporte Ferroviário no Brasil - por Maísa da Silva Fernandes
Maísa Fernandes
 
Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
Idalina Leite
 
Unidade iii estratégia de transporte
Unidade iii   estratégia de transporteUnidade iii   estratégia de transporte
Unidade iii estratégia de transporte
Daniel Moura
 
Redes
RedesRedes
Modo de Transporte Ferroviário 11º ano
Modo de Transporte Ferroviário 11º anoModo de Transporte Ferroviário 11º ano
Modo de Transporte Ferroviário 11º ano
Daniela Azevedo
 
Transporte no brasil
Transporte no brasilTransporte no brasil
Transporte no brasil
Luciano Pessanha
 
PNV_3411_2017.ppt
PNV_3411_2017.pptPNV_3411_2017.ppt
PNV_3411_2017.ppt
Marcos Boaventura
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Cláudio Carneiro
 
Meios De Transporte E TelecomunicaçõEs
Meios De Transporte E TelecomunicaçõEsMeios De Transporte E TelecomunicaçõEs
Meios De Transporte E TelecomunicaçõEs
lidia76
 
Logística - Modal Rodoviário
Logística - Modal RodoviárioLogística - Modal Rodoviário
Logística - Modal Rodoviário
Marynara Barros
 
Meios de transporte
Meios de transporteMeios de transporte
Meios de transporte
Positivo e Sesi
 

Semelhante a Wq (20)

Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimoVantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
 
T3G2.cleaned (1).ppt
T3G2.cleaned (1).pptT3G2.cleaned (1).ppt
T3G2.cleaned (1).ppt
 
7° ano geografia - rede de transporte
7° ano   geografia - rede de transporte7° ano   geografia - rede de transporte
7° ano geografia - rede de transporte
 
gps8_transportes.pptx
gps8_transportes.pptxgps8_transportes.pptx
gps8_transportes.pptx
 
Os transportes e as Telecomunicações.pptx
Os transportes e as Telecomunicações.pptxOs transportes e as Telecomunicações.pptx
Os transportes e as Telecomunicações.pptx
 
Modais de Transportes.ppt
Modais de Transportes.pptModais de Transportes.ppt
Modais de Transportes.ppt
 
Transp 1
Transp 1Transp 1
Transp 1
 
Atps passo 4
Atps  passo 4Atps  passo 4
Atps passo 4
 
Slide modal rodoviário
Slide   modal rodoviárioSlide   modal rodoviário
Slide modal rodoviário
 
Transporte Ferroviário no Brasil - por Maísa da Silva Fernandes
Transporte Ferroviário no Brasil  - por  Maísa da Silva FernandesTransporte Ferroviário no Brasil  - por  Maísa da Silva Fernandes
Transporte Ferroviário no Brasil - por Maísa da Silva Fernandes
 
Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
 
Unidade iii estratégia de transporte
Unidade iii   estratégia de transporteUnidade iii   estratégia de transporte
Unidade iii estratégia de transporte
 
Redes
RedesRedes
Redes
 
Modo de Transporte Ferroviário 11º ano
Modo de Transporte Ferroviário 11º anoModo de Transporte Ferroviário 11º ano
Modo de Transporte Ferroviário 11º ano
 
Transporte no brasil
Transporte no brasilTransporte no brasil
Transporte no brasil
 
PNV_3411_2017.ppt
PNV_3411_2017.pptPNV_3411_2017.ppt
PNV_3411_2017.ppt
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Meios De Transporte E TelecomunicaçõEs
Meios De Transporte E TelecomunicaçõEsMeios De Transporte E TelecomunicaçõEs
Meios De Transporte E TelecomunicaçõEs
 
Logística - Modal Rodoviário
Logística - Modal RodoviárioLogística - Modal Rodoviário
Logística - Modal Rodoviário
 
Meios de transporte
Meios de transporteMeios de transporte
Meios de transporte
 

Último

Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

Wq

  • 1. Adriano Gomes Helder Marques Mark Macedo Ricardo Teixeira Vítor Silva TransportesTransportes
  • 2. ÍndiceÍndice Definição de transporteDefinição de transporte Origem e evolução dos transportesOrigem e evolução dos transportes RodoviárioRodoviário FerroviárioFerroviário MarítimoMarítimo AéreoAéreo OleodutoOleoduto Evolução dos transportes no PortoEvolução dos transportes no Porto Classificação dos transportesClassificação dos transportes Quanto à modalidadeQuanto à modalidade Quanto à formaQuanto à forma Características, vantagens e desvantagens dosCaracterísticas, vantagens e desvantagens dos transportestransportes
  • 3. Índice (cont.)Índice (cont.) A logística dos transportesA logística dos transportes Na EuropaNa Europa Em PortugalEm Portugal Controlo e supervisão de frotasControlo e supervisão de frotas Algoritmo de transporteAlgoritmo de transporte Metodologia deMetodologia de SlaterSlater BibliografiaBibliografia
  • 4. Transporte, meio de translação de pessoas ou bens a partir de um lugar para outro. O transporte comercial moderno está ao serviço de interesses públicos e inclui: todos os meios e infra-estruturas implicados nos movimentos das pessoas ou bens; serviços de recepção, entrega e manipulação de tais bens. Transporte comercial de pessoas: Serviço de passageiros Transporte comercial de bens: Serviço de mercadorias Definição de TransporteDefinição de Transporte
  • 5. Evolução dos transportes: Rodoviários Ferroviários Marítimos Aéreos Oleodutos Desde os primeiros tempos da sua existência que o homem reconheceu a necessidade de se deslocar entre variados lugares. Durante séculos, os tradicionais meios de transporte usavam como principal forma de deslocação a tracção animal. Com a evolução natural, necessitou de meios que lhe permitissem deslocar-se entre dois lugares de forma cada vez mais rápida. Evolução dos Transportes: RodoviáriosEvolução dos Transportes: Rodoviários
  • 6. Graças à revolução industrial, surgem os primeiros engenhos com motores a vapor. Com a invenção de Rudolf Diesel, os motores de explosão, deu-se um enorme incremento no transporte rodoviário. Evolução dos Transportes: RodoviáriosEvolução dos Transportes: Rodoviários Henry Ford lançou o “Model T”, lançando definitivamente a era do automóvel. Evolução dos transportes: Rodoviários Ferroviários Marítimos Aéreos Oleodutos
  • 7. Evolução dos transportes: Rodoviários Ferroviários Marítimos Aéreos Oleodutos Com o desenvolvimento da rede de estradas, os transportes rodoviários de passageiros começaram a ganhar terreno face ao seu mais directo concorrente, o comboio. Evolução dos Transportes: RodoviáriosEvolução dos Transportes: Rodoviários Hoje em dia, com uma rede de auto-estradas bastante desenvolvida, as redes de transportes rodoviários chegam a todos os pontos do país.
  • 8. Evolução dos transportes: Rodoviários Ferroviários Marítimos Aéreos Oleodutos Em 1705, Thomas Newcomen inventa a máquina a vapor, melhorada por James Watt em 1765. A primeira locomotiva foi apresentada em público em 1814, graças a George Stephenson. Evolução dos Transportes: FerroviáriosEvolução dos Transportes: Ferroviários
  • 9. Evolução dos transportes: Rodoviários Ferroviários Marítimos Aéreos Oleodutos Durante a Revolução Industrial houve um aumento do volume da produção de mercadorias e a necessidade de transportá-las com rapidez. Evolução dos Transportes: FerroviáriosEvolução dos Transportes: Ferroviários A Europa começa a incentivar este meio de transporte e a desenvolver as suas próprias redes e as ligações com os países vizinhos.
  • 10. Evolução dos transportes: Rodoviários Ferroviários Marítimos Aéreos Oleodutos O precoce aperfeiçoamento do transporte aquático foi estimulado pela concentração da população junto ao litoral, e zonas fluviais. Desde cedo se manifestou a veia marítima do povo português. Evolução dos Transportes: MarítimosEvolução dos Transportes: Marítimos O mar torna-se numa referência económica e cultural para os Portugueses, atraindo os homens, as actividades e os recursos.
  • 11. Evolução dos transportes: Rodoviários Ferroviários Marítimos Aéreos Oleodutos Durante o século XIX foram dados grandes avanços graças à tecnologia da energia a vapor. O primeiro barco a empregar a propulsão a vapor, numa travessia transatlântica, foi o Savannah, em 1819. Evolução dos Transportes: MarítimosEvolução dos Transportes: Marítimos O motor diesel trouxe um suposto funcionamento mais económico para as embarcações modernas.
  • 12. Evolução dos transportes: Rodoviários Ferroviários Marítimos Aéreos Oleodutos A história da aviação remonta a tempos pré- históricos. Foi já no séc. XVIII que o Homem voou pela primeira vez. Evolução dos Transportes: AéreosEvolução dos Transportes: Aéreos
  • 13. Evolução dos transportes: Rodoviários Ferroviários Marítimos Aéreos Oleodutos O transporte aéreo é a forma de transporte mais moderna e que mais rapidamente se desenvolveu. Foi após a Primeira Grande Guerra Mundial que o transporte aéreo alcançou maior notabilidade. Evolução dos Transportes: AéreosEvolução dos Transportes: Aéreos
  • 14. As canalizações para a distribuição da água têm sido usadas desde tempos remotos. Os Pipelines apenas apareceram depois de 1859, com o descobrimento do petróleo. Em 1990, os Pipelines representavam 20% do transporte total de mercadorias nos Estados Unidos. Evolução dos Transportes: OleodutosEvolução dos Transportes: Oleodutos Evolução dos transportes: Rodoviários Ferroviários Marítimos Aéreos Oleodutos
  • 15. Evolução dos transportes no Porto A barra do Douro sempre foi demandada por barcos provenientes de várias regiões, que vinham realizar, essencialmente operações comerciais. O transporte de carga e até de passageiros, era feito por barcos rabelos que acostavam à margem direita do rio, junto à ribeira. Evolução dos Transportes no PortoEvolução dos Transportes no Porto
  • 16. Evolução dos transportes no Porto Em 1895, foi a inauguração da primeira linha eléctrica, no Porto, entre Massarelos e a Cordoaria. Os carros eléctricos vieram substituir a tracção animal, aumentando a velocidade de deslocação. Evolução dos Transportes no PortoEvolução dos Transportes no Porto
  • 17. Quanto à modalidade: Terrestre Rodoviário Ferroviário Oleodutos Aquático Marítimo Fluvial Aéreo Classificação dos TransportesClassificação dos Transportes Classificação dos transportes: Modalidade Forma
  • 18. Quanto à forma: Modal ou unimodal Envolve apenas uma modalidade Multimodal Envolve mais do que uma modalidade Regido por um único contrato Intermodal Envolve mais do que uma modalidade Regido por um contrato para cada modalidade Sucessivo Envolve transbordos para veículos da mesma modalidade Regido por um único contrato Classificação dos TransportesClassificação dos Transportes Classificação dos transportes: Modalidade Forma
  • 19. Características, vantagens e desvantagens: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos Características: Os veículos movimentam-se em caminhos pavimentados. Não apresentam necessidade de terminais. A infra-estrutura é propriedade pública. Determinados trajectos exigem uma taxa de utilização. Apresenta uma legislação organizada pelo estado. Transporte RodoviárioTransporte Rodoviário
  • 20. Características, vantagens e desvantagens: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos Vantagens: Flexibilidade do serviço. Flexibilidade no deslocamento de cargas. Rapidez (Ponto-a-Ponto). Menores custos de embalagem. Manuseamento de pequenos lotes. Elevada cobertura geográfica. Muito competitivo em curtas e médias distâncias. Flexibilidade no atendimento de embarques urgentes. Entrega directa e segura dos bens. Transporte RodoviárioTransporte Rodoviário
  • 21. Características, vantagens e desvantagens: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos Desvantagens: Unidades de carga limitadas. Dependente das infra-estruturas. Dependente do trânsito. Dependente da regulamentação. Mais caro em grandes distâncias. Transporte RodoviárioTransporte Rodoviário
  • 22. Características, vantagens e desvantagens: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos Características: Os veículos movimentam-se sobre carris. Constituídos por carruagens interligadas entre si. A infra-estrutura apresenta terminais (estações), onde é permitida a carga e descarga. Os serviços de transporte são arrendados ao operador que poderá ser privado ou público. Transporte FerroviárioTransporte Ferroviário
  • 23. Características, vantagens e desvantagens: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos Vantagens: Menor custo de transporte para grande distâncias. Sem problemas de congestionamento. Terminais de carga próximo das fontes de produção. Adequado para produto de baixo valor acrescentado e alta densidade. Adequado para grandes volumes. Possibilita o transporte de vários tipos de produtos. Independente das condições atmosféricas. Eficaz em termos energéticos. Transporte FerroviárioTransporte Ferroviário
  • 24. Características, vantagens e desvantagens: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos Desvantagens: Não possui flexibilidade de percurso. Necessidade maior de transbordo. Elevada dependência de outros transportes. Pouco competitivo para pequenas distâncias. Horários poucos flexíveis. Elevados custos de manuseamento. Transporte FerroviárioTransporte Ferroviário
  • 25. Características, vantagens e desvantagens: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos Características: Transporte através de meios aquáticos (mares e rios). Os transportes representam um importante elo de ligação entre o continentes. Os portos absorvem o impacto do fluxo de cargas do sistema. Existe uma grande variedade de navios (Tanques, Porta-Contentores, Cargueiros, entre outros…). Transporte MarítimoTransporte Marítimo
  • 26. Características, vantagens e desvantagens: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos Vantagens: Competitivo para produtos com baixo custo de tonelada por quilómetro transportado. Qualquer tipo de cargas. Maior capacidade de carga. Menor custo de transporte. Transporte MarítimoTransporte Marítimo
  • 27. Características, vantagens e desvantagens: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos Desvantagens: Baixa Velocidade. Disponibilidade limitada. Maior exigência de embalagens. Necessidade de transbordo nos portos. Distância aos centros de produção. Menor flexibilidade nos serviços aliados a frequentes congestionamentos nos portos. Transporte MarítimoTransporte Marítimo
  • 28. Características, vantagens e desvantagens: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos Características: Utiliza o ar como meio de navegação. Serviço terminal a terminal (aeroportos). Obedecem a um conjunto de regulamentos extremamente rígido. A capacidade de carga dos aviões tem aumentado significativamente. Transporte AéreoTransporte Aéreo
  • 29. Características, vantagens e desvantagens: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos Vantagens: Ideal para o envio de mercadorias com pouco peso e volume. Maior rapidez. Eficácia comprovada nas entregas urgentes. Acesso a mercados difíceis de serem alcançados por outros meios de transporte. Redução dos gastos de armazenagem. Agilidade no deslocamento de cargas. Possibilita redução de stocks por aplicação de procedimentos just in time. Não necessita embalagem mais reforçada (manuseamento mais cuidadoso). Transporte AéreoTransporte Aéreo
  • 30. Características, vantagens e desvantagens: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos Desvantagens: Menor capacidade de carga. Custos bastante elevados em relação aos outros meios de transporte. Pouco flexível por trabalhar terminal a terminal. Menos rápido para pequenas distâncias (menos de 500 km). Transporte AéreoTransporte Aéreo
  • 31. Características, vantagens e desvantagens: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos Características: Transporte realizado no interior de tubos. A movimentação dá-se através de sistemas de bombagem. Os sistemas de bombagem baseiam-se na variação de pressão entre zonas, pelo que, os produtos propagam-se das zonas de mais elevada pressão paras zonas de pressão mais reduzida. OleodutosOleodutos
  • 32. Características, vantagens e desvantagens: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos Vantagens: Fluxo de produtos é monitorizado e controlado por computador. Perdas e danos do produto por ruptura dos oleodutos são bastante raros. Mudanças climáticas têm pouca influência no fluxo de produtos e não afecta os produtos. Baixa dependência de trabalho humano. Longa vida útil. OleodutosOleodutos
  • 34. ComparaçãoComparação In “Logística”, J. M. Crespo de Carvalho Comparação: Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleodutos
  • 35. TransportesTransportes A Logística de Transporte na Europa Ponto de situação (Europa) Ponto de situação (Portugal) Objectivos da EU Desenvolvimento dos Transportes/Logística em Portugal A Logística do Transporte na Europa Ponto de situação (Europa) Ponto de situação (Portugal) Objectivos da EU Desenvolvimento dos Transportes /Logística em Portugal
  • 36. A Logística do Transporte na Europa Ponto de situação (Europa) Ponto de situação (Portugal) Objectivos da EU Desenvolvimento dos Transportes /Logística em Portugal A globalização e o alargamento a Leste constituem novos desafios Origem de congestionamentos, ruído, poluição e acidentes Dependentes dos combustíveis fósseis Para resolver estes aspectos é preciso: Apostar na modernização da logística: Aumentar a eficácia dos vários modos de transporte Aumentar a eficácia das sua combinações Realizar uma melhor repartição do tráfego A Logística do Transporte EuropaA Logística do Transporte Europa
  • 37. A Logística do Transporte na Europa Ponto de situação (Europa) Ponto de situação (Portugal) Objectivos da EU Desenvolvimento dos Transportes /Logística em Portugal O sector da logística representa 5 400 mil milhões de euros . Os custos da logística representam entre 10 e 15% do custo final dos produtos. A logística ainda não é objecto de análises estatísticas fiáveis. Estima-se que em 2010 o sector dos Transportes cresça cerca de 38%. Aumento do preço dos combustíveis - atenção prioritária a esta área. Ponto da situação (Europa)Ponto da situação (Europa)
  • 38. 78% do nosso comércio internacional é com países da EU. 83% realiza-se por via rodoviária. 68% do comércio com outros continentes por via marítima. Transporte rodoviário é o principal meio utilizado no País. Situação geográfica propícia ao transporte marítimo (55 milhões de toneladas/ano) Cerca de 400 mil turistas/ano transitam pelos portos do país. Ponto de situação (Portugal)Ponto de situação (Portugal) A Logística do Transporte na Europa Ponto de situação (Europa) Ponto de situação (Portugal) Objectivos da EU Desenvolvimento dos Transportes /Logística em Portugal
  • 39. Problemas ao nível de : congestionamento, degradação das infra-estruturas e aumento da dependência de produtos petrolíferos. Cadeias de abastecimento e sistemas de controlo pouco distribuídos (Porto e Lisboa). Falta de intermodalidade (meio rodoviário). Ponto de situação (Portugal)Ponto de situação (Portugal) A Logística do Transporte na Europa Ponto de situação (Europa) Ponto de situação (Portugal) Objectivos da EU Desenvolvimento dos Transportes /Logística em Portugal
  • 40. World Competitiveness Yearbook 2005 Portugal 30ª posição quanto à densidade da rede de estradas/km2. 37ª posição no que toca ao transporte aéreo. 27ª posição em relação ao nível ferroviário. Ponto de situação (Portugal)Ponto de situação (Portugal) A Logística do Transporte na Europa Ponto de situação (Europa) Ponto de situação (Portugal) Objectivos da EU Desenvolvimento dos Transportes /Logística em Portugal
  • 41. Sistemas de bilhética sem contacto. Sistema de informação/orientação. Aumentar o n.º de terminais multimodais. Promover a Intermodalidade. Ponto de situação (Portugal)Ponto de situação (Portugal) A Logística do Transporte na Europa Ponto de situação (Europa) Ponto de situação (Portugal) Objectivos da EU Desenvolvimento dos Transportes /Logística em Portugal Bons Índices VS Fraca Articulação.
  • 42. O país evidencia capacidade. O Problema do Atomismo. Consequências ao nível de: Esquemas de gestão menos eficientes. Desaproveitamento de factores. Desaproveitamento da especialização. Necessidade de reforçar a Logística do seu mercado interno. Ponto de situação (Portugal)Ponto de situação (Portugal) A Logística do Transporte na Europa Ponto de situação (Europa) Ponto de situação (Portugal) Objectivos da EU Desenvolvimento dos Transportes /Logística em Portugal
  • 43. A Comissão pretende intervir nos domínios seguintes: Identificar os estrangulamentos Tirar partido das tecnologias de informação e de comunicação Utilizar melhor as infra-estruturas Criar um certificado de qualidade Simplificar as cadeias multimodais Promover uma estrutura regulamentar da multimodalidade a nível mundial Estabelecer normas europeias de carregamento Objectivos da UEObjectivos da UE A Logística do Transporte na Europa Ponto de situação (Europa) Ponto de situação (Portugal) Objectivos da EU Desenvolvimento dos Transportes /Logística em Portugal
  • 44. Em desenvolvimento: Integração da rede de transportes na rede ibérica, europeia e transeuropeia. Mobilidade sustentável das pessoas. Apostar na vertente comercial e empresarial dos nossos portos. Desburocratização das actividades portuárias. Maximizar a eficiência do transporte marítimo e impulsionar o fluvial e o ferroviário. Incorporação de logística num modelo de gestão racional. Desenvolvimento dosDesenvolvimento dos Transportes/Logística em PortugalTransportes/Logística em Portugal A Logística do Transporte na Europa Ponto de situação (Europa) Ponto de situação (Portugal) Objectivos da EU Desenvolvimento dos Transportes /Logística em Portugal
  • 45. Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas Transporte Rodoviário Porque razão é necessário? Gestão de frota Objectivos Controlo e Supervisão de Frotas Porque razão é necessário? Gestão de frota Informação necessária Objectivos
  • 46. Porque razão é necessário? Recursos – veículos, trailers, condutores Serviço – principal interface físico com o cliente Manutenção – periódicas do veículo Substituição – saber o momento certo Segurança e monitorização – recurso a tecnologias para obter informação em tempo real Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas Transporte Rodoviário Porque razão é necessário? Gestão de frota Objectivos
  • 47. Gestão de Frotas Funções desempenhadas: Agendamento de Manutenção Periódica Controlo de Peças Administração de Frota Custo de Frota Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas Transporte Rodoviário Porque razão é necessário? Gestão de frotas Objectivos
  • 48. Gestão de Frotas Agendamento de Manutenção Periódica Histórico de serviço Relatórios de Manutenção Análises de custo de reparações Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas Transporte Rodoviário Porque razão é necessário? Gestão de frotas Objectivos
  • 49. Gestão de Frotas Controlo de Peças Inventário de Stock Localização de Stock Relatórios de Stock Produção de Notas de Encomenda Automática Informação Técnica do Fornecedor e Fabricante Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas Transporte Rodoviário Porque razão é necessário? Gestão de frotas Objectivos
  • 50. Gestão de Frotas Administração de Frota Criação de Relatórios para o Governo, se necessário Notifica Renovação de Documentos Seguros, Imposto de Selo, Licenças, etc… Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas Transporte Rodoviário Porque razão é necessário? Gestão de frotas Objectivos
  • 51. Gestão de Frotas Custo de Frota Análises de Custo do Veículo Análises de Custo do Condutor Custo Global da Frota Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas Transporte Rodoviário Porque razão é necessário? Gestão de frotas Objectivos
  • 52. Gestão de Frotas Objectivos Maximizar o tempo de uso dos veículos. Maximizar a capacidade de utilização dos veículos. Minimizar a quilometragem. Minimizar o número de veículos usados. Controlo e Supervisão de FrotasControlo e Supervisão de Frotas Transporte Rodoviário Porque razão é necessário? Gestão de frota Objectivos
  • 53. Algoritmo de TransporteAlgoritmo de Transporte Metodologia deMetodologia de SLATERSLATER
  • 54. Metodologia deMetodologia de SlaterSlater Factores determinantes na escolha do Transporte: Características do cliente Características ambientais Características do produto Características da empresa In “Logística”, J. M. Crespo de Carvalho
  • 55. Características do cliente: Localização geográfica Acessos aos pontos de entrega Restrições de tempo (dias da semana, hora do dia, …) Tamanho da encomenda (e volume de vendas anual) Conhecimento do produto (para efeitos de carga/descarga e evitar estragos) Equipamento mecânico para manuseamento do produto Nível de serviço requerido e tempo de resposta Tipo de venda (FOB ou outros) Requisitos depois da venda (pós-venda) Metodologia deMetodologia de SlaterSlater Factores determinantes na escolha do Transporte: Características do cliente Características ambientais Características do produto Características da empresa
  • 56. Características ambientais Outros utilizadores rodoviários (e seus efeitos) Infra-estrutura Tecnologia (veículo e equipamento) Clima Considerações legais Tendências rodoviárias (são as mais gravosas para o ambiente) Tendências ambientais Metodologia deMetodologia de SlaterSlater Factores determinantes na escolha do Transporte: Características do cliente Características ambientais Características do produto Características da empresa
  • 57. Características do produto Peso Volume Forma Natureza frágil Obsolescência e deterioração Perigo (ex: toxicidade) Valor Metodologia deMetodologia de SlaterSlater Factores determinantes na escolha do Transporte: Características do cliente Características ambientais Características do produto Características da empresa
  • 58. Características da empresa Política de nível de serviço Política de lead-time Vendas territoriais Localizações de depósitos / Centros de distribuição Localização de instalações fabris Políticas financeiras Políticas e desempenho da concorrência Metodologia deMetodologia de SlaterSlater Factores determinantes na escolha do Transporte: Características do cliente Características ambientais Características do produto Características da empresa
  • 59. Metodologia deMetodologia de SlaterSlater Passos para determinação das alternativas de modos de transporte In “Logística”, J. M. Crespo de Carvalho
  • 60. Aproximação matricial: 1. Selecção das decisões iniciais a) Selecção do modo de transporte b) Selecção das especificações do equipamento c) Escolha das opções financeiras d) Escolha das necessidades de operações 1. Selecção de dois importantes factores a) Que afectam cada decisão requerida b) Para ser elaborada a matriz decisional de dupla entrada 1. Selecção das alternativas básicas a) Que cobrem as condições impostas pela matriz Metodologia deMetodologia de SlaterSlater Aproximação matricial
  • 61. Aproximação matricial (cont): 4. Determinação das necessidades da empresa a) Analisando os factores mais importantes e posicionando-os 4. Selecção dos recursos requeridos a) Tomando em consideração os resultados iniciais 4. Combinação das soluções das matrizes a) Para providenciar um transporte eficiente b) Que identifique tarefas de transporte c) Recursos apropriados para as tarefas Metodologia deMetodologia de SlaterSlater Aproximação matricial
  • 62. Metodologia deMetodologia de SlaterSlater Ferramentas para decisões sobre transporte In “Logística”, J. M. Crespo de Carvalho
  • 63. Metodologia deMetodologia de SlaterSlater In “Logística”, J. M. Crespo de Carvalho Nacional Internacional
  • 64. Metodologia deMetodologia de SlaterSlater In “Logística”, J. M. Crespo de Carvalho
  • 65. Metodologia deMetodologia de SlaterSlater In “Logística”, J. M. Crespo de Carvalho
  • 66. Metodologia deMetodologia de SlaterSlater In “Logística”, J. M. Crespo de Carvalho
  • 67. Metodologia de Slater: Último passo Colocar em prática a solução encontrada Medir o sucesso dessa solução Através da experiência prática Avaliar os resultados Melhorar, se necessário, ao longo do tempo Metodologia deMetodologia de SlaterSlater
  • 68. BibliografiaBibliografia http://manueljoao.no.sapo.pt/breve%20historia.htmhttp://manueljoao.no.sapo.pt/breve%20historia.htm http://www.monografias.com/trabajos/transporte/transporte.shtmlhttp://www.monografias.com/trabajos/transporte/transporte.shtml http://www.transportesemmovimento.com/trrodoviario.htmhttp://www.transportesemmovimento.com/trrodoviario.htm http://europa.eu/scadplus/scad_pt.htmhttp://europa.eu/scadplus/scad_pt.htm http://www.portugal.gov.pthttp://www.portugal.gov.pt ““The Handbook of Logistics and Distribution Management” – 2nd edition,The Handbook of Logistics and Distribution Management” – 2nd edition, Alan Rushton, John Oxley, Phil CroucherAlan Rushton, John Oxley, Phil Croucher ““Logística”, J. M. Crespo de CarvalhoLogística”, J. M. Crespo de Carvalho ““O Porto: origem, evolução e transportes”, Guido de MontereyO Porto: origem, evolução e transportes”, Guido de Monterey

Notas do Editor

  1. Revolução industrial, sec 19
  2. A globalização e o alargamento a Leste constituem novos desafios para a Europa dos transportes. O rápido crescimento do transporte de mercadorias está na origem de congestionamentos, ruído, poluição e acidentes. Os transportes tornaram-se mais dependentes dos combustíveis fósseis. Comissão Europeia conclui que, se não forem tomadas as medidas adequadas, a situação continuará a piorar, com consequências cada vez mais marcadas para a competitividade da Europa e para o ambiente. Comissão Europeia propõe, que se aposte na modernização da logística, de modo a aumentar a eficácia dos vários modos de transporte e das suas combinações, pretendendo nomeadamente, realizar uma melhor repartição do tráfego, mediante a sua transferência para modos de transporte mais respeitadores do ambiente, mais seguros e mais eficazes do ponto de vista energético.
  3. De acordo com as estimativas, o sector da logística representa um montante de cerca de: 5 400 mil milhões de euros a nível mundial, ou seja, cerca de 13,8% do PIB mundial. Em média, os custos da logística representam entre 10 e 15% do custo final dos produtos acabados. Embora tenha adquirido uma cada vez maior importância, a logística ainda não é objecto de análises estatísticas fiáveis. Contudo, as empresas comunitárias reconhecem que existem cada vez mais alternativas concorrenciais ao transporte rodoviário.
  4. Quase 78% do valor do nosso comércio internacional de mercadorias é transaccionado com outros países da União Europeia e 83% realiza-se por ia rodoviária. Em relação ao comércio com outros continentes 68% do valor de bens transaccionados realiza-se por via marítima. Dentro de Portugal o meio mais utilizado é o rodoviário. As cadeias de abastecimento tem os seus sistemas Logístico quase exclusivamente detidos por operadores concentrados junto das zonas metropolitanas de Lisboa e Porto. Além disso, o sistema de transporte fortemente apoiado no sector rodoviário contraria a inter modalidade, apresenta muitos problemas de infra estruturas e ao nível do ambiente.
  5. Segundo o World Competitiveness Yearbook 2005, Portugal estava na 30ª posição de um conjunto de 60 países quanto á densidade da rede de estradas por km2. Situação geográfica proporciona ao transporte marítimo, movimento de cerca de 55 milhões de toneladas por ano. Possuímos portos com terminais especializados, adequados e competitivos que são uma mais valia. A nossa localização geostratégica precisa de se tornar parte da aposta de posicionamento económico. O poro de Sines apresenta características que o tornam um dos melhores portos portugueses, no entanto sub-utilizado. Dadas as relações históricas com povos distantes o aeroporto de Lisboa constitui hoje uma ponte de ligação assinalável. As nossas principais fragilidades a nível ferroviário prendem-se com a inexistência de uma ligação ao porto de Aveiro e melhorar a ligação do porto de Sines a Espanha.
  6. Segundo o World Competitiveness Yearbook 2005, Portugal estava na 30ª posição de um conjunto de 60 países quanto á densidade da rede de estradas por km2. Situação geográfica proporciona ao transporte marítimo, movimento de cerca de 55 milhões de toneladas por ano. Possuímos portos com terminais especializados, adequados e competitivos que são uma mais valia. A nossa localização geostratégica precisa de se tornar parte da aposta de posicionamento económico. O porto de Sines apresenta características que o tornam um dos melhores portos portugueses, no entanto sub-utilizado. Dadas as relações históricas com povos distantes o aeroporto de Lisboa constitui hoje uma ponte de ligação assinalável. As nossas principais fragilidades a nível ferroviário prendem-se com a inexistência de uma ligação ao porto de Aveiro e melhorar a ligação do porto de Sines a Espanha.
  7. A nossa posição no ranking dos transportes está acima da média dos índices de competitividade da economia portuguesa. No entanto a articulação entre estes é o grande problema , aí necessitamos evoluir e melhorar, para que sejamos mais competitivos e eficientes. Para isso é importante melhorar a nivel de tecnologia e diminuir a burocracia introduzindo sistemas de bilhética sem contacto, sistemas de video vigilancia, sistemas de orientação do publico, informação facilmente acessível relativamente a horários, itinerários, etc.. Relativamente á Logística de transporte o problema centra-se na falta de terminais multimodais, assim é necessário aumentar o numero destes, promovendo a inter modalidade.
  8. O país evidencia alguma capacidade excedentária de armazenamento de transporte, face á capacidade económica actual. O atomismo do sistema logístico/transporte tem consequências na formação dos seus agentes, resultando na manutenção de esquemas de gestão menos eficientes e na dificuldade de aproveitamento dos factores escala e especialização.
  9. A Comissão pretende intervir nos domínios seguintes: Identificar os estrangulamentos : a Comissão pretende recensear os estrangulamentos, de modo a ultrapassar os obstáculos colocados à logística e à fluidez do tráfego. Tirar partido das tecnologias de informação e de comunicação : a Comissão pretende associar sistemas como o GALILEO à logística, no que diz respeito à localização e ao acompanhamento da carga. As empresas deverão igualmente ter acesso a esta tecnologia a baixo custo. A logística deverá, por conseguinte, constituir uma prioridade no âmbito do sétimo programa-quadro de investigação. Tirar partido das tecnologias de informação e de comunicação : o ensino e a formação no domínio dos transportes são muito díspares a nível europeu. A Comissão tem, por conseguinte, vindo a estudar a possibilidade de criar uma certificação para os especialistas em logística. Já foram realizados trabalhos nesta área no âmbito do Programa Leonardo Da Vinci, no domínio da formação profissional. Tirar partido das tecnologias de informação e de comunicação : a Comissão pretende poder dispor de um quadro fiável da qualidade logística do mercado europeu de transportes. A Comissão tenciona assim trabalhar no sentido de desenvolver metodologias e indicadores adequados para o efeito. Utilizar melhor as infra-estruturas : certas situações estão na origem de estrangulamentos e prejudicam a fluidez do tráfego. Ora, a construção de novas infra-estruturas não constitui a única solução para o problema. A Comissão considera, por conseguinte, que as instalações de transbordo, designadamente os portos marítimos e os aeroportos, deverão utilizar soluções tecnológicas modernas, nomeadamente a informática de ponta. A regulamentação deverá, portanto, prever um quadro adequado para alcançar este objectivo. Criar um certificado de qualidade : o sector de transportes já utiliza diversos indicadores de desempenho ou valores de referência para avaliar ou controlar a qualidade dos seus serviços (nomeadamente no caso do transporte aéreo). Poderá, por conseguinte, ser criado um certificado de qualidade, a alargar aos outros modos de transporte da cadeia logística. Simplificar as cadeias multimodais : os trâmites poderão ser simplificados e facilitados por meio de um balcão administrativo único, de modo a poder cumprir todas as formalidades aduaneiras de forma coordenada. Promover uma estrutura regulamentar da multimodalidade a nível mundial : a responsabilidade no âmbito dos transportes internacionais é regida por convenções. Estas prevêem, com frequência, regras diferentes de acordo com os modos de transporte, o que impede a sua utilização combinada. A Comissão pretende, por conseguinte, promover a criação de um quadro regulamentar ao nível mundial. A utilização de um documento global de transporte poderá também contribuir para reduzir o grau de fragmentação dos regimes de responsabilidade. Estabelecer normas europeias de carregamento : as regras aplicáveis às dimensões dos veículos e unidades de carregamento deverão ser adaptadas às necessidades da logística moderna e da mobilidade sustentável. A Comissão apresentou, de resto, uma proposta de normas europeias comuns para as unidades de carregamento intermodais. De facto, existe uma grande diversidade de configurações, o que aumenta os custos do transporte intracomunitário
  10. É importante a integração da rede de transportes na rede ibérica, europeia e transeuropeia. Mobilidade sustentável das pessoas é fundamental. Apostar na vertente comercial e empresarial relativamente aos nossos portos com o objectivo de sermos uma grande plataforma marítima da Europa. Desburocratização das actividades portuárias importante para a internacionalização e a inter modalidade. Maximizar a eficiência do transporte marítimo e impulsionar outros, como os fluviais e o ferroviário nos percursos mais longos, uma vez que o rodoviário é essencial no transporte de proximidade. Incorporação de logística num modelo de gestão racional, no seguimento dos países mais desenvolvidos.
  11. Uma vez que o transporte rodoviário assume um papel relevante, existem alguns aspectos que interessa considerar no que diz respeito a monitorização e controlo deste tipo de transporte. Existem algumas razoes para as quais devemos ter um controlo de transporte rodoviário. Entre as quais: -Recursos: a frota de transporte depende de vários recursos de grande valor tais como, os tractores, trailers, camiões até aos condutores. É preciso garantir que estes recursos satisfaçam o desenvolvimento de um conjunto de prazos de entrega eficientes, de modo a manter os veículos e condutores na estrada. Ferramentas do foro informático para gestão de rotas e horários assumem um papel relevante nesta área. -Serviço: transporte e entrega de encomendas age como o principal interface físico com o cliente, sendo assim é necessário que todos os requisitos de serviço do cliente sejam servidos. Tais como cumprimento dos prazos de entrega e em bom estado. -Custos: existem custos associados a entrega, nomeadamente pneus e etc. Uma boa gestão de tempo e espaço, permite minimizar estes custos. -Manutenção: é importante assegurar uma manutenção periódica para que não haja falhas inesperadas do veículo pondo em causa o serviço e podendo aumentar os custos operacionais. Substituição: é muito importante saber quando trocar de veiculo, e que tipo de veiculo comprar para substituição. Um bom sistema de gestão de frota deve conseguir uma boa solução para este tipo de problemas. -Segurança e supervisão: a tecnologia moderna permite saber em tempo real onde se encontram os veículos, isto permite calcular até aos minutos uma operação de entrega.
  12. Uma vez que o transporte rodoviário assume um papel relevante, existem alguns aspectos que interessa considerar no que diz respeito a monitorização e controlo deste tipo de transporte. Existem algumas razoes para as quais devemos ter um controlo de transporte rodoviário. Entre as quais: -Recursos: a frota de transporte depende de vários recursos de grande valor tais como, os tractores, trailers, camiões até aos condutores. É preciso garantir que estes recursos satisfaçam o desenvolvimento de um conjunto de prazos de entrega eficientes, de modo a manter os veículos e condutores na estrada. Ferramentas do foro informático para gestão de rotas e horários assumem um papel relevante nesta área. -Serviço: transporte e entrega de encomendas age como o principal interface físico com o cliente, sendo assim é necessário que todos as necessidades do cliente sejam satisfeitas. Tais como cumprimento dos prazos de entrega e em bom estado. -Custos: existem custos associados a entrega, nomeadamente pneus e etc. Uma boa gestão de tempo e espaço, permite minimizar estes custos. -Manutenção: é importante assegurar uma manutenção periódica para que não haja falhas inesperadas do veículo pondo em causa o serviço e podendo aumentar os custos operacionais. Substituição: é muito importante saber quando trocar de veiculo, e que tipo de veiculo comprar para substituição. Um bom sistema de gestão de frota deve conseguir uma boa solução para este tipo de problemas. -Segurança e supervisão: a tecnologia moderna permite saber em tempo real onde se encontram os veículos, isto permite calcular até aos minutos uma operação de entrega.
  13. Existem vários sistemas que ajudam o gestor de frotas a controlar, a administrar e a escolher as melhores rotas, contudo é necessário alguma informação para que seja gerada um conjunto de dados para o gestor analisar e chegar a uma solução optimizada, que é: Manutenção periódica: -Controlo de peças do veículo: -gestão de frota:
  14. - Manutenção periódica: isto inclui o tempo de serviço do veículo e a manutenção, de rotina e de não rotina do mesmo, disponibiliza informação do tipo: histórico de serviço; relatórios de manutenção; análises de custo das reparações efectuadas.
  15. -Controlo de peças do veículo: inclui o controlo de peças suplentes dos veículos, informação: inventario de stock, informação técnica do fornecedor, localização do stock, relatórios de stock, geração de ordens de compra.
  16. -gestão de frota: garantem que os veículos estão legais para circularem na estrada, inclui renovação de licenças, seguros, relatórios requeridos pelo estado, etc.
  17. Custo de frota: contem informação sobre os custos de veículos. Gera análises sobre o custo de cada veículo e da frota. Inclui: analises de custo do veiculo, analises de custo do condutor, custos globais da frota.
  18. Os objectivos de gestão de frotas são: Maximizar o tempo de uso dos veículos, i.e. assegurar que trabalham o máximo tempo possível Maximizar a capacidade de utilização dos veículos, i.e. que estão carregados completamente. Minimizar a kilometragem, andar o menos possível Minimizar o número de veículos usados, minimizar os custos.
  19. Qualquer solução de transporte a escolher envolve várias variáveis, estando dependente: - da cadeia de abastecimento em causa - do valor real acrescentado pelo modo de transporte escolhido - dos custos que lhe estão associados A metodologia de Slater aposta em: - recolher os factores determinantes na escolha de transporte
  20. Definir a natureza do transporte (nacional ou internacional) Preocupações com as características enumeradas no diagrama Avaliação das características dos vários modos de transporte Fazer o levantamento das variáveis: Nível de serviço Tempo de resposta Custo Forma de financiamento
  21. FOB – Free on Board, ou seja, segundo esta modalidade de entrega as despesas - desde o armazém do vendedor - até ao porto de origem são suportadas pelo vendedor.
  22. Passos para determinação das alternativas de modos de transporte
  23. Ferramentas para decisões sobre transporte
  24. No fim de construir a matriz: - escolhemos o que melhor se enquadrar no problema de transporte em questão, isto é, - o que melhor serve a empresa e os clientes, ou seja, - aparentemente, a melhor solução para o problema
  25. Repetem-se os passos da matriz anterior - nesta matriz e - nas matrizes seguintes
  26. Neste momento, depois das 4 escolhas das matrizes anteriores, temos a nossa solução final. Ter em atenção factores como: Mutação tecnológica Tendências ambientalistas Variação das cargas transportadas