SlideShare uma empresa Scribd logo
INOVAÇÃO


           O Processo de Inovação
           Aula IPT

           Prof. Moysés Simantob
           FGV-EAESP

           São Paulo, 14 de fevereiro de 2006
MOYSÉS SIMANTOB

• Professor do Departamento de Produção na FGV-EAESP dos
  cursos de Inovação no CEAG, Graduação e PEC
• Co-fundador e coordenador executivo do Fórum de Inovação da
  FGV-EAESP
• Autor do Guia Valor Econômico de Inovação nas Empresas, com
  Roberta lippi, em 2003
• Co-autor do livro Organizações Inovadoras, em 2003
• Atuou nas empresas da TIM – Telecom Italia Mobile e saiu para
  fundar a Valuenet – Incubadora de empresas para internet
• Assessora empresas em Inovação estratégica dos seguintes
  segmentos: Higiene, Beleza, Limpeza, Comunicação,
  Eletroeletrônico e Mecânica, Varejo.




                             2      Copyright © 2005, Moysés Simantob.
3   Copyright © 2005, Moysés Simantob.
O PROCESSO DE
   INOVAÇÃO

       Copyright © 2005, Moysés Simantob.
Taxonomia Hamel/Prahalad

                Inovação       Inovação de
    Radical     não-Linear     Conceitos de
                               Negócios


                Melhorias      Melhoria
  Incremental   contínuas      de Processos
                               de Negócios

                  Componente      Sistêmico

                                              5
Tipologias de Inovação

    Radical




Incremental

              Componente   Sistêmico
                            Fonte: Hamel, 2001   6
Taxonomia do Fórum de Inovação
 As inovações também podem ser classificadas de acordo com o
 campo de ação:

           Produto                     Processo

                       Tecnologia

            Gestão              Modelo de Negócio


 A Inovação Tecnológica é subjacente a esse modelo e pode estar
 presente em todos os campos

                                                             7
Tipologias de Inovação

  Produto:   Processo:
  Palm       DELL Computer


  Gestão:    Modelo de
             Negócio:
  IDEO
             CVRD




                 Fonte: Fórum de Inovação
                                            8
Pesquisa
Inovação nas Empresas
Inovação é uma prioridade nas empresas?


                      Entrevistas
                      com CEO’s
    Diretores de
    Diretores de                    Ponto-de-Vista
                                    Ponto-de-Vista
      Inovação
      Inovação


                                         Pesquisa
                                         Pesquisa
  Cultura
     &
                      Inovação          Valor 1000
                                        Valor 1000
                                       com Dirs. RH
                                       com Dirs. RH
  Pessoas

                                            Perfil
                                             Perfil
                                    executivos de inovação
                                    executivos de inovação
   Casos de sucesso
   Casos de sucesso
                      Processos
                      Processos
                           &
                           &
                      Estrutura
                       Estrutura
PROJETO E PLANEJAMENTO
             OBJETIVOS
            DE NEGÓCIOS


            PLANEJAMENTO                           PROJETO DE
             ESTRATÉGICO                           VIABILIDADE


            PLANEJAMENTO
             OPERACIONAL


 PROJETO    IMPLANTAÇÃO
EXECUTIVO
                 11   Copyright © 2005, Moysés Simantob.
AS GRANDES DÚVIDAS

 VIABILIDADE               ACEITABILIDADE                      VULNERABILIDADE




Quais investimentos         Qual retorno em                           Quais riscos se corre
financeiros e gerenciais    desempenho e                              caso as coisas saiam
serão necessários?          financeiro ?                              errado?




                                       12     Copyright © 2005, Moysés Simantob.
MODELO DA INOVAÇÃO EM CADEIA

                                   PESQUISA


                   R                     R                     R




                CONHECIMENTOS EXISTENTES
            C                C                  C




MERCADO                           PROJETO                           COMERCIALIZAÇÃ
            PROJETO BÁSICO                          PRODUÇÃO
POTENCIAL                        DETALHADO                               O




                                   13        Copyright © 2005, Moysés Simantob.
O FUNIL DO DESENVOLVIMENTO




                                                             Produtos
                       Desenvolvimento
                  o
            cepçã
        Con




                      14    Copyright © 2005, Moysés Simantob.
O PROCESSO COMO UM TODO

• Conceber e desenvolver o novo produto e respectivo
  negócio
• Identificar e organizar as atividades necessárias para o
  sucesso
• Tratar de modo integrado conhecimentos técnicos,
  operacionais e de mercado
• Sistematizar o processo de decisão no
  desenvolvimento
• Indicar as melhores práticas
• Ex. - Natura
                            15   Copyright © 2005, Moysés Simantob.
FASES E REVISÕES




                                                                                                      Objetivo do Projeto
Escopo do Projeto




                         Fase 1       Fase 2       Fase 3        Fase 4                  Fase 5




                    Revisões      1            2            3                       4             5



                                Eventos (pontos) importantes do projeto
                               (indicam cumprimento da programação)


                                                     16     Copyright © 2005, Moysés Simantob.
CRIATIVIDADE E FOCO
                  Revisão por pares
                                             Revisão de aprovação
                  para refinamento
                                             pela alta gerência



                                                                                      lançamento




       1a Etapa                       2a Etapa                       3a Etapa

Geração de idéias,          Detalhamento dos                       Desenvolvimento
conceitos e tecnologia      limites dos projetos e                 rápido e focado de
                            tecnologia necessária                  projetos de vários
                                                                   tipos



                                       17        Copyright © 2005, Moysés Simantob.
NATURA
                   Pré-briefing       Briefing            Plano                  Plano
                                                                                                  1o ao 6o mês
                                                          Executivo I            Executivo II
   Pesquisas
 “Competitive
 Intelligence”
                    Desenv.            Desenv.             Operacio -             Implemen          Lança-
 Hábitos do         de idéias          de idéias           nalização              tacão             mento
 Consumidor         explorat.          factíveis           da Idéia               da Idéia
    Ciência
  Tendências                                              Desenvolver os
                                      Converter a
                   Criar idéias e     tecnologia em       componentes            Adquirir
                   Buscar oportu-     protótipos; de -    do “mix” do            moldes e
                   nidades de uso e   finir conceito      produto;                equipamentos;
 Objetivos de                                                                                     Atividades de
                   desenvolvimento    técnico e           quantificar            definir “mix”    lançamento e
  cada fase        de novas tecno -   demonstrar          interesse pelo         final do         acompanhamento
                   logias para        interesse pelo      consumidor e a         produto;         até 6 meses
                   novos produtos     consumidor e        robutez comer-         Produzir
                                      comercial           cial do produto


  Resultado                           Protótipos /          Design
                       PAT            Conceito téc.
                                                                                 “Mix” final      Avaliação
                                                           Conceito
Responsabilidade     Grupo            Segmento
                     TCA               Negócio
                                                                            Time de Projeto
                                                     18     Copyright © 2005, Moysés Simantob.
O desenvolvimento de produtos na Natura tem o foco no
conceito do produto e não em P&D


    Desenvolvimento de Produtos na Natura
      Reuniões mensais entre os 3 presidentes, o diretor de marketing e o de
      P&D;
      Testes de mercado facilitado pela relação Consultor-Consumidor;
      Estratégia de P&D baseda em compra de patentes, e não em
      desenvolvimento, garantindo redução dos gastos para 3.5% do resultado
      líquido, contra 3.5% das vendas entre os concorrentes;
      Isso leva a uma média de um novo produto a cada 3 dias;

    Todo o conceito da marca e do produto definem, inclusive, a
      formulação
      A pesquisa por patentes é feita após a definição do mercado alvo e do
      conceito do produto;
      Exemplo de interferência do conceito da marca (“Verdade em
      cosméticos”) sobre a formulação;
          linha Chronos: possui vitaminas A, C e D, ao contrário de seus concorrentes,
          que têm um produto para cada vitamina;
             Justificativa: “Porque as 3 vitaminas são boas para a pele, e como nós iríamos 19 19
             responder a um consumidor que nos perguntasse por quê separamos as vitaminas...”
                                                                                         19
             (Philippe Pommez, Diretor de P&D, Natura).”
Um exemplo de inovação em produto: a linha Mamãe-
Bebê


  Idéia
          Tomar uma parte do mercado de produtos para bebê, dominado
          completamente pela Johnson&Johnson (90%).
  Ação

           Conceito diferenciado: produto para o bebê e para a mãe;
           Marketing focado na interação entre a mãe e a criança;
           Apelo para o nome Natura, significando alta qualidade (maior do que
         aquela que pode ser comprada no supermercado);




  Resultados
           Sucesso no mercado, com uma participação de mercado em 2003 de
          24%.
           Volume de negócios de US$ 130 milhões nos 3 primeiros anos.
                                                                                      20
                                                                                           20
                                                                                 20
A linha Ekos foi uma revolução de processos de negócios,
mas mantendo a Visão da Natura


 Idéia   Buscar novos mercados, com produtos diferenciados para uso
         diário
               Projeto Manhatan: criação de conceitos como:
 Ação             Utilização de ativos brasileiros;
                  Sustentabilidade ambiental e social;
                  Base nas tradições populares;
                Busca de comunidades que pudessem fornecer matérias-primas de abastecimento
              sustentável ambientalmente e socialmente;
                Busca por produtos naturais em comunidades, com produção quase artesanal.
              Exemplo: Cupuaçu no Acre; Erva mate no Rio Grande do Sul e Buriti no Piauí;
                Aquisição da empresa Flora Medicinal, com um acervo de mais de 280 plantas e
              300 produtos;



 Resultados     Crescimento de 19,45% no faturamento bruto e 187,4% no lucro líquido
                Diminuição de 40,4% do endividamento líquido
                Desse resultado, a linha Ekos contribuiu com praticamente 10%, com um
              crescimento de 50 % em relação ao ano anterior
                O número de consultoras saltou de 286 mil em 2.001 para 307 mil em 2.002    21
                                                                                                 21
                                                                                       21
O processo de inovação Natura...

   Tradicionalmente as estruturas de gestão separam as atividades
   ligadas ao conhecimento científico e tecnológico das atividades ligadas
   ao conhecimento de mercado e a dinâmica de comportamento da
   pessoas e suas tendências. Na Natura, estas atividades estão
   integradas na área de inovação, o potencializa e acelera os
   processos criativos de desenvolvimento de produtos e conceitos
   e garante soluções que sejam expressões cada vez mais inovadoras e
   legítimas das suas crenças e visão do mundo.
    A natura é o maior centro de pesquisa e desenvolvimento
   cosmético do Brasil. Um intercâmbio sistemático com
   universidades brasileiras e com outros centros de excelência
   em todo o mundo mantém seus pesquisadores em contato com os
   principais avanços nas áreas farmacêutica, química e bioquímica.
   Estar permanentemente em sintonia com as principais fontes de
   tecnologia em cosmética garante aos seus produtos um padrão de
   qualidade internacional.
   A empresa brasileira que mais investe em comprovação
                                                                             22
   científica. Cerca de 4% da renda líquida são aplicados nessa                   22
   área, mantendo o ritmo de lançamento de um produto a cada            22
   três dias.
O processo de inovação Natura...


     A venda direta exige um intenso ritmo de lançamentos;
     A inovação tem sido a alavanca da Natura para a conquista de
     mercado;
     Em 1998 foi criada a VP de inovação;
        Cuida de todo o processo desde o surgimento da idéia até o
        lançamento dos produtos e acompanha, junto à área comercial, até
        o fim dos primeiros 6 meses de vida útil
     A VP é formada por segmentos (tratamento, perfumes, maquilagem e
     infantil/banho;
     Cada segmento é formado por gerentes técnicos e gerentes de
     marketing;
        A inovação resulta de uma complexa interação entre o
        conhecimento de possibilidades tecnológicas e de mercado.
                                                                         23
                                                                              23
                                                                    23
O processo de inovação Natura

             Discussões
            contínuas de
              diretoria



        N    Problema ou
            oportunidade?

             S
             Grupo para
            conceituação    •Conhecimento do mercado
             da solução     •Intuição
                            •Cultura e visão Natura

                                       Busca de
        N                           recursos extra-
             Consenso?                 empresa

                                                       Implementação
                 S                    Busca de
                                    recursos intra-
                                       empresa

                                                                        24
                                                                             24
                                                                   24
O processo de inovação Natura impresso nos
Valores da empresa...

   Valores dos Produtos
“Seu sensorial e suas fragrâncias devem ser surpreendentes, inovadores e
   diferenciados”
“As embalagens devem ser funcionais e diferenciadas, possibilitando o uso do refil
   sempre que possível”


   Valores dos Conceitos
“Devem ser inovadores, contemporâneos, ter atitude, propor reflexões e libertos de
   preconceitos, buscando a verdade e não induzindo a falsas promessas ou
   estereótipos”
“Conceitos devem ser vivos, em constante evolução, acompanhando e antecipando as
   transformações de nossa sociedade”
“Devemos perseguir a evolução de nossos conceitos com a mesma obsessão que
   dedicamos à evolução da tecnologia em nossos produtos”
“Eles devem inspirar a criação e ao mesmo que tempo serem expressos em cada
    detalhe dos nossos produtos e de nossas ações de marketing”
                                                                                          25
                                                                                               25
                                                                                     25
O processo de inovação Natura impresso nas
ações dos “Atores Organizacionais” da
empresa...


     Crença na empresa por parte dos três presidentes;
     Crença no potencial de crescimento, por parte dos três presidentes,
     através do uso da biodiversidade brasileira;
     Papel da liderança na disseminação da cultura ao longo da organização;
         Seabra – promover o clima estratégico na organização e a
         importância da parte conceitual dos produtos e da marca;
         Leal – promover a empresa junto ao público formador de opinião,
         ONGs e instituições governamentais;
         Pedro – garantir que a estratégia se torne vantagem competitiva
         dentro da empresa e em toda a sua cadeia interna de valor.



                                                                           26
                                                                                26
                                                                      26
O processo de inovação da Natura impresso nas
intenções estratégicas da empresa...


 Relatório Anual Natura 2.002

 “A atuação da companhia é orientada por sua Razão
       de Ser, a promoção do Bem Estar Bem. As
   Crenças e Valores são os critérios determinantes e
   diferenciais que inspiram as inovações, asseguram
   o sucesso das iniciativas e contribuem para tornar
          competitivo o conjunto dos negócios”


                                                         27
                                                              27
                                                    27
O processo de inovação Natura...

 Modelo do Funil de Inovação (S. Wheelwright e K. Clark)
   Benefícios
      Alinhamento dos projetos de desenvolvimento de novos produtos
      com as estratégias dos segmentos de produtos;
      Aumento da eficiência na conclusão dos projetos;
      Redução do tempo necessário para a realização dos projetos;
      Introdução do aproveitamento de idéias oriundas das áreas
      técnicas (TCA e Desenvolvimento de Produtos), para inovações
      orientadas pela tecnologia;
      Disciplina as atividades dos projetos em cada uma das fases do
      processo e evita investimentos e gastos desnecessários;
      Aumenta a visibilidade do processo decisório;
   Etapas do Funil
      Pré-briefing
      Briefing
      Plano executivo I
      Plano executivo II
      Lançamento
      Avaliação do 6° mês                                                   28
                                                                                 28
                                                                       28
Fases do processo de inovação Natura...
Foruns de Aprovação

  Comitê de Produtos - Presidentes, Vice-presidentes, Diretores e Gerentes
  das Unidades de Negócios: aprova cada Gate dos projetos, do Briefing ao
  Plano Executivo II
  Gerência da Unidade de Negócios - aprovação da idéia (Gate: pré-
  briefing) e principais atividades de cada projeto, liberação para lançamento
  do produto
  Mkt de Produtos - Gate de liberação para lançamento do produto em
  conjunto com Gerência de Unidade de Negócios
  Time de Projeto - condução e operacionalização do projeto; composto por
  membros fixos, multi-funcionais e responsáveis pela execução de um
  projeto específico e convidados que são envolvidos nos momentos chave
  Líder do Time - lidera e coordena as atividades do time a partir de
  acompanhamento contínuo da operacionalização do projeto; representa o
  time junto ao Comitê de Produtos, responde pelo projeto até o 6º mês após
  seu lançamento, avaliando mensalmente sua performance e propondo
  melhorias ou rotas de correção. Após o 6º mês o produto/linha torna-se
  item regular
  Membros do Time - responsáveis pela implementação das partes do
  projeto dentro de cada área envolvida, construindo o produto/linha que irá
  para o mercado                                                            29
                                                                               29
  Membros fixos - Inovação, Marketing, Pesquisa e Desenvolvimento, 29
  Desenvolvimento de Embalagens, O & L: P.C.L e Suprimentos
Aspectos mandatórios do processo de inovação
Natura...

  Tecnologia - incorporar no desenvolvimento do produto as inovações e
  resultados de pesquisas científicas
  Necessidades do consumidor - incorporar resultados de pesquisas de
  mercado com metodologias diversas, exprimindo as necessidades,
  anseios e expectativas do público alvo definido
  Aspectos legais - fazer o alinhamento com a legislação pertinente aos
  produtos a serem desenvolvidos, garantindo segurança na
  comercialização e adequação da política de segurança de produtos
  Aspectos de mercado - garantia de alinhamento do público alvo ao
  conceito do produto, embalagem, utilização e principalmente
  compatibilidade com a estratégia da empresa
  Processo de fabricação - estudo de viabilidade técnica de processo,
  garantindo segurança, conforto e ergonomia aos colaboradores e
  produtividade à fábrica; envolvimento das áreas pertinentes desde o
  início do desenvolvimento dos produtos, sugerindo integração e
  resultados positivos na implantação em fábrica

                                                                          30
                                                                               30
                                                                    30
COMO FAZER CONTATO

      » e-mail msimantob@fgvsp.br


      » Escritório com Cintia de Mello pelo
      » 11- 3219-0069 ou cidemello@uol.com.br



      » Fórum de Inovação , 7º andar (prédio da Rua
        Itapeva) com Luciana ou Leonice
      » 11-3281-7917




                 31    Copyright © 2005, Moysés Simantob.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no Brasil
Palestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no BrasilPalestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no Brasil
Palestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no Brasil
Allagi Open Innovation Services
 
Inovação e incubação na Telefônica - Uma experiência
Inovação e incubação na Telefônica - Uma experiênciaInovação e incubação na Telefônica - Uma experiência
Inovação e incubação na Telefônica - Uma experiência
Alessandro Germano
 
Intensivo 80h - Empreendedorismo e Negócios Digitais
Intensivo 80h - Empreendedorismo e Negócios DigitaisIntensivo 80h - Empreendedorismo e Negócios Digitais
Intensivo 80h - Empreendedorismo e Negócios Digitais
Escola do Marketing Digital
 
2º Workshop Subvenção Economica à Inovação
2º Workshop Subvenção Economica à Inovação2º Workshop Subvenção Economica à Inovação
2º Workshop Subvenção Economica à Inovação
BRAIN Brasil Inovação
 
Lean startup das trincheiras20120903
Lean startup das trincheiras20120903Lean startup das trincheiras20120903
Lean startup das trincheiras20120903
fernandodelariva
 
Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...
Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...
Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...
Allagi Open Innovation Services
 
Benefícios da inovação aberta
Benefícios da inovação abertaBenefícios da inovação aberta
Benefícios da inovação aberta
Eduardo Fagundes
 
Inovação Aberta
Inovação AbertaInovação Aberta
Inovação Aberta
Renato Lacerda
 
T004 Tendências Comunicações Móveis 2 S 2008
T004   Tendências Comunicações Móveis 2 S 2008T004   Tendências Comunicações Móveis 2 S 2008
T004 Tendências Comunicações Móveis 2 S 2008
Eduardo Grizendi
 
Como fazer seu futuro PO exercer seu papel efetivamente
Como fazer seu futuro PO exercer seu papel efetivamenteComo fazer seu futuro PO exercer seu papel efetivamente
Como fazer seu futuro PO exercer seu papel efetivamente
felipeosti
 
Palestra Bruno Rondani e Rafael Levy
Palestra Bruno Rondani e Rafael LevyPalestra Bruno Rondani e Rafael Levy
Palestra Bruno Rondani e Rafael Levy
Allagi Open Innovation Services
 
Práticas de Inovação Aberta no Brasil
 Práticas de Inovação  Aberta no Brasil Práticas de Inovação  Aberta no Brasil
Práticas de Inovação Aberta no Brasil
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...
Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...
Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...
Allagi Open Innovation Services
 
U N I A P R Sustentabilidade Site 20 10 2009
U N I  A P R  Sustentabilidade Site 20 10 2009U N I  A P R  Sustentabilidade Site 20 10 2009
U N I A P R Sustentabilidade Site 20 10 2009
kleber.torres
 
Inovação Aberta e Habitats de Inovação
Inovação Aberta e Habitats de InovaçãoInovação Aberta e Habitats de Inovação
Inovação Aberta e Habitats de Inovação
CTG SUNY Albany and UFPR Curitiba
 

Mais procurados (15)

Palestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no Brasil
Palestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no BrasilPalestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no Brasil
Palestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no Brasil
 
Inovação e incubação na Telefônica - Uma experiência
Inovação e incubação na Telefônica - Uma experiênciaInovação e incubação na Telefônica - Uma experiência
Inovação e incubação na Telefônica - Uma experiência
 
Intensivo 80h - Empreendedorismo e Negócios Digitais
Intensivo 80h - Empreendedorismo e Negócios DigitaisIntensivo 80h - Empreendedorismo e Negócios Digitais
Intensivo 80h - Empreendedorismo e Negócios Digitais
 
2º Workshop Subvenção Economica à Inovação
2º Workshop Subvenção Economica à Inovação2º Workshop Subvenção Economica à Inovação
2º Workshop Subvenção Economica à Inovação
 
Lean startup das trincheiras20120903
Lean startup das trincheiras20120903Lean startup das trincheiras20120903
Lean startup das trincheiras20120903
 
Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...
Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...
Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...
 
Benefícios da inovação aberta
Benefícios da inovação abertaBenefícios da inovação aberta
Benefícios da inovação aberta
 
Inovação Aberta
Inovação AbertaInovação Aberta
Inovação Aberta
 
T004 Tendências Comunicações Móveis 2 S 2008
T004   Tendências Comunicações Móveis 2 S 2008T004   Tendências Comunicações Móveis 2 S 2008
T004 Tendências Comunicações Móveis 2 S 2008
 
Como fazer seu futuro PO exercer seu papel efetivamente
Como fazer seu futuro PO exercer seu papel efetivamenteComo fazer seu futuro PO exercer seu papel efetivamente
Como fazer seu futuro PO exercer seu papel efetivamente
 
Palestra Bruno Rondani e Rafael Levy
Palestra Bruno Rondani e Rafael LevyPalestra Bruno Rondani e Rafael Levy
Palestra Bruno Rondani e Rafael Levy
 
Práticas de Inovação Aberta no Brasil
 Práticas de Inovação  Aberta no Brasil Práticas de Inovação  Aberta no Brasil
Práticas de Inovação Aberta no Brasil
 
Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...
Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...
Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...
 
U N I A P R Sustentabilidade Site 20 10 2009
U N I  A P R  Sustentabilidade Site 20 10 2009U N I  A P R  Sustentabilidade Site 20 10 2009
U N I A P R Sustentabilidade Site 20 10 2009
 
Inovação Aberta e Habitats de Inovação
Inovação Aberta e Habitats de InovaçãoInovação Aberta e Habitats de Inovação
Inovação Aberta e Habitats de Inovação
 

Destaque

Processos e Produtos Midiáticos - Agência PQP (Publicitários Questionando a P...
Processos e Produtos Midiáticos - Agência PQP (Publicitários Questionando a P...Processos e Produtos Midiáticos - Agência PQP (Publicitários Questionando a P...
Processos e Produtos Midiáticos - Agência PQP (Publicitários Questionando a P...
Agência Absurdooos
 
Helping smokers quit a guide for nurses
Helping smokers quit a guide for nursesHelping smokers quit a guide for nurses
Helping smokers quit a guide for nurses
Reynel Dan
 
Ofilhodoteupai
OfilhodoteupaiOfilhodoteupai
Ofilhodoteupai
guestfe5c33
 
Las nuevas tecnologías y la atención a la diversidad
Las nuevas tecnologías y la atención a la diversidadLas nuevas tecnologías y la atención a la diversidad
Las nuevas tecnologías y la atención a la diversidad
Beatrizas
 
Teoria de las organizaciones
Teoria de las organizacionesTeoria de las organizaciones
Teoria de las organizaciones
Aixa Pinela
 
Educacao Fisicainfantil
Educacao FisicainfantilEducacao Fisicainfantil
Educacao Fisicainfantil
maninha17
 
Pedro E InêS Em Pedra
Pedro E InêS Em PedraPedro E InêS Em Pedra
Pedro E InêS Em Pedra
Helena Barreto
 
Camilo
CamiloCamilo
Santiago de compostela
Santiago de compostelaSantiago de compostela
Santiago de compostela
Anchis_89
 
Ciencia y tecnologia
Ciencia y tecnologiaCiencia y tecnologia
Ciencia y tecnologia
alcirarmen
 
Casa D010 porto seguro
Casa D010 porto seguroCasa D010 porto seguro
Casa D010 porto seguro
businessss
 
Elementos del computador
Elementos del computadorElementos del computador
Elementos del computador
Patricio Veliz
 
In Plano De Marketing 1221779188910665 9
In Plano De Marketing 1221779188910665 9In Plano De Marketing 1221779188910665 9
In Plano De Marketing 1221779188910665 9
Marcelo Ribeiro
 
serras
serrasserras
serras
paula66
 
GLOSSARIO
GLOSSARIOGLOSSARIO
GLOSSARIO
Tiagobb86
 
Informatica 2 arreglado
Informatica 2 arregladoInformatica 2 arreglado
Informatica 2 arreglado
camilaalvareza
 
Som seminario
Som seminarioSom seminario
Som seminario
André Pase
 
Cmosecomentauntextohistrico 100115055700-phpapp01
Cmosecomentauntextohistrico 100115055700-phpapp01Cmosecomentauntextohistrico 100115055700-phpapp01
Cmosecomentauntextohistrico 100115055700-phpapp01
primero2012
 
El tren de_la_vida
El tren de_la_vidaEl tren de_la_vida
El tren de_la_vida
Alberto Sanz
 
Presença Amorosa
Presença AmorosaPresença Amorosa
Presença Amorosa
-
 

Destaque (20)

Processos e Produtos Midiáticos - Agência PQP (Publicitários Questionando a P...
Processos e Produtos Midiáticos - Agência PQP (Publicitários Questionando a P...Processos e Produtos Midiáticos - Agência PQP (Publicitários Questionando a P...
Processos e Produtos Midiáticos - Agência PQP (Publicitários Questionando a P...
 
Helping smokers quit a guide for nurses
Helping smokers quit a guide for nursesHelping smokers quit a guide for nurses
Helping smokers quit a guide for nurses
 
Ofilhodoteupai
OfilhodoteupaiOfilhodoteupai
Ofilhodoteupai
 
Las nuevas tecnologías y la atención a la diversidad
Las nuevas tecnologías y la atención a la diversidadLas nuevas tecnologías y la atención a la diversidad
Las nuevas tecnologías y la atención a la diversidad
 
Teoria de las organizaciones
Teoria de las organizacionesTeoria de las organizaciones
Teoria de las organizaciones
 
Educacao Fisicainfantil
Educacao FisicainfantilEducacao Fisicainfantil
Educacao Fisicainfantil
 
Pedro E InêS Em Pedra
Pedro E InêS Em PedraPedro E InêS Em Pedra
Pedro E InêS Em Pedra
 
Camilo
CamiloCamilo
Camilo
 
Santiago de compostela
Santiago de compostelaSantiago de compostela
Santiago de compostela
 
Ciencia y tecnologia
Ciencia y tecnologiaCiencia y tecnologia
Ciencia y tecnologia
 
Casa D010 porto seguro
Casa D010 porto seguroCasa D010 porto seguro
Casa D010 porto seguro
 
Elementos del computador
Elementos del computadorElementos del computador
Elementos del computador
 
In Plano De Marketing 1221779188910665 9
In Plano De Marketing 1221779188910665 9In Plano De Marketing 1221779188910665 9
In Plano De Marketing 1221779188910665 9
 
serras
serrasserras
serras
 
GLOSSARIO
GLOSSARIOGLOSSARIO
GLOSSARIO
 
Informatica 2 arreglado
Informatica 2 arregladoInformatica 2 arreglado
Informatica 2 arreglado
 
Som seminario
Som seminarioSom seminario
Som seminario
 
Cmosecomentauntextohistrico 100115055700-phpapp01
Cmosecomentauntextohistrico 100115055700-phpapp01Cmosecomentauntextohistrico 100115055700-phpapp01
Cmosecomentauntextohistrico 100115055700-phpapp01
 
El tren de_la_vida
El tren de_la_vidaEl tren de_la_vida
El tren de_la_vida
 
Presença Amorosa
Presença AmorosaPresença Amorosa
Presença Amorosa
 

Semelhante a Ipt fev/2006

Apresentação C2i Observatório Inovação USP
Apresentação C2i Observatório Inovação USPApresentação C2i Observatório Inovação USP
Apresentação C2i Observatório Inovação USP
Ronald Martin Dauscha
 
Pontagrossa out/2009
Pontagrossa out/2009Pontagrossa out/2009
Pontagrossa out/2009
kleber.torres
 
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta GrossaBeta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
kleber.torres
 
Palestra futura trends cn
Palestra futura trends cnPalestra futura trends cn
Palestra futura trends cn
voandrade
 
Contribuição de ict ao processo de inovação em mp es de base tecnológica um...
Contribuição de ict ao processo de inovação em mp es de base tecnológica   um...Contribuição de ict ao processo de inovação em mp es de base tecnológica   um...
Contribuição de ict ao processo de inovação em mp es de base tecnológica um...
Eduardo Grizendi
 
Palestra UFRPE_Empreendedorismo e Incubação de Empresas
Palestra UFRPE_Empreendedorismo e Incubação de EmpresasPalestra UFRPE_Empreendedorismo e Incubação de Empresas
Palestra UFRPE_Empreendedorismo e Incubação de Empresas
Vítor Andrade
 
Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.
Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.
Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.
Luiz Arnaldo Biagio
 
BPM Global Trends 2012 - Elo Group II
BPM Global Trends 2012 - Elo Group IIBPM Global Trends 2012 - Elo Group II
BPM Global Trends 2012 - Elo Group II
EloGroup
 
Open Innovation: Fontes de Inovação, Fontes de Financiamento e Caminhos para ...
Open Innovation: Fontes de Inovação, Fontes de Financiamento e Caminhos para ...Open Innovation: Fontes de Inovação, Fontes de Financiamento e Caminhos para ...
Open Innovation: Fontes de Inovação, Fontes de Financiamento e Caminhos para ...
Allagi Open Innovation Services
 
ONE Talks * Soraya * Inocrowd
ONE Talks * Soraya * InocrowdONE Talks * Soraya * Inocrowd
ONE Talks * Soraya * Inocrowd
ONE Talks
 
FNQ Inovação Terra Forum
FNQ   Inovação   Terra ForumFNQ   Inovação   Terra Forum
FNQ Inovação Terra Forum
Jose Claudio Terra
 
Brasoftware palestra 05_07_ppt
Brasoftware palestra 05_07_pptBrasoftware palestra 05_07_ppt
Brasoftware palestra 05_07_ppt
kleber.torres
 
Inovação como fator de competitividade
Inovação como fator de competitividadeInovação como fator de competitividade
Inovação como fator de competitividade
Allagi Open Innovation Services
 
Apresentação Finep Manaus 20091104
Apresentação Finep Manaus 20091104Apresentação Finep Manaus 20091104
Apresentação Finep Manaus 20091104
Alexandre Moura Cabral
 
GC: Conceitos VS Práticas
GC: Conceitos VS PráticasGC: Conceitos VS Práticas
Webinar Incubadora e Agênciia de Inovação Unifacs
Webinar Incubadora e Agênciia de Inovação UnifacsWebinar Incubadora e Agênciia de Inovação Unifacs
Webinar Incubadora e Agênciia de Inovação Unifacs
Marcelo Dultra
 
Workshop para elaboração de projetos para captação de recursos não reembolsáveis
Workshop para elaboração de projetos para captação de recursos não reembolsáveisWorkshop para elaboração de projetos para captação de recursos não reembolsáveis
Workshop para elaboração de projetos para captação de recursos não reembolsáveis
André Ramos
 
Ceo fgv organização
Ceo fgv organizaçãoCeo fgv organização
Ceo fgv organização
kleber.torres
 
Palestra FóRum Empreendedorismo Eduardo Grizendi Puc Campinas
Palestra FóRum Empreendedorismo Eduardo Grizendi Puc CampinasPalestra FóRum Empreendedorismo Eduardo Grizendi Puc Campinas
Palestra FóRum Empreendedorismo Eduardo Grizendi Puc Campinas
Eduardo Grizendi
 
Mvs 4.2 aspectos técnicos sobre financiamento a inovaçao
Mvs 4.2   aspectos técnicos sobre financiamento a inovaçaoMvs 4.2   aspectos técnicos sobre financiamento a inovaçao
Mvs 4.2 aspectos técnicos sobre financiamento a inovaçao
auspin
 

Semelhante a Ipt fev/2006 (20)

Apresentação C2i Observatório Inovação USP
Apresentação C2i Observatório Inovação USPApresentação C2i Observatório Inovação USP
Apresentação C2i Observatório Inovação USP
 
Pontagrossa out/2009
Pontagrossa out/2009Pontagrossa out/2009
Pontagrossa out/2009
 
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta GrossaBeta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
 
Palestra futura trends cn
Palestra futura trends cnPalestra futura trends cn
Palestra futura trends cn
 
Contribuição de ict ao processo de inovação em mp es de base tecnológica um...
Contribuição de ict ao processo de inovação em mp es de base tecnológica   um...Contribuição de ict ao processo de inovação em mp es de base tecnológica   um...
Contribuição de ict ao processo de inovação em mp es de base tecnológica um...
 
Palestra UFRPE_Empreendedorismo e Incubação de Empresas
Palestra UFRPE_Empreendedorismo e Incubação de EmpresasPalestra UFRPE_Empreendedorismo e Incubação de Empresas
Palestra UFRPE_Empreendedorismo e Incubação de Empresas
 
Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.
Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.
Intellecto Consultoria e Treinamento Ltda.
 
BPM Global Trends 2012 - Elo Group II
BPM Global Trends 2012 - Elo Group IIBPM Global Trends 2012 - Elo Group II
BPM Global Trends 2012 - Elo Group II
 
Open Innovation: Fontes de Inovação, Fontes de Financiamento e Caminhos para ...
Open Innovation: Fontes de Inovação, Fontes de Financiamento e Caminhos para ...Open Innovation: Fontes de Inovação, Fontes de Financiamento e Caminhos para ...
Open Innovation: Fontes de Inovação, Fontes de Financiamento e Caminhos para ...
 
ONE Talks * Soraya * Inocrowd
ONE Talks * Soraya * InocrowdONE Talks * Soraya * Inocrowd
ONE Talks * Soraya * Inocrowd
 
FNQ Inovação Terra Forum
FNQ   Inovação   Terra ForumFNQ   Inovação   Terra Forum
FNQ Inovação Terra Forum
 
Brasoftware palestra 05_07_ppt
Brasoftware palestra 05_07_pptBrasoftware palestra 05_07_ppt
Brasoftware palestra 05_07_ppt
 
Inovação como fator de competitividade
Inovação como fator de competitividadeInovação como fator de competitividade
Inovação como fator de competitividade
 
Apresentação Finep Manaus 20091104
Apresentação Finep Manaus 20091104Apresentação Finep Manaus 20091104
Apresentação Finep Manaus 20091104
 
GC: Conceitos VS Práticas
GC: Conceitos VS PráticasGC: Conceitos VS Práticas
GC: Conceitos VS Práticas
 
Webinar Incubadora e Agênciia de Inovação Unifacs
Webinar Incubadora e Agênciia de Inovação UnifacsWebinar Incubadora e Agênciia de Inovação Unifacs
Webinar Incubadora e Agênciia de Inovação Unifacs
 
Workshop para elaboração de projetos para captação de recursos não reembolsáveis
Workshop para elaboração de projetos para captação de recursos não reembolsáveisWorkshop para elaboração de projetos para captação de recursos não reembolsáveis
Workshop para elaboração de projetos para captação de recursos não reembolsáveis
 
Ceo fgv organização
Ceo fgv organizaçãoCeo fgv organização
Ceo fgv organização
 
Palestra FóRum Empreendedorismo Eduardo Grizendi Puc Campinas
Palestra FóRum Empreendedorismo Eduardo Grizendi Puc CampinasPalestra FóRum Empreendedorismo Eduardo Grizendi Puc Campinas
Palestra FóRum Empreendedorismo Eduardo Grizendi Puc Campinas
 
Mvs 4.2 aspectos técnicos sobre financiamento a inovaçao
Mvs 4.2   aspectos técnicos sobre financiamento a inovaçaoMvs 4.2   aspectos técnicos sobre financiamento a inovaçao
Mvs 4.2 aspectos técnicos sobre financiamento a inovaçao
 

Mais de kleber.torres

Noticia 10421140
Noticia 10421140Noticia 10421140
Noticia 10421140
kleber.torres
 
Dtfinal
DtfinalDtfinal
Dtfinal
kleber.torres
 
Design Thinking 9
Design Thinking 9Design Thinking 9
Design Thinking 9
kleber.torres
 
Design Thinking 8
Design Thinking 8Design Thinking 8
Design Thinking 8
kleber.torres
 
Design Thinking 5
Design Thinking 5Design Thinking 5
Design Thinking 5
kleber.torres
 
Design Thinking 4
Design Thinking 4Design Thinking 4
Design Thinking 4
kleber.torres
 
Design Thinking 3
Design Thinking 3Design Thinking 3
Design Thinking 3
kleber.torres
 
Design Thinking 2
Design Thinking 2Design Thinking 2
Design Thinking 2
kleber.torres
 
Design Thinking 1
Design Thinking 1Design Thinking 1
Design Thinking 1
kleber.torres
 
Ois fiemg
Ois fiemgOis fiemg
Ois fiemg
kleber.torres
 
Sebrae 10.09
Sebrae 10.09Sebrae 10.09
Sebrae 10.09
kleber.torres
 
Fiesp 06.09
Fiesp 06.09Fiesp 06.09
Fiesp 06.09
kleber.torres
 
Emepro 30 04-2009
Emepro 30 04-2009Emepro 30 04-2009
Emepro 30 04-2009
kleber.torres
 
Cesar rss 02_09_ppt
Cesar rss 02_09_pptCesar rss 02_09_ppt
Cesar rss 02_09_ppt
kleber.torres
 
Cnx mod inov 1_i hub_19-05-08_v3
Cnx mod inov 1_i hub_19-05-08_v3Cnx mod inov 1_i hub_19-05-08_v3
Cnx mod inov 1_i hub_19-05-08_v3
kleber.torres
 
Anpei palestra 05_08
Anpei  palestra 05_08Anpei  palestra 05_08
Anpei palestra 05_08
kleber.torres
 
Fnq palestra 07_08
Fnq palestra 07_08Fnq palestra 07_08
Fnq palestra 07_08
kleber.torres
 
Bb palestra 10.08
Bb palestra 10.08Bb palestra 10.08
Bb palestra 10.08
kleber.torres
 
Sebrae sjrp 28_10_08_msimantob
Sebrae sjrp  28_10_08_msimantobSebrae sjrp  28_10_08_msimantob
Sebrae sjrp 28_10_08_msimantob
kleber.torres
 
Ipt processo de inovação 02.06
Ipt processo de inovação 02.06Ipt processo de inovação 02.06
Ipt processo de inovação 02.06
kleber.torres
 

Mais de kleber.torres (20)

Noticia 10421140
Noticia 10421140Noticia 10421140
Noticia 10421140
 
Dtfinal
DtfinalDtfinal
Dtfinal
 
Design Thinking 9
Design Thinking 9Design Thinking 9
Design Thinking 9
 
Design Thinking 8
Design Thinking 8Design Thinking 8
Design Thinking 8
 
Design Thinking 5
Design Thinking 5Design Thinking 5
Design Thinking 5
 
Design Thinking 4
Design Thinking 4Design Thinking 4
Design Thinking 4
 
Design Thinking 3
Design Thinking 3Design Thinking 3
Design Thinking 3
 
Design Thinking 2
Design Thinking 2Design Thinking 2
Design Thinking 2
 
Design Thinking 1
Design Thinking 1Design Thinking 1
Design Thinking 1
 
Ois fiemg
Ois fiemgOis fiemg
Ois fiemg
 
Sebrae 10.09
Sebrae 10.09Sebrae 10.09
Sebrae 10.09
 
Fiesp 06.09
Fiesp 06.09Fiesp 06.09
Fiesp 06.09
 
Emepro 30 04-2009
Emepro 30 04-2009Emepro 30 04-2009
Emepro 30 04-2009
 
Cesar rss 02_09_ppt
Cesar rss 02_09_pptCesar rss 02_09_ppt
Cesar rss 02_09_ppt
 
Cnx mod inov 1_i hub_19-05-08_v3
Cnx mod inov 1_i hub_19-05-08_v3Cnx mod inov 1_i hub_19-05-08_v3
Cnx mod inov 1_i hub_19-05-08_v3
 
Anpei palestra 05_08
Anpei  palestra 05_08Anpei  palestra 05_08
Anpei palestra 05_08
 
Fnq palestra 07_08
Fnq palestra 07_08Fnq palestra 07_08
Fnq palestra 07_08
 
Bb palestra 10.08
Bb palestra 10.08Bb palestra 10.08
Bb palestra 10.08
 
Sebrae sjrp 28_10_08_msimantob
Sebrae sjrp  28_10_08_msimantobSebrae sjrp  28_10_08_msimantob
Sebrae sjrp 28_10_08_msimantob
 
Ipt processo de inovação 02.06
Ipt processo de inovação 02.06Ipt processo de inovação 02.06
Ipt processo de inovação 02.06
 

Ipt fev/2006

  • 1. INOVAÇÃO O Processo de Inovação Aula IPT Prof. Moysés Simantob FGV-EAESP São Paulo, 14 de fevereiro de 2006
  • 2. MOYSÉS SIMANTOB • Professor do Departamento de Produção na FGV-EAESP dos cursos de Inovação no CEAG, Graduação e PEC • Co-fundador e coordenador executivo do Fórum de Inovação da FGV-EAESP • Autor do Guia Valor Econômico de Inovação nas Empresas, com Roberta lippi, em 2003 • Co-autor do livro Organizações Inovadoras, em 2003 • Atuou nas empresas da TIM – Telecom Italia Mobile e saiu para fundar a Valuenet – Incubadora de empresas para internet • Assessora empresas em Inovação estratégica dos seguintes segmentos: Higiene, Beleza, Limpeza, Comunicação, Eletroeletrônico e Mecânica, Varejo. 2 Copyright © 2005, Moysés Simantob.
  • 3. 3 Copyright © 2005, Moysés Simantob.
  • 4. O PROCESSO DE INOVAÇÃO Copyright © 2005, Moysés Simantob.
  • 5. Taxonomia Hamel/Prahalad Inovação Inovação de Radical não-Linear Conceitos de Negócios Melhorias Melhoria Incremental contínuas de Processos de Negócios Componente Sistêmico 5
  • 6. Tipologias de Inovação Radical Incremental Componente Sistêmico Fonte: Hamel, 2001 6
  • 7. Taxonomia do Fórum de Inovação As inovações também podem ser classificadas de acordo com o campo de ação: Produto Processo Tecnologia Gestão Modelo de Negócio A Inovação Tecnológica é subjacente a esse modelo e pode estar presente em todos os campos 7
  • 8. Tipologias de Inovação Produto: Processo: Palm DELL Computer Gestão: Modelo de Negócio: IDEO CVRD Fonte: Fórum de Inovação 8
  • 10. Inovação é uma prioridade nas empresas? Entrevistas com CEO’s Diretores de Diretores de Ponto-de-Vista Ponto-de-Vista Inovação Inovação Pesquisa Pesquisa Cultura & Inovação Valor 1000 Valor 1000 com Dirs. RH com Dirs. RH Pessoas Perfil Perfil executivos de inovação executivos de inovação Casos de sucesso Casos de sucesso Processos Processos & & Estrutura Estrutura
  • 11. PROJETO E PLANEJAMENTO OBJETIVOS DE NEGÓCIOS PLANEJAMENTO PROJETO DE ESTRATÉGICO VIABILIDADE PLANEJAMENTO OPERACIONAL PROJETO IMPLANTAÇÃO EXECUTIVO 11 Copyright © 2005, Moysés Simantob.
  • 12. AS GRANDES DÚVIDAS VIABILIDADE ACEITABILIDADE VULNERABILIDADE Quais investimentos Qual retorno em Quais riscos se corre financeiros e gerenciais desempenho e caso as coisas saiam serão necessários? financeiro ? errado? 12 Copyright © 2005, Moysés Simantob.
  • 13. MODELO DA INOVAÇÃO EM CADEIA PESQUISA R R R CONHECIMENTOS EXISTENTES C C C MERCADO PROJETO COMERCIALIZAÇÃ PROJETO BÁSICO PRODUÇÃO POTENCIAL DETALHADO O 13 Copyright © 2005, Moysés Simantob.
  • 14. O FUNIL DO DESENVOLVIMENTO Produtos Desenvolvimento o cepçã Con 14 Copyright © 2005, Moysés Simantob.
  • 15. O PROCESSO COMO UM TODO • Conceber e desenvolver o novo produto e respectivo negócio • Identificar e organizar as atividades necessárias para o sucesso • Tratar de modo integrado conhecimentos técnicos, operacionais e de mercado • Sistematizar o processo de decisão no desenvolvimento • Indicar as melhores práticas • Ex. - Natura 15 Copyright © 2005, Moysés Simantob.
  • 16. FASES E REVISÕES Objetivo do Projeto Escopo do Projeto Fase 1 Fase 2 Fase 3 Fase 4 Fase 5 Revisões 1 2 3 4 5 Eventos (pontos) importantes do projeto (indicam cumprimento da programação) 16 Copyright © 2005, Moysés Simantob.
  • 17. CRIATIVIDADE E FOCO Revisão por pares Revisão de aprovação para refinamento pela alta gerência lançamento 1a Etapa 2a Etapa 3a Etapa Geração de idéias, Detalhamento dos Desenvolvimento conceitos e tecnologia limites dos projetos e rápido e focado de tecnologia necessária projetos de vários tipos 17 Copyright © 2005, Moysés Simantob.
  • 18. NATURA Pré-briefing Briefing Plano Plano 1o ao 6o mês Executivo I Executivo II Pesquisas “Competitive Intelligence” Desenv. Desenv. Operacio - Implemen Lança- Hábitos do de idéias de idéias nalização tacão mento Consumidor explorat. factíveis da Idéia da Idéia Ciência Tendências Desenvolver os Converter a Criar idéias e tecnologia em componentes Adquirir Buscar oportu- protótipos; de - do “mix” do moldes e nidades de uso e finir conceito produto; equipamentos; Objetivos de Atividades de desenvolvimento técnico e quantificar definir “mix” lançamento e cada fase de novas tecno - demonstrar interesse pelo final do acompanhamento logias para interesse pelo consumidor e a produto; até 6 meses novos produtos consumidor e robutez comer- Produzir comercial cial do produto Resultado Protótipos / Design PAT Conceito téc. “Mix” final Avaliação Conceito Responsabilidade Grupo Segmento TCA Negócio Time de Projeto 18 Copyright © 2005, Moysés Simantob.
  • 19. O desenvolvimento de produtos na Natura tem o foco no conceito do produto e não em P&D Desenvolvimento de Produtos na Natura Reuniões mensais entre os 3 presidentes, o diretor de marketing e o de P&D; Testes de mercado facilitado pela relação Consultor-Consumidor; Estratégia de P&D baseda em compra de patentes, e não em desenvolvimento, garantindo redução dos gastos para 3.5% do resultado líquido, contra 3.5% das vendas entre os concorrentes; Isso leva a uma média de um novo produto a cada 3 dias; Todo o conceito da marca e do produto definem, inclusive, a formulação A pesquisa por patentes é feita após a definição do mercado alvo e do conceito do produto; Exemplo de interferência do conceito da marca (“Verdade em cosméticos”) sobre a formulação; linha Chronos: possui vitaminas A, C e D, ao contrário de seus concorrentes, que têm um produto para cada vitamina; Justificativa: “Porque as 3 vitaminas são boas para a pele, e como nós iríamos 19 19 responder a um consumidor que nos perguntasse por quê separamos as vitaminas...” 19 (Philippe Pommez, Diretor de P&D, Natura).”
  • 20. Um exemplo de inovação em produto: a linha Mamãe- Bebê Idéia Tomar uma parte do mercado de produtos para bebê, dominado completamente pela Johnson&Johnson (90%). Ação Conceito diferenciado: produto para o bebê e para a mãe; Marketing focado na interação entre a mãe e a criança; Apelo para o nome Natura, significando alta qualidade (maior do que aquela que pode ser comprada no supermercado); Resultados Sucesso no mercado, com uma participação de mercado em 2003 de 24%. Volume de negócios de US$ 130 milhões nos 3 primeiros anos. 20 20 20
  • 21. A linha Ekos foi uma revolução de processos de negócios, mas mantendo a Visão da Natura Idéia Buscar novos mercados, com produtos diferenciados para uso diário Projeto Manhatan: criação de conceitos como: Ação Utilização de ativos brasileiros; Sustentabilidade ambiental e social; Base nas tradições populares; Busca de comunidades que pudessem fornecer matérias-primas de abastecimento sustentável ambientalmente e socialmente; Busca por produtos naturais em comunidades, com produção quase artesanal. Exemplo: Cupuaçu no Acre; Erva mate no Rio Grande do Sul e Buriti no Piauí; Aquisição da empresa Flora Medicinal, com um acervo de mais de 280 plantas e 300 produtos; Resultados Crescimento de 19,45% no faturamento bruto e 187,4% no lucro líquido Diminuição de 40,4% do endividamento líquido Desse resultado, a linha Ekos contribuiu com praticamente 10%, com um crescimento de 50 % em relação ao ano anterior O número de consultoras saltou de 286 mil em 2.001 para 307 mil em 2.002 21 21 21
  • 22. O processo de inovação Natura... Tradicionalmente as estruturas de gestão separam as atividades ligadas ao conhecimento científico e tecnológico das atividades ligadas ao conhecimento de mercado e a dinâmica de comportamento da pessoas e suas tendências. Na Natura, estas atividades estão integradas na área de inovação, o potencializa e acelera os processos criativos de desenvolvimento de produtos e conceitos e garante soluções que sejam expressões cada vez mais inovadoras e legítimas das suas crenças e visão do mundo. A natura é o maior centro de pesquisa e desenvolvimento cosmético do Brasil. Um intercâmbio sistemático com universidades brasileiras e com outros centros de excelência em todo o mundo mantém seus pesquisadores em contato com os principais avanços nas áreas farmacêutica, química e bioquímica. Estar permanentemente em sintonia com as principais fontes de tecnologia em cosmética garante aos seus produtos um padrão de qualidade internacional. A empresa brasileira que mais investe em comprovação 22 científica. Cerca de 4% da renda líquida são aplicados nessa 22 área, mantendo o ritmo de lançamento de um produto a cada 22 três dias.
  • 23. O processo de inovação Natura... A venda direta exige um intenso ritmo de lançamentos; A inovação tem sido a alavanca da Natura para a conquista de mercado; Em 1998 foi criada a VP de inovação; Cuida de todo o processo desde o surgimento da idéia até o lançamento dos produtos e acompanha, junto à área comercial, até o fim dos primeiros 6 meses de vida útil A VP é formada por segmentos (tratamento, perfumes, maquilagem e infantil/banho; Cada segmento é formado por gerentes técnicos e gerentes de marketing; A inovação resulta de uma complexa interação entre o conhecimento de possibilidades tecnológicas e de mercado. 23 23 23
  • 24. O processo de inovação Natura Discussões contínuas de diretoria N Problema ou oportunidade? S Grupo para conceituação •Conhecimento do mercado da solução •Intuição •Cultura e visão Natura Busca de N recursos extra- Consenso? empresa Implementação S Busca de recursos intra- empresa 24 24 24
  • 25. O processo de inovação Natura impresso nos Valores da empresa... Valores dos Produtos “Seu sensorial e suas fragrâncias devem ser surpreendentes, inovadores e diferenciados” “As embalagens devem ser funcionais e diferenciadas, possibilitando o uso do refil sempre que possível” Valores dos Conceitos “Devem ser inovadores, contemporâneos, ter atitude, propor reflexões e libertos de preconceitos, buscando a verdade e não induzindo a falsas promessas ou estereótipos” “Conceitos devem ser vivos, em constante evolução, acompanhando e antecipando as transformações de nossa sociedade” “Devemos perseguir a evolução de nossos conceitos com a mesma obsessão que dedicamos à evolução da tecnologia em nossos produtos” “Eles devem inspirar a criação e ao mesmo que tempo serem expressos em cada detalhe dos nossos produtos e de nossas ações de marketing” 25 25 25
  • 26. O processo de inovação Natura impresso nas ações dos “Atores Organizacionais” da empresa... Crença na empresa por parte dos três presidentes; Crença no potencial de crescimento, por parte dos três presidentes, através do uso da biodiversidade brasileira; Papel da liderança na disseminação da cultura ao longo da organização; Seabra – promover o clima estratégico na organização e a importância da parte conceitual dos produtos e da marca; Leal – promover a empresa junto ao público formador de opinião, ONGs e instituições governamentais; Pedro – garantir que a estratégia se torne vantagem competitiva dentro da empresa e em toda a sua cadeia interna de valor. 26 26 26
  • 27. O processo de inovação da Natura impresso nas intenções estratégicas da empresa... Relatório Anual Natura 2.002 “A atuação da companhia é orientada por sua Razão de Ser, a promoção do Bem Estar Bem. As Crenças e Valores são os critérios determinantes e diferenciais que inspiram as inovações, asseguram o sucesso das iniciativas e contribuem para tornar competitivo o conjunto dos negócios” 27 27 27
  • 28. O processo de inovação Natura... Modelo do Funil de Inovação (S. Wheelwright e K. Clark) Benefícios Alinhamento dos projetos de desenvolvimento de novos produtos com as estratégias dos segmentos de produtos; Aumento da eficiência na conclusão dos projetos; Redução do tempo necessário para a realização dos projetos; Introdução do aproveitamento de idéias oriundas das áreas técnicas (TCA e Desenvolvimento de Produtos), para inovações orientadas pela tecnologia; Disciplina as atividades dos projetos em cada uma das fases do processo e evita investimentos e gastos desnecessários; Aumenta a visibilidade do processo decisório; Etapas do Funil Pré-briefing Briefing Plano executivo I Plano executivo II Lançamento Avaliação do 6° mês 28 28 28
  • 29. Fases do processo de inovação Natura... Foruns de Aprovação Comitê de Produtos - Presidentes, Vice-presidentes, Diretores e Gerentes das Unidades de Negócios: aprova cada Gate dos projetos, do Briefing ao Plano Executivo II Gerência da Unidade de Negócios - aprovação da idéia (Gate: pré- briefing) e principais atividades de cada projeto, liberação para lançamento do produto Mkt de Produtos - Gate de liberação para lançamento do produto em conjunto com Gerência de Unidade de Negócios Time de Projeto - condução e operacionalização do projeto; composto por membros fixos, multi-funcionais e responsáveis pela execução de um projeto específico e convidados que são envolvidos nos momentos chave Líder do Time - lidera e coordena as atividades do time a partir de acompanhamento contínuo da operacionalização do projeto; representa o time junto ao Comitê de Produtos, responde pelo projeto até o 6º mês após seu lançamento, avaliando mensalmente sua performance e propondo melhorias ou rotas de correção. Após o 6º mês o produto/linha torna-se item regular Membros do Time - responsáveis pela implementação das partes do projeto dentro de cada área envolvida, construindo o produto/linha que irá para o mercado 29 29 Membros fixos - Inovação, Marketing, Pesquisa e Desenvolvimento, 29 Desenvolvimento de Embalagens, O & L: P.C.L e Suprimentos
  • 30. Aspectos mandatórios do processo de inovação Natura... Tecnologia - incorporar no desenvolvimento do produto as inovações e resultados de pesquisas científicas Necessidades do consumidor - incorporar resultados de pesquisas de mercado com metodologias diversas, exprimindo as necessidades, anseios e expectativas do público alvo definido Aspectos legais - fazer o alinhamento com a legislação pertinente aos produtos a serem desenvolvidos, garantindo segurança na comercialização e adequação da política de segurança de produtos Aspectos de mercado - garantia de alinhamento do público alvo ao conceito do produto, embalagem, utilização e principalmente compatibilidade com a estratégia da empresa Processo de fabricação - estudo de viabilidade técnica de processo, garantindo segurança, conforto e ergonomia aos colaboradores e produtividade à fábrica; envolvimento das áreas pertinentes desde o início do desenvolvimento dos produtos, sugerindo integração e resultados positivos na implantação em fábrica 30 30 30
  • 31. COMO FAZER CONTATO » e-mail msimantob@fgvsp.br » Escritório com Cintia de Mello pelo » 11- 3219-0069 ou cidemello@uol.com.br » Fórum de Inovação , 7º andar (prédio da Rua Itapeva) com Luciana ou Leonice » 11-3281-7917 31 Copyright © 2005, Moysés Simantob.