SlideShare uma empresa Scribd logo
2º. WORKSHOP:
Capacitação para Subvenção
   Econômica à Inovação
      Salvador, 14 de maio de 2010
Agenda

08:30 –   Credenciamento
09:00 –   Apresentação inicial e Conceitos Introdutórios
10:00 –   Engenharia de Financiamento à Inovação
10:30 –   Intervalo
10:45 –   Oportunidades disponíveis de Subvenção Econômica – Recursos não reembolsáveis
12:00 -   Almoço


14:00 -   Orientação para elaboração de Projetos para Subvenção Econômica
14:50 -   Esclarecimentos com representante da FAPESB
15:30 -   Intervalo
15:40 -   Outras fontes de financiamento à inovação – recursos reembolsáveis
16:30 -   Levantamento do Estado da Técnica – Vilage Marcas e Patentes
17:00 -   Capital de Risco – Criatec
17:30 -   Caso de Sucesso - Softwell
18:00 –   Encerramento
BRAIN – Brasil Inovação




       Somos uma empresa de consultoria
       especializada na gestão da inovação.




       Nossa missão é “Contribuir para o desenvolvimento
         e a competitividade de organizações, regiões e
                 setores, através da inovação”.
Quem somos
                                     Experiência dos Líderes


A experiência profissional dos líderes representa um importante diferencial competitivo, tendo em vista os
importantes desafios assumidos na esfera pública e privada, dentro do Sistema Nacional de Inovação.  

Alexandre Tocchetto Pauperio, administrador de empresas, mestre em administração (UFBA 1998), com atuações na FIEB –
Federação das Indústrias do Estado da Bahia (1997-1998), Universidade Salvador – Unifacs (1998-2003), Secretaria de Ciência,
Tecnologia e Inovação da Bahia (2003) e como diretor geral da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (2003-2006).
Ativo participante do Sistema Nacional de Inovação, é consultor ad hoc do MEC e professor universitário nas áreas de estratégia,
administração e projetos. Foi vice-presidente do Conselho Nacional das Fundações de Amparo à Pesquisa e agraciado com o Título
de Administrador Emérito pelo CRA-BA (2005).


Fábio Luis Assmann, economista formado na PUC/RS, especialista em Gestão para a Qualidade do Meio Ambiente pela PUC/RS
(2002) e especialista em Agente de Inovação Tecnológica – AGINTEC pela UNEB (2004), mestrando em administração pela UFBA
(início 2006), consultor autônomo de Estudos de Impactos Ambientais e Relatórios de Impactos ao Meio Ambiente – EIA/RIMA no
Meio Antrópico (2000 a 2003) e gestor responsável pelo Programa Bahia Inovação na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da
Bahia – FAPESB (2003 – 2007).


Flávio Marinho, profissional de marketing, graduado em publicidade e propaganda, pós-graduado em Administração de Marketing,
pela ESPM/SP, Mestre em Administração Estratégica, pela UNIFACS/ BA. Sua trajetória profissional inclui experiências diversas como
executivo e como consultor em organizações tais como Odebrecht (Trikem), Caixa Geral de Depósitos/ Portugal, Hospital Português
da Bahia, Urban Systems Brasil, Tricon International Restaurants, Hospital Albert Einstein, Jones Lang Lassalle, WhiteWater Brasil,
AT&T Latin America, dentre diversas outras empresas de diferentes segmentos e portes. É professor e pesquisador universitário.
02 de abril de 2010 - citações
!   Inovação: 5,8 milhões

!   Gestão: 28,4 milhões

!   Innovation; 81,9 milhões

!   Management: 660 milhões



!   Beatles: 45,3 milhões



!   Buda: 10,5 milhões

!   Jesus: 161 milhões
Thomas Edison

“Não quero inventar nada que não seja vendável. A
  venda é a prova da utilidade, e utilidade é igual a
                     sucesso.”
               Thomas Edison (1847 – 1931)




                 http://pt.wikipedia.org/wiki/Thomas_Edison
Schumpeter


!   Inovação “é o impulso fundamental que
  coloca e mantém em movimento a
  engrenagem da economia” (Joseph
  Schumpeter)

!   “A inovação é a força motriz do
  capitalismo.”
   •  Essencialà evolução do mercado
   •  Condição para o aumento da
      competitividade das empresas, regiões e
      países
   •  Ponto fundamental da “Economia do
      Conhecimento”                             http://www.pensamentoeconomico.ecn.br/
                                                economistas/joseph_schumpeter.html
Nossa Visão
                               Inovação



“Inovação é a transformação de uma idéia em
um produto novo ou melhorado que se
introduz no mercado, ou em novos sistemas de
produção, e em sua difusão, comercialização e
utilização. Entende-se também por inovação
tecnológica, a melhoria substancial de produtos
ou processos já existentes.”
Manual Frascati (2003)




  “Inovação = Ideia + Implementação + Sucesso”
                                 Fórum de Inovação da FGV




                         “É o impulso fundamental que coloca e
                         mantém em movimento a engrenagem da economia”
                                                            Joseph Schumpeter
Inovação




Inovação = Tecnologia ?
Inovação Tecnológica
                 “t pequeno”



!   Requer a posse de um conhecimento especializado mediante
  patentes ou licenças para que se agregue valor ao produto.
Inovação Organizacional
                 “T grande”



!   Ocorre quando uma organização busca vantagem competitiva
  em outras áreas, tais como Operações, Comercial, Finanças,
  Logística, Marketing etc.
   •  Implicaem mudanças no Modelo de Negócio
   •  Impulsionado por Idéias
Momento da Inovação
                           Novo Cenário




!   Novo marco regulatório nacional
    •    Fundos Setoriais, PICTE, Lei de Inovação (2004), Lei do Bem (2005), Subvenção
         Econômica etc.

!   Disseminação de iniciativas de apoio à Inovação
!   Ampliação dos recursos públicos disponíveis
Dinâmica da Inovação
                     Atuação em rede e organização interna



Os resultados vêm da mudança de
uma visão endógena e unidirecional
para uma perspectiva exógena,
multidirecional e em rede


 !   Compreensão da cadeia produtiva e das
    potenciais fontes de obtenção de
    conhecimento, lucratividade e
    competitividade;

 !   Potencialização das fontes internas de
    geração de conhecimento, lucratividade e
    competitividade
Modelo Aberto de Inovação

                        Pesquisa   Desenvolvimento                Comercialização

                                     Licenciamento de patentes



                                                                 Internalização de protótipos
                                                                           para scale up
Boas e viáveis idéias
        próprias


 Boas idéias, sem
      viabilidade




                                                                            Spin offs
                                       Internalização de
   Internalização de idéias e          patentes e know how
             tecnologias
                                                                 tempo
Tipologias

!   Onde acontece?                 !   Qual o grau da inovação?
     •  Produto (bem ou serviço)        •  Radical – resulta em um produto ou
                                           processo cujas características,
     •  Processo produtivo                 atributos ou usos difiram
     •  Organizacional                     radicalmente dos existentes
     •  Marketing                       •  Incremental – entendida como a
                                           melhoria de produto ou processo
                                           existente cujo desempenho tenha
                                           sido significativamente melhorado ou
!   Qual a abrangência da                  a reconfiguração de uma tecnologia já
  inovação?                                existente para outros propósitos
    •  Novo para a empresa              •  Disruptiva - provocam uma ruptura
    •  Novo para o mercado
                                           em modelos de negócios que estão
                                           estabelecidos. Normalmente
       local                               favorecem o aparecimento de novos
    •  Novo para o mundo                   produtos com desempenho
                                           equivalente ao padrão do mercado,
                                           mas inferior ao dos líderes, adotando
                                           uma nova abordagem que o torne
!   Tipo?                                  mais barato, mais conveniente ou
     •  Tecnológica                        mais fácil de usar
     •  Não tecnológica
• Desempenho/ custo e melhorias




                                  • Radical


                                                          • Disruptiva/ Ruptura




                                          • Incremental



                                                                • Tempo
O que fazemos




Nossa proposta é ampliar a
competitividade das organizações
através da estruturação do processo de
inovação, não apenas internamente,
mas também a partir das relações
externas com fontes de financiamento,
clientes, fornecedores, a academia e
parceiros em geral.
Áreas de Atuação
  Conheça nossos serviços
Áreas de Atuação
Gestão da Inovação



!    Radar da Inovação
     (Diagnóstico);

!    Desenvolvimento da Cultura
     Inovadora: Motivação e
     Capacitação;

!    Alinhamento Estratégico;

!    Estruturação do Processo de
     Inovação;

!    Montagem de Sistemas de       * Figura ilustrativa da metodologia do Programa Gestão da Inovação.
     Inteligência Competitiva;     ** Clique na ilustração para maiores informações


!    Pipeline: Implantação e
     Acompanhamento do Funil da
     Inovação.
Desenvolvimento de Negócios
                       Serviços




!    Testes de Conceito;

!    Planejamento Estratégico;

!    Marketing e Comunicação;

!    Estudos Mercadológicos;

!    i-Coaching;
!    Análise e Redesenho de Processos;

!    Desenvolvimento de Modelos de Negócios;

!    Design de Produtos e Serviços.
Escritório de Projetos
                      Serviços




!    Elaboração e Gestão de Projetos;

!    Engenharia de Financiamento;

!    Captação de Recursos e Incentivos
     Fiscais;

!    Propriedade Intelectual e Transferência
     Tecnológica;

!    Estudos de Viabilidade Técnica,
     Econômica, Comercial e Ambiental
     (EVTECA);

!    Planos de Negócio;

!    Valoração Tecnológica.
Capacitação
                           Sensibilização e Formação de Líderes




!    Inovação, Sustentabilidade e Competitividade;

!    Criatividade e Geração de Idéias;

!    Elaboração de Projetos de Inovação e
     Captação de Recursos;

!    Gestão da Inovação: Modelos e Ferramentas;

!    Comunicação para a Inovação;

!    Propriedade Intelectual;

!    Empreendedorismo Corporativo e
     Tecnológico;
!    Gestão de Projetos;

!    Entre outros temas.
Engenharia de Financiamento à
          Inovação
Engenharia de Financiamento



!   Engenharia de Financiamento deve ser compreendida como o
  monitoramento permanente e a mobilização adequada para
  participar com chances de todas as oportunidades disponíveis
  de captação de recursos, seja através de projetos, capacitação
  de pessoas, prestação de serviços ou bolsas, de forma a
  permitir a realização do projeto.



!   A lógica consiste do entendimento de que é na multiplicidade
  de fontes que geralmente são encontradas as condições para a
  viabilização das idéias mais importantes.
Engenharia de Financiamento




Fonte: FINEP (2009)
Engenharia de Financiamento



!   Passo 1 - Identificação e Qualificação dos
  Projetos;                                      Projeto


!   Passo 2 – Mapeamento das Demandas,
  Fontes e suas peculiaridades;                     Projeto


!   Passo 3 – Plano de Financiamento:
  projetos eleitos, recursos demandados
                                                 Projeto
  para cada fonte.
Instrumentos de Apoio
Subvenção Econômica

!   A subvenção econômica à inovação é a concessão de recursos
  financeiros de natureza não - reembolsável para empresas
  públicas ou privadas que desenvolvam projetos de inovação
  estratégicos para o País de acordo com a política
  governamental. Esta modalidade de apoio está sendo realizada
  pela primeira vez no Brasil a partir da aprovação e
  regulamentação da Lei da Inovação (10.903/04) e da Lei do
  Bem (11.196/05). A subvenção poderá ser aplicada no custeio
  de atividades de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e
  inovação em empresas nacionais.
O Que é Financiável?


!   Projetos de Inovação Tecnológica:

   •  Produtos
   •  Processos
   •  Serviços


           –  Incrementais
           –  Radicais
           –  Disruptivas
Recursos Não Reembolsáveis
PAPPE Subvenção/FAPESB


  Objetivo: Apoio a projetos de inovação tecnológica, de produtos,
processos ou serviços oriundos de MPEs baianas;

    Temas: 1) Biotecnologia, biodiversidade, agronegócios, fármacos,
cosméticos e saúde; 2) Nanotecnologia, semicondutores e tecnologias da
informação e comunicação; 3) Biocombustíveis, energias e meio ambiente;
4) Engenharias de produtos, processos, serviços e novos materiais;

  Contrapartida financeira e/ou econômica de no mínimo 30% do valor
solicitado para empresas de Pequeno Porte e mínimo de 20% para micro-
empresas;

   Coordenador    do   projeto:   Representante   Legal   da   empresa
proponente;

  Até 18 meses de execução do projeto;
PAPPE Subvenção/FAPESB



  Valor máximo por projeto: R$ 400 mil;
  Itens Financiáveis: Despesas Correntes (Diárias; Passagens; Material
de Consumo; Serviços de Terceiros PF e PJ limitadas a 40% do valor
solicitado; Despesas salariais para novas contratações ao projeto;
Despesas com os encargos destas novas contratações);

  Data Limite: Até as 18hs do dia 11/06/2010.
  Link: http://www.fapesb.ba.gov.br/apoio/bahia-inovacao/edital-008-2010
PESQUISADOR NA EMPRESA/FAPESB



  Objetivo: Apoio atividades de pesquisa tecnológica e de inovação, com
inserção de mestres e doutores nas equipes de PD&I das empresas
baianas que tenham porte Micro, Pequeno e Médio;

  Características: Projetos de desenvolvimento tecnológico de produtos,
processos ou serviços que visem aumento da competitividade por meio de:
inovação, adensamento tecnológico e dinamização das cadeias produtivas,
incremento dos gastos empresariais com atividades de PD&I, atendimento
à relevância regional, nacional e/ou mundial;

  Proponente/Coordenador da Proposta: Pessoa Física com vínculo formal
com a empresa executora, ou seja, proprietário, sócio ou empregado
com vínculo formal com a mesma;
PESQUISADOR NA EMPRESA/FAPESB


   Contrapartida financeira e/ou econômica de no mínimo 50% para
empresas de Médio Porte, 30% para as de Pequeno Porte e 20% para as
Micro Empresas;

  Até 18 meses de execução do projeto;
  Valor máximo: R$ 150 mil;
  Itens Financiáveis: Bolsas (Modalidades: SET - Bolsas de Estímulo à
Fixação de Recursos Humanos de Interesse dos Fundos Setoriais e ITI e
DTI – Bolsas de Fomento Tecnológico);

  Data Limite: Até as 18hs do dia 11/06/2010.
  Link: http://www.fapesb.ba.gov.br/apoio/bahia-inovacao/edital-009-2010
INOVAÇÃO ABERTA/FAPESB


  Objetivo: Projetos de inovações tecnológicas de produtos, processos ou
serviços oriundos de empresas baianas em parceria com empresas
brasileiras, visando parceria empresa-empresa que estimule a
implementação da inovação aberta nas organizações baianas através da
cooperação direta em âmbito regional, nacional e/ou internacional;

  Temas: Os mesmos dos Editais Pappe Subvenção.
  Empresa Proponente Executora e Coordenadora: Empresa baiana
(Micro, Pequenas e Médias) e Empresa Proponente Co-Financiadora:
Empresa brasileira (qualquer porte);

  Contrapartida da Executora: financeira e/ou econômica de no mínimo
30% para empresas de Médio Porte, 10% para as de Pequeno Porte e 5%
para as Micro Empresas;
INOVAÇÃO ABERTA/FAPESB


  Contrapartida da Co-Financiadora: no mínimo igual a 100% dos
recursos financeiros solicitados, sendo que pelo menos 80% da
contrapartida total deve ser aportada na forma de contrapartida financeira.;

  Até 18 meses de execução do projeto;
  Valor máximo: R$ 1 milhão;
  Itens Financiáveis: Despesas Correntes (Diárias; Passagens; Material
de Consumo; Serviços de Terceiros PF e PJ limitadas a 30% do valor
solicitado; Bolsas de Pesquisa tipo DIT 1A, 2A e 3A limitadas a 30% do
valor solicitado; Despesas salariais para novas contratações ao projeto;
Despesas com os encargos destas novas contratações);

  Data Limite: Até as 18hs do dia 03/09/2010.
  Link: http://www.fapesb.ba.gov.br/apoio/bahia-inovacao/edital-010-2010
COOPERAÇÃO EMPRESAS - ICTs/FAPESB



  Objetivo: Projetos de inovações tecnológicas de produtos, processos ou
serviços, em áreas estratégicas, oriundos de micro, pequenas, médias e
grandes empresas baianas em parceria com ICTs e pesquisadores;

  Temas: Os mesmos dos Editais Pappe Subvenção.
  Empresa Proponente Executora e Coordenadora: Empresa baiana
(Micro, Pequenas e Médias) e Parceira: ICTs baianas públicas ou privadas;

  Contrapartida da Executora: financeira e/ou econômica de no mínimo
100% para empresas de Grande Porte, 60% para as de Médio Porte, 20%
para as de Pequeno Porte e 10% para as Micro Empresas. A contrapartida
financeira deve corresponder a 50% dos percentuais estabelecidos acima;
COOPERAÇÃO EMPRESAS - ICTs/FAPESB



  Até 18 meses de execução do projeto;
  Valor máximo: R$ 1 milhão;
  Itens Financiáveis: Despesas Correntes (Diárias; Passagens; Material
de Consumo; Serviços de Terceiros PF e PJ limitadas a 40% do valor
solicitado; Bolsas de Pesquisa tipo DIT 1A, 1B, 1C, 2A , 2B e 3A);

  Data Limite: Até as 18hs do dia 03/09/2010.
                                                                  Link:
http://www.fapesb.ba.gov.br/apoio/bahia-inovacao/edital-fapesb-
secti-2013-014-2010-selecao-de-propostas-para-apoio-tecnico-e-
financeiro-modalidade-apoio-a-cooperacao-entre-empresas-e-instituicoes-
cientificas-e-tecnologicas-2013-icts
RHAE PESQUISADOR NA EMPRESA/CNPq



  Objetivo: Selecionar propostas que visem apoiar as atividades de
pesquisa tecnológica e de inovação por meio da inserção de mestres ou
doutores, em empresas, prioritariamente em empresas de micro, pequeno
e médio porte;

  Características: Projetos de desenvolvimento tecnológico de produtos ou
processos que visem ao aumento da competitividade das empresas por
meio de: inovação; adensamento tecnológico e dinamização das cadeias
produtivas; incremento, compatível com o setor de atuação, dos gastos
empresariais com atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico;
atendimento à relevância regional; e cooperação com instituições
científicas e tecnológicas;

  Contrapartida: 20% do valor do projeto, em recursos financeiros ou não
financeiros;
RHAE PESQUISADOR NA EMPRESA/CNPq




  Valor Máximo por projeto: R$ 300 mil;
  Prazo de Execução: 30 meses;
  Itens Financiáveis: Somente Bolsas (Modalidades SET – Bolsa de
Estímulo à Fixação de RH de Interesse dos Fundos Setoriais, DTI – Bolsa
de Desenvolvimento Tecnológico Industrial, ITI – Bolsa de Iniciação
Tecnológica Industrial e EV – Bolsa de Especialista Visitante);

  Data Limite: 3ª Rodada em 27/08/2010;
  Link: http://www.cnpq.br/editais/ct/2009/062.htm
SUBVENÇÃO ECONÔMICA/FINEP



  Objetivo: Apoio o desenvolvimento de produtos, serviços e processos
inovadores em empresas brasileiras de qualquer porte econômico;

  Áreas Estratégicas (Linhas Específicas sob Encomenda):Tecnologias da
informação e comunicação; Biotecnologia; Saúde; Defesa Nacional e
Segurança Pública;

  Contrapartida mínima: Micro = 5%, Pequena = 20%, Média = 100%,
Grande = 200% do valor solicitado;

  36 meses de execução do projeto;
  Valor por projeto: Micro e Pequena Empresa mínimo R$ 500 mil; Média e
Grande Empresa mínimo R$ 1 milhão e máximo para todos os portes de R
$ 10 milhões;
SUBVENÇÃO ECONÔMICA/FINEP




  Itens Financiáveis: Despesas de Custeio (Material de Consumo;
Contratação de Consultorias Especializadas PF e PJ; Pagamento de
Pessoal Próprio; Aluguéis de Bens Móveis ou Imóveis);



  Data Limite: Ainda não divulgado Edital 2010;


  Link: http://www.finep.gov.br/programas/subvencao_economica.asp
PRIME – PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA/FINEP



  Objetivo: Criar condições financeiras favoráveis para que empresas
nascentes de alto valor agregado possam consolidar com sucesso a fase
inicial de desenvolvimento dos seus empreendimentos;

  Características: Voltado para empresas com até dois anos de existência,
que desenvolva atividades com conteúdo tecnológico e disponha de um
produto com elevado conteúdo de inovação em seus produtos ou serviços
e um Plano de Negócios que indique evidente potencial de crescimento e
um conjunto de desafios e metas viáveis;

  17 incubadoras-âncora (Em SP: Cietec, Fipase e FVE/Univap; em MG:
Biominas, Fumsoft e Inatel; no RJ: Coppe/UFRJ, Instituto Gênesis e
BioRio; em SC: Celta e Instituto Gene; no RS: PUC/Raiar e Faurgs/CEI; no
AM: Cide; na PB: Parque Tecnológico da Paraíba; em PE: Cesar; e em SE:
Cise) que vão atuar como os agentes financeiros da FINEP nos estados
para a apresentação de suas propostas;
PRIME – PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA/FINEP



  Valor por projeto: 1ª Etapa = R$ 120 mil (sem reembolso) e 2ª Etapa =
R$ 120 mil (Juro Zero);

  Prazo de Execução: 1ª Etapa = 12 meses e 2ª Etapa = Prazo do Juro
Zero (18 meses);

  Itens Financiáveis: A 1ª etapa poderá ser utilizada para apoio ao
empreendedor e gestor do negócio e, ainda, para a contratação de
consultorias de mercado em áreas de gestão consideradas relevantes para
a empresa, como recursos humanos, propriedade intelectual, formulação
estratégica e inovação;

  Previsão de Lançamento Editais: Ainda não divulgado Edital 2010.
  Link: http://www.finep.gov.br/programas/prime.asp
Elaboração de Projetos
Projeto é...

!   É um empreendimento temporário com o objetivo de criar um
  produto ou serviço único. (PMBOK, 2000)
!   São frequentemente implementados como meios para realizar o
  plano estratégico da organização.
!   Diferem dos serviços continuados porque são temporários e únicos,
  ao contrário de contínuos e repetitivos.
!   Temporário: cada projeto tem um começo e um fim bem definidos.

!   Único: o produto ou serviço produzido e de alguma forma diferente
  de todos os outros produtos ou serviços semelhantes.

               (…) uma atividade temporária destinada a criar um produto, serviço ou resultado
               único1. Nessa defnição, ‘temporária’ signifca que cada projeto terá um começo,
               meio e fm defnidos e não sobreviverá por tempo indeterminado. ‘Único’, por outro
               lado, indica que não se trata de uma atividade repetitiva ou de produção em série.
               (Joel Weisz, 2009)
O que é necessário para
                acessar fontes de Subvenção?

!   O  projeto  deve  estar  associado  a  um  plano  de  
 negócios,   pois  não  existe  uma  boa  estratégia  
 tecnológica  que  não   esteja  associada  a  uma  
 estratégia  competitiva.

!   O  projeto  deve  conter,  claramente  especificados:
   •  o  objetivo
   •  a  duração  prevista
   •  os  recursos  demandados
   •  o  quanto  o  empresário  compromete  (contrapartida)
   •  os  resultados  esperados
O Objetivo

!   O objetivo deve descrever claramente aquilo que você
  pretende realizar: desenvolver um novo produto específico,
  criar um núcleo de design, adaptar uma determinada
  tecnologia a necessidades nacionais etc.

!   Na hora de especificar o objetivo do projeto, tome o cuidado
  de não confundi-­lo com o resultado esperado: “aumentar as
  vendas no seu mercado”, por exemplo, é um resultado
  esperado, mas não descreve o que você pretende realizar.

!   O objetivo central de um projeto submetido deve ser uma
  inovação que traga benefícios evidentes para a empresa
  proponente, alavancando seu patamar competitivo.
Duração do Projeto


!   A duração do projeto pode variar muito, conforme a
 complexidade do que você pretende realizar. Mas é
 muito importante compreender que todo projeto
 deve ter início, meio e fim claramente definidos.

!   No caso de projetos de inovação, estes
 normalmente terminam quando você está pronto
 para adicionar o aprimoramento alcançado à sua
 atividade.
Recursos Demandados


!   Todo projeto precisa prever, da forma mais exata
 possível, o seu custo total. Para isso, o empresário
 precisará estimar o custo de cada etapa e de cada
 tipo de investimento: contratação de pessoal,
 consultorias, diárias e passagens, aquisição de
 matérias-­primas, aquisição de equipamentos etc.

!   Quanto mais preciso esse levantamento, menores
 as chances do projeto “morrer na praia” pois os
 imprevistos estarão minimizados.
Contrapartida


!   Quando você solicita um financiamento para inovar,
 é necessário especificar também quanto dos seus
 recursos próprios serão comprometidos.

!   A contrapartida pode ser de dois tipos:
   •  Financeira,  quando você prevê que arcará com novos
      gastos para realizar o seu projeto
   •  Econômica, ou não-­financeira, quando você prevê que
      utilizará recursos próprios tais como: equipamentos
      próprios, pessoas da sua folha de pagamento etc.

!   Importante: em alguns casos, só é permitida a
 apresentação de contrapartida financeira.
Resultados Esperados

!   Além da descrição do projeto, é necessário estimar quais serão os
  seus resultados efetivos. Ou seja: aonde você quer chegar.

!   Normalmente, os resultados esperados se traduzem em benefícios
  tais como: redução do tempo de produção, aumento da qualidade
  dos produtos, atendimento a novos mercados, desenvolvimento de
  novas atividades dentro da empresa etc.

!   Muitas vezes, também será necessário apresentar os impactos
  previstos para o projeto: há impactos ambientais? Sociais?
  Tecnológicos?

!   Os resultados e impactos podem despertar o interesse dos seus
  potenciais financiadores. Mas cuidado: seja realista na hora de
  descrevê-­los.
Cronograma

!   O cronograma deve descrever a seqüência de atividades do
  projeto. Cada etapa deve prever entregáveis parciais. Eles
  serão as evidências de que cada etapa foi efetivamente
  cumprida.

!   Evite cronogramas efetivamente detalhados, que engessam a
  execução, assim como cronogramas excessivamente
  genéricos, que dificultam tanto a avaliação quanto o
  acompanhamento do projeto.

!   O cronograma nada mais é do que uma “receita de bolo” que
  será considerada como o roteiro de desenvolvimento do
  projeto.
Dica

!   Num primeiro momento, a tarefa de elaborar um projeto pode
  parecer algo muito difícil. Por isso, transmitimos algumas
  recomendações que podem auxiliar muito nesse aprendizado:
    •  Busque  parceiros  para  inovar
    •  Procure  os  canais  de  comunicação para  esclarecimentos  
       e  orientações
    •  Comece  a  escrever,  ou  procure  pessoas  que  saibam  
       como  elaborar  um  projeto.
    •  Pratique!  Não  tenha  medo  do  desafio.

!   Um  bom  projeto  deve  ter  uma  estratégia  de  captação   de 
  recursos,  e  não  ser  apenas  fruto  de  uma   oportunidade  
  de  financiamento.
Formatação e Linguagem


Qualidades                            Falhas
!   Objetividade e clareza            !   Ausência de dados sobre o
                                        Estado da Técnica
!   Detalhamento e Impessoalidade
                                      !   Tecnologia com baixo nível de
!   Problema bem delimitado             empresariamento
!   Coerência Interna                 !   Contrapartida pouco relevante
!   Embasamento científico            !   Equipe sem experiência em
!   Maturidade tecnológica
                                        projetos de PD&I

!   Articulação                       !   Descuido: prazo,
                                        documentações, exigências...
!   Anexos (ilustrações, planilhas,
  cartas de intenção etc)
Formulário de Submissão Padrão
PAPPE Subvenção, Pesquisador na Empresa, Inovação Aberta,
                Cooperação ICT-Empresa,
Formulário de Submissão
                         INFORMAÇÕES GERAIS: DADOS DO PROJETO


  Coordenador do Projeto:

  Número do Pedido:

  Título do Projeto/Sigla:

  Empresa Proponente:

  Porte:

  Cargo do Coordenador do Projeto na Empresa:

  Prazo de Execução do Projeto:

  Área do Conhecimento:

  Sub-Área do Conhecimento:
Formulário de Submissão
                         INFORMAÇÕES GERAIS: DADOS DO PROJETO



  Tema do Projeto no Edital:



  Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE:



  Resumo do Projeto (Visão Geral do Projeto – 2000 caract.):



  Palavras-Chave (4):
Formulário de Submissão
                          INFORMAÇÕES GERAIS: DADOS COMPLEMENTARES

  Objetivo Geral (Sintetizar a finalidade geral do projeto):



  Objetivos Específicos (Desdobrar o objetivo geral em finalidades de caráter
mais específico, os quais serão as metas a serem alcançadas no projeto):



  Justificativa (Demonstrar a relevância do projeto, evidenciando como os
resultados previstos justificam a sua execução):



  Metodologia (Descrever a metodologia a ser adotada do projeto,
evidenciando a maneira que a inovação será desenvolvida para alcançar os
objetivos):
Formulário de Submissão
                    INFORMAÇÕES GERAIS: FATURAMENTO/DADOS DA EMPRESA

  Faturamento da Empresa no Ano de 2009 em R$: (Max. De R$
2.400.000,00)

  Projeção do Faturamento da Empresa para o Ano de 2010 em R$:
(Max. De R$ 2.400.000,00)



  Profissionais Nível Básico: Fundamental (Quantos?) e Médio
(Quantos?)

  Profissionais Nível Superior: Doutores (Quantos?) Mestres (Quantos?)
Especialistas (Quantos?) Graduandos (Quantos?)



  Data de Fundação da Empresa:
Formulário de Submissão
                    INFORMAÇÕES GERAIS: EQUIPE EXECUTORA DO PROJETO



  País de Origem do Membro:

  CPF do Membro da Equipe:

  Nome do Membro da Equipe:

  Maior Titulação do Membro:

  Empresa do Membro:

  Função no Projeto:

  Carga Horária Semanal Dedicada ao Projeto:
Formulário de Submissão
                        INFORMAÇÕES GERAIS: IMPACTOS PREVISTOS



  Impacto Tecnológico (Apresentar os impactos tecnológicos gerados com o
desenvolvimento do projeto em produtos, processos, ou serviços – patentes,
registro de softwares, registro de marcas, indicações geográficas etc – e as
publicações futuras a partir deste projeto):

  Impacto Social (Apresentar indicadores voltados à área social, em termos de
sua influência nos níveis de qualidade de vida da população, em âmbito regional
ou local, tais como emprego, renda, saúde, educação, habitação, saneamento
entre outros. Quais os resultados do projeto para o Estado da Bahia?):

  Impacto Ambiental (Apresentar impactos voltados à área ambiental em
termos de sua influência nos níveis de qualidade da água, ar e solos, da
preservação à diversidade biológica ou recuperação da degradação entre
outros):
Formulário de Submissão
                     INFORMAÇÕES GERAIS: CRONOGRAMA DE ATIVIDADES



  Meta Física:



  Atividade:



  Mês Inicial:



  Mês Final (máximo 18 meses):
Formulário de Submissão
                        ANÁLISE DE MERCADO: EVTEC




 Análise Detalhada da Viabilidade Técnica da inovação tecnológica:



 Análise Detalhada da Viabilidade Econômica da inovação tecnológica:



 Análise Detalhada da Viabilidade Comercial da inovação tecnológica:
Formulário de Submissão
                          ANÁLISE DE MERCADO: OUTRAS ANÁLISES


  Detalhamento da Inovação Tecnológica (Descrever porque o produto/
processo/serviço a ser desenvolvido caracteriza uma a inovação tecnológica –
defesa da inovação tecnológica):

  Descrição do Segmento de Mercado (Identificar e descrever o segmento do
mercado alvo da empresa. O segmento de mercado é definido a partir das
características do produto/processo/serviço, do consumidor – idade, sexo, renda,
profissão, família, personalidade etc – e outros fatores que afetam diretamente o
consumo do produto/processo/serviço, como localização geográfica, por exemplo):

  Descrição do Produto/Processo/Serviço (Descrever os serviços/processos/
produtos a serem ofertados pela empresa de maneira clara e objetiva evidenciando
sua capacidade para fornecimento; o ciclo de vida; os benefícios gerados
(aspectos subjetivos) e características (aspectos objetivos); informações referentes
à pesquisa; desenvolvimento e acesso à tecnologia; informações referentes à
patentes ou propriedade intelectual; custos envolvidos; produtos e serviços
futuros):
Formulário de Submissão
                           ANÁLISE DE MERCADO: OUTRAS ANÁLISES


  Análise da Concorrência (A concorrência deve ser avaliada em relação a
inovação tecnológica proposta. Analisar concorrentes diretos e indiretos, produtos
substitutos e potenciais entrantes):



  Análise dos Fornecedores de Matéria-Prima (Quem são? Quantos são?
Política de fornecimento para a inovação tecnológica proposta (quantidade/
descontos progressivos/fornecimento exclusivo)? Política de qualidade? Nível de
preços praticados? Possibilidade de parcerias? Desenvolvimento futuro? Plano de
contigência?):



  Infra-Estrutura Disponível (Descrever a infra-estrutura disponível para o
desenvolvimento do projeto de inovação):
Formulário de Submissão
                          ANÁLISE DE MERCADO: ESTRATÉGIA DE MARKETING




  Objetivos Estratégicos a partir da Inovação – Curto, Médio e Longo
Prazo (Descrever as metas e objetivos estratégicos da empresa, a partir da
implantação da inovação proposta):



  Marketing (Descrever as diferentes ações de marketing a serem utilizadas pela
empresa proponente para geração de demanda pelo novo produto, processo ou
serviço no mercado):
Formulário de Submissão
                           ORÇAMENTO: ITENS DO ORÇAMENTO




  Tipo (Despesas de Custeio: Passagens, Diárias, Despesas com Encargos para
novas Contratações, Despesas Salariais para novas Contratações, Material de
Consumo Nacional e Importado, Serviços de Terceiros PF e PJ):

  Descrição:

  Justificativa:

  Quantidade:

  Valor Unitário (R$):

  Parcelas: (1, 2 e 3)
Formulário de Submissão
                          ORÇAMENTO: BOLSAS FAPESB



  Modalidade da Bolsa:

  Valor Mensal (R$):

  Quantidade de Meses:

 Descrição da Atividade do Bolsista:



OBS: Etapa exigida nos Editais de Cooperação Empresa – ICT e
Pesquisador na Empresa.
Formulário de Submissão
                           ORÇAMENTO: CONTRAPARTIDAS FINANCEIRAS




  Item (Diárias: Alimentação/Hospedagem; Equipamentos; Espaço Físico
Adequado; Instalações; Material Bibliográfico Nacional e Internacional; Material de
Consumo Nacional e Importado; Obras, Reformas e Instalações; Outros Materiais
Permanentes; Passagens; Pessoa Física e Jurídica; Pessoal do Quadro Efetivo da
Instituição; Serviços Laboratoriais):

  Descrição:

  Justificativa:

  Quantidade:

  Valor Unitário (R$):
Formulário de Submissão
                           ORÇAMENTO: CONTRAPARTIDAS NÃO-FINANCEIRAS




  Item (Diárias: Alimentação/Hospedagem; Equipamentos; Espaço Físico
Adequado; Instalações; Material Bibliográfico Nacional e Internacional; Material de
Consumo Nacional e Importado; Obras, Reformas e Instalações; Outros Materiais
Permanentes; Passagens; Pessoa Física e Jurídica; Pessoal do Quadro Efetivo da
Instituição; Serviços Laboratoriais):

  Descrição:

  Justificativa:

  Quantidade:

  Valor Unitário (R$):
Formulário de Submissão
                         INSTITUIÇÃO PARCEIRA: CADASTRO




  CPF do Representante Institucional:

  Representante Institucional:

  Instituição:

  Autoridade Máxima da Instituição Parceira:

  Cargo da Autoridade Máxima da Instituição Parceira:



OBS: Etapa exigida somente no Edital de Cooperação Empresa - ICT
Subvenção Econômica/ 2009

          FINEP
Subvenção Econômica/FINEP



Objetivo:
Apoio o desenvolvimento de produtos, serviços e processos inovadores;


Elegibilidade:
Empresas brasileiras (sociedades empresárias e empresários individuais) de
qualquer porte. Considera-se empresa brasileira a organização econômica
instituída para a produção ou a circulação de bens ou de serviços, com
finalidade lucrativa, constituída sob as leis brasileiras e com sede de sua
administração no Brasil, e que esteja devidamente registrada na Junta
Comercial até a data de lançamento desta seleção pública.
Não são elegíveis sociedades simples.
Subvenção Econômica/FINEP


Áreas Estratégicas (Linhas Específicas sob Encomenda)
Subvenção Econômica/FINEP

ÁREA 1 - TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
!   Desenvolvimento de dispositivos de acesso à Internet em banda larga ou de seus
  componentes críticos com as seguintes propriedades: funcionamento exclusivo na
  presença do proprietário;portabilidade; mobilidade; capacidade de identificação
  inequívoca do proprietário e irrefutabilidade das transações realizadas em seu nome.
!   Desenvolvimento de conteúdo com formato original ou de aplicações de software,
  software-como-serviço ou software embarcado, para plataformas digitais e interativas
  (celular, PDA, computador, TV digital ou IP-TV), preferencialmente relacionados com
  temas esportivos ou da cultura brasileira, que representem claramente oportunidades
  de negócio no mercado mundial
!   Desenvolvimento de mostradores eletrônicos (displays) ou de partes significativas de
  sistemas de displays, utilizando novas tecnologias, preferencialmente displays
  reflexivos, displays maleáveis, displays orgânicos, displays eletro-luminescentes a
  filme fino e displays sensíveis ao toque.
Subvenção Econômica/FINEP

ÁREA 2 – BIOTECNOLOGIA
!   Desenvolvimento de produtos com alto potencial terapêutico e de dermocosméticos,
  obtidos a partir de princípios ativos existentes em espécies da biodiversidade
  brasileira, nativas ou não nativas.
!   Produção de inoculantes com microorganismos fixadores de nitrogênio e/ou
  promotores de crescimento para culturas de importância agronômica.
!   Desenvolvimento de enzimas intermediárias de síntese para aplicação industrial
  incluindo produção de biocombustíveis e biopolímeros.
Subvenção Econômica/FINEP

ÁREA 3 – SAÚDE
!   Desenvolvimento dos seguintes equipamentos de uso em saúde: aparelho de endoscopia, em
   suas mais variadas aplicações; dispositivos para circulação sanguínea de uso cardíaco e de
   suporte à vida; equipamentos de hemodiális; equipamentos para leitura e análise de diagnóstico in
   vitro e in vivo; monitores cardíacos e monitores multiparâmetros; equipamentos para avaliação da
   qualidade de imagens médicas; equipamentos para testes e avaliação da segurança e
   desempenho de equipamentos eletromédicos, conforme especificações das normas da série
   ABNT NBR IEC 60601; equipamentos para testes e avaliação de materiais de uso em saúde;
   softwares e protocolos de comunicação para transferência de informações e sinais médicos
   (imagens e dados diagnósticos).
!   Desenvolvimento dos seguintes materiais de uso em saúde: cateteres eletrofisiológicos e
   angiográficos de uso radiológico; endopróteses vasculares (stents de aplicações diversas);
   dializadores; implantes de biomateriais para aplicações diversas; introdutores, bainhas e agulhas
   para estudos e procedimentos eletrofisiológicos; dispositivos diagnósticos, prognósticos para
   doenças virais, negligenciadas e neoplasias.
!   Desenvolvimento de fármacos e/ou biofármacos, com foco nos seguintes produtos: anticorpos
   monoclonais; budesonida; ciclosporinas; estatinas; fator de crescimento insulina dependente (IGF-
   I); filgrastima; glucagon; glucocerebrosidase; gonadotrofina coriônica (HCG) e sérica (PMSG);
   hormônio folículo estimulante humano (FSH); novas biomoléculas e fármacos, produzidos por rota
   biotecnológica, para doenças virais, doenças negligenciadas e neoplasias.
Subvenção Econômica/FINEP

ÁREA 4 – DEFESA NACIONAL E SEGURANÇA PÚBLICA

!   Desenvolvimento de armas não letais; desenvolvimento de sistemas
  estratégicos de informação, armas, e inteligência de máquina e robótica;
  desenvolvimento de sistemas de posicionamento, navegação, controle,
  guiamento e propulsão (incluindo artefatos espaciais).

!   Desenvolvimento de tecnologia de materiais emissores de elétrons, de
  materiais de alta densidade energética e de processos industriais para
  fabricação de propelentes sólidos, peças e sistemas estruturais utilizando
  materiais compostos, fibras de carbono, semicompósitos e cerâmicas, e de
  materiais para blindagem.

!   Desenvolvimento de tecnologias e artefatos de emissão e detecção de
  ondas eletromagnéticas; monitoramento, controle, interceptação e bloqueio
  de comunicações, imagens e sinais.
Subvenção Econômica/FINEP

ÁREA 5 – ENERGIA
!   Desenvolvimento de equipamentos, componentes, peças ou partes aplicados à
  produção de energia solar e energia eólica.
!   Desenvolvimento e otimização de processos e equipamentos para transesterificação
  etanólica de óleos e gorduras (vegetais, animais e residuais) para produção de
  biodiesel.
!   Desenvolvimento de projetos de recheios estruturados para torres de processamento
  de petróleo e derivados e cimentos especiais para completação de poços.
Subvenção Econômica/FINEP

ÁREA 6 – DESENVOLVIMENTO SOCIAL
!   Desenvolvimento de soluções para centros de acesso público à internet em banda
  larga com baixo custo, redes internas de comunicação e serviços eletrônicos
  adequados a regiões carentes e/ou remotas do país, com modelo de sustentabilidade
  claramente identificado.

!   Desenvolvimento e adaptação de máquinas e equipamentos adequados à escala e
  condições locais de produção e processamento agrícola e pecuário focados na
  pequena propriedade e na agricultura familiar.

!   Desenvolvimento de produtos e processos para: habitação de interesse social,
  segundo os princípios da coordenação modular decimétrica, da industrialização de
  ciclo aberto e das normas de desempenho de sistemas construtivos; saneamento em
  processos de tratamento de água e esgoto, de baixo custo de implantação, operação
  e manutenção.
Subvenção Econômica/FINEP


Contrapartida:
As empresas deverão apresentar contrapartida aos recursos da FINEP/
FNDCT, de acordo com a seguinte tabela:




As empresas poderão solicitar aos programas de crédito da FINEP
financiamento da contrapartida oferecida na proposta de subvenção
econômica.
Serão reconhecidas como despesas de contrapartida aquelas realizadas a
partir da data de publicação da aprovação final do projeto no site da FINEP.
Subvenção Econômica/FINEP


Prazo:
36 meses de execução do projeto;



Valor por projeto:
Mínimo R$ 500 mil e máximo R$ 10 milhões;
Subvenção Econômica/FINEP


Itens Financiáveis:

Despesas de Custeio (pagamento de pessoal próprio, contratação de consultorias
especializadas de pessoas físicas ou jurídicas, material de consumo e aluguéis de
bens móveis ou imóveis);




Data Limite:
27/03/2009.
Subvenção Econômica/FINEP

Encaminhamento das Propostas:
As propostas de projetos serão apresentadas em formulário específico disponível no
site da FINEP e deverão ser enviadas eletronicamente até a data limite prevista no
cronograma.
Será necessária a apresentação da documentação a seguir listada referente a todas
as empresas beneficiárias constantes do FAP:
1. Estatuto/Contrato Social atualizado e devidamente registrado na Junta Comercial;
2. Ato de designação dos atuais dirigentes (ata da assembléia que elegeu a Diretoria
e o Conselho de Administração), se for o caso;
3. Declaração sobre o contencioso ou de inexistência de contencioso (modelo 1),
assinada pelos representantes legais;
4. Demonstrativo Contábil dos três últimos exercícios financeiros. Caso a empresa
tenha menos de três anos de existência deverá apresentar as demonstrações
contábeis existentes desde sua constituição.
Observação: No caso de empresário individual deverão ser apresentados os documentos listados nos itens 3 e 4
acima, bem como Certidão Simplificada da Junta Comercial.
Formulário de Submissão

   Subvenção Econômica
Subvenção Econômica/FINEP
                     Estrutura

ABA 1 – Proponente
   – Razão Social:               – Foro da Empresa:
   – Sigla:                      – Registro na Junta Comercial:
   – CNPJ:                       – Data de Constituição:
   – Endereço:                   – Natureza Jurídica:
   – Bairro:                     – Atividade Econômica
   – UF:                           Predominante:
   – Cidade:                     – Histórico da Empresa: 4000
   – CEP:                          caracteres
                                 – Composição do Capital: 1000
   – Caixa Postal:                 caracteres
   – Site:                       – Instalações Físicas: 1000
   – Faturamento (em Reais):       caracteres
   – Nº de Empregados:           – Histórico de P&D: 4000 caracteres
   – Nome do Responsável:        – Histórico de Financiamentos
   – CPF do Responsável:           Governamentais: 1000 caracteres
   – Email:
   – DDD + Telefone:
   – DDD + Fax:
Subvenção Econômica/FINEP
                Estrutura



ABA 2 – Co-Executores

2.1 – CNPJ:

2.2 – Sigla:

2.3 – Razão Social:

2.4 – Operações:

Obs: Repetir para cada co-executor existente.
Subvenção Econômica/FINEP
                Estrutura



ABA 3 – Justificativa

3.1 – Inovação Principal: 4000 caracteres

3.2 – Impactos no Mercado: 4000 caracteres

3.3 – Impactos na Sociedade: 4000 caracteres

3.4 – Diferenciais Competitivos da Equipe: 4000 caracteres

3.5 – Diferenciais Competitivos da Empresa: 4000 caracteres
Subvenção Econômica/FINEP
                         Estrutura

ABA 4 – Projeto
4.1 – Título:
4.2 – Área:
4.3 – Tema:
4.4 – Valores por Fontes Pagadoras: FINEP, Contrapartida, % de Contrapartida
4.5 – Financiar a Contrapartida junto à FINEP? Sim ou Não
4.6 – Resumo Publicável: 500 caracteres
4.7 – Descrição do Projeto: 4000 caracteres
4.8 – Descrição da Metodologia do Projeto: 4000 caracteres
4.9 – Descrição do Mercado: 4000 caracteres
4.10 – Vantagens Competitivas: 4000 caracteres
Subvenção Econômica/FINEP
                 Estrutura




ABA 5 – Equipe
5.1 – Nome:
5.2 – Vínculo:
5.3 – Operações:
Obs: Repetir as informações para cada membro da equipe
  executora.
Subvenção Econômica/FINEP
                    Estrutura




ABA 6 – Etapas
6.1 – Nome:
6.2 – Mês Início:
6.3 – Mês Fim:
6.4 – Operações:
Obs: Repetir as informações para cada etapa.
Subvenção Econômica/FINEP
                Estrutura




ABA 7 – Itens
Obs: Se inclui após as etapas cadastradas


ABA 8 – Visualização
Obs: Serve para mostrar a formatação do projeto completo.


ABA 9 – Resultado
Obs: Serve para acompanhar o resultado da avaliação do projeto.
Aprovei, e agora?


1.  Negociação

2.  Contratação

3.  Execução dos recursos

4.  Prestações de Contas

5.  Alavancagem do projeto
Recursos Reembolsáveis
Recursos Reembolsáveis
JURO ZERO/FAPESB


   Objetivo: Apoio ao desenvolvimento de projetos de inovação
tecnológica, de produtos, processos e serviços;



  18 meses de execução do projeto;


  MPE’s com Receita Operacional Bruta de até R$ 10,5 milhões;


  Valor por projeto: mínimo R$ 100 mil e máximo R$ 900 mil;
JURO ZERO/FAPESB


  Sem Juros Reais (correção mensal do saldo devedor através do IPCA),
Sem Garantias Reais (Fiança Pessoal de 30% sobre o valor solicitado),
Sem Burocracia (Certificado Digital), Sem Carência (pagamento da 1ª
prestação no mês seguinte a liberação da 1ª parcela); Cem Parcelas (100
meses de financiamento);

  Itens Financiáveis: Obras Civis/Instalações, Equipamentos Nacionais e
Importados, Matéria-Prima, Pessoal, Serviços de Consultoria, Treinamento,
Software, Serviço de Terceiros, Viagens e Diárias, Outros;

  Data Limite: 06/2010
                                                                        Link:
http://www.fapesb.ba.gov.br/apoio/bahia-inovacao/faca-sua-solicitacao/
juro_zero/consorcio_juro_zero
INOVA BRASIL/FINEP


  Objetivo: Contribuir para o incremento das atividades de pesquisa e
desenvolvimento realizadas no país.

  Características: Para empresas de todos os portes, o programa oferece
taxas de acordo com os setores da PITCE:

-  Programas Mobilizadores em Áreas Estratégicas (complexos industriais
de defesa, saúde, tecnologia da informação,            energia   nuclear   e
nanotecnologia): Taxa fixa anual de 4%;

-  Programas para Consolidar e Expandir a Liderança (siderurgia, petróleo,
gás natural, bioetanol, celulose e complexo aeronáutico): Taxa fixa anual
de 4,5%;

-   Programas para Fortalecer a Competitividade (bens de capital,
automotivo, têxtil, calçados e agroindústria, entre outros): Taxa fixa anual
de 5%;
INOVA BRASIL/FINEP


   Pré-Investimento para os Programas Prioritários (Programa de
Aceleração do Crescimento; Integração sul-americana; Copa do Mundo
2014; e Política Habitacional Minha Casa, Minha Vida): Taxa fixa anual de
4% a.a.;

-  Outros Projetos Inovadores de Pré-Investimento: Taxa fixa anual de 8%.

  Máximo R$ 100 milhões, mínimo R$ 1 milhão;

  Prazo: até 100 meses, 20 de carência e 80 para amortização.

  Link: http://www.finep.gov.br/programas/inovabrasil.asp
PROSOFT/BNDES*


  Objetivos: Ampliar a participação das empresas nacionais no mercado
interno; promover o crescimento de suas exportações; fortalecer o
processo de P&D e inovação no setor; promover o crescimento e a
internacionalização das empresas nacionais do setor; promover a difusão e
a crescente utilização do software nacional no Brasil e no exterior;

  Modalidades: Prosoft Empresa*, Prosoft Comercialização e Prosoft
Exportação;

  A partir de R$ 1 milhão;
  Participação BNDES: Até 100% dos itens financiáveis se o Plano de
Negócios estiver em consonância com as diretrizes da PDP para o setor
de software e serviços de TI ou até 85% dos itens financiáveis, nos demais
casos;
PROSOFT/BNDES*


  Taxa de Juros: TJLP + 1,0% a.a (Micro, Pequena e Média Empresa),
TJLP + 1,5% a.a (Grande Empresa);

  Prazo: Carência e Amortização em função da capacidade de pagamento
da empresa;

  Garantias: Definidas na análise da operação para valor acima de R$ 10
milhões e Fiança dos sócios controladores para valores abaixo de R$ 10
milhões;

                                                                  Link:
http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/
Apoio_Financeiro/Programas_e_Fundos/Prosoft/index.html
LINHA CAPITAL INOVADOR/BNDES


  Objetivo: Apoiar empresas no desenvolvimento de capacidade para
empreender atividades inovativas em caráter sistemático, bem como apoiar
projetos de inovação de natureza tecnológica que envolvam risco
tecnológico e oportunidades de mercado;

  Valor por Projeto: Mínimo R$ 1 mi e máximo R$ 200 mi por grupo
econômico, no período de 12 meses;

  Taxa de Juros: Taxa fixa de 4,5% a.a (condições especiais definidas para
o ano 2010);

  Prazo: Até 96 meses;
  Carência: Até 24 meses de carência para o principal;
LINHA CAPITAL INOVADOR/BNDES



  Garantias: Reais acima de R$ 10 mi e Pessoais para valores abaixo;
    Itens Financiáveis: Investimentos em capitais tangíveis, incluindo
infraestrutura física, e em capitais intangíveis, que deverão ser
consistentes com as estratégias de negócios das empresas e ser
apresentados conforme modelo de Plano de Investimento em Inovação
(PII) que capacitem as empresas a desenvolver atividades inovativas em
caráter sistemático;

                                                                       Link:
http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/
Apoio_Financeiro/Produtos/FINEM/capital_inovador.html
LINHA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA/BNDES



  Objetivo: Apoiar empresas no desenvolvimento de capacidade para
empreender atividades inovativas em caráter sistemático, bem como apoiar
projetos de inovação de natureza tecnológica que envolvam risco
tecnológico e oportunidades de mercado;

  Valor por Projeto: Mínimo R$ 1 mi e máximo R$ 200 mi por grupo
econômico, no período de 12 meses;

  Taxa de Juros: Taxa fixa de 3,5% a.a (condições especiais definidas para
o ano 2010);

  Prazo: Até 120 meses;
  Carência: Até 36 meses de carência para o principal;
LINHA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA/BNDES



  Garantias: Reais acima de R$ 10 mi e Pessoais para valores abaixo;


  Itens Financiáveis: Projetos de inovação de natureza tecnológica que
busquem o desenvolvimento de produtos e/ou processos novos ou
significativamente aprimorados (pelo menos para o mercado nacional) e
que envolvam risco tecnológico e oportunidades de mercado;



                                                                       Link:
http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/
Apoio_Financeiro/Produtos/FINEM/inovacao_tecnologica.html
LINHA INOVAÇÃO PRODUÇÃO/BNDES



  Objetivo: Apoiar investimentos que visem à implantação, expansão e
modernização da capacidade produtiva, necessárias à absorção dos
resultados do processo de pesquisa e desenvolvimento ou inovação e
apoiar pesquisa e desenvolvimento ou inovação que apresentem
oportunidade comprovada de mercado, inclusive o desenvolvimento de
inovações incrementais de produtos e/ou processos;



  Valor por Projeto: Mínimo R$ 3 mi;


  Taxa de Juros: TJLP + Remuneração Básica do BNDES (0,9% a.a.) +
Taxa de Risco de Crédito (até 3,57% a.a. conforme o risco de crédito do
cliente);
LINHA INOVAÇÃO PRODUÇÃO/BNDES




  Prazo: Determinado em função da capacidade de pagamento do
empreendimento, da empresa e do grupo econômico;



  Garantias: Reais acima de R$ 10 mi e Pessoais para valores abaixo;


                                                               Link:
http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Areas_de_Atuacao/
Inovacao/inovacao_producao.html
FNE INOVAÇÃO/BNB


  Objetivo: Financiar empreendimentos inovadores, tanto na ampliação da
sua capacidade de desenvolver inovações, incluindo o apoio a iniciativas
de pesquisa e desenvolvimento, quanto na incorporação de tecnologias já
disponíveis para o aprimoramento significativo de produtos, serviços e/ou
processos, e financiar a implantação, expansão, modernização, reforma e
relocalização de empresas desenvolvedoras de software e prestadoras de
serviços de tecnologia da informação e comunicação (TIC);

  Taxa de Juros: 6,75% a.a. (Microempresa), 8,25% a.a. (Pequena
Empresa), 9,5% a.a. (Média Empresa), 10% a.a. (Grande Empresa);

  Prazo: Determinados em função do cronograma físico-financeiro do
projeto e da capacidade de pagamento do mutuário, observados os limites:
Investimentos fixos e mistos (investimento fixo + capital de giro associado)
- até 15 anos, já incluído até 04 anos de carência;
FNE INOVAÇÃO/BNB



   Itens Financiáveis: Investimentos fixos e semifixos em projetos
relacionados à inovação tecnológica, inclusive capital de giro associado ao
investimento, para operações não rurais;



     Garantias:   Cumulativa   ou   alternativamente,   garantias   reais   e
fidejussórias;



                                                                       Link:
http://www.bnb.gov.br/content/aplicacao/produtos_e_servicos/
programas_fne/gerados/inovacao.asp
Instrumentos Diversos
Incentivos Fiscais à Inovação


Conhecida como Lei do Bem, em seu Capítulo III, artigos 17 a 26, e
regulamentada pelo Decreto nº 5.798, de 7 de junho de 2006, que
consolidou os incentivos fiscais que as pessoas jurídicas podem usufruir de
forma automática desde que realizem pesquisa tecnológica e
desenvolvimento de inovação tecnológica.

Os benefícios do Capítulo III da Lei do Bem são baseados em incentivos
fiscais, tais como:

  deduções de Imposto de Renda e da Contribuição sobre o Lucro Líquido
- CSLL de dispêndios efetuados em atividades de P&D;

  a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI na compra de
máquinas e equipamentos para P&D;

  depreciação acelerada desses bens;
Incentivos Fiscais à Inovação


  amortização acelerada de bens intangíveis;

 redução do Imposto de Renda retido na fonte incidente sobre remessa ao
exterior resultantes de contratos de transferência de tecnologia;

 isenção do Imposto de Renda retido na fonte nas remessas efetuadas
para o exterior destinada ao registro e manutenção de marcas, patentes e
cultivares;

 ou subvenções ecônomicas concedidas em virtude de contratações de
pesquisadores, titulados como mestres ou doutores, empregados em
empresas para realizar atividades de pesquisa, desenvolvimento e
inovação tecnológica, regulamentada pela Portaria MCT nº 557.

 Link: http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/8586.html
Lei de Informática 11.077/2004


Em vigor até 2019, confere isenção ou redução do Imposto sobre Produtos
Industrializados (IPI) para empresas que invistam em atividades de P&D
em tecnologias da informação.

São os seguintes os incentivos concedidos pela Lei:



Para fabricação de bens e serviços no País:

  80% de redução IPI (Sul e Sudeste) e 95% de redução IPI (Norte,
Nordeste e Centro-Oeste).

Para fabricação e desenvolvimento no País:

  95% de redução IPI (Sul e Sudeste) e isenção total nas demais regiões.
Lei de Informática 11.077/2004



Quanto aos investimentos obrigatórios em P&D:

  Mínimo de 5% sobre o faturamento obtido apenas com os produtos
contemplados com os incentivos.



Link: http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/2189.html#lista
Capital de Risco


O Capital de Risco se traduz no investimento temporário de fundos,
gerenciados por bancos ou por entidades especializadas, em empresas
nascentes ou emergentes com grande potencial de crescimento. Estes
fundos estão classificados da seguinte forma:

  INVESTIDOR ANJO: Pessoa física que financia o desenvolvimento de
idéias inovadoras.

  CAPITAL SEMENTE (Seed Capital): Investimento feito na fase inicial da
empresa ou projeto, com o objetivo de validar o modelo de negócios e dar
os primeiros passos com a empresa.

Links: http://www.fundocriatec.com.br/

      http://www.capitalsemente.com.br/
Capital de Risco



VENTURE CAPITAL: Investimento que ocorre em empresas de pequeno e
médio porte com grande potencial de crescimento, financiando as primeiras
expansões e levando a empresa a novos patamares de mercado.

Links: http://www.venturecapital.gov.br/vcn/index.asp



PRIVATE EQUITY: Investem em grandes empresas já consolidadas que
utilizam mecanismos de alacancagem financeira e que muitas vezes se
preparam para abertura de capital na bolsa de valores.

Links: http://www.abvcap.com.br/
Contato




www.brasilinovacao.com.br

BRAIN - Brasil Inovação Consultoria e Assessoria Ltda.
Rua Rubens Guelli, 134, Ed. Empresarial Itaigara
Sala 408, Itaigara – Salvador/BA
Tel.: 71 335-335-63
Skype ID: brasilinovacao
E-mail: brain@brasilinovacao.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Inovação Aberta
Inovação AbertaInovação Aberta
Inovação Aberta
Renato Lacerda
 
Travelling
TravellingTravelling
Travelling
Advank
 
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da CriatividadeApresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Levi Tancredo
 
Inovação
InovaçãoInovação
Inovação
gmktipam
 
Palestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no Brasil
Palestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no BrasilPalestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no Brasil
Palestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no Brasil
Allagi Open Innovation Services
 
Os 20 principais mantras da inovação
Os 20 principais mantras da inovaçãoOs 20 principais mantras da inovação
Os 20 principais mantras da inovação
innoscience_
 
Roadmapping continuos innovation
Roadmapping continuos innovationRoadmapping continuos innovation
Roadmapping continuos innovation
Marco Oliveira
 
Inovações no Futebol - Aula Kick Off Perestroika
Inovações no Futebol  - Aula Kick Off PerestroikaInovações no Futebol  - Aula Kick Off Perestroika
Inovações no Futebol - Aula Kick Off Perestroika
innoscience_
 
Negócios Sociais como Inovadores de Ruptura
Negócios Sociais como Inovadores de RupturaNegócios Sociais como Inovadores de Ruptura
Negócios Sociais como Inovadores de Ruptura
Carolina de Andrade
 
Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...
Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...
Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...
Allagi Open Innovation Services
 
Gestão da Inovação - Cases de Inovação Aberta
Gestão da Inovação - Cases de Inovação AbertaGestão da Inovação - Cases de Inovação Aberta
Gestão da Inovação - Cases de Inovação Aberta
Soraia Novaes
 
Inovação e incubação na Telefônica - Uma experiência
Inovação e incubação na Telefônica - Uma experiênciaInovação e incubação na Telefônica - Uma experiência
Inovação e incubação na Telefônica - Uma experiência
Alessandro Germano
 
Inovação Tecnologica
Inovação TecnologicaInovação Tecnologica
Inovação Tecnologica
Liana Padilha
 
Gestão empresarial aula 5 inovação
Gestão empresarial aula 5 inovaçãoGestão empresarial aula 5 inovação
Gestão empresarial aula 5 inovação
Vicente Willians Nunes
 
Open Innovation e o Cenário Brasileiro Palestra FIA Junho 08 Bruno Rondani - ...
Open Innovation e o Cenário Brasileiro Palestra FIA Junho 08 Bruno Rondani - ...Open Innovation e o Cenário Brasileiro Palestra FIA Junho 08 Bruno Rondani - ...
Open Innovation e o Cenário Brasileiro Palestra FIA Junho 08 Bruno Rondani - ...
Allagi Open Innovation Services
 
P&D na Indústria de Frangos - UNOCHAPECÓ - 27 de maio de 2011
P&D na Indústria de Frangos - UNOCHAPECÓ - 27 de maio de 2011 P&D na Indústria de Frangos - UNOCHAPECÓ - 27 de maio de 2011
P&D na Indústria de Frangos - UNOCHAPECÓ - 27 de maio de 2011
Ioanis Sarantopoulos
 
Gestão Estratégica da Inovação Tecnológica
Gestão Estratégica da Inovação TecnológicaGestão Estratégica da Inovação Tecnológica
Gestão Estratégica da Inovação Tecnológica
Macroplan
 
FIA - Formação de Recursos Humanos para Inovação - Eduardo Vasconcellos - Ope...
FIA - Formação de Recursos Humanos para Inovação - Eduardo Vasconcellos - Ope...FIA - Formação de Recursos Humanos para Inovação - Eduardo Vasconcellos - Ope...
FIA - Formação de Recursos Humanos para Inovação - Eduardo Vasconcellos - Ope...
Allagi Open Innovation Services
 
Inovação
InovaçãoInovação
Inovação
laikboy
 
Cc estratégia de inovação
Cc   estratégia de inovaçãoCc   estratégia de inovação
Cc estratégia de inovação
Flip Consultoria e Comunicação
 

Mais procurados (20)

Inovação Aberta
Inovação AbertaInovação Aberta
Inovação Aberta
 
Travelling
TravellingTravelling
Travelling
 
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da CriatividadeApresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
 
Inovação
InovaçãoInovação
Inovação
 
Palestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no Brasil
Palestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no BrasilPalestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no Brasil
Palestra Open Innovation - Allagi - Maio 2008 - Inovação Aberta no Brasil
 
Os 20 principais mantras da inovação
Os 20 principais mantras da inovaçãoOs 20 principais mantras da inovação
Os 20 principais mantras da inovação
 
Roadmapping continuos innovation
Roadmapping continuos innovationRoadmapping continuos innovation
Roadmapping continuos innovation
 
Inovações no Futebol - Aula Kick Off Perestroika
Inovações no Futebol  - Aula Kick Off PerestroikaInovações no Futebol  - Aula Kick Off Perestroika
Inovações no Futebol - Aula Kick Off Perestroika
 
Negócios Sociais como Inovadores de Ruptura
Negócios Sociais como Inovadores de RupturaNegócios Sociais como Inovadores de Ruptura
Negócios Sociais como Inovadores de Ruptura
 
Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...
Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...
Inovação Radical e Open Innovation Palestra FGV Junho08 Bruno Rondani Allagi ...
 
Gestão da Inovação - Cases de Inovação Aberta
Gestão da Inovação - Cases de Inovação AbertaGestão da Inovação - Cases de Inovação Aberta
Gestão da Inovação - Cases de Inovação Aberta
 
Inovação e incubação na Telefônica - Uma experiência
Inovação e incubação na Telefônica - Uma experiênciaInovação e incubação na Telefônica - Uma experiência
Inovação e incubação na Telefônica - Uma experiência
 
Inovação Tecnologica
Inovação TecnologicaInovação Tecnologica
Inovação Tecnologica
 
Gestão empresarial aula 5 inovação
Gestão empresarial aula 5 inovaçãoGestão empresarial aula 5 inovação
Gestão empresarial aula 5 inovação
 
Open Innovation e o Cenário Brasileiro Palestra FIA Junho 08 Bruno Rondani - ...
Open Innovation e o Cenário Brasileiro Palestra FIA Junho 08 Bruno Rondani - ...Open Innovation e o Cenário Brasileiro Palestra FIA Junho 08 Bruno Rondani - ...
Open Innovation e o Cenário Brasileiro Palestra FIA Junho 08 Bruno Rondani - ...
 
P&D na Indústria de Frangos - UNOCHAPECÓ - 27 de maio de 2011
P&D na Indústria de Frangos - UNOCHAPECÓ - 27 de maio de 2011 P&D na Indústria de Frangos - UNOCHAPECÓ - 27 de maio de 2011
P&D na Indústria de Frangos - UNOCHAPECÓ - 27 de maio de 2011
 
Gestão Estratégica da Inovação Tecnológica
Gestão Estratégica da Inovação TecnológicaGestão Estratégica da Inovação Tecnológica
Gestão Estratégica da Inovação Tecnológica
 
FIA - Formação de Recursos Humanos para Inovação - Eduardo Vasconcellos - Ope...
FIA - Formação de Recursos Humanos para Inovação - Eduardo Vasconcellos - Ope...FIA - Formação de Recursos Humanos para Inovação - Eduardo Vasconcellos - Ope...
FIA - Formação de Recursos Humanos para Inovação - Eduardo Vasconcellos - Ope...
 
Inovação
InovaçãoInovação
Inovação
 
Cc estratégia de inovação
Cc   estratégia de inovaçãoCc   estratégia de inovação
Cc estratégia de inovação
 

Semelhante a 2º Workshop Subvenção Economica à Inovação

O que é inovação?
O que é inovação?O que é inovação?
O que é inovação?
ritumidia
 
Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...
Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...
Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...
Allagi Open Innovation Services
 
Alexandre Paupério, Brasil Inovação (BRAIN)- Rodadas de Inovação: Tecnologias...
Alexandre Paupério, Brasil Inovação (BRAIN)- Rodadas de Inovação: Tecnologias...Alexandre Paupério, Brasil Inovação (BRAIN)- Rodadas de Inovação: Tecnologias...
Alexandre Paupério, Brasil Inovação (BRAIN)- Rodadas de Inovação: Tecnologias...
Incubadora de Negócios Unifacs
 
Ufop set/2009
Ufop set/2009Ufop set/2009
Ufop set/2009
kleber.torres
 
ECO.TIC 2016 PALESTRA GIB DE MEDEIROS NOV 24 - versão final
ECO.TIC 2016 PALESTRA GIB DE MEDEIROS NOV 24 - versão finalECO.TIC 2016 PALESTRA GIB DE MEDEIROS NOV 24 - versão final
ECO.TIC 2016 PALESTRA GIB DE MEDEIROS NOV 24 - versão final
Gib de Medeiros
 
20170120 DW Debate: Inovação e Desenvolvimento nos Projectos Sociais do 3º S...
20170120 DW Debate: Inovação e Desenvolvimento nos Projectos Sociais do  3º S...20170120 DW Debate: Inovação e Desenvolvimento nos Projectos Sociais do  3º S...
20170120 DW Debate: Inovação e Desenvolvimento nos Projectos Sociais do 3º S...
Development Workshop Angola
 
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta GrossaBeta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
kleber.torres
 
Pontagrossa out/2009
Pontagrossa out/2009Pontagrossa out/2009
Pontagrossa out/2009
kleber.torres
 
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta GrossaBeta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
kleber.torres
 
Inovação: cultura como drive para tecnologias emergentes
Inovação: cultura como drive para tecnologias emergentesInovação: cultura como drive para tecnologias emergentes
Inovação: cultura como drive para tecnologias emergentes
MJV Technology & Innovation Brasil
 
Palestra Empreendedorismo e Inovação_FBV
Palestra Empreendedorismo e Inovação_FBVPalestra Empreendedorismo e Inovação_FBV
Palestra Empreendedorismo e Inovação_FBV
Vítor Andrade
 
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdfAULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
FranciscoNeto353211
 
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdfAULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
FranciscoNeto353211
 
[E-book] Como transformar ideias em resultados
[E-book] Como transformar ideias em resultados[E-book] Como transformar ideias em resultados
[E-book] Como transformar ideias em resultados
Ninho Desenvolvimento Empresarial
 
RYO - Inovação - Promover e Gerenciar - Yogui - 2011
RYO - Inovação - Promover e Gerenciar - Yogui - 2011RYO - Inovação - Promover e Gerenciar - Yogui - 2011
RYO - Inovação - Promover e Gerenciar - Yogui - 2011
Ricardo Yogui, MSc.
 
Webinar Incubadora e Agênciia de Inovação Unifacs
Webinar Incubadora e Agênciia de Inovação UnifacsWebinar Incubadora e Agênciia de Inovação Unifacs
Webinar Incubadora e Agênciia de Inovação Unifacs
Marcelo Dultra
 
Cietec
CietecCietec
Cietec
Startupi
 
Aula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdf
Aula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdfAula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdf
Aula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdf
ssuser1e6167
 
Superando os mitos da crise e inovando em tempos difíceis
Superando os mitos da crise e inovando em tempos difíceisSuperando os mitos da crise e inovando em tempos difíceis
Superando os mitos da crise e inovando em tempos difíceis
Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação
 
Open Innovation no Brasil
Open Innovation no BrasilOpen Innovation no Brasil
Open Innovation no Brasil
annajuenemann
 

Semelhante a 2º Workshop Subvenção Economica à Inovação (20)

O que é inovação?
O que é inovação?O que é inovação?
O que é inovação?
 
Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...
Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...
Fundação CERTI - Programa Sinapse da Inovação - Alexandre Ueno - Open Innovat...
 
Alexandre Paupério, Brasil Inovação (BRAIN)- Rodadas de Inovação: Tecnologias...
Alexandre Paupério, Brasil Inovação (BRAIN)- Rodadas de Inovação: Tecnologias...Alexandre Paupério, Brasil Inovação (BRAIN)- Rodadas de Inovação: Tecnologias...
Alexandre Paupério, Brasil Inovação (BRAIN)- Rodadas de Inovação: Tecnologias...
 
Ufop set/2009
Ufop set/2009Ufop set/2009
Ufop set/2009
 
ECO.TIC 2016 PALESTRA GIB DE MEDEIROS NOV 24 - versão final
ECO.TIC 2016 PALESTRA GIB DE MEDEIROS NOV 24 - versão finalECO.TIC 2016 PALESTRA GIB DE MEDEIROS NOV 24 - versão final
ECO.TIC 2016 PALESTRA GIB DE MEDEIROS NOV 24 - versão final
 
20170120 DW Debate: Inovação e Desenvolvimento nos Projectos Sociais do 3º S...
20170120 DW Debate: Inovação e Desenvolvimento nos Projectos Sociais do  3º S...20170120 DW Debate: Inovação e Desenvolvimento nos Projectos Sociais do  3º S...
20170120 DW Debate: Inovação e Desenvolvimento nos Projectos Sociais do 3º S...
 
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta GrossaBeta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
 
Pontagrossa out/2009
Pontagrossa out/2009Pontagrossa out/2009
Pontagrossa out/2009
 
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta GrossaBeta Ois 2009 Ponta Grossa
Beta Ois 2009 Ponta Grossa
 
Inovação: cultura como drive para tecnologias emergentes
Inovação: cultura como drive para tecnologias emergentesInovação: cultura como drive para tecnologias emergentes
Inovação: cultura como drive para tecnologias emergentes
 
Palestra Empreendedorismo e Inovação_FBV
Palestra Empreendedorismo e Inovação_FBVPalestra Empreendedorismo e Inovação_FBV
Palestra Empreendedorismo e Inovação_FBV
 
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdfAULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
 
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdfAULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
 
[E-book] Como transformar ideias em resultados
[E-book] Como transformar ideias em resultados[E-book] Como transformar ideias em resultados
[E-book] Como transformar ideias em resultados
 
RYO - Inovação - Promover e Gerenciar - Yogui - 2011
RYO - Inovação - Promover e Gerenciar - Yogui - 2011RYO - Inovação - Promover e Gerenciar - Yogui - 2011
RYO - Inovação - Promover e Gerenciar - Yogui - 2011
 
Webinar Incubadora e Agênciia de Inovação Unifacs
Webinar Incubadora e Agênciia de Inovação UnifacsWebinar Incubadora e Agênciia de Inovação Unifacs
Webinar Incubadora e Agênciia de Inovação Unifacs
 
Cietec
CietecCietec
Cietec
 
Aula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdf
Aula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdfAula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdf
Aula_3_GI_-_Abordagens_da_Inovao.pdf
 
Superando os mitos da crise e inovando em tempos difíceis
Superando os mitos da crise e inovando em tempos difíceisSuperando os mitos da crise e inovando em tempos difíceis
Superando os mitos da crise e inovando em tempos difíceis
 
Open Innovation no Brasil
Open Innovation no BrasilOpen Innovation no Brasil
Open Innovation no Brasil
 

Mais de BRAIN Brasil Inovação

A Falácia da Tecnologia?
A Falácia da Tecnologia?A Falácia da Tecnologia?
A Falácia da Tecnologia?
BRAIN Brasil Inovação
 
Incentivos Fiscais à Inovação: o impacto da Instrução Normativa 1187
Incentivos Fiscais à Inovação: o impacto da Instrução Normativa 1187Incentivos Fiscais à Inovação: o impacto da Instrução Normativa 1187
Incentivos Fiscais à Inovação: o impacto da Instrução Normativa 1187
BRAIN Brasil Inovação
 
Softwell Solutions: o Desafio da Inovação para a Competitividade na Cadeia ...
Softwell Solutions: o Desafio da Inovação para a Competitividade na Cadeia ...Softwell Solutions: o Desafio da Inovação para a Competitividade na Cadeia ...
Softwell Solutions: o Desafio da Inovação para a Competitividade na Cadeia ...
BRAIN Brasil Inovação
 
Apresentação softwell - anpei 2011
Apresentação   softwell - anpei 2011Apresentação   softwell - anpei 2011
Apresentação softwell - anpei 2011
BRAIN Brasil Inovação
 
Oportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos Mundiais
Oportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos MundiaisOportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos Mundiais
Oportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos Mundiais
BRAIN Brasil Inovação
 
Workshop Gestão de Incentivos Fiscais à Inovação
Workshop Gestão de Incentivos Fiscais à InovaçãoWorkshop Gestão de Incentivos Fiscais à Inovação
Workshop Gestão de Incentivos Fiscais à Inovação
BRAIN Brasil Inovação
 
Como gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovação
Como gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovaçãoComo gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovação
Como gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovação
BRAIN Brasil Inovação
 
Embrapa: Empreededorismo e Inovação
Embrapa: Empreededorismo e InovaçãoEmbrapa: Empreededorismo e Inovação
Embrapa: Empreededorismo e Inovação
BRAIN Brasil Inovação
 
Radar da Inovação
Radar da InovaçãoRadar da Inovação
Radar da Inovação
BRAIN Brasil Inovação
 
Programa Gestão da Inovação
Programa Gestão da InovaçãoPrograma Gestão da Inovação
Programa Gestão da Inovação
BRAIN Brasil Inovação
 
Inovação Organizacional
Inovação OrganizacionalInovação Organizacional
Inovação Organizacional
BRAIN Brasil Inovação
 

Mais de BRAIN Brasil Inovação (11)

A Falácia da Tecnologia?
A Falácia da Tecnologia?A Falácia da Tecnologia?
A Falácia da Tecnologia?
 
Incentivos Fiscais à Inovação: o impacto da Instrução Normativa 1187
Incentivos Fiscais à Inovação: o impacto da Instrução Normativa 1187Incentivos Fiscais à Inovação: o impacto da Instrução Normativa 1187
Incentivos Fiscais à Inovação: o impacto da Instrução Normativa 1187
 
Softwell Solutions: o Desafio da Inovação para a Competitividade na Cadeia ...
Softwell Solutions: o Desafio da Inovação para a Competitividade na Cadeia ...Softwell Solutions: o Desafio da Inovação para a Competitividade na Cadeia ...
Softwell Solutions: o Desafio da Inovação para a Competitividade na Cadeia ...
 
Apresentação softwell - anpei 2011
Apresentação   softwell - anpei 2011Apresentação   softwell - anpei 2011
Apresentação softwell - anpei 2011
 
Oportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos Mundiais
Oportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos MundiaisOportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos Mundiais
Oportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos Mundiais
 
Workshop Gestão de Incentivos Fiscais à Inovação
Workshop Gestão de Incentivos Fiscais à InovaçãoWorkshop Gestão de Incentivos Fiscais à Inovação
Workshop Gestão de Incentivos Fiscais à Inovação
 
Como gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovação
Como gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovaçãoComo gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovação
Como gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovação
 
Embrapa: Empreededorismo e Inovação
Embrapa: Empreededorismo e InovaçãoEmbrapa: Empreededorismo e Inovação
Embrapa: Empreededorismo e Inovação
 
Radar da Inovação
Radar da InovaçãoRadar da Inovação
Radar da Inovação
 
Programa Gestão da Inovação
Programa Gestão da InovaçãoPrograma Gestão da Inovação
Programa Gestão da Inovação
 
Inovação Organizacional
Inovação OrganizacionalInovação Organizacional
Inovação Organizacional
 

2º Workshop Subvenção Economica à Inovação

  • 1. 2º. WORKSHOP: Capacitação para Subvenção Econômica à Inovação Salvador, 14 de maio de 2010
  • 2. Agenda 08:30 – Credenciamento 09:00 – Apresentação inicial e Conceitos Introdutórios 10:00 – Engenharia de Financiamento à Inovação 10:30 – Intervalo 10:45 – Oportunidades disponíveis de Subvenção Econômica – Recursos não reembolsáveis 12:00 - Almoço 14:00 - Orientação para elaboração de Projetos para Subvenção Econômica 14:50 - Esclarecimentos com representante da FAPESB 15:30 - Intervalo 15:40 - Outras fontes de financiamento à inovação – recursos reembolsáveis 16:30 - Levantamento do Estado da Técnica – Vilage Marcas e Patentes 17:00 - Capital de Risco – Criatec 17:30 - Caso de Sucesso - Softwell 18:00 – Encerramento
  • 3. BRAIN – Brasil Inovação Somos uma empresa de consultoria especializada na gestão da inovação. Nossa missão é “Contribuir para o desenvolvimento e a competitividade de organizações, regiões e setores, através da inovação”.
  • 4. Quem somos Experiência dos Líderes A experiência profissional dos líderes representa um importante diferencial competitivo, tendo em vista os importantes desafios assumidos na esfera pública e privada, dentro do Sistema Nacional de Inovação.   Alexandre Tocchetto Pauperio, administrador de empresas, mestre em administração (UFBA 1998), com atuações na FIEB – Federação das Indústrias do Estado da Bahia (1997-1998), Universidade Salvador – Unifacs (1998-2003), Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Bahia (2003) e como diretor geral da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (2003-2006). Ativo participante do Sistema Nacional de Inovação, é consultor ad hoc do MEC e professor universitário nas áreas de estratégia, administração e projetos. Foi vice-presidente do Conselho Nacional das Fundações de Amparo à Pesquisa e agraciado com o Título de Administrador Emérito pelo CRA-BA (2005). Fábio Luis Assmann, economista formado na PUC/RS, especialista em Gestão para a Qualidade do Meio Ambiente pela PUC/RS (2002) e especialista em Agente de Inovação Tecnológica – AGINTEC pela UNEB (2004), mestrando em administração pela UFBA (início 2006), consultor autônomo de Estudos de Impactos Ambientais e Relatórios de Impactos ao Meio Ambiente – EIA/RIMA no Meio Antrópico (2000 a 2003) e gestor responsável pelo Programa Bahia Inovação na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia – FAPESB (2003 – 2007). Flávio Marinho, profissional de marketing, graduado em publicidade e propaganda, pós-graduado em Administração de Marketing, pela ESPM/SP, Mestre em Administração Estratégica, pela UNIFACS/ BA. Sua trajetória profissional inclui experiências diversas como executivo e como consultor em organizações tais como Odebrecht (Trikem), Caixa Geral de Depósitos/ Portugal, Hospital Português da Bahia, Urban Systems Brasil, Tricon International Restaurants, Hospital Albert Einstein, Jones Lang Lassalle, WhiteWater Brasil, AT&T Latin America, dentre diversas outras empresas de diferentes segmentos e portes. É professor e pesquisador universitário.
  • 5. 02 de abril de 2010 - citações !   Inovação: 5,8 milhões !   Gestão: 28,4 milhões !   Innovation; 81,9 milhões !   Management: 660 milhões !   Beatles: 45,3 milhões !   Buda: 10,5 milhões !   Jesus: 161 milhões
  • 6. Thomas Edison “Não quero inventar nada que não seja vendável. A venda é a prova da utilidade, e utilidade é igual a sucesso.” Thomas Edison (1847 – 1931) http://pt.wikipedia.org/wiki/Thomas_Edison
  • 7. Schumpeter !   Inovação “é o impulso fundamental que coloca e mantém em movimento a engrenagem da economia” (Joseph Schumpeter) !   “A inovação é a força motriz do capitalismo.” •  Essencialà evolução do mercado •  Condição para o aumento da competitividade das empresas, regiões e países •  Ponto fundamental da “Economia do Conhecimento” http://www.pensamentoeconomico.ecn.br/ economistas/joseph_schumpeter.html
  • 8. Nossa Visão Inovação “Inovação é a transformação de uma idéia em um produto novo ou melhorado que se introduz no mercado, ou em novos sistemas de produção, e em sua difusão, comercialização e utilização. Entende-se também por inovação tecnológica, a melhoria substancial de produtos ou processos já existentes.” Manual Frascati (2003) “Inovação = Ideia + Implementação + Sucesso” Fórum de Inovação da FGV “É o impulso fundamental que coloca e mantém em movimento a engrenagem da economia” Joseph Schumpeter
  • 10. Inovação Tecnológica “t pequeno” !   Requer a posse de um conhecimento especializado mediante patentes ou licenças para que se agregue valor ao produto.
  • 11. Inovação Organizacional “T grande” !   Ocorre quando uma organização busca vantagem competitiva em outras áreas, tais como Operações, Comercial, Finanças, Logística, Marketing etc. •  Implicaem mudanças no Modelo de Negócio •  Impulsionado por Idéias
  • 12. Momento da Inovação Novo Cenário !   Novo marco regulatório nacional •  Fundos Setoriais, PICTE, Lei de Inovação (2004), Lei do Bem (2005), Subvenção Econômica etc. !   Disseminação de iniciativas de apoio à Inovação !   Ampliação dos recursos públicos disponíveis
  • 13. Dinâmica da Inovação Atuação em rede e organização interna Os resultados vêm da mudança de uma visão endógena e unidirecional para uma perspectiva exógena, multidirecional e em rede !   Compreensão da cadeia produtiva e das potenciais fontes de obtenção de conhecimento, lucratividade e competitividade; !   Potencialização das fontes internas de geração de conhecimento, lucratividade e competitividade
  • 14. Modelo Aberto de Inovação Pesquisa Desenvolvimento Comercialização Licenciamento de patentes Internalização de protótipos para scale up Boas e viáveis idéias próprias Boas idéias, sem viabilidade Spin offs Internalização de Internalização de idéias e patentes e know how tecnologias tempo
  • 15. Tipologias !   Onde acontece? !   Qual o grau da inovação? •  Produto (bem ou serviço) •  Radical – resulta em um produto ou processo cujas características, •  Processo produtivo atributos ou usos difiram •  Organizacional radicalmente dos existentes •  Marketing •  Incremental – entendida como a melhoria de produto ou processo existente cujo desempenho tenha sido significativamente melhorado ou !   Qual a abrangência da a reconfiguração de uma tecnologia já inovação? existente para outros propósitos •  Novo para a empresa •  Disruptiva - provocam uma ruptura •  Novo para o mercado em modelos de negócios que estão estabelecidos. Normalmente local favorecem o aparecimento de novos •  Novo para o mundo produtos com desempenho equivalente ao padrão do mercado, mas inferior ao dos líderes, adotando uma nova abordagem que o torne !   Tipo? mais barato, mais conveniente ou •  Tecnológica mais fácil de usar •  Não tecnológica
  • 16. • Desempenho/ custo e melhorias • Radical • Disruptiva/ Ruptura • Incremental • Tempo
  • 17. O que fazemos Nossa proposta é ampliar a competitividade das organizações através da estruturação do processo de inovação, não apenas internamente, mas também a partir das relações externas com fontes de financiamento, clientes, fornecedores, a academia e parceiros em geral.
  • 18. Áreas de Atuação Conheça nossos serviços
  • 20. Gestão da Inovação !  Radar da Inovação (Diagnóstico); !  Desenvolvimento da Cultura Inovadora: Motivação e Capacitação; !  Alinhamento Estratégico; !  Estruturação do Processo de Inovação; !  Montagem de Sistemas de * Figura ilustrativa da metodologia do Programa Gestão da Inovação. Inteligência Competitiva; ** Clique na ilustração para maiores informações !  Pipeline: Implantação e Acompanhamento do Funil da Inovação.
  • 21. Desenvolvimento de Negócios Serviços !  Testes de Conceito; !  Planejamento Estratégico; !  Marketing e Comunicação; !  Estudos Mercadológicos; !  i-Coaching; !  Análise e Redesenho de Processos; !  Desenvolvimento de Modelos de Negócios; !  Design de Produtos e Serviços.
  • 22. Escritório de Projetos Serviços !  Elaboração e Gestão de Projetos; !  Engenharia de Financiamento; !  Captação de Recursos e Incentivos Fiscais; !  Propriedade Intelectual e Transferência Tecnológica; !  Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica, Comercial e Ambiental (EVTECA); !  Planos de Negócio; !  Valoração Tecnológica.
  • 23. Capacitação Sensibilização e Formação de Líderes !  Inovação, Sustentabilidade e Competitividade; !  Criatividade e Geração de Idéias; !  Elaboração de Projetos de Inovação e Captação de Recursos; !  Gestão da Inovação: Modelos e Ferramentas; !  Comunicação para a Inovação; !  Propriedade Intelectual; !  Empreendedorismo Corporativo e Tecnológico; !  Gestão de Projetos; !  Entre outros temas.
  • 25. Engenharia de Financiamento !   Engenharia de Financiamento deve ser compreendida como o monitoramento permanente e a mobilização adequada para participar com chances de todas as oportunidades disponíveis de captação de recursos, seja através de projetos, capacitação de pessoas, prestação de serviços ou bolsas, de forma a permitir a realização do projeto. !   A lógica consiste do entendimento de que é na multiplicidade de fontes que geralmente são encontradas as condições para a viabilização das idéias mais importantes.
  • 27. Engenharia de Financiamento !   Passo 1 - Identificação e Qualificação dos Projetos; Projeto !   Passo 2 – Mapeamento das Demandas, Fontes e suas peculiaridades; Projeto !   Passo 3 – Plano de Financiamento: projetos eleitos, recursos demandados Projeto para cada fonte.
  • 29. Subvenção Econômica !   A subvenção econômica à inovação é a concessão de recursos financeiros de natureza não - reembolsável para empresas públicas ou privadas que desenvolvam projetos de inovação estratégicos para o País de acordo com a política governamental. Esta modalidade de apoio está sendo realizada pela primeira vez no Brasil a partir da aprovação e regulamentação da Lei da Inovação (10.903/04) e da Lei do Bem (11.196/05). A subvenção poderá ser aplicada no custeio de atividades de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação em empresas nacionais.
  • 30. O Que é Financiável? !   Projetos de Inovação Tecnológica: •  Produtos •  Processos •  Serviços –  Incrementais –  Radicais –  Disruptivas
  • 32. PAPPE Subvenção/FAPESB   Objetivo: Apoio a projetos de inovação tecnológica, de produtos, processos ou serviços oriundos de MPEs baianas;   Temas: 1) Biotecnologia, biodiversidade, agronegócios, fármacos, cosméticos e saúde; 2) Nanotecnologia, semicondutores e tecnologias da informação e comunicação; 3) Biocombustíveis, energias e meio ambiente; 4) Engenharias de produtos, processos, serviços e novos materiais;   Contrapartida financeira e/ou econômica de no mínimo 30% do valor solicitado para empresas de Pequeno Porte e mínimo de 20% para micro- empresas;   Coordenador do projeto: Representante Legal da empresa proponente;   Até 18 meses de execução do projeto;
  • 33. PAPPE Subvenção/FAPESB   Valor máximo por projeto: R$ 400 mil;   Itens Financiáveis: Despesas Correntes (Diárias; Passagens; Material de Consumo; Serviços de Terceiros PF e PJ limitadas a 40% do valor solicitado; Despesas salariais para novas contratações ao projeto; Despesas com os encargos destas novas contratações);   Data Limite: Até as 18hs do dia 11/06/2010.   Link: http://www.fapesb.ba.gov.br/apoio/bahia-inovacao/edital-008-2010
  • 34. PESQUISADOR NA EMPRESA/FAPESB   Objetivo: Apoio atividades de pesquisa tecnológica e de inovação, com inserção de mestres e doutores nas equipes de PD&I das empresas baianas que tenham porte Micro, Pequeno e Médio;   Características: Projetos de desenvolvimento tecnológico de produtos, processos ou serviços que visem aumento da competitividade por meio de: inovação, adensamento tecnológico e dinamização das cadeias produtivas, incremento dos gastos empresariais com atividades de PD&I, atendimento à relevância regional, nacional e/ou mundial;   Proponente/Coordenador da Proposta: Pessoa Física com vínculo formal com a empresa executora, ou seja, proprietário, sócio ou empregado com vínculo formal com a mesma;
  • 35. PESQUISADOR NA EMPRESA/FAPESB   Contrapartida financeira e/ou econômica de no mínimo 50% para empresas de Médio Porte, 30% para as de Pequeno Porte e 20% para as Micro Empresas;   Até 18 meses de execução do projeto;   Valor máximo: R$ 150 mil;   Itens Financiáveis: Bolsas (Modalidades: SET - Bolsas de Estímulo à Fixação de Recursos Humanos de Interesse dos Fundos Setoriais e ITI e DTI – Bolsas de Fomento Tecnológico);   Data Limite: Até as 18hs do dia 11/06/2010.   Link: http://www.fapesb.ba.gov.br/apoio/bahia-inovacao/edital-009-2010
  • 36. INOVAÇÃO ABERTA/FAPESB   Objetivo: Projetos de inovações tecnológicas de produtos, processos ou serviços oriundos de empresas baianas em parceria com empresas brasileiras, visando parceria empresa-empresa que estimule a implementação da inovação aberta nas organizações baianas através da cooperação direta em âmbito regional, nacional e/ou internacional;   Temas: Os mesmos dos Editais Pappe Subvenção.   Empresa Proponente Executora e Coordenadora: Empresa baiana (Micro, Pequenas e Médias) e Empresa Proponente Co-Financiadora: Empresa brasileira (qualquer porte);   Contrapartida da Executora: financeira e/ou econômica de no mínimo 30% para empresas de Médio Porte, 10% para as de Pequeno Porte e 5% para as Micro Empresas;
  • 37. INOVAÇÃO ABERTA/FAPESB   Contrapartida da Co-Financiadora: no mínimo igual a 100% dos recursos financeiros solicitados, sendo que pelo menos 80% da contrapartida total deve ser aportada na forma de contrapartida financeira.;   Até 18 meses de execução do projeto;   Valor máximo: R$ 1 milhão;   Itens Financiáveis: Despesas Correntes (Diárias; Passagens; Material de Consumo; Serviços de Terceiros PF e PJ limitadas a 30% do valor solicitado; Bolsas de Pesquisa tipo DIT 1A, 2A e 3A limitadas a 30% do valor solicitado; Despesas salariais para novas contratações ao projeto; Despesas com os encargos destas novas contratações);   Data Limite: Até as 18hs do dia 03/09/2010.   Link: http://www.fapesb.ba.gov.br/apoio/bahia-inovacao/edital-010-2010
  • 38. COOPERAÇÃO EMPRESAS - ICTs/FAPESB   Objetivo: Projetos de inovações tecnológicas de produtos, processos ou serviços, em áreas estratégicas, oriundos de micro, pequenas, médias e grandes empresas baianas em parceria com ICTs e pesquisadores;   Temas: Os mesmos dos Editais Pappe Subvenção.   Empresa Proponente Executora e Coordenadora: Empresa baiana (Micro, Pequenas e Médias) e Parceira: ICTs baianas públicas ou privadas;   Contrapartida da Executora: financeira e/ou econômica de no mínimo 100% para empresas de Grande Porte, 60% para as de Médio Porte, 20% para as de Pequeno Porte e 10% para as Micro Empresas. A contrapartida financeira deve corresponder a 50% dos percentuais estabelecidos acima;
  • 39. COOPERAÇÃO EMPRESAS - ICTs/FAPESB   Até 18 meses de execução do projeto;   Valor máximo: R$ 1 milhão;   Itens Financiáveis: Despesas Correntes (Diárias; Passagens; Material de Consumo; Serviços de Terceiros PF e PJ limitadas a 40% do valor solicitado; Bolsas de Pesquisa tipo DIT 1A, 1B, 1C, 2A , 2B e 3A);   Data Limite: Até as 18hs do dia 03/09/2010.   Link: http://www.fapesb.ba.gov.br/apoio/bahia-inovacao/edital-fapesb- secti-2013-014-2010-selecao-de-propostas-para-apoio-tecnico-e- financeiro-modalidade-apoio-a-cooperacao-entre-empresas-e-instituicoes- cientificas-e-tecnologicas-2013-icts
  • 40. RHAE PESQUISADOR NA EMPRESA/CNPq   Objetivo: Selecionar propostas que visem apoiar as atividades de pesquisa tecnológica e de inovação por meio da inserção de mestres ou doutores, em empresas, prioritariamente em empresas de micro, pequeno e médio porte;   Características: Projetos de desenvolvimento tecnológico de produtos ou processos que visem ao aumento da competitividade das empresas por meio de: inovação; adensamento tecnológico e dinamização das cadeias produtivas; incremento, compatível com o setor de atuação, dos gastos empresariais com atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico; atendimento à relevância regional; e cooperação com instituições científicas e tecnológicas;   Contrapartida: 20% do valor do projeto, em recursos financeiros ou não financeiros;
  • 41. RHAE PESQUISADOR NA EMPRESA/CNPq   Valor Máximo por projeto: R$ 300 mil;   Prazo de Execução: 30 meses;   Itens Financiáveis: Somente Bolsas (Modalidades SET – Bolsa de Estímulo à Fixação de RH de Interesse dos Fundos Setoriais, DTI – Bolsa de Desenvolvimento Tecnológico Industrial, ITI – Bolsa de Iniciação Tecnológica Industrial e EV – Bolsa de Especialista Visitante);   Data Limite: 3ª Rodada em 27/08/2010;   Link: http://www.cnpq.br/editais/ct/2009/062.htm
  • 42. SUBVENÇÃO ECONÔMICA/FINEP   Objetivo: Apoio o desenvolvimento de produtos, serviços e processos inovadores em empresas brasileiras de qualquer porte econômico;   Áreas Estratégicas (Linhas Específicas sob Encomenda):Tecnologias da informação e comunicação; Biotecnologia; Saúde; Defesa Nacional e Segurança Pública;   Contrapartida mínima: Micro = 5%, Pequena = 20%, Média = 100%, Grande = 200% do valor solicitado;   36 meses de execução do projeto;   Valor por projeto: Micro e Pequena Empresa mínimo R$ 500 mil; Média e Grande Empresa mínimo R$ 1 milhão e máximo para todos os portes de R $ 10 milhões;
  • 43. SUBVENÇÃO ECONÔMICA/FINEP   Itens Financiáveis: Despesas de Custeio (Material de Consumo; Contratação de Consultorias Especializadas PF e PJ; Pagamento de Pessoal Próprio; Aluguéis de Bens Móveis ou Imóveis);   Data Limite: Ainda não divulgado Edital 2010;   Link: http://www.finep.gov.br/programas/subvencao_economica.asp
  • 44. PRIME – PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA/FINEP   Objetivo: Criar condições financeiras favoráveis para que empresas nascentes de alto valor agregado possam consolidar com sucesso a fase inicial de desenvolvimento dos seus empreendimentos;   Características: Voltado para empresas com até dois anos de existência, que desenvolva atividades com conteúdo tecnológico e disponha de um produto com elevado conteúdo de inovação em seus produtos ou serviços e um Plano de Negócios que indique evidente potencial de crescimento e um conjunto de desafios e metas viáveis;   17 incubadoras-âncora (Em SP: Cietec, Fipase e FVE/Univap; em MG: Biominas, Fumsoft e Inatel; no RJ: Coppe/UFRJ, Instituto Gênesis e BioRio; em SC: Celta e Instituto Gene; no RS: PUC/Raiar e Faurgs/CEI; no AM: Cide; na PB: Parque Tecnológico da Paraíba; em PE: Cesar; e em SE: Cise) que vão atuar como os agentes financeiros da FINEP nos estados para a apresentação de suas propostas;
  • 45. PRIME – PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA/FINEP   Valor por projeto: 1ª Etapa = R$ 120 mil (sem reembolso) e 2ª Etapa = R$ 120 mil (Juro Zero);   Prazo de Execução: 1ª Etapa = 12 meses e 2ª Etapa = Prazo do Juro Zero (18 meses);   Itens Financiáveis: A 1ª etapa poderá ser utilizada para apoio ao empreendedor e gestor do negócio e, ainda, para a contratação de consultorias de mercado em áreas de gestão consideradas relevantes para a empresa, como recursos humanos, propriedade intelectual, formulação estratégica e inovação;   Previsão de Lançamento Editais: Ainda não divulgado Edital 2010.   Link: http://www.finep.gov.br/programas/prime.asp
  • 47. Projeto é... !   É um empreendimento temporário com o objetivo de criar um produto ou serviço único. (PMBOK, 2000) !   São frequentemente implementados como meios para realizar o plano estratégico da organização. !   Diferem dos serviços continuados porque são temporários e únicos, ao contrário de contínuos e repetitivos. !   Temporário: cada projeto tem um começo e um fim bem definidos. !   Único: o produto ou serviço produzido e de alguma forma diferente de todos os outros produtos ou serviços semelhantes. (…) uma atividade temporária destinada a criar um produto, serviço ou resultado único1. Nessa defnição, ‘temporária’ signifca que cada projeto terá um começo, meio e fm defnidos e não sobreviverá por tempo indeterminado. ‘Único’, por outro lado, indica que não se trata de uma atividade repetitiva ou de produção em série. (Joel Weisz, 2009)
  • 48. O que é necessário para acessar fontes de Subvenção? !   O  projeto  deve  estar  associado  a  um  plano  de   negócios,   pois  não  existe  uma  boa  estratégia   tecnológica  que  não   esteja  associada  a  uma   estratégia  competitiva. !   O  projeto  deve  conter,  claramente  especificados: •  o  objetivo •  a  duração  prevista •  os  recursos  demandados •  o  quanto  o  empresário  compromete  (contrapartida) •  os  resultados  esperados
  • 49. O Objetivo !   O objetivo deve descrever claramente aquilo que você pretende realizar: desenvolver um novo produto específico, criar um núcleo de design, adaptar uma determinada tecnologia a necessidades nacionais etc. !   Na hora de especificar o objetivo do projeto, tome o cuidado de não confundi-­lo com o resultado esperado: “aumentar as vendas no seu mercado”, por exemplo, é um resultado esperado, mas não descreve o que você pretende realizar. !   O objetivo central de um projeto submetido deve ser uma inovação que traga benefícios evidentes para a empresa proponente, alavancando seu patamar competitivo.
  • 50. Duração do Projeto !   A duração do projeto pode variar muito, conforme a complexidade do que você pretende realizar. Mas é muito importante compreender que todo projeto deve ter início, meio e fim claramente definidos. !   No caso de projetos de inovação, estes normalmente terminam quando você está pronto para adicionar o aprimoramento alcançado à sua atividade.
  • 51. Recursos Demandados !   Todo projeto precisa prever, da forma mais exata possível, o seu custo total. Para isso, o empresário precisará estimar o custo de cada etapa e de cada tipo de investimento: contratação de pessoal, consultorias, diárias e passagens, aquisição de matérias-­primas, aquisição de equipamentos etc. !   Quanto mais preciso esse levantamento, menores as chances do projeto “morrer na praia” pois os imprevistos estarão minimizados.
  • 52. Contrapartida !   Quando você solicita um financiamento para inovar, é necessário especificar também quanto dos seus recursos próprios serão comprometidos. !   A contrapartida pode ser de dois tipos: •  Financeira, quando você prevê que arcará com novos gastos para realizar o seu projeto •  Econômica, ou não-­financeira, quando você prevê que utilizará recursos próprios tais como: equipamentos próprios, pessoas da sua folha de pagamento etc. !   Importante: em alguns casos, só é permitida a apresentação de contrapartida financeira.
  • 53. Resultados Esperados !   Além da descrição do projeto, é necessário estimar quais serão os seus resultados efetivos. Ou seja: aonde você quer chegar. !   Normalmente, os resultados esperados se traduzem em benefícios tais como: redução do tempo de produção, aumento da qualidade dos produtos, atendimento a novos mercados, desenvolvimento de novas atividades dentro da empresa etc. !   Muitas vezes, também será necessário apresentar os impactos previstos para o projeto: há impactos ambientais? Sociais? Tecnológicos? !   Os resultados e impactos podem despertar o interesse dos seus potenciais financiadores. Mas cuidado: seja realista na hora de descrevê-­los.
  • 54. Cronograma !   O cronograma deve descrever a seqüência de atividades do projeto. Cada etapa deve prever entregáveis parciais. Eles serão as evidências de que cada etapa foi efetivamente cumprida. !   Evite cronogramas efetivamente detalhados, que engessam a execução, assim como cronogramas excessivamente genéricos, que dificultam tanto a avaliação quanto o acompanhamento do projeto. !   O cronograma nada mais é do que uma “receita de bolo” que será considerada como o roteiro de desenvolvimento do projeto.
  • 55. Dica !   Num primeiro momento, a tarefa de elaborar um projeto pode parecer algo muito difícil. Por isso, transmitimos algumas recomendações que podem auxiliar muito nesse aprendizado: •  Busque  parceiros  para  inovar •  Procure  os  canais  de  comunicação para  esclarecimentos   e  orientações •  Comece  a  escrever,  ou  procure  pessoas  que  saibam   como  elaborar  um  projeto. •  Pratique!  Não  tenha  medo  do  desafio. !   Um  bom  projeto  deve  ter  uma  estratégia  de  captação   de  recursos,  e  não  ser  apenas  fruto  de  uma   oportunidade   de  financiamento.
  • 56. Formatação e Linguagem Qualidades Falhas !   Objetividade e clareza !   Ausência de dados sobre o Estado da Técnica !   Detalhamento e Impessoalidade !   Tecnologia com baixo nível de !   Problema bem delimitado empresariamento !   Coerência Interna !   Contrapartida pouco relevante !   Embasamento científico !   Equipe sem experiência em !   Maturidade tecnológica projetos de PD&I !   Articulação !   Descuido: prazo, documentações, exigências... !   Anexos (ilustrações, planilhas, cartas de intenção etc)
  • 57. Formulário de Submissão Padrão PAPPE Subvenção, Pesquisador na Empresa, Inovação Aberta, Cooperação ICT-Empresa,
  • 58. Formulário de Submissão INFORMAÇÕES GERAIS: DADOS DO PROJETO   Coordenador do Projeto:   Número do Pedido:   Título do Projeto/Sigla:   Empresa Proponente:   Porte:   Cargo do Coordenador do Projeto na Empresa:   Prazo de Execução do Projeto:   Área do Conhecimento:   Sub-Área do Conhecimento:
  • 59. Formulário de Submissão INFORMAÇÕES GERAIS: DADOS DO PROJETO   Tema do Projeto no Edital:   Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE:   Resumo do Projeto (Visão Geral do Projeto – 2000 caract.):   Palavras-Chave (4):
  • 60. Formulário de Submissão INFORMAÇÕES GERAIS: DADOS COMPLEMENTARES   Objetivo Geral (Sintetizar a finalidade geral do projeto):   Objetivos Específicos (Desdobrar o objetivo geral em finalidades de caráter mais específico, os quais serão as metas a serem alcançadas no projeto):   Justificativa (Demonstrar a relevância do projeto, evidenciando como os resultados previstos justificam a sua execução):   Metodologia (Descrever a metodologia a ser adotada do projeto, evidenciando a maneira que a inovação será desenvolvida para alcançar os objetivos):
  • 61. Formulário de Submissão INFORMAÇÕES GERAIS: FATURAMENTO/DADOS DA EMPRESA   Faturamento da Empresa no Ano de 2009 em R$: (Max. De R$ 2.400.000,00)   Projeção do Faturamento da Empresa para o Ano de 2010 em R$: (Max. De R$ 2.400.000,00)   Profissionais Nível Básico: Fundamental (Quantos?) e Médio (Quantos?)   Profissionais Nível Superior: Doutores (Quantos?) Mestres (Quantos?) Especialistas (Quantos?) Graduandos (Quantos?)   Data de Fundação da Empresa:
  • 62. Formulário de Submissão INFORMAÇÕES GERAIS: EQUIPE EXECUTORA DO PROJETO   País de Origem do Membro:   CPF do Membro da Equipe:   Nome do Membro da Equipe:   Maior Titulação do Membro:   Empresa do Membro:   Função no Projeto:   Carga Horária Semanal Dedicada ao Projeto:
  • 63. Formulário de Submissão INFORMAÇÕES GERAIS: IMPACTOS PREVISTOS   Impacto Tecnológico (Apresentar os impactos tecnológicos gerados com o desenvolvimento do projeto em produtos, processos, ou serviços – patentes, registro de softwares, registro de marcas, indicações geográficas etc – e as publicações futuras a partir deste projeto):   Impacto Social (Apresentar indicadores voltados à área social, em termos de sua influência nos níveis de qualidade de vida da população, em âmbito regional ou local, tais como emprego, renda, saúde, educação, habitação, saneamento entre outros. Quais os resultados do projeto para o Estado da Bahia?):   Impacto Ambiental (Apresentar impactos voltados à área ambiental em termos de sua influência nos níveis de qualidade da água, ar e solos, da preservação à diversidade biológica ou recuperação da degradação entre outros):
  • 64. Formulário de Submissão INFORMAÇÕES GERAIS: CRONOGRAMA DE ATIVIDADES   Meta Física:   Atividade:   Mês Inicial:   Mês Final (máximo 18 meses):
  • 65. Formulário de Submissão ANÁLISE DE MERCADO: EVTEC  Análise Detalhada da Viabilidade Técnica da inovação tecnológica:  Análise Detalhada da Viabilidade Econômica da inovação tecnológica:  Análise Detalhada da Viabilidade Comercial da inovação tecnológica:
  • 66. Formulário de Submissão ANÁLISE DE MERCADO: OUTRAS ANÁLISES   Detalhamento da Inovação Tecnológica (Descrever porque o produto/ processo/serviço a ser desenvolvido caracteriza uma a inovação tecnológica – defesa da inovação tecnológica):   Descrição do Segmento de Mercado (Identificar e descrever o segmento do mercado alvo da empresa. O segmento de mercado é definido a partir das características do produto/processo/serviço, do consumidor – idade, sexo, renda, profissão, família, personalidade etc – e outros fatores que afetam diretamente o consumo do produto/processo/serviço, como localização geográfica, por exemplo):   Descrição do Produto/Processo/Serviço (Descrever os serviços/processos/ produtos a serem ofertados pela empresa de maneira clara e objetiva evidenciando sua capacidade para fornecimento; o ciclo de vida; os benefícios gerados (aspectos subjetivos) e características (aspectos objetivos); informações referentes à pesquisa; desenvolvimento e acesso à tecnologia; informações referentes à patentes ou propriedade intelectual; custos envolvidos; produtos e serviços futuros):
  • 67. Formulário de Submissão ANÁLISE DE MERCADO: OUTRAS ANÁLISES   Análise da Concorrência (A concorrência deve ser avaliada em relação a inovação tecnológica proposta. Analisar concorrentes diretos e indiretos, produtos substitutos e potenciais entrantes):   Análise dos Fornecedores de Matéria-Prima (Quem são? Quantos são? Política de fornecimento para a inovação tecnológica proposta (quantidade/ descontos progressivos/fornecimento exclusivo)? Política de qualidade? Nível de preços praticados? Possibilidade de parcerias? Desenvolvimento futuro? Plano de contigência?):   Infra-Estrutura Disponível (Descrever a infra-estrutura disponível para o desenvolvimento do projeto de inovação):
  • 68. Formulário de Submissão ANÁLISE DE MERCADO: ESTRATÉGIA DE MARKETING   Objetivos Estratégicos a partir da Inovação – Curto, Médio e Longo Prazo (Descrever as metas e objetivos estratégicos da empresa, a partir da implantação da inovação proposta):   Marketing (Descrever as diferentes ações de marketing a serem utilizadas pela empresa proponente para geração de demanda pelo novo produto, processo ou serviço no mercado):
  • 69. Formulário de Submissão ORÇAMENTO: ITENS DO ORÇAMENTO   Tipo (Despesas de Custeio: Passagens, Diárias, Despesas com Encargos para novas Contratações, Despesas Salariais para novas Contratações, Material de Consumo Nacional e Importado, Serviços de Terceiros PF e PJ):   Descrição:   Justificativa:   Quantidade:   Valor Unitário (R$):   Parcelas: (1, 2 e 3)
  • 70. Formulário de Submissão ORÇAMENTO: BOLSAS FAPESB   Modalidade da Bolsa:   Valor Mensal (R$):   Quantidade de Meses:  Descrição da Atividade do Bolsista: OBS: Etapa exigida nos Editais de Cooperação Empresa – ICT e Pesquisador na Empresa.
  • 71. Formulário de Submissão ORÇAMENTO: CONTRAPARTIDAS FINANCEIRAS   Item (Diárias: Alimentação/Hospedagem; Equipamentos; Espaço Físico Adequado; Instalações; Material Bibliográfico Nacional e Internacional; Material de Consumo Nacional e Importado; Obras, Reformas e Instalações; Outros Materiais Permanentes; Passagens; Pessoa Física e Jurídica; Pessoal do Quadro Efetivo da Instituição; Serviços Laboratoriais):   Descrição:   Justificativa:   Quantidade:   Valor Unitário (R$):
  • 72. Formulário de Submissão ORÇAMENTO: CONTRAPARTIDAS NÃO-FINANCEIRAS   Item (Diárias: Alimentação/Hospedagem; Equipamentos; Espaço Físico Adequado; Instalações; Material Bibliográfico Nacional e Internacional; Material de Consumo Nacional e Importado; Obras, Reformas e Instalações; Outros Materiais Permanentes; Passagens; Pessoa Física e Jurídica; Pessoal do Quadro Efetivo da Instituição; Serviços Laboratoriais):   Descrição:   Justificativa:   Quantidade:   Valor Unitário (R$):
  • 73. Formulário de Submissão INSTITUIÇÃO PARCEIRA: CADASTRO   CPF do Representante Institucional:   Representante Institucional:   Instituição:   Autoridade Máxima da Instituição Parceira:   Cargo da Autoridade Máxima da Instituição Parceira: OBS: Etapa exigida somente no Edital de Cooperação Empresa - ICT
  • 75. Subvenção Econômica/FINEP Objetivo: Apoio o desenvolvimento de produtos, serviços e processos inovadores; Elegibilidade: Empresas brasileiras (sociedades empresárias e empresários individuais) de qualquer porte. Considera-se empresa brasileira a organização econômica instituída para a produção ou a circulação de bens ou de serviços, com finalidade lucrativa, constituída sob as leis brasileiras e com sede de sua administração no Brasil, e que esteja devidamente registrada na Junta Comercial até a data de lançamento desta seleção pública. Não são elegíveis sociedades simples.
  • 76. Subvenção Econômica/FINEP Áreas Estratégicas (Linhas Específicas sob Encomenda)
  • 77. Subvenção Econômica/FINEP ÁREA 1 - TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO !   Desenvolvimento de dispositivos de acesso à Internet em banda larga ou de seus componentes críticos com as seguintes propriedades: funcionamento exclusivo na presença do proprietário;portabilidade; mobilidade; capacidade de identificação inequívoca do proprietário e irrefutabilidade das transações realizadas em seu nome. !   Desenvolvimento de conteúdo com formato original ou de aplicações de software, software-como-serviço ou software embarcado, para plataformas digitais e interativas (celular, PDA, computador, TV digital ou IP-TV), preferencialmente relacionados com temas esportivos ou da cultura brasileira, que representem claramente oportunidades de negócio no mercado mundial !   Desenvolvimento de mostradores eletrônicos (displays) ou de partes significativas de sistemas de displays, utilizando novas tecnologias, preferencialmente displays reflexivos, displays maleáveis, displays orgânicos, displays eletro-luminescentes a filme fino e displays sensíveis ao toque.
  • 78. Subvenção Econômica/FINEP ÁREA 2 – BIOTECNOLOGIA !   Desenvolvimento de produtos com alto potencial terapêutico e de dermocosméticos, obtidos a partir de princípios ativos existentes em espécies da biodiversidade brasileira, nativas ou não nativas. !   Produção de inoculantes com microorganismos fixadores de nitrogênio e/ou promotores de crescimento para culturas de importância agronômica. !   Desenvolvimento de enzimas intermediárias de síntese para aplicação industrial incluindo produção de biocombustíveis e biopolímeros.
  • 79. Subvenção Econômica/FINEP ÁREA 3 – SAÚDE !   Desenvolvimento dos seguintes equipamentos de uso em saúde: aparelho de endoscopia, em suas mais variadas aplicações; dispositivos para circulação sanguínea de uso cardíaco e de suporte à vida; equipamentos de hemodiális; equipamentos para leitura e análise de diagnóstico in vitro e in vivo; monitores cardíacos e monitores multiparâmetros; equipamentos para avaliação da qualidade de imagens médicas; equipamentos para testes e avaliação da segurança e desempenho de equipamentos eletromédicos, conforme especificações das normas da série ABNT NBR IEC 60601; equipamentos para testes e avaliação de materiais de uso em saúde; softwares e protocolos de comunicação para transferência de informações e sinais médicos (imagens e dados diagnósticos). !   Desenvolvimento dos seguintes materiais de uso em saúde: cateteres eletrofisiológicos e angiográficos de uso radiológico; endopróteses vasculares (stents de aplicações diversas); dializadores; implantes de biomateriais para aplicações diversas; introdutores, bainhas e agulhas para estudos e procedimentos eletrofisiológicos; dispositivos diagnósticos, prognósticos para doenças virais, negligenciadas e neoplasias. !   Desenvolvimento de fármacos e/ou biofármacos, com foco nos seguintes produtos: anticorpos monoclonais; budesonida; ciclosporinas; estatinas; fator de crescimento insulina dependente (IGF- I); filgrastima; glucagon; glucocerebrosidase; gonadotrofina coriônica (HCG) e sérica (PMSG); hormônio folículo estimulante humano (FSH); novas biomoléculas e fármacos, produzidos por rota biotecnológica, para doenças virais, doenças negligenciadas e neoplasias.
  • 80. Subvenção Econômica/FINEP ÁREA 4 – DEFESA NACIONAL E SEGURANÇA PÚBLICA !   Desenvolvimento de armas não letais; desenvolvimento de sistemas estratégicos de informação, armas, e inteligência de máquina e robótica; desenvolvimento de sistemas de posicionamento, navegação, controle, guiamento e propulsão (incluindo artefatos espaciais). !   Desenvolvimento de tecnologia de materiais emissores de elétrons, de materiais de alta densidade energética e de processos industriais para fabricação de propelentes sólidos, peças e sistemas estruturais utilizando materiais compostos, fibras de carbono, semicompósitos e cerâmicas, e de materiais para blindagem. !   Desenvolvimento de tecnologias e artefatos de emissão e detecção de ondas eletromagnéticas; monitoramento, controle, interceptação e bloqueio de comunicações, imagens e sinais.
  • 81. Subvenção Econômica/FINEP ÁREA 5 – ENERGIA !   Desenvolvimento de equipamentos, componentes, peças ou partes aplicados à produção de energia solar e energia eólica. !   Desenvolvimento e otimização de processos e equipamentos para transesterificação etanólica de óleos e gorduras (vegetais, animais e residuais) para produção de biodiesel. !   Desenvolvimento de projetos de recheios estruturados para torres de processamento de petróleo e derivados e cimentos especiais para completação de poços.
  • 82. Subvenção Econômica/FINEP ÁREA 6 – DESENVOLVIMENTO SOCIAL !   Desenvolvimento de soluções para centros de acesso público à internet em banda larga com baixo custo, redes internas de comunicação e serviços eletrônicos adequados a regiões carentes e/ou remotas do país, com modelo de sustentabilidade claramente identificado. !   Desenvolvimento e adaptação de máquinas e equipamentos adequados à escala e condições locais de produção e processamento agrícola e pecuário focados na pequena propriedade e na agricultura familiar. !   Desenvolvimento de produtos e processos para: habitação de interesse social, segundo os princípios da coordenação modular decimétrica, da industrialização de ciclo aberto e das normas de desempenho de sistemas construtivos; saneamento em processos de tratamento de água e esgoto, de baixo custo de implantação, operação e manutenção.
  • 83. Subvenção Econômica/FINEP Contrapartida: As empresas deverão apresentar contrapartida aos recursos da FINEP/ FNDCT, de acordo com a seguinte tabela: As empresas poderão solicitar aos programas de crédito da FINEP financiamento da contrapartida oferecida na proposta de subvenção econômica. Serão reconhecidas como despesas de contrapartida aquelas realizadas a partir da data de publicação da aprovação final do projeto no site da FINEP.
  • 84. Subvenção Econômica/FINEP Prazo: 36 meses de execução do projeto; Valor por projeto: Mínimo R$ 500 mil e máximo R$ 10 milhões;
  • 85. Subvenção Econômica/FINEP Itens Financiáveis: Despesas de Custeio (pagamento de pessoal próprio, contratação de consultorias especializadas de pessoas físicas ou jurídicas, material de consumo e aluguéis de bens móveis ou imóveis); Data Limite: 27/03/2009.
  • 86. Subvenção Econômica/FINEP Encaminhamento das Propostas: As propostas de projetos serão apresentadas em formulário específico disponível no site da FINEP e deverão ser enviadas eletronicamente até a data limite prevista no cronograma. Será necessária a apresentação da documentação a seguir listada referente a todas as empresas beneficiárias constantes do FAP: 1. Estatuto/Contrato Social atualizado e devidamente registrado na Junta Comercial; 2. Ato de designação dos atuais dirigentes (ata da assembléia que elegeu a Diretoria e o Conselho de Administração), se for o caso; 3. Declaração sobre o contencioso ou de inexistência de contencioso (modelo 1), assinada pelos representantes legais; 4. Demonstrativo Contábil dos três últimos exercícios financeiros. Caso a empresa tenha menos de três anos de existência deverá apresentar as demonstrações contábeis existentes desde sua constituição. Observação: No caso de empresário individual deverão ser apresentados os documentos listados nos itens 3 e 4 acima, bem como Certidão Simplificada da Junta Comercial.
  • 87. Formulário de Submissão Subvenção Econômica
  • 88. Subvenção Econômica/FINEP Estrutura ABA 1 – Proponente – Razão Social: – Foro da Empresa: – Sigla: – Registro na Junta Comercial: – CNPJ: – Data de Constituição: – Endereço: – Natureza Jurídica: – Bairro: – Atividade Econômica – UF: Predominante: – Cidade: – Histórico da Empresa: 4000 – CEP: caracteres – Composição do Capital: 1000 – Caixa Postal: caracteres – Site: – Instalações Físicas: 1000 – Faturamento (em Reais): caracteres – Nº de Empregados: – Histórico de P&D: 4000 caracteres – Nome do Responsável: – Histórico de Financiamentos – CPF do Responsável: Governamentais: 1000 caracteres – Email: – DDD + Telefone: – DDD + Fax:
  • 89. Subvenção Econômica/FINEP Estrutura ABA 2 – Co-Executores 2.1 – CNPJ: 2.2 – Sigla: 2.3 – Razão Social: 2.4 – Operações: Obs: Repetir para cada co-executor existente.
  • 90. Subvenção Econômica/FINEP Estrutura ABA 3 – Justificativa 3.1 – Inovação Principal: 4000 caracteres 3.2 – Impactos no Mercado: 4000 caracteres 3.3 – Impactos na Sociedade: 4000 caracteres 3.4 – Diferenciais Competitivos da Equipe: 4000 caracteres 3.5 – Diferenciais Competitivos da Empresa: 4000 caracteres
  • 91. Subvenção Econômica/FINEP Estrutura ABA 4 – Projeto 4.1 – Título: 4.2 – Área: 4.3 – Tema: 4.4 – Valores por Fontes Pagadoras: FINEP, Contrapartida, % de Contrapartida 4.5 – Financiar a Contrapartida junto à FINEP? Sim ou Não 4.6 – Resumo Publicável: 500 caracteres 4.7 – Descrição do Projeto: 4000 caracteres 4.8 – Descrição da Metodologia do Projeto: 4000 caracteres 4.9 – Descrição do Mercado: 4000 caracteres 4.10 – Vantagens Competitivas: 4000 caracteres
  • 92. Subvenção Econômica/FINEP Estrutura ABA 5 – Equipe 5.1 – Nome: 5.2 – Vínculo: 5.3 – Operações: Obs: Repetir as informações para cada membro da equipe executora.
  • 93. Subvenção Econômica/FINEP Estrutura ABA 6 – Etapas 6.1 – Nome: 6.2 – Mês Início: 6.3 – Mês Fim: 6.4 – Operações: Obs: Repetir as informações para cada etapa.
  • 94. Subvenção Econômica/FINEP Estrutura ABA 7 – Itens Obs: Se inclui após as etapas cadastradas ABA 8 – Visualização Obs: Serve para mostrar a formatação do projeto completo. ABA 9 – Resultado Obs: Serve para acompanhar o resultado da avaliação do projeto.
  • 95. Aprovei, e agora? 1.  Negociação 2.  Contratação 3.  Execução dos recursos 4.  Prestações de Contas 5.  Alavancagem do projeto
  • 98. JURO ZERO/FAPESB   Objetivo: Apoio ao desenvolvimento de projetos de inovação tecnológica, de produtos, processos e serviços;   18 meses de execução do projeto;   MPE’s com Receita Operacional Bruta de até R$ 10,5 milhões;   Valor por projeto: mínimo R$ 100 mil e máximo R$ 900 mil;
  • 99. JURO ZERO/FAPESB   Sem Juros Reais (correção mensal do saldo devedor através do IPCA), Sem Garantias Reais (Fiança Pessoal de 30% sobre o valor solicitado), Sem Burocracia (Certificado Digital), Sem Carência (pagamento da 1ª prestação no mês seguinte a liberação da 1ª parcela); Cem Parcelas (100 meses de financiamento);   Itens Financiáveis: Obras Civis/Instalações, Equipamentos Nacionais e Importados, Matéria-Prima, Pessoal, Serviços de Consultoria, Treinamento, Software, Serviço de Terceiros, Viagens e Diárias, Outros;   Data Limite: 06/2010   Link: http://www.fapesb.ba.gov.br/apoio/bahia-inovacao/faca-sua-solicitacao/ juro_zero/consorcio_juro_zero
  • 100. INOVA BRASIL/FINEP   Objetivo: Contribuir para o incremento das atividades de pesquisa e desenvolvimento realizadas no país.   Características: Para empresas de todos os portes, o programa oferece taxas de acordo com os setores da PITCE: -  Programas Mobilizadores em Áreas Estratégicas (complexos industriais de defesa, saúde, tecnologia da informação, energia nuclear e nanotecnologia): Taxa fixa anual de 4%; -  Programas para Consolidar e Expandir a Liderança (siderurgia, petróleo, gás natural, bioetanol, celulose e complexo aeronáutico): Taxa fixa anual de 4,5%; -  Programas para Fortalecer a Competitividade (bens de capital, automotivo, têxtil, calçados e agroindústria, entre outros): Taxa fixa anual de 5%;
  • 101. INOVA BRASIL/FINEP   Pré-Investimento para os Programas Prioritários (Programa de Aceleração do Crescimento; Integração sul-americana; Copa do Mundo 2014; e Política Habitacional Minha Casa, Minha Vida): Taxa fixa anual de 4% a.a.; -  Outros Projetos Inovadores de Pré-Investimento: Taxa fixa anual de 8%.   Máximo R$ 100 milhões, mínimo R$ 1 milhão;   Prazo: até 100 meses, 20 de carência e 80 para amortização.   Link: http://www.finep.gov.br/programas/inovabrasil.asp
  • 102. PROSOFT/BNDES*   Objetivos: Ampliar a participação das empresas nacionais no mercado interno; promover o crescimento de suas exportações; fortalecer o processo de P&D e inovação no setor; promover o crescimento e a internacionalização das empresas nacionais do setor; promover a difusão e a crescente utilização do software nacional no Brasil e no exterior;   Modalidades: Prosoft Empresa*, Prosoft Comercialização e Prosoft Exportação;   A partir de R$ 1 milhão;   Participação BNDES: Até 100% dos itens financiáveis se o Plano de Negócios estiver em consonância com as diretrizes da PDP para o setor de software e serviços de TI ou até 85% dos itens financiáveis, nos demais casos;
  • 103. PROSOFT/BNDES*   Taxa de Juros: TJLP + 1,0% a.a (Micro, Pequena e Média Empresa), TJLP + 1,5% a.a (Grande Empresa);   Prazo: Carência e Amortização em função da capacidade de pagamento da empresa;   Garantias: Definidas na análise da operação para valor acima de R$ 10 milhões e Fiança dos sócios controladores para valores abaixo de R$ 10 milhões;   Link: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/ Apoio_Financeiro/Programas_e_Fundos/Prosoft/index.html
  • 104. LINHA CAPITAL INOVADOR/BNDES   Objetivo: Apoiar empresas no desenvolvimento de capacidade para empreender atividades inovativas em caráter sistemático, bem como apoiar projetos de inovação de natureza tecnológica que envolvam risco tecnológico e oportunidades de mercado;   Valor por Projeto: Mínimo R$ 1 mi e máximo R$ 200 mi por grupo econômico, no período de 12 meses;   Taxa de Juros: Taxa fixa de 4,5% a.a (condições especiais definidas para o ano 2010);   Prazo: Até 96 meses;   Carência: Até 24 meses de carência para o principal;
  • 105. LINHA CAPITAL INOVADOR/BNDES   Garantias: Reais acima de R$ 10 mi e Pessoais para valores abaixo;   Itens Financiáveis: Investimentos em capitais tangíveis, incluindo infraestrutura física, e em capitais intangíveis, que deverão ser consistentes com as estratégias de negócios das empresas e ser apresentados conforme modelo de Plano de Investimento em Inovação (PII) que capacitem as empresas a desenvolver atividades inovativas em caráter sistemático;   Link: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/ Apoio_Financeiro/Produtos/FINEM/capital_inovador.html
  • 106. LINHA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA/BNDES   Objetivo: Apoiar empresas no desenvolvimento de capacidade para empreender atividades inovativas em caráter sistemático, bem como apoiar projetos de inovação de natureza tecnológica que envolvam risco tecnológico e oportunidades de mercado;   Valor por Projeto: Mínimo R$ 1 mi e máximo R$ 200 mi por grupo econômico, no período de 12 meses;   Taxa de Juros: Taxa fixa de 3,5% a.a (condições especiais definidas para o ano 2010);   Prazo: Até 120 meses;   Carência: Até 36 meses de carência para o principal;
  • 107. LINHA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA/BNDES   Garantias: Reais acima de R$ 10 mi e Pessoais para valores abaixo;   Itens Financiáveis: Projetos de inovação de natureza tecnológica que busquem o desenvolvimento de produtos e/ou processos novos ou significativamente aprimorados (pelo menos para o mercado nacional) e que envolvam risco tecnológico e oportunidades de mercado;   Link: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/ Apoio_Financeiro/Produtos/FINEM/inovacao_tecnologica.html
  • 108. LINHA INOVAÇÃO PRODUÇÃO/BNDES   Objetivo: Apoiar investimentos que visem à implantação, expansão e modernização da capacidade produtiva, necessárias à absorção dos resultados do processo de pesquisa e desenvolvimento ou inovação e apoiar pesquisa e desenvolvimento ou inovação que apresentem oportunidade comprovada de mercado, inclusive o desenvolvimento de inovações incrementais de produtos e/ou processos;   Valor por Projeto: Mínimo R$ 3 mi;   Taxa de Juros: TJLP + Remuneração Básica do BNDES (0,9% a.a.) + Taxa de Risco de Crédito (até 3,57% a.a. conforme o risco de crédito do cliente);
  • 109. LINHA INOVAÇÃO PRODUÇÃO/BNDES   Prazo: Determinado em função da capacidade de pagamento do empreendimento, da empresa e do grupo econômico;   Garantias: Reais acima de R$ 10 mi e Pessoais para valores abaixo;   Link: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Areas_de_Atuacao/ Inovacao/inovacao_producao.html
  • 110. FNE INOVAÇÃO/BNB   Objetivo: Financiar empreendimentos inovadores, tanto na ampliação da sua capacidade de desenvolver inovações, incluindo o apoio a iniciativas de pesquisa e desenvolvimento, quanto na incorporação de tecnologias já disponíveis para o aprimoramento significativo de produtos, serviços e/ou processos, e financiar a implantação, expansão, modernização, reforma e relocalização de empresas desenvolvedoras de software e prestadoras de serviços de tecnologia da informação e comunicação (TIC);   Taxa de Juros: 6,75% a.a. (Microempresa), 8,25% a.a. (Pequena Empresa), 9,5% a.a. (Média Empresa), 10% a.a. (Grande Empresa);   Prazo: Determinados em função do cronograma físico-financeiro do projeto e da capacidade de pagamento do mutuário, observados os limites: Investimentos fixos e mistos (investimento fixo + capital de giro associado) - até 15 anos, já incluído até 04 anos de carência;
  • 111. FNE INOVAÇÃO/BNB   Itens Financiáveis: Investimentos fixos e semifixos em projetos relacionados à inovação tecnológica, inclusive capital de giro associado ao investimento, para operações não rurais;   Garantias: Cumulativa ou alternativamente, garantias reais e fidejussórias;   Link: http://www.bnb.gov.br/content/aplicacao/produtos_e_servicos/ programas_fne/gerados/inovacao.asp
  • 113. Incentivos Fiscais à Inovação Conhecida como Lei do Bem, em seu Capítulo III, artigos 17 a 26, e regulamentada pelo Decreto nº 5.798, de 7 de junho de 2006, que consolidou os incentivos fiscais que as pessoas jurídicas podem usufruir de forma automática desde que realizem pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica. Os benefícios do Capítulo III da Lei do Bem são baseados em incentivos fiscais, tais como:   deduções de Imposto de Renda e da Contribuição sobre o Lucro Líquido - CSLL de dispêndios efetuados em atividades de P&D;   a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI na compra de máquinas e equipamentos para P&D;   depreciação acelerada desses bens;
  • 114. Incentivos Fiscais à Inovação   amortização acelerada de bens intangíveis;  redução do Imposto de Renda retido na fonte incidente sobre remessa ao exterior resultantes de contratos de transferência de tecnologia;  isenção do Imposto de Renda retido na fonte nas remessas efetuadas para o exterior destinada ao registro e manutenção de marcas, patentes e cultivares;  ou subvenções ecônomicas concedidas em virtude de contratações de pesquisadores, titulados como mestres ou doutores, empregados em empresas para realizar atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica, regulamentada pela Portaria MCT nº 557.  Link: http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/8586.html
  • 115. Lei de Informática 11.077/2004 Em vigor até 2019, confere isenção ou redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para empresas que invistam em atividades de P&D em tecnologias da informação. São os seguintes os incentivos concedidos pela Lei: Para fabricação de bens e serviços no País:   80% de redução IPI (Sul e Sudeste) e 95% de redução IPI (Norte, Nordeste e Centro-Oeste). Para fabricação e desenvolvimento no País:   95% de redução IPI (Sul e Sudeste) e isenção total nas demais regiões.
  • 116. Lei de Informática 11.077/2004 Quanto aos investimentos obrigatórios em P&D:   Mínimo de 5% sobre o faturamento obtido apenas com os produtos contemplados com os incentivos. Link: http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/2189.html#lista
  • 117. Capital de Risco O Capital de Risco se traduz no investimento temporário de fundos, gerenciados por bancos ou por entidades especializadas, em empresas nascentes ou emergentes com grande potencial de crescimento. Estes fundos estão classificados da seguinte forma:   INVESTIDOR ANJO: Pessoa física que financia o desenvolvimento de idéias inovadoras.   CAPITAL SEMENTE (Seed Capital): Investimento feito na fase inicial da empresa ou projeto, com o objetivo de validar o modelo de negócios e dar os primeiros passos com a empresa. Links: http://www.fundocriatec.com.br/ http://www.capitalsemente.com.br/
  • 118. Capital de Risco VENTURE CAPITAL: Investimento que ocorre em empresas de pequeno e médio porte com grande potencial de crescimento, financiando as primeiras expansões e levando a empresa a novos patamares de mercado. Links: http://www.venturecapital.gov.br/vcn/index.asp PRIVATE EQUITY: Investem em grandes empresas já consolidadas que utilizam mecanismos de alacancagem financeira e que muitas vezes se preparam para abertura de capital na bolsa de valores. Links: http://www.abvcap.com.br/
  • 119. Contato www.brasilinovacao.com.br BRAIN - Brasil Inovação Consultoria e Assessoria Ltda. Rua Rubens Guelli, 134, Ed. Empresarial Itaigara Sala 408, Itaigara – Salvador/BA Tel.: 71 335-335-63 Skype ID: brasilinovacao E-mail: brain@brasilinovacao.com.br