SlideShare uma empresa Scribd logo
AS INVASÕES BÁRBARAS
         EA
     FORMAÇÃO DA

     EUROPA MODERNA
        ENSINO MÉDIO

        Profª. – Fatima Ap. de Freitas
ARMAS USADAS PELOS
    BÁRBAROS
QUEM ERAM OS BÁRBAROS?
 Os gregos e depois os romanos chamavam de
  “bárbaros” os povos que viviam além dos
  domínios de sua civilização e se mostravam
  avessos à sua cultura.
 Em relação a Roma, bárbaro era o povo não-
  submetido ao império, que falava língua diversa
  d latim e do grego, adotava outras regras
  jurídicas e um modo de vida diferente do
  romano.
PRINCIPAIS “DEFEITOS” DOS
BÁRBAROS VISTOS PELA ÓTICA DO
       POVO ROMANO.
 COSTUME DE UNTAR O CABELO COM
 MANTEIGA RANÇOSA

 NÃO TOMAR BANHO

 CHEIRAR A ALHO E CEBOLA

 ROUPAS RÚSTICAS FEITAS DE PELES DE
 ANIMAIS
•VISIGODOS
                           •OSTROGODOS
                           •BORGUNDIOS
           1 -GERMÂNICOS   •FRANCOS
                           •VANDALOS
                           •LOMBARDOS...


BÁRBAROS                   •TURCOS

           2 -ASIÁTICOS    •AVAROS
                           •HUNOS


                           •CITAS

           3 -IRANIANOS    •SARMATAS
                           •ALANOS
A ENTRADA DOS GERMANOS
      NO IMPÉRIO ROMANO
 FASE DAS MIGRAÇÕES:        FASE DAS INVASÕES: A
  SÉCULOS III E IV            PARTIR DO SÉC. V
   Os germanos entraram
  nos domínios do Império      Corresponde ao
  romano de forma             período em que os
  pacífica, por meio de       germanos entraram no
  acordos com o próprio       Império Romano de
  governo de Roma             forma violenta e brutal,
  ajudando a proteger as      fugindo de outros
  fronteiras                  povos como os hunos.
CARACTERÍSTICAS DOS POVOS
      GERMÂNICOS
   Predomínio da vida rural (aldeias)
   Assembléias de guerreiros
   Instabilidade política
   Curta duração dos reinos
   Propriedade coletiva → propriedade privada
   Economia agrária, fome constante e alto índice de
    mortalidade
   Camponeses livres → dominação de uma nobreza
   Comitatus (relação de fidelidade e companheirismo)
   Famílias patriarcais
   Religião politeísta = forças da
    natureza, Valquírias, paraíso x hell
CAUSAS DAS “INVASÕES
       BÁRBARAS”
 PESTES EM SUAS TERRAS NO
 ORIENTE

 GRANDES ONDAS DE
 FOME, FORÇANDO A BUSCA POR
 ALIMENTO

 GUERRAS ENTRE OS POVOS
 ASIÁTICOS, FORÇANDO A FUGA.
FORMAÇÂO E EXPANSÂO DO REINO FRANCO

     DINASTIA MEROVÍNGIA
                                        CARLOS MARTEL = prefeito
                                        do palácio, conteve o avanço

               ↓                        dos muçulmanos na Batalha
                                        de Poitiers em 732 d.C




                                                    ←
Meroveu: Avô de Clóvis – fundador
da dinastia Merovíngia (século V a
VIII.
                                       PEPINO O BREVE = filho de
                                       Carlos Martel.

                ↓                      •destronou o rei Childerico III
                                       iniciando assim a DINASTIA
                                       CAROLÍNGIA
CLÒVIS: unificou as tribos francas e
promoveu a expansão dos domínios,      •Derrotou os lombardos
converteu-se ao catolicismo,           (ameaçavam a igreja católica) e
promovendo uma aliança com a           doou os territórios conquistados
Igreja Católica.                       à Igreja – Patrimônio de São
                                       Pedro.
CARLOS MAGNO
CARLOS MAGNO (768-814)
 Filho e sucessor de Pepino o
  Breve. Conquistou um vasto
  território.
 Para administrar o império
  Carlos Magno estabeleceu
  normas (leis) escritas
  denominadas de capitulares
 Dividiu os territórios entre
  condes e marqueses como
  seus vassalos (beneficium).
 Inspetores de rei chamados de
  missi-dominici fiscalizavam o
  império
 Carlos Magno procurou
  controlar os nobres para
  que estes prestassem
  fidelidade e da prestação
  de
  serviços,principalmente
  militares, concedendo-
  lhes terras em
  beneficium e títulos, o
  que mais tarde será
  introduzido no sistema
  Feudal.
 O esquema funcionava
  assim:
Renascimento Carolíngio
Carlos Magno estimulou
   as artes, as letras o
  que contribuiu para a
     preservação e a
     transmissão da
        cultura da
  Antiguidade Clássica.
Criou escolas e no seu
    governo iniciou o
       processo de
    encadernação de
          livros.
 Após a morte de Carlos Magno seus
  sucessores não conseguiram manter o
  império unido por muito tempo gerando
  conflitos entre seus netos filhos de Luís I
  (Carlos, Luís e Lotário) que passam a
  disputar o trono, gerando uma guerra civil.
 No ano 843, foi assinado o Tratado de
  Verdun pondo fim ao conflito e dividindo o
  reino entre os filhos de Luís I,
  acompanhada de independência e
  autonomia dos administradores locais.
Invasões dos séculos IX e X
 Leste – húngaros
 Norte – Vikings (escadinavos)
 Sul – muçulmanos (Península Itálica e Ibérica)
 A falta de segurança enfraqueceu o comércio e
  a população buscou refúgio no campo.
 Enfraquecimento do poder central dos antigos
  reinos germânicos.
 Transformações do modo de vida
  caracterizando o Feudalismo.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 História Global - Gilberto Cotrim
 História Novo Olhar – Marco Pellegrini
 Imagens: Historianet, Wikipédia.

  Sugestões de filmes
 Átila, rei dos hunos.
 Vikings.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Nefer19
 
Império Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. MédioImpério Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. Médio
Daniel Alves Bronstrup
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
Daniel Alves Bronstrup
 
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismoSéc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Douglas Barraqui
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Douglas Barraqui
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Sebastião Herodes
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
Paulo Alexandre
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Nefer19
 
História Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
História Medieval aula 03 Bárbaros. pptHistória Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
História Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
Marcelo Abreu Gomes
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudalCrise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Douglas Barraqui
 
12. absolutismo e mercantilismo
12. absolutismo e mercantilismo12. absolutismo e mercantilismo
12. absolutismo e mercantilismo
batotario
 
A crise no império romano
A crise no império romanoA crise no império romano
A crise no império romano
Nilton Silva Jardim Junior
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Dirair
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
Fatima Freitas
 
1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe 1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe
Daniel Alves Bronstrup
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
Aulas de História
 
Barbaros
BarbarosBarbaros
Barbaros
Lilian Larroca
 
ROMA ANTIGA
ROMA ANTIGAROMA ANTIGA
ROMA ANTIGA
MARIANO C7S
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo

Mais procurados (20)

Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
 
Império Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. MédioImpério Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. Médio
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismoSéc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
 
História Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
História Medieval aula 03 Bárbaros. pptHistória Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
História Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudalCrise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
 
12. absolutismo e mercantilismo
12. absolutismo e mercantilismo12. absolutismo e mercantilismo
12. absolutismo e mercantilismo
 
A crise no império romano
A crise no império romanoA crise no império romano
A crise no império romano
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe 1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
Barbaros
BarbarosBarbaros
Barbaros
 
ROMA ANTIGA
ROMA ANTIGAROMA ANTIGA
ROMA ANTIGA
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 

Destaque

EF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbarasEF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbaras
Guilherme Drumond
 
Invasões
InvasõesInvasões
Invasões
Maria Gomes
 
Invasões Barbaras
Invasões BarbarasInvasões Barbaras
Invasões Barbaras
luisaprof
 
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
As InvasõEs BáRbaras Vi
As InvasõEs BáRbaras ViAs InvasõEs BáRbaras Vi
As InvasõEs BáRbaras Vi
guestfe54e6
 
Povos barbaros
Povos barbarosPovos barbaros
Povos barbaros
Marcos Souza
 
Invasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngioInvasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngio
Fatima Freitas
 
Queda do império
Queda do impérioQueda do império
Queda do império
Carla Freitas
 
Esquema as invasões bárbaras na construção da nova europa
Esquema as invasões bárbaras na construção da nova europaEsquema as invasões bárbaras na construção da nova europa
Esquema as invasões bárbaras na construção da nova europa
emantunes
 
E:\Pen Drive Jessica\Fabricio\O Cristianismo E A Queda De Roma
E:\Pen Drive Jessica\Fabricio\O Cristianismo E A Queda De RomaE:\Pen Drive Jessica\Fabricio\O Cristianismo E A Queda De Roma
E:\Pen Drive Jessica\Fabricio\O Cristianismo E A Queda De Roma
fabricioduppio
 
02 história rafael - invasões bárbaras 2015
02 história   rafael - invasões bárbaras 201502 história   rafael - invasões bárbaras 2015
02 história rafael - invasões bárbaras 2015
Rafael Noronha
 
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o anoOs Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Lucas Degiovani
 
Bizantinos
BizantinosBizantinos
Bizantinos
Fatima Freitas
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
diogomsp12
 
A formação dos reinos bárbaros
A formação dos reinos bárbarosA formação dos reinos bárbaros
A formação dos reinos bárbaros
Ana Selma Sena Santos
 
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Fatima Freitas
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
Fatima Freitas
 
Augusto comte e o positivismo
Augusto comte e o positivismoAugusto comte e o positivismo
Augusto comte e o positivismo
Fatima Freitas
 
E mail
E mailE mail
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
Fatima Freitas
 

Destaque (20)

EF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbarasEF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbaras
 
Invasões
InvasõesInvasões
Invasões
 
Invasões Barbaras
Invasões BarbarasInvasões Barbaras
Invasões Barbaras
 
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
 
As InvasõEs BáRbaras Vi
As InvasõEs BáRbaras ViAs InvasõEs BáRbaras Vi
As InvasõEs BáRbaras Vi
 
Povos barbaros
Povos barbarosPovos barbaros
Povos barbaros
 
Invasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngioInvasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngio
 
Queda do império
Queda do impérioQueda do império
Queda do império
 
Esquema as invasões bárbaras na construção da nova europa
Esquema as invasões bárbaras na construção da nova europaEsquema as invasões bárbaras na construção da nova europa
Esquema as invasões bárbaras na construção da nova europa
 
E:\Pen Drive Jessica\Fabricio\O Cristianismo E A Queda De Roma
E:\Pen Drive Jessica\Fabricio\O Cristianismo E A Queda De RomaE:\Pen Drive Jessica\Fabricio\O Cristianismo E A Queda De Roma
E:\Pen Drive Jessica\Fabricio\O Cristianismo E A Queda De Roma
 
02 história rafael - invasões bárbaras 2015
02 história   rafael - invasões bárbaras 201502 história   rafael - invasões bárbaras 2015
02 história rafael - invasões bárbaras 2015
 
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o anoOs Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
 
Bizantinos
BizantinosBizantinos
Bizantinos
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
A formação dos reinos bárbaros
A formação dos reinos bárbarosA formação dos reinos bárbaros
A formação dos reinos bárbaros
 
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
Augusto comte e o positivismo
Augusto comte e o positivismoAugusto comte e o positivismo
Augusto comte e o positivismo
 
E mail
E mailE mail
E mail
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
 

Semelhante a Invasões bárbaras e formação da europa moderna

A alta idade média
A alta idade médiaA alta idade média
A alta idade média
Dione Pereira
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
Kerol Brombal
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Marilia Pimentel
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Eliphas Rodrigues
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
andrecarlosocosta
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
Kerol Brombal
 
Barbaros francos carolingios_2010_b
Barbaros francos carolingios_2010_bBarbaros francos carolingios_2010_b
Barbaros francos carolingios_2010_b
Kelly Delfino
 
Idade Media
Idade MediaIdade Media
História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)
Giorgia Marrone
 
A civilização Feudal
A civilização FeudalA civilização Feudal
A civilização Feudal
Laguat
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
Laguat
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
Laguat
 
Feudalismo e crise
Feudalismo e criseFeudalismo e crise
Feudalismo e crise
cattonia
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
historiando
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1
Carla Teixeira
 
14. idade média no ocidente.
14. idade média no ocidente.14. idade média no ocidente.
14. idade média no ocidente.
Jose Ribamar Santos
 
Reinos bárbaros e reino franco
Reinos bárbaros e reino francoReinos bárbaros e reino franco
Reinos bárbaros e reino franco
Adriana Gomes Messias
 
A formação da europa feudal
A formação da europa feudalA formação da europa feudal
A formação da europa feudal
Salete Lima
 
Apostila alta-idade-media
Apostila alta-idade-mediaApostila alta-idade-media
Apostila alta-idade-media
Willian Thiago
 
Inicio Idade Media em mapa mental
Inicio Idade Media em mapa mentalInicio Idade Media em mapa mental
Inicio Idade Media em mapa mental
Julio Cesar Yusuf Cavalcanti
 

Semelhante a Invasões bárbaras e formação da europa moderna (20)

A alta idade média
A alta idade médiaA alta idade média
A alta idade média
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
Barbaros francos carolingios_2010_b
Barbaros francos carolingios_2010_bBarbaros francos carolingios_2010_b
Barbaros francos carolingios_2010_b
 
Idade Media
Idade MediaIdade Media
Idade Media
 
História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)
 
A civilização Feudal
A civilização FeudalA civilização Feudal
A civilização Feudal
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
 
Feudalismo e crise
Feudalismo e criseFeudalismo e crise
Feudalismo e crise
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1
 
14. idade média no ocidente.
14. idade média no ocidente.14. idade média no ocidente.
14. idade média no ocidente.
 
Reinos bárbaros e reino franco
Reinos bárbaros e reino francoReinos bárbaros e reino franco
Reinos bárbaros e reino franco
 
A formação da europa feudal
A formação da europa feudalA formação da europa feudal
A formação da europa feudal
 
Apostila alta-idade-media
Apostila alta-idade-mediaApostila alta-idade-media
Apostila alta-idade-media
 
Inicio Idade Media em mapa mental
Inicio Idade Media em mapa mentalInicio Idade Media em mapa mental
Inicio Idade Media em mapa mental
 

Mais de Fatima Freitas

Mato grosso do sul
Mato grosso do sulMato grosso do sul
Mato grosso do sul
Fatima Freitas
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
Fatima Freitas
 
Rio + 20
Rio + 20Rio + 20
Rio + 20
Fatima Freitas
 
Guerra da coreia
Guerra da coreiaGuerra da coreia
Guerra da coreia
Fatima Freitas
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
Fatima Freitas
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
Fatima Freitas
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
Fatima Freitas
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
Fatima Freitas
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
Fatima Freitas
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
Fatima Freitas
 
Paisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planetaPaisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planeta
Fatima Freitas
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
Fatima Freitas
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido  Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
Fatima Freitas
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
Fatima Freitas
 
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Antiguidade oriental   mesopotâmia 1Antiguidade oriental   mesopotâmia 1
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Fatima Freitas
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Fatima Freitas
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
Fatima Freitas
 
Indígenas do brasil
Indígenas do brasilIndígenas do brasil
Indígenas do brasil
Fatima Freitas
 
A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colônia
Fatima Freitas
 
Atividade2,1
Atividade2,1Atividade2,1
Atividade2,1
Fatima Freitas
 

Mais de Fatima Freitas (20)

Mato grosso do sul
Mato grosso do sulMato grosso do sul
Mato grosso do sul
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
 
Rio + 20
Rio + 20Rio + 20
Rio + 20
 
Guerra da coreia
Guerra da coreiaGuerra da coreia
Guerra da coreia
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
Paisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planetaPaisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planeta
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido  Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
 
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Antiguidade oriental   mesopotâmia 1Antiguidade oriental   mesopotâmia 1
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
 
Indígenas do brasil
Indígenas do brasilIndígenas do brasil
Indígenas do brasil
 
A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colônia
 
Atividade2,1
Atividade2,1Atividade2,1
Atividade2,1
 

Invasões bárbaras e formação da europa moderna

  • 1. AS INVASÕES BÁRBARAS EA FORMAÇÃO DA EUROPA MODERNA ENSINO MÉDIO Profª. – Fatima Ap. de Freitas
  • 2.
  • 3. ARMAS USADAS PELOS BÁRBAROS
  • 4. QUEM ERAM OS BÁRBAROS?  Os gregos e depois os romanos chamavam de “bárbaros” os povos que viviam além dos domínios de sua civilização e se mostravam avessos à sua cultura.  Em relação a Roma, bárbaro era o povo não- submetido ao império, que falava língua diversa d latim e do grego, adotava outras regras jurídicas e um modo de vida diferente do romano.
  • 5. PRINCIPAIS “DEFEITOS” DOS BÁRBAROS VISTOS PELA ÓTICA DO POVO ROMANO.  COSTUME DE UNTAR O CABELO COM MANTEIGA RANÇOSA  NÃO TOMAR BANHO  CHEIRAR A ALHO E CEBOLA  ROUPAS RÚSTICAS FEITAS DE PELES DE ANIMAIS
  • 6. •VISIGODOS •OSTROGODOS •BORGUNDIOS 1 -GERMÂNICOS •FRANCOS •VANDALOS •LOMBARDOS... BÁRBAROS •TURCOS 2 -ASIÁTICOS •AVAROS •HUNOS •CITAS 3 -IRANIANOS •SARMATAS •ALANOS
  • 7.
  • 8. A ENTRADA DOS GERMANOS NO IMPÉRIO ROMANO  FASE DAS MIGRAÇÕES:  FASE DAS INVASÕES: A SÉCULOS III E IV PARTIR DO SÉC. V Os germanos entraram nos domínios do Império Corresponde ao romano de forma período em que os pacífica, por meio de germanos entraram no acordos com o próprio Império Romano de governo de Roma forma violenta e brutal, ajudando a proteger as fugindo de outros fronteiras povos como os hunos.
  • 9. CARACTERÍSTICAS DOS POVOS GERMÂNICOS  Predomínio da vida rural (aldeias)  Assembléias de guerreiros  Instabilidade política  Curta duração dos reinos  Propriedade coletiva → propriedade privada  Economia agrária, fome constante e alto índice de mortalidade  Camponeses livres → dominação de uma nobreza  Comitatus (relação de fidelidade e companheirismo)  Famílias patriarcais  Religião politeísta = forças da natureza, Valquírias, paraíso x hell
  • 10. CAUSAS DAS “INVASÕES BÁRBARAS”  PESTES EM SUAS TERRAS NO ORIENTE  GRANDES ONDAS DE FOME, FORÇANDO A BUSCA POR ALIMENTO  GUERRAS ENTRE OS POVOS ASIÁTICOS, FORÇANDO A FUGA.
  • 11.
  • 12. FORMAÇÂO E EXPANSÂO DO REINO FRANCO DINASTIA MEROVÍNGIA CARLOS MARTEL = prefeito do palácio, conteve o avanço ↓ dos muçulmanos na Batalha de Poitiers em 732 d.C ← Meroveu: Avô de Clóvis – fundador da dinastia Merovíngia (século V a VIII. PEPINO O BREVE = filho de Carlos Martel. ↓ •destronou o rei Childerico III iniciando assim a DINASTIA CAROLÍNGIA CLÒVIS: unificou as tribos francas e promoveu a expansão dos domínios, •Derrotou os lombardos converteu-se ao catolicismo, (ameaçavam a igreja católica) e promovendo uma aliança com a doou os territórios conquistados Igreja Católica. à Igreja – Patrimônio de São Pedro.
  • 14. CARLOS MAGNO (768-814)  Filho e sucessor de Pepino o Breve. Conquistou um vasto território.  Para administrar o império Carlos Magno estabeleceu normas (leis) escritas denominadas de capitulares  Dividiu os territórios entre condes e marqueses como seus vassalos (beneficium).  Inspetores de rei chamados de missi-dominici fiscalizavam o império
  • 15.
  • 16.  Carlos Magno procurou controlar os nobres para que estes prestassem fidelidade e da prestação de serviços,principalmente militares, concedendo- lhes terras em beneficium e títulos, o que mais tarde será introduzido no sistema Feudal.  O esquema funcionava assim:
  • 17. Renascimento Carolíngio Carlos Magno estimulou as artes, as letras o que contribuiu para a preservação e a transmissão da cultura da Antiguidade Clássica. Criou escolas e no seu governo iniciou o processo de encadernação de livros.
  • 18.  Após a morte de Carlos Magno seus sucessores não conseguiram manter o império unido por muito tempo gerando conflitos entre seus netos filhos de Luís I (Carlos, Luís e Lotário) que passam a disputar o trono, gerando uma guerra civil.  No ano 843, foi assinado o Tratado de Verdun pondo fim ao conflito e dividindo o reino entre os filhos de Luís I, acompanhada de independência e autonomia dos administradores locais.
  • 19.
  • 20. Invasões dos séculos IX e X  Leste – húngaros  Norte – Vikings (escadinavos)  Sul – muçulmanos (Península Itálica e Ibérica)  A falta de segurança enfraqueceu o comércio e a população buscou refúgio no campo.  Enfraquecimento do poder central dos antigos reinos germânicos.  Transformações do modo de vida caracterizando o Feudalismo.
  • 21. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  História Global - Gilberto Cotrim  História Novo Olhar – Marco Pellegrini  Imagens: Historianet, Wikipédia. Sugestões de filmes  Átila, rei dos hunos.  Vikings.