SlideShare uma empresa Scribd logo
CLIMAS DO BRASIL
Profª. – Fatima Ap. de Freitas
ESCOLA ESTADUAL JOSE ALVES RIBEIRO
Conceito
• Clima corresponde ao conjunto de variações
do tempo de uma determinada localidade.
• Para estabelecer o clima de um lugar é
necessário analisar os fenômenos
atmosféricos durante um período de,
aproximadamente 30 anos.
• O clima está diretamente relacionado à
formação vegetal.
• No território brasileiro ocorre uma grande diversidade
climática, pois o país apresenta grande extensão
territorial com diferenças de relevo, altitude e
dinâmica das massas de ar e das correntes marítimas,
todos esses fatores influenciam no clima de uma
região.
• A maior parte da área do Brasil está localizada na Zona
Intertropical, ou seja, nas zonas de baixas latitudes,
com climas quentes e úmidos.
• Outro fator interessante do clima brasileiro refere-se à
amplitude térmica (diferença entre as médias anuais
de temperatura máximas e mínimas), conforme se
aproxima da linha do Equador, a amplitude térmica é
menor.
• O critério utilizado no Brasil para classificar os diferentes
tipos de clima relaciona-se à origem, natureza e,
principalmente, movimentação das massas de ar
existentes no país (equatoriais, tropicais e polares).
• Conforme análises climáticas realizadas no território
brasileiro, foi possível estabelecer seis tipos de climas
diferentes.
• A diversidade climática ocorre por meio da ação de
diversos fatores e elementos que influenciam o
comportamento da atmosfera.
• Em alguns pontos, predominam os efeitos de massas de
ar quente; em outros, de massas de ar fio.
• Há também as ações da vegetação, da altitude e das
variações de latitude, entre outros aspectos.
• Existem também vários modelos de classificação, de modo
que usaremos a seguir a tipologia elaborada por A. Strahler.
Confira o mapa abaixo:
• Entre os climas apresentados no mapa acima, há de se
mencionar que todos eles são dominados por massas
de ar equatoriais e tropicais em conjunto, exceto a
faixa de clima subtropical úmido, localizada na porção
sul do país e controlada por massas de ar tropicais e
polares.
• A seguir, uma caracterização geral de cada um dos
tipos de clima do Brasil:
• Equatorial – Presente na Amazônia, ao norte de Mato
Grosso e a oeste do Maranhão, sofre ação direta das
massas de ar equatorial continental e equatorial
atlântica, de ar quente e úmido.
• Apresenta temperaturas médias elevadas (de 25 °C a
27 °C), chuvas durante todo o ano e reduzida
amplitude térmica (inferior a 3 °C).
• Tropical – Clima do Brasil Central, também presente na
porção oriental do Maranhão, extensa parte do
território do Piauí, na porção ocidental da Bahia e de
Minas Gerais, além de ser encontrado também no
extremo norte do país, em Roraima.
• Caracteriza-se por temperatura elevada (18 °C a 28 °C),
com amplitude térmica de 5 °C a 7 °C, e estações bem
definidas (uma chuvosa e outra seca).
• A estação de chuva ocorre no verão; no inverno ocorre
a redução da umidade relativa em razão do período da
estação seca.
• O índice pluviométrico é de cerca de 1,5 mil milímetros
anuais.
• Tropical de Altitude – É encontrado nas partes
mais elevadas, acima de 800 metros, do planalto
Atlântico do Sudeste.
• Abrange principalmente os estados de São Paulo,
Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo.
• Está sob influência da massa de ar tropical
atlântica, que provoca chuvas no período do
verão.
• Apresenta temperatura amena, entre 18 °C e 22
°C, e amplitude térmica anual entre 7 °C e 9 °C.
• No inverno, as geadas ocorrem com certa
frequência, em virtude da ação das frentes frias
originadas do choque entre as massas tropical e
polar.
• Tropical Atlântico – Conhecido também como tropical
úmido, compreende a faixa litorânea do Rio Grande do
Norte ao Paraná.
• Sofre a ação direta da massa tropical atlântica, que, por
ser quente e úmida, provoca chuvas intensas.
• A temperatura varia de 18 °C a 26 °C, apresenta
amplitude térmica maior à medida que se avança em
direção ao Sul.
• No Nordeste, a maior concentração de chuva ocorre no
inverno, já no Sudeste, ocorre no verão.
• O índice pluviométrico médio é alto, de 2 mil
milímetros anuais.
• Subtropical – Ocorre nas latitudes abaixo do trópico de
Capricórnio. Está presente no sul do estado de São
Paulo e na maior parte do Paraná, Santa Catarina e Rio
Grande do Sul.
• É influenciado pela massa polar atlântica, possui
temperatura média anual de 18 °C e amplitude térmica
elevada (10 °C).
• As chuvas não são muito intensas, mil milímetros
anuais, porém, ocorrem de forma bem distribuída na
região.
• Nessa região climática do Brasil são comuns as geadas
e nevadas. O verão é muito quente e a temperatura
pode ultrapassar os 30 °C.
• O inverno, bastante frio, apresenta as temperaturas
mais baixas do país, inferiores a 0 °C.
• Semiárido – Ocorre no interior do Nordeste, na
região conhecida como Polígono das Secas.
• Corresponde a quase todo o sertão nordestino e
aos vales médio e inferior do rio São Francisco.
• Caracteriza-se por temperaturas elevadas (média
de 27 °C) e chuvas escassas e mal distribuídas, em
torno de 700 milímetros anuais.
• Há períodos em que a massa equatorial atlântica
(superúmida) chega ao litoral norte da região
Nordeste e atinge o sertão, causando chuvas
intensas nos meses de fevereiro, março e abril.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geogra
fia/classificacao-dos-climas-no-brasil.htm
• http://brasilescola.uol.com.br/brasil/os-
climas-brasil.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
Salageo Cristina
 
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores ClimáticosClima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Vitor Vieira Vasconcelos
 
áGuas oceânicas
áGuas oceânicasáGuas oceânicas
áGuas oceânicas
Thamires Bragança
 
Relevo terrestre
Relevo terrestreRelevo terrestre
Tectonica Placas
Tectonica PlacasTectonica Placas
Tectonica Placas
Sérgio Luiz
 
Relevo
RelevoRelevo
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Vegetação do brasil
Vegetação do brasilVegetação do brasil
Vegetação do brasil
João José Ferreira Tojal
 
Tipos de Rochas
Tipos de RochasTipos de Rochas
Tipos de Rochas
Márcia Dutra
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
João José Ferreira Tojal
 
Erosão
ErosãoErosão
População
PopulaçãoPopulação
População
Isabelegeografia
 
Projeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficasProjeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficas
Prof.Paulo/geografia
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
Suely Takahashi
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
Professor
 
Rochas e minerais
Rochas e mineraisRochas e minerais
Rochas e minerais
Fabrício Almeida
 
Orientacao e localizacao no espaco
Orientacao e localizacao no espacoOrientacao e localizacao no espaco
Orientacao e localizacao no espaco
Prof. Francesco Torres
 
Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.
Ste Escola Bernardino
 
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do BrasilDomínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Rogério Bartilotti
 

Mais procurados (20)

Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores ClimáticosClima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
 
áGuas oceânicas
áGuas oceânicasáGuas oceânicas
áGuas oceânicas
 
Relevo terrestre
Relevo terrestreRelevo terrestre
Relevo terrestre
 
Tectonica Placas
Tectonica PlacasTectonica Placas
Tectonica Placas
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terra
 
Vegetação do brasil
Vegetação do brasilVegetação do brasil
Vegetação do brasil
 
Tipos de Rochas
Tipos de RochasTipos de Rochas
Tipos de Rochas
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Erosão
ErosãoErosão
Erosão
 
População
PopulaçãoPopulação
População
 
Projeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficasProjeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficas
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
 
Rochas e minerais
Rochas e mineraisRochas e minerais
Rochas e minerais
 
Orientacao e localizacao no espaco
Orientacao e localizacao no espacoOrientacao e localizacao no espaco
Orientacao e localizacao no espaco
 
Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.
 
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do BrasilDomínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
 

Destaque

PostPelease MMP Tbilisi 2015
PostPelease MMP Tbilisi  2015PostPelease MMP Tbilisi  2015
PostPelease MMP Tbilisi 2015
Olga Lygomyna
 
375.diseñando el talento del futuro
375.diseñando el talento del futuro375.diseñando el talento del futuro
375.diseñando el talento del futuro
dec-admin
 
Mantenimiento a pc
Mantenimiento a pcMantenimiento a pc
Mantenimiento a pc
Aylin Alvarez
 
Practica1
Practica1Practica1
Practica1
Aylin Alvarez
 
Rio + 20
Rio + 20Rio + 20
Rio + 20
Fatima Freitas
 
Habilidades comunicativas
Habilidades comunicativasHabilidades comunicativas
Habilidades comunicativas
felipeTuta11
 

Destaque (7)

Coaching
CoachingCoaching
Coaching
 
PostPelease MMP Tbilisi 2015
PostPelease MMP Tbilisi  2015PostPelease MMP Tbilisi  2015
PostPelease MMP Tbilisi 2015
 
375.diseñando el talento del futuro
375.diseñando el talento del futuro375.diseñando el talento del futuro
375.diseñando el talento del futuro
 
Mantenimiento a pc
Mantenimiento a pcMantenimiento a pc
Mantenimiento a pc
 
Practica1
Practica1Practica1
Practica1
 
Rio + 20
Rio + 20Rio + 20
Rio + 20
 
Habilidades comunicativas
Habilidades comunicativasHabilidades comunicativas
Habilidades comunicativas
 

Semelhante a Clima do brasil

Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
Camila Fernandes Grecco
 
Clima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetaçãoClima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetação
Débora Sales
 
Diferença entre tempo e clima Massas de ar; Massas de ar que influenciam o cl...
Diferença entre tempo e clima Massas de ar; Massas de ar que influenciam o cl...Diferença entre tempo e clima Massas de ar; Massas de ar que influenciam o cl...
Diferença entre tempo e clima Massas de ar; Massas de ar que influenciam o cl...
Tânia Regina
 
Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]
Marco Aurélio Gondim
 
Seminário clima
Seminário climaSeminário clima
Seminário clima
LUIS ABREU
 
Clima brasileiro
Clima brasileiroClima brasileiro
Clima brasileiro
Adriana Gomes Messias
 
Tipos de Clima
Tipos de ClimaTipos de Clima
Tipos de Clima
Dora Amarante
 
Tipos de Clima
Tipos de ClimaTipos de Clima
Tipos de Clima
Sebastião Herodes
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima e vegetação do Brasil
Clima e vegetação do BrasilClima e vegetação do Brasil
Clima e vegetação do Brasil
Portal do Vestibulando
 
Clima e Vegetação
Clima e VegetaçãoClima e Vegetação
Clima e Vegetação
geochp
 
climas do brasil e seus respectivos biomas
climas do brasil e seus respectivos biomasclimas do brasil e seus respectivos biomas
climas do brasil e seus respectivos biomas
RodrigoSaraiva28
 
Climatologia e as grandes paisagens
Climatologia e as grandes paisagensClimatologia e as grandes paisagens
Climatologia e as grandes paisagens
Fabrício Almeida
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
karolpoa
 
Quadro climatobotânico do brasil reginaldo 3 o ano
Quadro climatobotânico do brasil  reginaldo 3 o anoQuadro climatobotânico do brasil  reginaldo 3 o ano
Quadro climatobotânico do brasil reginaldo 3 o ano
stjamesmkt
 
Climas e climogramas do brasil
Climas e climogramas do brasilClimas e climogramas do brasil
Climas e climogramas do brasil
Camila Brito
 
climas do brasil.pdf
climas do brasil.pdfclimas do brasil.pdf
climas do brasil.pdf
Xablau1
 
Climas do mundo
Climas do mundoClimas do mundo
Climas do mundo
Blog do Prof. Elienai
 
Aula sobre climas do Brasil concurso IBGE - Prof Rafael Gatto
Aula sobre climas do Brasil concurso IBGE - Prof Rafael GattoAula sobre climas do Brasil concurso IBGE - Prof Rafael Gatto
Aula sobre climas do Brasil concurso IBGE - Prof Rafael Gatto
Rafael Gatto
 

Semelhante a Clima do brasil (20)

Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Clima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetaçãoClima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetação
 
Diferença entre tempo e clima Massas de ar; Massas de ar que influenciam o cl...
Diferença entre tempo e clima Massas de ar; Massas de ar que influenciam o cl...Diferença entre tempo e clima Massas de ar; Massas de ar que influenciam o cl...
Diferença entre tempo e clima Massas de ar; Massas de ar que influenciam o cl...
 
Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]
 
Seminário clima
Seminário climaSeminário clima
Seminário clima
 
Clima brasileiro
Clima brasileiroClima brasileiro
Clima brasileiro
 
Tipos de Clima
Tipos de ClimaTipos de Clima
Tipos de Clima
 
Tipos de Clima
Tipos de ClimaTipos de Clima
Tipos de Clima
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
 
Clima e vegetação do Brasil
Clima e vegetação do BrasilClima e vegetação do Brasil
Clima e vegetação do Brasil
 
Clima e Vegetação
Clima e VegetaçãoClima e Vegetação
Clima e Vegetação
 
climas do brasil e seus respectivos biomas
climas do brasil e seus respectivos biomasclimas do brasil e seus respectivos biomas
climas do brasil e seus respectivos biomas
 
Climatologia e as grandes paisagens
Climatologia e as grandes paisagensClimatologia e as grandes paisagens
Climatologia e as grandes paisagens
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
 
Quadro climatobotânico do brasil reginaldo 3 o ano
Quadro climatobotânico do brasil  reginaldo 3 o anoQuadro climatobotânico do brasil  reginaldo 3 o ano
Quadro climatobotânico do brasil reginaldo 3 o ano
 
Climas e climogramas do brasil
Climas e climogramas do brasilClimas e climogramas do brasil
Climas e climogramas do brasil
 
climas do brasil.pdf
climas do brasil.pdfclimas do brasil.pdf
climas do brasil.pdf
 
Climas do mundo
Climas do mundoClimas do mundo
Climas do mundo
 
Aula sobre climas do Brasil concurso IBGE - Prof Rafael Gatto
Aula sobre climas do Brasil concurso IBGE - Prof Rafael GattoAula sobre climas do Brasil concurso IBGE - Prof Rafael Gatto
Aula sobre climas do Brasil concurso IBGE - Prof Rafael Gatto
 

Mais de Fatima Freitas

Mato grosso do sul
Mato grosso do sulMato grosso do sul
Mato grosso do sul
Fatima Freitas
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
Fatima Freitas
 
Guerra da coreia
Guerra da coreiaGuerra da coreia
Guerra da coreia
Fatima Freitas
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
Fatima Freitas
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
Fatima Freitas
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
Fatima Freitas
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
Fatima Freitas
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
Fatima Freitas
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
Fatima Freitas
 
Paisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planetaPaisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planeta
Fatima Freitas
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
Fatima Freitas
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido  Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
Fatima Freitas
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
Fatima Freitas
 
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Antiguidade oriental   mesopotâmia 1Antiguidade oriental   mesopotâmia 1
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Fatima Freitas
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Fatima Freitas
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
Fatima Freitas
 
Indígenas do brasil
Indígenas do brasilIndígenas do brasil
Indígenas do brasil
Fatima Freitas
 
A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colônia
Fatima Freitas
 
Atividade2,1
Atividade2,1Atividade2,1
Atividade2,1
Fatima Freitas
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
Fatima Freitas
 

Mais de Fatima Freitas (20)

Mato grosso do sul
Mato grosso do sulMato grosso do sul
Mato grosso do sul
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
 
Guerra da coreia
Guerra da coreiaGuerra da coreia
Guerra da coreia
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
Paisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planetaPaisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planeta
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido  Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
 
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Antiguidade oriental   mesopotâmia 1Antiguidade oriental   mesopotâmia 1
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
 
Indígenas do brasil
Indígenas do brasilIndígenas do brasil
Indígenas do brasil
 
A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colônia
 
Atividade2,1
Atividade2,1Atividade2,1
Atividade2,1
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
 

Último

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 

Último (20)

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 

Clima do brasil

  • 1. CLIMAS DO BRASIL Profª. – Fatima Ap. de Freitas ESCOLA ESTADUAL JOSE ALVES RIBEIRO
  • 2. Conceito • Clima corresponde ao conjunto de variações do tempo de uma determinada localidade. • Para estabelecer o clima de um lugar é necessário analisar os fenômenos atmosféricos durante um período de, aproximadamente 30 anos. • O clima está diretamente relacionado à formação vegetal.
  • 3. • No território brasileiro ocorre uma grande diversidade climática, pois o país apresenta grande extensão territorial com diferenças de relevo, altitude e dinâmica das massas de ar e das correntes marítimas, todos esses fatores influenciam no clima de uma região. • A maior parte da área do Brasil está localizada na Zona Intertropical, ou seja, nas zonas de baixas latitudes, com climas quentes e úmidos. • Outro fator interessante do clima brasileiro refere-se à amplitude térmica (diferença entre as médias anuais de temperatura máximas e mínimas), conforme se aproxima da linha do Equador, a amplitude térmica é menor.
  • 4. • O critério utilizado no Brasil para classificar os diferentes tipos de clima relaciona-se à origem, natureza e, principalmente, movimentação das massas de ar existentes no país (equatoriais, tropicais e polares). • Conforme análises climáticas realizadas no território brasileiro, foi possível estabelecer seis tipos de climas diferentes. • A diversidade climática ocorre por meio da ação de diversos fatores e elementos que influenciam o comportamento da atmosfera. • Em alguns pontos, predominam os efeitos de massas de ar quente; em outros, de massas de ar fio. • Há também as ações da vegetação, da altitude e das variações de latitude, entre outros aspectos.
  • 5. • Existem também vários modelos de classificação, de modo que usaremos a seguir a tipologia elaborada por A. Strahler. Confira o mapa abaixo:
  • 6. • Entre os climas apresentados no mapa acima, há de se mencionar que todos eles são dominados por massas de ar equatoriais e tropicais em conjunto, exceto a faixa de clima subtropical úmido, localizada na porção sul do país e controlada por massas de ar tropicais e polares. • A seguir, uma caracterização geral de cada um dos tipos de clima do Brasil: • Equatorial – Presente na Amazônia, ao norte de Mato Grosso e a oeste do Maranhão, sofre ação direta das massas de ar equatorial continental e equatorial atlântica, de ar quente e úmido. • Apresenta temperaturas médias elevadas (de 25 °C a 27 °C), chuvas durante todo o ano e reduzida amplitude térmica (inferior a 3 °C).
  • 7. • Tropical – Clima do Brasil Central, também presente na porção oriental do Maranhão, extensa parte do território do Piauí, na porção ocidental da Bahia e de Minas Gerais, além de ser encontrado também no extremo norte do país, em Roraima. • Caracteriza-se por temperatura elevada (18 °C a 28 °C), com amplitude térmica de 5 °C a 7 °C, e estações bem definidas (uma chuvosa e outra seca). • A estação de chuva ocorre no verão; no inverno ocorre a redução da umidade relativa em razão do período da estação seca. • O índice pluviométrico é de cerca de 1,5 mil milímetros anuais.
  • 8. • Tropical de Altitude – É encontrado nas partes mais elevadas, acima de 800 metros, do planalto Atlântico do Sudeste. • Abrange principalmente os estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo. • Está sob influência da massa de ar tropical atlântica, que provoca chuvas no período do verão. • Apresenta temperatura amena, entre 18 °C e 22 °C, e amplitude térmica anual entre 7 °C e 9 °C. • No inverno, as geadas ocorrem com certa frequência, em virtude da ação das frentes frias originadas do choque entre as massas tropical e polar.
  • 9. • Tropical Atlântico – Conhecido também como tropical úmido, compreende a faixa litorânea do Rio Grande do Norte ao Paraná. • Sofre a ação direta da massa tropical atlântica, que, por ser quente e úmida, provoca chuvas intensas. • A temperatura varia de 18 °C a 26 °C, apresenta amplitude térmica maior à medida que se avança em direção ao Sul. • No Nordeste, a maior concentração de chuva ocorre no inverno, já no Sudeste, ocorre no verão. • O índice pluviométrico médio é alto, de 2 mil milímetros anuais.
  • 10. • Subtropical – Ocorre nas latitudes abaixo do trópico de Capricórnio. Está presente no sul do estado de São Paulo e na maior parte do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. • É influenciado pela massa polar atlântica, possui temperatura média anual de 18 °C e amplitude térmica elevada (10 °C). • As chuvas não são muito intensas, mil milímetros anuais, porém, ocorrem de forma bem distribuída na região. • Nessa região climática do Brasil são comuns as geadas e nevadas. O verão é muito quente e a temperatura pode ultrapassar os 30 °C. • O inverno, bastante frio, apresenta as temperaturas mais baixas do país, inferiores a 0 °C.
  • 11. • Semiárido – Ocorre no interior do Nordeste, na região conhecida como Polígono das Secas. • Corresponde a quase todo o sertão nordestino e aos vales médio e inferior do rio São Francisco. • Caracteriza-se por temperaturas elevadas (média de 27 °C) e chuvas escassas e mal distribuídas, em torno de 700 milímetros anuais. • Há períodos em que a massa equatorial atlântica (superúmida) chega ao litoral norte da região Nordeste e atinge o sertão, causando chuvas intensas nos meses de fevereiro, março e abril.