SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
A REVOLUÇÃOA REVOLUÇÃO
INDUSTRIALINDUSTRIAL
ESCOLA ESTADUAL “JOSÉ ALVES RIBEIRO”ESCOLA ESTADUAL “JOSÉ ALVES RIBEIRO”
2º.Ano – Ensino Médio2º.Ano – Ensino Médio
Profª. – Fatima FreitasProfª. – Fatima Freitas
• Foram as mudanças ocorridas na
economia da Europa na segunda metade
do século XVIII, por volta de 1750, na
maneira de fabricar produtos. Além disso
as relações sociais também foram
atingidas, pois os homens passam a se
relacionar de outra forma.
CONCEITO:CONCEITO:
FABRICAÇÃO DEFABRICAÇÃO DE
UTENSÍLIOSUTENSÍLIOS
Desde a Pré-História,
o homem já
transformava matérias
primas como
pedras,barro,peles em
produtos úteis à sua
sobrevivência.
Esse meio de produzir
denominou-se
artesanato.
ANTES DA REVOLUÇÃOANTES DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIALINDUSTRIAL
• Artesanato:Artesanato: Foi a primeira forma deFoi a primeira forma de
fabricação de objetos, tendo surgido já nafabricação de objetos, tendo surgido já na
Pré-História. Nesse sistema, o artesão fazPré-História. Nesse sistema, o artesão faz
tudo sozinho: o tecelão faz o fio e tece,tudo sozinho: o tecelão faz o fio e tece,
produzindo o tecido; o sapateiro prepara oproduzindo o tecido; o sapateiro prepara o
couro, recorta-o e costura-o fabricando ocouro, recorta-o e costura-o fabricando o
sapatosapato..
• Manufatura:Manufatura: ( estágio( estágio
intermediário entreintermediário entre
artesanato e indústriaartesanato e indústria
típico da Idade Média). Hátípico da Idade Média). Há
uma divisão de tarefas,uma divisão de tarefas,
isto é, cada pessoaisto é, cada pessoa
executa uma parte doexecuta uma parte do
trabalho. Na fabricação dotrabalho. Na fabricação do
sapato, um prepara osapato, um prepara o
couro, outro corta-o, outrocouro, outro corta-o, outro
costura e assim por diante.costura e assim por diante.
Esse sistema possibilita oEsse sistema possibilita o
aumento da produção.aumento da produção.
Todas as operaçõesTodas as operações
essenciais são feitas à mãoessenciais são feitas à mão
pelo trabalhador com apelo trabalhador com a
ajuda de ferramentasajuda de ferramentas
manuais, predominandomanuais, predominando
até 1750.até 1750.
• Mecanização: é a
forma mais complexa
de produção
industrial. Consiste na
utilização de máquinas
em substituição às
ferramentas e ao
próprio trabalho do
homem. Iniciou-se por
volta de 1750, com a
Revolução Industrial.
CAUSAS DA REVOLUÇÃOCAUSAS DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIALINDUSTRIAL
• A expansão do comércio, possibilitando a
acumulação de capital nas mãos da burguesia
européia, que queria aplicá-lo em outros setores;
• Crescimento do mercado consumidor e
consequente exigência de novos produtos;
• Abolição das restrições impostas pelo
mercantilismo e abandono das práticas
absolutistas de governo a partir das idéias
liberais;
• Novas descobertas: termômetro, roda de fiar, o
tear, o relógio de pêndulo, etc., que vinham
surgindo na Europa desde a época do
renascimento.
O PIONEIRISMO INGLÊSO PIONEIRISMO INGLÊS
• Disponibilidade de capitais e de mão-de-obra;
• Supremacia naval;
• A instauração da monarquia constitucional;
– A ideologia liberal;
• (matéria-prima) A existência de jazidas de ferro e
de carvão.
• Posição geográfica – ficou livre das guerras
européias da Idade Moderna.
• A contribuição dos huguenotes com disponibilidade
de capitais e experiência empresarial.
AS INVENÇÕESAS INVENÇÕES
Máquina de fiar, que
acelerou a
fabricação de
tecidos no início da
Revolução
Industrial.
James Watt, máquina aJames Watt, máquina a
vapor (1760).vapor (1760).
Máquina de fiar(1768) (spinning Janny) de James Hargreaves.Máquina de fiar(1768) (spinning Janny) de James Hargreaves.
Filatório(1779), de Samuel Crompton, capaz de fiarFilatório(1779), de Samuel Crompton, capaz de fiar
mil fios de uma vez.mil fios de uma vez.
Tear mecânico(1787) -Tear mecânico(1787) -
Edmundo CartwrigthEdmundo Cartwrigth
Maquinário têxtil inglês: a automaçãoMaquinário têxtil inglês: a automação
crescente é marca da Revoluçãocrescente é marca da Revolução
IndustrialIndustrial
Primeira locomotiva a vapor, construída emPrimeira locomotiva a vapor, construída em
1804 pelo engenheiro inglês Richard1804 pelo engenheiro inglês Richard
TrevithickTrevithick
Encurtando distânciasEncurtando distâncias
Trabalhadoras na 1ª Revolução industrial – eram vistas comoTrabalhadoras na 1ª Revolução industrial – eram vistas como
mercadoriasmercadorias
não tinham direitos trabalhistas – nem ao menos o direito denão tinham direitos trabalhistas – nem ao menos o direito de
sentar durante o expedientesentar durante o expediente
Dura realidade do sistemaDura realidade do sistema
CapitalistaCapitalista
• Muitos trabalhadores
são explorados ao
máximo, com mais de
12h diariamente
• Havia preferência de
crianças e mulheres,
para o trabalho devido
a menor remuneração.
As máquinas eram adaptadas aoAs máquinas eram adaptadas ao
trabalho infantiltrabalho infantil
Aos poucos a produção manual e ruralAos poucos a produção manual e rural
é substituída pela industrial e urbanaé substituída pela industrial e urbana..
IMPACTOS DO AVANÇOIMPACTOS DO AVANÇO
INDUSTRIAL:INDUSTRIAL:
• Urbanização: as cidades cresceram em função
da concentração de indústrias e da grande massa
de trabalhadores. A população urbana aumentou
rapidamente.
• Divisão do trabalho: o operário perdia a noção
de conjunto do processo produtivo. Conduzindo à
especialização das tarefas e à Alienação do
trabalhador em relação do processo global.
• Produção em série: massificar (padronizar o
gosto) o gosto dos compradores dos produtos
industriais.
• Desenvolvimento dos transportes e da
comunicação: a Revolução Industrial contribuiu
para o progresso dos meios de transportes e
comunicação: navio a vapor, telégrafo, telefone,
automóvel, locomotiva
ANTES E PÓS REVOLUÇÃOANTES E PÓS REVOLUÇÃO
INDUSTRIALINDUSTRIAL
• URBANIZAÇÃO
• Consolidação do modo de produção
capitalista;
• Produção realizada em grandes fábricas;
• Concentração da produção industrial em
centros urbanos;
• Aumento da produção e seu
barateamento, possibilitando acesso a um
maior número de pessoas;
CARACTERÍSTCAS DACARACTERÍSTCAS DA
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
• O trabalho é uma
mercadoria que o
trabalhador vende um
troca de um salário;
• Separação entre capital
(burguês) e trabalho
(operário);
• Produção realizada
para um mercado
desconhecido;
• Surgimento de novos
grupos sociais: a
classe operária (vende
a sua força de trabalho)
e a burguesia (dona
dos meios de
produção).
• OBRIGADO
PELA ATENÇÃO
E ATÉ A
PRÓXIMA!!!
Profª. – Fatima Freitas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Isabel Aguiar
 
Revolução industrial 3
Revolução industrial 3Revolução industrial 3
Revolução industrial 3
Tamara Silva
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
Paulo Alexandre
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Aulas de História
 
Revolucaoindustrial 091220091726
Revolucaoindustrial 091220091726Revolucaoindustrial 091220091726
Revolucaoindustrial 091220091726
Moacir E Nalin
 

Mais procurados (20)

Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
4 revolucao industrial
4 revolucao industrial4 revolucao industrial
4 revolucao industrial
 
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. MedeirosPrimeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Revolução industrial 3
Revolução industrial 3Revolução industrial 3
Revolução industrial 3
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
 
O IMPERIALISMO
O IMPERIALISMOO IMPERIALISMO
O IMPERIALISMO
 
Capitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evoluçãoCapitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evolução
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Revolucaoindustrial 091220091726
Revolucaoindustrial 091220091726Revolucaoindustrial 091220091726
Revolucaoindustrial 091220091726
 

Destaque

Direitos étnicos e raciais
Direitos étnicos e raciaisDireitos étnicos e raciais
Direitos étnicos e raciais
Fatima Freitas
 
Geografia ppt capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt   capitalismo e a revolução industrialGeografia ppt   capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt capitalismo e a revolução industrial
Amadeu Neto
 
Revoltas do período regencial
Revoltas do período regencialRevoltas do período regencial
Revoltas do período regencial
Fatima Freitas
 

Destaque (20)

Direitos étnicos e raciais
Direitos étnicos e raciaisDireitos étnicos e raciais
Direitos étnicos e raciais
 
Revoltas no brasil colonial
Revoltas no brasil colonialRevoltas no brasil colonial
Revoltas no brasil colonial
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
 
Revolucao Industrial
Revolucao  Industrial   Revolucao  Industrial
Revolucao Industrial
 
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Antiguidade oriental   mesopotâmia 1Antiguidade oriental   mesopotâmia 1
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
 
Brasil democrático (1945 1964)
Brasil democrático (1945 1964)Brasil democrático (1945 1964)
Brasil democrático (1945 1964)
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
 
Rio + 20
Rio + 20Rio + 20
Rio + 20
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
A contrarreforma
A contrarreformaA contrarreforma
A contrarreforma
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
Geografia ppt capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt   capitalismo e a revolução industrialGeografia ppt   capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt capitalismo e a revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
O EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGOO EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGO
 
Indígenas do brasil
Indígenas do brasilIndígenas do brasil
Indígenas do brasil
 
A Revolução Francesa de 1789
A Revolução Francesa de 1789A Revolução Francesa de 1789
A Revolução Francesa de 1789
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido  Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
 
Revoltas do período regencial
Revoltas do período regencialRevoltas do período regencial
Revoltas do período regencial
 

Semelhante a Slides a revolução industrial 2º. ano

20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial
Franciele Souza
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
Rafael Camargo
 
Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2
Carla Prestes
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Zeze Silva
 
A vida do operário
A vida do operárioA vida do operário
A vida do operário
eb23ja
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
Hary Duarte
 
Setores de produção
Setores de produçãoSetores de produção
Setores de produção
Italo Alan
 

Semelhante a Slides a revolução industrial 2º. ano (20)

Industrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.pptIndustrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.ppt
 
20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Consequências da revolução industrial
Consequências da revolução industrialConsequências da revolução industrial
Consequências da revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A vida do operário
A vida do operárioA vida do operário
A vida do operário
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Aula 11 rev. industrial e socialismo
Aula 11   rev. industrial e socialismoAula 11   rev. industrial e socialismo
Aula 11 rev. industrial e socialismo
 
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômicoA revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
A indústria
A indústriaA indústria
A indústria
 
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIALERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
O trabalho
O trabalhoO trabalho
O trabalho
 
Revolução Industrial e o Espaço Geografico
Revolução Industrial e o Espaço GeograficoRevolução Industrial e o Espaço Geografico
Revolução Industrial e o Espaço Geografico
 
Setores de produção
Setores de produçãoSetores de produção
Setores de produção
 

Mais de Fatima Freitas

Mais de Fatima Freitas (15)

Mato grosso do sul
Mato grosso do sulMato grosso do sul
Mato grosso do sul
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
 
Guerra da coreia
Guerra da coreiaGuerra da coreia
Guerra da coreia
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
Paisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planetaPaisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planeta
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
 
A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colônia
 
Atividade2,1
Atividade2,1Atividade2,1
Atividade2,1
 
O método das ciencias da natureza
O método das ciencias da naturezaO método das ciencias da natureza
O método das ciencias da natureza
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 

Slides a revolução industrial 2º. ano

  • 1. A REVOLUÇÃOA REVOLUÇÃO INDUSTRIALINDUSTRIAL ESCOLA ESTADUAL “JOSÉ ALVES RIBEIRO”ESCOLA ESTADUAL “JOSÉ ALVES RIBEIRO” 2º.Ano – Ensino Médio2º.Ano – Ensino Médio Profª. – Fatima FreitasProfª. – Fatima Freitas
  • 2. • Foram as mudanças ocorridas na economia da Europa na segunda metade do século XVIII, por volta de 1750, na maneira de fabricar produtos. Além disso as relações sociais também foram atingidas, pois os homens passam a se relacionar de outra forma. CONCEITO:CONCEITO:
  • 3. FABRICAÇÃO DEFABRICAÇÃO DE UTENSÍLIOSUTENSÍLIOS Desde a Pré-História, o homem já transformava matérias primas como pedras,barro,peles em produtos úteis à sua sobrevivência. Esse meio de produzir denominou-se artesanato.
  • 4. ANTES DA REVOLUÇÃOANTES DA REVOLUÇÃO INDUSTRIALINDUSTRIAL • Artesanato:Artesanato: Foi a primeira forma deFoi a primeira forma de fabricação de objetos, tendo surgido já nafabricação de objetos, tendo surgido já na Pré-História. Nesse sistema, o artesão fazPré-História. Nesse sistema, o artesão faz tudo sozinho: o tecelão faz o fio e tece,tudo sozinho: o tecelão faz o fio e tece, produzindo o tecido; o sapateiro prepara oproduzindo o tecido; o sapateiro prepara o couro, recorta-o e costura-o fabricando ocouro, recorta-o e costura-o fabricando o sapatosapato..
  • 5. • Manufatura:Manufatura: ( estágio( estágio intermediário entreintermediário entre artesanato e indústriaartesanato e indústria típico da Idade Média). Hátípico da Idade Média). Há uma divisão de tarefas,uma divisão de tarefas, isto é, cada pessoaisto é, cada pessoa executa uma parte doexecuta uma parte do trabalho. Na fabricação dotrabalho. Na fabricação do sapato, um prepara osapato, um prepara o couro, outro corta-o, outrocouro, outro corta-o, outro costura e assim por diante.costura e assim por diante. Esse sistema possibilita oEsse sistema possibilita o aumento da produção.aumento da produção. Todas as operaçõesTodas as operações essenciais são feitas à mãoessenciais são feitas à mão pelo trabalhador com apelo trabalhador com a ajuda de ferramentasajuda de ferramentas manuais, predominandomanuais, predominando até 1750.até 1750.
  • 6. • Mecanização: é a forma mais complexa de produção industrial. Consiste na utilização de máquinas em substituição às ferramentas e ao próprio trabalho do homem. Iniciou-se por volta de 1750, com a Revolução Industrial.
  • 7. CAUSAS DA REVOLUÇÃOCAUSAS DA REVOLUÇÃO INDUSTRIALINDUSTRIAL • A expansão do comércio, possibilitando a acumulação de capital nas mãos da burguesia européia, que queria aplicá-lo em outros setores; • Crescimento do mercado consumidor e consequente exigência de novos produtos; • Abolição das restrições impostas pelo mercantilismo e abandono das práticas absolutistas de governo a partir das idéias liberais; • Novas descobertas: termômetro, roda de fiar, o tear, o relógio de pêndulo, etc., que vinham surgindo na Europa desde a época do renascimento.
  • 8. O PIONEIRISMO INGLÊSO PIONEIRISMO INGLÊS • Disponibilidade de capitais e de mão-de-obra; • Supremacia naval; • A instauração da monarquia constitucional; – A ideologia liberal; • (matéria-prima) A existência de jazidas de ferro e de carvão. • Posição geográfica – ficou livre das guerras européias da Idade Moderna. • A contribuição dos huguenotes com disponibilidade de capitais e experiência empresarial.
  • 9.
  • 10. AS INVENÇÕESAS INVENÇÕES Máquina de fiar, que acelerou a fabricação de tecidos no início da Revolução Industrial.
  • 11. James Watt, máquina aJames Watt, máquina a vapor (1760).vapor (1760).
  • 12. Máquina de fiar(1768) (spinning Janny) de James Hargreaves.Máquina de fiar(1768) (spinning Janny) de James Hargreaves.
  • 13. Filatório(1779), de Samuel Crompton, capaz de fiarFilatório(1779), de Samuel Crompton, capaz de fiar mil fios de uma vez.mil fios de uma vez.
  • 14. Tear mecânico(1787) -Tear mecânico(1787) - Edmundo CartwrigthEdmundo Cartwrigth
  • 15. Maquinário têxtil inglês: a automaçãoMaquinário têxtil inglês: a automação crescente é marca da Revoluçãocrescente é marca da Revolução IndustrialIndustrial
  • 16. Primeira locomotiva a vapor, construída emPrimeira locomotiva a vapor, construída em 1804 pelo engenheiro inglês Richard1804 pelo engenheiro inglês Richard TrevithickTrevithick
  • 18.
  • 19.
  • 20. Trabalhadoras na 1ª Revolução industrial – eram vistas comoTrabalhadoras na 1ª Revolução industrial – eram vistas como mercadoriasmercadorias não tinham direitos trabalhistas – nem ao menos o direito denão tinham direitos trabalhistas – nem ao menos o direito de sentar durante o expedientesentar durante o expediente
  • 21. Dura realidade do sistemaDura realidade do sistema CapitalistaCapitalista • Muitos trabalhadores são explorados ao máximo, com mais de 12h diariamente • Havia preferência de crianças e mulheres, para o trabalho devido a menor remuneração.
  • 22. As máquinas eram adaptadas aoAs máquinas eram adaptadas ao trabalho infantiltrabalho infantil
  • 23. Aos poucos a produção manual e ruralAos poucos a produção manual e rural é substituída pela industrial e urbanaé substituída pela industrial e urbana..
  • 24. IMPACTOS DO AVANÇOIMPACTOS DO AVANÇO INDUSTRIAL:INDUSTRIAL: • Urbanização: as cidades cresceram em função da concentração de indústrias e da grande massa de trabalhadores. A população urbana aumentou rapidamente. • Divisão do trabalho: o operário perdia a noção de conjunto do processo produtivo. Conduzindo à especialização das tarefas e à Alienação do trabalhador em relação do processo global. • Produção em série: massificar (padronizar o gosto) o gosto dos compradores dos produtos industriais. • Desenvolvimento dos transportes e da comunicação: a Revolução Industrial contribuiu para o progresso dos meios de transportes e comunicação: navio a vapor, telégrafo, telefone, automóvel, locomotiva
  • 25. ANTES E PÓS REVOLUÇÃOANTES E PÓS REVOLUÇÃO INDUSTRIALINDUSTRIAL
  • 27. • Consolidação do modo de produção capitalista; • Produção realizada em grandes fábricas; • Concentração da produção industrial em centros urbanos; • Aumento da produção e seu barateamento, possibilitando acesso a um maior número de pessoas; CARACTERÍSTCAS DACARACTERÍSTCAS DA REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
  • 28. • O trabalho é uma mercadoria que o trabalhador vende um troca de um salário; • Separação entre capital (burguês) e trabalho (operário); • Produção realizada para um mercado desconhecido; • Surgimento de novos grupos sociais: a classe operária (vende a sua força de trabalho) e a burguesia (dona dos meios de produção).
  • 29. • OBRIGADO PELA ATENÇÃO E ATÉ A PRÓXIMA!!! Profª. – Fatima Freitas