SlideShare uma empresa Scribd logo
MATO GROSSO DO SUL
Profª Fatima Freitas
Localização e território
• O estado de Mato Grosso
do Sul está localizado no
sul da região Centro-
Oeste do Brasil e tem
como limites os estados
de Goiás a nordeste,
Minas Gerais a leste,
Mato Grosso ao norte,
Paraná ao sul, São Paulo a
sudeste, Paraguai a oeste
e sul e a Bolívia a
noroeste.
• Possui uma superfície de 358.159 km²,
participando com 22,2% da superfície da
região Centro-Oeste e 4,2% da área territorial
brasileira (de 8.514.876,6 km²), sendo
ligeiramente maior que a Alemanha.
• Possui ainda 78 municípios, 165 distritos,
quatro mesorregiões geográficas e onze
microrregiões geográficas, de acordo com o
IBGE.
• População: 2.682.386 (estimativa de 2016 - IBGE) / 2.449.024
(Censo 2010)
• Área (em km²): 357.145,534
• Densidade Demográfica (habitantes por km²): 7,51
(estimativa 2016)
• Índice de Desenvolvimento Humano (IDH): 0,729 - alto
(2010)
• Principais Atividades Econômicas: agricultura, pecuária,
serviços e mineração.
• Mortalidade Infantil (antes de completar 1 ano): 15,4 por mil
(em 2015)
• Analfabetismo: 7,05% (em 2015)
• Expectativa de vida (anos): 74,7 (em 2015)
Mato grosso do sul
RELEVO
• Não ocorrem grandes altitudes nas duas
principais formações montanhosas, as serras
da Bodoquena e de Maracaju, que formam os
divisores de águas das bacias do Paraguai e do
Paraná. As altitudes médias do estado ficam
entre 200 e 600 metros.
• O planalto da bacia do Paraná ocupa toda a
porção leste do estado.
• Constitui uma projeção do planalto
Meridional, grande unidade de relevo que
domina a região sul do país.
• Apresenta extensas superfícies planas, com
400 a mil metros de altitude.
• Já a baixada do rio Paraguai, domina a região
oeste, com rupturas de declives ou relevos
residuais, representados por escarpas e
morrarias.
• Estendendo-se por uma vasta área de
noroeste do estado, a baixada do rio Paraguai
é parte da grande depressão que separa, no
centro do continente, o planalto Brasileiro, a
leste, da Cordilheira dos Andes, a oeste.
• Sua maior porção é formada por uma planície
aluvial sujeita a inundações periódicas, a
planície do Pantanal, cujas altitudes oscilam
entre 100 e 200m.
• Em meio à planície do Pantanal ocorrem
alguns maciços isolados, como o de Urucum,
com 1.160m de altitude, próximo à cidade de
Corumbá.
Mato grosso do sul
VEGETAÇÃO
• Complexo do Pantanal
Os cerrados recobrem a maior parte do estado,
mas também destaca-se a Floresta Estacional.
• Há ainda a presença de pampas e Mata
Atlântica.
• Na planície do Pantanal, no oeste do estado,
durante o período de cheias do Rio Paraguai , a
região vira a maior região alagadiça do planeta, lá
se combinam vegetações de todo o Brasil, até
mesmo da Caatinga e da Floresta Amazônica, e é
um dos biomas com maior abundância de
biodiversidade do Brasil, embora seja
considerada pouco rica em número de espécies.
POPULAÇÃO
A população de Mato Grosso do Sul tem
crescido a altos níveis desde a década de 1870,
quando o estado passou a ser efetivamente
povoado.
Entre a década de 1940 e o ano de 2008, a
população aumentou quase dez vezes, ao passo
em que a população do Brasil, no mesmo
período, aumentou pouco mais que quatro
vezes.
• Isso, no entanto, não se dá devido a uma alta
taxa de natalidade no estado, mas à grande
quantidade de migrantes de outros estados
ou imigrantes em Mato Grosso do Sul.
• Segundo o IBGE, no ano de 2005, 30,2% da
população residente no estado não era
natural daquela unidade da federação, ao
passo em que a taxa de fecundidade no
estado no ano 2000 era a décima menor do
Brasil, com 2,4 filhos por mulher.
ETNIA
• Cor/Raça (*)Porcentagem
Brancos 51,1%
Pretos 5,3%
Pardos 41,8 %
Amarelos ou indígenas 1,7 %
Mato grosso do sul
HIDROGRAFIA
• Vista aérea do Rio Paranaíba na divisa de
Itumbiara (GO) e Araporã (MG).O território
estadual é drenado a leste pelos sistemas dos
rios Paraná, sendo seus principais afluentes os
rios Sucuriú, Verde, Pardo e Ivinhema; a oeste
é drenado pelo Paraguai, cujos principais
afluentes são os rios Taquari, Aquidauana e
Miranda.
• Pelo Rio Paraguai escoam as águas da planície
do Pantanal e terrenos periféricos.
• Na baixada, produzem-se anualmente
inundações de longa duração devido ao
extremo assoreamento causado pela retirada
das matas ciliares.
• De novembro a março, o Pantanal vive o
período das cheias, as depressões são
inundadas, formando extensos lagos,
reconhecidos como Baías.
• Alguns desses lagos são alcalinos,
apresentando diferentes cores e suas águas,
de acordo com as algas que ali se
desenvolvem e criam matizes de verde,
amarelo, azul, vermelho ou preto.
• Esses lagos também se interligam ou não por
pequenos rios perenes ou periódicos.
• Nas enchentes ocorre uma interligação entre
rios, braços, baías na vazante, a terra
enriquecida pelo húmus, se transforma na
mais rica fonte de alimentos para sua flora e
fauna.
• Na estação da vazante (de abril a outubro), os
rios começam a baixar seus leitos, formando
"corixos" ou baías que retém grande quantidade
de peixes, fenômeno conhecido pelo nome de
"lufada".
• De julho a setembro a terra é mais seca e a
temperatura é amena, chegando a esfriar à noite.
• No início das chuvas, de outubro a dezembro, o
calor é intenso, os rios começam a inundar as
terras baixas, os mosquitos proliferam e os
mamíferos migram para as terras altas.
• A linha de divisa com o estado de Mato Grosso
segue limites naturais formados por vários rios.
CLIMA
• As manifestações climáticas são as mais variadas, porém, o
clima predominante é o tropical, com duas estações bem
definidas, uma chuvosa (verão) e outra seca (inverno).
• Nesses locais a temperatura média varia de acordo com o
relevo, pois nas partes mais baixas a temperatura média
anual é de 26ºC, enquanto que nos planaltos é de 23ºC.
• Os índices pluviométricos chegam a 1.500 mm ao ano.
• No extremo sul do Estado o clima que influencia é o
subtropical, com temperatura média em torno de 20ºC,
podendo, nos períodos de inverno, reduzir a temperatura
abaixo de 10ºC.
ECONOMIA
• Localizado na região Centro-Oeste, o estado de Mato Grosso
do Sul contribuiu, em 2008, com 1,1% para o Produto Interno
Bruto (PIB) brasileiro.
• No âmbito regional, sua participação foi de 11,9%, sendo a
menor entre as unidades federativas do Centro-Oeste.
• Entretanto, o estado vem apresentando o maior crescimento
econômico da região.
• A composição do PIB de Mato Grosso do Sul é a seguinte:
• Agropecuária – 15,8%.
Indústria – 16,7%.
• A agropecuária é um elemento de fundamental importância
para a economia estadual, pois ela impulsiona o setor
industrial e de serviços.
• A agricultura se baseia nos cultivos de arroz, café, trigo,
milho, feijão, mandioca, algodão, amendoim, cana-de-açúcar
e, principalmente, soja, produto do qual o estado é um dos
maiores produtores do Brasil.
• Na pecuária, Mato Grosso do Sul detém o maior rebanho
bovino do país.
• Atualmente, o estado é o segundo maior exportador de carne
bovina do Brasil.
• Também há rebanhos equinos (cavalos), asininos (burros,
jumentos) e muares (mulas).
• Mato Grosso do Sul também possui significativas jazidas de
ferro, manganês, calcário, mármore e estanho, com destaque
para o maciço de Urucum, em que há uma expressiva jazida
de minério de ferro e manganês.
• O estado vem apresentando um intenso processo de
industrialização.
• Assim como na maioria dos estados do Brasil, Mato Grosso do
Sul concede incentivos fiscais para a instalação de indústrias.
• Os resultados dessa política são satisfatórios - a contribuição
do setor industrial na economia do estado subiu de 13% em
1990 para 15,8% em 2007.
• Os principais segmentos são o alimentício, têxtil, siderúrgico e
químico, que estão instalados em quatro grandes polos
industriais:
• Campo Grande – destacam-se os frigoríficos, curtumes,
laticínios e indústrias de móveis;
• Dourados – apresenta indústrias de farelo, álcool, açúcar e
têxtil;
• Corumbá – polo industrial de minérios e calcário, cimento e
os estaleiros;
• Três Lagoas – está se diversificando a cada ano, porém, os
maiores destaques são as cerâmicas, curtumes, laticínios e
bebidas.
TURISMO
• A exuberância do ecossistema no estado do Mato Grosso do
Sul atrai turistas para a região.
• O local mais procurado pelos turistas é o Parque Nacional do
Pantanal Matogrossense, considerado um Patrimônio Natural
da Humanidade, segundo a UNESCO.
• No município de Bonito, a mais de 250 km de distancia da
capital do estado, está localizada a Serra da Bodoquena,
outro paraíso natural.
• Nesses locais, a natureza impressiona os turistas, tamanha a
beleza e fragilidade do ecossistema.
• Um dos lugares mais visitados da Serra da Bodoquena é a
Gruta do Lago Azul.
Referências bibliográficas
• http://www.infoescola.com/mato-grosso-do-
sul/economia-do-mato-grosso-do-sul/
• http://brasilescola.uol.com.br/brasil/economi
a-mato-grosso-sul.htm
• http://www.suapesquisa.com/estadosbrasileir
os/estado_mato_grosso_sul.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Região sudeste slides
Região sudeste slidesRegião sudeste slides
Região sudeste slides
Ivone Rosa Sa
 
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
profacacio
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
Jane Mary Lima Castro
 
Formação Territorial do Brasil
Formação Territorial do BrasilFormação Territorial do Brasil
Formação Territorial do Brasil
Ivanilson Lima
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
Prof.Paulo/geografia
 
População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundial
Uilson Pereira da Silva
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Christie Freitas
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
Carminha
 
Migraçoes
MigraçoesMigraçoes
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Abner de Paula
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
Prof.Paulo/geografia
 
Urbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópolesUrbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópoles
Professor
 
Slide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do BrasilSlide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do Brasil
Laisa Cabral Caetano
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
Professor
 
Geografia Do Brasil RegiõEs
Geografia Do Brasil   RegiõEsGeografia Do Brasil   RegiõEs
Geografia Do Brasil RegiõEs
Mateus Silva
 
Regionalização da américa
Regionalização da américaRegionalização da américa
Regionalização da américa
Gustavo Silva de Souza
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
victorjunio82
 
Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
André Luiz Marques
 
PROCESSO DE URBANIZAÇÃO
PROCESSO DE URBANIZAÇÃOPROCESSO DE URBANIZAÇÃO
PROCESSO DE URBANIZAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
Prof. Francesco Torres
 

Mais procurados (20)

Região sudeste slides
Região sudeste slidesRegião sudeste slides
Região sudeste slides
 
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
Formação Territorial do Brasil
Formação Territorial do BrasilFormação Territorial do Brasil
Formação Territorial do Brasil
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundial
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
 
Migraçoes
MigraçoesMigraçoes
Migraçoes
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
Urbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópolesUrbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópoles
 
Slide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do BrasilSlide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do Brasil
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
 
Geografia Do Brasil RegiõEs
Geografia Do Brasil   RegiõEsGeografia Do Brasil   RegiõEs
Geografia Do Brasil RegiõEs
 
Regionalização da américa
Regionalização da américaRegionalização da américa
Regionalização da américa
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
 
PROCESSO DE URBANIZAÇÃO
PROCESSO DE URBANIZAÇÃOPROCESSO DE URBANIZAÇÃO
PROCESSO DE URBANIZAÇÃO
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 

Destaque

A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colônia
Fatima Freitas
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
Fatima Freitas
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
Douglas Barraqui
 
República dos Militares (1964-1985)
República dos Militares (1964-1985)República dos Militares (1964-1985)
República dos Militares (1964-1985)
Elton Zanoni
 
Segundo Reinado - situaçao interna do Brasil
Segundo Reinado - situaçao interna do BrasilSegundo Reinado - situaçao interna do Brasil
Segundo Reinado - situaçao interna do Brasil
Elton Zanoni
 
Segundo Reinado: situação externa e crise
Segundo Reinado: situação externa e criseSegundo Reinado: situação externa e crise
Segundo Reinado: situação externa e crise
Elton Zanoni
 
O Segundo Reinado
O Segundo ReinadoO Segundo Reinado
O Segundo Reinado
Elton Zanoni
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
Fatima Freitas
 
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Antiguidade oriental   mesopotâmia 1Antiguidade oriental   mesopotâmia 1
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Fatima Freitas
 
Revolucao Industrial
Revolucao  Industrial   Revolucao  Industrial
Revolucao Industrial
Fatima Freitas
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
Fatima Freitas
 
Brasil democrático (1945 1964)
Brasil democrático (1945 1964)Brasil democrático (1945 1964)
Brasil democrático (1945 1964)
Fatima Freitas
 
Imperialismo
Imperialismo Imperialismo
Imperialismo
Elton Zanoni
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
Fatima Freitas
 
As Constituições brasileiras
As Constituições brasileirasAs Constituições brasileiras
As Constituições brasileiras
Elton Zanoni
 
Rio + 20
Rio + 20Rio + 20
Rio + 20
Fatima Freitas
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Fatima Freitas
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
crie_historia8
 
Competição ou cooperação
Competição ou cooperaçãoCompetição ou cooperação
Competição ou cooperação
R D
 
Direitos étnicos e raciais
Direitos étnicos e raciaisDireitos étnicos e raciais
Direitos étnicos e raciais
Fatima Freitas
 

Destaque (20)

A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colônia
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
República dos Militares (1964-1985)
República dos Militares (1964-1985)República dos Militares (1964-1985)
República dos Militares (1964-1985)
 
Segundo Reinado - situaçao interna do Brasil
Segundo Reinado - situaçao interna do BrasilSegundo Reinado - situaçao interna do Brasil
Segundo Reinado - situaçao interna do Brasil
 
Segundo Reinado: situação externa e crise
Segundo Reinado: situação externa e criseSegundo Reinado: situação externa e crise
Segundo Reinado: situação externa e crise
 
O Segundo Reinado
O Segundo ReinadoO Segundo Reinado
O Segundo Reinado
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
 
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Antiguidade oriental   mesopotâmia 1Antiguidade oriental   mesopotâmia 1
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
 
Revolucao Industrial
Revolucao  Industrial   Revolucao  Industrial
Revolucao Industrial
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
 
Brasil democrático (1945 1964)
Brasil democrático (1945 1964)Brasil democrático (1945 1964)
Brasil democrático (1945 1964)
 
Imperialismo
Imperialismo Imperialismo
Imperialismo
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
 
As Constituições brasileiras
As Constituições brasileirasAs Constituições brasileiras
As Constituições brasileiras
 
Rio + 20
Rio + 20Rio + 20
Rio + 20
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Competição ou cooperação
Competição ou cooperaçãoCompetição ou cooperação
Competição ou cooperação
 
Direitos étnicos e raciais
Direitos étnicos e raciaisDireitos étnicos e raciais
Direitos étnicos e raciais
 

Semelhante a Mato grosso do sul

Os Complexos Regionais
Os Complexos RegionaisOs Complexos Regionais
Os Complexos Regionais
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Os complexos regionais brasileiros
Os complexos regionais brasileirosOs complexos regionais brasileiros
Os complexos regionais brasileiros
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Centro oeste
Centro oesteCentro oeste
Centro oeste
kallinyribeiro
 
Região centro oeste
Região centro oeste Região centro oeste
Região centro oeste
Matheus Wagner dos Santos Martins
 
Modulo 14 - O Complexo Centro-Sul
Modulo 14 - O Complexo Centro-SulModulo 14 - O Complexo Centro-Sul
Modulo 14 - O Complexo Centro-Sul
Claudio Henrique Ramos Sales
 
2 complexo regional-centro-sul
2 complexo regional-centro-sul2 complexo regional-centro-sul
2 complexo regional-centro-sul
Lucas Cechinel
 
8 complexo regional-centro-sul
8 complexo regional-centro-sul8 complexo regional-centro-sul
8 complexo regional-centro-sul
Lucas Cechinel
 
3ano 1bi pga-2_hist_geo
3ano 1bi pga-2_hist_geo3ano 1bi pga-2_hist_geo
3ano 1bi pga-2_hist_geo
takahico
 
Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
John Joseph
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
Ana Selma Sena Santos
 
Região Sudeste do Brasil
Região Sudeste do BrasilRegião Sudeste do Brasil
Região Sudeste do Brasil
Francine Lunardi - GRADUAÇÃO
 
Geografia de Mato Grosso
Geografia de Mato GrossoGeografia de Mato Grosso
Geografia de Mato Grosso
heder oliveira silva
 
Regiões Brasileiras - Centro-Oeste
Regiões Brasileiras - Centro-OesteRegiões Brasileiras - Centro-Oeste
Regiões Brasileiras - Centro-Oeste
André Zambon
 
Região centro-oeste Prof. Tiago Marinho
Região centro-oeste Prof. Tiago MarinhoRegião centro-oeste Prof. Tiago Marinho
Região centro-oeste Prof. Tiago Marinho
Tiago Marinho
 
Concurso da PM - Geografia da Paraíba
Concurso da PM - Geografia da ParaíbaConcurso da PM - Geografia da Paraíba
Concurso da PM - Geografia da Paraíba
Colégio Certo - Rio Tinto/PB
 
Geografia de Mato Grosso
Geografia de Mato GrossoGeografia de Mato Grosso
Geografia de Mato Grosso
heder oliveira silva
 
ApresentaçãO Hg2
ApresentaçãO Hg2ApresentaçãO Hg2
ApresentaçãO Hg2
veroleal
 
Matogroso completo
Matogroso completoMatogroso completo
Matogroso completo
Neide Zegarra
 
Mato grosso do sul em geografia
Mato grosso do sul em geografiaMato grosso do sul em geografia
Mato grosso do sul em geografia
UFMS
 
As regiões
As regiõesAs regiões
As regiões
ZONIVALDO
 

Semelhante a Mato grosso do sul (20)

Os Complexos Regionais
Os Complexos RegionaisOs Complexos Regionais
Os Complexos Regionais
 
Os complexos regionais brasileiros
Os complexos regionais brasileirosOs complexos regionais brasileiros
Os complexos regionais brasileiros
 
Centro oeste
Centro oesteCentro oeste
Centro oeste
 
Região centro oeste
Região centro oeste Região centro oeste
Região centro oeste
 
Modulo 14 - O Complexo Centro-Sul
Modulo 14 - O Complexo Centro-SulModulo 14 - O Complexo Centro-Sul
Modulo 14 - O Complexo Centro-Sul
 
2 complexo regional-centro-sul
2 complexo regional-centro-sul2 complexo regional-centro-sul
2 complexo regional-centro-sul
 
8 complexo regional-centro-sul
8 complexo regional-centro-sul8 complexo regional-centro-sul
8 complexo regional-centro-sul
 
3ano 1bi pga-2_hist_geo
3ano 1bi pga-2_hist_geo3ano 1bi pga-2_hist_geo
3ano 1bi pga-2_hist_geo
 
Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 
Região Sudeste do Brasil
Região Sudeste do BrasilRegião Sudeste do Brasil
Região Sudeste do Brasil
 
Geografia de Mato Grosso
Geografia de Mato GrossoGeografia de Mato Grosso
Geografia de Mato Grosso
 
Regiões Brasileiras - Centro-Oeste
Regiões Brasileiras - Centro-OesteRegiões Brasileiras - Centro-Oeste
Regiões Brasileiras - Centro-Oeste
 
Região centro-oeste Prof. Tiago Marinho
Região centro-oeste Prof. Tiago MarinhoRegião centro-oeste Prof. Tiago Marinho
Região centro-oeste Prof. Tiago Marinho
 
Concurso da PM - Geografia da Paraíba
Concurso da PM - Geografia da ParaíbaConcurso da PM - Geografia da Paraíba
Concurso da PM - Geografia da Paraíba
 
Geografia de Mato Grosso
Geografia de Mato GrossoGeografia de Mato Grosso
Geografia de Mato Grosso
 
ApresentaçãO Hg2
ApresentaçãO Hg2ApresentaçãO Hg2
ApresentaçãO Hg2
 
Matogroso completo
Matogroso completoMatogroso completo
Matogroso completo
 
Mato grosso do sul em geografia
Mato grosso do sul em geografiaMato grosso do sul em geografia
Mato grosso do sul em geografia
 
As regiões
As regiõesAs regiões
As regiões
 

Mais de Fatima Freitas

Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
Fatima Freitas
 
Guerra da coreia
Guerra da coreiaGuerra da coreia
Guerra da coreia
Fatima Freitas
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
Fatima Freitas
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
Fatima Freitas
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
Fatima Freitas
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
Fatima Freitas
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
Fatima Freitas
 
Paisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planetaPaisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planeta
Fatima Freitas
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
Fatima Freitas
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido  Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
Fatima Freitas
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
Fatima Freitas
 
Indígenas do brasil
Indígenas do brasilIndígenas do brasil
Indígenas do brasil
Fatima Freitas
 
Atividade2,1
Atividade2,1Atividade2,1
Atividade2,1
Fatima Freitas
 
A Revolução Francesa de 1789
A Revolução Francesa de 1789A Revolução Francesa de 1789
A Revolução Francesa de 1789
Fatima Freitas
 
O EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGOO EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGO
Fatima Freitas
 
O método das ciencias da natureza
O método das ciencias da naturezaO método das ciencias da natureza
O método das ciencias da natureza
Fatima Freitas
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
Fatima Freitas
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
Fatima Freitas
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
Fatima Freitas
 
Revoltas no brasil colonial
Revoltas no brasil colonialRevoltas no brasil colonial
Revoltas no brasil colonial
Fatima Freitas
 

Mais de Fatima Freitas (20)

Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
 
Guerra da coreia
Guerra da coreiaGuerra da coreia
Guerra da coreia
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
Paisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planetaPaisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planeta
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido  Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
 
Indígenas do brasil
Indígenas do brasilIndígenas do brasil
Indígenas do brasil
 
Atividade2,1
Atividade2,1Atividade2,1
Atividade2,1
 
A Revolução Francesa de 1789
A Revolução Francesa de 1789A Revolução Francesa de 1789
A Revolução Francesa de 1789
 
O EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGOO EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGO
 
O método das ciencias da natureza
O método das ciencias da naturezaO método das ciencias da natureza
O método das ciencias da natureza
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
 
Revoltas no brasil colonial
Revoltas no brasil colonialRevoltas no brasil colonial
Revoltas no brasil colonial
 

Último

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 

Último (20)

RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 

Mato grosso do sul

  • 1. MATO GROSSO DO SUL Profª Fatima Freitas
  • 2. Localização e território • O estado de Mato Grosso do Sul está localizado no sul da região Centro- Oeste do Brasil e tem como limites os estados de Goiás a nordeste, Minas Gerais a leste, Mato Grosso ao norte, Paraná ao sul, São Paulo a sudeste, Paraguai a oeste e sul e a Bolívia a noroeste.
  • 3. • Possui uma superfície de 358.159 km², participando com 22,2% da superfície da região Centro-Oeste e 4,2% da área territorial brasileira (de 8.514.876,6 km²), sendo ligeiramente maior que a Alemanha. • Possui ainda 78 municípios, 165 distritos, quatro mesorregiões geográficas e onze microrregiões geográficas, de acordo com o IBGE.
  • 4. • População: 2.682.386 (estimativa de 2016 - IBGE) / 2.449.024 (Censo 2010) • Área (em km²): 357.145,534 • Densidade Demográfica (habitantes por km²): 7,51 (estimativa 2016) • Índice de Desenvolvimento Humano (IDH): 0,729 - alto (2010) • Principais Atividades Econômicas: agricultura, pecuária, serviços e mineração. • Mortalidade Infantil (antes de completar 1 ano): 15,4 por mil (em 2015) • Analfabetismo: 7,05% (em 2015) • Expectativa de vida (anos): 74,7 (em 2015)
  • 6. RELEVO • Não ocorrem grandes altitudes nas duas principais formações montanhosas, as serras da Bodoquena e de Maracaju, que formam os divisores de águas das bacias do Paraguai e do Paraná. As altitudes médias do estado ficam entre 200 e 600 metros.
  • 7. • O planalto da bacia do Paraná ocupa toda a porção leste do estado. • Constitui uma projeção do planalto Meridional, grande unidade de relevo que domina a região sul do país. • Apresenta extensas superfícies planas, com 400 a mil metros de altitude. • Já a baixada do rio Paraguai, domina a região oeste, com rupturas de declives ou relevos residuais, representados por escarpas e morrarias.
  • 8. • Estendendo-se por uma vasta área de noroeste do estado, a baixada do rio Paraguai é parte da grande depressão que separa, no centro do continente, o planalto Brasileiro, a leste, da Cordilheira dos Andes, a oeste. • Sua maior porção é formada por uma planície aluvial sujeita a inundações periódicas, a planície do Pantanal, cujas altitudes oscilam entre 100 e 200m.
  • 9. • Em meio à planície do Pantanal ocorrem alguns maciços isolados, como o de Urucum, com 1.160m de altitude, próximo à cidade de Corumbá.
  • 11. VEGETAÇÃO • Complexo do Pantanal Os cerrados recobrem a maior parte do estado, mas também destaca-se a Floresta Estacional. • Há ainda a presença de pampas e Mata Atlântica. • Na planície do Pantanal, no oeste do estado, durante o período de cheias do Rio Paraguai , a região vira a maior região alagadiça do planeta, lá se combinam vegetações de todo o Brasil, até mesmo da Caatinga e da Floresta Amazônica, e é um dos biomas com maior abundância de biodiversidade do Brasil, embora seja considerada pouco rica em número de espécies.
  • 12. POPULAÇÃO A população de Mato Grosso do Sul tem crescido a altos níveis desde a década de 1870, quando o estado passou a ser efetivamente povoado. Entre a década de 1940 e o ano de 2008, a população aumentou quase dez vezes, ao passo em que a população do Brasil, no mesmo período, aumentou pouco mais que quatro vezes.
  • 13. • Isso, no entanto, não se dá devido a uma alta taxa de natalidade no estado, mas à grande quantidade de migrantes de outros estados ou imigrantes em Mato Grosso do Sul. • Segundo o IBGE, no ano de 2005, 30,2% da população residente no estado não era natural daquela unidade da federação, ao passo em que a taxa de fecundidade no estado no ano 2000 era a décima menor do Brasil, com 2,4 filhos por mulher.
  • 14. ETNIA • Cor/Raça (*)Porcentagem Brancos 51,1% Pretos 5,3% Pardos 41,8 % Amarelos ou indígenas 1,7 %
  • 16. HIDROGRAFIA • Vista aérea do Rio Paranaíba na divisa de Itumbiara (GO) e Araporã (MG).O território estadual é drenado a leste pelos sistemas dos rios Paraná, sendo seus principais afluentes os rios Sucuriú, Verde, Pardo e Ivinhema; a oeste é drenado pelo Paraguai, cujos principais afluentes são os rios Taquari, Aquidauana e Miranda.
  • 17. • Pelo Rio Paraguai escoam as águas da planície do Pantanal e terrenos periféricos. • Na baixada, produzem-se anualmente inundações de longa duração devido ao extremo assoreamento causado pela retirada das matas ciliares. • De novembro a março, o Pantanal vive o período das cheias, as depressões são inundadas, formando extensos lagos, reconhecidos como Baías.
  • 18. • Alguns desses lagos são alcalinos, apresentando diferentes cores e suas águas, de acordo com as algas que ali se desenvolvem e criam matizes de verde, amarelo, azul, vermelho ou preto. • Esses lagos também se interligam ou não por pequenos rios perenes ou periódicos. • Nas enchentes ocorre uma interligação entre rios, braços, baías na vazante, a terra enriquecida pelo húmus, se transforma na mais rica fonte de alimentos para sua flora e fauna.
  • 19. • Na estação da vazante (de abril a outubro), os rios começam a baixar seus leitos, formando "corixos" ou baías que retém grande quantidade de peixes, fenômeno conhecido pelo nome de "lufada". • De julho a setembro a terra é mais seca e a temperatura é amena, chegando a esfriar à noite. • No início das chuvas, de outubro a dezembro, o calor é intenso, os rios começam a inundar as terras baixas, os mosquitos proliferam e os mamíferos migram para as terras altas. • A linha de divisa com o estado de Mato Grosso segue limites naturais formados por vários rios.
  • 20. CLIMA • As manifestações climáticas são as mais variadas, porém, o clima predominante é o tropical, com duas estações bem definidas, uma chuvosa (verão) e outra seca (inverno). • Nesses locais a temperatura média varia de acordo com o relevo, pois nas partes mais baixas a temperatura média anual é de 26ºC, enquanto que nos planaltos é de 23ºC. • Os índices pluviométricos chegam a 1.500 mm ao ano. • No extremo sul do Estado o clima que influencia é o subtropical, com temperatura média em torno de 20ºC, podendo, nos períodos de inverno, reduzir a temperatura abaixo de 10ºC.
  • 21. ECONOMIA • Localizado na região Centro-Oeste, o estado de Mato Grosso do Sul contribuiu, em 2008, com 1,1% para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. • No âmbito regional, sua participação foi de 11,9%, sendo a menor entre as unidades federativas do Centro-Oeste. • Entretanto, o estado vem apresentando o maior crescimento econômico da região. • A composição do PIB de Mato Grosso do Sul é a seguinte: • Agropecuária – 15,8%. Indústria – 16,7%.
  • 22. • A agropecuária é um elemento de fundamental importância para a economia estadual, pois ela impulsiona o setor industrial e de serviços. • A agricultura se baseia nos cultivos de arroz, café, trigo, milho, feijão, mandioca, algodão, amendoim, cana-de-açúcar e, principalmente, soja, produto do qual o estado é um dos maiores produtores do Brasil. • Na pecuária, Mato Grosso do Sul detém o maior rebanho bovino do país. • Atualmente, o estado é o segundo maior exportador de carne bovina do Brasil. • Também há rebanhos equinos (cavalos), asininos (burros, jumentos) e muares (mulas).
  • 23. • Mato Grosso do Sul também possui significativas jazidas de ferro, manganês, calcário, mármore e estanho, com destaque para o maciço de Urucum, em que há uma expressiva jazida de minério de ferro e manganês. • O estado vem apresentando um intenso processo de industrialização. • Assim como na maioria dos estados do Brasil, Mato Grosso do Sul concede incentivos fiscais para a instalação de indústrias. • Os resultados dessa política são satisfatórios - a contribuição do setor industrial na economia do estado subiu de 13% em 1990 para 15,8% em 2007.
  • 24. • Os principais segmentos são o alimentício, têxtil, siderúrgico e químico, que estão instalados em quatro grandes polos industriais: • Campo Grande – destacam-se os frigoríficos, curtumes, laticínios e indústrias de móveis; • Dourados – apresenta indústrias de farelo, álcool, açúcar e têxtil; • Corumbá – polo industrial de minérios e calcário, cimento e os estaleiros; • Três Lagoas – está se diversificando a cada ano, porém, os maiores destaques são as cerâmicas, curtumes, laticínios e bebidas.
  • 25. TURISMO • A exuberância do ecossistema no estado do Mato Grosso do Sul atrai turistas para a região. • O local mais procurado pelos turistas é o Parque Nacional do Pantanal Matogrossense, considerado um Patrimônio Natural da Humanidade, segundo a UNESCO. • No município de Bonito, a mais de 250 km de distancia da capital do estado, está localizada a Serra da Bodoquena, outro paraíso natural. • Nesses locais, a natureza impressiona os turistas, tamanha a beleza e fragilidade do ecossistema. • Um dos lugares mais visitados da Serra da Bodoquena é a Gruta do Lago Azul.
  • 26. Referências bibliográficas • http://www.infoescola.com/mato-grosso-do- sul/economia-do-mato-grosso-do-sul/ • http://brasilescola.uol.com.br/brasil/economi a-mato-grosso-sul.htm • http://www.suapesquisa.com/estadosbrasileir os/estado_mato_grosso_sul.htm