SlideShare uma empresa Scribd logo
+

Área Tecnológica de Manutenção Industrial

AJUSTAGEM
Área Tecnológica de Manutenção Industrial

AJUSTAGEM

SALVADOR
2003
Copyright © 2003 por SENAI CIMATEC. Todos os direitos reservados.
Área Tecnológica de Manutenção Industrial
Elaboração: Francisco Freire e Adelson Ribeiro de Almeida Jr.
Revisão Técnica: Solano Cristóvão da Silveira
Revisão Pedagógica:
Normalização: Maria do Carmo Oliveira Ribeiro

Catalogação na fonte (Núcleo de Informação Tecnológica – NIT)
_______________________________________________________________

SENAI CIMATEC – Centro Integrado de Manufatura
e Tecnologia. Ajustagem. Salvador, 2003. 50p. il.
(Rev.00)

1. Ajustagem

I. Título

CDD 621
_____________________________________________________
SENAI CIMATEC
Av. Orlando Gomes, 1845 - Piatã
Salvador – Bahia – Brasil
CEP 41650-010
Tel. (71) 462-9500
Fax (71) 462-9599
http://www.cimatec.fieb.org.br
MENSAGEM DO SENAI CIMATEC

O SENAI CIMATEC visa desenvolver um programa avançado de suporte
tecnológico para suprir as necessidades de formação de recursos humanos
qualificados, prestação de serviços especializados e promoção de pesquisa
aplicada nas tecnologias computacionais integradas da manufatura.
Com uma moderna estrutura laboratorial e um corpo técnico especializado, o
CIMATEC desenvolve programas de intercâmbio tecnológico com instituições de
ensino e pesquisa, locais e internacionais.
Tudo isso sem desviar a atenção das necessidades da comunidade, atendendo
suas expectativas de formação profissional, suporte tecnológico e
desenvolvimento, contribuindo para uma constante atualização da indústria baiana
de manufatura e para a alavancagem do potencial das empresas existentes ou
emergentes no estado.
APRESENTAÇÃO
O grande desafio do Profissional do ajustador mecânico, consiste em
conhecer os princípios e fundamentos da ajustagem, as ferramentas e
instrumentos,para de posse deste conhecimento, poder melhor executar com
mais eficiência suas atividades no trabalho.
Visando facilitar o alcance desses objetivos é que estruturamos este
módulo, de forma didática, com uma linguagem mais acessível, facilitando o
seu entendimento e conseqüentemente sua aprendizagem.
O sucesso nos estudos depende do seu esforço pessoal e da busca por
novas aprendizagens e desafios.
SUMÁRIO
1. Propriedades mecânicas do aço carbono
2. Ferro fundido
3. Lima.
4. Elementos de fixação (morsa)
5. Instrumento de controle
6. Punção de marcar
7. Compasso
8. Instrumento de traçar
9. Serra
10. Ferramentas para obter roscas
11. Roscas
12. Furadeiras
Referências bibliográficas

09
11
13
19
20
20
24
25
28
32
36
46
1. Propriedades mecânicas do aço carbono
O aço carbono é um dos mais importantes materiais metálicos usados na
indústria uma vez que a maior parte dos órgãos de máquinas são fabricados com
ele. Devido às suas propriedades mecânicas, das quais as mais importantes são a
ductilidade e a maleabilidade, o aço carbono pode ser:
1. Soldado (fig. 1)
2. Curvado (fig. 2)
3. Forjado (fig.3)
4. Torcido (fig. 4)

5. Dobrado (fig. 5)
6. Trabalhado por ferramentas de corte (fig. 6)
7. Estirados em fios (fig.7)
8. Laminado (fig. 8)

9
1.2. Classificação do aço e sua utilização
Os aços comuns classificam-se de acordo com o teor de carbono, uma vez
que é este o ele mento que exerce maior influência nas propriedades do aço.
De acordo com o teor de carbono, tem-se a seguinte classificação:
Se o teor de O tipo de aço quanto E sua utilização será em
carbono for de
à dureza será ENTÃO
Chapas – Fios – Parafusos – Tubos
0,05% a 0,15%
Extra-Macio
estirados – Produtos de Caldeiraria
Barras laminadas e perfiladas,
0,15% a 030%
Macio
parafusos
Porcas, arruelas e outros órgãos de
máquinas.
Peças especiais de máquinas e
0,30% a 0,40%
Meio-macio
motores e Ferramentas para a
agricultura
Peças de grande dureza –
0,40% a 0,60%
Meio-duro
Ferramentas de Corte – Molas –
Trilhos
Peças de grande dureza e
0,60% a 1,50%
Duro a Extra-Duro
resistência – Molas – Cabos –
Cutelaria


•
•
•

Comentários

Os tipos de aço EXTRA-MACIO, não adquirem têmpera.
O tipo MEIO-MACIO, apresenta início de têmpera.
O tipo MEIO-DURO, adquire boa têmpera, enquanto que o DURO a
EXTRA-DURO, adquirem têmpera fácil.

10
1.3. Formas comerciais
As formas comerciais do aço carbono são:
1.
2.
3.
4.
5.

BARRAS
PERFILADOS
CHAPAS
TUBOS
ARAMES

As BARRAS têm, em geral, 6 ou 12 metros de comprimento e a sua forma
pode ser quadrada, redonda, retangular e hexagonal.
AS CHAPAS, de acordo com sua espessura, podem ser classificadas em:
1.
2.
3.

FINAS, com espessura de 0 a 3 mm.
MÉDIAS, com espessura de 3 a 5 mm.
GROSSAS, com espessura de 5 mm em diante

AS CHAPAS são fabricadas nos seguintes tamanhos:
1.
2.
3.

1m x 2m
1m x 3m
0,60m x 1,20m

2. Ferro fundido
O FERRO FUNDIDO é uma LIGA FERRO-CARBONO que contém de 2,5 a
5% de carbono. É um material metálico refinado em fornos próprios, denominados
cubilô, e obtido na fusão da gusa.

2.1. Composição do ferro fundido
Maior parte de FERRO e pequenas
MANGANÊS, SILÍCIO, ENXOFRE e FÓSFORO.

quantidades

de

CARBONO,

A presença de MANGANÊS, SILÌCIO, ENXOFRE e FÓSFORO na
composição do ferro fundido é conseqüência das impurezas deixadas pelo minério
de ferro e carvão. O SILÌCIO e o MANGANÊS melhoram as qualidades da
fundição, enquanto que o ENXOFRE e o FÓSFORO, se em porcentagem muito
alta, são prejudiciais à mesma.

11
O FERRO FUNDIDO pode ser:
•
•

FERRO FUNDIDO CINZENTO
FERRO FUNDIDO BRANCO

2.2. Características do ferro fundido cinzento
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.

O carbono apresenta-se quase todo em estado livre, sob a forma de
palhetas pretas de grafita.
Quando quebrada, a parte fraturada é escura, devido à grafita
Apresenta elevadas porcentagens de carbono (3,5 a 5%), de silício
(2,5%) e de manganês (0,5 a 0,85%)
Resistente à compressão
Irresistente à tração
Facilidade de ser trabalhado por ferramentas manuais e mecânicas
Utiliza-se na construção de peças de máquinas, sendo um material
importante para a fabricação mecânica.

2.3. Características do ferro fundido branco
1.
2.
3.
4.

O carbono é inteiramente combinado com o ferro, constituído um
carboneto de ferro (CEMENTITA)
Quando quebrado, a parte fraturada é brilhante e quase branca
Apresenta baixo teor de carbono (2,5 a 3%), de silício (menos de 1%)
e de manganês (0,1 a 0,3%)
Muito duro, quebradiço e difícil de ser usinado.

O FERRO FUNDIDO mais empregado é o cinzento, por ser menos duro e
menos frágil do que o branco, e pode ser trabalhado com ferramentas comuns, ou
seja, sofre acabamentos posteriores, como aplainamento, torneamento, furação,
roscamento e outros.
O emprego do FERRO FUNDIDO BRANCO limita-se a casos em que se
busca dureza e resistência ao desgaste muito alto, sem que a peça necessite ao
mesmo tempo dúctil.

12
3. Limas
São ferramentas de cortes de grande emprego nas operações de ajustagem
mecânica.
A ajustagem mecânica consiste em um trabalho manual, sendo o ajuste feito
a lima.
A qualidade dos trabalhos executados com a lima depende da habilidade do
operador desde que seja este trabalho realizado com a lima de características
aconselháveis á sua execução.
A figura 1 mostra uma lima com suas partes construtivas.

Fig. 09
As Limas são classificadas e especificadas de acordo com cinco diferentes
características:

3.1. Tamanho: o tamanho da lima é dado pelo o comprimento do seu
corpo, sem contar com o punho, espiga ou haste que penetra no cabo.
A largura da lima é proporcional ao seu comprimento, as medidas podem ser
expressas em milímetros ou polegadas, sendo empregadas
em oficinas limas com o comprimento variando de 2 a 24
polegadas, o comprimento é escolhido de acordo com a obra.
A espessura diminui do centro em direção à ponta e à
espiga o que permite melhor execução de superfícies planas.
3.2. Tipo de picado: o picado diz respeito á
disposição e a forma dos dentes. Pode ser simples (dentes
em uma só direção) e duplo ou cruzado (dentes em duas
direções).
Picado simples.
Neste tipo de picado, os dentes se apresentam de forma
ininterrupta em toda largura da lima, este tipo de picado
permite uns ataques maciços ao material, que exige grande
esforço de operação; é, portanto empregado para um material
mais macio, ou para operações de acabamento, em que se
realiza pequena retirada de material. A inclinação do picado
permite melhor escape das aparas.

Fig. 10
13
Picado duplo ou cruzado.
Este tipo de picado é empregado para materiais mais duros e conduz a uma
superfície mais lisa, isto porque permite melhor subdivisão de esforços já que tira
aparas menores.

3.3. Espaçamento entre dentes ou grau de picado.
De acordo com o espaçamento entre dentes, podemos ter a seguinte
classificação das limas.
Fig. 11
Grossa E.
Bastarda F.
Bastardinha G.
Murça H.
Murça fina I.

Como é evidente, quanto mais fino o corte, menor e menos profundo devem
ser os dentes, note-se que o tamanho absoluto dos dentes depende, não só de
sua classificação, mas também do comprimento da lima, o espaçamento entre
dentes de igual classificação é maior nas limas de maior comprimento, o mesmo
grau de picado pode apresentar aspecto e características diferentes de acordo
com o tamanho. A norma alemã DIN estabelece a escala do grau por números: 00
muito grossa até 10, lima de pó.
As limas grosas são usadas para desbastar grandes superfícies.
As limas bastardas se empregam para obras diversas quando não for
necessária grande precisão nem produzir acabamento fino.
As limas bastardinhas e murça são usadas em obras de precisão e
quando se deseja alisar a superfície da obra.
As limas murça fina (também extra-murça) só são usadas em obras mais
finas.

Forma da seção pode ser retangulares, triangulares, redondas, etc. A figura
abaixo mostra diversos tipos de lima quanto á seção.

14
Fig. 12

3.4. Operação de limar
A eficiência da operação de limar depende da correta posição de trabalho. A
figura apresenta a correta posição dos pés do operário, mostra a posição do corpo
do operário. O corpo deve acompanha o movimento dos braços. A peça a ser
limada deve ser fixada um pouco mais a baixo que o cotovelo do operário em
posição normal e a superfície de trabalho deve ficar aproximadamente na
horizontal.

15
Fig. 13
Como empunha a lima

Fig. 14

Montagem de cabo

Fig. 15

O operário normal trabalha firmando o cabo com a mão direita e guiando a
ponta da lima com o polegar e os dedos indicador e médio da mão esquerda.
Todos os dentes da lima são dirigidos para sua ponta de modo que só há
trabalho útil no movimento para frente. A não ser para alguns metais doces, a
pressão só deve ser exercida durante o movimento para frente e aliviada no
retorno.
Se for exercida pressão sobre metais duros, durante o retorno os dentes da
lima se quebrarão facilmente botando a lima fora de uso.

16
Em metais macios como alumínio e chumbo, deve-se exercer uma ligeira
pressão no retorno para se retirar partículas de metais que se agarram entre os
dentas da lima.
Nenhum trabalho com a lima é mais difícil do que executar superfícies
perfeitamente planas. No movimento alternado da ferramenta há a tendência
natural de balançá-la produzindo superfícies ligeiramente arredondadas.

Fig. 16
A operação de murçar ou limar lateralmente representada na figura abaixo
serve para produzir superfícies muito lisas com o mínimo de arranhões. Na
operação de murçar deve-se empregar lima murça de corte simples.
Fig. 17

Conselhos Práticos:
1 – Ao limar, observar a posição
correta de trabalho.

17
Fig. 18
2 – Aliviar a lima no recuo.

Fig. 19

3 – usar todo o comprimento da lima.
4 – quando necessário, usar uma lima para retira a camada arenosa de
peças fundidas ou capa de óxido de uma peça laminada; usar uma lima gasta pois
uma lima nova é rapidamente desgastada.
5 – As limas mais novas devem ser reservadas para latão e bronze; uma
lima que escorrega nestes materiais pode ainda trabalha eficientemente o ferro.
6 – Não limar peças mais dura que a lima. Peças fundidas com incrustações
de areia de molde destroem rapidamente o fio da lima.
7 – Não raspar com a lima, o trabalho no sentido contrário á direção de corte
dos dentes causará seu desgaste.
8 – Não limar demasiadamente rápido, a velocidade do trabalho é de 30 a 40
golpes por minuto.
9 – Usar primeiramente um lado da lima, só passando ao segundo quando o
primeiro estiver gasto.
10 – Desbastar primeiro toda a superfície a limar e a seguir executar a
acabamento.
11- Usar: Lima bastarda – quando desbastar mais que 0,5 mm.
Lima murça – quando desbastar entre de 0,5 a 0,2 mm.
Lima murça fina – quando desbastar menos que 0,2 mm.
12 – Não usar limas finas para desbastar materiais moles e usar limas de
tamanho compatível com o da peça a limar.
13 – Não usar lima como instrumento de percussão, pé de cabra ou
alavanca, a têmpera dada à lima a torna quebradiça.
As arestas dos dentes de limas novas não muito finas e afiladas, quebrandose antes de se desgastarem com o uso, se forem usadas em peças fundidas ou
forjadas com grande dureza, no trabalho de aço extra duro ou na aplicação contra
arestas vivas da obra. Uma lima nova deve ser empregada primeiro em metais
mais doce como latão e ferro fundido cinzento, de grão fino. Quanto mais nova a
lima menor deve ser a pressão de trabalho.
Aplicando-se a pressão excessiva sobre metal doce, este tende a soltar
partículas que aderem entre os dentes da lima, arranhando a superfície da peça.
18
Esse problema pode ser reduzido se previamente esfregamos giz na superfície da
lima.
Os dentes das limas são limpos, em geral, batendo-se ligeiramente a
ferramenta sobre um pedaço de madeira e limpando em seguida com uma escova
de aço, as partículas metálicas que se aderem fortemente entre os dentes podem
ser removidas com um estilete de aço.
Um embebimento prévio da lima em querosene torna a operação mais limpa,
mas, o querosene deve ser eliminado da ferramenta quando terminar o trabalho.
As limas são afiadas com jato de areia.

4. Elementos de fixação
4.1. Morsas
São acessórios, geralmente de ferro fundido, composto de duas mandíbulas,
uma fixa e outras móveis, que se desloca em uma guia, por meio de um parafuso
e uma porca, acionado por um manípulo. Os mordentes são de aço carbono,
estriados e fixados nas mandíbulas.

Fig. 20

Fig. 21

19
Fig. 22

Fig. 23

4.1.1. Emprego.
São utilizadas para a fixação de peças nas operações em furadeiras, plainas,
fresadoras e outras máquinas-ferramentas.
4.1.2. Características.
As morças de máquinas-ferramentas caracterizam-se pela suas formas e
aplicações, as de base fixa e giratória são encontradas, no comércio, pela sua
capacidade de abertura, largura de mordente e altura. As inclináveis se
caracterizam pela largura dos mordentes, capacidade máxima, inclinação em
graus, bases graduadas em graus e altura da morsa.
4.1.3. Conservação.
Manter os parafusos de fixação dos mordentes bem apertados, ajusta as
réguas da mandíbula móvel nas guias, limpe, lubrifique e guarde a morsa em lugar
adequado.

5. Instrumentos de controle
5.1. Réguas de controle
5.1.1. Réguas cantoneiras ou angulares.
Uma escala comum, rígida, com uma montagem apropriada se transforma
numa régua para risca rasgo de chavetas na superfície de eixo cilíndrico ou de
outras peças que necessitam de riscos paralelo ao eixo de rotação. Para o mesmo
fim são usadas réguas especiais.

Fig. 24

5.1.2. Réguas de fio retificado

20
Régua biselada constituída de aço carbono, em forma de faca, temperada e
retificada com o fio ligeiramente arredondado, é utilizada na verificação de
superfícies planas.
Régua triangular constituída de aço carbono, em forma de triângulo com
Fig. 25
canais côncavos no centro e em todo o comprimento de cada face temperada,
retificada e com fios arredondados.

Fig. 26
Réguas de faces retificadas ou rasqueteadas, régua de face plana
constituída de ferro fundido, com as faces planas retificadas ou rasqueteadas. É
utilizada para determinar as partes altas de superfícies planas que vão ser
rasqueteadas, tais as de barramento de máquinas-ferramentas.
Régua triangular plana é constituída de ferro fundido, em forma de prisma,
com suas faces retificadas ou rasqueteadas. É utilizada para verificar a
planicidade de supefícies em ângulo agudo, igual ou menor que 60 graus.

Fig. 27

Fig. 28

5.2. Esquadros e sutas

21
O “esquadro de ajustador” consiste em uma barra de aço com cerca de uma
polegada de largura e ½ de espessura, ligada a uma lamina de aço de 1 ½ “ a 6”
de comprimento. A lâmina não é graduada. É usada para verificar superfícies
supostas em ângulo reto, para traçar perpendiculares e, para qualquer serviço
relacionado com medidas em ângulos retos, figura abaixo.

Fig. 29
Provavelmente, nenhum instrumento de ajustador ou de mecânica
parece mais simples, mais rude ou menos preciso do que o esquadro.
Para mostra que essas conclusões são falsas, e que o esquadro de
ajustador é um instrumento de precisão, basta verificar algumas das
características:
Tanto a barra como a lâmina é temperada, revenida e polida.
O erro de esquadria entre a barra e a lâmina não deve exceder a ,0003” no
extremo da lâmina num esquadro de 6” (o que corresponde a ,005 mm em 100
Fig. 30
mm) e é proporcionalmente menor em lâmina mais curtas.
O erro de paralelismo entre as faces mais estreitas das lâminas não deve
exceder a 0,0005” em relação ao comprimento total(0,01 mm).
A mesma precisão deve ser esperada nas superfícies semelhante da barra.
É fácil concluir que qualquer descuido no uso desse instrumento prejudicará
a precisão inicial.

6. Punção de marcar
É um instrumento que serve para marcar pontos sobre uma
linha traçada. Os pontos marcados têm por finalidade facilitar a
sinalização das linhas.
O punção de marcar tem a ponta afilada que, colocado sobre
o ponto de referência no traçado, aí executa, sob a ação de ligeira
martelada, uma pequena mossa para marcar.
Os punções de marcar podem ser de dois tipos:

Fig. 31

- Singelo
- Com mola ou automático

22
O punção singelo é formado de cabeça cabo e ponta. Seu comprimento varia
entre 100 e 120 mm. A ponta é temperada com ângulo de 30 a 60 graus tendo o
corpo e cabo recartilhado.

Fig. 32
O punção automático marca pela pressão de uma mola. Para se operar
calca-se sua ponta contra a superfície a marcar até que a mola desarme.
Fig. 33
O punção de centrar tem a ponta mais obtusa que o de marcar. É usado com
um pesado martelo para produzir mossas profundas onde se pode colocar a ponta
de uma broca para iniciar um furo. Não se deve confundir o punção de marcar
com o punção de centrar que tem o ângulo da ponta de 90º a 120º
graus.

Fig. 34

Fig. 35

7. Compassos
Os compassos são instrumento destinado ao traçado de circunferência,
arcos, perpendiculares, divisão de ângulos, divisão de retas, marcação de centros,
etc.
Este compasso serve para traçar no metal arcos e círculos, determinar
perpendiculares e paralelos. Além disso, é empregado para transportar distância e
marcar divisões iguais.

23
Fig. 36

Fig. 37
Compasso de espessuras é o instrumento mais eficiente para comprovar
superfícies paralelas, neste caso o mecânico deve usá-lo com muita sensibilidade
e delicadeza, habituando-se a sentir com o tato, percebendo a pressão das
pontas. Daí dizer-se em relação a esta operação que se trata de ajustar ou
comprovar, na figura pode-se ver como se realiza essa operação.
O compasso de interiores serve para tomar medidas internas e verificar o
paralelismo das superfícies das concavidades

24
Fig. 38

Compassos com parafuso e mola esse tipo de compasso embora se torne
mais exato, o raio de ação é menor.

Fig. 39

8. Intumento e utencílio de traçar
8.1. Graminho
Instrumento formado de uma base, geralmente de ferro fundido ou de aço
carbono, e uma haste cilíndrica ou retangular, sobre a qual desliza um cursor com

um riscador. A haste e o cursor são de aço carbono.
8.1.1. Emprego
Utilizado para traçar e controlar peças, assim
para a centragem das peças nas máquinas
ferramentas.

8.1.2.Tipos

25
Graminho simples, Sua base é constituída de ferro fundido, rebaixada na
face de contato, para diminuir o atrito sobre a mesa de controle. Possui uma haste
cilíndrica de aço carbono, um cursor com parafuso de fixação e uma agulha de
aço temperado.
Fig. 40

Graminho com articulação, sua base pode
ser de aço carbono ou ferro fundido, possuindo
uma ranhura em V na face de contato para melhor
adaptação sobre barramento de torno e para
reduzir o atrito sobre a mesa de traçagem. Possui
também um cursor e uma haste cilíndrica,
sustentada por um parafuso de fixação alojado em
uma peça que se movimenta ao redor do eixo,
quando acionada pelo o parafuso de regulagem.
Esse movimento permite virar de forma precisa a
ponta da agulha.

Fig. 41

Graminho com escala e nônio, possui uma
base de ferro fundido, uma haste cilíndrica de aço carbono e uma régua graduada
em milímetros, a régua pode ser movida para cima e para baixo e também girada
em torno da coluna. Possui, além disso, um cursor movido por um sistema de
pinhão e cremalheira, um cursor com nônio, com aproximação de 0,1 mm, e uma
agulha de aço com ponta temperada.

26
Graminho de precisão, sua base de aço carbono é temperada, retificada,
de precisão e fino acabamento. Possui, também
uma escala em milímetros, uma haste retangular,
com perpendicularidade de precisão, um cursor
com aproximadamente 0,2 mm, um mecanismo de
ajuste mecânico e um riscador com ponta de metal
duro.

Fig. 42
43

Fig. 44

A traçagem é a operação que consiste em transportar para as peças brutas
ou semi-acabadas:
Os contornos exatos da peça acabada;
Localização de furos;
As arestas dos planos das superfícies a serem usinadas;
Plano de orientação para fixação da peça durante a usinagem;
Pontos, linhas e planos de referência que permitirão verificar se a
usinagem foi bem executada, etc.
Deve ser realizada com muita precisão. Um erro cometido na traçagem como
a localização errada de um furo pode inutilizar completamente a peça.
A traçagem é geralmente bastante demorada e de custo elevado. É sempre
empregado quando se fabrica uma ou varias peças em todas as oficinas de

27
manutenção, nas usinas de máquinas pesadas como turbinas, bombas,
locomotivas, redutores de velocidade, etc.
A traçagem conforme a forma da peça pode ser:
Plana ou bi-dimensional.
No espaço, tri-dimensional ou no ar.
A traçagem plana se aplica a chapas, nos trabalhos de caldeiraria, enquanto
que a no espaço às peças em três dimensões.
Nas usinas de fabricação seriada, como por exemplo, fábricas de
automóveis, máquinas ferramentas, máquinas de costura, etc., há seções
especialista de traçagem compostas de operário chamado traçadores quase
sempre provenientes de ajustadores e montadores mais qualificados.

9. SERRA – Arco de serra
A serra utilizada no corte manual de metais e de plásticos, consiste em uma
lamina de serra montada em um respectivo “arco de serra”. Os dentes são
dirigidos em uma só direção que corresponde à direção do trabalho. Nenhum corte
é realizado no curso de retorno.
As laminas são fornecidas em comprimentos que variam de 8 a 16
polegadas, medidas ente os furos que se ajustam aos pinos do arco de serra. Os
arcos possuem em geral, recursos para receber serras de vários comprimentos.
Os dentes das lâminas são travados, o que é necessário a fim de se ter uma
largura de corte maior do que a espessura do corpo da lâmina, permitindo o
movimento livre da ferramenta na obra.

Fig. 45

28
Os dentes da lâmina podem ter trava ondulada, alternada ou ancinho.
Quando há tendência para encher e ligar o material arrancado
dentro do corte, pode-se usar a trava em ancinho onde há um
dente para a direita, um sem desvio e um para a esquerda.
•
•
•

Alternada – 1 dente p/ esquerda, outro p/ direita.
Ancinho – 1 dente alinhado, 1 p/ direita e um p/
esquerda.
Ondulado – em forma de onda.

Fig. 46
Fig. 47

Os dentes alternados devem ser usados para materiais doces, Al, Cu, Zn,
latão, bronze, plástico, borracha, etc.
Os dentes ondulados – para aços ferramentas.
Os dentes em ancinho – para aços especiais.
O corte que é a espessura do canal deixado pela a serra deve ser levado em
conta no trabalho com as peças em dimensões precisas. A pasição da lamina em
relação ao traço executado na obra deve ser definida por um dos extremos dos
dentes e não pelo centro da lâmina.
Obs.: Quando se deseja cortes de grande precisão iniciá-los por um rasgo
feito por lima de 3 quinas e com a largura de corte. Assim, o trabalho começa
exatamente, na posição correta.

29
9.1. Números de dentes por polegadas
As serras têm geralmente, 14, 18, 24 ou 32 dentes por polegadas de
comprimento. O número de dentes por polegadas a ser usado depende do
material, a ser cortado e a espessura da seção reta da obra.
Para metais que produzem grandes cavacos, como diversos aços, comuns e
materiais macios (chumbo, zinco e alumínio), deve-se usar ferramenta com menor
número de dentes por polegadas, de modo a se dispor de mais espaço entre os
dentes para a saída do cavaco.
Lâminas de 14 dentes são utilizadas no corte de grandes secções de metais
resistentes.

Fig. 49

Latão, cobre e metais semelhantes podem ser cortados com serras de 24 a
32 dentes por polegada. Para o corte de tubos, perfís e chapas de mais de 0,050 “
de espessura ( número 18 ) é apropriada a de 24 dentes.

Fig. 50

30
Fig. 51

Lâminas de 18 dentes se aplicam no corte comum de peças cheias.

A de 32 dentes se aplica no corte de tubos de paredes finas e para chapas
finas.
Para evitar a quebra dos dentes deve-se escolher o número de dentes da
lâmina de com a espessura da obra. Deve-se ter no mínimo dois dentes em
contato com o material. Nos cortes de canto, a lâmina deve ser muito pouco
inclinada em relação á superfície do corte. Se a inclinação for grande os dentes
receberá um golpe muito forte ao atingir a peça.

O corte com arco de serra deve começar com golpes curtos e pequena
pressão. Os golpes seguintes são longos e firmes, indo até a extremidade da
lâmina, sem tocar no arco. A pressão e exercida no golpe para frente. O curso do
retorno é feito sem pressão.
A velocidade de corte menor que um golpe por segundo é a apropriada para
a maior quantidade de espécies de obras. A pressão deve ser reduzida logo que a
31
serra tenha passado completamente pela a peça a cortar. É necessário que o
corte comece bem perto, porque não é possível corrigi-lo, sob pena de produzir a
fratura na lâmina.
A obra deve ser presa de modo a se produzir o corte mais próximo ao
mordente da morsa. Essa observação é particularmente importante no trabalho de
peças finas. Peças muito finas devem ser calçadas de modo que o calço fique
abaixo da linha do corte.

10. Ferramentas para abrir roscas
10.1. Machos
Machos é uma ferramenta para executar rocas internas, como porcas, etc. O
macho tem filetes internos e rasgos longitudinais, originando daí o aparecimento
de arestas cortantes e sulcos necessários á saída dos cavacos.
Os machos para trabalhos manuais são formados em jogos de 3 unidades:
Fig. 53

macho desbastador (n°1), macho intermediário (n°2), macho acabador (n°3).
O macho n°1 possui uma conicidade na ponta que permite sua entrada no
furo e da início a rosca. O macho n°2 tem menor conicidade e o macho n°3 é
ligeiramente cônico na ponta.
Os machos podem ser de 2 tipos diferentes:
Machos manuais de perfil completo. Os três machos de um jogo cortam
filetes inteiros. São destinados a trabalhos que podem ser feitos internamente com
um só macho e, segundo a classe daqueles, escolhe-se um de desbastar, um
intermediário ou um acabador.
Machos manuais em série. O diâmetro externo, médio, e do núcleo, do
macho de desbastar e intermediário, são rebaixado. O macho de desbastar corta
32
filetes preliminares o intermediário alarga a rosca e o de acabar dá a esta sua
forma e diâmetro definitivo. Um jogo de macho de rosca fina compõe-se, como um
jogo de macho de aço rápido, de duas unidades, ou seja, uma unidade de
desbastar e outra de acabar. Os machos em série são destinados a trabalhos que
não podem ser feitos com um só macho e são empregados tanto para furos
transpassantes como para furos cegos.
Exemplo:
Utilizando-se um jogo de macho de perfil completo para roscar um furo cego
com profundidade igual a uma vez e meia o diâmetro do macho, o desbastador
faz 79% do trabalho, o intermediário somente 11% e o acabador 10%. A
conseqüência disso é que o primeiro macho se desgasta rapidamente em relação
aos outros dois.
Se, pelo contrário, empregamos machos em série, o trabalho se reparte
uniformemente entre os três, isto é, o de desbasta 58% do trabalho, o
intermediário 29% e o de acabamento 13%. Um jogo de macho em série tem
maior duração que um jogo de macho de perfil completo.
Os furos que atravessam a peça são geralmente rosqueados com macho n°1
que penetra no interior da rosca e geralmente aprofunda o filete. Quando se
rosqueam a mão furos de grande diâmetro o trabalho deve ser iniciado com
macho n°1 e continuado com o n°2. Para rosquear furos cegos ou aqueles que os
filetes não atingem o fundo do furo usa-se o macho n°1 até o ponto desejado. Em
seguida, retira-se o macho n°1 e utiliza-se o macho n°2 até o mesmo ponto,
finalmente os filetes são completados pelo n°3. Deve ser tomado muito cuidado
em não força o macho depois de atingir o fundo do furo, para evitar a quebra da

ferramenta.

Fig. 54

33
O trabalho manual com macho é feito por meio de um desandador de macho.
Para evitar quebra a ferramenta ela deve ser trabalhada girando-se ½ volta para a
direita, na direção do corte e 1/4 de volta para esquerda, para retirada do cavaco.
A figura abaixo mostra a maneira de aprumar um macho, com também deve
trabalha no início da operação de roscar e depois da partida.

Fig. 55

Diferentes tipos de machos

Fig. 56

34
Há vários tipos de machos quer para trabalhos manuais, quer para
operações nas máquinas.
Escolha do macho quanto ao material
Quando se cortam roscas em materiais que expõem o macho a muito
desgaste, como duralumínio, elétron, aço cromo-níquel, aço inoxidável, baquelite,
etc, devem-se empregar machos de aço rápido. Para abri roscas em material doce
ou tenaz com tendência a aderir, empregam-se machos de aço carbono, que
devem ser de baixo teor de carbono.
Para outras classes de materiais, a escolha entre machos de aço rápido e
machos de aço carbono é, com raras exceções, determinada pelas condições de
trabalho, devendo-se levar em conta o seguinte:
1 – O aço rápido é mais quebradiço que o aço carbono e, por esta razão, os
machos de pequenas dimensões devem ser, se possível de aço carbono.
2 – Os machos de aço rápido devem trabalha a alta velocidade, umas três
vezes a mais que a recomendada para aço carbono, isto é factível devido á alta
resistência térmica do aço rápido, a baixa velocidade a capacidade de corte dos
machos de aço rápido é menor que a dos machos correspondente de aço
carbono, ainda pode ocorrer que trabalhando a pouca velocidade os machos de
aço rápido destruam as roscas já abertas no material.
3 – Os machos de aço carbono de baixo teor de cromo geralmente podem
cortar roscas a velocidades mais altas que os aços comuns de aço carbono.

11. Roscas
Se na superfície externa ou interna de um cilindro ou cone, construirmos um
helicóide ou vários helicóides paralelos e de seção constante temos o que
denominamos rosca.
É um conjunto de filetes, conforme o número destes, diz-se de uma, ou mais
entradas.
Rosca simples é a que é construída apenas de um helicóide (rosca de uma
entrada).
Rosca múltipla é a que é constituída de mais de um helicóide (rosca de
várias entradas).
Rosca cilíndrica é a construída sobre uma superfície cilíndrica.
Rosca cônica é a construída sobre uma superfície cônica.

35
Rosca externa é a construída sobre uma superfície externa de uma peça.
Rosca interna é a construída sobre uma superfície interna de uma peça.
Rosca à direita é a rosca que montada numa contra parte que esteja fixa,
com o eixo na horizontal, quando gira no sentido do movimento dos ponteiros de
um relógio, se afasta do operador.
Rosca à esquerda é a rosca que montada numa contra parte que esteja
fixa, com o eixo na horizontal, quando gira no sentido do movimento dos ponteiros
de um relógio, se aproxima do operador.

11.1. Os principais elementos de uma rosca são:
11.1.1 – Filete ou fio é cada uma das voltas completas do helicóide de uma
rosca simples ou de cada um dos helicóides de uma rosca múltipla. É a saliência
de seção constante, em forma helicoidal, produzida por um ou mais sulcos na
superfície externa ou interna de um cilindro ou cone.
11.1.2 – Crista ou coroa é a superfície que liga os lados dos filetes na peça
mais afastada da superfície sobre a qual foi construída o filete.

Fig. 57

11.1.3 – Fundo ou raiz é a superfície que une os lados dos filetes na parte
mais próxima da superfície sobre a qual foi construído o filete.
11.1.4 – Flanco são superfícies que ligam as cristas com os fundos
adjacentes a um filete.
11.1.5 – Profundidade da rosca ou altura do filete ou profundidade do
filete é a distância radial entre a crista e a raiz.
11.1.6 – Ângulo do filete é o ângulo formado pelos flancos de um filete,
medido em um plano axial.

36
Os flancos das roscas triangular são inclinada de 60º em todos os seus tipos
menos nos tipos Lowenherz e whitworth que são de 53º 8` e 55º,
respectivamente.
11.1.7 – Ângulo de flanco é o ângulo formado por uma
perpendicular ao eixo com os flancos.
11.1.8 – Ângulo da hélice é o que a hélice formada pela
interseção do filete com um cilindro imaginário com a rosca e de
diâmetro igual ao diâmetro dos flancos faz com um plano
perpendicular ao eixo da rosca.
11.1.9 – Números de fios é o número de filetes
compreendido em uma polegada (25,4 mm), de comprimento da
rosca.
11.1.10 – 7 – Passo é a distância medida paralelamente
ao eixo entre dois pontos correspondentes de dois filetes
adjacentes.

Fig. 58

Fig. 59
Formas de designar o passo
1) Pelo o valor do passo medido numa unidade de comprimento (geralmente
em mm).
2) Pelo número de filete por unidade de comprimento (geralmente em
polegadas = in).
Exemplos: Um parafuso de 20 fios por polegadas tem o passo:

p=

1"
= 0,05in
20

37
Num parafuso de rosca nacional Americana o passo é expresso em
polegadas, assim, um parafuso de 0,125 “ ou 1/8” de passo – terá 8 fios por
polegadas.
Avanço é a distância percorrida em uma rotação completa. Na rosca de uma
entrada o avanço é igual ao passo, na de duas entrada, o avanço é o dobro do
passo e assim por diante.
11.1.11 – Profundidade útil ou altura útil do filete – é a distância radial em
que há superposição dos filetes em 2 roscas montadas.
11.1.12 – folga da crista é a distância radial entre a crista do filete de uma
rosca e o fundo da outra, quando montada.
11.1.13 – Largura da crista é a base do triângulo resultante do truncamento
na crista ou no fundo.
11.1.14 Diâmetro menor – Numa rosca cilíndrica o diâmetro menor é o
diâmetro do cilindro imaginário coaxial com a rosca que passa pela as raízes de
uma rosca externa ou pela a crista de uma rosca interna, numa rosca cônica é o
diâmetro, numa determinada posição de um cone imaginário, coaxial com a rosca,
que passa pelas raízes de uma rosca externa ou pelas cristas de uma rosca
interna.

Fig. 60

11.1.15 Diâmetro maior – Numa rosca cilíndrica o diâmetro maior é o
diâmetro de um cilindro imaginário coaxial com a rosca que passa pelas cristas de
uma rosca externa ou pela raiz de uma rosca interna, numa rosca cônica é o
diâmetro, numa determinada posição de um cone imaginário, coaxial com a rosca
que passa pelas cristas de uma rosca externa ou pelas raízes de uma rosca
interna.

38
11.1.16 Diâmetro dos flancos – É o diâmetro de um cilindro imaginário que
cortando os filetes o faz de forma que a largura da seção dos filetes seja igual á
largura dos espaços, medida paralelamente ao eixo sobre a superfície desse
cilindro.
11.1.17 Espessura de um filete – É a distância entre os lados de um filete
medida paralelamente ao eixo, num diâmetro especificado.
11.2. Tipos de filetes
O filete caracteriza o parafuso. Várias são as formas fundamentais das
seções retas dos filetes usuais. Figuras abaixo.

Fig. 61
•
Triangular (
equiláte
isósceles e retangular)
• Trapezoidal.
• Quadrada.
• Arredondada.

ro,

Falamos em formas fundamentais porque, como veremos mais adianta, os
filetes triangulares são truncados, não apresentado portanto exatamente seção
triangular. Podemos agora acrescentar duas definições:
Truncamento na crista e uma rosca – É a distância radial entre a
crista do filete real e a do fundamental dessa rosca.
Truncamento da raiz de uma rosca – É a distância real entre a raiz
do filete real e a do fundamental dessa rosca.
11.2.1. Emprego dos diferentes tipos de filetes

39
Filetes triangular
Esse tipo de filete é quase exclusivamente usado em rosca de fixação.
Raramente é usado em rosca de transmissão por causa do atrito que é grande.
Filete quadrado
Esse tipo é muito usado em rosca de transmissão. A pior desvantagem
desse tipo de rosca é a dificuldade de construção.
Filete trapezoidal
Esse tipo de rosca tem grande emprego em transmissão. Ele apresenta
sobre o filete quadrado as seguintes vantagens:
-

É mais resistente
É mais fácil de ser usinado.
As ferramentas para sua construção são mais resistentes.

Filetes arredondado
É empregado em peças submetidas a trabalho grosseiro, onde os filetes
agudos se quebrariam. É também, usado em bocais para lâmpadas , pampas de
garrafas, etc.

Fig. 62

11.3. Padronização da rosca
Embora o parafuso seja um dos primeiro inventos do homem, até o meado
do século passado não houve nenhuma tentativa de padronizá-lo.
A primeira padronização fio apresentada em 1841 por um mecânico inglês
Sir Joseph Whitworth que foi plenamente aceito pelos industriais da época
Com o correr do tempo surgiram várias outras padronizações, que com a
evolução da técnica, têm sofrido várias modificações, como ocorreu recentemente
com a padronização americana.

40
Das padronizações existente analisaremos as principais, adotadas pelos
países mais adiantado industrialmente.
Estados Unidos.
Inglaterra.
Alemanha.
França.
Nessa padronização encontramos rosca com diversos tipos de filetes e ainda
mais para alguns tipos, roscas com vários passos, daí as denominações:
Roscas grossas – passo relativamente grande.
Roscas finas – passo pequeno.
Roscas extra-fina – passo muito pequeno.
A diferença entre as series está no número de fios por polegada para um
dado tamanho ou diâmetro e na profundidade do filete.

11.4. Emprego das roscas grossa, finas e extra-finas
A série roscas grossas é recomendada para uso geral quando vibração e
choque são de pequena intensidade, nas peças em que as desmontagem são
freqüentes e quando o furo roscado é aberto em materiais diferentes do aço.
Deve-se de preferência usar sempre rosca grossa, a menos que exista uma razão
especial para usar uma das outra séries.
A série roscas finas é freqüentemente usadas nas construções de
automóveis e aeronaves, principalmente quando ocorrem choques e vibração,
tende-se a afrouxar a porca, quando uma ajustagem fina e necessária, quando se
emprega porca de castelo e quando o furo é em aço.
A série de rosca extrafina particularmente usados em equipamentos
aeronáuticos, é indicado na montagem de material de pouca espessura, quando
existe ajustamento “fino” e quando há vibrações excessiva. Parafusos com tais
roscas são fabricado em aço ligas e tratado termicamente.

11.5. Rosca métrica e rosca métrica ISO
11.5.1. Rosca metrica ( até 1949 )
Filete triangular equilátero truncado na crista e truncado e arredondado na
raiz. Até 1949 a rosca métrica normal (DIN 13 e 14) apresenta as seguintes
características: Passo em mm.

41
A tabela seguinte mostra uma tabela de rosca métrica normal, com os
elementos calculados segundo as características predominantes até 1949.

Fig. 63

42
11.5.2. Rosca métrica (Normal)

Tabela baseada na DIN 13 e 14

43
PERFIL

Fig. 64
11.5.2. Rosca métrica ISO
A partir de 1964 passou-se a adotar a rosca métrica ISO ( consultar a NB-97,
1ª parte – 1973).

44
Fig. 66

Fig. 67
A figura abaixo mostra o perfil básico da nossa rosca métrica ISO.
DIMENSÕES BÁSICA, DIÂMETRO NOMINAIS E PASSOS

Fig. 65

45
SELEÇÃO DE DIÂMETROS E PASSOS

46
47
12. Furadeiras
São Máquinas-ferramenta destinadas à execução de operações de: furar,
escarear, alargar, rebaixar e roscar com machos.
Funcionamento
O movimento da ferramenta é recebido do motor através de polias
escalonadas e correias ou um jogo de engrenagens possibilitando uma gama de
rpm. O avanço da ferramenta pode ser manual ou automático.
Características
1. potência do motor
2. número de rpm
3. capacidade
4. deslocamento máximo do eixo principal
Acessórios
•mandril porta-brocas
•jogo de buchas de redução
•morsa
•cunha para retirar mandril, brocas e buchas de redução
Condições de uso
1. a máquina deve estar limpa
2. o mandril em bom estado
3. broca bem presa e centrada
Conservação
Lubrificação periódica com lubrificante próprio.

Furadeira de bancada

Comentário
São montadas sobre bancadas
de madeira ou aço. Sua capacidade
de furação é até 12mm..

48
Furadeira de coluna

Comentário
Esta furadeira tem como características o
comprimento da coluna e a capacidade que é, em
geral, superior à de bancada.

Furadeira Radial

49
Comentário
A furadeira radial é destinada à furação em peças grandes em vários pontos,
dada a possibilidade de deslocamento do cabeçote.
Possui avanços automáticos e refrigeração da ferramenta por meio de
bomba.

Furadeira Portátil

Comentário
Pode ser transportada com facilidade e pode-se operá-la em qualquer
posição.

Furadeira Pneumática

50
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
•CABRERA, C. Silva et al. Controle da Qualidade: apostila do
Projeto de Formação e Aperfeiçoamento de Supervisores. São Paulo:
SENAI, 1984. p. 50-63.
•SCHOELER, Nelson. Tolerâncias e ajustes. Florianópolis: CERTI,
1992. 41p.
•SENAI. CBS - Coleção básica Senai ocupação ajustagem. São
Paulo, 1984

51

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO ACOPLAMENTOS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO ACOPLAMENTOS ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO ACOPLAMENTOS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO ACOPLAMENTOS
ordenaelbass
 
13.calibradores
13.calibradores13.calibradores
13.calibradores
Edvaldo Viana
 
Aula 4 ensaios de dureza
Aula 4   ensaios de durezaAula 4   ensaios de dureza
Aula 4 ensaios de dureza
Alex Leal
 
Mecânica básica elementos de maquinas
Mecânica básica elementos de maquinasMecânica básica elementos de maquinas
Mecânica básica elementos de maquinas
Rerisson Cristiano R Rodrigues
 
Torneamento mecânico
Torneamento mecânicoTorneamento mecânico
Torneamento mecânico
Pedro Veiga
 
Oficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuais
Oficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuaisOficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuais
Oficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuais
Lacerda Lacerda
 
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elásticoElementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
ordenaelbass
 
Elementos de m+íquina curso completo
Elementos de m+íquina   curso completoElementos de m+íquina   curso completo
Elementos de m+íquina curso completo
Jacs Engenharia
 
SENAI - Apostila de Elementos de Máquina.pdf
SENAI - Apostila de Elementos de Máquina.pdfSENAI - Apostila de Elementos de Máquina.pdf
SENAI - Apostila de Elementos de Máquina.pdf
ssuser14a3061
 
Tabelas para ajustes de eixos e furos
Tabelas para ajustes de eixos e furosTabelas para ajustes de eixos e furos
Tabelas para ajustes de eixos e furos
alexcavichiolli
 
07 usinagem
07   usinagem07   usinagem
07 usinagem
Luiza Emanuelle
 
Fabricação mecânica i furação 1
Fabricação mecânica i   furação 1Fabricação mecânica i   furação 1
Fabricação mecânica i furação 1
Levi Oliveira
 
Elementos de máquinas
Elementos de máquinasElementos de máquinas
Elementos de máquinas
Gabriel Sana
 
Torno mecanico-Tecnologia
Torno mecanico-TecnologiaTorno mecanico-Tecnologia
Torno mecanico-Tecnologia
Juan Carlos Garcia Urrutia
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCASELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCAS
ordenaelbass
 
Elementos de maquinas apostila Senai
Elementos de maquinas apostila SenaiElementos de maquinas apostila Senai
Elementos de maquinas apostila Senai
sheylaladeiracosta
 
Alinhamento
AlinhamentoAlinhamento
Alinhamento
challengerv12
 
Apresentação elementos de máquinas
Apresentação  elementos de máquinasApresentação  elementos de máquinas
Apresentação elementos de máquinas
Amauri José de Souza Souza
 
Fabricação mecânica i traçagem
Fabricação mecânica i   traçagemFabricação mecânica i   traçagem
Fabricação mecânica i traçagem
Levi Oliveira
 
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Vagner Soares da Costa
 

Mais procurados (20)

ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO ACOPLAMENTOS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO ACOPLAMENTOS ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO ACOPLAMENTOS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO ACOPLAMENTOS
 
13.calibradores
13.calibradores13.calibradores
13.calibradores
 
Aula 4 ensaios de dureza
Aula 4   ensaios de durezaAula 4   ensaios de dureza
Aula 4 ensaios de dureza
 
Mecânica básica elementos de maquinas
Mecânica básica elementos de maquinasMecânica básica elementos de maquinas
Mecânica básica elementos de maquinas
 
Torneamento mecânico
Torneamento mecânicoTorneamento mecânico
Torneamento mecânico
 
Oficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuais
Oficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuaisOficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuais
Oficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuais
 
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elásticoElementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
 
Elementos de m+íquina curso completo
Elementos de m+íquina   curso completoElementos de m+íquina   curso completo
Elementos de m+íquina curso completo
 
SENAI - Apostila de Elementos de Máquina.pdf
SENAI - Apostila de Elementos de Máquina.pdfSENAI - Apostila de Elementos de Máquina.pdf
SENAI - Apostila de Elementos de Máquina.pdf
 
Tabelas para ajustes de eixos e furos
Tabelas para ajustes de eixos e furosTabelas para ajustes de eixos e furos
Tabelas para ajustes de eixos e furos
 
07 usinagem
07   usinagem07   usinagem
07 usinagem
 
Fabricação mecânica i furação 1
Fabricação mecânica i   furação 1Fabricação mecânica i   furação 1
Fabricação mecânica i furação 1
 
Elementos de máquinas
Elementos de máquinasElementos de máquinas
Elementos de máquinas
 
Torno mecanico-Tecnologia
Torno mecanico-TecnologiaTorno mecanico-Tecnologia
Torno mecanico-Tecnologia
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCASELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCAS
 
Elementos de maquinas apostila Senai
Elementos de maquinas apostila SenaiElementos de maquinas apostila Senai
Elementos de maquinas apostila Senai
 
Alinhamento
AlinhamentoAlinhamento
Alinhamento
 
Apresentação elementos de máquinas
Apresentação  elementos de máquinasApresentação  elementos de máquinas
Apresentação elementos de máquinas
 
Fabricação mecânica i traçagem
Fabricação mecânica i   traçagemFabricação mecânica i   traçagem
Fabricação mecânica i traçagem
 
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
 

Destaque

08 - furadeiras
08  - furadeiras08  - furadeiras
08 - furadeiras
Maria Adrina Silva
 
Moldagem injeção
Moldagem injeçãoMoldagem injeção
Moldagem injeção
Luiz Cesar Torres
 
10 - maquinas_de_serrar_e_serras
10  - maquinas_de_serrar_e_serras10  - maquinas_de_serrar_e_serras
10 - maquinas_de_serrar_e_serras
Maria Adrina Silva
 
Rissi Fachadas e Esquadrias
Rissi Fachadas e EsquadriasRissi Fachadas e Esquadrias
Rissi Fachadas e Esquadrias
tirissi
 
Apostila usinagem
Apostila usinagemApostila usinagem
Apostila usinagem
comentada
 
Usinagem prof daniel aula 10
Usinagem  prof daniel   aula 10Usinagem  prof daniel   aula 10
Usinagem prof daniel aula 10
Daniel Alves de Andrade
 
Apostila cnc centro de usinagem
Apostila cnc   centro de usinagemApostila cnc   centro de usinagem
Apostila cnc centro de usinagem
Jupira Silva
 
12 - brochadeiras
12  - brochadeiras12  - brochadeiras
12 - brochadeiras
Maria Adrina Silva
 
Fluido de corte
Fluido de corteFluido de corte
Fluido de corte
Maria Adrina Silva
 
05 -tornearia
05  -tornearia05  -tornearia
05 -tornearia
Maria Adrina Silva
 
Apostila cnc
Apostila cncApostila cnc
Apostila cnc
Cremilson Silva
 

Destaque (11)

08 - furadeiras
08  - furadeiras08  - furadeiras
08 - furadeiras
 
Moldagem injeção
Moldagem injeçãoMoldagem injeção
Moldagem injeção
 
10 - maquinas_de_serrar_e_serras
10  - maquinas_de_serrar_e_serras10  - maquinas_de_serrar_e_serras
10 - maquinas_de_serrar_e_serras
 
Rissi Fachadas e Esquadrias
Rissi Fachadas e EsquadriasRissi Fachadas e Esquadrias
Rissi Fachadas e Esquadrias
 
Apostila usinagem
Apostila usinagemApostila usinagem
Apostila usinagem
 
Usinagem prof daniel aula 10
Usinagem  prof daniel   aula 10Usinagem  prof daniel   aula 10
Usinagem prof daniel aula 10
 
Apostila cnc centro de usinagem
Apostila cnc   centro de usinagemApostila cnc   centro de usinagem
Apostila cnc centro de usinagem
 
12 - brochadeiras
12  - brochadeiras12  - brochadeiras
12 - brochadeiras
 
Fluido de corte
Fluido de corteFluido de corte
Fluido de corte
 
05 -tornearia
05  -tornearia05  -tornearia
05 -tornearia
 
Apostila cnc
Apostila cncApostila cnc
Apostila cnc
 

Semelhante a APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM

correias sincronizadas
correias sincronizadascorreias sincronizadas
correias sincronizadas
dinhosantana
 
Rectificação mecânica
Rectificação mecânicaRectificação mecânica
Rectificação mecânica
pinhata
 
Inabra abrasivos e ferramentas
Inabra  abrasivos e ferramentasInabra  abrasivos e ferramentas
Inabra abrasivos e ferramentas
Carlos Roberto da Costa
 
Institucional + Lâmina Serra de Fita - Madeira
Institucional + Lâmina Serra de Fita - MadeiraInstitucional + Lâmina Serra de Fita - Madeira
Institucional + Lâmina Serra de Fita - Madeira
Starrett Brasil
 
Materiais ferrosos
Materiais ferrososMateriais ferrosos
Materiais ferrosos
Kelly Maia
 
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
3maAlmeida
 
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
3maAlmeida
 
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
3maAlmeida
 
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
3maAlmeida
 
Abrasivos
AbrasivosAbrasivos
Abrasivos
TarcsioBrito2
 
Apostila técnica sobre abrasivos - Técnica
Apostila técnica sobre abrasivos - TécnicaApostila técnica sobre abrasivos - Técnica
Apostila técnica sobre abrasivos - Técnica
Vagner Soares da Costa
 
Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10
Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10
Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10
Moldes ABM
 
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdfUsinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdf
Anna Carla Araujo
 
Brunimento
BrunimentoBrunimento
Brunimento
Renan Ribeiro
 
Starrett - Institucional + Serras e Ferramentas Manuais
Starrett - Institucional + Serras e Ferramentas ManuaisStarrett - Institucional + Serras e Ferramentas Manuais
Starrett - Institucional + Serras e Ferramentas Manuais
Starrett Brasil
 
Tipos de aço
Tipos de açoTipos de aço
Tipos de aço
Alessandro Urenda
 
Aços ferramenta
Aços ferramentaAços ferramenta
Aços ferramenta
neomid
 
A02 - Serrar e cortar.pdf
A02 - Serrar e cortar.pdfA02 - Serrar e cortar.pdf
A02 - Serrar e cortar.pdf
JooVictorChagas3
 
Apresentação usinagem.pptx
Apresentação usinagem.pptxApresentação usinagem.pptx
Apresentação usinagem.pptx
JoseWagner14
 
Instrumentos manuais e cortantes
Instrumentos manuais e cortantesInstrumentos manuais e cortantes
Instrumentos manuais e cortantes
Alexandre Paim
 

Semelhante a APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM (20)

correias sincronizadas
correias sincronizadascorreias sincronizadas
correias sincronizadas
 
Rectificação mecânica
Rectificação mecânicaRectificação mecânica
Rectificação mecânica
 
Inabra abrasivos e ferramentas
Inabra  abrasivos e ferramentasInabra  abrasivos e ferramentas
Inabra abrasivos e ferramentas
 
Institucional + Lâmina Serra de Fita - Madeira
Institucional + Lâmina Serra de Fita - MadeiraInstitucional + Lâmina Serra de Fita - Madeira
Institucional + Lâmina Serra de Fita - Madeira
 
Materiais ferrosos
Materiais ferrososMateriais ferrosos
Materiais ferrosos
 
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
 
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
 
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
 
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
 
Abrasivos
AbrasivosAbrasivos
Abrasivos
 
Apostila técnica sobre abrasivos - Técnica
Apostila técnica sobre abrasivos - TécnicaApostila técnica sobre abrasivos - Técnica
Apostila técnica sobre abrasivos - Técnica
 
Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10
Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10
Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10
 
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdfUsinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdf
 
Brunimento
BrunimentoBrunimento
Brunimento
 
Starrett - Institucional + Serras e Ferramentas Manuais
Starrett - Institucional + Serras e Ferramentas ManuaisStarrett - Institucional + Serras e Ferramentas Manuais
Starrett - Institucional + Serras e Ferramentas Manuais
 
Tipos de aço
Tipos de açoTipos de aço
Tipos de aço
 
Aços ferramenta
Aços ferramentaAços ferramenta
Aços ferramenta
 
A02 - Serrar e cortar.pdf
A02 - Serrar e cortar.pdfA02 - Serrar e cortar.pdf
A02 - Serrar e cortar.pdf
 
Apresentação usinagem.pptx
Apresentação usinagem.pptxApresentação usinagem.pptx
Apresentação usinagem.pptx
 
Instrumentos manuais e cortantes
Instrumentos manuais e cortantesInstrumentos manuais e cortantes
Instrumentos manuais e cortantes
 

Mais de ordenaelbass

DESENHO TÉCNICO SEÇÃO E ENCURTAMENTO
DESENHO TÉCNICO  SEÇÃO E ENCURTAMENTODESENHO TÉCNICO  SEÇÃO E ENCURTAMENTO
DESENHO TÉCNICO SEÇÃO E ENCURTAMENTO
ordenaelbass
 
DESENHO TÉCNICO CORTE PARCIAL
DESENHO TÉCNICO CORTE PARCIALDESENHO TÉCNICO CORTE PARCIAL
DESENHO TÉCNICO CORTE PARCIAL
ordenaelbass
 
DESENHO TÉCNICO MEIO CORTE
DESENHO TÉCNICO  MEIO CORTEDESENHO TÉCNICO  MEIO CORTE
DESENHO TÉCNICO MEIO CORTE
ordenaelbass
 
DESENHO TÉCNICO ESCALA
DESENHO TÉCNICO ESCALADESENHO TÉCNICO ESCALA
DESENHO TÉCNICO ESCALA
ordenaelbass
 
DESENHO TÉCNICO CORTE EM DESVIO
DESENHO TÉCNICO CORTE EM DESVIODESENHO TÉCNICO CORTE EM DESVIO
DESENHO TÉCNICO CORTE EM DESVIO
ordenaelbass
 
DESENHO TÉCNICO HACHURAS
DESENHO TÉCNICO HACHURASDESENHO TÉCNICO HACHURAS
DESENHO TÉCNICO HACHURAS
ordenaelbass
 
DESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficas
DESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficasDESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficas
DESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficas
ordenaelbass
 
DESENHO TÉCNICO CORTE
DESENHO TÉCNICO  CORTEDESENHO TÉCNICO  CORTE
DESENHO TÉCNICO CORTE
ordenaelbass
 
DESENHO TECNICO CORTE
DESENHO TECNICO CORTEDESENHO TECNICO CORTE
DESENHO TECNICO CORTE
ordenaelbass
 
DESENHO TÉCNICO COTAGEM
DESENHO TÉCNICO COTAGEMDESENHO TÉCNICO COTAGEM
DESENHO TÉCNICO COTAGEM
ordenaelbass
 
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICADESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
ordenaelbass
 
DESENHO TECNICO PROJEÇÃO ORTOGRAFICA
DESENHO TECNICO PROJEÇÃO ORTOGRAFICADESENHO TECNICO PROJEÇÃO ORTOGRAFICA
DESENHO TECNICO PROJEÇÃO ORTOGRAFICA
ordenaelbass
 
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROESDESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
ordenaelbass
 
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CAMES
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CAMESELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CAMES
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CAMES
ordenaelbass
 
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS
ordenaelbass
 
CATÁLOGO DE RETENTORES
CATÁLOGO DE RETENTORESCATÁLOGO DE RETENTORES
CATÁLOGO DE RETENTORESordenaelbass
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introdução
ELEMENTOS DE MAQUINAS  ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introduçãoELEMENTOS DE MAQUINAS  ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introdução
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introdução
ordenaelbass
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etc
ELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etcELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etc
ELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etc
ordenaelbass
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLASELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLAS
ordenaelbass
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELASELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
ordenaelbass
 

Mais de ordenaelbass (20)

DESENHO TÉCNICO SEÇÃO E ENCURTAMENTO
DESENHO TÉCNICO  SEÇÃO E ENCURTAMENTODESENHO TÉCNICO  SEÇÃO E ENCURTAMENTO
DESENHO TÉCNICO SEÇÃO E ENCURTAMENTO
 
DESENHO TÉCNICO CORTE PARCIAL
DESENHO TÉCNICO CORTE PARCIALDESENHO TÉCNICO CORTE PARCIAL
DESENHO TÉCNICO CORTE PARCIAL
 
DESENHO TÉCNICO MEIO CORTE
DESENHO TÉCNICO  MEIO CORTEDESENHO TÉCNICO  MEIO CORTE
DESENHO TÉCNICO MEIO CORTE
 
DESENHO TÉCNICO ESCALA
DESENHO TÉCNICO ESCALADESENHO TÉCNICO ESCALA
DESENHO TÉCNICO ESCALA
 
DESENHO TÉCNICO CORTE EM DESVIO
DESENHO TÉCNICO CORTE EM DESVIODESENHO TÉCNICO CORTE EM DESVIO
DESENHO TÉCNICO CORTE EM DESVIO
 
DESENHO TÉCNICO HACHURAS
DESENHO TÉCNICO HACHURASDESENHO TÉCNICO HACHURAS
DESENHO TÉCNICO HACHURAS
 
DESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficas
DESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficasDESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficas
DESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficas
 
DESENHO TÉCNICO CORTE
DESENHO TÉCNICO  CORTEDESENHO TÉCNICO  CORTE
DESENHO TÉCNICO CORTE
 
DESENHO TECNICO CORTE
DESENHO TECNICO CORTEDESENHO TECNICO CORTE
DESENHO TECNICO CORTE
 
DESENHO TÉCNICO COTAGEM
DESENHO TÉCNICO COTAGEMDESENHO TÉCNICO COTAGEM
DESENHO TÉCNICO COTAGEM
 
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICADESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
 
DESENHO TECNICO PROJEÇÃO ORTOGRAFICA
DESENHO TECNICO PROJEÇÃO ORTOGRAFICADESENHO TECNICO PROJEÇÃO ORTOGRAFICA
DESENHO TECNICO PROJEÇÃO ORTOGRAFICA
 
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROESDESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
 
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CAMES
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CAMESELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CAMES
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CAMES
 
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS
 
CATÁLOGO DE RETENTORES
CATÁLOGO DE RETENTORESCATÁLOGO DE RETENTORES
CATÁLOGO DE RETENTORES
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introdução
ELEMENTOS DE MAQUINAS  ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introduçãoELEMENTOS DE MAQUINAS  ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introdução
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introdução
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etc
ELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etcELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etc
ELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etc
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLASELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLAS
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELASELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
 

Último

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 

APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM

  • 1. + Área Tecnológica de Manutenção Industrial AJUSTAGEM
  • 2. Área Tecnológica de Manutenção Industrial AJUSTAGEM SALVADOR 2003
  • 3. Copyright © 2003 por SENAI CIMATEC. Todos os direitos reservados. Área Tecnológica de Manutenção Industrial Elaboração: Francisco Freire e Adelson Ribeiro de Almeida Jr. Revisão Técnica: Solano Cristóvão da Silveira Revisão Pedagógica: Normalização: Maria do Carmo Oliveira Ribeiro Catalogação na fonte (Núcleo de Informação Tecnológica – NIT) _______________________________________________________________ SENAI CIMATEC – Centro Integrado de Manufatura e Tecnologia. Ajustagem. Salvador, 2003. 50p. il. (Rev.00) 1. Ajustagem I. Título CDD 621 _____________________________________________________ SENAI CIMATEC Av. Orlando Gomes, 1845 - Piatã Salvador – Bahia – Brasil CEP 41650-010 Tel. (71) 462-9500 Fax (71) 462-9599 http://www.cimatec.fieb.org.br
  • 4. MENSAGEM DO SENAI CIMATEC O SENAI CIMATEC visa desenvolver um programa avançado de suporte tecnológico para suprir as necessidades de formação de recursos humanos qualificados, prestação de serviços especializados e promoção de pesquisa aplicada nas tecnologias computacionais integradas da manufatura. Com uma moderna estrutura laboratorial e um corpo técnico especializado, o CIMATEC desenvolve programas de intercâmbio tecnológico com instituições de ensino e pesquisa, locais e internacionais. Tudo isso sem desviar a atenção das necessidades da comunidade, atendendo suas expectativas de formação profissional, suporte tecnológico e desenvolvimento, contribuindo para uma constante atualização da indústria baiana de manufatura e para a alavancagem do potencial das empresas existentes ou emergentes no estado.
  • 5. APRESENTAÇÃO O grande desafio do Profissional do ajustador mecânico, consiste em conhecer os princípios e fundamentos da ajustagem, as ferramentas e instrumentos,para de posse deste conhecimento, poder melhor executar com mais eficiência suas atividades no trabalho. Visando facilitar o alcance desses objetivos é que estruturamos este módulo, de forma didática, com uma linguagem mais acessível, facilitando o seu entendimento e conseqüentemente sua aprendizagem. O sucesso nos estudos depende do seu esforço pessoal e da busca por novas aprendizagens e desafios.
  • 6. SUMÁRIO 1. Propriedades mecânicas do aço carbono 2. Ferro fundido 3. Lima. 4. Elementos de fixação (morsa) 5. Instrumento de controle 6. Punção de marcar 7. Compasso 8. Instrumento de traçar 9. Serra 10. Ferramentas para obter roscas 11. Roscas 12. Furadeiras Referências bibliográficas 09 11 13 19 20 20 24 25 28 32 36 46
  • 7. 1. Propriedades mecânicas do aço carbono O aço carbono é um dos mais importantes materiais metálicos usados na indústria uma vez que a maior parte dos órgãos de máquinas são fabricados com ele. Devido às suas propriedades mecânicas, das quais as mais importantes são a ductilidade e a maleabilidade, o aço carbono pode ser: 1. Soldado (fig. 1) 2. Curvado (fig. 2) 3. Forjado (fig.3) 4. Torcido (fig. 4) 5. Dobrado (fig. 5) 6. Trabalhado por ferramentas de corte (fig. 6) 7. Estirados em fios (fig.7) 8. Laminado (fig. 8) 9
  • 8. 1.2. Classificação do aço e sua utilização Os aços comuns classificam-se de acordo com o teor de carbono, uma vez que é este o ele mento que exerce maior influência nas propriedades do aço. De acordo com o teor de carbono, tem-se a seguinte classificação: Se o teor de O tipo de aço quanto E sua utilização será em carbono for de à dureza será ENTÃO Chapas – Fios – Parafusos – Tubos 0,05% a 0,15% Extra-Macio estirados – Produtos de Caldeiraria Barras laminadas e perfiladas, 0,15% a 030% Macio parafusos Porcas, arruelas e outros órgãos de máquinas. Peças especiais de máquinas e 0,30% a 0,40% Meio-macio motores e Ferramentas para a agricultura Peças de grande dureza – 0,40% a 0,60% Meio-duro Ferramentas de Corte – Molas – Trilhos Peças de grande dureza e 0,60% a 1,50% Duro a Extra-Duro resistência – Molas – Cabos – Cutelaria  • • • Comentários Os tipos de aço EXTRA-MACIO, não adquirem têmpera. O tipo MEIO-MACIO, apresenta início de têmpera. O tipo MEIO-DURO, adquire boa têmpera, enquanto que o DURO a EXTRA-DURO, adquirem têmpera fácil. 10
  • 9. 1.3. Formas comerciais As formas comerciais do aço carbono são: 1. 2. 3. 4. 5. BARRAS PERFILADOS CHAPAS TUBOS ARAMES As BARRAS têm, em geral, 6 ou 12 metros de comprimento e a sua forma pode ser quadrada, redonda, retangular e hexagonal. AS CHAPAS, de acordo com sua espessura, podem ser classificadas em: 1. 2. 3. FINAS, com espessura de 0 a 3 mm. MÉDIAS, com espessura de 3 a 5 mm. GROSSAS, com espessura de 5 mm em diante AS CHAPAS são fabricadas nos seguintes tamanhos: 1. 2. 3. 1m x 2m 1m x 3m 0,60m x 1,20m 2. Ferro fundido O FERRO FUNDIDO é uma LIGA FERRO-CARBONO que contém de 2,5 a 5% de carbono. É um material metálico refinado em fornos próprios, denominados cubilô, e obtido na fusão da gusa. 2.1. Composição do ferro fundido Maior parte de FERRO e pequenas MANGANÊS, SILÍCIO, ENXOFRE e FÓSFORO. quantidades de CARBONO, A presença de MANGANÊS, SILÌCIO, ENXOFRE e FÓSFORO na composição do ferro fundido é conseqüência das impurezas deixadas pelo minério de ferro e carvão. O SILÌCIO e o MANGANÊS melhoram as qualidades da fundição, enquanto que o ENXOFRE e o FÓSFORO, se em porcentagem muito alta, são prejudiciais à mesma. 11
  • 10. O FERRO FUNDIDO pode ser: • • FERRO FUNDIDO CINZENTO FERRO FUNDIDO BRANCO 2.2. Características do ferro fundido cinzento 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. O carbono apresenta-se quase todo em estado livre, sob a forma de palhetas pretas de grafita. Quando quebrada, a parte fraturada é escura, devido à grafita Apresenta elevadas porcentagens de carbono (3,5 a 5%), de silício (2,5%) e de manganês (0,5 a 0,85%) Resistente à compressão Irresistente à tração Facilidade de ser trabalhado por ferramentas manuais e mecânicas Utiliza-se na construção de peças de máquinas, sendo um material importante para a fabricação mecânica. 2.3. Características do ferro fundido branco 1. 2. 3. 4. O carbono é inteiramente combinado com o ferro, constituído um carboneto de ferro (CEMENTITA) Quando quebrado, a parte fraturada é brilhante e quase branca Apresenta baixo teor de carbono (2,5 a 3%), de silício (menos de 1%) e de manganês (0,1 a 0,3%) Muito duro, quebradiço e difícil de ser usinado. O FERRO FUNDIDO mais empregado é o cinzento, por ser menos duro e menos frágil do que o branco, e pode ser trabalhado com ferramentas comuns, ou seja, sofre acabamentos posteriores, como aplainamento, torneamento, furação, roscamento e outros. O emprego do FERRO FUNDIDO BRANCO limita-se a casos em que se busca dureza e resistência ao desgaste muito alto, sem que a peça necessite ao mesmo tempo dúctil. 12
  • 11. 3. Limas São ferramentas de cortes de grande emprego nas operações de ajustagem mecânica. A ajustagem mecânica consiste em um trabalho manual, sendo o ajuste feito a lima. A qualidade dos trabalhos executados com a lima depende da habilidade do operador desde que seja este trabalho realizado com a lima de características aconselháveis á sua execução. A figura 1 mostra uma lima com suas partes construtivas. Fig. 09 As Limas são classificadas e especificadas de acordo com cinco diferentes características: 3.1. Tamanho: o tamanho da lima é dado pelo o comprimento do seu corpo, sem contar com o punho, espiga ou haste que penetra no cabo. A largura da lima é proporcional ao seu comprimento, as medidas podem ser expressas em milímetros ou polegadas, sendo empregadas em oficinas limas com o comprimento variando de 2 a 24 polegadas, o comprimento é escolhido de acordo com a obra. A espessura diminui do centro em direção à ponta e à espiga o que permite melhor execução de superfícies planas. 3.2. Tipo de picado: o picado diz respeito á disposição e a forma dos dentes. Pode ser simples (dentes em uma só direção) e duplo ou cruzado (dentes em duas direções). Picado simples. Neste tipo de picado, os dentes se apresentam de forma ininterrupta em toda largura da lima, este tipo de picado permite uns ataques maciços ao material, que exige grande esforço de operação; é, portanto empregado para um material mais macio, ou para operações de acabamento, em que se realiza pequena retirada de material. A inclinação do picado permite melhor escape das aparas. Fig. 10 13
  • 12. Picado duplo ou cruzado. Este tipo de picado é empregado para materiais mais duros e conduz a uma superfície mais lisa, isto porque permite melhor subdivisão de esforços já que tira aparas menores. 3.3. Espaçamento entre dentes ou grau de picado. De acordo com o espaçamento entre dentes, podemos ter a seguinte classificação das limas. Fig. 11 Grossa E. Bastarda F. Bastardinha G. Murça H. Murça fina I. Como é evidente, quanto mais fino o corte, menor e menos profundo devem ser os dentes, note-se que o tamanho absoluto dos dentes depende, não só de sua classificação, mas também do comprimento da lima, o espaçamento entre dentes de igual classificação é maior nas limas de maior comprimento, o mesmo grau de picado pode apresentar aspecto e características diferentes de acordo com o tamanho. A norma alemã DIN estabelece a escala do grau por números: 00 muito grossa até 10, lima de pó. As limas grosas são usadas para desbastar grandes superfícies. As limas bastardas se empregam para obras diversas quando não for necessária grande precisão nem produzir acabamento fino. As limas bastardinhas e murça são usadas em obras de precisão e quando se deseja alisar a superfície da obra. As limas murça fina (também extra-murça) só são usadas em obras mais finas. Forma da seção pode ser retangulares, triangulares, redondas, etc. A figura abaixo mostra diversos tipos de lima quanto á seção. 14
  • 13. Fig. 12 3.4. Operação de limar A eficiência da operação de limar depende da correta posição de trabalho. A figura apresenta a correta posição dos pés do operário, mostra a posição do corpo do operário. O corpo deve acompanha o movimento dos braços. A peça a ser limada deve ser fixada um pouco mais a baixo que o cotovelo do operário em posição normal e a superfície de trabalho deve ficar aproximadamente na horizontal. 15
  • 14. Fig. 13 Como empunha a lima Fig. 14 Montagem de cabo Fig. 15 O operário normal trabalha firmando o cabo com a mão direita e guiando a ponta da lima com o polegar e os dedos indicador e médio da mão esquerda. Todos os dentes da lima são dirigidos para sua ponta de modo que só há trabalho útil no movimento para frente. A não ser para alguns metais doces, a pressão só deve ser exercida durante o movimento para frente e aliviada no retorno. Se for exercida pressão sobre metais duros, durante o retorno os dentes da lima se quebrarão facilmente botando a lima fora de uso. 16
  • 15. Em metais macios como alumínio e chumbo, deve-se exercer uma ligeira pressão no retorno para se retirar partículas de metais que se agarram entre os dentas da lima. Nenhum trabalho com a lima é mais difícil do que executar superfícies perfeitamente planas. No movimento alternado da ferramenta há a tendência natural de balançá-la produzindo superfícies ligeiramente arredondadas. Fig. 16 A operação de murçar ou limar lateralmente representada na figura abaixo serve para produzir superfícies muito lisas com o mínimo de arranhões. Na operação de murçar deve-se empregar lima murça de corte simples. Fig. 17 Conselhos Práticos: 1 – Ao limar, observar a posição correta de trabalho. 17
  • 16. Fig. 18 2 – Aliviar a lima no recuo. Fig. 19 3 – usar todo o comprimento da lima. 4 – quando necessário, usar uma lima para retira a camada arenosa de peças fundidas ou capa de óxido de uma peça laminada; usar uma lima gasta pois uma lima nova é rapidamente desgastada. 5 – As limas mais novas devem ser reservadas para latão e bronze; uma lima que escorrega nestes materiais pode ainda trabalha eficientemente o ferro. 6 – Não limar peças mais dura que a lima. Peças fundidas com incrustações de areia de molde destroem rapidamente o fio da lima. 7 – Não raspar com a lima, o trabalho no sentido contrário á direção de corte dos dentes causará seu desgaste. 8 – Não limar demasiadamente rápido, a velocidade do trabalho é de 30 a 40 golpes por minuto. 9 – Usar primeiramente um lado da lima, só passando ao segundo quando o primeiro estiver gasto. 10 – Desbastar primeiro toda a superfície a limar e a seguir executar a acabamento. 11- Usar: Lima bastarda – quando desbastar mais que 0,5 mm. Lima murça – quando desbastar entre de 0,5 a 0,2 mm. Lima murça fina – quando desbastar menos que 0,2 mm. 12 – Não usar limas finas para desbastar materiais moles e usar limas de tamanho compatível com o da peça a limar. 13 – Não usar lima como instrumento de percussão, pé de cabra ou alavanca, a têmpera dada à lima a torna quebradiça. As arestas dos dentes de limas novas não muito finas e afiladas, quebrandose antes de se desgastarem com o uso, se forem usadas em peças fundidas ou forjadas com grande dureza, no trabalho de aço extra duro ou na aplicação contra arestas vivas da obra. Uma lima nova deve ser empregada primeiro em metais mais doce como latão e ferro fundido cinzento, de grão fino. Quanto mais nova a lima menor deve ser a pressão de trabalho. Aplicando-se a pressão excessiva sobre metal doce, este tende a soltar partículas que aderem entre os dentes da lima, arranhando a superfície da peça. 18
  • 17. Esse problema pode ser reduzido se previamente esfregamos giz na superfície da lima. Os dentes das limas são limpos, em geral, batendo-se ligeiramente a ferramenta sobre um pedaço de madeira e limpando em seguida com uma escova de aço, as partículas metálicas que se aderem fortemente entre os dentes podem ser removidas com um estilete de aço. Um embebimento prévio da lima em querosene torna a operação mais limpa, mas, o querosene deve ser eliminado da ferramenta quando terminar o trabalho. As limas são afiadas com jato de areia. 4. Elementos de fixação 4.1. Morsas São acessórios, geralmente de ferro fundido, composto de duas mandíbulas, uma fixa e outras móveis, que se desloca em uma guia, por meio de um parafuso e uma porca, acionado por um manípulo. Os mordentes são de aço carbono, estriados e fixados nas mandíbulas. Fig. 20 Fig. 21 19
  • 18. Fig. 22 Fig. 23 4.1.1. Emprego. São utilizadas para a fixação de peças nas operações em furadeiras, plainas, fresadoras e outras máquinas-ferramentas. 4.1.2. Características. As morças de máquinas-ferramentas caracterizam-se pela suas formas e aplicações, as de base fixa e giratória são encontradas, no comércio, pela sua capacidade de abertura, largura de mordente e altura. As inclináveis se caracterizam pela largura dos mordentes, capacidade máxima, inclinação em graus, bases graduadas em graus e altura da morsa. 4.1.3. Conservação. Manter os parafusos de fixação dos mordentes bem apertados, ajusta as réguas da mandíbula móvel nas guias, limpe, lubrifique e guarde a morsa em lugar adequado. 5. Instrumentos de controle 5.1. Réguas de controle 5.1.1. Réguas cantoneiras ou angulares. Uma escala comum, rígida, com uma montagem apropriada se transforma numa régua para risca rasgo de chavetas na superfície de eixo cilíndrico ou de outras peças que necessitam de riscos paralelo ao eixo de rotação. Para o mesmo fim são usadas réguas especiais. Fig. 24 5.1.2. Réguas de fio retificado 20
  • 19. Régua biselada constituída de aço carbono, em forma de faca, temperada e retificada com o fio ligeiramente arredondado, é utilizada na verificação de superfícies planas. Régua triangular constituída de aço carbono, em forma de triângulo com Fig. 25 canais côncavos no centro e em todo o comprimento de cada face temperada, retificada e com fios arredondados. Fig. 26 Réguas de faces retificadas ou rasqueteadas, régua de face plana constituída de ferro fundido, com as faces planas retificadas ou rasqueteadas. É utilizada para determinar as partes altas de superfícies planas que vão ser rasqueteadas, tais as de barramento de máquinas-ferramentas. Régua triangular plana é constituída de ferro fundido, em forma de prisma, com suas faces retificadas ou rasqueteadas. É utilizada para verificar a planicidade de supefícies em ângulo agudo, igual ou menor que 60 graus. Fig. 27 Fig. 28 5.2. Esquadros e sutas 21
  • 20. O “esquadro de ajustador” consiste em uma barra de aço com cerca de uma polegada de largura e ½ de espessura, ligada a uma lamina de aço de 1 ½ “ a 6” de comprimento. A lâmina não é graduada. É usada para verificar superfícies supostas em ângulo reto, para traçar perpendiculares e, para qualquer serviço relacionado com medidas em ângulos retos, figura abaixo. Fig. 29 Provavelmente, nenhum instrumento de ajustador ou de mecânica parece mais simples, mais rude ou menos preciso do que o esquadro. Para mostra que essas conclusões são falsas, e que o esquadro de ajustador é um instrumento de precisão, basta verificar algumas das características: Tanto a barra como a lâmina é temperada, revenida e polida. O erro de esquadria entre a barra e a lâmina não deve exceder a ,0003” no extremo da lâmina num esquadro de 6” (o que corresponde a ,005 mm em 100 Fig. 30 mm) e é proporcionalmente menor em lâmina mais curtas. O erro de paralelismo entre as faces mais estreitas das lâminas não deve exceder a 0,0005” em relação ao comprimento total(0,01 mm). A mesma precisão deve ser esperada nas superfícies semelhante da barra. É fácil concluir que qualquer descuido no uso desse instrumento prejudicará a precisão inicial. 6. Punção de marcar É um instrumento que serve para marcar pontos sobre uma linha traçada. Os pontos marcados têm por finalidade facilitar a sinalização das linhas. O punção de marcar tem a ponta afilada que, colocado sobre o ponto de referência no traçado, aí executa, sob a ação de ligeira martelada, uma pequena mossa para marcar. Os punções de marcar podem ser de dois tipos: Fig. 31 - Singelo - Com mola ou automático 22
  • 21. O punção singelo é formado de cabeça cabo e ponta. Seu comprimento varia entre 100 e 120 mm. A ponta é temperada com ângulo de 30 a 60 graus tendo o corpo e cabo recartilhado. Fig. 32 O punção automático marca pela pressão de uma mola. Para se operar calca-se sua ponta contra a superfície a marcar até que a mola desarme. Fig. 33 O punção de centrar tem a ponta mais obtusa que o de marcar. É usado com um pesado martelo para produzir mossas profundas onde se pode colocar a ponta de uma broca para iniciar um furo. Não se deve confundir o punção de marcar com o punção de centrar que tem o ângulo da ponta de 90º a 120º graus. Fig. 34 Fig. 35 7. Compassos Os compassos são instrumento destinado ao traçado de circunferência, arcos, perpendiculares, divisão de ângulos, divisão de retas, marcação de centros, etc. Este compasso serve para traçar no metal arcos e círculos, determinar perpendiculares e paralelos. Além disso, é empregado para transportar distância e marcar divisões iguais. 23
  • 22. Fig. 36 Fig. 37 Compasso de espessuras é o instrumento mais eficiente para comprovar superfícies paralelas, neste caso o mecânico deve usá-lo com muita sensibilidade e delicadeza, habituando-se a sentir com o tato, percebendo a pressão das pontas. Daí dizer-se em relação a esta operação que se trata de ajustar ou comprovar, na figura pode-se ver como se realiza essa operação. O compasso de interiores serve para tomar medidas internas e verificar o paralelismo das superfícies das concavidades 24
  • 23. Fig. 38 Compassos com parafuso e mola esse tipo de compasso embora se torne mais exato, o raio de ação é menor. Fig. 39 8. Intumento e utencílio de traçar 8.1. Graminho Instrumento formado de uma base, geralmente de ferro fundido ou de aço carbono, e uma haste cilíndrica ou retangular, sobre a qual desliza um cursor com um riscador. A haste e o cursor são de aço carbono. 8.1.1. Emprego Utilizado para traçar e controlar peças, assim para a centragem das peças nas máquinas ferramentas. 8.1.2.Tipos 25
  • 24. Graminho simples, Sua base é constituída de ferro fundido, rebaixada na face de contato, para diminuir o atrito sobre a mesa de controle. Possui uma haste cilíndrica de aço carbono, um cursor com parafuso de fixação e uma agulha de aço temperado. Fig. 40 Graminho com articulação, sua base pode ser de aço carbono ou ferro fundido, possuindo uma ranhura em V na face de contato para melhor adaptação sobre barramento de torno e para reduzir o atrito sobre a mesa de traçagem. Possui também um cursor e uma haste cilíndrica, sustentada por um parafuso de fixação alojado em uma peça que se movimenta ao redor do eixo, quando acionada pelo o parafuso de regulagem. Esse movimento permite virar de forma precisa a ponta da agulha. Fig. 41 Graminho com escala e nônio, possui uma base de ferro fundido, uma haste cilíndrica de aço carbono e uma régua graduada em milímetros, a régua pode ser movida para cima e para baixo e também girada em torno da coluna. Possui, além disso, um cursor movido por um sistema de pinhão e cremalheira, um cursor com nônio, com aproximação de 0,1 mm, e uma agulha de aço com ponta temperada. 26
  • 25. Graminho de precisão, sua base de aço carbono é temperada, retificada, de precisão e fino acabamento. Possui, também uma escala em milímetros, uma haste retangular, com perpendicularidade de precisão, um cursor com aproximadamente 0,2 mm, um mecanismo de ajuste mecânico e um riscador com ponta de metal duro. Fig. 42 43 Fig. 44 A traçagem é a operação que consiste em transportar para as peças brutas ou semi-acabadas: Os contornos exatos da peça acabada; Localização de furos; As arestas dos planos das superfícies a serem usinadas; Plano de orientação para fixação da peça durante a usinagem; Pontos, linhas e planos de referência que permitirão verificar se a usinagem foi bem executada, etc. Deve ser realizada com muita precisão. Um erro cometido na traçagem como a localização errada de um furo pode inutilizar completamente a peça. A traçagem é geralmente bastante demorada e de custo elevado. É sempre empregado quando se fabrica uma ou varias peças em todas as oficinas de 27
  • 26. manutenção, nas usinas de máquinas pesadas como turbinas, bombas, locomotivas, redutores de velocidade, etc. A traçagem conforme a forma da peça pode ser: Plana ou bi-dimensional. No espaço, tri-dimensional ou no ar. A traçagem plana se aplica a chapas, nos trabalhos de caldeiraria, enquanto que a no espaço às peças em três dimensões. Nas usinas de fabricação seriada, como por exemplo, fábricas de automóveis, máquinas ferramentas, máquinas de costura, etc., há seções especialista de traçagem compostas de operário chamado traçadores quase sempre provenientes de ajustadores e montadores mais qualificados. 9. SERRA – Arco de serra A serra utilizada no corte manual de metais e de plásticos, consiste em uma lamina de serra montada em um respectivo “arco de serra”. Os dentes são dirigidos em uma só direção que corresponde à direção do trabalho. Nenhum corte é realizado no curso de retorno. As laminas são fornecidas em comprimentos que variam de 8 a 16 polegadas, medidas ente os furos que se ajustam aos pinos do arco de serra. Os arcos possuem em geral, recursos para receber serras de vários comprimentos. Os dentes das lâminas são travados, o que é necessário a fim de se ter uma largura de corte maior do que a espessura do corpo da lâmina, permitindo o movimento livre da ferramenta na obra. Fig. 45 28
  • 27. Os dentes da lâmina podem ter trava ondulada, alternada ou ancinho. Quando há tendência para encher e ligar o material arrancado dentro do corte, pode-se usar a trava em ancinho onde há um dente para a direita, um sem desvio e um para a esquerda. • • • Alternada – 1 dente p/ esquerda, outro p/ direita. Ancinho – 1 dente alinhado, 1 p/ direita e um p/ esquerda. Ondulado – em forma de onda. Fig. 46 Fig. 47 Os dentes alternados devem ser usados para materiais doces, Al, Cu, Zn, latão, bronze, plástico, borracha, etc. Os dentes ondulados – para aços ferramentas. Os dentes em ancinho – para aços especiais. O corte que é a espessura do canal deixado pela a serra deve ser levado em conta no trabalho com as peças em dimensões precisas. A pasição da lamina em relação ao traço executado na obra deve ser definida por um dos extremos dos dentes e não pelo centro da lâmina. Obs.: Quando se deseja cortes de grande precisão iniciá-los por um rasgo feito por lima de 3 quinas e com a largura de corte. Assim, o trabalho começa exatamente, na posição correta. 29
  • 28. 9.1. Números de dentes por polegadas As serras têm geralmente, 14, 18, 24 ou 32 dentes por polegadas de comprimento. O número de dentes por polegadas a ser usado depende do material, a ser cortado e a espessura da seção reta da obra. Para metais que produzem grandes cavacos, como diversos aços, comuns e materiais macios (chumbo, zinco e alumínio), deve-se usar ferramenta com menor número de dentes por polegadas, de modo a se dispor de mais espaço entre os dentes para a saída do cavaco. Lâminas de 14 dentes são utilizadas no corte de grandes secções de metais resistentes. Fig. 49 Latão, cobre e metais semelhantes podem ser cortados com serras de 24 a 32 dentes por polegada. Para o corte de tubos, perfís e chapas de mais de 0,050 “ de espessura ( número 18 ) é apropriada a de 24 dentes. Fig. 50 30
  • 29. Fig. 51 Lâminas de 18 dentes se aplicam no corte comum de peças cheias. A de 32 dentes se aplica no corte de tubos de paredes finas e para chapas finas. Para evitar a quebra dos dentes deve-se escolher o número de dentes da lâmina de com a espessura da obra. Deve-se ter no mínimo dois dentes em contato com o material. Nos cortes de canto, a lâmina deve ser muito pouco inclinada em relação á superfície do corte. Se a inclinação for grande os dentes receberá um golpe muito forte ao atingir a peça. O corte com arco de serra deve começar com golpes curtos e pequena pressão. Os golpes seguintes são longos e firmes, indo até a extremidade da lâmina, sem tocar no arco. A pressão e exercida no golpe para frente. O curso do retorno é feito sem pressão. A velocidade de corte menor que um golpe por segundo é a apropriada para a maior quantidade de espécies de obras. A pressão deve ser reduzida logo que a 31
  • 30. serra tenha passado completamente pela a peça a cortar. É necessário que o corte comece bem perto, porque não é possível corrigi-lo, sob pena de produzir a fratura na lâmina. A obra deve ser presa de modo a se produzir o corte mais próximo ao mordente da morsa. Essa observação é particularmente importante no trabalho de peças finas. Peças muito finas devem ser calçadas de modo que o calço fique abaixo da linha do corte. 10. Ferramentas para abrir roscas 10.1. Machos Machos é uma ferramenta para executar rocas internas, como porcas, etc. O macho tem filetes internos e rasgos longitudinais, originando daí o aparecimento de arestas cortantes e sulcos necessários á saída dos cavacos. Os machos para trabalhos manuais são formados em jogos de 3 unidades: Fig. 53 macho desbastador (n°1), macho intermediário (n°2), macho acabador (n°3). O macho n°1 possui uma conicidade na ponta que permite sua entrada no furo e da início a rosca. O macho n°2 tem menor conicidade e o macho n°3 é ligeiramente cônico na ponta. Os machos podem ser de 2 tipos diferentes: Machos manuais de perfil completo. Os três machos de um jogo cortam filetes inteiros. São destinados a trabalhos que podem ser feitos internamente com um só macho e, segundo a classe daqueles, escolhe-se um de desbastar, um intermediário ou um acabador. Machos manuais em série. O diâmetro externo, médio, e do núcleo, do macho de desbastar e intermediário, são rebaixado. O macho de desbastar corta 32
  • 31. filetes preliminares o intermediário alarga a rosca e o de acabar dá a esta sua forma e diâmetro definitivo. Um jogo de macho de rosca fina compõe-se, como um jogo de macho de aço rápido, de duas unidades, ou seja, uma unidade de desbastar e outra de acabar. Os machos em série são destinados a trabalhos que não podem ser feitos com um só macho e são empregados tanto para furos transpassantes como para furos cegos. Exemplo: Utilizando-se um jogo de macho de perfil completo para roscar um furo cego com profundidade igual a uma vez e meia o diâmetro do macho, o desbastador faz 79% do trabalho, o intermediário somente 11% e o acabador 10%. A conseqüência disso é que o primeiro macho se desgasta rapidamente em relação aos outros dois. Se, pelo contrário, empregamos machos em série, o trabalho se reparte uniformemente entre os três, isto é, o de desbasta 58% do trabalho, o intermediário 29% e o de acabamento 13%. Um jogo de macho em série tem maior duração que um jogo de macho de perfil completo. Os furos que atravessam a peça são geralmente rosqueados com macho n°1 que penetra no interior da rosca e geralmente aprofunda o filete. Quando se rosqueam a mão furos de grande diâmetro o trabalho deve ser iniciado com macho n°1 e continuado com o n°2. Para rosquear furos cegos ou aqueles que os filetes não atingem o fundo do furo usa-se o macho n°1 até o ponto desejado. Em seguida, retira-se o macho n°1 e utiliza-se o macho n°2 até o mesmo ponto, finalmente os filetes são completados pelo n°3. Deve ser tomado muito cuidado em não força o macho depois de atingir o fundo do furo, para evitar a quebra da ferramenta. Fig. 54 33
  • 32. O trabalho manual com macho é feito por meio de um desandador de macho. Para evitar quebra a ferramenta ela deve ser trabalhada girando-se ½ volta para a direita, na direção do corte e 1/4 de volta para esquerda, para retirada do cavaco. A figura abaixo mostra a maneira de aprumar um macho, com também deve trabalha no início da operação de roscar e depois da partida. Fig. 55 Diferentes tipos de machos Fig. 56 34
  • 33. Há vários tipos de machos quer para trabalhos manuais, quer para operações nas máquinas. Escolha do macho quanto ao material Quando se cortam roscas em materiais que expõem o macho a muito desgaste, como duralumínio, elétron, aço cromo-níquel, aço inoxidável, baquelite, etc, devem-se empregar machos de aço rápido. Para abri roscas em material doce ou tenaz com tendência a aderir, empregam-se machos de aço carbono, que devem ser de baixo teor de carbono. Para outras classes de materiais, a escolha entre machos de aço rápido e machos de aço carbono é, com raras exceções, determinada pelas condições de trabalho, devendo-se levar em conta o seguinte: 1 – O aço rápido é mais quebradiço que o aço carbono e, por esta razão, os machos de pequenas dimensões devem ser, se possível de aço carbono. 2 – Os machos de aço rápido devem trabalha a alta velocidade, umas três vezes a mais que a recomendada para aço carbono, isto é factível devido á alta resistência térmica do aço rápido, a baixa velocidade a capacidade de corte dos machos de aço rápido é menor que a dos machos correspondente de aço carbono, ainda pode ocorrer que trabalhando a pouca velocidade os machos de aço rápido destruam as roscas já abertas no material. 3 – Os machos de aço carbono de baixo teor de cromo geralmente podem cortar roscas a velocidades mais altas que os aços comuns de aço carbono. 11. Roscas Se na superfície externa ou interna de um cilindro ou cone, construirmos um helicóide ou vários helicóides paralelos e de seção constante temos o que denominamos rosca. É um conjunto de filetes, conforme o número destes, diz-se de uma, ou mais entradas. Rosca simples é a que é construída apenas de um helicóide (rosca de uma entrada). Rosca múltipla é a que é constituída de mais de um helicóide (rosca de várias entradas). Rosca cilíndrica é a construída sobre uma superfície cilíndrica. Rosca cônica é a construída sobre uma superfície cônica. 35
  • 34. Rosca externa é a construída sobre uma superfície externa de uma peça. Rosca interna é a construída sobre uma superfície interna de uma peça. Rosca à direita é a rosca que montada numa contra parte que esteja fixa, com o eixo na horizontal, quando gira no sentido do movimento dos ponteiros de um relógio, se afasta do operador. Rosca à esquerda é a rosca que montada numa contra parte que esteja fixa, com o eixo na horizontal, quando gira no sentido do movimento dos ponteiros de um relógio, se aproxima do operador. 11.1. Os principais elementos de uma rosca são: 11.1.1 – Filete ou fio é cada uma das voltas completas do helicóide de uma rosca simples ou de cada um dos helicóides de uma rosca múltipla. É a saliência de seção constante, em forma helicoidal, produzida por um ou mais sulcos na superfície externa ou interna de um cilindro ou cone. 11.1.2 – Crista ou coroa é a superfície que liga os lados dos filetes na peça mais afastada da superfície sobre a qual foi construída o filete. Fig. 57 11.1.3 – Fundo ou raiz é a superfície que une os lados dos filetes na parte mais próxima da superfície sobre a qual foi construído o filete. 11.1.4 – Flanco são superfícies que ligam as cristas com os fundos adjacentes a um filete. 11.1.5 – Profundidade da rosca ou altura do filete ou profundidade do filete é a distância radial entre a crista e a raiz. 11.1.6 – Ângulo do filete é o ângulo formado pelos flancos de um filete, medido em um plano axial. 36
  • 35. Os flancos das roscas triangular são inclinada de 60º em todos os seus tipos menos nos tipos Lowenherz e whitworth que são de 53º 8` e 55º, respectivamente. 11.1.7 – Ângulo de flanco é o ângulo formado por uma perpendicular ao eixo com os flancos. 11.1.8 – Ângulo da hélice é o que a hélice formada pela interseção do filete com um cilindro imaginário com a rosca e de diâmetro igual ao diâmetro dos flancos faz com um plano perpendicular ao eixo da rosca. 11.1.9 – Números de fios é o número de filetes compreendido em uma polegada (25,4 mm), de comprimento da rosca. 11.1.10 – 7 – Passo é a distância medida paralelamente ao eixo entre dois pontos correspondentes de dois filetes adjacentes. Fig. 58 Fig. 59 Formas de designar o passo 1) Pelo o valor do passo medido numa unidade de comprimento (geralmente em mm). 2) Pelo número de filete por unidade de comprimento (geralmente em polegadas = in). Exemplos: Um parafuso de 20 fios por polegadas tem o passo: p= 1" = 0,05in 20 37
  • 36. Num parafuso de rosca nacional Americana o passo é expresso em polegadas, assim, um parafuso de 0,125 “ ou 1/8” de passo – terá 8 fios por polegadas. Avanço é a distância percorrida em uma rotação completa. Na rosca de uma entrada o avanço é igual ao passo, na de duas entrada, o avanço é o dobro do passo e assim por diante. 11.1.11 – Profundidade útil ou altura útil do filete – é a distância radial em que há superposição dos filetes em 2 roscas montadas. 11.1.12 – folga da crista é a distância radial entre a crista do filete de uma rosca e o fundo da outra, quando montada. 11.1.13 – Largura da crista é a base do triângulo resultante do truncamento na crista ou no fundo. 11.1.14 Diâmetro menor – Numa rosca cilíndrica o diâmetro menor é o diâmetro do cilindro imaginário coaxial com a rosca que passa pela as raízes de uma rosca externa ou pela a crista de uma rosca interna, numa rosca cônica é o diâmetro, numa determinada posição de um cone imaginário, coaxial com a rosca, que passa pelas raízes de uma rosca externa ou pelas cristas de uma rosca interna. Fig. 60 11.1.15 Diâmetro maior – Numa rosca cilíndrica o diâmetro maior é o diâmetro de um cilindro imaginário coaxial com a rosca que passa pelas cristas de uma rosca externa ou pela raiz de uma rosca interna, numa rosca cônica é o diâmetro, numa determinada posição de um cone imaginário, coaxial com a rosca que passa pelas cristas de uma rosca externa ou pelas raízes de uma rosca interna. 38
  • 37. 11.1.16 Diâmetro dos flancos – É o diâmetro de um cilindro imaginário que cortando os filetes o faz de forma que a largura da seção dos filetes seja igual á largura dos espaços, medida paralelamente ao eixo sobre a superfície desse cilindro. 11.1.17 Espessura de um filete – É a distância entre os lados de um filete medida paralelamente ao eixo, num diâmetro especificado. 11.2. Tipos de filetes O filete caracteriza o parafuso. Várias são as formas fundamentais das seções retas dos filetes usuais. Figuras abaixo. Fig. 61 • Triangular ( equiláte isósceles e retangular) • Trapezoidal. • Quadrada. • Arredondada. ro, Falamos em formas fundamentais porque, como veremos mais adianta, os filetes triangulares são truncados, não apresentado portanto exatamente seção triangular. Podemos agora acrescentar duas definições: Truncamento na crista e uma rosca – É a distância radial entre a crista do filete real e a do fundamental dessa rosca. Truncamento da raiz de uma rosca – É a distância real entre a raiz do filete real e a do fundamental dessa rosca. 11.2.1. Emprego dos diferentes tipos de filetes 39
  • 38. Filetes triangular Esse tipo de filete é quase exclusivamente usado em rosca de fixação. Raramente é usado em rosca de transmissão por causa do atrito que é grande. Filete quadrado Esse tipo é muito usado em rosca de transmissão. A pior desvantagem desse tipo de rosca é a dificuldade de construção. Filete trapezoidal Esse tipo de rosca tem grande emprego em transmissão. Ele apresenta sobre o filete quadrado as seguintes vantagens: - É mais resistente É mais fácil de ser usinado. As ferramentas para sua construção são mais resistentes. Filetes arredondado É empregado em peças submetidas a trabalho grosseiro, onde os filetes agudos se quebrariam. É também, usado em bocais para lâmpadas , pampas de garrafas, etc. Fig. 62 11.3. Padronização da rosca Embora o parafuso seja um dos primeiro inventos do homem, até o meado do século passado não houve nenhuma tentativa de padronizá-lo. A primeira padronização fio apresentada em 1841 por um mecânico inglês Sir Joseph Whitworth que foi plenamente aceito pelos industriais da época Com o correr do tempo surgiram várias outras padronizações, que com a evolução da técnica, têm sofrido várias modificações, como ocorreu recentemente com a padronização americana. 40
  • 39. Das padronizações existente analisaremos as principais, adotadas pelos países mais adiantado industrialmente. Estados Unidos. Inglaterra. Alemanha. França. Nessa padronização encontramos rosca com diversos tipos de filetes e ainda mais para alguns tipos, roscas com vários passos, daí as denominações: Roscas grossas – passo relativamente grande. Roscas finas – passo pequeno. Roscas extra-fina – passo muito pequeno. A diferença entre as series está no número de fios por polegada para um dado tamanho ou diâmetro e na profundidade do filete. 11.4. Emprego das roscas grossa, finas e extra-finas A série roscas grossas é recomendada para uso geral quando vibração e choque são de pequena intensidade, nas peças em que as desmontagem são freqüentes e quando o furo roscado é aberto em materiais diferentes do aço. Deve-se de preferência usar sempre rosca grossa, a menos que exista uma razão especial para usar uma das outra séries. A série roscas finas é freqüentemente usadas nas construções de automóveis e aeronaves, principalmente quando ocorrem choques e vibração, tende-se a afrouxar a porca, quando uma ajustagem fina e necessária, quando se emprega porca de castelo e quando o furo é em aço. A série de rosca extrafina particularmente usados em equipamentos aeronáuticos, é indicado na montagem de material de pouca espessura, quando existe ajustamento “fino” e quando há vibrações excessiva. Parafusos com tais roscas são fabricado em aço ligas e tratado termicamente. 11.5. Rosca métrica e rosca métrica ISO 11.5.1. Rosca metrica ( até 1949 ) Filete triangular equilátero truncado na crista e truncado e arredondado na raiz. Até 1949 a rosca métrica normal (DIN 13 e 14) apresenta as seguintes características: Passo em mm. 41
  • 40. A tabela seguinte mostra uma tabela de rosca métrica normal, com os elementos calculados segundo as características predominantes até 1949. Fig. 63 42
  • 41. 11.5.2. Rosca métrica (Normal) Tabela baseada na DIN 13 e 14 43
  • 42. PERFIL Fig. 64 11.5.2. Rosca métrica ISO A partir de 1964 passou-se a adotar a rosca métrica ISO ( consultar a NB-97, 1ª parte – 1973). 44
  • 43. Fig. 66 Fig. 67 A figura abaixo mostra o perfil básico da nossa rosca métrica ISO. DIMENSÕES BÁSICA, DIÂMETRO NOMINAIS E PASSOS Fig. 65 45
  • 44. SELEÇÃO DE DIÂMETROS E PASSOS 46
  • 45. 47
  • 46. 12. Furadeiras São Máquinas-ferramenta destinadas à execução de operações de: furar, escarear, alargar, rebaixar e roscar com machos. Funcionamento O movimento da ferramenta é recebido do motor através de polias escalonadas e correias ou um jogo de engrenagens possibilitando uma gama de rpm. O avanço da ferramenta pode ser manual ou automático. Características 1. potência do motor 2. número de rpm 3. capacidade 4. deslocamento máximo do eixo principal Acessórios •mandril porta-brocas •jogo de buchas de redução •morsa •cunha para retirar mandril, brocas e buchas de redução Condições de uso 1. a máquina deve estar limpa 2. o mandril em bom estado 3. broca bem presa e centrada Conservação Lubrificação periódica com lubrificante próprio. Furadeira de bancada Comentário São montadas sobre bancadas de madeira ou aço. Sua capacidade de furação é até 12mm.. 48
  • 47. Furadeira de coluna Comentário Esta furadeira tem como características o comprimento da coluna e a capacidade que é, em geral, superior à de bancada. Furadeira Radial 49
  • 48. Comentário A furadeira radial é destinada à furação em peças grandes em vários pontos, dada a possibilidade de deslocamento do cabeçote. Possui avanços automáticos e refrigeração da ferramenta por meio de bomba. Furadeira Portátil Comentário Pode ser transportada com facilidade e pode-se operá-la em qualquer posição. Furadeira Pneumática 50
  • 49. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS •CABRERA, C. Silva et al. Controle da Qualidade: apostila do Projeto de Formação e Aperfeiçoamento de Supervisores. São Paulo: SENAI, 1984. p. 50-63. •SCHOELER, Nelson. Tolerâncias e ajustes. Florianópolis: CERTI, 1992. 41p. •SENAI. CBS - Coleção básica Senai ocupação ajustagem. São Paulo, 1984 51