SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Toda criança tem o direito de ser amada, e ser
feliz. As crianças fazem parte do Reino
2
Os pais têm o dever de:Os pais têm o dever de:
Ensinar a temer a Deus:
Ensina a criança o caminho que deve andar... (Pv.22:6);
Dar exemplo para ser imitado:
Sede meus imitadores e observai os que andam segundo o
exemplo que tendes em nós... (Fl.3:17);
Proteger e ser responsável:
Assim como bem sabeis de que modo vos exortávamos e
consolávamos, a cada um de vós, como o pai a seus
filhos. (1Ts.2:11).
3
São diversas as formas de ViolênciaSão diversas as formas de Violência
1. Contra a criança e o adolescente;
2. Contra a mulher, o idoso e o deficiente;
3. Formas de abuso;
4. Formas de discriminação;
5. Formas de assédio.
4
Infância violentada éInfância violentada é
Uma violência silenciosa,Uma violência silenciosa,
Uma relação desigual deUma relação desigual de
poder.poder.
O violentador deve serO violentador deve ser
responsabilizado eresponsabilizado e
criminalmente, semcriminalmente, sem
5
Nossa responsabilidade!Nossa responsabilidade!
6
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
Constituição da República Federativa do Brasil:
Artigo 227. É dever da família, da sociedade e do
Estado assegurar à criança e ao adolescente,
com absoluta prioridade, o direito à vida, à
saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à
profissionalização, à cultura, à dignidade, ao
respeito, à liberdade e à convivência familiar
e comunitária, além de colocá-los a salvo de
toda forma de negligência, discriminação,
exploração, violência, crueldade e opressão.
7
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
Estatuto da Criança e do Adolescente:
Art. 19. Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e
educado no seio da família e, excepcionalmente, em
família substituta, assegurada a convivência familiar e
comunitária, em ambiente livre da presença de pessoas
dependentes de substâncias entorpecentes.
Art. 20. Os filhos havidos ou não da relação do casamento, ou
por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações,
proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas
à filiação.
Art. 22. Aos pais incumbe o dever de sustento, guarda e
educação dos filhos menores, cabendo-lhes ainda, no
interesse destes, a obrigação de cumprir e fazer cumprir as
determinações judiciais.
8
Local deAmor eRespeito
Como imporlimites semexcessos?
Crianças violentadas
assimilam o modelo errado
tornando- se pessoas
violentadoras.
Ministério da Saúde – As agressões são a principal causa de
morte entre jovens entre 5 a 19 anos. A maior parte acontece no
ambiente doméstico.
Unicef – estima que diariamente cerca de 18 mil crianças e
adolescentes sejam espancadas no Brasil, e cerca de 7 mil
mortes por ano sejam resultados destas agressões.
9
VIOLÊNCIA SEXUAL
Representa 13% do total de denúncias no Serviço de
Advocacia da criança;
A família é responsável por62% desses casos;
O Pai aparece como principal agressorem59% das vezes;
O padrasto aparece 25% das vezes;
Entre os meninos o pai foi o violentadorem48% dos casos.
“Nosso corpo é o templo do Espírito Santo.” O das crianças
também (I Cor. 6:19)
Os programas de TV, Jogos Interativos
e uso do computador podem atuar
como agentes incentivadores
10
ReaçõesinfantisfrenteaViolênciaSexual:
Silêncio, medo, vergonha e culpa
Podemarcar asexualidadeo resto davida
“O pior silêncio é o do
pai ou da mãe que não
defende seu filho contra
o cônjuge violentador, e
cala-se, sendo cúmplice
da tragédia.”
11
Tamanho do Problema!Tamanho do Problema!
Brasil:Brasil: 25% das gravidezes25% das gravidezes
são de adolescentes (10 a 19são de adolescentes (10 a 19
anos).anos).
12
Tipos de VIOLÊNCIA
1. FÍSICA – uso excessivo da força com objetivo
claro ou não de ferir (espancamentos, socos,
queimaduras,uso de objetos, amarrar crianças,
líquidos quentes, uso de correntes, cárcere etc...)
2. PSICOLÓGICA – negação do afeto e
segurança (rejeição, depreciação, discriminação,
desrespeito, punições extremas, confinamentos,
exposição ao ridículo, cobranças injustas etc...)
Revista Sinais dos Tempos 2/2002
13
3. NEGLIGÊNCIA – omissão em prover as necessidades
básicas (alimentação, medicamentos, higiene, escola,
interação, abrigo);
4. SEXUAL – indução/exposição a prática sexuais ativas ou
passivas (atentado ao pudor, pedofilia, exposição a
pornografia, toques e estimulações precoces) para
satisfação de um adulto;
5. SINDROME DO BEBÊ SACUDIDO – agressões contra
bebês e crianças pequenas (lesões nos órgãos sensores /
neurológicos, atraso no desenvolvimento, convulsões, e até
a morte).
Tipos de VIOLÊNCIA
14
Características de Crianças com
Problemas
(mesmo não sendo confirmações servem de alerta aos pais)
1) Machucados que não podem ser explicados;
2) Dificuldades de se concentrar;
3) Timidez excessiva;
4) Baixa Auto-estima;
5) Dificuldade de relacionamento (agressividade,
rebeldia, apatia);
6) Comportamentos Auto-destrutivos (tentativa de
suicídio);
15
Características de Crianças com Problemas
7) Sexualidade explícita (masturbação, brincadeiras
sexualmente agressivas)
8) Alta ansiedade (comportamento
inquieto/irritadiço);
10) Distúrbio do sono e da alimentação;
11) Enurese noturna;
12) Problemas de Aprendizagem;
13) Relutância de voltar para casa (ou aversão a
ambientes específicos).
16
1 Mantenha sempre diálogo aberto com seu
filho;
2 Demonstre que você o ama a despeito de
qualquer coisa, FALE com ele isto;
3 Esteja sempre acessível a explicações, e
procure responder sempre com
honestidade, respeitando a idade dele;
PREVENÇÃO
17
4. Ensine os nomes reais de suas partes íntimas,
evite relacionar os órgãos a sujeira, pecado,
coisa feia etc...;
5. Fale com as crianças que ninguém deve tocá-las
de maneira incômoda/constrangedora, nem
mesmo os de casa;
6. Explique as crianças que não deve existir
segredos que o papai ou mamãe não saibam;
(explique os casos de exames médicos)
PREVENÇÃO
18
PREVENÇÃO
7.Explique que não deve permitir ser fotografada
nua ou quase nua. E que devem contar a seus
pais se alguém lhes pedir isto ou lhes mostrar
fotos deste tipo;
8.Ensine as crianças a não aceitarem doces e
dinheiro de estranhos, ir a locais com estranhos,
nem a entrar em casas ou carros de estranhos. Se
isto ocorrer devem afastar-se imediatamente;
9.Ensine sobre o cuidado e proteção de Deus e
seus anjos.
19
1. A mãe não deve aceitar, silenciar, ser conivente ou
participar ativa ou passivamente de qualquer tipo de
violência contra seus filhos menores;
2. Não buscar ajuda, ou não denunciar as autoridades
legais a torna tão culpada quanto o agressor;
3. A maior garantia ao futuro da criança é sua integridade
física, mental e psicológica a ser preservada.
Jamais aceitar qualquer tipo de
violência
20
SeqüelasSeqüelas
1.O abuso sexual infantil imprime
sentimentos, desconfiança, hostilidade e
dificuldades nos relacionamentos, sensação
de vergonha, culpa e auto-desvalorização, à
baixa autoestima à distorção da imagem
corporal, Transtorno Borderline de
Personalidade e Transtorno de Conduta.
21
SeqüelasSeqüelas
2.Também o Transtorno do Estresse Pós-
traumático, depressão, disfunções sexuais
(aversão a sexo), dificuldade de
aprendizagem, transtornos do sono
(insônia, medo de dormir), da alimentação,
como por exemplo, obesidade, anorexia e
bulimia, ansiedade e fobias.
22
DEPOIS DO TRAUMA
A criança precisa de apoio, compreensão e carinho;
tanto a nível psicológico quanto espiritual, para
aprender a lidar com os fatos passados sem culpa ou
comprometimento de seu futuro.
Evitar tratara criança como alguémsequelado ou lesado. Este
comportamento superprotetorreforçará o trauma, trazendo piores
conseqüências, gerando uma criança estigmatizada.
Mantenha-se sempre acessível e de boa
vontade. Um espírito amoroso e
compreensível poderá fazer toda
diferença.
23
Depois do Trauma
Incentivar a criança a falar, sem externar comentários
de juízo, demonstrando compreensão à angústia da
criança e levando muito a sério o que ela está
dizendo
Assegurar à criança que fez muito bem em contar o
ocorrido, pois, se ela tiver uma relação muito
próxima com quem a abusa, normalmente se
sentirá culpada por revelar o segredo ou com
muito medo de que sua família a castigue por
divulgar o fato
24
Depois do Trauma
3. Dizer enfaticamente à criança que ela não tem
culpa pelo abuso sexual. A maioria das crianças
vítimas de abuso pensa que elas foram à causa
do ocorrido;
4. Finalmente, oferecer proteção à criança, e
prometer que fará de imediato tudo o
que for necessário para que o abuso
termine
25
Informe as autoridades qualquer suspeitaInforme as autoridades qualquer suspeita
séria de abuso sexual.séria de abuso sexual.
1. Consultar imediatamente um médico para atestar
a veracidade da agressão O exame pode avaliar
as condições físicas e emocionais da criança e
indicar um tratamento adequado.
2.A criança abusada sexualmente deve submeter-se a
uma avaliação psiquiátrica por ou outro
profissional de saúde mental qualificado, para
determinar os efeitos emocionais da agressão
sexual, bem como avaliar a necessidade de ajuda
profissional para superar o trauma do abuso.
26
Quando a criança tem que testemunhar
sobre a identidade de seu agressor, deve-se
preferir métodos indiretos e especiais
sempre que possível, tais como o uso de
vídeo, afastamento de expectadores
dispensáveis ou qualquer outra opção de
não ter que encarar o acusado.
27
Onde buscar ajuda?Onde buscar ajuda?
1. Ministério Público de Pernambuco: 0800 281 94 55
2. Gerência da Pessoa com Deficiência da PCR: 3232.8390
3. Disque-Denúncia: 3421.9595 – 0800.990500
4. Policia Militar - 190
5. Disque Denuncia contra exploração sexual da criança -
100
6. Delegacia da Mulher: 3184. 3352 - 3222-1449 – 2009 –
180.
7. Disque denúncia nacional: 100 (ligação gratuita)
8. Promotoria publica
9. Conselhos Tutelares: 3421.3380
10. Vara da Infância e da Juventude 3222-1106
11. DPCA: 3221-0392 / 3303-5193 /3184-3579.
28
Fontes e ColaboraçãoFontes e Colaboração
1. Psicólogo Dr.Virgilio Gomes - CRP 05/16819 – Tel. (21)
3019.3255
2. Centro de Orientação em Educação e Saúde - 3621.5870 -2. Centro de Orientação em Educação e Saúde - 3621.5870 - Dr.Dr.
Fabricio Meyer / Médico PediatraFabricio Meyer / Médico Pediatra
3. Edna Lopes Costa da Matta – Promotora de Justiça Titular da 12ª
Promotoria Criminal - Especializada em crimes contra a
criança e o adolescente;
4. Coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Infância e da
Juventude do MP –CE E-mail: ednadamatta@hotmail.com
5. Secretaria Especial dos Direitos Humanos – Governo Federal –
Brasília – DF.
6. Compilado pelo Pr. Linaldo de Oliveira - Psicólogo Hospitalar:
CRP -02/14358 – E-mail: j.linaldo@uol.com.br
29
“Livra os que são levados para matança... Eu ví as
lágrimas dos que foram oprimidos, e a força estava
do lado dos opressores e eles não tinham quem os

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RSPalestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
VIROUCLIPTAQ
 
Maus tratos
Maus tratosMaus tratos
Maus tratos
Strindade
 
Violência sexual infantil
Violência sexual infantilViolência sexual infantil
Violência sexual infantil
Emanuel Oliveira
 
Infância e violência doméstica
Infância e violência domésticaInfância e violência doméstica
Infância e violência doméstica
Maria Clara Teixeira
 
Cartilha de seguranca sobre pedofilia orientacoes aos pais
Cartilha de seguranca sobre pedofilia orientacoes aos paisCartilha de seguranca sobre pedofilia orientacoes aos pais
Cartilha de seguranca sobre pedofilia orientacoes aos pais
Servix Prestadora de Serviços
 
Palestra sobre abuso sexual na Infância
Palestra sobre abuso sexual na InfânciaPalestra sobre abuso sexual na Infância
Palestra sobre abuso sexual na Infância
Psicólogo - Vilson da Mata
 
A escola e a violência à criança e ao adolescente
A escola e a violência à criança e ao adolescenteA escola e a violência à criança e ao adolescente
A escola e a violência à criança e ao adolescente
Daiane Andrade
 
Slide projeto violencia e abuso sexual renata
Slide projeto violencia e abuso sexual   renataSlide projeto violencia e abuso sexual   renata
Slide projeto violencia e abuso sexual renata
Fabiana Subrinho
 
Violência e maus tratos infantil
Violência e maus tratos infantilViolência e maus tratos infantil
Violência e maus tratos infantil
Thatiane Machado da Silva
 
Cartazes sobre a violencia infantil
Cartazes sobre a violencia infantilCartazes sobre a violencia infantil
Cartazes sobre a violencia infantil
SimoneHelenDrumond
 
Pedofilia - Temas Contemporâneos
Pedofilia - Temas ContemporâneosPedofilia - Temas Contemporâneos
Pedofilia - Temas Contemporâneos
Alexandra Alves
 
Palestra Unisul: Abuso Sexual - Alice Bianchini
Palestra Unisul: Abuso Sexual - Alice BianchiniPalestra Unisul: Abuso Sexual - Alice Bianchini
Palestra Unisul: Abuso Sexual - Alice Bianchini
Atualidades Do Direito
 
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivasPrevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
Marcio Paiva
 
Violência na infância
Violência na infânciaViolência na infância
Violência na infância
-
 
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentesPalestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Michelle Moraes Santos
 
Abusos sexuais
Abusos sexuaisAbusos sexuais
Abusos sexuais
Diogo Ferreira
 
Violencia contra crianças
Violencia contra criançasViolencia contra crianças
Violencia contra crianças
Christyan Oliveira
 
Inf+éncia violentada
Inf+éncia violentadaInf+éncia violentada
Inf+éncia violentada
PrLinaldo Junior
 
Cartilha informativa sobre abuso sexual contra a criança e o adolescente.
Cartilha informativa sobre abuso  sexual contra a criança e o adolescente. Cartilha informativa sobre abuso  sexual contra a criança e o adolescente.
Cartilha informativa sobre abuso sexual contra a criança e o adolescente.
Aline Kelly
 
Bullying - diferentes faces de um mesmo problema
Bullying - diferentes faces de um mesmo problemaBullying - diferentes faces de um mesmo problema
Bullying - diferentes faces de um mesmo problema
ADALBERTO COELHO DA SILVA JR
 

Mais procurados (20)

Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RSPalestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
 
Maus tratos
Maus tratosMaus tratos
Maus tratos
 
Violência sexual infantil
Violência sexual infantilViolência sexual infantil
Violência sexual infantil
 
Infância e violência doméstica
Infância e violência domésticaInfância e violência doméstica
Infância e violência doméstica
 
Cartilha de seguranca sobre pedofilia orientacoes aos pais
Cartilha de seguranca sobre pedofilia orientacoes aos paisCartilha de seguranca sobre pedofilia orientacoes aos pais
Cartilha de seguranca sobre pedofilia orientacoes aos pais
 
Palestra sobre abuso sexual na Infância
Palestra sobre abuso sexual na InfânciaPalestra sobre abuso sexual na Infância
Palestra sobre abuso sexual na Infância
 
A escola e a violência à criança e ao adolescente
A escola e a violência à criança e ao adolescenteA escola e a violência à criança e ao adolescente
A escola e a violência à criança e ao adolescente
 
Slide projeto violencia e abuso sexual renata
Slide projeto violencia e abuso sexual   renataSlide projeto violencia e abuso sexual   renata
Slide projeto violencia e abuso sexual renata
 
Violência e maus tratos infantil
Violência e maus tratos infantilViolência e maus tratos infantil
Violência e maus tratos infantil
 
Cartazes sobre a violencia infantil
Cartazes sobre a violencia infantilCartazes sobre a violencia infantil
Cartazes sobre a violencia infantil
 
Pedofilia - Temas Contemporâneos
Pedofilia - Temas ContemporâneosPedofilia - Temas Contemporâneos
Pedofilia - Temas Contemporâneos
 
Palestra Unisul: Abuso Sexual - Alice Bianchini
Palestra Unisul: Abuso Sexual - Alice BianchiniPalestra Unisul: Abuso Sexual - Alice Bianchini
Palestra Unisul: Abuso Sexual - Alice Bianchini
 
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivasPrevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
 
Violência na infância
Violência na infânciaViolência na infância
Violência na infância
 
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentesPalestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
 
Abusos sexuais
Abusos sexuaisAbusos sexuais
Abusos sexuais
 
Violencia contra crianças
Violencia contra criançasViolencia contra crianças
Violencia contra crianças
 
Inf+éncia violentada
Inf+éncia violentadaInf+éncia violentada
Inf+éncia violentada
 
Cartilha informativa sobre abuso sexual contra a criança e o adolescente.
Cartilha informativa sobre abuso  sexual contra a criança e o adolescente. Cartilha informativa sobre abuso  sexual contra a criança e o adolescente.
Cartilha informativa sobre abuso sexual contra a criança e o adolescente.
 
Bullying - diferentes faces de um mesmo problema
Bullying - diferentes faces de um mesmo problemaBullying - diferentes faces de um mesmo problema
Bullying - diferentes faces de um mesmo problema
 

Semelhante a Infancia violentada (aprovado)

abuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
abuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkabuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
abuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
crasPREFNOVARESENDE
 
Pedofilia combata este mal
Pedofilia   combata este malPedofilia   combata este mal
Pedofilia combata este mal
PrLinaldo Junior
 
Abuso sexual-1212061080118991-8
Abuso sexual-1212061080118991-8Abuso sexual-1212061080118991-8
Abuso sexual-1212061080118991-8
Wellington Farias Gomes
 
Abuso sexual-1212061080118991-8
Abuso sexual-1212061080118991-8Abuso sexual-1212061080118991-8
Abuso sexual-1212061080118991-8
Wellington Farias Gomes
 
Cartilha-abuso.pdf
Cartilha-abuso.pdfCartilha-abuso.pdf
Cartilha-abuso.pdf
GabrieleMachado16
 
Abuso sexual mitos e verdades e mentiras!
Abuso sexual mitos e verdades e mentiras!Abuso sexual mitos e verdades e mentiras!
Abuso sexual mitos e verdades e mentiras!
Rosemeire Guimarães
 
-Apresentação_Abuso-Infantil.pptx
-Apresentação_Abuso-Infantil.pptx-Apresentação_Abuso-Infantil.pptx
-Apresentação_Abuso-Infantil.pptx
WilnaMargelaOliveira1
 
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-laViolência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Thiago de Almeida
 
Violência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra CriançasViolência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra Crianças
David Nordon
 
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
Marcelly Cley
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Alinebrauna Brauna
 
Cartilha 2
Cartilha 2Cartilha 2
Cartilha 2
LLidiana
 
Abuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOS
Abuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOSAbuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOS
Abuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOS
AlisandraOliveira2
 
Aula sobre violência contra crianças
Aula sobre violência contra criançasAula sobre violência contra crianças
Aula sobre violência contra crianças
Diego Alvarez
 
Cartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infância
Cartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infânciaCartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infância
Cartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infância
Ana Filadelfi
 
Violência infantil
Violência infantilViolência infantil
Violência infantil
Beatriz Miranda
 
Cartilha aprendendo a_prevenir
Cartilha aprendendo a_prevenirCartilha aprendendo a_prevenir
Cartilha aprendendo a_prevenir
Miriam De Oliveira Dias
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
Alinebrauna Brauna
 
Tudo sobre o abuso infantil
Tudo sobre o abuso infantilTudo sobre o abuso infantil
Tudo sobre o abuso infantil
Vitoriadriaa
 
Abuso da sexualidade pais 97 2003
Abuso da sexualidade pais 97 2003Abuso da sexualidade pais 97 2003
Abuso da sexualidade pais 97 2003
Rodrigo Adilio Franco
 

Semelhante a Infancia violentada (aprovado) (20)

abuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
abuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkabuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
abuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Pedofilia combata este mal
Pedofilia   combata este malPedofilia   combata este mal
Pedofilia combata este mal
 
Abuso sexual-1212061080118991-8
Abuso sexual-1212061080118991-8Abuso sexual-1212061080118991-8
Abuso sexual-1212061080118991-8
 
Abuso sexual-1212061080118991-8
Abuso sexual-1212061080118991-8Abuso sexual-1212061080118991-8
Abuso sexual-1212061080118991-8
 
Cartilha-abuso.pdf
Cartilha-abuso.pdfCartilha-abuso.pdf
Cartilha-abuso.pdf
 
Abuso sexual mitos e verdades e mentiras!
Abuso sexual mitos e verdades e mentiras!Abuso sexual mitos e verdades e mentiras!
Abuso sexual mitos e verdades e mentiras!
 
-Apresentação_Abuso-Infantil.pptx
-Apresentação_Abuso-Infantil.pptx-Apresentação_Abuso-Infantil.pptx
-Apresentação_Abuso-Infantil.pptx
 
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-laViolência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
 
Violência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra CriançasViolência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra Crianças
 
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Cartilha 2
Cartilha 2Cartilha 2
Cartilha 2
 
Abuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOS
Abuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOSAbuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOS
Abuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOS
 
Aula sobre violência contra crianças
Aula sobre violência contra criançasAula sobre violência contra crianças
Aula sobre violência contra crianças
 
Cartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infância
Cartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infânciaCartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infância
Cartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infância
 
Violência infantil
Violência infantilViolência infantil
Violência infantil
 
Cartilha aprendendo a_prevenir
Cartilha aprendendo a_prevenirCartilha aprendendo a_prevenir
Cartilha aprendendo a_prevenir
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
 
Tudo sobre o abuso infantil
Tudo sobre o abuso infantilTudo sobre o abuso infantil
Tudo sobre o abuso infantil
 
Abuso da sexualidade pais 97 2003
Abuso da sexualidade pais 97 2003Abuso da sexualidade pais 97 2003
Abuso da sexualidade pais 97 2003
 

Mais de PrLinaldo Junior

Embargos declaratórios corrigido
Embargos declaratórios corrigidoEmbargos declaratórios corrigido
Embargos declaratórios corrigido
PrLinaldo Junior
 
Ação de consignação em pagamento
Ação de consignação em pagamentoAção de consignação em pagamento
Ação de consignação em pagamento
PrLinaldo Junior
 
Ação declaratoria de inexistência de relação juridico tributária
Ação declaratoria de inexistência de relação juridico tributáriaAção declaratoria de inexistência de relação juridico tributária
Ação declaratoria de inexistência de relação juridico tributária
PrLinaldo Junior
 
Ação anulatória de débito fiscal
Ação anulatória de débito fiscalAção anulatória de débito fiscal
Ação anulatória de débito fiscal
PrLinaldo Junior
 
Ação de repitição de indébito
Ação de repitição de indébitoAção de repitição de indébito
Ação de repitição de indébito
PrLinaldo Junior
 
Mandado de segurança
Mandado de segurançaMandado de segurança
Mandado de segurança
PrLinaldo Junior
 
Revista
RevistaRevista
Embargos à arremataçào
Embargos à arremataçàoEmbargos à arremataçào
Embargos à arremataçào
PrLinaldo Junior
 
Substiuição processual
Substiuição processualSubstiuição processual
Substiuição processual
PrLinaldo Junior
 
Embargos declaratórios
Embargos declaratóriosEmbargos declaratórios
Embargos declaratórios
PrLinaldo Junior
 
Embargos Declaratório
Embargos DeclaratórioEmbargos Declaratório
Embargos Declaratório
PrLinaldo Junior
 
Vedacao a ampla defesa e ao contra.p.administrativo fiscal
Vedacao a ampla defesa e ao contra.p.administrativo fiscalVedacao a ampla defesa e ao contra.p.administrativo fiscal
Vedacao a ampla defesa e ao contra.p.administrativo fiscal
PrLinaldo Junior
 
Topicos sobre preco de transferencia
Topicos sobre preco de transferenciaTopicos sobre preco de transferencia
Topicos sobre preco de transferencia
PrLinaldo Junior
 
Topicos sobre preco de transferencia
Topicos sobre preco de transferenciaTopicos sobre preco de transferencia
Topicos sobre preco de transferencia
PrLinaldo Junior
 
Alguns aspectos da incidencia tributaria
Alguns aspectos da incidencia tributariaAlguns aspectos da incidencia tributaria
Alguns aspectos da incidencia tributaria
PrLinaldo Junior
 
Mandado de segurança
Mandado de segurançaMandado de segurança
Mandado de segurança
PrLinaldo Junior
 
Aspectos políticos, históricos e legais entre as cartas constitucionais do im...
Aspectos políticos, históricos e legais entre as cartas constitucionais do im...Aspectos políticos, históricos e legais entre as cartas constitucionais do im...
Aspectos políticos, históricos e legais entre as cartas constitucionais do im...
PrLinaldo Junior
 
Mandado de segurança
Mandado de segurançaMandado de segurança
Mandado de segurança
PrLinaldo Junior
 
Exmo janiere
Exmo janiereExmo janiere
Exmo janiere
PrLinaldo Junior
 
Versão final ciência política
Versão final ciência políticaVersão final ciência política
Versão final ciência política
PrLinaldo Junior
 

Mais de PrLinaldo Junior (20)

Embargos declaratórios corrigido
Embargos declaratórios corrigidoEmbargos declaratórios corrigido
Embargos declaratórios corrigido
 
Ação de consignação em pagamento
Ação de consignação em pagamentoAção de consignação em pagamento
Ação de consignação em pagamento
 
Ação declaratoria de inexistência de relação juridico tributária
Ação declaratoria de inexistência de relação juridico tributáriaAção declaratoria de inexistência de relação juridico tributária
Ação declaratoria de inexistência de relação juridico tributária
 
Ação anulatória de débito fiscal
Ação anulatória de débito fiscalAção anulatória de débito fiscal
Ação anulatória de débito fiscal
 
Ação de repitição de indébito
Ação de repitição de indébitoAção de repitição de indébito
Ação de repitição de indébito
 
Mandado de segurança
Mandado de segurançaMandado de segurança
Mandado de segurança
 
Revista
RevistaRevista
Revista
 
Embargos à arremataçào
Embargos à arremataçàoEmbargos à arremataçào
Embargos à arremataçào
 
Substiuição processual
Substiuição processualSubstiuição processual
Substiuição processual
 
Embargos declaratórios
Embargos declaratóriosEmbargos declaratórios
Embargos declaratórios
 
Embargos Declaratório
Embargos DeclaratórioEmbargos Declaratório
Embargos Declaratório
 
Vedacao a ampla defesa e ao contra.p.administrativo fiscal
Vedacao a ampla defesa e ao contra.p.administrativo fiscalVedacao a ampla defesa e ao contra.p.administrativo fiscal
Vedacao a ampla defesa e ao contra.p.administrativo fiscal
 
Topicos sobre preco de transferencia
Topicos sobre preco de transferenciaTopicos sobre preco de transferencia
Topicos sobre preco de transferencia
 
Topicos sobre preco de transferencia
Topicos sobre preco de transferenciaTopicos sobre preco de transferencia
Topicos sobre preco de transferencia
 
Alguns aspectos da incidencia tributaria
Alguns aspectos da incidencia tributariaAlguns aspectos da incidencia tributaria
Alguns aspectos da incidencia tributaria
 
Mandado de segurança
Mandado de segurançaMandado de segurança
Mandado de segurança
 
Aspectos políticos, históricos e legais entre as cartas constitucionais do im...
Aspectos políticos, históricos e legais entre as cartas constitucionais do im...Aspectos políticos, históricos e legais entre as cartas constitucionais do im...
Aspectos políticos, históricos e legais entre as cartas constitucionais do im...
 
Mandado de segurança
Mandado de segurançaMandado de segurança
Mandado de segurança
 
Exmo janiere
Exmo janiereExmo janiere
Exmo janiere
 
Versão final ciência política
Versão final ciência políticaVersão final ciência política
Versão final ciência política
 

Infancia violentada (aprovado)

  • 1. 1 Toda criança tem o direito de ser amada, e ser feliz. As crianças fazem parte do Reino
  • 2. 2 Os pais têm o dever de:Os pais têm o dever de: Ensinar a temer a Deus: Ensina a criança o caminho que deve andar... (Pv.22:6); Dar exemplo para ser imitado: Sede meus imitadores e observai os que andam segundo o exemplo que tendes em nós... (Fl.3:17); Proteger e ser responsável: Assim como bem sabeis de que modo vos exortávamos e consolávamos, a cada um de vós, como o pai a seus filhos. (1Ts.2:11).
  • 3. 3 São diversas as formas de ViolênciaSão diversas as formas de Violência 1. Contra a criança e o adolescente; 2. Contra a mulher, o idoso e o deficiente; 3. Formas de abuso; 4. Formas de discriminação; 5. Formas de assédio.
  • 4. 4 Infância violentada éInfância violentada é Uma violência silenciosa,Uma violência silenciosa, Uma relação desigual deUma relação desigual de poder.poder. O violentador deve serO violentador deve ser responsabilizado eresponsabilizado e criminalmente, semcriminalmente, sem
  • 6. 6 LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Constituição da República Federativa do Brasil: Artigo 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.
  • 7. 7 LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Estatuto da Criança e do Adolescente: Art. 19. Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado no seio da família e, excepcionalmente, em família substituta, assegurada a convivência familiar e comunitária, em ambiente livre da presença de pessoas dependentes de substâncias entorpecentes. Art. 20. Os filhos havidos ou não da relação do casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação. Art. 22. Aos pais incumbe o dever de sustento, guarda e educação dos filhos menores, cabendo-lhes ainda, no interesse destes, a obrigação de cumprir e fazer cumprir as determinações judiciais.
  • 8. 8 Local deAmor eRespeito Como imporlimites semexcessos? Crianças violentadas assimilam o modelo errado tornando- se pessoas violentadoras. Ministério da Saúde – As agressões são a principal causa de morte entre jovens entre 5 a 19 anos. A maior parte acontece no ambiente doméstico. Unicef – estima que diariamente cerca de 18 mil crianças e adolescentes sejam espancadas no Brasil, e cerca de 7 mil mortes por ano sejam resultados destas agressões.
  • 9. 9 VIOLÊNCIA SEXUAL Representa 13% do total de denúncias no Serviço de Advocacia da criança; A família é responsável por62% desses casos; O Pai aparece como principal agressorem59% das vezes; O padrasto aparece 25% das vezes; Entre os meninos o pai foi o violentadorem48% dos casos. “Nosso corpo é o templo do Espírito Santo.” O das crianças também (I Cor. 6:19) Os programas de TV, Jogos Interativos e uso do computador podem atuar como agentes incentivadores
  • 10. 10 ReaçõesinfantisfrenteaViolênciaSexual: Silêncio, medo, vergonha e culpa Podemarcar asexualidadeo resto davida “O pior silêncio é o do pai ou da mãe que não defende seu filho contra o cônjuge violentador, e cala-se, sendo cúmplice da tragédia.”
  • 11. 11 Tamanho do Problema!Tamanho do Problema! Brasil:Brasil: 25% das gravidezes25% das gravidezes são de adolescentes (10 a 19são de adolescentes (10 a 19 anos).anos).
  • 12. 12 Tipos de VIOLÊNCIA 1. FÍSICA – uso excessivo da força com objetivo claro ou não de ferir (espancamentos, socos, queimaduras,uso de objetos, amarrar crianças, líquidos quentes, uso de correntes, cárcere etc...) 2. PSICOLÓGICA – negação do afeto e segurança (rejeição, depreciação, discriminação, desrespeito, punições extremas, confinamentos, exposição ao ridículo, cobranças injustas etc...) Revista Sinais dos Tempos 2/2002
  • 13. 13 3. NEGLIGÊNCIA – omissão em prover as necessidades básicas (alimentação, medicamentos, higiene, escola, interação, abrigo); 4. SEXUAL – indução/exposição a prática sexuais ativas ou passivas (atentado ao pudor, pedofilia, exposição a pornografia, toques e estimulações precoces) para satisfação de um adulto; 5. SINDROME DO BEBÊ SACUDIDO – agressões contra bebês e crianças pequenas (lesões nos órgãos sensores / neurológicos, atraso no desenvolvimento, convulsões, e até a morte). Tipos de VIOLÊNCIA
  • 14. 14 Características de Crianças com Problemas (mesmo não sendo confirmações servem de alerta aos pais) 1) Machucados que não podem ser explicados; 2) Dificuldades de se concentrar; 3) Timidez excessiva; 4) Baixa Auto-estima; 5) Dificuldade de relacionamento (agressividade, rebeldia, apatia); 6) Comportamentos Auto-destrutivos (tentativa de suicídio);
  • 15. 15 Características de Crianças com Problemas 7) Sexualidade explícita (masturbação, brincadeiras sexualmente agressivas) 8) Alta ansiedade (comportamento inquieto/irritadiço); 10) Distúrbio do sono e da alimentação; 11) Enurese noturna; 12) Problemas de Aprendizagem; 13) Relutância de voltar para casa (ou aversão a ambientes específicos).
  • 16. 16 1 Mantenha sempre diálogo aberto com seu filho; 2 Demonstre que você o ama a despeito de qualquer coisa, FALE com ele isto; 3 Esteja sempre acessível a explicações, e procure responder sempre com honestidade, respeitando a idade dele; PREVENÇÃO
  • 17. 17 4. Ensine os nomes reais de suas partes íntimas, evite relacionar os órgãos a sujeira, pecado, coisa feia etc...; 5. Fale com as crianças que ninguém deve tocá-las de maneira incômoda/constrangedora, nem mesmo os de casa; 6. Explique as crianças que não deve existir segredos que o papai ou mamãe não saibam; (explique os casos de exames médicos) PREVENÇÃO
  • 18. 18 PREVENÇÃO 7.Explique que não deve permitir ser fotografada nua ou quase nua. E que devem contar a seus pais se alguém lhes pedir isto ou lhes mostrar fotos deste tipo; 8.Ensine as crianças a não aceitarem doces e dinheiro de estranhos, ir a locais com estranhos, nem a entrar em casas ou carros de estranhos. Se isto ocorrer devem afastar-se imediatamente; 9.Ensine sobre o cuidado e proteção de Deus e seus anjos.
  • 19. 19 1. A mãe não deve aceitar, silenciar, ser conivente ou participar ativa ou passivamente de qualquer tipo de violência contra seus filhos menores; 2. Não buscar ajuda, ou não denunciar as autoridades legais a torna tão culpada quanto o agressor; 3. A maior garantia ao futuro da criança é sua integridade física, mental e psicológica a ser preservada. Jamais aceitar qualquer tipo de violência
  • 20. 20 SeqüelasSeqüelas 1.O abuso sexual infantil imprime sentimentos, desconfiança, hostilidade e dificuldades nos relacionamentos, sensação de vergonha, culpa e auto-desvalorização, à baixa autoestima à distorção da imagem corporal, Transtorno Borderline de Personalidade e Transtorno de Conduta.
  • 21. 21 SeqüelasSeqüelas 2.Também o Transtorno do Estresse Pós- traumático, depressão, disfunções sexuais (aversão a sexo), dificuldade de aprendizagem, transtornos do sono (insônia, medo de dormir), da alimentação, como por exemplo, obesidade, anorexia e bulimia, ansiedade e fobias.
  • 22. 22 DEPOIS DO TRAUMA A criança precisa de apoio, compreensão e carinho; tanto a nível psicológico quanto espiritual, para aprender a lidar com os fatos passados sem culpa ou comprometimento de seu futuro. Evitar tratara criança como alguémsequelado ou lesado. Este comportamento superprotetorreforçará o trauma, trazendo piores conseqüências, gerando uma criança estigmatizada. Mantenha-se sempre acessível e de boa vontade. Um espírito amoroso e compreensível poderá fazer toda diferença.
  • 23. 23 Depois do Trauma Incentivar a criança a falar, sem externar comentários de juízo, demonstrando compreensão à angústia da criança e levando muito a sério o que ela está dizendo Assegurar à criança que fez muito bem em contar o ocorrido, pois, se ela tiver uma relação muito próxima com quem a abusa, normalmente se sentirá culpada por revelar o segredo ou com muito medo de que sua família a castigue por divulgar o fato
  • 24. 24 Depois do Trauma 3. Dizer enfaticamente à criança que ela não tem culpa pelo abuso sexual. A maioria das crianças vítimas de abuso pensa que elas foram à causa do ocorrido; 4. Finalmente, oferecer proteção à criança, e prometer que fará de imediato tudo o que for necessário para que o abuso termine
  • 25. 25 Informe as autoridades qualquer suspeitaInforme as autoridades qualquer suspeita séria de abuso sexual.séria de abuso sexual. 1. Consultar imediatamente um médico para atestar a veracidade da agressão O exame pode avaliar as condições físicas e emocionais da criança e indicar um tratamento adequado. 2.A criança abusada sexualmente deve submeter-se a uma avaliação psiquiátrica por ou outro profissional de saúde mental qualificado, para determinar os efeitos emocionais da agressão sexual, bem como avaliar a necessidade de ajuda profissional para superar o trauma do abuso.
  • 26. 26 Quando a criança tem que testemunhar sobre a identidade de seu agressor, deve-se preferir métodos indiretos e especiais sempre que possível, tais como o uso de vídeo, afastamento de expectadores dispensáveis ou qualquer outra opção de não ter que encarar o acusado.
  • 27. 27 Onde buscar ajuda?Onde buscar ajuda? 1. Ministério Público de Pernambuco: 0800 281 94 55 2. Gerência da Pessoa com Deficiência da PCR: 3232.8390 3. Disque-Denúncia: 3421.9595 – 0800.990500 4. Policia Militar - 190 5. Disque Denuncia contra exploração sexual da criança - 100 6. Delegacia da Mulher: 3184. 3352 - 3222-1449 – 2009 – 180. 7. Disque denúncia nacional: 100 (ligação gratuita) 8. Promotoria publica 9. Conselhos Tutelares: 3421.3380 10. Vara da Infância e da Juventude 3222-1106 11. DPCA: 3221-0392 / 3303-5193 /3184-3579.
  • 28. 28 Fontes e ColaboraçãoFontes e Colaboração 1. Psicólogo Dr.Virgilio Gomes - CRP 05/16819 – Tel. (21) 3019.3255 2. Centro de Orientação em Educação e Saúde - 3621.5870 -2. Centro de Orientação em Educação e Saúde - 3621.5870 - Dr.Dr. Fabricio Meyer / Médico PediatraFabricio Meyer / Médico Pediatra 3. Edna Lopes Costa da Matta – Promotora de Justiça Titular da 12ª Promotoria Criminal - Especializada em crimes contra a criança e o adolescente; 4. Coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Infância e da Juventude do MP –CE E-mail: ednadamatta@hotmail.com 5. Secretaria Especial dos Direitos Humanos – Governo Federal – Brasília – DF. 6. Compilado pelo Pr. Linaldo de Oliveira - Psicólogo Hospitalar: CRP -02/14358 – E-mail: j.linaldo@uol.com.br
  • 29. 29 “Livra os que são levados para matança... Eu ví as lágrimas dos que foram oprimidos, e a força estava do lado dos opressores e eles não tinham quem os