SlideShare uma empresa Scribd logo
-Apresentação_Abuso-Infantil.pptx
O que é violência sexual infantil?
2
Consiste na utilização de crianças e adolescentes como meio para a satisfação de
desejos ou com finalidade sexual por adultos, mesmo que não haja contato físico ou
a prática de qualquer ato sexual. Também está presente nas ações que tem por
objetivo corromper ou explorar a sexualidade dos infantes
Tipos de violência sexual
•Abuso sexual: ações que buscam a violação sexual de crianças e adolescentes,
desrespeitem sua intimidade ou tenham por finalidade a satisfação sexual do
abusador.
• Exploração sexual: utilização de crianças e adolescentes para obtenção de lucro ou
outra vantagem (financeira ou não).
 Ambas as situações são previstas como crimes pela legislação brasileira, com
penas que podem chegar a 30 anos de prisão!
Tal como a exploração sexual de crianças e adolescentes, a prática de atos
libidinosos com menores de 14 anos, em qualquer circunstância, configura crime
hediondo, com pena de 8 a 30 anos de prisão!
•Manter conversas de conteúdo impróprio, pessoalmente ou por apps de troca de mensagens, com
crianças e adolescentes sobre relações sexuais, buscando despertar o interesse do ouvinte para praticá-
las;
• Exibir as partes íntimas ou, por qualquer maneira, fazer/induzir a criança ou adolescente a ver um
adulto sem roupa;
• Observar as partes íntimas de crianças ou adolescentes, mesmo que estes não percebam o intuito
libidinoso da observação;
• Filmar ou fotografar crianças e adolescentes em posições sensuais, ainda que vestidas; bem como
fazer sexo ou praticar outro ato libidinoso na presença de infante;
•Enviar mensagens para crianças e adolescentes (textos, fotos, áudios ou vídeos) com conteúdo
obsceno ou provocador; ou mostrar ou disponibilizar revistas, sites ou qualquer material pornográfico;
•Pedir, enviar ou receber fotos e vídeos de partes íntimas de crianças ou adolescentes, ou em que
estas estejam em poses insinuantes, entre muitos outros atos.
A violência sexual pode ocorrer sem que a vítima seja
tocada pelo abusador, bastando a exposição do jovem a
situações de caráter sexual/pornográfico.
3
Por que falar sobre violência sexual contra crianças e
adolescentes?
4
• De acordo com Balanço geral do Disque 100, entre 2011 e 2018 foram registradas próximo de 200 mil
queixas de violência sexual infantil.
• Se fizermos os cálculos com base nas estatísticas da OMS, os 32 mil casos registrados pelo Brasil somente
em 2018, correspondem, na verdade, a 640 mil crianças violentadas.
•PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA MUNDIAL – no Brasil, cerca de 30% da população foi abusada
sexualmente antes dos 18 anos, ou seja, mais de 60 milhões de brasileiros já foram ou estão sendo
violentados.
• IMPUNIDADE – a OMS estima que apenas 01 em cada 20 casos de abuso chega
ao conhecimento das autoridades.
•IMPUNIDADE – todos os anos, centenas de milhares de estupradores e abusadores
de todo gênero saem livres e impunes pelos crimes praticados, somente no ano de
2018 mais de 600 mil deixaram de ser identificados, presos e processados como
resultado de nossa OMISSÃO.
Quem são as vítimas?
•A violência sexual atinge crianças e adolescentes de todas as idades (0 a 18 anos), de ambos os sexos,
com ou sem deficiências físicas ou intelectuais. Muitos abusadores têm como vítimas preferenciais crianças
com algum tipo de deficiência ou dificuldade em se expressar, porque essas condições dificultam a
descoberta de seus atos e aumentam as chances de impunidade. São indiferentes também condições
culturais, religiosas e socioeconômicas ou a etnia dos envolvidos.
•ESTATÍSTICAS: a cada 4 meninas 1 sofre algum tipo de violência sexual na infância ou adolescência.
Em relação aos meninos 1 a cada 6 já foram abusados sexualmente.
•Na maioria dos casos, a criança abusada tem menos de 10 anos e acaba por não denunciar o agressor por
medo ou incapacidade de se expressar. Segundo Boletim Epidemiológico divulgado pelo Ministério da
Saúde, 51% das vítimas de abuso sexual, entre os anos de 2011 e 2017, tinha de 01 a 05 anos de idade.
•Nos casos de violência contra meninos, o preconceito devido ao tabu da masculinidade prejudica ainda
mais a denúncia, apuração do caso e tratamento da vítima.
5
Onde as violações ocorrem?
•Violação extrafamiliar: o abusador não possui ligação familiar com a vítima, podendo ser desconhecidos ou
mesmo amigos da família, funcionários da casa, prestadores de serviço com acesso à criança, vizinhos,
profissionais da escola, entre outros.
• Violação intrafamiliar: o autor dos atos abusivos é parente (família natural, extensa e substituta) ou pessoa
que tem laços afetivos estreitos com a criança / adolescente ou com seus responsáveis.
• O PERIGO PODE ESTAR DENTRO DE CASA: estudos apontam que de 80% a 88% dos casos de
violência sexual infantil são praticados por familiares ou pessoas muito
próximas à vítima. É comum que o abusador(a) seja pai/mãe, padrasto/madrasta, avós, tio(a),
primo(a), padrinho/madrinha.
• PAI – Em média, 04 de cada 10 crianças foram abusadas pelo próprio
genitor .
•A percepção de segurança do ambiente doméstico contribui para o
aumento dos casos, pois os abusadores conseguem acesso às vítimas sem
vigilância imediata e constante dos responsáveis.
6
Quem são e qual o perfil do(a)s abusadores(as)?
•ILUSÃO e IMAGINÁRIO: o abusador é sempre um homem adulto, de hábitos sociais
reprováveis, isolado do convívio comunitário, um criminoso habitual (figura típica das
manchetes policiais), pervertido, enfim, um “monstro” e “tarado de fácil identificação”?
ERRADO. Isso está longe de ser verdade. Na maioria das vezes, a figura do pai/mãe de
família provedor(a), homem ou mulher responsável, religioso, respeitável e acima de qualquer
suspeita é exatamente o(a) criminoso(a) que violenta sexualmente crianças e adolescentes,
quando estes estão desprotegidos, sozinhos e vulneráveis.
•PERFIL VERDADEIRO: São pessoas, aparentemente, de bom comportamento, amáveis e
até mesmo sedutoras. Quando não podem usar de violência física ou psicológica – com receio
de serem presas – tentam conquistar as vítimas através de manipulação psicológica, elogios,
presentes, oferta de dinheiro e outras vantagens.
•MULTIPLICIDADE DE VIOLAÇÕES: segundo levantamento realizado pelo G1 com
base em dados do Ministério da Saúde, em vítimas de 0 a 9 anos o índice de repetição dos
abusos é superior a um terço (35,6%), enquanto que em vítimas acima de 10 anos, a reiteração
ocorre em quase metade dos casos (45,3%).
7
Como orientar crianças e adolescentes sobre a prevenção de
violações sexuais?
•INFORMAÇÃO – Deve-se, desde muito cedo, estabelecer com as crianças uma relação de confiança,
esclarecendo sobre suas partes íntimas (chamando-as pelo devido nome). É necessário também ensinar
quais os carinhos ou toques são aceitáveis e normais na convivência sadia com pessoas mais velhas,
explicando o que são atos abusivos, porque nunca podem ser aceitos e, caso tenham ocorrido, a importância
de denunciá-los.
•Ensinar às crianças e adolescentes sobre a dignidade e a inviolabilidade de seu corpointimidade, expondo
de modo claro a diferença entre respeito (sempre necessário) e submissão incondicional (prejudicial e
perigosa), é o melhor caminho para prevenir abusos.
•TABUS – O infante deve saber que pode conversar com seu responsável sobre
qualquer assunto, sem temas proibidos. Isso possibilitará que ele identifique
condutas “estranhas” e busque socorro junto aos pais e responsáveis, narrando-
lhes todas as atitudes suspeitas de terceiros.
• NÃO É MENTIRA – em média, 94% dos relatos de crianças e adolescentes
sobre abusos sexuais são verdadeiros.
8
•As crianças devem ser orientadas que, se alguma pessoa tentar qualquer tipo de aproximação com
abordagem sexual, mesmo sem contato físico, ela deve dizer NÃO e contar imediatamente os fatos aos seus
pais ou responsáveis. Durante os esclarecimentos, podem ser utilizados exemplos para que o infante saiba
como agir, caso se depare com situações de violação, tais como:
 Se uma pessoa se aproxima e oferece bombons, chocolates ou presentes, o que você faria?
 Uma pessoa para o carro na rua e lhe convida para dar uma volta, você entraria no carro?
 Um desconhecido lhe convida para ir brincar na casa dele, você aceitaria o convite?
 Se um ‘amigo’que você conheceu na internet perguntar onde fica a sua casa, você responderia?
 Se um ‘amigo’que você conheceu na internet pedisse uma foto sua, você enviaria?
 Se alguém fizesse algo com você e dissesse que aquilo era um segredo que só vocês poderiam saber,
você contaria algo aos seus paisresponsáveis?
 Se alguém quisesse lhe mostrar fotos ou vídeos você concordaria em vê-las?
•Pais e responsáveis devem saber sobre o cotidiano dos filhos, identificando todos que tenham contato com
a criança. Enfim, todos que cuidam de crianças e adolescentes devem saber, a todo instante, onde eles estão,
com quem estão e fazendo exatamente o quê.
9
Informação, Diálogo e Conscientização – armas contra o
Abuso Infantil!
Os perigos da Internet
•Segundo dados da Campanha Nacional de Combate à Pedofilia na
Internet, de cada cinco crianças que regularmente acessam a rede de
computadores, pelo menos uma recebe alguma proposta de pedófilos.
Desses jovens, 24% mantiveram contato com potenciais abusadores.
• É importante que pais e responsáveis acompanhem de perto a navegação dos filhos e expliquem sobre os
riscos a que estão sujeitos, esclarecendo o que podem ou não acessar.
• É comum criminosos usarem perfis falsos para iniciar conversas, passando-se por jovens em busca de
novos amigos.
•Após ter algumas conversas e ganhar a confiança da criança ou adolescente, passam a pedir informações
pessoais e fotos/vídeos em tom de desafio ou como ação que será recompensada por algum presente, por
exemplo. Infelizmente, também é comum fazerem ameaças para obter fotos e vídeos ou marcar encontros
presenciais.
10
Precauções gerais para o uso seguro da Internet!
• O computador com acesso à internet deve ser mantido em uma área comum da casa
(evitar que o computador fique no quarto ou “fora de vista”).
•A criança/adolescente deve ser encorajado a relatar qualquer atividade suspeita, materiais
indevidos que tenha recebido e deve ser instruída a não divulgar dados pessoais (sobretudo
endereço, fotos, vídeos, informações de sua rotina).
• Caso suspeite que alguma pessoa esteja fazendo algo ilegal através da internet, as
autoridades policiais devem ser comunicadas.
•Devem ser estabelecidas regras para o uso da internet, tais como horários permitidos
(preferencialmente quando algum adulto estiver em casa) e tempo máximo de acesso
diário.
•Verifique o que as crianças e adolescentes acessam na internet e com quem costumam
manter contato. Navegue na rede com a criança, conheça seus sites preferidos e suas
atividades online, instruindo-as a fazer uso responsável desses recursos.
• Conhecer os “amigos virtuais” das crianças e adolescentes é uma OBRIGAÇÃO de
todos os pais e responsáveis.
11
Sinais de alerta
•As vítimas de violência sexual juvenil, normalmente, apresentam algumas alterações de comportamento, que
podem aparecer de forma isolada ou conjunta, variando de acordo com a idade, características do núcleo
familiar, tipo de violência a que foi exposta e a maneira como a realidade da criança/adolescente se transforma
após a prática da violência.
• EXEMPLOS – Devem ser observados a presença de um ou mais dos seguintes sinais:
Mudanças bruscas de comportamento (deixa de demonstrar carinho, sendo que antes era carinhoso(a); fica
agitado(a), mas antes era calmo(a); age com agressividade constante, quando anteriormente era afável,
meigo(a), dentre outros);
 Irritabilidade ou agressividade excessiva;
Comportamento arredio, desejando ficar sempre sozinho(a), pelos
cantos (por vezes a reação é exatamente contrária, quando a criança tem
receio de ficar sozinha, mas antes reagia bem a essa situação – a inversão
do hábito de dormir só ou acompanhado é outro exemplo);
 Permanece tenso(a), ansioso(a) e assustado(a), como se estivesse
sempre em “estado de alerta”;
12
Sinais de alerta
 Chora por qualquer motivo e com uma frequência maior do que de costume;
 Regride em seu desenvolvimento, apresentando-se muito infantil para a idade
(involução de vocabulário ou forma de falar; brincadeiras e jogos de seu interesse, volta a
depender dos responsáveis para se locomover, volta a chupar dedo);
 Permanece calado(a) e inexpressivo(a), com o pensamento distante ou tentando passar
despercebido(a)não ser notado(a);
 Demonstra dificuldade para se socializar com outras pessoas de qualquer idade ou
apenas consegue ficar na companhia de uma pessoa específica;
 Apresenta medo constante ou pavor inexplicável, por vezes, de locais específicos, como o quarto ou o
banheiro de sua residência (motivo para fuga de casa), a escola, a casa de um parente ou amigo;
 Passa a ter dificuldades de aprendizagem e baixo rendimento escolar;
 Sempre está triste, melancólico(a) e foge de contato físico;
 Apresenta problemas de saúde sem causa aparente (problemas alérgicos, doenças de pele, vômitos ou outras
dificuldades digestivas), que, na verdade, possuem causa emocional – doenças psicossomáticas;
 Mostra desconforto na presença de determinado adulto (não necessariamente o abusador).
13
Sequelas e Consequências do Abuso Infantil!
•Crianças e adolescentes violadas sexualmente sofrem traumas que levarão consigo pelo resto da vida. Os
atos abusivos, além de destruir a infância da vítima, interrompem seu desenvolvimento psicológico e
emocional, arruínam sua autoconfiança e confundem sua base de valores morais relacionados à intimidade
e à inocência.
• Dentre as consequências físicas resultantes da violência sexual, são exemplos:
 Lesões em geral e hematomas; Lesões nos órgãos íntimos;
 Doenças sexualmente transmissíveis: AIDS, SÍFILIS, GONORREIA, HERPES GENITAL;
Infecções; Dores na região abdominal;Antecipação exagerada da menstruação para as meninas;
Gravidez.
•Dentre as consequências psicológicas e sociais, que levam a vítima a desenvolver
comportamentos patológicos, alguns observáveis ainda na infância e adolescência,
outros somente em sua vida adulta:
 Dificuldade de ligação afetiva e amorosa devido às lembranças traumáticas;
Interrupção do desenvolvimento cognitivo, dificuldade de concentração e
desorganização mental (pessoas incapazes de desenvolver atividades de média
complexidade ou atividades fáceis por período prolongado);
14
Sequelas e Consequências do Abuso Infantil!
15
 Podem ficar mais suscetíveis a envolver-se em situações de promiscuidade ou manifestar uma
sexualidade descontrolada;
 Propensão ao consumo de álcool e drogas ilícitas;
Rejeição do próprio corpo, baixa autoestima, sentimento constante de inferioridade em relação as demais
pessoas, sentimento de ser sujo(a), mau, imprestável para constituir uma família;
Desenvolvimento de fobias, pavor de contato social, ansiedade, depressão e distúrbios de ordem
alimentar (bulimia ou obesidade), falta de confiança para realizar qualquer tarefa;
Automutilação (machucar-se: cortar-se, bater em seu corpo, usar objetos perfurantes junto ao corpo para
se ferir) e tendência ao suicídio, onde a morte é encarada como uma solução para pôr fim ao seu
sofrimento.
•Em muitos casos, as consequências psicológicas e sociais são o resultado dos sentimentos negativos que
infante passa a desenvolver logo após o abuso e que, como regra, não diminuem com o passar do tempo. A
demora em denunciar o abuso e buscar tratamento médico tende a agravar as sequelas.
•As feridas geradas pela violência sexual não são curadas pelo tempo. Ainda que a vítima seja muito jovem
e não se recorde com clareza dos fatos, haverá sequelas. Por isso, é importante buscar acompanhamento
psicológico. Para esses casos, esperar e tentar esquecer não são soluções.
Como Agir e a quem procurar?
•Constatada uma situação de abuso ou de suspeita de violação sexual, a denúncia aos órgãos de proteção é
a melhor forma de agir, pois é o modo mais efetivo de impedir que o abusador continue a praticar seus atos
com o afastamento imediato do(a) criminoso(a) e sua punição pela justiça.
•NUNCA ESQUECER: a vítima deve ser esclarecida de que não é culpada pelo abuso. Os responsáveis
têm que transmitir ao infante a sensação de segurança e o sentimento de que, a partir dali, não mais
enfrentará a situação sozinha, contando com a proteção de seus familiares e amigos.
ONDE DENUNCIAR:
• Conselho Tutelar
• Disque 100
• Órgãos e agentes daAssistência Social e da Saúde (Creas,
Cras, Equipe da Saúde da Família, Agente de Saúde)
• Ministério Público
• Vara da Infância e Juventude
• Delegacia de Polícia
• Polícia Militar e Guarda Municipal
16
Link para acesso à Cartilha: http://www.mpce.mp.br/wp-
content/uploads/2021/05/CARTILHA-Viole%CC%82ncia-Sexual-contra-
Crianc%CC%A7as-e-Adolescentes.pdf
Ilustrações: Carlos Daniel, Instagram @brabo_draws.
Modelo de slides utilizado: pointhub.com (PowerPoint Hub). Copyright 2019, Thailand.
17

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Abuso e exploração sexual de criança e adolescente
Abuso e exploração sexual de criança e adolescenteAbuso e exploração sexual de criança e adolescente
Abuso e exploração sexual de criança e adolescente
Luisa Sena
 
Slide projeto violencia e abuso sexual renata
Slide projeto violencia e abuso sexual   renataSlide projeto violencia e abuso sexual   renata
Slide projeto violencia e abuso sexual renata
Fabiana Subrinho
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
Alinebrauna Brauna
 
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-laViolência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Thiago de Almeida
 
Violencia contra criança e adolescente
Violencia contra criança e adolescenteViolencia contra criança e adolescente
Violencia contra criança e adolescente
tlvp
 
18 de Maio
18 de Maio 18 de Maio
18 de Maio
Patrícia Brasil
 
Dia 18 de maio
Dia 18 de maioDia 18 de maio
Dia 18 de maio
pibidpedagogiaufla
 
Violência Contra A Criança
Violência Contra A CriançaViolência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Renato Bach
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Alinebrauna Brauna
 
Aula sobre violência contra crianças
Aula sobre violência contra criançasAula sobre violência contra crianças
Aula sobre violência contra crianças
Diego Alvarez
 
ABUSO SEXUAL
ABUSO SEXUALABUSO SEXUAL
ABUSO SEXUAL
socioeducador
 
18 de maio
18 de maio18 de maio
18 de maio
Ivanílson Santos
 
Violência infantil
Violência infantilViolência infantil
Violência infantil
Beatriz Miranda
 
Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...
Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...
Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...
Marilene dos Santos
 
Combate ao abuso sexual contra crianças e adolescentes
Combate ao abuso sexual contra crianças e adolescentesCombate ao abuso sexual contra crianças e adolescentes
Combate ao abuso sexual contra crianças e adolescentes
Brena Pinheiro
 
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentesPalestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Michelle Moraes Santos
 
Prevenção de maus tratos na infância
Prevenção de maus tratos na infânciaPrevenção de maus tratos na infância
Prevenção de maus tratos na infância
beaescd
 
Violência na escola
Violência na escolaViolência na escola
Violência na escola
Fabricia Maisa
 
Violencia Doméstica
Violencia DomésticaViolencia Doméstica
Violencia Doméstica
AP6Dmundao
 
Abuso
AbusoAbuso

Mais procurados (20)

Abuso e exploração sexual de criança e adolescente
Abuso e exploração sexual de criança e adolescenteAbuso e exploração sexual de criança e adolescente
Abuso e exploração sexual de criança e adolescente
 
Slide projeto violencia e abuso sexual renata
Slide projeto violencia e abuso sexual   renataSlide projeto violencia e abuso sexual   renata
Slide projeto violencia e abuso sexual renata
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
 
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-laViolência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
 
Violencia contra criança e adolescente
Violencia contra criança e adolescenteViolencia contra criança e adolescente
Violencia contra criança e adolescente
 
18 de Maio
18 de Maio 18 de Maio
18 de Maio
 
Dia 18 de maio
Dia 18 de maioDia 18 de maio
Dia 18 de maio
 
Violência Contra A Criança
Violência Contra A CriançaViolência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Aula sobre violência contra crianças
Aula sobre violência contra criançasAula sobre violência contra crianças
Aula sobre violência contra crianças
 
ABUSO SEXUAL
ABUSO SEXUALABUSO SEXUAL
ABUSO SEXUAL
 
18 de maio
18 de maio18 de maio
18 de maio
 
Violência infantil
Violência infantilViolência infantil
Violência infantil
 
Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...
Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...
Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...
 
Combate ao abuso sexual contra crianças e adolescentes
Combate ao abuso sexual contra crianças e adolescentesCombate ao abuso sexual contra crianças e adolescentes
Combate ao abuso sexual contra crianças e adolescentes
 
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentesPalestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
 
Prevenção de maus tratos na infância
Prevenção de maus tratos na infânciaPrevenção de maus tratos na infância
Prevenção de maus tratos na infância
 
Violência na escola
Violência na escolaViolência na escola
Violência na escola
 
Violencia Doméstica
Violencia DomésticaViolencia Doméstica
Violencia Doméstica
 
Abuso
AbusoAbuso
Abuso
 

Semelhante a -Apresentação_Abuso-Infantil.pptx

abuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
abuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkabuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
abuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
crasPREFNOVARESENDE
 
Trabalho do curso de direito sobre pedofilia
Trabalho do curso de direito sobre pedofiliaTrabalho do curso de direito sobre pedofilia
Trabalho do curso de direito sobre pedofilia
Ohanny Menezes
 
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Maria Antonia
 
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Maria Antonia
 
Cartilha-abuso.pdf
Cartilha-abuso.pdfCartilha-abuso.pdf
Cartilha-abuso.pdf
GabrieleMachado16
 
Cartilha 2
Cartilha 2Cartilha 2
Cartilha 2
LLidiana
 
Pedofilia
PedofiliaPedofilia
Pedofilia
guest2bc110
 
Infancia violentada (aprovado)
Infancia violentada (aprovado)Infancia violentada (aprovado)
Infancia violentada (aprovado)
PrLinaldo Junior
 
Infancia violentada
Infancia violentadaInfancia violentada
Infancia violentada
pastorlinaldo
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
IpdaWellington
 
Cartilha aprendendo a_prevenir
Cartilha aprendendo a_prevenirCartilha aprendendo a_prevenir
Cartilha aprendendo a_prevenir
Miriam De Oliveira Dias
 
Violencia-sexual-infanto-juvenil-Apresentacao-3_5ef8c1ba8f8c4b8092347b181d5ad...
Violencia-sexual-infanto-juvenil-Apresentacao-3_5ef8c1ba8f8c4b8092347b181d5ad...Violencia-sexual-infanto-juvenil-Apresentacao-3_5ef8c1ba8f8c4b8092347b181d5ad...
Violencia-sexual-infanto-juvenil-Apresentacao-3_5ef8c1ba8f8c4b8092347b181d5ad...
FabianeOlegario2
 
Eloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
Eloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - BartolomeuEloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
Eloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
Paulo Sérgio
 
Cartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infância
Cartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infânciaCartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infância
Cartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infância
Ana Filadelfi
 
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivasPrevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
Marcio Paiva
 
Protecao da crianca_e_do_adolecente_manual_para_pais
Protecao da crianca_e_do_adolecente_manual_para_paisProtecao da crianca_e_do_adolecente_manual_para_pais
Protecao da crianca_e_do_adolecente_manual_para_pais
Cláudia Dantas
 
Modulo-VIII-–-Conselho-Tutelar-e-o-combate-SLIDES (1).pdf
Modulo-VIII-–-Conselho-Tutelar-e-o-combate-SLIDES (1).pdfModulo-VIII-–-Conselho-Tutelar-e-o-combate-SLIDES (1).pdf
Modulo-VIII-–-Conselho-Tutelar-e-o-combate-SLIDES (1).pdf
joabelimaribeiro0501
 
Inf+éncia violentada
Inf+éncia violentadaInf+éncia violentada
Inf+éncia violentada
PrLinaldo Junior
 
Prostituição ou Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes
Prostituição ou Exploração Sexual de Crianças e AdolescentesProstituição ou Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes
Prostituição ou Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes
SousaLeitee
 
Pedofilia - Temas Contemporâneos
Pedofilia - Temas ContemporâneosPedofilia - Temas Contemporâneos
Pedofilia - Temas Contemporâneos
Alexandra Alves
 

Semelhante a -Apresentação_Abuso-Infantil.pptx (20)

abuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
abuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkabuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
abuso sexual -kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Trabalho do curso de direito sobre pedofilia
Trabalho do curso de direito sobre pedofiliaTrabalho do curso de direito sobre pedofilia
Trabalho do curso de direito sobre pedofilia
 
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
 
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
 
Cartilha-abuso.pdf
Cartilha-abuso.pdfCartilha-abuso.pdf
Cartilha-abuso.pdf
 
Cartilha 2
Cartilha 2Cartilha 2
Cartilha 2
 
Pedofilia
PedofiliaPedofilia
Pedofilia
 
Infancia violentada (aprovado)
Infancia violentada (aprovado)Infancia violentada (aprovado)
Infancia violentada (aprovado)
 
Infancia violentada
Infancia violentadaInfancia violentada
Infancia violentada
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Cartilha aprendendo a_prevenir
Cartilha aprendendo a_prevenirCartilha aprendendo a_prevenir
Cartilha aprendendo a_prevenir
 
Violencia-sexual-infanto-juvenil-Apresentacao-3_5ef8c1ba8f8c4b8092347b181d5ad...
Violencia-sexual-infanto-juvenil-Apresentacao-3_5ef8c1ba8f8c4b8092347b181d5ad...Violencia-sexual-infanto-juvenil-Apresentacao-3_5ef8c1ba8f8c4b8092347b181d5ad...
Violencia-sexual-infanto-juvenil-Apresentacao-3_5ef8c1ba8f8c4b8092347b181d5ad...
 
Eloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
Eloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - BartolomeuEloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
Eloá Prado - Maio Laranja - 8º Ano - Bartolomeu
 
Cartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infância
Cartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infânciaCartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infância
Cartilha aprendendo a reconhecer abuso sexual na infância
 
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivasPrevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
 
Protecao da crianca_e_do_adolecente_manual_para_pais
Protecao da crianca_e_do_adolecente_manual_para_paisProtecao da crianca_e_do_adolecente_manual_para_pais
Protecao da crianca_e_do_adolecente_manual_para_pais
 
Modulo-VIII-–-Conselho-Tutelar-e-o-combate-SLIDES (1).pdf
Modulo-VIII-–-Conselho-Tutelar-e-o-combate-SLIDES (1).pdfModulo-VIII-–-Conselho-Tutelar-e-o-combate-SLIDES (1).pdf
Modulo-VIII-–-Conselho-Tutelar-e-o-combate-SLIDES (1).pdf
 
Inf+éncia violentada
Inf+éncia violentadaInf+éncia violentada
Inf+éncia violentada
 
Prostituição ou Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes
Prostituição ou Exploração Sexual de Crianças e AdolescentesProstituição ou Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes
Prostituição ou Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes
 
Pedofilia - Temas Contemporâneos
Pedofilia - Temas ContemporâneosPedofilia - Temas Contemporâneos
Pedofilia - Temas Contemporâneos
 

Último

Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
musicasdeteclado
 
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
LuizGustavoCiciliato
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptxTreinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
luanaazzisesmt
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
LasAraujo12
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
danielecarvalho75
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 

Último (10)

Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
 
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptxTreinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 

-Apresentação_Abuso-Infantil.pptx

  • 2. O que é violência sexual infantil? 2 Consiste na utilização de crianças e adolescentes como meio para a satisfação de desejos ou com finalidade sexual por adultos, mesmo que não haja contato físico ou a prática de qualquer ato sexual. Também está presente nas ações que tem por objetivo corromper ou explorar a sexualidade dos infantes Tipos de violência sexual •Abuso sexual: ações que buscam a violação sexual de crianças e adolescentes, desrespeitem sua intimidade ou tenham por finalidade a satisfação sexual do abusador. • Exploração sexual: utilização de crianças e adolescentes para obtenção de lucro ou outra vantagem (financeira ou não).  Ambas as situações são previstas como crimes pela legislação brasileira, com penas que podem chegar a 30 anos de prisão! Tal como a exploração sexual de crianças e adolescentes, a prática de atos libidinosos com menores de 14 anos, em qualquer circunstância, configura crime hediondo, com pena de 8 a 30 anos de prisão!
  • 3. •Manter conversas de conteúdo impróprio, pessoalmente ou por apps de troca de mensagens, com crianças e adolescentes sobre relações sexuais, buscando despertar o interesse do ouvinte para praticá- las; • Exibir as partes íntimas ou, por qualquer maneira, fazer/induzir a criança ou adolescente a ver um adulto sem roupa; • Observar as partes íntimas de crianças ou adolescentes, mesmo que estes não percebam o intuito libidinoso da observação; • Filmar ou fotografar crianças e adolescentes em posições sensuais, ainda que vestidas; bem como fazer sexo ou praticar outro ato libidinoso na presença de infante; •Enviar mensagens para crianças e adolescentes (textos, fotos, áudios ou vídeos) com conteúdo obsceno ou provocador; ou mostrar ou disponibilizar revistas, sites ou qualquer material pornográfico; •Pedir, enviar ou receber fotos e vídeos de partes íntimas de crianças ou adolescentes, ou em que estas estejam em poses insinuantes, entre muitos outros atos. A violência sexual pode ocorrer sem que a vítima seja tocada pelo abusador, bastando a exposição do jovem a situações de caráter sexual/pornográfico. 3
  • 4. Por que falar sobre violência sexual contra crianças e adolescentes? 4 • De acordo com Balanço geral do Disque 100, entre 2011 e 2018 foram registradas próximo de 200 mil queixas de violência sexual infantil. • Se fizermos os cálculos com base nas estatísticas da OMS, os 32 mil casos registrados pelo Brasil somente em 2018, correspondem, na verdade, a 640 mil crianças violentadas. •PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA MUNDIAL – no Brasil, cerca de 30% da população foi abusada sexualmente antes dos 18 anos, ou seja, mais de 60 milhões de brasileiros já foram ou estão sendo violentados. • IMPUNIDADE – a OMS estima que apenas 01 em cada 20 casos de abuso chega ao conhecimento das autoridades. •IMPUNIDADE – todos os anos, centenas de milhares de estupradores e abusadores de todo gênero saem livres e impunes pelos crimes praticados, somente no ano de 2018 mais de 600 mil deixaram de ser identificados, presos e processados como resultado de nossa OMISSÃO.
  • 5. Quem são as vítimas? •A violência sexual atinge crianças e adolescentes de todas as idades (0 a 18 anos), de ambos os sexos, com ou sem deficiências físicas ou intelectuais. Muitos abusadores têm como vítimas preferenciais crianças com algum tipo de deficiência ou dificuldade em se expressar, porque essas condições dificultam a descoberta de seus atos e aumentam as chances de impunidade. São indiferentes também condições culturais, religiosas e socioeconômicas ou a etnia dos envolvidos. •ESTATÍSTICAS: a cada 4 meninas 1 sofre algum tipo de violência sexual na infância ou adolescência. Em relação aos meninos 1 a cada 6 já foram abusados sexualmente. •Na maioria dos casos, a criança abusada tem menos de 10 anos e acaba por não denunciar o agressor por medo ou incapacidade de se expressar. Segundo Boletim Epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde, 51% das vítimas de abuso sexual, entre os anos de 2011 e 2017, tinha de 01 a 05 anos de idade. •Nos casos de violência contra meninos, o preconceito devido ao tabu da masculinidade prejudica ainda mais a denúncia, apuração do caso e tratamento da vítima. 5
  • 6. Onde as violações ocorrem? •Violação extrafamiliar: o abusador não possui ligação familiar com a vítima, podendo ser desconhecidos ou mesmo amigos da família, funcionários da casa, prestadores de serviço com acesso à criança, vizinhos, profissionais da escola, entre outros. • Violação intrafamiliar: o autor dos atos abusivos é parente (família natural, extensa e substituta) ou pessoa que tem laços afetivos estreitos com a criança / adolescente ou com seus responsáveis. • O PERIGO PODE ESTAR DENTRO DE CASA: estudos apontam que de 80% a 88% dos casos de violência sexual infantil são praticados por familiares ou pessoas muito próximas à vítima. É comum que o abusador(a) seja pai/mãe, padrasto/madrasta, avós, tio(a), primo(a), padrinho/madrinha. • PAI – Em média, 04 de cada 10 crianças foram abusadas pelo próprio genitor . •A percepção de segurança do ambiente doméstico contribui para o aumento dos casos, pois os abusadores conseguem acesso às vítimas sem vigilância imediata e constante dos responsáveis. 6
  • 7. Quem são e qual o perfil do(a)s abusadores(as)? •ILUSÃO e IMAGINÁRIO: o abusador é sempre um homem adulto, de hábitos sociais reprováveis, isolado do convívio comunitário, um criminoso habitual (figura típica das manchetes policiais), pervertido, enfim, um “monstro” e “tarado de fácil identificação”? ERRADO. Isso está longe de ser verdade. Na maioria das vezes, a figura do pai/mãe de família provedor(a), homem ou mulher responsável, religioso, respeitável e acima de qualquer suspeita é exatamente o(a) criminoso(a) que violenta sexualmente crianças e adolescentes, quando estes estão desprotegidos, sozinhos e vulneráveis. •PERFIL VERDADEIRO: São pessoas, aparentemente, de bom comportamento, amáveis e até mesmo sedutoras. Quando não podem usar de violência física ou psicológica – com receio de serem presas – tentam conquistar as vítimas através de manipulação psicológica, elogios, presentes, oferta de dinheiro e outras vantagens. •MULTIPLICIDADE DE VIOLAÇÕES: segundo levantamento realizado pelo G1 com base em dados do Ministério da Saúde, em vítimas de 0 a 9 anos o índice de repetição dos abusos é superior a um terço (35,6%), enquanto que em vítimas acima de 10 anos, a reiteração ocorre em quase metade dos casos (45,3%). 7
  • 8. Como orientar crianças e adolescentes sobre a prevenção de violações sexuais? •INFORMAÇÃO – Deve-se, desde muito cedo, estabelecer com as crianças uma relação de confiança, esclarecendo sobre suas partes íntimas (chamando-as pelo devido nome). É necessário também ensinar quais os carinhos ou toques são aceitáveis e normais na convivência sadia com pessoas mais velhas, explicando o que são atos abusivos, porque nunca podem ser aceitos e, caso tenham ocorrido, a importância de denunciá-los. •Ensinar às crianças e adolescentes sobre a dignidade e a inviolabilidade de seu corpointimidade, expondo de modo claro a diferença entre respeito (sempre necessário) e submissão incondicional (prejudicial e perigosa), é o melhor caminho para prevenir abusos. •TABUS – O infante deve saber que pode conversar com seu responsável sobre qualquer assunto, sem temas proibidos. Isso possibilitará que ele identifique condutas “estranhas” e busque socorro junto aos pais e responsáveis, narrando- lhes todas as atitudes suspeitas de terceiros. • NÃO É MENTIRA – em média, 94% dos relatos de crianças e adolescentes sobre abusos sexuais são verdadeiros. 8
  • 9. •As crianças devem ser orientadas que, se alguma pessoa tentar qualquer tipo de aproximação com abordagem sexual, mesmo sem contato físico, ela deve dizer NÃO e contar imediatamente os fatos aos seus pais ou responsáveis. Durante os esclarecimentos, podem ser utilizados exemplos para que o infante saiba como agir, caso se depare com situações de violação, tais como:  Se uma pessoa se aproxima e oferece bombons, chocolates ou presentes, o que você faria?  Uma pessoa para o carro na rua e lhe convida para dar uma volta, você entraria no carro?  Um desconhecido lhe convida para ir brincar na casa dele, você aceitaria o convite?  Se um ‘amigo’que você conheceu na internet perguntar onde fica a sua casa, você responderia?  Se um ‘amigo’que você conheceu na internet pedisse uma foto sua, você enviaria?  Se alguém fizesse algo com você e dissesse que aquilo era um segredo que só vocês poderiam saber, você contaria algo aos seus paisresponsáveis?  Se alguém quisesse lhe mostrar fotos ou vídeos você concordaria em vê-las? •Pais e responsáveis devem saber sobre o cotidiano dos filhos, identificando todos que tenham contato com a criança. Enfim, todos que cuidam de crianças e adolescentes devem saber, a todo instante, onde eles estão, com quem estão e fazendo exatamente o quê. 9 Informação, Diálogo e Conscientização – armas contra o Abuso Infantil!
  • 10. Os perigos da Internet •Segundo dados da Campanha Nacional de Combate à Pedofilia na Internet, de cada cinco crianças que regularmente acessam a rede de computadores, pelo menos uma recebe alguma proposta de pedófilos. Desses jovens, 24% mantiveram contato com potenciais abusadores. • É importante que pais e responsáveis acompanhem de perto a navegação dos filhos e expliquem sobre os riscos a que estão sujeitos, esclarecendo o que podem ou não acessar. • É comum criminosos usarem perfis falsos para iniciar conversas, passando-se por jovens em busca de novos amigos. •Após ter algumas conversas e ganhar a confiança da criança ou adolescente, passam a pedir informações pessoais e fotos/vídeos em tom de desafio ou como ação que será recompensada por algum presente, por exemplo. Infelizmente, também é comum fazerem ameaças para obter fotos e vídeos ou marcar encontros presenciais. 10
  • 11. Precauções gerais para o uso seguro da Internet! • O computador com acesso à internet deve ser mantido em uma área comum da casa (evitar que o computador fique no quarto ou “fora de vista”). •A criança/adolescente deve ser encorajado a relatar qualquer atividade suspeita, materiais indevidos que tenha recebido e deve ser instruída a não divulgar dados pessoais (sobretudo endereço, fotos, vídeos, informações de sua rotina). • Caso suspeite que alguma pessoa esteja fazendo algo ilegal através da internet, as autoridades policiais devem ser comunicadas. •Devem ser estabelecidas regras para o uso da internet, tais como horários permitidos (preferencialmente quando algum adulto estiver em casa) e tempo máximo de acesso diário. •Verifique o que as crianças e adolescentes acessam na internet e com quem costumam manter contato. Navegue na rede com a criança, conheça seus sites preferidos e suas atividades online, instruindo-as a fazer uso responsável desses recursos. • Conhecer os “amigos virtuais” das crianças e adolescentes é uma OBRIGAÇÃO de todos os pais e responsáveis. 11
  • 12. Sinais de alerta •As vítimas de violência sexual juvenil, normalmente, apresentam algumas alterações de comportamento, que podem aparecer de forma isolada ou conjunta, variando de acordo com a idade, características do núcleo familiar, tipo de violência a que foi exposta e a maneira como a realidade da criança/adolescente se transforma após a prática da violência. • EXEMPLOS – Devem ser observados a presença de um ou mais dos seguintes sinais: Mudanças bruscas de comportamento (deixa de demonstrar carinho, sendo que antes era carinhoso(a); fica agitado(a), mas antes era calmo(a); age com agressividade constante, quando anteriormente era afável, meigo(a), dentre outros);  Irritabilidade ou agressividade excessiva; Comportamento arredio, desejando ficar sempre sozinho(a), pelos cantos (por vezes a reação é exatamente contrária, quando a criança tem receio de ficar sozinha, mas antes reagia bem a essa situação – a inversão do hábito de dormir só ou acompanhado é outro exemplo);  Permanece tenso(a), ansioso(a) e assustado(a), como se estivesse sempre em “estado de alerta”; 12
  • 13. Sinais de alerta  Chora por qualquer motivo e com uma frequência maior do que de costume;  Regride em seu desenvolvimento, apresentando-se muito infantil para a idade (involução de vocabulário ou forma de falar; brincadeiras e jogos de seu interesse, volta a depender dos responsáveis para se locomover, volta a chupar dedo);  Permanece calado(a) e inexpressivo(a), com o pensamento distante ou tentando passar despercebido(a)não ser notado(a);  Demonstra dificuldade para se socializar com outras pessoas de qualquer idade ou apenas consegue ficar na companhia de uma pessoa específica;  Apresenta medo constante ou pavor inexplicável, por vezes, de locais específicos, como o quarto ou o banheiro de sua residência (motivo para fuga de casa), a escola, a casa de um parente ou amigo;  Passa a ter dificuldades de aprendizagem e baixo rendimento escolar;  Sempre está triste, melancólico(a) e foge de contato físico;  Apresenta problemas de saúde sem causa aparente (problemas alérgicos, doenças de pele, vômitos ou outras dificuldades digestivas), que, na verdade, possuem causa emocional – doenças psicossomáticas;  Mostra desconforto na presença de determinado adulto (não necessariamente o abusador). 13
  • 14. Sequelas e Consequências do Abuso Infantil! •Crianças e adolescentes violadas sexualmente sofrem traumas que levarão consigo pelo resto da vida. Os atos abusivos, além de destruir a infância da vítima, interrompem seu desenvolvimento psicológico e emocional, arruínam sua autoconfiança e confundem sua base de valores morais relacionados à intimidade e à inocência. • Dentre as consequências físicas resultantes da violência sexual, são exemplos:  Lesões em geral e hematomas; Lesões nos órgãos íntimos;  Doenças sexualmente transmissíveis: AIDS, SÍFILIS, GONORREIA, HERPES GENITAL; Infecções; Dores na região abdominal;Antecipação exagerada da menstruação para as meninas; Gravidez. •Dentre as consequências psicológicas e sociais, que levam a vítima a desenvolver comportamentos patológicos, alguns observáveis ainda na infância e adolescência, outros somente em sua vida adulta:  Dificuldade de ligação afetiva e amorosa devido às lembranças traumáticas; Interrupção do desenvolvimento cognitivo, dificuldade de concentração e desorganização mental (pessoas incapazes de desenvolver atividades de média complexidade ou atividades fáceis por período prolongado); 14
  • 15. Sequelas e Consequências do Abuso Infantil! 15  Podem ficar mais suscetíveis a envolver-se em situações de promiscuidade ou manifestar uma sexualidade descontrolada;  Propensão ao consumo de álcool e drogas ilícitas; Rejeição do próprio corpo, baixa autoestima, sentimento constante de inferioridade em relação as demais pessoas, sentimento de ser sujo(a), mau, imprestável para constituir uma família; Desenvolvimento de fobias, pavor de contato social, ansiedade, depressão e distúrbios de ordem alimentar (bulimia ou obesidade), falta de confiança para realizar qualquer tarefa; Automutilação (machucar-se: cortar-se, bater em seu corpo, usar objetos perfurantes junto ao corpo para se ferir) e tendência ao suicídio, onde a morte é encarada como uma solução para pôr fim ao seu sofrimento. •Em muitos casos, as consequências psicológicas e sociais são o resultado dos sentimentos negativos que infante passa a desenvolver logo após o abuso e que, como regra, não diminuem com o passar do tempo. A demora em denunciar o abuso e buscar tratamento médico tende a agravar as sequelas. •As feridas geradas pela violência sexual não são curadas pelo tempo. Ainda que a vítima seja muito jovem e não se recorde com clareza dos fatos, haverá sequelas. Por isso, é importante buscar acompanhamento psicológico. Para esses casos, esperar e tentar esquecer não são soluções.
  • 16. Como Agir e a quem procurar? •Constatada uma situação de abuso ou de suspeita de violação sexual, a denúncia aos órgãos de proteção é a melhor forma de agir, pois é o modo mais efetivo de impedir que o abusador continue a praticar seus atos com o afastamento imediato do(a) criminoso(a) e sua punição pela justiça. •NUNCA ESQUECER: a vítima deve ser esclarecida de que não é culpada pelo abuso. Os responsáveis têm que transmitir ao infante a sensação de segurança e o sentimento de que, a partir dali, não mais enfrentará a situação sozinha, contando com a proteção de seus familiares e amigos. ONDE DENUNCIAR: • Conselho Tutelar • Disque 100 • Órgãos e agentes daAssistência Social e da Saúde (Creas, Cras, Equipe da Saúde da Família, Agente de Saúde) • Ministério Público • Vara da Infância e Juventude • Delegacia de Polícia • Polícia Militar e Guarda Municipal 16
  • 17. Link para acesso à Cartilha: http://www.mpce.mp.br/wp- content/uploads/2021/05/CARTILHA-Viole%CC%82ncia-Sexual-contra- Crianc%CC%A7as-e-Adolescentes.pdf Ilustrações: Carlos Daniel, Instagram @brabo_draws. Modelo de slides utilizado: pointhub.com (PowerPoint Hub). Copyright 2019, Thailand. 17