SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
PENSAR A INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA… PONTOS DE PARTIDA E LINHAS DE ACÇÃO ANO LECTIVO 2009/2010
Quais as potencialidades e os problemas/necessidades? A análise diagnostica do grupo de crianças permitiu identificar os seguintes problemas/necessidades      - brincadeiras pouco organizadas;     - dificuldade no cumprimento de regras e nas rotinas do dia a dia;        - as crianças mais velhas ainda revelam pouca iniciativa e autonomia;     - situações de aprendizagem que impliquem atenção, concentração e algum investimento pessoal na  tarefa demonstram dificuldade;      - crianças que requerem  atenção do adulto - na sua generalidade, o tempo de permanência numa tarefa é muito reduzido; A análise diagnóstica do grupo de crianças permitiu identificar as seguintes potencialidades - adaptação efectuou-se dentro dos padrões normais de comportamento das crianças; - participação das crianças em actividades que privilegiem a música; - Interesse pelas actividades propostas; - Grupo de crianças alegres, bem dispostas e dispostas a participar.
Linhas Orientadoras e as minhas opções educativas para o Grupo Em relação às crianças defendo              - um ambiente organizado, acolhedor, alegre, seguro, entusiasmante e estável, livre de mensagens negativas ou discriminatórias;              - um currículo que tenha relevância para as crianças e para as suas vidas;              - a continuidade e progressão em relação ao ambiente familiar;              - o desenvolvimento da responsabilidade social das crianças através da estrutura da sala de  actividades e de regras negociadas;              - o estímulo à resolução de problemas;              - a observação e avaliação do alcance da aprendizagem;              - uma pedagogia organizada e estruturada tendo como suporte a actividade lúdica característica   destas faixas etárias;              - uma pedagogia diferenciada, centrada na cooperação, que inclua todas as crianças, aceite as  diferenças, apoie a aprendizagem e responda às necessidades individuais; - a perspectiva de que as crianças aprendem activamente;
COMO ? Organização do Ambiente Educativo Opções e Prioridades Curriculares Colaboração dos Pais e EE e outros parceiros educativos  Acções de Continuidade Educativa  …  através Colaboração com outras Entidades da Comunidade Local
ORGANIZAÇÃO DO AMBIENTE EDUCATIVO «O contexto institucional de educação pré-escolar deve organizar-se como um ambiente facilitador do desenvolvimento e da aprendizagem das crianças. (...) Esta organização diz respeito às condições de interacção entre os diferentes intervenientes - entre crianças, entre crianças e adultos e entre adultos - e à gestão de recursos humanos e materiais. (...) Por todas estas razões se considera que a organização do ambiente educativo constitui o suporte do trabalho curricular do educador».   ME (1997):  Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar.  Lisboa: ME/DEB
O ambiente educativo não se circunscreve apenas à sala de actividades. Entendo que a devo transcender, tornando-se todo o espaço escolar e extra-escolar (localidade, povoação, freguesia, cidade) como espaço educativo. A sala de actividades transforma-se no local onde se organiza e regista o saber, pelo que deverá ser um sistema flexível, vivo e em mudança.
Linhas Orientadoras e as minhas opções educativas para “as minhas crianças”   Em relação aos pais e comunidade defendo:              - o envolvimento dos pais na vida quotidiana do contexto do jardim de infância;              - um trabalho cooperativo com os pais e comunidade.   Em relação aos outros profissionais de educação e comunidade local defendo:              - um trabalho em parceria/articulação com outros educadoras da Freguesia;              - um trabalho em parceria/articulação sempre que possível com os professores EB1 S.to António
Como nos organizamos e funcionamos? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Como nos organizamos e funcionamos? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Organização do Espaço A organização do espaço e materiais da sala de actividades é flexível e faz-se de acordo com as necessidades e evolução do grupo, pelo que pode sofrer modificações ao longo do ano lectivo. As razões das minhas opções assentam em dinâmicas do grupo que previligiem o trabalho individual, pequeno grupo e grande grupo.
Organização do espaço A sala de actividades divide-se em várias áreas.  Considero alguns espaços permanentes, porque entendo que são desafiadores e adequados às crianças em idade pré-escolar. É o caso da  área de jogo sim bólico (casinha das bonecas),  da área da expressão plástica  (desenho, recorte e colagem, modelagem, pintura),  da área da biblioteca ,  da área da experimentação  (construções),  da matemática  (jogos de mesa),  da  área da comunicação, planeamento, debate e avaliação  (tapete). Cada área encontra-se identificada, através de um registo escrito e gráfico.
Casinha das Bonecas
Área da Expressão Plástica (desenho, recorte e colagem, modelagem e pintura)
Área da Expressão Plástica (desenho, recorte e colagem, modelagem e pintura)
Área da Biblioteca
Área da Experimentação (Construções/Noções matemáticas)
Área da comunicação, planeamento, debate e  avaliação
Opções e Prioridades Curriculares Área da FORMAÇÃO PESSOAL e SOCIAL  Objectivos  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Área da FORMAÇÃO PESSOAL e SOCIAL
Opções e Prioridades Curriculares Área da EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO  Objectivos no âmbito do domínio da Linguagem Oral e Escrita  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Opções e Prioridades Curriculares Área da EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO  Objectivos no âmbito do domínio da Linguagem Oral e Escrita:  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Área da EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO  Objectivos no âmbito do domínio da Matemática:  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Área da EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO  Objectivos no âmbito do domínio da Expressão Motora:  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Área da EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO  Objectivos no âmbito do domínio da Expressão Dramática:  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Área da EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO  Objectivos no âmbito do domínio da Expressão Plástica:  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Área da EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO  Objectivos no âmbito do domínio da Expressão Musical:  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Área da EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO
Área do CONHECIMENTO DO MUNDO  Objectivos  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Área do CONHECIMENTO DO MUNDO
Colaboração dos Pais e EE e outros parceiros educativos  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PAIS e ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO “ Terra há só uma, vamos abraçá-la “ Tem como objectivo tornar este espaço o mais lúdico possível, promovendo a interacção saudável entre as crianças, através da partilha de saberes, proporcionando-lhes um enriquecimento cultural e consequentemente os eu desenvolvimento pessoal e social
COMPONENTE DE APOIO Á FAMÍLIA “ Terra há só uma, vamos abraçá-la  “ Plano de Acção visa : ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Acções de Continuidade Educativa  ,[object Object],[object Object],[object Object]
Colaboração com outras Entidades da Comunidade Local  Biblioteca Municipal de S.ta Maria da Feira Câmara Municipal de S.ta Maria da Feira – Escola de Educação Rodoviária
PROPÓSITOS EDUCATIVOS  NA COMPONENTE LECTIVA (Jardim de Infância) NA COMPONENTE COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA NA FAMÍLIA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Desenvolvimento das Crianças: observações e registo  Socialização Comunicação Sentido Estético e Rítmico Estruturação do Esquema Corporal Capacidade de Observação, Memorização, Atenção, Compreensão e Expressão Intervenção Educativa visa….
“ A formação das CRIANÇAS está nas mãos dos Pais, da Família e todos os Educadores que com Elas interagem”.  Anónimo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Power point reunião pré-escolar 2012
Power point   reunião pré-escolar 2012Power point   reunião pré-escolar 2012
Power point reunião pré-escolar 2012Betty_concepcion
 
Reunião de pais out 2011
Reunião de pais out 2011Reunião de pais out 2011
Reunião de pais out 2011cbei
 
Projeto Curricular de Grupo 2018/2019
Projeto Curricular de Grupo 2018/2019Projeto Curricular de Grupo 2018/2019
Projeto Curricular de Grupo 2018/2019SalaAmarelaJIGradil
 
Reunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantilReunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantilJeovany Anjos
 
Proposta do berçário educação infantil
Proposta do berçário   educação infantilProposta do berçário   educação infantil
Proposta do berçário educação infantilRosemary Batista
 
1 planificação setembro convertido
1 planificação setembro convertido1 planificação setembro convertido
1 planificação setembro convertidoermelinda mestre
 
Rotina da educação infantil
Rotina da educação infantilRotina da educação infantil
Rotina da educação infantilDennyse Azevedo
 
Planificação 22 de abril a 16 maio 2013-2014
Planificação 22 de abril a 16 maio   2013-2014Planificação 22 de abril a 16 maio   2013-2014
Planificação 22 de abril a 16 maio 2013-2014mvaznunes
 
Manual processos chave creche
Manual processos chave crecheManual processos chave creche
Manual processos chave crecheAMÉLIA ANDRADE
 
Reunião de pais inicio do ano 2016-17
 Reunião de pais inicio do ano 2016-17 Reunião de pais inicio do ano 2016-17
Reunião de pais inicio do ano 2016-1710-09-61
 
JI Pedrosas - Planificação: Alimentação
JI Pedrosas - Planificação: AlimentaçãoJI Pedrosas - Planificação: Alimentação
JI Pedrosas - Planificação: Alimentaçãomvaznunes
 
Planificação mês março 2013
Planificação mês março 2013Planificação mês março 2013
Planificação mês março 2013Célia Conrado
 
Reuniao de pais do pre-escolar e creche
Reuniao de pais do pre-escolar e crecheReuniao de pais do pre-escolar e creche
Reuniao de pais do pre-escolar e crecheSara Marques
 

Mais procurados (20)

Projeto ludico simone drumond
Projeto ludico simone drumondProjeto ludico simone drumond
Projeto ludico simone drumond
 
Power point reunião pré-escolar 2012
Power point   reunião pré-escolar 2012Power point   reunião pré-escolar 2012
Power point reunião pré-escolar 2012
 
Reunião de pais out 2011
Reunião de pais out 2011Reunião de pais out 2011
Reunião de pais out 2011
 
Regio emilia
Regio emiliaRegio emilia
Regio emilia
 
Projeto Curricular de Grupo 2018/2019
Projeto Curricular de Grupo 2018/2019Projeto Curricular de Grupo 2018/2019
Projeto Curricular de Grupo 2018/2019
 
Análise SWOT
Análise SWOTAnálise SWOT
Análise SWOT
 
Relatorio 3periodo sala-amarela-2012-2013
Relatorio 3periodo sala-amarela-2012-2013Relatorio 3periodo sala-amarela-2012-2013
Relatorio 3periodo sala-amarela-2012-2013
 
Reunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantilReunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantil
 
Projecto curricular sala dos 5 anos
Projecto curricular  sala dos 5 anosProjecto curricular  sala dos 5 anos
Projecto curricular sala dos 5 anos
 
Proposta do berçário educação infantil
Proposta do berçário   educação infantilProposta do berçário   educação infantil
Proposta do berçário educação infantil
 
1 planificação setembro convertido
1 planificação setembro convertido1 planificação setembro convertido
1 planificação setembro convertido
 
Rotina da educação infantil
Rotina da educação infantilRotina da educação infantil
Rotina da educação infantil
 
Planificação 22 de abril a 16 maio 2013-2014
Planificação 22 de abril a 16 maio   2013-2014Planificação 22 de abril a 16 maio   2013-2014
Planificação 22 de abril a 16 maio 2013-2014
 
Manual processos chave creche
Manual processos chave crecheManual processos chave creche
Manual processos chave creche
 
Relatório aaaf
Relatório aaafRelatório aaaf
Relatório aaaf
 
CRECHE
CRECHECRECHE
CRECHE
 
Reunião de pais inicio do ano 2016-17
 Reunião de pais inicio do ano 2016-17 Reunião de pais inicio do ano 2016-17
Reunião de pais inicio do ano 2016-17
 
JI Pedrosas - Planificação: Alimentação
JI Pedrosas - Planificação: AlimentaçãoJI Pedrosas - Planificação: Alimentação
JI Pedrosas - Planificação: Alimentação
 
Planificação mês março 2013
Planificação mês março 2013Planificação mês março 2013
Planificação mês março 2013
 
Reuniao de pais do pre-escolar e creche
Reuniao de pais do pre-escolar e crecheReuniao de pais do pre-escolar e creche
Reuniao de pais do pre-escolar e creche
 

Destaque

Cartazes áreas Jardim de Infância
Cartazes áreas Jardim de InfânciaCartazes áreas Jardim de Infância
Cartazes áreas Jardim de InfânciaCelina Sousa
 
Regras de sala de aula
Regras de sala de aulaRegras de sala de aula
Regras de sala de aulaSofia Almeida
 
Actividades do 2º período
Actividades do 2º períodoActividades do 2º período
Actividades do 2º períodopief2
 
Pais e ee informações importantes set2016
Pais e ee  informações importantes set2016Pais e ee  informações importantes set2016
Pais e ee informações importantes set2016Maria João Silva
 
Ideias...percursos...projetos
Ideias...percursos...projetosIdeias...percursos...projetos
Ideias...percursos...projetosMaria João Silva
 
761175 técnico de acção educativa
761175 técnico de acção educativa761175 técnico de acção educativa
761175 técnico de acção educativaMediadoraefa
 
Ana rasteiro reflexão 3281 ana rasteiro corrigida pela mediadora
Ana rasteiro reflexão 3281 ana rasteiro corrigida pela mediadoraAna rasteiro reflexão 3281 ana rasteiro corrigida pela mediadora
Ana rasteiro reflexão 3281 ana rasteiro corrigida pela mediadorarasteiro
 
A história do pedrinho e da joana
A história do pedrinho e da joanaA história do pedrinho e da joana
A história do pedrinho e da joanaTeresa Ramos
 
Áreas Jardim de Infância Colorir
Áreas Jardim de Infância ColorirÁreas Jardim de Infância Colorir
Áreas Jardim de Infância ColorirCelina Sousa
 
Powerpoint a criança e o j i
Powerpoint a criança e o j iPowerpoint a criança e o j i
Powerpoint a criança e o j iBela Catarina
 
LEITURA: O ALIMENTO DA ALMA
LEITURA: O ALIMENTO DA ALMALEITURA: O ALIMENTO DA ALMA
LEITURA: O ALIMENTO DA ALMAelisangela28
 
Contexto físico de creche e jardim de infância
Contexto físico de creche e jardim de infânciaContexto físico de creche e jardim de infância
Contexto físico de creche e jardim de infânciaRita Brito
 
Ufcd 8511
Ufcd 8511Ufcd 8511
Ufcd 8511ISCAP
 
A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leituravivianpansonato
 
Importância da leitura
Importância da leituraImportância da leitura
Importância da leituraPBH
 
A importância da leitura no dia a dia escolar
A importância da leitura no dia a dia escolarA importância da leitura no dia a dia escolar
A importância da leitura no dia a dia escolarclaudineiaramiresmoraes
 
Educação e prevenção rodoviária...
Educação e prevenção rodoviária...Educação e prevenção rodoviária...
Educação e prevenção rodoviária...labeques
 
Distúrbios da escrita
 Distúrbios da escrita Distúrbios da escrita
Distúrbios da escritaLatife Frota
 

Destaque (20)

Cartazes áreas Jardim de Infância
Cartazes áreas Jardim de InfânciaCartazes áreas Jardim de Infância
Cartazes áreas Jardim de Infância
 
Regras de sala de aula
Regras de sala de aulaRegras de sala de aula
Regras de sala de aula
 
Actividades do 2º período
Actividades do 2º períodoActividades do 2º período
Actividades do 2º período
 
Pais e ee informações importantes set2016
Pais e ee  informações importantes set2016Pais e ee  informações importantes set2016
Pais e ee informações importantes set2016
 
Ideias...percursos...projetos
Ideias...percursos...projetosIdeias...percursos...projetos
Ideias...percursos...projetos
 
761175 técnico de acção educativa
761175 técnico de acção educativa761175 técnico de acção educativa
761175 técnico de acção educativa
 
Ana rasteiro reflexão 3281 ana rasteiro corrigida pela mediadora
Ana rasteiro reflexão 3281 ana rasteiro corrigida pela mediadoraAna rasteiro reflexão 3281 ana rasteiro corrigida pela mediadora
Ana rasteiro reflexão 3281 ana rasteiro corrigida pela mediadora
 
A história do pedrinho e da joana
A história do pedrinho e da joanaA história do pedrinho e da joana
A história do pedrinho e da joana
 
Áreas Jardim de Infância Colorir
Áreas Jardim de Infância ColorirÁreas Jardim de Infância Colorir
Áreas Jardim de Infância Colorir
 
Powerpoint a criança e o j i
Powerpoint a criança e o j iPowerpoint a criança e o j i
Powerpoint a criança e o j i
 
LEITURA: O ALIMENTO DA ALMA
LEITURA: O ALIMENTO DA ALMALEITURA: O ALIMENTO DA ALMA
LEITURA: O ALIMENTO DA ALMA
 
Contexto físico de creche e jardim de infância
Contexto físico de creche e jardim de infânciaContexto físico de creche e jardim de infância
Contexto físico de creche e jardim de infância
 
Relatorio 2º Periodo
Relatorio 2º Periodo Relatorio 2º Periodo
Relatorio 2º Periodo
 
Ufcd 8511
Ufcd 8511Ufcd 8511
Ufcd 8511
 
Projeto de Leitura
Projeto de Leitura Projeto de Leitura
Projeto de Leitura
 
A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leitura
 
Importância da leitura
Importância da leituraImportância da leitura
Importância da leitura
 
A importância da leitura no dia a dia escolar
A importância da leitura no dia a dia escolarA importância da leitura no dia a dia escolar
A importância da leitura no dia a dia escolar
 
Educação e prevenção rodoviária...
Educação e prevenção rodoviária...Educação e prevenção rodoviária...
Educação e prevenção rodoviária...
 
Distúrbios da escrita
 Distúrbios da escrita Distúrbios da escrita
Distúrbios da escrita
 

Semelhante a Intervenção Pedagógica Grupo Crianças

Planejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantilPlanejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantilPaula Spadoni
 
Curricular 2010
Curricular 2010Curricular 2010
Curricular 2010FELIZESS
 
Curricular 2010
Curricular 2010Curricular 2010
Curricular 2010FELIZESS
 
Projeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criançaProjeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criançadanizinha_blog
 
Direitos de aprendizagem fundamentos legais
Direitos de aprendizagem fundamentos legaisDireitos de aprendizagem fundamentos legais
Direitos de aprendizagem fundamentos legaisDaniela Menezes
 
Ciclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdf
Ciclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdfCiclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdf
Ciclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdfFrancineGomes14
 
O que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinarO que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinargracabt2011
 
Reunião de articulação ji eb1 2012 2013
Reunião de articulação ji eb1 2012 2013Reunião de articulação ji eb1 2012 2013
Reunião de articulação ji eb1 2012 2013Maria João Silva
 
campos-experiencias-direitos-aprendizagens-educacao-infantil-infografico.pdf
campos-experiencias-direitos-aprendizagens-educacao-infantil-infografico.pdfcampos-experiencias-direitos-aprendizagens-educacao-infantil-infografico.pdf
campos-experiencias-direitos-aprendizagens-educacao-infantil-infografico.pdfSANDRAPAULAMEIRA
 
direitos de aprendizagem HISTÓRIA
direitos de aprendizagem HISTÓRIAdireitos de aprendizagem HISTÓRIA
direitos de aprendizagem HISTÓRIAAprender com prazer
 
Apresentação do PTT 2013 2014
Apresentação do PTT 2013 2014Apresentação do PTT 2013 2014
Apresentação do PTT 2013 2014Maria Sousa
 
Minha identidade e cultura brincante! - Claudinéia da Silva Barbosa
Minha identidade e cultura brincante! - Claudinéia da Silva BarbosaMinha identidade e cultura brincante! - Claudinéia da Silva Barbosa
Minha identidade e cultura brincante! - Claudinéia da Silva BarbosaClaudinéia Barbosa
 
Sequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantilSequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantilJoão Rafael Lopes
 
Apresentação projecto educativo creche
Apresentação projecto educativo crecheApresentação projecto educativo creche
Apresentação projecto educativo crecheGuida Sousa
 

Semelhante a Intervenção Pedagógica Grupo Crianças (20)

Planejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantilPlanejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantil
 
Curricular 2010
Curricular 2010Curricular 2010
Curricular 2010
 
Curricular 2010
Curricular 2010Curricular 2010
Curricular 2010
 
Projecto curricular
Projecto curricularProjecto curricular
Projecto curricular
 
Projeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criançaProjeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criança
 
Direitos de aprendizagem fundamentos legais
Direitos de aprendizagem fundamentos legaisDireitos de aprendizagem fundamentos legais
Direitos de aprendizagem fundamentos legais
 
Trabalho aderbal
Trabalho aderbalTrabalho aderbal
Trabalho aderbal
 
Ciclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdf
Ciclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdfCiclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdf
Ciclo formativo - [MOD 1] 2023 (1).pdf
 
Orientações professor
 Orientações professor Orientações professor
Orientações professor
 
O que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinarO que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinar
 
Formação rcnei
Formação rcneiFormação rcnei
Formação rcnei
 
Reunião de articulação ji eb1 2012 2013
Reunião de articulação ji eb1 2012 2013Reunião de articulação ji eb1 2012 2013
Reunião de articulação ji eb1 2012 2013
 
campos-experiencias-direitos-aprendizagens-educacao-infantil-infografico.pdf
campos-experiencias-direitos-aprendizagens-educacao-infantil-infografico.pdfcampos-experiencias-direitos-aprendizagens-educacao-infantil-infografico.pdf
campos-experiencias-direitos-aprendizagens-educacao-infantil-infografico.pdf
 
direitos de aprendizagem HISTÓRIA
direitos de aprendizagem HISTÓRIAdireitos de aprendizagem HISTÓRIA
direitos de aprendizagem HISTÓRIA
 
Orientações
 Orientações Orientações
Orientações
 
Apresentação do PTT 2013 2014
Apresentação do PTT 2013 2014Apresentação do PTT 2013 2014
Apresentação do PTT 2013 2014
 
Minha identidade e cultura brincante! - Claudinéia da Silva Barbosa
Minha identidade e cultura brincante! - Claudinéia da Silva BarbosaMinha identidade e cultura brincante! - Claudinéia da Silva Barbosa
Minha identidade e cultura brincante! - Claudinéia da Silva Barbosa
 
Sequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantilSequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantil
 
Apresentação projecto educativo creche
Apresentação projecto educativo crecheApresentação projecto educativo creche
Apresentação projecto educativo creche
 
Jogo seducação infantil
Jogo seducação infantilJogo seducação infantil
Jogo seducação infantil
 

Mais de Pedro França

CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA - 3º ciclo
CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA - 3º cicloCALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA - 3º ciclo
CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA - 3º cicloPedro França
 
CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA
CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIACALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA
CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIAPedro França
 
Calendário provas aferição 2017
Calendário provas aferição 2017Calendário provas aferição 2017
Calendário provas aferição 2017Pedro França
 
Informação Essencial – NORMA 02/2017 - JNE
Informação Essencial – NORMA 02/2017 -  JNEInformação Essencial – NORMA 02/2017 -  JNE
Informação Essencial – NORMA 02/2017 - JNEPedro França
 
Informação exames provas 2017
Informação exames provas 2017Informação exames provas 2017
Informação exames provas 2017Pedro França
 
Juri nacional 2017 2017 alunos condições especiais
Juri  nacional 2017 2017 alunos condições especiaisJuri  nacional 2017 2017 alunos condições especiais
Juri nacional 2017 2017 alunos condições especiaisPedro França
 
Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017
Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017
Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017Pedro França
 
Guia Geral de Exames 2017
Guia Geral de Exames 2017Guia Geral de Exames 2017
Guia Geral de Exames 2017Pedro França
 
Lista de exclusão afd 1345
Lista de exclusão afd 1345Lista de exclusão afd 1345
Lista de exclusão afd 1345Pedro França
 
Lista de exclusão afd 1194
Lista de exclusão afd 1194Lista de exclusão afd 1194
Lista de exclusão afd 1194Pedro França
 
Lista unitária graduação afd 1194
Lista unitária graduação afd 1194Lista unitária graduação afd 1194
Lista unitária graduação afd 1194Pedro França
 
Aviso nº 4 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA restauração
Aviso nº 4  CONTRATAÇÃO DE ESCOLA restauraçãoAviso nº 4  CONTRATAÇÃO DE ESCOLA restauração
Aviso nº 4 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA restauraçãoPedro França
 
Lista de exclusão dttic 1240
Lista de exclusão dttic  1240Lista de exclusão dttic  1240
Lista de exclusão dttic 1240Pedro França
 

Mais de Pedro França (20)

Google hangouts1
Google hangouts1Google hangouts1
Google hangouts1
 
Manuais ciclo1
Manuais ciclo1Manuais ciclo1
Manuais ciclo1
 
Manuais s fa 17 18
Manuais s fa 17 18Manuais s fa 17 18
Manuais s fa 17 18
 
Manuais sec. 17 18
Manuais sec. 17 18Manuais sec. 17 18
Manuais sec. 17 18
 
oferta formativa
oferta formativaoferta formativa
oferta formativa
 
CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA - 3º ciclo
CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA - 3º cicloCALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA - 3º ciclo
CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA - 3º ciclo
 
CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA
CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIACALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA
CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA
 
Calendário provas aferição 2017
Calendário provas aferição 2017Calendário provas aferição 2017
Calendário provas aferição 2017
 
NORMA 02/JNE/2017
NORMA 02/JNE/2017NORMA 02/JNE/2017
NORMA 02/JNE/2017
 
Informação Essencial – NORMA 02/2017 - JNE
Informação Essencial – NORMA 02/2017 -  JNEInformação Essencial – NORMA 02/2017 -  JNE
Informação Essencial – NORMA 02/2017 - JNE
 
Informação exames provas 2017
Informação exames provas 2017Informação exames provas 2017
Informação exames provas 2017
 
Juri nacional 2017 2017 alunos condições especiais
Juri  nacional 2017 2017 alunos condições especiaisJuri  nacional 2017 2017 alunos condições especiais
Juri nacional 2017 2017 alunos condições especiais
 
Norma 1 jne-2017
Norma 1  jne-2017Norma 1  jne-2017
Norma 1 jne-2017
 
Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017
Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017
Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017
 
Guia Geral de Exames 2017
Guia Geral de Exames 2017Guia Geral de Exames 2017
Guia Geral de Exames 2017
 
Lista de exclusão afd 1345
Lista de exclusão afd 1345Lista de exclusão afd 1345
Lista de exclusão afd 1345
 
Lista de exclusão afd 1194
Lista de exclusão afd 1194Lista de exclusão afd 1194
Lista de exclusão afd 1194
 
Lista unitária graduação afd 1194
Lista unitária graduação afd 1194Lista unitária graduação afd 1194
Lista unitária graduação afd 1194
 
Aviso nº 4 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA restauração
Aviso nº 4  CONTRATAÇÃO DE ESCOLA restauraçãoAviso nº 4  CONTRATAÇÃO DE ESCOLA restauração
Aviso nº 4 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA restauração
 
Lista de exclusão dttic 1240
Lista de exclusão dttic  1240Lista de exclusão dttic  1240
Lista de exclusão dttic 1240
 

Último

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 

Último (20)

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 

Intervenção Pedagógica Grupo Crianças

  • 1. PENSAR A INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA… PONTOS DE PARTIDA E LINHAS DE ACÇÃO ANO LECTIVO 2009/2010
  • 2. Quais as potencialidades e os problemas/necessidades? A análise diagnostica do grupo de crianças permitiu identificar os seguintes problemas/necessidades     - brincadeiras pouco organizadas;    - dificuldade no cumprimento de regras e nas rotinas do dia a dia;       - as crianças mais velhas ainda revelam pouca iniciativa e autonomia;    - situações de aprendizagem que impliquem atenção, concentração e algum investimento pessoal na tarefa demonstram dificuldade;     - crianças que requerem atenção do adulto - na sua generalidade, o tempo de permanência numa tarefa é muito reduzido; A análise diagnóstica do grupo de crianças permitiu identificar as seguintes potencialidades - adaptação efectuou-se dentro dos padrões normais de comportamento das crianças; - participação das crianças em actividades que privilegiem a música; - Interesse pelas actividades propostas; - Grupo de crianças alegres, bem dispostas e dispostas a participar.
  • 3. Linhas Orientadoras e as minhas opções educativas para o Grupo Em relação às crianças defendo             - um ambiente organizado, acolhedor, alegre, seguro, entusiasmante e estável, livre de mensagens negativas ou discriminatórias;             - um currículo que tenha relevância para as crianças e para as suas vidas;             - a continuidade e progressão em relação ao ambiente familiar;             - o desenvolvimento da responsabilidade social das crianças através da estrutura da sala de actividades e de regras negociadas;             - o estímulo à resolução de problemas;             - a observação e avaliação do alcance da aprendizagem;             - uma pedagogia organizada e estruturada tendo como suporte a actividade lúdica característica destas faixas etárias;             - uma pedagogia diferenciada, centrada na cooperação, que inclua todas as crianças, aceite as diferenças, apoie a aprendizagem e responda às necessidades individuais; - a perspectiva de que as crianças aprendem activamente;
  • 4. COMO ? Organização do Ambiente Educativo Opções e Prioridades Curriculares Colaboração dos Pais e EE e outros parceiros educativos Acções de Continuidade Educativa … através Colaboração com outras Entidades da Comunidade Local
  • 5. ORGANIZAÇÃO DO AMBIENTE EDUCATIVO «O contexto institucional de educação pré-escolar deve organizar-se como um ambiente facilitador do desenvolvimento e da aprendizagem das crianças. (...) Esta organização diz respeito às condições de interacção entre os diferentes intervenientes - entre crianças, entre crianças e adultos e entre adultos - e à gestão de recursos humanos e materiais. (...) Por todas estas razões se considera que a organização do ambiente educativo constitui o suporte do trabalho curricular do educador». ME (1997): Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar. Lisboa: ME/DEB
  • 6. O ambiente educativo não se circunscreve apenas à sala de actividades. Entendo que a devo transcender, tornando-se todo o espaço escolar e extra-escolar (localidade, povoação, freguesia, cidade) como espaço educativo. A sala de actividades transforma-se no local onde se organiza e regista o saber, pelo que deverá ser um sistema flexível, vivo e em mudança.
  • 7. Linhas Orientadoras e as minhas opções educativas para “as minhas crianças”   Em relação aos pais e comunidade defendo:             - o envolvimento dos pais na vida quotidiana do contexto do jardim de infância;             - um trabalho cooperativo com os pais e comunidade.   Em relação aos outros profissionais de educação e comunidade local defendo:             - um trabalho em parceria/articulação com outros educadoras da Freguesia;             - um trabalho em parceria/articulação sempre que possível com os professores EB1 S.to António
  • 8.
  • 9.
  • 10. Organização do Espaço A organização do espaço e materiais da sala de actividades é flexível e faz-se de acordo com as necessidades e evolução do grupo, pelo que pode sofrer modificações ao longo do ano lectivo. As razões das minhas opções assentam em dinâmicas do grupo que previligiem o trabalho individual, pequeno grupo e grande grupo.
  • 11. Organização do espaço A sala de actividades divide-se em várias áreas. Considero alguns espaços permanentes, porque entendo que são desafiadores e adequados às crianças em idade pré-escolar. É o caso da área de jogo sim bólico (casinha das bonecas), da área da expressão plástica (desenho, recorte e colagem, modelagem, pintura), da área da biblioteca , da área da experimentação (construções), da matemática (jogos de mesa), da área da comunicação, planeamento, debate e avaliação (tapete). Cada área encontra-se identificada, através de um registo escrito e gráfico.
  • 13. Área da Expressão Plástica (desenho, recorte e colagem, modelagem e pintura)
  • 14. Área da Expressão Plástica (desenho, recorte e colagem, modelagem e pintura)
  • 16. Área da Experimentação (Construções/Noções matemáticas)
  • 17. Área da comunicação, planeamento, debate e avaliação
  • 18.
  • 19. Área da FORMAÇÃO PESSOAL e SOCIAL
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27. Área da EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO
  • 28.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33. Colaboração com outras Entidades da Comunidade Local Biblioteca Municipal de S.ta Maria da Feira Câmara Municipal de S.ta Maria da Feira – Escola de Educação Rodoviária
  • 34.
  • 35. Desenvolvimento das Crianças: observações e registo Socialização Comunicação Sentido Estético e Rítmico Estruturação do Esquema Corporal Capacidade de Observação, Memorização, Atenção, Compreensão e Expressão Intervenção Educativa visa….
  • 36. “ A formação das CRIANÇAS está nas mãos dos Pais, da Família e todos os Educadores que com Elas interagem”. Anónimo