SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
PÓLO: Santana do Livramento
                           DISCIPLINA: Elaboração de Artigo Científico
                      PROFESSORA ORIENTADORA: Eunice Maria Mussoi
                                             20/11/2010




       Objetos de aprendizagem na Educação Infantil: um estudo com alunos da
                                    Pré-escola

        Learning Objects in Childhood Education: a Study with Preschool Students

                                MORAES, Marizane Medianeira de
                  Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal de Santa Maria




Resumo
Este artigo tem a intenção de analisar, no âmbito das Tecnologias da Informação e da
Comunicação (TIC‟s) aplicadas à Educação, mais precisamente da informática na Educação
Infantil, as possibilidades de uso de objetos de aprendizagem (OA) no processo de
ensino/aprendizado de conceitos matemáticos a alunos da pré-escola. Além disso, pretende-se
identificar os benefícios destes objetos para a aprendizagem infantil, através de conteúdos
matemáticos relacionados ao conceito de número, quantidade, ordem e conservação, a fim de
possibilitar conhecer diferentes jogos educativos que auxiliem no momento do planejamento
pedagógico, nesta etapa escolar. O artigo apresenta algumas possibilidades de OAs que podem
ser utilizados com alunos da Educação Infantil e que mais auxiliem na construção do
conhecimento. Também, aponta as dificuldades encontradas na utilização de tais objetos. Foi
adotada a metodologia qualitativa e para coleta e análise dos dados, além do mais, optou-se pelo
estudo de caso por meio da observação, que incluíram como sujeitos da pesquisa três alunos da
Pré-escola I.

Palavras-Chave: objetos de aprendizagem, Educação Infantil, ensino-aprendizagem.
Abstract
The aim of this article is to analyze, in the field of Educational and Communication Technologies
(ECT) applied to Education, that is to say, information science in Childhood Education, related to
the use of learning objects (LOs) in the process of teaching/learning of mathematical concepts to
preschool students. Moreover, to identify the benefits for the childhood learning, of mathematical
concepts related to the concept of number, quantity, order, conservation, like the use of such
objects, making possible to know the different educational games which help the planning moment,
during this school stage. The article presents some LOs that can be used with childhood students
and that help in the construction of knowledge. It also mentions the difficulties which were faced
during the use of such objects. We used the qualitative methodology and to collect data, it was
used the case study through observation, that included as subjects of the research three students
of preschool I.

Key-Words: learning objects, childhood education, teaching-learning.


1. INTRODUÇÃO
Com o avanço tecnológico e as contribuições que este avanço vem proporcionando à
sociedade em várias áreas, no cenário educativo estas transformações vêm tentando
auxiliar o máximo possível na melhora do trabalho pedagógico. O processo de
implantação de novas tecnologias, principalmente do computador nas escolas, vem apoiar
os professores no processo de ensino-aprendizagem.
Neste contexto de mudanças no âmbito social e educacional, surge a preocupação e
dúvida por parte dos professores no momento da escolha do objeto de aprendizagem
(OA), para que este atenda os objetivos educacionais propostos e contribua na
aprendizagem dos alunos. Para Wiley (2002), OAs são definidos como uma entidade,
digital ou não-digital, que poderá ser utilizada e reutilizada durante o processo de ensino-
aprendizagem como suporte tecnológico. Desta forma, estas ferramentas podem ser
consideradas pequenas unidades de conhecimentos, capazes de serem utilizadas
sozinhas ou combinadas com outras e reusadas em vários momentos do processo
educativo.
Os estudos encontrados sobre OAs, na maioria dos casos, se referem aos níveis
escolares do ensino fundamental e médio. Vista a necessidade de estudos e pesquisas
que incluam a Educação Infantil no âmbito de onde encontrar, selecionar e verificar quais
os benefícios e dificuldades encontradas por alunos pré-escolares em relação aos OAs,
surgiu a idéia deste artigo, que tem como objetivo geral verificar a possibilidade de uso de
OAs no processo de aprendizagem de conceitos matemáticos de alunos da Pré-escola.
Konrath, Carneiro e Tarouco (2009, p. 1), quando se referem à seleção e escolha dos
OAs, afirmam:
O mais importante é saber onde encontrar e selecionar os objetos de
                      aprendizagem, buscando aqueles que sejam adequados à proposta pedagógica
                      do professor e que contribua para a aprendizagem dos alunos com os quais se
                      esta desenvolvendo o trabalho pedagógico.


Portanto, este artigo tem a intenção de mostrar possíveis soluções e estratégias
pedagógicas que apontem a melhor forma de trabalhar com OA na Educação Infantil,
para que o uso destas tecnologias desperte a criatividade, a motivação, a reflexão e,
consequentemente, contribua com a aprendizagem dos conteúdos escolares de forma
significativa e prazerosa. Dessa forma, este artigo busca conhecer diferentes jogos
educativos que auxiliem no momento do planejamento pedagógico e pretende identificar
os benefícios para a aprendizagem infantil, dos conteúdos matemáticos relacionados ao
conceito de número, quantidade, ordem e conservação, com o uso de OAs.
Segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil (1999), as propostas
pedagógicas das instituições de Educação Infantil devem buscar a interação entre
diversas áreas de conhecimento e aspectos da vida cidadã, como conteúdos básicos para
a constituição de conhecimentos e valores. Assim, os conhecimentos sobre espaço,
tempo, comunicação, expressão, natureza e pessoas devem estar articulados com os
cuidados e a educação para com a saúde, a sexualidade, a vida familiar e social, o meio
ambiente, a cultura, as linguagens, o trabalho, o lazer, a ciência e a tecnologia.
Desse modo, a partir do que foi elencado anteriormente, a opção de estudo pode ser
resumida na seguinte questão: o acesso às tecnologias, principalmente as relacionadas à
informática, devem ser disponibilizadas, também, para os alunos pré-escolares das
escolas públicas, visto que, este recurso pedagógico é amparado por lei?
O artigo está organizado da seguinte forma: em primeiro lugar, apresenta-se o referencial
teórico com contribuições referentes à Informática na Educação, ao desenvolvimento
cognitivo da criança e ao papel do professor mediador em TIC‟s, os OAs e os Jogos
Educativos.   Em segundo lugar, aparecem a metodologia utilizada, o campo e os sujeitos
da pesquisa, bem como o planejamento das atividades, a descrição e os resultados dos
OAs utilizados. Em terceiro lugar estão as considerações finais.


2.1. Referencial Teórico
2.1.1. Informática na Educação
As transformações sociais proporcionadas pelo avanço tecnológico atingem-nos em todos
os sentidos: em casa, na escola, no trabalho. O computador, a Internet, a televisão a cabo
entre outros, são ferramentas que exigem novos valores, diferentes para o homem e para
a sua ação na atividade profissional. A modernidade exige um “sujeito criativo, dinâmico,
reflexivo, autônomo, atuante na sociedade, capaz de desenvolver estruturas mentais
necessárias à adaptação nesse Novo Mundo” (SILUK et al, 2009).
Os reflexos dessas transformações sociais que são vistos na escola para auxiliar os
professores no processo de ensino e aprendizagem surgem como instrumentos a serviço
da Educação, que são as TIC‟s, mais precisamente, o computador e a Internet. Dessa
forma, a mudança de paradigmas no processo de aprender e de ensinar está relacionada
às práticas pedagógicas criativas, ao ensino com pesquisa, à avaliação formativa da
aprendizagem, à mediação pedagógica e colaborativa (BRASIL, 2007).
Neste contexto, o uso das TIC‟s deve propiciar aos alunos o desenvolvimento de
habilidades, onde o educando pode fazer parte do processo de construção do
conhecimento.


2.1.2. O desenvolvimento Cognitivo da criança e o papel do professor mediador em
TIC’s
Os indivíduos, a partir do seu nascimento, iniciam a construção dos processos mentais
superiores, que se dão por meio das relações sociais. A obra de Oliveira (1997) serviu
como base teórica para elaborar esta seção, a fim de abordar a obra de Vygotsky.
Segundo este autor, Vygotsky, em seus estudos sobre o desenvolvimento infantil, dá
ênfase ao desenvolvimento da linguagem e suas relações com o pensamento.
Para Vygotsky, há duas funções básicas de linguagem, a principal é o intercambio social.
Por meio deste, o homem cria e utiliza os sistemas de linguagem para se comunicar, isto
é visível no bebê que está começando a falar. Ele não consegue articular as palavras e
nem compreender o que os adultos falam, mas consegue comunicar seus desejos e
estados emocionais por meio de sons, gestos e expressões. É a necessidade de
comunicação que impulsiona o desenvolvimento da linguagem.
Em seus estudos, Vygotsky aponta que antes de o pensamento e a linguagem se
associarem, existe na criança pequena uma fase pré-verbal no desenvolvimento da
linguagem. Mesmo não dominando a linguagem, a criança encontra meios para resolver
os seus problemas e conseguir um objeto, por exemplo. Num determinado momento do
desenvolvimento da criança (por volta dos dois anos de idade) pensamento e linguagem
se encontram, iniciando uma nova forma de funcionamento psicológico: a fala torna-se
intelectual, com função simbólica, generalizante e o pensamento torna-se verbal, mediado
por significados dados pela linguagem. A interação com indivíduos mais maduros que já
dispõem de uma linguagem estruturada provoca um salto qualitativo para o pensamento
verbal.
Nessa perspectiva, considera-se de fundamental importância para a criança as interações
entre criança/criança e adulto/criança. Assim, o professor assume o papel de mediador
possibilitando trocas e desafios entre os indivíduos propiciando estímulos para o
aprendizado dos mesmos. Para Santarosa (2003), a acessibilidade às Tecnologias de
Informação e Comunicação são concebidas como elemento mediador entre o sujeito e o
ambiente.
Para Vygotsky, o aprendizado está relacionado ao desenvolvimento. O último necessita
de um percurso em parte definido pelo processo de maturação do organismo individual,
mas é o aprendizado que possibilita o despertar de processos internos                 de
desenvolvimento, que necessitam de contatos com certo ambiente cultural para
acontecerem. Assim, a capacidade da criança de realizar uma tarefa sozinha corresponde
ao nível de desenvolvimento real; e de nível de desenvolvimento potencial, a capacidade
da criança de desempenhar tarefas com a ajuda de adultos ou companheiros mais
capazes, isto é, a criança se torna capaz de realizar estas tarefas se alguém lhe der
instruções, mostrar como deve ser feita, etc. É a partir desses dois níveis de
desenvolvimento que Vygotsky define a zona de desenvolvimento proximal (ZDP), que se
refere ao caminho que o indivíduo vai percorrer para desenvolver funções que estão em
processo de amadurecimento e que se tornarão funções consolidadas estabelecidas no
seu nível de desenvolvimento real. A ZDP é, pois, um domínio psicológico em constante
transformação: aquilo que uma criança é capaz de fazer com a ajuda de alguém hoje, ela
conseguirá fazer sozinha amanhã.
Desta forma, é de fundamental importância o planejamento pedagógico, a seleção e
escolha do recurso tecnológico, a mediação e a exploração que o educador deverá
proporcionar aos educandos para que eles possam se apropriar do conhecimento.


2.1.3. Os objetos de aprendizagem
Os OAs são compreendidos como pequenas unidades de conhecimento que podem ser
usadas e reusadas como suporte ao ensino. Podem ser produzidas em qualquer mídia ou
formato, podendo ser simples como uma animação ou complexos como uma simulação
(BRASIL, 2007). O objeto, ao ser criado e utilizado, deve ter intencionalidade pedagógica
estimulando a criatividade, o raciocínio lógico e a reflexão do educando.
Para Brasil (2007), os OAs favorecem sua utilização devido a alguns fatores como:
flexibilidade, eles podem ser usados e reusados; facilidade de atualização, podem ser
atualizados em tempo real, bastando apenas que todos os dados estejam num mesmo
banco de informações; customização, como os objetos são independentes podem ser
utilizados por várias instituições educacionais ao mesmo tempo e cada instituição poderá
arranjá-los da maneira mais conveniente; por último aparece à interoperabilidade, que é
a capacidade de serem utilizados em qualquer plataforma de ensino.


2.1.4. Jogos Educativos como Objetos de Aprendizagem
Para Balbino et al (2009), alguns jogos educativos possuem características lúdicas,
implicando não somente em um exercício cognitivo, mas também em um exercício afetivo.
O lúdico ativa a imaginação pela busca de soluções, estimulando a inteligência e a
criatividade. Por isso, a utilização de OAs com crianças pequenas é de fundamental
importância possibilitando um desenvolvimento cognitivo mais complexo. A mediação do
professor é importante, as explicações e as primeiras tentativas precisam ser auxiliadas
pelo educador. Como relata Oliveira (1997), a zona de desenvolvimento proximal é, pois,
um domínio psicológico em constante transformação: aquilo que uma criança é capaz de
fazer com a ajuda de alguém hoje, ela conseguirá fazer sozinha amanhã.
Os benefícios são muitos, tanto no desenvolvimento motor, na coordenação motora fina, a
partir do manuseio do mouse, no desenvolvimento cognitivo, pois a criança se envolve
mais e precisa de atenção e concentração para resolver as atividades. Apesar dos
benefícios, há uma grande deficiência de softwares educativos para este público,
dificultando o acesso das crianças pequenas à salas de informática. Sente-se uma grande
necessidade de criações de OAs e leis que incluam a Educação Infantil no âmbito da
Inclusão Digital.
Crianças com quatro (4) e cinco (5) anos possuem uma grande capacidade imaginativa,
portanto, atividades lúdicas são atrativas e estimulantes facilitando a construção de
conceitos. Os OAs para esta idade devem possuir desenhos, imagens, animações, cores,
facilidade de acesso e linguagem clara, pois nesta fase as crianças ainda não dominam o
código escrito.
O feedback apresentado pelo OA facilita o aprendizado do aluno e a mediação do
professor, pois o aluno sendo alertado do erro pelo OA não necessita que o professor o
alerte. Assim, ele mesmo tenta o acerto.
2.2. METODOLOGIA
Tendo em vista os questionamentos com relação ao tema, optou-se pela pesquisa
qualitativa. Na pesquisa qualitativa os dados são predominantemente descritivos,
possibilitando uma interpretação ampla pelo pesquisador. Para Lüdke e André (1986,
p.12) "o material obtido nessas pesquisas é rico em descrições de pessoas, situações,
acontecimentos; inclui transcrições de entrevistas e de depoimentos". Dessa forma, os
dados permitem uma maior compreensão, pelo pesquisador, do problema em questão.
Este tipo de pesquisa leva em conta também o significado que as pessoas dão às coisas
e à sua vida.


                     Nesses estudos há sempre uma tentativa de capturar a "perspectiva dos
                     participantes", isto é, a maneira como os informantes encaram as questões que
                     estão sendo focalizadas. Ao considerar os diferentes pontos de vista dos
                     participantes, os estudos qualitativos permitem iluminar o dinamismo interno das
                     situações (LÜDKE e ANDRÈ, 1986, p.12).


A pesquisa foi realizada na forma de Estudo de Caso e o instrumento de coleta de dados
foi a observação e a utilização de pré-teste e pós-teste como prova de aquisição de
conhecimento. Os pré-testes e pós-testes “são utilizados para medir o conhecimento
adquirido pelos participantes” (I – TECH, 2008). Sendo assim, a observação e a análise
foram voltadas para o desenvolvimento cognitivo, aceitação e dificuldades encontradas
pelos sujeitos da pesquisa ao interagirem com os OAs.


2.2.1. Campo da Pesquisa
A escola escolhida tem como mantenedora a Prefeitura Municipal de Santa Maria/RS.
São duas escolas, uma de Ensino Fundamental que atende mais de 100 alunos do 1º ao
5º ano, e outra de Educação Infantil com uma média de 80 alunos de quatro (4) e cinco
(5) anos, possuindo duas turmas de Pré-escola I (4 anos) e duas turmas de Pré II (5
anos). A escola conta com um quadro de oito professoras, uma diretora, uma supervisora,
duas funcionárias e uma estagiária e atende em somente um turno cada turma.
A escola de Educação Infantil fica em anexo à escola de Ensino Fundamental, possui
duas salas de aula, dois banheiros, um refeitório, uma cozinha, pátio, pracinha de
brinquedos. A Sala de Informática (SI) fica na escola de Ensino Fundamental, mas é
utilizada também pelos alunos da Educação Infantil, uma hora/aula por semana para cada
turma.
Na pré-escola o trabalho é desenvolvido por meio de projetos partindo dos interesses dos
alunos e às necessidades da faixa etária. Desse modo, tem como objetivo geral
desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente,
com confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações, valorizando hábitos
de cuidado e educação, ampliando cada vez mais as relações sociais, aprendendo a
articular seus interesses e pontos de vista com os demais, respeitando a diversidade e
desenvolvimento de atitudes, de ajuda e colaboração.
Os sujeitos da pesquisa foram três alunos da Pré-escola I de uma Escola Pública do
Bairro Camobi de Santa Maria/RS. Dois meninos, um com cinco (5) e outro com quatro (4)
anos, que aqui serão identificados pelas letras A e B, respectivamente, e também uma
menina com cinco (5) anos que será identificada pela letra C. Os sujeitos da pesquisa
foram escolhidos aleatoriamente.


2.2.2. O Planejamento e a aplicação dos Objetos de Aprendizagem
Durante o período de julho a setembro de 2010, foram realizadas várias atividades em
sala de aula regular e no laboratório de informática. As Figuras 1 e 2 apresentam algumas
atividades feitas com lápis e papel, recortes e pintura de figuras. Após, são apresentadas
outras atividades desenvolvidas com o auxílio de OAs.




Figura 1 - Atividade “Contar e Pintar”              Figura 2 – Atividade “Pinte, Recorte e Cole”


No     laboratório     de     informática   foram    utilizados    alguns      OAs      do    site
http://www.atividadeseducativas.com.br¹. Este site apresenta diferentes OAs para as
diferentes áreas do conhecimento e níveis escolares. Os objetos escolhidos foram:
“Animais”, “Ordenando os Dinossauros” e “Aprendendo a Contar”. O OA “Ordenando os
Dinossauros” apresenta em sua interface espaço para ordenar os dinossauros por
tamanhos, do menor ao maior. Enquanto os dinossauros não forem ordenados
corretamente, não aparecem outras espécies. O OA “Aprendendo a Contar” apresenta em
sua interface um caminhão com alguns blocos. O aluno deverá contar os blocos e marcar
o número correspondente. Caso a atividade esteja correta virá outro caminhão com outra
quantidade de blocos, caso contrário, o mesmo caminhão permanecerá na interface. Nas
primeiras tentativas os alunos tiveram dificuldades, mas no decorrer das atividades as
crianças foram melhorando o desempenho.




 Figura 3 – Atividade “Ordenando os Dinossauros”   Figura 4 – Atividade “Aprendendo a Contar”


Todas as atividades realizadas foram planejadas e relacionadas ao conteúdo trabalhado
em sala de aula. Estas atividades permitiram aos alunos os primeiros contatos em sala de
aula e sala de informática com a construção do conhecimento com relação ao conceito de
número, quantidade, ordem, noções de espaço, tamanhos, etc. Alguns estudos explicam
que as crianças adquirem conhecimentos matemáticos por meio de relações que os
indivíduos fazem em sua interação com o ambiente. Para Kamii (2002, p. 15), “o
conhecimento lógico-matemático, incluindo número e aritmética, é construído por cada
criança de dentro para fora, na interação com o ambiente”. Portanto, é de fundamental
importância que as crianças vivenciem diferentes experiências com diferentes
ferramentas pedagógicas, possibilitando assim, a construção e a internalização de
conceitos matemáticos.
As atividades com folha de papel e lápis na sala de aula foram realizadas com algumas
dificuldades, mas um fato que chamou a atenção foi que quando ocorria um erro, não era
possível o seu conserto, visto que o lápis de cor não aceita apagar com borracha, o que
dificultou à tentativa e erro.
Na sala de informática (SI) cada aluno utiliza um computador. Com relação às atividades
com OAs, o processo de construção do conhecimento facilita estas tentativas e erro, pois
a cada ação certa ou errada, o próprio jogo educativo aceita a ação, se correta, ou não
aceita, se errada, o que facilita o aprendizado nesta etapa escolar. No entender de
Prensky (2010, p. 35), as crianças “aprendem a pensar por meio da experimentação e
daquilo que os cientistas chamam de „método esclarecido de tentativa e erro‟, elas
aprendem a entender e manipular sistemas altamente intrincados”. Neste sentido,
percebe-se que as novas tecnologias vêm auxiliando os educadores a fim de superar
obstáculos e desenvolver habilidades nos educandos, as quais favorecem a formação dos
profissionais do futuro.


2.2.3. O Objeto de Aprendizagem “Um Dia de Trabalho na Fazenda”.
O último OA utilizado pelos alunos foi “Um dia de Trabalho na Fazenda”, encontrado no
site:   http://rived.mec.gov.br/atividades/matematica/fazenda/mat1_ativ1.swf².    A   Rede
Interativa Virtual de Educação (RIVED) é um projeto criado pelo Ministério da Educação
(MEC), com o objetivo de criar e disponibilizar materiais digitais em um Repositório on-line
(BRASIL, 2007).
Neste tópico apresenta-se o relato das atividades realizadas pelos alunos, que aqui serão
identificados como: A (menino 1, cinco anos), B (menino 2, quatro anos) e C (menina,
cinco anos).
Como nesta etapa escolar as crianças não são ainda alfabetizadas, todas utilizaram
recursos sonoros e o auxilio da professora para conseguir realizar as atividades. As
crianças ficaram muito animadas e interessadas ao visualizarem a interface de abertura
(figura 5), as animações, as cores, os sons e as figuras, que são muito bem recebidas
pelas crianças pequenas.
A escolha das atividades ficou a
                                                  critério   dos       alunos,    mas
                                                  praticamente      todas        foram
                                                  acessadas,     mas     nem     todos
                                                  conseguiram realizar.



Figura 5 – Abertura do OA do RIVED


Atividade “Separando Animais”: nesta atividade os animais (porcos, vacas e ovelhas)
ficam espalhados na interface, conforme figura 6. A proposta é separar os animais por
espécies colocando cada uma em um cercado. As crianças não encontraram dificuldades
em separar os animais. As dificuldades encontradas foram nas perguntas que o
personagem Zé fazia com relação aos animais. A professora teve que auxiliar e fazer
alguns questionamentos. Nesta etapa escolar, a construção mental de conservação de
número depende da capacidade das crianças de fazer relações numéricas entre os
objetos. É a partir daí que elas podem deduzir, por força da necessidade lógica, que os
números podem ser conservados (KAMII, 2002). Esse conhecimento lógico está sendo
desenvolvido nas crianças da Educação Infantil, pois “os números são aprendidos por
abstração construtiva à medida que a criança constrói relações” (KAMII, 2002, p. 22).

                                               Com relação à inclusão de classes,
                                               Kamii (2002) deixa claro que, para
                                               crianças de quatro anos, a tarefa de
                                               reunir o todo e separar em duas partes
                                               é difícil, porque não podem pensar no
                                               todo e nas partes ao mesmo tempo.
                                               Todos os alunos erraram a pergunta
                                               “Temos mais porcos ou animais?”
Figura 6 - Atividade “Separando animais”


Atividade “Animais Fugindo”: nesta atividade os animais (porcos, cavalos, ovelhas,
galinhas) quebram o cercado e saem correndo pelo campo (figura 7). Do lado direito da
interface encontra-se um retângulo com a sombra dos animais, onde o aluno deverá clicar
para que apareçam bolinhas para marcar a quantidade de animais que fugiram. A e C,
chegaram a tentar realizar, porém tiveram muita dificuldade e logo voltaram à interface de
abertura e escolheram outra atividade. B não tentou.


                                                       Nesta     atividade         a    maior
                                                       dificuldade foi a de relacionar a
                                                       quantidade       de    animais     que
                                                       fugiram   e   a       quantidade    de
                                                       bolinhas marcadas, visto que, os
                                                       animais passavam muito rápido
                                                       pela interface.
Figura 7 - Atividade “Animais Fugindo”


Na atividade “Esconde-Esconde no Galinheiro” surge uma interface de abertura com uma
animação na qual os ovos quebram-se e nascem os pintinhos, os quais espalham-se pelo
galinheiro. A proposta é ajudar a galinha a procurar os pintinhos pelo galinheiro. Eles
ficam escondidos atrás dos objetos, o aluno arrasta os objetos, clica no pintinho e o
arrasta para o ninho, conforme figura 8. Todos os alunos ficaram muito motivados e
realizaram a atividade mais de uma vez. A animação de inicio, quando nascem os
pintinhos, e a curiosidade em encontrá-los animou a todos. Houve a preocupação em
saber se cada um havia encontrado todos, procurando em cada canto do galinheiro, caso
a galinha perguntasse: “Todos os pintinhos já foram encontrados?”, isso se os alunos não
tivessem encontrado todos os pintinhos.


                                                                 Não houve a preocupação
                                                                 de contar os pintinhos, mas
                                                                 sim,    de     procurá-los em
                                                                 todos os cantos e, então,
                                                                 solicitar     a   resposta     da
                                                                 galinha.




Figura 8 - Atividade “Esconde-Esconde no Galinheiro”
Nesta atividade, as crianças desenvolvem a curiosidade, o instinto investigativo, a
coordenação motora, noções aproximadas de quantidades, visto que havia a
preocupação de pedir o feedback somente quando o ninho estava bem cheio de
pintinhos. Com relação à curiosidade e às tecnologias, Freire (1996, p. 98), afirma: “não
tenho dúvida nenhuma do enorme potencial de estímulos e desafios à curiosidade que a
tecnologia põe a serviço das crianças e dos adolescentes [...]”.
Percebe-se que, por meio destas atividades, as crianças adquirem conhecimentos
matemáticos, fazendo relações e aproximações matemáticas, o que segundo Kamii
(2002) é de fundamental importância para adquirir conceitos matemáticos.


3. CONSIDERAÇÕES FINAIS
O referido estudo mostrou que a utilização de OAs com alunos pré-escolares é possível e
muito significativa para o aprendizado dos mesmos. Seus conhecimentos com relação ao
conceito de números, quantidade, ordem e relações foram ampliados e foram
desenvolvidas outras habilidades motoras, visuais e criativas. O nível de concentração e
atenção dos alunos melhorou, acentuando suas capacidades de aprendizado.
As dificuldades encontradas para desenvolver o estudo foram as deficiências de se
encontrar OAs para crianças da Educação Infantil. Na maioria dos casos é preciso fazer
uma pesquisa criteriosa para poder utilizar tais objetos com crianças pequenas. O objeto
“Um dia de Trabalho na Fazenda”, do RIVED foi criado para crianças de 1º ano do ensino
fundamental. O modo de exploração com os pré-escolares não teve o mesmo enfoque
que teria se fosse utilizado com crianças maiores, mas como o objeto apresenta
diferentes atividades de níveis diferenciados, estas foram exploradas pelos alunos em
várias aulas na sala de informática (SI). A facilidade de escolher a atividade motivou as
crianças, pois elas tinham a autonomia de trocar de atividade quando achavam
desinteressante a que estavam realizando. A repetição de atividades também facilitou o
aprendizado, pois este objeto foi explorado em vários dias.
Ressalta-se a importância do planejamento das atividades com OAs, relacionando os
conteúdos desenvolvidos em sala de aula regular com as atividades pedagógicas
desenvolvidas na Sala de Informática (SI). Ações pedagógicas pensadas, planejadas e
embasadas por pressupostos teóricos demonstram que o professor apresenta
intencionalidade pedagógica e preocupa-se com o melhor desempenho dos alunos no
processo de construção do conhecimento.
No decorrer dessa pesquisa, foi possível perceber os benefícios do uso de OAs para o
aprendizado das crianças pequenas, porém a deficiência de OAs para este público e de
leis que incluam a Educação Infantil no âmbito da Inclusão Digital, têm deixado esta
clientela a margem destes benefícios. Sente-se uma grande necessidade de criação de
OAs e políticas públicas que incluam a Educação Infantil no âmbito das Tecnologias da
Informação e Comunicação (TIC‟s), mais precisamente a informática e a Internet.


Sites de OAs para diferentes níveis escolares e áreas do conhecimento:
¹Site educativo: http://www.atividadeseducativias.com.br
²Rede Interativa Virtual de Educação: http://rived.mec.gov.br/atividades/matematica/fazenda/mat1_ativ1.swf


                                REFERÊNCIAS
BALBINO, R.R.; CARNEIRO, L. H. X.; SILVA, M. D.; SOUZA, M. M.; PAULA, M. M. V.;
SOUZA, F. F. Jogos Educativos Como Objetos de Aprendizagem para Pessoas com
Necessidades Especiais. Novas Tecnologias na Educação. CINTED-UFRGS. V. 7 Nº 3,
dezembro, 2009.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação.
Câmara de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação
infantil. Brasília: Mec/CEB, 1999.

___, Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. Objetos de
aprendizagem: uma proposta de recurso pedagógico. Organização: Carmem Lúcia
Prata, Anna Christina Aun de Azevedo Nascimento. Brasília: Mec, SEED, 2007.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São
Paulo: Paz e Terra, Coleção leitura, 1996.

I – TECH. International Training & Education Center on HIV. Orientações para pré e pós
– teste: Um Guião de Implementação Técnica. University of Washington, 2008.

KAMII, C. Crianças pequenas reinventam a aritmética: implicações da teoria de
Piaget. Trad. Cristina Monteiro. 2ª Ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.

KONRATH, M; CARNEIRO, M; TAROUCO, L. Estratégias pedagógicas, planejamento
e construção de Objetos de Aprendizagem para uso pedagógico. CINTED-UFRGS -
Novas Tecnologias na Educação. V7 Nº 1, julho, 2009.

LÜDKE, M; ANDRÈ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São
Paulo: EPU, 1986.
OLIVEIRA, M. K. de. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo
sócio/histórico. São Paulo: Scipione, 1997.

PRENSKY, M. “Não me atrapalhe, mãe-eu estou aprendendo!”: como os
videogames estão preparando nossos filhos para o sucesso no século XXI – e
como você pode ajudar! Tradução: Lívia Bergo. São Paulo: Phorte, 2010.

SANTAROSA, L. M. C; LIMA, C. R.U. Acessibilidade Tecnológica e Pedagógica na
Apropriação das Tecnologias de Informação e Comunicação por Pessoas com
Necessidades Educacionais Especiais. XIV Simpósio Brasileiro de Informática na
Educação – NCE – IM/UFRJ, 2003.

SILUK, A.C. et al. Educação Assistida por TIC’s. Universidade Federal de Santa Maria.
Curso de Especialização a Distância em TIC‟s aplicadas à Educação, 2009.

WILEY, D. Conectando objetos de aprendizagem com a teoria de projeto
instrucional: uma definição, uma metáfora e uma taxonomia. Fonte do livro The
Instructional Use of Learning Objetos, 2002. http://reusability.org/read/




Autora: Marizane Medianeira de Moraes – e-mail: marizane1977@gmail.com
Orientadora: Eunice Maria Mussoi – e-mail: emmussoi@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

São João do Polêsine - Carina da Silva Cassanego
São João do Polêsine - Carina da Silva CassanegoSão João do Polêsine - Carina da Silva Cassanego
São João do Polêsine - Carina da Silva CassanegoCursoTICs
 
Três de Maio - Mercia Maria Vogel
Três de Maio - Mercia Maria VogelTrês de Maio - Mercia Maria Vogel
Três de Maio - Mercia Maria VogelCursoTICs
 
Três de Maio - Nilda Clair de Souza Binn
Três de Maio - Nilda Clair de Souza BinnTrês de Maio - Nilda Clair de Souza Binn
Três de Maio - Nilda Clair de Souza BinnCursoTICs
 
Agudo - Carine Züge Porto Wallauer
Agudo - Carine Züge Porto WallauerAgudo - Carine Züge Porto Wallauer
Agudo - Carine Züge Porto WallauerCursoTICs
 
A construção do conhecimento matemático, alicerçado e fundamentado por meio d...
A construção do conhecimento matemático, alicerçado e fundamentado por meio d...A construção do conhecimento matemático, alicerçado e fundamentado por meio d...
A construção do conhecimento matemático, alicerçado e fundamentado por meio d...Denise Aparecida Bonfim
 
Três de Maio - Terezinha Nilza Zawatski
Três de Maio - Terezinha Nilza ZawatskiTrês de Maio - Terezinha Nilza Zawatski
Três de Maio - Terezinha Nilza ZawatskiCursoTICs
 
Três de Maio - Osmar Sipmann
Três de Maio - Osmar SipmannTrês de Maio - Osmar Sipmann
Três de Maio - Osmar SipmannCursoTICs
 
São João do Polêsine - Ivelize Liara Flesch
São João do Polêsine - Ivelize Liara FleschSão João do Polêsine - Ivelize Liara Flesch
São João do Polêsine - Ivelize Liara FleschCursoTICs
 
Três de Maio - Simone Raquel Frank
Três de Maio - Simone Raquel FrankTrês de Maio - Simone Raquel Frank
Três de Maio - Simone Raquel FrankCursoTICs
 
Andreia mainardi
Andreia mainardiAndreia mainardi
Andreia mainardiequipetics
 
A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma propo...
A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma propo...A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma propo...
A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma propo...blogplec
 
Produção de significados sobre roldanas a partir do uso dos aplicativos “Físi...
Produção de significados sobre roldanas a partir do uso dos aplicativos “Físi...Produção de significados sobre roldanas a partir do uso dos aplicativos “Físi...
Produção de significados sobre roldanas a partir do uso dos aplicativos “Físi...hawbertt
 
Uma experiência sociocultural de ensino com o uso do Scratch para o estudo da...
Uma experiência sociocultural de ensino com o uso do Scratch para o estudo da...Uma experiência sociocultural de ensino com o uso do Scratch para o estudo da...
Uma experiência sociocultural de ensino com o uso do Scratch para o estudo da...hawbertt
 
DESENVOLVIMENTO DE UM JOGO DIGITAL PARA O ENSINO DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO: ...
DESENVOLVIMENTO DE UM JOGO DIGITAL PARA O ENSINO DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO: ...DESENVOLVIMENTO DE UM JOGO DIGITAL PARA O ENSINO DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO: ...
DESENVOLVIMENTO DE UM JOGO DIGITAL PARA O ENSINO DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO: ...hawbertt
 
Odair jose da silva unicid
Odair jose da silva unicidOdair jose da silva unicid
Odair jose da silva unicidODAIR JOSÉ
 
Eunice dalcin corteze
Eunice dalcin cortezeEunice dalcin corteze
Eunice dalcin cortezeequipetics
 
Monografia
MonografiaMonografia
Monografialeusasa
 
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati PereiraRestinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati PereiraCursoTICs
 

Mais procurados (20)

São João do Polêsine - Carina da Silva Cassanego
São João do Polêsine - Carina da Silva CassanegoSão João do Polêsine - Carina da Silva Cassanego
São João do Polêsine - Carina da Silva Cassanego
 
Três de Maio - Mercia Maria Vogel
Três de Maio - Mercia Maria VogelTrês de Maio - Mercia Maria Vogel
Três de Maio - Mercia Maria Vogel
 
Marilene
MarileneMarilene
Marilene
 
Três de Maio - Nilda Clair de Souza Binn
Três de Maio - Nilda Clair de Souza BinnTrês de Maio - Nilda Clair de Souza Binn
Três de Maio - Nilda Clair de Souza Binn
 
Agudo - Carine Züge Porto Wallauer
Agudo - Carine Züge Porto WallauerAgudo - Carine Züge Porto Wallauer
Agudo - Carine Züge Porto Wallauer
 
A construção do conhecimento matemático, alicerçado e fundamentado por meio d...
A construção do conhecimento matemático, alicerçado e fundamentado por meio d...A construção do conhecimento matemático, alicerçado e fundamentado por meio d...
A construção do conhecimento matemático, alicerçado e fundamentado por meio d...
 
Três de Maio - Terezinha Nilza Zawatski
Três de Maio - Terezinha Nilza ZawatskiTrês de Maio - Terezinha Nilza Zawatski
Três de Maio - Terezinha Nilza Zawatski
 
Três de Maio - Osmar Sipmann
Três de Maio - Osmar SipmannTrês de Maio - Osmar Sipmann
Três de Maio - Osmar Sipmann
 
São João do Polêsine - Ivelize Liara Flesch
São João do Polêsine - Ivelize Liara FleschSão João do Polêsine - Ivelize Liara Flesch
São João do Polêsine - Ivelize Liara Flesch
 
Três de Maio - Simone Raquel Frank
Três de Maio - Simone Raquel FrankTrês de Maio - Simone Raquel Frank
Três de Maio - Simone Raquel Frank
 
Andreia mainardi
Andreia mainardiAndreia mainardi
Andreia mainardi
 
A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma propo...
A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma propo...A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma propo...
A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma propo...
 
Inez pantoja
Inez pantojaInez pantoja
Inez pantoja
 
Produção de significados sobre roldanas a partir do uso dos aplicativos “Físi...
Produção de significados sobre roldanas a partir do uso dos aplicativos “Físi...Produção de significados sobre roldanas a partir do uso dos aplicativos “Físi...
Produção de significados sobre roldanas a partir do uso dos aplicativos “Físi...
 
Uma experiência sociocultural de ensino com o uso do Scratch para o estudo da...
Uma experiência sociocultural de ensino com o uso do Scratch para o estudo da...Uma experiência sociocultural de ensino com o uso do Scratch para o estudo da...
Uma experiência sociocultural de ensino com o uso do Scratch para o estudo da...
 
DESENVOLVIMENTO DE UM JOGO DIGITAL PARA O ENSINO DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO: ...
DESENVOLVIMENTO DE UM JOGO DIGITAL PARA O ENSINO DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO: ...DESENVOLVIMENTO DE UM JOGO DIGITAL PARA O ENSINO DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO: ...
DESENVOLVIMENTO DE UM JOGO DIGITAL PARA O ENSINO DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO: ...
 
Odair jose da silva unicid
Odair jose da silva unicidOdair jose da silva unicid
Odair jose da silva unicid
 
Eunice dalcin corteze
Eunice dalcin cortezeEunice dalcin corteze
Eunice dalcin corteze
 
Monografia
MonografiaMonografia
Monografia
 
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati PereiraRestinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
 

Destaque

Metodologias de Desenvolvimento para a Construção de Objetos de Aprendizagem
Metodologias de Desenvolvimento para a Construção de Objetos de AprendizagemMetodologias de Desenvolvimento para a Construção de Objetos de Aprendizagem
Metodologias de Desenvolvimento para a Construção de Objetos de AprendizagemSérgio Vinícius Lucena
 
Concept Boutique Residence - Águas Claras DF
Concept Boutique Residence - Águas Claras DFConcept Boutique Residence - Águas Claras DF
Concept Boutique Residence - Águas Claras DFOAS Imóveis
 
Formación profesional: Educación para la integración
Formación profesional: Educación para la integraciónFormación profesional: Educación para la integración
Formación profesional: Educación para la integraciónNorman René Trujillo Zapata
 
Suxo carta abril 2012(3)
Suxo carta abril 2012(3)Suxo carta abril 2012(3)
Suxo carta abril 2012(3)Erbol Digital
 
Eduvirtua mod 3 ppt1
Eduvirtua mod 3 ppt1Eduvirtua mod 3 ppt1
Eduvirtua mod 3 ppt1Sandra Andrea
 
City Park Acupe : Salvador-BA
City Park Acupe : Salvador-BACity Park Acupe : Salvador-BA
City Park Acupe : Salvador-BAOAS Imóveis
 
OAs editores
OAs editoresOAs editores
OAs editoresegshare
 
Apresentação 2º encontro - EEF Francisco Domingos Silva
Apresentação 2º encontro - EEF Francisco Domingos SilvaApresentação 2º encontro - EEF Francisco Domingos Silva
Apresentação 2º encontro - EEF Francisco Domingos SilvaJ Max Estudando
 
Apostila excell
Apostila excellApostila excell
Apostila excellVilma Melo
 
Presentacion Intertraining
Presentacion IntertrainingPresentacion Intertraining
Presentacion IntertrainingFelipe Martinez
 
Aprendizagem coletiva por meios dos objetos de aprendizagem do InterRed
Aprendizagem coletiva por meios dos objetos de aprendizagem do InterRedAprendizagem coletiva por meios dos objetos de aprendizagem do InterRed
Aprendizagem coletiva por meios dos objetos de aprendizagem do InterRedElizama Lemos
 
Presentacion leidy
Presentacion leidyPresentacion leidy
Presentacion leidyrossyleidy
 
Sistemas de-informacion
Sistemas de-informacionSistemas de-informacion
Sistemas de-informacionYohanahh
 
Nocoes de valor de MIDIA EXTERNA
Nocoes de valor de MIDIA EXTERNANocoes de valor de MIDIA EXTERNA
Nocoes de valor de MIDIA EXTERNAfamecos2014
 

Destaque (20)

Metodologias de Desenvolvimento para a Construção de Objetos de Aprendizagem
Metodologias de Desenvolvimento para a Construção de Objetos de AprendizagemMetodologias de Desenvolvimento para a Construção de Objetos de Aprendizagem
Metodologias de Desenvolvimento para a Construção de Objetos de Aprendizagem
 
Concept Boutique Residence - Águas Claras DF
Concept Boutique Residence - Águas Claras DFConcept Boutique Residence - Águas Claras DF
Concept Boutique Residence - Águas Claras DF
 
Formación profesional: Educación para la integración
Formación profesional: Educación para la integraciónFormación profesional: Educación para la integración
Formación profesional: Educación para la integración
 
Suxo carta abril 2012(3)
Suxo carta abril 2012(3)Suxo carta abril 2012(3)
Suxo carta abril 2012(3)
 
Eduvirtua mod 3 ppt1
Eduvirtua mod 3 ppt1Eduvirtua mod 3 ppt1
Eduvirtua mod 3 ppt1
 
City Park Acupe : Salvador-BA
City Park Acupe : Salvador-BACity Park Acupe : Salvador-BA
City Park Acupe : Salvador-BA
 
OAs editores
OAs editoresOAs editores
OAs editores
 
Apresentação 2º encontro - EEF Francisco Domingos Silva
Apresentação 2º encontro - EEF Francisco Domingos SilvaApresentação 2º encontro - EEF Francisco Domingos Silva
Apresentação 2º encontro - EEF Francisco Domingos Silva
 
Apostila excell
Apostila excellApostila excell
Apostila excell
 
Presentacion-Carryon
Presentacion-CarryonPresentacion-Carryon
Presentacion-Carryon
 
La InvasióN De Las Siglas
La InvasióN De Las SiglasLa InvasióN De Las Siglas
La InvasióN De Las Siglas
 
Presentacion Intertraining
Presentacion IntertrainingPresentacion Intertraining
Presentacion Intertraining
 
Aprendizagem coletiva por meios dos objetos de aprendizagem do InterRed
Aprendizagem coletiva por meios dos objetos de aprendizagem do InterRedAprendizagem coletiva por meios dos objetos de aprendizagem do InterRed
Aprendizagem coletiva por meios dos objetos de aprendizagem do InterRed
 
Appl0000038517
Appl0000038517Appl0000038517
Appl0000038517
 
Flyer oas
Flyer oasFlyer oas
Flyer oas
 
11 respuesta, oas,oea
11  respuesta, oas,oea11  respuesta, oas,oea
11 respuesta, oas,oea
 
Presentacion leidy
Presentacion leidyPresentacion leidy
Presentacion leidy
 
Sistemas de-informacion
Sistemas de-informacionSistemas de-informacion
Sistemas de-informacion
 
Nocoes de valor de MIDIA EXTERNA
Nocoes de valor de MIDIA EXTERNANocoes de valor de MIDIA EXTERNA
Nocoes de valor de MIDIA EXTERNA
 
Automatizacion
AutomatizacionAutomatizacion
Automatizacion
 

Semelhante a Objetos de aprendizagem na Educação Infantil

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
MÍDIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdfMÍDIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
MÍDIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdfssusera3c2a4
 
Ana carolina g. c. flores
Ana carolina g. c. floresAna carolina g. c. flores
Ana carolina g. c. floresequipetics
 
São João do Polêsine - Neida Maria Camponogara de Freitas
São João do Polêsine - Neida Maria Camponogara de FreitasSão João do Polêsine - Neida Maria Camponogara de Freitas
São João do Polêsine - Neida Maria Camponogara de FreitasCursoTICs
 
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2♥Marcinhatinelli♥
 
Restinga Sêca - Diane Spat Brondani
Restinga Sêca - Diane Spat BrondaniRestinga Sêca - Diane Spat Brondani
Restinga Sêca - Diane Spat BrondaniCursoTICs
 
Jussara gonçalves
Jussara gonçalvesJussara gonçalves
Jussara gonçalvesequipetics
 
PIXTON Histórias em quadrinhos na web
PIXTON Histórias em quadrinhos na webPIXTON Histórias em quadrinhos na web
PIXTON Histórias em quadrinhos na webAna Paula Ó
 
PROEJA-FIC - PROEJA-FIC em Salvador do Sul: Uma Experiência de Construção Col...
PROEJA-FIC - PROEJA-FIC em Salvador do Sul: Uma Experiência de Construção Col...PROEJA-FIC - PROEJA-FIC em Salvador do Sul: Uma Experiência de Construção Col...
PROEJA-FIC - PROEJA-FIC em Salvador do Sul: Uma Experiência de Construção Col...Alexandre da Rosa
 
Patricia rodrigues velloso
Patricia rodrigues vellosoPatricia rodrigues velloso
Patricia rodrigues vellosoequipetics
 
Tendencia Pedagogica Neocognitivista
Tendencia Pedagogica NeocognitivistaTendencia Pedagogica Neocognitivista
Tendencia Pedagogica NeocognitivistaSandra Azevedo
 
Adelar bortoloti
Adelar bortolotiAdelar bortoloti
Adelar bortolotiequipetics
 
Estefania vieira linhares
Estefania vieira linharesEstefania vieira linhares
Estefania vieira linharesequipetics
 
São João do Polêsine - Eliane de Avila Colussi
São João do Polêsine - Eliane de Avila ColussiSão João do Polêsine - Eliane de Avila Colussi
São João do Polêsine - Eliane de Avila ColussiCursoTICs
 
PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...
PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...
PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...christianceapcursos
 
23. pesquisa participante possibilidades do uso das novas tecnologias na prom...
23. pesquisa participante possibilidades do uso das novas tecnologias na prom...23. pesquisa participante possibilidades do uso das novas tecnologias na prom...
23. pesquisa participante possibilidades do uso das novas tecnologias na prom...christianceapcursos
 
PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...
PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...
PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...christianceapcursos
 
Matematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambienteMatematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambienteNívia Sales
 
Matematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambienteMatematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambienteNívia Sales
 

Semelhante a Objetos de aprendizagem na Educação Infantil (20)

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
MÍDIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdfMÍDIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
MÍDIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
 
Ana carolina g. c. flores
Ana carolina g. c. floresAna carolina g. c. flores
Ana carolina g. c. flores
 
São João do Polêsine - Neida Maria Camponogara de Freitas
São João do Polêsine - Neida Maria Camponogara de FreitasSão João do Polêsine - Neida Maria Camponogara de Freitas
São João do Polêsine - Neida Maria Camponogara de Freitas
 
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
 
Restinga Sêca - Diane Spat Brondani
Restinga Sêca - Diane Spat BrondaniRestinga Sêca - Diane Spat Brondani
Restinga Sêca - Diane Spat Brondani
 
Jussara gonçalves
Jussara gonçalvesJussara gonçalves
Jussara gonçalves
 
PIXTON Histórias em quadrinhos na web
PIXTON Histórias em quadrinhos na webPIXTON Histórias em quadrinhos na web
PIXTON Histórias em quadrinhos na web
 
PROEJA-FIC - PROEJA-FIC em Salvador do Sul: Uma Experiência de Construção Col...
PROEJA-FIC - PROEJA-FIC em Salvador do Sul: Uma Experiência de Construção Col...PROEJA-FIC - PROEJA-FIC em Salvador do Sul: Uma Experiência de Construção Col...
PROEJA-FIC - PROEJA-FIC em Salvador do Sul: Uma Experiência de Construção Col...
 
Patricia rodrigues velloso
Patricia rodrigues vellosoPatricia rodrigues velloso
Patricia rodrigues velloso
 
Tendencia Pedagogica Neocognitivista
Tendencia Pedagogica NeocognitivistaTendencia Pedagogica Neocognitivista
Tendencia Pedagogica Neocognitivista
 
Adelar bortoloti
Adelar bortolotiAdelar bortoloti
Adelar bortoloti
 
Apresentação
Apresentação Apresentação
Apresentação
 
Estefania vieira linhares
Estefania vieira linharesEstefania vieira linhares
Estefania vieira linhares
 
São João do Polêsine - Eliane de Avila Colussi
São João do Polêsine - Eliane de Avila ColussiSão João do Polêsine - Eliane de Avila Colussi
São João do Polêsine - Eliane de Avila Colussi
 
PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...
PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...
PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...
 
23. pesquisa participante possibilidades do uso das novas tecnologias na prom...
23. pesquisa participante possibilidades do uso das novas tecnologias na prom...23. pesquisa participante possibilidades do uso das novas tecnologias na prom...
23. pesquisa participante possibilidades do uso das novas tecnologias na prom...
 
PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...
PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...
PESQUISA PARTICIPANTE: POSSIBILIDADES DO USO DAS NOVAS TECNO-LOGIAS NA PROMOÇ...
 
Simone aguiar
Simone aguiarSimone aguiar
Simone aguiar
 
Matematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambienteMatematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambiente
 
Matematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambienteMatematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambiente
 

Mais de CursoTICs

Três de Maio - Laenir Ana Busanello Sipmann
Três de Maio - Laenir Ana Busanello SipmannTrês de Maio - Laenir Ana Busanello Sipmann
Três de Maio - Laenir Ana Busanello SipmannCursoTICs
 
Três de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana BackesTrês de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana BackesCursoTICs
 
Três de Maio - Flávia Hitomi Takei de Mattos
Três de Maio - Flávia Hitomi Takei de MattosTrês de Maio - Flávia Hitomi Takei de Mattos
Três de Maio - Flávia Hitomi Takei de MattosCursoTICs
 
Três de Maio - Emilene Andréa Eichelberger
Três de Maio - Emilene Andréa EichelbergerTrês de Maio - Emilene Andréa Eichelberger
Três de Maio - Emilene Andréa EichelbergerCursoTICs
 
Três de Maio - Claudenir Beatriz Grizotti
Três de Maio - Claudenir Beatriz GrizottiTrês de Maio - Claudenir Beatriz Grizotti
Três de Maio - Claudenir Beatriz GrizottiCursoTICs
 
Três de Maio - Arlete Justina Monegat Hamerski
Três de Maio - Arlete Justina Monegat HamerskiTrês de Maio - Arlete Justina Monegat Hamerski
Três de Maio - Arlete Justina Monegat HamerskiCursoTICs
 
Três de Maio - Taísa Soares Valdameri
Três de Maio - Taísa Soares ValdameriTrês de Maio - Taísa Soares Valdameri
Três de Maio - Taísa Soares ValdameriCursoTICs
 
Sobradinho - Simoni Timm Hermes
Sobradinho - Simoni Timm HermesSobradinho - Simoni Timm Hermes
Sobradinho - Simoni Timm HermesCursoTICs
 
Sobradinho - Saionara Carlotto da Silva
Sobradinho - Saionara Carlotto da SilvaSobradinho - Saionara Carlotto da Silva
Sobradinho - Saionara Carlotto da SilvaCursoTICs
 
Sobradinho - Rômulo Limberger da Silva
Sobradinho - Rômulo Limberger da SilvaSobradinho - Rômulo Limberger da Silva
Sobradinho - Rômulo Limberger da SilvaCursoTICs
 
Sobradinho - Marcele Lazzari
Sobradinho - Marcele LazzariSobradinho - Marcele Lazzari
Sobradinho - Marcele LazzariCursoTICs
 
Sobradinho - Luciano Machado
Sobradinho - Luciano MachadoSobradinho - Luciano Machado
Sobradinho - Luciano MachadoCursoTICs
 
Sobradinho - Larissa Perobelli Rech
Sobradinho - Larissa Perobelli RechSobradinho - Larissa Perobelli Rech
Sobradinho - Larissa Perobelli RechCursoTICs
 
Sobradinho - Helena Maria da Silva Rech
Sobradinho - Helena Maria da Silva RechSobradinho - Helena Maria da Silva Rech
Sobradinho - Helena Maria da Silva RechCursoTICs
 
Sobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
Sobradinho - Fátima Regina da Silva BandeiraSobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
Sobradinho - Fátima Regina da Silva BandeiraCursoTICs
 
Sobradinho - Diana Lurdes Muraro Vendruscollo
Sobradinho - Diana Lurdes Muraro VendruscolloSobradinho - Diana Lurdes Muraro Vendruscollo
Sobradinho - Diana Lurdes Muraro VendruscolloCursoTICs
 
Sobradinho - Daniela Carlotto
Sobradinho - Daniela CarlottoSobradinho - Daniela Carlotto
Sobradinho - Daniela CarlottoCursoTICs
 
Sobradinho - Clair Batista da Silva
Sobradinho - Clair Batista da SilvaSobradinho - Clair Batista da Silva
Sobradinho - Clair Batista da SilvaCursoTICs
 
Sobradinho - Ana Paula Coe Fagundes
Sobradinho - Ana Paula Coe FagundesSobradinho - Ana Paula Coe Fagundes
Sobradinho - Ana Paula Coe FagundesCursoTICs
 
Sobradinho - Viviane Guidotti
Sobradinho - Viviane GuidottiSobradinho - Viviane Guidotti
Sobradinho - Viviane GuidottiCursoTICs
 

Mais de CursoTICs (20)

Três de Maio - Laenir Ana Busanello Sipmann
Três de Maio - Laenir Ana Busanello SipmannTrês de Maio - Laenir Ana Busanello Sipmann
Três de Maio - Laenir Ana Busanello Sipmann
 
Três de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana BackesTrês de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana Backes
 
Três de Maio - Flávia Hitomi Takei de Mattos
Três de Maio - Flávia Hitomi Takei de MattosTrês de Maio - Flávia Hitomi Takei de Mattos
Três de Maio - Flávia Hitomi Takei de Mattos
 
Três de Maio - Emilene Andréa Eichelberger
Três de Maio - Emilene Andréa EichelbergerTrês de Maio - Emilene Andréa Eichelberger
Três de Maio - Emilene Andréa Eichelberger
 
Três de Maio - Claudenir Beatriz Grizotti
Três de Maio - Claudenir Beatriz GrizottiTrês de Maio - Claudenir Beatriz Grizotti
Três de Maio - Claudenir Beatriz Grizotti
 
Três de Maio - Arlete Justina Monegat Hamerski
Três de Maio - Arlete Justina Monegat HamerskiTrês de Maio - Arlete Justina Monegat Hamerski
Três de Maio - Arlete Justina Monegat Hamerski
 
Três de Maio - Taísa Soares Valdameri
Três de Maio - Taísa Soares ValdameriTrês de Maio - Taísa Soares Valdameri
Três de Maio - Taísa Soares Valdameri
 
Sobradinho - Simoni Timm Hermes
Sobradinho - Simoni Timm HermesSobradinho - Simoni Timm Hermes
Sobradinho - Simoni Timm Hermes
 
Sobradinho - Saionara Carlotto da Silva
Sobradinho - Saionara Carlotto da SilvaSobradinho - Saionara Carlotto da Silva
Sobradinho - Saionara Carlotto da Silva
 
Sobradinho - Rômulo Limberger da Silva
Sobradinho - Rômulo Limberger da SilvaSobradinho - Rômulo Limberger da Silva
Sobradinho - Rômulo Limberger da Silva
 
Sobradinho - Marcele Lazzari
Sobradinho - Marcele LazzariSobradinho - Marcele Lazzari
Sobradinho - Marcele Lazzari
 
Sobradinho - Luciano Machado
Sobradinho - Luciano MachadoSobradinho - Luciano Machado
Sobradinho - Luciano Machado
 
Sobradinho - Larissa Perobelli Rech
Sobradinho - Larissa Perobelli RechSobradinho - Larissa Perobelli Rech
Sobradinho - Larissa Perobelli Rech
 
Sobradinho - Helena Maria da Silva Rech
Sobradinho - Helena Maria da Silva RechSobradinho - Helena Maria da Silva Rech
Sobradinho - Helena Maria da Silva Rech
 
Sobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
Sobradinho - Fátima Regina da Silva BandeiraSobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
Sobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
 
Sobradinho - Diana Lurdes Muraro Vendruscollo
Sobradinho - Diana Lurdes Muraro VendruscolloSobradinho - Diana Lurdes Muraro Vendruscollo
Sobradinho - Diana Lurdes Muraro Vendruscollo
 
Sobradinho - Daniela Carlotto
Sobradinho - Daniela CarlottoSobradinho - Daniela Carlotto
Sobradinho - Daniela Carlotto
 
Sobradinho - Clair Batista da Silva
Sobradinho - Clair Batista da SilvaSobradinho - Clair Batista da Silva
Sobradinho - Clair Batista da Silva
 
Sobradinho - Ana Paula Coe Fagundes
Sobradinho - Ana Paula Coe FagundesSobradinho - Ana Paula Coe Fagundes
Sobradinho - Ana Paula Coe Fagundes
 
Sobradinho - Viviane Guidotti
Sobradinho - Viviane GuidottiSobradinho - Viviane Guidotti
Sobradinho - Viviane Guidotti
 

Último

A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 

Último (20)

A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 

Objetos de aprendizagem na Educação Infantil

  • 1. PÓLO: Santana do Livramento DISCIPLINA: Elaboração de Artigo Científico PROFESSORA ORIENTADORA: Eunice Maria Mussoi 20/11/2010 Objetos de aprendizagem na Educação Infantil: um estudo com alunos da Pré-escola Learning Objects in Childhood Education: a Study with Preschool Students MORAES, Marizane Medianeira de Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal de Santa Maria Resumo Este artigo tem a intenção de analisar, no âmbito das Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC‟s) aplicadas à Educação, mais precisamente da informática na Educação Infantil, as possibilidades de uso de objetos de aprendizagem (OA) no processo de ensino/aprendizado de conceitos matemáticos a alunos da pré-escola. Além disso, pretende-se identificar os benefícios destes objetos para a aprendizagem infantil, através de conteúdos matemáticos relacionados ao conceito de número, quantidade, ordem e conservação, a fim de possibilitar conhecer diferentes jogos educativos que auxiliem no momento do planejamento pedagógico, nesta etapa escolar. O artigo apresenta algumas possibilidades de OAs que podem ser utilizados com alunos da Educação Infantil e que mais auxiliem na construção do conhecimento. Também, aponta as dificuldades encontradas na utilização de tais objetos. Foi adotada a metodologia qualitativa e para coleta e análise dos dados, além do mais, optou-se pelo estudo de caso por meio da observação, que incluíram como sujeitos da pesquisa três alunos da Pré-escola I. Palavras-Chave: objetos de aprendizagem, Educação Infantil, ensino-aprendizagem.
  • 2. Abstract The aim of this article is to analyze, in the field of Educational and Communication Technologies (ECT) applied to Education, that is to say, information science in Childhood Education, related to the use of learning objects (LOs) in the process of teaching/learning of mathematical concepts to preschool students. Moreover, to identify the benefits for the childhood learning, of mathematical concepts related to the concept of number, quantity, order, conservation, like the use of such objects, making possible to know the different educational games which help the planning moment, during this school stage. The article presents some LOs that can be used with childhood students and that help in the construction of knowledge. It also mentions the difficulties which were faced during the use of such objects. We used the qualitative methodology and to collect data, it was used the case study through observation, that included as subjects of the research three students of preschool I. Key-Words: learning objects, childhood education, teaching-learning. 1. INTRODUÇÃO Com o avanço tecnológico e as contribuições que este avanço vem proporcionando à sociedade em várias áreas, no cenário educativo estas transformações vêm tentando auxiliar o máximo possível na melhora do trabalho pedagógico. O processo de implantação de novas tecnologias, principalmente do computador nas escolas, vem apoiar os professores no processo de ensino-aprendizagem. Neste contexto de mudanças no âmbito social e educacional, surge a preocupação e dúvida por parte dos professores no momento da escolha do objeto de aprendizagem (OA), para que este atenda os objetivos educacionais propostos e contribua na aprendizagem dos alunos. Para Wiley (2002), OAs são definidos como uma entidade, digital ou não-digital, que poderá ser utilizada e reutilizada durante o processo de ensino- aprendizagem como suporte tecnológico. Desta forma, estas ferramentas podem ser consideradas pequenas unidades de conhecimentos, capazes de serem utilizadas sozinhas ou combinadas com outras e reusadas em vários momentos do processo educativo. Os estudos encontrados sobre OAs, na maioria dos casos, se referem aos níveis escolares do ensino fundamental e médio. Vista a necessidade de estudos e pesquisas que incluam a Educação Infantil no âmbito de onde encontrar, selecionar e verificar quais os benefícios e dificuldades encontradas por alunos pré-escolares em relação aos OAs, surgiu a idéia deste artigo, que tem como objetivo geral verificar a possibilidade de uso de OAs no processo de aprendizagem de conceitos matemáticos de alunos da Pré-escola. Konrath, Carneiro e Tarouco (2009, p. 1), quando se referem à seleção e escolha dos OAs, afirmam:
  • 3. O mais importante é saber onde encontrar e selecionar os objetos de aprendizagem, buscando aqueles que sejam adequados à proposta pedagógica do professor e que contribua para a aprendizagem dos alunos com os quais se esta desenvolvendo o trabalho pedagógico. Portanto, este artigo tem a intenção de mostrar possíveis soluções e estratégias pedagógicas que apontem a melhor forma de trabalhar com OA na Educação Infantil, para que o uso destas tecnologias desperte a criatividade, a motivação, a reflexão e, consequentemente, contribua com a aprendizagem dos conteúdos escolares de forma significativa e prazerosa. Dessa forma, este artigo busca conhecer diferentes jogos educativos que auxiliem no momento do planejamento pedagógico e pretende identificar os benefícios para a aprendizagem infantil, dos conteúdos matemáticos relacionados ao conceito de número, quantidade, ordem e conservação, com o uso de OAs. Segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil (1999), as propostas pedagógicas das instituições de Educação Infantil devem buscar a interação entre diversas áreas de conhecimento e aspectos da vida cidadã, como conteúdos básicos para a constituição de conhecimentos e valores. Assim, os conhecimentos sobre espaço, tempo, comunicação, expressão, natureza e pessoas devem estar articulados com os cuidados e a educação para com a saúde, a sexualidade, a vida familiar e social, o meio ambiente, a cultura, as linguagens, o trabalho, o lazer, a ciência e a tecnologia. Desse modo, a partir do que foi elencado anteriormente, a opção de estudo pode ser resumida na seguinte questão: o acesso às tecnologias, principalmente as relacionadas à informática, devem ser disponibilizadas, também, para os alunos pré-escolares das escolas públicas, visto que, este recurso pedagógico é amparado por lei? O artigo está organizado da seguinte forma: em primeiro lugar, apresenta-se o referencial teórico com contribuições referentes à Informática na Educação, ao desenvolvimento cognitivo da criança e ao papel do professor mediador em TIC‟s, os OAs e os Jogos Educativos. Em segundo lugar, aparecem a metodologia utilizada, o campo e os sujeitos da pesquisa, bem como o planejamento das atividades, a descrição e os resultados dos OAs utilizados. Em terceiro lugar estão as considerações finais. 2.1. Referencial Teórico 2.1.1. Informática na Educação As transformações sociais proporcionadas pelo avanço tecnológico atingem-nos em todos os sentidos: em casa, na escola, no trabalho. O computador, a Internet, a televisão a cabo
  • 4. entre outros, são ferramentas que exigem novos valores, diferentes para o homem e para a sua ação na atividade profissional. A modernidade exige um “sujeito criativo, dinâmico, reflexivo, autônomo, atuante na sociedade, capaz de desenvolver estruturas mentais necessárias à adaptação nesse Novo Mundo” (SILUK et al, 2009). Os reflexos dessas transformações sociais que são vistos na escola para auxiliar os professores no processo de ensino e aprendizagem surgem como instrumentos a serviço da Educação, que são as TIC‟s, mais precisamente, o computador e a Internet. Dessa forma, a mudança de paradigmas no processo de aprender e de ensinar está relacionada às práticas pedagógicas criativas, ao ensino com pesquisa, à avaliação formativa da aprendizagem, à mediação pedagógica e colaborativa (BRASIL, 2007). Neste contexto, o uso das TIC‟s deve propiciar aos alunos o desenvolvimento de habilidades, onde o educando pode fazer parte do processo de construção do conhecimento. 2.1.2. O desenvolvimento Cognitivo da criança e o papel do professor mediador em TIC’s Os indivíduos, a partir do seu nascimento, iniciam a construção dos processos mentais superiores, que se dão por meio das relações sociais. A obra de Oliveira (1997) serviu como base teórica para elaborar esta seção, a fim de abordar a obra de Vygotsky. Segundo este autor, Vygotsky, em seus estudos sobre o desenvolvimento infantil, dá ênfase ao desenvolvimento da linguagem e suas relações com o pensamento. Para Vygotsky, há duas funções básicas de linguagem, a principal é o intercambio social. Por meio deste, o homem cria e utiliza os sistemas de linguagem para se comunicar, isto é visível no bebê que está começando a falar. Ele não consegue articular as palavras e nem compreender o que os adultos falam, mas consegue comunicar seus desejos e estados emocionais por meio de sons, gestos e expressões. É a necessidade de comunicação que impulsiona o desenvolvimento da linguagem. Em seus estudos, Vygotsky aponta que antes de o pensamento e a linguagem se associarem, existe na criança pequena uma fase pré-verbal no desenvolvimento da linguagem. Mesmo não dominando a linguagem, a criança encontra meios para resolver os seus problemas e conseguir um objeto, por exemplo. Num determinado momento do desenvolvimento da criança (por volta dos dois anos de idade) pensamento e linguagem se encontram, iniciando uma nova forma de funcionamento psicológico: a fala torna-se intelectual, com função simbólica, generalizante e o pensamento torna-se verbal, mediado
  • 5. por significados dados pela linguagem. A interação com indivíduos mais maduros que já dispõem de uma linguagem estruturada provoca um salto qualitativo para o pensamento verbal. Nessa perspectiva, considera-se de fundamental importância para a criança as interações entre criança/criança e adulto/criança. Assim, o professor assume o papel de mediador possibilitando trocas e desafios entre os indivíduos propiciando estímulos para o aprendizado dos mesmos. Para Santarosa (2003), a acessibilidade às Tecnologias de Informação e Comunicação são concebidas como elemento mediador entre o sujeito e o ambiente. Para Vygotsky, o aprendizado está relacionado ao desenvolvimento. O último necessita de um percurso em parte definido pelo processo de maturação do organismo individual, mas é o aprendizado que possibilita o despertar de processos internos de desenvolvimento, que necessitam de contatos com certo ambiente cultural para acontecerem. Assim, a capacidade da criança de realizar uma tarefa sozinha corresponde ao nível de desenvolvimento real; e de nível de desenvolvimento potencial, a capacidade da criança de desempenhar tarefas com a ajuda de adultos ou companheiros mais capazes, isto é, a criança se torna capaz de realizar estas tarefas se alguém lhe der instruções, mostrar como deve ser feita, etc. É a partir desses dois níveis de desenvolvimento que Vygotsky define a zona de desenvolvimento proximal (ZDP), que se refere ao caminho que o indivíduo vai percorrer para desenvolver funções que estão em processo de amadurecimento e que se tornarão funções consolidadas estabelecidas no seu nível de desenvolvimento real. A ZDP é, pois, um domínio psicológico em constante transformação: aquilo que uma criança é capaz de fazer com a ajuda de alguém hoje, ela conseguirá fazer sozinha amanhã. Desta forma, é de fundamental importância o planejamento pedagógico, a seleção e escolha do recurso tecnológico, a mediação e a exploração que o educador deverá proporcionar aos educandos para que eles possam se apropriar do conhecimento. 2.1.3. Os objetos de aprendizagem Os OAs são compreendidos como pequenas unidades de conhecimento que podem ser usadas e reusadas como suporte ao ensino. Podem ser produzidas em qualquer mídia ou formato, podendo ser simples como uma animação ou complexos como uma simulação (BRASIL, 2007). O objeto, ao ser criado e utilizado, deve ter intencionalidade pedagógica estimulando a criatividade, o raciocínio lógico e a reflexão do educando.
  • 6. Para Brasil (2007), os OAs favorecem sua utilização devido a alguns fatores como: flexibilidade, eles podem ser usados e reusados; facilidade de atualização, podem ser atualizados em tempo real, bastando apenas que todos os dados estejam num mesmo banco de informações; customização, como os objetos são independentes podem ser utilizados por várias instituições educacionais ao mesmo tempo e cada instituição poderá arranjá-los da maneira mais conveniente; por último aparece à interoperabilidade, que é a capacidade de serem utilizados em qualquer plataforma de ensino. 2.1.4. Jogos Educativos como Objetos de Aprendizagem Para Balbino et al (2009), alguns jogos educativos possuem características lúdicas, implicando não somente em um exercício cognitivo, mas também em um exercício afetivo. O lúdico ativa a imaginação pela busca de soluções, estimulando a inteligência e a criatividade. Por isso, a utilização de OAs com crianças pequenas é de fundamental importância possibilitando um desenvolvimento cognitivo mais complexo. A mediação do professor é importante, as explicações e as primeiras tentativas precisam ser auxiliadas pelo educador. Como relata Oliveira (1997), a zona de desenvolvimento proximal é, pois, um domínio psicológico em constante transformação: aquilo que uma criança é capaz de fazer com a ajuda de alguém hoje, ela conseguirá fazer sozinha amanhã. Os benefícios são muitos, tanto no desenvolvimento motor, na coordenação motora fina, a partir do manuseio do mouse, no desenvolvimento cognitivo, pois a criança se envolve mais e precisa de atenção e concentração para resolver as atividades. Apesar dos benefícios, há uma grande deficiência de softwares educativos para este público, dificultando o acesso das crianças pequenas à salas de informática. Sente-se uma grande necessidade de criações de OAs e leis que incluam a Educação Infantil no âmbito da Inclusão Digital. Crianças com quatro (4) e cinco (5) anos possuem uma grande capacidade imaginativa, portanto, atividades lúdicas são atrativas e estimulantes facilitando a construção de conceitos. Os OAs para esta idade devem possuir desenhos, imagens, animações, cores, facilidade de acesso e linguagem clara, pois nesta fase as crianças ainda não dominam o código escrito. O feedback apresentado pelo OA facilita o aprendizado do aluno e a mediação do professor, pois o aluno sendo alertado do erro pelo OA não necessita que o professor o alerte. Assim, ele mesmo tenta o acerto.
  • 7. 2.2. METODOLOGIA Tendo em vista os questionamentos com relação ao tema, optou-se pela pesquisa qualitativa. Na pesquisa qualitativa os dados são predominantemente descritivos, possibilitando uma interpretação ampla pelo pesquisador. Para Lüdke e André (1986, p.12) "o material obtido nessas pesquisas é rico em descrições de pessoas, situações, acontecimentos; inclui transcrições de entrevistas e de depoimentos". Dessa forma, os dados permitem uma maior compreensão, pelo pesquisador, do problema em questão. Este tipo de pesquisa leva em conta também o significado que as pessoas dão às coisas e à sua vida. Nesses estudos há sempre uma tentativa de capturar a "perspectiva dos participantes", isto é, a maneira como os informantes encaram as questões que estão sendo focalizadas. Ao considerar os diferentes pontos de vista dos participantes, os estudos qualitativos permitem iluminar o dinamismo interno das situações (LÜDKE e ANDRÈ, 1986, p.12). A pesquisa foi realizada na forma de Estudo de Caso e o instrumento de coleta de dados foi a observação e a utilização de pré-teste e pós-teste como prova de aquisição de conhecimento. Os pré-testes e pós-testes “são utilizados para medir o conhecimento adquirido pelos participantes” (I – TECH, 2008). Sendo assim, a observação e a análise foram voltadas para o desenvolvimento cognitivo, aceitação e dificuldades encontradas pelos sujeitos da pesquisa ao interagirem com os OAs. 2.2.1. Campo da Pesquisa A escola escolhida tem como mantenedora a Prefeitura Municipal de Santa Maria/RS. São duas escolas, uma de Ensino Fundamental que atende mais de 100 alunos do 1º ao 5º ano, e outra de Educação Infantil com uma média de 80 alunos de quatro (4) e cinco (5) anos, possuindo duas turmas de Pré-escola I (4 anos) e duas turmas de Pré II (5 anos). A escola conta com um quadro de oito professoras, uma diretora, uma supervisora, duas funcionárias e uma estagiária e atende em somente um turno cada turma. A escola de Educação Infantil fica em anexo à escola de Ensino Fundamental, possui duas salas de aula, dois banheiros, um refeitório, uma cozinha, pátio, pracinha de brinquedos. A Sala de Informática (SI) fica na escola de Ensino Fundamental, mas é utilizada também pelos alunos da Educação Infantil, uma hora/aula por semana para cada turma.
  • 8. Na pré-escola o trabalho é desenvolvido por meio de projetos partindo dos interesses dos alunos e às necessidades da faixa etária. Desse modo, tem como objetivo geral desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações, valorizando hábitos de cuidado e educação, ampliando cada vez mais as relações sociais, aprendendo a articular seus interesses e pontos de vista com os demais, respeitando a diversidade e desenvolvimento de atitudes, de ajuda e colaboração. Os sujeitos da pesquisa foram três alunos da Pré-escola I de uma Escola Pública do Bairro Camobi de Santa Maria/RS. Dois meninos, um com cinco (5) e outro com quatro (4) anos, que aqui serão identificados pelas letras A e B, respectivamente, e também uma menina com cinco (5) anos que será identificada pela letra C. Os sujeitos da pesquisa foram escolhidos aleatoriamente. 2.2.2. O Planejamento e a aplicação dos Objetos de Aprendizagem Durante o período de julho a setembro de 2010, foram realizadas várias atividades em sala de aula regular e no laboratório de informática. As Figuras 1 e 2 apresentam algumas atividades feitas com lápis e papel, recortes e pintura de figuras. Após, são apresentadas outras atividades desenvolvidas com o auxílio de OAs. Figura 1 - Atividade “Contar e Pintar” Figura 2 – Atividade “Pinte, Recorte e Cole” No laboratório de informática foram utilizados alguns OAs do site http://www.atividadeseducativas.com.br¹. Este site apresenta diferentes OAs para as
  • 9. diferentes áreas do conhecimento e níveis escolares. Os objetos escolhidos foram: “Animais”, “Ordenando os Dinossauros” e “Aprendendo a Contar”. O OA “Ordenando os Dinossauros” apresenta em sua interface espaço para ordenar os dinossauros por tamanhos, do menor ao maior. Enquanto os dinossauros não forem ordenados corretamente, não aparecem outras espécies. O OA “Aprendendo a Contar” apresenta em sua interface um caminhão com alguns blocos. O aluno deverá contar os blocos e marcar o número correspondente. Caso a atividade esteja correta virá outro caminhão com outra quantidade de blocos, caso contrário, o mesmo caminhão permanecerá na interface. Nas primeiras tentativas os alunos tiveram dificuldades, mas no decorrer das atividades as crianças foram melhorando o desempenho. Figura 3 – Atividade “Ordenando os Dinossauros” Figura 4 – Atividade “Aprendendo a Contar” Todas as atividades realizadas foram planejadas e relacionadas ao conteúdo trabalhado em sala de aula. Estas atividades permitiram aos alunos os primeiros contatos em sala de aula e sala de informática com a construção do conhecimento com relação ao conceito de número, quantidade, ordem, noções de espaço, tamanhos, etc. Alguns estudos explicam que as crianças adquirem conhecimentos matemáticos por meio de relações que os indivíduos fazem em sua interação com o ambiente. Para Kamii (2002, p. 15), “o conhecimento lógico-matemático, incluindo número e aritmética, é construído por cada criança de dentro para fora, na interação com o ambiente”. Portanto, é de fundamental importância que as crianças vivenciem diferentes experiências com diferentes ferramentas pedagógicas, possibilitando assim, a construção e a internalização de conceitos matemáticos.
  • 10. As atividades com folha de papel e lápis na sala de aula foram realizadas com algumas dificuldades, mas um fato que chamou a atenção foi que quando ocorria um erro, não era possível o seu conserto, visto que o lápis de cor não aceita apagar com borracha, o que dificultou à tentativa e erro. Na sala de informática (SI) cada aluno utiliza um computador. Com relação às atividades com OAs, o processo de construção do conhecimento facilita estas tentativas e erro, pois a cada ação certa ou errada, o próprio jogo educativo aceita a ação, se correta, ou não aceita, se errada, o que facilita o aprendizado nesta etapa escolar. No entender de Prensky (2010, p. 35), as crianças “aprendem a pensar por meio da experimentação e daquilo que os cientistas chamam de „método esclarecido de tentativa e erro‟, elas aprendem a entender e manipular sistemas altamente intrincados”. Neste sentido, percebe-se que as novas tecnologias vêm auxiliando os educadores a fim de superar obstáculos e desenvolver habilidades nos educandos, as quais favorecem a formação dos profissionais do futuro. 2.2.3. O Objeto de Aprendizagem “Um Dia de Trabalho na Fazenda”. O último OA utilizado pelos alunos foi “Um dia de Trabalho na Fazenda”, encontrado no site: http://rived.mec.gov.br/atividades/matematica/fazenda/mat1_ativ1.swf². A Rede Interativa Virtual de Educação (RIVED) é um projeto criado pelo Ministério da Educação (MEC), com o objetivo de criar e disponibilizar materiais digitais em um Repositório on-line (BRASIL, 2007). Neste tópico apresenta-se o relato das atividades realizadas pelos alunos, que aqui serão identificados como: A (menino 1, cinco anos), B (menino 2, quatro anos) e C (menina, cinco anos). Como nesta etapa escolar as crianças não são ainda alfabetizadas, todas utilizaram recursos sonoros e o auxilio da professora para conseguir realizar as atividades. As crianças ficaram muito animadas e interessadas ao visualizarem a interface de abertura (figura 5), as animações, as cores, os sons e as figuras, que são muito bem recebidas pelas crianças pequenas.
  • 11. A escolha das atividades ficou a critério dos alunos, mas praticamente todas foram acessadas, mas nem todos conseguiram realizar. Figura 5 – Abertura do OA do RIVED Atividade “Separando Animais”: nesta atividade os animais (porcos, vacas e ovelhas) ficam espalhados na interface, conforme figura 6. A proposta é separar os animais por espécies colocando cada uma em um cercado. As crianças não encontraram dificuldades em separar os animais. As dificuldades encontradas foram nas perguntas que o personagem Zé fazia com relação aos animais. A professora teve que auxiliar e fazer alguns questionamentos. Nesta etapa escolar, a construção mental de conservação de número depende da capacidade das crianças de fazer relações numéricas entre os objetos. É a partir daí que elas podem deduzir, por força da necessidade lógica, que os números podem ser conservados (KAMII, 2002). Esse conhecimento lógico está sendo desenvolvido nas crianças da Educação Infantil, pois “os números são aprendidos por abstração construtiva à medida que a criança constrói relações” (KAMII, 2002, p. 22). Com relação à inclusão de classes, Kamii (2002) deixa claro que, para crianças de quatro anos, a tarefa de reunir o todo e separar em duas partes é difícil, porque não podem pensar no todo e nas partes ao mesmo tempo. Todos os alunos erraram a pergunta “Temos mais porcos ou animais?” Figura 6 - Atividade “Separando animais” Atividade “Animais Fugindo”: nesta atividade os animais (porcos, cavalos, ovelhas, galinhas) quebram o cercado e saem correndo pelo campo (figura 7). Do lado direito da interface encontra-se um retângulo com a sombra dos animais, onde o aluno deverá clicar
  • 12. para que apareçam bolinhas para marcar a quantidade de animais que fugiram. A e C, chegaram a tentar realizar, porém tiveram muita dificuldade e logo voltaram à interface de abertura e escolheram outra atividade. B não tentou. Nesta atividade a maior dificuldade foi a de relacionar a quantidade de animais que fugiram e a quantidade de bolinhas marcadas, visto que, os animais passavam muito rápido pela interface. Figura 7 - Atividade “Animais Fugindo” Na atividade “Esconde-Esconde no Galinheiro” surge uma interface de abertura com uma animação na qual os ovos quebram-se e nascem os pintinhos, os quais espalham-se pelo galinheiro. A proposta é ajudar a galinha a procurar os pintinhos pelo galinheiro. Eles ficam escondidos atrás dos objetos, o aluno arrasta os objetos, clica no pintinho e o arrasta para o ninho, conforme figura 8. Todos os alunos ficaram muito motivados e realizaram a atividade mais de uma vez. A animação de inicio, quando nascem os pintinhos, e a curiosidade em encontrá-los animou a todos. Houve a preocupação em saber se cada um havia encontrado todos, procurando em cada canto do galinheiro, caso a galinha perguntasse: “Todos os pintinhos já foram encontrados?”, isso se os alunos não tivessem encontrado todos os pintinhos. Não houve a preocupação de contar os pintinhos, mas sim, de procurá-los em todos os cantos e, então, solicitar a resposta da galinha. Figura 8 - Atividade “Esconde-Esconde no Galinheiro”
  • 13. Nesta atividade, as crianças desenvolvem a curiosidade, o instinto investigativo, a coordenação motora, noções aproximadas de quantidades, visto que havia a preocupação de pedir o feedback somente quando o ninho estava bem cheio de pintinhos. Com relação à curiosidade e às tecnologias, Freire (1996, p. 98), afirma: “não tenho dúvida nenhuma do enorme potencial de estímulos e desafios à curiosidade que a tecnologia põe a serviço das crianças e dos adolescentes [...]”. Percebe-se que, por meio destas atividades, as crianças adquirem conhecimentos matemáticos, fazendo relações e aproximações matemáticas, o que segundo Kamii (2002) é de fundamental importância para adquirir conceitos matemáticos. 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS O referido estudo mostrou que a utilização de OAs com alunos pré-escolares é possível e muito significativa para o aprendizado dos mesmos. Seus conhecimentos com relação ao conceito de números, quantidade, ordem e relações foram ampliados e foram desenvolvidas outras habilidades motoras, visuais e criativas. O nível de concentração e atenção dos alunos melhorou, acentuando suas capacidades de aprendizado. As dificuldades encontradas para desenvolver o estudo foram as deficiências de se encontrar OAs para crianças da Educação Infantil. Na maioria dos casos é preciso fazer uma pesquisa criteriosa para poder utilizar tais objetos com crianças pequenas. O objeto “Um dia de Trabalho na Fazenda”, do RIVED foi criado para crianças de 1º ano do ensino fundamental. O modo de exploração com os pré-escolares não teve o mesmo enfoque que teria se fosse utilizado com crianças maiores, mas como o objeto apresenta diferentes atividades de níveis diferenciados, estas foram exploradas pelos alunos em várias aulas na sala de informática (SI). A facilidade de escolher a atividade motivou as crianças, pois elas tinham a autonomia de trocar de atividade quando achavam desinteressante a que estavam realizando. A repetição de atividades também facilitou o aprendizado, pois este objeto foi explorado em vários dias. Ressalta-se a importância do planejamento das atividades com OAs, relacionando os conteúdos desenvolvidos em sala de aula regular com as atividades pedagógicas desenvolvidas na Sala de Informática (SI). Ações pedagógicas pensadas, planejadas e embasadas por pressupostos teóricos demonstram que o professor apresenta intencionalidade pedagógica e preocupa-se com o melhor desempenho dos alunos no processo de construção do conhecimento.
  • 14. No decorrer dessa pesquisa, foi possível perceber os benefícios do uso de OAs para o aprendizado das crianças pequenas, porém a deficiência de OAs para este público e de leis que incluam a Educação Infantil no âmbito da Inclusão Digital, têm deixado esta clientela a margem destes benefícios. Sente-se uma grande necessidade de criação de OAs e políticas públicas que incluam a Educação Infantil no âmbito das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC‟s), mais precisamente a informática e a Internet. Sites de OAs para diferentes níveis escolares e áreas do conhecimento: ¹Site educativo: http://www.atividadeseducativias.com.br ²Rede Interativa Virtual de Educação: http://rived.mec.gov.br/atividades/matematica/fazenda/mat1_ativ1.swf REFERÊNCIAS BALBINO, R.R.; CARNEIRO, L. H. X.; SILVA, M. D.; SOUZA, M. M.; PAULA, M. M. V.; SOUZA, F. F. Jogos Educativos Como Objetos de Aprendizagem para Pessoas com Necessidades Especiais. Novas Tecnologias na Educação. CINTED-UFRGS. V. 7 Nº 3, dezembro, 2009. BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: Mec/CEB, 1999. ___, Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. Objetos de aprendizagem: uma proposta de recurso pedagógico. Organização: Carmem Lúcia Prata, Anna Christina Aun de Azevedo Nascimento. Brasília: Mec, SEED, 2007. FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, Coleção leitura, 1996. I – TECH. International Training & Education Center on HIV. Orientações para pré e pós – teste: Um Guião de Implementação Técnica. University of Washington, 2008. KAMII, C. Crianças pequenas reinventam a aritmética: implicações da teoria de Piaget. Trad. Cristina Monteiro. 2ª Ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002. KONRATH, M; CARNEIRO, M; TAROUCO, L. Estratégias pedagógicas, planejamento e construção de Objetos de Aprendizagem para uso pedagógico. CINTED-UFRGS - Novas Tecnologias na Educação. V7 Nº 1, julho, 2009. LÜDKE, M; ANDRÈ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.
  • 15. OLIVEIRA, M. K. de. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio/histórico. São Paulo: Scipione, 1997. PRENSKY, M. “Não me atrapalhe, mãe-eu estou aprendendo!”: como os videogames estão preparando nossos filhos para o sucesso no século XXI – e como você pode ajudar! Tradução: Lívia Bergo. São Paulo: Phorte, 2010. SANTAROSA, L. M. C; LIMA, C. R.U. Acessibilidade Tecnológica e Pedagógica na Apropriação das Tecnologias de Informação e Comunicação por Pessoas com Necessidades Educacionais Especiais. XIV Simpósio Brasileiro de Informática na Educação – NCE – IM/UFRJ, 2003. SILUK, A.C. et al. Educação Assistida por TIC’s. Universidade Federal de Santa Maria. Curso de Especialização a Distância em TIC‟s aplicadas à Educação, 2009. WILEY, D. Conectando objetos de aprendizagem com a teoria de projeto instrucional: uma definição, uma metáfora e uma taxonomia. Fonte do livro The Instructional Use of Learning Objetos, 2002. http://reusability.org/read/ Autora: Marizane Medianeira de Moraes – e-mail: marizane1977@gmail.com Orientadora: Eunice Maria Mussoi – e-mail: emmussoi@yahoo.com.br