SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO DE TRABALHOS
ESPÍRITA ANA LUZ
FORMAÇÃO DOS MUNDOS E DA TERRA
BANCO DE AULAS
ROTEIRO 3
TOMO I - MÓDULO VII
1804-1869
Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita
Programa Fundamental
Tomo I - Módulo VII
PLURALIDADE DOS MUNDOS HABITADOS
Objetivo Geral
POSSIBILITAR
CONHECIMENTO A
RESPEITO DA EXISTÊNCIA,
DA FORMAÇÃO E DAS
DIVERSAS CATEGORIAS DE
MUNDOS HABITADOS
Pluralidade dos Mundos Habitados
Roteiros
1.O Fluído Cósmico Universal
2. Elementos Gerais do Universo:
Matéria e Espírito
3. Formação dos Mundos e da Terra
4. Os Reinos da Natureza:
Mineral, Vegetal, Animal e Hominal
5. Diferentes Categorias de Mundos
Habitados
6. Materialização nos Diferentes Mundos
7. A Terra: Mundo de Expiação e Provas
Roteiro 3:
FORMAÇÃO DOS MUNDOS E DA TERRA
O b j e t i v o E s p e c í f i c o :
- Explicar à Luz dos Ensinamentos Espíritas,
a Criação dos Mundos e da Terra.
Informativo
A GÊNESE – Capítulo VI (6)
*URANOGRAFIA GERAL
Este capítulo foi extraído integralmente
de uma série de comunicações ditadas na
Sociedade Espírita de Paris, entre 1862 e
1863, sob o título: “Estudos
Uranográficos”, que traziam a assinatura
de Gallileu.
O Médium foi o Sr. Camille
Flammarion.
Nota do tradutor: J. Herculano Pires.
“A vida não passa
de uma
oportunidade de
encontro;
só depois da
morte se dá a
junção;
os corpos apenas
têm o abraço, as
Victor Hugo
(1.802-1.885)
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
● A Humanidade, objetiva conhecer
como se deu a formação dos Mundos e
da Terra.
É um assunto envolvente e instigante;
Um tema que provoca curiosidade, por
envolver nossa origem e trajetória
evolutiva.
Nos induz a refletir acerca de nossa
pequenez ante as grandiosas e perfeitas
leis que regem o micro e o macrocosmo.
Subsídios
FORMAÇÃO
DOS MUNDOS
E DA TERRA
Questões Propostas
1. Formação dos Mundos.
2. Formação da Terra.
1. Formação
dos Mundos
Allan Kardec aponta em O Livro do
Espíritos:
O Universo compreende a infinidade dos
mundos que vemos e não vemos, todos os seres
animados e inanimados, todos os astros que se
movem no espaço e os fluidos que o preenchem
(7).
A razão [continua Kardec] nos diz que o
Universo não poderia fazer-se por si mesmo, e
que, não, podendo ser obra do acaso, deve ser
obra de Deus (8).
Como, entretanto, terá Deus criado o
Universo?
Allan Kardec ouvindo os Espíritos Superiores,
nos apresenta os esclarecimentos que se seguem:
14. Deus, existindo por sua natureza de toda a
eternidade, criou de (desde) toda a eternidade e
isso não podia ser de outro modo, pois em qualquer
época longínqua que recuemos em (pela)
imaginação os limites supostos da criação, sempre
haverá além desse limite uma eternidade –
considerai bem este pensamento – uma eternidade
durante a qual as divinas hipóstases, [(fil.) para os
pensadores da Antiguidade, realidade permanente, concreta e
fundamental; substância – Dicionário Informal] as volições
[processo cognitivo no qual se decide por praticar uma ação]
infinitas teriam estado amortalhadas (sepultadas)
numa letargia inativa e infecunda;
Uma eternidade de morte aparente para o Pai
eterno que dá a vida aos seres, de mutismo (mudez,
silêncio, sossego) indiferente para o Verbo (Jesus) que
os governa, de esterilidade fria e egoísta para o
Espírito de amor e de vivificação.
Compreendamos melhor a grandeza da ação divina
e a sua perpetuidade sob a mão do Ser absoluto! Deus
é o Sol dos seres; é a Luz do mundo.
Ora, a aparição do Sol dá nascimento instantâneo a
ondas de luz que se vão espalhando em todas as
direções pela extensão;
Do mesmo modo, o Universo, nascido Eterno,
remonta aos períodos inimagináveis do infinito de
duração, ao FIAT LUX*, do começo de todas as coisas
(2).
*FIAT LUX: é uma expressão latina que significa:
“Faça-se a Luz” ou, ¨Haja Luz”.
É uma metáfora muito conhecida, e representa a
origem do novo.
Frase atribuída a Deus, quando criou o Céu e a Terra
(livro do Gênesis, Cap. I – Versículo 3º, da Vulgata*).
¹VULGATA: Nome da Bíblia traduzida para o latim
por São Jerônimo (séc. IV) e declarada, pelo concílio
de Trento, a versão oficial da Igreja católica.
15. O começo absoluto das coisas remonta (tem
origem em), pois, a Deus;
Suas aparições sucessivas no domínio da
existência constituem a ordem da criação perpétua.
Que mortal saberia narrar as magnificências
desconhecidas e soberbamente veladas sob a noite
das idades, que se desenvolveram em tais tempos
antigos, nos quais não existia nenhuma das
maravilhas do Universo atual;
Época primitiva em a voz do Senhor se tinha feito
ouvir, e subitamente se encontraram no seio dos
vácuos infinitos os materiais que no futuro deviam se
agrupar simetricamente e por si mesmos, para tomar
o templo da Natureza.
Quanto a esta voz misteriosa, que cada criatura
venera e acarinha como se fosse a de uma mãe,
notas harmoniosas variadas se produziram para
vibrar juntas e modular (tocar melodiosamente) o
concerto dos vastos céus!
O mundo, em seu berço (nascedouro), não foi
estabelecido na virilidade e na plenitude a vida.
Não, o poder criador não se contradiz jamais e,
como todas as coisas, o Universo nasceu menino
(criança).
Revestida pelas leis mencionadas acima e do
impulso inicial inerente à própria formação, a
matéria cósmica primitiva deu sucessivamente
nascimento a turbilhões, a aglomerações desse
fluido difuso, amontoado de matéria nebulosa¹ que
se dividiram a si mesmos e se modificaram ao
infinito para gerar, nas regiões incomensuráveis da
extensão, diversos centros de criações simultâneas
ou sucessivas.
Nebulosa
da Águia
Pilares da Criação
no seu interior
São nuvens de poeira, hidrogênio e plasma.
São constantemente regiões de formação estelar, como a
nebulosa da águia.
Esta nebulosa forma uma das mais belas e famosas fotos
da NASA, “Os Pilares da Criação”.
Como o processo de formação das estrelas é muito
violento, os restos de materiais lançados ao espaço por
ocasião da grande explosão formam um grande número de
planetas e de sistemas planetários.
Em razão das força que predominaram
sobre um ou sobre outro, e segundo
circunstâncias ulteriores que presidiram a seus
desenvolvimentos, esses centros primitivos
formaram-se os focos de uma vida especial.
Uns, menos disseminados no espaço e mais
ricos em princípios e forças atuantes,
começaram desde logo sua vida sideral
particular;
Outros, ocupantes de uma extensão ilimitada,
não cresceram senão com extrema lentidão ou
dividiram-se novamente em outros centro
secundários (3).
16: Se nos transportarmos a alguns milhões de
séculos somente, além (acima) da época atual,
nossa Terra ainda não existia, nosso sistema solar
mesmo ainda não começara as evoluções da vida
planetária, e ainda assim já esplêndidos sóis
iluminam o éter;
Já planetas habitados davam vida e existência
a uma multidão de seres que nos precederam
(viviam antes de nós) na carreira humana;
As produções opulentas (aquilo que existe ou
aparece em grande número) de uma natureza
desconhecida e os fenômenos maravilhosos do céu
desenvolviam sob outros olhares os quadros da
imensa criação.
Que digo eu! Tais esplendores não existem
mais, os quais outros fizeram palpitar o coração
de outros mortais sob o pensamento do infinito
poder!
E nós, pobres serezinhos que existimos depois
de uma eternidade de vida, nós nos cremos
contemporâneos da criação!
Ainda uma vez, compreendamos melhor a
Natureza.
Saibamos que a eternidade está atrás de nós,
assim como adiante, que o espaço é o teatro de
uma sucessão e de uma simultaneidade
inimagináveis criações.
As nebulosas que mal distinguimos nas
longínquas regiões dos céus são aglomerações de
sóis em vias de formação;
Outras, são vias lácteas de mundos habitados;
Outras, enfim, a sede de catástrofes e de
perecimento.
Saibamos que mesmo estando nós colocados
no meio de uma infinidade de mundos, ao mesmo
tempo estamos no meio de uma dupla infinidade de
durações anteriores e ulteriores;
Que a criação universal não é ilimitada a nós, e
que não podemos aplicar essa palavra à formação
isolada do nosso pequeno globo (4).
38 - Como Deus criou o Universo?
Para me servir de uma expressão corrente:
Por sua Vontade.
Nada representa melhor essa exprime melhor
essa vontade todo-poderosa do que estas belas
palavras do Gênese:
“Deus disse: Faça-se a luz e a luz foi feita” (9).
A base de construção dos mundos e dos
corpos materiais é o fluído cósmico universal,
igualmente chamado de matéria cósmica
(elementar) primitiva.
17: A matéria cósmica primitiva encerrava
(continha) os elementos materiais, fluídicos e vitais
de todos os universos que estadeiam (mostram)
suas magnificências perante a eternidade;
Ela é a mãe fecunda e primordial de todas as
coisas, a primeira avó e, sobretudo, a eterna
geratriz.
Ela não desapareceu, essa substância de onde
provêm as esferas siderais (ref. ao céu; celestial);
Não está morto este poder, pois
incessantemente ainda dá à luz novas criações e
recebe os princípios reconstituídos dos mundos
que se apagam do livro eterno.
A substância etérea (de natureza
espiritualmente elevada) mais ou menos rarefeita,
que se permeia (se mistura, se espalha) pelos
espaços interplanetários.
Esse fluido cósmico que enche o mundo, mais
ou menos rarefeito, nas regiões imensas,
opulentas (ricas) em aglomerados de estrelas,
mais ou menos condensado nos lugares em que
ainda não brilha o céu sideral, mais ou menos
modificado por diversas combinações segundo as
localidades da extensão, não é outra coisa senão
a substância primitiva na qual residem as forças
universais, de onde a Natureza tem tirado rodas as
coisas (5).
10 – Há um fluido etéreo que enche o espaço e
penetra os corpos;
Esse fluído é o éter (plasma divido) – ou
matéria cósmica primitiva, geratriz do mundo e
dos seres em geral.
As forças que presidiram às metamorfoses da
matéria são inerentes ao éter;
Trata-se de leis imutáveis e necessárias que
regem o mundo.
Estas formas múltiplas, indefinidamente
variadas segundo as combinações da matéria,
localizadas segundo as massas, diversificadas em
seus modos de ação segundo as circunstâncias e
os ambientes, são conhecidas na Terra sob os
nomes de:
gravidade, coesão, afinidade, atração,
magnetismo, eletricidade ativa;
Os movimentos vibratórios do agente [ou
dessas forças] são conhecidos sob os nomes de
som, calor, luz, etc. (1).
39 – Podemos conhecer o modo de formação
dos mundos?
- Tudo o que se pode dizer, e que podeis
compreender, é que os mundos se formam pela
condensação da matéria espalhada no espaço
(10).
Os Mundos assim se formam!
2. Formação
da Terra
A Comunidade dos Espíritos Puros:
Rezam as tradições do mundo espiritual que
[...] existe uma Comunidade de Espíritos Puros
e eleitos pelo Senhor Supremo do Universos,
em cujas mãos se conservam as rédeas
diretoras da vida de todas as coletividades
planetárias.
Essa comunidade de seres angélicos e
perfeitos, da qual é Jesus um dos membros
divinos.
[...] reuniram-se apenas duas vezes, nas
proximidades da Terra para a solução de
problemas decisivos da organização e da
direção do nosso planeta.
A primeira, verificou-se quando o orbe terrestre
se desprendia da nebulosa solar, a fim de que se
lançassem, no Tempo e no Espaço, as balizas do
nosso sistema cosmogônico (criação do Universo)
e os pródromos (o prenuncio, o início) da vida na
matéria em ignição (estado de corpos ou materiais
em combustão viva) do planeta.
A segunda, quando se decidia a vinda do
Senhor à face da Terra, trazendo à família humana
a lição moral do seu Evangelho de amor e
redenção [salvação moral, religiosa ou
psicológica] (11).
Assim, sob a direção de Jesus – o governador
espiritual da Terra - e seus propostos divinos,
temos informações sobre a formação do Planeta.
1 - A Terra conserva em si os traços evidentes da
sua formação.
Podem-se se seguir suas fases com precisão
matemática, nos diferentes solos (terrenos) que lhe
constituem a sua estrutura.
O conjunto de tais estudos constitui a ciência
denominada Geologia, (estudo científico da origem,
história, estrutura, formação e evolução da Terra),
ciência nascida neste (no) século (XIX), e que
lançou luz sobre a questão tão controvertida de sua
origem e da dos seres vivos que a habitam.
Aqui, não há hipótese; é o resultado rigoroso da
observação dos fatos e em presença dos fatos não
se permite dúvida.
A história da formação do globo está escrita nas
camadas geológicas, de maneira bem mais certa
do que nos livros preconcebidos, pois aqui é a
própria Natureza que fala, que se mostra a
descoberto, e não a imaginação dos homens a
criar sistemas.
[...] Sem as descobertas da Geologia, como
sem as da Astronomia, a Gênese do mundo ainda
estaria nas trevas da lenda.
Graças a elas, o homem a história da sua
habitação, e a estrutura das fábulas que rodeavam
seu berço ruíram para não mais se levantar.
Os primeiros tempos do orbe terrestre:
Que força sobre-humana pôde manter o
equilíbrio da nebulosa terrestre, destacada do
núcleo central do sistema, conferindo-lhe um
conjunto de leis matemáticas, dentro das quais se
iam manifestar todos os fenômenos inteligentes e
harmônicos de sua vida, por milênios de milênios?
Distando do Sol cerca de 149.600.000
quilômetros e deslocando-se no espaço com a
velocidade diária de 2.500.000 quilômetros, em
torno do grande astro do dia, imaginemos a sua
composição nos primeiros tempos de existência,
como planeta.
Laboratório de matérias ignescentes (que está
em fogo - inflamada), o conflito das forças telúricas
(são correntes naturais que ocorrem no interior da
Terra) e das energias físico-químicas opera as
grandiosas construções do teatro da vida, no
imenso cadinho (lugar onde as coisas se
misturam) onde a temperatura se eleva, por vezes,
a 2.000 graus de calor, como se a matéria
colocada num forno, incandescente, estivesse
sendo submetida aos mais diversos ensaios, para
examinar-se a sua qualidade e possibilidades na
edificação da nova escola dos seres.
As descargas elétricas, em proporções jamais
vistas da Humanidade, despertam estranhas
comoções no grande organismo planetário, cuja
formação se processa nas oficinas do Infinito (12).
A Solidificação da Matéria:
Na grande oficina surge, então, a diferenciação
da matéria ponderável, dando origem ao
hidrogênio.
As vastidões atmosféricas são amplo
repositório de energias elétricas e de vapores que
trabalham as substâncias torturadas no orbe
terrestre.
O frio dos espaços atua, porém, sobre esse
laboratório de energias incandescentes e a
condensação dos metais verifica-se com a leve
formação da crosta solidificada.
É o primeiro descanso das tumultuosas
comoções geológicas do globo.
Formam-se os primitivos oceanos, onde a
água tépida sofre pressão difícil de descrever-se.
A atmosfera está carregada de vapores
aquosos e as grandes tempestades varrem, em
todas as direções, a superfície do planeta, mas
sobre a Terra o caos fica dominado como por
encanto.
As paisagens aclaram-se, fixando a luz solar
que se projeta nesse novo teatro de evolução e
vida.
As mãos de Jesus haviam descansado, após
o longo período de confusão dos elementos
físicos da organização planetária (13).
Finalmente...
Uma mensagem
para nossa
reflexão
Como somos grandes!
VENUSTERRA
PLUTÃOMERCÚRIOMARTE
Como ficamos pequenos!
JUPITER SATURNO
PLUTÃO
NETUNO
Urano
TERRA
E agora, como ficamos!
SOL
TERRA
JUPITER PLUTÃO
Nosso sol! Um grão de areia no Universo....
POLLUX
SIRIUS
ARCTURUS
SOL
A Terra é invisível nesta escala
E agora! O nosso Sol é apenas um ponto ....
ANTARES
BETELGEUSE
AldebaranARCTURUS
Rigel
POLLUX
Diante dessa imensidão,
nosso sistema solar é
apenas poeira estelar....
Essas imagens
servem para nós
refletirmos sobre a
grandeza de Deus.
Sua suprema
inteligência.
A grandiosidade de sua
obra, e como nosso
Referência
Bibliográfica
CAPÍTULO VI - URANOGRAFIA
GERAL*
ITENS:
As Leis e as Forças
(1) - Questão 10 – Pág. 98
A Primeira Criação
(2) - Questão 14 – Págs. 100-101
(3) - Questão 15 – Pág. 101
(4) - Questão 16 – Pág. 102
A Criação Universal
(5) - Questão 17 – Págs. 102-103.
23ª Edição
Março de 2010
CAPÍTULO VII - ESBOÇO GEOLÓGICO DA TERRA
ITEM : Períodos Geológicos - (6) - Questão 1 – Pág. 122.
Capítulo III
C R I A Ç Ã O
ITEM - I
Formação dos Mundos
(7) – Comentário – Pág. 67
(8) – Comentário – Pág. 67
(9) – Questão 38– Pág. 67
(10) – Questão 39 – Pág. 67
68ª Edição - Janeiro de 2009 - Livro Primeiro
Capítulo - I
A GÊNESE
PLANETÁRIA
Item:
(11) – A Comunidade de
Espíritos Puros – Pág. 17-18
Item:
(12) – Os Primeiros Tempos
do Orbe Terrestre – Pág. 19
Item:
(13) – A Solidificação da
Matéria – Pág. 20-21
33ª Edição
Rio de Janeiro:
FEB - 2006
Quarta Parte
O ALÉM-TÚMULO
Capítulo XXXII
(14) - A Vontade
os Fluídos
Página 264
Tradução de Maria Lucia Alcântara de Carvalho – 3ª
Edição – Rio de Janeiro: CELD - 2011
Fim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Cynthia Castro
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptxRetorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Rosimeire Alves
 
Elementos gerais do universo
Elementos gerais do universoElementos gerais do universo
Elementos gerais do universo
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
providência divina
providência divinaprovidência divina
providência divina
Denise Aguiar
 
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Fórum Espírita
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Bruno Cechinel Filho
 
A criação do universo e origem da vida no planeta terra
A criação do universo e origem da vida no planeta terraA criação do universo e origem da vida no planeta terra
A criação do universo e origem da vida no planeta terra
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Fluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico UniversalFluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico Universal
Marcos Bueno Sander
 
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existenciasPrimeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
CeiClarencio
 
2.7.5 Idiotismo e loucura
2.7.5   Idiotismo e loucura2.7.5   Idiotismo e loucura
2.7.5 Idiotismo e loucura
Marta Gomes
 
NinguéM Poderá Ver O Reino De Deus Se
NinguéM Poderá Ver O Reino De Deus SeNinguéM Poderá Ver O Reino De Deus Se
NinguéM Poderá Ver O Reino De Deus Se
Grupo Espírita Cristão
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Bruno Cechinel Filho
 
Flagelos destruidores e guerras
Flagelos destruidores e guerrasFlagelos destruidores e guerras
Flagelos destruidores e guerras
Izabel Cristina Fonseca
 
7 aula reencarnação
7   aula reencarnação7   aula reencarnação
7 aula reencarnação
Sergio Lima Dias Junior
 
Gênese orgânica
Gênese orgânicaGênese orgânica
Gênese orgânica
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Antonino Silva
 
Mundos Inferiores
Mundos InferioresMundos Inferiores
Mundos Inferiores
Antonino Silva
 
Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!
Leonardo Pereira
 

Mais procurados (20)

Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
 
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptxRetorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
 
Elementos gerais do universo
Elementos gerais do universoElementos gerais do universo
Elementos gerais do universo
 
providência divina
providência divinaprovidência divina
providência divina
 
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
A criação do universo e origem da vida no planeta terra
A criação do universo e origem da vida no planeta terraA criação do universo e origem da vida no planeta terra
A criação do universo e origem da vida no planeta terra
 
Fluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico UniversalFluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico Universal
 
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existenciasPrimeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
 
2.7.5 Idiotismo e loucura
2.7.5   Idiotismo e loucura2.7.5   Idiotismo e loucura
2.7.5 Idiotismo e loucura
 
NinguéM Poderá Ver O Reino De Deus Se
NinguéM Poderá Ver O Reino De Deus SeNinguéM Poderá Ver O Reino De Deus Se
NinguéM Poderá Ver O Reino De Deus Se
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
 
Flagelos destruidores e guerras
Flagelos destruidores e guerrasFlagelos destruidores e guerras
Flagelos destruidores e guerras
 
7 aula reencarnação
7   aula reencarnação7   aula reencarnação
7 aula reencarnação
 
Gênese orgânica
Gênese orgânicaGênese orgânica
Gênese orgânica
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
 
Mundos Inferiores
Mundos InferioresMundos Inferiores
Mundos Inferiores
 
Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!
 

Semelhante a Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos

Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação
Primeiro Módulo - Aula 4 - CriaçãoPrimeiro Módulo - Aula 4 - Criação
Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação
CeiClarencio
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Bruno Cechinel Filho
 
O universo segundo a visão espírita
O universo segundo a visão espíritaO universo segundo a visão espírita
O universo segundo a visão espírita
Danilo Galvão
 
Luzes
LuzesLuzes
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidosGenese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Fernando Pinto
 
Consciência Cósmica
Consciência CósmicaConsciência Cósmica
Consciência Cósmica
Targon Darshan
 
EAE 2 a criação
EAE 2 a criaçãoEAE 2 a criação
EAE 2 a criação
Roseli Lemes
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Cynthia Castro
 
Em busca de Deus - a criação
Em busca de Deus - a criaçãoEm busca de Deus - a criação
Em busca de Deus - a criação
Ponte de Luz ASEC
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Cosmovisão
CosmovisãoCosmovisão
Cosmovisão
Falec
 
Cosmovisao Espírita
Cosmovisao EspíritaCosmovisao Espírita
Cosmovisao Espírita
Falec
 
Capitulo III criacao
Capitulo III   criacaoCapitulo III   criacao
Capitulo III criacao
Marta Gomes
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Guto Ovsky
 
A criação
A criaçãoA criação
A criação
Márcia Albuquerque
 
Roteiro 2 origem e natureza do espírito
Roteiro  2   origem e natureza do espíritoRoteiro  2   origem e natureza do espírito
Roteiro 2 origem e natureza do espírito
Bruno Cechinel Filho
 
Cosmovisao Espírita
Cosmovisao EspíritaCosmovisao Espírita
Cosmovisao Espírita
Falec
 
Astronomia geral
Astronomia geralAstronomia geral
Astronomia geral
Dalila Melo
 
Os visitantes de alcione
Os visitantes de alcioneOs visitantes de alcione
Os visitantes de alcione
Grupo Espírita Mensageiros
 
Os visitantes de alcione
Os visitantes de alcioneOs visitantes de alcione
Os visitantes de alcione
Marcia 1810
 

Semelhante a Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos (20)

Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação
Primeiro Módulo - Aula 4 - CriaçãoPrimeiro Módulo - Aula 4 - Criação
Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
 
O universo segundo a visão espírita
O universo segundo a visão espíritaO universo segundo a visão espírita
O universo segundo a visão espírita
 
Luzes
LuzesLuzes
Luzes
 
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidosGenese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
 
Consciência Cósmica
Consciência CósmicaConsciência Cósmica
Consciência Cósmica
 
EAE 2 a criação
EAE 2 a criaçãoEAE 2 a criação
EAE 2 a criação
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
 
Em busca de Deus - a criação
Em busca de Deus - a criaçãoEm busca de Deus - a criação
Em busca de Deus - a criação
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Cosmovisão
CosmovisãoCosmovisão
Cosmovisão
 
Cosmovisao Espírita
Cosmovisao EspíritaCosmovisao Espírita
Cosmovisao Espírita
 
Capitulo III criacao
Capitulo III   criacaoCapitulo III   criacao
Capitulo III criacao
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
 
A criação
A criaçãoA criação
A criação
 
Roteiro 2 origem e natureza do espírito
Roteiro  2   origem e natureza do espíritoRoteiro  2   origem e natureza do espírito
Roteiro 2 origem e natureza do espírito
 
Cosmovisao Espírita
Cosmovisao EspíritaCosmovisao Espírita
Cosmovisao Espírita
 
Astronomia geral
Astronomia geralAstronomia geral
Astronomia geral
 
Os visitantes de alcione
Os visitantes de alcioneOs visitantes de alcione
Os visitantes de alcione
 
Os visitantes de alcione
Os visitantes de alcioneOs visitantes de alcione
Os visitantes de alcione
 

Mais de Bruno Cechinel Filho

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Roteiro 3   mediunidade com jesusRoteiro 3   mediunidade com jesus
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 mediunidade e médium
Roteiro 2   mediunidade e médiumRoteiro 2   mediunidade e médium
Roteiro 2 mediunidade e médium
Bruno Cechinel Filho
 

Mais de Bruno Cechinel Filho (20)

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
 
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Roteiro 3   mediunidade com jesusRoteiro 3   mediunidade com jesus
Roteiro 3 mediunidade com jesus
 
Roteiro 2 mediunidade e médium
Roteiro 2   mediunidade e médiumRoteiro 2   mediunidade e médium
Roteiro 2 mediunidade e médium
 

Último

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 

Último (13)

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos

  • 1. CENTRO DE TRABALHOS ESPÍRITA ANA LUZ FORMAÇÃO DOS MUNDOS E DA TERRA BANCO DE AULAS ROTEIRO 3 TOMO I - MÓDULO VII
  • 2. 1804-1869 Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita Programa Fundamental Tomo I - Módulo VII PLURALIDADE DOS MUNDOS HABITADOS
  • 3. Objetivo Geral POSSIBILITAR CONHECIMENTO A RESPEITO DA EXISTÊNCIA, DA FORMAÇÃO E DAS DIVERSAS CATEGORIAS DE MUNDOS HABITADOS Pluralidade dos Mundos Habitados
  • 4. Roteiros 1.O Fluído Cósmico Universal 2. Elementos Gerais do Universo: Matéria e Espírito 3. Formação dos Mundos e da Terra 4. Os Reinos da Natureza: Mineral, Vegetal, Animal e Hominal 5. Diferentes Categorias de Mundos Habitados 6. Materialização nos Diferentes Mundos 7. A Terra: Mundo de Expiação e Provas
  • 5. Roteiro 3: FORMAÇÃO DOS MUNDOS E DA TERRA O b j e t i v o E s p e c í f i c o : - Explicar à Luz dos Ensinamentos Espíritas, a Criação dos Mundos e da Terra.
  • 7. A GÊNESE – Capítulo VI (6) *URANOGRAFIA GERAL Este capítulo foi extraído integralmente de uma série de comunicações ditadas na Sociedade Espírita de Paris, entre 1862 e 1863, sob o título: “Estudos Uranográficos”, que traziam a assinatura de Gallileu. O Médium foi o Sr. Camille Flammarion. Nota do tradutor: J. Herculano Pires.
  • 8. “A vida não passa de uma oportunidade de encontro; só depois da morte se dá a junção; os corpos apenas têm o abraço, as Victor Hugo (1.802-1.885)
  • 10. ● A Humanidade, objetiva conhecer como se deu a formação dos Mundos e da Terra. É um assunto envolvente e instigante; Um tema que provoca curiosidade, por envolver nossa origem e trajetória evolutiva. Nos induz a refletir acerca de nossa pequenez ante as grandiosas e perfeitas leis que regem o micro e o macrocosmo.
  • 13. Questões Propostas 1. Formação dos Mundos. 2. Formação da Terra.
  • 15. Allan Kardec aponta em O Livro do Espíritos: O Universo compreende a infinidade dos mundos que vemos e não vemos, todos os seres animados e inanimados, todos os astros que se movem no espaço e os fluidos que o preenchem (7). A razão [continua Kardec] nos diz que o Universo não poderia fazer-se por si mesmo, e que, não, podendo ser obra do acaso, deve ser obra de Deus (8). Como, entretanto, terá Deus criado o Universo?
  • 16. Allan Kardec ouvindo os Espíritos Superiores, nos apresenta os esclarecimentos que se seguem: 14. Deus, existindo por sua natureza de toda a eternidade, criou de (desde) toda a eternidade e isso não podia ser de outro modo, pois em qualquer época longínqua que recuemos em (pela) imaginação os limites supostos da criação, sempre haverá além desse limite uma eternidade – considerai bem este pensamento – uma eternidade durante a qual as divinas hipóstases, [(fil.) para os pensadores da Antiguidade, realidade permanente, concreta e fundamental; substância – Dicionário Informal] as volições [processo cognitivo no qual se decide por praticar uma ação] infinitas teriam estado amortalhadas (sepultadas) numa letargia inativa e infecunda;
  • 17. Uma eternidade de morte aparente para o Pai eterno que dá a vida aos seres, de mutismo (mudez, silêncio, sossego) indiferente para o Verbo (Jesus) que os governa, de esterilidade fria e egoísta para o Espírito de amor e de vivificação. Compreendamos melhor a grandeza da ação divina e a sua perpetuidade sob a mão do Ser absoluto! Deus é o Sol dos seres; é a Luz do mundo. Ora, a aparição do Sol dá nascimento instantâneo a ondas de luz que se vão espalhando em todas as direções pela extensão; Do mesmo modo, o Universo, nascido Eterno, remonta aos períodos inimagináveis do infinito de duração, ao FIAT LUX*, do começo de todas as coisas (2).
  • 18. *FIAT LUX: é uma expressão latina que significa: “Faça-se a Luz” ou, ¨Haja Luz”. É uma metáfora muito conhecida, e representa a origem do novo. Frase atribuída a Deus, quando criou o Céu e a Terra (livro do Gênesis, Cap. I – Versículo 3º, da Vulgata*). ¹VULGATA: Nome da Bíblia traduzida para o latim por São Jerônimo (séc. IV) e declarada, pelo concílio de Trento, a versão oficial da Igreja católica. 15. O começo absoluto das coisas remonta (tem origem em), pois, a Deus; Suas aparições sucessivas no domínio da existência constituem a ordem da criação perpétua.
  • 19. Que mortal saberia narrar as magnificências desconhecidas e soberbamente veladas sob a noite das idades, que se desenvolveram em tais tempos antigos, nos quais não existia nenhuma das maravilhas do Universo atual; Época primitiva em a voz do Senhor se tinha feito ouvir, e subitamente se encontraram no seio dos vácuos infinitos os materiais que no futuro deviam se agrupar simetricamente e por si mesmos, para tomar o templo da Natureza. Quanto a esta voz misteriosa, que cada criatura venera e acarinha como se fosse a de uma mãe, notas harmoniosas variadas se produziram para vibrar juntas e modular (tocar melodiosamente) o concerto dos vastos céus!
  • 20. O mundo, em seu berço (nascedouro), não foi estabelecido na virilidade e na plenitude a vida. Não, o poder criador não se contradiz jamais e, como todas as coisas, o Universo nasceu menino (criança). Revestida pelas leis mencionadas acima e do impulso inicial inerente à própria formação, a matéria cósmica primitiva deu sucessivamente nascimento a turbilhões, a aglomerações desse fluido difuso, amontoado de matéria nebulosa¹ que se dividiram a si mesmos e se modificaram ao infinito para gerar, nas regiões incomensuráveis da extensão, diversos centros de criações simultâneas ou sucessivas.
  • 21. Nebulosa da Águia Pilares da Criação no seu interior São nuvens de poeira, hidrogênio e plasma. São constantemente regiões de formação estelar, como a nebulosa da águia. Esta nebulosa forma uma das mais belas e famosas fotos da NASA, “Os Pilares da Criação”. Como o processo de formação das estrelas é muito violento, os restos de materiais lançados ao espaço por ocasião da grande explosão formam um grande número de planetas e de sistemas planetários.
  • 22. Em razão das força que predominaram sobre um ou sobre outro, e segundo circunstâncias ulteriores que presidiram a seus desenvolvimentos, esses centros primitivos formaram-se os focos de uma vida especial. Uns, menos disseminados no espaço e mais ricos em princípios e forças atuantes, começaram desde logo sua vida sideral particular; Outros, ocupantes de uma extensão ilimitada, não cresceram senão com extrema lentidão ou dividiram-se novamente em outros centro secundários (3).
  • 23. 16: Se nos transportarmos a alguns milhões de séculos somente, além (acima) da época atual, nossa Terra ainda não existia, nosso sistema solar mesmo ainda não começara as evoluções da vida planetária, e ainda assim já esplêndidos sóis iluminam o éter; Já planetas habitados davam vida e existência a uma multidão de seres que nos precederam (viviam antes de nós) na carreira humana; As produções opulentas (aquilo que existe ou aparece em grande número) de uma natureza desconhecida e os fenômenos maravilhosos do céu desenvolviam sob outros olhares os quadros da imensa criação.
  • 24. Que digo eu! Tais esplendores não existem mais, os quais outros fizeram palpitar o coração de outros mortais sob o pensamento do infinito poder! E nós, pobres serezinhos que existimos depois de uma eternidade de vida, nós nos cremos contemporâneos da criação! Ainda uma vez, compreendamos melhor a Natureza. Saibamos que a eternidade está atrás de nós, assim como adiante, que o espaço é o teatro de uma sucessão e de uma simultaneidade inimagináveis criações.
  • 25. As nebulosas que mal distinguimos nas longínquas regiões dos céus são aglomerações de sóis em vias de formação; Outras, são vias lácteas de mundos habitados; Outras, enfim, a sede de catástrofes e de perecimento. Saibamos que mesmo estando nós colocados no meio de uma infinidade de mundos, ao mesmo tempo estamos no meio de uma dupla infinidade de durações anteriores e ulteriores; Que a criação universal não é ilimitada a nós, e que não podemos aplicar essa palavra à formação isolada do nosso pequeno globo (4).
  • 26. 38 - Como Deus criou o Universo? Para me servir de uma expressão corrente: Por sua Vontade. Nada representa melhor essa exprime melhor essa vontade todo-poderosa do que estas belas palavras do Gênese: “Deus disse: Faça-se a luz e a luz foi feita” (9). A base de construção dos mundos e dos corpos materiais é o fluído cósmico universal, igualmente chamado de matéria cósmica (elementar) primitiva.
  • 27. 17: A matéria cósmica primitiva encerrava (continha) os elementos materiais, fluídicos e vitais de todos os universos que estadeiam (mostram) suas magnificências perante a eternidade; Ela é a mãe fecunda e primordial de todas as coisas, a primeira avó e, sobretudo, a eterna geratriz. Ela não desapareceu, essa substância de onde provêm as esferas siderais (ref. ao céu; celestial); Não está morto este poder, pois incessantemente ainda dá à luz novas criações e recebe os princípios reconstituídos dos mundos que se apagam do livro eterno.
  • 28. A substância etérea (de natureza espiritualmente elevada) mais ou menos rarefeita, que se permeia (se mistura, se espalha) pelos espaços interplanetários. Esse fluido cósmico que enche o mundo, mais ou menos rarefeito, nas regiões imensas, opulentas (ricas) em aglomerados de estrelas, mais ou menos condensado nos lugares em que ainda não brilha o céu sideral, mais ou menos modificado por diversas combinações segundo as localidades da extensão, não é outra coisa senão a substância primitiva na qual residem as forças universais, de onde a Natureza tem tirado rodas as coisas (5).
  • 29. 10 – Há um fluido etéreo que enche o espaço e penetra os corpos; Esse fluído é o éter (plasma divido) – ou matéria cósmica primitiva, geratriz do mundo e dos seres em geral. As forças que presidiram às metamorfoses da matéria são inerentes ao éter; Trata-se de leis imutáveis e necessárias que regem o mundo. Estas formas múltiplas, indefinidamente variadas segundo as combinações da matéria, localizadas segundo as massas, diversificadas em seus modos de ação segundo as circunstâncias e os ambientes, são conhecidas na Terra sob os nomes de:
  • 30. gravidade, coesão, afinidade, atração, magnetismo, eletricidade ativa; Os movimentos vibratórios do agente [ou dessas forças] são conhecidos sob os nomes de som, calor, luz, etc. (1). 39 – Podemos conhecer o modo de formação dos mundos? - Tudo o que se pode dizer, e que podeis compreender, é que os mundos se formam pela condensação da matéria espalhada no espaço (10). Os Mundos assim se formam!
  • 32. A Comunidade dos Espíritos Puros: Rezam as tradições do mundo espiritual que [...] existe uma Comunidade de Espíritos Puros e eleitos pelo Senhor Supremo do Universos, em cujas mãos se conservam as rédeas diretoras da vida de todas as coletividades planetárias. Essa comunidade de seres angélicos e perfeitos, da qual é Jesus um dos membros divinos. [...] reuniram-se apenas duas vezes, nas proximidades da Terra para a solução de problemas decisivos da organização e da direção do nosso planeta.
  • 33. A primeira, verificou-se quando o orbe terrestre se desprendia da nebulosa solar, a fim de que se lançassem, no Tempo e no Espaço, as balizas do nosso sistema cosmogônico (criação do Universo) e os pródromos (o prenuncio, o início) da vida na matéria em ignição (estado de corpos ou materiais em combustão viva) do planeta. A segunda, quando se decidia a vinda do Senhor à face da Terra, trazendo à família humana a lição moral do seu Evangelho de amor e redenção [salvação moral, religiosa ou psicológica] (11). Assim, sob a direção de Jesus – o governador espiritual da Terra - e seus propostos divinos, temos informações sobre a formação do Planeta.
  • 34. 1 - A Terra conserva em si os traços evidentes da sua formação. Podem-se se seguir suas fases com precisão matemática, nos diferentes solos (terrenos) que lhe constituem a sua estrutura. O conjunto de tais estudos constitui a ciência denominada Geologia, (estudo científico da origem, história, estrutura, formação e evolução da Terra), ciência nascida neste (no) século (XIX), e que lançou luz sobre a questão tão controvertida de sua origem e da dos seres vivos que a habitam. Aqui, não há hipótese; é o resultado rigoroso da observação dos fatos e em presença dos fatos não se permite dúvida.
  • 35. A história da formação do globo está escrita nas camadas geológicas, de maneira bem mais certa do que nos livros preconcebidos, pois aqui é a própria Natureza que fala, que se mostra a descoberto, e não a imaginação dos homens a criar sistemas. [...] Sem as descobertas da Geologia, como sem as da Astronomia, a Gênese do mundo ainda estaria nas trevas da lenda. Graças a elas, o homem a história da sua habitação, e a estrutura das fábulas que rodeavam seu berço ruíram para não mais se levantar.
  • 36. Os primeiros tempos do orbe terrestre: Que força sobre-humana pôde manter o equilíbrio da nebulosa terrestre, destacada do núcleo central do sistema, conferindo-lhe um conjunto de leis matemáticas, dentro das quais se iam manifestar todos os fenômenos inteligentes e harmônicos de sua vida, por milênios de milênios? Distando do Sol cerca de 149.600.000 quilômetros e deslocando-se no espaço com a velocidade diária de 2.500.000 quilômetros, em torno do grande astro do dia, imaginemos a sua composição nos primeiros tempos de existência, como planeta.
  • 37. Laboratório de matérias ignescentes (que está em fogo - inflamada), o conflito das forças telúricas (são correntes naturais que ocorrem no interior da Terra) e das energias físico-químicas opera as grandiosas construções do teatro da vida, no imenso cadinho (lugar onde as coisas se misturam) onde a temperatura se eleva, por vezes, a 2.000 graus de calor, como se a matéria colocada num forno, incandescente, estivesse sendo submetida aos mais diversos ensaios, para examinar-se a sua qualidade e possibilidades na edificação da nova escola dos seres. As descargas elétricas, em proporções jamais vistas da Humanidade, despertam estranhas comoções no grande organismo planetário, cuja formação se processa nas oficinas do Infinito (12).
  • 38. A Solidificação da Matéria: Na grande oficina surge, então, a diferenciação da matéria ponderável, dando origem ao hidrogênio. As vastidões atmosféricas são amplo repositório de energias elétricas e de vapores que trabalham as substâncias torturadas no orbe terrestre. O frio dos espaços atua, porém, sobre esse laboratório de energias incandescentes e a condensação dos metais verifica-se com a leve formação da crosta solidificada. É o primeiro descanso das tumultuosas comoções geológicas do globo.
  • 39. Formam-se os primitivos oceanos, onde a água tépida sofre pressão difícil de descrever-se. A atmosfera está carregada de vapores aquosos e as grandes tempestades varrem, em todas as direções, a superfície do planeta, mas sobre a Terra o caos fica dominado como por encanto. As paisagens aclaram-se, fixando a luz solar que se projeta nesse novo teatro de evolução e vida. As mãos de Jesus haviam descansado, após o longo período de confusão dos elementos físicos da organização planetária (13).
  • 42. Como ficamos pequenos! JUPITER SATURNO PLUTÃO NETUNO Urano TERRA
  • 43. E agora, como ficamos! SOL TERRA JUPITER PLUTÃO
  • 44. Nosso sol! Um grão de areia no Universo.... POLLUX SIRIUS ARCTURUS SOL A Terra é invisível nesta escala
  • 45. E agora! O nosso Sol é apenas um ponto .... ANTARES BETELGEUSE AldebaranARCTURUS Rigel POLLUX
  • 46. Diante dessa imensidão, nosso sistema solar é apenas poeira estelar....
  • 47. Essas imagens servem para nós refletirmos sobre a grandeza de Deus. Sua suprema inteligência. A grandiosidade de sua obra, e como nosso
  • 49. CAPÍTULO VI - URANOGRAFIA GERAL* ITENS: As Leis e as Forças (1) - Questão 10 – Pág. 98 A Primeira Criação (2) - Questão 14 – Págs. 100-101 (3) - Questão 15 – Pág. 101 (4) - Questão 16 – Pág. 102 A Criação Universal (5) - Questão 17 – Págs. 102-103. 23ª Edição Março de 2010 CAPÍTULO VII - ESBOÇO GEOLÓGICO DA TERRA ITEM : Períodos Geológicos - (6) - Questão 1 – Pág. 122.
  • 50. Capítulo III C R I A Ç Ã O ITEM - I Formação dos Mundos (7) – Comentário – Pág. 67 (8) – Comentário – Pág. 67 (9) – Questão 38– Pág. 67 (10) – Questão 39 – Pág. 67 68ª Edição - Janeiro de 2009 - Livro Primeiro
  • 51. Capítulo - I A GÊNESE PLANETÁRIA Item: (11) – A Comunidade de Espíritos Puros – Pág. 17-18 Item: (12) – Os Primeiros Tempos do Orbe Terrestre – Pág. 19 Item: (13) – A Solidificação da Matéria – Pág. 20-21 33ª Edição Rio de Janeiro: FEB - 2006
  • 52. Quarta Parte O ALÉM-TÚMULO Capítulo XXXII (14) - A Vontade os Fluídos Página 264 Tradução de Maria Lucia Alcântara de Carvalho – 3ª Edição – Rio de Janeiro: CELD - 2011
  • 53. Fim

Notas do Editor

  1. <number>
  2. <number>
  3. <number>
  4. <number>
  5. <number>
  6. <number>
  7. <number>
  8. <number>
  9. <number>