SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
Escola E.B. 2,3/s de Mora



                           Biologia 10ºano



                     Actividade Laboratorial




         Membrana plasmática: uma barreira selectiva




Mora, 7 de Março de 2009
Realizado por:

                                  Ana Margarida Pinto nº3 10ºA

                         Índice


Introdução                                         Pág. 3

Protocolo experimental                             Pág. 4

Resultados                                         Pág. 5

Conclusão/discussão                                Pág. 6

Bibliografia                                       Pág. 7




                           2
Introdução


      Esta actividade tem como objectivo demonstrar os tipos de movimentos da
membrana plasmática de amostras de batata mergulhadas em três meios com
concentrações de sacarose diferentes.

   A membrana plasmática é constituída por uma bicamada lipídica e proteínas, que
delimita a fronteira entre o meio intracelular do meio extracelular, mantendo a
integridade da célula e regulando a troca de substâncias, de energia e de informação
entre esses meios. A membrana é semipermeável pois facilita a passagem de
substâncias que as células necessitam, a saída de produtos resultantes da actividade
membranar e dificulta ou impede a passagem de outras.

   Para que exista passagem de substâncias entre a membrana celular e o meio que
a envolve são necessários movimentos. Esses movimentos podem ter gastos de
energia - osmose, difusão simples e difusão facilitada - ou podem não ter gastos de
energia – transporte activo.

      Osmose é a difusão da água. A água movimenta-se através da membrana
plasmática desde um meio hipotónico para um meio hipertónico ou, de um meio com
pressão osmótica baixa para um meio com pressão osmótica mais elevada, sendo que
a pressão osmótica é a força que é necessário exercer para que a água não se
desloque da zona de menor para a de maior concentração. A pressão osmótica da
água pura é zero.

    O meio hipotónico é o meio intra ou extracelular em que existe uma pequena
concentração de soluto e uma grande concentração de solvente. O meio isotónico é
o meio intra ou extra celular em que existe um equilíbrio entre as concentrações de
soluto e de solvente. As células recebem água ao mesmo ritmo que a perdem. E o
meio hipertónico é o meio intra ou extracelular em que existe uma maior
concentração de soluto e uma menor concentração de solvente.

    Quando uma célula é colocada em meio hipotónico, essa célula, fica túrgida. A
água entra para os vacúolos e este aumenta de volume, comprimindo o citoplasma e o
núcleo contra a parede celular (célula vegetal) ou contra a membrana celular (célula
animal). E quando uma célula é colocada num meio hipertónico fica plasmolisada.

                                         3
Existe um movimento de água do vacúolo para o exterior da célula e, ao perder água,
o volume diminui e o citoplasma retrai-se.


                              Protocolo experimental



Material:

   - Batatas;                                 - Colher;
   - Balança;                                 - Papel absorvente;
   - 3 Gobelés;                               - Faca;
   - Furador de rolhas;                       - Régua graduada;
   - Sacarose (açúcar);                       - Marcador.
   - Água;




Modo de procedimento:

   1. Em cada um dos gobelés escreveu-se, respectivamente, 5%, 20% e 30%.
   2. Preparou-se três soluções de sacarose, respectivamente a 5% a 20% e a 30%.
   3. Para a solução de 5% pesou-se 5 g de sacarose, colocou-se no gobelé
       marcado com 5% e adicionou-se 95 g de água. Agitou-se até à completa
       dissolução. Realizou-se processo idêntico para as soluções de 20% e 30%.
   4. Cortou-se, com o furador de rolhas, três cilindros de batata já descascada. Os
       cilindros tinham 4 cm de altura.
   5. Mediu-se o diâmetro de cada cilindro e avaliou-se o respectivo peso. Registou-
       se os resultados.
   6. Introduziu-se um cilindro de batata em cada gobelé com solução de sacarose.
   7. Deixou-se em repouso um dia. Decorrido esse tempo, em relação a cada
       cilindro:
       - retirou-se da solução e enxugou-se com papel absorvente;
       - observou-se o aspecto e a rigidez;
       - mediu-se a respectiva altura;
       - avaliou-se o peso final.




                                             4
Resultados


             Todos os cilindros de batata, no inicio, tinham:
             - 4 cm de comprimento;
             - 0,9 cm de diâmetro;
             - rigidez elevada;
Solução             Massa          Diâmetro       Comprimento     Rigidez              Aspecto
                      (g)              (cm)           (cm)
            inicial   após 1 dia     após 1 dia     após 1 dia   após 1 dia            após 1 dia

  5%        3,13            3,19         1              4         elevada        uniforme e cor + clara
 20%        3,22            2,45        0,9            3,7         média      muito semelhante ao inicial
 30%        3,27            2,05        0,8            3,6         baixa        mirrado e cor + escura

             - aspecto uniforme (sem deformações) e cor clara.




            - No cilindro de batata mergulhada na solução de sacarose a 5%, verificou-se que,
          após a passagem de um dia, aumentou a sua massa 0,06g e o seu diâmetro também
          aumentou, 0,01cm. O comprimento manteve-se igual, tal como, a rigidez que
          continuou elevada. Quanto ao aspecto, manteve-se sem deformações, tendo ficado
          com uma cor mais clara do que a inicial.

            - No cilindro de batata mergulhada na solução de sacarose a 20%, verificou-se que,
          após a passagem de um dia, diminuiu a sua massa 0,77g mas o diâmetro manteve-se
          igual ao inicial (0,9 cm), o comprimento, também, diminuiu 0,3 cm. A rigidez diminuiu
          um pouco, mas comparando com o cilindro de batata mergulhada na solução a 30%, a
          sua rigidez não era baixa. No aspecto não se obtiveram grandes alterações, tendo
          sido quase nulas as deformações verificadas, e a cor manteve-se igual à inicial.

            - No cilindro de batata mergulhada na solução de sacarose a 30%, verificaram-se
          grandes alterações, após a passagem de um dia. A massa diminuiu 1,22g, bem como
          o diâmetro, que passou para 0,8cm e o comprimento que reduziu para 3,6cm. A
          rigidez era muito baixa e, quanto ao aspecto, a batata ficou mirrada, com muitas
          deformações e com uma cor mais escura.

                                                       5
Conclusão/Discussão


   - Os factos observados devem-se à difusão da água, a osmose. Na batata colocada
na solução de sacarose a 5%, o volume aumentou pois esta foi colocada num meio
hipotónico, ou seja, com já foi referido anteriormente, onde existe uma pequena
concentração de soluto e uma grande concentração de solvente. Assim, ocorreu
turgescência nas células, a água entrou para os vacúolos, para equilibrar as
concentrações de soluto e solvente dentro e fora da célula, e este aumentou o volume,
comprimindo o citoplasma e o núcleo contra a parede celular. Na solução a 20%, a
massa da batata diminuiu, pois as células ficaram plasmolisadas. Existe um
movimento de água do vacúolo para o exterior da célula e, ao perder água, o volume
diminui e o citoplasma retrai-se, pois o meio em que as células foram colocadas era
hipertónico. Mas as discrepâncias de valores não foram tão significativas quanto as
verificadas no cilindro de batata colocada na solução a 30%, porque as diferenças
entre as concentrações de solvente e de soluto, no meio intra e extracelular, não eram
muito elevadas. As células colocadas na solução com maior percentagem tiveram
grandes alterações. As mudanças aferidas devem-se, ao facto, das células terem sido
colocadas num meio hipertónico e, assim, ter ocorrido a plasmólise. Para equilibrar
concentrações, que deveriam ser muito diferentes, foi necessário a saída da água dos
vacúolos, tendo a batata ficado com aspecto mirrado e com cor mais escura. Não
existiram, nesta actividade laboratorial, soluções isotónicas.

    - Esses esquemas podem relacionar-se com os factos que observei na situação
relativa à solução de sacarose a 20%, pois foi necessária a saída de água dos
vacúolos das células para o meio extracelular, onde se encontrava uma grande
concentração de sacarose (soluto) e uma menor de água (solvente), para que
houvesse um equilíbrio entre essas mesmas concentrações no interior e exterior da
célula. Ocorrendo, desta forma, a plasmólise.

   - Quando se prepara uma salada de alface só se coloca o sal na ocasião em que
vai ser utilizada, pois se for colocada com alguma antecedência, vai dar tempo para
que saia água das células para equilibrar as soluções, que devido ao sal existe uma
maior concentração de soluto no meio extracelular. Dá-se a plasmólise, assim, e como
verificámos, ao perder água, o volume diminui e o citoplasma retrai-se, acabando por
murchar as folhas de alface. Tal efeito acontece, também, quando se prepara uma
salada de fruta e se coloca açúcar.

                                            6
Bibliografia



Http://www.externatobenedita.net/grupos/biologia/trabalhos/professores/paula_castelh
ano/Relat%C3%B3rios_WriterPortable_1_Fase/Osmose_Batata1.pdf




Dias da Siva, Amparo; Gramaxo, Fernanda; Mesquita, Almira; e outros; “Terra,
universo e vida” Biologia 10º ano; Porto editora, Porto, 2008




                                           7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11ºExtração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11ºFrancisco Palaio
 
Teste avaliação Biologia Geologia 11º cc
Teste avaliação Biologia Geologia 11º ccTeste avaliação Biologia Geologia 11º cc
Teste avaliação Biologia Geologia 11º ccJosé Luís Alves
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106nanasimao
 
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes   resumo-esquema por capítulosSermão aos peixes   resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulosClaudiaSacres
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicomargaridabt
 
Biologia 11 sistemas de classificação
Biologia 11   sistemas de classificaçãoBiologia 11   sistemas de classificação
Biologia 11 sistemas de classificaçãoNuno Correia
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana Sara Afonso
 
Relatorio ciclos de vida 11 ano
Relatorio ciclos de vida 11 anoRelatorio ciclos de vida 11 ano
Relatorio ciclos de vida 11 anoMara Ferreira
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesDaniel Sousa
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Medição em Química
Medição em Química Medição em Química
Medição em Química Rui Barqueiro
 
Teste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º anoTeste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º anoJosé Luís Alves
 
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcçãoTeste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcçãoIsaura Mourão
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoAlexandra Canané
 

Mais procurados (20)

Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11ºExtração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
 
Teste avaliação Biologia Geologia 11º cc
Teste avaliação Biologia Geologia 11º ccTeste avaliação Biologia Geologia 11º cc
Teste avaliação Biologia Geologia 11º cc
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes   resumo-esquema por capítulosSermão aos peixes   resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
 
Abertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomasAbertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomas
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
 
Biologia 11 sistemas de classificação
Biologia 11   sistemas de classificaçãoBiologia 11   sistemas de classificação
Biologia 11 sistemas de classificação
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Relatorio ciclos de vida 11 ano
Relatorio ciclos de vida 11 anoRelatorio ciclos de vida 11 ano
Relatorio ciclos de vida 11 ano
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Medição em Química
Medição em Química Medição em Química
Medição em Química
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Teste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º anoTeste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º ano
 
Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico
 
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcçãoTeste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 

Destaque

Relatório experimental modelo
Relatório experimental modeloRelatório experimental modelo
Relatório experimental modeloAngela Boucinha
 
Relatório da aula experimental cn células da cebola
Relatório da aula experimental cn células da cebolaRelatório da aula experimental cn células da cebola
Relatório da aula experimental cn células da cebolaAntónio Morais
 
www.aulasapoio.com - Biologia - Membrana Plasmática
www.aulasapoio.com - Biologia -  Membrana Plasmáticawww.aulasapoio.com - Biologia -  Membrana Plasmática
www.aulasapoio.com - Biologia - Membrana PlasmáticaAulas Apoio
 
(9) biologia e geologia 10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
(9) biologia e geologia   10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares(9) biologia e geologia   10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
(9) biologia e geologia 10º ano - trocas gasosas em seres multicelularesHugo Martins
 
Relatorio 4 efeito do dioxido de carbono na abertura22222
Relatorio 4  efeito do dioxido de carbono na abertura22222Relatorio 4  efeito do dioxido de carbono na abertura22222
Relatorio 4 efeito do dioxido de carbono na abertura22222Credencio Maunze
 
Trocas gasosas nas plantas
Trocas gasosas nas plantasTrocas gasosas nas plantas
Trocas gasosas nas plantasTânia Reis
 
B8 exercícios de osmose
B8   exercícios de osmoseB8   exercícios de osmose
B8 exercícios de osmoseNuno Correia
 
Aula métodos de cocção
Aula métodos de cocçãoAula métodos de cocção
Aula métodos de cocçãokatsan
 
03 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc0809
03 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc080903 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc0809
03 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc0809Teresa Monteiro
 
Relatório aula prática modificação dos pigmentos
Relatório aula prática   modificação dos pigmentosRelatório aula prática   modificação dos pigmentos
Relatório aula prática modificação dos pigmentosJ10I27
 
Sales Pitch - Presentation Layout
Sales Pitch - Presentation LayoutSales Pitch - Presentation Layout
Sales Pitch - Presentation LayoutThais Pastén
 
Apresentação Cenoura & Bronze - TCC
Apresentação Cenoura & Bronze - TCCApresentação Cenoura & Bronze - TCC
Apresentação Cenoura & Bronze - TCCThais Pastén
 
Relatório actividade experimental - batata & cebola
Relatório   actividade experimental - batata & cebolaRelatório   actividade experimental - batata & cebola
Relatório actividade experimental - batata & cebolaInês Fernandes
 
Actividade Experimental nº2
Actividade Experimental nº2Actividade Experimental nº2
Actividade Experimental nº2Gabriela Bruno
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantasIsabel Lopes
 

Destaque (20)

Relatório experimental modelo
Relatório experimental modeloRelatório experimental modelo
Relatório experimental modelo
 
Relatório da aula experimental cn células da cebola
Relatório da aula experimental cn células da cebolaRelatório da aula experimental cn células da cebola
Relatório da aula experimental cn células da cebola
 
rsrsrOsmose
rsrsrOsmosersrsrOsmose
rsrsrOsmose
 
Prazer, somos a Osmose
Prazer, somos a OsmosePrazer, somos a Osmose
Prazer, somos a Osmose
 
www.aulasapoio.com - Biologia - Membrana Plasmática
www.aulasapoio.com - Biologia -  Membrana Plasmáticawww.aulasapoio.com - Biologia -  Membrana Plasmática
www.aulasapoio.com - Biologia - Membrana Plasmática
 
(9) biologia e geologia 10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
(9) biologia e geologia   10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares(9) biologia e geologia   10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
(9) biologia e geologia 10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
 
Relatorio 4 efeito do dioxido de carbono na abertura22222
Relatorio 4  efeito do dioxido de carbono na abertura22222Relatorio 4  efeito do dioxido de carbono na abertura22222
Relatorio 4 efeito do dioxido de carbono na abertura22222
 
Trocas gasosas nas plantas
Trocas gasosas nas plantasTrocas gasosas nas plantas
Trocas gasosas nas plantas
 
B8 exercícios de osmose
B8   exercícios de osmoseB8   exercícios de osmose
B8 exercícios de osmose
 
Aula métodos de cocção
Aula métodos de cocçãoAula métodos de cocção
Aula métodos de cocção
 
Frutas
FrutasFrutas
Frutas
 
Frutas
FrutasFrutas
Frutas
 
03 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc0809
03 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc080903 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc0809
03 ObservaçãO Da CéLula Da Cebola Ao Microscopio Tc0809
 
Relatório aula prática modificação dos pigmentos
Relatório aula prática   modificação dos pigmentosRelatório aula prática   modificação dos pigmentos
Relatório aula prática modificação dos pigmentos
 
Sales Pitch - Presentation Layout
Sales Pitch - Presentation LayoutSales Pitch - Presentation Layout
Sales Pitch - Presentation Layout
 
Apresentação Cenoura & Bronze - TCC
Apresentação Cenoura & Bronze - TCCApresentação Cenoura & Bronze - TCC
Apresentação Cenoura & Bronze - TCC
 
A célula pp[1]
A célula pp[1]A célula pp[1]
A célula pp[1]
 
Relatório actividade experimental - batata & cebola
Relatório   actividade experimental - batata & cebolaRelatório   actividade experimental - batata & cebola
Relatório actividade experimental - batata & cebola
 
Actividade Experimental nº2
Actividade Experimental nº2Actividade Experimental nº2
Actividade Experimental nº2
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 

Semelhante a Relatório biologia 10ºano - membrana celular

Roteiro para aula pratica.
Roteiro para aula pratica.Roteiro para aula pratica.
Roteiro para aula pratica.Raquel Alves
 
1ª aula prática proteínas
1ª aula prática  proteínas1ª aula prática  proteínas
1ª aula prática proteínasAdriana Mesquita
 
14 plasmólise e osmólise
14 plasmólise e osmólise14 plasmólise e osmólise
14 plasmólise e osmóliseGiselly2
 
Controle do meio interno e transporte através de
Controle do meio interno e transporte através deControle do meio interno e transporte através de
Controle do meio interno e transporte através deRaul Tomé
 
Transporte através da membrana. Osmose
Transporte através da membrana. OsmoseTransporte através da membrana. Osmose
Transporte através da membrana. OsmoseAna Paula Garcia
 
aula 3_bromatologia_ÁGUA.pptx
aula 3_bromatologia_ÁGUA.pptxaula 3_bromatologia_ÁGUA.pptx
aula 3_bromatologia_ÁGUA.pptxLucasPortilho9
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasIlana Moura
 

Semelhante a Relatório biologia 10ºano - membrana celular (12)

Roteiro para aula pratica.
Roteiro para aula pratica.Roteiro para aula pratica.
Roteiro para aula pratica.
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
1ª aula prática proteínas
1ª aula prática  proteínas1ª aula prática  proteínas
1ª aula prática proteínas
 
14 plasmólise e osmólise
14 plasmólise e osmólise14 plasmólise e osmólise
14 plasmólise e osmólise
 
Medicina extensivo---semana-11
Medicina extensivo---semana-11Medicina extensivo---semana-11
Medicina extensivo---semana-11
 
Quimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpoQuimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpo
 
Extração dna
Extração dnaExtração dna
Extração dna
 
Controle do meio interno e transporte através de
Controle do meio interno e transporte através deControle do meio interno e transporte através de
Controle do meio interno e transporte através de
 
Transporte através da membrana. Osmose
Transporte através da membrana. OsmoseTransporte através da membrana. Osmose
Transporte através da membrana. Osmose
 
aula 3_bromatologia_ÁGUA.pptx
aula 3_bromatologia_ÁGUA.pptxaula 3_bromatologia_ÁGUA.pptx
aula 3_bromatologia_ÁGUA.pptx
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínas
 
Quimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpoQuimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpo
 

Mais de AMLDRP

Patagónia
PatagóniaPatagónia
PatagóniaAMLDRP
 
filosofia - A morte é...
filosofia - A morte é... filosofia - A morte é...
filosofia - A morte é... AMLDRP
 
Folheto filosofia - direitos dos animais
Folheto filosofia - direitos dos animaisFolheto filosofia - direitos dos animais
Folheto filosofia - direitos dos animaisAMLDRP
 
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
 ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA... ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...AMLDRP
 
Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia AMLDRP
 
Ficha de leitura - brida
Ficha de leitura - bridaFicha de leitura - brida
Ficha de leitura - bridaAMLDRP
 
Ficha de leitura - o natal de poirot
Ficha de leitura - o natal de poirotFicha de leitura - o natal de poirot
Ficha de leitura - o natal de poirotAMLDRP
 
Ficha de leitura: a conspiração - dan brown
Ficha de leitura: a conspiração - dan brownFicha de leitura: a conspiração - dan brown
Ficha de leitura: a conspiração - dan brownAMLDRP
 
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santosFicha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santosAMLDRP
 
Reflexao critica - baraka
Reflexao critica -  barakaReflexao critica -  baraka
Reflexao critica - barakaAMLDRP
 
recensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assis
recensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assisrecensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assis
recensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assisAMLDRP
 
Ficha de leitura - anjos e demónios
Ficha de leitura -  anjos e demóniosFicha de leitura -  anjos e demónios
Ficha de leitura - anjos e demóniosAMLDRP
 
Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho
Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho
Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho AMLDRP
 
a espécie humana
a espécie humanaa espécie humana
a espécie humanaAMLDRP
 
daphniasemmora
 daphniasemmora daphniasemmora
daphniasemmoraAMLDRP
 
Vós jovens sois a esperança do futuro corrigido texto orientado
Vós jovens sois a esperança do futuro  corrigido texto orientadoVós jovens sois a esperança do futuro  corrigido texto orientado
Vós jovens sois a esperança do futuro corrigido texto orientadoAMLDRP
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
BasquetebolAMLDRP
 
Tabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de CamposTabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de CamposAMLDRP
 
Campo magnético terrestre
Campo magnético terrestreCampo magnético terrestre
Campo magnético terrestreAMLDRP
 
Nevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando PessoaNevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando PessoaAMLDRP
 

Mais de AMLDRP (20)

Patagónia
PatagóniaPatagónia
Patagónia
 
filosofia - A morte é...
filosofia - A morte é... filosofia - A morte é...
filosofia - A morte é...
 
Folheto filosofia - direitos dos animais
Folheto filosofia - direitos dos animaisFolheto filosofia - direitos dos animais
Folheto filosofia - direitos dos animais
 
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
 ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA... ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
 
Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia
 
Ficha de leitura - brida
Ficha de leitura - bridaFicha de leitura - brida
Ficha de leitura - brida
 
Ficha de leitura - o natal de poirot
Ficha de leitura - o natal de poirotFicha de leitura - o natal de poirot
Ficha de leitura - o natal de poirot
 
Ficha de leitura: a conspiração - dan brown
Ficha de leitura: a conspiração - dan brownFicha de leitura: a conspiração - dan brown
Ficha de leitura: a conspiração - dan brown
 
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santosFicha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
 
Reflexao critica - baraka
Reflexao critica -  barakaReflexao critica -  baraka
Reflexao critica - baraka
 
recensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assis
recensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assisrecensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assis
recensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assis
 
Ficha de leitura - anjos e demónios
Ficha de leitura -  anjos e demóniosFicha de leitura -  anjos e demónios
Ficha de leitura - anjos e demónios
 
Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho
Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho
Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho
 
a espécie humana
a espécie humanaa espécie humana
a espécie humana
 
daphniasemmora
 daphniasemmora daphniasemmora
daphniasemmora
 
Vós jovens sois a esperança do futuro corrigido texto orientado
Vós jovens sois a esperança do futuro  corrigido texto orientadoVós jovens sois a esperança do futuro  corrigido texto orientado
Vós jovens sois a esperança do futuro corrigido texto orientado
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Tabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de CamposTabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de Campos
 
Campo magnético terrestre
Campo magnético terrestreCampo magnético terrestre
Campo magnético terrestre
 
Nevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando PessoaNevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando Pessoa
 

Último

Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 

Relatório biologia 10ºano - membrana celular

  • 1. Escola E.B. 2,3/s de Mora Biologia 10ºano Actividade Laboratorial Membrana plasmática: uma barreira selectiva Mora, 7 de Março de 2009
  • 2. Realizado por: Ana Margarida Pinto nº3 10ºA Índice Introdução Pág. 3 Protocolo experimental Pág. 4 Resultados Pág. 5 Conclusão/discussão Pág. 6 Bibliografia Pág. 7 2
  • 3. Introdução Esta actividade tem como objectivo demonstrar os tipos de movimentos da membrana plasmática de amostras de batata mergulhadas em três meios com concentrações de sacarose diferentes. A membrana plasmática é constituída por uma bicamada lipídica e proteínas, que delimita a fronteira entre o meio intracelular do meio extracelular, mantendo a integridade da célula e regulando a troca de substâncias, de energia e de informação entre esses meios. A membrana é semipermeável pois facilita a passagem de substâncias que as células necessitam, a saída de produtos resultantes da actividade membranar e dificulta ou impede a passagem de outras. Para que exista passagem de substâncias entre a membrana celular e o meio que a envolve são necessários movimentos. Esses movimentos podem ter gastos de energia - osmose, difusão simples e difusão facilitada - ou podem não ter gastos de energia – transporte activo. Osmose é a difusão da água. A água movimenta-se através da membrana plasmática desde um meio hipotónico para um meio hipertónico ou, de um meio com pressão osmótica baixa para um meio com pressão osmótica mais elevada, sendo que a pressão osmótica é a força que é necessário exercer para que a água não se desloque da zona de menor para a de maior concentração. A pressão osmótica da água pura é zero. O meio hipotónico é o meio intra ou extracelular em que existe uma pequena concentração de soluto e uma grande concentração de solvente. O meio isotónico é o meio intra ou extra celular em que existe um equilíbrio entre as concentrações de soluto e de solvente. As células recebem água ao mesmo ritmo que a perdem. E o meio hipertónico é o meio intra ou extracelular em que existe uma maior concentração de soluto e uma menor concentração de solvente. Quando uma célula é colocada em meio hipotónico, essa célula, fica túrgida. A água entra para os vacúolos e este aumenta de volume, comprimindo o citoplasma e o núcleo contra a parede celular (célula vegetal) ou contra a membrana celular (célula animal). E quando uma célula é colocada num meio hipertónico fica plasmolisada. 3
  • 4. Existe um movimento de água do vacúolo para o exterior da célula e, ao perder água, o volume diminui e o citoplasma retrai-se. Protocolo experimental Material: - Batatas; - Colher; - Balança; - Papel absorvente; - 3 Gobelés; - Faca; - Furador de rolhas; - Régua graduada; - Sacarose (açúcar); - Marcador. - Água; Modo de procedimento: 1. Em cada um dos gobelés escreveu-se, respectivamente, 5%, 20% e 30%. 2. Preparou-se três soluções de sacarose, respectivamente a 5% a 20% e a 30%. 3. Para a solução de 5% pesou-se 5 g de sacarose, colocou-se no gobelé marcado com 5% e adicionou-se 95 g de água. Agitou-se até à completa dissolução. Realizou-se processo idêntico para as soluções de 20% e 30%. 4. Cortou-se, com o furador de rolhas, três cilindros de batata já descascada. Os cilindros tinham 4 cm de altura. 5. Mediu-se o diâmetro de cada cilindro e avaliou-se o respectivo peso. Registou- se os resultados. 6. Introduziu-se um cilindro de batata em cada gobelé com solução de sacarose. 7. Deixou-se em repouso um dia. Decorrido esse tempo, em relação a cada cilindro: - retirou-se da solução e enxugou-se com papel absorvente; - observou-se o aspecto e a rigidez; - mediu-se a respectiva altura; - avaliou-se o peso final. 4
  • 5. Resultados Todos os cilindros de batata, no inicio, tinham: - 4 cm de comprimento; - 0,9 cm de diâmetro; - rigidez elevada; Solução Massa Diâmetro Comprimento Rigidez Aspecto (g) (cm) (cm) inicial após 1 dia após 1 dia após 1 dia após 1 dia após 1 dia 5% 3,13 3,19 1 4 elevada uniforme e cor + clara 20% 3,22 2,45 0,9 3,7 média muito semelhante ao inicial 30% 3,27 2,05 0,8 3,6 baixa mirrado e cor + escura - aspecto uniforme (sem deformações) e cor clara. - No cilindro de batata mergulhada na solução de sacarose a 5%, verificou-se que, após a passagem de um dia, aumentou a sua massa 0,06g e o seu diâmetro também aumentou, 0,01cm. O comprimento manteve-se igual, tal como, a rigidez que continuou elevada. Quanto ao aspecto, manteve-se sem deformações, tendo ficado com uma cor mais clara do que a inicial. - No cilindro de batata mergulhada na solução de sacarose a 20%, verificou-se que, após a passagem de um dia, diminuiu a sua massa 0,77g mas o diâmetro manteve-se igual ao inicial (0,9 cm), o comprimento, também, diminuiu 0,3 cm. A rigidez diminuiu um pouco, mas comparando com o cilindro de batata mergulhada na solução a 30%, a sua rigidez não era baixa. No aspecto não se obtiveram grandes alterações, tendo sido quase nulas as deformações verificadas, e a cor manteve-se igual à inicial. - No cilindro de batata mergulhada na solução de sacarose a 30%, verificaram-se grandes alterações, após a passagem de um dia. A massa diminuiu 1,22g, bem como o diâmetro, que passou para 0,8cm e o comprimento que reduziu para 3,6cm. A rigidez era muito baixa e, quanto ao aspecto, a batata ficou mirrada, com muitas deformações e com uma cor mais escura. 5
  • 6. Conclusão/Discussão - Os factos observados devem-se à difusão da água, a osmose. Na batata colocada na solução de sacarose a 5%, o volume aumentou pois esta foi colocada num meio hipotónico, ou seja, com já foi referido anteriormente, onde existe uma pequena concentração de soluto e uma grande concentração de solvente. Assim, ocorreu turgescência nas células, a água entrou para os vacúolos, para equilibrar as concentrações de soluto e solvente dentro e fora da célula, e este aumentou o volume, comprimindo o citoplasma e o núcleo contra a parede celular. Na solução a 20%, a massa da batata diminuiu, pois as células ficaram plasmolisadas. Existe um movimento de água do vacúolo para o exterior da célula e, ao perder água, o volume diminui e o citoplasma retrai-se, pois o meio em que as células foram colocadas era hipertónico. Mas as discrepâncias de valores não foram tão significativas quanto as verificadas no cilindro de batata colocada na solução a 30%, porque as diferenças entre as concentrações de solvente e de soluto, no meio intra e extracelular, não eram muito elevadas. As células colocadas na solução com maior percentagem tiveram grandes alterações. As mudanças aferidas devem-se, ao facto, das células terem sido colocadas num meio hipertónico e, assim, ter ocorrido a plasmólise. Para equilibrar concentrações, que deveriam ser muito diferentes, foi necessário a saída da água dos vacúolos, tendo a batata ficado com aspecto mirrado e com cor mais escura. Não existiram, nesta actividade laboratorial, soluções isotónicas. - Esses esquemas podem relacionar-se com os factos que observei na situação relativa à solução de sacarose a 20%, pois foi necessária a saída de água dos vacúolos das células para o meio extracelular, onde se encontrava uma grande concentração de sacarose (soluto) e uma menor de água (solvente), para que houvesse um equilíbrio entre essas mesmas concentrações no interior e exterior da célula. Ocorrendo, desta forma, a plasmólise. - Quando se prepara uma salada de alface só se coloca o sal na ocasião em que vai ser utilizada, pois se for colocada com alguma antecedência, vai dar tempo para que saia água das células para equilibrar as soluções, que devido ao sal existe uma maior concentração de soluto no meio extracelular. Dá-se a plasmólise, assim, e como verificámos, ao perder água, o volume diminui e o citoplasma retrai-se, acabando por murchar as folhas de alface. Tal efeito acontece, também, quando se prepara uma salada de fruta e se coloca açúcar. 6
  • 7. Bibliografia Http://www.externatobenedita.net/grupos/biologia/trabalhos/professores/paula_castelh ano/Relat%C3%B3rios_WriterPortable_1_Fase/Osmose_Batata1.pdf Dias da Siva, Amparo; Gramaxo, Fernanda; Mesquita, Almira; e outros; “Terra, universo e vida” Biologia 10º ano; Porto editora, Porto, 2008 7