SlideShare uma empresa Scribd logo

Power point "Frei Luís de Sousa"

G
gracacruz

O documento descreve a estrutura e elementos principais da peça Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett. Cada ato contém uma exposição no início estabelecendo o contexto, um conflito central, e um desenlace no final. A ação segue a família de Manuel de Sousa Coutinho e explora temas como o destino, superstições e lealdades divididas.

1 de 30
Baixar para ler offline
INTERAÇÕESINTERAÇÕES
Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
• ESTRUTURA
• Externa: Frei Luís de
Sousa apresenta-se
dividido em 3 atos com
12, 15 e 12 cenas,
respetivamente.
• Interna: exposição,
conflito e desenlace.
Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa
Interações – 11.º Ano
Cada ato em Frei Luís de Sousa contém uma
exposição.
Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa
Interações – 11.º Ano
Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa
• No primeiro ato, a Exposição desenrola-se nas
primeiras 4 cenas: o leitor/espetador tem acesso
ao contexto em que decorrerá a ação
dramática, aos antecedentes da ação e ao
passado das personagens.
• No segundo ato, a Exposição decorre nas 3
primeiras cenas: o que se passou depois de
terem saído de casa após o incêndio.
• No terceiro ato, a Exposição corresponde à
primeira cena: a decisão de entrada para o
convento como solução para o conflito.
Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa
Cada ato em Frei Luís de Sousa contém um
Conflito.
• No primeiro ato, o Conflito decorre da quinta à oitava
cena: à intenção dos governadores de Lisboa se
mudarem para Almada, ocupando a casa de D.
Manuel de Sousa Coutinho que decide incendiar o
palácio para impedir que tal aconteça.
• No segundo ato, o Conflito decorre entre a quarta e a
oitava cena: D. Manuel vai a Lisboa, levando Maria
e Telmo e deixa D. Madalena sozinha com Frei
Jorge.
• No terceiro ato o Conflito decorre entre a segunda e a
nona cena: morte social das personagens e
preparação para o desenlace.
Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa
Interações – 11.º Ano

Recomendados

Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Maria Góis
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. iameliapadrao
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousananasimao
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumocolegiomb
 
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de PerdiçãoResumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de PerdiçãoAlexandre R
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoGijasilvelitz 2
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasAna Tapadas
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaAntónio Aragão
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesAntónio Fernandes
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoLurdes Augusto
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereirananasimao
 

Mais procurados (20)

Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
O resumo de Os Maias
O resumo de Os MaiasO resumo de Os Maias
O resumo de Os Maias
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de PerdiçãoResumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
 

Destaque

Destaque (6)

Frei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - TempoFrei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - Tempo
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Frei luis de sousa
Frei luis de sousaFrei luis de sousa
Frei luis de sousa
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
 

Semelhante a Power point "Frei Luís de Sousa"

Ficha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousaFicha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousaMargarida Valente
 
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSAaecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSAFranciscoBatalha1
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousaFilipe Leal
 
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfFrei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfLibnioCarvalhais1
 
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e ComunicaçãoUFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e ComunicaçãoNome Sobrenome
 
Apresentação Felizmente há Luar
Apresentação Felizmente há Luar Apresentação Felizmente há Luar
Apresentação Felizmente há Luar António Pires
 
Oexp11 ppt frei_luis_de_sousa
Oexp11 ppt frei_luis_de_sousaOexp11 ppt frei_luis_de_sousa
Oexp11 ppt frei_luis_de_sousaChristine Andrade
 
frei_luis_de_sousa-sintese.pdf
frei_luis_de_sousa-sintese.pdffrei_luis_de_sousa-sintese.pdf
frei_luis_de_sousa-sintese.pdfSusanaCoelho31
 
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett) Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett) BrunaDinis
 
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdfenc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdfFranciscoBatalha1
 
Estudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contextoEstudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contextocnlx
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Sofia Yuna
 

Semelhante a Power point "Frei Luís de Sousa" (20)

Ficha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousaFicha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousa
 
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSAaecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
 
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfFrei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
 
Espaço e tempo frei luis
Espaço e tempo frei luisEspaço e tempo frei luis
Espaço e tempo frei luis
 
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e ComunicaçãoUFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
 
Apresentação Felizmente há Luar
Apresentação Felizmente há Luar Apresentação Felizmente há Luar
Apresentação Felizmente há Luar
 
Estrutura de-frei-l-sousa
Estrutura de-frei-l-sousaEstrutura de-frei-l-sousa
Estrutura de-frei-l-sousa
 
Oexp11 ppt frei_luis_de_sousa
Oexp11 ppt frei_luis_de_sousaOexp11 ppt frei_luis_de_sousa
Oexp11 ppt frei_luis_de_sousa
 
Portugues
PortuguesPortugues
Portugues
 
frei_luis_de_sousa-sintese.pdf
frei_luis_de_sousa-sintese.pdffrei_luis_de_sousa-sintese.pdf
frei_luis_de_sousa-sintese.pdf
 
Frei Luís de Souza - 2ª A - 2011
Frei Luís de Souza  -  2ª A - 2011Frei Luís de Souza  -  2ª A - 2011
Frei Luís de Souza - 2ª A - 2011
 
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett) Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
 
Dom Juan2
Dom Juan2Dom Juan2
Dom Juan2
 
6 o sebastianismo
6  o sebastianismo6  o sebastianismo
6 o sebastianismo
 
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdfenc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
 
Estudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contextoEstudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contexto
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização
 

Mais de gracacruz

Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textualgracacruz
 
Pronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalPronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalgracacruz
 
Leitura de imagem
Leitura de imagemLeitura de imagem
Leitura de imagemgracacruz
 
O cartoon proposta didática
O cartoon   proposta didáticaO cartoon   proposta didática
O cartoon proposta didáticagracacruz
 
Lista PNL Ensino Secundário
Lista PNL  Ensino SecundárioLista PNL  Ensino Secundário
Lista PNL Ensino Secundáriogracacruz
 
Verbo principal
Verbo principalVerbo principal
Verbo principalgracacruz
 
Ligação verbo complemento
Ligação verbo  complementoLigação verbo  complemento
Ligação verbo complementogracacruz
 
Construir um cartoon instruções
Construir um cartoon   instruçõesConstruir um cartoon   instruções
Construir um cartoon instruçõesgracacruz
 
Ficha formativa poesia
Ficha formativa    poesiaFicha formativa    poesia
Ficha formativa poesiagracacruz
 
Guião visionamento de filme
Guião visionamento de filmeGuião visionamento de filme
Guião visionamento de filmegracacruz
 
Quadro síntese "Frei Luís de Sousa"
Quadro síntese "Frei Luís de Sousa"Quadro síntese "Frei Luís de Sousa"
Quadro síntese "Frei Luís de Sousa"gracacruz
 
Quadro-síntese sobre "Frei Luís de Sousa"
Quadro-síntese  sobre "Frei Luís de Sousa"Quadro-síntese  sobre "Frei Luís de Sousa"
Quadro-síntese sobre "Frei Luís de Sousa"gracacruz
 
Estrutura do Frei_Luis_de_Sousa
Estrutura do Frei_Luis_de_SousaEstrutura do Frei_Luis_de_Sousa
Estrutura do Frei_Luis_de_Sousagracacruz
 
Plural palavras compostas
Plural palavras compostasPlural palavras compostas
Plural palavras compostasgracacruz
 
Ligação verbo complemento
Ligação verbo  complementoLigação verbo  complemento
Ligação verbo complementogracacruz
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadoresgracacruz
 
Portugal em banda desenhada
Portugal em banda desenhadaPortugal em banda desenhada
Portugal em banda desenhadagracacruz
 
Calendário escolar 2014 2015 (1)
Calendário escolar 2014 2015 (1)Calendário escolar 2014 2015 (1)
Calendário escolar 2014 2015 (1)gracacruz
 
Calendário escolar 2014 2015 (1)
Calendário escolar 2014 2015 (1)Calendário escolar 2014 2015 (1)
Calendário escolar 2014 2015 (1)gracacruz
 

Mais de gracacruz (20)

Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Pronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalPronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbal
 
Leitura de imagem
Leitura de imagemLeitura de imagem
Leitura de imagem
 
O cartoon proposta didática
O cartoon   proposta didáticaO cartoon   proposta didática
O cartoon proposta didática
 
A aia
A aiaA aia
A aia
 
Lista PNL Ensino Secundário
Lista PNL  Ensino SecundárioLista PNL  Ensino Secundário
Lista PNL Ensino Secundário
 
Verbo principal
Verbo principalVerbo principal
Verbo principal
 
Ligação verbo complemento
Ligação verbo  complementoLigação verbo  complemento
Ligação verbo complemento
 
Construir um cartoon instruções
Construir um cartoon   instruçõesConstruir um cartoon   instruções
Construir um cartoon instruções
 
Ficha formativa poesia
Ficha formativa    poesiaFicha formativa    poesia
Ficha formativa poesia
 
Guião visionamento de filme
Guião visionamento de filmeGuião visionamento de filme
Guião visionamento de filme
 
Quadro síntese "Frei Luís de Sousa"
Quadro síntese "Frei Luís de Sousa"Quadro síntese "Frei Luís de Sousa"
Quadro síntese "Frei Luís de Sousa"
 
Quadro-síntese sobre "Frei Luís de Sousa"
Quadro-síntese  sobre "Frei Luís de Sousa"Quadro-síntese  sobre "Frei Luís de Sousa"
Quadro-síntese sobre "Frei Luís de Sousa"
 
Estrutura do Frei_Luis_de_Sousa
Estrutura do Frei_Luis_de_SousaEstrutura do Frei_Luis_de_Sousa
Estrutura do Frei_Luis_de_Sousa
 
Plural palavras compostas
Plural palavras compostasPlural palavras compostas
Plural palavras compostas
 
Ligação verbo complemento
Ligação verbo  complementoLigação verbo  complemento
Ligação verbo complemento
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
 
Portugal em banda desenhada
Portugal em banda desenhadaPortugal em banda desenhada
Portugal em banda desenhada
 
Calendário escolar 2014 2015 (1)
Calendário escolar 2014 2015 (1)Calendário escolar 2014 2015 (1)
Calendário escolar 2014 2015 (1)
 
Calendário escolar 2014 2015 (1)
Calendário escolar 2014 2015 (1)Calendário escolar 2014 2015 (1)
Calendário escolar 2014 2015 (1)
 

Último

Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...azulassessoriaacadem3
 
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...apoioacademicoead
 
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Prime Assessoria
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...azulassessoriaacadem3
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Prime Assessoria
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdfCludiaFrancklim
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...apoioacademicoead
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMHisrelBlog
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioProfessor Belinaso
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...excellenceeducaciona
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...azulassessoriaacadem3
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Prime Assessoria
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...GraceDavino
 

Último (20)

Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
 
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
 

Power point "Frei Luís de Sousa"

  • 1. INTERAÇÕESINTERAÇÕES Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa
  • 2. Frei Luís de Sousa • ESTRUTURA • Externa: Frei Luís de Sousa apresenta-se dividido em 3 atos com 12, 15 e 12 cenas, respetivamente. • Interna: exposição, conflito e desenlace. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 3. Cada ato em Frei Luís de Sousa contém uma exposição. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 4. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa • No primeiro ato, a Exposição desenrola-se nas primeiras 4 cenas: o leitor/espetador tem acesso ao contexto em que decorrerá a ação dramática, aos antecedentes da ação e ao passado das personagens. • No segundo ato, a Exposição decorre nas 3 primeiras cenas: o que se passou depois de terem saído de casa após o incêndio. • No terceiro ato, a Exposição corresponde à primeira cena: a decisão de entrada para o convento como solução para o conflito.
  • 5. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Cada ato em Frei Luís de Sousa contém um Conflito.
  • 6. • No primeiro ato, o Conflito decorre da quinta à oitava cena: à intenção dos governadores de Lisboa se mudarem para Almada, ocupando a casa de D. Manuel de Sousa Coutinho que decide incendiar o palácio para impedir que tal aconteça. • No segundo ato, o Conflito decorre entre a quarta e a oitava cena: D. Manuel vai a Lisboa, levando Maria e Telmo e deixa D. Madalena sozinha com Frei Jorge. • No terceiro ato o Conflito decorre entre a segunda e a nona cena: morte social das personagens e preparação para o desenlace. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 7. Cada ato contém um Desenlace. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 8. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa • No primeiro ato, o Desenlace decorre da nona à décima segunda cena: incêndio do palácio. • No segundo ato, o Desenlace decorre entra a nona e a décima quinta cena: chegada de um romeiro com notícias perturbadoras – reconhecimento de D. João de Portugal nessa figura. • No terceiro ato, o Desenlace decorre entre a décima e a décima segunda cena: morte física de Maria e morte social dos seus pais.
  • 9. AÇÃO • Constitui-se no drama que se abate sobre a família de Manuel de Sousa Coutinho casado com e D. Madalena de Vilhena (viúva de D. João de Portugal) de quem tem uma filha. • D. Madalena pressente que a sua felicidade e harmonia familiar podem estar em perigo, sendo disso prenunciador os versos d'Os Lusíadas: “Naquele engano d’alma ledo e cego, /Que a fortuna não deixa durar muito...” Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 10. • O incêndio no final do ato I permite uma mudança dos acontecimentos e já na antiga casa de D. Madalena e de D. João de Portugal, a ação atinge o seu Clímax, proporcionando ao Romeiro a possibilidade de reconhecer a sua antiga casa e de se identificar a Frei Jorge. • Os presságios da desgraça iminente sucedem-se e tudo se conjuga para um desfecho dramático: morte física de Maria e a morte para o mundo de Manuel e Madalena. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 11. PERSONAGENS Todas as personagens têm um relevo significativo. As relações entre pais, e pais e filha, entre o aio (figura tutelar) e os seus amos e a relação fraterna com Frei Jorge. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 12. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa •D. Madalena de Vilhena foi casada com D. João de Portugal e tinha 17 anos quando este desapareceu na batalha de Alcácer Quibir, junto com D. Sebastião. Foi procurado intensamente durante 7 anos. •Casou-se ao fim desse tempo com D. Manuel de Sousa Coutinho, com quem vive há catorze anos. É uma mulher bela, de grande caráter, que pressente que a sua felicidade é efémera, e que está predestinada à tragédia.
  • 13. • Teme inconscientemente a vinda de D. João de Portugal, que nunca foi encontrado morto ou vivo. Fica transtornada quando se vê confrontada com a necessidade de voltar para o antigo palácio onde viveu com o seu primeiro marido. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 14. • D. Manuel de Sousa Coutinho é um nobre e honrado fidalgo, que incendeia a sua própria casa para impedir que nela se instalem os governadores que querem fugir à peste que então grassava em Lisboa. • Racional, equilibrado e sereno é dominado pelos sentimentos quando se preocupa com a doença da filha. É um bom pai e um bom marido (será Frei Luís de Sousa quando entra para o convento). Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 15. • Maria de Noronha tem 13 anos, é uma menina bela e frágil que sofre de tuberculose (incurável na época), que acredita que D. Sebastião regressará para pôr fim ao domínio Filipino. • Revela-se muito curiosa e pressente que pode ser filha ilegítima. É em Maria que recai o desenlace trágico. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 16. • Telmo Pais é um velho criado, confidente privilegiado, que se caracteriza pela lealdade, pela fidelidade e pelo grande amor que tem a Maria que viu crescer. • Nunca acreditou na morte do seu antigo amo, D. João de Portugal. • No fim, acaba por trair um pouco a lealdade de escudeiro para com D. João pelo amor que o une à filha daquele casal, D. Maria de Noronha. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 17. • Por um lado, representa o papel de coro da tragédia grega, com os seus agoiros/presságios e com os seus apartes; mas por outro, representa também o corte com o Portugal velho incarnado pela figura de D. João de Portugal, abrindo a esperança de um novo Portugal. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 18. • O Romeiro apresenta-se, inicialmente, como um peregrino da Terra Santa, mas é o próprio D. João de Portugal que os vinte anos de cativeiro transformaram num homem velho que ninguém reconhece nem mesmo o seu velho escudeiro Telmo. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 19. • Identifica-se como "Ninguém" ao defrontar-se com a impossibilidade de um lugar na vida de D. Madalena e, por conseguinte, na sociedade. • A sua existência constitui a impossibilidade da felicidade daquela família, tornando inválido o casamento de D. Madalena e ilegítimo o nascimento de Maria. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 20. • Frei Jorge Coutinho é irmão de Manuel de Sousa, é o confidente e amigo nas horas de angústia. • Desempenha um papel importante na identificação do Romeiro, que à pergunta Romeiro, quem és tu, responderá com um gesto ao indicar o quadro de D. João de Portugal, sem olhar para ele (sabendo, portanto, exatamente a localização do quadro, denunciando, deste modo, a sua verdadeira identidade). • Aconselha a entrada de D. Madalena e D. Manuel Coutinho na vida religiosa como solução para o conflito. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 21. TEMPO • A ação reporta-se ao final do século XVI, embora a descrição do cenário do Ato I se refira à "elegância" portuguesa dos princípios do século XVII. • O texto é, porém, escrito no século XIX, acontecendo a primeira representação em 1843. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 22. • A ação dramática de Frei Luís de Sousa passa-se 21 anos após a batalha de Alcácer Quibir, durante o domínio filipino, em 1599: • "A que se apega esta vossa credulidade de sete... e hoje mais catorze... vinte e um anos?" Pergunta D. Madalena a Telmo (Ato I, cena II). • "Vivemos seguros, em paz e felizes... há catorze anos" (Ato I, cena 11). Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 23. • "Faz hoje anos que... que casei a primeira vez, faz anos que se perdeu el-rei D. Sebastião, e faz também que... vi pela primeira vez a Manuel de Sousa", afirma D. Madalena (Ato II, cena X). • "Morei lá vinte anos cumpridos" (...) "faz hoje um ano... quando me libertaram", diz o Romeiro (Ato 11, cena XIV). Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 24. ESPAÇO • O ato I passa-se numa “câmara antiga com todo o luxo e caprichosa elegância do século XVII”, no palácio de Manuel de Sousa Coutinho, em Almada. Este espaço elegante pretende corresponder à felicidade e harmonia familiar que aí se vive. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 25. • O ato II acontece “no palácio que fora de D. João de Portugal, em Almada; salão antigo, de gosto melancólico e pesado, com grandes retratos de família...” As memórias do passado e soturnidade deste espaço indiciam fatalidade. • O ato III passa-se na capela, que se situa na “parte baixa do palácio de D. João de Portugal”. “É um casarão vasto sem ornato algum.” O espaço simboliza e caracteriza o mundo da espiritualidade em que os bens materiais não fazem sentido. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 26. A atmosfera • Sebastianismo (crença no regresso do monarca desaparecido e consequente libertação do domínio filipino). Telmo Pais alimenta estas crenças, e Maria mostra-se uma fervorosa partidária. Existe uma atmosfera de superstição em redor de D. Madalena. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 27. Simbologia • A leitura dos versos de Camões refere-se ao trágico fim dos amores de D. Inês de Castro que, como D. Madalena, também vivia uma felicidade aparente, quando a desgraça se abateu sobre ela e a sua família. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 28. • O tempo dos principais momentos da ação acontece num dia aziago, sexta-feira: – fim da tarde e noite (Ato I), sexta-feira, tarde (Ato II), sexta-feira, alta noite (Ato III); – D. Madalena casou-se pela primeira vez a uma sexta- feira; a uma sexta-feira viu Manuel pela primeira vez; – à sexta-feira dá-se o regresso de D. João de Portugal; a uma sexta-feira morreu D. Sebastião, vinte e um anos antes. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 29. • A numerologia parece ter sido escolhida intencionalmente: – Madalena casou 7 anos depois de D. João ter desaparecido na batalha de Alcácer Quibir; – há 14 anos que vive com Manuel de Sousa Coutinho; – a desgraça, com o aparecimento do Romeiro, sucede 21 anos depois da batalha (21 = 3 x 7). Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  • 30. – O número 7 liga-se ao ciclo lunar e representa o descanso no fim da criação. – O número 3 é o número da criação e representa o círculo perfeito e exprime o percurso da vida: nascimento, crescimento e morte. – Na crença popular o 13 indicia azar. Maria vive apenas 13 anos. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano