SlideShare uma empresa Scribd logo

Artur polónio como escrever um ensaio filosófico

1. O documento fornece instruções sobre como escrever um ensaio filosófico, discutindo o que é um ensaio filosófico, como se estrutura, e o que é avaliado. 2. É explicado que um ensaio filosófico defende uma posição sobre um problema filosófico através de argumentos, e deve ter uma introdução, corpo e conclusão. 3. No corpo, devem ser apresentados os argumentos a favor da tese, objeções a ela, e respostas às objeções.

1 de 8
Baixar para ler offline
COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO1




                                      Artur Polónio
                           CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA
                          SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA




       Índice


    1. O que é um ensaio filosófico?
    2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um
       ensaio?
    3. Como escolher o título do ensaio?
    4. Como se prepara um ensaio?
    5. Como se deve estruturar um ensaio?
    6. O que se avalia num ensaio?
    7. Como se classifica um ensaio?




1
  A versão original deste texto é da autoria de Aires Almeida. Posteriormente, essa versão foi
discutida por um grupo de colegas e enriquecida com algumas alterações. Tive o privilégio de
integrar o grupo que discutiu a versão original, e tive oportunidade de sugerir algumas dessas
alterações. A versão que agora se apresenta propõe ainda outras, algumas das quais modificam
substancialmente o texto original. Assim, devo começar por expressar a Aires Almeida e a todos
os colegas que participaram na discussão, muito especialmente a António Paulo Costa e a Pedro
Madeira, os meus agradecimentos. Os erros da versão actual são da minha responsabilidade.
Como leituras complementares, ver James Pryor, «Como se escreve um ensaio de filosofia?»,
http://www.criticanarede.com, e Anthony Weston, A Arte de Argumentar, Lisboa, Gradiva, 1996.
www.cef-spf.org
                           COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO


    1. O que é um ensaio filosófico?


    Um ensaio filosófico é um texto argumentativo em que se defende uma
posição sobre um determinado problema filosófico. Uma vez que a melhor
maneira de formular um problema é fazer uma pergunta, o objectivo de um
ensaio filosófico é responder a uma pergunta e defender essa resposta, ofere-
cendo argumentos e refutando as objecções.




    2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um
ensaio?


    Um ensaio deve mostrar que o seu autor sabe relacionar o problema com
as teorias e argumentos em causa. É por isso que um ensaio deve ter a forma
de resposta a uma pergunta. A essa pergunta há-de ser possível responder
com um «sim» ou com um «não», procurando o estudante, em seguida, ava-
liar criticamente os principais argumentos em confronto, de modo a tomar uma
posição pessoal na disputa.
    Num ensaio, o estudante não pode limitar-se a dar a sua opinião. Tem
também de avançar com argumentos e de responder aos argumentos contrá-
rios. Caso não lhe pareça possível defender uma das partes, deverá dizer, ain-
da assim, porquê.




    3. Como escolher o título do ensaio?


    A melhor maneira de intitular o ensaio é apresentar o mais claramente pos-
sível o problema que se vai tratar. E a melhor maneira de o fazer é colocar
uma pergunta.


    Exemplos de títulos de ensaios podem ser:




CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA                                           2
SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA
www.cef-spf.org
                           COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO


    «Será que os animais têm direitos?»
    «É a existência do mal compatível com a existência de Deus?»
    «Terá a lógica lugar na filosofia?»
    «Deveremos avaliar uma acção unicamente em função das suas conse-
    quências?»
    «Será que todas as obras de arte expressam sentimentos?»


    Títulos como


    «Os direitos dos animais»
    «Deus e o mal»
    «A lógica filosófica»
    «O consequencialismo»
    «A arte e a expressão de sentimentos»


embora possam ser adequados em ensaios mais longos e abrangentes, devem
aqui ser evitados, pois não parecem obrigar os seus autores a tomar posição
nem a ser críticos e argumentativos.




    4. Como se prepara um ensaio?


    Leia criticamente os textos indicados pelo professor, e que tratam do tema
proposto. Nessa leitura, deve procurar identificar as teses em confronto e os
argumentos que as sustentam. Deve ainda procurar assegurar-se de que com-
preende correctamente o que está em causa.
    Uma boa ideia é discutir os problemas e os argumentos com os outros. Fre-
quentemente, isso dar-lhe-á uma ideia mais clara da complexidade dos pro-
blemas e da força dos argumentos.
    Uma vez feita a leitura crítica dos textos e os problemas discutidos, deve
fazer um rascunho. Qual a tese a defender? Que argumentos apresentar, e por
que ordem? Quais as objecções a discutir, e quando? O que se pretende intro-


CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA                                           3
SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA
www.cef-spf.org
                           COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO


duzir pressupõe uma discussão anterior? Tenha em mente que a clareza do
seu ensaio depende em grande parte da sua estrutura; por isso, é importante
começar por determinar o que se propõe fazer e como fazê-lo.




    5. Como se deve estruturar um ensaio?


    Habitualmente, um ensaio tem três partes: a introdução, o corpo do ensaio
e a conclusão. Das regras a seguir indicadas, 1, 2 e 3 aplicam-se à introdução;
4 a 8 ao corpo do ensaio; e 9 à conclusão. Se tudo correr bem, as conclusões
que vai tirar em 9 irão ao encontro do que começou por dizer em 1 e 2.
    Tenha em mente que, num ensaio, apesar da introdução ser a primeira coi-
sa que se lê, é geralmente a última a ser escrita; isto porque só depois da
redacção final é possível ter uma visão de conjunto do ensaio.
    O ensaio deve estruturado de acordo com as seguintes nove regras:


    1. Formule o problema
    2. Diga qual o objectivo do ensaio
    3. Mostre a importância do problema
    4. Identifique as principais teses concorrentes
    5. Apresente a tese que quer defender
    6. Apresente os argumentos a favor dessa proposição
    7. Apresente as principais objecções ao que acabou de ser defendido
    8. Responda às objecções
    9. Tire as suas conclusões


    Formule o problema. Deve começar pelo problema. Mas, muitas vezes,
não basta formular o mais claramente possível o problema para as coisas fica-
rem completamente claras e não haver margem para dúvidas ou ambiguida-
des. Se, por exemplo, se pergunta se os animais têm direitos, é preciso dizer
exactamente que direitos tem em mente e dar exemplos concretos; deve




CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA                                            4
SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA
www.cef-spf.org
                           COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO


igualmente deixar bem claro se está a referir-se a todos os animais — incluin-
do os piolhos e as baratas — ou só a alguns.
    Diga qual o objectivo do ensaio. Um ensaio pode ter diferentes objecti-
vos. Se o seu objectivo é oferecer razões para acreditar numa determinada
tese, então deve dizer que é isso o que vai procurar fazer. Um erro frequente,
ao escrever um ensaio, é não saber exactamente qual o objectivo que se tem
em mente, ao fazê-lo; se não sabemos onde queremos chegar, dificilmente
saberemos que caminho escolher. O resultado disto é, frequentemente, um
ensaio repleto de afirmações vagas e inadequadamente defendidas. Um objec-
tivo claramente definido é mais do que meio caminho andado para um ensaio
bem estruturado.
    Mostre a importância do problema. Deve procurar mostrar por que
razão é importante que nos ocupemos do problema de que se ocupa. Uma
maneira de fazer isso é mostrar o que estaríamos a perder se não o fizésse-
mos. Suponhamos, por exemplo, que se pergunta se a lógica formal tem lugar
na filosofia. Por que razão devemos ocupar-nos disso? Se escolheu ocupar-se
desse problema, é porque o considera importante; nesse caso, sua resposta
deve mostrar, por exemplo, que, se não nos preocupássemos com a forma do
raciocínio, não só nos arriscaríamos a cometer erros de raciocínio, mas tam-
bém a não compreender os raciocínios dos outros.
    Identifique as principais teses concorrentes. Aqui deve, muito breve-
mente, apresentar as teses mais conhecidas que respondem a esse problema.
Se, por exemplo, se pergunta se as nossas acções são boas ou más apenas em
função das suas consequências, deve dizer que há duas teorias principais con-
correntes — o consequencialismo e o deontologismo — e o que defende cada
uma delas.
    Apresente a tese que pretende defender. Neste momento, deve apre-
sentar a sua posição. Isso deve ser feito mostrando qual é a proposição que irá
ser defendida. Por exemplo, em relação ao problema de saber se a existência
do mal é compatível com a existência de Deus, e caso a sua resposta seja
afirmativa, pode tornar clara a sua posição começando por dizer que defende a
proposição expressa pela frase «Deus existe, apesar de existir o mal no mun-


CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA                                            5
SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA
www.cef-spf.org
                            COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO


do», e explicar sucintamente o que isso significa. Em certos casos, é possível e
desejável apresentar exemplos do tipo de ideias que quer defender.
      Apresente os argumentos a favor dessa proposição. Deve apresentar
cuidadosamente os argumentos a favor da proposição que quer defender. Pode
haver vários argumentos. Alguns podem até ser argumentos tradicionais, dis-
cutidos por alguns dos mais conhecidos filósofos. Nesse caso, deve concentrar-
se apenas nos dois ou três que lhe parecem ser os mais fortes2 e expô-los por
palavras suas, tentando mostrar que são válidos e que as suas premissas são
verdadeiras ou, pelo menos, plausíveis. Um erro a evitar é, aqui, é pensar que
não há necessidade de muita argumentação para defender uma proposição que
é, para nós, evidente: afinal, já a aceitamos. Mas, muitas vezes, temos ten-
dência a sobrestimar as nossas convicções. Assim, devemos partir do princípio
de que o leitor — ainda — não aceita a nossa posição, e pensar o ensaio como
uma tentativa de o persuadir.
      Apresente as principais objecções ao que acabou de ser defendido.
Presentemente, deve enfrentar as principais objecções aos seus argumentos,
quer indicando possíveis contra-exemplos ao que é afirmado em alguma das
premissas, quer disputando a sua plausibilidade, quer questionando a validade
dos próprios argumentos. Deve procurar as objecções que lhe parecem mais
fortes e não escolher apenas as mais fracas e fáceis de responder. Nesta parte,
deve apoiar-se nas leituras que lhe foram previamente recomendadas. Deve,
também aqui, apresentar as objecções por palavras suas, e não limitar-se a
citar os autores consultados, pois só assim mostra compreender o que escreve.
      Responda às objecções. Uma vez apresentadas as objecções à sua tese,
deve dizer o que há de errado com elas, ou como lhes responder.
      Tire as suas conclusões. Finalmente, deve resumir muito brevemente o
seu argumento principal e expor as suas dúvidas, caso existam. Mesmo que se
incline mais para uma das respostas concorrentes, não deve hesitar em apre-
sentar os seus pontos fracos. Se lhe parecer haver razões para não tomar
posição na disputa, deve, ainda assim, apresentar essas razões. Note que, na



2
    Deve ter em mente que nenhum argumento é mais forte do que a sua premissa mais fraca.

CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA                                                           6
SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA

Recomendados

Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesIsabel Moura
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresInesTeixeiraDuarte
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesElisabete Silva
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b finalj_sdias
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informaisIsabel Moura
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesDaniel Sousa
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumocolegiomb
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesJoana Filipa Rodrigues
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas Paulo Gomes
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvjIsabel Moura
 
livro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdflivro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdfInesVieiraAluno
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Jorge Barbosa
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)InesTeixeiraDuarte
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaFernanda Monteiro
 

Mais procurados (20)

Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Canto viii 96_99
Canto viii 96_99Canto viii 96_99
Canto viii 96_99
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
 
livro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdflivro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdf
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Objeções_Hume
Objeções_HumeObjeções_Hume
Objeções_Hume
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 

Semelhante a Artur polónio como escrever um ensaio filosófico

Dissertação i
Dissertação iDissertação i
Dissertação iPaula Gali
 
Como se faz uma tese :: Umberto Eco
Como se faz uma tese :: Umberto EcoComo se faz uma tese :: Umberto Eco
Como se faz uma tese :: Umberto EcoAndré Camargo
 
Como escrever um ensaio filosófico.pdf
Como escrever um ensaio filosófico.pdfComo escrever um ensaio filosófico.pdf
Como escrever um ensaio filosófico.pdfMaria Da Guia Fonseca
 
"Como se faz uma Tese" - de Umberto Eco
"Como se faz uma Tese" - de Umberto Eco"Como se faz uma Tese" - de Umberto Eco
"Como se faz uma Tese" - de Umberto EcoAndré Camargo Costa
 
Dissertação expositiva e argumentativa
Dissertação expositiva e argumentativaDissertação expositiva e argumentativa
Dissertação expositiva e argumentativatali_vini
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioAdriele Leal
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo7 de Setembro
 
Produção de texto dissertação psicologia
Produção de texto   dissertação psicologiaProdução de texto   dissertação psicologia
Produção de texto dissertação psicologiaabenisia Gouveia da Silva
 
2 características da dissertação 9º ano 2009
2 características da dissertação    9º ano 20092 características da dissertação    9º ano 2009
2 características da dissertação 9º ano 2009Cristiane Paula Czepak Cris
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo7 de Setembro
 
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxDissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxBerlaPaiva
 

Semelhante a Artur polónio como escrever um ensaio filosófico (20)

Plano de aula dissertaçao
Plano de aula   dissertaçaoPlano de aula   dissertaçao
Plano de aula dissertaçao
 
Dissertação i
Dissertação iDissertação i
Dissertação i
 
Como se faz uma tese :: Umberto Eco
Como se faz uma tese :: Umberto EcoComo se faz uma tese :: Umberto Eco
Como se faz uma tese :: Umberto Eco
 
Como escrever um ensaio filosófico.pdf
Como escrever um ensaio filosófico.pdfComo escrever um ensaio filosófico.pdf
Como escrever um ensaio filosófico.pdf
 
"Como se faz uma Tese" - de Umberto Eco
"Como se faz uma Tese" - de Umberto Eco"Como se faz uma Tese" - de Umberto Eco
"Como se faz uma Tese" - de Umberto Eco
 
Dissertaçao
DissertaçaoDissertaçao
Dissertaçao
 
Como estudar
 Como estudar Como estudar
Como estudar
 
Filosofia e debate
Filosofia e debateFilosofia e debate
Filosofia e debate
 
Dissertação expositiva e argumentativa
Dissertação expositiva e argumentativaDissertação expositiva e argumentativa
Dissertação expositiva e argumentativa
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaio
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
 
Produção de texto dissertação psicologia
Produção de texto   dissertação psicologiaProdução de texto   dissertação psicologia
Produção de texto dissertação psicologia
 
Introdução aula 4
Introdução   aula 4Introdução   aula 4
Introdução aula 4
 
2 características da dissertação 9º ano 2009
2 características da dissertação    9º ano 20092 características da dissertação    9º ano 2009
2 características da dissertação 9º ano 2009
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
 
Aula dissertação
Aula dissertaçãoAula dissertação
Aula dissertação
 
Como escrever dissertações
Como escrever dissertaçõesComo escrever dissertações
Como escrever dissertações
 
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxDissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
 
A estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativoA estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativo
 
Filosofia 10. ano
Filosofia   10. anoFilosofia   10. ano
Filosofia 10. ano
 

Mais de Rolando Almeida

Mais de Rolando Almeida (18)

Programa pensamento critico
Programa pensamento criticoPrograma pensamento critico
Programa pensamento critico
 
Peter kivy its only music so whats to understand
Peter kivy   its only music so whats to understandPeter kivy   its only music so whats to understand
Peter kivy its only music so whats to understand
 
Filosofia es book
Filosofia es bookFilosofia es book
Filosofia es book
 
Enoções
EnoçõesEnoções
Enoções
 
Processos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos ConativosProcessos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos Conativos
 
A CiêNcia Das Boas DecisõEs VisãO Fev 2010
A CiêNcia Das Boas DecisõEs   VisãO   Fev 2010A CiêNcia Das Boas DecisõEs   VisãO   Fev 2010
A CiêNcia Das Boas DecisõEs VisãO Fev 2010
 
A Memoria
A MemoriaA Memoria
A Memoria
 
O Processo Perceptivo 93 2007
O Processo Perceptivo 93 2007O Processo Perceptivo 93 2007
O Processo Perceptivo 93 2007
 
Aprendizagem 12º3
Aprendizagem 12º3Aprendizagem 12º3
Aprendizagem 12º3
 
As RelaçõEs Precoces
As RelaçõEs PrecocesAs RelaçõEs Precoces
As RelaçõEs Precoces
 
RelaçOes Interpessoais
RelaçOes InterpessoaisRelaçOes Interpessoais
RelaçOes Interpessoais
 
RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs Interpessoais
 
Relações Precoces
Relações PrecocesRelações Precoces
Relações Precoces
 
Licenciados Numa áRea A Trabalhar Noutra
Licenciados Numa áRea A Trabalhar NoutraLicenciados Numa áRea A Trabalhar Noutra
Licenciados Numa áRea A Trabalhar Noutra
 
Conação
ConaçãoConação
Conação
 
Preconceito Mulher Cigana
Preconceito   Mulher CiganaPreconceito   Mulher Cigana
Preconceito Mulher Cigana
 
Preconceito
PreconceitoPreconceito
Preconceito
 
Autoridade
AutoridadeAutoridade
Autoridade
 

Artur polónio como escrever um ensaio filosófico

  • 1. COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO1 Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA Índice 1. O que é um ensaio filosófico? 2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um ensaio? 3. Como escolher o título do ensaio? 4. Como se prepara um ensaio? 5. Como se deve estruturar um ensaio? 6. O que se avalia num ensaio? 7. Como se classifica um ensaio? 1 A versão original deste texto é da autoria de Aires Almeida. Posteriormente, essa versão foi discutida por um grupo de colegas e enriquecida com algumas alterações. Tive o privilégio de integrar o grupo que discutiu a versão original, e tive oportunidade de sugerir algumas dessas alterações. A versão que agora se apresenta propõe ainda outras, algumas das quais modificam substancialmente o texto original. Assim, devo começar por expressar a Aires Almeida e a todos os colegas que participaram na discussão, muito especialmente a António Paulo Costa e a Pedro Madeira, os meus agradecimentos. Os erros da versão actual são da minha responsabilidade. Como leituras complementares, ver James Pryor, «Como se escreve um ensaio de filosofia?», http://www.criticanarede.com, e Anthony Weston, A Arte de Argumentar, Lisboa, Gradiva, 1996.
  • 2. www.cef-spf.org COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. O que é um ensaio filosófico? Um ensaio filosófico é um texto argumentativo em que se defende uma posição sobre um determinado problema filosófico. Uma vez que a melhor maneira de formular um problema é fazer uma pergunta, o objectivo de um ensaio filosófico é responder a uma pergunta e defender essa resposta, ofere- cendo argumentos e refutando as objecções. 2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um ensaio? Um ensaio deve mostrar que o seu autor sabe relacionar o problema com as teorias e argumentos em causa. É por isso que um ensaio deve ter a forma de resposta a uma pergunta. A essa pergunta há-de ser possível responder com um «sim» ou com um «não», procurando o estudante, em seguida, ava- liar criticamente os principais argumentos em confronto, de modo a tomar uma posição pessoal na disputa. Num ensaio, o estudante não pode limitar-se a dar a sua opinião. Tem também de avançar com argumentos e de responder aos argumentos contrá- rios. Caso não lhe pareça possível defender uma das partes, deverá dizer, ain- da assim, porquê. 3. Como escolher o título do ensaio? A melhor maneira de intitular o ensaio é apresentar o mais claramente pos- sível o problema que se vai tratar. E a melhor maneira de o fazer é colocar uma pergunta. Exemplos de títulos de ensaios podem ser: CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA 2 SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA
  • 3. www.cef-spf.org COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO «Será que os animais têm direitos?» «É a existência do mal compatível com a existência de Deus?» «Terá a lógica lugar na filosofia?» «Deveremos avaliar uma acção unicamente em função das suas conse- quências?» «Será que todas as obras de arte expressam sentimentos?» Títulos como «Os direitos dos animais» «Deus e o mal» «A lógica filosófica» «O consequencialismo» «A arte e a expressão de sentimentos» embora possam ser adequados em ensaios mais longos e abrangentes, devem aqui ser evitados, pois não parecem obrigar os seus autores a tomar posição nem a ser críticos e argumentativos. 4. Como se prepara um ensaio? Leia criticamente os textos indicados pelo professor, e que tratam do tema proposto. Nessa leitura, deve procurar identificar as teses em confronto e os argumentos que as sustentam. Deve ainda procurar assegurar-se de que com- preende correctamente o que está em causa. Uma boa ideia é discutir os problemas e os argumentos com os outros. Fre- quentemente, isso dar-lhe-á uma ideia mais clara da complexidade dos pro- blemas e da força dos argumentos. Uma vez feita a leitura crítica dos textos e os problemas discutidos, deve fazer um rascunho. Qual a tese a defender? Que argumentos apresentar, e por que ordem? Quais as objecções a discutir, e quando? O que se pretende intro- CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA 3 SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA
  • 4. www.cef-spf.org COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO duzir pressupõe uma discussão anterior? Tenha em mente que a clareza do seu ensaio depende em grande parte da sua estrutura; por isso, é importante começar por determinar o que se propõe fazer e como fazê-lo. 5. Como se deve estruturar um ensaio? Habitualmente, um ensaio tem três partes: a introdução, o corpo do ensaio e a conclusão. Das regras a seguir indicadas, 1, 2 e 3 aplicam-se à introdução; 4 a 8 ao corpo do ensaio; e 9 à conclusão. Se tudo correr bem, as conclusões que vai tirar em 9 irão ao encontro do que começou por dizer em 1 e 2. Tenha em mente que, num ensaio, apesar da introdução ser a primeira coi- sa que se lê, é geralmente a última a ser escrita; isto porque só depois da redacção final é possível ter uma visão de conjunto do ensaio. O ensaio deve estruturado de acordo com as seguintes nove regras: 1. Formule o problema 2. Diga qual o objectivo do ensaio 3. Mostre a importância do problema 4. Identifique as principais teses concorrentes 5. Apresente a tese que quer defender 6. Apresente os argumentos a favor dessa proposição 7. Apresente as principais objecções ao que acabou de ser defendido 8. Responda às objecções 9. Tire as suas conclusões Formule o problema. Deve começar pelo problema. Mas, muitas vezes, não basta formular o mais claramente possível o problema para as coisas fica- rem completamente claras e não haver margem para dúvidas ou ambiguida- des. Se, por exemplo, se pergunta se os animais têm direitos, é preciso dizer exactamente que direitos tem em mente e dar exemplos concretos; deve CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA 4 SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA
  • 5. www.cef-spf.org COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO igualmente deixar bem claro se está a referir-se a todos os animais — incluin- do os piolhos e as baratas — ou só a alguns. Diga qual o objectivo do ensaio. Um ensaio pode ter diferentes objecti- vos. Se o seu objectivo é oferecer razões para acreditar numa determinada tese, então deve dizer que é isso o que vai procurar fazer. Um erro frequente, ao escrever um ensaio, é não saber exactamente qual o objectivo que se tem em mente, ao fazê-lo; se não sabemos onde queremos chegar, dificilmente saberemos que caminho escolher. O resultado disto é, frequentemente, um ensaio repleto de afirmações vagas e inadequadamente defendidas. Um objec- tivo claramente definido é mais do que meio caminho andado para um ensaio bem estruturado. Mostre a importância do problema. Deve procurar mostrar por que razão é importante que nos ocupemos do problema de que se ocupa. Uma maneira de fazer isso é mostrar o que estaríamos a perder se não o fizésse- mos. Suponhamos, por exemplo, que se pergunta se a lógica formal tem lugar na filosofia. Por que razão devemos ocupar-nos disso? Se escolheu ocupar-se desse problema, é porque o considera importante; nesse caso, sua resposta deve mostrar, por exemplo, que, se não nos preocupássemos com a forma do raciocínio, não só nos arriscaríamos a cometer erros de raciocínio, mas tam- bém a não compreender os raciocínios dos outros. Identifique as principais teses concorrentes. Aqui deve, muito breve- mente, apresentar as teses mais conhecidas que respondem a esse problema. Se, por exemplo, se pergunta se as nossas acções são boas ou más apenas em função das suas consequências, deve dizer que há duas teorias principais con- correntes — o consequencialismo e o deontologismo — e o que defende cada uma delas. Apresente a tese que pretende defender. Neste momento, deve apre- sentar a sua posição. Isso deve ser feito mostrando qual é a proposição que irá ser defendida. Por exemplo, em relação ao problema de saber se a existência do mal é compatível com a existência de Deus, e caso a sua resposta seja afirmativa, pode tornar clara a sua posição começando por dizer que defende a proposição expressa pela frase «Deus existe, apesar de existir o mal no mun- CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA 5 SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA
  • 6. www.cef-spf.org COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO do», e explicar sucintamente o que isso significa. Em certos casos, é possível e desejável apresentar exemplos do tipo de ideias que quer defender. Apresente os argumentos a favor dessa proposição. Deve apresentar cuidadosamente os argumentos a favor da proposição que quer defender. Pode haver vários argumentos. Alguns podem até ser argumentos tradicionais, dis- cutidos por alguns dos mais conhecidos filósofos. Nesse caso, deve concentrar- se apenas nos dois ou três que lhe parecem ser os mais fortes2 e expô-los por palavras suas, tentando mostrar que são válidos e que as suas premissas são verdadeiras ou, pelo menos, plausíveis. Um erro a evitar é, aqui, é pensar que não há necessidade de muita argumentação para defender uma proposição que é, para nós, evidente: afinal, já a aceitamos. Mas, muitas vezes, temos ten- dência a sobrestimar as nossas convicções. Assim, devemos partir do princípio de que o leitor — ainda — não aceita a nossa posição, e pensar o ensaio como uma tentativa de o persuadir. Apresente as principais objecções ao que acabou de ser defendido. Presentemente, deve enfrentar as principais objecções aos seus argumentos, quer indicando possíveis contra-exemplos ao que é afirmado em alguma das premissas, quer disputando a sua plausibilidade, quer questionando a validade dos próprios argumentos. Deve procurar as objecções que lhe parecem mais fortes e não escolher apenas as mais fracas e fáceis de responder. Nesta parte, deve apoiar-se nas leituras que lhe foram previamente recomendadas. Deve, também aqui, apresentar as objecções por palavras suas, e não limitar-se a citar os autores consultados, pois só assim mostra compreender o que escreve. Responda às objecções. Uma vez apresentadas as objecções à sua tese, deve dizer o que há de errado com elas, ou como lhes responder. Tire as suas conclusões. Finalmente, deve resumir muito brevemente o seu argumento principal e expor as suas dúvidas, caso existam. Mesmo que se incline mais para uma das respostas concorrentes, não deve hesitar em apre- sentar os seus pontos fracos. Se lhe parecer haver razões para não tomar posição na disputa, deve, ainda assim, apresentar essas razões. Note que, na 2 Deve ter em mente que nenhum argumento é mais forte do que a sua premissa mais fraca. CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA 6 SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA
  • 7. www.cef-spf.org COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO conclusão, não deve apresentar seja o que for que não tenha sido dito ante- riormente. 6. O que se avalia num ensaio? Note que a avaliação que o seu professor fará do seu ensaio em nada depende do facto de concordar ou não com a conclusão a que você chega. Se você pretende defender, por exemplo, que Deus existe, apesar de existir o mal, a avaliação do seu ensaio em nada depende do facto de o seu professor ser ou não ser ateu. É possível que não estejamos de acordo quanto ao que seria a melhor solução para o problema que começou por colocar, mas não é difícil que nos ponhamos de acordo sobre se a maneira como chega à solução a que chega é correcta ou não. Mais especificamente, ao avaliar o seu ensaio o professor pergunta: 1. O problema está correctamente formulado? 2. A importância do problema é mostrada? 3. As principais teses concorrentes são apresentadas? 4. A tese que se pretende defender é óbvia para o leitor? 5. Os argumentos apresentados são bons e não há falácias evidentes? 6. As principais objecções são apresentadas? 7. As objecções apresentadas são refutadas? 8. As conclusões seguem-se efectivamente das premissas? Além dessas, há mais duas questões a que o seu professor procurará res- ponder: 9. A prosa é fácil de ler e de compreender? 10.As ideias são apresentadas de forma pessoal? CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA 7 SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA
  • 8. www.cef-spf.org COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 7. Como se classifica um ensaio? É possível que, no final, o seu ensaio satisfaça alguns critérios totalmente, alguns parcialmente e, eventualmente, não satisfaça outros. É claro que é possível argumentar que todos os critérios são importantes, mas nem todos são igualmente importantes. Poderemos observar, por exem- plo, que tornar óbvia para o leitor a tese que se pretende defender é mais importante do que estabelecer claramente a importância do problema; ou que é mais importante apresentar bons argumentos do que refutar as objecções. Mas dificilmente estaríamos de acordo quanto ao que é mais importante. Além disso, ainda que chegássemos a um sistema rigoroso de atribuição de «pesos» a cada um dos critérios, aplicá-lo poderia tornar a avaliação de um ensaio de algumas páginas uma tarefa quase impossível; sem contar que tal sistema poderia acabar por revelar-se inútil: em matéria de avaliação, não há regras infalíveis. E, por fim, não é impossível que o que de verdadeiramente impor- tante se pode dizer de um ensaio é que ele é ou muito bom, ou bom, ou satis- fatório, ou mau — ou muito mau. Para simplificar, poderemos estabelecer o seguinte: 1. Por cada um dos critérios apresentados que seja totalmente satisfeito o ensaio obterá 20 pontos; 2. Por cada um dos critérios apresentados que seja parcialmente satisfeito o ensaio obterá 10 pontos; 3. Por cada um dos critérios apresentados que não seja satisfeito o ensaio obterá 0 pontos. CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA 8 SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA