SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
CAPÍTULO I 
Sermão de Santo António aos Peixes , 
Padre António Vieira
O Conceito Predicável do sermão 
(definição) 
proposição a partir da qual se vai desenvolver “Vós sois o sal da terrato”do o raciocínio 
Quem? 
Porquê? 
Tal como o sal impede a corrupção da matéria, 
os pregadores devem impedir a corrupção das almas 
O sal cumpre a sua função? Porquê? 
Apesar de haver muitos pregadores, a terra está corrupta, 
logo, o sal, que são os pregadores, não cumpre a sua função. 
A sua função é impedir que a terra se corrompa.
A quem se atribui a responsabilidade 
da corrupção da terra? 
Pregadores e ouvintes são responsáveis pela corrupção da terra. 
Os pregadores por não pregarem a verdadeira doutrina, 
por não a viverem de acordo com aquilo que pregam 
ou por se pregarem a si mesmos e não a Cristo. 
Os ouvintes por não ouvirem a pregação, mesmo que seja verdadeira, 
por preferirem imitar a vida e não a pregação dos pregadores 
ou por cederem apenas aos seus apetites.
As razões da corrupção da terra são evidenciadas através de 
uma linguagem organizada em função de 
argumentos/provas e contra-provas. 
Que recursos de pensamento são utilizados? 
1 - analogia sal = pregadores 
2 - silogismos 
- os pregadores são o sal que 
impede a corrupção; 
- a terra está corrupta; 
Conclusão: 
os pregadores não são o verdadeiro sal
Começa por se apresentar o enunciado: 
“Ou é porque o sal não salga, 
ou porque a terra não se deixa salgar” 
Passa-se à explicitação de três 
hipóteses centradas simetricamente nos dois 
elementos, pregadores e ouvintes, resultando em três 
períodos bipartidos por ponto e vírgula, sendo a 1.ª parte 
do período correspondente Aos pregadores 
e a 2.ª aos ouvintes. 
3 - Simetrias 
ou 
paralelismos 
Assim: 
Pregadores Ouvintes 
- o sal não salga - a terra não se deixa salgar 
- não pregam a doutrina - não querem receber a doutrina 
- dizem uma coisa e fazem outra - querem imitar as acções 
- pregam-se a si - servem os seus apetites
No 2.º§ há propostas para solucionar o problema 
Razões: Propostas: 
Se o sal que não salga deve ser deitado fora 
é inútil 
Se o pregador desrespeita 
a doutrina e dá mau deve ser desprezado 
exemplo
Partindo da proposição bíblica “Vos sois o sal da terra” como é que se chega 
ao exemplo de St. António e à alegoria do sermão, pregar aos peixes? 
O sermão começa 
com o conceito 
predicável: 
O sal e os pregadores 
devem impedir a 
corrupção da terra. 
Se a terra está 
corrupta, apesar de 
haver tantos 
pregadores, 
é porque estes não 
cumprem o seu dever 
ou porque a terra não 
ouve a pregação. 
Um exemplo de auditório 
que não ouve a pregação 
são os habitantes de 
Arimino que não 
quiseram ouvir 
St. António. 
Por isso, este deixou-os 
e foi para junto do mar 
pregar aos peixes 
Comemorando o dia 
de St. António, 
o Padre António Vieira 
quer seguir 
o seu exemplo, 
e afirma ir também 
pregar aos peixes
A identificação de António Vieira com St. António 
St. António quis pregar aos homens de Arimino, 
mas como estes não o quiseram ouvir 
e até quase o atacaram, foi pregar aos peixes. 
Não desistiu da doutrina, mas mudou de auditório, 
e os peixes vieram ouvi-lo. 
Do mesmo modo, o Padre António Vieira pregava a sua doutrina 
numa terra corrompida pelos vícios, a um auditório 
que não o ouvia e que estava contra ele 
e então resolve proceder como o Santo e pregar aos peixes.
A função das frases curtas e das interrogações retóricas 
no ritmo e na entoação do sermão 
As frases curtas, maioritariamente usadas ao longo do 1.º capítulo, 
imprimem um ritmo ao mesmo tempo rápido e cadenciado 
que, combinado com as muitas interrogações retóricas, 
conduz a uma entoação viva e apelativa
A função das frases curtas e das interrogações retóricas 
no ritmo e na entoação do sermão 
As frases curtas, maioritariamente usadas ao longo do 1.º capítulo, 
imprimem um ritmo ao mesmo tempo rápido e cadenciado 
que, combinado com as muitas interrogações retóricas, 
conduz a uma entoação viva e apelativa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumocolegiomb
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesAnaGomes40
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesbeonline5
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadoresSermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadoresRenata Antunes
 
Louvor das virtudes aos peixes
Louvor das virtudes aos peixesLouvor das virtudes aos peixes
Louvor das virtudes aos peixesDina Baptista
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesCatarina Castro
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"gracacruz
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesDaniel Sousa
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particularHelena Coutinho
 
Sermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesSermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesLiliana Matos
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusIsabel Moura
 

Mais procurados (20)

Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadoresSermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
 
Louvor das virtudes aos peixes
Louvor das virtudes aos peixesLouvor das virtudes aos peixes
Louvor das virtudes aos peixes
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Sermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesSermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixes
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 

Semelhante a Sermão aos peixes cap. i

Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesJaickjustia
 
1 sermão de santo antónio aos peixes
1  sermão de santo antónio aos peixes1  sermão de santo antónio aos peixes
1 sermão de santo antónio aos peixesAntónio Fernandes
 
Sermão de stº antónio aos peixes
Sermão de stº antónio aos peixesSermão de stº antónio aos peixes
Sermão de stº antónio aos peixesCarolinamtx
 
Sermaodesantoantonioaospeixes
SermaodesantoantonioaospeixesSermaodesantoantonioaospeixes
SermaodesantoantonioaospeixesMónica Alexandra
 
Sermaodesantoantonioaospeixes
SermaodesantoantonioaospeixesSermaodesantoantonioaospeixes
Sermaodesantoantonioaospeixescamoespirata
 
Estrutura do exórdio
Estrutura do exórdioEstrutura do exórdio
Estrutura do exórdioMaria Góis
 
mpag11_sermao_sto_antonio (1).pptx
mpag11_sermao_sto_antonio (1).pptxmpag11_sermao_sto_antonio (1).pptx
mpag11_sermao_sto_antonio (1).pptxLaraRamos34
 
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulos
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulosSermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulos
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulosCristina Leitão
 
Sermão de sto antónio aos peixes resumos capítulo I ao IV
Sermão de sto antónio aos peixes resumos capítulo I ao IVSermão de sto antónio aos peixes resumos capítulo I ao IV
Sermão de sto antónio aos peixes resumos capítulo I ao IVCristina Leitão
 
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20luisprista
 
Sermodesantoantnioaospeixes
SermodesantoantnioaospeixesSermodesantoantnioaospeixes
Sermodesantoantnioaospeixesameliapadrao
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudo
Sermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudoSermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudo
Sermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudoMargarida Tomaz
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 35-36
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 35-36Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 35-36
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 35-36luisprista
 
Cap__I___analise.ppt
Cap__I___analise.pptCap__I___analise.ppt
Cap__I___analise.pptssuser7869761
 
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02Ricardo Cordeiro
 
Sermão de Santo António aos Peixes- Resumos
Sermão de Santo António aos Peixes- ResumosSermão de Santo António aos Peixes- Resumos
Sermão de Santo António aos Peixes- ResumosNome Sobrenome
 
Sermão Santo António aos Peixes Exórdio
Sermão Santo António aos Peixes ExórdioSermão Santo António aos Peixes Exórdio
Sermão Santo António aos Peixes ExórdioAlexandra Madail
 

Semelhante a Sermão aos peixes cap. i (20)

Estrutura
EstruturaEstrutura
Estrutura
 
Cap i
Cap iCap i
Cap i
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
1 sermão de santo antónio aos peixes
1  sermão de santo antónio aos peixes1  sermão de santo antónio aos peixes
1 sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de stº antónio aos peixes
Sermão de stº antónio aos peixesSermão de stº antónio aos peixes
Sermão de stº antónio aos peixes
 
Sermaodesantoantonioaospeixes
SermaodesantoantonioaospeixesSermaodesantoantonioaospeixes
Sermaodesantoantonioaospeixes
 
Sermaodesantoantonioaospeixes
SermaodesantoantonioaospeixesSermaodesantoantonioaospeixes
Sermaodesantoantonioaospeixes
 
Estrutura do exórdio
Estrutura do exórdioEstrutura do exórdio
Estrutura do exórdio
 
mpag11_sermao_sto_antonio (1).pptx
mpag11_sermao_sto_antonio (1).pptxmpag11_sermao_sto_antonio (1).pptx
mpag11_sermao_sto_antonio (1).pptx
 
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulos
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulosSermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulos
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulos
 
Sermão de sto antónio aos peixes resumos capítulo I ao IV
Sermão de sto antónio aos peixes resumos capítulo I ao IVSermão de sto antónio aos peixes resumos capítulo I ao IV
Sermão de sto antónio aos peixes resumos capítulo I ao IV
 
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20
 
Sermodesantoantnioaospeixes
SermodesantoantnioaospeixesSermodesantoantnioaospeixes
Sermodesantoantnioaospeixes
 
Sermão
SermãoSermão
Sermão
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudo
Sermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudoSermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudo
Sermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudo
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 35-36
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 35-36Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 35-36
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 35-36
 
Cap__I___analise.ppt
Cap__I___analise.pptCap__I___analise.ppt
Cap__I___analise.ppt
 
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
 
Sermão de Santo António aos Peixes- Resumos
Sermão de Santo António aos Peixes- ResumosSermão de Santo António aos Peixes- Resumos
Sermão de Santo António aos Peixes- Resumos
 
Sermão Santo António aos Peixes Exórdio
Sermão Santo António aos Peixes ExórdioSermão Santo António aos Peixes Exórdio
Sermão Santo António aos Peixes Exórdio
 

Mais de ameliapadrao

Espaco social_memorial
 Espaco social_memorial Espaco social_memorial
Espaco social_memorialameliapadrao
 
Exp12cdr ppt tempo_memorial
Exp12cdr ppt tempo_memorialExp12cdr ppt tempo_memorial
Exp12cdr ppt tempo_memorialameliapadrao
 
Exp12cdr ppt felizmente_sintese
Exp12cdr ppt felizmente_sinteseExp12cdr ppt felizmente_sintese
Exp12cdr ppt felizmente_sinteseameliapadrao
 
Exp12cdr ppt concecao messianica
Exp12cdr ppt concecao messianicaExp12cdr ppt concecao messianica
Exp12cdr ppt concecao messianicaameliapadrao
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagemameliapadrao
 
Exp12cdr ppt camoes_pessoa
Exp12cdr ppt camoes_pessoaExp12cdr ppt camoes_pessoa
Exp12cdr ppt camoes_pessoaameliapadrao
 
Exp12cdr ppt caeiro
Exp12cdr ppt caeiroExp12cdr ppt caeiro
Exp12cdr ppt caeiroameliapadrao
 
Processos fonologicos
Processos fonologicosProcessos fonologicos
Processos fonologicosameliapadrao
 
funções sintaticas
 funções sintaticas funções sintaticas
funções sintaticasameliapadrao
 
Deixis e anafora_10o
Deixis e anafora_10oDeixis e anafora_10o
Deixis e anafora_10oameliapadrao
 

Mais de ameliapadrao (20)

Espaco social_memorial
 Espaco social_memorial Espaco social_memorial
Espaco social_memorial
 
Exp12cdr ppt tempo_memorial
Exp12cdr ppt tempo_memorialExp12cdr ppt tempo_memorial
Exp12cdr ppt tempo_memorial
 
Exp12cdr ppt felizmente_sintese
Exp12cdr ppt felizmente_sinteseExp12cdr ppt felizmente_sintese
Exp12cdr ppt felizmente_sintese
 
Exp12cdr ppt concecao messianica
Exp12cdr ppt concecao messianicaExp12cdr ppt concecao messianica
Exp12cdr ppt concecao messianica
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Exp12cdr ppt camoes_pessoa
Exp12cdr ppt camoes_pessoaExp12cdr ppt camoes_pessoa
Exp12cdr ppt camoes_pessoa
 
Exp12cdr ppt caeiro
Exp12cdr ppt caeiroExp12cdr ppt caeiro
Exp12cdr ppt caeiro
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Processos fonologicos
Processos fonologicosProcessos fonologicos
Processos fonologicos
 
Episodios maias
Episodios maiasEpisodios maias
Episodios maias
 
Frei luis
Frei luisFrei luis
Frei luis
 
Frei luis
Frei luisFrei luis
Frei luis
 
Pt9 cdr relativas
Pt9 cdr relativasPt9 cdr relativas
Pt9 cdr relativas
 
P.antónio v.
P.antónio v.P.antónio v.
P.antónio v.
 
Aspeto modalidade
Aspeto modalidadeAspeto modalidade
Aspeto modalidade
 
funções sintaticas
 funções sintaticas funções sintaticas
funções sintaticas
 
La négation _8_
La négation _8_La négation _8_
La négation _8_
 
9monumentsdeparis
9monumentsdeparis9monumentsdeparis
9monumentsdeparis
 
Deixis e anafora_10o
Deixis e anafora_10oDeixis e anafora_10o
Deixis e anafora_10o
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 

Último (20)

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 

Sermão aos peixes cap. i

  • 1. CAPÍTULO I Sermão de Santo António aos Peixes , Padre António Vieira
  • 2. O Conceito Predicável do sermão (definição) proposição a partir da qual se vai desenvolver “Vós sois o sal da terrato”do o raciocínio Quem? Porquê? Tal como o sal impede a corrupção da matéria, os pregadores devem impedir a corrupção das almas O sal cumpre a sua função? Porquê? Apesar de haver muitos pregadores, a terra está corrupta, logo, o sal, que são os pregadores, não cumpre a sua função. A sua função é impedir que a terra se corrompa.
  • 3. A quem se atribui a responsabilidade da corrupção da terra? Pregadores e ouvintes são responsáveis pela corrupção da terra. Os pregadores por não pregarem a verdadeira doutrina, por não a viverem de acordo com aquilo que pregam ou por se pregarem a si mesmos e não a Cristo. Os ouvintes por não ouvirem a pregação, mesmo que seja verdadeira, por preferirem imitar a vida e não a pregação dos pregadores ou por cederem apenas aos seus apetites.
  • 4. As razões da corrupção da terra são evidenciadas através de uma linguagem organizada em função de argumentos/provas e contra-provas. Que recursos de pensamento são utilizados? 1 - analogia sal = pregadores 2 - silogismos - os pregadores são o sal que impede a corrupção; - a terra está corrupta; Conclusão: os pregadores não são o verdadeiro sal
  • 5. Começa por se apresentar o enunciado: “Ou é porque o sal não salga, ou porque a terra não se deixa salgar” Passa-se à explicitação de três hipóteses centradas simetricamente nos dois elementos, pregadores e ouvintes, resultando em três períodos bipartidos por ponto e vírgula, sendo a 1.ª parte do período correspondente Aos pregadores e a 2.ª aos ouvintes. 3 - Simetrias ou paralelismos Assim: Pregadores Ouvintes - o sal não salga - a terra não se deixa salgar - não pregam a doutrina - não querem receber a doutrina - dizem uma coisa e fazem outra - querem imitar as acções - pregam-se a si - servem os seus apetites
  • 6. No 2.º§ há propostas para solucionar o problema Razões: Propostas: Se o sal que não salga deve ser deitado fora é inútil Se o pregador desrespeita a doutrina e dá mau deve ser desprezado exemplo
  • 7. Partindo da proposição bíblica “Vos sois o sal da terra” como é que se chega ao exemplo de St. António e à alegoria do sermão, pregar aos peixes? O sermão começa com o conceito predicável: O sal e os pregadores devem impedir a corrupção da terra. Se a terra está corrupta, apesar de haver tantos pregadores, é porque estes não cumprem o seu dever ou porque a terra não ouve a pregação. Um exemplo de auditório que não ouve a pregação são os habitantes de Arimino que não quiseram ouvir St. António. Por isso, este deixou-os e foi para junto do mar pregar aos peixes Comemorando o dia de St. António, o Padre António Vieira quer seguir o seu exemplo, e afirma ir também pregar aos peixes
  • 8. A identificação de António Vieira com St. António St. António quis pregar aos homens de Arimino, mas como estes não o quiseram ouvir e até quase o atacaram, foi pregar aos peixes. Não desistiu da doutrina, mas mudou de auditório, e os peixes vieram ouvi-lo. Do mesmo modo, o Padre António Vieira pregava a sua doutrina numa terra corrompida pelos vícios, a um auditório que não o ouvia e que estava contra ele e então resolve proceder como o Santo e pregar aos peixes.
  • 9. A função das frases curtas e das interrogações retóricas no ritmo e na entoação do sermão As frases curtas, maioritariamente usadas ao longo do 1.º capítulo, imprimem um ritmo ao mesmo tempo rápido e cadenciado que, combinado com as muitas interrogações retóricas, conduz a uma entoação viva e apelativa
  • 10. A função das frases curtas e das interrogações retóricas no ritmo e na entoação do sermão As frases curtas, maioritariamente usadas ao longo do 1.º capítulo, imprimem um ritmo ao mesmo tempo rápido e cadenciado que, combinado com as muitas interrogações retóricas, conduz a uma entoação viva e apelativa