SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
Prof.Dr.Nelson Colossi
Educação Superior:
Ensino, pesquisa e extensão
UNIARP Sedepex 2015
ROTEIRO
Tema 1: Educação e Educação Superior
Tema 2: A Instituição Universitária
Tema 3: Ensino, Pesquisa e Extensão
EDUCAÇÃO E EDUCAÇÃO SUPERIOR
Tema : 1
QUESTÃO
INICIAL
O que é
Educação?
“ Educação visa a
criação,
divulgação e
disseminação do
conhecimento e
da cultura de
uma sociedade.”
“Educação é a
principal
responsável pela
elevação dos
níveis de
qualidades
morais,
espirituais
e materiais do
homem”
“Educação
constitui-se no
processo de
desenvolvimento
do ser humano,
visando a
sua integração na
sociedade em que
vive”
EDUCAÇÃO.....
..... processo de transferir
conhecimentos, cultura, valores,
ideais societários...
....visa a formação de homens e
mulheres de caráter integro,
coerentes em suas ações...
EDUCAÇÃO.....
.... com vontade própria, éticos na
busca de seus ideais, firmeza para
definir seus princípios e valores...
EDUCAÇÃO...é uma
INSTITUIÇÃO SOCIAL?
“......entidade devotada a promoção de
objetivos especiais de interesse coletivo
de um grupo ou da sociedade em geral”.
“...entidade emanada e assentada em
normas, costumes e valores consa-
grados por todos seus membros”.
“...padrões de comportamentos aceitos
como fundamentais e seguidos pelo grupo”
EDUCAÇAO....UMA INSTITUIÇÃO SOCIAL.
•“...promover ideais, princípios, valores
“... transferir conhecimentos,
cultura e ideais societários”.
9
“.... processo de desenvolvimento da personalidade,
visando a formação do homem de caráter, com
força de vontade para realizar suas potencialidades
físicas, intelectuais, morais e espirituais”
(Dicionário Houaiss)
EDUCAÇÃO...
EDUCAÇAO INTEGRALINTELECTUAL
SOCIAL
FÍSICA
EMOCIONAL
ESPIRITUAL
APRENDER A SER APRENDER A FAZER
APRENDER A APRENDER
APRENDER A EMPREENDER
APRENDER A CONVIVER
NOTA: Comissão Internacional da UNESCO
sobre Educação para o Século XXI (1999).
EDUCAÇÃO SUPERIOR....
o que é???.......para que???
“EDUCAÇÃO SUPERIOR
promove a
formação integral do
homem , habilitando-o
intelectual, social,
emocional
e profissionalmente,
para que ele conheça seu
papel na sociedade e saiba
perseguir seus mais
valiosos ideais”
FORMAR HOMENS E MULHERES DE CARÁTER
Edu
caçã
o
VONTADE-NTEGRIDADE-HONESTIDADE IDEAIS PRINCÍPIOS
1.4 -
EDUC
AÇÃO
SUPE
RIOR
FORMAR O PROFISSIONAL DE CARÁTER
....FORMAR O PROFISSIONAL DE CARATER PARA
SERVIR À SOCIEDADE NAS DIVERSAS ÁREAS DO
CONHECIMENTO HUMANO E ATUAR COM....
EDUC
AÇÃO
SUPE
RIOR:
PROC
ESSO
QUE
VISA..
.......VONTADE; INTEGRIDADE; HONESTIDADE; IDEAIS; PRINCÍPIOS;
ÉTICA; SOCIAL E ECONOLOGICAMENTE RESPONSAVEL, VALORES....
... UM SONHO, UM IDEAL
.....COMO INSTITUIÇÃO , É UM
VALOR SOCIETÁRIO
NÃO APENAS UM
STATUS
EDUCACIONAL
EDUCAÇÃO SUPERIOR É UMA
INSTITUIÇAO SOCIAL
Educaçao Superior
deve ser entendida
por sua natureza
ética e social
Educaçao superior
promove o
desenvolvimento
humano em duas
dimensões:
produtiva e valorativa
EIXO CENTRAL DE
TRANSFORMAÇÕES
DA
SOCIEDADE
FORMAÇÃO INTEGRAL DO
PROFISSIONAL
INSTITUIÇÃO UNIVERSITÁRIA
CRIAÇÃO DO
CONHECIMENTO
EDUCAÇÃO
SUPERIOR
PRODUTIVA VALORATIVA
Inovações Tecnológicas
Produtividade Construtiva
Qualidade técnica
Responsabilidade Social
Progresso
Ética e Cidadania
Política Participativa
Qualidade Social
Desenvolvimento Humano
Bem Estar
A INSTITUIÇÃO UNIVERSITÁRIA
Tema :
2
A UNIVERSIDADE é
uma
Instituição
constituida e
Organizada para
prover
EDUCAÇÃO
SUPERIOR à
sociedade.
U
N
I
V
E
R
S
I
D
A
D
E
INSTITUIÇÃO
SOCIAL
(ideal, valor,
conceito)
ORGANIZAÇÃO
(estrutura,recurso
s,gestão)
A UNIVERSIDADE .... Como uma instituição social
.... PROMOVER A CRIAÇÃO, A DIVULGAÇÃO E A DISSIMINAÇÃO DO
CONHECIMENTO........CONTRIBUIR COM O PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO
DA SOCIEDADE...... QUALIDADE DA VIDA HUMANA INDIVIDUAL E ASSOCIADA.
ENSINO
PESQUISA
CONHECIMENTO
EXTENSÃO
A INSTITUIÇÃO
UNIVERSITÁRIA
CONSTITUEM O
EIXO
CENTRAL DE
TRANSFORMAÇÃ
O
DA SOCIEDADE
A INSTITUIÇÃO UNIVERSITÁRIA,
COMO O EIXO CENTRAL DAS
TRANSFORMAÇÕES
PRODUTIVAS E VALORATIVA
DA SOCIEDADE,
DEVE COMPATIBILIZAR
TECNOLOGIA, O PROGRESSO
E O BEM ESTAR SOCIAL
ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO:
Tema :
3
3.1 - EXTENSÃO:
LDB/1996, Art. 43 ..... promover a EXTENSÃO,
aberta à participação da população, visando à
difusão da cultura e da pesquisa científica e
tecnológica geradas na instituição.
Lei 11.788/2008, Artigo 2º:
O Estágio Curricular Obrigatório poderá ser realizado
por meio de atividades de Extensão
DISPOSITIVOS LEGAIS
Artigo 207 da Constituição Federal
“As universidades gozam de autonomia didático-
científica, administrativa e de gestão financeira e
patrimonial, e obedecem ao pricípio da indissocia-
bilidade entre Ensino, Pesquisa e Extensão”
Extensão...alguns sentidos
...“uma forma direta de interação com a comunidade, com
o objetivo de intervir em suas dificuldades, através dos
conhecimentos adquiridos nos estudos”
....”conjunto de ações dirigidas à sociedade, a estimular
mudanças e melhorias na realidade societária”.
” ... oportunidade de por em prática o conhecimento adquirido em aula
e, ao mesmo tempo, enriquecer, atualizar e amadurecer o ensino”.
....“uma situação educativa, em que ambas as partes
assumem um papel cognoscitivo e, por isto, o processo
deve ser dialógico ou corre o risco de ser um instrumento
de dominação ou de invasão cultural”. (Paulo Freire)
Extensão Universitária...uma definiçao?
“....um processo educativo, que envolve ações de caráter
cientifico, cultural e artístico, voltadas para a integração
da instituição universitária, e sua efetiva participação na
sociedade, reconhecendo, em ambas, possibilidades de
aprendizagem e desenvolvimento do saber popular e
científico.”
. 1 SOUZA NETO, J.C.; ATTIKI, M.L. Extensão Universitária: Construção de
Solidariedade. S.Paulo: Expressão & Arte.
> Anos 40 – Necessidade de difundir conhecimentos
(Surgem na USP as “lições publicas” )
➢Anos 60 – Ações culturais e políticas com vistas à
formação de lideranças para atuar na sociedade
(Movimento da UNE)
➢Anos 70 – Necessidade de institucionalizar a
universidade através de cursos, conferências,
serviços, assistência, assessoria, oxigenação
(Período militar)
➢Anos 80 – Processo educativo, cultural e científico,
articulado com Ensino e Pesquisa, a viabilizar a
relação entre a universidade e a sociedade.
(Forum Nacional de Pró-Reitores de Extensão)
➢Ano 88 - O Art. 207 da Constituição ...“ princípio da
indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão”.
Breve Evolução da EXTENSÃO....
“Extensão é uma forma de interação universidade-comunidade.
É uma ponte permanente - uma via de mão dupla - em que a
Universidade leva conhecimentos e recebe informações sobre
as reais necessidades, anseios, aspirações da comunidade,
como também de seus saberes e vivências”.
(Iº Encontro Nacional de Pró-Reitores de Extensão – 1989)
PLANO NACIONAL DE EXTENSÃO UNIVERSITARIA
(conceito de Extensão)
TIPOS DE PROJETOS/PROGRAMAS
TEMÁTICAS DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO
a) Inclusão Digital: melhoria das condições de vida de
uma determinada comunidade, com ajuda da tecnologia
C) Defesa do Meio Ambiente: conscientização para
a melhoria da qualidade de vida e equilíbrio ecológico.
b) Desenvolvimento Econômico e Social: ampliação
das possibilidades de progresso econômico e social
d) Memória Cultural: preservação da memória e do patrimônio
histórico-cultural da comunidade, das tradições e registro de experiências
e) Produção Artística: eventos artísticos de várias habilidades
nos diversos campos da experiência e da prática humana,
MODALIDADES DE EXTENSÃO
CURSOS
Atualização
Aperfeiçoamento
Capacitação
Treinamento
EVENTOS
Congresso, Conferência, Palestra, Painéis
Mesa-redonda, Simpósio, Jornada, Seminário,
Colóquio,Fórum, Encontro, Debates
Exposição,Feira Festival, Campanha
Exibição Eventos Artísticos e de Cine e TV
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Assessoria, Consultoria
Cooperação Inter-institucional
AÇÕES COMUNITÁRIAS
AÇÕES VOLUNTÁRIAS
PUBLICAÇÕES E OUTRAS PRODUÇÕES ACADÊMICOS
ProExt – PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITARIA
Objetivo: Apoiar o desenvolvimento de programas e projetos
de extensão que contribuam para a implementação de
políticas publicas, com ênfase em inclusão social
Temas de interesse (ÊNFASE EM INCLUSÃO SOCIAL):
* atenção integral à família; * combate à fome;
* erradicação do trabalho infantil; * combate ao abuso e
à exploração sexual de crianças
e adolescentes; * juventude e desenvolvimento social;
* geração de trabalho e renda em economia solidária;
* promoção e/ou prevenção à saúde; * violência urbana;
* direitos humanos; * educação de jovens e adultos;
* atenção à pessoa idosa, à pessoa com deficiência e
às populações indígenas e quilombolas;
* atividades complementares ao Programa Brasil Alfabetizado;
* educação ambiental e apoio ao desenvolvimento comunitário;
* inclusão étnica; * apoio à organização e desenvolvimento
comunitário; * inclusão social dos usuários de drogas;
* inclusão digital; * apoio às atividades de escolas públicas;
PAEC – Programa de Apoio à Extensão
Mantido pela UNIARP, oferece 40 bolsas por
semestre, no valor de 3 disciplinas do curso..
Areas de interesse:
➢Comunicação;
➢Preservação da Cultura;
➢ Educação; Saude;
➢Cidadania e inclusão
➢Sustentabilidade
➢Produção de Tecnologia
➢Desenvolvimento regional
FAP – Fundo de Apoio à Pesquisa:
O estudante com o professor desenvolve
projeto de iniciação científica, dentro das
das linhas de pesquisa da UNIARP. Os
projetos têm a duração de 1 ano e o aluno
recebe bolsa ded 3 disciplinas por projeto.
ARTIGO 170 – Programa de Prestação de Serviços
A Coordenadoria apresenta um conjunto de projetos,
dentro dos 8 eixos da Extensão e de acordo com os
cursos. O aluno, beneficiado com a Bolsa do
Governo do Estado, escolhe o projeto.
3.2 - PESQUISA
”PESQUISAR é buscar conhecimento e
sabedoria...é a essência das ciências.”
(Minayo)
” PESQUISA é uma atividade cotidiana .... um diálogo
crítico e permanente com a realidade....é a busca
constante da realidade ....atitude de questionamento
sistemático”.
( Demo)
PESQUISA....
CIÊNCIA....conhecimento adquirido
através de estudos e pesquisas
Realizados com método e princípios...
CIÊNCIA....observação, análise, investigação,
mensurabilidade de fatos e fenômenos.
Pesquisar é...PERGUNTAR.
PESQUISA....estudo organizado e orientado para
descobrir respostas à perguntas, resolver problemas,
buscar novos conhecimento e propor algo novo.
PESQUISA ...é um processo de analise e reflexão
acerca de um tema, realizado com critérios e
princípios científicos.
PESQUISA...procedimento racional e sistemático
para buscar respostas a perguntas ou encontrar
soluções de problemas.
PESQUISA... é produção científica dos
Cursos de Graduação e Pós-Graduação.
➢ Pesquisas/estudos exploratórios
➢ Pesquisas/estudos descritivos
➢ Pesquisas/estudos explicativos
➢ Pesquisas/estudos que avaliam sistemas e projetos
➢ Pesquisas/estudos para implantar novos sistemas
ou projetos
➢ Pesquisas/estudos que propõem projetos de mudanças
➢ Pesquisas/estudos sobre mutua influência de variáveis
➢ Pesquisas/estudos que verificam hipóteses causais
TIPOS DE PESQUISA
TRÊS TIPOS BÁSICOS
PESQUISAS/ESTUDOS EMPÍRICOS
(Descrevem e avaliam uma realidade
social ou um problema)
ESTUDOS PRÁTICOS
(propõem ações concretas e práticas fundamentas
em levantamento e análise de dados)
PESQUISAS/ESTUDOS TEÓRICOS
(Reproduzem e analisam a literatura sobre
determinado tema ou autor)
TESE DE DOUTORADO:
(Rigorosamente científica, resulta numa
contribuição original e relevante à ciência).
DISSERTAÇÃO DE MESTRADO:
(Trabalho científico de “primeira mão”,
realizado com criteriosa metodologia).
TCC OU IC :
(Pesquisa empirica ou descrição detalhada de um
projeto ou uma proposta realizada no estágio curricular) .
PESQUISA ACADÊMICA
> ESCOLHER O TEMA E DEFINIR O PROBLEMA DE PESQUISA
> REALIZAR LEVANTAMENTO E A ANÁLISE DOS DADOS
> APONTAR OS RESULTADOS E CONCLUSÕES ENCONTRADOS
> ORGANIZAR E REDIGIR O DOCUMENTO ESCRITO
> DEFENDER SEU TRABALHO PERANTE UMA BANCA.
Tese, Dissertação ou TCC e IC ...revelam
a capacidade do aluno em realizar uma
pesquisa/estudo científico:
ROTEIRO (para pensar) A PESQUISA
(Claudio de Moura Castro)
Etapa 1: O que estou querendo descobrir? Que problema
quero resolver?
Etapa 2: Quais são os objetivos que pretendo atingir? Qual o
“grande” objetivo? Quais os específicos?
Etapa 3: Qual o valor deste estudo? Por que é importante? Quais
os limites (aprofundamento) do estudo?
Etapa 4: Quais são as variáveis envolvidas neste estudo? Qual
a relação entre elas?
Etapa 5: Qual meu nível de conhecimento/experiência/intimidade
com o assunto/temática do estudo?
Etapa 6: Qual abrangência da investigação? Vou analisar o
universo ? Ou uma amostra representativa?
Etapa 7: Quais os possíveis obstáculos que terei no decorrer
dos trabalhos? Quais as alternativas de superá-los?
Etapa 8: Quais são minhas opções metodológicas? Que fatores
devo considerar para minha decisão?
Etapa 9: Considerando a metodologia a ser utilizada, qual a
estratégia mais adequada para a coleta dos dados?
Etapa 10: Quais meus prazos para os trabalhos de campo? Qual
o limite de tempo para conclusão e defesa?
O PROJETO DE PESQUISA
I - INTRODUÇÃO (O QUE VAI SER FEITO ?)
1.1. Contextualização/Background
1.2. Justificativa e Delimitações
1.3. Objetivos: Gerais e Especificos
1.4. Definição do Problema
2 - FUNDAMENTAÇAO TEÓRICA (COM BASE EM QUE?)
2.1. Base Teórica
2.2. Outros Estudos
3 - METODOLOGIA (COMO/ONDE VAI SER FEITO?)
3.1. Tipo de Estudo
3.2. Universo/População/Amostra
3.3. Investigação e Coleta de Dados
3.4. Análise e Interpretação dos Dados
4 - CRONOGRAMA/ORÇAMENTO (QUANDO / QUANTO)
5 - BIBLIOGRAFIA
FASES BÁSICAS DA PESQUISA
• escolha do tema
• revisao da literatura
• formulaçao do problema
• definiçao dos objetivos
• elaboração do projeto
• alocaçao de recurso
• cronograma.
• coleta, análise
• interpretação dos dados;
• organização dos resultados
• elaboração do relatório
• apresentaçao.
FASE DECISÓRIA
FASE DE PLANEJAMENTO
FASE DE EXECUÇÃO
FASE REDACIONAL
• Pesquisa Básica: gerar conhecimentos novos úteis
ao avanço da ciência sem aplicação prática prevista
• Pesquisa Aplicada: gerar conhecimentos e aplicação
prática dirigida à solução de problemas específicos
CLASSIFICAÇÕES DAS PESQUISAS
( 1)
QUANTO A
NATUREZA
( 2)
QUANTO A ABORDAGEM
(Metodos de Analise)
• Pesquisa Quantitativa: considera que tudo pode
ser traduzido em números, classificados, analisados,
com uso de técnicas estatísticas.
• Pesquisa Qualitativa: considera que há uma
relação entre o mundo real e o sujeito que precisa
ser descrita e interpretado pelo pesquisador
( 3 )
QUANTO A SEUS OBJETIVOS
> Pesquisa Exploratória/Descritiva/Explicativa
> Pesquisa que verificam hipóteses causais
> Pesquisa para implantação de sistemas e projetos
> Pesquisa para avaliar sistemas e projetos
• Observação Sistemática
• Observação Assistemática
• Observação em Equipe
• Observação da Vida Real
• Observação em Laboratório
COLETA DE DADOS
• Questionário Aberto
• Questionário Fechado
• Questionário de Múltipla Escolha.
• Fechado com Respostas Possíveis
• Padronizada ou Estruturada
• Não-Estruturada
OBSERVAÇÃO
ENTREVISTAS
QUESTIONÁRIOS
MÉTODOS CIENTÍFICOS BÁSICOS
(duas formas básicas de pensar)
1 - MÉTODO DEDUTIVO
(Por uma cadeia de raciocínios - em ordem descendente, isto é,
do geral para o partícula - decorre uma conclusão logica.
EXEMPLO:
TODO HOMEM É MORTAL........PEDRO É HOMEM.....LOGO, PEDRO É MORTAL.
2 - MÉTODO INDUTIVO
(Observações e experiências permitem a constatação de vários outros casos concretos
que podem ser generalizados e, assim, levam à conclusão).
EXEMPLO:
Antônio é Mortal...João é Mortal...Paulo é Mortal...Carlos é Mortal
Ora, Antônio, João, Paulo... e Carlos são homens.
LOGO, (TODOS) OS HOMENS SÃO MORTAIS.
3 - MÉTODO HIPOTÉTICO-DEDUTIVO
( Consiste na formulação de conjecturas ou hipótese, que ao serem
comprovadas ou negadas oferecem a conclusão)
4 - MÉTODO DIALÉTICO
( Fundamenta-se nas análise das possíveis contradições entrre o(s) fato(s)
investigados. Ex. Metodo Dialético discurssivo.
5 - MÉTODO FENOMENOLÓGICO
( Preocupa-se com a descrição direta da experiência tal como
ela é compreendida e interpretada e interpretada pelo pesquisador)
- Ex. Pesquisa qualitativa
INTEGRAR O MUNDO
PROFISSIONAL,
INTELECTUAL E CIENTIFICO
ADQUIRIR HABILITAÇÕES
TÉCNICO-PROFISSIONAL;
HUMANO-COMPORTAMENTAL
SOCIO-CULTURAL
ESPIRITO DE LUTA
PARA PERSEGUIR
SONHOS E IDEAIS
AGIR ETÍCA E SOCIALMENTE
RESPONSÁVEL
LIDERAR PROCESSOS DE
MUDANÇA E INOVAÇÃO
DESENVOLVER UM ACURADO
SENSO CRÍTICO REJEITAR
MODELOS SIMPLISTAS
DA REALIDADE
FUGIR DO CONFORMISMO
E DA DEPENDÊNCIA
MEDÍOCRE.
EDUCAÇ
AO
SUPERI
OR
(para
que?)
DESPERTAR
FORTES
LIDERANÇAS
...Para reflexões
Prof. Dr. Nelson Colossi
E-mail: ncolossi@terra.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA 01 - POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO.ppt
AULA 01 - POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO.pptAULA 01 - POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO.ppt
AULA 01 - POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO.pptJuarezNeto13
 
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoEstado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoRalf Siebiger
 
OPGEAENE AULA 4: Planejamento, organização e gestão escolar
OPGEAENE  AULA 4: Planejamento, organização e gestão escolarOPGEAENE  AULA 4: Planejamento, organização e gestão escolar
OPGEAENE AULA 4: Planejamento, organização e gestão escolarprofamiriamnavarro
 
"Desafios do docente na educação do século XXI", por Josiane Tonelotto
"Desafios do docente na educação do século XXI", por Josiane Tonelotto"Desafios do docente na educação do século XXI", por Josiane Tonelotto
"Desafios do docente na educação do século XXI", por Josiane TonelottoDesafios da Educação
 
Slide Didática
Slide DidáticaSlide Didática
Slide Didáticamurilobsk8
 
Slaids fundamentos filosoficos da educação
Slaids fundamentos filosoficos da educaçãoSlaids fundamentos filosoficos da educação
Slaids fundamentos filosoficos da educaçãoFátima Rodrigues
 
Planejamento de Ensino
Planejamento de EnsinoPlanejamento de Ensino
Planejamento de EnsinoLene Reis
 
Estrutura do Sistema Educacional Brasileiro
Estrutura do Sistema Educacional BrasileiroEstrutura do Sistema Educacional Brasileiro
Estrutura do Sistema Educacional BrasileiroLucas Sebastião Barbosa
 
Diretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionaisDiretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionaismarcaocampos
 
Filosofia e educação
Filosofia e educaçãoFilosofia e educação
Filosofia e educaçãoPeedagogia
 
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃOINTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃOunieubra
 
O PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXI
O PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXIO PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXI
O PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXIMauricio Martinho
 

Mais procurados (20)

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO
FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃOFUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO
FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO
 
AULA 01 - POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO.ppt
AULA 01 - POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO.pptAULA 01 - POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO.ppt
AULA 01 - POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO.ppt
 
Didática Ensino Superior
Didática Ensino SuperiorDidática Ensino Superior
Didática Ensino Superior
 
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoEstado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
 
OPGEAENE AULA 4: Planejamento, organização e gestão escolar
OPGEAENE  AULA 4: Planejamento, organização e gestão escolarOPGEAENE  AULA 4: Planejamento, organização e gestão escolar
OPGEAENE AULA 4: Planejamento, organização e gestão escolar
 
"Desafios do docente na educação do século XXI", por Josiane Tonelotto
"Desafios do docente na educação do século XXI", por Josiane Tonelotto"Desafios do docente na educação do século XXI", por Josiane Tonelotto
"Desafios do docente na educação do século XXI", por Josiane Tonelotto
 
Slide Didática
Slide DidáticaSlide Didática
Slide Didática
 
Curso didática geral em um arqujivo unesp
Curso didática geral em um arqujivo   unespCurso didática geral em um arqujivo   unesp
Curso didática geral em um arqujivo unesp
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Gestão escolar
 
Slaids fundamentos filosoficos da educação
Slaids fundamentos filosoficos da educaçãoSlaids fundamentos filosoficos da educação
Slaids fundamentos filosoficos da educação
 
Paulo freire
Paulo freire Paulo freire
Paulo freire
 
Planejamento de Ensino
Planejamento de EnsinoPlanejamento de Ensino
Planejamento de Ensino
 
Estrutura do Sistema Educacional Brasileiro
Estrutura do Sistema Educacional BrasileiroEstrutura do Sistema Educacional Brasileiro
Estrutura do Sistema Educacional Brasileiro
 
Diretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionaisDiretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionais
 
Educação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slidesEducação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slides
 
Filosofia e educação
Filosofia e educaçãoFilosofia e educação
Filosofia e educação
 
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃOINTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
 
Formação docente
Formação docenteFormação docente
Formação docente
 
O PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXI
O PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXIO PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXI
O PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXI
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Currículo escolar
 

Destaque

Teoria indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
Teoria   indissociabilidade ensino, pesquisa e extensãoTeoria   indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
Teoria indissociabilidade ensino, pesquisa e extensãoAndréa Kochhann
 
Prática indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
Prática   indissociabilidade ensino, pesquisa e extensãoPrática   indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
Prática indissociabilidade ensino, pesquisa e extensãoAndréa Kochhann
 
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento pptIntrodução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento pptDaniela Barroso
 
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..Hamilton Nobrega
 

Destaque (6)

Teoria indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
Teoria   indissociabilidade ensino, pesquisa e extensãoTeoria   indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
Teoria indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
 
Ensino pesquisextensão
Ensino pesquisextensãoEnsino pesquisextensão
Ensino pesquisextensão
 
Prática indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
Prática   indissociabilidade ensino, pesquisa e extensãoPrática   indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
Prática indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
 
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento pptIntrodução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
 
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 

Semelhante a Educação Superior:Ensino,Pesquisa e Extensão

Palestra CONAE/2014
Palestra CONAE/2014Palestra CONAE/2014
Palestra CONAE/2014daguia
 
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...Antônio Diomário de Queiroz
 
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...Universidade Estadual do Ceará
 
Mutações sociais e sistemas educativos
Mutações sociais e sistemas educativosMutações sociais e sistemas educativos
Mutações sociais e sistemas educativosTeresa Ramos
 
Papel da educação no desenvolvimento sócio económico e na construção da cidad...
Papel da educação no desenvolvimento sócio económico e na construção da cidad...Papel da educação no desenvolvimento sócio económico e na construção da cidad...
Papel da educação no desenvolvimento sócio económico e na construção da cidad...Alsone Jorge Guambe
 
Educação, ciência e cidadania.
Educação, ciência e cidadania.Educação, ciência e cidadania.
Educação, ciência e cidadania.João Gabriel Sousa
 
Facemp 2017 - introdução à academia
Facemp   2017 - introdução à academiaFacemp   2017 - introdução à academia
Facemp 2017 - introdução à academiaUrbano Felix Pugliese
 
O papel da universidade federal no desenvolvimento do país andifes
O papel da universidade federal no desenvolvimento do país   andifesO papel da universidade federal no desenvolvimento do país   andifes
O papel da universidade federal no desenvolvimento do país andifesAntônio Diomário de Queiroz
 
Educação e Cibercultura
Educação e CiberculturaEducação e Cibercultura
Educação e CiberculturaLisandre Orti
 
Teoria pedagógicas conteporâneas
Teoria pedagógicas conteporâneasTeoria pedagógicas conteporâneas
Teoria pedagógicas conteporâneasElias Junior
 
O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento”
O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento” O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento”
O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento” UNESP Marília
 
Aula jornal na escola
Aula   jornal na escolaAula   jornal na escola
Aula jornal na escolahendryo
 
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1Urbano Felix Pugliese
 

Semelhante a Educação Superior:Ensino,Pesquisa e Extensão (20)

Ciencia e tecnologia para o desenvolvimento social
Ciencia e tecnologia para o desenvolvimento socialCiencia e tecnologia para o desenvolvimento social
Ciencia e tecnologia para o desenvolvimento social
 
Palestra CONAE/2014
Palestra CONAE/2014Palestra CONAE/2014
Palestra CONAE/2014
 
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnol...
 
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
 
Mutações sociais e sistemas educativos
Mutações sociais e sistemas educativosMutações sociais e sistemas educativos
Mutações sociais e sistemas educativos
 
Papel da educação no desenvolvimento sócio económico e na construção da cidad...
Papel da educação no desenvolvimento sócio económico e na construção da cidad...Papel da educação no desenvolvimento sócio económico e na construção da cidad...
Papel da educação no desenvolvimento sócio económico e na construção da cidad...
 
Educação, ciência e cidadania.
Educação, ciência e cidadania.Educação, ciência e cidadania.
Educação, ciência e cidadania.
 
Papel das Universidades nos Parques Tecnológicos
 Papel das Universidades nos Parques Tecnológicos Papel das Universidades nos Parques Tecnológicos
Papel das Universidades nos Parques Tecnológicos
 
Facemp 2017 - introdução à academia
Facemp   2017 - introdução à academiaFacemp   2017 - introdução à academia
Facemp 2017 - introdução à academia
 
Uma visão estratégica da gestão universitária
Uma visão estratégica da gestão universitáriaUma visão estratégica da gestão universitária
Uma visão estratégica da gestão universitária
 
O papel da universidade federal no desenvolvimento do país andifes
O papel da universidade federal no desenvolvimento do país   andifesO papel da universidade federal no desenvolvimento do país   andifes
O papel da universidade federal no desenvolvimento do país andifes
 
Educação integral
Educação integralEducação integral
Educação integral
 
ORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINA
ORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINAORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINA
ORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINA
 
Educação e Cibercultura
Educação e CiberculturaEducação e Cibercultura
Educação e Cibercultura
 
Teoria pedagógicas conteporâneas
Teoria pedagógicas conteporâneasTeoria pedagógicas conteporâneas
Teoria pedagógicas conteporâneas
 
O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento”
O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento” O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento”
O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento”
 
Oficina Guia de Educacao Integral
Oficina Guia de Educacao IntegralOficina Guia de Educacao Integral
Oficina Guia de Educacao Integral
 
Aula jornal na escola
Aula   jornal na escolaAula   jornal na escola
Aula jornal na escola
 
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
 
Ética e Cidadania
Ética e CidadaniaÉtica e Cidadania
Ética e Cidadania
 

Último

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

Educação Superior:Ensino,Pesquisa e Extensão

  • 1. Prof.Dr.Nelson Colossi Educação Superior: Ensino, pesquisa e extensão UNIARP Sedepex 2015
  • 2. ROTEIRO Tema 1: Educação e Educação Superior Tema 2: A Instituição Universitária Tema 3: Ensino, Pesquisa e Extensão
  • 3. EDUCAÇÃO E EDUCAÇÃO SUPERIOR Tema : 1
  • 5. “ Educação visa a criação, divulgação e disseminação do conhecimento e da cultura de uma sociedade.” “Educação é a principal responsável pela elevação dos níveis de qualidades morais, espirituais e materiais do homem” “Educação constitui-se no processo de desenvolvimento do ser humano, visando a sua integração na sociedade em que vive”
  • 6. EDUCAÇÃO..... ..... processo de transferir conhecimentos, cultura, valores, ideais societários... ....visa a formação de homens e mulheres de caráter integro, coerentes em suas ações... EDUCAÇÃO..... .... com vontade própria, éticos na busca de seus ideais, firmeza para definir seus princípios e valores...
  • 7. EDUCAÇÃO...é uma INSTITUIÇÃO SOCIAL? “......entidade devotada a promoção de objetivos especiais de interesse coletivo de um grupo ou da sociedade em geral”. “...entidade emanada e assentada em normas, costumes e valores consa- grados por todos seus membros”. “...padrões de comportamentos aceitos como fundamentais e seguidos pelo grupo”
  • 8. EDUCAÇAO....UMA INSTITUIÇÃO SOCIAL. •“...promover ideais, princípios, valores “... transferir conhecimentos, cultura e ideais societários”.
  • 9. 9 “.... processo de desenvolvimento da personalidade, visando a formação do homem de caráter, com força de vontade para realizar suas potencialidades físicas, intelectuais, morais e espirituais” (Dicionário Houaiss) EDUCAÇÃO...
  • 10. EDUCAÇAO INTEGRALINTELECTUAL SOCIAL FÍSICA EMOCIONAL ESPIRITUAL APRENDER A SER APRENDER A FAZER APRENDER A APRENDER APRENDER A EMPREENDER APRENDER A CONVIVER NOTA: Comissão Internacional da UNESCO sobre Educação para o Século XXI (1999).
  • 11. EDUCAÇÃO SUPERIOR.... o que é???.......para que???
  • 12. “EDUCAÇÃO SUPERIOR promove a formação integral do homem , habilitando-o intelectual, social, emocional e profissionalmente, para que ele conheça seu papel na sociedade e saiba perseguir seus mais valiosos ideais”
  • 13. FORMAR HOMENS E MULHERES DE CARÁTER Edu caçã o VONTADE-NTEGRIDADE-HONESTIDADE IDEAIS PRINCÍPIOS 1.4 - EDUC AÇÃO SUPE RIOR FORMAR O PROFISSIONAL DE CARÁTER
  • 14. ....FORMAR O PROFISSIONAL DE CARATER PARA SERVIR À SOCIEDADE NAS DIVERSAS ÁREAS DO CONHECIMENTO HUMANO E ATUAR COM.... EDUC AÇÃO SUPE RIOR: PROC ESSO QUE VISA.. .......VONTADE; INTEGRIDADE; HONESTIDADE; IDEAIS; PRINCÍPIOS; ÉTICA; SOCIAL E ECONOLOGICAMENTE RESPONSAVEL, VALORES....
  • 15. ... UM SONHO, UM IDEAL .....COMO INSTITUIÇÃO , É UM VALOR SOCIETÁRIO NÃO APENAS UM STATUS EDUCACIONAL EDUCAÇÃO SUPERIOR É UMA INSTITUIÇAO SOCIAL
  • 16. Educaçao Superior deve ser entendida por sua natureza ética e social Educaçao superior promove o desenvolvimento humano em duas dimensões: produtiva e valorativa
  • 17. EIXO CENTRAL DE TRANSFORMAÇÕES DA SOCIEDADE FORMAÇÃO INTEGRAL DO PROFISSIONAL INSTITUIÇÃO UNIVERSITÁRIA CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO EDUCAÇÃO SUPERIOR PRODUTIVA VALORATIVA Inovações Tecnológicas Produtividade Construtiva Qualidade técnica Responsabilidade Social Progresso Ética e Cidadania Política Participativa Qualidade Social Desenvolvimento Humano Bem Estar
  • 19. A UNIVERSIDADE é uma Instituição constituida e Organizada para prover EDUCAÇÃO SUPERIOR à sociedade.
  • 21. A UNIVERSIDADE .... Como uma instituição social .... PROMOVER A CRIAÇÃO, A DIVULGAÇÃO E A DISSIMINAÇÃO DO CONHECIMENTO........CONTRIBUIR COM O PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DA SOCIEDADE...... QUALIDADE DA VIDA HUMANA INDIVIDUAL E ASSOCIADA.
  • 23. A INSTITUIÇÃO UNIVERSITÁRIA, COMO O EIXO CENTRAL DAS TRANSFORMAÇÕES PRODUTIVAS E VALORATIVA DA SOCIEDADE, DEVE COMPATIBILIZAR TECNOLOGIA, O PROGRESSO E O BEM ESTAR SOCIAL
  • 24. ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO: Tema : 3
  • 26. LDB/1996, Art. 43 ..... promover a EXTENSÃO, aberta à participação da população, visando à difusão da cultura e da pesquisa científica e tecnológica geradas na instituição. Lei 11.788/2008, Artigo 2º: O Estágio Curricular Obrigatório poderá ser realizado por meio de atividades de Extensão DISPOSITIVOS LEGAIS Artigo 207 da Constituição Federal “As universidades gozam de autonomia didático- científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecem ao pricípio da indissocia- bilidade entre Ensino, Pesquisa e Extensão”
  • 27. Extensão...alguns sentidos ...“uma forma direta de interação com a comunidade, com o objetivo de intervir em suas dificuldades, através dos conhecimentos adquiridos nos estudos” ....”conjunto de ações dirigidas à sociedade, a estimular mudanças e melhorias na realidade societária”. ” ... oportunidade de por em prática o conhecimento adquirido em aula e, ao mesmo tempo, enriquecer, atualizar e amadurecer o ensino”. ....“uma situação educativa, em que ambas as partes assumem um papel cognoscitivo e, por isto, o processo deve ser dialógico ou corre o risco de ser um instrumento de dominação ou de invasão cultural”. (Paulo Freire)
  • 28. Extensão Universitária...uma definiçao? “....um processo educativo, que envolve ações de caráter cientifico, cultural e artístico, voltadas para a integração da instituição universitária, e sua efetiva participação na sociedade, reconhecendo, em ambas, possibilidades de aprendizagem e desenvolvimento do saber popular e científico.” . 1 SOUZA NETO, J.C.; ATTIKI, M.L. Extensão Universitária: Construção de Solidariedade. S.Paulo: Expressão & Arte.
  • 29. > Anos 40 – Necessidade de difundir conhecimentos (Surgem na USP as “lições publicas” ) ➢Anos 60 – Ações culturais e políticas com vistas à formação de lideranças para atuar na sociedade (Movimento da UNE) ➢Anos 70 – Necessidade de institucionalizar a universidade através de cursos, conferências, serviços, assistência, assessoria, oxigenação (Período militar) ➢Anos 80 – Processo educativo, cultural e científico, articulado com Ensino e Pesquisa, a viabilizar a relação entre a universidade e a sociedade. (Forum Nacional de Pró-Reitores de Extensão) ➢Ano 88 - O Art. 207 da Constituição ...“ princípio da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão”. Breve Evolução da EXTENSÃO....
  • 30. “Extensão é uma forma de interação universidade-comunidade. É uma ponte permanente - uma via de mão dupla - em que a Universidade leva conhecimentos e recebe informações sobre as reais necessidades, anseios, aspirações da comunidade, como também de seus saberes e vivências”. (Iº Encontro Nacional de Pró-Reitores de Extensão – 1989) PLANO NACIONAL DE EXTENSÃO UNIVERSITARIA (conceito de Extensão)
  • 32. TEMÁTICAS DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO a) Inclusão Digital: melhoria das condições de vida de uma determinada comunidade, com ajuda da tecnologia C) Defesa do Meio Ambiente: conscientização para a melhoria da qualidade de vida e equilíbrio ecológico. b) Desenvolvimento Econômico e Social: ampliação das possibilidades de progresso econômico e social d) Memória Cultural: preservação da memória e do patrimônio histórico-cultural da comunidade, das tradições e registro de experiências e) Produção Artística: eventos artísticos de várias habilidades nos diversos campos da experiência e da prática humana,
  • 33. MODALIDADES DE EXTENSÃO CURSOS Atualização Aperfeiçoamento Capacitação Treinamento EVENTOS Congresso, Conferência, Palestra, Painéis Mesa-redonda, Simpósio, Jornada, Seminário, Colóquio,Fórum, Encontro, Debates Exposição,Feira Festival, Campanha Exibição Eventos Artísticos e de Cine e TV PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Assessoria, Consultoria Cooperação Inter-institucional AÇÕES COMUNITÁRIAS AÇÕES VOLUNTÁRIAS PUBLICAÇÕES E OUTRAS PRODUÇÕES ACADÊMICOS
  • 34. ProExt – PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITARIA Objetivo: Apoiar o desenvolvimento de programas e projetos de extensão que contribuam para a implementação de políticas publicas, com ênfase em inclusão social Temas de interesse (ÊNFASE EM INCLUSÃO SOCIAL): * atenção integral à família; * combate à fome; * erradicação do trabalho infantil; * combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes; * juventude e desenvolvimento social; * geração de trabalho e renda em economia solidária; * promoção e/ou prevenção à saúde; * violência urbana; * direitos humanos; * educação de jovens e adultos; * atenção à pessoa idosa, à pessoa com deficiência e às populações indígenas e quilombolas; * atividades complementares ao Programa Brasil Alfabetizado; * educação ambiental e apoio ao desenvolvimento comunitário; * inclusão étnica; * apoio à organização e desenvolvimento comunitário; * inclusão social dos usuários de drogas; * inclusão digital; * apoio às atividades de escolas públicas;
  • 35. PAEC – Programa de Apoio à Extensão Mantido pela UNIARP, oferece 40 bolsas por semestre, no valor de 3 disciplinas do curso.. Areas de interesse: ➢Comunicação; ➢Preservação da Cultura; ➢ Educação; Saude; ➢Cidadania e inclusão ➢Sustentabilidade ➢Produção de Tecnologia ➢Desenvolvimento regional FAP – Fundo de Apoio à Pesquisa: O estudante com o professor desenvolve projeto de iniciação científica, dentro das das linhas de pesquisa da UNIARP. Os projetos têm a duração de 1 ano e o aluno recebe bolsa ded 3 disciplinas por projeto. ARTIGO 170 – Programa de Prestação de Serviços A Coordenadoria apresenta um conjunto de projetos, dentro dos 8 eixos da Extensão e de acordo com os cursos. O aluno, beneficiado com a Bolsa do Governo do Estado, escolhe o projeto.
  • 37. ”PESQUISAR é buscar conhecimento e sabedoria...é a essência das ciências.” (Minayo) ” PESQUISA é uma atividade cotidiana .... um diálogo crítico e permanente com a realidade....é a busca constante da realidade ....atitude de questionamento sistemático”. ( Demo) PESQUISA.... CIÊNCIA....conhecimento adquirido através de estudos e pesquisas Realizados com método e princípios... CIÊNCIA....observação, análise, investigação, mensurabilidade de fatos e fenômenos.
  • 38. Pesquisar é...PERGUNTAR. PESQUISA....estudo organizado e orientado para descobrir respostas à perguntas, resolver problemas, buscar novos conhecimento e propor algo novo. PESQUISA ...é um processo de analise e reflexão acerca de um tema, realizado com critérios e princípios científicos. PESQUISA...procedimento racional e sistemático para buscar respostas a perguntas ou encontrar soluções de problemas. PESQUISA... é produção científica dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação.
  • 39. ➢ Pesquisas/estudos exploratórios ➢ Pesquisas/estudos descritivos ➢ Pesquisas/estudos explicativos ➢ Pesquisas/estudos que avaliam sistemas e projetos ➢ Pesquisas/estudos para implantar novos sistemas ou projetos ➢ Pesquisas/estudos que propõem projetos de mudanças ➢ Pesquisas/estudos sobre mutua influência de variáveis ➢ Pesquisas/estudos que verificam hipóteses causais TIPOS DE PESQUISA
  • 40. TRÊS TIPOS BÁSICOS PESQUISAS/ESTUDOS EMPÍRICOS (Descrevem e avaliam uma realidade social ou um problema) ESTUDOS PRÁTICOS (propõem ações concretas e práticas fundamentas em levantamento e análise de dados) PESQUISAS/ESTUDOS TEÓRICOS (Reproduzem e analisam a literatura sobre determinado tema ou autor)
  • 41. TESE DE DOUTORADO: (Rigorosamente científica, resulta numa contribuição original e relevante à ciência). DISSERTAÇÃO DE MESTRADO: (Trabalho científico de “primeira mão”, realizado com criteriosa metodologia). TCC OU IC : (Pesquisa empirica ou descrição detalhada de um projeto ou uma proposta realizada no estágio curricular) . PESQUISA ACADÊMICA
  • 42. > ESCOLHER O TEMA E DEFINIR O PROBLEMA DE PESQUISA > REALIZAR LEVANTAMENTO E A ANÁLISE DOS DADOS > APONTAR OS RESULTADOS E CONCLUSÕES ENCONTRADOS > ORGANIZAR E REDIGIR O DOCUMENTO ESCRITO > DEFENDER SEU TRABALHO PERANTE UMA BANCA. Tese, Dissertação ou TCC e IC ...revelam a capacidade do aluno em realizar uma pesquisa/estudo científico:
  • 43. ROTEIRO (para pensar) A PESQUISA (Claudio de Moura Castro) Etapa 1: O que estou querendo descobrir? Que problema quero resolver? Etapa 2: Quais são os objetivos que pretendo atingir? Qual o “grande” objetivo? Quais os específicos? Etapa 3: Qual o valor deste estudo? Por que é importante? Quais os limites (aprofundamento) do estudo? Etapa 4: Quais são as variáveis envolvidas neste estudo? Qual a relação entre elas? Etapa 5: Qual meu nível de conhecimento/experiência/intimidade com o assunto/temática do estudo? Etapa 6: Qual abrangência da investigação? Vou analisar o universo ? Ou uma amostra representativa? Etapa 7: Quais os possíveis obstáculos que terei no decorrer dos trabalhos? Quais as alternativas de superá-los? Etapa 8: Quais são minhas opções metodológicas? Que fatores devo considerar para minha decisão? Etapa 9: Considerando a metodologia a ser utilizada, qual a estratégia mais adequada para a coleta dos dados? Etapa 10: Quais meus prazos para os trabalhos de campo? Qual o limite de tempo para conclusão e defesa?
  • 44. O PROJETO DE PESQUISA I - INTRODUÇÃO (O QUE VAI SER FEITO ?) 1.1. Contextualização/Background 1.2. Justificativa e Delimitações 1.3. Objetivos: Gerais e Especificos 1.4. Definição do Problema 2 - FUNDAMENTAÇAO TEÓRICA (COM BASE EM QUE?) 2.1. Base Teórica 2.2. Outros Estudos 3 - METODOLOGIA (COMO/ONDE VAI SER FEITO?) 3.1. Tipo de Estudo 3.2. Universo/População/Amostra 3.3. Investigação e Coleta de Dados 3.4. Análise e Interpretação dos Dados 4 - CRONOGRAMA/ORÇAMENTO (QUANDO / QUANTO) 5 - BIBLIOGRAFIA
  • 45. FASES BÁSICAS DA PESQUISA • escolha do tema • revisao da literatura • formulaçao do problema • definiçao dos objetivos • elaboração do projeto • alocaçao de recurso • cronograma. • coleta, análise • interpretação dos dados; • organização dos resultados • elaboração do relatório • apresentaçao. FASE DECISÓRIA FASE DE PLANEJAMENTO FASE DE EXECUÇÃO FASE REDACIONAL
  • 46. • Pesquisa Básica: gerar conhecimentos novos úteis ao avanço da ciência sem aplicação prática prevista • Pesquisa Aplicada: gerar conhecimentos e aplicação prática dirigida à solução de problemas específicos CLASSIFICAÇÕES DAS PESQUISAS ( 1) QUANTO A NATUREZA ( 2) QUANTO A ABORDAGEM (Metodos de Analise) • Pesquisa Quantitativa: considera que tudo pode ser traduzido em números, classificados, analisados, com uso de técnicas estatísticas. • Pesquisa Qualitativa: considera que há uma relação entre o mundo real e o sujeito que precisa ser descrita e interpretado pelo pesquisador ( 3 ) QUANTO A SEUS OBJETIVOS > Pesquisa Exploratória/Descritiva/Explicativa > Pesquisa que verificam hipóteses causais > Pesquisa para implantação de sistemas e projetos > Pesquisa para avaliar sistemas e projetos
  • 47. • Observação Sistemática • Observação Assistemática • Observação em Equipe • Observação da Vida Real • Observação em Laboratório COLETA DE DADOS • Questionário Aberto • Questionário Fechado • Questionário de Múltipla Escolha. • Fechado com Respostas Possíveis • Padronizada ou Estruturada • Não-Estruturada OBSERVAÇÃO ENTREVISTAS QUESTIONÁRIOS
  • 48. MÉTODOS CIENTÍFICOS BÁSICOS (duas formas básicas de pensar) 1 - MÉTODO DEDUTIVO (Por uma cadeia de raciocínios - em ordem descendente, isto é, do geral para o partícula - decorre uma conclusão logica. EXEMPLO: TODO HOMEM É MORTAL........PEDRO É HOMEM.....LOGO, PEDRO É MORTAL. 2 - MÉTODO INDUTIVO (Observações e experiências permitem a constatação de vários outros casos concretos que podem ser generalizados e, assim, levam à conclusão). EXEMPLO: Antônio é Mortal...João é Mortal...Paulo é Mortal...Carlos é Mortal Ora, Antônio, João, Paulo... e Carlos são homens. LOGO, (TODOS) OS HOMENS SÃO MORTAIS.
  • 49. 3 - MÉTODO HIPOTÉTICO-DEDUTIVO ( Consiste na formulação de conjecturas ou hipótese, que ao serem comprovadas ou negadas oferecem a conclusão) 4 - MÉTODO DIALÉTICO ( Fundamenta-se nas análise das possíveis contradições entrre o(s) fato(s) investigados. Ex. Metodo Dialético discurssivo. 5 - MÉTODO FENOMENOLÓGICO ( Preocupa-se com a descrição direta da experiência tal como ela é compreendida e interpretada e interpretada pelo pesquisador) - Ex. Pesquisa qualitativa
  • 50. INTEGRAR O MUNDO PROFISSIONAL, INTELECTUAL E CIENTIFICO ADQUIRIR HABILITAÇÕES TÉCNICO-PROFISSIONAL; HUMANO-COMPORTAMENTAL SOCIO-CULTURAL ESPIRITO DE LUTA PARA PERSEGUIR SONHOS E IDEAIS AGIR ETÍCA E SOCIALMENTE RESPONSÁVEL LIDERAR PROCESSOS DE MUDANÇA E INOVAÇÃO DESENVOLVER UM ACURADO SENSO CRÍTICO REJEITAR MODELOS SIMPLISTAS DA REALIDADE FUGIR DO CONFORMISMO E DA DEPENDÊNCIA MEDÍOCRE. EDUCAÇ AO SUPERI OR (para que?) DESPERTAR FORTES LIDERANÇAS ...Para reflexões
  • 51. Prof. Dr. Nelson Colossi E-mail: ncolossi@terra.com.br