SlideShare uma empresa Scribd logo
3



1 TEMA

Assunto: Redes de computadores.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.


2 PROBLEMA

Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições
corporativas?



3 HIPÓTESES

Hipótese 1: Redes estruturadas minimizam os problemas numa infra-estrutura de
rede tornando-a o mais estável possível, ocasionando minimização dos custos e
otimização de resultados.

Hipótese 2: Com a estruturação de uma rede minimiza o tempo gasto na resolução
de problemas afetando a disponibilidade dos serviços de TI o mínimo possível.

Hipótese 3: Uma rede estruturada garante uma maior confiabilidade e eficiência na
utilização dos recursos de rede aumentando a produtividade dos usuários da
mesma.



4 JUSTIFICATIVA

      Tendo em vista o ambiente corporativo atual percebe-se o quanto os recursos
computacionais têm se torado essencialmente necessárias, com o avanço da
globalização a utilização das redes computacionais tem se mostrado cada vez mais
presente no dia a dia de trabalho das pessoas.
      O desempenho do acesso a rede global está diretamente ligado a rede local
sendo esta o veiculo de saída, se uma rede local não alcançar a eficiência
necessária para uma boa utilização tanto a comunicação interna quanto a externa de
sistemas computacionais encontram-se prejudicadas.
4



      A busca por uma rede de eficiência desejável, dispõe de um conjunto de
estudos com foco otimização das redes, avaliando custo beneficio trazendo uma
gama de soluções que auxiliem neste processo.
      Avaliando o desempenho das redes se faz necessário pensar também de
forma objetiva na diminuição de problemas e no tempo gasto na resolução destes
mesmos problemas, desta forma se faz necessário pensar em estruturar as redes a
fim de concentrar as vias de comunicação facilitando também o gerenciamento por
meio da centralização.
      Segundo Gasparini (1997), é importante mensurar a estabilidade em torno
das redes estruturadas, uma vez que as mesmas se apresentam mais previsíveis,
estáveis, melhor gerenciáveis, com um menor índice de falhas entre outros ganhos,
neste âmbito é que se faz necessária a avaliação dos esforços de implantação com
relação a eficiência que a mesma proporciona.



5 OBJETIVOS


5.1OBJETIVO GERAL

      Analisar a importância de criar uma rede sem fio estruturada em instituições
corporativas.



5.2 OBJETIVOS ESPECIFICOS

      Averiguar o quanto as redes estruturadas minimizam os problemas numa
infra-estrutura de rede tornando-a o mais estável possível, ocasionando minimização
dos custos e otimização de resultados.

      Examinar como a estruturação de uma rede minimiza o tempo gasto na
resolução de problemas afetando a disponibilidade dos serviços de TI(tecnologia da
informação) o mínimo possível.

      Estudar a implantação de rede estruturada avaliando a confiabilidade e
eficiência na utilização dos recursos de rede aumentando a produtividade dos
usuários da mesma.
5



6. REVISÃO DA LITERATURA

                      Segundo Soares, Lemos e Colche (1995, p.11). Pode-se caracterizar uma
                      rede local como sendo uma rede que permite a interconexão de
                      equipamentos de comunicação de dados numa pequena região. De fato, tal
                      definição é bastante vaga principalmente no que diz respeito às distâncias
                      envolvidas. Em geral, nos dias de hoje, costuma-se considerar “pequena
                      região” distâncias entre 100m e 25 km, muito embora as limitações
                      associadas às técnicas utilizadas em redes locais não imponham limites a
                      essas distâncias. Outras características típicas encontradas e comumente
                      associadas a redes locais são: altas taxas de transmissão (de 0,1 a 100
                                                                                    -8     -11
                      Mbps - megabits por segundo) e baixas taxas de erro (de 10 a 10 ). É
                      importante notar que os tem-se “pequena região”, “altas taxas de
                      transmissão” ou “baixas taxas de erros” são susceptíveis à evolução
                      tecnológica; os valores que associamos a estes termos estão ligados à
                      tecnologia atual e certamente não serão mais os mesmos dentro de poucos
                      anos. Outra característica dessas redes é que elas são, em geral, de
                      propriedade privada.
      Partindo da citação acima apresentada, podem ter uma concepção de
caracterização de uma rede, onde é possível perceber de forma clara que o conceito
de redes está ligado a sua essência que é a operação de equipamentos de forma
interligada, abstraindo a tecnologia que possibilita essa interação.
      O papel fundamental de uma rede é fazer acontecer a comunicação entre ou
aplicações, funcionando como um veiculo pelo qual a informação trafega cumprindo
um objetivo, é possível comparar as redes como um conjunto de túneis pelos quais
transitam as informações.
      De forma a perceber que existem diversas tecnologias utilizadas para se
estabelecer uma rede e que as mesmas se atualizam num curto período de tempo,
pode citar que uma rede vai ser uma rede independente da tecnologia utilizada. O
que difere uma rede da outra é a abrangência que cada uma tem e a forma como
está estruturada.
      As tecnologias utilizadas na construção de uma rede são as mais diversas as
quais diference em segmentos como rede telefônica ou de rede, e em escala de
capacidade de comunicação, porem o que importa é que a comunicação ocorra da
forma mais eficiente possível.
      Para que uma rede exista, cumprindo o seu papel de facilitador da
comunicação é necessário um meio físico pela qual percorre a comunicação, este
meio físico é conhecido como camada de enlace nela existe um caminhamento de
cabos que são as vias de comunicação por assim dizer.
6



      Se o cabeamento de rede é o meio físico pelo qual ocorre a comunicação de
uma rede, tão logo a eficiência desta rede vai estar diretamente ligada ao estado de
conservação e forma como está estruturado esse cabeamento.
      Com objetivo de alcançar a máxima eficiência na utilização da rede, o
cabeamento estruturado tem cumprido bem este papel maximizando o desempenho
das redes estruturadas.
      A citação abaixo fala a respeito do papel e da contextualização do
cabeamento estruturado dentro de uma rede.
                     Segundo Soares, Silva e C. Júnior (1999, p. 6). Por definição podemos dizer
                     que o cabeamento estruturado fornece uma plataforma universal sobre a
                     qual é construída a estratégia de um sistema corporativo e de informações
                     globais.
                     Considerando uma infra-estrutura flexível, um sistema de cabeamento
                     estruturado pode suportar múltiplos sistemas, tais como: voz, dados, vídeo
                     e multimídia, independente de seus fabricantes.
                     A topologia utilizada para cabeamento estruturado é do tipo estrela, em que
                     cada estação de trabalho é conectada a um ponto central, o que de certa
                     forma facilita a interconexão e administração do sistema.
                     Esse tipo de topologia permite que haja comunicação entre os dispositivos
                     em qualquer lugar e qualquer hora.
                     Um projeto bem elaborado de cabeamento estruturado pode incluir
                     diferentes tipos de arco de rede, tais como: par trançado, fibra óptica,
                     satélite, rádio etc.
      Conforme citado anteriormente um cabeamento estruturado visa viabilizar de
forma centralizada, e padronizada a distribuição do cabeamento dentro de uma rede
segmentando a comunicação de forma a se estabelecer uma centralização
permitindo um monitoramento e facilitando a manutenção.
      Devido a padronização de técnicas de implantação as redes estruturadas
tendem a ser mais estáveis uma vez que utilizam padrões que já comprovados se
apresentam como formas mais eficientes.
                     Segundo Gasparini (1997, p. 75). O motivo comumente alegado pelos
                     projetistas de LANs (Local Area Network) quanto à não adoção do
                     cabeamento estruturado é o custo muito elevado da solução. Mas se
                     levarmos em conta os gastos com os novos pontos e principalmente com
                     pontos remanejados (em torno de R$ 30,00 por ponto, apenas a mão-de-
                     obra), verificamos que o investimento inicial é rapidamente amortizado
                     devido à significativa economia. Outro aspecto muito importante a
                     considerar está relacionado às dificuldade na passagem de mais cabos
                     durante o crescimento de uma rede não estruturado. Os dutos passam a ser
                     insuficiente, e o pior é que ao tentarmos passar um cabo em um duto
                     superlotado, podemos romper cabos que estavam em funcionamento,
                     devido à “força” aplicada pelos técnicos. Para evitar isso, muitas empresas
                     vivem em “obras”, sendo que o cabeamento estruturado é definitivo e
                     deveria ser a opção adotada. Não devemos esquecer que a infra-estrutura
                     de cabling é o primeiro parâmetro que sinalizará o sucesso ou não do
                     projeto da rede como um todo.
7



      Conforme visto acima uma rede estruturada apresenta um custo inicial
aparentemente alto, porém a curto prazo se paga, devido ao grande numero de
manutenções corretivas que são dispensadas, isto sem falar no ganho no
desempenho da rede, que fica livre de gargalos e de problemas inesperados.
      O baixo custo de manutenção e eficiência são a bandeira da rede estruturada,
uma vez que implantada apresenta alto índice de desempenho.
      Uma questão a ser levada em conta é que por ser o custo de implantação
relativamente alto, alguns acabam ficando pelo meio do caminho e tentando adaptar,
para que uma rede estruturada possa garantir a eficiência pretendida é preciso que
o processo seja rigorosamente de acordo os padrões estabelecidos.
      Implantar uma rede estruturada é uma tarefa árdua que exige o esforço de
deixar de lado o costume de adaptar, quando a implantação ocorre de forma correta,
existe um grande ganho no que diz respeito as vantagens acima mencionadas.
      É importante que tanto os ganhos quanto as obrigações sejam aplicadas e
reconhecidas para que haja entendimento correto a respeito tanto dos esforços e
valores aplicados quanto da eficiência a fim de que seja possível mensurar a
viabilidade de se estabelecer uma rede estruturada.


7. DEFINIÇÃO DA METODOLOGIA

      Buscando analisar a temática proposta, este trabalho será pautado na
investigação a respeito do tema proposto. De forma a atingir a maior veracidade
possível no processo de conhecimento da problemática a ser estudada, o trabalho
examinará com um olhar investigativo situações referentes ao objeto estudado que
no caso desta analise trata-se de cabeamento estruturado.
      O estudo visa abordar o conhecimento a respeito da rede estruturada e sua
aplicação em ambientes coorporativos para isso se faz necessário direcionar a
abordagem em base da utilização de material teórico. Estabelecendo uma linha de
investigação pela qual será conduzido o trabalho, para que seja levantado todo o
material necessário com o intuito de estabelecer uma avaliação pratica do que
propõe o estudo.
      Após o levantamento do material teórico o estudo seguirá distribuído em, 4
fases distintas as quais serão avaliadas separadamente, a primeira buscará o
conhecimento teórico referente a contextualização do objeto estudado.   A segunda
8



buscará estudar um ambiente de rede não estruturado. A terceira fase terá por
objetivo estudar um ambiente de uma rede estruturada.
      A quarta fase terá a responsabilidade de oferecer a distinção entre o ambiente
estruturado e o não estruturado de forma a identificar as diferenças e avaliando se
solução oferecida pela rede estruturada as vantagens que propõe.
      Este trabalho visa atuar utilizando o método experimental de forma a estudar
os fatores de rede e os respectivos efeitos causados pela implantação de uma rede
estruturada desta forma avaliando a veracidade das hipóteses levantadas.




REFERÊNCIAS

GASPARINI, Anteu Fabiano Lúcio. A Infraestrutura de LANS. 4. ed. São Paulo:
Érica, 1997.
9



SOARES, Luis Fernando Gomes, LEMOS, Giudo, COLCHER, Sérgio. Redes de
Computadores das Lans, Mans e Wans às Redes ATM, 2. edª. Rio de Janeiro:
Campus, 1995.


SOARES, Vicente Neto, SILVA, Adelson de Paula, C. JÚNIOR, Mário Boscato.
Redes de Alta Velocidade – Cabeamento Estruturado. São Paulo: Érica, 1999.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaSlides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmica
RafaelBorges3
 
Modelo banner 90 x 120
Modelo banner 90 x 120Modelo banner 90 x 120
Modelo banner 90 x 120
PotenzaWD
 
Modelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientificoModelo de artigo cientifico
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNTModelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Rosineia Oliveira dos Santos
 
Aula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aulaAula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aula
Karlla Costa
 
Resenha acadêmica
Resenha acadêmicaResenha acadêmica
Resenha acadêmica
megainfoin
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
Silvio Medeiros
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aula
Denise
 
Modelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em wordModelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em word
Mister B
 
Ficha de avaliação de seminário
Ficha de avaliação de seminárioFicha de avaliação de seminário
Ficha de avaliação de seminário
Roberto Rorras Moura
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
joiramara
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio
Giselle Coutinho
 
Exemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de PesquisaExemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de Pesquisa
richard_romancini
 
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento verdades, mentiras e p...
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento   verdades, mentiras e p...Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento   verdades, mentiras e p...
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento verdades, mentiras e p...
Angela Albarello Tolfo
 
Resenha FILME MEU NOME É JONAS
Resenha FILME MEU NOME É JONASResenha FILME MEU NOME É JONAS
Resenha FILME MEU NOME É JONAS
Raedja Guimarães
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Biblioteca FEAUSP
 
Aula 04 metodologia de um tcc
Aula 04   metodologia de um tccAula 04   metodologia de um tcc
Aula 04 metodologia de um tcc
Hidematuda
 
Relatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos Humanos
Relatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos HumanosRelatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos Humanos
Relatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos Humanos
AlessandraLoureiro
 
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Cleidilene Lima
 

Mais procurados (20)

Slides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaSlides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmica
 
Modelo banner 90 x 120
Modelo banner 90 x 120Modelo banner 90 x 120
Modelo banner 90 x 120
 
Modelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientificoModelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientifico
 
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNTModelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
 
Aula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aulaAula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aula
 
Resenha acadêmica
Resenha acadêmicaResenha acadêmica
Resenha acadêmica
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aula
 
Modelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em wordModelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em word
 
Ficha de avaliação de seminário
Ficha de avaliação de seminárioFicha de avaliação de seminário
Ficha de avaliação de seminário
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio
 
Exemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de PesquisaExemplos de Cronogramas de Pesquisa
Exemplos de Cronogramas de Pesquisa
 
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento verdades, mentiras e p...
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento   verdades, mentiras e p...Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento   verdades, mentiras e p...
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento verdades, mentiras e p...
 
Resenha FILME MEU NOME É JONAS
Resenha FILME MEU NOME É JONASResenha FILME MEU NOME É JONAS
Resenha FILME MEU NOME É JONAS
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
 
Aula 04 metodologia de um tcc
Aula 04   metodologia de um tccAula 04   metodologia de um tcc
Aula 04 metodologia de um tcc
 
Relatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos Humanos
Relatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos HumanosRelatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos Humanos
Relatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos Humanos
 
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
 

Destaque

Projeto pronto
Projeto prontoProjeto pronto
Projeto pronto
Construtoa LEAL FERREIRA
 
Projeto radio escolar
Projeto radio escolar Projeto radio escolar
Projeto radio escolar
EMEF JOÃO DA SILVA
 
Lista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisaLista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisa
marildabacana
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
Joao Balbi
 
NEUROCIÊNCIA APLICADA AO MARKETING: Conhecimento, aceitação e uso de técnicas...
NEUROCIÊNCIA APLICADA AO MARKETING: Conhecimento, aceitação e uso de técnicas...NEUROCIÊNCIA APLICADA AO MARKETING: Conhecimento, aceitação e uso de técnicas...
NEUROCIÊNCIA APLICADA AO MARKETING: Conhecimento, aceitação e uso de técnicas...
Natália Franciele de Oliveira
 
PPP 2012 EC 29
PPP 2012 EC 29PPP 2012 EC 29
PPP 2012 EC 29
Ana Silva
 
Recriando o recreio de brincar
Recriando o recreio de brincarRecriando o recreio de brincar
Recriando o recreio de brincar
Claudia Tedesco da Rocha
 
Monografia pronta - PARTE 2
Monografia  pronta - PARTE 2Monografia  pronta - PARTE 2
Monografia pronta - PARTE 2
ACLECIO
 
15287 -projeto_de_pesquisa
15287  -projeto_de_pesquisa15287  -projeto_de_pesquisa
15287 -projeto_de_pesquisa
Lucelena Mota
 
Nbr 15287-2011
Nbr 15287-2011Nbr 15287-2011
Nbr 15287-2011
ilarye
 
Modelos de Gestão
Modelos de GestãoModelos de Gestão
Modelos de Gestão
Érica Rangel
 
Modelo do resumo do projeto
Modelo do resumo do projetoModelo do resumo do projeto
Modelo do resumo do projetoCEPMBB
 
Psicopedagogia institucional slides 04-para o blog
Psicopedagogia institucional  slides 04-para o blogPsicopedagogia institucional  slides 04-para o blog
Psicopedagogia institucional slides 04-para o blog
estudosacademicospedag
 
Modelo de resumo
Modelo de resumoModelo de resumo
Modelo de resumo
PotenzaWD
 
Pré-projeto de Mestrado
Pré-projeto de MestradoPré-projeto de Mestrado
Pré-projeto de Mestrado
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Pesquisa Documental
Pesquisa DocumentalPesquisa Documental
Pesquisa Documental
César Augusto Pereira
 
Projeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leitura
Projeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leituraProjeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leitura
Projeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leitura
Amanda Freitas
 
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramentoLiteratura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Ana Lúcia Hennemann
 
Exemplos citações
Exemplos citaçõesExemplos citações
Exemplos citações
Maninho Walker
 
Projeto de pesquisaii p email
Projeto de pesquisaii p emailProjeto de pesquisaii p email
Projeto de pesquisaii p email
rupisiland
 

Destaque (20)

Projeto pronto
Projeto prontoProjeto pronto
Projeto pronto
 
Projeto radio escolar
Projeto radio escolar Projeto radio escolar
Projeto radio escolar
 
Lista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisaLista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisa
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
 
NEUROCIÊNCIA APLICADA AO MARKETING: Conhecimento, aceitação e uso de técnicas...
NEUROCIÊNCIA APLICADA AO MARKETING: Conhecimento, aceitação e uso de técnicas...NEUROCIÊNCIA APLICADA AO MARKETING: Conhecimento, aceitação e uso de técnicas...
NEUROCIÊNCIA APLICADA AO MARKETING: Conhecimento, aceitação e uso de técnicas...
 
PPP 2012 EC 29
PPP 2012 EC 29PPP 2012 EC 29
PPP 2012 EC 29
 
Recriando o recreio de brincar
Recriando o recreio de brincarRecriando o recreio de brincar
Recriando o recreio de brincar
 
Monografia pronta - PARTE 2
Monografia  pronta - PARTE 2Monografia  pronta - PARTE 2
Monografia pronta - PARTE 2
 
15287 -projeto_de_pesquisa
15287  -projeto_de_pesquisa15287  -projeto_de_pesquisa
15287 -projeto_de_pesquisa
 
Nbr 15287-2011
Nbr 15287-2011Nbr 15287-2011
Nbr 15287-2011
 
Modelos de Gestão
Modelos de GestãoModelos de Gestão
Modelos de Gestão
 
Modelo do resumo do projeto
Modelo do resumo do projetoModelo do resumo do projeto
Modelo do resumo do projeto
 
Psicopedagogia institucional slides 04-para o blog
Psicopedagogia institucional  slides 04-para o blogPsicopedagogia institucional  slides 04-para o blog
Psicopedagogia institucional slides 04-para o blog
 
Modelo de resumo
Modelo de resumoModelo de resumo
Modelo de resumo
 
Pré-projeto de Mestrado
Pré-projeto de MestradoPré-projeto de Mestrado
Pré-projeto de Mestrado
 
Pesquisa Documental
Pesquisa DocumentalPesquisa Documental
Pesquisa Documental
 
Projeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leitura
Projeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leituraProjeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leitura
Projeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leitura
 
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramentoLiteratura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
 
Exemplos citações
Exemplos citaçõesExemplos citações
Exemplos citações
 
Projeto de pesquisaii p email
Projeto de pesquisaii p emailProjeto de pesquisaii p email
Projeto de pesquisaii p email
 

Semelhante a Projeto de pesquisa exemplo

121 redes
121 redes121 redes
121 redes
ARILSON OLIVEIRA
 
Apostila_SENAI_Redes_de_Computadores_1a.doc
Apostila_SENAI_Redes_de_Computadores_1a.docApostila_SENAI_Redes_de_Computadores_1a.doc
Apostila_SENAI_Redes_de_Computadores_1a.doc
DefesaCivildeCamaari
 
Case de redes pinheiro
Case de redes pinheiroCase de redes pinheiro
Case de redes pinheiro
Carlos Eduardo Pinheiro
 
Apresentação Topologias de Redes de computadores.pptx
Apresentação Topologias de Redes de computadores.pptxApresentação Topologias de Redes de computadores.pptx
Apresentação Topologias de Redes de computadores.pptx
contareceptor2022
 
Cabeamento Estruturado - final.pptx
Cabeamento Estruturado - final.pptxCabeamento Estruturado - final.pptx
Cabeamento Estruturado - final.pptx
mauricio381833
 
Exec 1 resenha
Exec 1 resenhaExec 1 resenha
Exec 1 resenha
Halysson Ferreira
 
Projeto de pesquisa 1
Projeto de pesquisa 1Projeto de pesquisa 1
Projeto de pesquisa 1
Felipe Pereira
 
2 cabeamento estruturado e ambiente de conexão
2 cabeamento estruturado e ambiente de conexão2 cabeamento estruturado e ambiente de conexão
2 cabeamento estruturado e ambiente de conexão
Edmir Tavares de Arruda Junior
 
Redes de computadores douglas rocha mendes
Redes de computadores   douglas rocha mendesRedes de computadores   douglas rocha mendes
Redes de computadores douglas rocha mendes
William Nascimento
 
Convergencia art02
Convergencia art02Convergencia art02
Convergencia art02
Gabriel Martins
 
Projetos Estruturados de Redes - Parte 5
Projetos Estruturados de Redes - Parte 5Projetos Estruturados de Redes - Parte 5
Projetos Estruturados de Redes - Parte 5
José Wagner Bungart
 
Tópicos - Redes para Cluster de Alta Performance
Tópicos - Redes para Cluster de Alta PerformanceTópicos - Redes para Cluster de Alta Performance
Tópicos - Redes para Cluster de Alta Performance
Luiz Arthur
 
1 noções básicas de transmissão e meios físicos de rede
1 noções básicas de transmissão e meios físicos de rede1 noções básicas de transmissão e meios físicos de rede
1 noções básicas de transmissão e meios físicos de rede
Edmir Tavares de Arruda Junior
 
ASS - Estagio de Aprendizagem GTI.pdf
ASS - Estagio de Aprendizagem GTI.pdfASS - Estagio de Aprendizagem GTI.pdf
ASS - Estagio de Aprendizagem GTI.pdf
ViniciusAlmeida137
 
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742fTcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
João Bispo
 
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte IIAula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Dalton Martins
 
REDES DE COMPUTADORES.pptx
REDES DE COMPUTADORES.pptxREDES DE COMPUTADORES.pptx
REDES DE COMPUTADORES.pptx
JonasVimbane
 
Csma ca
Csma caCsma ca
Csma ca
redesinforma
 
Onix: Sistema Integrado de Gerˆencia para Redes Sobrepostas
Onix: Sistema Integrado de Gerˆencia para Redes SobrepostasOnix: Sistema Integrado de Gerˆencia para Redes Sobrepostas
Onix: Sistema Integrado de Gerˆencia para Redes Sobrepostas
Eduardo Nicola F. Zagari
 
Uma Plataforma para Engenharia de Tráfego com Qualidade de Serviço em Redes MPLS
Uma Plataforma para Engenharia de Tráfego com Qualidade de Serviço em Redes MPLSUma Plataforma para Engenharia de Tráfego com Qualidade de Serviço em Redes MPLS
Uma Plataforma para Engenharia de Tráfego com Qualidade de Serviço em Redes MPLS
Eduardo Nicola F. Zagari
 

Semelhante a Projeto de pesquisa exemplo (20)

121 redes
121 redes121 redes
121 redes
 
Apostila_SENAI_Redes_de_Computadores_1a.doc
Apostila_SENAI_Redes_de_Computadores_1a.docApostila_SENAI_Redes_de_Computadores_1a.doc
Apostila_SENAI_Redes_de_Computadores_1a.doc
 
Case de redes pinheiro
Case de redes pinheiroCase de redes pinheiro
Case de redes pinheiro
 
Apresentação Topologias de Redes de computadores.pptx
Apresentação Topologias de Redes de computadores.pptxApresentação Topologias de Redes de computadores.pptx
Apresentação Topologias de Redes de computadores.pptx
 
Cabeamento Estruturado - final.pptx
Cabeamento Estruturado - final.pptxCabeamento Estruturado - final.pptx
Cabeamento Estruturado - final.pptx
 
Exec 1 resenha
Exec 1 resenhaExec 1 resenha
Exec 1 resenha
 
Projeto de pesquisa 1
Projeto de pesquisa 1Projeto de pesquisa 1
Projeto de pesquisa 1
 
2 cabeamento estruturado e ambiente de conexão
2 cabeamento estruturado e ambiente de conexão2 cabeamento estruturado e ambiente de conexão
2 cabeamento estruturado e ambiente de conexão
 
Redes de computadores douglas rocha mendes
Redes de computadores   douglas rocha mendesRedes de computadores   douglas rocha mendes
Redes de computadores douglas rocha mendes
 
Convergencia art02
Convergencia art02Convergencia art02
Convergencia art02
 
Projetos Estruturados de Redes - Parte 5
Projetos Estruturados de Redes - Parte 5Projetos Estruturados de Redes - Parte 5
Projetos Estruturados de Redes - Parte 5
 
Tópicos - Redes para Cluster de Alta Performance
Tópicos - Redes para Cluster de Alta PerformanceTópicos - Redes para Cluster de Alta Performance
Tópicos - Redes para Cluster de Alta Performance
 
1 noções básicas de transmissão e meios físicos de rede
1 noções básicas de transmissão e meios físicos de rede1 noções básicas de transmissão e meios físicos de rede
1 noções básicas de transmissão e meios físicos de rede
 
ASS - Estagio de Aprendizagem GTI.pdf
ASS - Estagio de Aprendizagem GTI.pdfASS - Estagio de Aprendizagem GTI.pdf
ASS - Estagio de Aprendizagem GTI.pdf
 
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742fTcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
 
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte IIAula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
 
REDES DE COMPUTADORES.pptx
REDES DE COMPUTADORES.pptxREDES DE COMPUTADORES.pptx
REDES DE COMPUTADORES.pptx
 
Csma ca
Csma caCsma ca
Csma ca
 
Onix: Sistema Integrado de Gerˆencia para Redes Sobrepostas
Onix: Sistema Integrado de Gerˆencia para Redes SobrepostasOnix: Sistema Integrado de Gerˆencia para Redes Sobrepostas
Onix: Sistema Integrado de Gerˆencia para Redes Sobrepostas
 
Uma Plataforma para Engenharia de Tráfego com Qualidade de Serviço em Redes MPLS
Uma Plataforma para Engenharia de Tráfego com Qualidade de Serviço em Redes MPLSUma Plataforma para Engenharia de Tráfego com Qualidade de Serviço em Redes MPLS
Uma Plataforma para Engenharia de Tráfego com Qualidade de Serviço em Redes MPLS
 

Mais de Felipe Pereira

Maturidade
MaturidadeMaturidade
Maturidade
Felipe Pereira
 
4 aula - o papal estrategico nas mp es
4   aula - o papal estrategico nas mp es4   aula - o papal estrategico nas mp es
4 aula - o papal estrategico nas mp es
Felipe Pereira
 
6 aula - tecnologia+da+informação+ +aula 1905[2]
6   aula - tecnologia+da+informação+ +aula 1905[2]6   aula - tecnologia+da+informação+ +aula 1905[2]
6 aula - tecnologia+da+informação+ +aula 1905[2]
Felipe Pereira
 
Aula banco de dados (1)
Aula banco de dados (1)Aula banco de dados (1)
Aula banco de dados (1)
Felipe Pereira
 
Introdução a computação 05
Introdução a computação 05Introdução a computação 05
Introdução a computação 05
Felipe Pereira
 
Gilmar
GilmarGilmar
Regulamento p&g
Regulamento p&gRegulamento p&g
Regulamento p&g
Felipe Pereira
 
Procon esclarece diferença entre preço sugerido e preço tabelado
Procon esclarece diferença entre preço sugerido e preço tabeladoProcon esclarece diferença entre preço sugerido e preço tabelado
Procon esclarece diferença entre preço sugerido e preço tabelado
Felipe Pereira
 
Modelo artigo
Modelo artigoModelo artigo
Modelo artigo
Felipe Pereira
 
Aula de mercadologia
Aula de mercadologiaAula de mercadologia
Aula de mercadologia
Felipe Pereira
 
Introdução a computação 04 (1)
Introdução a computação 04 (1)Introdução a computação 04 (1)
Introdução a computação 04 (1)
Felipe Pereira
 
Aula ii unidade
Aula ii unidadeAula ii unidade
Aula ii unidade
Felipe Pereira
 
Apresentação feigenbaum
Apresentação feigenbaumApresentação feigenbaum
Apresentação feigenbaum
Felipe Pereira
 
Introdução a computação 04
Introdução a computação 04Introdução a computação 04
Introdução a computação 04
Felipe Pereira
 
Novo
NovoNovo
A resenha
A resenhaA resenha
A resenha
Felipe Pereira
 
Acordo língua portuguesa
Acordo língua portuguesaAcordo língua portuguesa
Acordo língua portuguesa
Felipe Pereira
 
Coesão e corencencia
Coesão e corencenciaCoesão e corencencia
Coesão e corencencia
Felipe Pereira
 
Coesão e coerência
Coesão e coerênciaCoesão e coerência
Coesão e coerência
Felipe Pereira
 

Mais de Felipe Pereira (20)

Maturidade
MaturidadeMaturidade
Maturidade
 
4 aula - o papal estrategico nas mp es
4   aula - o papal estrategico nas mp es4   aula - o papal estrategico nas mp es
4 aula - o papal estrategico nas mp es
 
6 aula - tecnologia+da+informação+ +aula 1905[2]
6   aula - tecnologia+da+informação+ +aula 1905[2]6   aula - tecnologia+da+informação+ +aula 1905[2]
6 aula - tecnologia+da+informação+ +aula 1905[2]
 
Aula banco de dados (1)
Aula banco de dados (1)Aula banco de dados (1)
Aula banco de dados (1)
 
Introdução a computação 05
Introdução a computação 05Introdução a computação 05
Introdução a computação 05
 
Gilmar
GilmarGilmar
Gilmar
 
Regulamento p&g
Regulamento p&gRegulamento p&g
Regulamento p&g
 
Procon esclarece diferença entre preço sugerido e preço tabelado
Procon esclarece diferença entre preço sugerido e preço tabeladoProcon esclarece diferença entre preço sugerido e preço tabelado
Procon esclarece diferença entre preço sugerido e preço tabelado
 
Modelo artigo
Modelo artigoModelo artigo
Modelo artigo
 
Aula de mercadologia
Aula de mercadologiaAula de mercadologia
Aula de mercadologia
 
Temas de trabalho
Temas de trabalhoTemas de trabalho
Temas de trabalho
 
Introdução a computação 04 (1)
Introdução a computação 04 (1)Introdução a computação 04 (1)
Introdução a computação 04 (1)
 
Aula ii unidade
Aula ii unidadeAula ii unidade
Aula ii unidade
 
Apresentação feigenbaum
Apresentação feigenbaumApresentação feigenbaum
Apresentação feigenbaum
 
Introdução a computação 04
Introdução a computação 04Introdução a computação 04
Introdução a computação 04
 
Novo
NovoNovo
Novo
 
A resenha
A resenhaA resenha
A resenha
 
Acordo língua portuguesa
Acordo língua portuguesaAcordo língua portuguesa
Acordo língua portuguesa
 
Coesão e corencencia
Coesão e corencenciaCoesão e corencencia
Coesão e corencencia
 
Coesão e coerência
Coesão e coerênciaCoesão e coerência
Coesão e coerência
 

Projeto de pesquisa exemplo

  • 1. 3 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições corporativas? 3 HIPÓTESES Hipótese 1: Redes estruturadas minimizam os problemas numa infra-estrutura de rede tornando-a o mais estável possível, ocasionando minimização dos custos e otimização de resultados. Hipótese 2: Com a estruturação de uma rede minimiza o tempo gasto na resolução de problemas afetando a disponibilidade dos serviços de TI o mínimo possível. Hipótese 3: Uma rede estruturada garante uma maior confiabilidade e eficiência na utilização dos recursos de rede aumentando a produtividade dos usuários da mesma. 4 JUSTIFICATIVA Tendo em vista o ambiente corporativo atual percebe-se o quanto os recursos computacionais têm se torado essencialmente necessárias, com o avanço da globalização a utilização das redes computacionais tem se mostrado cada vez mais presente no dia a dia de trabalho das pessoas. O desempenho do acesso a rede global está diretamente ligado a rede local sendo esta o veiculo de saída, se uma rede local não alcançar a eficiência necessária para uma boa utilização tanto a comunicação interna quanto a externa de sistemas computacionais encontram-se prejudicadas.
  • 2. 4 A busca por uma rede de eficiência desejável, dispõe de um conjunto de estudos com foco otimização das redes, avaliando custo beneficio trazendo uma gama de soluções que auxiliem neste processo. Avaliando o desempenho das redes se faz necessário pensar também de forma objetiva na diminuição de problemas e no tempo gasto na resolução destes mesmos problemas, desta forma se faz necessário pensar em estruturar as redes a fim de concentrar as vias de comunicação facilitando também o gerenciamento por meio da centralização. Segundo Gasparini (1997), é importante mensurar a estabilidade em torno das redes estruturadas, uma vez que as mesmas se apresentam mais previsíveis, estáveis, melhor gerenciáveis, com um menor índice de falhas entre outros ganhos, neste âmbito é que se faz necessária a avaliação dos esforços de implantação com relação a eficiência que a mesma proporciona. 5 OBJETIVOS 5.1OBJETIVO GERAL Analisar a importância de criar uma rede sem fio estruturada em instituições corporativas. 5.2 OBJETIVOS ESPECIFICOS Averiguar o quanto as redes estruturadas minimizam os problemas numa infra-estrutura de rede tornando-a o mais estável possível, ocasionando minimização dos custos e otimização de resultados. Examinar como a estruturação de uma rede minimiza o tempo gasto na resolução de problemas afetando a disponibilidade dos serviços de TI(tecnologia da informação) o mínimo possível. Estudar a implantação de rede estruturada avaliando a confiabilidade e eficiência na utilização dos recursos de rede aumentando a produtividade dos usuários da mesma.
  • 3. 5 6. REVISÃO DA LITERATURA Segundo Soares, Lemos e Colche (1995, p.11). Pode-se caracterizar uma rede local como sendo uma rede que permite a interconexão de equipamentos de comunicação de dados numa pequena região. De fato, tal definição é bastante vaga principalmente no que diz respeito às distâncias envolvidas. Em geral, nos dias de hoje, costuma-se considerar “pequena região” distâncias entre 100m e 25 km, muito embora as limitações associadas às técnicas utilizadas em redes locais não imponham limites a essas distâncias. Outras características típicas encontradas e comumente associadas a redes locais são: altas taxas de transmissão (de 0,1 a 100 -8 -11 Mbps - megabits por segundo) e baixas taxas de erro (de 10 a 10 ). É importante notar que os tem-se “pequena região”, “altas taxas de transmissão” ou “baixas taxas de erros” são susceptíveis à evolução tecnológica; os valores que associamos a estes termos estão ligados à tecnologia atual e certamente não serão mais os mesmos dentro de poucos anos. Outra característica dessas redes é que elas são, em geral, de propriedade privada. Partindo da citação acima apresentada, podem ter uma concepção de caracterização de uma rede, onde é possível perceber de forma clara que o conceito de redes está ligado a sua essência que é a operação de equipamentos de forma interligada, abstraindo a tecnologia que possibilita essa interação. O papel fundamental de uma rede é fazer acontecer a comunicação entre ou aplicações, funcionando como um veiculo pelo qual a informação trafega cumprindo um objetivo, é possível comparar as redes como um conjunto de túneis pelos quais transitam as informações. De forma a perceber que existem diversas tecnologias utilizadas para se estabelecer uma rede e que as mesmas se atualizam num curto período de tempo, pode citar que uma rede vai ser uma rede independente da tecnologia utilizada. O que difere uma rede da outra é a abrangência que cada uma tem e a forma como está estruturada. As tecnologias utilizadas na construção de uma rede são as mais diversas as quais diference em segmentos como rede telefônica ou de rede, e em escala de capacidade de comunicação, porem o que importa é que a comunicação ocorra da forma mais eficiente possível. Para que uma rede exista, cumprindo o seu papel de facilitador da comunicação é necessário um meio físico pela qual percorre a comunicação, este meio físico é conhecido como camada de enlace nela existe um caminhamento de cabos que são as vias de comunicação por assim dizer.
  • 4. 6 Se o cabeamento de rede é o meio físico pelo qual ocorre a comunicação de uma rede, tão logo a eficiência desta rede vai estar diretamente ligada ao estado de conservação e forma como está estruturado esse cabeamento. Com objetivo de alcançar a máxima eficiência na utilização da rede, o cabeamento estruturado tem cumprido bem este papel maximizando o desempenho das redes estruturadas. A citação abaixo fala a respeito do papel e da contextualização do cabeamento estruturado dentro de uma rede. Segundo Soares, Silva e C. Júnior (1999, p. 6). Por definição podemos dizer que o cabeamento estruturado fornece uma plataforma universal sobre a qual é construída a estratégia de um sistema corporativo e de informações globais. Considerando uma infra-estrutura flexível, um sistema de cabeamento estruturado pode suportar múltiplos sistemas, tais como: voz, dados, vídeo e multimídia, independente de seus fabricantes. A topologia utilizada para cabeamento estruturado é do tipo estrela, em que cada estação de trabalho é conectada a um ponto central, o que de certa forma facilita a interconexão e administração do sistema. Esse tipo de topologia permite que haja comunicação entre os dispositivos em qualquer lugar e qualquer hora. Um projeto bem elaborado de cabeamento estruturado pode incluir diferentes tipos de arco de rede, tais como: par trançado, fibra óptica, satélite, rádio etc. Conforme citado anteriormente um cabeamento estruturado visa viabilizar de forma centralizada, e padronizada a distribuição do cabeamento dentro de uma rede segmentando a comunicação de forma a se estabelecer uma centralização permitindo um monitoramento e facilitando a manutenção. Devido a padronização de técnicas de implantação as redes estruturadas tendem a ser mais estáveis uma vez que utilizam padrões que já comprovados se apresentam como formas mais eficientes. Segundo Gasparini (1997, p. 75). O motivo comumente alegado pelos projetistas de LANs (Local Area Network) quanto à não adoção do cabeamento estruturado é o custo muito elevado da solução. Mas se levarmos em conta os gastos com os novos pontos e principalmente com pontos remanejados (em torno de R$ 30,00 por ponto, apenas a mão-de- obra), verificamos que o investimento inicial é rapidamente amortizado devido à significativa economia. Outro aspecto muito importante a considerar está relacionado às dificuldade na passagem de mais cabos durante o crescimento de uma rede não estruturado. Os dutos passam a ser insuficiente, e o pior é que ao tentarmos passar um cabo em um duto superlotado, podemos romper cabos que estavam em funcionamento, devido à “força” aplicada pelos técnicos. Para evitar isso, muitas empresas vivem em “obras”, sendo que o cabeamento estruturado é definitivo e deveria ser a opção adotada. Não devemos esquecer que a infra-estrutura de cabling é o primeiro parâmetro que sinalizará o sucesso ou não do projeto da rede como um todo.
  • 5. 7 Conforme visto acima uma rede estruturada apresenta um custo inicial aparentemente alto, porém a curto prazo se paga, devido ao grande numero de manutenções corretivas que são dispensadas, isto sem falar no ganho no desempenho da rede, que fica livre de gargalos e de problemas inesperados. O baixo custo de manutenção e eficiência são a bandeira da rede estruturada, uma vez que implantada apresenta alto índice de desempenho. Uma questão a ser levada em conta é que por ser o custo de implantação relativamente alto, alguns acabam ficando pelo meio do caminho e tentando adaptar, para que uma rede estruturada possa garantir a eficiência pretendida é preciso que o processo seja rigorosamente de acordo os padrões estabelecidos. Implantar uma rede estruturada é uma tarefa árdua que exige o esforço de deixar de lado o costume de adaptar, quando a implantação ocorre de forma correta, existe um grande ganho no que diz respeito as vantagens acima mencionadas. É importante que tanto os ganhos quanto as obrigações sejam aplicadas e reconhecidas para que haja entendimento correto a respeito tanto dos esforços e valores aplicados quanto da eficiência a fim de que seja possível mensurar a viabilidade de se estabelecer uma rede estruturada. 7. DEFINIÇÃO DA METODOLOGIA Buscando analisar a temática proposta, este trabalho será pautado na investigação a respeito do tema proposto. De forma a atingir a maior veracidade possível no processo de conhecimento da problemática a ser estudada, o trabalho examinará com um olhar investigativo situações referentes ao objeto estudado que no caso desta analise trata-se de cabeamento estruturado. O estudo visa abordar o conhecimento a respeito da rede estruturada e sua aplicação em ambientes coorporativos para isso se faz necessário direcionar a abordagem em base da utilização de material teórico. Estabelecendo uma linha de investigação pela qual será conduzido o trabalho, para que seja levantado todo o material necessário com o intuito de estabelecer uma avaliação pratica do que propõe o estudo. Após o levantamento do material teórico o estudo seguirá distribuído em, 4 fases distintas as quais serão avaliadas separadamente, a primeira buscará o conhecimento teórico referente a contextualização do objeto estudado. A segunda
  • 6. 8 buscará estudar um ambiente de rede não estruturado. A terceira fase terá por objetivo estudar um ambiente de uma rede estruturada. A quarta fase terá a responsabilidade de oferecer a distinção entre o ambiente estruturado e o não estruturado de forma a identificar as diferenças e avaliando se solução oferecida pela rede estruturada as vantagens que propõe. Este trabalho visa atuar utilizando o método experimental de forma a estudar os fatores de rede e os respectivos efeitos causados pela implantação de uma rede estruturada desta forma avaliando a veracidade das hipóteses levantadas. REFERÊNCIAS GASPARINI, Anteu Fabiano Lúcio. A Infraestrutura de LANS. 4. ed. São Paulo: Érica, 1997.
  • 7. 9 SOARES, Luis Fernando Gomes, LEMOS, Giudo, COLCHER, Sérgio. Redes de Computadores das Lans, Mans e Wans às Redes ATM, 2. edª. Rio de Janeiro: Campus, 1995. SOARES, Vicente Neto, SILVA, Adelson de Paula, C. JÚNIOR, Mário Boscato. Redes de Alta Velocidade – Cabeamento Estruturado. São Paulo: Érica, 1999.