SlideShare uma empresa Scribd logo
P R O F . E S P . : S U S A N N E M E S S I A S D E F A R I A S
ÉTICA DA EDUCAÇÃO
Ementa:
Escola e sociedade. Pedagogia da esperança. Ética. Ética e moral.
Compromisso ético. Ética e educação. Educação ética para um
convívio ético na sociedade. O lugar da ética na educação num mundo
globalizado. O lugar da ética no trabalho de um educador.
ORIGEM DA PALAVRA
A palavra Ética é originada do grego ethos, (modo de ser,
caráter) através do latim mos (ou no plural mores)
(costumes, de onde se derivou a palavra moral.) Em
Filosofia, Ética significa o que é bom para o indivíduo e
para a sociedade, e seu estudo contribui para
estabelecer a natureza de deveres no relacionamento
indivíduo - sociedade.
CONCEITO
A ética não se confunde com a moral. A moral é a
regulação dos valores e comportamentos considerados
legítimos por uma determinada sociedade, um povo, uma
religião, uma certa tradição cultural etc. Há morais
específicas, também, em grupos sociais mais restritos:
uma instituição, um partido político...
POR QUE A ÉTICA É NECESSÁRIA E
IMPORTANTE?
A ética tem sido o principal regulador do
desenvolvimento histórico-cultural da humanidade. Sem ética,
ou seja, sem a referência a princípios humanitários
fundamentais comuns a todos os povos, nações, religiões etc,
a humanidade já teria se despedaçado até à auto-destruição.
Também é verdade que a ética não garante o progresso moral
da humanidade.
INTRODUÇÃO
 Se a educação inclui a ética como uma condição para que ela
se construa de acordo com a sua tarefa primordial, antes de
tudo, buscaremos compreender o que se entende por educar e
de que tarefa se trata aqui. Para explicitar o conceito de
educação que assumimos ao relacioná-la com a ética,
começaremos por contextualizar a existência humana, razão da
emergência do fenômeno educativo e das exigências éticas.
ÉTICA E EDUCAÇÃO
 A educação é uma socialização das novas gerações de uma
sociedade e, enquanto tal, conserva os valores dominantes (a moral)
naquela sociedade. A educação é também uma possibilidade e um
impulso à transformação: desenvolvimento das potencialidades dos
educandos.
 Toda educação é uma ação interativa: se faz mediante informações,
comunicação, diálogo entre seres humanos. Em toda educação há
um outro em relação. Em toda educação, por tudo isso, a ética está
implicada. Uma educação pode ser eficiente enquanto processo
formativo e ao mesmo tempo, eticamente má, como foi a educação
nazista, por exemplo.
ÉTICA
A meta deste estudo é buscar uma aproximação entre a
educação e a ética. Falar e fazer educação implica pensar e agir
eticamente, de acordo com a afirmação de Baptista (2005, p. 9). Na
grande obra da construção humana, a educação entra como uma tarefa
indispensável, atuando em um mundo e sobre seres marcados por
diversidades incontáveis.
ÉTICA E MORAL
Antes de avançarmos na busca da aproximação entre educação e ética no
campo educativo, faz-se necessário clarificar a compreensão dos termos ética e
moral. Muitas vezes, eles são empregados como sinônimos, o que não vem a
ser algo impreciso de todo. Originalmente, ambos os termos se referem às
mesmas coisas, ou seja, costumes, modos de ser e de agir.
Todavia, diferenciá-las encaminha o entendimento para os seus significados
específicos, embora não haja sempre um consenso entre os autores a respeito
desta questão. Vasquez (1978) e Imbert (2002) coincidem a este respeito. Para
eles, ética se refere a uma postura reflexiva sobre as questões dos valores e
princípios axiológicos; enquanto a moral se refere à expressão normativa
resultante deste esclarecimento.
O que é moral?
 A palavra moral tem origem no latim – morus –
significando os usos e costumes.
 Moral é o conjunto das normas para o agir específico ou
concreto. A moral está contida nos códigos, que tendem a
regulamentar o agir das pessoas.
 Instrumento fundamental para a instauração de um viver
em conjunto.
O que é moral?
 Condição necessária para a sobrevivência da
espécie humana.
 Base para a construção de um mundo político.
COMPROMISSO ÉTICO
Na busca de uma aproximação entre a educação e a ética, servimo-nos
mais uma vez dos argumentos de Imbert, que defenderá a ideia de um
necessário engajamento ético efetivo na prática educativa. Estes argumentos
ultrapassam a afirmação da possibilidade de uma aproximação entre a educação
e a ética e colocam-na como necessidade ao afirmar que o engajamento ético
leva-nos a enfrentar a questão do sujeito; o reconhecimento de sua essencial
singularidade... (2002, p. 66). Assim como Baptista (2005), Imbert (2002) inicia
seu questionamento sobre a ética no campo educativo pela distinção entre ética
e moral .
ESCOLA E SOCIEDADE
A busca de uma aproximação entre a educação e a ética se depara
com dificuldades e situações paradoxais de toda ordem, explicitadas
nos questionamentos que se apresentam logo a seguir. Não obstante
estas condições que representam tantas dificuldades, é preciso pôr-se
a caminho na busca desta aproximação.
Desde logo, tem-se claro que esta junção se fará de forma lenta e
imperfeita, num contínuo e constante processo de construção. Seria de
todo desejável podermos afirmar que não é possível haver educação
sem ética. Entretanto, a realidade é marcada por uma imperfectibilidade
inerente a toda condição humana.
EDUCAÇÃO ÉTICA PARA UM CONVÍVIO ÉTICO NA
SOCIEDADE
Etimologicamente a palavra ética vem do grego ethos, que quer dizer o
modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram o ethos grego para o latim
“mos”, que quer dizer costume, de onde vem a palavra moral. Ambas indicam
um tipo de comportamento propriamente humano que não é natural, o homem
não nasce com ele como se fosse um instinto, mas é “adquirido ou conquistado
por hábito” (Vázquez, 2003).
O LUGAR DA ÉTICA NA EDUCAÇÃO NUM MUNDO
GLOBALIZADO
Vive-se hoje na era da informação, sendo que diariamente se é
bombardeado por diversas informações, que estão disponíveis em toda
parte e que atingem todas as classes sociais. Dentre os principais
veículos tem-se a internet, jornais, rádio, revistas e TVs.
As informações transitam com tal rapidez e abrangência, que
causam incertezas quanto ao futuro, principalmente àqueles que
possuem dificuldades em se adaptar ao cenário globalizado. Esse
acesso imediato às informações fez com que o mundo se tornasse
pequeno, mediante a um conhecimento tão diversificado. Mas este
modelo de globalização gerado pela evolução das comunicações e
tecnologias requer de todo indivíduo um preparo, principalmente dos
profissionais da educação, já que a qualificação é um quesito
necessário para sobrevivência neste século
O LUGAR DA ÉTICA NO TRABALHO DE UM EDUCADOR
Existem algumas reflexões que são necessárias sobre o papel
social do professor para com a sociedade e os caminhos para que ele
exerça a profissão com qualidade. Para que ocorra essa qualidade no
trabalho, exigem-se mudanças no relacionamento do professor com
seus alunos e nas ações didáticas adotadas para a socialização do
conhecimento, socialização esta necessária para uma sociedade
equilibrada em todos os aspectos
SENTIDO E ALCANCE DA EDUCAÇÃO COMO PRÁTICA SOCIAL
Do ponto de vista etimológico, a palavra latina educare é a raiz
do vocábulo educação, e significa o ato de alimentar ou criar. Nesse
sentido, educação pode ser compreendida apenas como instrução ou
mera aquisição de informações (alimentar o outro com informações),
sem uma reflexão crítica do conhecimento acumulado. Em uma
segunda acepção, educação significa a formação integral do ser
humano (educere) sendo, assim, o processo que indicaria o pleno
desenvolvimento das potencialidades do homem
Como ter, na educação, um instrumento que venha a ser uma ferramenta,
mesmo que imperfeita, de formação desta realidade ética, se ela só existe
enquanto serve a uma sociedade que lhe impõe sua maneira de ser e de
funcionar? Por outra, como buscar uma educação impregnada de valores
éticos em um mundo que não contempla a ética como um valor
imprescindível?
Como um profissional da educação poderá pretender realizar a sua tarefa
cotidiana como educador se ele precisa responder às exigências de uma
sociedade que lhe impõe padrões de comportamento que em pouco ou nada
contemplam uma postura ética fundamental? Como buscar pelo menos uma
aproximação entre a educação e a ética na prática cotidiana deste profissional
da educação? Na contrapartida de todas essas indagações, cabe perguntar se
não é mesmo possível haver educação sem ética?
Direitos ÉTICA Deveres
Ética na Escola
“Toda educação é uma ação interativa: faz-se mediante
informações, comunicação, diálogo entre seres humanos. Em toda
educação há um outro em relação. Em toda a educação, por tudo
isso, a ética está implicada.”
“Aprender a ser cidadão é, entre outras coisas, aprender a agir
com respeito, solidariedade, responsabilidade, justiça, não
violência; aprender a usar o diálogo nas mais diferentes
situações e comprometer-se com o que acontece na vida
coletiva da comunidade e do país. Esses valores e essas
atitudes precisam ser aprendidos e desenvolvidos pelos alunos
e, portanto, podem e devem ser ensinados na escola.”
 A escola é co-responsável na
formação do indivíduo: reforça os
valores necessários para a boa
formação ética e moral.
Educa a vontade para que os alunos
desenvolvam virtudes.
ESCOLA X ÉTICA
 A escola é um ambiente propício para o exercício e aprendizado
da ética. Através dela, professores, alunos e funcionários podem
obter resultados positivos no processo educacional, melhorando
o ambiente de trabalho e aprendizado.
 Em suma, se todos agirem de forma ética na escola todos
sairão ganhando, pois os resultados serão positivos.
OS PROFESSORES
 Os professores desempenham papéis fundamentais no que
se refere à ética na escola.
 As crianças e jovens aprendem mais com exemplos do que
com palavras.
 O professor que age de forma ética com alunos, professores
e funcionários escolares passam aos alunos um importante
modelo de comportamento ético.
Valores a serem trabalhados
 Respeito mútuo;
 Dignidade;
 Justiça;
 Diálogo;
 Solidariedade;
 Igualdade;
 Convívio democrático;
 Preservação meio ambiente.
Exemplos de atitudes éticas dos professores:
 Ensinar aos alunos o que é ética e sua importância nos
diversos níveis como, por exemplo, ambiente de trabalho,
família, escola, grupo de amigos e etc.
 Esclarecer e cumprir com clareza aos alunos os métodos de
ensino e avaliações.
 Ouvir e respeitar as opiniões dos alunos.
 Buscar a qualidade no processo educacional.
 Cumprir prazos na entrega de documentações, diários,
avaliações, notas e etc.
ESCOLA X ÉTICA
 A escola é um ambiente propício para o exercício
e aprendizado da ética. Através dela, professores,
alunos e funcionários podem obter resultados
positivos no processo educacional, melhorando o
ambiente de trabalho e aprendizado.
 Em suma, se todos agirem de forma ética na
escola todos sairão ganhando, pois os resultados
serão positivos.
OS ALUNOS
 As crianças e jovens estão no processo
de aprendizagem e, portanto, a ética deve
ser ensinada e cobrada.
 Sabemos que muito do comportamento
ético do aluno tem como origem a família,
principalmente os pais.
 Porém, cabe à escola trabalhar a ética no
ambiente escolar para que resulte em
melhor qualidade de ensino
Exemplos de atitudes éticas dos alunos:
 Respeitar o trabalho dos professores e funcionários da escola.
Respeitar também o direito de aprender dos outros alunos. Na
prática, isso significa não conversar, brincar ou atrapalhar de
qualquer forma os momentos em que o professor está
explicando ou tirando dúvidas de outros colegas.
 Não colar em avaliações ou elaboração de trabalhos
escolares.
 Não usar trabalhos prontos, disponíveis na Internet, para
entregar aos professores.
 Não praticar bullying.
POR QUE SE FALA TANTO EM ÉTICA
HOJE NO BRASIL?
Não só no Brasil se fala muito em ética hoje. Mas
temos motivos de sobra para nos preocuparmos com a
ética no Brasil. O fato é que em nosso país assistimos a
umadegradação moral acelerada, principalmente na
política.
ÉTICA E JUSTIÇA SOCIAL
A moral tradicional do liberalismo econômico e político
acostumou-nos a pensar que o campo da ética é o campo
exclusivo das vontades e do livre arbítrio de cada indivíduo. Nessa
tradição, também, a organização do sistema econômico-político-
jurídico seria uma coisa "neutra", "natural", e não uma construção
consciente e deliberada dos homens em sociedade. Por isso
acostumamo-nos a julgar que não seja parte de minha
responsabilidade ética a situação do desempregado, do faminto,
do que migrou por causa da seca, do que não teve êxito na escola
etc., só porque esses males não foram produzidos por mim
diretamente.
A ÉTICA DA MALANDRAGEM
O Brasil vive uma grande crise moral e ética que atinge toda
sociedade, perpassa as instituições, e se reflete no ânimo e no
funcionamento da Nação como um todo. Nunca, em toda a nossa
História, a vida humana foi tão aviltada, o respeito às normas de
convivência social foi tão negligenciado, os valores morais e éticos
foram tão desconsiderados. Finalmente, e infelizmente, a velha teoria
do levar vantagem em tudo, que se popularizou na década de 70,
através de um comercial de cigarros protagonizado pelo ex-jogador
Gérson, concretizou-se como referência padrão de uma grande
parcela de nossa sociedade, atingindo indistintamente ricos e pobres.
Enfim, substituímos a verdadeira ética por uma espécie de ética da
malandragem.
Uma educação sem ética deixa de ser educação?
Precisamos conviver com a existência de mais perguntas do que
respostas e certezas e com as contradições inerentes a uma
realidade complexa e paradoxal. Mesmo assim, é preciso
encontrar e alimentar razões suficientes para acreditar que esta
aproximação é possível, que o mundo é transformável e a
esperança de uma realidade orientada por valores éticos pode
ser construída.
Experiências de socialização aconteceram durante
décadas ao longo do século XX. Todavia, tudo acabou em um
liberalismo renovado – neoliberalismo – que afirma os valores do
capitalismo excludente e avassalador em todas as partes do
mundo.
• PEDAGOGIA DA ESPERANÇA
Para pensar a busca de se aproximar educação com ética,
considerando-se o fato de que ela sempre se coloca como um
fenômeno social, é a proposta de educação de Paulo Freire que se
apresenta essencialmente como uma ação transformadora e
libertadora.
Segundo Freire (2001), a educação se expressará como uma
pedagogia do oprimido, isto é, como uma prática da liberdade e da
esperança. A educação, segundo Freire (1985), se constituirá na
construção do ser mais de todos os seres humanos. Em um contexto
de mundo, onde somente os donos de tudo têm vez e voz, é preciso
que seja recuperada a dignidade de cada ser humano. A massa
populacional é reduzida à sua condição de ser menos, silenciosa,
submissa e excluída de tudo.
Teoria usada hoje na educação
Para Paulo Freire, educar é um ato político, por isso ele
trouxe para a educação pós-moderna o desafio e reiventar
uma práxis pedagógica, política e epistemológica
profundamente democrática. A preocupação fundamental
dele era com as relações entre professor, aluno e
consciência crítica. No seu livro "A importância do ato de
ler", ele nos lembra que a leitura do mundo precede a
leitura da palavra e nos dá seu próprio exemplo como
prova disso, pois aprendeu a ler em casa rodeado de
árvores e animais. A leitura de mundo, ou melhor do seu
mundo, foi fundamental para a compreensão da
importância do ato de ler e escrever ou de rescrever,
transformando-se numa prática consciente.
Só assim alguém poderá exercer a sua liberdade e a sua dignidade
humana. Este processo de libertação não se dará de forma espontânea
e mágica. Um ser humano que vive numa condição de opressão e, por
conseguinte, de indignidade, jamais despertará em uma bela manhã,
iluminado pela consciência de sua realidade opressiva e disposto a
mudar a sua condição.
Contribuições de Paulo Freire para Educação
Para Paulo Freire, educar é um ato político, por isso
ele trouxe para a educação pós-moderna o desafio e
reinventar uma práxis pedagógica, política e
epistemológica profundamente democrática.
A preocupação fundamental dele era com as relações entre
professor, aluno e consciência crítica.
Segundo Freire tudo que vivenciamos em nossos
primeiros contatos com o mundo deveria fazer parte do
universo escolar de todas as pessoas e de todos os
grupos, expressando assim a realidade de cada um
através da sua linguagem, pois educar significa assumir um
compromisso com o outro, para que este possa ser sujeito
da sua história e do seu processo de aprendizagem.
Freire não criou nenhum método, nem teoria, pois
estes termos dão ideia de algo pronto para ser seguido,
tudo que ele não queria, na verdade ele lançou o desafio
de reinventar uma práxis pedagógica dialógica para
libertar da opressão a nossa sociedade. Para ele é
impossível qualquer ação humana se comunicação
dialógica, mas não qualquer dialogo e sim uma
comunicação "horizontal" por se tratar de sujeitos sociais
que compartilham a experiência de transformarem o
mundo e se autotransformarem.
Teoria defendida
Para Paulo Freire, as questões e problemas
principais da educação não são questões
pedagógicas, ao contrário, são questões políticas.
Para ele, a educação e o sistema de ensino não
modifica a sociedade, mas a sociedade é que pode
mudar o sistema instrucional. O sistema educacional
pode ter um papel de destaque numa revolução
cultural. Ele chama de revolução a consciente
participação do povo. Logo, a pedagogia crítica, como
uma constante, contribui para revelar a ideologia
esquecida na consciência das pessoas.
A proposta de Paulo Freire, em termos
educacionais, é uma proposta antiautoritária, onde
professores e alunos ensinam e aprendem juntos,
engajados num diálogo permanente. Esse
processo não deve estar presente apenas na sala
de aula, mas em um círculo cultural constante.
Segundo o discurso de Paulo Freire, referente
à prática educativo-crítica: “A reflexão crítica sobre
a prática se torna uma exigência da relação
Teoria/Prática sem a qual a teoria pode ir virando
blábláblá e a prática, ativismo”. e “...ensinar não é
transferir conhecimento, mas criar as
possibilidades para a sua produção ou a sua
construção.” (Paulo Freire, Pedagogia da
Autonomia)
Paulo Freire era aberto a debates e
reuniões e uma das suas principais virtudes era
ouvir críticas e, principalmente, auto-criticar-se
permanentemente. Com isso modificava, revia
e alterava conceitos. Como ele mesmo dizia:
“cada vez mais incerto de suas certezas”.
Suas propostas foram feitas para serem
recriadas, conforme o cotidiano, o imaginário,
os interesses e os valores, conforme as
condições de vida de seu praticante, sejam
educandos ou educadores.
CÓDIGO DE ÉTICA
Um código de ética é um acordo explícito entre os
membros de um grupo social: uma categoria profissional,
um partido político, uma associação civil etc. Seu
objetivo é explicitar como aquele grupo social, que o
constitui, pensa e define sua própria identidade política e
social; e como aquele grupo social se compromete a
realizar seus objetivos particulares de um modo
compatível com os princípios universais da ética.
 Afinal, que papel cumpre a educação em
um mundo simultaneamente
atravessado pelo desenvolvimento
tecnico avassalador e pelo crescimento
vertiginoso da fome e da miséria?
 Que significa educar em um tempo em
que a violência (política, ética, religiosa,
esportiva) atinge escala planetaria,
tornando tênues as fronteiras entre
civilização e barbárie?
 Ser cidadão é poder apropriar-se dos bens socialmente
produzidos, é atualizar “todas as possibilidades de
realização humana abertas pela vida social em cada
contexto historicamente determinado” (Coutinho, 1994,
p.2). Tal possibilidade de apropriação deixa de existir se no
seio da sociedade se instala a competição exacerbada,
expressa pelo que aqui no Brasil se conhece por “lei de
Gérson”:
 A ética é a morada do bem, diziam os primeiros filósofos
gregos no século VI a.C. Ética vem do grego ethos que
significa modo de ser ou caráter. Para eles, o ethos
representava o lugar que abrigava os indivíduos-cidadãos,
aqueles responsáveis pelos destinos da pólis (cidade).
 Desse modo, enquanto é ética compete estudar os
elementos teóricos que nos permitem entender entender a
moralidade do sujeito, a moral diz respeito à esfera da
conduta, do agir concreto de cada um. Pode-se resumir tais
diferenças da seguinte forma: a ética revela-se como reflexão
(teoria), já a moral diz respeito à ação (práxis).
 O ethos grego corresponde ao latim mos (mores) , do qual
deriva o termo moral. Ética e moral são palavras que
significam, em sua origem, a mesma coisa, pois dizem
respeito ao modo como os indivíduos devem agir em relação
ao outro no espaço em que vivem.
 Entretanto, hoje podemos estabelecer uma
diferença entre ambas, pois a ética se constitui
como uma parte da filosofia que trata da moral em
geral, ou da moralidade de cada ser humano, em
particular. A ética é por muitas definida como a
ciência da moral. Isso significa que a moral aparece
atualmente como um objeto de reflexão da ética.
 Desse modo, enquanto é ética compete estudar os
elementos teóricos que nos permitem entender a
moralidade do sujeito, a moral diz respeito à esfera
da conduta, do agir concreto de cada um. Pode-se
resumir tais diferenças da seguinte forma: a ética
revela-se como reflexão (teoria), já a moral diz
respeito à ação (práxis).
 A necessidade que impõe a cada ser humano o dever de respeitar os
costumes e as normas da sociedade revela a importância que o ethos,
ou aquilo que hoje chamamos de moral, assume em nossas vidas.
Como o homem, em seu agir moral, é, ao mesmo tempo, produto da
natureza e da cultura, o ethos (ou moral), segundo alguns pensadores
gregos (Platão, Aristóteles, Epicuro), serviria para regular os apetites
humanos e controlar as suas inclinações e instintos mediante o uso
da razão (logos).
 A ética, com efeito, trata do comportamento do
homem, da relação entre a sua vontade e a
obrigação de seguir uma norma, do bem e do
mal, do que é justo e injusto, da liberdade e da
necessidade de respeitar o próximo.
 A ética, enquanto campo de estudo e reflexão,
revela que nossas ações têm efeitos na
sociedade e que cada homem deve ser livre e
responsável por suas atitudes. De fato, a
responsabilidade se constitui como elemento
essencial à vida moral do indivíduo. Aliás, o
homem só pode ser moralmente responsável
pelos atos cuja natureza conhece e cujas
consequências ele é capaz de prever.
O que significa ser cidadão e como este pode exercer plenamente sua
cidadania?
 É comum se afirmar que ser cidadão significa possuir direito ao
voto, à liberdade de expressão, à saúde, à educação, ao trabalho, à
locomoção, à alimentação, à habitação, à justiça, à paz, a um meio-
ambiente saudável, à felicidade, dentre outros.
 A cidadania é a condição social que confere a
uma pessoa o usufruto de direitos que lhe
permitem participar da vida política e social da
comunidade no interior da qual está inserida. A
esse indivíduo que pode vivenciar tais direitos
chamamos de cidadão.
 Ser cidadão, nessa perspectiva, é respeitar e
participar das decisões coletivas a fim de
melhorar sua vida e a da sua comunidade. O
desrespeito a tais direitos por parte do Estado,
de Instituições ou pessoas, gera exclusão,
marginalização e violência.
REFERÊNCIAS
BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. 38 ed. São Paulo:
Brasiliense, 1996.
Ética e o profissional da Educação. Disponível em
http://www.slideshare.net/gerisval/tica-e-o-profissional-da-educao.
Acesso 06 de junho 2017.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à
prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
CANIVEZ, Patrice. Educar o cidadão? São Paulo: Papirus, 1991.
VALLS, Álvaro L. M. O que é ética. Brasiliense, 1993. Pessoa. Gerisval.
Thums. Jorge. Ética na Escola – filosofia e valores na escola.
Disponível em
http://www.suapesquisa.com/educacaoesportes/etica_escola.htm.
Acesso 06 de junho de 2017.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
Ulisses Vakirtzis
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
Secretaria da Educação
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Ética moral e valores
Ética moral e valoresÉtica moral e valores
Ética moral e valores
Patrícia Éderson Dias
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
Soares Junior
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
Linda-maria12
 
O ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológiasO ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológias
Renato De Souza Abelha
 
Eja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMAEja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMA
Leandro Marques
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
Grasiela Dourado
 
Respeito
RespeitoRespeito
Respeito
DeaaSouza
 
Valores
ValoresValores
Ética da educação slides
Ética da educação slidesÉtica da educação slides
Ética da educação slides
unieubra
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
Jose Wilson Melo
 
O papel da família na educação dos filhos
O papel da família na educação dos filhosO papel da família na educação dos filhos
O papel da família na educação dos filhos
Marta Lemos
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação Brasileira
Edneide Lima
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
Marcelo Assis
 
Legislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional BrasileiraLegislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional Brasileira
Messias Mota Vieira
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar

Mais procurados (20)

Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
Ética moral e valores
Ética moral e valoresÉtica moral e valores
Ética moral e valores
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
O ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológiasO ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológias
 
Eja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMAEja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMA
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
 
Respeito
RespeitoRespeito
Respeito
 
Valores
ValoresValores
Valores
 
Ética da educação slides
Ética da educação slidesÉtica da educação slides
Ética da educação slides
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Conhecendo a didática
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Currículo escolar
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
 
O papel da família na educação dos filhos
O papel da família na educação dos filhosO papel da família na educação dos filhos
O papel da família na educação dos filhos
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação Brasileira
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 
Legislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional BrasileiraLegislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional Brasileira
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Gestão escolar
 

Semelhante a Etica e educacao

Ética e Competência
Ética e CompetênciaÉtica e Competência
Ética e Competência
AlessandroRubens
 
DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...
DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...
DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...
Selma Aparecida Cesarin
 
Texto27 P7
Texto27 P7Texto27 P7
Texto27 P7
renatotf
 
Valores na escola
Valores na escolaValores na escola
Valores na escola
Luis Carlos Almeida
 
Ética na educação
Ética na educaçãoÉtica na educação
Ética na educação
Marilene dos Santos
 
Formação moral
Formação moralFormação moral
Formação moral
viviprof
 
8609-Texto do artigo-36396-1-10-20171219 (1).pdf
8609-Texto do artigo-36396-1-10-20171219 (1).pdf8609-Texto do artigo-36396-1-10-20171219 (1).pdf
8609-Texto do artigo-36396-1-10-20171219 (1).pdf
wisilca
 
Ser ou estar professor a construção da ética no contexto escolar
Ser ou estar professor a construção da ética no contexto escolarSer ou estar professor a construção da ética no contexto escolar
Ser ou estar professor a construção da ética no contexto escolar
Claudio Santos
 
Keila01 projeto
Keila01 projetoKeila01 projeto
Keila01 projeto
Juçara Keylla
 
durkheim
durkheimdurkheim
Educação e Regras de Ética
Educação e Regras de ÉticaEducação e Regras de Ética
Educação e Regras de Ética
Silvana
 
Trabalho pedagogia
Trabalho pedagogiaTrabalho pedagogia
Trabalho pedagogia
Ruthinha Ferreira
 
01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf
01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf
01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf
ssuserdd552c1
 
4. durkheim e a educação
4. durkheim e a educação4. durkheim e a educação
4. durkheim e a educação
MACEIÓ - James Washington
 
PPP - E.E.B. Alexandre Ternes Filho
PPP - E.E.B. Alexandre Ternes FilhoPPP - E.E.B. Alexandre Ternes Filho
PPP - E.E.B. Alexandre Ternes Filho
Ana Paula Silva
 
Módulo IV Aula 8
Módulo IV Aula 8Módulo IV Aula 8
Módulo IV Aula 8
CETUR
 
ETICA E COMPETENCIA.pdf
ETICA E COMPETENCIA.pdfETICA E COMPETENCIA.pdf
ETICA E COMPETENCIA.pdf
karlliny martins
 
Atividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticasAtividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticas
rosiane sangali
 
Atividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticasAtividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticas
rosiane sangali
 
G ped didp_3_1_05
G ped didp_3_1_05G ped didp_3_1_05

Semelhante a Etica e educacao (20)

Ética e Competência
Ética e CompetênciaÉtica e Competência
Ética e Competência
 
DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...
DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...
DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...
 
Texto27 P7
Texto27 P7Texto27 P7
Texto27 P7
 
Valores na escola
Valores na escolaValores na escola
Valores na escola
 
Ética na educação
Ética na educaçãoÉtica na educação
Ética na educação
 
Formação moral
Formação moralFormação moral
Formação moral
 
8609-Texto do artigo-36396-1-10-20171219 (1).pdf
8609-Texto do artigo-36396-1-10-20171219 (1).pdf8609-Texto do artigo-36396-1-10-20171219 (1).pdf
8609-Texto do artigo-36396-1-10-20171219 (1).pdf
 
Ser ou estar professor a construção da ética no contexto escolar
Ser ou estar professor a construção da ética no contexto escolarSer ou estar professor a construção da ética no contexto escolar
Ser ou estar professor a construção da ética no contexto escolar
 
Keila01 projeto
Keila01 projetoKeila01 projeto
Keila01 projeto
 
durkheim
durkheimdurkheim
durkheim
 
Educação e Regras de Ética
Educação e Regras de ÉticaEducação e Regras de Ética
Educação e Regras de Ética
 
Trabalho pedagogia
Trabalho pedagogiaTrabalho pedagogia
Trabalho pedagogia
 
01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf
01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf
01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf
 
4. durkheim e a educação
4. durkheim e a educação4. durkheim e a educação
4. durkheim e a educação
 
PPP - E.E.B. Alexandre Ternes Filho
PPP - E.E.B. Alexandre Ternes FilhoPPP - E.E.B. Alexandre Ternes Filho
PPP - E.E.B. Alexandre Ternes Filho
 
Módulo IV Aula 8
Módulo IV Aula 8Módulo IV Aula 8
Módulo IV Aula 8
 
ETICA E COMPETENCIA.pdf
ETICA E COMPETENCIA.pdfETICA E COMPETENCIA.pdf
ETICA E COMPETENCIA.pdf
 
Atividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticasAtividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticas
 
Atividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticasAtividade semana dois teorias sociocríticas
Atividade semana dois teorias sociocríticas
 
G ped didp_3_1_05
G ped didp_3_1_05G ped didp_3_1_05
G ped didp_3_1_05
 

Último

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 

Último (20)

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 

Etica e educacao

  • 1. P R O F . E S P . : S U S A N N E M E S S I A S D E F A R I A S ÉTICA DA EDUCAÇÃO
  • 2. Ementa: Escola e sociedade. Pedagogia da esperança. Ética. Ética e moral. Compromisso ético. Ética e educação. Educação ética para um convívio ético na sociedade. O lugar da ética na educação num mundo globalizado. O lugar da ética no trabalho de um educador.
  • 3. ORIGEM DA PALAVRA A palavra Ética é originada do grego ethos, (modo de ser, caráter) através do latim mos (ou no plural mores) (costumes, de onde se derivou a palavra moral.) Em Filosofia, Ética significa o que é bom para o indivíduo e para a sociedade, e seu estudo contribui para estabelecer a natureza de deveres no relacionamento indivíduo - sociedade.
  • 4. CONCEITO A ética não se confunde com a moral. A moral é a regulação dos valores e comportamentos considerados legítimos por uma determinada sociedade, um povo, uma religião, uma certa tradição cultural etc. Há morais específicas, também, em grupos sociais mais restritos: uma instituição, um partido político...
  • 5. POR QUE A ÉTICA É NECESSÁRIA E IMPORTANTE? A ética tem sido o principal regulador do desenvolvimento histórico-cultural da humanidade. Sem ética, ou seja, sem a referência a princípios humanitários fundamentais comuns a todos os povos, nações, religiões etc, a humanidade já teria se despedaçado até à auto-destruição. Também é verdade que a ética não garante o progresso moral da humanidade.
  • 6. INTRODUÇÃO  Se a educação inclui a ética como uma condição para que ela se construa de acordo com a sua tarefa primordial, antes de tudo, buscaremos compreender o que se entende por educar e de que tarefa se trata aqui. Para explicitar o conceito de educação que assumimos ao relacioná-la com a ética, começaremos por contextualizar a existência humana, razão da emergência do fenômeno educativo e das exigências éticas.
  • 7. ÉTICA E EDUCAÇÃO  A educação é uma socialização das novas gerações de uma sociedade e, enquanto tal, conserva os valores dominantes (a moral) naquela sociedade. A educação é também uma possibilidade e um impulso à transformação: desenvolvimento das potencialidades dos educandos.  Toda educação é uma ação interativa: se faz mediante informações, comunicação, diálogo entre seres humanos. Em toda educação há um outro em relação. Em toda educação, por tudo isso, a ética está implicada. Uma educação pode ser eficiente enquanto processo formativo e ao mesmo tempo, eticamente má, como foi a educação nazista, por exemplo.
  • 8. ÉTICA A meta deste estudo é buscar uma aproximação entre a educação e a ética. Falar e fazer educação implica pensar e agir eticamente, de acordo com a afirmação de Baptista (2005, p. 9). Na grande obra da construção humana, a educação entra como uma tarefa indispensável, atuando em um mundo e sobre seres marcados por diversidades incontáveis.
  • 9. ÉTICA E MORAL Antes de avançarmos na busca da aproximação entre educação e ética no campo educativo, faz-se necessário clarificar a compreensão dos termos ética e moral. Muitas vezes, eles são empregados como sinônimos, o que não vem a ser algo impreciso de todo. Originalmente, ambos os termos se referem às mesmas coisas, ou seja, costumes, modos de ser e de agir. Todavia, diferenciá-las encaminha o entendimento para os seus significados específicos, embora não haja sempre um consenso entre os autores a respeito desta questão. Vasquez (1978) e Imbert (2002) coincidem a este respeito. Para eles, ética se refere a uma postura reflexiva sobre as questões dos valores e princípios axiológicos; enquanto a moral se refere à expressão normativa resultante deste esclarecimento.
  • 10. O que é moral?  A palavra moral tem origem no latim – morus – significando os usos e costumes.  Moral é o conjunto das normas para o agir específico ou concreto. A moral está contida nos códigos, que tendem a regulamentar o agir das pessoas.  Instrumento fundamental para a instauração de um viver em conjunto.
  • 11. O que é moral?  Condição necessária para a sobrevivência da espécie humana.  Base para a construção de um mundo político.
  • 12. COMPROMISSO ÉTICO Na busca de uma aproximação entre a educação e a ética, servimo-nos mais uma vez dos argumentos de Imbert, que defenderá a ideia de um necessário engajamento ético efetivo na prática educativa. Estes argumentos ultrapassam a afirmação da possibilidade de uma aproximação entre a educação e a ética e colocam-na como necessidade ao afirmar que o engajamento ético leva-nos a enfrentar a questão do sujeito; o reconhecimento de sua essencial singularidade... (2002, p. 66). Assim como Baptista (2005), Imbert (2002) inicia seu questionamento sobre a ética no campo educativo pela distinção entre ética e moral .
  • 13. ESCOLA E SOCIEDADE A busca de uma aproximação entre a educação e a ética se depara com dificuldades e situações paradoxais de toda ordem, explicitadas nos questionamentos que se apresentam logo a seguir. Não obstante estas condições que representam tantas dificuldades, é preciso pôr-se a caminho na busca desta aproximação. Desde logo, tem-se claro que esta junção se fará de forma lenta e imperfeita, num contínuo e constante processo de construção. Seria de todo desejável podermos afirmar que não é possível haver educação sem ética. Entretanto, a realidade é marcada por uma imperfectibilidade inerente a toda condição humana.
  • 14. EDUCAÇÃO ÉTICA PARA UM CONVÍVIO ÉTICO NA SOCIEDADE Etimologicamente a palavra ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram o ethos grego para o latim “mos”, que quer dizer costume, de onde vem a palavra moral. Ambas indicam um tipo de comportamento propriamente humano que não é natural, o homem não nasce com ele como se fosse um instinto, mas é “adquirido ou conquistado por hábito” (Vázquez, 2003).
  • 15. O LUGAR DA ÉTICA NA EDUCAÇÃO NUM MUNDO GLOBALIZADO Vive-se hoje na era da informação, sendo que diariamente se é bombardeado por diversas informações, que estão disponíveis em toda parte e que atingem todas as classes sociais. Dentre os principais veículos tem-se a internet, jornais, rádio, revistas e TVs. As informações transitam com tal rapidez e abrangência, que causam incertezas quanto ao futuro, principalmente àqueles que possuem dificuldades em se adaptar ao cenário globalizado. Esse acesso imediato às informações fez com que o mundo se tornasse pequeno, mediante a um conhecimento tão diversificado. Mas este modelo de globalização gerado pela evolução das comunicações e tecnologias requer de todo indivíduo um preparo, principalmente dos profissionais da educação, já que a qualificação é um quesito necessário para sobrevivência neste século
  • 16. O LUGAR DA ÉTICA NO TRABALHO DE UM EDUCADOR Existem algumas reflexões que são necessárias sobre o papel social do professor para com a sociedade e os caminhos para que ele exerça a profissão com qualidade. Para que ocorra essa qualidade no trabalho, exigem-se mudanças no relacionamento do professor com seus alunos e nas ações didáticas adotadas para a socialização do conhecimento, socialização esta necessária para uma sociedade equilibrada em todos os aspectos
  • 17. SENTIDO E ALCANCE DA EDUCAÇÃO COMO PRÁTICA SOCIAL Do ponto de vista etimológico, a palavra latina educare é a raiz do vocábulo educação, e significa o ato de alimentar ou criar. Nesse sentido, educação pode ser compreendida apenas como instrução ou mera aquisição de informações (alimentar o outro com informações), sem uma reflexão crítica do conhecimento acumulado. Em uma segunda acepção, educação significa a formação integral do ser humano (educere) sendo, assim, o processo que indicaria o pleno desenvolvimento das potencialidades do homem
  • 18. Como ter, na educação, um instrumento que venha a ser uma ferramenta, mesmo que imperfeita, de formação desta realidade ética, se ela só existe enquanto serve a uma sociedade que lhe impõe sua maneira de ser e de funcionar? Por outra, como buscar uma educação impregnada de valores éticos em um mundo que não contempla a ética como um valor imprescindível? Como um profissional da educação poderá pretender realizar a sua tarefa cotidiana como educador se ele precisa responder às exigências de uma sociedade que lhe impõe padrões de comportamento que em pouco ou nada contemplam uma postura ética fundamental? Como buscar pelo menos uma aproximação entre a educação e a ética na prática cotidiana deste profissional da educação? Na contrapartida de todas essas indagações, cabe perguntar se não é mesmo possível haver educação sem ética?
  • 21. “Toda educação é uma ação interativa: faz-se mediante informações, comunicação, diálogo entre seres humanos. Em toda educação há um outro em relação. Em toda a educação, por tudo isso, a ética está implicada.”
  • 22. “Aprender a ser cidadão é, entre outras coisas, aprender a agir com respeito, solidariedade, responsabilidade, justiça, não violência; aprender a usar o diálogo nas mais diferentes situações e comprometer-se com o que acontece na vida coletiva da comunidade e do país. Esses valores e essas atitudes precisam ser aprendidos e desenvolvidos pelos alunos e, portanto, podem e devem ser ensinados na escola.”
  • 23.  A escola é co-responsável na formação do indivíduo: reforça os valores necessários para a boa formação ética e moral. Educa a vontade para que os alunos desenvolvam virtudes.
  • 24. ESCOLA X ÉTICA  A escola é um ambiente propício para o exercício e aprendizado da ética. Através dela, professores, alunos e funcionários podem obter resultados positivos no processo educacional, melhorando o ambiente de trabalho e aprendizado.  Em suma, se todos agirem de forma ética na escola todos sairão ganhando, pois os resultados serão positivos.
  • 25. OS PROFESSORES  Os professores desempenham papéis fundamentais no que se refere à ética na escola.  As crianças e jovens aprendem mais com exemplos do que com palavras.  O professor que age de forma ética com alunos, professores e funcionários escolares passam aos alunos um importante modelo de comportamento ético.
  • 26. Valores a serem trabalhados  Respeito mútuo;  Dignidade;  Justiça;  Diálogo;  Solidariedade;  Igualdade;  Convívio democrático;  Preservação meio ambiente.
  • 27. Exemplos de atitudes éticas dos professores:  Ensinar aos alunos o que é ética e sua importância nos diversos níveis como, por exemplo, ambiente de trabalho, família, escola, grupo de amigos e etc.  Esclarecer e cumprir com clareza aos alunos os métodos de ensino e avaliações.  Ouvir e respeitar as opiniões dos alunos.  Buscar a qualidade no processo educacional.  Cumprir prazos na entrega de documentações, diários, avaliações, notas e etc.
  • 28. ESCOLA X ÉTICA  A escola é um ambiente propício para o exercício e aprendizado da ética. Através dela, professores, alunos e funcionários podem obter resultados positivos no processo educacional, melhorando o ambiente de trabalho e aprendizado.  Em suma, se todos agirem de forma ética na escola todos sairão ganhando, pois os resultados serão positivos.
  • 29. OS ALUNOS  As crianças e jovens estão no processo de aprendizagem e, portanto, a ética deve ser ensinada e cobrada.  Sabemos que muito do comportamento ético do aluno tem como origem a família, principalmente os pais.  Porém, cabe à escola trabalhar a ética no ambiente escolar para que resulte em melhor qualidade de ensino
  • 30. Exemplos de atitudes éticas dos alunos:  Respeitar o trabalho dos professores e funcionários da escola. Respeitar também o direito de aprender dos outros alunos. Na prática, isso significa não conversar, brincar ou atrapalhar de qualquer forma os momentos em que o professor está explicando ou tirando dúvidas de outros colegas.  Não colar em avaliações ou elaboração de trabalhos escolares.  Não usar trabalhos prontos, disponíveis na Internet, para entregar aos professores.  Não praticar bullying.
  • 31. POR QUE SE FALA TANTO EM ÉTICA HOJE NO BRASIL? Não só no Brasil se fala muito em ética hoje. Mas temos motivos de sobra para nos preocuparmos com a ética no Brasil. O fato é que em nosso país assistimos a umadegradação moral acelerada, principalmente na política.
  • 32. ÉTICA E JUSTIÇA SOCIAL A moral tradicional do liberalismo econômico e político acostumou-nos a pensar que o campo da ética é o campo exclusivo das vontades e do livre arbítrio de cada indivíduo. Nessa tradição, também, a organização do sistema econômico-político- jurídico seria uma coisa "neutra", "natural", e não uma construção consciente e deliberada dos homens em sociedade. Por isso acostumamo-nos a julgar que não seja parte de minha responsabilidade ética a situação do desempregado, do faminto, do que migrou por causa da seca, do que não teve êxito na escola etc., só porque esses males não foram produzidos por mim diretamente.
  • 33. A ÉTICA DA MALANDRAGEM O Brasil vive uma grande crise moral e ética que atinge toda sociedade, perpassa as instituições, e se reflete no ânimo e no funcionamento da Nação como um todo. Nunca, em toda a nossa História, a vida humana foi tão aviltada, o respeito às normas de convivência social foi tão negligenciado, os valores morais e éticos foram tão desconsiderados. Finalmente, e infelizmente, a velha teoria do levar vantagem em tudo, que se popularizou na década de 70, através de um comercial de cigarros protagonizado pelo ex-jogador Gérson, concretizou-se como referência padrão de uma grande parcela de nossa sociedade, atingindo indistintamente ricos e pobres. Enfim, substituímos a verdadeira ética por uma espécie de ética da malandragem.
  • 34. Uma educação sem ética deixa de ser educação? Precisamos conviver com a existência de mais perguntas do que respostas e certezas e com as contradições inerentes a uma realidade complexa e paradoxal. Mesmo assim, é preciso encontrar e alimentar razões suficientes para acreditar que esta aproximação é possível, que o mundo é transformável e a esperança de uma realidade orientada por valores éticos pode ser construída. Experiências de socialização aconteceram durante décadas ao longo do século XX. Todavia, tudo acabou em um liberalismo renovado – neoliberalismo – que afirma os valores do capitalismo excludente e avassalador em todas as partes do mundo.
  • 35. • PEDAGOGIA DA ESPERANÇA Para pensar a busca de se aproximar educação com ética, considerando-se o fato de que ela sempre se coloca como um fenômeno social, é a proposta de educação de Paulo Freire que se apresenta essencialmente como uma ação transformadora e libertadora. Segundo Freire (2001), a educação se expressará como uma pedagogia do oprimido, isto é, como uma prática da liberdade e da esperança. A educação, segundo Freire (1985), se constituirá na construção do ser mais de todos os seres humanos. Em um contexto de mundo, onde somente os donos de tudo têm vez e voz, é preciso que seja recuperada a dignidade de cada ser humano. A massa populacional é reduzida à sua condição de ser menos, silenciosa, submissa e excluída de tudo.
  • 36. Teoria usada hoje na educação Para Paulo Freire, educar é um ato político, por isso ele trouxe para a educação pós-moderna o desafio e reiventar uma práxis pedagógica, política e epistemológica profundamente democrática. A preocupação fundamental dele era com as relações entre professor, aluno e consciência crítica. No seu livro "A importância do ato de ler", ele nos lembra que a leitura do mundo precede a leitura da palavra e nos dá seu próprio exemplo como prova disso, pois aprendeu a ler em casa rodeado de árvores e animais. A leitura de mundo, ou melhor do seu mundo, foi fundamental para a compreensão da importância do ato de ler e escrever ou de rescrever, transformando-se numa prática consciente.
  • 37. Só assim alguém poderá exercer a sua liberdade e a sua dignidade humana. Este processo de libertação não se dará de forma espontânea e mágica. Um ser humano que vive numa condição de opressão e, por conseguinte, de indignidade, jamais despertará em uma bela manhã, iluminado pela consciência de sua realidade opressiva e disposto a mudar a sua condição.
  • 38. Contribuições de Paulo Freire para Educação Para Paulo Freire, educar é um ato político, por isso ele trouxe para a educação pós-moderna o desafio e reinventar uma práxis pedagógica, política e epistemológica profundamente democrática. A preocupação fundamental dele era com as relações entre professor, aluno e consciência crítica. Segundo Freire tudo que vivenciamos em nossos primeiros contatos com o mundo deveria fazer parte do universo escolar de todas as pessoas e de todos os grupos, expressando assim a realidade de cada um através da sua linguagem, pois educar significa assumir um compromisso com o outro, para que este possa ser sujeito da sua história e do seu processo de aprendizagem.
  • 39. Freire não criou nenhum método, nem teoria, pois estes termos dão ideia de algo pronto para ser seguido, tudo que ele não queria, na verdade ele lançou o desafio de reinventar uma práxis pedagógica dialógica para libertar da opressão a nossa sociedade. Para ele é impossível qualquer ação humana se comunicação dialógica, mas não qualquer dialogo e sim uma comunicação "horizontal" por se tratar de sujeitos sociais que compartilham a experiência de transformarem o mundo e se autotransformarem.
  • 40. Teoria defendida Para Paulo Freire, as questões e problemas principais da educação não são questões pedagógicas, ao contrário, são questões políticas. Para ele, a educação e o sistema de ensino não modifica a sociedade, mas a sociedade é que pode mudar o sistema instrucional. O sistema educacional pode ter um papel de destaque numa revolução cultural. Ele chama de revolução a consciente participação do povo. Logo, a pedagogia crítica, como uma constante, contribui para revelar a ideologia esquecida na consciência das pessoas.
  • 41. A proposta de Paulo Freire, em termos educacionais, é uma proposta antiautoritária, onde professores e alunos ensinam e aprendem juntos, engajados num diálogo permanente. Esse processo não deve estar presente apenas na sala de aula, mas em um círculo cultural constante. Segundo o discurso de Paulo Freire, referente à prática educativo-crítica: “A reflexão crítica sobre a prática se torna uma exigência da relação Teoria/Prática sem a qual a teoria pode ir virando blábláblá e a prática, ativismo”. e “...ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção.” (Paulo Freire, Pedagogia da Autonomia)
  • 42. Paulo Freire era aberto a debates e reuniões e uma das suas principais virtudes era ouvir críticas e, principalmente, auto-criticar-se permanentemente. Com isso modificava, revia e alterava conceitos. Como ele mesmo dizia: “cada vez mais incerto de suas certezas”. Suas propostas foram feitas para serem recriadas, conforme o cotidiano, o imaginário, os interesses e os valores, conforme as condições de vida de seu praticante, sejam educandos ou educadores.
  • 43.
  • 44. CÓDIGO DE ÉTICA Um código de ética é um acordo explícito entre os membros de um grupo social: uma categoria profissional, um partido político, uma associação civil etc. Seu objetivo é explicitar como aquele grupo social, que o constitui, pensa e define sua própria identidade política e social; e como aquele grupo social se compromete a realizar seus objetivos particulares de um modo compatível com os princípios universais da ética.
  • 45.  Afinal, que papel cumpre a educação em um mundo simultaneamente atravessado pelo desenvolvimento tecnico avassalador e pelo crescimento vertiginoso da fome e da miséria?  Que significa educar em um tempo em que a violência (política, ética, religiosa, esportiva) atinge escala planetaria, tornando tênues as fronteiras entre civilização e barbárie?
  • 46.  Ser cidadão é poder apropriar-se dos bens socialmente produzidos, é atualizar “todas as possibilidades de realização humana abertas pela vida social em cada contexto historicamente determinado” (Coutinho, 1994, p.2). Tal possibilidade de apropriação deixa de existir se no seio da sociedade se instala a competição exacerbada, expressa pelo que aqui no Brasil se conhece por “lei de Gérson”:
  • 47.  A ética é a morada do bem, diziam os primeiros filósofos gregos no século VI a.C. Ética vem do grego ethos que significa modo de ser ou caráter. Para eles, o ethos representava o lugar que abrigava os indivíduos-cidadãos, aqueles responsáveis pelos destinos da pólis (cidade).
  • 48.  Desse modo, enquanto é ética compete estudar os elementos teóricos que nos permitem entender entender a moralidade do sujeito, a moral diz respeito à esfera da conduta, do agir concreto de cada um. Pode-se resumir tais diferenças da seguinte forma: a ética revela-se como reflexão (teoria), já a moral diz respeito à ação (práxis).  O ethos grego corresponde ao latim mos (mores) , do qual deriva o termo moral. Ética e moral são palavras que significam, em sua origem, a mesma coisa, pois dizem respeito ao modo como os indivíduos devem agir em relação ao outro no espaço em que vivem.
  • 49.  Entretanto, hoje podemos estabelecer uma diferença entre ambas, pois a ética se constitui como uma parte da filosofia que trata da moral em geral, ou da moralidade de cada ser humano, em particular. A ética é por muitas definida como a ciência da moral. Isso significa que a moral aparece atualmente como um objeto de reflexão da ética.  Desse modo, enquanto é ética compete estudar os elementos teóricos que nos permitem entender a moralidade do sujeito, a moral diz respeito à esfera da conduta, do agir concreto de cada um. Pode-se resumir tais diferenças da seguinte forma: a ética revela-se como reflexão (teoria), já a moral diz respeito à ação (práxis).
  • 50.  A necessidade que impõe a cada ser humano o dever de respeitar os costumes e as normas da sociedade revela a importância que o ethos, ou aquilo que hoje chamamos de moral, assume em nossas vidas. Como o homem, em seu agir moral, é, ao mesmo tempo, produto da natureza e da cultura, o ethos (ou moral), segundo alguns pensadores gregos (Platão, Aristóteles, Epicuro), serviria para regular os apetites humanos e controlar as suas inclinações e instintos mediante o uso da razão (logos).
  • 51.  A ética, com efeito, trata do comportamento do homem, da relação entre a sua vontade e a obrigação de seguir uma norma, do bem e do mal, do que é justo e injusto, da liberdade e da necessidade de respeitar o próximo.  A ética, enquanto campo de estudo e reflexão, revela que nossas ações têm efeitos na sociedade e que cada homem deve ser livre e responsável por suas atitudes. De fato, a responsabilidade se constitui como elemento essencial à vida moral do indivíduo. Aliás, o homem só pode ser moralmente responsável pelos atos cuja natureza conhece e cujas consequências ele é capaz de prever.
  • 52. O que significa ser cidadão e como este pode exercer plenamente sua cidadania?  É comum se afirmar que ser cidadão significa possuir direito ao voto, à liberdade de expressão, à saúde, à educação, ao trabalho, à locomoção, à alimentação, à habitação, à justiça, à paz, a um meio- ambiente saudável, à felicidade, dentre outros.
  • 53.  A cidadania é a condição social que confere a uma pessoa o usufruto de direitos que lhe permitem participar da vida política e social da comunidade no interior da qual está inserida. A esse indivíduo que pode vivenciar tais direitos chamamos de cidadão.  Ser cidadão, nessa perspectiva, é respeitar e participar das decisões coletivas a fim de melhorar sua vida e a da sua comunidade. O desrespeito a tais direitos por parte do Estado, de Instituições ou pessoas, gera exclusão, marginalização e violência.
  • 54.
  • 55.
  • 56. REFERÊNCIAS BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. 38 ed. São Paulo: Brasiliense, 1996. Ética e o profissional da Educação. Disponível em http://www.slideshare.net/gerisval/tica-e-o-profissional-da-educao. Acesso 06 de junho 2017. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. CANIVEZ, Patrice. Educar o cidadão? São Paulo: Papirus, 1991. VALLS, Álvaro L. M. O que é ética. Brasiliense, 1993. Pessoa. Gerisval. Thums. Jorge. Ética na Escola – filosofia e valores na escola. Disponível em http://www.suapesquisa.com/educacaoesportes/etica_escola.htm. Acesso 06 de junho de 2017.