SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
FACULDADE DE TEOLOGIA E CIÊNCIAS HUMANAS
CENTRO DE PESQUISA, POS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO
PROF. PAULO ROBERTO MORAIS DE MENDONÇA/CPPEX
HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E
EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO BRASIL:
ASPECTOS HISTÓRICOS E FILOSÓFICOS
PROFa Mst IZABEL OLIVEIRA
2017
PLANO DA DISCIPLINA
EMENTA
• Perspectivas históricas e conceituais da Educação Especial e Inclusiva. Pressupostos
sociais, educacionais e políticos. Aspectos legais da Educação Especial e Inclusiva.
Inclusão, sociedade, família e escola. Educação Especial e Inclusiva e mediação
pedagógica.
OBJETIVO GERAL
• Compreender os processos inclusivos no contexto da educação a partir do marco
regulatório legal enquanto expressão social, bem como debater os principais
elementos referentes às práticas educativas inclusivas considerando também as
questões da Inclusão Social e a Inclusão Digital.
PLANO DA DISCIPLINA
PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
• A disciplina será desenvolvida através de aulas expositivas dialogada, leitura prévia
dos textos, exposição, seminários temáticos, analise e debates dos textos em sala de
aula. Orientações individuais e em grupos para construção de textos dissertativos
fundamentados em conteúdos trabalhados em sala.
SISTEMÁTICA DE AVALIAÇÃO
• Frequência, envolvimento, participação ativa nas discussões e atividades em sala;
• Construção de textos dissertativos, Participação em debates, seminários e
apresentações das temáticas da disciplina;
PLANO DA DISCIPLINA
REFERÊNCIAS
CARVALHO. Rosita Edler. Educação inclusiva: com os pingos nos “is”. 5. Ed. Porto Alegre:
Mediação, 2007. 2.
CARNEIRO, Moaci Alves. O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns:
possibilidades e limitações. Petrópolis: Vozes, 2007.
GRACINDO, R. V.; MARQUES, S. C.; PAIVA, O. A. F. de. A contradição exclusão/inclusão na
sociedade e na escola. Linhas Críticas, Brasília, v. II, n. 20, jan./jun. 2005, p. 5-25.
SCHMITD, Maria A. & STOLTZ, Tânia (Orgs.). Educação, cidadania e inclusão social. Curitiba:
Aos Quatro Ventos, 2006.
Rodrigues, Olga Maria Piazentin Rolim. Educação especial: história, etiologia, conceitos e
legislação vigente / Olga Maria Piazentim Rolim Rodrigues, Elisandra André Maranhe In:
Práticas em educação especial e inclusiva na área da deficiência mental / Vera Lúcia
Messias Fialho Capellini (org.). – Bauru : MEC/FC/SEE, 2008.
HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL
Pré-História
 Nas sociedades primitivas, os povos eram nômades, sobrevivendo
da caça e da pesca. As pessoas estavam sujeitas às intempéries da
natureza e aos animais selvagens.
 Tudo isto dificultava a aceitação de pessoas que fugiam à rotina e
do modelo de normalidade da tribo.
 As pessoas consideradas incapazes de caçar e de sobreviver por si
mesmos à agressividade da vida, sendo dependentes da tribo,
eram abandonadas no caminho, o que inevitavelmente contribuía
para sua morte.
Antiguidade
• A pessoa que apresentasse alguma deficiência e
tivesse dificuldades para adaptar-se à
expectativa da comunidade eram abandonados;
• Em Esparta e Atenas crianças com deficiências
física, sensorial e mental eram consideradas
subumanas, e eram eliminadas e/ou
abandonas.
Antigüidade
• Tal prática era coerente com os ideais atléticos,
de beleza, de militarismo e classistas que
serviam de base à organização sociocultural
desses dois locais.
• Em Esparta os deficientes eram lançados do alto
dos rochedos e em Atenas eram rejeitados e
abandonados nas praças públicas ou nos
campos.
“Quanto aos corpos de constituição doentia, não lhes prolongava a vida
e os sofrimentos com tratamentos e purgações regradas, que poriam
em condições de se reproduzirem em outros seres fadados, certamente
a serem iguais progenitores. [...] também que não deveria curar os que,
por frágeis de compleição não podem chegar ao limite natural da vida,
porque isso nem lhes é vantajoso a eles nem ao Estado” (PLATÃO -
429-347 a.C.)
Idade Média
• Na Europa a atitude para com as pessoas com
deficiência era a mesma, até a difusão do
cristianismo;
• Com o cristianismo as pessoas deficientes
ganharam alma e, eliminá-las ou abandoná-las
significava atentar contra os desígnios da
divindade. Assim, ao longo da idade média são
consideradas “filhos de Deus”
• Nicolau, Bispo de Myra, nos anos 300 d.C. acolhia
crianças e pessoas com deficiência abandonadas.
Idade Média
• A pessoa com deficiência mental passa a ser
acolhida caritativamente em conventos ou
igrejas, ou, quando a deficiência não era
acentuada, sobrevivia na família, escapando à
exposição (prática do abandono à inanição ou
servindo como palhaços ou atrações em circos).
“Entre os milagres de Cristo, aparece em grande
número a cura de deficiências física, auditiva e
visual”.
Idade Média
• Na época, Martinho Lutero defendia que pessoas com deficiência mental eram
seres diabólicos que mereciam castigos para serem purificados.
• No século XIII, surge a primeira instituição para pessoas com deficiência,
precursora de atendimento sistemático; (Colônia agrícola, na Bélgica)
• No século XIV, surge a primeira legislação sobre os cuidados com a sobrevivência
e com os bens das pessoas com deficiência mental (Eduardo II, da Inglaterra).
• Nessa lei surge a distinção entre a pessoa com deficiência mental e com doença
mental; a primeira, “loucura natural”, pessoas que sofriam de idiotia permanente
e, a segunda, “lunática”, aquelas que sofriam de alterações psiquiátricas
transitórias.
• A Inquisição católica, na Idade Média, foi responsável pelo sacrifício
de pessoas com deficiência mental entre loucos, adivinhos e hereges.
• Prescrevia-se a tortura, a fogueira e o confisco de bens para qualquer
conduta herética ou obscena, ou dar respostas sem nexo quando
interrogados.
• Durante a Inquisição, foi criado (1482) um manual de semiologia,
capaz de “diagnosticar” bruxas e feiticeiros (sinais de malformação
física ou mental) .
Idade Média
Relação sociedade e pessoa com deficiência nesse período:
- sentimentos de piedade e caridade permeiam a relação.
- concebidos como seres inferiores.
- mantidos à margem do convívio social.
- seres improdutivos sem trabalho ou renda.
- trato social com desprezo e pena.
- concebido como um ser desqualificado, incapaz e improdutivo.
Idade Média Século XVI e XVII
CARACTERISTICAS: Deformação Humana; Modificação das forças dos
deuses ou do demônio; Negação do direito á vida; Condição imutável de
anormalidade; Crenças sobrenaturais, demoníacas e superticiosas.
PROCEDIMENTO: Extermínio e eliminação; Exorcismo, bruxaria e
encarceramento.
CONSEQUÊNCIAS E IMPLICAÇÕES SOCIAIS: Ignorância.
Idade Moderna
• No século XVI, surgiram dois intelectuais:
Paracelso, (médico) e Cardano, (filósofo).
“Paracelso, no seu livro “Sobre as doenças que
privam o homem da razão”, foi o primeiro a
considerar a deficiência mental um problema
médico, digno de tratamento e complacência”.
“Cardano, além de concordar que a deficiência era
um problema médico, se preocupava com a educação
das pessoas que apresentavam a deficiência.”
• deficiência era um problema médico, se preocupava com a
educação das pessoas que apresentavam a deficiência.
• Locke: propõe que o conceito de mente seja compreendido como
página em branco, passível de ser preenchida com programas
sistemáticos de educação.
“....todas as ideias devem nascer das sensações e das operações
mentais, que são as próprias sensações transformadas”. (LOCKE)
Idade Moderna
• No século XVIII, aparece o “Tratado do bócio”,
que levanta a ideia da hereditariedade da
deficiência;
• O século XIX foi marcado pelo trabalho de
Itard, que apresentou o primeiro programa
sistemático de Educação Especial (1800).
Idade Contemporânea
Idade contemporânea (Século XX Científico)
CONCEPÇÃO: Sequela, lesão, diminuição da capacidade de um
órgão em consequência de doenças.
CARACTERÍSTICAS: a deficiência pode ser passível de tratamento,
evitada ou controlada. Perda total ou parcial, temporária ou
permanente de uma função psicológica, fisiológica ou anatômica
PROCEDIMENTO: Tratamento médico, psicológico bem como o
início dos estudos científicos específicos.
CONSEQUÊNCIAS E IMPLICAÇÕES SOCIAIS: Pesquisas genéticas,
avanços tecnológico, assim como equipes interdisciplinares.
Idade contemporânea (Século XXI)
CARACTERÍSTICAS: Integração; Inclusão; Convivência Social;
Cidadania; Garantia de direitos; Equidade social.
PROCEDIMENTOS: organização da sociedade para o
atendimento das necessidades especiais; Políticas públicas.
CONSEQUÊNCIAS E IMPLICAÇÕES SOCIAIS: Declarações
internacionais, acordos, cartas e intenção e legislação;
Inclusão social e cultural; educação inclusiva;
História da Educação Especial no Brasil:
Diferentes paradigmas educacionais:
- paradigma médico- assistencialista
- paradigma de serviços
- paradigma de suportes
Paradigma médico-assistencialista:
- visava o cuidado e a proteção da pessoa com
deficiência.
- a pessoa era retirada do convívio social e separada de
sua família.
- prática de confinamento em espaços segregados:
conventos, asilos, manicômios.
Paradigma de Serviços - século XX (após os anos
60):
- Crítica ao paradigma da institucionalização devido a sua ineficiência e
inadequação na recuperação ou preparação das pessoas com uma
deficiência para a vida em sociedade.
- Princípio de normalização- procurar formas de atuação junto ao
deficiente visando ajudá-lo a adquirir as condições e os padrões de
comportamento mais próximos possíveis do que é socialmente
determinado como normal.
- Oferta de serviços especializados- escolas especiais,
entidades assistencialistas e centros de reabilitação.
- Integração parcial- comportamento ou grau de
aprendizado definido como padrão para o aluno poder
tentar ser integrado em uma classe especial, criada dentro
das escolas regulares ou em classes comuns.
- Integração parcial- “sistema de cascata”.
Paradigma de Suporte - (a partir da década de 80)-
conceito de inclusão.
- garantir o acesso imediato, irrestrito e contínuo dos
alunos com necessidades especiais a todos os espaços
comuns da escola regular.
- oferta de uma rede de suporte e apoio para auxiliar o
processo de inclusão social e educacional de todos os
alunos.
Idade contemporânea (Século XX Científico)
CONCEPÇÃO: Sequela, lesão, diminuição da capacidade de um
órgão em consequência de doenças.
CARACTERÍSTICAS: a deficiência pode ser passível de tratamento,
evitada ou controlada. Perda total ou parcial, temporária ou
permanente de uma função psicológica, fisiológica ou anatômica
PROCEDIMENTO: Tratamento médico, psicológico bem como o
início dos estudos científicos específicos.
CONSEQUÊNCIAS E IMPLICAÇÕES SOCIAIS: Pesquisas genéticas,
avanços tecnológico, assim como equipes interdisciplinares.
1.Integração Temporal: Ocorre quando há disponibilidade de
oportunidade para o PNEE permaneça mais tempo com seus companheiros
ditos “normais”, esperando-se que resultados positivos sejam obtidos por
meio das ações institucionais e sócias.
2. Integração Social: Pressupõem a existência de atendimentos de
Educação Especial na escola regular, onde os alunos nela escolarizados
realizam algumas atividades comuns, tais como: jogos e atividades extra-
escolares.
3. Integração Instrucional: Relaciona-se com a disponibilidade de
oportunidade de condições de estímulos que este aluno encontra no
ambiente da classe regular, facilitando seu processo de ensino-
aprendizagem
PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL
4.Princípio de Normatização: Significa oferecer as condições de
vida as mais próximas possíveis das outras pessoas, a fim de que
possam desenvolver ao máximo suas potencialidades, de acordo
com a legislação.
5.Princípio da Individualização: É o que mais valoriza as
diferenças individuais, sejam as diferenças dos PNEE, quando
comparados aos ditos “normais”, sejam as diferenças entre os
PNEEs, quando comparados ente si.
PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL
O termo INCLUSÃO foi oficializado no Encontro de Salamanca na
Espanha em 1994.Foi emitido, nesta ocasião, um documento
sobre os princípios, a política e a prática da educação para os
PNEEs, apontando a urgência de ações educacionais capazes de
reconhecer a diversidades física, sociais, raciais e linguísticas;
A ESCOLA INCLUSIVA: ENFOQUE NO 3º MILÊNIO
 COMO VOCÊS RECEBEM AS CRIANÇAS COM
NECESSIDADES ESPECIAIS NO SEU CONVÍVIO
SOCIAL E ESCOLAR, CONSIDERANDO OS
PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? Descreva
uma experiência apontando os pontos positivos e
negativos. (exposição e debate)
ATIVIDADE EM GRUPO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Didática
DidáticaDidática
Didáticagadea
 
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVAAula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVARute Pereira
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISJose Wilson Melo
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDeisiane Cazaroto
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência IntelectualEdilene Sampaio
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRiaSilvia Marina Anaruma
 
Evolução histórica educação brasileira...
Evolução histórica educação brasileira...Evolução histórica educação brasileira...
Evolução histórica educação brasileira...Edneide Lima
 
Processo de Aprendizagem
Processo de AprendizagemProcesso de Aprendizagem
Processo de AprendizagemKelly Vanderlei
 
Legislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional BrasileiraLegislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional BrasileiraMessias Mota Vieira
 
Inclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação InfantilInclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação InfantilLucas Silva
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasMarcelo Assis
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalCassia Dias
 

Mais procurados (20)

Didática
DidáticaDidática
Didática
 
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVAAula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
 
Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1
 
Educação Inclusiva
Educação Inclusiva Educação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
inclusão escolar
inclusão escolarinclusão escolar
inclusão escolar
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
 
Evolução histórica educação brasileira...
Evolução histórica educação brasileira...Evolução histórica educação brasileira...
Evolução histórica educação brasileira...
 
Slide história da educação - pdf
Slide   história da educação - pdfSlide   história da educação - pdf
Slide história da educação - pdf
 
A INCLUSÃO ESCOLAR
A  INCLUSÃO ESCOLAR A  INCLUSÃO ESCOLAR
A INCLUSÃO ESCOLAR
 
Políticas Públicas Educacionais
Políticas Públicas EducacionaisPolíticas Públicas Educacionais
Políticas Públicas Educacionais
 
Processo de Aprendizagem
Processo de AprendizagemProcesso de Aprendizagem
Processo de Aprendizagem
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
 
Legislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional BrasileiraLegislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional Brasileira
 
Inclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação InfantilInclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação Infantil
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/Mental
 

Semelhante a Historia da Educação Especial no Brasil

Aula 1 história
Aula 1  históriaAula 1  história
Aula 1 históriaffcruzoleto
 
Fundamentos da educação especial aula 2
Fundamentos da educação especial aula 2Fundamentos da educação especial aula 2
Fundamentos da educação especial aula 2Rute Pereira
 
Trajetória da educação inclusiva
Trajetória da educação inclusivaTrajetória da educação inclusiva
Trajetória da educação inclusivaAna Lúcia Hennemann
 
Da exclusao a inclusao
Da exclusao a inclusaoDa exclusao a inclusao
Da exclusao a inclusaotanilenatic
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãoIsrael serique
 
aprendizagem-e-inclusao-elisangela-mercado-aula-03.pdf
aprendizagem-e-inclusao-elisangela-mercado-aula-03.pdfaprendizagem-e-inclusao-elisangela-mercado-aula-03.pdf
aprendizagem-e-inclusao-elisangela-mercado-aula-03.pdfDhiegoRecobaCampodon
 
Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiencia
Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficienciaParadigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiencia
Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficienciaJuraci Conceição
 
Projeto Escola Viva Visão Historica
Projeto Escola Viva Visão HistoricaProjeto Escola Viva Visão Historica
Projeto Escola Viva Visão Historicaasustecnologia
 
Disciplina Educação Especial no Brasil.pptx
Disciplina Educação Especial no Brasil.pptxDisciplina Educação Especial no Brasil.pptx
Disciplina Educação Especial no Brasil.pptxClaudiaStefaniadeAlm
 
inclusão a hisória da pessoa com deficiencia
inclusão a hisória da pessoa com deficienciainclusão a hisória da pessoa com deficiencia
inclusão a hisória da pessoa com deficienciaTaisaBeatriz1
 
A psicologia é marcada pela diversidade_ .pdf
A psicologia é marcada pela diversidade_ .pdfA psicologia é marcada pela diversidade_ .pdf
A psicologia é marcada pela diversidade_ .pdfthaiscristina76339
 

Semelhante a Historia da Educação Especial no Brasil (20)

Aula 1 história
Aula 1  históriaAula 1  história
Aula 1 história
 
Fundamentos da educação especial aula 2
Fundamentos da educação especial aula 2Fundamentos da educação especial aula 2
Fundamentos da educação especial aula 2
 
Trajetória da educação inclusiva
Trajetória da educação inclusivaTrajetória da educação inclusiva
Trajetória da educação inclusiva
 
1488 2192-1-pb
1488 2192-1-pb1488 2192-1-pb
1488 2192-1-pb
 
O amor é cego
O amor é cegoO amor é cego
O amor é cego
 
Da exclusao a inclusao
Da exclusao a inclusaoDa exclusao a inclusao
Da exclusao a inclusao
 
Hist educacao especial
Hist educacao especialHist educacao especial
Hist educacao especial
 
Daexclusoaincluso
DaexclusoainclusoDaexclusoaincluso
Daexclusoaincluso
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educação
 
aprendizagem-e-inclusao-elisangela-mercado-aula-03.pdf
aprendizagem-e-inclusao-elisangela-mercado-aula-03.pdfaprendizagem-e-inclusao-elisangela-mercado-aula-03.pdf
aprendizagem-e-inclusao-elisangela-mercado-aula-03.pdf
 
Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiencia
Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficienciaParadigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiencia
Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiencia
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Etica cultura sociedade
Etica cultura sociedadeEtica cultura sociedade
Etica cultura sociedade
 
Tudo junto subjetividade
Tudo junto subjetividadeTudo junto subjetividade
Tudo junto subjetividade
 
Projeto Escola Viva Visão Historica
Projeto Escola Viva Visão HistoricaProjeto Escola Viva Visão Historica
Projeto Escola Viva Visão Historica
 
Visao historica
Visao historicaVisao historica
Visao historica
 
Disciplina Educação Especial no Brasil.pptx
Disciplina Educação Especial no Brasil.pptxDisciplina Educação Especial no Brasil.pptx
Disciplina Educação Especial no Brasil.pptx
 
inclusão a hisória da pessoa com deficiencia
inclusão a hisória da pessoa com deficienciainclusão a hisória da pessoa com deficiencia
inclusão a hisória da pessoa com deficiencia
 
303 o inclusiva)
303 o inclusiva)303 o inclusiva)
303 o inclusiva)
 
A psicologia é marcada pela diversidade_ .pdf
A psicologia é marcada pela diversidade_ .pdfA psicologia é marcada pela diversidade_ .pdf
A psicologia é marcada pela diversidade_ .pdf
 

Último

QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 

Último (20)

QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 

Historia da Educação Especial no Brasil

  • 1. FACULDADE DE TEOLOGIA E CIÊNCIAS HUMANAS CENTRO DE PESQUISA, POS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO PROF. PAULO ROBERTO MORAIS DE MENDONÇA/CPPEX HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO BRASIL: ASPECTOS HISTÓRICOS E FILOSÓFICOS PROFa Mst IZABEL OLIVEIRA 2017
  • 2.
  • 3. PLANO DA DISCIPLINA EMENTA • Perspectivas históricas e conceituais da Educação Especial e Inclusiva. Pressupostos sociais, educacionais e políticos. Aspectos legais da Educação Especial e Inclusiva. Inclusão, sociedade, família e escola. Educação Especial e Inclusiva e mediação pedagógica. OBJETIVO GERAL • Compreender os processos inclusivos no contexto da educação a partir do marco regulatório legal enquanto expressão social, bem como debater os principais elementos referentes às práticas educativas inclusivas considerando também as questões da Inclusão Social e a Inclusão Digital.
  • 4. PLANO DA DISCIPLINA PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS • A disciplina será desenvolvida através de aulas expositivas dialogada, leitura prévia dos textos, exposição, seminários temáticos, analise e debates dos textos em sala de aula. Orientações individuais e em grupos para construção de textos dissertativos fundamentados em conteúdos trabalhados em sala. SISTEMÁTICA DE AVALIAÇÃO • Frequência, envolvimento, participação ativa nas discussões e atividades em sala; • Construção de textos dissertativos, Participação em debates, seminários e apresentações das temáticas da disciplina;
  • 5. PLANO DA DISCIPLINA REFERÊNCIAS CARVALHO. Rosita Edler. Educação inclusiva: com os pingos nos “is”. 5. Ed. Porto Alegre: Mediação, 2007. 2. CARNEIRO, Moaci Alves. O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns: possibilidades e limitações. Petrópolis: Vozes, 2007. GRACINDO, R. V.; MARQUES, S. C.; PAIVA, O. A. F. de. A contradição exclusão/inclusão na sociedade e na escola. Linhas Críticas, Brasília, v. II, n. 20, jan./jun. 2005, p. 5-25. SCHMITD, Maria A. & STOLTZ, Tânia (Orgs.). Educação, cidadania e inclusão social. Curitiba: Aos Quatro Ventos, 2006. Rodrigues, Olga Maria Piazentin Rolim. Educação especial: história, etiologia, conceitos e legislação vigente / Olga Maria Piazentim Rolim Rodrigues, Elisandra André Maranhe In: Práticas em educação especial e inclusiva na área da deficiência mental / Vera Lúcia Messias Fialho Capellini (org.). – Bauru : MEC/FC/SEE, 2008.
  • 6. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Pré-História  Nas sociedades primitivas, os povos eram nômades, sobrevivendo da caça e da pesca. As pessoas estavam sujeitas às intempéries da natureza e aos animais selvagens.  Tudo isto dificultava a aceitação de pessoas que fugiam à rotina e do modelo de normalidade da tribo.  As pessoas consideradas incapazes de caçar e de sobreviver por si mesmos à agressividade da vida, sendo dependentes da tribo, eram abandonadas no caminho, o que inevitavelmente contribuía para sua morte.
  • 7. Antiguidade • A pessoa que apresentasse alguma deficiência e tivesse dificuldades para adaptar-se à expectativa da comunidade eram abandonados; • Em Esparta e Atenas crianças com deficiências física, sensorial e mental eram consideradas subumanas, e eram eliminadas e/ou abandonas.
  • 8. Antigüidade • Tal prática era coerente com os ideais atléticos, de beleza, de militarismo e classistas que serviam de base à organização sociocultural desses dois locais. • Em Esparta os deficientes eram lançados do alto dos rochedos e em Atenas eram rejeitados e abandonados nas praças públicas ou nos campos.
  • 9. “Quanto aos corpos de constituição doentia, não lhes prolongava a vida e os sofrimentos com tratamentos e purgações regradas, que poriam em condições de se reproduzirem em outros seres fadados, certamente a serem iguais progenitores. [...] também que não deveria curar os que, por frágeis de compleição não podem chegar ao limite natural da vida, porque isso nem lhes é vantajoso a eles nem ao Estado” (PLATÃO - 429-347 a.C.)
  • 10. Idade Média • Na Europa a atitude para com as pessoas com deficiência era a mesma, até a difusão do cristianismo; • Com o cristianismo as pessoas deficientes ganharam alma e, eliminá-las ou abandoná-las significava atentar contra os desígnios da divindade. Assim, ao longo da idade média são consideradas “filhos de Deus” • Nicolau, Bispo de Myra, nos anos 300 d.C. acolhia crianças e pessoas com deficiência abandonadas.
  • 11. Idade Média • A pessoa com deficiência mental passa a ser acolhida caritativamente em conventos ou igrejas, ou, quando a deficiência não era acentuada, sobrevivia na família, escapando à exposição (prática do abandono à inanição ou servindo como palhaços ou atrações em circos). “Entre os milagres de Cristo, aparece em grande número a cura de deficiências física, auditiva e visual”.
  • 12. Idade Média • Na época, Martinho Lutero defendia que pessoas com deficiência mental eram seres diabólicos que mereciam castigos para serem purificados. • No século XIII, surge a primeira instituição para pessoas com deficiência, precursora de atendimento sistemático; (Colônia agrícola, na Bélgica) • No século XIV, surge a primeira legislação sobre os cuidados com a sobrevivência e com os bens das pessoas com deficiência mental (Eduardo II, da Inglaterra). • Nessa lei surge a distinção entre a pessoa com deficiência mental e com doença mental; a primeira, “loucura natural”, pessoas que sofriam de idiotia permanente e, a segunda, “lunática”, aquelas que sofriam de alterações psiquiátricas transitórias.
  • 13. • A Inquisição católica, na Idade Média, foi responsável pelo sacrifício de pessoas com deficiência mental entre loucos, adivinhos e hereges. • Prescrevia-se a tortura, a fogueira e o confisco de bens para qualquer conduta herética ou obscena, ou dar respostas sem nexo quando interrogados. • Durante a Inquisição, foi criado (1482) um manual de semiologia, capaz de “diagnosticar” bruxas e feiticeiros (sinais de malformação física ou mental) . Idade Média
  • 14. Relação sociedade e pessoa com deficiência nesse período: - sentimentos de piedade e caridade permeiam a relação. - concebidos como seres inferiores. - mantidos à margem do convívio social. - seres improdutivos sem trabalho ou renda. - trato social com desprezo e pena. - concebido como um ser desqualificado, incapaz e improdutivo.
  • 15. Idade Média Século XVI e XVII CARACTERISTICAS: Deformação Humana; Modificação das forças dos deuses ou do demônio; Negação do direito á vida; Condição imutável de anormalidade; Crenças sobrenaturais, demoníacas e superticiosas. PROCEDIMENTO: Extermínio e eliminação; Exorcismo, bruxaria e encarceramento. CONSEQUÊNCIAS E IMPLICAÇÕES SOCIAIS: Ignorância.
  • 16. Idade Moderna • No século XVI, surgiram dois intelectuais: Paracelso, (médico) e Cardano, (filósofo). “Paracelso, no seu livro “Sobre as doenças que privam o homem da razão”, foi o primeiro a considerar a deficiência mental um problema médico, digno de tratamento e complacência”. “Cardano, além de concordar que a deficiência era um problema médico, se preocupava com a educação das pessoas que apresentavam a deficiência.”
  • 17. • deficiência era um problema médico, se preocupava com a educação das pessoas que apresentavam a deficiência. • Locke: propõe que o conceito de mente seja compreendido como página em branco, passível de ser preenchida com programas sistemáticos de educação. “....todas as ideias devem nascer das sensações e das operações mentais, que são as próprias sensações transformadas”. (LOCKE) Idade Moderna
  • 18. • No século XVIII, aparece o “Tratado do bócio”, que levanta a ideia da hereditariedade da deficiência; • O século XIX foi marcado pelo trabalho de Itard, que apresentou o primeiro programa sistemático de Educação Especial (1800). Idade Contemporânea
  • 19. Idade contemporânea (Século XX Científico) CONCEPÇÃO: Sequela, lesão, diminuição da capacidade de um órgão em consequência de doenças. CARACTERÍSTICAS: a deficiência pode ser passível de tratamento, evitada ou controlada. Perda total ou parcial, temporária ou permanente de uma função psicológica, fisiológica ou anatômica PROCEDIMENTO: Tratamento médico, psicológico bem como o início dos estudos científicos específicos. CONSEQUÊNCIAS E IMPLICAÇÕES SOCIAIS: Pesquisas genéticas, avanços tecnológico, assim como equipes interdisciplinares.
  • 20. Idade contemporânea (Século XXI) CARACTERÍSTICAS: Integração; Inclusão; Convivência Social; Cidadania; Garantia de direitos; Equidade social. PROCEDIMENTOS: organização da sociedade para o atendimento das necessidades especiais; Políticas públicas. CONSEQUÊNCIAS E IMPLICAÇÕES SOCIAIS: Declarações internacionais, acordos, cartas e intenção e legislação; Inclusão social e cultural; educação inclusiva;
  • 21. História da Educação Especial no Brasil: Diferentes paradigmas educacionais: - paradigma médico- assistencialista - paradigma de serviços - paradigma de suportes
  • 22. Paradigma médico-assistencialista: - visava o cuidado e a proteção da pessoa com deficiência. - a pessoa era retirada do convívio social e separada de sua família. - prática de confinamento em espaços segregados: conventos, asilos, manicômios.
  • 23. Paradigma de Serviços - século XX (após os anos 60): - Crítica ao paradigma da institucionalização devido a sua ineficiência e inadequação na recuperação ou preparação das pessoas com uma deficiência para a vida em sociedade. - Princípio de normalização- procurar formas de atuação junto ao deficiente visando ajudá-lo a adquirir as condições e os padrões de comportamento mais próximos possíveis do que é socialmente determinado como normal.
  • 24. - Oferta de serviços especializados- escolas especiais, entidades assistencialistas e centros de reabilitação. - Integração parcial- comportamento ou grau de aprendizado definido como padrão para o aluno poder tentar ser integrado em uma classe especial, criada dentro das escolas regulares ou em classes comuns. - Integração parcial- “sistema de cascata”.
  • 25. Paradigma de Suporte - (a partir da década de 80)- conceito de inclusão. - garantir o acesso imediato, irrestrito e contínuo dos alunos com necessidades especiais a todos os espaços comuns da escola regular. - oferta de uma rede de suporte e apoio para auxiliar o processo de inclusão social e educacional de todos os alunos.
  • 26. Idade contemporânea (Século XX Científico) CONCEPÇÃO: Sequela, lesão, diminuição da capacidade de um órgão em consequência de doenças. CARACTERÍSTICAS: a deficiência pode ser passível de tratamento, evitada ou controlada. Perda total ou parcial, temporária ou permanente de uma função psicológica, fisiológica ou anatômica PROCEDIMENTO: Tratamento médico, psicológico bem como o início dos estudos científicos específicos. CONSEQUÊNCIAS E IMPLICAÇÕES SOCIAIS: Pesquisas genéticas, avanços tecnológico, assim como equipes interdisciplinares.
  • 27. 1.Integração Temporal: Ocorre quando há disponibilidade de oportunidade para o PNEE permaneça mais tempo com seus companheiros ditos “normais”, esperando-se que resultados positivos sejam obtidos por meio das ações institucionais e sócias. 2. Integração Social: Pressupõem a existência de atendimentos de Educação Especial na escola regular, onde os alunos nela escolarizados realizam algumas atividades comuns, tais como: jogos e atividades extra- escolares. 3. Integração Instrucional: Relaciona-se com a disponibilidade de oportunidade de condições de estímulos que este aluno encontra no ambiente da classe regular, facilitando seu processo de ensino- aprendizagem PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL
  • 28. 4.Princípio de Normatização: Significa oferecer as condições de vida as mais próximas possíveis das outras pessoas, a fim de que possam desenvolver ao máximo suas potencialidades, de acordo com a legislação. 5.Princípio da Individualização: É o que mais valoriza as diferenças individuais, sejam as diferenças dos PNEE, quando comparados aos ditos “normais”, sejam as diferenças entre os PNEEs, quando comparados ente si. PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL
  • 29. O termo INCLUSÃO foi oficializado no Encontro de Salamanca na Espanha em 1994.Foi emitido, nesta ocasião, um documento sobre os princípios, a política e a prática da educação para os PNEEs, apontando a urgência de ações educacionais capazes de reconhecer a diversidades física, sociais, raciais e linguísticas; A ESCOLA INCLUSIVA: ENFOQUE NO 3º MILÊNIO
  • 30.  COMO VOCÊS RECEBEM AS CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS NO SEU CONVÍVIO SOCIAL E ESCOLAR, CONSIDERANDO OS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? Descreva uma experiência apontando os pontos positivos e negativos. (exposição e debate) ATIVIDADE EM GRUPO