SlideShare uma empresa Scribd logo
Desenvolvimento vocacional
TEORIA DE DONALD SUPER
(ANOS 50)
“Nem todos os caminhos são para todos os caminhantes”.
Vocação
Latim vocatio = chamamento
Ter vocação para algo é:
◦ Sentir que isso nos chama
◦ Ter uma propensão, tendência,inclinação
A vocação pode ser:
◦ Inata
◦ Adquirida
◦ Combinação das duas
A investigação mostra que se seguirmos a
nossa vocação temos mais probabilidades de
sermos bem sucedidos e felizes.
Vocação e carreira
A escolha de uma carreira
é um comportamento
vocacional porque é a
consequência de uma
vocação.
Todo ser humano aspira a realizar-se
através do trabalho. Tal aspiração constitui
◦ Uma necessidade de subsistência.
◦ Uma expressão da personalidade, pois,
através do trabalho, o homem pode
empregar da melhor forma possível as suas
capacidades e aptidões, de acordo com o
valores sociais, económicos, estéticos, morais
e religiosos.
Carreira transformou-se num
dos aspetos mais relevantes no
desenvolvimento e equilíbrio
psicológico do indivíduo a par :
◦ Da vida familiar
◦ Dos estudos
◦ Da realização afetiva
◦ Do lazer
O papel do trabalho e carreira
profissional nas sociedades
modernas tem vindo a ganhar
progressiva importância
Daí a crescente importância da escolha de uma profissão, da
identificação da vocação profissional.
Donald Super investigou os
comportamentos vocacionais
ao longo da vida e
desenvolveu uma teoria do
desenvolvimento vocacional
Donald Super
Desenvolvimento vocacional
O desenvolvimento vocacional (a escolha de uma profissão, de uma ocupação)
◦ Não se resume a um momento da vida de uma pessoa, não é um
momento único e estático.
◦ É um processo contínuo: desenvolve-se ao longo de toda a vida, desde a
infância até à velhice.
Donald Super
Desenvolvimento vocacional
CarreiraF:2016-17pen12ºPAGDMódulo7Invençõesfeitasporcrianças.mp4 Míudode12anosfazdiscursosobrecarreiraatéagora.mp4
Carreira = conjunto de papéis sociais desempenhados num
qualquer momento do ciclo da vida ......AnalepsisGame.exe
Papel social
É o correto desempenho dos
papéis que garante o direito ao
estatuto adquirido
Ciclo de vida
Filho/filha: tempo e energia gastos no relacionamento com os pais
Estudante: tempo e energia gastos em aprendizagens e novas competências
Trabalhador: tempo e energia gastos num trabalho remunerado
Esposo(a): tempo e energia gastos no cultivo e manutenção de uma relação
Cuidador(a) da casa: tempo e energia gastos no cuidar da casa (limpar,
preparar a comida)
Pai/mãe: tempo e energia gastos no cuidar dos filhos
Lazer: tempo e energia gastos em atividades relaxantes (ler, desportos, jogos)
Cidadão: tempo e energia gastos em atividades em prol da comunidade
Autoconceito
Autoconceito Desenvolvimento vocacional
O autoconceito corresponde à forma como nos definimos.
O autoconceito responde à resposta à pergunta: "quem sou eu?"
Uma das contribuições mais significativas de Donald Super foi a importância
dada ao autoconceito.
O autoconceito é composto por imagens acerca do que nós próprios:
• O que pensamos que somos.
• O que pensamos que conseguimos realizar.
• O que pensamos que os outros pensam de nós .
• O que gostaríamos de ser
Fatores que intervêm no autoconceito
autoconceito
Experiências
passadas
Papéis
desempenhados
Cultura/sociedadeImagem corporal
Valores
Exemplo
"Um estudante universitário pode considerar-se bom aluno e mau
atleta ou vice-versa. Qual destes é o seu autoconceito? Nenhum! São
autoconceitos (role selfconcepts). São os autoconceitos que são
importantes, tais como "Eu sou um bom aluno e um mau atleta" ou "Eu
sou um mau aluno e um bom atleta". Também podemos falar de
bom/mau professor bom/mau marido, bom/mau cidadão.
O que cada um de nós tem é uma constelação de autoconceitos: alguns
são negativos, outros são positivos."
Autoconceito vocacional
Autoconceito vocacional/profissional = é a ideia que um indivíduo tem da sua
capacidade de desempenhar os papéis que uma determinada idade e situação
exigem.
Envolve um conjunto de:
◦ Interesses (o que eu gosto/quero)
◦ Competências (o que eu sei fazer)
◦ Valores (o que eu valorizo)
Associados a uma tarefa, profissão ou ocupação.
Autoconceito vocacional
Autoconceito
vocacional
Experiências
passadas
Papéis
desempenhados
Cultura/sociedadeImagem corporal
Valores
Cada profissão requer um
conjunto de capacidades e
características de
personalidade, (ainda que não
de uma forma rígida)
Qualificam-nos para
determinadas ocupações e
profissões
Ao manifestarmos uma
preferência vocacional
expressamos a pessoa que
pensamos ser, a pessoa que
queremos ser.
Quando assumimos uma
determinada profissão
atualizamos o nosso
autoconceito.
Carreira e autoconceito (vocacional)
Maturidade vocacional
Capacidade para:
• Tomar decisões
• Assumir comportamentos
• Assumir responsabilidades
Próprios do estádio em que o indivíduo se encontra
Contextos da maturidade
vocacional
Meio familiar
-Recursos (psicológicos
sociais, económicos) que
oferece ao desenvolvimento
do indivíduo
-Interagindo na família
construímos a nossa
identidade, aceitando ou
rejeitando certos papéis
Meio
socioeconómico
- Condiciona as escolhas da
carreira ao tornar mais ou
menos apetecível certos papéis
e áreas profissionais
Os estádios de vida
◦ As preferências vocacionais das pessoas não são estáticas: modificam-se ao longo
da vida por influência da sua experiência e das situações.
◦ O desenvolvimento vocacional decorre em vários estádios marcados por
características próprias. Ocorrem em determinadas idades aproximadas, segundo
uma sequência.
◦ A cada etapa ou estádio correspondem tarefas específicas a ser realizadas.
◦ O autoconceito vocacional varia ao longo do tempo, da vida, como resultado da
experiência.
◦ Corresponde às características ligadas ao desenvolvimento profissional de uma
pessoa.
A designação (nome) de cada estádio remete para a principal tarefa do
estádio de vida.
Segundo Super, estes estádios não são sempre lineares: uma pessoa pode
voltar a um estádio anterior do desenvolvimento, isto é, os estádios podem
ser cíclicos.
Esta situação, a que Super chama de reciclagem, não tem uma conotação
negativa. É um processo inerente ao desenvolvimento vocacional.
Os estádios de vida
Crescimento Do nascimento aos 13-14 anos
Exploração Dos 15 aos 24 anos
Estabelecimento Dos 24 aos 44 anos
Manutenção Dos 44 aos 64 anos
Descompromisso Após os 64 anos
Os estádios de vida
Crescimento (0-14 anos)
Desde o nascimento, a criança
desenvolve-se num contexto social
através do processo de socialização.
É na relação com os outros (pais,
professores, outros adultos
significativos e colegas) que, ao
identificar-se com eles, ela vai
construir o autoconceito vocacional:
• Compreende a importância de ter
sucesso no que faz (casa, amigos,
escola).
• Procura adquirir conhecimentos e
competências
• Procura ser competente no que faz.
• Adquire hábitos e rotinas de
trabalho .
• Preocupa-se (projeta-se) com o
futuro.
Exploração
(15-24 anos)
Período de exploração:
◦ De si próprio,
◦ Do mundo do trabalho
◦ Dos papéis das outras pessoas nas suas ocupações.
O autoconceito vocacional constrói-se na interação
◦ Com os outros.
◦ Com as experiências pessoais.
◦ Com o desempenho dos papéis em casa, na escola e
noutros contextos de vida.
Num primeiro momento, as opções
vocacionais são ensaiadas nas
conversas com os outros e na fantasia.
Exploração
(adolescência-estado adulto
Progressivamente, o jovem vai construindo
o seu autoconceito vocacional em
contacto com a realidade.
Escolhida uma profissão, desenvolve as
tarefas desta fase, especificando,
implementando a sua opção.
Contudo, a escolha não está finalizada.
Estabelecimento
(25-44 anos)
À medida que tempo avança, o adulto procura dar solidez ao mundo do trabalho:
◦ Estabilizando
◦ Consolidando
◦ Progredindo na sua ocupação.
Podem surgir questões relacionadas com experimentações e ensaios na procura de
um autoconceito vocacional mais seguro.
Esta situação pode refletir-se:
◦ Na mudança de emprego
◦ Na procura de novos percursos de vida profissional
◦ No abraçar novas experiências laborais.
Manutenção
(44-64 anos)
A principal tarefa das pessoas:
◦Desenvolver
◦Preservar
Com sucesso o autoconceito
vocacional estabelecido.
Não significa estagnação.
É comum, nesta fase da vida,
muitos colocarem a si
próprios a pergunta: "É isto
que quero fazer nos próximos
anos?".
Se a pessoa não se sente autorrealizada
na sua ocupação pode abraçar novos
desafios.
Inovar é também uma tarefa deste estádio de
desenvolvimento.
A frustração pode surgir se a pessoa não
conseguir estabilizar-se numa ocupação que a
autorrealize, que seja adequada ao seu perfil
Descompromisso
(após os 64 anos)
Há uma desaceleração no desenvolvimento da
carreira através da pré-reforma ou mesmo da
aposentação.
Assiste-se a uma:
◦ Diminuição da energia,
◦ Abrandamento dos ritmos de atividade,
◦ Ao declínio dos processos físicos e mentais.
O trabalho a tempo inteiro pode ser substituído
por um trabalho a tempo parcial e por hobbies.
O elemento comum neste estádio é a
necessidade de se reformular o estilo e a
estrutura de vida.
Algumas pessoas encaram este período de
uma forma positiva, outras sofrem com
sentimentos de desilusão e desapontamento.
É cada vez mais importante o planeamento
atempado da reforma para se poder
responder ao desafio de uma nova de vida.
A importância da teoria de Donald Super
É de realçar a ideia de que o desenvolvimento que se processa por
estádios, não é linear: podem surgir questões num estádio que
correspondem a etapas anteriores.
Super soube interpretar a nova realidade criada pelas grandes mudanças
tecnológicas e sociais e pela importância que a profissão ganhou na vida das
pessoas
A sua teoria sobre o desenvolvimento vocacional, veio enriquecer e dar mais
sentido ao desenvolvimento humano, sobretudo nas sociedades mais
industrializadas.
Uma pessoa que se encontre no último estádio pode, por exemplo, procurar
novos papéis ocupacionais, o que é uma tarefa própria do estádio de
crescimento.
Super apresentou uma aplicação prática da sua teoria para apoiar os
orientadores de carreira.
Chama-se Modelo de Avaliação e Orientação de Carreira e é um
instrumento muito utilizado pelos orientadores profissionais para
auxiliar as pessoas a resolverem os seus problemas de carreira.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
Carlos Pessoa
 
Programa de área de integração
Programa de área de integraçãoPrograma de área de integração
Programa de área de integração
Joana
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
Marcos Roberto
 
Desenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescênciaDesenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescência
psicologiaazambuja
 
Factores e processos aprendizagem 1
Factores e processos aprendizagem 1Factores e processos aprendizagem 1
Factores e processos aprendizagem 1
CENORF
 
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
Vitor Manuel de Carvalho
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
Cultura
CulturaCultura
Programa psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionaisPrograma psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionais
Isabel Moura
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
psicologiaazambuja
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
Jorge Barbosa
 
Autoconhecimento e projeto de vida
Autoconhecimento e projeto de vidaAutoconhecimento e projeto de vida
Autoconhecimento e projeto de vida
Nadini de Sousa
 
A motivação
A motivaçãoA motivação
A motivação
psicologiaazambuja
 
Apoio psicossocial
Apoio psicossocialApoio psicossocial
Apoio psicossocial
MarianaAlves870526
 
O conformismo
O conformismoO conformismo
Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Psic 10º ano m1 - evolução da psicologia
Psic 10º ano   m1 - evolução da psicologiaPsic 10º ano   m1 - evolução da psicologia
Psic 10º ano m1 - evolução da psicologia
Jorge Machado
 
Hereditariedade e meio
Hereditariedade e meioHereditariedade e meio
Hereditariedade e meio
Arnaldo Parente
 
Psicologia - socialização
Psicologia - socializaçãoPsicologia - socialização
Psicologia - socialização
hana kitsune
 
Técnicas de Procura de Emprego
Técnicas de Procura de EmpregoTécnicas de Procura de Emprego
Técnicas de Procura de Emprego
Maria Munteanu
 

Mais procurados (20)

Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
 
Programa de área de integração
Programa de área de integraçãoPrograma de área de integração
Programa de área de integração
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
 
Desenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescênciaDesenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescência
 
Factores e processos aprendizagem 1
Factores e processos aprendizagem 1Factores e processos aprendizagem 1
Factores e processos aprendizagem 1
 
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Programa psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionaisPrograma psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionais
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
 
Autoconhecimento e projeto de vida
Autoconhecimento e projeto de vidaAutoconhecimento e projeto de vida
Autoconhecimento e projeto de vida
 
A motivação
A motivaçãoA motivação
A motivação
 
Apoio psicossocial
Apoio psicossocialApoio psicossocial
Apoio psicossocial
 
O conformismo
O conformismoO conformismo
O conformismo
 
Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminação
 
Psic 10º ano m1 - evolução da psicologia
Psic 10º ano   m1 - evolução da psicologiaPsic 10º ano   m1 - evolução da psicologia
Psic 10º ano m1 - evolução da psicologia
 
Hereditariedade e meio
Hereditariedade e meioHereditariedade e meio
Hereditariedade e meio
 
Psicologia - socialização
Psicologia - socializaçãoPsicologia - socialização
Psicologia - socialização
 
Técnicas de Procura de Emprego
Técnicas de Procura de EmpregoTécnicas de Procura de Emprego
Técnicas de Procura de Emprego
 

Semelhante a Donald super

Donaldsupereodesenvolvimentoprofissional
DonaldsupereodesenvolvimentoprofissionalDonaldsupereodesenvolvimentoprofissional
Donaldsupereodesenvolvimentoprofissional
António Moreira
 
Planejamento de-vida-e-carreira-ciclode-brasilia
Planejamento de-vida-e-carreira-ciclode-brasiliaPlanejamento de-vida-e-carreira-ciclode-brasilia
Planejamento de-vida-e-carreira-ciclode-brasilia
Karina Cinquetti
 
Minhas virtudes projeto de vida .pptx
Minhas virtudes projeto de vida    .pptxMinhas virtudes projeto de vida    .pptx
Minhas virtudes projeto de vida .pptx
keissyperes
 
PV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdf
PV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdfPV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdf
PV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdf
JoanaMelo38
 
Palestra "Planejamento de Vida e Carreira"
Palestra "Planejamento de Vida e Carreira" Palestra "Planejamento de Vida e Carreira"
Palestra "Planejamento de Vida e Carreira"
VerisFaculdades
 
Palestra escolhas profissionais na vida adulta
Palestra escolhas profissionais na vida adulta Palestra escolhas profissionais na vida adulta
Palestra escolhas profissionais na vida adulta
Monica Barg Coaching
 
aula-motivacao-e-lideranca-2020.pptx
aula-motivacao-e-lideranca-2020.pptxaula-motivacao-e-lideranca-2020.pptx
aula-motivacao-e-lideranca-2020.pptx
ClaytonAlvesdosSanto1
 
O psicopedagogo na beleza
O psicopedagogo na belezaO psicopedagogo na beleza
O psicopedagogo na beleza
Kátia Rumbelsperger
 
Palestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza Ghisi
Palestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza GhisiPalestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza Ghisi
Palestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza Ghisi
Clube de RH de Extrema e Região
 
Coaching para desenvolvimento pessoal e profissional
Coaching para desenvolvimento pessoal e profissionalCoaching para desenvolvimento pessoal e profissional
Coaching para desenvolvimento pessoal e profissional
Katia Manangão
 
Palestra carreira e profissões jovens igreja são judas
Palestra carreira e profissões jovens igreja são judasPalestra carreira e profissões jovens igreja são judas
Palestra carreira e profissões jovens igreja são judas
Sandra Marques
 
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Jeca Tatu
 
Educação no seculo XXI
Educação no seculo XXIEducação no seculo XXI
Educação no seculo XXI
Lilian Moreira
 
1_594projetode1a_serie_aula_01_2024.pptx
1_594projetode1a_serie_aula_01_2024.pptx1_594projetode1a_serie_aula_01_2024.pptx
1_594projetode1a_serie_aula_01_2024.pptx
AntonioCesarBurnat1
 
Projeto de vida.........................
Projeto de vida.........................Projeto de vida.........................
Projeto de vida.........................
IRACEMAAPARECIDAMEND1
 
Orientação de Carreiras e Dinâmicas
Orientação de Carreiras e DinâmicasOrientação de Carreiras e Dinâmicas
Orientação de Carreiras e Dinâmicas
SNAGES
 
Excelência pessoal clinipan
Excelência pessoal clinipanExcelência pessoal clinipan
Excelência pessoal clinipan
Antonio Moreira
 
Cbtd 2013 p69 - carma senior
Cbtd 2013   p69 - carma seniorCbtd 2013   p69 - carma senior
Cbtd 2013 p69 - carma senior
Edson Carli
 
Cultura Organizacional e Espiritualidade em tempos de mudanças
Cultura Organizacional e Espiritualidade em tempos de mudançasCultura Organizacional e Espiritualidade em tempos de mudanças
Cultura Organizacional e Espiritualidade em tempos de mudanças
Waggl Brasil
 
PLANEJAMENTO DE CARREIRA - UMA VIAGEM LONGA
PLANEJAMENTO DE CARREIRA - UMA VIAGEM LONGAPLANEJAMENTO DE CARREIRA - UMA VIAGEM LONGA
PLANEJAMENTO DE CARREIRA - UMA VIAGEM LONGA
Marcos Vono
 

Semelhante a Donald super (20)

Donaldsupereodesenvolvimentoprofissional
DonaldsupereodesenvolvimentoprofissionalDonaldsupereodesenvolvimentoprofissional
Donaldsupereodesenvolvimentoprofissional
 
Planejamento de-vida-e-carreira-ciclode-brasilia
Planejamento de-vida-e-carreira-ciclode-brasiliaPlanejamento de-vida-e-carreira-ciclode-brasilia
Planejamento de-vida-e-carreira-ciclode-brasilia
 
Minhas virtudes projeto de vida .pptx
Minhas virtudes projeto de vida    .pptxMinhas virtudes projeto de vida    .pptx
Minhas virtudes projeto de vida .pptx
 
PV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdf
PV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdfPV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdf
PV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdf
 
Palestra "Planejamento de Vida e Carreira"
Palestra "Planejamento de Vida e Carreira" Palestra "Planejamento de Vida e Carreira"
Palestra "Planejamento de Vida e Carreira"
 
Palestra escolhas profissionais na vida adulta
Palestra escolhas profissionais na vida adulta Palestra escolhas profissionais na vida adulta
Palestra escolhas profissionais na vida adulta
 
aula-motivacao-e-lideranca-2020.pptx
aula-motivacao-e-lideranca-2020.pptxaula-motivacao-e-lideranca-2020.pptx
aula-motivacao-e-lideranca-2020.pptx
 
O psicopedagogo na beleza
O psicopedagogo na belezaO psicopedagogo na beleza
O psicopedagogo na beleza
 
Palestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza Ghisi
Palestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza GhisiPalestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza Ghisi
Palestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza Ghisi
 
Coaching para desenvolvimento pessoal e profissional
Coaching para desenvolvimento pessoal e profissionalCoaching para desenvolvimento pessoal e profissional
Coaching para desenvolvimento pessoal e profissional
 
Palestra carreira e profissões jovens igreja são judas
Palestra carreira e profissões jovens igreja são judasPalestra carreira e profissões jovens igreja são judas
Palestra carreira e profissões jovens igreja são judas
 
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
 
Educação no seculo XXI
Educação no seculo XXIEducação no seculo XXI
Educação no seculo XXI
 
1_594projetode1a_serie_aula_01_2024.pptx
1_594projetode1a_serie_aula_01_2024.pptx1_594projetode1a_serie_aula_01_2024.pptx
1_594projetode1a_serie_aula_01_2024.pptx
 
Projeto de vida.........................
Projeto de vida.........................Projeto de vida.........................
Projeto de vida.........................
 
Orientação de Carreiras e Dinâmicas
Orientação de Carreiras e DinâmicasOrientação de Carreiras e Dinâmicas
Orientação de Carreiras e Dinâmicas
 
Excelência pessoal clinipan
Excelência pessoal clinipanExcelência pessoal clinipan
Excelência pessoal clinipan
 
Cbtd 2013 p69 - carma senior
Cbtd 2013   p69 - carma seniorCbtd 2013   p69 - carma senior
Cbtd 2013 p69 - carma senior
 
Cultura Organizacional e Espiritualidade em tempos de mudanças
Cultura Organizacional e Espiritualidade em tempos de mudançasCultura Organizacional e Espiritualidade em tempos de mudanças
Cultura Organizacional e Espiritualidade em tempos de mudanças
 
PLANEJAMENTO DE CARREIRA - UMA VIAGEM LONGA
PLANEJAMENTO DE CARREIRA - UMA VIAGEM LONGAPLANEJAMENTO DE CARREIRA - UMA VIAGEM LONGA
PLANEJAMENTO DE CARREIRA - UMA VIAGEM LONGA
 

Mais de Fabiana Mourão

Gincana.
Gincana.Gincana.
Gincana.
Fabiana Mourão
 
O sapo.
O sapo.O sapo.
Puzzles.
Puzzles.Puzzles.
Puzzles.
Fabiana Mourão
 
Liv'animaleta.
Liv'animaleta.Liv'animaleta.
Liv'animaleta.
Fabiana Mourão
 
Dedica o teu desenho.
Dedica o teu desenho.Dedica o teu desenho.
Dedica o teu desenho.
Fabiana Mourão
 
Flutua ou afunda.
Flutua ou afunda.Flutua ou afunda.
Flutua ou afunda.
Fabiana Mourão
 
Mini chefes.
Mini chefes.Mini chefes.
Mini chefes.
Fabiana Mourão
 
Maria Montessori
Maria MontessoriMaria Montessori
Maria Montessori
Fabiana Mourão
 
Anteprojeto da pap
Anteprojeto da pap Anteprojeto da pap
Anteprojeto da pap
Fabiana Mourão
 
Sindrome de down
Sindrome de downSindrome de down
Sindrome de down
Fabiana Mourão
 
Siem
SiemSiem
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
Fabiana Mourão
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
Fabiana Mourão
 
Feridas e queimaduras
Feridas e queimadurasFeridas e queimaduras
Feridas e queimaduras
Fabiana Mourão
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
Fabiana Mourão
 
Def. auditiva, visual e motora
Def. auditiva, visual e motoraDef. auditiva, visual e motora
Def. auditiva, visual e motora
Fabiana Mourão
 
Autismo
AutismoAutismo
O ano da morte de ricardo reis
O ano da morte de ricardo reisO ano da morte de ricardo reis
O ano da morte de ricardo reis
Fabiana Mourão
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
Fabiana Mourão
 
A importancia da musica
A importancia da musicaA importancia da musica
A importancia da musica
Fabiana Mourão
 

Mais de Fabiana Mourão (20)

Gincana.
Gincana.Gincana.
Gincana.
 
O sapo.
O sapo.O sapo.
O sapo.
 
Puzzles.
Puzzles.Puzzles.
Puzzles.
 
Liv'animaleta.
Liv'animaleta.Liv'animaleta.
Liv'animaleta.
 
Dedica o teu desenho.
Dedica o teu desenho.Dedica o teu desenho.
Dedica o teu desenho.
 
Flutua ou afunda.
Flutua ou afunda.Flutua ou afunda.
Flutua ou afunda.
 
Mini chefes.
Mini chefes.Mini chefes.
Mini chefes.
 
Maria Montessori
Maria MontessoriMaria Montessori
Maria Montessori
 
Anteprojeto da pap
Anteprojeto da pap Anteprojeto da pap
Anteprojeto da pap
 
Sindrome de down
Sindrome de downSindrome de down
Sindrome de down
 
Siem
SiemSiem
Siem
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
 
Feridas e queimaduras
Feridas e queimadurasFeridas e queimaduras
Feridas e queimaduras
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
Def. auditiva, visual e motora
Def. auditiva, visual e motoraDef. auditiva, visual e motora
Def. auditiva, visual e motora
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
O ano da morte de ricardo reis
O ano da morte de ricardo reisO ano da morte de ricardo reis
O ano da morte de ricardo reis
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
A importancia da musica
A importancia da musicaA importancia da musica
A importancia da musica
 

Último

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 

Donald super

  • 1. Desenvolvimento vocacional TEORIA DE DONALD SUPER (ANOS 50)
  • 2. “Nem todos os caminhos são para todos os caminhantes”.
  • 3. Vocação Latim vocatio = chamamento Ter vocação para algo é: ◦ Sentir que isso nos chama ◦ Ter uma propensão, tendência,inclinação A vocação pode ser: ◦ Inata ◦ Adquirida ◦ Combinação das duas A investigação mostra que se seguirmos a nossa vocação temos mais probabilidades de sermos bem sucedidos e felizes.
  • 4. Vocação e carreira A escolha de uma carreira é um comportamento vocacional porque é a consequência de uma vocação.
  • 5. Todo ser humano aspira a realizar-se através do trabalho. Tal aspiração constitui ◦ Uma necessidade de subsistência. ◦ Uma expressão da personalidade, pois, através do trabalho, o homem pode empregar da melhor forma possível as suas capacidades e aptidões, de acordo com o valores sociais, económicos, estéticos, morais e religiosos.
  • 6. Carreira transformou-se num dos aspetos mais relevantes no desenvolvimento e equilíbrio psicológico do indivíduo a par : ◦ Da vida familiar ◦ Dos estudos ◦ Da realização afetiva ◦ Do lazer O papel do trabalho e carreira profissional nas sociedades modernas tem vindo a ganhar progressiva importância
  • 7. Daí a crescente importância da escolha de uma profissão, da identificação da vocação profissional.
  • 8. Donald Super investigou os comportamentos vocacionais ao longo da vida e desenvolveu uma teoria do desenvolvimento vocacional Donald Super Desenvolvimento vocacional
  • 9. O desenvolvimento vocacional (a escolha de uma profissão, de uma ocupação) ◦ Não se resume a um momento da vida de uma pessoa, não é um momento único e estático. ◦ É um processo contínuo: desenvolve-se ao longo de toda a vida, desde a infância até à velhice. Donald Super Desenvolvimento vocacional
  • 10. CarreiraF:2016-17pen12ºPAGDMódulo7Invençõesfeitasporcrianças.mp4 Míudode12anosfazdiscursosobrecarreiraatéagora.mp4 Carreira = conjunto de papéis sociais desempenhados num qualquer momento do ciclo da vida ......AnalepsisGame.exe
  • 11. Papel social É o correto desempenho dos papéis que garante o direito ao estatuto adquirido
  • 13. Filho/filha: tempo e energia gastos no relacionamento com os pais Estudante: tempo e energia gastos em aprendizagens e novas competências Trabalhador: tempo e energia gastos num trabalho remunerado Esposo(a): tempo e energia gastos no cultivo e manutenção de uma relação Cuidador(a) da casa: tempo e energia gastos no cuidar da casa (limpar, preparar a comida) Pai/mãe: tempo e energia gastos no cuidar dos filhos Lazer: tempo e energia gastos em atividades relaxantes (ler, desportos, jogos) Cidadão: tempo e energia gastos em atividades em prol da comunidade
  • 14. Autoconceito Autoconceito Desenvolvimento vocacional O autoconceito corresponde à forma como nos definimos. O autoconceito responde à resposta à pergunta: "quem sou eu?" Uma das contribuições mais significativas de Donald Super foi a importância dada ao autoconceito. O autoconceito é composto por imagens acerca do que nós próprios: • O que pensamos que somos. • O que pensamos que conseguimos realizar. • O que pensamos que os outros pensam de nós . • O que gostaríamos de ser
  • 15. Fatores que intervêm no autoconceito autoconceito Experiências passadas Papéis desempenhados Cultura/sociedadeImagem corporal Valores
  • 16. Exemplo "Um estudante universitário pode considerar-se bom aluno e mau atleta ou vice-versa. Qual destes é o seu autoconceito? Nenhum! São autoconceitos (role selfconcepts). São os autoconceitos que são importantes, tais como "Eu sou um bom aluno e um mau atleta" ou "Eu sou um mau aluno e um bom atleta". Também podemos falar de bom/mau professor bom/mau marido, bom/mau cidadão. O que cada um de nós tem é uma constelação de autoconceitos: alguns são negativos, outros são positivos."
  • 17. Autoconceito vocacional Autoconceito vocacional/profissional = é a ideia que um indivíduo tem da sua capacidade de desempenhar os papéis que uma determinada idade e situação exigem. Envolve um conjunto de: ◦ Interesses (o que eu gosto/quero) ◦ Competências (o que eu sei fazer) ◦ Valores (o que eu valorizo) Associados a uma tarefa, profissão ou ocupação.
  • 19. Cada profissão requer um conjunto de capacidades e características de personalidade, (ainda que não de uma forma rígida) Qualificam-nos para determinadas ocupações e profissões Ao manifestarmos uma preferência vocacional expressamos a pessoa que pensamos ser, a pessoa que queremos ser. Quando assumimos uma determinada profissão atualizamos o nosso autoconceito. Carreira e autoconceito (vocacional)
  • 20. Maturidade vocacional Capacidade para: • Tomar decisões • Assumir comportamentos • Assumir responsabilidades Próprios do estádio em que o indivíduo se encontra
  • 21. Contextos da maturidade vocacional Meio familiar -Recursos (psicológicos sociais, económicos) que oferece ao desenvolvimento do indivíduo -Interagindo na família construímos a nossa identidade, aceitando ou rejeitando certos papéis Meio socioeconómico - Condiciona as escolhas da carreira ao tornar mais ou menos apetecível certos papéis e áreas profissionais
  • 22. Os estádios de vida ◦ As preferências vocacionais das pessoas não são estáticas: modificam-se ao longo da vida por influência da sua experiência e das situações. ◦ O desenvolvimento vocacional decorre em vários estádios marcados por características próprias. Ocorrem em determinadas idades aproximadas, segundo uma sequência. ◦ A cada etapa ou estádio correspondem tarefas específicas a ser realizadas. ◦ O autoconceito vocacional varia ao longo do tempo, da vida, como resultado da experiência. ◦ Corresponde às características ligadas ao desenvolvimento profissional de uma pessoa.
  • 23. A designação (nome) de cada estádio remete para a principal tarefa do estádio de vida. Segundo Super, estes estádios não são sempre lineares: uma pessoa pode voltar a um estádio anterior do desenvolvimento, isto é, os estádios podem ser cíclicos. Esta situação, a que Super chama de reciclagem, não tem uma conotação negativa. É um processo inerente ao desenvolvimento vocacional. Os estádios de vida
  • 24. Crescimento Do nascimento aos 13-14 anos Exploração Dos 15 aos 24 anos Estabelecimento Dos 24 aos 44 anos Manutenção Dos 44 aos 64 anos Descompromisso Após os 64 anos Os estádios de vida
  • 25. Crescimento (0-14 anos) Desde o nascimento, a criança desenvolve-se num contexto social através do processo de socialização. É na relação com os outros (pais, professores, outros adultos significativos e colegas) que, ao identificar-se com eles, ela vai construir o autoconceito vocacional: • Compreende a importância de ter sucesso no que faz (casa, amigos, escola). • Procura adquirir conhecimentos e competências • Procura ser competente no que faz. • Adquire hábitos e rotinas de trabalho . • Preocupa-se (projeta-se) com o futuro.
  • 26. Exploração (15-24 anos) Período de exploração: ◦ De si próprio, ◦ Do mundo do trabalho ◦ Dos papéis das outras pessoas nas suas ocupações. O autoconceito vocacional constrói-se na interação ◦ Com os outros. ◦ Com as experiências pessoais. ◦ Com o desempenho dos papéis em casa, na escola e noutros contextos de vida.
  • 27. Num primeiro momento, as opções vocacionais são ensaiadas nas conversas com os outros e na fantasia. Exploração (adolescência-estado adulto Progressivamente, o jovem vai construindo o seu autoconceito vocacional em contacto com a realidade. Escolhida uma profissão, desenvolve as tarefas desta fase, especificando, implementando a sua opção. Contudo, a escolha não está finalizada.
  • 28. Estabelecimento (25-44 anos) À medida que tempo avança, o adulto procura dar solidez ao mundo do trabalho: ◦ Estabilizando ◦ Consolidando ◦ Progredindo na sua ocupação. Podem surgir questões relacionadas com experimentações e ensaios na procura de um autoconceito vocacional mais seguro. Esta situação pode refletir-se: ◦ Na mudança de emprego ◦ Na procura de novos percursos de vida profissional ◦ No abraçar novas experiências laborais.
  • 29. Manutenção (44-64 anos) A principal tarefa das pessoas: ◦Desenvolver ◦Preservar Com sucesso o autoconceito vocacional estabelecido. Não significa estagnação. É comum, nesta fase da vida, muitos colocarem a si próprios a pergunta: "É isto que quero fazer nos próximos anos?". Se a pessoa não se sente autorrealizada na sua ocupação pode abraçar novos desafios. Inovar é também uma tarefa deste estádio de desenvolvimento. A frustração pode surgir se a pessoa não conseguir estabilizar-se numa ocupação que a autorrealize, que seja adequada ao seu perfil
  • 30. Descompromisso (após os 64 anos) Há uma desaceleração no desenvolvimento da carreira através da pré-reforma ou mesmo da aposentação. Assiste-se a uma: ◦ Diminuição da energia, ◦ Abrandamento dos ritmos de atividade, ◦ Ao declínio dos processos físicos e mentais. O trabalho a tempo inteiro pode ser substituído por um trabalho a tempo parcial e por hobbies. O elemento comum neste estádio é a necessidade de se reformular o estilo e a estrutura de vida. Algumas pessoas encaram este período de uma forma positiva, outras sofrem com sentimentos de desilusão e desapontamento. É cada vez mais importante o planeamento atempado da reforma para se poder responder ao desafio de uma nova de vida.
  • 31. A importância da teoria de Donald Super É de realçar a ideia de que o desenvolvimento que se processa por estádios, não é linear: podem surgir questões num estádio que correspondem a etapas anteriores. Super soube interpretar a nova realidade criada pelas grandes mudanças tecnológicas e sociais e pela importância que a profissão ganhou na vida das pessoas A sua teoria sobre o desenvolvimento vocacional, veio enriquecer e dar mais sentido ao desenvolvimento humano, sobretudo nas sociedades mais industrializadas. Uma pessoa que se encontre no último estádio pode, por exemplo, procurar novos papéis ocupacionais, o que é uma tarefa própria do estádio de crescimento.
  • 32. Super apresentou uma aplicação prática da sua teoria para apoiar os orientadores de carreira. Chama-se Modelo de Avaliação e Orientação de Carreira e é um instrumento muito utilizado pelos orientadores profissionais para auxiliar as pessoas a resolverem os seus problemas de carreira.