SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Secundária da Senhora da Hora
Sistema Integrado de Emergência
Médica
Apoio à Infância
3º A
SIEM
Sistema Integrado de Emergência Médica
• Conjunto de entidades que cooperam com um
objectivo: prestar assistência às vítimas de
acidente ou doença súbita.
• Essas entidades são a PSP, a GNR, os
Bombeiros, a Cruz Vermelha Portuguesa, o
INEM e os Hospitais e Centros de Saúde.
• O funcionamento deste sistema começa
quando alguém liga 112, o Número Europeu de
Emergência.
O Número de Emergência 112 deve ser
utilizado, entre outras situações (desacatos,
assaltos), nas seguintes:
 Acidente de viação
 Acidentes no trabalho
 Acidentes no desporto
 Quedas
 Doença súbita
 Agressão
 Intoxicações
NÚMERO EUROPEU DE SOCORRO 112
O Número de Emergência 112 deve ser
utilizado, entre outras situações (desacatos,
assaltos), nas seguintes:
 Afogamento
 Alcoolismo
 Partos súbitos
 Incêndios urbanos
 Incêndios florestais: Se avistar o início de
um incêndio florestal, ligue de imediato (em
alternativa pode utilizar, ainda, o 117).
NÚMERO EUROPEU DE SOCORRO 112
Antes de ligar 112, informe-se sobre os
pormenores que a Central tem necessidade de
conhecer:
 Onde (local exato da ocorrência): rua, n.º da
porta, estrada (sentido ascendente ou
descendente), pontos de referência.
 O quê (tipo de ocorrência: acidente, incêndio
florestal ou outro, parto, doença súbita,
intoxicação, etc.).
 Quem (Vítima/doente, número de vítimas,
queixas).
NÚMERO EUROPEU DE SOCORRO 112
• O sistema integrado de emergência médica
(SIEM) é um conjunto de meios e ações
que visa uma resposta atempada a
qualquer ocorrência em que exista risco de
vida.
COMPONENTES, INTERVENIENTES E FORMA DE FUNCIONAMENTO
SIEM
(Sistema Integrado de Emergência Médica)
• O atendimento das chamadas cabe à PSP e à
GNR, nas centrais de emergência.
• Sempre que o motivo da chamada tenha a ver
com a área da saúde, a mesma é encaminhada
para os Centros de Orientação de Doentes
Urgentes (CODU) do INEM.
• Sempre que o CODU acciona um meio de
emergência procura que o mesmo seja o que
está mais perto do local, independentemente da
entidade a que pertence (INEM, Bombeiros ou
CVP).
(Sistema Integrado de Emergência Médica)
SIEM
INEM
Instituto Nacional
de emergência
Médica (organismo
coordenador das
actividades de
socorro)
Através
Operador da
central de
emergência
Doença
súbita Acidente
Catástrofe
natural Assalto Incêndio
Garante socorro a
112
(Número Europeu de Socorro)
Forças de
segurança pública
PSP, GNR
SNB
Serviço Nacional
de Bombeiros
CODU
Centro de Orientação
de Doenças Urgentes
CIAV Centro
de Informações
Antivenenos
INEM
Instituto Nacional
de Emergência
Médica (organismo
coordenador das
actividades de
socorro)
Detecção Alerta Pré-socorro Socorro Transporte
Tratamento
na unidade
de saúde
Deteção
Deteção da ocorrência de emergência
médica que corresponde ao momento em
que alguém se apercebe da existência uma
ou mais vítimas.
Alerta
Fase na qual se contacta através do
número nacional de emergência médica
(112), dando conta da ocorrência
anteriormente detetada.
COMPONENTES, INTERVENIENTES E FORMA DE FUNCIONAMENTO
FASES do SIEM
Formador: António Agostinho Ferreira
Pré-Socorro
Conjunto de gestos simples executados e
mantidos até a chegada de meios de
socorro mais especializados.
Socorro
Cuidados de emergência iniciais efetuados
às vítimas de doença súbita ou de acidente,
com o objetivo de as estabilizar, diminuindo
assim a morbilidade e a mortalidade.
COMPONENTES, INTERVENIENTES E FORMA DE FUNCIONAMENTO
FASES do SIEM
Transporte
Transporte assistido da vítima
numa ambulância com caraterís-
ticas, pessoal e carga definidos,
desde o local da ocorrência até
à unidade de saúde adequada,
garantindo a continuação dos
cuidados de emergência
necessários.
COMPONENTES, INTERVENIENTES E FORMA DE FUNCIONAMENTO
FASES do SIEM
Tratamento / Hospital
Se necessário pode considerar-se
posteriormente um novo transporte,
transferência para um hospital de maior
diferenciação, onde irá ocorrer o tratamento
mais adequado à situação.
COMPONENTES, INTERVENIENTES E FORMA DE FUNCIONAMENTO
FASES do SIEM
COMPONENTES, INTERVENIENTES E FORMA DE FUNCIONAMENTO
INTERVENIENTES do SIEM
INTERVENIENTES do SIEM
COMPONENTES, INTERVENIENTES E FORMA DE FUNCIONAMENTO
ORGANIZAÇÃO do SIEM - SUBSISTEMAS
(CIAV)
Centro de
Informação
Antiveneno
s
(CODU)
Centro de
Orientação
de Doentes
Urgentes
(CODU Mar)
Centro de
Orientação
de Doentes
Urgentes -
MAR.
Transporte
de Recém
– Nascidos
de Alto
Risco
Serviço de
Helicóptero
s de
Emergência
Médica
SUBSISTEMAS
CODU
Os Centros de Orientação de Doentes
Urgentes (CODU) são Centrais de Emergência
Médica responsáveis pela medicalização do
Número Europeu de Emergência - 112.
CODU
Compete aos CODU atender e avaliar no
mais curto espaço de tempo os pedidos
de socorro recebidos, com o objectivo de
determinar os recursos necessários e
adequados a cada caso.
CODU
CODU
Os CODU coordenam e gerem um conjunto de
meios de socorro (ambulâncias de socorro,
viaturas médicas e helicópteros) seleccionados
com base na situação clínica das vítimas, com o
objectivo de prestar o socorro mais adequado no
mais curto espaço de tempo.
São transferidos para os CODU os pedidos de
socorro efectuados por aquela via, referentes
a situações de urgência ou emergência na
área da saúde. O seu funcionamento é
assegurado ao longo das 24 horas do dia por
uma equipa de profissionais qualificados
(médicos e operadores).
CODU
CIAV
Em caso de intoxicação, telefonar para o Centro de
Informação Antivenenos (CIAV) do INEM: 808 250 143
Funciona 24 horas por dia, todos os dias do ano.
Para cada situação serão aconselhadas as medidas que
deverá tomar.
VMER - veículo de
transporte de equipa médica
(médico e enfermeira
Ambulâncias de
Socorro
CODU
O INEM tem quatro CODU em funcionamento,
em Lisboa, Porto, Coimbra e Algarve.
Centro de Informação
Antivenenos (CIAV)
Procurar dar informações que possam ajudar o CIAV a identificar
a situação, designadamente:
Quem – idade, sexo, gravidez, etc.
O quê – produto, animal, planta, cogumelo
Quanto – quantidade de produto, tempo de exposição
Quando – há quanto tempo
Onde – em casa, no campo, na fábrica, etc.
Como – em jejum, com alimentos, com bebidas alcoólicas, etc.
Siem

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
Rosemeire Moreira Souza
 
Politica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de UrgenciasPolitica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de Urgencias
Valderi Ferreira
 
Triagem de Vítimas em Catástrofes Enf. Magda R. Matos
Triagem de Vítimas em Catástrofes    Enf. Magda R. MatosTriagem de Vítimas em Catástrofes    Enf. Magda R. Matos
Triagem de Vítimas em Catástrofes Enf. Magda R. Matos
Coren-ms Conselho Reg Enfermagem
 
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICO
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICOUti - PLANEJAMENTO FÍSICO
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICO
Gibran Neves
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
resenfe2013
 
Sinais vitais
Sinais vitais Sinais vitais
Sinais vitais
Fernanda Camargo
 
Escala de braden
Escala de braden Escala de braden
Escala de braden
Juliane Ribeiro
 
Aph completo ulisses souza
Aph completo  ulisses souzaAph completo  ulisses souza
Aph completo ulisses souza
Ulisses Souza
 
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Prof Silvio Rosa
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
Zeca Ribeiro
 
Pacientes Graves - 1.pptx
Pacientes Graves - 1.pptxPacientes Graves - 1.pptx
Pacientes Graves - 1.pptx
JosPauloFerreiraVial
 
Ufcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
Ufcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índiceUfcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
Ufcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
Manuais Formação
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
Ricardo Augusto
 
M10 Suporte Basico de Vida.pptx
M10 Suporte Basico de Vida.pptxM10 Suporte Basico de Vida.pptx
M10 Suporte Basico de Vida.pptx
soniaalmeida38
 
UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...
UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...
UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...
Manuais Formação
 
Introduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergenciaIntroduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergencia
jorge luiz dos santos de souza
 
Manual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecção
Manual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecçãoManual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecção
Manual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecção
Paulo Vaz
 
Ovace
OvaceOvace
O sistema de classificação de risco de Manchester
O sistema de classificação de risco de ManchesterO sistema de classificação de risco de Manchester
O sistema de classificação de risco de Manchester
Welfane Cordeiro Junior
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
Elisama Cruz
 

Mais procurados (20)

Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
Politica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de UrgenciasPolitica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de Urgencias
 
Triagem de Vítimas em Catástrofes Enf. Magda R. Matos
Triagem de Vítimas em Catástrofes    Enf. Magda R. MatosTriagem de Vítimas em Catástrofes    Enf. Magda R. Matos
Triagem de Vítimas em Catástrofes Enf. Magda R. Matos
 
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICO
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICOUti - PLANEJAMENTO FÍSICO
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICO
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
Sinais vitais
Sinais vitais Sinais vitais
Sinais vitais
 
Escala de braden
Escala de braden Escala de braden
Escala de braden
 
Aph completo ulisses souza
Aph completo  ulisses souzaAph completo  ulisses souza
Aph completo ulisses souza
 
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
 
Pacientes Graves - 1.pptx
Pacientes Graves - 1.pptxPacientes Graves - 1.pptx
Pacientes Graves - 1.pptx
 
Ufcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
Ufcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índiceUfcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
Ufcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
M10 Suporte Basico de Vida.pptx
M10 Suporte Basico de Vida.pptxM10 Suporte Basico de Vida.pptx
M10 Suporte Basico de Vida.pptx
 
UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...
UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...
UFCD_6567 Noções Gerais sobre o Sistema Gastrointestinal, Urinário e Genito-R...
 
Introduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergenciaIntroduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergencia
 
Manual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecção
Manual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecçãoManual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecção
Manual de procedimentos de higienização e limpeza em controlo da infecção
 
Ovace
OvaceOvace
Ovace
 
O sistema de classificação de risco de Manchester
O sistema de classificação de risco de ManchesterO sistema de classificação de risco de Manchester
O sistema de classificação de risco de Manchester
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
 

Semelhante a Siem

13 -s_basico_de_vida
13  -s_basico_de_vida13  -s_basico_de_vida
13 -s_basico_de_vida
Johnny Martins
 
Sistema integrado-de-emergência-médica
Sistema integrado-de-emergência-médicaSistema integrado-de-emergência-médica
Sistema integrado-de-emergência-médica
MiguelAlmeida502577
 
Primeiros socorros TAS.pptx
Primeiros socorros TAS.pptxPrimeiros socorros TAS.pptx
Primeiros socorros TAS.pptx
AldaPinto6
 
Molulo 1 - Socorrismo , Técnicas de Socorrismo
Molulo 1 - Socorrismo , Técnicas de Socorrismo Molulo 1 - Socorrismo , Técnicas de Socorrismo
Molulo 1 - Socorrismo , Técnicas de Socorrismo
AnaMateus58
 
manual sobre emergência médica na hotelaria
manual sobre emergência médica na hotelariamanual sobre emergência médica na hotelaria
manual sobre emergência médica na hotelaria
AureaLopes7
 
Apresenta Siem
Apresenta SiemApresenta Siem
Apresenta Siem
guesta606d9
 
Gelcampo sesso1siem-101108062953-phpapp01
Gelcampo sesso1siem-101108062953-phpapp01Gelcampo sesso1siem-101108062953-phpapp01
Gelcampo sesso1siem-101108062953-phpapp01
Hugo Esteves
 
Gelcampo sessão 1 siem
Gelcampo   sessão 1 siemGelcampo   sessão 1 siem
Gelcampo sessão 1 siem
sininhu
 
Emergência
EmergênciaEmergência
Emergência
espectro cego
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
mmcoelho
 
Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)
Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)
Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)
Rodrigo Avidago
 
Metodostart 091108191229-phpapp01
Metodostart 091108191229-phpapp01Metodostart 091108191229-phpapp01
Metodostart 091108191229-phpapp01
Placido Bombeiro
 
125838312 sbv
125838312 sbv125838312 sbv
125838312 sbv
Pelo Siro
 
S.T.A.R.T Triagem de vítimas
S.T.A.R.T Triagem de vítimasS.T.A.R.T Triagem de vítimas
S.T.A.R.T Triagem de vítimas
Deise
 
Modulo 10 - Curso Primeiros socorros.pdf
Modulo 10 - Curso Primeiros socorros.pdfModulo 10 - Curso Primeiros socorros.pdf
Modulo 10 - Curso Primeiros socorros.pdf
EduardoRobertodeCicc
 
Suporte Básico de Vida
Suporte Básico de VidaSuporte Básico de Vida
Suporte Básico de Vida
Luis Caetano
 
Catástrofes e Desastres
Catástrofes e DesastresCatástrofes e Desastres
Catástrofes e Desastres
siatego
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
Tiago Gonçalves
 
Suporte básico-de-vida (adulto)
Suporte básico-de-vida (adulto)Suporte básico-de-vida (adulto)
Suporte básico-de-vida (adulto)
MiguelAlmeida502577
 
Em caso de emergência
Em caso de emergênciaEm caso de emergência
Em caso de emergência
Alexandra Leal
 

Semelhante a Siem (20)

13 -s_basico_de_vida
13  -s_basico_de_vida13  -s_basico_de_vida
13 -s_basico_de_vida
 
Sistema integrado-de-emergência-médica
Sistema integrado-de-emergência-médicaSistema integrado-de-emergência-médica
Sistema integrado-de-emergência-médica
 
Primeiros socorros TAS.pptx
Primeiros socorros TAS.pptxPrimeiros socorros TAS.pptx
Primeiros socorros TAS.pptx
 
Molulo 1 - Socorrismo , Técnicas de Socorrismo
Molulo 1 - Socorrismo , Técnicas de Socorrismo Molulo 1 - Socorrismo , Técnicas de Socorrismo
Molulo 1 - Socorrismo , Técnicas de Socorrismo
 
manual sobre emergência médica na hotelaria
manual sobre emergência médica na hotelariamanual sobre emergência médica na hotelaria
manual sobre emergência médica na hotelaria
 
Apresenta Siem
Apresenta SiemApresenta Siem
Apresenta Siem
 
Gelcampo sesso1siem-101108062953-phpapp01
Gelcampo sesso1siem-101108062953-phpapp01Gelcampo sesso1siem-101108062953-phpapp01
Gelcampo sesso1siem-101108062953-phpapp01
 
Gelcampo sessão 1 siem
Gelcampo   sessão 1 siemGelcampo   sessão 1 siem
Gelcampo sessão 1 siem
 
Emergência
EmergênciaEmergência
Emergência
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)
Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)
Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)
 
Metodostart 091108191229-phpapp01
Metodostart 091108191229-phpapp01Metodostart 091108191229-phpapp01
Metodostart 091108191229-phpapp01
 
125838312 sbv
125838312 sbv125838312 sbv
125838312 sbv
 
S.T.A.R.T Triagem de vítimas
S.T.A.R.T Triagem de vítimasS.T.A.R.T Triagem de vítimas
S.T.A.R.T Triagem de vítimas
 
Modulo 10 - Curso Primeiros socorros.pdf
Modulo 10 - Curso Primeiros socorros.pdfModulo 10 - Curso Primeiros socorros.pdf
Modulo 10 - Curso Primeiros socorros.pdf
 
Suporte Básico de Vida
Suporte Básico de VidaSuporte Básico de Vida
Suporte Básico de Vida
 
Catástrofes e Desastres
Catástrofes e DesastresCatástrofes e Desastres
Catástrofes e Desastres
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Suporte básico-de-vida (adulto)
Suporte básico-de-vida (adulto)Suporte básico-de-vida (adulto)
Suporte básico-de-vida (adulto)
 
Em caso de emergência
Em caso de emergênciaEm caso de emergência
Em caso de emergência
 

Mais de Fabiana Mourão

Gincana.
Gincana.Gincana.
Gincana.
Fabiana Mourão
 
O sapo.
O sapo.O sapo.
Puzzles.
Puzzles.Puzzles.
Puzzles.
Fabiana Mourão
 
Liv'animaleta.
Liv'animaleta.Liv'animaleta.
Liv'animaleta.
Fabiana Mourão
 
Dedica o teu desenho.
Dedica o teu desenho.Dedica o teu desenho.
Dedica o teu desenho.
Fabiana Mourão
 
Flutua ou afunda.
Flutua ou afunda.Flutua ou afunda.
Flutua ou afunda.
Fabiana Mourão
 
Mini chefes.
Mini chefes.Mini chefes.
Mini chefes.
Fabiana Mourão
 
Maria Montessori
Maria MontessoriMaria Montessori
Maria Montessori
Fabiana Mourão
 
Anteprojeto da pap
Anteprojeto da pap Anteprojeto da pap
Anteprojeto da pap
Fabiana Mourão
 
Sindrome de down
Sindrome de downSindrome de down
Sindrome de down
Fabiana Mourão
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
Fabiana Mourão
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
Fabiana Mourão
 
Feridas e queimaduras
Feridas e queimadurasFeridas e queimaduras
Feridas e queimaduras
Fabiana Mourão
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
Fabiana Mourão
 
Def. auditiva, visual e motora
Def. auditiva, visual e motoraDef. auditiva, visual e motora
Def. auditiva, visual e motora
Fabiana Mourão
 
Autismo
AutismoAutismo
O ano da morte de ricardo reis
O ano da morte de ricardo reisO ano da morte de ricardo reis
O ano da morte de ricardo reis
Fabiana Mourão
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
Fabiana Mourão
 
A importancia da musica
A importancia da musicaA importancia da musica
A importancia da musica
Fabiana Mourão
 
Projecto curricular
Projecto curricularProjecto curricular
Projecto curricular
Fabiana Mourão
 

Mais de Fabiana Mourão (20)

Gincana.
Gincana.Gincana.
Gincana.
 
O sapo.
O sapo.O sapo.
O sapo.
 
Puzzles.
Puzzles.Puzzles.
Puzzles.
 
Liv'animaleta.
Liv'animaleta.Liv'animaleta.
Liv'animaleta.
 
Dedica o teu desenho.
Dedica o teu desenho.Dedica o teu desenho.
Dedica o teu desenho.
 
Flutua ou afunda.
Flutua ou afunda.Flutua ou afunda.
Flutua ou afunda.
 
Mini chefes.
Mini chefes.Mini chefes.
Mini chefes.
 
Maria Montessori
Maria MontessoriMaria Montessori
Maria Montessori
 
Anteprojeto da pap
Anteprojeto da pap Anteprojeto da pap
Anteprojeto da pap
 
Sindrome de down
Sindrome de downSindrome de down
Sindrome de down
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
 
Feridas e queimaduras
Feridas e queimadurasFeridas e queimaduras
Feridas e queimaduras
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
Def. auditiva, visual e motora
Def. auditiva, visual e motoraDef. auditiva, visual e motora
Def. auditiva, visual e motora
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
O ano da morte de ricardo reis
O ano da morte de ricardo reisO ano da morte de ricardo reis
O ano da morte de ricardo reis
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
A importancia da musica
A importancia da musicaA importancia da musica
A importancia da musica
 
Projecto curricular
Projecto curricularProjecto curricular
Projecto curricular
 

Último

Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
kailanejoyce4
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 

Último (9)

Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 

Siem

  • 1. Escola Secundária da Senhora da Hora Sistema Integrado de Emergência Médica Apoio à Infância 3º A
  • 2. SIEM Sistema Integrado de Emergência Médica • Conjunto de entidades que cooperam com um objectivo: prestar assistência às vítimas de acidente ou doença súbita. • Essas entidades são a PSP, a GNR, os Bombeiros, a Cruz Vermelha Portuguesa, o INEM e os Hospitais e Centros de Saúde. • O funcionamento deste sistema começa quando alguém liga 112, o Número Europeu de Emergência.
  • 3. O Número de Emergência 112 deve ser utilizado, entre outras situações (desacatos, assaltos), nas seguintes:  Acidente de viação  Acidentes no trabalho  Acidentes no desporto  Quedas  Doença súbita  Agressão  Intoxicações NÚMERO EUROPEU DE SOCORRO 112
  • 4. O Número de Emergência 112 deve ser utilizado, entre outras situações (desacatos, assaltos), nas seguintes:  Afogamento  Alcoolismo  Partos súbitos  Incêndios urbanos  Incêndios florestais: Se avistar o início de um incêndio florestal, ligue de imediato (em alternativa pode utilizar, ainda, o 117). NÚMERO EUROPEU DE SOCORRO 112
  • 5. Antes de ligar 112, informe-se sobre os pormenores que a Central tem necessidade de conhecer:  Onde (local exato da ocorrência): rua, n.º da porta, estrada (sentido ascendente ou descendente), pontos de referência.  O quê (tipo de ocorrência: acidente, incêndio florestal ou outro, parto, doença súbita, intoxicação, etc.).  Quem (Vítima/doente, número de vítimas, queixas). NÚMERO EUROPEU DE SOCORRO 112
  • 6. • O sistema integrado de emergência médica (SIEM) é um conjunto de meios e ações que visa uma resposta atempada a qualquer ocorrência em que exista risco de vida. COMPONENTES, INTERVENIENTES E FORMA DE FUNCIONAMENTO
  • 7. SIEM (Sistema Integrado de Emergência Médica) • O atendimento das chamadas cabe à PSP e à GNR, nas centrais de emergência. • Sempre que o motivo da chamada tenha a ver com a área da saúde, a mesma é encaminhada para os Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM. • Sempre que o CODU acciona um meio de emergência procura que o mesmo seja o que está mais perto do local, independentemente da entidade a que pertence (INEM, Bombeiros ou CVP).
  • 8. (Sistema Integrado de Emergência Médica) SIEM INEM Instituto Nacional de emergência Médica (organismo coordenador das actividades de socorro) Através Operador da central de emergência Doença súbita Acidente Catástrofe natural Assalto Incêndio Garante socorro a 112 (Número Europeu de Socorro) Forças de segurança pública PSP, GNR SNB Serviço Nacional de Bombeiros CODU Centro de Orientação de Doenças Urgentes CIAV Centro de Informações Antivenenos
  • 9. INEM Instituto Nacional de Emergência Médica (organismo coordenador das actividades de socorro) Detecção Alerta Pré-socorro Socorro Transporte Tratamento na unidade de saúde
  • 10.
  • 11. Deteção Deteção da ocorrência de emergência médica que corresponde ao momento em que alguém se apercebe da existência uma ou mais vítimas. Alerta Fase na qual se contacta através do número nacional de emergência médica (112), dando conta da ocorrência anteriormente detetada. COMPONENTES, INTERVENIENTES E FORMA DE FUNCIONAMENTO FASES do SIEM Formador: António Agostinho Ferreira
  • 12. Pré-Socorro Conjunto de gestos simples executados e mantidos até a chegada de meios de socorro mais especializados. Socorro Cuidados de emergência iniciais efetuados às vítimas de doença súbita ou de acidente, com o objetivo de as estabilizar, diminuindo assim a morbilidade e a mortalidade. COMPONENTES, INTERVENIENTES E FORMA DE FUNCIONAMENTO FASES do SIEM
  • 13. Transporte Transporte assistido da vítima numa ambulância com caraterís- ticas, pessoal e carga definidos, desde o local da ocorrência até à unidade de saúde adequada, garantindo a continuação dos cuidados de emergência necessários. COMPONENTES, INTERVENIENTES E FORMA DE FUNCIONAMENTO FASES do SIEM
  • 14. Tratamento / Hospital Se necessário pode considerar-se posteriormente um novo transporte, transferência para um hospital de maior diferenciação, onde irá ocorrer o tratamento mais adequado à situação. COMPONENTES, INTERVENIENTES E FORMA DE FUNCIONAMENTO FASES do SIEM
  • 15. COMPONENTES, INTERVENIENTES E FORMA DE FUNCIONAMENTO INTERVENIENTES do SIEM INTERVENIENTES do SIEM
  • 16. COMPONENTES, INTERVENIENTES E FORMA DE FUNCIONAMENTO ORGANIZAÇÃO do SIEM - SUBSISTEMAS (CIAV) Centro de Informação Antiveneno s (CODU) Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU Mar) Centro de Orientação de Doentes Urgentes - MAR. Transporte de Recém – Nascidos de Alto Risco Serviço de Helicóptero s de Emergência Médica SUBSISTEMAS
  • 17. CODU Os Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) são Centrais de Emergência Médica responsáveis pela medicalização do Número Europeu de Emergência - 112.
  • 18. CODU
  • 19. Compete aos CODU atender e avaliar no mais curto espaço de tempo os pedidos de socorro recebidos, com o objectivo de determinar os recursos necessários e adequados a cada caso. CODU
  • 20. CODU Os CODU coordenam e gerem um conjunto de meios de socorro (ambulâncias de socorro, viaturas médicas e helicópteros) seleccionados com base na situação clínica das vítimas, com o objectivo de prestar o socorro mais adequado no mais curto espaço de tempo.
  • 21. São transferidos para os CODU os pedidos de socorro efectuados por aquela via, referentes a situações de urgência ou emergência na área da saúde. O seu funcionamento é assegurado ao longo das 24 horas do dia por uma equipa de profissionais qualificados (médicos e operadores). CODU
  • 22. CIAV Em caso de intoxicação, telefonar para o Centro de Informação Antivenenos (CIAV) do INEM: 808 250 143 Funciona 24 horas por dia, todos os dias do ano. Para cada situação serão aconselhadas as medidas que deverá tomar.
  • 23.
  • 24. VMER - veículo de transporte de equipa médica (médico e enfermeira Ambulâncias de Socorro
  • 25.
  • 26. CODU O INEM tem quatro CODU em funcionamento, em Lisboa, Porto, Coimbra e Algarve.
  • 27. Centro de Informação Antivenenos (CIAV) Procurar dar informações que possam ajudar o CIAV a identificar a situação, designadamente: Quem – idade, sexo, gravidez, etc. O quê – produto, animal, planta, cogumelo Quanto – quantidade de produto, tempo de exposição Quando – há quanto tempo Onde – em casa, no campo, na fábrica, etc. Como – em jejum, com alimentos, com bebidas alcoólicas, etc.