SlideShare uma empresa Scribd logo
Doenças Crônicas
Plano de Intervenção
Pressão Alta
PSF GATO PRETO – EQUIPE 031
"Que seu remédio seja seu alimento, e que seu
alimento seja seu remédio"
Hipócrates
Autor: Dr. Dario Hart Signorini
Orientador: Euclides Colaço Melo dos Passos
Atividade 1
Entendendo as Doenças
O que é Doença Crônica?
Principais Doenças Crônicas:
O que é Doença Crônica?
• É uma doença de longo prazo
• Tem relação com os hábitos de vida.
• Geralmente, sem sintomas fica “Escondida
“ao longo do anos
Principais Doenças Crônicas:
O que é Doença Crônica?
Principais Doenças Crônicas:
•Hipertensão Arterial - “PRESSÃO ALTA”
•Diabetes – “ AÇUCAR ALTO NO SANGUE ”
•Obesidade – “ EXCESSO DE PESO ”
Vamos aprender
um pouco?
O que é Pressão Arterial?
É a força com que o sangue circula pelos vasos
sanguíneos. Essa força varia de acordo com vários
fatores, porém sempre volta ao equilíbrio. Quando
esse equilíbrio fica descontrolado ocorrem as
doenças e sintomas que conhecemos. Tanto da
pressão alta quanto da pressão baixa. A pressão alta
ou Hipertensão Arterial é mais silenciosa e acaba
sobrecarregando vários orgãos do corpo.
QUAL A CAUSA DA
HIPERTENSÃO
ARTERIAL OU
PRESSÃO ALTA?
Na maioria das vezes não conseguimos
saber com precisão a causa da hipertensão
arterial, mas sabemos que muitos fatores
podem ser igualmente responsáveis.
Existem fatores não modificáveis e fatores
modificáveis.
HEREDITARIEDADE
Algumas pessoas herdam a predisposição
à hipertensão arterial, que pode
apresentar-se em vários membros
de uma família.
IDADE
O envelhecimento
aumenta o risco da
hipertensão arterial
em ambos os sexos.
FATORES NÃO
MODIFICÁVEIS
RAÇA
A hipertensão é mais
comum em pessoas da
raça negra
FATORES MODIFICÁVEIS
OBESIDADE
É um fator de risco para hipertensão
arterial
FATORES MODIFICÁVEIS
FATORES MODIFICÁVEIS
FATORES MODIFICÁVEIS
ESTRESSE
Excesso de trabalho,
angústia, preocupações e
ansiedade, podem ser
responsáveis pela
elevação da
pressão arterial.
Por que é importante
fazer o diagnóstico
precoce e o tratamento
adequado da hipertensão
arterial ou pressão alta?
Dores de cabeça, hemorragia nasal,
cansaço excessivo, podem ser alguns.
Quanto às consequências algumas
podem ser bastante graves tais como:
Derrame
Cerebral Diminuição
da visão
por lesões
na retina
Lesão
nas
artérias
Dano sério
nos rins
Desgaste
acelerado
no coração
por Doenças
no Coração
(infarto, insuficiência
cardíaca e arritmias)
CONSEQUÊNCIAS DA PRESSÃO ALTA
“Aumento da massa
muscular do coração.“
ISTO ÉRUIM !
CONSEQUÊNCIA DA PRESSÃO ALTA
CONSEQUÊNCIA DA PRESSÃO ALTA
Artéria normal
“Artéria entupida.“
Artéria com
aterosclerose
CONSEQUÊNCIA DA PRESSÃO ALTA
“Dano sério nos rins.“
CONSEQUÊNCIA DA PRESSÃO ALTA
“Aumenta o risco de derrame“
MINISTÉRIO DA SAÚDE
CONSEQUÊNCIA DA PRESSÃO ALTA
“Diminuição da visão.“
Vídeo
Como
Tratar?
Se confirmado o
diagnóstico de Hipertensão:
Vamos ao tratamento!
Bem, primeiro, para o indivíduo saber se é
hipertenso, basta medir sua pressão arterial
Não medicamentoso
ou mudanças no estilo
de vida
Medicamentoso
Como pode ser o tratamento?
No Começo você vai
passar por algumas
privações, mas logo
logo se acostuma!!!
Falaremos agora da
Alimentação. Uma etapa
muito importante no
tratamento de qualquer
doença crônica, inclusive
a Hipertensão.
SEGUNDO:
Reduza a ingestão
de alimentos com
muitas calorias
e diminuam os
alimentos ricos em
gordura animal.
PRACOMEÇAR:
Fuja do sal.
TERCEIRO:
Prefira alimentos
frescos. E que
tenham pouco sal.
QUARTO:
Relaxe!
Muitas pessoas
conseguem
controlar sua
pressão apenas
com alimentação
apropriada.
Permita-me agora, demonstrar o que
seria uma dieta para hipertensão arterial.
- Frutas frescas e sucos
- Verduras frescas
- Aves
- Pescados
- Carnes magras
- Cereais integrais
RECOMENDADOS
ALIMENTOS
NÃO RECOMENDADOS
- Frituras
- Creme de leite
- Maionese
- Frios
- Embutidos (salsicha,
linguiça, presunto,
mortadela, salame,
copa, etc.)
- Banha
- Enlatados
ALIMENTOS
Alimentos Não Recomendados
(EVITAR AO MÀXIMO):
• Frituras e amanteigados.
• Gorduras animais
• Refrigerantes
• Excesso de doces
• Café com açúcar
• Maionese
• Embutidos(Linguiça, Salsicha)
• Enlatados/Empanados
• Produtos Congelados
• Carnes salgadas (Ex: Suínos/Bacalhau)
Deve-se parar totalmente
de usar bebida alcoólica.
Doenças crônicas – Pressão Alta
Note bem, os exercícios físicos
devem ser orientados pelo
médico para que não sejam
prejudiciais.
Exercícios que exijam grandes
esforços físicos não são
recomendados.
PRATIQUE
Caminhada pelo bairro
Por si só, eles não
diminuem a tensão
arterial, mas
contribuem para reduzir
o excesso de peso.
Conservar o bom
estado do coração
e artérias, aliviar
o estress e favorecer
o relaxamento.
• Os exercícios físicos ajudam a
controlar o peso e melhora a
circulação do sangue.
• Durante a atividade física a
pressão sobe, mas depois
tende a diminuir com o alivio
do stress e dos músculos.
• Nunca tome remédios por conta
própria.
• Todo remédio pode ter efeitos
colaterais.
• Por isso, o tratamento deve ser
acompanhado por um médico.
• Tanto o excesso quanto a falta de
remédio de pressão podem ser
prejudiciais à Saúde.
• É fundamental seguir as orientações
médicas
• Importante não perder consultas
agendadas.
• Não interromper o tratamento.
Comunique ao médico ou algum outro
profissional do PSF caso não esteja se
adaptando bem ao tratamento(efeitos
colaterais, crises, alergias, por
exemplo)
Recomendações
terapeuticas.
Recomendações Pré-Consulta
1. Vá com antecedência e chegue com 15-20
minutos antes.
2. Leve a receita antiga ou a lista de medicamentos
que faz uso regular
3. Leve sempre os exames mais novos ou exames
antigos importantes.
4. Use roupas leves que facilitem o exame
5. Informe seus antecedentes ou doenças já
diagnosticadas
6. Anote dúvidas e pergunte
7. Não deixe pra depois, fale caso não tenha
entendido alguma orientação
O Sucesso do tratamento
depende de você!!!
Agora que entendeu um pouco mais
sobre a hipertensão siga corretamente
as orientações dos profissionais da
saúde e retorne à unidade para
acompanhamento.
LEMBRE-SE:
 HIPERTENSÃO ARTERIAL NÃO TEM CURA EM TODOS
OS CASOS,
SE VOCÊ USA MEDICAMENTOS PARA PRESSÃO, VOCÊ
CONTINUA A SER HIPERTENSO, SUA PRESSÃO ESTEJA
NORMAL.
O CONTROLE PREVINE DOENÇAS MAIS GRAVES !!!
 NÃO ABANDONE O TRATAMENTO !!!
AGORA É A HORA DE TIRAR
DÚVIDAS E DISCUTIR OS
APRENDIZADOS E A DOENÇA.
VAMOS FAZER UMA RODA!!!
DIA 2 - Atividade 2
DESENHANDO SEU PRATO
Carnes
• Peixe e frutos do
mar
• Frango
• Boi
• Ovos
Verduras/Fibras
• Verdes Escuras
• Legumes Ralados
• Coloridos
Frutas,
Leguminosas
e Cereais
Integrais
Prato Balanceado
+-20%
porção
+-30% do prato
50% do prato
Carnes
• Peixe
• Frango
• Boi
• Ovos
Verduras
Frutas e
Cereais
O que se deve e pode comer
com frequência (Todo dia)
Doenças crônicas – Pressão Alta
O que se deve ser evitado
Doenças crônicas – Pressão Alta
Relembrando: Como deve ser o seu prato
Prato
Açúcares
Carnes
Vegetais
Gorduras
VAMOS MONTAR O
PRATO?
USE OS CARDS COM OS
ALIMENTOS PARA
MONTAR OS PRATOS
CONFORME SUGERIDO.
DIA 3 - Atividade 3
Aferição da Pressão Arterial
Monitorização Residencial
Usando o aparelho digital
Braço
Mais Difícil e Caro
Punho
Mais Barato e Fácil
O que dizem os estudos
médicos?
1. Que os novos aparelhos digitais podem medir
a pressão corretamente.
2. Basta a adoção de algumas medidas e realizar
a técnica.
3. Assim, é preciso tomar alguns cuidados com
a técnica para medir a pressão para que
possamos ter a segurança de que aquela é
uma medida real.
http://www.grzero.com.br/wp-content/uploads/2011/06/aparelho-de-pressao.jpg
• Certificar-se de que o paciente não está com a bexiga
cheia, não praticou exercícios físicos e não ingeriu
bebidas alcoólicas, café, alimentos ou fumou até 30
minutos antes da medida.
• Deixar o paciente descansar por 5 a 10 minutos.
• Ambiente calmo, com temperatura agradável.
• A PA é medida com o paciente sentado.
Antes de Medir a Pressão
O procedimento
Anotar os valores na Tabela
Antes de Medir a Pressão
• Colocar o aparelho no punho conforme o
desenho.
• Manter o braço do paciente na altura do
coração
• Ligar e aguardar a inflar e desinflar.
O procedimento
Anotar os valores na Tabela
Antes de Medir a Pressão
O procedimento
• Anotar os valores máximo e mínimo –
Separando-os por um X (Ex: 130x90)
• Anotar a data e o turno(hora)
Anotar os valores na Tabela
Doenças crônicas – Pressão Alta
ALTA
• Acima de
140mmhg
• Acima de
90mmhg
NORMAL
• Entre 140 e
100mmhg
• Entre 90 e
60mmhg
BAIXA
• Abaixo de
100mmhg
• Abaixo de
60mmhg
NÃO DEIXE DE PREENCHER E
ENTREGAR O QUESTIONÁRIO.
É IMPORTANTE PARA MELHORAR O
NOSSO TRABALHO. DIVULGUE AS
INFORMAÇÕES APRENDIDAS COM
SEUS AMIGOS E FAMILIARES.
Referências:
AGENA, F.; SILVA, G. C. A. DA; PIERIN, A. M. G. Monitorização residencial da pressão arterial: atualidades e papel do enfermeiro. Revista da Escola de
Enfermagem da USP, v. 45, n. 1, p. 258–263, 1 mar. 2011.
CASTRO, L. C. V. et al. Nutrição e doenças cardiovasculares: os marcadores de risco em adultos. Revista de Nutrição, v. 17, n. 3, p. 369–377, set. 2004.
DA SILVA, B. D. P. et al. Dietary patterns and hypertension: a population-based study with women from Southern Brazil. Cadernos de Saúde Pública, v. 30, n.
5, p. 961–971, maio 2014.
DUNCAN, B. B. et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil : prioridade para enfrentamento e investigação, 2012. Disponível em:
<http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/94848>. Acesso em: 2 dez. 2014
JARDIM, P. C. B. V. Regarding Hypertension Treatment are we following Worldwide Tendencies? Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 103, n. 1, p. 01–03,
2014.
MAFFACCIOLLI, R.; LOPES, M. J. M. Os grupos na atenção básica de saúde de Porto Alegre: usos e modos de intervenção terapêutica. Ciência & Saúde
Coletiva, v. 16, p. 973–982, 2011.
MALTA, D. C. Doenças Crônicas Não Transmissíveis, um grande desafio da sociedade contemporânea. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 1, p. 4, 2014.
MENEZES, A. M. B. et al. Validade de um monitor digital de pulso para mensuração de pressão arterial em comparação com um esfigmomanômetro de
mercúrio. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 94, n. 3, p. 365–370, mar. 2010.
PICCINI, R. X. et al. Promoção, prevenção e cuidado da hipertensão arterial no Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 46, n. 3, p. 543–550, jun. 2012.
PIERIN, A. M. G. et al. Controle da hipertensão arterial e fatores associados na atenção primária em Unidades Básicas de Saúde localizadas na Região Oeste da
cidade de São Paulo. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, p. 1389–1400, 2011.
PIMENTA, H. B.; CALDEIRA, A. P. Fatores de risco cardiovascular do Escore de Framingham entre hipertensos assistidos por equipes de Saúde da Família.
Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 6, p. 1731–1739, jun. 2014.
PRATES, R. E.; SILVA, A. C. P. DA. Avaliação do conhecimento nutricional e de hábitos alimentares de pacientes com doenças crônicas não transmissíveis em
hospital particular no sul do BrasilRevista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN, 19 nov. 2013. Disponível em:
<http://www.rasbran.com.br/rasbran/article/view/3>. Acesso em: 2 dez. 2014
SAÚDE, M. DA. Guia alimentar para a população brasileira Promovendo a Alimentação Saudável. 2a Edição ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.
SILVA, G. C. A. DA; PIERIN, A. M. G. A monitorização residencial da pressão arterial e o controle de um grupo de hipertensos. Revista da Escola de
Enfermagem da USP, v. 46, n. 4, p. 922–928, ago. 2012.
Agradecimentos:
Aos funcionários do PSF Gato Preto
• Pela dedicação, parceria e apoio para realização do projeto.
Aos pacientes presentes
Aos orientadores e supervisores
Ao Prof. Carlos Alberto Machado
• E a Equipe Multiprofissional da Liga de Hipertensão Arterial
do Belém -SP e da Associação Paulista de Assistência ao
Hipertenso(APAH) por cederem várias imagens utilizadas na
apresentação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Hiperdia 06.05.2009 I
Aula Hiperdia   06.05.2009 IAula Hiperdia   06.05.2009 I
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
Sandra Flôr
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
Professor Robson
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1Diabetes Tipo 1
Doenças Osteoarticulares
Doenças OsteoarticularesDoenças Osteoarticulares
Doenças Osteoarticulares
Centro Universitário Ages
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude
Tereza Cristina
 
Promoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoPromoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idoso
Joice Lins
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
Ismael Costa
 
Hipertensão arterial ou pressão alta
Hipertensão arterial ou pressão altaHipertensão arterial ou pressão alta
Hipertensão arterial ou pressão alta
karol_ribeiro
 
A arte de envelhecer com saúde
A arte de envelhecer com saúdeA arte de envelhecer com saúde
A arte de envelhecer com saúde
Centro Universitário Ages
 
Controle da diabetes
Controle da diabetesControle da diabetes
Controle da diabetes
Dessa Reis
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
Ana Hollanders
 
DIABETES
DIABETESDIABETES
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICAHAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
Stéphanie Victorino
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
blogped1
 
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusHipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
LUNATH
 
SAE aplicada ao DPOC - Enfermagem
SAE aplicada ao DPOC - EnfermagemSAE aplicada ao DPOC - Enfermagem
SAE aplicada ao DPOC - Enfermagem
Enfº Ícaro Araújo
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
TesisMaster
 
Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?
Professor Robson
 

Mais procurados (20)

Aula Hiperdia 06.05.2009 I
Aula Hiperdia   06.05.2009 IAula Hiperdia   06.05.2009 I
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1
 
Doenças Osteoarticulares
Doenças OsteoarticularesDoenças Osteoarticulares
Doenças Osteoarticulares
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude
 
Promoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoPromoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idoso
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
 
Hipertensão arterial ou pressão alta
Hipertensão arterial ou pressão altaHipertensão arterial ou pressão alta
Hipertensão arterial ou pressão alta
 
A arte de envelhecer com saúde
A arte de envelhecer com saúdeA arte de envelhecer com saúde
A arte de envelhecer com saúde
 
Controle da diabetes
Controle da diabetesControle da diabetes
Controle da diabetes
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
 
DIABETES
DIABETESDIABETES
DIABETES
 
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICAHAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusHipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
 
SAE aplicada ao DPOC - Enfermagem
SAE aplicada ao DPOC - EnfermagemSAE aplicada ao DPOC - Enfermagem
SAE aplicada ao DPOC - Enfermagem
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?
 

Destaque

Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - BrasilRede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Mcp e doenças crônicas
Mcp e doenças crônicasMcp e doenças crônicas
Mcp e doenças crônicas
Ricardo Alexandre
 
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Isadora Ribeiro
 
Cartilha dcnt
Cartilha dcntCartilha dcnt
Cartilha dcnt
Gláucia Castro
 
Cuidado de enfermagem doença cronica
Cuidado de enfermagem doença cronicaCuidado de enfermagem doença cronica
Cuidado de enfermagem doença cronica
Associação Viva e Deixe Viver
 
Sedentarismo 120604211915-phpapp01
Sedentarismo 120604211915-phpapp01Sedentarismo 120604211915-phpapp01
Sedentarismo 120604211915-phpapp01
Wellington Alves
 
Nutrição na Hipertensão Arterial
Nutrição na Hipertensão ArterialNutrição na Hipertensão Arterial
Nutrição na Hipertensão Arterial
yorana mendes
 
Palestra Nutricao
Palestra NutricaoPalestra Nutricao
Palestra Nutricao
Walquiria Dutra
 
Novidades Sobre O CâNcer Infantil
Novidades Sobre O CâNcer InfantilNovidades Sobre O CâNcer Infantil
Novidades Sobre O CâNcer Infantil
ecsette
 
Joana e Lurdes;integração na sociedade de pessoas com doenças crónicas
Joana e Lurdes;integração na sociedade de pessoas com doenças crónicasJoana e Lurdes;integração na sociedade de pessoas com doenças crónicas
Joana e Lurdes;integração na sociedade de pessoas com doenças crónicas
lurdes123
 
Mitos e verdades em Cancerologia
Mitos e verdades em CancerologiaMitos e verdades em Cancerologia
Mitos e verdades em Cancerologia
Paulo César Canary
 
Hipertensão arterial
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Hipertensão arterial
fabriciofigueiredo
 
Cuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensão
Cuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensãoCuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensão
Cuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensão
Fabrício Bragança
 
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOS
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOSALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOS
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOS
Jéssica Angelo
 
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças CrônicaAlimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
cipasap
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
Mel Medina
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
Estephane ingrid Souza Pessoa
 
Hipertensao
HipertensaoHipertensao
Caça Florestal ; Joana e Lurdes
Caça Florestal ; Joana e LurdesCaça Florestal ; Joana e Lurdes
Caça Florestal ; Joana e Lurdes
lurdes123
 
3. Hipertensao
3. Hipertensao3. Hipertensao
3. Hipertensao
Glaucione Garcia
 

Destaque (20)

Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - BrasilRede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
 
Mcp e doenças crônicas
Mcp e doenças crônicasMcp e doenças crônicas
Mcp e doenças crônicas
 
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
 
Cartilha dcnt
Cartilha dcntCartilha dcnt
Cartilha dcnt
 
Cuidado de enfermagem doença cronica
Cuidado de enfermagem doença cronicaCuidado de enfermagem doença cronica
Cuidado de enfermagem doença cronica
 
Sedentarismo 120604211915-phpapp01
Sedentarismo 120604211915-phpapp01Sedentarismo 120604211915-phpapp01
Sedentarismo 120604211915-phpapp01
 
Nutrição na Hipertensão Arterial
Nutrição na Hipertensão ArterialNutrição na Hipertensão Arterial
Nutrição na Hipertensão Arterial
 
Palestra Nutricao
Palestra NutricaoPalestra Nutricao
Palestra Nutricao
 
Novidades Sobre O CâNcer Infantil
Novidades Sobre O CâNcer InfantilNovidades Sobre O CâNcer Infantil
Novidades Sobre O CâNcer Infantil
 
Joana e Lurdes;integração na sociedade de pessoas com doenças crónicas
Joana e Lurdes;integração na sociedade de pessoas com doenças crónicasJoana e Lurdes;integração na sociedade de pessoas com doenças crónicas
Joana e Lurdes;integração na sociedade de pessoas com doenças crónicas
 
Mitos e verdades em Cancerologia
Mitos e verdades em CancerologiaMitos e verdades em Cancerologia
Mitos e verdades em Cancerologia
 
Hipertensão arterial
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Hipertensão arterial
 
Cuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensão
Cuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensãoCuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensão
Cuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensão
 
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOS
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOSALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOS
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOS
 
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças CrônicaAlimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
 
Hipertensao
HipertensaoHipertensao
Hipertensao
 
Caça Florestal ; Joana e Lurdes
Caça Florestal ; Joana e LurdesCaça Florestal ; Joana e Lurdes
Caça Florestal ; Joana e Lurdes
 
3. Hipertensao
3. Hipertensao3. Hipertensao
3. Hipertensao
 

Semelhante a Doenças crônicas – Pressão Alta

Manual de Orientação a Pacientes Hipertensos
Manual de Orientação a Pacientes HipertensosManual de Orientação a Pacientes Hipertensos
Manual de Orientação a Pacientes Hipertensos
Sérgio Amaral
 
HipertensãO
HipertensãOHipertensãO
HipertensãO
Marco Enomoto
 
Pressão controlada
Pressão controladaPressão controlada
Pressão controlada
CLESIOANDRADE
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
alimentacao
 
Hipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.pptHipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.ppt
leidianerodrigues35
 
TRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptx
TRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptxTRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptx
TRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptx
Jarley Oliveira
 
Hipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor RobsonHipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor Robson
Professor Robson
 
Trabalho hipertensão
Trabalho hipertensãoTrabalho hipertensão
Trabalho hipertensão
Jefferson Pacheco
 
CP-015 - Cartilha da Hipertensão
CP-015 - Cartilha da HipertensãoCP-015 - Cartilha da Hipertensão
CP-015 - Cartilha da Hipertensão
ISI Engenharia
 
Folder
FolderFolder
Hipertensão . Trabalho de educação física
Hipertensão  . Trabalho de educação físicaHipertensão  . Trabalho de educação física
Hipertensão . Trabalho de educação física
Sarinha Silva
 
Cartilha hipertensao sbhas
Cartilha hipertensao sbhasCartilha hipertensao sbhas
Cartilha hipertensao sbhas
ilanaseixasladeia
 
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão ArterialCaso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
Professor Robson
 
Hipertensao_para_Leigos.pdf
Hipertensao_para_Leigos.pdfHipertensao_para_Leigos.pdf
Hipertensao_para_Leigos.pdf
juniorcef
 
Protegendo Seu Fígado
Protegendo Seu FígadoProtegendo Seu Fígado
Protegendo Seu Fígado
nazarenoalmeida2020
 
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertensoAssistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
Júlia Silva
 
Palestra hipertens o_arterial[1]
Palestra hipertens o_arterial[1]Palestra hipertens o_arterial[1]
Palestra hipertens o_arterial[1]
marcia couto
 
Estilos de vida saudáveis
Estilos de vida saudáveisEstilos de vida saudáveis
Estilos de vida saudáveis
jdjoana
 
Cartilha hipertensão
Cartilha hipertensãoCartilha hipertensão
Cartilha hipertensão
Ana Filadelfi
 
Diabetes prevenção e controle
Diabetes prevenção e controleDiabetes prevenção e controle
Diabetes prevenção e controle
adrianomedico
 

Semelhante a Doenças crônicas – Pressão Alta (20)

Manual de Orientação a Pacientes Hipertensos
Manual de Orientação a Pacientes HipertensosManual de Orientação a Pacientes Hipertensos
Manual de Orientação a Pacientes Hipertensos
 
HipertensãO
HipertensãOHipertensãO
HipertensãO
 
Pressão controlada
Pressão controladaPressão controlada
Pressão controlada
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Hipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.pptHipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.ppt
 
TRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptx
TRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptxTRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptx
TRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptx
 
Hipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor RobsonHipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor Robson
 
Trabalho hipertensão
Trabalho hipertensãoTrabalho hipertensão
Trabalho hipertensão
 
CP-015 - Cartilha da Hipertensão
CP-015 - Cartilha da HipertensãoCP-015 - Cartilha da Hipertensão
CP-015 - Cartilha da Hipertensão
 
Folder
FolderFolder
Folder
 
Hipertensão . Trabalho de educação física
Hipertensão  . Trabalho de educação físicaHipertensão  . Trabalho de educação física
Hipertensão . Trabalho de educação física
 
Cartilha hipertensao sbhas
Cartilha hipertensao sbhasCartilha hipertensao sbhas
Cartilha hipertensao sbhas
 
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão ArterialCaso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
 
Hipertensao_para_Leigos.pdf
Hipertensao_para_Leigos.pdfHipertensao_para_Leigos.pdf
Hipertensao_para_Leigos.pdf
 
Protegendo Seu Fígado
Protegendo Seu FígadoProtegendo Seu Fígado
Protegendo Seu Fígado
 
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertensoAssistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
 
Palestra hipertens o_arterial[1]
Palestra hipertens o_arterial[1]Palestra hipertens o_arterial[1]
Palestra hipertens o_arterial[1]
 
Estilos de vida saudáveis
Estilos de vida saudáveisEstilos de vida saudáveis
Estilos de vida saudáveis
 
Cartilha hipertensão
Cartilha hipertensãoCartilha hipertensão
Cartilha hipertensão
 
Diabetes prevenção e controle
Diabetes prevenção e controleDiabetes prevenção e controle
Diabetes prevenção e controle
 

Mais de Dario Hart

Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões AftosasSeminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Dario Hart
 
Sessão Clínico 6 - Lesão Cística Assoalho Oral
Sessão Clínico 6 - Lesão Cística Assoalho OralSessão Clínico 6 - Lesão Cística Assoalho Oral
Sessão Clínico 6 - Lesão Cística Assoalho Oral
Dario Hart
 
Sessão Clínica - Otorréia Crônica
Sessão Clínica - Otorréia CrônicaSessão Clínica - Otorréia Crônica
Sessão Clínica - Otorréia Crônica
Dario Hart
 
Tontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de MénièreTontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de Ménière
Dario Hart
 
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
Dario Hart
 
Otite Média Aguda e Otite Média Com Efusão (Serosa)
Otite Média Aguda e Otite Média Com Efusão (Serosa)Otite Média Aguda e Otite Média Com Efusão (Serosa)
Otite Média Aguda e Otite Média Com Efusão (Serosa)
Dario Hart
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
Dario Hart
 
Orelha interna
Orelha internaOrelha interna
Orelha interna
Dario Hart
 
Orelha externa
Orelha externaOrelha externa
Orelha externa
Dario Hart
 
Laringe
LaringeLaringe
Laringe
Dario Hart
 
Casos clinicos -Nasosinusal
Casos clinicos -NasosinusalCasos clinicos -Nasosinusal
Casos clinicos -Nasosinusal
Dario Hart
 
Abordagem Cirúrgica - Trauma Abdominal
Abordagem Cirúrgica - Trauma AbdominalAbordagem Cirúrgica - Trauma Abdominal
Abordagem Cirúrgica - Trauma Abdominal
Dario Hart
 
Climatério
ClimatérioClimatério
Climatério
Dario Hart
 

Mais de Dario Hart (13)

Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões AftosasSeminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
 
Sessão Clínico 6 - Lesão Cística Assoalho Oral
Sessão Clínico 6 - Lesão Cística Assoalho OralSessão Clínico 6 - Lesão Cística Assoalho Oral
Sessão Clínico 6 - Lesão Cística Assoalho Oral
 
Sessão Clínica - Otorréia Crônica
Sessão Clínica - Otorréia CrônicaSessão Clínica - Otorréia Crônica
Sessão Clínica - Otorréia Crônica
 
Tontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de MénièreTontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de Ménière
 
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
 
Otite Média Aguda e Otite Média Com Efusão (Serosa)
Otite Média Aguda e Otite Média Com Efusão (Serosa)Otite Média Aguda e Otite Média Com Efusão (Serosa)
Otite Média Aguda e Otite Média Com Efusão (Serosa)
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
 
Orelha interna
Orelha internaOrelha interna
Orelha interna
 
Orelha externa
Orelha externaOrelha externa
Orelha externa
 
Laringe
LaringeLaringe
Laringe
 
Casos clinicos -Nasosinusal
Casos clinicos -NasosinusalCasos clinicos -Nasosinusal
Casos clinicos -Nasosinusal
 
Abordagem Cirúrgica - Trauma Abdominal
Abordagem Cirúrgica - Trauma AbdominalAbordagem Cirúrgica - Trauma Abdominal
Abordagem Cirúrgica - Trauma Abdominal
 
Climatério
ClimatérioClimatério
Climatério
 

Último

Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 

Último (9)

Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 

Doenças crônicas – Pressão Alta

  • 1. Doenças Crônicas Plano de Intervenção Pressão Alta PSF GATO PRETO – EQUIPE 031 "Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio" Hipócrates Autor: Dr. Dario Hart Signorini Orientador: Euclides Colaço Melo dos Passos
  • 3. O que é Doença Crônica? Principais Doenças Crônicas:
  • 4. O que é Doença Crônica? • É uma doença de longo prazo • Tem relação com os hábitos de vida. • Geralmente, sem sintomas fica “Escondida “ao longo do anos Principais Doenças Crônicas:
  • 5. O que é Doença Crônica? Principais Doenças Crônicas: •Hipertensão Arterial - “PRESSÃO ALTA” •Diabetes – “ AÇUCAR ALTO NO SANGUE ” •Obesidade – “ EXCESSO DE PESO ”
  • 7. O que é Pressão Arterial? É a força com que o sangue circula pelos vasos sanguíneos. Essa força varia de acordo com vários fatores, porém sempre volta ao equilíbrio. Quando esse equilíbrio fica descontrolado ocorrem as doenças e sintomas que conhecemos. Tanto da pressão alta quanto da pressão baixa. A pressão alta ou Hipertensão Arterial é mais silenciosa e acaba sobrecarregando vários orgãos do corpo.
  • 8. QUAL A CAUSA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL OU PRESSÃO ALTA?
  • 9. Na maioria das vezes não conseguimos saber com precisão a causa da hipertensão arterial, mas sabemos que muitos fatores podem ser igualmente responsáveis. Existem fatores não modificáveis e fatores modificáveis.
  • 10. HEREDITARIEDADE Algumas pessoas herdam a predisposição à hipertensão arterial, que pode apresentar-se em vários membros de uma família. IDADE O envelhecimento aumenta o risco da hipertensão arterial em ambos os sexos. FATORES NÃO MODIFICÁVEIS RAÇA A hipertensão é mais comum em pessoas da raça negra
  • 11. FATORES MODIFICÁVEIS OBESIDADE É um fator de risco para hipertensão arterial
  • 14. FATORES MODIFICÁVEIS ESTRESSE Excesso de trabalho, angústia, preocupações e ansiedade, podem ser responsáveis pela elevação da pressão arterial.
  • 15. Por que é importante fazer o diagnóstico precoce e o tratamento adequado da hipertensão arterial ou pressão alta?
  • 16. Dores de cabeça, hemorragia nasal, cansaço excessivo, podem ser alguns. Quanto às consequências algumas podem ser bastante graves tais como:
  • 17. Derrame Cerebral Diminuição da visão por lesões na retina Lesão nas artérias Dano sério nos rins Desgaste acelerado no coração por Doenças no Coração (infarto, insuficiência cardíaca e arritmias) CONSEQUÊNCIAS DA PRESSÃO ALTA
  • 18. “Aumento da massa muscular do coração.“ ISTO ÉRUIM ! CONSEQUÊNCIA DA PRESSÃO ALTA
  • 19. CONSEQUÊNCIA DA PRESSÃO ALTA Artéria normal “Artéria entupida.“ Artéria com aterosclerose
  • 20. CONSEQUÊNCIA DA PRESSÃO ALTA “Dano sério nos rins.“
  • 21. CONSEQUÊNCIA DA PRESSÃO ALTA “Aumenta o risco de derrame“ MINISTÉRIO DA SAÚDE
  • 22. CONSEQUÊNCIA DA PRESSÃO ALTA “Diminuição da visão.“
  • 25. Se confirmado o diagnóstico de Hipertensão: Vamos ao tratamento! Bem, primeiro, para o indivíduo saber se é hipertenso, basta medir sua pressão arterial
  • 26. Não medicamentoso ou mudanças no estilo de vida Medicamentoso Como pode ser o tratamento?
  • 27. No Começo você vai passar por algumas privações, mas logo logo se acostuma!!! Falaremos agora da Alimentação. Uma etapa muito importante no tratamento de qualquer doença crônica, inclusive a Hipertensão.
  • 28. SEGUNDO: Reduza a ingestão de alimentos com muitas calorias e diminuam os alimentos ricos em gordura animal. PRACOMEÇAR: Fuja do sal.
  • 29. TERCEIRO: Prefira alimentos frescos. E que tenham pouco sal. QUARTO: Relaxe! Muitas pessoas conseguem controlar sua pressão apenas com alimentação apropriada.
  • 30. Permita-me agora, demonstrar o que seria uma dieta para hipertensão arterial. - Frutas frescas e sucos - Verduras frescas - Aves - Pescados - Carnes magras - Cereais integrais RECOMENDADOS ALIMENTOS
  • 31. NÃO RECOMENDADOS - Frituras - Creme de leite - Maionese - Frios - Embutidos (salsicha, linguiça, presunto, mortadela, salame, copa, etc.) - Banha - Enlatados ALIMENTOS Alimentos Não Recomendados (EVITAR AO MÀXIMO): • Frituras e amanteigados. • Gorduras animais • Refrigerantes • Excesso de doces • Café com açúcar • Maionese • Embutidos(Linguiça, Salsicha) • Enlatados/Empanados • Produtos Congelados • Carnes salgadas (Ex: Suínos/Bacalhau)
  • 32. Deve-se parar totalmente de usar bebida alcoólica.
  • 34. Note bem, os exercícios físicos devem ser orientados pelo médico para que não sejam prejudiciais. Exercícios que exijam grandes esforços físicos não são recomendados.
  • 36. Por si só, eles não diminuem a tensão arterial, mas contribuem para reduzir o excesso de peso. Conservar o bom estado do coração e artérias, aliviar o estress e favorecer o relaxamento. • Os exercícios físicos ajudam a controlar o peso e melhora a circulação do sangue. • Durante a atividade física a pressão sobe, mas depois tende a diminuir com o alivio do stress e dos músculos.
  • 37. • Nunca tome remédios por conta própria. • Todo remédio pode ter efeitos colaterais. • Por isso, o tratamento deve ser acompanhado por um médico. • Tanto o excesso quanto a falta de remédio de pressão podem ser prejudiciais à Saúde.
  • 38. • É fundamental seguir as orientações médicas • Importante não perder consultas agendadas. • Não interromper o tratamento. Comunique ao médico ou algum outro profissional do PSF caso não esteja se adaptando bem ao tratamento(efeitos colaterais, crises, alergias, por exemplo) Recomendações terapeuticas.
  • 39. Recomendações Pré-Consulta 1. Vá com antecedência e chegue com 15-20 minutos antes. 2. Leve a receita antiga ou a lista de medicamentos que faz uso regular 3. Leve sempre os exames mais novos ou exames antigos importantes. 4. Use roupas leves que facilitem o exame 5. Informe seus antecedentes ou doenças já diagnosticadas 6. Anote dúvidas e pergunte 7. Não deixe pra depois, fale caso não tenha entendido alguma orientação
  • 40. O Sucesso do tratamento depende de você!!! Agora que entendeu um pouco mais sobre a hipertensão siga corretamente as orientações dos profissionais da saúde e retorne à unidade para acompanhamento.
  • 41. LEMBRE-SE:  HIPERTENSÃO ARTERIAL NÃO TEM CURA EM TODOS OS CASOS, SE VOCÊ USA MEDICAMENTOS PARA PRESSÃO, VOCÊ CONTINUA A SER HIPERTENSO, SUA PRESSÃO ESTEJA NORMAL. O CONTROLE PREVINE DOENÇAS MAIS GRAVES !!!  NÃO ABANDONE O TRATAMENTO !!!
  • 42. AGORA É A HORA DE TIRAR DÚVIDAS E DISCUTIR OS APRENDIZADOS E A DOENÇA. VAMOS FAZER UMA RODA!!!
  • 43. DIA 2 - Atividade 2 DESENHANDO SEU PRATO
  • 44. Carnes • Peixe e frutos do mar • Frango • Boi • Ovos Verduras/Fibras • Verdes Escuras • Legumes Ralados • Coloridos Frutas, Leguminosas e Cereais Integrais Prato Balanceado +-20% porção +-30% do prato 50% do prato
  • 45. Carnes • Peixe • Frango • Boi • Ovos Verduras Frutas e Cereais
  • 46. O que se deve e pode comer com frequência (Todo dia)
  • 48. O que se deve ser evitado
  • 50. Relembrando: Como deve ser o seu prato Prato Açúcares Carnes Vegetais Gorduras
  • 51. VAMOS MONTAR O PRATO? USE OS CARDS COM OS ALIMENTOS PARA MONTAR OS PRATOS CONFORME SUGERIDO.
  • 52. DIA 3 - Atividade 3 Aferição da Pressão Arterial Monitorização Residencial
  • 53. Usando o aparelho digital Braço Mais Difícil e Caro Punho Mais Barato e Fácil
  • 54. O que dizem os estudos médicos? 1. Que os novos aparelhos digitais podem medir a pressão corretamente. 2. Basta a adoção de algumas medidas e realizar a técnica. 3. Assim, é preciso tomar alguns cuidados com a técnica para medir a pressão para que possamos ter a segurança de que aquela é uma medida real. http://www.grzero.com.br/wp-content/uploads/2011/06/aparelho-de-pressao.jpg
  • 55. • Certificar-se de que o paciente não está com a bexiga cheia, não praticou exercícios físicos e não ingeriu bebidas alcoólicas, café, alimentos ou fumou até 30 minutos antes da medida. • Deixar o paciente descansar por 5 a 10 minutos. • Ambiente calmo, com temperatura agradável. • A PA é medida com o paciente sentado. Antes de Medir a Pressão O procedimento Anotar os valores na Tabela
  • 56. Antes de Medir a Pressão • Colocar o aparelho no punho conforme o desenho. • Manter o braço do paciente na altura do coração • Ligar e aguardar a inflar e desinflar. O procedimento Anotar os valores na Tabela
  • 57. Antes de Medir a Pressão O procedimento • Anotar os valores máximo e mínimo – Separando-os por um X (Ex: 130x90) • Anotar a data e o turno(hora) Anotar os valores na Tabela
  • 59. ALTA • Acima de 140mmhg • Acima de 90mmhg NORMAL • Entre 140 e 100mmhg • Entre 90 e 60mmhg BAIXA • Abaixo de 100mmhg • Abaixo de 60mmhg
  • 60. NÃO DEIXE DE PREENCHER E ENTREGAR O QUESTIONÁRIO. É IMPORTANTE PARA MELHORAR O NOSSO TRABALHO. DIVULGUE AS INFORMAÇÕES APRENDIDAS COM SEUS AMIGOS E FAMILIARES.
  • 61. Referências: AGENA, F.; SILVA, G. C. A. DA; PIERIN, A. M. G. Monitorização residencial da pressão arterial: atualidades e papel do enfermeiro. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 45, n. 1, p. 258–263, 1 mar. 2011. CASTRO, L. C. V. et al. Nutrição e doenças cardiovasculares: os marcadores de risco em adultos. Revista de Nutrição, v. 17, n. 3, p. 369–377, set. 2004. DA SILVA, B. D. P. et al. Dietary patterns and hypertension: a population-based study with women from Southern Brazil. Cadernos de Saúde Pública, v. 30, n. 5, p. 961–971, maio 2014. DUNCAN, B. B. et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil : prioridade para enfrentamento e investigação, 2012. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/94848>. Acesso em: 2 dez. 2014 JARDIM, P. C. B. V. Regarding Hypertension Treatment are we following Worldwide Tendencies? Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 103, n. 1, p. 01–03, 2014. MAFFACCIOLLI, R.; LOPES, M. J. M. Os grupos na atenção básica de saúde de Porto Alegre: usos e modos de intervenção terapêutica. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, p. 973–982, 2011. MALTA, D. C. Doenças Crônicas Não Transmissíveis, um grande desafio da sociedade contemporânea. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 1, p. 4, 2014. MENEZES, A. M. B. et al. Validade de um monitor digital de pulso para mensuração de pressão arterial em comparação com um esfigmomanômetro de mercúrio. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 94, n. 3, p. 365–370, mar. 2010. PICCINI, R. X. et al. Promoção, prevenção e cuidado da hipertensão arterial no Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 46, n. 3, p. 543–550, jun. 2012. PIERIN, A. M. G. et al. Controle da hipertensão arterial e fatores associados na atenção primária em Unidades Básicas de Saúde localizadas na Região Oeste da cidade de São Paulo. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, p. 1389–1400, 2011. PIMENTA, H. B.; CALDEIRA, A. P. Fatores de risco cardiovascular do Escore de Framingham entre hipertensos assistidos por equipes de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 6, p. 1731–1739, jun. 2014. PRATES, R. E.; SILVA, A. C. P. DA. Avaliação do conhecimento nutricional e de hábitos alimentares de pacientes com doenças crônicas não transmissíveis em hospital particular no sul do BrasilRevista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN, 19 nov. 2013. Disponível em: <http://www.rasbran.com.br/rasbran/article/view/3>. Acesso em: 2 dez. 2014 SAÚDE, M. DA. Guia alimentar para a população brasileira Promovendo a Alimentação Saudável. 2a Edição ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. SILVA, G. C. A. DA; PIERIN, A. M. G. A monitorização residencial da pressão arterial e o controle de um grupo de hipertensos. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 46, n. 4, p. 922–928, ago. 2012.
  • 62. Agradecimentos: Aos funcionários do PSF Gato Preto • Pela dedicação, parceria e apoio para realização do projeto. Aos pacientes presentes Aos orientadores e supervisores Ao Prof. Carlos Alberto Machado • E a Equipe Multiprofissional da Liga de Hipertensão Arterial do Belém -SP e da Associação Paulista de Assistência ao Hipertenso(APAH) por cederem várias imagens utilizadas na apresentação