SlideShare uma empresa Scribd logo
UNILUS-INTERNATO-REUMATOLOGIA
RELATO DE CASO PARA A ATIVIDADE DO DIA 24/04/2013- 4ª-FEIRA

Paciente do sexo masculino, 42 anos, pardo, apresentando fenômeno de Raynaud há três
anos, prurido cutâneo e aparecimento de "manchas esbranquiçadas" pelo corpo há oito
meses, seguido de endurecimento progressivo da pele da face, mãos, punhos, antebraços,
tronco e membros inferiores. Queixava-se também de lombalgia baixa de ritmo inflamatório e
artralgia de punhos, metacarpofalangeanas, cotovelos, ombros, quadril, joelhos e tornozelos
há três meses. Dificuldade para abertura bucal, dispnéia aos médios esforços, plenitude
gástrica e emagrecimento de 7 kg nos últimos oito meses foram também relatados. Ao exame
físico apresentava fenômeno de Raynaud, micro cicatrizes em polpas digitais, úlceras em
cicatrização em região de cotovelos e interfalangeanas e presença de mãos em garra. A pele
encontrava-se difusamente espessada e com áreas de leuco-melanodermia em tronco,
membros e face.




Evidencia-se espessamento cutâneo difuso, flexão de cotovelos e áreas de
leucomelanodermia.

O escore cutâneo de Rodnan modificado (MRSS) foi de 48.(O MRSS é uma medida de desfecho
padrão da doença cutânea na esclerodermia e calculada pela soma do espessamento na pele
em 17 regiões diferentes do corpo (escore total= 51).

A pressão arterial era de 130 x 80 mmHg e não foram evidenciadas alterações ao exame físico
cardíaco e abdominal. A ausculta pulmonar apresentava estertores crepitantes em "velcro" em
ambas as bases

Ao exame da coluna observou-se acentuação da lordose cervical, cifose torácica moderada e
retificação da lordose lombar. O índice de Schöber foi de 2,5 cm (n>5cm) a expansão torácica
foi de 2 cm, a distância dedo-chão de 48 cm e a distância occipito-parede, de 9 cm. As
manobras de Patrick e Gaeslen foram positivas. Avaliação laboratorial: hemograma normal,
creatinina 0,7mg/dL, VHS 19mm/hr, TGO/TGP 18/17UI/L (valores normais 38/41 UI/L), CK 203
UI/L (valores normais 190 UI/L) e aldolase 5,9 UI/L (valores normais 7,0 UI/L). O exame de
urina tipo I foi normalA pesquisa do Fator reumatóide foi negativa. A pesquisa do Fator
antinúcleo em células HEp-2 (FAN - HEp-2) foi positiva com padrão nuclear pontilhado fino
com placa metafásica corada e nucleolar pontilhado fino 1/640.. A pesquisa de anticorpo anti-
DNA topoisomerase I (Scl 70) (por imunodifusão dupla contra extrato de timo de coelho) foi
positiva. Foi negativa a pesquisa de anticorpos anti-DNA nativo, anti-nRNP, -Jo-1, -SS-A/Ro, -SS-
B/La e -Sm. A capilaroscopia periungueal evidenciou microangiopatia de padrão SD, com
presença de capilares dilatados e áreas extensas de desvascularização. A investigação
radiográfica de tórax demonstrou infiltrado intersticial em ambas as bases. A tomografia
computadorizada de alta resolução de tórax revelou área de "vidro-fosco" em ambas as bases
pulmonares




A radiografia de coluna torácica e lombar revelou presença de sindesmófitos em coluna
torácica, e quadratura dos corpos vertebrais lombares (Figura 2). A radiografia de sacro-ilíacas:
sacroiliíte grau IV bilateral (Figura 3).
A prova de função pulmonar mostrou um padrão restritivo leve, com capacidade vital forçada
= 2.5 L (68% do esperado). O ecocardiograma com Doppler foi considerado normal, não se
evidenciando sinais indiretos de hipertensão pulmonar.

    •   A endoscopia digestiva alta mostrou gastrite erosiva de antro e duodenite aguda
        moderada.

A tipificação dos alelos HLA foi feita por amplificação do DNA por reação em cadeia da
polimerase (PCR), utilizando-se iniciadores de oligonucleotídeos seqüência-específicos (SSP). A
tipagem do HLA mostrou: HLA A*03, A*74, B*27, B*35, DRB1*11, DRB1*15, DRB3 (DR 52),
DRB5 (DR 51), DQB1*03 e DQB1*06. Considerando-se o desequilíbrio de ligação dos genes do
HLA classe II, os haplótipos HLA classe II desse paciente assumem a seguinte organização:
DRB1*11, DRB3, DQB1*03 e DRB1*15, DRB5, DQB1*06.
Perguntas para orientação do estudo:


1-Quais as características da chamada lombalgia de ritmo inflamatório? Em
quais etiologias aparece?



2-O que é Fenômeno de Raynaud



3-O que é Raynaud primário?



4-O que é Raynaud secundário?



5-O que é “mão em garra”?



6-O que você entende por leucomelanodermia?



7- O que é índice de Schöber?



8-O que é capilaroscopia/



9- O que é e o que significa área de "vidro-fosco" na tomografia
computadorizada de tórax?



10-O que é HLA B27?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dcigw97
Dcigw97Dcigw97
Dcigw97
pauloalambert
 
Fibrose cística
Fibrose císticaFibrose cística
Fibrose cística
Maria Lídia
 
Cardiomiopatia dilatada revisão
Cardiomiopatia dilatada   revisãoCardiomiopatia dilatada   revisão
Cardiomiopatia dilatada revisão
UFPEL
 
Sindrome de churg strauss
Sindrome de churg straussSindrome de churg strauss
Sindrome de churg strauss
Flávia Salame
 
Relato de caso - 04.08.2014
Relato de caso - 04.08.2014Relato de caso - 04.08.2014
Relato de caso - 04.08.2014
Paulo Cardoso
 
Linfoma vascular 1
Linfoma vascular 1Linfoma vascular 1
Linfoma vascular 1
Caroline Mello
 
EI por fungos no período neonatal
EI por fungos no período neonatalEI por fungos no período neonatal
EI por fungos no período neonatal
gisa_legal
 
Trabalho fibrose
Trabalho fibroseTrabalho fibrose
Trabalho fibrose
patriciandrade
 
O Anticorpo anti-citoplasma de neutrófilo nas Vasculites Pulmonares
O Anticorpo anti-citoplasma de neutrófilo nas Vasculites PulmonaresO Anticorpo anti-citoplasma de neutrófilo nas Vasculites Pulmonares
O Anticorpo anti-citoplasma de neutrófilo nas Vasculites Pulmonares
Flávia Salame
 
14 estenose de delgado
14 estenose de delgado14 estenose de delgado
14 estenose de delgado
WorkshopInternacional
 
Fibrose cística
Fibrose císticaFibrose cística
Fibrose cística
Murderdoll_Natty
 

Mais procurados (11)

Dcigw97
Dcigw97Dcigw97
Dcigw97
 
Fibrose cística
Fibrose císticaFibrose cística
Fibrose cística
 
Cardiomiopatia dilatada revisão
Cardiomiopatia dilatada   revisãoCardiomiopatia dilatada   revisão
Cardiomiopatia dilatada revisão
 
Sindrome de churg strauss
Sindrome de churg straussSindrome de churg strauss
Sindrome de churg strauss
 
Relato de caso - 04.08.2014
Relato de caso - 04.08.2014Relato de caso - 04.08.2014
Relato de caso - 04.08.2014
 
Linfoma vascular 1
Linfoma vascular 1Linfoma vascular 1
Linfoma vascular 1
 
EI por fungos no período neonatal
EI por fungos no período neonatalEI por fungos no período neonatal
EI por fungos no período neonatal
 
Trabalho fibrose
Trabalho fibroseTrabalho fibrose
Trabalho fibrose
 
O Anticorpo anti-citoplasma de neutrófilo nas Vasculites Pulmonares
O Anticorpo anti-citoplasma de neutrófilo nas Vasculites PulmonaresO Anticorpo anti-citoplasma de neutrófilo nas Vasculites Pulmonares
O Anticorpo anti-citoplasma de neutrófilo nas Vasculites Pulmonares
 
14 estenose de delgado
14 estenose de delgado14 estenose de delgado
14 estenose de delgado
 
Fibrose cística
Fibrose císticaFibrose cística
Fibrose cística
 

Destaque

Prgreuma20142ºsem
Prgreuma20142ºsemPrgreuma20142ºsem
Prgreuma20142ºsem
pauloalambert
 
30 casos
30 casos30 casos
30 casos
pauloalambert
 
Dc100413
Dc100413Dc100413
Dc100413
pauloalambert
 
2014 1º bimestre
2014 1º bimestre2014 1º bimestre
2014 1º bimestre
pauloalambert
 
Dc270313 unilus
Dc270313 unilusDc270313 unilus
Dc270313 unilus
pauloalambert
 
Oa 2013
Oa 2013Oa 2013
Oa 2013
pauloalambert
 
Oa aula 4 ano
Oa aula 4 anoOa aula 4 ano
Oa aula 4 ano
pauloalambert
 
Ar 4 ano
Ar 4 anoAr 4 ano
Ar 4 ano
pauloalambert
 
30 casos
30 casos30 casos
30 casos
pauloalambert
 
Prog reuma 2013 1º sem.b
Prog reuma 2013 1º sem.bProg reuma 2013 1º sem.b
Prog reuma 2013 1º sem.b
pauloalambert
 
Teórico prática l
Teórico prática lTeórico prática l
Teórico prática l
pauloalambert
 
Dc090413
Dc090413Dc090413
Dc090413
pauloalambert
 
ESPONDILOARTRITES
ESPONDILOARTRITESESPONDILOARTRITES
ESPONDILOARTRITES
pauloalambert
 
Dmtc
DmtcDmtc
Esclerodermia f ry
Esclerodermia f ryEsclerodermia f ry
Esclerodermia f ry
pauloalambert
 
Gota
GotaGota
Sle 2013
Sle 2013Sle 2013
Sle 2013
pauloalambert
 
Dm pm
Dm pmDm pm
Esclerodermia f ry
Esclerodermia f ryEsclerodermia f ry
Esclerodermia f ry
pauloalambert
 
Programa de Reumatologia 2º semestre
Programa de Reumatologia 2º semestrePrograma de Reumatologia 2º semestre
Programa de Reumatologia 2º semestre
Paulo Alambert
 

Destaque (20)

Prgreuma20142ºsem
Prgreuma20142ºsemPrgreuma20142ºsem
Prgreuma20142ºsem
 
30 casos
30 casos30 casos
30 casos
 
Dc100413
Dc100413Dc100413
Dc100413
 
2014 1º bimestre
2014 1º bimestre2014 1º bimestre
2014 1º bimestre
 
Dc270313 unilus
Dc270313 unilusDc270313 unilus
Dc270313 unilus
 
Oa 2013
Oa 2013Oa 2013
Oa 2013
 
Oa aula 4 ano
Oa aula 4 anoOa aula 4 ano
Oa aula 4 ano
 
Ar 4 ano
Ar 4 anoAr 4 ano
Ar 4 ano
 
30 casos
30 casos30 casos
30 casos
 
Prog reuma 2013 1º sem.b
Prog reuma 2013 1º sem.bProg reuma 2013 1º sem.b
Prog reuma 2013 1º sem.b
 
Teórico prática l
Teórico prática lTeórico prática l
Teórico prática l
 
Dc090413
Dc090413Dc090413
Dc090413
 
ESPONDILOARTRITES
ESPONDILOARTRITESESPONDILOARTRITES
ESPONDILOARTRITES
 
Dmtc
DmtcDmtc
Dmtc
 
Esclerodermia f ry
Esclerodermia f ryEsclerodermia f ry
Esclerodermia f ry
 
Gota
GotaGota
Gota
 
Sle 2013
Sle 2013Sle 2013
Sle 2013
 
Dm pm
Dm pmDm pm
Dm pm
 
Esclerodermia f ry
Esclerodermia f ryEsclerodermia f ry
Esclerodermia f ry
 
Programa de Reumatologia 2º semestre
Programa de Reumatologia 2º semestrePrograma de Reumatologia 2º semestre
Programa de Reumatologia 2º semestre
 

Semelhante a Dc240413

Casos clinicos laec exame de imagem
Casos clinicos laec   exame de imagemCasos clinicos laec   exame de imagem
Casos clinicos laec exame de imagem
LAEC UNIVAG
 
Hipertiroidismo na infância
Hipertiroidismo na infânciaHipertiroidismo na infância
Hipertiroidismo na infância
adrianomedico
 
Abc congresso eco 2015 banners
Abc congresso eco 2015   bannersAbc congresso eco 2015   banners
Abc congresso eco 2015 banners
gisa_legal
 
Em Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IIEm Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue II
marioaugusto
 
Em Tempos De Dengue
Em Tempos De DengueEm Tempos De Dengue
Em Tempos De Dengue
thiagoroberto
 
Abc congresso eco 2015 temas livres
Abc congresso eco 2015   temas livresAbc congresso eco 2015   temas livres
Abc congresso eco 2015 temas livres
gisa_legal
 
Sessão clinica 16 julho
Sessão clinica   16 julhoSessão clinica   16 julho
Sessão clinica 16 julho
janinemagalhaes
 
Simulação On-Line de Caso Clínico em Oncologia
Simulação On-Line de Caso Clínico em OncologiaSimulação On-Line de Caso Clínico em Oncologia
Simulação On-Line de Caso Clínico em Oncologia
Renato Sabbatini
 
Caso clínico infectologia pediátrica 01
Caso clínico infectologia pediátrica 01Caso clínico infectologia pediátrica 01
Caso clínico infectologia pediátrica 01
Professor Robson
 
Evolução eco em rn com pca
Evolução eco em rn com pcaEvolução eco em rn com pca
Evolução eco em rn com pca
gisa_legal
 
Caso clínico avc
Caso clínico   avc Caso clínico   avc
Caso clínico avc
UNIME
 
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes RodriguesAnátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
guest864f0
 
Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
 Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)  Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
Hospital de Câncer de Barretos
 
Ca colorretal completo
Ca colorretal   completoCa colorretal   completo
Ca colorretal completo
Pedro Moura
 
Artigo sindrome de_leigh_v31_n3_2013_p330a334
Artigo sindrome de_leigh_v31_n3_2013_p330a334Artigo sindrome de_leigh_v31_n3_2013_p330a334
Artigo sindrome de_leigh_v31_n3_2013_p330a334
Nathanael Amparo
 
Caso clinico doença de addisson
Caso clinico doença de addissonCaso clinico doença de addisson
Caso clinico doença de addisson
biochemestry
 
Espleno linfadeno-casos clinicos
Espleno linfadeno-casos clinicosEspleno linfadeno-casos clinicos
Espleno linfadeno-casos clinicos
dapab
 
Artigo relato de caso
Artigo relato de casoArtigo relato de caso
Artigo relato de caso
Ana Vieira
 
2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...
2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...
2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
tcc-e-learn
tcc-e-learntcc-e-learn
tcc-e-learn
maurohs
 

Semelhante a Dc240413 (20)

Casos clinicos laec exame de imagem
Casos clinicos laec   exame de imagemCasos clinicos laec   exame de imagem
Casos clinicos laec exame de imagem
 
Hipertiroidismo na infância
Hipertiroidismo na infânciaHipertiroidismo na infância
Hipertiroidismo na infância
 
Abc congresso eco 2015 banners
Abc congresso eco 2015   bannersAbc congresso eco 2015   banners
Abc congresso eco 2015 banners
 
Em Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IIEm Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue II
 
Em Tempos De Dengue
Em Tempos De DengueEm Tempos De Dengue
Em Tempos De Dengue
 
Abc congresso eco 2015 temas livres
Abc congresso eco 2015   temas livresAbc congresso eco 2015   temas livres
Abc congresso eco 2015 temas livres
 
Sessão clinica 16 julho
Sessão clinica   16 julhoSessão clinica   16 julho
Sessão clinica 16 julho
 
Simulação On-Line de Caso Clínico em Oncologia
Simulação On-Line de Caso Clínico em OncologiaSimulação On-Line de Caso Clínico em Oncologia
Simulação On-Line de Caso Clínico em Oncologia
 
Caso clínico infectologia pediátrica 01
Caso clínico infectologia pediátrica 01Caso clínico infectologia pediátrica 01
Caso clínico infectologia pediátrica 01
 
Evolução eco em rn com pca
Evolução eco em rn com pcaEvolução eco em rn com pca
Evolução eco em rn com pca
 
Caso clínico avc
Caso clínico   avc Caso clínico   avc
Caso clínico avc
 
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes RodriguesAnátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
 
Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
 Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)  Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
 
Ca colorretal completo
Ca colorretal   completoCa colorretal   completo
Ca colorretal completo
 
Artigo sindrome de_leigh_v31_n3_2013_p330a334
Artigo sindrome de_leigh_v31_n3_2013_p330a334Artigo sindrome de_leigh_v31_n3_2013_p330a334
Artigo sindrome de_leigh_v31_n3_2013_p330a334
 
Caso clinico doença de addisson
Caso clinico doença de addissonCaso clinico doença de addisson
Caso clinico doença de addisson
 
Espleno linfadeno-casos clinicos
Espleno linfadeno-casos clinicosEspleno linfadeno-casos clinicos
Espleno linfadeno-casos clinicos
 
Artigo relato de caso
Artigo relato de casoArtigo relato de caso
Artigo relato de caso
 
2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...
2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...
2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...
 
tcc-e-learn
tcc-e-learntcc-e-learn
tcc-e-learn
 

Mais de pauloalambert

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
pauloalambert
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
pauloalambert
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
pauloalambert
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
pauloalambert
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
pauloalambert
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
pauloalambert
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
pauloalambert
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
pauloalambert
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
pauloalambert
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
pauloalambert
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
pauloalambert
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
pauloalambert
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
pauloalambert
 

Mais de pauloalambert (20)

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 

Dc240413

  • 1. UNILUS-INTERNATO-REUMATOLOGIA RELATO DE CASO PARA A ATIVIDADE DO DIA 24/04/2013- 4ª-FEIRA Paciente do sexo masculino, 42 anos, pardo, apresentando fenômeno de Raynaud há três anos, prurido cutâneo e aparecimento de "manchas esbranquiçadas" pelo corpo há oito meses, seguido de endurecimento progressivo da pele da face, mãos, punhos, antebraços, tronco e membros inferiores. Queixava-se também de lombalgia baixa de ritmo inflamatório e artralgia de punhos, metacarpofalangeanas, cotovelos, ombros, quadril, joelhos e tornozelos há três meses. Dificuldade para abertura bucal, dispnéia aos médios esforços, plenitude gástrica e emagrecimento de 7 kg nos últimos oito meses foram também relatados. Ao exame físico apresentava fenômeno de Raynaud, micro cicatrizes em polpas digitais, úlceras em cicatrização em região de cotovelos e interfalangeanas e presença de mãos em garra. A pele encontrava-se difusamente espessada e com áreas de leuco-melanodermia em tronco, membros e face. Evidencia-se espessamento cutâneo difuso, flexão de cotovelos e áreas de leucomelanodermia. O escore cutâneo de Rodnan modificado (MRSS) foi de 48.(O MRSS é uma medida de desfecho padrão da doença cutânea na esclerodermia e calculada pela soma do espessamento na pele em 17 regiões diferentes do corpo (escore total= 51). A pressão arterial era de 130 x 80 mmHg e não foram evidenciadas alterações ao exame físico cardíaco e abdominal. A ausculta pulmonar apresentava estertores crepitantes em "velcro" em ambas as bases Ao exame da coluna observou-se acentuação da lordose cervical, cifose torácica moderada e retificação da lordose lombar. O índice de Schöber foi de 2,5 cm (n>5cm) a expansão torácica
  • 2. foi de 2 cm, a distância dedo-chão de 48 cm e a distância occipito-parede, de 9 cm. As manobras de Patrick e Gaeslen foram positivas. Avaliação laboratorial: hemograma normal, creatinina 0,7mg/dL, VHS 19mm/hr, TGO/TGP 18/17UI/L (valores normais 38/41 UI/L), CK 203 UI/L (valores normais 190 UI/L) e aldolase 5,9 UI/L (valores normais 7,0 UI/L). O exame de urina tipo I foi normalA pesquisa do Fator reumatóide foi negativa. A pesquisa do Fator antinúcleo em células HEp-2 (FAN - HEp-2) foi positiva com padrão nuclear pontilhado fino com placa metafásica corada e nucleolar pontilhado fino 1/640.. A pesquisa de anticorpo anti- DNA topoisomerase I (Scl 70) (por imunodifusão dupla contra extrato de timo de coelho) foi positiva. Foi negativa a pesquisa de anticorpos anti-DNA nativo, anti-nRNP, -Jo-1, -SS-A/Ro, -SS- B/La e -Sm. A capilaroscopia periungueal evidenciou microangiopatia de padrão SD, com presença de capilares dilatados e áreas extensas de desvascularização. A investigação radiográfica de tórax demonstrou infiltrado intersticial em ambas as bases. A tomografia computadorizada de alta resolução de tórax revelou área de "vidro-fosco" em ambas as bases pulmonares A radiografia de coluna torácica e lombar revelou presença de sindesmófitos em coluna torácica, e quadratura dos corpos vertebrais lombares (Figura 2). A radiografia de sacro-ilíacas: sacroiliíte grau IV bilateral (Figura 3).
  • 3. A prova de função pulmonar mostrou um padrão restritivo leve, com capacidade vital forçada = 2.5 L (68% do esperado). O ecocardiograma com Doppler foi considerado normal, não se evidenciando sinais indiretos de hipertensão pulmonar. • A endoscopia digestiva alta mostrou gastrite erosiva de antro e duodenite aguda moderada. A tipificação dos alelos HLA foi feita por amplificação do DNA por reação em cadeia da polimerase (PCR), utilizando-se iniciadores de oligonucleotídeos seqüência-específicos (SSP). A tipagem do HLA mostrou: HLA A*03, A*74, B*27, B*35, DRB1*11, DRB1*15, DRB3 (DR 52), DRB5 (DR 51), DQB1*03 e DQB1*06. Considerando-se o desequilíbrio de ligação dos genes do HLA classe II, os haplótipos HLA classe II desse paciente assumem a seguinte organização: DRB1*11, DRB3, DQB1*03 e DRB1*15, DRB5, DQB1*06.
  • 4. Perguntas para orientação do estudo: 1-Quais as características da chamada lombalgia de ritmo inflamatório? Em quais etiologias aparece? 2-O que é Fenômeno de Raynaud 3-O que é Raynaud primário? 4-O que é Raynaud secundário? 5-O que é “mão em garra”? 6-O que você entende por leucomelanodermia? 7- O que é índice de Schöber? 8-O que é capilaroscopia/ 9- O que é e o que significa área de "vidro-fosco" na tomografia computadorizada de tórax? 10-O que é HLA B27?