Sessão Anátomo-Clínica da Residência Médica de Pediatria Relatora: R2 Klécida Nunes Rodrigues Orientadora: Prof. Jussara M...
Caso Clínico <ul><li>JFCR, de 1 ano e 5 meses de idade, do sexo masculino, natural e procedente de Natal-RN, foi encaminha...
Caso Clínico <ul><li>Apresentou icterícia no 10º  dia de vida, atribuída ao leite materno, que regrediu após 15 dias.  Nos...
Caso Clínico <ul><li>Segundo a genitora, a criança tinha saúde aparente até 30 dias atrás, quando iniciou quadro de  febre...
Caso Clínico <ul><li>Ao exame, criança eutrófica (P: 13,5kg E: 98cm), com bom estado geral, afebril, eupnéico,  ictérico (...
9 fev  19 Fev  29 Fev  7 Mar  18 Mar  1 Abr Hematócrito (%)  38,1  39,4  34,8  33,4  Hemoglobina (g/dl)  12,7  13,2  11,1 ...
Caso Clínico <ul><li>Eletroforese de Proteínas Albumina: 51,9%  </li></ul><ul><li>Alfa 1 : 9,5%  </li></ul><ul><li>Alfa 2:...
Caso Clínico <ul><li>Dadas as dificuldades técnicas da realização de colangiografia endoscópica retrógrada da faixa etária...
Caso Clínico <ul><li>Foi realizada incisão transversa ampla, e à  exploração da cavidade abdominal, evidenciou-se  fígado ...
Caso Clínico <ul><li>À exploração das vias biliares extra-hepáticas, observou-se que o colédoco parecia espessado, com con...
Caso Clínico <ul><li>No 3º DIH, passou a apresentar desconforto respiratório, creptos em hemitórax direito,  picos febris ...
Caso Clínico <ul><li>Ultrassonografia abdominal evidenciou líquido na cavidade, tendo sido novamente aberto o dreno. O pac...
Caso Clínico <ul><li>O paciente foi reinternado, e nova ultrassonografia evidenciou abscesso intra-abdominal. Permaneceu  ...
4 Abr  15 Abr  22 Abr  3 Mai  3 Jul Hematócrito (%)  32,4 34 36,6 34 Hemoglobina (g/dl)  10,9 11,3 11,8 11,4 Leucócitos  1...
Diagnósticos Sindrômicos . <ul><li>Doença viral exantemática </li></ul><ul><li>Síndrome colestática </li></ul>
Vias biliares
Colestase <ul><li>Intra-hepática : </li></ul><ul><li>Metabólicas  </li></ul><ul><li>Hepatites virais </li></ul><ul><li>Hep...
Colangite Esclerosante Primária <ul><li>Fibrose    Estenose </li></ul><ul><li>Progressiva    Cirrose/ HP/ Insuficiência ...
Colangite Esclerosante Primária <ul><li>Clínica: </li></ul><ul><ul><li>Adultos jovens (Sexo masculino) </li></ul></ul><ul>...
Caso clínico <ul><li>Laboratório: </li></ul><ul><ul><li>FA e GGT elevadas </li></ul></ul><ul><ul><li>AST e ALT: Elevação d...
 
Laparotomia exploradora
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Transoperatoria
Pós-operatoria
Pós-operatoria
 
 
 
 
Biópsia
<ul><li>Obrigada e bom dia a todos! </li></ul>
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues

4.652 visualizações

Publicada em

Apresentação de anátomo-clínico da residente de pediatria da UFRN: R2 Klécida Nunes Rodrigues.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.652
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
453
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues

    1. 1. Sessão Anátomo-Clínica da Residência Médica de Pediatria Relatora: R2 Klécida Nunes Rodrigues Orientadora: Prof. Jussara Melo de Cerqueira Maia Patologista: Prof. Ana Maria de Oliveira Ramos Cirurgião: Dr. Sérgio Melo Radiologista: Dr. Marcos Vinícius Passos
    2. 2. Caso Clínico <ul><li>JFCR, de 1 ano e 5 meses de idade, do sexo masculino, natural e procedente de Natal-RN, foi encaminhado pelo infectologista ao gastroenterologista pediátrico devido a quadro de icterícia há 30 dias. Nos antecedentes fisiológicos, paciente nascido após gestação de 36 semanas, de parto cesárea, devido a placenta prévia, com Apgar de 8/9, peso de 3.450g, estatura de 49cm e perímetro cefálico de 35cm. Desenvolvimento neuropsicomotor normal. Leite materno exclusivo até 1 mês e meio de vida e a seguir fórmula láctea, com posterior introdução oportuna dos outros alimentos. Teste do pezinho ampliado normal. Vacinação atualizada . </li></ul>
    3. 3. Caso Clínico <ul><li>Apresentou icterícia no 10º dia de vida, atribuída ao leite materno, que regrediu após 15 dias. Nos antecedentes familiares, bisavô paterno falecido aos 65 anos de cirrose hepática não-alcoólica, e primo paterno de 2º grau portador de doença hepática não definida . Segundo familiares, a criança apresentava distensão abdominal desde os 6 meses de vida, sem predomínio de horário e sem sintomas associados, não havendo relato de alteração à palpação durante a puericultura. </li></ul>
    4. 4. Caso Clínico <ul><li>Segundo a genitora, a criança tinha saúde aparente até 30 dias atrás, quando iniciou quadro de febre diária de até 38,5 ºC, com duração de três dias , tendo feito uso de paracetamol e ibuprofeno em doses habituais. Após ceder a febre, surgiu exantema micropapular principalmente em face e tronco, pouco pruriginoso, associado a adenomegalia discreta retroauricular. O exantema desapareceu após quatro dias, quando então surgiram acolia fecal, colúria, icterícia e distensão abdominal . O estado geral era mantido, evoluía afebril, com sinais de colestase </li></ul>
    5. 5. Caso Clínico <ul><li>Ao exame, criança eutrófica (P: 13,5kg E: 98cm), com bom estado geral, afebril, eupnéico, ictérico (+++/ 4+ ) . ACP: normal, abdome distendido, flácido, com fígado de consistência normal, bordos finos, a nível da cicatriz umbilical e a 7cm do apêndice xifóide. Baço impalpável. Foram iniciados ácido ursodesoxicólico (URSO) e vitamina E. Foram solicitados exames (anexo) e solicitado procedimento diagnóstico. </li></ul>
    6. 6. 9 fev 19 Fev 29 Fev 7 Mar 18 Mar 1 Abr Hematócrito (%) 38,1 39,4 34,8 33,4 Hemoglobina (g/dl) 12,7 13,2 11,1 11 Leucócitos 7.100 (S-39%, L-55%, M-5%, E-1) 16.000 (S-28%, L- 62%, M-2%, E-7%) 14.100 (S-41%, L-39%, M-5%, E-10%) 13.000 (S-51%, L-43% M-3%, E-3%) Plaquetas 244.000 664.000 469.000 LDH 620 TAP 12,2’’ 100% 12,2’’ 100% 13,3’’ 100% Bilirrubina total 8,8 18,5 15 11,3 15,2 Bilirrubina Direta 6,5 9,61 7,6 4,8 8,7 Bilirrubiana Indireta 2,3 8,93 7,4 6,5 6,8 AST 393 642 145 393 347 ALT 238 595 459 338 402 Gama GT 530 819 156 243 Ceruloplasmina 77,3 Alfa-1 antitripsina 259 HbsAg Negativo Anti-HCV Negativo Anti-HAV- IgM Negativo Anti- Hbc-total Negativo Sorologias TORC Negativo
    7. 7. Caso Clínico <ul><li>Eletroforese de Proteínas Albumina: 51,9% </li></ul><ul><li>Alfa 1 : 9,5% </li></ul><ul><li>Alfa 2: 18,9% </li></ul><ul><li>Beta 1: 5,1% </li></ul><ul><li>Beta 2: 4,1% </li></ul><ul><li>Gama: 10,5% </li></ul><ul><li>Relação A/G: 1,08 </li></ul><ul><li>Proteínas totais: 7,40 G/DL </li></ul><ul><li>Tomografia abdominal mostrou: “hepatomegalia homogênea inespecífica; dilatação das vias biliares intra e extra-hepáticas; pequenos linfonodos retroperitoneais à direita; linfonodos nas regiões inguinais; vesícula biliar hidrópica com bile espessa no seu interior, em associação a imagem hipodensa adjacente ao ducto hepático comum, devendo estar relacionada a vesícula hidrópica e menos provavelmente cisto do colédoco; criptorquidia à direita” </li></ul><ul><li>USG abdominal total : “dois gânglios comprimindo o colédoco, podendo isso ser a causa da estenose e obstrução. Vesícula bastante aumentada de volume”. </li></ul>
    8. 8. Caso Clínico <ul><li>Dadas as dificuldades técnicas da realização de colangiografia endoscópica retrógrada da faixa etária do paciente, e à necessidade de esclarecer a natureza dos linfonodos que pareciam comprimir vias biliares extra-hepáticas, além do risco potencial de rotura espontânea da vesícula biliar que se encontrava hidrópica, optou-se pela laparotomia exploradora no dia 2/4/08. </li></ul>
    9. 9. Caso Clínico <ul><li>Foi realizada incisão transversa ampla, e à exploração da cavidade abdominal, evidenciou-se fígado de coloração amarelo-esverdeada, consistência aparentemente normal, superfície lisa, bordos finos, a nível da cicatriz umbilical, e vesícula biliar bastante hidrópica, bilobulada com chanfradura medial. No retroperitônio e parecendo comprimir os ductos hepático comum e colédoco, observaram-se linfonodos bastante aumentados, aparentemente de consistência elástica, </li></ul><ul><li>que foram ressecados. Foi procedida colecistectomia , com posterior abertura da peça, que evidenciou bile espessa em seu interior, sem cálculos , e retirado fragmento de tecido hepático. Todos os linfonodos e fragmentos ressecados foram encaminhados para exame anátomo-patológico . A bile colhida do interior da vesícula biliar foi encaminhada para cultura, cujo resultado foi negativo. </li></ul>
    10. 10. Caso Clínico <ul><li>À exploração das vias biliares extra-hepáticas, observou-se que o colédoco parecia espessado, com consistência fibrótica. Foi, então, realizada colangiografia transoperatória, que evidenciou importante redução do calibre do colédoco, de cerca de 2cm, praticamente sem passagem de contraste para a luz do duodeno. Foi, então, tentada dilatação do segmento estenosado, através de incisão trasparietal. Nova colangiografia não demonstrou contraste no duodeno, tendo, então o cirurgião optado por realizar papilotomia com posterior dilatação transduodenal. O paciente permaneceu com dreno de Penrose e de Kher abertos, sonda nasogástrica também aberta, em Unidade de Terapia Intensiva, em uso de amicacina , oxacilina, metronidazol e dexametasona venosos . </li></ul>
    11. 11. Caso Clínico <ul><li>No 3º DIH, passou a apresentar desconforto respiratório, creptos em hemitórax direito, picos febris e hemograma sugestivo de infecção bacteriana. Rx de tórax evidenciou pneumonia, tendo sido trocado o esquema antibiótico para meropenem e vancomicina. No 5º dia, o paciente foi transferido para o apartamento. O estado geral era bom, evoluía com diminuição da icterícia, dreno de Penrose praticamente sem débito, abdome menos distendido, indolor, com fígado a cerca de 5cm do RCD e 4cm do AX. Foi iniciada dieta via oral. No 15 dia foi retirado o dreno de Penrose, e no dia seguinte, iniciado desmame do dreno de Kher. O paciente, no entanto, passou a apresentar distensão abdominal e dor à palpação </li></ul>
    12. 12. Caso Clínico <ul><li>Ultrassonografia abdominal evidenciou líquido na cavidade, tendo sido novamente aberto o dreno. O paciente permanecia com estado geral bom, com melhora laboratorial evidente, exceto nos níveis de GGT, tendo sido suspensos os antibióticos e dada alta hospitalar, com dreno de Kher aberto, com bom débito, e mantido URSO. O resultado de hemograma colhido na alta evidenciou importante leucocitose, tendo sido programado novo exame com 48 horas e novo parecer da oncohematologia. No dia seguinte, porém, o paciente apresentou edema com sinais flogísticos em bolsa escrotal, e aumento do volume abdominal . </li></ul>
    13. 13. Caso Clínico <ul><li>O paciente foi reinternado, e nova ultrassonografia evidenciou abscesso intra-abdominal. Permaneceu hospitalizado por mais 15 dias, em uso de metronidazol, oxacilina e amicacina, com boa resposta. O dreno de Kher se mantinha com débito elevado, quando no 10º dia parou de drenar. O paciente estava anictérico. Foi, então, realizada nova colanfiografia, que foi normal. O dreno de Kher foi retirado, o paciente teve alta, anictérico, em uso de ácido ursodeoxicólico, para controle ambulatorial. </li></ul>
    14. 14. 4 Abr 15 Abr 22 Abr 3 Mai 3 Jul Hematócrito (%) 32,4 34 36,6 34 Hemoglobina (g/dl) 10,9 11,3 11,8 11,4 Leucócitos 13.400 ( S-64%, L-30%, M-2%, E-2%) 25.000( S-74%, L-20, M- 2%, E-0 ) 27.400 (S- 70%, L- 22%, M-2%,E- 2% ) 13.600 (S- 51%, L- 39%, M- 4%, E- 5%) Plaquetas 373 665 587 628 LDH TAP 13,1 Bilirrubina total 2,8 1,8 1 0,36 Bilirrubina Direta 0,8 0,6 0,4 0,15 Bilirrubiana Indireta 2 1,22 0,6 0,21 AST 212 44 190 42 36 ALT 179 56 220 36 23 Gama GT 305 311 169 115 15 PCR Positivo
    15. 15. Diagnósticos Sindrômicos . <ul><li>Doença viral exantemática </li></ul><ul><li>Síndrome colestática </li></ul>
    16. 16. Vias biliares
    17. 17. Colestase <ul><li>Intra-hepática : </li></ul><ul><li>Metabólicas </li></ul><ul><li>Hepatites virais </li></ul><ul><li>Hepatite auto-imune </li></ul><ul><li>Álcool </li></ul><ul><li>Drogas </li></ul><ul><li>Ductopenias (desaparecimento dos ductos biliares intra-hepáticos) </li></ul><ul><li>Cirrose biliar primária </li></ul><ul><li>Doenças colestáticas crônicas </li></ul><ul><li>Colangite esclerosante primária </li></ul><ul><li>Pós transplante hepático </li></ul><ul><li>Gravidez </li></ul><ul><li>Mecânicas </li></ul><ul><li>Tumores primários e metastáticos </li></ul><ul><li>2 . Extra hepática : </li></ul><ul><li>Congênitas </li></ul><ul><li>Atresia de vias biliares </li></ul><ul><li>Cisto de colédoco </li></ul><ul><li>Inflamatórias </li></ul><ul><li>Colangite esclerosante primária </li></ul><ul><li>Doenças parasitárias </li></ul><ul><li>Estenoses iatrogênicas </li></ul><ul><li>Adquiridas </li></ul><ul><li>Coledocolitíase </li></ul><ul><li>Pancreatite crônica </li></ul><ul><li>Neoplasias primárias ou metastáticas </li></ul>
    18. 18. Colangite Esclerosante Primária <ul><li>Fibrose  Estenose </li></ul><ul><li>Progressiva  Cirrose/ HP/ Insuficiência Hepática. </li></ul><ul><li>Etiologia: </li></ul><ul><li>Alterações da imunidade/ toxinas/ agentes infecciosos </li></ul><ul><li>Prevalência: 2-7 casos/ 100.000 </li></ul><ul><li>Formas: </li></ul><ul><li>Primários </li></ul><ul><li>70-80% - Secundário- DII </li></ul><ul><li>15 a 20% - Predomínio de estenoses extra-hepáticas. </li></ul>
    19. 19. Colangite Esclerosante Primária <ul><li>Clínica: </li></ul><ul><ul><li>Adultos jovens (Sexo masculino) </li></ul></ul><ul><ul><li>Geralmente assintomáticos </li></ul></ul><ul><ul><li>Sintomas: Fadiga, prurido, febre baixa, dor no quadrante superior do abdome, diarréia, má absorção, perda de peso, hepatomegalia, esplenomegalia e icterícia. </li></ul></ul><ul><ul><li>Divertículos de colédoco: achado patognomônico nos exames de imagem . </li></ul></ul>
    20. 20. Caso clínico <ul><li>Laboratório: </li></ul><ul><ul><li>FA e GGT elevadas </li></ul></ul><ul><ul><li>AST e ALT: Elevação discreta </li></ul></ul><ul><ul><li>Hemograma: leucocitose. Hipereosinofilia. </li></ul></ul><ul><ul><li>TAP: Alargado </li></ul></ul><ul><li>Biópsia: </li></ul><ul><li>Fibrose obliterante concêntrica ductal em “bulbo de cebola”. </li></ul><ul><ul><li>30 a 50% das biópsias são diagnósticas. </li></ul></ul><ul><li>Tratamento: </li></ul><ul><ul><li>Não há tratamento clínico específico e eficaz. </li></ul></ul><ul><ul><li>Melhorar os sintomas, prolongar a vida, prevenir o colangiocarcinoma e adiar o transplante. </li></ul></ul><ul><ul><li>Transplante: tratamento de escolha para CEP terminal. </li></ul></ul>
    21. 22. Laparotomia exploradora
    22. 39. Transoperatoria
    23. 40. Pós-operatoria
    24. 41. Pós-operatoria
    25. 46. Biópsia
    26. 47. <ul><li>Obrigada e bom dia a todos! </li></ul>

    ×