SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Ctrl V Ctrl C 
Alunos: Geovani, Mateus, João, 
Renan, Selmo. 
Turma 202
Período Regencial 
 1°Reinado – Regência Trina Provisória 
 No dia 7 de abril de 1831 (data da abdicação), o Parlamento 
brasileiro estava em férias. Não havia no Rio de Janeiro o 
número suficiente de deputados e senadores para eleger os três 
regentes que governariam conforme mandava a constituição. 
Então, os poucos políticos que se encontravam na cidade 
resolveram, como solução de emergência, eleger uma Regência 
Provisória para governar a nação, até que se elegesse a regência 
permanente.
Regência Uma de Feijó 
 Como alternativa para a crise que se alongava e se agravava 
cada vez mais, a Constituição foi modificada e instituiu-se a 
regência com um único membro, eleito pelo voto direto dos 
eleitores, de acordo com um critério censitário.
2° Reinado – Regência Trina Permanente 
 Após reunir deputados e senadores do país, a assembléia Geral 
elegeu a Regência Trina Permanente, no dia 17 de junho de 1831. 
A nova regência era composta pelos deputados João Bráulio 
Muniz (político do nordeste) e José da Costa Carvalho (político 
do sul) e pelo Brigadeiro Francisco de Lima e Silva.
Regência Uma de Araújo Lima 
 Ao assumir o poder, Araújo Lima montou um ministério 
composto só de políticos conservadores. 
 Havia uma firme decisão do governo de usar toda a violência 
contra as revoltas políticas populares que agitavam o país 
(Cabanagem, Balaiada, Sabinada, Farroupilha).
Sabinada 
 Em 1837, estourou na Bahia urna rebelião 
liderada pelo médico Francisco Sabino Álvares 
da Rocha Vieira, por isso conhecida 
como Sabinada. O governo central ordenou o 
recrutamento compulsório de homens para 
combater os farrapos na região sul do Brasil. 
Seu objetivo básico era instituir uma república 
baiana, enquanto D. Pedro fosse menor.
Balaiada 
 A Balaiada foi uma importante revolta popular que explodiu na 
província do Maranhão, entre os anos de 1838 a 1841. Nessa 
época, a economia agrária do Maranhão atravessava 
grande crise. Sua principal riqueza, o algodão, vinha perdendo 
preço e compradores no exterior, devido à forte concorrência 
internacional do algodão produzido nos Estados Unidos (mais 
barato e de melhor qualidade que o produto brasileiro).
Cabanagem 
 A Cabanagem foi uma revolta popular que aconteceu entre os 
anos de 1835 e 1840 na província do Grão-Pará (região norte do 
Brasil, atual estado do Pará). Recebeu este nome, pois grande 
parte dos revoltosos era formada por pessoas pobres que 
moravam em cabanas nas beiras dos rios da região. Estas 
pessoas eram chamadas de cabanos.
Farroupilha 
 A rebelião da Farroupilha foi uma das mais extensas rebeliões 
deflagradas no Brasil, contou com uma série de fatores 
responsáveis por esse conflito que desafiou as autoridades 
imperiais. Naquele período, a insatisfação junto às políticas 
imperiais e a proximidade das jovens repúblicas latino-americanas 
demarcaram o contexto inicial do conflito.
GRUPO DOS RESTAURADORES 
 Defendia volta de D. Pedro I ao governo do Brasil. Era 
composto alguns militares e grandes comerciantes 
portugueses. Uma das principais figuras desse grupo 
foi José Bonifácio, tutor do príncipe Pedro de 
Alcântara.
GRUPO DOS MODERADOS 
 Defendia o regime monárquico, mas não estava disposto a 
aceitar um governo absolutista e autoritário. Era favorável a um 
poder no Rio de Janeiro e lutava para manter a unidade 
territorial do Brasil.
GRUPO DOS LIBERAIS EXALTADOS 
 Defendia um maior poder administrativo para as 
Províncias. Era favorável a uma descentralização do 
poder, que se concentrava a mudança do regime 
monárquico para um regime republicano.
A constituição imposta por D. Pedro estabelecia a existência de 
quatro poderes de Estado: 
 Poder Judiciário: composto pelos juízes e tribunais. O 
órgão máximo desse Poder era o Supremo Tribunal 
de Justiça, com magistrados nomeados diretamente 
pelo imperador. 
 Poder Legislativo: composto pelos senadores e 
deputados, encarregados de elaborar as leis do 
império.
 Poder Executivo: exercido pelo imperador 
(chefe do Executivo) e seus ministros de 
Estado. 
 Poder Moderador: exclusivo do imperador 
e definido pela constituição como a "chave-mestra 
de toda a organização política". O 
Poder Moderador tornou-se pessoal do 
imperador; a expressão máxima do seu 
poder arbitrário e absoluto.
Transformações Socioeconômicas e 
República 
 Com as riquezas provenientes das exportações de café e a chegada de 
imigrantes, houve muitas mudanças econômicas e sociais no Brasil durante as 
últimas décadas do século XIX. 
 Nessa época se formou uma sociedade refinada, que consumia produtos da 
moda europeia e estudava nos grandes centros europeus, onde adquiria gosto 
por espetáculos teatrais, leituras de livros e periódicos. 
 O Brasil passou a ter mão de obra livre, de Monarquia para República com várias 
mudanças nas formas de viver o dia a dia de sua população. Pouco a pouco 
passou-se a contar com reflexos da modernização: a presença de 
cinematógrafos, iluminação nas ruas, vacinas para garantir vida mais saudável às 
populações urbanas e a incorporação, através das novidades divulgadas pela 
imprensa, dos grandes feitos científicos europeus.
Abolição da Escravatura 
 Após a extinção do trafico negreiro (1850) cresceu no país a Campanha 
Abolicionista, um movimento publico pela libertação dos escravos. A 
abolição conquistou apoio de vários setores da sociedade brasileira: 
parlamentares, imprensa, militares, artistas e intelectuais. Mas os 
defensores da escravidão ainda conseguiram sustentá-la por bom 
tempo. No Brasil, o sistema escravista foi sendo extinto lentamente, 
para não prejudicar os proprietários de escravos. 
 As principais Leis publicadas nesse sentido foram: Lei do ventre Livre e 
Lei dos Sexagenários. 
 Com leis desse tipo, que não resolviam o problema da escravidão, os 
proprietários de escravos conseguiram ganhar tempo e adiar, ao 
máximo, a abolição final. Somente em 13 de maio de 1888, com a Lei 
Áurea promulgada pela princesa Isabel, filha de D. Pedro II, a escravidão 
foi extinta no Brasil.
 Participaram dessa luta muitos intelectuais, 
jornalistas, políticos e escritores, como Joaquim 
Nabuco, José do Patrocínio, Raul Pompéia, Luis Gama, 
Castro Alves, etc. 
 A abolição não foi obra só dessa elite de intelectuais. 
O fim da escravidão era uma exigência do capitalismo 
industrial e do desenvolvimento econômico do país. 
Na prática do dia-a-dia, ninguém lutou ou resistiu mais 
a escravidão do que os próprios negros.
 A escravidão chegou ao fim, o ex-escravo tornou-se 
igual perante a lei, mas isso não lhe deu garantias de 
que ele seria aceito na sociedade, por isso os recém-libertos 
passaram dias difíceis mesmo com o fim da 
escravidão. Diferente do que aconteceu nos Estados 
Unidos, no Brasil, após o fim da escravidão, os ex-escravos 
foram abandonados à própria sorte. Nos 
Estados Unidos, com o fim da Guerra da Secessão, a 
vitória do Norte sobre o Sul implicou na emancipação 
total dos escravos e eles foram amparados por uma 
lei, que possibilitou assistência e formas de inserção 
do negro na sociedade.
 No Brasil, sem acesso a terra e sem qualquer tipo de indenização 
por tanto tempo de trabalhos forçados, geralmente analfabetos, 
vítimas de todo tipo de preconceito, muitos ex-escravos 
permaneceram nas fazendas em que trabalhavam, vendendo seu 
trabalho em troca da sobrevivência. Aos negros que migraram para 
as cidades, só restaram os subempregos, a economia informal e o 
artesanato. Com isso, aumentou de modo significativo o número de 
ambulantes, empregadas domésticas, quitandeiras sem qualquer 
tipo de assistência e garantia; muitas ex-escravas eram tratadas 
como prostitutas. Os negros que não moravam nas ruas passaram a 
morar, quando muito, em míseros cortiços. O preconceito e a 
discriminação e a ideia permanente de que o negro só servia para 
trabalhos duros, ou seja, serviços pesados, deixaram sequelas desde 
a abolição da escravatura até os dias atuais.
Queda da Monarquia 
 O regime monárquico era sustentado por três 
alicerces: 
1)A Escravidão 
2)O Exército 
3)A Igreja 
Os três foram demolidos pouco a pouco
 1) A escravidão: A Inglaterra Liberal cada vez mais 
pressionava o Brasil para abandonar a escravidão e o 
Rei estava em uma situação difícil pois para a 
aristocracia só mantinha o governo monárquico pois 
este segurava a escravidão. Quando da abolição o 
governo não pagou indenização alguma para os 
aristocratas que perderam mão de obra e dinheiro 
com a libertação dos escravos.
 2) O exército: Influenciado pelas ideias republicanas e 
abolicionistas da guerra do Paraguai, nos campos de 
batalha lutavam ao lado de ex-escravos, voltaram 
vitoriosos cobrando espaço no governo para os 
militares, que até então não tinham força política 
alguma.
 3) A Igreja: O Para ordenou que todos os maçons fosse 
excomungados, porém o Imperador era maçom e vetou 
que a cúria brasileira perseguisse maçons. Nisso um bispo 
do nordeste desobedece o Imperador e acaba sendo preso 
junto de outros padres. Isso tornou delicada a relação do 
Império com o Vaticano. 
 Estas três questões fizeram com que o regime monárquico 
autoritário perdesse força e todos os seus alicerces 
tornando-se frágil. Vendo isso, os militares proclamam a 
república e derrubam o Imperador, vale lembrar que o 
povo não participou desta proclamação, e sim a 
aristocracia, a igreja e os militares descontentes com a sua 
falta de poder político.
Proclamação da República 
 Em 15 de novembro de 
1889, Marechal Deodoro da 
Fonseca reuniu as tropas do Rio de 
janeiro num golpe militar e invadiu 
o Ministério da Guerra. Sua 
motivação foram os boatos de 
que Dom Pedro II tinha intenções 
de reconfigurar a Guarda Nacional. 
Rumores diziam que Deodoro e 
suas tropas apenas pretendiam 
obter um novo Ministro da Guerra, 
mas sua pressão foi tanta que a 
corte se dissolveu, dando lugar 
à República Brasileira. E a despeito 
das movimentações populares que 
vinham ocorrendo a favor de um 
governo republicano, a 
proclamação da república deu-se 
por uma monarquia que não mais 
se sustentava.
 A família real seguiu rumo à Europa no dia 18 de 
novembro. Neste momento após 67 anos regido por 
um Imperador autoritário e cheio de poderes, o Brasil 
respirava novos ares como uma nova República, 
tendo Marechal Deodoro da Fonseca como 
presidente provisório, que seria supostamente 
substituído por presidentes eleitos pelo voto direto 
popular. E assim pode-se dizer que a República foi um 
consolidador da democracia Brasileira, que segue até 
os dias de hoje.
A Primeira República 
 Depois de proclamado e festejado, o novo regime republicano 
precisava ser construído. Entre todos, foram os interesses do 
principal produto de exportação -“O Café”- que prevaleceram. 
Emtermos políticos, venceu a construção de um Estado liberal-oligárquico, 
com práticas políticas baseadas no poder de mando 
local: o poder político e policial dos cornéis. Destaca-se o uso de 
fraudes e violência não só nas eleições, mas também na vida 
cotidiana e de trabalho. Todavia, a população não aceitou essas 
condições sem lutas e revoltas: os anos da Primeira República 
foram momentos de constante tensão social. Venceram a 
oligarquia e a ordem que se queria impor, mas à custa de muita 
violência.
 A história republicana brasileira pode ser dividida em algumas 
fases, tendo como marcos fatos históricos que representaram 
mudanças na ordem institucional do Estado. A Primeira 
República, também conhecida como República Velha, constitui a 
primeira fase da organização republicana nacional e vai desde a 
Proclamação da República em 1889 até a chamada Revolução de 
1930. Pela liderança do poder de Estado, alteraram-se 
confrontos e alianças entre a oligarquia rural e os militares das 
Forças Armadas.
 Entre o fim do Império em 1889 e a posse da presidência por 
Prudente de Morais, em 1894, militares ocuparam o cargo de 
líder na Primeira República. O primeiro foi Marechal Deodoro da 
Fonseca, presidente interino desde a Proclamação da República 
e eleito após a aprovação da Constituição de 1891. Deodoro da 
Fonseca renunciou em 1891, quando o vice-presidente Marechal 
Floriano Peixoto assumiu a presidência até 1894, encerrando o 
período conhecido como República da Espada.
 A adoção do presidencialismo e do federalismo como forma 
organizativa do Estado foram as principais características da 
Constituição de 1891, o que acarretou em uma política de 
alianças para a ocupação da presidência e em uma liberdade 
política aos governadores dos estados da Federação. O período 
foi marcado por conflitos militares, dentre eles, a Revolta 
Federalista, no Rio Grande do Sul, e a Revolta da Armada, no Rio 
de Janeiro, ambas em 1893.
 As revoltas foram contidas e a estrutura liberal do 
Estado foi consolidada, o que possibilitou a transição 
para o poder civil. O presidente Prudente de Morais 
foi o primeiro presidente civil, eleito em 1894, dando 
início a alternância entre representantes das 
oligarquias rurais do sudeste brasileiro até 1930.
 A política do Café com Leite, assim chamada em 
decorrência da aliança nas indicações para 
presidentes entre São Paulo e Minas Gerais, 
principais produtores de café e leite, 
respectivamente, foi o auge da ordem oligárquica. 
Para manter essa alternância, o presidente Campos 
Sales (1898-1902) realizou uma costura política, a 
política dos governadores, que proporcionou apoio 
regional ao poder executivo federal e fortaleceu os 
coronéis oligarcas regionais. É desta aliança que 
surgiu o coronelismo que marcou a prática política no 
interior do Brasil até a segunda metade do século XX.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)
História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)
História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)isameucci
 
Exercícios de História Império – Primeiro Reinado
Exercícios de História Império – Primeiro ReinadoExercícios de História Império – Primeiro Reinado
Exercícios de História Império – Primeiro ReinadoJesrayne Nascimento
 
HistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica Velha
HistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica VelhaHistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica Velha
HistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica VelhaJorge Miklos
 
Texto rep velha
Texto rep velhaTexto rep velha
Texto rep velhafelipeimh
 
Revoltas na primeira república 3º. ano ensino médio
Revoltas na primeira república   3º. ano ensino médioRevoltas na primeira república   3º. ano ensino médio
Revoltas na primeira república 3º. ano ensino médioFatima Freitas
 
2015 República Velha Extensivo
2015 República Velha Extensivo2015 República Velha Extensivo
2015 República Velha ExtensivoMARIANO C7S
 
Republica do-cafe-com-leite-aula-pronta
Republica do-cafe-com-leite-aula-prontaRepublica do-cafe-com-leite-aula-pronta
Republica do-cafe-com-leite-aula-prontaFabio Santos
 
Rep Velha Ate Suicidio
Rep Velha Ate SuicidioRep Velha Ate Suicidio
Rep Velha Ate SuicidioCarlos Glufke
 
História (powerpoint) (1)
História (powerpoint) (1)História (powerpoint) (1)
História (powerpoint) (1)FelipeMuradas
 
Primeira república e crise dos anos 20
Primeira república e crise dos anos 20Primeira república e crise dos anos 20
Primeira república e crise dos anos 20Murilo Cisalpino
 
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAvaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAcrópole - História & Educação
 

Mais procurados (20)

Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistênciaCapítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
 
História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)
História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)
História do Brasil - Período Regencial (1831-1840)
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Exercícios de História Império – Primeiro Reinado
Exercícios de História Império – Primeiro ReinadoExercícios de História Império – Primeiro Reinado
Exercícios de História Império – Primeiro Reinado
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
HistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica Velha
HistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica VelhaHistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica Velha
HistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica Velha
 
BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA
 BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA
BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA
 
Brasil república (oligárquica) questões sociais parte ii
Brasil república (oligárquica) questões sociais parte iiBrasil república (oligárquica) questões sociais parte ii
Brasil república (oligárquica) questões sociais parte ii
 
Texto rep velha
Texto rep velhaTexto rep velha
Texto rep velha
 
Revoltas na primeira república 3º. ano ensino médio
Revoltas na primeira república   3º. ano ensino médioRevoltas na primeira república   3º. ano ensino médio
Revoltas na primeira república 3º. ano ensino médio
 
2015 República Velha Extensivo
2015 República Velha Extensivo2015 República Velha Extensivo
2015 República Velha Extensivo
 
Brasil revoltas nativistas 2020
Brasil revoltas nativistas 2020Brasil revoltas nativistas 2020
Brasil revoltas nativistas 2020
 
Republica do-cafe-com-leite-aula-pronta
Republica do-cafe-com-leite-aula-prontaRepublica do-cafe-com-leite-aula-pronta
Republica do-cafe-com-leite-aula-pronta
 
1 reinado e 2 reinado no brasil
1 reinado e 2 reinado no brasil1 reinado e 2 reinado no brasil
1 reinado e 2 reinado no brasil
 
Rep Velha Ate Suicidio
Rep Velha Ate SuicidioRep Velha Ate Suicidio
Rep Velha Ate Suicidio
 
3° ano Brasil República Velha
3° ano   Brasil República Velha3° ano   Brasil República Velha
3° ano Brasil República Velha
 
República Velha
República  VelhaRepública  Velha
República Velha
 
História (powerpoint) (1)
História (powerpoint) (1)História (powerpoint) (1)
História (powerpoint) (1)
 
Primeira república e crise dos anos 20
Primeira república e crise dos anos 20Primeira república e crise dos anos 20
Primeira república e crise dos anos 20
 
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAvaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
 

Semelhante a Crtl V Crtl C

imperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.pptimperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.pptKrishPatel433809
 
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01Zeze Silva
 
O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...
O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...
O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...Vanessa Faria
 
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. limaA independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. limaSaulo Barreto
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil repúblicaide2011
 
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdfAULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdfFlviaCristina51
 
Aula Invertida
Aula InvertidaAula Invertida
Aula InvertidaUser User
 
Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...
Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...
Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...Prefeitura de São Paulo
 
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAbolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAlinnie Moreira
 

Semelhante a Crtl V Crtl C (20)

Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
O Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro IIO Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro II
 
3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado
 
O reinado de dom pedro II
O reinado de dom pedro IIO reinado de dom pedro II
O reinado de dom pedro II
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
 
imperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.pptimperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.ppt
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
 
1º reinado
1º reinado1º reinado
1º reinado
 
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
 
O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...
O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...
O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. limaA independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil república
 
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdfAULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
 
Aula Invertida 2
Aula Invertida 2Aula Invertida 2
Aula Invertida 2
 
Aula Invertida
Aula InvertidaAula Invertida
Aula Invertida
 
A crise do segundo reinado
A crise do segundo reinadoA crise do segundo reinado
A crise do segundo reinado
 
Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...
Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...
Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...
 
Revisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptxRevisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptx
 
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAbolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
 

Mais de historiaduzentosedois (9)

História, Atualidades e Curiosidades
História, Atualidades e CuriosidadesHistória, Atualidades e Curiosidades
História, Atualidades e Curiosidades
 
Gabriella Luy
Gabriella LuyGabriella Luy
Gabriella Luy
 
Lívia e Luiza
Lívia e LuizaLívia e Luiza
Lívia e Luiza
 
Bruna e Ana Júlia
Bruna e Ana JúliaBruna e Ana Júlia
Bruna e Ana Júlia
 
1º e 2º Reinado
1º e 2º Reinado1º e 2º Reinado
1º e 2º Reinado
 
Primeiro Reinado - Taiane e Eloisa
Primeiro Reinado - Taiane e EloisaPrimeiro Reinado - Taiane e Eloisa
Primeiro Reinado - Taiane e Eloisa
 
Belle Epoqué
Belle EpoquéBelle Epoqué
Belle Epoqué
 
América na Era do Capitalismo
América na Era do CapitalismoAmérica na Era do Capitalismo
América na Era do Capitalismo
 
Revista de História
Revista de HistóriaRevista de História
Revista de História
 

Último

Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 

Último (20)

Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 

Crtl V Crtl C

  • 1. Ctrl V Ctrl C Alunos: Geovani, Mateus, João, Renan, Selmo. Turma 202
  • 2. Período Regencial  1°Reinado – Regência Trina Provisória  No dia 7 de abril de 1831 (data da abdicação), o Parlamento brasileiro estava em férias. Não havia no Rio de Janeiro o número suficiente de deputados e senadores para eleger os três regentes que governariam conforme mandava a constituição. Então, os poucos políticos que se encontravam na cidade resolveram, como solução de emergência, eleger uma Regência Provisória para governar a nação, até que se elegesse a regência permanente.
  • 3. Regência Uma de Feijó  Como alternativa para a crise que se alongava e se agravava cada vez mais, a Constituição foi modificada e instituiu-se a regência com um único membro, eleito pelo voto direto dos eleitores, de acordo com um critério censitário.
  • 4. 2° Reinado – Regência Trina Permanente  Após reunir deputados e senadores do país, a assembléia Geral elegeu a Regência Trina Permanente, no dia 17 de junho de 1831. A nova regência era composta pelos deputados João Bráulio Muniz (político do nordeste) e José da Costa Carvalho (político do sul) e pelo Brigadeiro Francisco de Lima e Silva.
  • 5. Regência Uma de Araújo Lima  Ao assumir o poder, Araújo Lima montou um ministério composto só de políticos conservadores.  Havia uma firme decisão do governo de usar toda a violência contra as revoltas políticas populares que agitavam o país (Cabanagem, Balaiada, Sabinada, Farroupilha).
  • 6. Sabinada  Em 1837, estourou na Bahia urna rebelião liderada pelo médico Francisco Sabino Álvares da Rocha Vieira, por isso conhecida como Sabinada. O governo central ordenou o recrutamento compulsório de homens para combater os farrapos na região sul do Brasil. Seu objetivo básico era instituir uma república baiana, enquanto D. Pedro fosse menor.
  • 7. Balaiada  A Balaiada foi uma importante revolta popular que explodiu na província do Maranhão, entre os anos de 1838 a 1841. Nessa época, a economia agrária do Maranhão atravessava grande crise. Sua principal riqueza, o algodão, vinha perdendo preço e compradores no exterior, devido à forte concorrência internacional do algodão produzido nos Estados Unidos (mais barato e de melhor qualidade que o produto brasileiro).
  • 8. Cabanagem  A Cabanagem foi uma revolta popular que aconteceu entre os anos de 1835 e 1840 na província do Grão-Pará (região norte do Brasil, atual estado do Pará). Recebeu este nome, pois grande parte dos revoltosos era formada por pessoas pobres que moravam em cabanas nas beiras dos rios da região. Estas pessoas eram chamadas de cabanos.
  • 9. Farroupilha  A rebelião da Farroupilha foi uma das mais extensas rebeliões deflagradas no Brasil, contou com uma série de fatores responsáveis por esse conflito que desafiou as autoridades imperiais. Naquele período, a insatisfação junto às políticas imperiais e a proximidade das jovens repúblicas latino-americanas demarcaram o contexto inicial do conflito.
  • 10. GRUPO DOS RESTAURADORES  Defendia volta de D. Pedro I ao governo do Brasil. Era composto alguns militares e grandes comerciantes portugueses. Uma das principais figuras desse grupo foi José Bonifácio, tutor do príncipe Pedro de Alcântara.
  • 11. GRUPO DOS MODERADOS  Defendia o regime monárquico, mas não estava disposto a aceitar um governo absolutista e autoritário. Era favorável a um poder no Rio de Janeiro e lutava para manter a unidade territorial do Brasil.
  • 12. GRUPO DOS LIBERAIS EXALTADOS  Defendia um maior poder administrativo para as Províncias. Era favorável a uma descentralização do poder, que se concentrava a mudança do regime monárquico para um regime republicano.
  • 13. A constituição imposta por D. Pedro estabelecia a existência de quatro poderes de Estado:  Poder Judiciário: composto pelos juízes e tribunais. O órgão máximo desse Poder era o Supremo Tribunal de Justiça, com magistrados nomeados diretamente pelo imperador.  Poder Legislativo: composto pelos senadores e deputados, encarregados de elaborar as leis do império.
  • 14.  Poder Executivo: exercido pelo imperador (chefe do Executivo) e seus ministros de Estado.  Poder Moderador: exclusivo do imperador e definido pela constituição como a "chave-mestra de toda a organização política". O Poder Moderador tornou-se pessoal do imperador; a expressão máxima do seu poder arbitrário e absoluto.
  • 15. Transformações Socioeconômicas e República  Com as riquezas provenientes das exportações de café e a chegada de imigrantes, houve muitas mudanças econômicas e sociais no Brasil durante as últimas décadas do século XIX.  Nessa época se formou uma sociedade refinada, que consumia produtos da moda europeia e estudava nos grandes centros europeus, onde adquiria gosto por espetáculos teatrais, leituras de livros e periódicos.  O Brasil passou a ter mão de obra livre, de Monarquia para República com várias mudanças nas formas de viver o dia a dia de sua população. Pouco a pouco passou-se a contar com reflexos da modernização: a presença de cinematógrafos, iluminação nas ruas, vacinas para garantir vida mais saudável às populações urbanas e a incorporação, através das novidades divulgadas pela imprensa, dos grandes feitos científicos europeus.
  • 16. Abolição da Escravatura  Após a extinção do trafico negreiro (1850) cresceu no país a Campanha Abolicionista, um movimento publico pela libertação dos escravos. A abolição conquistou apoio de vários setores da sociedade brasileira: parlamentares, imprensa, militares, artistas e intelectuais. Mas os defensores da escravidão ainda conseguiram sustentá-la por bom tempo. No Brasil, o sistema escravista foi sendo extinto lentamente, para não prejudicar os proprietários de escravos.  As principais Leis publicadas nesse sentido foram: Lei do ventre Livre e Lei dos Sexagenários.  Com leis desse tipo, que não resolviam o problema da escravidão, os proprietários de escravos conseguiram ganhar tempo e adiar, ao máximo, a abolição final. Somente em 13 de maio de 1888, com a Lei Áurea promulgada pela princesa Isabel, filha de D. Pedro II, a escravidão foi extinta no Brasil.
  • 17.  Participaram dessa luta muitos intelectuais, jornalistas, políticos e escritores, como Joaquim Nabuco, José do Patrocínio, Raul Pompéia, Luis Gama, Castro Alves, etc.  A abolição não foi obra só dessa elite de intelectuais. O fim da escravidão era uma exigência do capitalismo industrial e do desenvolvimento econômico do país. Na prática do dia-a-dia, ninguém lutou ou resistiu mais a escravidão do que os próprios negros.
  • 18.  A escravidão chegou ao fim, o ex-escravo tornou-se igual perante a lei, mas isso não lhe deu garantias de que ele seria aceito na sociedade, por isso os recém-libertos passaram dias difíceis mesmo com o fim da escravidão. Diferente do que aconteceu nos Estados Unidos, no Brasil, após o fim da escravidão, os ex-escravos foram abandonados à própria sorte. Nos Estados Unidos, com o fim da Guerra da Secessão, a vitória do Norte sobre o Sul implicou na emancipação total dos escravos e eles foram amparados por uma lei, que possibilitou assistência e formas de inserção do negro na sociedade.
  • 19.  No Brasil, sem acesso a terra e sem qualquer tipo de indenização por tanto tempo de trabalhos forçados, geralmente analfabetos, vítimas de todo tipo de preconceito, muitos ex-escravos permaneceram nas fazendas em que trabalhavam, vendendo seu trabalho em troca da sobrevivência. Aos negros que migraram para as cidades, só restaram os subempregos, a economia informal e o artesanato. Com isso, aumentou de modo significativo o número de ambulantes, empregadas domésticas, quitandeiras sem qualquer tipo de assistência e garantia; muitas ex-escravas eram tratadas como prostitutas. Os negros que não moravam nas ruas passaram a morar, quando muito, em míseros cortiços. O preconceito e a discriminação e a ideia permanente de que o negro só servia para trabalhos duros, ou seja, serviços pesados, deixaram sequelas desde a abolição da escravatura até os dias atuais.
  • 20. Queda da Monarquia  O regime monárquico era sustentado por três alicerces: 1)A Escravidão 2)O Exército 3)A Igreja Os três foram demolidos pouco a pouco
  • 21.  1) A escravidão: A Inglaterra Liberal cada vez mais pressionava o Brasil para abandonar a escravidão e o Rei estava em uma situação difícil pois para a aristocracia só mantinha o governo monárquico pois este segurava a escravidão. Quando da abolição o governo não pagou indenização alguma para os aristocratas que perderam mão de obra e dinheiro com a libertação dos escravos.
  • 22.  2) O exército: Influenciado pelas ideias republicanas e abolicionistas da guerra do Paraguai, nos campos de batalha lutavam ao lado de ex-escravos, voltaram vitoriosos cobrando espaço no governo para os militares, que até então não tinham força política alguma.
  • 23.  3) A Igreja: O Para ordenou que todos os maçons fosse excomungados, porém o Imperador era maçom e vetou que a cúria brasileira perseguisse maçons. Nisso um bispo do nordeste desobedece o Imperador e acaba sendo preso junto de outros padres. Isso tornou delicada a relação do Império com o Vaticano.  Estas três questões fizeram com que o regime monárquico autoritário perdesse força e todos os seus alicerces tornando-se frágil. Vendo isso, os militares proclamam a república e derrubam o Imperador, vale lembrar que o povo não participou desta proclamação, e sim a aristocracia, a igreja e os militares descontentes com a sua falta de poder político.
  • 24. Proclamação da República  Em 15 de novembro de 1889, Marechal Deodoro da Fonseca reuniu as tropas do Rio de janeiro num golpe militar e invadiu o Ministério da Guerra. Sua motivação foram os boatos de que Dom Pedro II tinha intenções de reconfigurar a Guarda Nacional. Rumores diziam que Deodoro e suas tropas apenas pretendiam obter um novo Ministro da Guerra, mas sua pressão foi tanta que a corte se dissolveu, dando lugar à República Brasileira. E a despeito das movimentações populares que vinham ocorrendo a favor de um governo republicano, a proclamação da república deu-se por uma monarquia que não mais se sustentava.
  • 25.  A família real seguiu rumo à Europa no dia 18 de novembro. Neste momento após 67 anos regido por um Imperador autoritário e cheio de poderes, o Brasil respirava novos ares como uma nova República, tendo Marechal Deodoro da Fonseca como presidente provisório, que seria supostamente substituído por presidentes eleitos pelo voto direto popular. E assim pode-se dizer que a República foi um consolidador da democracia Brasileira, que segue até os dias de hoje.
  • 26. A Primeira República  Depois de proclamado e festejado, o novo regime republicano precisava ser construído. Entre todos, foram os interesses do principal produto de exportação -“O Café”- que prevaleceram. Emtermos políticos, venceu a construção de um Estado liberal-oligárquico, com práticas políticas baseadas no poder de mando local: o poder político e policial dos cornéis. Destaca-se o uso de fraudes e violência não só nas eleições, mas também na vida cotidiana e de trabalho. Todavia, a população não aceitou essas condições sem lutas e revoltas: os anos da Primeira República foram momentos de constante tensão social. Venceram a oligarquia e a ordem que se queria impor, mas à custa de muita violência.
  • 27.  A história republicana brasileira pode ser dividida em algumas fases, tendo como marcos fatos históricos que representaram mudanças na ordem institucional do Estado. A Primeira República, também conhecida como República Velha, constitui a primeira fase da organização republicana nacional e vai desde a Proclamação da República em 1889 até a chamada Revolução de 1930. Pela liderança do poder de Estado, alteraram-se confrontos e alianças entre a oligarquia rural e os militares das Forças Armadas.
  • 28.  Entre o fim do Império em 1889 e a posse da presidência por Prudente de Morais, em 1894, militares ocuparam o cargo de líder na Primeira República. O primeiro foi Marechal Deodoro da Fonseca, presidente interino desde a Proclamação da República e eleito após a aprovação da Constituição de 1891. Deodoro da Fonseca renunciou em 1891, quando o vice-presidente Marechal Floriano Peixoto assumiu a presidência até 1894, encerrando o período conhecido como República da Espada.
  • 29.  A adoção do presidencialismo e do federalismo como forma organizativa do Estado foram as principais características da Constituição de 1891, o que acarretou em uma política de alianças para a ocupação da presidência e em uma liberdade política aos governadores dos estados da Federação. O período foi marcado por conflitos militares, dentre eles, a Revolta Federalista, no Rio Grande do Sul, e a Revolta da Armada, no Rio de Janeiro, ambas em 1893.
  • 30.  As revoltas foram contidas e a estrutura liberal do Estado foi consolidada, o que possibilitou a transição para o poder civil. O presidente Prudente de Morais foi o primeiro presidente civil, eleito em 1894, dando início a alternância entre representantes das oligarquias rurais do sudeste brasileiro até 1930.
  • 31.  A política do Café com Leite, assim chamada em decorrência da aliança nas indicações para presidentes entre São Paulo e Minas Gerais, principais produtores de café e leite, respectivamente, foi o auge da ordem oligárquica. Para manter essa alternância, o presidente Campos Sales (1898-1902) realizou uma costura política, a política dos governadores, que proporcionou apoio regional ao poder executivo federal e fortaleceu os coronéis oligarcas regionais. É desta aliança que surgiu o coronelismo que marcou a prática política no interior do Brasil até a segunda metade do século XX.