SlideShare uma empresa Scribd logo
Para ganhar o povo, o candidato deve conhecer os eleitores
pelo nome, bajulá-los, ser generoso e dar-lhes a esperança de
um emprego no governo. Talvez sua renda não possa atingir
todo o eleitorado, mas seus amigos podem ajudá-lo a agradar
a plebe. Faça com que os eleitores pensem que você os
conhece, que se dirige a eles pelo seu nome, que você é
generoso e aberto, que mesmo antes do amanhecer sua casa
está cheia de amigos, que todas as classes são suas aliadas,
que você fez promessas para todo mundo e que as cumpriu
para a maior parte das pessoas.
Notas sobre as eleições
Marco Túlio
As práticas políticas na Antiga Roma remetem às atuais.
Essas palavras de Cícero (106 – 43 a.C) revelam:
a) a concessão de favores, por parte dos eleitores, para
cativar os candidatos.
b) a necessidade de coagir o eleitorado para conseguir seu
apoio.
c) o desinteresse da população diante do poder econômico
dos candidatos.
d) a existência de relações clientelistas entre eleitores e
candidatos.
e) a pequena importância das relações pessoais para o
sucesso nas eleições.
Roma Antiga
Localização e povoamento
Italiotas
Etruscos
Gregos
Os Gêmeos
Rômulo
e Remo
A origem lendária
Monarquia
(753 a.C - 509 a.C)
República
(509 a.C - 27 a.C)
Império
(27 a.C - 476 d.C)
Os períodos históricos
A monarquia
Os reis
etruscos
A sociedade Romana
O poder político
A República Romana
Com a instalação da República em Roma, os
patrícios passaram a monopolizar o poder,
reservando para si os principais cargos
políticos; o governo romano passou a
ser exercido por magistrados, pelo
senado e por assembleias.
As Instituições da República
Os plebeus pagavam impostos e
serviam ao exército
Os plebeus eram excluídos da
participação política
O casamento entre plebeus e
patrícios era proibido
Os plebeus estavam sujeitos a
escravidão por dívidas
As lutas sociais: plebeus x patrícios
Os Tribunos da Plebe
Lei das 12 Tábuas
Lei Canuléia
Lei Licínia
As primeiras conquistas
A expansão romana
As Guerras
Púnicas
O Mare Nostrum
O enriquecimento do
Estado
Fortalecimento dos
cavaleiros
Os latifúndios escravistas
Mudanças sociais e
econômicas
Região População
total
Nº de
escravos
Porcentagem
de escravos
Roma em
225 a.C
4.000.000 600.000 15%
Roma em
31 a.C
6.000.000 2.000.000 33%
Roma: uma sociedade
escravista
Os escravos em Roma eram pessoas de diversas
origens: europeus, asiáticos e africanos, que trabalhavam
em minas, pedreiras, atividades agropastoris e serviços
domésticos. Trabalhavam ainda como médicos, dançarinos
e professores. Na Roma antiga os escravos poderiam ser
surrados, queimados com ferro em brasa e, até mesmo
crucificados. A escravidão romana, no entanto, não se
baseava apenas na violência. Um escravo poderia obter a
liberdade por serviços prestados. E, uma vez livre, podia
tornar-se cidadão.
A escravidão em Roma
(Enem) O fenômeno da escravidão é algo muito antigo e acompanhou a história
da Antiguidade até o século XIX. Todavia, percebe-se que tanto o status quanto
o tratamento dos escravos variavam muito da Antiguidade greco-romana até o
século XIX em questões ligadas à divisão do trabalho.
As variações mencionadas dizem respeito
a) Ao caráter étnico da escravidão antiga, pois certas etnias eram escravizadas
em virtude de preconceitos sociais.
b) À especialização do trabalho escravo na Antiguidade, pois certos ofícios de
prestígio eram frequentemente realizados por escravos.
c) Ao uso dos escravos para a atividade agroexportadora, tanto na Antiguidade
quanto no mundo moderno, pois o caráter étnico determinou a diversidade de
tratamento.
d) À absoluta desqualificação dos escravos para trabalhos mais sofisticados e à
violência em seu tratamento, independentemente das questões étnicas.
e) Ao aspecto étnico presente em todas as formas de escravidão, pois o
escravo era, na Antiguidade greco-romana, como no mundo moderno,
considerado uma raça inferior.
A luta pela terra
A divisão do
espólio
Os latifúndios
Êxodo rural
As reformas de Tibério e Caio
Limite para os
latifúndios
Reforma
agrária
Trigo para
os pobres
Primeiro Triunvirato
A ascensão de Júlio César
César torna-se
ditador
A conspiração do Senado
“Sede pacientes até o fim! Romanos, compatriotas e amigos!
(...). Se houver nesta assembléia algum amigo caro a César,
digo-lhe que o meu afeto por ele não é menor que o seu. Se
então esse amigo perguntar por que me levantei contra César,
esta é minha resposta: ‘Não que amasse menos César, porém
porque amava mais Roma’. Preferiríeis que César vivesse e
morrêsseis todos escravos, a [que] César morresse e
vivêsseis todos livres? César gostava de mim e eu choro por
ele; ele foi afortunado, eu me alegro; foi valente, eu o venero;
mas, como foi ambicioso, eu o matei”. (SHAKESPEARE, WiIiam).
O discurso de Brutus
Segundo Triunvirato
O Império de Otávio Augusto
Príncipe
(1º dos cidadãos)
Augusto
(venerado)
Imperador
(comandante do exército)
A Pax Romana
A estabilidade
política
O comércio no Império
A política do pão e circo
A sociedade romana apresentava grande disparidade entre
ricos e pobres, cidadãos, não cidadãos e escravos. Era uma
sociedade rigidamente estratificada. As mulheres,
possuíam alguns direitos, como a posse de
propriedades, mas eram geralmente
subordinada aos homens.
Aspectos sociais e culturais
As moradias
As termas Os anfiteatros
Os Aquedutos As estradas
A Religião Romana
O politeísmo
(Influência grega)
Divinização do
imperador
O advento do cristianismo
O Messias
Igualdade e
fraternidade
A ira dos
sacerdotes
A perseguição aos
cristãos
O monoteísmo
(contra o imperador)
A igualdade
(contra a escravidão)
Durante os séculos I e II d.C, Roma viveu uma época de
estabilidade. Mas, a partir do século III teve início uma
crise prolongada, resultante de fatores internos e
externos, que levou o Império à desagregação.
A crise do Império
Os fatores internos
Problemas econômicos
(administração e inflação)
As crises políticas
A crise do exército
O Cristianismo
O fator externo
As invasões
bárbaras
Germanos no Império
As migrações
As invasões
As consequências
Ruralização
Destruição das
cidades
O colonato
Soluções para a crise
A Tetrarquia de
Diocleciano
As Reformas de Constantino
A conversão
(Edito de Milão)
A nova
capital
A reformas de Teodósio
A oficialização
do cristianismo
A divisão do
Império
A Queda
A invasão
dos
hérulos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romanos monarquia e república
Romanos   monarquia e repúblicaRomanos   monarquia e república
Romanos monarquia e república
Fatima Freitas
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Pré história brasileira
Pré   história brasileiraPré   história brasileira
Pré história brasileira
Marcela Marangon Ribeiro
 
História (Roma)
História (Roma)História (Roma)
História (Roma)
Giorgia Marrone
 
África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Portal do Vestibulando
 
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Nefer19
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
Povos germânicos
Povos germânicosPovos germânicos
Povos germânicos
Eduard Henry
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
Paulo Alexandre
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
guest39d69919
 
Roma antiga
Roma  antigaRoma  antiga
Roma antiga
Luciana Soares
 
Roma Antiga - 6ºAno
Roma Antiga - 6ºAno Roma Antiga - 6ºAno
Roma Antiga - 6ºAno
Sant´Anna International School
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
harlissoncarvalho
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
cristianoperinpissolato
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
Fernando Fagundes
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
Isabel Aguiar
 

Mais procurados (20)

Romanos monarquia e república
Romanos   monarquia e repúblicaRomanos   monarquia e república
Romanos monarquia e república
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
 
Pré história brasileira
Pré   história brasileiraPré   história brasileira
Pré história brasileira
 
História (Roma)
História (Roma)História (Roma)
História (Roma)
 
África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
 
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Povos germânicos
Povos germânicosPovos germânicos
Povos germânicos
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Roma antiga
Roma  antigaRoma  antiga
Roma antiga
 
Roma Antiga - 6ºAno
Roma Antiga - 6ºAno Roma Antiga - 6ºAno
Roma Antiga - 6ºAno
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
 
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
 

Semelhante a Roma antiga

Davi raujo
Davi raujoDavi raujo
Davi raujo
Diene Araujo
 
K cidade espaço privilegiado para o exercício do poder político
K cidade   espaço privilegiado para o exercício do poder políticoK cidade   espaço privilegiado para o exercício do poder político
K cidade espaço privilegiado para o exercício do poder político
Marcia Fernandes
 
ROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdfROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdf
GEILSONJOSEDASILVA
 
Roma - República e início do Império
Roma - República e início do ImpérioRoma - República e início do Império
Roma - República e início do Império
Elaine Bogo Pavani
 
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
KellyCarvalho2011
 
Roma
RomaRoma
Roma
RomaRoma
Questao roma
Questao romaQuestao roma
Questao roma
Kerol Brombal
 
História grecia-roma
História   grecia-romaHistória   grecia-roma
História grecia-roma
Murilo Cisalpino
 
Slide - Diversões Romanas
Slide - Diversões RomanasSlide - Diversões Romanas
Slide - Diversões Romanas
PIBID HISTÓRIA
 
Roma 2020
Roma 2020Roma 2020
Roma 2020
Roma 2020Roma 2020
Roma Antiga Editado
Roma Antiga EditadoRoma Antiga Editado
Roma Antiga Editado
fernandacarolinestang
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Valeria Kosicki
 
Roma Clássica
Roma ClássicaRoma Clássica
Roma Clássica
Dênis Valério Martins
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Marcia Fernandes
 
JULIO CESAR- BIOGRAFIA
JULIO CESAR- BIOGRAFIAJULIO CESAR- BIOGRAFIA
JULIO CESAR- BIOGRAFIA
Guilherme Coelho
 
Aula I Imperio Romano
Aula I Imperio RomanoAula I Imperio Romano
Aula I Imperio Romano
guest12728e
 
Roma Antiga - Antiguidade Clássica II
Roma Antiga - Antiguidade Clássica IIRoma Antiga - Antiguidade Clássica II
Roma Antiga - Antiguidade Clássica II
Valéria Shoujofan
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Hope Anjo
 

Semelhante a Roma antiga (20)

Davi raujo
Davi raujoDavi raujo
Davi raujo
 
K cidade espaço privilegiado para o exercício do poder político
K cidade   espaço privilegiado para o exercício do poder políticoK cidade   espaço privilegiado para o exercício do poder político
K cidade espaço privilegiado para o exercício do poder político
 
ROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdfROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdf
 
Roma - República e início do Império
Roma - República e início do ImpérioRoma - República e início do Império
Roma - República e início do Império
 
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Questao roma
Questao romaQuestao roma
Questao roma
 
História grecia-roma
História   grecia-romaHistória   grecia-roma
História grecia-roma
 
Slide - Diversões Romanas
Slide - Diversões RomanasSlide - Diversões Romanas
Slide - Diversões Romanas
 
Roma 2020
Roma 2020Roma 2020
Roma 2020
 
Roma 2020
Roma 2020Roma 2020
Roma 2020
 
Roma Antiga Editado
Roma Antiga EditadoRoma Antiga Editado
Roma Antiga Editado
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Roma Clássica
Roma ClássicaRoma Clássica
Roma Clássica
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
JULIO CESAR- BIOGRAFIA
JULIO CESAR- BIOGRAFIAJULIO CESAR- BIOGRAFIA
JULIO CESAR- BIOGRAFIA
 
Aula I Imperio Romano
Aula I Imperio RomanoAula I Imperio Romano
Aula I Imperio Romano
 
Roma Antiga - Antiguidade Clássica II
Roma Antiga - Antiguidade Clássica IIRoma Antiga - Antiguidade Clássica II
Roma Antiga - Antiguidade Clássica II
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 

Mais de Rodrigo Luiz

Cultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na gréciaCultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na grécia
Rodrigo Luiz
 
Imperialismo do século xix
Imperialismo do século xixImperialismo do século xix
Imperialismo do século xix
Rodrigo Luiz
 
A contracultura
A contraculturaA contracultura
A contracultura
Rodrigo Luiz
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
Rodrigo Luiz
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Rodrigo Luiz
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Rodrigo Luiz
 
Atividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era VargasAtividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era Vargas
Rodrigo Luiz
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
Rodrigo Luiz
 
A américa pré colombiana
A américa pré colombianaA américa pré colombiana
A américa pré colombiana
Rodrigo Luiz
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
Rodrigo Luiz
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Rodrigo Luiz
 
Independência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaIndependência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesa
Rodrigo Luiz
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
Rodrigo Luiz
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Rodrigo Luiz
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Rodrigo Luiz
 
Primeira Guerra
Primeira GuerraPrimeira Guerra
Primeira Guerra
Rodrigo Luiz
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Rodrigo Luiz
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
Rodrigo Luiz
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
Rodrigo Luiz
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
Rodrigo Luiz
 

Mais de Rodrigo Luiz (20)

Cultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na gréciaCultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na grécia
 
Imperialismo do século xix
Imperialismo do século xixImperialismo do século xix
Imperialismo do século xix
 
A contracultura
A contraculturaA contracultura
A contracultura
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Atividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era VargasAtividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era Vargas
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
 
A américa pré colombiana
A américa pré colombianaA américa pré colombiana
A américa pré colombiana
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Independência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaIndependência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesa
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Primeira Guerra
Primeira GuerraPrimeira Guerra
Primeira Guerra
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 

Último

Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 

Último (20)

Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 

Roma antiga

  • 1. Para ganhar o povo, o candidato deve conhecer os eleitores pelo nome, bajulá-los, ser generoso e dar-lhes a esperança de um emprego no governo. Talvez sua renda não possa atingir todo o eleitorado, mas seus amigos podem ajudá-lo a agradar a plebe. Faça com que os eleitores pensem que você os conhece, que se dirige a eles pelo seu nome, que você é generoso e aberto, que mesmo antes do amanhecer sua casa está cheia de amigos, que todas as classes são suas aliadas, que você fez promessas para todo mundo e que as cumpriu para a maior parte das pessoas. Notas sobre as eleições Marco Túlio
  • 2. As práticas políticas na Antiga Roma remetem às atuais. Essas palavras de Cícero (106 – 43 a.C) revelam: a) a concessão de favores, por parte dos eleitores, para cativar os candidatos. b) a necessidade de coagir o eleitorado para conseguir seu apoio. c) o desinteresse da população diante do poder econômico dos candidatos. d) a existência de relações clientelistas entre eleitores e candidatos. e) a pequena importância das relações pessoais para o sucesso nas eleições.
  • 5. Os Gêmeos Rômulo e Remo A origem lendária
  • 6. Monarquia (753 a.C - 509 a.C) República (509 a.C - 27 a.C) Império (27 a.C - 476 d.C) Os períodos históricos
  • 10. A República Romana Com a instalação da República em Roma, os patrícios passaram a monopolizar o poder, reservando para si os principais cargos políticos; o governo romano passou a ser exercido por magistrados, pelo senado e por assembleias.
  • 11. As Instituições da República
  • 12. Os plebeus pagavam impostos e serviam ao exército Os plebeus eram excluídos da participação política O casamento entre plebeus e patrícios era proibido Os plebeus estavam sujeitos a escravidão por dívidas As lutas sociais: plebeus x patrícios
  • 13. Os Tribunos da Plebe Lei das 12 Tábuas Lei Canuléia Lei Licínia As primeiras conquistas
  • 14. A expansão romana As Guerras Púnicas
  • 16. O enriquecimento do Estado Fortalecimento dos cavaleiros Os latifúndios escravistas Mudanças sociais e econômicas
  • 17. Região População total Nº de escravos Porcentagem de escravos Roma em 225 a.C 4.000.000 600.000 15% Roma em 31 a.C 6.000.000 2.000.000 33% Roma: uma sociedade escravista
  • 18. Os escravos em Roma eram pessoas de diversas origens: europeus, asiáticos e africanos, que trabalhavam em minas, pedreiras, atividades agropastoris e serviços domésticos. Trabalhavam ainda como médicos, dançarinos e professores. Na Roma antiga os escravos poderiam ser surrados, queimados com ferro em brasa e, até mesmo crucificados. A escravidão romana, no entanto, não se baseava apenas na violência. Um escravo poderia obter a liberdade por serviços prestados. E, uma vez livre, podia tornar-se cidadão. A escravidão em Roma
  • 19. (Enem) O fenômeno da escravidão é algo muito antigo e acompanhou a história da Antiguidade até o século XIX. Todavia, percebe-se que tanto o status quanto o tratamento dos escravos variavam muito da Antiguidade greco-romana até o século XIX em questões ligadas à divisão do trabalho. As variações mencionadas dizem respeito a) Ao caráter étnico da escravidão antiga, pois certas etnias eram escravizadas em virtude de preconceitos sociais. b) À especialização do trabalho escravo na Antiguidade, pois certos ofícios de prestígio eram frequentemente realizados por escravos. c) Ao uso dos escravos para a atividade agroexportadora, tanto na Antiguidade quanto no mundo moderno, pois o caráter étnico determinou a diversidade de tratamento. d) À absoluta desqualificação dos escravos para trabalhos mais sofisticados e à violência em seu tratamento, independentemente das questões étnicas. e) Ao aspecto étnico presente em todas as formas de escravidão, pois o escravo era, na Antiguidade greco-romana, como no mundo moderno, considerado uma raça inferior.
  • 20. A luta pela terra A divisão do espólio Os latifúndios Êxodo rural
  • 21. As reformas de Tibério e Caio Limite para os latifúndios Reforma agrária Trigo para os pobres
  • 23. A ascensão de Júlio César César torna-se ditador
  • 25. “Sede pacientes até o fim! Romanos, compatriotas e amigos! (...). Se houver nesta assembléia algum amigo caro a César, digo-lhe que o meu afeto por ele não é menor que o seu. Se então esse amigo perguntar por que me levantei contra César, esta é minha resposta: ‘Não que amasse menos César, porém porque amava mais Roma’. Preferiríeis que César vivesse e morrêsseis todos escravos, a [que] César morresse e vivêsseis todos livres? César gostava de mim e eu choro por ele; ele foi afortunado, eu me alegro; foi valente, eu o venero; mas, como foi ambicioso, eu o matei”. (SHAKESPEARE, WiIiam). O discurso de Brutus
  • 27. O Império de Otávio Augusto Príncipe (1º dos cidadãos) Augusto (venerado) Imperador (comandante do exército)
  • 28. A Pax Romana A estabilidade política
  • 29. O comércio no Império
  • 30. A política do pão e circo
  • 31. A sociedade romana apresentava grande disparidade entre ricos e pobres, cidadãos, não cidadãos e escravos. Era uma sociedade rigidamente estratificada. As mulheres, possuíam alguns direitos, como a posse de propriedades, mas eram geralmente subordinada aos homens. Aspectos sociais e culturais
  • 33. As termas Os anfiteatros
  • 34. Os Aquedutos As estradas
  • 35. A Religião Romana O politeísmo (Influência grega) Divinização do imperador
  • 36. O advento do cristianismo O Messias Igualdade e fraternidade A ira dos sacerdotes
  • 37. A perseguição aos cristãos O monoteísmo (contra o imperador) A igualdade (contra a escravidão)
  • 38. Durante os séculos I e II d.C, Roma viveu uma época de estabilidade. Mas, a partir do século III teve início uma crise prolongada, resultante de fatores internos e externos, que levou o Império à desagregação. A crise do Império
  • 39. Os fatores internos Problemas econômicos (administração e inflação) As crises políticas A crise do exército O Cristianismo
  • 40. O fator externo As invasões bárbaras
  • 41. Germanos no Império As migrações As invasões
  • 43. Soluções para a crise A Tetrarquia de Diocleciano
  • 44. As Reformas de Constantino A conversão (Edito de Milão) A nova capital
  • 45. A reformas de Teodósio A oficialização do cristianismo A divisão do Império