SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 65
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Durante as Grandes Navegações, os europeus contornaram a África,Durante as Grandes Navegações, os europeus contornaram a África,
estabeleceram novas rotas comerciais com o Oriente, chegaram asestabeleceram novas rotas comerciais com o Oriente, chegaram as
Américas e contornaram o mundo.Américas e contornaram o mundo.
O Mar TenebrosoO Mar Tenebroso
No início da Idade Moderna, os europeus pouco conheciam sobre oNo início da Idade Moderna, os europeus pouco conheciam sobre o
oceano Atlântico,que eles chamavam de Mar Tenebroso. Em regra asoceano Atlântico,que eles chamavam de Mar Tenebroso. Em regra as
embarcações navegavam margeando a costa e evitavam o alto mar.embarcações navegavam margeando a costa e evitavam o alto mar.
Os perigos reaisOs perigos reais
No século XVI 10% da tripulação não terminava a viagem. MorriamNo século XVI 10% da tripulação não terminava a viagem. Morriam
por doenças ou acidentes. As doenças mais temidas eram apor doenças ou acidentes. As doenças mais temidas eram a
disenteria,disenteria, causada pela água poluída e as febres, causadas porcausada pela água poluída e as febres, causadas por
resfriadosresfriados ee pneumoniaspneumonias No século XVI, o escorbuto não era tãoNo século XVI, o escorbuto não era tão
grave, porque os barcos paravam muito. Mas os piratas passaram agrave, porque os barcos paravam muito. Mas os piratas passaram a
esperar os navios e no século seguinte a norma era passar até 6esperar os navios e no século seguinte a norma era passar até 6
meses sem desembarcar, aumentando as doenças. No século XVII,meses sem desembarcar, aumentando as doenças. No século XVII,
morriam entre 20% e 25% dos navegantes.morriam entre 20% e 25% dos navegantes.
Os perigos imagináriosOs perigos imaginários
Também acreditava-seTambém acreditava-se
que o oceano Atlânticoque o oceano Atlântico
fosse formado por águafosse formado por água
fervente, precipícios efervente, precipícios e
povoado por monstros.povoado por monstros.
  
Os abismosOs abismos
A água ferventeA água fervente
Motivações econômicasMotivações econômicas
No séc. XV, era intenso o comércio de produtos do Oriente: asNo séc. XV, era intenso o comércio de produtos do Oriente: as
especiariasespeciarias. Esses produtos eram trazidos do Oriente pelos árabes. Esses produtos eram trazidos do Oriente pelos árabes
até o Mediterrâneo, onde eram comprados pelos mercadores daaté o Mediterrâneo, onde eram comprados pelos mercadores da
península Itálica, que os revendiam. Esse monopólio encarecia ospenínsula Itálica, que os revendiam. Esse monopólio encarecia os
artigos orientais e os comerciantes de outras regiões procuravam noartigos orientais e os comerciantes de outras regiões procuravam no
Atlântico a saída para esse entrave.Atlântico a saída para esse entrave.
As especiariasAs especiarias
As especiarias eram vegetais, como pimenta, cravo, gengibre, noz-As especiarias eram vegetais, como pimenta, cravo, gengibre, noz-
moscada, açafrão e canela. Eram utilizadas na composição demoscada, açafrão e canela. Eram utilizadas na composição de
remédios; como tempero ajudando na conservação dos alimentos,remédios; como tempero ajudando na conservação dos alimentos,
sobretudo das carnes; na fabricação de corantes. Eram usadassobretudo das carnes; na fabricação de corantes. Eram usadas
também na preparação de perfumes e cosméticos.também na preparação de perfumes e cosméticos.
As especiariasAs especiarias
O monopólio comercial italianoO monopólio comercial italiano
1. Busca por novas rotas de comerciais1. Busca por novas rotas de comerciais
2. Busca por metais preciosos2. Busca por metais preciosos
A expansão comercial aumentou a necessidade de metais preciososA expansão comercial aumentou a necessidade de metais preciosos
para a cunhagem de moedas. Parte do ouro e da prata existentes napara a cunhagem de moedas. Parte do ouro e da prata existentes na
Europa era destinada ao pagamento de mercadorias no comércioEuropa era destinada ao pagamento de mercadorias no comércio
com o Oriente. Por isso, os dois metais se tomaram escassos.com o Oriente. Por isso, os dois metais se tomaram escassos.
A expansão do cristianismoA expansão do cristianismo
Trecho da Carta de CaminhaTrecho da Carta de Caminha
““Esta terra, senhor, é muito formosa. Nela até agora não podemosEsta terra, senhor, é muito formosa. Nela até agora não podemos
saber se hajasaber se haja ouro, prataouro, prata ou outra coisa de metal; porém a terra é deou outra coisa de metal; porém a terra é de
bons ares; as águas são muitas; em tal maneira é graciosa, que,bons ares; as águas são muitas; em tal maneira é graciosa, que,
querendo-a aproveitar, dar-se-á nela de tudo; porém o melhor fruto,querendo-a aproveitar, dar-se-á nela de tudo; porém o melhor fruto,
que nela se pode tirar me parece que seráque nela se pode tirar me parece que será salvar esta gentesalvar esta gente..””
(Carta de Pero Vaz de Caminha)(Carta de Pero Vaz de Caminha)
Os progressos técnicos e científicosOs progressos técnicos e científicos
►►Também contribuíram para as conquistas marítimas os avanços das técnicasTambém contribuíram para as conquistas marítimas os avanços das técnicas
de navegação e outros conhecimentos científicos alcançados no século XV.de navegação e outros conhecimentos científicos alcançados no século XV.
1.A bússola1.A bússola
2. O astrolábio2. O astrolábio
3. As caravelas3. As caravelas
Réplica daRéplica da
Santa MariaSanta Maria
Réplica da Nau CapitâniaRéplica da Nau Capitânia
Interior da Nau CapitâniaInterior da Nau Capitânia
4. O desenvolvimento da cartografia4. O desenvolvimento da cartografia
Mapa mundi de Henricus Martellus (1489-90)Mapa mundi de Henricus Martellus (1489-90)
Mapa Mundi – 1507Mapa Mundi – 1507   (Martin Waldseemuller -(Martin Waldseemuller -
encontrado em um castelo da Alemanha)encontrado em um castelo da Alemanha)
O imaginário europeuO imaginário europeu
A visão de mundo europeia da época, era caracterizada pelo pensamentoA visão de mundo europeia da época, era caracterizada pelo pensamento
medieval, influenciado pela religião e pelas superstições. Concebiam amedieval, influenciado pela religião e pelas superstições. Concebiam a
existência de maravilhas no mundo, uma espécie de paraíso terrestre. Nesteexistência de maravilhas no mundo, uma espécie de paraíso terrestre. Neste
ponto, destaca-se a influência dos relatos dos viajantes da época queponto, destaca-se a influência dos relatos dos viajantes da época que
mesclavam realidade e fantasia.mesclavam realidade e fantasia.
  
  
Marco Polo: O Livro das MaravilhasMarco Polo: O Livro das Maravilhas
Um trecho do Livro das MaravilhasUm trecho do Livro das Maravilhas
““O rei construiu , num vale, o jardim mais belo que já se viu. NoO rei construiu , num vale, o jardim mais belo que já se viu. No
centro havia uma fonte, com muitas bicas, de onde jorravamcentro havia uma fonte, com muitas bicas, de onde jorravam
vinho, leite, mel e água. Havia nesse jardim as donzelas maisvinho, leite, mel e água. Havia nesse jardim as donzelas mais
belas do mundo; que sabiam tocar todos os instrumentos ebelas do mundo; que sabiam tocar todos os instrumentos e
cantavam como os anjos. E todos acreditavam que aquele reinocantavam como os anjos. E todos acreditavam que aquele reino
era o paraíso”.era o paraíso”.
Marco Polo. Livro das MaravilhasMarco Polo. Livro das Maravilhas
Visões do paraíso: a natureza exuberanteVisões do paraíso: a natureza exuberante
Os animais exóticosOs animais exóticos
O mito do Eldorado perdidoO mito do Eldorado perdido
O pioneirismo portuguêsO pioneirismo português
A que se deveu o pioneirismo português nas Grandes Navegações? PorA que se deveu o pioneirismo português nas Grandes Navegações? Por
que foi possível a esse pequeno país lançar-se ao Atlântico e construirque foi possível a esse pequeno país lançar-se ao Atlântico e construir
um império transoceânico muito antes que outros reinos maiores e maisum império transoceânico muito antes que outros reinos maiores e mais
poderosos?poderosos?
1. O país era um entreposto comercial1. O país era um entreposto comercial
2. A centralização política precoce2. A centralização política precoce
.
Burguesia Nobreza
3. Conhecimentos técnicos3. Conhecimentos técnicos
As navegações portuguesasAs navegações portuguesas
ObjetivoObjetivo →→ descobrir uma nova rota para as Índias contornado a África.descobrir uma nova rota para as Índias contornado a África.
1. A conquista de Ceuta (1415)1. A conquista de Ceuta (1415)
2. Ocupação das ilhas de Açores e Madeira (1425-1427)2. Ocupação das ilhas de Açores e Madeira (1425-1427)
..
Aí, Portugal realizouAí, Portugal realizou
uma experiência deuma experiência de
colonização implantandocolonização implantando
a cultivo de cana-de-a cultivo de cana-de-
açúcaraçúcar
3. Gil Eanes ultrapassa o Cabo Bojador-14343. Gil Eanes ultrapassa o Cabo Bojador-1434
A superação do CaboA superação do Cabo
Bojador, foi importanteBojador, foi importante
para Portugal, já quepara Portugal, já que
vários navegadoresvários navegadores
naufragaram nesse local.naufragaram nesse local.
4. Expansão pelo litoral africano4. Expansão pelo litoral africano
No litoral africano osNo litoral africano os
portugueses obtinhamportugueses obtinham
pimentapimenta,, ouroouro ee
marfimmarfim. Também. Também
deram início ao traficoderam início ao trafico
dede escravosescravos africanosafricanos
para as ilhas dopara as ilhas do
Atlântico e para aAtlântico e para a
Europa.Europa.
5. Bartolomeu Dias no Cabo das Tormentas(1488)5. Bartolomeu Dias no Cabo das Tormentas(1488)
6. A viagem de Vasco da Gama (1498)6. A viagem de Vasco da Gama (1498)
7. A viagem de Pedro Álvares Cabral (1500)7. A viagem de Pedro Álvares Cabral (1500)
As navegações espanholasAs navegações espanholas
Embora os espanhóis já tivessem, no início do século XV, tomado posseEmbora os espanhóis já tivessem, no início do século XV, tomado posse
das ilhas Canárias, no oceano Atlântico, sua expansão marítima sódas ilhas Canárias, no oceano Atlântico, sua expansão marítima só
começou efetivamente em 1492, após a expulsão dos muçulmanos dacomeçou efetivamente em 1492, após a expulsão dos muçulmanos da
península Ibérica.península Ibérica.
A viagem de Colombo (1492)A viagem de Colombo (1492)
PtolomeuPtolomeu
Séc.IISéc.II
Objetivo → Colombo queria navegar na direção oeste para atingir o leste.
Analisando um mapa atualAnalisando um mapa atual
Colombo chega à AméricaColombo chega à América
A viagem de Fernão de Magalhães e Sebastião ElcanoA viagem de Fernão de Magalhães e Sebastião Elcano (1519-1522)(1519-1522)
Américo VespúcioAmérico Vespúcio
Navegando pela costa daNavegando pela costa da
América do Sul, em 1501,América do Sul, em 1501,
Vespúcio verificou que asVespúcio verificou que as
terras se estendiam porterras se estendiam por
demais ao sul, indicando quedemais ao sul, indicando que
não poderia ser a Ásia, masnão poderia ser a Ásia, mas
umum Novo Mundo.Novo Mundo.
Carta de Américo Vespúcio, escrita a Lourenço deCarta de Américo Vespúcio, escrita a Lourenço de
Médici em 1503.Médici em 1503.
"Dias passados te escrevi da minha volta daqueles novos países, os"Dias passados te escrevi da minha volta daqueles novos países, os
quais com a armada do rei de Portugal descobrimos; os quais Novoquais com a armada do rei de Portugal descobrimos; os quais Novo
Mundo chamar é lícito.Esta minha última navegação atestou, vistoMundo chamar é lícito.Esta minha última navegação atestou, visto
que naquelas regiões meridionais o continente descobri, habitado deque naquelas regiões meridionais o continente descobri, habitado de
mais povos e animais que a nossa Europa, ou Ásia, ou África, emais povos e animais que a nossa Europa, ou Ásia, ou África, e
ainda o ar mais temperado e ameno que em outras regiões de nósainda o ar mais temperado e ameno que em outras regiões de nós
conhecidas, como mais abaixo saberás [... ]."conhecidas, como mais abaixo saberás [... ]."
Mapa MundiMapa Mundi  de  de Martin Waldseemuller - 1507Martin Waldseemuller - 1507
Detalhe do mapa de Waldseemuller - a certidão deDetalhe do mapa de Waldseemuller - a certidão de
batismo da Américabatismo da América
A divisão das novas terrasA divisão das novas terras
Navegações francesas, inglesas e holandesasNavegações francesas, inglesas e holandesas
►►Descontentes com o acordo de Tordesilhas, Inglaterra, França e HolandaDescontentes com o acordo de Tordesilhas, Inglaterra, França e Holanda
atuaram contra as colônias e os navios ibéricos.atuaram contra as colônias e os navios ibéricos.
Contestando o acordo de Tordesilhas, o rei da França, Francisco I, declarou:Contestando o acordo de Tordesilhas, o rei da França, Francisco I, declarou:
"Gostaria de ver o testamento de Adão para saber de que forma"Gostaria de ver o testamento de Adão para saber de que forma
este dividira o mundo".este dividira o mundo".
A piratariaA pirataria
Mas o mar não tinha dono. Para pilhar as riquezas portuguesas eMas o mar não tinha dono. Para pilhar as riquezas portuguesas e
espanholas, os reis da França, Inglaterra e Holanda armavam poderososespanholas, os reis da França, Inglaterra e Holanda armavam poderosos
navios e colocavam-nos nas mãos de capitães experientes. Eles recebiamnavios e colocavam-nos nas mãos de capitães experientes. Eles recebiam
uma Carta de Corso autorizando os ataques.uma Carta de Corso autorizando os ataques.
Barbarossa ouBarbarossa ou
Barba-RuivaBarba-Ruiva
Barbarossa foi o nomeBarbarossa foi o nome
dado a dois piratasdado a dois piratas
turcos (Aruj e Hizir).turcos (Aruj e Hizir).
Sua base era na ÁfricaSua base era na África
e eles atacavam váriase eles atacavam várias
cidades costeiras.cidades costeiras.
Sir Francis DrakeSir Francis Drake
Navegava pelasNavegava pelas
águas do Caribeáguas do Caribe
saqueando os naviossaqueando os navios
espanhóis. Recebeuespanhóis. Recebeu
o título de Sir dao título de Sir da
rainha Elizabeth I .rainha Elizabeth I .
As navegações pelo Atlântico NorteAs navegações pelo Atlântico Norte
Também interessados em descobrir novos caminhos para a Índia,Também interessados em descobrir novos caminhos para a Índia,
franceses, ingleses e holandeses lançaram-se às navegaçõesfranceses, ingleses e holandeses lançaram-se às navegações
marítimas, concentrando-se no Atlântico Norte, pois os ibéricos jámarítimas, concentrando-se no Atlântico Norte, pois os ibéricos já
se dedicavam às rotas do Atlântico Sul.se dedicavam às rotas do Atlântico Sul.
Jacques Cartier (1534)Jacques Cartier (1534)
Detalhe do Golfo de São LourençoDetalhe do Golfo de São Lourenço
Henry Hudson (1550 -1611)Henry Hudson (1550 -1611)
Hudson foi um navegador inglês que seHudson foi um navegador inglês que se
dedicou a descobrir um caminho marítimodedicou a descobrir um caminho marítimo
para Oriente, navegando pelo Norte.para Oriente, navegando pelo Norte.
O mapa seguinte mostra as duasO mapa seguinte mostra as duas
principais viagens de Hudson.principais viagens de Hudson.
Detalhes das viagens de Henry HudsonDetalhes das viagens de Henry Hudson
Detalhe da Baía de New YorkDetalhe da Baía de New York
Consequências das Grandes NavegaçõesConsequências das Grandes Navegações
▪▪ Expansão comercialExpansão comercial →→ além de colocar no mercado europeualém de colocar no mercado europeu
quantidades inusitadas de mercadorias, o novo comércio estabeleceu umquantidades inusitadas de mercadorias, o novo comércio estabeleceu um
intercâmbio sem precedentes entre os continentes. O mundo começava aintercâmbio sem precedentes entre os continentes. O mundo começava a
ser unificado pelo comércio.ser unificado pelo comércio.
Decadência da Rota do MediterrâneoDecadência da Rota do Mediterrâneo
A partir desse momento, a rota do Mediterrâneo entrou em decadência,A partir desse momento, a rota do Mediterrâneo entrou em decadência,
juntamente com as cidades mercantes da península Itálica. Portugal alçou-sejuntamente com as cidades mercantes da península Itálica. Portugal alçou-se
ao primeiro plano entre os Estados europeusao primeiro plano entre os Estados europeus

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilGeová da Silva
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasilhenrique.jay
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Isabela Espíndola
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilRogerio Alves
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Edenilson Morais
 
A Divisão da História (2017) - 6º Ano
A Divisão da História (2017) - 6º AnoA Divisão da História (2017) - 6º Ano
A Divisão da História (2017) - 6º AnoNefer19
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegaçõesJanayna Lira
 
Os incas
Os incasOs incas
Os incasedna2
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IIsabel Aguiar
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoPaulo Alexandre
 
Conquista e colonização da América
Conquista e colonização da AméricaConquista e colonização da América
Conquista e colonização da AméricaElton Zanoni
 
CONTEXTO POLÍTICO, ECONÔMICO, SOCIAL E CULTURAL DO BRASIL DO BRASIL NO SÉCULO...
CONTEXTO POLÍTICO, ECONÔMICO, SOCIAL E CULTURAL DO BRASIL DO BRASIL NO SÉCULO...CONTEXTO POLÍTICO, ECONÔMICO, SOCIAL E CULTURAL DO BRASIL DO BRASIL NO SÉCULO...
CONTEXTO POLÍTICO, ECONÔMICO, SOCIAL E CULTURAL DO BRASIL DO BRASIL NO SÉCULO...Reginaldo Nobrega
 

Mais procurados (20)

Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
Colonização do Brasil
Colonização do BrasilColonização do Brasil
Colonização do Brasil
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
 
As Grandes Navegações
As Grandes NavegaçõesAs Grandes Navegações
As Grandes Navegações
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Expansão territorial
Expansão territorialExpansão territorial
Expansão territorial
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
A Divisão da História (2017) - 6º Ano
A Divisão da História (2017) - 6º AnoA Divisão da História (2017) - 6º Ano
A Divisão da História (2017) - 6º Ano
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
 
Os incas
Os incasOs incas
Os incas
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO I
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismo
 
Conquista e colonização da América
Conquista e colonização da AméricaConquista e colonização da América
Conquista e colonização da América
 
A china antiga
A china antigaA china antiga
A china antiga
 
CONTEXTO POLÍTICO, ECONÔMICO, SOCIAL E CULTURAL DO BRASIL DO BRASIL NO SÉCULO...
CONTEXTO POLÍTICO, ECONÔMICO, SOCIAL E CULTURAL DO BRASIL DO BRASIL NO SÉCULO...CONTEXTO POLÍTICO, ECONÔMICO, SOCIAL E CULTURAL DO BRASIL DO BRASIL NO SÉCULO...
CONTEXTO POLÍTICO, ECONÔMICO, SOCIAL E CULTURAL DO BRASIL DO BRASIL NO SÉCULO...
 

Semelhante a Grandes navegações

Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaIsabel Aguiar
 
15° expansão marítima e comercial europeia
15° expansão marítima e comercial europeia15° expansão marítima e comercial europeia
15° expansão marítima e comercial europeiaAjudar Pessoas
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítimasamuelbaiano
 
Visita de estudo ao World of Discoveries
Visita de estudo ao World of DiscoveriesVisita de estudo ao World of Discoveries
Visita de estudo ao World of DiscoveriesTeresa Calisto
 
Visita de estudo ao World of Discoveries
Visita de estudo ao World of DiscoveriesVisita de estudo ao World of Discoveries
Visita de estudo ao World of DiscoveriesTeresa Calisto
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmoscattonia
 
As condições da prioridade portuguesa
As condições da prioridade portuguesaAs condições da prioridade portuguesa
As condições da prioridade portuguesaMaria Gomes
 
As condições da expansão portuguesa
As condições da expansão portuguesaAs condições da expansão portuguesa
As condições da expansão portuguesaMaria Gomes
 
Condições da expansão portuguesa
Condições da expansão portuguesaCondições da expansão portuguesa
Condições da expansão portuguesaMaria Gomes
 
Expansão comercial marítima Europeia - www.carloszaranza.com
Expansão comercial  marítima Europeia - www.carloszaranza.comExpansão comercial  marítima Europeia - www.carloszaranza.com
Expansão comercial marítima Europeia - www.carloszaranza.comCarlos Zaranza
 
A expansao Portuguesa
A expansao PortuguesaA expansao Portuguesa
A expansao Portuguesasandrabranco
 
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02borgia
 
Expansao portuguesa
Expansao portuguesaExpansao portuguesa
Expansao portuguesatelmascapelo
 
A prioridade portuguesa na expansão
A prioridade portuguesa na expansãoA prioridade portuguesa na expansão
A prioridade portuguesa na expansãoMaria Gomes
 

Semelhante a Grandes navegações (20)

Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeia
 
As grandes navegações século xv
As grandes navegações século xvAs grandes navegações século xv
As grandes navegações século xv
 
A expansão portuguesa
A expansão portuguesaA expansão portuguesa
A expansão portuguesa
 
15° expansão marítima e comercial europeia
15° expansão marítima e comercial europeia15° expansão marítima e comercial europeia
15° expansão marítima e comercial europeia
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
Visita de estudo ao World of Discoveries
Visita de estudo ao World of DiscoveriesVisita de estudo ao World of Discoveries
Visita de estudo ao World of Discoveries
 
Visita de estudo ao World of Discoveries
Visita de estudo ao World of DiscoveriesVisita de estudo ao World of Discoveries
Visita de estudo ao World of Discoveries
 
His vsh 7
His vsh 7His vsh 7
His vsh 7
 
A india
A indiaA india
A india
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
As condições da prioridade portuguesa
As condições da prioridade portuguesaAs condições da prioridade portuguesa
As condições da prioridade portuguesa
 
As condições da expansão portuguesa
As condições da expansão portuguesaAs condições da expansão portuguesa
As condições da expansão portuguesa
 
Condições da expansão portuguesa
Condições da expansão portuguesaCondições da expansão portuguesa
Condições da expansão portuguesa
 
Expansão comercial marítima Europeia - www.carloszaranza.com
Expansão comercial  marítima Europeia - www.carloszaranza.comExpansão comercial  marítima Europeia - www.carloszaranza.com
Expansão comercial marítima Europeia - www.carloszaranza.com
 
A expansao Portuguesa
A expansao PortuguesaA expansao Portuguesa
A expansao Portuguesa
 
Expansão Marítima Européia
Expansão Marítima EuropéiaExpansão Marítima Européia
Expansão Marítima Européia
 
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
 
Expansao portuguesa
Expansao portuguesaExpansao portuguesa
Expansao portuguesa
 
A expansao portuguesa
A expansao portuguesaA expansao portuguesa
A expansao portuguesa
 
A prioridade portuguesa na expansão
A prioridade portuguesa na expansãoA prioridade portuguesa na expansão
A prioridade portuguesa na expansão
 

Mais de Rodrigo Luiz

Cultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na gréciaCultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na gréciaRodrigo Luiz
 
Imperialismo do século xix
Imperialismo do século xixImperialismo do século xix
Imperialismo do século xixRodrigo Luiz
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução ChinesaRodrigo Luiz
 
Atividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era VargasAtividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era VargasRodrigo Luiz
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoRodrigo Luiz
 
A américa pré colombiana
A américa pré colombianaA américa pré colombiana
A américa pré colombianaRodrigo Luiz
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da ÁsiaRodrigo Luiz
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrialRodrigo Luiz
 
Independência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaIndependência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaRodrigo Luiz
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXRodrigo Luiz
 

Mais de Rodrigo Luiz (20)

Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Cultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na gréciaCultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na grécia
 
Imperialismo do século xix
Imperialismo do século xixImperialismo do século xix
Imperialismo do século xix
 
A contracultura
A contraculturaA contracultura
A contracultura
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Atividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era VargasAtividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era Vargas
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
 
A américa pré colombiana
A américa pré colombianaA américa pré colombiana
A américa pré colombiana
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Independência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaIndependência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesa
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Primeira Guerra
Primeira GuerraPrimeira Guerra
Primeira Guerra
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 

Último

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 

Último (20)

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 

Grandes navegações

  • 1. Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia Durante as Grandes Navegações, os europeus contornaram a África,Durante as Grandes Navegações, os europeus contornaram a África, estabeleceram novas rotas comerciais com o Oriente, chegaram asestabeleceram novas rotas comerciais com o Oriente, chegaram as Américas e contornaram o mundo.Américas e contornaram o mundo.
  • 2. O Mar TenebrosoO Mar Tenebroso No início da Idade Moderna, os europeus pouco conheciam sobre oNo início da Idade Moderna, os europeus pouco conheciam sobre o oceano Atlântico,que eles chamavam de Mar Tenebroso. Em regra asoceano Atlântico,que eles chamavam de Mar Tenebroso. Em regra as embarcações navegavam margeando a costa e evitavam o alto mar.embarcações navegavam margeando a costa e evitavam o alto mar.
  • 3. Os perigos reaisOs perigos reais No século XVI 10% da tripulação não terminava a viagem. MorriamNo século XVI 10% da tripulação não terminava a viagem. Morriam por doenças ou acidentes. As doenças mais temidas eram apor doenças ou acidentes. As doenças mais temidas eram a disenteria,disenteria, causada pela água poluída e as febres, causadas porcausada pela água poluída e as febres, causadas por resfriadosresfriados ee pneumoniaspneumonias No século XVI, o escorbuto não era tãoNo século XVI, o escorbuto não era tão grave, porque os barcos paravam muito. Mas os piratas passaram agrave, porque os barcos paravam muito. Mas os piratas passaram a esperar os navios e no século seguinte a norma era passar até 6esperar os navios e no século seguinte a norma era passar até 6 meses sem desembarcar, aumentando as doenças. No século XVII,meses sem desembarcar, aumentando as doenças. No século XVII, morriam entre 20% e 25% dos navegantes.morriam entre 20% e 25% dos navegantes.
  • 4. Os perigos imagináriosOs perigos imaginários Também acreditava-seTambém acreditava-se que o oceano Atlânticoque o oceano Atlântico fosse formado por águafosse formado por água fervente, precipícios efervente, precipícios e povoado por monstros.povoado por monstros.   
  • 5.
  • 7.
  • 8. A água ferventeA água fervente
  • 9. Motivações econômicasMotivações econômicas No séc. XV, era intenso o comércio de produtos do Oriente: asNo séc. XV, era intenso o comércio de produtos do Oriente: as especiariasespeciarias. Esses produtos eram trazidos do Oriente pelos árabes. Esses produtos eram trazidos do Oriente pelos árabes até o Mediterrâneo, onde eram comprados pelos mercadores daaté o Mediterrâneo, onde eram comprados pelos mercadores da península Itálica, que os revendiam. Esse monopólio encarecia ospenínsula Itálica, que os revendiam. Esse monopólio encarecia os artigos orientais e os comerciantes de outras regiões procuravam noartigos orientais e os comerciantes de outras regiões procuravam no Atlântico a saída para esse entrave.Atlântico a saída para esse entrave.
  • 10. As especiariasAs especiarias As especiarias eram vegetais, como pimenta, cravo, gengibre, noz-As especiarias eram vegetais, como pimenta, cravo, gengibre, noz- moscada, açafrão e canela. Eram utilizadas na composição demoscada, açafrão e canela. Eram utilizadas na composição de remédios; como tempero ajudando na conservação dos alimentos,remédios; como tempero ajudando na conservação dos alimentos, sobretudo das carnes; na fabricação de corantes. Eram usadassobretudo das carnes; na fabricação de corantes. Eram usadas também na preparação de perfumes e cosméticos.também na preparação de perfumes e cosméticos.
  • 12. O monopólio comercial italianoO monopólio comercial italiano
  • 13. 1. Busca por novas rotas de comerciais1. Busca por novas rotas de comerciais
  • 14. 2. Busca por metais preciosos2. Busca por metais preciosos A expansão comercial aumentou a necessidade de metais preciososA expansão comercial aumentou a necessidade de metais preciosos para a cunhagem de moedas. Parte do ouro e da prata existentes napara a cunhagem de moedas. Parte do ouro e da prata existentes na Europa era destinada ao pagamento de mercadorias no comércioEuropa era destinada ao pagamento de mercadorias no comércio com o Oriente. Por isso, os dois metais se tomaram escassos.com o Oriente. Por isso, os dois metais se tomaram escassos.
  • 15. A expansão do cristianismoA expansão do cristianismo
  • 16. Trecho da Carta de CaminhaTrecho da Carta de Caminha ““Esta terra, senhor, é muito formosa. Nela até agora não podemosEsta terra, senhor, é muito formosa. Nela até agora não podemos saber se hajasaber se haja ouro, prataouro, prata ou outra coisa de metal; porém a terra é deou outra coisa de metal; porém a terra é de bons ares; as águas são muitas; em tal maneira é graciosa, que,bons ares; as águas são muitas; em tal maneira é graciosa, que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela de tudo; porém o melhor fruto,querendo-a aproveitar, dar-se-á nela de tudo; porém o melhor fruto, que nela se pode tirar me parece que seráque nela se pode tirar me parece que será salvar esta gentesalvar esta gente..”” (Carta de Pero Vaz de Caminha)(Carta de Pero Vaz de Caminha)
  • 17. Os progressos técnicos e científicosOs progressos técnicos e científicos ►►Também contribuíram para as conquistas marítimas os avanços das técnicasTambém contribuíram para as conquistas marítimas os avanços das técnicas de navegação e outros conhecimentos científicos alcançados no século XV.de navegação e outros conhecimentos científicos alcançados no século XV. 1.A bússola1.A bússola
  • 18. 2. O astrolábio2. O astrolábio
  • 19. 3. As caravelas3. As caravelas Réplica daRéplica da Santa MariaSanta Maria
  • 20. Réplica da Nau CapitâniaRéplica da Nau Capitânia
  • 21. Interior da Nau CapitâniaInterior da Nau Capitânia
  • 22. 4. O desenvolvimento da cartografia4. O desenvolvimento da cartografia Mapa mundi de Henricus Martellus (1489-90)Mapa mundi de Henricus Martellus (1489-90)
  • 23. Mapa Mundi – 1507Mapa Mundi – 1507   (Martin Waldseemuller -(Martin Waldseemuller - encontrado em um castelo da Alemanha)encontrado em um castelo da Alemanha)
  • 24. O imaginário europeuO imaginário europeu A visão de mundo europeia da época, era caracterizada pelo pensamentoA visão de mundo europeia da época, era caracterizada pelo pensamento medieval, influenciado pela religião e pelas superstições. Concebiam amedieval, influenciado pela religião e pelas superstições. Concebiam a existência de maravilhas no mundo, uma espécie de paraíso terrestre. Nesteexistência de maravilhas no mundo, uma espécie de paraíso terrestre. Neste ponto, destaca-se a influência dos relatos dos viajantes da época queponto, destaca-se a influência dos relatos dos viajantes da época que mesclavam realidade e fantasia.mesclavam realidade e fantasia.      
  • 25. Marco Polo: O Livro das MaravilhasMarco Polo: O Livro das Maravilhas
  • 26. Um trecho do Livro das MaravilhasUm trecho do Livro das Maravilhas ““O rei construiu , num vale, o jardim mais belo que já se viu. NoO rei construiu , num vale, o jardim mais belo que já se viu. No centro havia uma fonte, com muitas bicas, de onde jorravamcentro havia uma fonte, com muitas bicas, de onde jorravam vinho, leite, mel e água. Havia nesse jardim as donzelas maisvinho, leite, mel e água. Havia nesse jardim as donzelas mais belas do mundo; que sabiam tocar todos os instrumentos ebelas do mundo; que sabiam tocar todos os instrumentos e cantavam como os anjos. E todos acreditavam que aquele reinocantavam como os anjos. E todos acreditavam que aquele reino era o paraíso”.era o paraíso”. Marco Polo. Livro das MaravilhasMarco Polo. Livro das Maravilhas
  • 27. Visões do paraíso: a natureza exuberanteVisões do paraíso: a natureza exuberante
  • 28. Os animais exóticosOs animais exóticos
  • 29. O mito do Eldorado perdidoO mito do Eldorado perdido
  • 30. O pioneirismo portuguêsO pioneirismo português A que se deveu o pioneirismo português nas Grandes Navegações? PorA que se deveu o pioneirismo português nas Grandes Navegações? Por que foi possível a esse pequeno país lançar-se ao Atlântico e construirque foi possível a esse pequeno país lançar-se ao Atlântico e construir um império transoceânico muito antes que outros reinos maiores e maisum império transoceânico muito antes que outros reinos maiores e mais poderosos?poderosos?
  • 31. 1. O país era um entreposto comercial1. O país era um entreposto comercial
  • 32. 2. A centralização política precoce2. A centralização política precoce . Burguesia Nobreza
  • 33. 3. Conhecimentos técnicos3. Conhecimentos técnicos
  • 34. As navegações portuguesasAs navegações portuguesas ObjetivoObjetivo →→ descobrir uma nova rota para as Índias contornado a África.descobrir uma nova rota para as Índias contornado a África.
  • 35. 1. A conquista de Ceuta (1415)1. A conquista de Ceuta (1415)
  • 36. 2. Ocupação das ilhas de Açores e Madeira (1425-1427)2. Ocupação das ilhas de Açores e Madeira (1425-1427) .. Aí, Portugal realizouAí, Portugal realizou uma experiência deuma experiência de colonização implantandocolonização implantando a cultivo de cana-de-a cultivo de cana-de- açúcaraçúcar
  • 37. 3. Gil Eanes ultrapassa o Cabo Bojador-14343. Gil Eanes ultrapassa o Cabo Bojador-1434 A superação do CaboA superação do Cabo Bojador, foi importanteBojador, foi importante para Portugal, já quepara Portugal, já que vários navegadoresvários navegadores naufragaram nesse local.naufragaram nesse local.
  • 38. 4. Expansão pelo litoral africano4. Expansão pelo litoral africano No litoral africano osNo litoral africano os portugueses obtinhamportugueses obtinham pimentapimenta,, ouroouro ee marfimmarfim. Também. Também deram início ao traficoderam início ao trafico dede escravosescravos africanosafricanos para as ilhas dopara as ilhas do Atlântico e para aAtlântico e para a Europa.Europa.
  • 39. 5. Bartolomeu Dias no Cabo das Tormentas(1488)5. Bartolomeu Dias no Cabo das Tormentas(1488)
  • 40. 6. A viagem de Vasco da Gama (1498)6. A viagem de Vasco da Gama (1498)
  • 41. 7. A viagem de Pedro Álvares Cabral (1500)7. A viagem de Pedro Álvares Cabral (1500)
  • 42. As navegações espanholasAs navegações espanholas Embora os espanhóis já tivessem, no início do século XV, tomado posseEmbora os espanhóis já tivessem, no início do século XV, tomado posse das ilhas Canárias, no oceano Atlântico, sua expansão marítima sódas ilhas Canárias, no oceano Atlântico, sua expansão marítima só começou efetivamente em 1492, após a expulsão dos muçulmanos dacomeçou efetivamente em 1492, após a expulsão dos muçulmanos da península Ibérica.península Ibérica.
  • 43. A viagem de Colombo (1492)A viagem de Colombo (1492) PtolomeuPtolomeu Séc.IISéc.II Objetivo → Colombo queria navegar na direção oeste para atingir o leste.
  • 44. Analisando um mapa atualAnalisando um mapa atual
  • 45. Colombo chega à AméricaColombo chega à América
  • 46.
  • 47. A viagem de Fernão de Magalhães e Sebastião ElcanoA viagem de Fernão de Magalhães e Sebastião Elcano (1519-1522)(1519-1522)
  • 48. Américo VespúcioAmérico Vespúcio Navegando pela costa daNavegando pela costa da América do Sul, em 1501,América do Sul, em 1501, Vespúcio verificou que asVespúcio verificou que as terras se estendiam porterras se estendiam por demais ao sul, indicando quedemais ao sul, indicando que não poderia ser a Ásia, masnão poderia ser a Ásia, mas umum Novo Mundo.Novo Mundo.
  • 49. Carta de Américo Vespúcio, escrita a Lourenço deCarta de Américo Vespúcio, escrita a Lourenço de Médici em 1503.Médici em 1503. "Dias passados te escrevi da minha volta daqueles novos países, os"Dias passados te escrevi da minha volta daqueles novos países, os quais com a armada do rei de Portugal descobrimos; os quais Novoquais com a armada do rei de Portugal descobrimos; os quais Novo Mundo chamar é lícito.Esta minha última navegação atestou, vistoMundo chamar é lícito.Esta minha última navegação atestou, visto que naquelas regiões meridionais o continente descobri, habitado deque naquelas regiões meridionais o continente descobri, habitado de mais povos e animais que a nossa Europa, ou Ásia, ou África, emais povos e animais que a nossa Europa, ou Ásia, ou África, e ainda o ar mais temperado e ameno que em outras regiões de nósainda o ar mais temperado e ameno que em outras regiões de nós conhecidas, como mais abaixo saberás [... ]."conhecidas, como mais abaixo saberás [... ]."
  • 50. Mapa MundiMapa Mundi  de  de Martin Waldseemuller - 1507Martin Waldseemuller - 1507
  • 51. Detalhe do mapa de Waldseemuller - a certidão deDetalhe do mapa de Waldseemuller - a certidão de batismo da Américabatismo da América
  • 52. A divisão das novas terrasA divisão das novas terras
  • 53. Navegações francesas, inglesas e holandesasNavegações francesas, inglesas e holandesas ►►Descontentes com o acordo de Tordesilhas, Inglaterra, França e HolandaDescontentes com o acordo de Tordesilhas, Inglaterra, França e Holanda atuaram contra as colônias e os navios ibéricos.atuaram contra as colônias e os navios ibéricos. Contestando o acordo de Tordesilhas, o rei da França, Francisco I, declarou:Contestando o acordo de Tordesilhas, o rei da França, Francisco I, declarou: "Gostaria de ver o testamento de Adão para saber de que forma"Gostaria de ver o testamento de Adão para saber de que forma este dividira o mundo".este dividira o mundo".
  • 54. A piratariaA pirataria Mas o mar não tinha dono. Para pilhar as riquezas portuguesas eMas o mar não tinha dono. Para pilhar as riquezas portuguesas e espanholas, os reis da França, Inglaterra e Holanda armavam poderososespanholas, os reis da França, Inglaterra e Holanda armavam poderosos navios e colocavam-nos nas mãos de capitães experientes. Eles recebiamnavios e colocavam-nos nas mãos de capitães experientes. Eles recebiam uma Carta de Corso autorizando os ataques.uma Carta de Corso autorizando os ataques.
  • 55. Barbarossa ouBarbarossa ou Barba-RuivaBarba-Ruiva Barbarossa foi o nomeBarbarossa foi o nome dado a dois piratasdado a dois piratas turcos (Aruj e Hizir).turcos (Aruj e Hizir). Sua base era na ÁfricaSua base era na África e eles atacavam váriase eles atacavam várias cidades costeiras.cidades costeiras.
  • 56. Sir Francis DrakeSir Francis Drake Navegava pelasNavegava pelas águas do Caribeáguas do Caribe saqueando os naviossaqueando os navios espanhóis. Recebeuespanhóis. Recebeu o título de Sir dao título de Sir da rainha Elizabeth I .rainha Elizabeth I .
  • 57. As navegações pelo Atlântico NorteAs navegações pelo Atlântico Norte Também interessados em descobrir novos caminhos para a Índia,Também interessados em descobrir novos caminhos para a Índia, franceses, ingleses e holandeses lançaram-se às navegaçõesfranceses, ingleses e holandeses lançaram-se às navegações marítimas, concentrando-se no Atlântico Norte, pois os ibéricos jámarítimas, concentrando-se no Atlântico Norte, pois os ibéricos já se dedicavam às rotas do Atlântico Sul.se dedicavam às rotas do Atlântico Sul.
  • 59. Detalhe do Golfo de São LourençoDetalhe do Golfo de São Lourenço
  • 60. Henry Hudson (1550 -1611)Henry Hudson (1550 -1611) Hudson foi um navegador inglês que seHudson foi um navegador inglês que se dedicou a descobrir um caminho marítimodedicou a descobrir um caminho marítimo para Oriente, navegando pelo Norte.para Oriente, navegando pelo Norte. O mapa seguinte mostra as duasO mapa seguinte mostra as duas principais viagens de Hudson.principais viagens de Hudson.
  • 61.
  • 62. Detalhes das viagens de Henry HudsonDetalhes das viagens de Henry Hudson
  • 63. Detalhe da Baía de New YorkDetalhe da Baía de New York
  • 64. Consequências das Grandes NavegaçõesConsequências das Grandes Navegações ▪▪ Expansão comercialExpansão comercial →→ além de colocar no mercado europeualém de colocar no mercado europeu quantidades inusitadas de mercadorias, o novo comércio estabeleceu umquantidades inusitadas de mercadorias, o novo comércio estabeleceu um intercâmbio sem precedentes entre os continentes. O mundo começava aintercâmbio sem precedentes entre os continentes. O mundo começava a ser unificado pelo comércio.ser unificado pelo comércio.
  • 65. Decadência da Rota do MediterrâneoDecadência da Rota do Mediterrâneo A partir desse momento, a rota do Mediterrâneo entrou em decadência,A partir desse momento, a rota do Mediterrâneo entrou em decadência, juntamente com as cidades mercantes da península Itálica. Portugal alçou-sejuntamente com as cidades mercantes da península Itálica. Portugal alçou-se ao primeiro plano entre os Estados europeusao primeiro plano entre os Estados europeus