SlideShare uma empresa Scribd logo
COMUNICAÇÃO
NÃO VIOLENTA
ROSENBERG,
2006
COMUNICAÇÃO
NÃO VIOLENTA
"Ela oferece uma
estrutura básica e um
conjunto de
habilidades para
abordar os problemas
humanos, desde os
relacionamentos mais
íntimos até conflitos
políticos globais."
Conceito
Forma de comunicação desenvolvida pelo psicólogo Marshall
B. Rosenberg que se baseia em estarmos conscientes das
nossas necessidades e dos outros, com a finalidade de falar
sem machucar e ouvir sem se ofender.
Conceito
Forma de comunicação desenvolvida pelo psicólogo Marshall
B. Rosenberg que se baseia em estarmos conscientes das
nossas necessidades e dos outros, com a finalidade de falar
sem machucar e ouvir sem se ofender.
DE ACORDO COM ROSENBERG...
A Comunicação Não Violenta (CNV), é baseada em "habilidades de linguagem e
comunicação que fortalecem a capacidade de continuarmos humanos, mesmo em
condições adversas",
Conceito
A CNV oferece a dinâmica que dá
fundamento à cooperação - nós seres
humanos agimos para atender
necessidades, princípios e valores
básicos universais.
As formas culturais predominantes de nos comunicarmos,
com nós mesmos e com os outros, levam-nos a entrar em
choque com colegas, familiares e pessoas com opiniões ou
culturas diferentes, e assim iniciar ciclos de emoções
dolorosos.
COMUNICAÇÃO
NÃOVIOLENTA
COMUNICAÇÃO NÃO
VIOLENTA
Habilidade de se comunicar
minimizando resistências,
reações defensivas e violentas. É
uma abordagem para entender e
combater a violência no sentido
mais amplo.
COMUNICAÇÃO
NÃOVIOLENTA
COMUNICAÇÃO NÃO
VIOLENTA
Habilidade de se comunicar
minimizando resistências,
reações defensivas e violentas. É
uma abordagem para entender e
combater a violência no sentido
mais amplo.
A VIOLÊNCIA
Qualquer forma de comportamento
ou comunicação que pode ser
sentido como desrespeito,
discriminação, raiva, exclusão, etc.
Comunicação
Alienante da Vida
4 (Quatro) formas de linguagem e
comunicação que afastam o estado
natural compassivo do ser e dão abertura
para o estado violento.
Comunicação
Alienante da Vida
1- JULGAMENTOS
MORALIZADORES
Quando não há conciliação de valores, o
certo e o errado, palavras que rotulam e
docotomizam: "Esse estagiário é
preguiçoso", "O chefe é preconceituoso",
"Isto é impróprio".
4 (Quatro) formas de linguagem e
comunicação que afastam o estado
natural compassivo do ser e dão abertura
para o estado violento.
Comunicação
Alienante da Vida1- JULGAMENTOS
MORALIZADORES
Quando não há conciliação de valores, o
certo e o errado, palavras que rotulam e
docotomizam: "Esse estagiário é
preguiçoso", "O chefe é preconceituoso",
"Isto é impróprio".
2- COMPARAÇÕES
Seja no nível de realizações pessoais ou
fisicamente, bloqueia compaixão e traz
infelicidade.
4 (Quatro) formas de linguagem e
comunicação que afastam o estado
natural compassivo do ser e dão abertura
para o estado violento.
Comunicação
Alienante da Vida
4 (Quatro) formas de linguagem e
comunicação que afastam o estado
natural compassivo do ser e dão abertura
para o estado violento.
1- JULGAMENTOS
MORALIZADORES
Quando não há conciliação de valores, o
certo e o errado, palavras que rotulam e
docotomizam: "Esse estagiário é
preguiçoso", "O chefe é preconceituoso",
"Isto é impróprio".
2- COMPARAÇÕES
Seja no nível de realizações pessoais ou
fisicamente, bloqueia compaixão e traz
infelicidade.
3- IMPOSIÇÕES
Comunicar desejos de modo exigente
(comum nas relações entre chefes e
subordinados)
"Só aderi a greve porque
todos aderiram"
"Respondi daquela forma
porque o colega da sala ao
lado me irritou"
"Menti dizendo que ele
não estava porque o
chefe mandou"
4- Negação da Responsabilidade: quando a responsabilidade
pessoal não é assumida na linguagem utilizada. Ex: Pressão do
grupo, Impulsos incontroláveis, Ordens de autoridades, etc."
NA PRÁTICA
ELA NOS GUIA NO PROCESSO DE
REFORMULAR A MANEIRA PELA QUAL
NOS EXPRESSAMOS E ESCUTAMOS OS
OUTROS, MEDIANTE A CONCENTRAÇÃO
EM QUATRO ÁREAS: O QUE OBSERVAMOS,
O QUE SENTIMOS, DO QUE
NECESSITAMOS, E O QUE PEDIMOS PARA
ENRIQUECER NOSSA VIDA.
ROSENBERG, 2006
Comunicação Não Violenta na Prática
NA PRÁTICA
Para se rever a maneira o qual nos
expressamos e escutamos, dividimos em
dois passos: receber empaticamente as
mensagens e expressar-se honestamente.
Tudo isso por meio de quatro
componentes base da Comunicação Não
Violenta.
COMPONENTES DA CNV
SENTIMENTOS (EM VEZ DE AVALIAÇÕES)
OBSERVAÇÃO (EM VEZ DE JULGAMENTO)
NECESSIDADES (EM VEZ DE ESTRATÉGIAS)
PEDIDO (EM VEZ DE ORDENS)
Observação
O acontecimento do fato
deve ser observado com
neutralidade. Deve ser
específica de cada
momento e desentimular
todos os tipos de
generalização.
OBSERVAÇÃO
FALAREOUVIR
OUVIR
Aclarar por meio de
perguntas, pontos que não
compreendeu bem. Ouvir
atentamente sem julgar,
sem fazer inferências, sem
relacionar com outra
situação.
FALAR
Dizer o que observo, sem
julgar, sem fazer inferências,
sem relacionar com outra
situação; sem rotular, sem
atacar, sem generalizar, usar
sempre "EU".
SENTIMENTO
Detectar os sentimentos, a
consciência e expressão,
bem como abertura para
compreensão de
sentimentos alheios são
essenciais.
Não utilize o verbo sentir
sem de fato expressar um
sentimento. 
Falar
O verbo sentir deve vir
acompanhado de um sentimento e
não pensamento. Por outro lado,
não é necessário usar o verbo sentir
quando expressar um sentimento,
pode-se dizer "Estou encantado",
"Fico magoado", "Sou grato".
Ouvir
Acolher com empatia como o
outro está se sentindo com relação
ao que se oberva. Usar expressão
"você se sente". Ajudar a relacionar
o sentimento do outro às
expectativas dele e não à minha
ação.
SENTIMENTO
NECESSIDADE
O sentimento é gerado
pelas necessidades,
expectativas do
momento e pela forma
como você escolhe
receber a mensagem.
Pense em qual necessidade gostaria
de ser atendida ao invés de fazer
julgamento.
NECESSIDADE
FALAR
Nomear com clareza minhas próprias
necessidades, sentimentos, valores,
expectativas, etc. Expressar
honestamente a energia vital na
forma de necessidades, valores,
desejos ou pensamentos que estão
criando meus sentimentos.
NECESSIDADE
OUVIR
Confirmar com o outro sua verdadeira
necessidade, sentimento, valores,
expectativas, etc. Acolher com
empatia a energia vital na forma de
necessidades, valores, desejos, ou
pensamentos que estão criando os
sentimentos do outro.
PEDIDOS
É indicado caso as necessidades não
tenham sido atendidas. O elemento-chave
de um pedido não é a forma que ele
assume, nem seu conteúdo, mas sua
intenção.
Um pedido vem de um lugar de abertura,
curiosidade e uma preocupação genuína
com as preocupações de ambas as partes
OUVIRFALAR
Usar expressões, palavras
e gestual de solicitação,
nunca de comando,
coação ou imposição (eu
gostaria que; você
poderia...)
Acolher com interesse e
confirmar a solicitação
(você gostaria que eu;
você está me pedindo
para...)
Retorno e Empatia
Um modo eficaz de saber se a mensagem foi captada com sucesso é parafrasear o que foi
compreendido, dando chances para que o outro possa retificar a mensagem, caso tenha sido
mal interpretada.
O QUE ESTÃO PEDINDOO QUE ESTÃO OBSERVANDO
"Você está reagindo aos
atrasos no trabalho que eu
tive na semana passada?"
COMO SE SENTEM E QUAIS
NECESSIDADES GERAM ESSES
SENTIMENTOS
"Sente-se incomodado
porque gostaria que o chefe
tivesse mais confiança no
que você faz?"
"Você quer que eu diga o
motivo pelo qual passei sua
gratificação para o Fulano?"
Estar presente é a palavra para se ter empatia, trazendo a plena atenção na mensagem
recebida. Compreender de forma respeitosa, inclusive no tom de voz, do que a outra pessoa
está vivendo.
Retorno e Empatia
O QUE EVITAR?
Impor perfeição dando conselhos. "Acho que você deveria ter entrado no programa de demissão voluntária."
Considerar-se superior ao se explicar. "Eu falei que o tamanho da fonta era 12... mas..."
Tentar justificar uma dor dando consolo. "Você fez o melhor que pôde na apresentação da marca, não foi culpa sua..."
Competir pelo sofrimento, subestimando
a dor alheia.
"Comigo aconteceu pior, fiquei até às onze na semana passada esperando o chefe
ir embora."
Contar casos de lição de moral para
desviar o foco.
"Isso me lembra da vez quando apresentei atestado ao serviço médico e 
quetionaram a veracidade e..."
Referências
COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA: TÉCNICAS
PARA APRIMORAR RELACIONAMENTOS
PESSOAIS E PROFISSIONAIS
livro: Marshall B. Rosenberg, 2006
MANUAL DE COMUNICAÇÃO NÃO
VIOLENTA PARA ORGANIZAÇÕES
Manual: Caroline Reis Rocha, 2017
CONCILIADOR E A COMUNICAÇÃO NÃO
VIOLENTA
Artigo: Aline Gisele Araújo Miranda de Morais,

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Escuta Ativa
Escuta AtivaEscuta Ativa
Escuta Ativa
Anny Caroline Sousa
 
Comunicação Não Violenta
Comunicação Não ViolentaComunicação Não Violenta
Comunicação Não Violenta
TISocor
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
Cristina de Souza
 
Comunicação Assertiva - Karime Kamel
Comunicação Assertiva  - Karime KamelComunicação Assertiva  - Karime Kamel
Comunicação Assertiva - Karime Kamel
Karime Kamel
 
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalho
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalhoPalestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalho
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalho
DoroteiaSouza
 
Comunicação Não Violenta - Prof. Roberto Lico
Comunicação Não Violenta - Prof. Roberto LicoComunicação Não Violenta - Prof. Roberto Lico
Comunicação Não Violenta - Prof. Roberto Lico
Roberto de Paula Lico Junior
 
Mini curso comunicação (apresentação)
Mini curso comunicação (apresentação)Mini curso comunicação (apresentação)
Mini curso comunicação (apresentação)
Gislaine Milena Casula Magrini
 
Comunicação e Ética no Trabalho
Comunicação e Ética no TrabalhoComunicação e Ética no Trabalho
Comunicação e Ética no Trabalho
Francielle Hilbert
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
Renata Feol
 
Comunicando com efetividade com Comunicação não violenta
Comunicando com efetividade com Comunicação não violentaComunicando com efetividade com Comunicação não violenta
Comunicando com efetividade com Comunicação não violenta
Giovanni Bassi
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
Leandro Lopes
 
A importância da inteligência emocional no trabalho
A importância da inteligência emocional no trabalhoA importância da inteligência emocional no trabalho
A importância da inteligência emocional no trabalho
inovaDay .
 
Mediacaodeconflitos cnv
Mediacaodeconflitos cnvMediacaodeconflitos cnv
Mediacaodeconflitos cnv
Fabiana Gomes
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
Dalila Melo
 
Comunicação não violenta LIDI sugestão.pptx
Comunicação não violenta LIDI sugestão.pptxComunicação não violenta LIDI sugestão.pptx
Comunicação não violenta LIDI sugestão.pptx
AdriellySantiago2
 
Inteligencia emocional no trabalho
Inteligencia emocional no trabalhoInteligencia emocional no trabalho
Inteligencia emocional no trabalho
Celso Stumpo de Oliveira
 
Inteligência emocional
Inteligência emocionalInteligência emocional
Inteligência emocional
Viviane Gonçalves
 
Relações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Relações Interpessoais: Trabalho em EquipeRelações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Relações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Rosangella Bermanelly
 
Relacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20hRelacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20h
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO
 
Motivação e inteligência emocional
Motivação e inteligência emocionalMotivação e inteligência emocional
Motivação e inteligência emocional
Cintia Meneghini
 

Mais procurados (20)

Escuta Ativa
Escuta AtivaEscuta Ativa
Escuta Ativa
 
Comunicação Não Violenta
Comunicação Não ViolentaComunicação Não Violenta
Comunicação Não Violenta
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
 
Comunicação Assertiva - Karime Kamel
Comunicação Assertiva  - Karime KamelComunicação Assertiva  - Karime Kamel
Comunicação Assertiva - Karime Kamel
 
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalho
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalhoPalestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalho
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalho
 
Comunicação Não Violenta - Prof. Roberto Lico
Comunicação Não Violenta - Prof. Roberto LicoComunicação Não Violenta - Prof. Roberto Lico
Comunicação Não Violenta - Prof. Roberto Lico
 
Mini curso comunicação (apresentação)
Mini curso comunicação (apresentação)Mini curso comunicação (apresentação)
Mini curso comunicação (apresentação)
 
Comunicação e Ética no Trabalho
Comunicação e Ética no TrabalhoComunicação e Ética no Trabalho
Comunicação e Ética no Trabalho
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
 
Comunicando com efetividade com Comunicação não violenta
Comunicando com efetividade com Comunicação não violentaComunicando com efetividade com Comunicação não violenta
Comunicando com efetividade com Comunicação não violenta
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
A importância da inteligência emocional no trabalho
A importância da inteligência emocional no trabalhoA importância da inteligência emocional no trabalho
A importância da inteligência emocional no trabalho
 
Mediacaodeconflitos cnv
Mediacaodeconflitos cnvMediacaodeconflitos cnv
Mediacaodeconflitos cnv
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
 
Comunicação não violenta LIDI sugestão.pptx
Comunicação não violenta LIDI sugestão.pptxComunicação não violenta LIDI sugestão.pptx
Comunicação não violenta LIDI sugestão.pptx
 
Inteligencia emocional no trabalho
Inteligencia emocional no trabalhoInteligencia emocional no trabalho
Inteligencia emocional no trabalho
 
Inteligência emocional
Inteligência emocionalInteligência emocional
Inteligência emocional
 
Relações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Relações Interpessoais: Trabalho em EquipeRelações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Relações Interpessoais: Trabalho em Equipe
 
Relacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20hRelacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20h
 
Motivação e inteligência emocional
Motivação e inteligência emocionalMotivação e inteligência emocional
Motivação e inteligência emocional
 

Semelhante a Comunicação Não Violenta

comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdfcomunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
amandafonseca74
 
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdfcomunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
amandafonseca74
 
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina 2.2
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina  2.2Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina  2.2
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina 2.2
Gislene Isquierdo
 
10 comunicação assertiva
10 comunicação assertiva10 comunicação assertiva
10 comunicação assertiva
António Revez
 
Apresentao_em_slides.pdf
Apresentao_em_slides.pdfApresentao_em_slides.pdf
Apresentao_em_slides.pdf
JonasDias35
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
JemersonMonte2
 
Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01
Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01
Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01
Fernanda Freitas
 
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceisO segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
enfanhanguera
 
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceisO segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
enfanhanguera
 
Comunicação não Violenta - Flávia Mendes (2).pdf
Comunicação não Violenta - Flávia Mendes (2).pdfComunicação não Violenta - Flávia Mendes (2).pdf
Comunicação não Violenta - Flávia Mendes (2).pdf
KellyMarcolla
 
Tecnicas de Oratória.
Tecnicas de Oratória.Tecnicas de Oratória.
Tecnicas de Oratória.
Raimundo Nonato
 
Comunicação assertiva
Comunicação assertivaComunicação assertiva
Comunicação assertiva
Marcos Soares Soares
 
PREVENIR .pdf
PREVENIR .pdfPREVENIR .pdf
PREVENIR .pdf
mariasantana771293
 
A difícil arte de conviver
A difícil arte de conviverA difícil arte de conviver
A difícil arte de conviver
Cras Macatuba
 
Aprenda a se Comunicar
Aprenda a se ComunicarAprenda a se Comunicar
Aprenda a se Comunicar
Dora Guiseline
 
A arte de falar e de escutar em público
A arte de falar e de escutar em público A arte de falar e de escutar em público
A arte de falar e de escutar em público
Rodrigo Catini Flaibam
 
Material complementar aconselhamento cristão 3.pdf
Material complementar aconselhamento cristão 3.pdfMaterial complementar aconselhamento cristão 3.pdf
Material complementar aconselhamento cristão 3.pdf
mayaramariane0694
 
Relações Humanas no Trabalho - Sônia.pdf
Relações Humanas no Trabalho - Sônia.pdfRelações Humanas no Trabalho - Sônia.pdf
Relações Humanas no Trabalho - Sônia.pdf
KevinFontelles2
 
Linguagem corporal - Módulo 8 72-82.pdf
Linguagem corporal - Módulo 8 72-82.pdfLinguagem corporal - Módulo 8 72-82.pdf
Linguagem corporal - Módulo 8 72-82.pdf
EveraldoDias6
 
Comunicacao assertiva
Comunicacao assertivaComunicacao assertiva
Comunicacao assertiva
Daniela Anjos
 

Semelhante a Comunicação Não Violenta (20)

comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdfcomunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
 
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdfcomunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
 
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina 2.2
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina  2.2Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina  2.2
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina 2.2
 
10 comunicação assertiva
10 comunicação assertiva10 comunicação assertiva
10 comunicação assertiva
 
Apresentao_em_slides.pdf
Apresentao_em_slides.pdfApresentao_em_slides.pdf
Apresentao_em_slides.pdf
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01
Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01
Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01
 
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceisO segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
 
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceisO segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
 
Comunicação não Violenta - Flávia Mendes (2).pdf
Comunicação não Violenta - Flávia Mendes (2).pdfComunicação não Violenta - Flávia Mendes (2).pdf
Comunicação não Violenta - Flávia Mendes (2).pdf
 
Tecnicas de Oratória.
Tecnicas de Oratória.Tecnicas de Oratória.
Tecnicas de Oratória.
 
Comunicação assertiva
Comunicação assertivaComunicação assertiva
Comunicação assertiva
 
PREVENIR .pdf
PREVENIR .pdfPREVENIR .pdf
PREVENIR .pdf
 
A difícil arte de conviver
A difícil arte de conviverA difícil arte de conviver
A difícil arte de conviver
 
Aprenda a se Comunicar
Aprenda a se ComunicarAprenda a se Comunicar
Aprenda a se Comunicar
 
A arte de falar e de escutar em público
A arte de falar e de escutar em público A arte de falar e de escutar em público
A arte de falar e de escutar em público
 
Material complementar aconselhamento cristão 3.pdf
Material complementar aconselhamento cristão 3.pdfMaterial complementar aconselhamento cristão 3.pdf
Material complementar aconselhamento cristão 3.pdf
 
Relações Humanas no Trabalho - Sônia.pdf
Relações Humanas no Trabalho - Sônia.pdfRelações Humanas no Trabalho - Sônia.pdf
Relações Humanas no Trabalho - Sônia.pdf
 
Linguagem corporal - Módulo 8 72-82.pdf
Linguagem corporal - Módulo 8 72-82.pdfLinguagem corporal - Módulo 8 72-82.pdf
Linguagem corporal - Módulo 8 72-82.pdf
 
Comunicacao assertiva
Comunicacao assertivaComunicacao assertiva
Comunicacao assertiva
 

Mais de Anny Caroline Sousa

Politikart - Apresentação GDD
Politikart - Apresentação GDDPolitikart - Apresentação GDD
Politikart - Apresentação GDD
Anny Caroline Sousa
 
Avaliação do Jogo Sério Casual "Super Mecafish"a partir da Adaptação do Métod...
Avaliação do Jogo Sério Casual "Super Mecafish"a partir da Adaptação do Métod...Avaliação do Jogo Sério Casual "Super Mecafish"a partir da Adaptação do Métod...
Avaliação do Jogo Sério Casual "Super Mecafish"a partir da Adaptação do Métod...
Anny Caroline Sousa
 
A atuação de Sea Hero Quest como serious games
A atuação de Sea Hero Quest como serious gamesA atuação de Sea Hero Quest como serious games
A atuação de Sea Hero Quest como serious games
Anny Caroline Sousa
 
Aplicando SCRUM no desenvolvimento de jogos eletrônicos na universidade
Aplicando SCRUM no desenvolvimento de jogos eletrônicos na universidadeAplicando SCRUM no desenvolvimento de jogos eletrônicos na universidade
Aplicando SCRUM no desenvolvimento de jogos eletrônicos na universidade
Anny Caroline Sousa
 
Indústria de Games e Introdução ao Construct 3
Indústria de Games e Introdução ao Construct 3Indústria de Games e Introdução ao Construct 3
Indústria de Games e Introdução ao Construct 3
Anny Caroline Sousa
 
Uaná Etê Game Turístico
Uaná Etê Game TurísticoUaná Etê Game Turístico
Uaná Etê Game Turístico
Anny Caroline Sousa
 
Trello Consultoria - Escritório Virtual
Trello Consultoria - Escritório VirtualTrello Consultoria - Escritório Virtual
Trello Consultoria - Escritório Virtual
Anny Caroline Sousa
 
GDD - Jogo Marmarof
GDD - Jogo MarmarofGDD - Jogo Marmarof
GDD - Jogo Marmarof
Anny Caroline Sousa
 
GDD - Jogo Garbage Collector
GDD - Jogo Garbage CollectorGDD - Jogo Garbage Collector
GDD - Jogo Garbage Collector
Anny Caroline Sousa
 
Trabalho de Conclusão de Período V
Trabalho de Conclusão de Período VTrabalho de Conclusão de Período V
Trabalho de Conclusão de Período V
Anny Caroline Sousa
 
Palestra sobre Gamificação no Dia a Dia
Palestra sobre Gamificação no Dia a DiaPalestra sobre Gamificação no Dia a Dia
Palestra sobre Gamificação no Dia a Dia
Anny Caroline Sousa
 
Apresentação Caminho dos Vagalumes - TCP 4
Apresentação Caminho dos Vagalumes - TCP 4Apresentação Caminho dos Vagalumes - TCP 4
Apresentação Caminho dos Vagalumes - TCP 4
Anny Caroline Sousa
 
Game Bible - Caminho dos Vagalumes
Game Bible - Caminho dos VagalumesGame Bible - Caminho dos Vagalumes
Game Bible - Caminho dos Vagalumes
Anny Caroline Sousa
 
Pensamento Computacional para Educação Libertadora
Pensamento Computacional para Educação LibertadoraPensamento Computacional para Educação Libertadora
Pensamento Computacional para Educação Libertadora
Anny Caroline Sousa
 
Quero ser desenvolvedor(a) de aplicações, como começar?
Quero ser desenvolvedor(a) de aplicações, como começar?Quero ser desenvolvedor(a) de aplicações, como começar?
Quero ser desenvolvedor(a) de aplicações, como começar?
Anny Caroline Sousa
 
Fluxo de tarefas tcp32018.1
Fluxo de tarefas tcp32018.1Fluxo de tarefas tcp32018.1
Fluxo de tarefas tcp32018.1
Anny Caroline Sousa
 
Game Bible - Ouroboros
Game Bible - OuroborosGame Bible - Ouroboros
Game Bible - Ouroboros
Anny Caroline Sousa
 
Trello - workshop interno Cinema Nosso e Jabuti Filmes
Trello - workshop interno Cinema Nosso e Jabuti FilmesTrello - workshop interno Cinema Nosso e Jabuti Filmes
Trello - workshop interno Cinema Nosso e Jabuti Filmes
Anny Caroline Sousa
 
Techniques for Designing GPGPU Games
Techniques for Designing GPGPU GamesTechniques for Designing GPGPU Games
Techniques for Designing GPGPU Games
Anny Caroline Sousa
 
Realidade Virtual e Sensorialidades Imersivas
Realidade Virtual e Sensorialidades ImersivasRealidade Virtual e Sensorialidades Imersivas
Realidade Virtual e Sensorialidades Imersivas
Anny Caroline Sousa
 

Mais de Anny Caroline Sousa (20)

Politikart - Apresentação GDD
Politikart - Apresentação GDDPolitikart - Apresentação GDD
Politikart - Apresentação GDD
 
Avaliação do Jogo Sério Casual "Super Mecafish"a partir da Adaptação do Métod...
Avaliação do Jogo Sério Casual "Super Mecafish"a partir da Adaptação do Métod...Avaliação do Jogo Sério Casual "Super Mecafish"a partir da Adaptação do Métod...
Avaliação do Jogo Sério Casual "Super Mecafish"a partir da Adaptação do Métod...
 
A atuação de Sea Hero Quest como serious games
A atuação de Sea Hero Quest como serious gamesA atuação de Sea Hero Quest como serious games
A atuação de Sea Hero Quest como serious games
 
Aplicando SCRUM no desenvolvimento de jogos eletrônicos na universidade
Aplicando SCRUM no desenvolvimento de jogos eletrônicos na universidadeAplicando SCRUM no desenvolvimento de jogos eletrônicos na universidade
Aplicando SCRUM no desenvolvimento de jogos eletrônicos na universidade
 
Indústria de Games e Introdução ao Construct 3
Indústria de Games e Introdução ao Construct 3Indústria de Games e Introdução ao Construct 3
Indústria de Games e Introdução ao Construct 3
 
Uaná Etê Game Turístico
Uaná Etê Game TurísticoUaná Etê Game Turístico
Uaná Etê Game Turístico
 
Trello Consultoria - Escritório Virtual
Trello Consultoria - Escritório VirtualTrello Consultoria - Escritório Virtual
Trello Consultoria - Escritório Virtual
 
GDD - Jogo Marmarof
GDD - Jogo MarmarofGDD - Jogo Marmarof
GDD - Jogo Marmarof
 
GDD - Jogo Garbage Collector
GDD - Jogo Garbage CollectorGDD - Jogo Garbage Collector
GDD - Jogo Garbage Collector
 
Trabalho de Conclusão de Período V
Trabalho de Conclusão de Período VTrabalho de Conclusão de Período V
Trabalho de Conclusão de Período V
 
Palestra sobre Gamificação no Dia a Dia
Palestra sobre Gamificação no Dia a DiaPalestra sobre Gamificação no Dia a Dia
Palestra sobre Gamificação no Dia a Dia
 
Apresentação Caminho dos Vagalumes - TCP 4
Apresentação Caminho dos Vagalumes - TCP 4Apresentação Caminho dos Vagalumes - TCP 4
Apresentação Caminho dos Vagalumes - TCP 4
 
Game Bible - Caminho dos Vagalumes
Game Bible - Caminho dos VagalumesGame Bible - Caminho dos Vagalumes
Game Bible - Caminho dos Vagalumes
 
Pensamento Computacional para Educação Libertadora
Pensamento Computacional para Educação LibertadoraPensamento Computacional para Educação Libertadora
Pensamento Computacional para Educação Libertadora
 
Quero ser desenvolvedor(a) de aplicações, como começar?
Quero ser desenvolvedor(a) de aplicações, como começar?Quero ser desenvolvedor(a) de aplicações, como começar?
Quero ser desenvolvedor(a) de aplicações, como começar?
 
Fluxo de tarefas tcp32018.1
Fluxo de tarefas tcp32018.1Fluxo de tarefas tcp32018.1
Fluxo de tarefas tcp32018.1
 
Game Bible - Ouroboros
Game Bible - OuroborosGame Bible - Ouroboros
Game Bible - Ouroboros
 
Trello - workshop interno Cinema Nosso e Jabuti Filmes
Trello - workshop interno Cinema Nosso e Jabuti FilmesTrello - workshop interno Cinema Nosso e Jabuti Filmes
Trello - workshop interno Cinema Nosso e Jabuti Filmes
 
Techniques for Designing GPGPU Games
Techniques for Designing GPGPU GamesTechniques for Designing GPGPU Games
Techniques for Designing GPGPU Games
 
Realidade Virtual e Sensorialidades Imersivas
Realidade Virtual e Sensorialidades ImersivasRealidade Virtual e Sensorialidades Imersivas
Realidade Virtual e Sensorialidades Imersivas
 

Comunicação Não Violenta

  • 2. ROSENBERG, 2006 COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA "Ela oferece uma estrutura básica e um conjunto de habilidades para abordar os problemas humanos, desde os relacionamentos mais íntimos até conflitos políticos globais."
  • 3. Conceito Forma de comunicação desenvolvida pelo psicólogo Marshall B. Rosenberg que se baseia em estarmos conscientes das nossas necessidades e dos outros, com a finalidade de falar sem machucar e ouvir sem se ofender.
  • 4. Conceito Forma de comunicação desenvolvida pelo psicólogo Marshall B. Rosenberg que se baseia em estarmos conscientes das nossas necessidades e dos outros, com a finalidade de falar sem machucar e ouvir sem se ofender. DE ACORDO COM ROSENBERG... A Comunicação Não Violenta (CNV), é baseada em "habilidades de linguagem e comunicação que fortalecem a capacidade de continuarmos humanos, mesmo em condições adversas",
  • 5. Conceito A CNV oferece a dinâmica que dá fundamento à cooperação - nós seres humanos agimos para atender necessidades, princípios e valores básicos universais. As formas culturais predominantes de nos comunicarmos, com nós mesmos e com os outros, levam-nos a entrar em choque com colegas, familiares e pessoas com opiniões ou culturas diferentes, e assim iniciar ciclos de emoções dolorosos.
  • 6. COMUNICAÇÃO NÃOVIOLENTA COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA Habilidade de se comunicar minimizando resistências, reações defensivas e violentas. É uma abordagem para entender e combater a violência no sentido mais amplo.
  • 7. COMUNICAÇÃO NÃOVIOLENTA COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA Habilidade de se comunicar minimizando resistências, reações defensivas e violentas. É uma abordagem para entender e combater a violência no sentido mais amplo. A VIOLÊNCIA Qualquer forma de comportamento ou comunicação que pode ser sentido como desrespeito, discriminação, raiva, exclusão, etc.
  • 8. Comunicação Alienante da Vida 4 (Quatro) formas de linguagem e comunicação que afastam o estado natural compassivo do ser e dão abertura para o estado violento.
  • 9. Comunicação Alienante da Vida 1- JULGAMENTOS MORALIZADORES Quando não há conciliação de valores, o certo e o errado, palavras que rotulam e docotomizam: "Esse estagiário é preguiçoso", "O chefe é preconceituoso", "Isto é impróprio". 4 (Quatro) formas de linguagem e comunicação que afastam o estado natural compassivo do ser e dão abertura para o estado violento.
  • 10. Comunicação Alienante da Vida1- JULGAMENTOS MORALIZADORES Quando não há conciliação de valores, o certo e o errado, palavras que rotulam e docotomizam: "Esse estagiário é preguiçoso", "O chefe é preconceituoso", "Isto é impróprio". 2- COMPARAÇÕES Seja no nível de realizações pessoais ou fisicamente, bloqueia compaixão e traz infelicidade. 4 (Quatro) formas de linguagem e comunicação que afastam o estado natural compassivo do ser e dão abertura para o estado violento.
  • 11. Comunicação Alienante da Vida 4 (Quatro) formas de linguagem e comunicação que afastam o estado natural compassivo do ser e dão abertura para o estado violento. 1- JULGAMENTOS MORALIZADORES Quando não há conciliação de valores, o certo e o errado, palavras que rotulam e docotomizam: "Esse estagiário é preguiçoso", "O chefe é preconceituoso", "Isto é impróprio". 2- COMPARAÇÕES Seja no nível de realizações pessoais ou fisicamente, bloqueia compaixão e traz infelicidade. 3- IMPOSIÇÕES Comunicar desejos de modo exigente (comum nas relações entre chefes e subordinados)
  • 12. "Só aderi a greve porque todos aderiram" "Respondi daquela forma porque o colega da sala ao lado me irritou" "Menti dizendo que ele não estava porque o chefe mandou" 4- Negação da Responsabilidade: quando a responsabilidade pessoal não é assumida na linguagem utilizada. Ex: Pressão do grupo, Impulsos incontroláveis, Ordens de autoridades, etc."
  • 14. ELA NOS GUIA NO PROCESSO DE REFORMULAR A MANEIRA PELA QUAL NOS EXPRESSAMOS E ESCUTAMOS OS OUTROS, MEDIANTE A CONCENTRAÇÃO EM QUATRO ÁREAS: O QUE OBSERVAMOS, O QUE SENTIMOS, DO QUE NECESSITAMOS, E O QUE PEDIMOS PARA ENRIQUECER NOSSA VIDA. ROSENBERG, 2006 Comunicação Não Violenta na Prática
  • 15. NA PRÁTICA Para se rever a maneira o qual nos expressamos e escutamos, dividimos em dois passos: receber empaticamente as mensagens e expressar-se honestamente. Tudo isso por meio de quatro componentes base da Comunicação Não Violenta.
  • 16. COMPONENTES DA CNV SENTIMENTOS (EM VEZ DE AVALIAÇÕES) OBSERVAÇÃO (EM VEZ DE JULGAMENTO) NECESSIDADES (EM VEZ DE ESTRATÉGIAS) PEDIDO (EM VEZ DE ORDENS)
  • 17. Observação O acontecimento do fato deve ser observado com neutralidade. Deve ser específica de cada momento e desentimular todos os tipos de generalização.
  • 18. OBSERVAÇÃO FALAREOUVIR OUVIR Aclarar por meio de perguntas, pontos que não compreendeu bem. Ouvir atentamente sem julgar, sem fazer inferências, sem relacionar com outra situação. FALAR Dizer o que observo, sem julgar, sem fazer inferências, sem relacionar com outra situação; sem rotular, sem atacar, sem generalizar, usar sempre "EU".
  • 19. SENTIMENTO Detectar os sentimentos, a consciência e expressão, bem como abertura para compreensão de sentimentos alheios são essenciais. Não utilize o verbo sentir sem de fato expressar um sentimento. 
  • 20. Falar O verbo sentir deve vir acompanhado de um sentimento e não pensamento. Por outro lado, não é necessário usar o verbo sentir quando expressar um sentimento, pode-se dizer "Estou encantado", "Fico magoado", "Sou grato". Ouvir Acolher com empatia como o outro está se sentindo com relação ao que se oberva. Usar expressão "você se sente". Ajudar a relacionar o sentimento do outro às expectativas dele e não à minha ação. SENTIMENTO
  • 21. NECESSIDADE O sentimento é gerado pelas necessidades, expectativas do momento e pela forma como você escolhe receber a mensagem. Pense em qual necessidade gostaria de ser atendida ao invés de fazer julgamento.
  • 22. NECESSIDADE FALAR Nomear com clareza minhas próprias necessidades, sentimentos, valores, expectativas, etc. Expressar honestamente a energia vital na forma de necessidades, valores, desejos ou pensamentos que estão criando meus sentimentos.
  • 23. NECESSIDADE OUVIR Confirmar com o outro sua verdadeira necessidade, sentimento, valores, expectativas, etc. Acolher com empatia a energia vital na forma de necessidades, valores, desejos, ou pensamentos que estão criando os sentimentos do outro.
  • 24. PEDIDOS É indicado caso as necessidades não tenham sido atendidas. O elemento-chave de um pedido não é a forma que ele assume, nem seu conteúdo, mas sua intenção. Um pedido vem de um lugar de abertura, curiosidade e uma preocupação genuína com as preocupações de ambas as partes
  • 25. OUVIRFALAR Usar expressões, palavras e gestual de solicitação, nunca de comando, coação ou imposição (eu gostaria que; você poderia...) Acolher com interesse e confirmar a solicitação (você gostaria que eu; você está me pedindo para...)
  • 26. Retorno e Empatia Um modo eficaz de saber se a mensagem foi captada com sucesso é parafrasear o que foi compreendido, dando chances para que o outro possa retificar a mensagem, caso tenha sido mal interpretada. O QUE ESTÃO PEDINDOO QUE ESTÃO OBSERVANDO "Você está reagindo aos atrasos no trabalho que eu tive na semana passada?" COMO SE SENTEM E QUAIS NECESSIDADES GERAM ESSES SENTIMENTOS "Sente-se incomodado porque gostaria que o chefe tivesse mais confiança no que você faz?" "Você quer que eu diga o motivo pelo qual passei sua gratificação para o Fulano?"
  • 27. Estar presente é a palavra para se ter empatia, trazendo a plena atenção na mensagem recebida. Compreender de forma respeitosa, inclusive no tom de voz, do que a outra pessoa está vivendo. Retorno e Empatia O QUE EVITAR? Impor perfeição dando conselhos. "Acho que você deveria ter entrado no programa de demissão voluntária." Considerar-se superior ao se explicar. "Eu falei que o tamanho da fonta era 12... mas..." Tentar justificar uma dor dando consolo. "Você fez o melhor que pôde na apresentação da marca, não foi culpa sua..." Competir pelo sofrimento, subestimando a dor alheia. "Comigo aconteceu pior, fiquei até às onze na semana passada esperando o chefe ir embora." Contar casos de lição de moral para desviar o foco. "Isso me lembra da vez quando apresentei atestado ao serviço médico e  quetionaram a veracidade e..."
  • 28. Referências COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA: TÉCNICAS PARA APRIMORAR RELACIONAMENTOS PESSOAIS E PROFISSIONAIS livro: Marshall B. Rosenberg, 2006 MANUAL DE COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA PARA ORGANIZAÇÕES Manual: Caroline Reis Rocha, 2017 CONCILIADOR E A COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA Artigo: Aline Gisele Araújo Miranda de Morais,