SlideShare uma empresa Scribd logo
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA
Cartografia no Brasil
Trabalho da disciplina de Geografia,
elaborado pelos alunos do curso de
Mecânica, da turma 6821, Pedro Leite,
Rennê Rudner, Rodrigo Giardino e
Rodrigo do Vale. Sob a orientação da
profª Carolina Corrêa.
Salvador
2014
Introdução
Basicamente, falaremos sobre a origem e o desenvolvimento da
cartografia no Brasil, o período retratado vai de 1500 até os dias atuais.
Definição - Cartografia
É a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e
estudo dos mapas.
Cartografia no Brasil
Origem:
A cartografia brasileira teve varias influencias das cartografias de outros
países. Mas foi de Portugal a influência marcante.
Sem dúvida, Portugal influenciou bastante essa atividade aqui no país
desde os primórdios da era colonial.
A expansão ultramarina e as navegações marcaram profundamente o
caráter utilitário da cartografia de Portugal da época colonialista.
Era enorme a produção de mapas que representava as ilhas e os
continentes, com poucos nomes mas ricos em detalhes, há vários mapas da
costa brasileira produzidos por Portugal nessa época, representando de forma
espetacular as belezas e diversidades do nosso país quando este foi
descoberto.
A cartografia própria brasileira surgiu com a chegada da Família Real ao
Brasil em 1808. Mas ainda sob influência das técnicas e do estilo europeu.
Desenvolvimento:
Brasil Colonial:
A primeira representação cartográfica do Brasil aparece no planisfério de
Juan de la Cosa, de 1500, mostrando a Costa Norte até as proximidades da
Ponta do Mucuripe (Ceará).
Posteriormente, foram feitas outras representações cartográficas, também por
cartógrafos estrangeiros, em que o Brasil aparece. Por exemplo:
• Planisfério de Cantino:
O Planisfério de Cantino tem esse nome em referência a Alberto Cantino,
espião italiano, que obteve uma cópia do mapa original, que pertencia a coroa
portuguesa, e a vendeu ao duque de Ferrara. Nota-se técnicas portulanas,
como as rosas dos ventos em vários pontos do mapa e interligadas.
• Universalis Cosmographia de Waldseemüller:
Primeiro mapa-múndi a utilizar o termo “América”¹. Nota-se em seu desenho
influências religiosas, como imagens de anjos assoprando, representando a
origem dos ventos.
• Terra Brasilis:
Primeira representação cartográfica do território brasileiro de forma integrada,
atribuída aos cartógrafos Lopo Homem, Pedro e Jorge Reinel, faz parte do
conhecido Atlas Miller de 1519. Terra Brasilis representa o escambo de pau-
brasil no séc. XVI, sendo considerada a primeira carta econômica do Brasil e a
primeira imagem do desmatamento do país.
¹
Brasil Imperial:
O Brasil começa a romper com o estilo luso-brasileiro em 1808 com
medidas para organizar-se administrativamente. Nesse ano, o governo imperial
cria o Arquivo Militar e a Academia de Artilharia e Fortificação. As duas últimas
seriam responsáveis em preparar técnicos que dariam continuidade aos
trabalhos geográficos e cartográficos.
Com a implantação da Imprensa Régia, começaram trabalhos de edição
de mapas nacionais enquanto que o Real Arquivo Militar era responsável em
armazenar e preservar nosso acervo. Com o apoio deles foi feita a planta de
São Sebastião do Rio de Janeiro em 1812, através do processo de gravura em
metal.
Em 1822, passou-se a usar a litografia no processo de impressão de mapas.
Vários estudos visando à criação de um órgão encarregado de executar
levantamentos geodésicos e topográficos e construir uma carta exata foram
mal sucedidos, e só na republica, a partir de 1901, viria surgir um plano sério.
Brasil República:
O país começava a crescer e se organizar, portanto dependia de uma
cobertura sistemática de mapa, e como o Brasil se comportava, apesar das
suas dimensões continentais, como um país ilha, a cartografia hidrográfica foi a
mais enfatizada e de grande valia.
A terrestre buscava, através do Estado-Maior do Exército, a construção
de uma carta básica, fato realizado e muito bem preparado.
Com a finalidade de coordenar as atividades estatística, censitária e
geográfica do país foi criado o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
(IBGE) em 1936.
Em 1939, iniciou a preparação do projeto Carta do Brasil ao Milionésimo,
concluída em 1960 com o fornecimento de documentação pelos Estados
Unidos que promoveu uma extensa cobertura aerofotogramétrica sobre áreas
pouco desenvolvidas cartograficamente como o norte e o centro oeste do
Brasil.
A carta do Brasil ao milionésimo faz parte de um plano mundial que teve
origem em convenção internacional na Inglaterra em 1909.
Foram estabelecidos padrões técnicos para a confecção de cartas na
escala de 1:1.000.000 - um por um milhão - daí o nome e expressão " ao
milionésimo " .
De 1970 a 1989, ocorre o desenvolvimento da engenharia cartográfica e
atuação dos grandes projetos nacionais como o Projeto RADAM.
Após 1990, com a introdução e um grande desenvolvimento das novas
tecnologias de sensoriamento remoto, cartografia digital e sistemas de
informação geográfica, ocorre uma grande dinamização e popularização da
cartografia no Brasil.
Principais instrumentos/técnicas:
Gravura em metal – É o processo de gravura de encavo feito numa matriz de
metal, geralmente o cobre. Pode também ser feita em alumínio, aço, ferro ou
latão.
Litografia – Essa técnica de gravura envolve a criação de marcas (ou
desenhos) sobre uma matriz (pedra calcária) com um lápis gorduroso. A base
dessa técnica é o princípio da repulsão entre água e óleo.
Aerofotogrametria – É o nome dado ao método de obtenção de dados
topográficos por meio de fotografias aéreas, geralmente, com o fim de
mapeamento.
Projeto RADAM – Radar da Amazônia, com a aplicação pioneira de sensores
aerotransportados radargramétricos, posteriormente o projeto foi estendido a
todo território nacional – RADAMBRASIL, extinto em 1985.
Conclusão
A partir deste trabalho, pudemos entender a origem da cartografia
brasileira e seu desenvolvimento, que, inicialmente, era realizada por
estrangeiros que exploravam uma nova terra. Posteriormente, houve um
desenvolvimento cartográfico nacional, com a criação de instituições e
formação de profissionais nativos. Com o passar do tempo, novas tecnologias
surgiram e foram incorporadas. Atualmente, a cartografia brasileira, há muito
independente e consolidada, se desenvolve cada vez mais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Escala geografica x cartografica aula 3
Escala geografica x cartografica   aula 3Escala geografica x cartografica   aula 3
Escala geografica x cartografica aula 3
Luciano Pessanha
 
Circulo e cincunferencia
Circulo e cincunferenciaCirculo e cincunferencia
Circulo e cincunferencia
Pedro Valentim
 
História da cartografia e projeções cartográficas
História da cartografia e projeções cartográficasHistória da cartografia e projeções cartográficas
História da cartografia e projeções cartográficas
Sérgio Saribera
 
Representações do espaço geográfico
Representações do espaço geográficoRepresentações do espaço geográfico
Representações do espaço geográfico
Marco Santos
 
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICASREPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
Renata Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
 
Unidade 1 6º ano
Unidade 1 6º anoUnidade 1 6º ano
Unidade 1 6º ano
 
CARTOGRAFIA E MAPAS
CARTOGRAFIA E MAPASCARTOGRAFIA E MAPAS
CARTOGRAFIA E MAPAS
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Escalas e mapas
Escalas e mapasEscalas e mapas
Escalas e mapas
 
Cartografia aula 1 - definição e histórico
Cartografia   aula 1 - definição e históricoCartografia   aula 1 - definição e histórico
Cartografia aula 1 - definição e histórico
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Escala geografica x cartografica aula 3
Escala geografica x cartografica   aula 3Escala geografica x cartografica   aula 3
Escala geografica x cartografica aula 3
 
CARTOGRAFIA BÁSICA 1
CARTOGRAFIA  BÁSICA 1CARTOGRAFIA  BÁSICA 1
CARTOGRAFIA BÁSICA 1
 
Cartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do MapaCartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do Mapa
 
Geografia 6º ano
Geografia 6º anoGeografia 6º ano
Geografia 6º ano
 
Circulo e cincunferencia
Circulo e cincunferenciaCirculo e cincunferencia
Circulo e cincunferencia
 
Cartogramas - Cartografia Temática
Cartogramas - Cartografia TemáticaCartogramas - Cartografia Temática
Cartogramas - Cartografia Temática
 
História da cartografia
História da cartografiaHistória da cartografia
História da cartografia
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Prova sobre redes
Prova sobre redesProva sobre redes
Prova sobre redes
 
História da cartografia e projeções cartográficas
História da cartografia e projeções cartográficasHistória da cartografia e projeções cartográficas
História da cartografia e projeções cartográficas
 
Cartografia 1º ano
Cartografia 1º anoCartografia 1º ano
Cartografia 1º ano
 
Representações do espaço geográfico
Representações do espaço geográficoRepresentações do espaço geográfico
Representações do espaço geográfico
 
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICASREPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
 

Destaque

Cartografia HistóRia
Cartografia   HistóRiaCartografia   HistóRia
Cartografia HistóRia
Mateus Silva
 
Tecnologias modernas aplicadas à cartografia
Tecnologias modernas aplicadas à cartografiaTecnologias modernas aplicadas à cartografia
Tecnologias modernas aplicadas à cartografia
Ana Selma Sena Santos
 
Tecnologias modernas utilizadas pela cartografia
Tecnologias modernas utilizadas pela cartografiaTecnologias modernas utilizadas pela cartografia
Tecnologias modernas utilizadas pela cartografia
Renata Magalhães
 
Cartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapasCartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapas
Roberta Sumar
 
A geopolítica no brasil
A geopolítica no brasilA geopolítica no brasil
A geopolítica no brasil
Larissa Silva
 
Ginástica acrobática
Ginástica acrobáticaGinástica acrobática
Ginástica acrobática
franciscaf
 
Regras de segurança no laboratório
Regras de segurança no laboratórioRegras de segurança no laboratório
Regras de segurança no laboratório
veronicasilva
 
Educação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobáticaEducação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobática
gltrindade
 
Trabalho de geografia 9º ano
Trabalho de geografia 9º anoTrabalho de geografia 9º ano
Trabalho de geografia 9º ano
Ivonilde Lima
 
5 tipos de mapas
5 tipos de mapas5 tipos de mapas
5 tipos de mapas
Mayjö .
 
Evolução territorial do brasil em mapas (1534 atual
Evolução territorial do brasil em mapas (1534 atualEvolução territorial do brasil em mapas (1534 atual
Evolução territorial do brasil em mapas (1534 atual
Jailson Alves
 
GEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o Brasil
GEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o BrasilGEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o Brasil
GEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o Brasil
Dayane Cristine Leite
 

Destaque (20)

Cartografia HistóRia
Cartografia   HistóRiaCartografia   HistóRia
Cartografia HistóRia
 
Tecnologias modernas aplicadas à cartografia
Tecnologias modernas aplicadas à cartografiaTecnologias modernas aplicadas à cartografia
Tecnologias modernas aplicadas à cartografia
 
Cartografia powerpoint
Cartografia powerpointCartografia powerpoint
Cartografia powerpoint
 
Tecnologias modernas utilizadas pela cartografia
Tecnologias modernas utilizadas pela cartografiaTecnologias modernas utilizadas pela cartografia
Tecnologias modernas utilizadas pela cartografia
 
Cartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapasCartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapas
 
Geografia economica t.0.cartografia
Geografia economica t.0.cartografiaGeografia economica t.0.cartografia
Geografia economica t.0.cartografia
 
A geopolítica no brasil
A geopolítica no brasilA geopolítica no brasil
A geopolítica no brasil
 
PRIVEST - Cap. 04 - Diferentes formas de regionalizar o espaço geográfico - 1...
PRIVEST - Cap. 04 - Diferentes formas de regionalizar o espaço geográfico - 1...PRIVEST - Cap. 04 - Diferentes formas de regionalizar o espaço geográfico - 1...
PRIVEST - Cap. 04 - Diferentes formas de regionalizar o espaço geográfico - 1...
 
Ginástica acrobática
Ginástica acrobáticaGinástica acrobática
Ginástica acrobática
 
Regras de segurança no laboratório
Regras de segurança no laboratórioRegras de segurança no laboratório
Regras de segurança no laboratório
 
Educação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobáticaEducação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobática
 
Trabalho e Energia Mecânica
Trabalho e Energia MecânicaTrabalho e Energia Mecânica
Trabalho e Energia Mecânica
 
Brasil características gerais
Brasil características geraisBrasil características gerais
Brasil características gerais
 
Cartografia 1° Ano
Cartografia 1° AnoCartografia 1° Ano
Cartografia 1° Ano
 
Trabalho de geografia 9º ano
Trabalho de geografia 9º anoTrabalho de geografia 9º ano
Trabalho de geografia 9º ano
 
Capitanias Hereditárias
Capitanias HereditáriasCapitanias Hereditárias
Capitanias Hereditárias
 
5 tipos de mapas
5 tipos de mapas5 tipos de mapas
5 tipos de mapas
 
Evolução territorial do brasil em mapas (1534 atual
Evolução territorial do brasil em mapas (1534 atualEvolução territorial do brasil em mapas (1534 atual
Evolução territorial do brasil em mapas (1534 atual
 
GEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o Brasil
GEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o BrasilGEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o Brasil
GEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o Brasil
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 

Semelhante a Cartografia no brasil

Cartografia aula 2 - conceito e histórico
Cartografia   aula 2 - conceito e históricoCartografia   aula 2 - conceito e histórico
Cartografia aula 2 - conceito e histórico
Fabrício Almeida
 
Cartografia elementos basicos
Cartografia elementos basicosCartografia elementos basicos
Cartografia elementos basicos
Leandro Silva
 
ProjeçõEs CartográFica, Mapas E Atividades Ulbra ConcóRdia
ProjeçõEs CartográFica, Mapas E Atividades Ulbra ConcóRdiaProjeçõEs CartográFica, Mapas E Atividades Ulbra ConcóRdia
ProjeçõEs CartográFica, Mapas E Atividades Ulbra ConcóRdia
alcidessf
 
Slides de cartografia
Slides de cartografiaSlides de cartografia
Slides de cartografia
Dora Amarante
 

Semelhante a Cartografia no brasil (20)

Aula cartografia 1º ano ens. médio. CEFE Profª. Daiane Araújo
Aula cartografia 1º ano ens. médio. CEFE Profª. Daiane AraújoAula cartografia 1º ano ens. médio. CEFE Profª. Daiane Araújo
Aula cartografia 1º ano ens. médio. CEFE Profª. Daiane Araújo
 
Grupo 07
Grupo 07Grupo 07
Grupo 07
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Cartografia - História (1º parte)
Cartografia - História (1º parte)Cartografia - História (1º parte)
Cartografia - História (1º parte)
 
historia dos mapas.pptx
historia dos mapas.pptxhistoria dos mapas.pptx
historia dos mapas.pptx
 
Cartografia aula 2 - conceito e histórico
Cartografia   aula 2 - conceito e históricoCartografia   aula 2 - conceito e histórico
Cartografia aula 2 - conceito e histórico
 
Cartografia elementos basicos
Cartografia elementos basicosCartografia elementos basicos
Cartografia elementos basicos
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
publicado en slideshare
publicado en slidesharepublicado en slideshare
publicado en slideshare
 
Cartilha Patrimonial Aqwa Corporate
Cartilha Patrimonial Aqwa CorporateCartilha Patrimonial Aqwa Corporate
Cartilha Patrimonial Aqwa Corporate
 
ProjeçõEs CartográFica, Mapas E Atividades Ulbra ConcóRdia
ProjeçõEs CartográFica, Mapas E Atividades Ulbra ConcóRdiaProjeçõEs CartográFica, Mapas E Atividades Ulbra ConcóRdia
ProjeçõEs CartográFica, Mapas E Atividades Ulbra ConcóRdia
 
Lucas montalvao rabelo
Lucas montalvao rabeloLucas montalvao rabelo
Lucas montalvao rabelo
 
Formas de representar a superfície terrestre.pptx
Formas de representar a superfície terrestre.pptxFormas de representar a superfície terrestre.pptx
Formas de representar a superfície terrestre.pptx
 
Privest, 3º EM - Cartografia AP 01 MÓD 01
Privest, 3º EM - Cartografia AP 01 MÓD 01Privest, 3º EM - Cartografia AP 01 MÓD 01
Privest, 3º EM - Cartografia AP 01 MÓD 01
 
Slides de cartografia
Slides de cartografiaSlides de cartografia
Slides de cartografia
 
3 a abertura europeia ao mundo
3   a abertura europeia ao mundo3   a abertura europeia ao mundo
3 a abertura europeia ao mundo
 
Cartografia e Mapas
Cartografia e MapasCartografia e Mapas
Cartografia e Mapas
 
A Cartografia na leitura do mundo
A Cartografia na leitura do mundoA Cartografia na leitura do mundo
A Cartografia na leitura do mundo
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
 

Mais de karolpoa

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
karolpoa
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
karolpoa
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
karolpoa
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
karolpoa
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
karolpoa
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
karolpoa
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
karolpoa
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
karolpoa
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
karolpoa
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
karolpoa
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
karolpoa
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
karolpoa
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
karolpoa
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
karolpoa
 

Mais de karolpoa (20)

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
 

Último

O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
LisaneWerlang
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 

Cartografia no brasil

  • 1. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA Cartografia no Brasil Trabalho da disciplina de Geografia, elaborado pelos alunos do curso de Mecânica, da turma 6821, Pedro Leite, Rennê Rudner, Rodrigo Giardino e Rodrigo do Vale. Sob a orientação da profª Carolina Corrêa. Salvador 2014
  • 2. Introdução Basicamente, falaremos sobre a origem e o desenvolvimento da cartografia no Brasil, o período retratado vai de 1500 até os dias atuais.
  • 3. Definição - Cartografia É a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas.
  • 4. Cartografia no Brasil Origem: A cartografia brasileira teve varias influencias das cartografias de outros países. Mas foi de Portugal a influência marcante. Sem dúvida, Portugal influenciou bastante essa atividade aqui no país desde os primórdios da era colonial. A expansão ultramarina e as navegações marcaram profundamente o caráter utilitário da cartografia de Portugal da época colonialista. Era enorme a produção de mapas que representava as ilhas e os continentes, com poucos nomes mas ricos em detalhes, há vários mapas da costa brasileira produzidos por Portugal nessa época, representando de forma espetacular as belezas e diversidades do nosso país quando este foi descoberto. A cartografia própria brasileira surgiu com a chegada da Família Real ao Brasil em 1808. Mas ainda sob influência das técnicas e do estilo europeu. Desenvolvimento: Brasil Colonial: A primeira representação cartográfica do Brasil aparece no planisfério de Juan de la Cosa, de 1500, mostrando a Costa Norte até as proximidades da Ponta do Mucuripe (Ceará).
  • 5. Posteriormente, foram feitas outras representações cartográficas, também por cartógrafos estrangeiros, em que o Brasil aparece. Por exemplo: • Planisfério de Cantino: O Planisfério de Cantino tem esse nome em referência a Alberto Cantino, espião italiano, que obteve uma cópia do mapa original, que pertencia a coroa portuguesa, e a vendeu ao duque de Ferrara. Nota-se técnicas portulanas, como as rosas dos ventos em vários pontos do mapa e interligadas. • Universalis Cosmographia de Waldseemüller:
  • 6. Primeiro mapa-múndi a utilizar o termo “América”¹. Nota-se em seu desenho influências religiosas, como imagens de anjos assoprando, representando a origem dos ventos. • Terra Brasilis: Primeira representação cartográfica do território brasileiro de forma integrada, atribuída aos cartógrafos Lopo Homem, Pedro e Jorge Reinel, faz parte do conhecido Atlas Miller de 1519. Terra Brasilis representa o escambo de pau- brasil no séc. XVI, sendo considerada a primeira carta econômica do Brasil e a primeira imagem do desmatamento do país.
  • 7. ¹ Brasil Imperial: O Brasil começa a romper com o estilo luso-brasileiro em 1808 com medidas para organizar-se administrativamente. Nesse ano, o governo imperial cria o Arquivo Militar e a Academia de Artilharia e Fortificação. As duas últimas seriam responsáveis em preparar técnicos que dariam continuidade aos trabalhos geográficos e cartográficos. Com a implantação da Imprensa Régia, começaram trabalhos de edição de mapas nacionais enquanto que o Real Arquivo Militar era responsável em armazenar e preservar nosso acervo. Com o apoio deles foi feita a planta de São Sebastião do Rio de Janeiro em 1812, através do processo de gravura em metal.
  • 8. Em 1822, passou-se a usar a litografia no processo de impressão de mapas. Vários estudos visando à criação de um órgão encarregado de executar levantamentos geodésicos e topográficos e construir uma carta exata foram mal sucedidos, e só na republica, a partir de 1901, viria surgir um plano sério. Brasil República: O país começava a crescer e se organizar, portanto dependia de uma cobertura sistemática de mapa, e como o Brasil se comportava, apesar das suas dimensões continentais, como um país ilha, a cartografia hidrográfica foi a mais enfatizada e de grande valia. A terrestre buscava, através do Estado-Maior do Exército, a construção de uma carta básica, fato realizado e muito bem preparado. Com a finalidade de coordenar as atividades estatística, censitária e geográfica do país foi criado o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 1936. Em 1939, iniciou a preparação do projeto Carta do Brasil ao Milionésimo, concluída em 1960 com o fornecimento de documentação pelos Estados Unidos que promoveu uma extensa cobertura aerofotogramétrica sobre áreas pouco desenvolvidas cartograficamente como o norte e o centro oeste do Brasil.
  • 9. A carta do Brasil ao milionésimo faz parte de um plano mundial que teve origem em convenção internacional na Inglaterra em 1909. Foram estabelecidos padrões técnicos para a confecção de cartas na escala de 1:1.000.000 - um por um milhão - daí o nome e expressão " ao milionésimo " . De 1970 a 1989, ocorre o desenvolvimento da engenharia cartográfica e atuação dos grandes projetos nacionais como o Projeto RADAM. Após 1990, com a introdução e um grande desenvolvimento das novas tecnologias de sensoriamento remoto, cartografia digital e sistemas de informação geográfica, ocorre uma grande dinamização e popularização da cartografia no Brasil. Principais instrumentos/técnicas: Gravura em metal – É o processo de gravura de encavo feito numa matriz de metal, geralmente o cobre. Pode também ser feita em alumínio, aço, ferro ou latão.
  • 10. Litografia – Essa técnica de gravura envolve a criação de marcas (ou desenhos) sobre uma matriz (pedra calcária) com um lápis gorduroso. A base dessa técnica é o princípio da repulsão entre água e óleo. Aerofotogrametria – É o nome dado ao método de obtenção de dados topográficos por meio de fotografias aéreas, geralmente, com o fim de mapeamento. Projeto RADAM – Radar da Amazônia, com a aplicação pioneira de sensores aerotransportados radargramétricos, posteriormente o projeto foi estendido a todo território nacional – RADAMBRASIL, extinto em 1985.
  • 11. Conclusão A partir deste trabalho, pudemos entender a origem da cartografia brasileira e seu desenvolvimento, que, inicialmente, era realizada por estrangeiros que exploravam uma nova terra. Posteriormente, houve um desenvolvimento cartográfico nacional, com a criação de instituições e formação de profissionais nativos. Com o passar do tempo, novas tecnologias surgiram e foram incorporadas. Atualmente, a cartografia brasileira, há muito independente e consolidada, se desenvolve cada vez mais.