SlideShare uma empresa Scribd logo
PEDOLOGIA
Prof. Carolina Corrêa
Objetivos:
Compreender os diferentes tipos de
classificação;
Identificar o melhor uso das
classificações.
CLASSIFICAÇÃO DOS
SOLOS
Introdução
Dada a infinidade de solos que
existem na natureza é necessário um
sistema de classificação que indique
características geotécnicas comuns de um
determinado grupo de solos a partir de
ensaios simples de identificação.
A classificação dos solos surgiu
quando o homem se interessou pelo seu
cultivo, como uma forma de tentar distinguir
suas características com relação à
produtividade. Os critérios empregados
geralmente associavam a produtividade
com outra característica mais visível, como
cor e textura.
Depois da Segunda Guerra Mundial, o
potencial agrícola das nações menos
desenvolvidas tornou-se alvo de interesse e,
um melhor sistema de classificação de solos
passou a ser necessário a fim de que os
conhecimentos existentes sobre alguns
solos pudessem ser transferidos entre
localidades com solo e meio-ambiente
similares.
Desenvolveu-se a taxonomia de solos
cuja razão prática para o seu
desenvolvimento foi a descoberta de que
solos com propriedades similares em meios
também similares respondem do mesmo
modo a práticas de gerência semelhantes,
permitindo a transferência de experiência.
Várias têm sido as classificações
apresentadas, variando de acordo com o
interesse do grupo de pessoas para o qual
cada classificação é elaborada.
Hoje, as mais utilizadas são:
Classificação pedológica: solos zonais,
intrazonais e azonais;
Origem dos solos: residuais,
transportados/sedimentares, orgânicos;
Com base na textura: tamanho das
partículas;
Classificação visual e táctil: exame visual
e ensaios simples;
Geotécnica: SUCS, HRB/ASSHTO, MCT
As Diferentes Classificações
Conforme esta classificação, o perfil de
solo passou a ser considerado um corpo
autônomo da superfície da crosta terrestre,
com origem vinculada ao clima, sendo
dessa forma conceituada a “lei da
zonalidade climática”.
Classificação Pedológica
Zonais ou Eluviais
Quando o solo se forma a partir do
intemperismo local, ou seja, decomposição da
rocha matriz local.
Tem o fator climático como principal
elemento de formação. São solos maduros, ou
seja, possuem horizontes A, B e C, ocorrem em
correspondência com as grandes zonas
climáticas.
Estão associados a relevos estáveis e
climas estáveis culminando em formações
antigas.
Intrazonais ou orgânicos
Solos em que a influência de uma
característica local é dominante. Se formam
a partir da erosão local e de sedimentos
trazidos de outros locais.
São solos em que o relevo local ou
material de origem prevalecem sobre o clima;
são solos intermediários entre azonais e
zonais (quando vistos sob o fator tempo).
Azonais ou Aluviais
Solos jovens, com características
próximas da rocha mãe (pouco afetados por
processos pedogenéticos), geralmente
desprovidos de horizonte B.
Se formam a partir de sedimentos
oriundos de outros locais e transportados
através dos rios e ventos, solos jovens
típicos de regiões em declive.
Quanto a formação os solos podem ser:
Residuais ou autóctones;
Transportados, Sedimentares ou
alotóctones;
Orgânicos.
Classificação Quanto a
Origem e Formação
Residuais ou autóctones = quando
provem da decomposição da rocha
subjacente, ou seja, permanecem no local
de origem onde existe uma transformação
gradual da rocha até a formação do solo.
Para que eles ocorram é necessário
que a velocidade de decomposição da
rocha seja maior do que a velocidade de
remoção do solo por agentes externos.
Como a ação das intempéries se da,
em geral, de cima para baixo, as camadas
superiores são mais trabalhadas que as
inferiores.
No Recôncavo Baiano é comum a
ocorrência de solos residuais oriundos de
rochas sedimentares. Sendo este
constituído de camadas sucessivas de
argila e areia, coerente com o material que
foi depositado no local
Merece uma atenção especial o solo
formado pela decomposição da rocha
sedimentar denominada de folhelho (solo
massapê), pois este apresentando grande
potencial de expansão na presença de
água.
As constantes mudanças de umidade a
que o solo esta submetido provocam
variações de volume que geram sérios
problemas nas construções (aterros ou
edificações).
Transportados, Sedimentares ou
alotóctones = quando provieram da
decomposição de matéria de outro
lugar. A características destes solos
variam com o tipo de agente
transportador e com a distância de
transporte.
Orgânicos = quando provenientes da
deposição de matéria orgânica, seja de
natureza vegetal (plantas, raízes), seja
animal (conchas), quase sempre
desenvolvida no mesmo lugar.
Exemplo:
Turfas - solos que incorporam florestas
soterradas em estado avançado de
decomposição. Tem estrutura fibrilar
composta de restos de fibras vegetais. Tem
ocorrência registrada na Bahia, Sergipe, Rio
Grande do Sul e outros estados do Brasil.
O sistema de classificação dos solos,
quanto à textura, utiliza-se da curva
granulométrica do solo e uma escala de
classificação.
Classificação Textural
A partir da curva granulométrica, obtida
em laboratório, serão determinadas as
porcentagens de cada fração do solo, que
será adjetivado pela fração imediatamente
abaixo, em termos percentuais.
Exemplo:
Classificação = areia fina siltosa.
Escala da ABNT.
Obs.: Se as frações silte e argila, do
exemplo anterior, se equivalessem, com
leve predominância da fração silte, o solo
passaria a receber o seguinte nome: areia
fina silto-argilosa.
Exemplo:
Pedregulho = 3 %
Areia = 52 % (G = 3 %, M = 46 % e F = 6 %)
Silte = 46 %
Argila = 2 %
Exemplo:
Pedregulho = 0 %
Areia média = 50 % (F e G = 0 % )
Silte = 23 %
Argila = 27 %
Em caso de empate: 1º argila, 2º
areia e 3º silte.
1 a 5% comvestígiosde
5 a 10% compouco


Emcasodepresença depedregulhos
10 a 29% compedregulho
> 30% commuitopedregulho


Solo 1: Argila Silto-Arenosa com pouco
pedregulho.
Solo2: Areia Silto-Argilosa com pedregulho.
Solo3: Pedregulho arenoso com vestígios
de Silte e Pedra.
Por que se usa este tipo de identificação?
 Justificativa econômica;
 Fase preliminar.
Esta habilidade varia de profissional para
profissional.
Classificação Visual e Táctil
1º definir se o solo é grosso ou fino.
Umedecer o solo para desmanchar
torrões de argila e poder sentir se há
areia;
Se não houver água, esfregar uma
amostra em uma folha de papel, pois silte
e argila irão impregnar no papel e a areia
não.
2º em se tratando de solo fino, definir se é
siltoso ou argiloso.
Resistência a seco = umedecer e moldar
uma amostra de 2cm, deixar secar, quebrar.
Se a amostra se pulverizar é silte, se dividir-
se em pedaços distintos é argila.
Shaking test = formar uma pasta úmida
(saturada) na palma da mão, bater uma
mão contra a outra. Se for argila o impacto
não provocará o aparecimento de água.
Plasticidade = Moldar bolinhas ou cilindros
de solo úmido. As argilas são moldáveis
enquanto as areias e siltes não são
moldáveis.
Dispersão em água: Misturar uma porção
de solo seco com água em uma proveta,
agitando-a. As areias depositam-se
rapidamente, enquanto que as argilas
turvam a suspensão e demoram para
Sedimentar.
Impregnação = esfregar uma pequena
quantidade de solo úmido na palma de
uma das mãos. Colocar a mão embaixo
de uma torneira aberta e observar a
facilidade com que a palma da mão fica
limpa. Solos finos se impregnam e não
saem da mão com facilidade.
Classificações Geotécnica
Este sistema foi idealizado por Arthur
Casagrande (1948), e inicialmente utilizado
para classificação de solos para construção
de aeroportos, e depois expandido para
outras aplicações.
Sistema Unificado de
Classificação dos Solos (SUCS)
A idéia básica do Sistema Unificado de
Classificação dos solos é que os solos
grossos podem ser classificados de acordo
com a sua curva granulométrica, ao passo
que o comportamento de engenharia dos
solos finos está intimamente relacionado
com a sua plasticidade.
Ou seja, os solos nos quais a fração
fina não existe em quantidade suficiente
para afetar o seu comportamento são
classificados de acordo com a sua curva
granulométrica, enquanto que os solos nos
quais o comportamento de engenharia é
controlado pelas suas frações finas (silte e
argila), são classificados de acordo com as
suas características de plasticidade.
As quatro maiores divisões do Sistema
Unificado de Classificação dos Solos são as
seguintes:
1 - Solos grossos (partículas com φ >
0,075mm: pedregulho e areia);
2 - Solos finos (partículas com φ <
0,075mm: silte e argila);
3 - Solos orgânicos; e,
4 - Turfa.
Os solos orgânicos e as turfas são
geralmente identificados visualmente.
 Pedregulho (G) (inglês – Gravel)
 Argila (C) - (inglês – Clay)
 Areia (S) (inglês – Sand)
 Solos orgânicos (O) (inglês – Organic soils)
 Turfa (Pt) (inglês – Peat)
 Silte (M) (sueco – Mjala)
Simbologia
silte
Solos Grossos
Os solos grossos são classificados
como pedregulho ou areia. São
classificados como pedregulhos aqueles
solos possuindo mais do que 50% de sua
fração grossa retida na peneira 4 (4,75mm)
e como areias aqueles solos possuindo
mais do que 50% de sua fração grossa
passando na peneira 4.
Cada grupo por sua vez é dividido em
subgrupos a depender de sua curva
granulométrica ou da natureza da fração
fina eventualmente existente. São eles:
1) Material praticamente limpo de finos, bem
graduado W, (GW e SW);
2) Material praticamente limpo de finos, mal
graduado P, (GP e SP)
3) Material com quantidades apreciáveis de
finos de baixa plasticidade, M, (GM e SM)
4) Material com quantidades apreciáveis de
finos de alta plasticidade C, (GC ou SC)
Classificação dos solos grossos pelo SUCS.
Solos Finos
Os solos finos são classificados como
argila e silte. A classificação dos solos finos
é realizada tomando-se como base apenas
os limites de plasticidade e liquidez do solo,
plotados na forma da carta de plasticidade
de Casagrande.
A Carta de plasticidade dos solos foi
desenvolvida por A. Casagrande de modo a
agrupar os solos finos em diversos
subgrupos, a depender de suas
características de plasticidade.
A carta de plasticidade possui três divisores
principais:
Linha A (de eq. IP = 0,73(wL – 20)) separa
argilas (acima da linha) de siltes (abaixo da linha);
Linha B (wL = 50%) separa solos de baixa
plasticidade (a esquerda da linha) dos de alta
plasticidade (a direita da linha);
Linha U (de eq. IP = 0,9(wL – 8) que é o limite
superior da classificação.
Deste modo, os solos finos, que são
divididos em quatro subgrupos (CL, CH, ML e
MH), são classificados de acordo com a sua
posição em relação as linhas A e B.
Solos Pantanosos e Turfas
São solos altamente orgânicos,
geralmente fibrilares e extremamente
compressíveis. As turfas são solos que
incorporam florestas soterradas em estágio
avançado de decomposição. Estes solos
formam um grupo independente de símbolo
(Pt).
Observações complementares
Apesar dos símbolos utilizados no
SUCS serem de grande valia, eles não
descrevem completamente um depósito de
solo. Em todos os solos deve-se
acrescentar informações como odor, cor e
homogeneidade do material a classificação.
Para o caso de solos grossos,
informações como a forma dos grãos, tipo
de mineral predominante, graus de
intemperismo ou compacidade, presença ou
não de finos são pertinentes.
Para o caso dos solos finos,
informações como a umidade natural e
consistência (natural e amolgada) devem
ser fornecidas sempre que possível.
Comportamento esperado para os diferentes grupos
da classificação SUCS
A Classificação HRB (Highway Research
Board) de solos data da década de 1920 e
após a 2a Guerra Mundial sofreu alterações
quando foi normalizada pela AASHTO
(American Association of State Highway
Officials). É um sistema de classificação de
solos de aplicação rodoviária baseado nos
limites de Atterberg e na granulometria.
Classificação H.R.B ou
A.A.S.H.T.O.
O método permite estabelecer
distinção entre comportamento de solos, e
codifica o solo com uma letra, a letra A, e
um número, que a medida que o solo seja
pior, sob o ponto de vista da estabilidade,
maior será este sufixo. Os solos são
divididos em materiais granulares, siltosos e
argilosos, conforme a quantidade de
materiais que passa na malha 200.
O sistema da AASHTO classifica o solo
em oito diferentes grupos: de A1 a A8 e
inclui diversos subgrupos. Os solos dentro
de cada grupo ou subgrupo são ainda
avaliados de acordo com o seu índice de
grupo.
OBS.: Em geral os solos granulares
tem índice de grupo (IG) compreendidos
entre 0 e 4, os siltosos entre 5 e 12 e os
argilosos entre 13 e 20.
Os solos grossos subdividem-se em A1, A2 e
A3.
Grupos A4 ao A7
Os solos finos foram divididos em
quatro grupos, A4, A5, A6 e A7.
A diferenciação entre os diversos
grupos é realizada com base nos limites de
Atterberg. Solos altamente orgânicos
(incluindo-se aí a turfa) devem ser
colocados no grupo A8.
Classificação MCT
As classificações tradicionais, SUCS e
AASHTO, apresentam algumas limitações
para classificação de solos provenientes de
regiões tropicais. Uma classificação mais
apropriada aos solos tropicais, com ênfase
em projetos de estradas, foi proposta por
Nogami e Villilbor (1981), a MCT (miniatura,
compactação, tropical.
Esta classificação foi desenvolvida
especialmente para uso em finalidades
viárias e vem sendo usada por vários
órgãos viários como DER-SP, DER-BA,
DER-PR, etc. e instituições de pesquisa
como USP, ITA, UFRGS, etc.
Ela separa os solos em dois grupos,
um de comportamento laterítico e outro não
laterítico.
A água que infiltra no solo lixivia os
sais solúveis das camadas mais superficiais
do perfil de solo, depositando-os em
horizontes mais inferiores. As camadas mais
superficiais ficam ricas em óxidos de ferro e
alumínio, causando o que se denomina de
laterização do solo.
Os solos que apresentam
comportamento laterítico são, em geral, de
cor avermelhada a amarelada, sendo a
fração argila constituída de argilo-minerais
do grupo da caulinita e apresentam elevada
porcentagem de óxidos hidratados de ferro
e alumínio. A fração areia é constituída pelo
quartzo, minerais pesados e concreções
lateríticas.
 Solos Lateríticos
No estado natural apresentam elevada
porosidade e índice de plasticidade, baixa
resistência e capacidade de suporte, porem
quando compactados adquirem elevada
resistência ao cisalhamento.
Estes solos com freqüência atingem
espessuras com mais de 2 metros, mas
raras vezes ultrapassam 10 metros.
Jambeiro-SP
Já os solos não lateríticos, também
conhecidos como saprolíticos, em geral
apresentam manchas e estruturas minerais
herdadas da rocha mãe, são expansivos e
muito erodiveis.
As espessuras deste solo são variadas
atingindo dezenas de metros. Suas cores
também variam muito e sua estrutura
macroscópica é caracterizada, em geral,
pela presença de camadas, manchas,
vazios, etc.
 Solos não lateríticos
Contrastando com os solos lateríticos,
os saprolíticos são legitimamente residuais.
Existem ainda, os chamados solos
transicionais, aqueles que apresentam
comportamento geotécnico que difere dos
solos lateríticos evoluídos ou saprolíticos.
Jambeiro-SP
Os solos de comportamento laterítico
são designado pela letra L, sendo sub-
divididos em 3 grupos:
 LA – Areia lateritica quartzosa;
 LA` - Solo Arenoso lateritico;
 LG` - Solo argiloso laterítico.
Os solos de comportamento não
laterítico (saprolítico) são designados pela
letra N, sendo sub divididos em 4 grupos:
 NA – areias siltes e misturas de areias e
siltes com predominância de grão de
quartzo e /ou mica, não laterítico;
 NA` - misturas de areias quartzosas com
finos de comportamento não laterítico (solo
arenoso);
 NS` - solo siltoso não laterítico;
 NG` - solo argiloso não laterítico.
Em 1988, Vertamatti modificou o ábaco
de classificação da MCT para levar em
consideração os solos sedimentares da
região amazônica, ditos transicionais. O
novo ábaco passou a ser denominado MCT-
M (modificado), dividindo o solos em onze
grupos:
NA (areia não laterítica);
 NG` (solo argiloso não laterítico);
 NS` (solos siltoso não laterítico);
NS'G` (solo siltoso-argiloso não laterítico);
TA`(solo arenoso transicional);
TA`G` (solo areno-argiloso transicional);
TG` (solo argiloso transcional);
LA (areia laterítica);
LA' (solo arenoso laterítico);
LA`G`(solo areno-argiloso laterítico);
LG`(solo argiloso laterítico)
Trata-se de um sistema
morfopedológico e multicategórico,
compreendendo 13 (treze) classes de l °
nível (Ordens) e cerca de 625 classes ao
nível de subgrupo.
Classificação da EMBRAPA
No 1º nível apresentam a seguinte
nomenclatura: Argissolos, Cambissolos,
Chernossolos, Espodossolos, Gleissolos,
Latossolos, Luvissolos, Neossolos,
Nitossolos, Organossolos, Planossolos,
Plintossolos e Vertissolos.
Cabula
Itaigara
Solos Férteis do Mundo:
 Tchenozion (orgânico): Considerado o solo
mais fértil do mundo, presente nas estepes da
Ucrânia, na Europa central, nas pradarias do
Canadá e dos EUA e nos pampas argentinos.
 Loess (azonal) : Muito procurado para a
agricultura na Europa e na China. Forma-se a
partir do acumulo de sedimentos. É constituído
basicamente de argila e calcário.
 Massapê (zonal): Composto basicamente
de gnaisse e calcário, comumente
encontrado no litoral nordestino brasileiro,
indicado para o plantio da cana-de-açúcar.
 Terra Roxa (zonal): Formado da
decomposição basáltica, material magmático,
comumente encontrado no norte do Paraná e
Oeste de São Paulo, indicado para o plantio
do café.
GUERRA, A. J. T. & CUNHA, S. B. da (org.).
Geomorfologia: exercícios, técnicas e
aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,
1996, 334p.
GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B.
Geomorfologia: uma atualização de bases e
conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2.
ed., 1995. 472 p.
LEINZ, V.; AMARAL, S. E. Geologia Geral.
São Paulo: Nacional, 1980.
Bibliografia
PENTEADO, M.M. Fundamentos de
Geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE,
1974. 185 p.
PINTO C. S. Curso Básico de Mecânica
dos Solos. Editora Oficina de textos,
2005.
TEIXEIRA, W.; TAIOLI, F. & FAIRCHILD T.
Decifrando a Terra. Ed. Oficina de Textos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação granulométrica do solo
Classificação granulométrica do soloClassificação granulométrica do solo
Classificação granulométrica do solo
Mariani Cancellier
 
Solos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do SulSolos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do Sul
Alessandro Samuel-Rosa
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
Elvio Giasson
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
karolpoa
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
sistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solossistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solos
Janine Silotti
 
Os colóides do solo
Os colóides do soloOs colóides do solo
Os colóides do solo
Ibrain A. Pires
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
Fabíola Mello
 
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
Geagra UFG
 
Aula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funçõesAula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funções
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Compactação do solo.
Compactação do solo. Compactação do solo.
Compactação do solo.
matheusaline
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Propriedade das particulas sólidas dos solos apresentação
Propriedade das particulas sólidas dos solos   apresentaçãoPropriedade das particulas sólidas dos solos   apresentação
Propriedade das particulas sólidas dos solos apresentação
engenhar
 
Classificac3a7c3a3o dos-solos-aashto-sucs
Classificac3a7c3a3o dos-solos-aashto-sucsClassificac3a7c3a3o dos-solos-aashto-sucs
Classificac3a7c3a3o dos-solos-aashto-sucs
Alexandre Soares
 
Movimento de agua no solo
Movimento de agua no soloMovimento de agua no solo
Movimento de agua no solo
Elvio Giasson
 
Características físicas gerais dos solos
Características físicas gerais dos solosCaracterísticas físicas gerais dos solos
Características físicas gerais dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Jadson Belem de Moura
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Thamires Bragança
 
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGSAula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Elvio Giasson
 
Propriedades do Solo
Propriedades do SoloPropriedades do Solo
Propriedades do Solo
Alfredo Cossa
 

Mais procurados (20)

Classificação granulométrica do solo
Classificação granulométrica do soloClassificação granulométrica do solo
Classificação granulométrica do solo
 
Solos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do SulSolos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do Sul
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
sistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solossistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solos
 
Os colóides do solo
Os colóides do soloOs colóides do solo
Os colóides do solo
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
 
Aula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funçõesAula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funções
 
Compactação do solo.
Compactação do solo. Compactação do solo.
Compactação do solo.
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
Propriedade das particulas sólidas dos solos apresentação
Propriedade das particulas sólidas dos solos   apresentaçãoPropriedade das particulas sólidas dos solos   apresentação
Propriedade das particulas sólidas dos solos apresentação
 
Classificac3a7c3a3o dos-solos-aashto-sucs
Classificac3a7c3a3o dos-solos-aashto-sucsClassificac3a7c3a3o dos-solos-aashto-sucs
Classificac3a7c3a3o dos-solos-aashto-sucs
 
Movimento de agua no solo
Movimento de agua no soloMovimento de agua no solo
Movimento de agua no solo
 
Características físicas gerais dos solos
Características físicas gerais dos solosCaracterísticas físicas gerais dos solos
Características físicas gerais dos solos
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
 
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGSAula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
 
Propriedades do Solo
Propriedades do SoloPropriedades do Solo
Propriedades do Solo
 

Destaque

Solos
SolosSolos
O solo e a agricultura
O solo e a agriculturaO solo e a agricultura
O solo e a agricultura
Fernando Côrtes
 
As grandes obras de engenharia civil no mundo
As grandes obras de engenharia civil no mundoAs grandes obras de engenharia civil no mundo
As grandes obras de engenharia civil no mundo
Thiago Sidney Miranda
 
As fundações em são paulo
As fundações em são pauloAs fundações em são paulo
As fundações em são paulo
apfbr
 
O RUÍDO NO SERVIÇO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA
O RUÍDO NO SERVIÇO DE PAVIMENTAÇÃO URBANAO RUÍDO NO SERVIÇO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA
O RUÍDO NO SERVIÇO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA
Thiago Morəno
 
Pavimentação - Restauração de Pavimentos Flexíveis
Pavimentação - Restauração de Pavimentos FlexíveisPavimentação - Restauração de Pavimentos Flexíveis
Pavimentação - Restauração de Pavimentos Flexíveis
deborastj
 
Apostila fundacoes
Apostila fundacoesApostila fundacoes
Apostila fundacoes
Ivandete de Oliveira
 
Fundacoes
FundacoesFundacoes
Planeta terra
Planeta terraPlaneta terra
Planeta terra
Arlete Monteiro
 
Apresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solosApresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solos
engenhar
 
Parcelamento do solo
Parcelamento do soloParcelamento do solo
Parcelamento do solo
Flavio Meireles
 
Pavimentação asfáltica ES BA RJ MG
Pavimentação asfáltica ES BA RJ MGPavimentação asfáltica ES BA RJ MG
Pavimentação asfáltica ES BA RJ MG
ALX Terraplenagem Locação de Maquinas Pavimentação
 
Slide 1 ano solo
Slide 1 ano soloSlide 1 ano solo
Slide 1 ano solo
Sílvia Almada
 
Aulas 01 e 02 introducao engenharia civil
Aulas 01 e 02   introducao engenharia civilAulas 01 e 02   introducao engenharia civil
Aulas 01 e 02 introducao engenharia civil
Silas Rocha
 
Aula 01 unip_-resumo Mec Solos
Aula 01 unip_-resumo Mec SolosAula 01 unip_-resumo Mec Solos
Aula 01 unip_-resumo Mec Solos
Gilson Lima
 
Apostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos SolosApostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos Solos
Bruno Castilho
 
Apresentação Min. das Cidades
Apresentação Min. das CidadesApresentação Min. das Cidades
Apresentação Min. das Cidades
Fábio Grando
 
Engenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliarios
Engenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliariosEngenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliarios
Engenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliarios
Unichristus Centro Universitário
 
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Elvio Giasson
 
Ocupação dos solos e riscos ambientais
Ocupação dos solos e riscos ambientaisOcupação dos solos e riscos ambientais
Ocupação dos solos e riscos ambientais
Rodrigo Duarte
 

Destaque (20)

Solos
SolosSolos
Solos
 
O solo e a agricultura
O solo e a agriculturaO solo e a agricultura
O solo e a agricultura
 
As grandes obras de engenharia civil no mundo
As grandes obras de engenharia civil no mundoAs grandes obras de engenharia civil no mundo
As grandes obras de engenharia civil no mundo
 
As fundações em são paulo
As fundações em são pauloAs fundações em são paulo
As fundações em são paulo
 
O RUÍDO NO SERVIÇO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA
O RUÍDO NO SERVIÇO DE PAVIMENTAÇÃO URBANAO RUÍDO NO SERVIÇO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA
O RUÍDO NO SERVIÇO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA
 
Pavimentação - Restauração de Pavimentos Flexíveis
Pavimentação - Restauração de Pavimentos FlexíveisPavimentação - Restauração de Pavimentos Flexíveis
Pavimentação - Restauração de Pavimentos Flexíveis
 
Apostila fundacoes
Apostila fundacoesApostila fundacoes
Apostila fundacoes
 
Fundacoes
FundacoesFundacoes
Fundacoes
 
Planeta terra
Planeta terraPlaneta terra
Planeta terra
 
Apresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solosApresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solos
 
Parcelamento do solo
Parcelamento do soloParcelamento do solo
Parcelamento do solo
 
Pavimentação asfáltica ES BA RJ MG
Pavimentação asfáltica ES BA RJ MGPavimentação asfáltica ES BA RJ MG
Pavimentação asfáltica ES BA RJ MG
 
Slide 1 ano solo
Slide 1 ano soloSlide 1 ano solo
Slide 1 ano solo
 
Aulas 01 e 02 introducao engenharia civil
Aulas 01 e 02   introducao engenharia civilAulas 01 e 02   introducao engenharia civil
Aulas 01 e 02 introducao engenharia civil
 
Aula 01 unip_-resumo Mec Solos
Aula 01 unip_-resumo Mec SolosAula 01 unip_-resumo Mec Solos
Aula 01 unip_-resumo Mec Solos
 
Apostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos SolosApostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos Solos
 
Apresentação Min. das Cidades
Apresentação Min. das CidadesApresentação Min. das Cidades
Apresentação Min. das Cidades
 
Engenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliarios
Engenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliariosEngenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliarios
Engenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliarios
 
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
 
Ocupação dos solos e riscos ambientais
Ocupação dos solos e riscos ambientaisOcupação dos solos e riscos ambientais
Ocupação dos solos e riscos ambientais
 

Semelhante a Aula classificação dos solos

Trabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do soloTrabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do solo
engenhar
 
Solos
SolosSolos
Apresentação aula 9
Apresentação aula 9Apresentação aula 9
Apresentação aula 9
IF Baiano - Campus Catu
 
Apostila 2006 completa
Apostila 2006 completaApostila 2006 completa
Apostila 2006 completa
IF Baiano - Campus Catu
 
Aula propriedades morfológicas
Aula  propriedades morfológicasAula  propriedades morfológicas
Aula propriedades morfológicas
Carolina Corrêa
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
karolpoa
 
Solo
SoloSolo
Solo - Pedogênese
Solo - PedogêneseSolo - Pedogênese
Solo - Pedogênese
Leandro A. Machado de Moura
 
Propriedades das particulas sólidas
Propriedades das particulas sólidasPropriedades das particulas sólidas
Propriedades das particulas sólidas
engenhar
 
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02Bárbara Ruth
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
RelatorioRelatorio
Apostila de solos
Apostila de solosApostila de solos
Apostila de solos
jesraelcosta
 
Trabalho de pedologia
Trabalho de pedologia Trabalho de pedologia
Trabalho de pedologia
ufmt
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
Alfai Bene
 
Geotecnia-Ambiental-Parte-1.pdf
Geotecnia-Ambiental-Parte-1.pdfGeotecnia-Ambiental-Parte-1.pdf
Geotecnia-Ambiental-Parte-1.pdf
GeovanaThiara2
 
Origem dos solos
Origem dos solosOrigem dos solos
Origem dos solos
Adsson Luz
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
Carolina Corrêa
 
Solo
SoloSolo
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
karolpoa
 

Semelhante a Aula classificação dos solos (20)

Trabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do soloTrabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Apresentação aula 9
Apresentação aula 9Apresentação aula 9
Apresentação aula 9
 
Apostila 2006 completa
Apostila 2006 completaApostila 2006 completa
Apostila 2006 completa
 
Aula propriedades morfológicas
Aula  propriedades morfológicasAula  propriedades morfológicas
Aula propriedades morfológicas
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Solo - Pedogênese
Solo - PedogêneseSolo - Pedogênese
Solo - Pedogênese
 
Propriedades das particulas sólidas
Propriedades das particulas sólidasPropriedades das particulas sólidas
Propriedades das particulas sólidas
 
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
Apostila de solos
Apostila de solosApostila de solos
Apostila de solos
 
Trabalho de pedologia
Trabalho de pedologia Trabalho de pedologia
Trabalho de pedologia
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Geotecnia-Ambiental-Parte-1.pdf
Geotecnia-Ambiental-Parte-1.pdfGeotecnia-Ambiental-Parte-1.pdf
Geotecnia-Ambiental-Parte-1.pdf
 
Origem dos solos
Origem dos solosOrigem dos solos
Origem dos solos
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
 

Mais de karolpoa

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
karolpoa
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
karolpoa
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
karolpoa
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
karolpoa
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
karolpoa
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
karolpoa
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
karolpoa
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
karolpoa
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
karolpoa
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
karolpoa
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
karolpoa
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
karolpoa
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
karolpoa
 
Aula 1.2 revisão intemperismo
Aula 1.2 revisão intemperismoAula 1.2 revisão intemperismo
Aula 1.2 revisão intemperismo
karolpoa
 
Aula 1.1 histórico
Aula 1.1 históricoAula 1.1 histórico
Aula 1.1 histórico
karolpoa
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
karolpoa
 

Mais de karolpoa (20)

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1.2 revisão intemperismo
Aula 1.2 revisão intemperismoAula 1.2 revisão intemperismo
Aula 1.2 revisão intemperismo
 
Aula 1.1 histórico
Aula 1.1 históricoAula 1.1 histórico
Aula 1.1 histórico
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 

Último

D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 

Aula classificação dos solos

  • 2. Objetivos: Compreender os diferentes tipos de classificação; Identificar o melhor uso das classificações. CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS
  • 3. Introdução Dada a infinidade de solos que existem na natureza é necessário um sistema de classificação que indique características geotécnicas comuns de um determinado grupo de solos a partir de ensaios simples de identificação.
  • 4. A classificação dos solos surgiu quando o homem se interessou pelo seu cultivo, como uma forma de tentar distinguir suas características com relação à produtividade. Os critérios empregados geralmente associavam a produtividade com outra característica mais visível, como cor e textura.
  • 5. Depois da Segunda Guerra Mundial, o potencial agrícola das nações menos desenvolvidas tornou-se alvo de interesse e, um melhor sistema de classificação de solos passou a ser necessário a fim de que os conhecimentos existentes sobre alguns solos pudessem ser transferidos entre localidades com solo e meio-ambiente similares.
  • 6. Desenvolveu-se a taxonomia de solos cuja razão prática para o seu desenvolvimento foi a descoberta de que solos com propriedades similares em meios também similares respondem do mesmo modo a práticas de gerência semelhantes, permitindo a transferência de experiência. Várias têm sido as classificações apresentadas, variando de acordo com o interesse do grupo de pessoas para o qual cada classificação é elaborada.
  • 7. Hoje, as mais utilizadas são: Classificação pedológica: solos zonais, intrazonais e azonais; Origem dos solos: residuais, transportados/sedimentares, orgânicos; Com base na textura: tamanho das partículas; Classificação visual e táctil: exame visual e ensaios simples; Geotécnica: SUCS, HRB/ASSHTO, MCT
  • 9. Conforme esta classificação, o perfil de solo passou a ser considerado um corpo autônomo da superfície da crosta terrestre, com origem vinculada ao clima, sendo dessa forma conceituada a “lei da zonalidade climática”. Classificação Pedológica
  • 10. Zonais ou Eluviais Quando o solo se forma a partir do intemperismo local, ou seja, decomposição da rocha matriz local. Tem o fator climático como principal elemento de formação. São solos maduros, ou seja, possuem horizontes A, B e C, ocorrem em correspondência com as grandes zonas climáticas. Estão associados a relevos estáveis e climas estáveis culminando em formações antigas.
  • 11. Intrazonais ou orgânicos Solos em que a influência de uma característica local é dominante. Se formam a partir da erosão local e de sedimentos trazidos de outros locais. São solos em que o relevo local ou material de origem prevalecem sobre o clima; são solos intermediários entre azonais e zonais (quando vistos sob o fator tempo).
  • 12. Azonais ou Aluviais Solos jovens, com características próximas da rocha mãe (pouco afetados por processos pedogenéticos), geralmente desprovidos de horizonte B. Se formam a partir de sedimentos oriundos de outros locais e transportados através dos rios e ventos, solos jovens típicos de regiões em declive.
  • 13. Quanto a formação os solos podem ser: Residuais ou autóctones; Transportados, Sedimentares ou alotóctones; Orgânicos. Classificação Quanto a Origem e Formação
  • 14. Residuais ou autóctones = quando provem da decomposição da rocha subjacente, ou seja, permanecem no local de origem onde existe uma transformação gradual da rocha até a formação do solo. Para que eles ocorram é necessário que a velocidade de decomposição da rocha seja maior do que a velocidade de remoção do solo por agentes externos.
  • 15.
  • 16. Como a ação das intempéries se da, em geral, de cima para baixo, as camadas superiores são mais trabalhadas que as inferiores. No Recôncavo Baiano é comum a ocorrência de solos residuais oriundos de rochas sedimentares. Sendo este constituído de camadas sucessivas de argila e areia, coerente com o material que foi depositado no local
  • 17. Merece uma atenção especial o solo formado pela decomposição da rocha sedimentar denominada de folhelho (solo massapê), pois este apresentando grande potencial de expansão na presença de água. As constantes mudanças de umidade a que o solo esta submetido provocam variações de volume que geram sérios problemas nas construções (aterros ou edificações).
  • 18.
  • 19.
  • 20. Transportados, Sedimentares ou alotóctones = quando provieram da decomposição de matéria de outro lugar. A características destes solos variam com o tipo de agente transportador e com a distância de transporte.
  • 21. Orgânicos = quando provenientes da deposição de matéria orgânica, seja de natureza vegetal (plantas, raízes), seja animal (conchas), quase sempre desenvolvida no mesmo lugar.
  • 22. Exemplo: Turfas - solos que incorporam florestas soterradas em estado avançado de decomposição. Tem estrutura fibrilar composta de restos de fibras vegetais. Tem ocorrência registrada na Bahia, Sergipe, Rio Grande do Sul e outros estados do Brasil.
  • 23. O sistema de classificação dos solos, quanto à textura, utiliza-se da curva granulométrica do solo e uma escala de classificação. Classificação Textural
  • 24. A partir da curva granulométrica, obtida em laboratório, serão determinadas as porcentagens de cada fração do solo, que será adjetivado pela fração imediatamente abaixo, em termos percentuais.
  • 25. Exemplo: Classificação = areia fina siltosa. Escala da ABNT.
  • 26. Obs.: Se as frações silte e argila, do exemplo anterior, se equivalessem, com leve predominância da fração silte, o solo passaria a receber o seguinte nome: areia fina silto-argilosa.
  • 27. Exemplo: Pedregulho = 3 % Areia = 52 % (G = 3 %, M = 46 % e F = 6 %) Silte = 46 % Argila = 2 % Exemplo: Pedregulho = 0 % Areia média = 50 % (F e G = 0 % ) Silte = 23 % Argila = 27 %
  • 28. Em caso de empate: 1º argila, 2º areia e 3º silte. 1 a 5% comvestígiosde 5 a 10% compouco   Emcasodepresença depedregulhos 10 a 29% compedregulho > 30% commuitopedregulho  
  • 29. Solo 1: Argila Silto-Arenosa com pouco pedregulho. Solo2: Areia Silto-Argilosa com pedregulho. Solo3: Pedregulho arenoso com vestígios de Silte e Pedra.
  • 30. Por que se usa este tipo de identificação?  Justificativa econômica;  Fase preliminar. Esta habilidade varia de profissional para profissional. Classificação Visual e Táctil
  • 31. 1º definir se o solo é grosso ou fino. Umedecer o solo para desmanchar torrões de argila e poder sentir se há areia; Se não houver água, esfregar uma amostra em uma folha de papel, pois silte e argila irão impregnar no papel e a areia não.
  • 32. 2º em se tratando de solo fino, definir se é siltoso ou argiloso. Resistência a seco = umedecer e moldar uma amostra de 2cm, deixar secar, quebrar. Se a amostra se pulverizar é silte, se dividir- se em pedaços distintos é argila. Shaking test = formar uma pasta úmida (saturada) na palma da mão, bater uma mão contra a outra. Se for argila o impacto não provocará o aparecimento de água.
  • 33. Plasticidade = Moldar bolinhas ou cilindros de solo úmido. As argilas são moldáveis enquanto as areias e siltes não são moldáveis. Dispersão em água: Misturar uma porção de solo seco com água em uma proveta, agitando-a. As areias depositam-se rapidamente, enquanto que as argilas turvam a suspensão e demoram para Sedimentar.
  • 34. Impregnação = esfregar uma pequena quantidade de solo úmido na palma de uma das mãos. Colocar a mão embaixo de uma torneira aberta e observar a facilidade com que a palma da mão fica limpa. Solos finos se impregnam e não saem da mão com facilidade.
  • 36. Este sistema foi idealizado por Arthur Casagrande (1948), e inicialmente utilizado para classificação de solos para construção de aeroportos, e depois expandido para outras aplicações. Sistema Unificado de Classificação dos Solos (SUCS)
  • 37. A idéia básica do Sistema Unificado de Classificação dos solos é que os solos grossos podem ser classificados de acordo com a sua curva granulométrica, ao passo que o comportamento de engenharia dos solos finos está intimamente relacionado com a sua plasticidade.
  • 38. Ou seja, os solos nos quais a fração fina não existe em quantidade suficiente para afetar o seu comportamento são classificados de acordo com a sua curva granulométrica, enquanto que os solos nos quais o comportamento de engenharia é controlado pelas suas frações finas (silte e argila), são classificados de acordo com as suas características de plasticidade.
  • 39. As quatro maiores divisões do Sistema Unificado de Classificação dos Solos são as seguintes: 1 - Solos grossos (partículas com φ > 0,075mm: pedregulho e areia); 2 - Solos finos (partículas com φ < 0,075mm: silte e argila); 3 - Solos orgânicos; e, 4 - Turfa. Os solos orgânicos e as turfas são geralmente identificados visualmente.
  • 40.  Pedregulho (G) (inglês – Gravel)  Argila (C) - (inglês – Clay)  Areia (S) (inglês – Sand)  Solos orgânicos (O) (inglês – Organic soils)  Turfa (Pt) (inglês – Peat)  Silte (M) (sueco – Mjala) Simbologia
  • 41. silte
  • 42. Solos Grossos Os solos grossos são classificados como pedregulho ou areia. São classificados como pedregulhos aqueles solos possuindo mais do que 50% de sua fração grossa retida na peneira 4 (4,75mm) e como areias aqueles solos possuindo mais do que 50% de sua fração grossa passando na peneira 4.
  • 43. Cada grupo por sua vez é dividido em subgrupos a depender de sua curva granulométrica ou da natureza da fração fina eventualmente existente. São eles: 1) Material praticamente limpo de finos, bem graduado W, (GW e SW); 2) Material praticamente limpo de finos, mal graduado P, (GP e SP) 3) Material com quantidades apreciáveis de finos de baixa plasticidade, M, (GM e SM) 4) Material com quantidades apreciáveis de finos de alta plasticidade C, (GC ou SC)
  • 44. Classificação dos solos grossos pelo SUCS.
  • 45. Solos Finos Os solos finos são classificados como argila e silte. A classificação dos solos finos é realizada tomando-se como base apenas os limites de plasticidade e liquidez do solo, plotados na forma da carta de plasticidade de Casagrande.
  • 46. A Carta de plasticidade dos solos foi desenvolvida por A. Casagrande de modo a agrupar os solos finos em diversos subgrupos, a depender de suas características de plasticidade.
  • 47.
  • 48. A carta de plasticidade possui três divisores principais: Linha A (de eq. IP = 0,73(wL – 20)) separa argilas (acima da linha) de siltes (abaixo da linha); Linha B (wL = 50%) separa solos de baixa plasticidade (a esquerda da linha) dos de alta plasticidade (a direita da linha); Linha U (de eq. IP = 0,9(wL – 8) que é o limite superior da classificação. Deste modo, os solos finos, que são divididos em quatro subgrupos (CL, CH, ML e MH), são classificados de acordo com a sua posição em relação as linhas A e B.
  • 49. Solos Pantanosos e Turfas São solos altamente orgânicos, geralmente fibrilares e extremamente compressíveis. As turfas são solos que incorporam florestas soterradas em estágio avançado de decomposição. Estes solos formam um grupo independente de símbolo (Pt).
  • 50. Observações complementares Apesar dos símbolos utilizados no SUCS serem de grande valia, eles não descrevem completamente um depósito de solo. Em todos os solos deve-se acrescentar informações como odor, cor e homogeneidade do material a classificação. Para o caso de solos grossos, informações como a forma dos grãos, tipo de mineral predominante, graus de intemperismo ou compacidade, presença ou não de finos são pertinentes.
  • 51. Para o caso dos solos finos, informações como a umidade natural e consistência (natural e amolgada) devem ser fornecidas sempre que possível.
  • 52. Comportamento esperado para os diferentes grupos da classificação SUCS
  • 53. A Classificação HRB (Highway Research Board) de solos data da década de 1920 e após a 2a Guerra Mundial sofreu alterações quando foi normalizada pela AASHTO (American Association of State Highway Officials). É um sistema de classificação de solos de aplicação rodoviária baseado nos limites de Atterberg e na granulometria. Classificação H.R.B ou A.A.S.H.T.O.
  • 54. O método permite estabelecer distinção entre comportamento de solos, e codifica o solo com uma letra, a letra A, e um número, que a medida que o solo seja pior, sob o ponto de vista da estabilidade, maior será este sufixo. Os solos são divididos em materiais granulares, siltosos e argilosos, conforme a quantidade de materiais que passa na malha 200.
  • 55. O sistema da AASHTO classifica o solo em oito diferentes grupos: de A1 a A8 e inclui diversos subgrupos. Os solos dentro de cada grupo ou subgrupo são ainda avaliados de acordo com o seu índice de grupo.
  • 56. OBS.: Em geral os solos granulares tem índice de grupo (IG) compreendidos entre 0 e 4, os siltosos entre 5 e 12 e os argilosos entre 13 e 20.
  • 57. Os solos grossos subdividem-se em A1, A2 e A3.
  • 58. Grupos A4 ao A7 Os solos finos foram divididos em quatro grupos, A4, A5, A6 e A7. A diferenciação entre os diversos grupos é realizada com base nos limites de Atterberg. Solos altamente orgânicos (incluindo-se aí a turfa) devem ser colocados no grupo A8.
  • 59.
  • 60. Classificação MCT As classificações tradicionais, SUCS e AASHTO, apresentam algumas limitações para classificação de solos provenientes de regiões tropicais. Uma classificação mais apropriada aos solos tropicais, com ênfase em projetos de estradas, foi proposta por Nogami e Villilbor (1981), a MCT (miniatura, compactação, tropical.
  • 61. Esta classificação foi desenvolvida especialmente para uso em finalidades viárias e vem sendo usada por vários órgãos viários como DER-SP, DER-BA, DER-PR, etc. e instituições de pesquisa como USP, ITA, UFRGS, etc. Ela separa os solos em dois grupos, um de comportamento laterítico e outro não laterítico.
  • 62. A água que infiltra no solo lixivia os sais solúveis das camadas mais superficiais do perfil de solo, depositando-os em horizontes mais inferiores. As camadas mais superficiais ficam ricas em óxidos de ferro e alumínio, causando o que se denomina de laterização do solo.
  • 63. Os solos que apresentam comportamento laterítico são, em geral, de cor avermelhada a amarelada, sendo a fração argila constituída de argilo-minerais do grupo da caulinita e apresentam elevada porcentagem de óxidos hidratados de ferro e alumínio. A fração areia é constituída pelo quartzo, minerais pesados e concreções lateríticas.  Solos Lateríticos
  • 64. No estado natural apresentam elevada porosidade e índice de plasticidade, baixa resistência e capacidade de suporte, porem quando compactados adquirem elevada resistência ao cisalhamento. Estes solos com freqüência atingem espessuras com mais de 2 metros, mas raras vezes ultrapassam 10 metros.
  • 66. Já os solos não lateríticos, também conhecidos como saprolíticos, em geral apresentam manchas e estruturas minerais herdadas da rocha mãe, são expansivos e muito erodiveis. As espessuras deste solo são variadas atingindo dezenas de metros. Suas cores também variam muito e sua estrutura macroscópica é caracterizada, em geral, pela presença de camadas, manchas, vazios, etc.  Solos não lateríticos
  • 67. Contrastando com os solos lateríticos, os saprolíticos são legitimamente residuais. Existem ainda, os chamados solos transicionais, aqueles que apresentam comportamento geotécnico que difere dos solos lateríticos evoluídos ou saprolíticos.
  • 69. Os solos de comportamento laterítico são designado pela letra L, sendo sub- divididos em 3 grupos:  LA – Areia lateritica quartzosa;  LA` - Solo Arenoso lateritico;  LG` - Solo argiloso laterítico.
  • 70. Os solos de comportamento não laterítico (saprolítico) são designados pela letra N, sendo sub divididos em 4 grupos:  NA – areias siltes e misturas de areias e siltes com predominância de grão de quartzo e /ou mica, não laterítico;  NA` - misturas de areias quartzosas com finos de comportamento não laterítico (solo arenoso);  NS` - solo siltoso não laterítico;  NG` - solo argiloso não laterítico.
  • 71. Em 1988, Vertamatti modificou o ábaco de classificação da MCT para levar em consideração os solos sedimentares da região amazônica, ditos transicionais. O novo ábaco passou a ser denominado MCT- M (modificado), dividindo o solos em onze grupos:
  • 72. NA (areia não laterítica);  NG` (solo argiloso não laterítico);  NS` (solos siltoso não laterítico); NS'G` (solo siltoso-argiloso não laterítico); TA`(solo arenoso transicional); TA`G` (solo areno-argiloso transicional); TG` (solo argiloso transcional); LA (areia laterítica); LA' (solo arenoso laterítico); LA`G`(solo areno-argiloso laterítico); LG`(solo argiloso laterítico)
  • 73. Trata-se de um sistema morfopedológico e multicategórico, compreendendo 13 (treze) classes de l ° nível (Ordens) e cerca de 625 classes ao nível de subgrupo. Classificação da EMBRAPA
  • 74. No 1º nível apresentam a seguinte nomenclatura: Argissolos, Cambissolos, Chernossolos, Espodossolos, Gleissolos, Latossolos, Luvissolos, Neossolos, Nitossolos, Organossolos, Planossolos, Plintossolos e Vertissolos.
  • 75.
  • 78. Solos Férteis do Mundo:  Tchenozion (orgânico): Considerado o solo mais fértil do mundo, presente nas estepes da Ucrânia, na Europa central, nas pradarias do Canadá e dos EUA e nos pampas argentinos.  Loess (azonal) : Muito procurado para a agricultura na Europa e na China. Forma-se a partir do acumulo de sedimentos. É constituído basicamente de argila e calcário.
  • 79.  Massapê (zonal): Composto basicamente de gnaisse e calcário, comumente encontrado no litoral nordestino brasileiro, indicado para o plantio da cana-de-açúcar.  Terra Roxa (zonal): Formado da decomposição basáltica, material magmático, comumente encontrado no norte do Paraná e Oeste de São Paulo, indicado para o plantio do café.
  • 80. GUERRA, A. J. T. & CUNHA, S. B. da (org.). Geomorfologia: exercícios, técnicas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996, 334p. GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2. ed., 1995. 472 p. LEINZ, V.; AMARAL, S. E. Geologia Geral. São Paulo: Nacional, 1980. Bibliografia
  • 81. PENTEADO, M.M. Fundamentos de Geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE, 1974. 185 p. PINTO C. S. Curso Básico de Mecânica dos Solos. Editora Oficina de textos, 2005. TEIXEIRA, W.; TAIOLI, F. & FAIRCHILD T. Decifrando a Terra. Ed. Oficina de Textos