SlideShare uma empresa Scribd logo
PEDOLOGIA
Prof. Carolina Corrêa
OBJETIVOS
• Identificar o solo como um sistema trifásico;
• Compreender o que são os minerais;
• Conhecer e identificar as diferentes texturas
do solo;
• Compreender a estruturação do solo;
• Analisar a NBR 6502.
Principais Propriedades
Morfológicas dos Solos
Um solo é
sempre constituído
por matéria mineral
(areia, calcário, limo,
argila), matéria
orgânica (húmus,
restos de plantas e
animais), ar e água.
Constituição/Sistema Trifásico
Fase Sólida = Caracterizada pelo tamanho,
forma, distribuição e composição
mineralógica dos grãos.
Fase Gasosa = Fase composta geralmente
pelo ar do solo em contato com a atmosfera,
podendo-se também apresentar na forma de
bolhas de ar no interior da fase água. A fase
gasosa é importante em problemas de
deformação de solos e é bem mais
compressível que as fases sólida e líquida.
Fase Líquida = Fase fluida composta em
sua maior parte pela água. Pode-se dizer
que a água se apresenta de diferentes
formas no solo, sendo contudo
extremamente difícil se isolar os estados em
que a água se apresenta em seu interior.
Exemplos:
Água Livre
Água Adsorvida (adesiva)
A fração sólida do solo ocupa cerca
de metade do seu volume total e é
constituída por matéria mineral e matéria
orgânica.
Matéria Mineral
 A areia = sua existência, em maior
proporção, facilita os trabalhos de
mobilização do solo, a penetração de
raízes e o arejamento.
 A argila = retém facilmente os nutrientes e
a água e , quando em excesso, dificulta o
arejamento, a circulação da água, a
mobilização do solo e também a penetração
das raízes.
 O calcário = não está presente em todos
os solos.
Matéria Orgânica
 Esta matéria é constituída por restos
de plantas e de animais, parcial ou
totalmente decompostos, e também por
seres vivos;
 A quantidade de matéria orgânica
existente no solo é muito variável e evolui
ao longo do tempo;
 Acumula-se principalmente à superfície
do solo e desempenha um papel múltiplo.
Ar e Água
 O ar e a água ocupam os espaços(poros)
existentes entre as partículas que
constituem o solo;
 A dimensão dos poros influi na retenção
da água pelo solo;
 O ar preenche os espaços não ocupados
pela água. O arejamento do solo é
fundamental para a respiração das raízes e,
por isto, os solos pouco arejados são, em
geral, pouco produtivos.
As propriedades química e mineralógica
das partículas dos solos irão depender
fundamentalmente da composição da rocha
matriz e do clima da região. Estas
propriedades irão influenciar de forma
marcante o comportamento mecânico do solo.
Composição Química e Mineralógica
São partículas sólidas inorgânicas que
constituem as rochas e os solos, e que
possuem forma geométrica, composição
química e estrutura própria e definidas.
O que são Minerais?
Podem ser:
Primários = gerados pelo
intemperismo físico.
Secundários = gerados pelo
intemperismo químico.
Composição das Areias e Pedregulhos
Estes solos são formados, na sua
maior parte, por silicatos (90%) e
apresentam também na sua composição
óxidos, carbonatos e sulfatos.
Silicatos - feldspato, quartzo, mica, serpentina,
clorita, talco;
Óxidos - hematita, magnetita, limonita;
Carbonatos - calcita, dolomita;
Sulfatos - gêsso, anidrita.
Composição das Argilas
As argilas possuem uma complexa
constituição química e mineralógica, sendo
formadas por sílica no estado coloidal (SiO2,
menores do que 1 micrômetro (μm)) e
sesquióxidos metálicos (R2O3), onde R = Al;
Fe, entre outros.
O quartzo, devido a sua estabilidade e
dureza, é um dos minerais mais
resistentes e por isso é o componente
principal na maioria dos solos;
Resistência do Mineral
Os feldspatos são os minerais mais
atacados pela natureza, dando origem aos
argilominerais, que constituem a fração
mais fina dos solos, geralmente com
diâmetro inferior a 2 mm.
É a máxima tensão de um
cisalhamento que o solo pode suportar sem
sofrer ruptura.
Esta resistência ao cisalhamento
envolve duas componentes: atrito e coesão.
O atrito é função da interação entre
duas superfícies na região de contato.
Resistência do Solo
Nos materiais granulares (areias),
constituídas de grãos isolados e
independentes, o atrito é um misto de
escorregamento (deslizamento) e de
rolamento, afetado fundamentalmente pela
entrosagem ou embricamento dos grãos. De
tal forma que os contatos ocorrem
realmente entre os dois minerais.
No caso de argilas, o número de
partículas é muito maior, sendo a parcela de
força transmitida em cada contato,
extremamente reduzida.
A coesão é aquela resistência que a
fração argilosa empresta ao solo, pelo qual
ele se torna capaz de se manter coeso em
forma de torrões ou blocos, ou pode ser
cortado em formas diversas e manter esta
forma. Os solos que têm essa propriedade
chamam-se coesivos.
A coesão é uma característica típica de
solos muito finos (siltes plásticos e argilas).
É a soma das superfícies de todas as
partículas contidas na unidade de volume
(ou de peso) do solo.
Quanto mais fino o solo, maior sua
superfície específica, o que constitui uma
das diferenças entre as propriedades físicas
dos solos arenosos e argilosos.
Superfície Específica
A superfície específica é uma
importante propriedade dos argilo-minerais,
na medida em que quanto maior a
superfície específica, maior vai ser o
predomínio das forças elétricas (em
detrimento das forças gravitacionais), na
influência sobre as propriedades do solo
(estrutura, plasticidade, coesão, etc.)
É o tamanho relativo
das partículas sólidas que
formam os solos. O
estudo da textura dos
solos é realizado por
intermédio do ensaio de
granulometria. Este
estudo se refere à
proporção relativa das
classes de tamanho de
partículas de um solo.
Textura dos Solos
A textura é importante para o entendimento
do comportamento e manejo do solo.
Durante a classificação do solo em um
determinado local, a textura é muitas vezes
a primeira e mais importante propriedade a
ser determinada.
O estudo da textura dos solos é realizado
por intermédio do ensaio de granulometria.
Pela sua textura os solos podem ser
classificados em dois grandes grupos: solos
grossos (areia, pedregulho, matacão) e solos
finos (silte e argila).
Solos Grossos - por ser predominante a
atuação de forças gravitacionais, resultando em
arranjos estruturais bastante simplificados, o
comportamento mecânico e hidráulico está
principalmente condicionado a sua compacidade,
que é uma medida de quão próximas estão as
partículas sólidas umas das outras, resultando
em arranjos com maiores ou menores
quantidades de vazios.
Os solos grossos possuem uma maior
percentagem de partículas visíveis a olho nu
(0,06mm, ABNT) e suas partículas tem
formas arredondadas, poliédricas e
angulosas.
São solos grossos os pedregulhos e as
areias.
Solos Finos – quando as partículas que
constituem o solo possuem dimensões
menores que 0,074mm (DNER), ou 0,06mm
(ABNT), classificado como argila ou como
silte.
Nos solos formados por partículas
muito pequenas, as forças que intervêm no
processo de estruturação do solo são de
caráter muito mais complexo.
O comportamento dos solos finos é
definido pelas forças de superfície
(moleculares, elétricas) e pela presença de
água, a qual influi de maneira marcante nos
fenômenos de superfície dos argilo-minerais.
São solos finos argilas e siltes.
A fração granulométrica do solo
classificada como argila (diâmetro inferior a
0,002mm) se caracteriza pela sua plasticidade
marcante e elevada resistência quando seca.
Apesar de serem solos finos, o
comportamento dos siltes é governado pelas
mesmas forças dos solos grossos. Estes
possuem pouca ou nenhuma plasticidade e
baixa resistência quando seco.
Classes de tamanho de partículas do solo ABNT
Terminologia Diâmetro (mm)
Bloco de Rocha 20cm a 1m
Pedregulho/Cascalho 2 a 60
Areia Grossa 0,6 a 2
Areia Média 0,2 a 0,6
Areia Fina 0,06 a 0,2
Silte 0,002 a 0,06
Argila < 0,002
TRIÂNGULO
TEXTURAL
define a
classe textural
do solo.
33% argila
40% silte
27% areia
Classe textural
Franco argilosa
Ex: 33% argila
40% silte
27% areia
Relação entre tamanho de partícula e tipo de
mineral presente.
O quartzo é dominante na fração areia e em
frações mais grosseiras de silte.
Silicatos primários como o feldspato,
hornoblenda e mica estão presentes na areia
e em menores quantidades na fração silte.
Minerais secundários, como óxidos de ferro
e alumínio, são predominantes na fração silte
de menor diâmetro e na fração argila mais
grosseira.
Óxidos e hidróxidos
de Fe e Al
Silicatos Primários
Mica, Feldspato,etc.
Silicatos Secundários
Caolinita, hematita
Quartzo
A textura do solo condiciona fatores como:
- Retenção, movimento e disponibilidade de
água
- Arejamento
- Disponibilidade de nutrientes
- Resistência à penetração de raízes
- Estabilidade de agregados
- Compactabilidade dos solos
- Erodibilidade
É o arranjo ou disposição das
partículas constituintes do solo, ou seja, a
maneira pela qual as partículas minerais de
diferentes tamanhos se arrumam para
formá-lo.
A estrutura de um solo possui um papel
fundamental em seu comportamento, seja
em termos de resistência ao cisalhamento,
compressibilidade ou permeabilidade.
Estrutura dos Solos
Sendo a gravidade o fator principal
agindo na formação da estrutura dos solos
grossos, a estrutura destes solos difere, de
solo para solo, somente no que se refere ao
seu grau de compacidade.
Areia compactada Areia fofa
No caso dos solos finos os arranjos
estruturais são mais elaborados, devido as
forças de superfície.
Tipos (LAMBE 1969)
Estrutura Floculada: os contatos se fazem
entre faces e arestas das partículas sólidas.
Estrutura Dispersa: as partículas se
posicionam paralelamente, face a face.
Estrutura floculada Estrutura dispersa
Norma NBR 6502
Norma criada pela Associação
Brasileira de Normas Técnicas em 1993 e
válida a partir de 30/10/1995.
Tem por objetivo definir os termos
relativos aos materiais da crosta terrestre,
rochas e solos, para fins de engenharia
geotécnica de fundações e obras de
terra.
Termos Relativos as Rochas
Origem (ígnea, metamórfica ou
sedimentar);
Forma de ocorrência (derrame,
estratificada, etc.);
Coloração;
Textura;
Composição química (ácida, básica,
etc.);
Estrutura (dobras, falhas);
Principais tipos (arenito, basalto, etc.);
Propriedades (grau de alteração,
consistência, etc.);
Termos Relativos a Solos
Adensamento;
Aderência;
Adesão;
Água adsorvida, capilar, etc.;
Ângulo de atrito, de repouso, etc.
GUERRA, A. J. T. & CUNHA, S. B. da (org.).
Geomorfologia: exercícios, técnicas e
aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,
1996, 334p.
GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B.
Geomorfologia: uma atualização de bases e
conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2.
ed., 1995. 472 p.
Bibliografia
PINTO C. S. Curso Básico de Mecânica
dos Solos. Editora Oficina de textos, 2005.
 PRESS ET AL. Para Entender a Terra – 4. ed.
– Porto Alegre: Bookman, 2006. 656p.
TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M.C.M.;
FAIRCHILD, T.R.; TAIOLI, F. Decifrando a
Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
VARGAS, M. Introdução a Mecânica dos
Solos. Editora McGraw-Hill do Brasil, 1977.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
Fabíola Mello
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
daianeagricola
 
Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
Gustavo Avila
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
Carolina Corrêa
 
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerradoFertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Marília Gomes
 
Ctc solos
Ctc solosCtc solos
Ctc solos
Suely Machado
 
IRRIGAÇÃO: MÉTODOS, SISTEMAS E APLICAÇÕES
IRRIGAÇÃO: MÉTODOS, SISTEMAS E APLICAÇÕESIRRIGAÇÃO: MÉTODOS, SISTEMAS E APLICAÇÕES
IRRIGAÇÃO: MÉTODOS, SISTEMAS E APLICAÇÕES
LEANDRO DE MATOS
 
Slides complexo organo-mineral e formação de agregados
Slides complexo organo-mineral e formação de agregadosSlides complexo organo-mineral e formação de agregados
Slides complexo organo-mineral e formação de agregados
Guilherme Lucio Martins
 
Intemperismo e formação dos solos
Intemperismo e formação dos solosIntemperismo e formação dos solos
Intemperismo e formação dos solos
Giovanna Martins
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
Elvio Giasson
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Intemperismo apresentação
Intemperismo apresentaçãoIntemperismo apresentação
Intemperismo apresentação
Luis Aurelio Sanches
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
UERGS
 
Solo - Pedogênese
Solo - PedogêneseSolo - Pedogênese
Solo - Pedogênese
Leandro A. Machado de Moura
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
Geagra UFG
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
Ruana Viana
 
Solos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terraSolos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terra
Roberto Nunes
 

Mais procurados (20)

Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
 
Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
 
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerradoFertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
 
Ctc solos
Ctc solosCtc solos
Ctc solos
 
IRRIGAÇÃO: MÉTODOS, SISTEMAS E APLICAÇÕES
IRRIGAÇÃO: MÉTODOS, SISTEMAS E APLICAÇÕESIRRIGAÇÃO: MÉTODOS, SISTEMAS E APLICAÇÕES
IRRIGAÇÃO: MÉTODOS, SISTEMAS E APLICAÇÕES
 
Slides complexo organo-mineral e formação de agregados
Slides complexo organo-mineral e formação de agregadosSlides complexo organo-mineral e formação de agregados
Slides complexo organo-mineral e formação de agregados
 
Intemperismo e formação dos solos
Intemperismo e formação dos solosIntemperismo e formação dos solos
Intemperismo e formação dos solos
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Intemperismo apresentação
Intemperismo apresentaçãoIntemperismo apresentação
Intemperismo apresentação
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
 
Solo - Pedogênese
Solo - PedogêneseSolo - Pedogênese
Solo - Pedogênese
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Solos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terraSolos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terra
 

Destaque

Minerais de argila tipos
Minerais de argila tiposMinerais de argila tipos
Minerais de argila tipos
Jorge Anderson
 
análise de dois solos finos
análise de dois solos finosanálise de dois solos finos
análise de dois solos finos
Igor Nascimento
 
argilas
argilas argilas
Argilominerais propriedades-e-aplicac3a7c3b5es
Argilominerais propriedades-e-aplicac3a7c3b5esArgilominerais propriedades-e-aplicac3a7c3b5es
Argilominerais propriedades-e-aplicac3a7c3b5es
Natalia Emerich Laderia
 
Argilas
ArgilasArgilas
PRIVEST - Cap. 05 - Bases naturais do espaço - litosfera e hidrosfera - 1º EM
PRIVEST - Cap. 05 - Bases naturais do espaço - litosfera e hidrosfera - 1º EMPRIVEST - Cap. 05 - Bases naturais do espaço - litosfera e hidrosfera - 1º EM
PRIVEST - Cap. 05 - Bases naturais do espaço - litosfera e hidrosfera - 1º EM
profrodrigoribeiro
 
Filossilicatos
FilossilicatosFilossilicatos
Filossilicatos
Luís Filipe Marinho
 
Estrutura geológica dinâmica externa do relevo
Estrutura geológica     dinâmica externa do relevoEstrutura geológica     dinâmica externa do relevo
Estrutura geológica dinâmica externa do relevo
Gabriel Lecoque Francisco
 
Introdução ao estudo do solo
Introdução ao estudo do soloIntrodução ao estudo do solo
Introdução ao estudo do solo
Diony Odin
 
Desenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidade
Desenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidadeDesenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidade
Desenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidade
Giovani de Oliveira Arieira
 
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Aula 1   ciencia do solo na agronomiaAula 1   ciencia do solo na agronomia
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Jadson Belem de Moura
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
karolpoa
 
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Apostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos SolosApostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos Solos
Bruno Castilho
 
Solos
SolosSolos
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
Rosa Pereira
 
Aula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funçõesAula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funções
Romulo Vinicius Tio Rominho
 

Destaque (17)

Minerais de argila tipos
Minerais de argila tiposMinerais de argila tipos
Minerais de argila tipos
 
análise de dois solos finos
análise de dois solos finosanálise de dois solos finos
análise de dois solos finos
 
argilas
argilas argilas
argilas
 
Argilominerais propriedades-e-aplicac3a7c3b5es
Argilominerais propriedades-e-aplicac3a7c3b5esArgilominerais propriedades-e-aplicac3a7c3b5es
Argilominerais propriedades-e-aplicac3a7c3b5es
 
Argilas
ArgilasArgilas
Argilas
 
PRIVEST - Cap. 05 - Bases naturais do espaço - litosfera e hidrosfera - 1º EM
PRIVEST - Cap. 05 - Bases naturais do espaço - litosfera e hidrosfera - 1º EMPRIVEST - Cap. 05 - Bases naturais do espaço - litosfera e hidrosfera - 1º EM
PRIVEST - Cap. 05 - Bases naturais do espaço - litosfera e hidrosfera - 1º EM
 
Filossilicatos
FilossilicatosFilossilicatos
Filossilicatos
 
Estrutura geológica dinâmica externa do relevo
Estrutura geológica     dinâmica externa do relevoEstrutura geológica     dinâmica externa do relevo
Estrutura geológica dinâmica externa do relevo
 
Introdução ao estudo do solo
Introdução ao estudo do soloIntrodução ao estudo do solo
Introdução ao estudo do solo
 
Desenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidade
Desenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidadeDesenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidade
Desenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidade
 
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Aula 1   ciencia do solo na agronomiaAula 1   ciencia do solo na agronomia
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
 
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
 
Apostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos SolosApostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos Solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
 
Aula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funçõesAula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funções
 

Semelhante a Aula 3 propriedades morfológicas

Apostila 2006 completa
Apostila 2006 completaApostila 2006 completa
Apostila 2006 completa
IF Baiano - Campus Catu
 
Apresentação aula 9
Apresentação aula 9Apresentação aula 9
Apresentação aula 9
IF Baiano - Campus Catu
 
Propriedades das particulas sólidas
Propriedades das particulas sólidasPropriedades das particulas sólidas
Propriedades das particulas sólidas
engenhar
 
Trabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do soloTrabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do solo
engenhar
 
Solos
SolosSolos
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solosTrabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
engenhar
 
Mecânica dos solos
Mecânica dos solosMecânica dos solos
Mecânica dos solos
charlessousa192
 
Edificacoes mecanica dos_solos
Edificacoes mecanica dos_solosEdificacoes mecanica dos_solos
Edificacoes mecanica dos_solos
Erica Bastos
 
Apresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solosApresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solos
engenhar
 
Aula classificação
Aula classificaçãoAula classificação
Aula classificação
Carolina Corrêa
 
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
OliveiraAMOliveira
 
Solo
SoloSolo
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02Bárbara Ruth
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Thamires Bragança
 
Apostila de solos
Apostila de solosApostila de solos
Apostila de solos
Edson Ferreira Martins
 
Apostila de solos
Apostila de solosApostila de solos
Apostila de solos
jesraelcosta
 
Origem dos solos
Origem dos solosOrigem dos solos
Origem dos solos
Suely Takahashi
 
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
AnaClaudiaHonorio
 
Solo
Solo Solo
Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02
Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02
Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02
IF Baiano - Campus Catu
 

Semelhante a Aula 3 propriedades morfológicas (20)

Apostila 2006 completa
Apostila 2006 completaApostila 2006 completa
Apostila 2006 completa
 
Apresentação aula 9
Apresentação aula 9Apresentação aula 9
Apresentação aula 9
 
Propriedades das particulas sólidas
Propriedades das particulas sólidasPropriedades das particulas sólidas
Propriedades das particulas sólidas
 
Trabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do soloTrabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solosTrabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
 
Mecânica dos solos
Mecânica dos solosMecânica dos solos
Mecânica dos solos
 
Edificacoes mecanica dos_solos
Edificacoes mecanica dos_solosEdificacoes mecanica dos_solos
Edificacoes mecanica dos_solos
 
Apresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solosApresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solos
 
Aula classificação
Aula classificaçãoAula classificação
Aula classificação
 
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
 
Apostila de solos
Apostila de solosApostila de solos
Apostila de solos
 
Apostila de solos
Apostila de solosApostila de solos
Apostila de solos
 
Origem dos solos
Origem dos solosOrigem dos solos
Origem dos solos
 
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
 
Solo
Solo Solo
Solo
 
Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02
Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02
Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02
 

Mais de karolpoa

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
karolpoa
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
karolpoa
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
karolpoa
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
karolpoa
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
karolpoa
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
karolpoa
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
karolpoa
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
karolpoa
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
karolpoa
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
karolpoa
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
karolpoa
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
karolpoa
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
karolpoa
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
karolpoa
 
Aula 1.2 revisão intemperismo
Aula 1.2 revisão intemperismoAula 1.2 revisão intemperismo
Aula 1.2 revisão intemperismo
karolpoa
 
Aula 1.1 histórico
Aula 1.1 históricoAula 1.1 histórico
Aula 1.1 histórico
karolpoa
 

Mais de karolpoa (20)

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1.2 revisão intemperismo
Aula 1.2 revisão intemperismoAula 1.2 revisão intemperismo
Aula 1.2 revisão intemperismo
 
Aula 1.1 histórico
Aula 1.1 históricoAula 1.1 histórico
Aula 1.1 histórico
 

Último

Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 

Aula 3 propriedades morfológicas

  • 2. OBJETIVOS • Identificar o solo como um sistema trifásico; • Compreender o que são os minerais; • Conhecer e identificar as diferentes texturas do solo; • Compreender a estruturação do solo; • Analisar a NBR 6502. Principais Propriedades Morfológicas dos Solos
  • 3. Um solo é sempre constituído por matéria mineral (areia, calcário, limo, argila), matéria orgânica (húmus, restos de plantas e animais), ar e água. Constituição/Sistema Trifásico
  • 4. Fase Sólida = Caracterizada pelo tamanho, forma, distribuição e composição mineralógica dos grãos. Fase Gasosa = Fase composta geralmente pelo ar do solo em contato com a atmosfera, podendo-se também apresentar na forma de bolhas de ar no interior da fase água. A fase gasosa é importante em problemas de deformação de solos e é bem mais compressível que as fases sólida e líquida.
  • 5. Fase Líquida = Fase fluida composta em sua maior parte pela água. Pode-se dizer que a água se apresenta de diferentes formas no solo, sendo contudo extremamente difícil se isolar os estados em que a água se apresenta em seu interior. Exemplos: Água Livre Água Adsorvida (adesiva)
  • 6. A fração sólida do solo ocupa cerca de metade do seu volume total e é constituída por matéria mineral e matéria orgânica. Matéria Mineral  A areia = sua existência, em maior proporção, facilita os trabalhos de mobilização do solo, a penetração de raízes e o arejamento.
  • 7.  A argila = retém facilmente os nutrientes e a água e , quando em excesso, dificulta o arejamento, a circulação da água, a mobilização do solo e também a penetração das raízes.  O calcário = não está presente em todos os solos.
  • 8. Matéria Orgânica  Esta matéria é constituída por restos de plantas e de animais, parcial ou totalmente decompostos, e também por seres vivos;  A quantidade de matéria orgânica existente no solo é muito variável e evolui ao longo do tempo;  Acumula-se principalmente à superfície do solo e desempenha um papel múltiplo.
  • 9. Ar e Água  O ar e a água ocupam os espaços(poros) existentes entre as partículas que constituem o solo;  A dimensão dos poros influi na retenção da água pelo solo;  O ar preenche os espaços não ocupados pela água. O arejamento do solo é fundamental para a respiração das raízes e, por isto, os solos pouco arejados são, em geral, pouco produtivos.
  • 10. As propriedades química e mineralógica das partículas dos solos irão depender fundamentalmente da composição da rocha matriz e do clima da região. Estas propriedades irão influenciar de forma marcante o comportamento mecânico do solo. Composição Química e Mineralógica
  • 11. São partículas sólidas inorgânicas que constituem as rochas e os solos, e que possuem forma geométrica, composição química e estrutura própria e definidas. O que são Minerais?
  • 12. Podem ser: Primários = gerados pelo intemperismo físico. Secundários = gerados pelo intemperismo químico.
  • 13. Composição das Areias e Pedregulhos Estes solos são formados, na sua maior parte, por silicatos (90%) e apresentam também na sua composição óxidos, carbonatos e sulfatos. Silicatos - feldspato, quartzo, mica, serpentina, clorita, talco; Óxidos - hematita, magnetita, limonita; Carbonatos - calcita, dolomita; Sulfatos - gêsso, anidrita.
  • 14. Composição das Argilas As argilas possuem uma complexa constituição química e mineralógica, sendo formadas por sílica no estado coloidal (SiO2, menores do que 1 micrômetro (μm)) e sesquióxidos metálicos (R2O3), onde R = Al; Fe, entre outros.
  • 15. O quartzo, devido a sua estabilidade e dureza, é um dos minerais mais resistentes e por isso é o componente principal na maioria dos solos; Resistência do Mineral
  • 16. Os feldspatos são os minerais mais atacados pela natureza, dando origem aos argilominerais, que constituem a fração mais fina dos solos, geralmente com diâmetro inferior a 2 mm.
  • 17. É a máxima tensão de um cisalhamento que o solo pode suportar sem sofrer ruptura. Esta resistência ao cisalhamento envolve duas componentes: atrito e coesão. O atrito é função da interação entre duas superfícies na região de contato. Resistência do Solo
  • 18. Nos materiais granulares (areias), constituídas de grãos isolados e independentes, o atrito é um misto de escorregamento (deslizamento) e de rolamento, afetado fundamentalmente pela entrosagem ou embricamento dos grãos. De tal forma que os contatos ocorrem realmente entre os dois minerais.
  • 19. No caso de argilas, o número de partículas é muito maior, sendo a parcela de força transmitida em cada contato, extremamente reduzida.
  • 20. A coesão é aquela resistência que a fração argilosa empresta ao solo, pelo qual ele se torna capaz de se manter coeso em forma de torrões ou blocos, ou pode ser cortado em formas diversas e manter esta forma. Os solos que têm essa propriedade chamam-se coesivos. A coesão é uma característica típica de solos muito finos (siltes plásticos e argilas).
  • 21. É a soma das superfícies de todas as partículas contidas na unidade de volume (ou de peso) do solo. Quanto mais fino o solo, maior sua superfície específica, o que constitui uma das diferenças entre as propriedades físicas dos solos arenosos e argilosos. Superfície Específica
  • 22. A superfície específica é uma importante propriedade dos argilo-minerais, na medida em que quanto maior a superfície específica, maior vai ser o predomínio das forças elétricas (em detrimento das forças gravitacionais), na influência sobre as propriedades do solo (estrutura, plasticidade, coesão, etc.)
  • 23.
  • 24. É o tamanho relativo das partículas sólidas que formam os solos. O estudo da textura dos solos é realizado por intermédio do ensaio de granulometria. Este estudo se refere à proporção relativa das classes de tamanho de partículas de um solo. Textura dos Solos
  • 25. A textura é importante para o entendimento do comportamento e manejo do solo. Durante a classificação do solo em um determinado local, a textura é muitas vezes a primeira e mais importante propriedade a ser determinada. O estudo da textura dos solos é realizado por intermédio do ensaio de granulometria.
  • 26. Pela sua textura os solos podem ser classificados em dois grandes grupos: solos grossos (areia, pedregulho, matacão) e solos finos (silte e argila). Solos Grossos - por ser predominante a atuação de forças gravitacionais, resultando em arranjos estruturais bastante simplificados, o comportamento mecânico e hidráulico está principalmente condicionado a sua compacidade, que é uma medida de quão próximas estão as partículas sólidas umas das outras, resultando em arranjos com maiores ou menores quantidades de vazios.
  • 27. Os solos grossos possuem uma maior percentagem de partículas visíveis a olho nu (0,06mm, ABNT) e suas partículas tem formas arredondadas, poliédricas e angulosas. São solos grossos os pedregulhos e as areias.
  • 28. Solos Finos – quando as partículas que constituem o solo possuem dimensões menores que 0,074mm (DNER), ou 0,06mm (ABNT), classificado como argila ou como silte. Nos solos formados por partículas muito pequenas, as forças que intervêm no processo de estruturação do solo são de caráter muito mais complexo.
  • 29. O comportamento dos solos finos é definido pelas forças de superfície (moleculares, elétricas) e pela presença de água, a qual influi de maneira marcante nos fenômenos de superfície dos argilo-minerais. São solos finos argilas e siltes.
  • 30. A fração granulométrica do solo classificada como argila (diâmetro inferior a 0,002mm) se caracteriza pela sua plasticidade marcante e elevada resistência quando seca. Apesar de serem solos finos, o comportamento dos siltes é governado pelas mesmas forças dos solos grossos. Estes possuem pouca ou nenhuma plasticidade e baixa resistência quando seco.
  • 31. Classes de tamanho de partículas do solo ABNT Terminologia Diâmetro (mm) Bloco de Rocha 20cm a 1m Pedregulho/Cascalho 2 a 60 Areia Grossa 0,6 a 2 Areia Média 0,2 a 0,6 Areia Fina 0,06 a 0,2 Silte 0,002 a 0,06 Argila < 0,002
  • 32.
  • 34. 33% argila 40% silte 27% areia Classe textural Franco argilosa Ex: 33% argila 40% silte 27% areia
  • 35.
  • 36. Relação entre tamanho de partícula e tipo de mineral presente. O quartzo é dominante na fração areia e em frações mais grosseiras de silte. Silicatos primários como o feldspato, hornoblenda e mica estão presentes na areia e em menores quantidades na fração silte. Minerais secundários, como óxidos de ferro e alumínio, são predominantes na fração silte de menor diâmetro e na fração argila mais grosseira.
  • 37. Óxidos e hidróxidos de Fe e Al Silicatos Primários Mica, Feldspato,etc. Silicatos Secundários Caolinita, hematita Quartzo
  • 38. A textura do solo condiciona fatores como: - Retenção, movimento e disponibilidade de água - Arejamento - Disponibilidade de nutrientes - Resistência à penetração de raízes - Estabilidade de agregados - Compactabilidade dos solos - Erodibilidade
  • 39. É o arranjo ou disposição das partículas constituintes do solo, ou seja, a maneira pela qual as partículas minerais de diferentes tamanhos se arrumam para formá-lo. A estrutura de um solo possui um papel fundamental em seu comportamento, seja em termos de resistência ao cisalhamento, compressibilidade ou permeabilidade. Estrutura dos Solos
  • 40. Sendo a gravidade o fator principal agindo na formação da estrutura dos solos grossos, a estrutura destes solos difere, de solo para solo, somente no que se refere ao seu grau de compacidade. Areia compactada Areia fofa
  • 41. No caso dos solos finos os arranjos estruturais são mais elaborados, devido as forças de superfície. Tipos (LAMBE 1969) Estrutura Floculada: os contatos se fazem entre faces e arestas das partículas sólidas. Estrutura Dispersa: as partículas se posicionam paralelamente, face a face.
  • 44. Norma criada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas em 1993 e válida a partir de 30/10/1995. Tem por objetivo definir os termos relativos aos materiais da crosta terrestre, rochas e solos, para fins de engenharia geotécnica de fundações e obras de terra.
  • 45. Termos Relativos as Rochas Origem (ígnea, metamórfica ou sedimentar); Forma de ocorrência (derrame, estratificada, etc.); Coloração; Textura;
  • 46. Composição química (ácida, básica, etc.); Estrutura (dobras, falhas); Principais tipos (arenito, basalto, etc.); Propriedades (grau de alteração, consistência, etc.);
  • 47. Termos Relativos a Solos Adensamento; Aderência; Adesão; Água adsorvida, capilar, etc.; Ângulo de atrito, de repouso, etc.
  • 48. GUERRA, A. J. T. & CUNHA, S. B. da (org.). Geomorfologia: exercícios, técnicas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996, 334p. GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2. ed., 1995. 472 p. Bibliografia
  • 49. PINTO C. S. Curso Básico de Mecânica dos Solos. Editora Oficina de textos, 2005.  PRESS ET AL. Para Entender a Terra – 4. ed. – Porto Alegre: Bookman, 2006. 656p. TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M.C.M.; FAIRCHILD, T.R.; TAIOLI, F. Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2000. VARGAS, M. Introdução a Mecânica dos Solos. Editora McGraw-Hill do Brasil, 1977.