SlideShare uma empresa Scribd logo
CLIMATOLOGIA
Professora Carolina Corrêa
Fatores e Elementos
Climáticos
Tempo
Estado momentâneo da atmosférica em um
determinado lugar, com relação a
combinação dos seus componentes.
Clima
Corresponde ao comportamento do tempo
em um determinado lugar durante um
período longo, de pelo menos 30 anos.
Fatores Climáticos
Características que determinam o clima:
latitude, altitude/relevo, albedo, massas de ar,
continentalidade, maritimidade, correntes
marítimas, vegetação e ação antrópica.
Elementos Climáticos
São os elementos que variam de acordo com a
atuação dos fatores. Temos então:
temperatura, umidade e pressão atmosférica.
A Latitude
Fatores Climáticos
Tendo por base o
Equador, à medida que
nos aproximamos dos
polos...
CadaPaulistana
Variações de temperatura conforme a latitude
Isso acontece porque, em razão da forma geoide da Terra, os
raios solares atingem a superfície terrestre de forma
diferenciada.
a latitude vai
aumentando e as
temperaturas vão
diminuindo.
A inclinação sobre o plano da Terra
descreve em seu movimento ao redor do Sol
(eclíptica), limitando a máxima intensidade
de energia a uma restrita faixa
compreendida entre o Trópico de
Capricórnio (23º27’S) e o Trópico de Câncer
(23º 27’N).
O quadro abaixo indica a latitude e a
temperatura de algumas cidades brasileiras.
Observe-o.
CIDADE LATITUDE
Temperatura
média anual
Macapá 0 º 26,9 °C
Vitória 20 ºS 25,4 ºC
Florianópolis 27 ºS 20,8 ºC
Porto Alegre 30 °S 20,0 °C
Alguns
climas do planeta
são diretamente
influenciados pelo
fator latitude: polar,
temperado e tropical.
No entanto, a altitude
pode diminuir ou
mesmo anular a
influência da latitude.
A Altitude/relevo
É por isso que lugares situados na zona
intertropical da Terra, mas com altitudes
superiores a 5 000 m, permanecem cobertos
de neve.
A temperatura diminui com o
aumento da altitude.
Em média, para cada 200 metros de altitude
que se sobe, a temperatura diminui
aproximadamente 1º C.
MarcosAurélio
As formas de relevo atuam na variação
de temperatura, pelas diferenças de altitude,
e na circulação dos ventos.
A Serra do Mar na região sudeste, por
exemplo, e o Planalto da Borborema, no
Nordeste, impedem a passagem de ventos
úmidos do Atlântico para o interior do Brasil.
Fonte: geograffando.blogspot.com-
Fonte: pt.wikipedia.org
As chuvas que se formam nas
vertentes voltadas para o lado de onde vem
os ventos úmido são as chamadas chuvas
orográficas.
Fonte: eltongeopa.blogspot.com
O Albedo
O albedo é o índice de reflexão de uma
superfície e varia de acordo com a sua cor.
Os raios solares que penetram na
atmosfera e são por ela refletidos, sem
incidir na superfície, retornam ao espaço
sideral e não alteram a superfície do
planeta, já que não há retenção de energia .
A neve por ser branca, reflete até 90%
dos raios solares incidentes, enquanto a
floresta amazônica, por ser verde-escuro,
reflete apenas cerca de 15%.
Quanto menor o albedo, maior a
absorção de raios solares, maior o
aquecimento e a irradiação de calor.
Fonte: Sene & Moreira, geografia geral e do Brasil, 2013, p. 142.
As Massas de Ar
São grandes porções da atmosfera que
possuem características comuns de
temperatura, umidade e pressão e podem
se estender por milhares de quilômetros.
As massas de ar se formam quando o
ar permanece estável por um tempo sobre
uma superfície homogênea como os
oceanos, as florestas e as calotas polares.
Estas massas se deslocam por
diferença de pressão (da maior para a
menor) e levam junto a temperatura e
umidade da área onde se formaram.
Ao longo do seu deslocamento elas
podem se transformar trocando calor e
umidade.
De uma forma geral as massas de ar são:
Oceânicas: ar úmido.
Continentais: ar seco, embora também
existam as continentais úmidas que se
formam sobre as grandes florestas.
Tropicais e equatoriais: ar quente.
Temperadas e polares: ar frio.
mEa = quente e úmida; mEc = quente e úmida
mTa = quente e úmida; mTc = quente e seca
mPa = fria e úmida
Continentalidade
x
Maritimidade
O efeito da continentalidade se
manifesta no clima especialmente na
temperatura e na umidade relativa.
Na ausência dos efeitos amenizadores
dos oceanos sobre as temperaturas, o
aquecimento/resfriamento das
superfícies continentais ocorre de forma
mais rápida e com menor participação da
umidade do ar, de modo que, além de
serem mais secos, tais locais apresentam
amplitudes térmicas diárias acentuadas.
O que é amplitude térmica?
Os mares e oceanos são fundamentais
na ação reguladora da temperatura e da
umidade dos climas. Além de servirem
como os principais fornecedores de água
para a Troposfera, controlam a distribuição
de energia entre oceanos e continentes.
A temperatura dos continentes,
comparada à temperatura dos oceanos, é mais
elevada no verão e mais baixa no inverno.
Por isso:
No Verão, as áreas litorâneas não aquecem
tanto porque o oceano, que está ao seu lado,
se encontra mais frio e vai diminuir as
temperaturas.
No Inverno, as temperaturas das áreas
litorâneas, não vão arrefecer tanto, porque os
oceanos vão liberar o calor que haviam
recebido durante o Verão.
Brisa
Como o continente aquece mais
rápido, o ar fica menos denso e sobe, isso
facilita que o ar frio dos oceanos se
desloque em direção ao continente, a brisa
marítima.
Durante a noite é o oceano que está
mais aquecido que o continente dando
origem a brisa terrestre.
Correntes Marítimas
Estas correntes também influenciam na
formação dos tipos de clima. Nas áreas
atingidas por correntes oriundas de águas
frias, predominam os climas mais secos
(semi-árido/desértico).
Ex.: Costa Oeste da América do Sul.
Isto ocorre por dois motivos:
As águas frias evaporam menos;
As chuvas ocorrem sobre o próprio
oceano.
As correntes oriundas de águas
quentes contribuem para aumentar a
umidade, se originam nas regiões
intertropicais e se deslocam para as
latitudes maiores, como a corrente do Brasil.
Fonte: geodinamica.no.sapo.pt
Vegetação
É um fator climático porque absorve e
irradia parte da energia solar.
O albedo será maior em áreas com
vegetação esparsa ou desmatada e menor
em áreas com coberturas vegetais mais
densas.
Grandes áreas vegetadas contribuem
para a redução das temperaturas médias
globais.
As florestas equatoriais e tropicais
também contribuem em relação a umidade.
Calcula-se que aproximadamente 50%
das chuvas da região amazônica provêm do
processo de evapotranspiração, ou seja, da
transferência da água do solo para a
atmosfera através das plantas.
As chuvas que se formam com a
ascensão da umidade local são
denominadas chuvas de convecção ou
convectivas. A umidade é levada para
altitudes mais elevadas onde as baixas
temperaturas provocam a condensação e
formação das nuvens.
O resultado são
chuvas fortes e de
curta duração no verão.
Fonte:geoplanetaonline.blogspot.com-
Ação Antrópica
As diferentes feições dos espaços
intra-urbanos geram processos com
intensidades distintas de aquecimento da
camada de ar em que se inserem,
resultando na ocorrência de campos
térmicos bem demarcados em seu interior,
identificados por ilhas térmicas/ ilhas de
calor.
Efeito obstáculo
das edificações
sobre o fluxo de ar
influenciando a
deposição de
partículas
É um efeito
climático
claramente
antrópico
Fonte: http://pt.slideshare.net/ivanilsonlima/climatologia-fatores-e-elementos-do-clima?qid=61e96886-514a-4d31-b51a-
58acd11e10a8&v=qf1&b=&from_search=1
Inversão térmica é um efeito natural que
misturado a ação humana gera um grave
problema ambiental.
Chuva Ácida
Fonte: www.adesulcalhas.com.br
Modificado de: marciiabarbosa.blogspot.com-
O trióxido de enxofre e o dióxido de
nitrogênio transformam-se em ácido sulfúrico,
ácido nítrico e ácido nitroso.
Elementos Climáticos
Temperatura
Temperatura
É o nível de calor resultado da ação da
radiação solar, comumente dada em graus
Celsius.
Os continente e oceanos absorvem
pouco mais da metade dos raios emitidos
pelo sol e esta energia é liberada para
atmosfera.
A atmosfera é uma capa térmica, sem
ela os dias seriam mais quentes e as noites
mais frias.
O padrão da variação diária da
temperatura diária pode ser
significativamente
alterado pela
presença de
nebulosidade
e vento.
As nuvens diminuem a penetração de
radiação solar durante o dia e retêm a
radiação emitida pela Terra durante a noite.
O resultado disto é uma menor
amplitude entre as temperaturas máximas e
mínimas.
Já o vento, proporciona uma
redistribuição do calor presente no ar, pois
promove a troca de ar entre os locais.
As isotermas são linhas que unem
pontos com a mesma média de temperatura
e são essenciais em um mapa
meteorológico.
Umidade
O vapor de água representa somente
2% da massa total da atmosfera e 4% de
seu volume, mas é o componente
atmosférico mais importante na
determinação do tempo e do clima.
Quanto maior for a temperatura, maior
será a capacidade do ar em absorver a
umidade.
Quando dizemos que a umidade do ar
é de 80%, significa que faltam apenas 20%
para o ar atingir seu ponto de saturação.
Se a temperatura do ar diminui, o
vapor se condensa e dá origem a diferentes
formas de precipitação: chuva, neve, etc.
Entre 30% e 20% de umidade do ar
existe o estado de atenção, no qual as
pessoas devem ingerir mais agua, evitar
exercícios físicos ao ar livre, etc.
Entre 20% e 12% é o estado de alerta,
deve-se umedecer os olhos com soro evitar
aglomerações e lugares fechados.
Menor que 12% é estado de
emergência e as atividades como aulas,
coleta de lixo e correios são suspensas.
Pressão Atmosférica
Pressão atmosférica é o peso do ar
atmosférico exercido por unidade de área.
Nas áreas de elevada altitude a pressão
diminui e nas áreas baixas a pressão
aumenta porque o peso que o ar exerce é
maior.
A temperatura também influencia, o ar
quente é mais dilatado e o ar frio mais
comprimido.
Então, nas áreas mais frias do planeta a
pressão atmosférica é maior.
A pressão do ar dá origem aos ventos,
eles se originam nas áreas de maior
pressão e se deslocam para as de menos
pressão.
Devido às diferenças de pressão, o ar está
quase sempre em movimento, deslocando-se
das zonas de alta pressão(fria) para zonas
de baixa pressão(quente). Ar frio desce e o
ar quente sobe.
Fonte: geoblogger10.blogspot.com-
 DUTRA, Márcia. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/marcinhacoronel/elementos-e-
fatores-do-clima?qid=61e96886-514a-4d31-b51a-
58acd11e10a8&v=qf1&b=&from_search=3>. Acesso em: 20/08/2014.
 JOIA, Antônio Luis & GEOTTEMS, Arno Aloísio. Geografia: leituras e interação, volume 1,
1ª Ed. – São Paulo: Leya, 2013.
 LIMA, Ivanilson. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/ivanilsonlima/climatologia-fatores-
e-elementos-do-clima?qid=61e96886-514a-4d31-b51a-
58acd11e10a8&v=qf1&b=&from_search=1>. Acesso em: 20/08/2014.
 SENE, Eustáquio de , & MOREIRA, João Carlos. Geografia Geral e do Brasil: espaço
geográfico e globalização. 2ª Ed., Saõ Paulo, Scipione, 2013.
 SLIDESHARE. Disponivel em: <http://pt.slideshare.net/karolpoa/savedfiles?s_title=os-
fatores-climticos&user_login=alicemiottello>. Acesso em: : 20/08/2014
 TAKAHASHI, Suely. Aula cedida pela mesma.
 VESENTINI, José Wiliam. Geografia: o mundo em transição. 2ª ed. – São Paulo: Ática,
2013.
Referências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Terra - um planeta com vida
Terra - um planeta com vidaTerra - um planeta com vida
Terra - um planeta com vida
Catir
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
Cleber Reis
 
Erosões
ErosõesErosões
Ciclo Da Agua
Ciclo Da AguaCiclo Da Agua
Ciclo Da Agua
Alda Palmeiro
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticos
Carolina Corrêa
 
Atmosfera e clima
Atmosfera e climaAtmosfera e clima
Atmosfera e clima
Ione Rocha
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
Luiz Henrique Ferreira
 
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores ClimáticosClima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
karolpoa
 
Ciclo da agua
Ciclo da aguaCiclo da agua
Ciclo da agua
Pelo Siro
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
carlossono
 
Geografia continente europeu
Geografia   continente europeuGeografia   continente europeu
Geografia continente europeu
André Luiz Marques
 
Origem e formação da terra
Origem e formação da terraOrigem e formação da terra
Origem e formação da terra
karolpoa
 
Paisagens do mundo
Paisagens do mundoPaisagens do mundo
Paisagens do mundo
Abner de Paula
 
Instrumentos Meteorológicos
Instrumentos MeteorológicosInstrumentos Meteorológicos
Instrumentos Meteorológicos
Rita Rocha
 
Relevo
RelevoRelevo
Atmosfera camadas
Atmosfera camadasAtmosfera camadas
Atmosfera camadas
edsonluz
 
Brasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e climaBrasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e clima
Professor
 
O ciclo da água
O ciclo da águaO ciclo da água
O ciclo da água
tecbio
 
Coordenadas Geograficas
Coordenadas GeograficasCoordenadas Geograficas
Coordenadas Geograficas
Luciano Pessanha
 

Mais procurados (20)

Terra - um planeta com vida
Terra - um planeta com vidaTerra - um planeta com vida
Terra - um planeta com vida
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
 
Erosões
ErosõesErosões
Erosões
 
Ciclo Da Agua
Ciclo Da AguaCiclo Da Agua
Ciclo Da Agua
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticos
 
Atmosfera e clima
Atmosfera e climaAtmosfera e clima
Atmosfera e clima
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
 
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores ClimáticosClima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Ciclo da agua
Ciclo da aguaCiclo da agua
Ciclo da agua
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
Geografia continente europeu
Geografia   continente europeuGeografia   continente europeu
Geografia continente europeu
 
Origem e formação da terra
Origem e formação da terraOrigem e formação da terra
Origem e formação da terra
 
Paisagens do mundo
Paisagens do mundoPaisagens do mundo
Paisagens do mundo
 
Instrumentos Meteorológicos
Instrumentos MeteorológicosInstrumentos Meteorológicos
Instrumentos Meteorológicos
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Atmosfera camadas
Atmosfera camadasAtmosfera camadas
Atmosfera camadas
 
Brasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e climaBrasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e clima
 
O ciclo da água
O ciclo da águaO ciclo da água
O ciclo da água
 
Coordenadas Geograficas
Coordenadas GeograficasCoordenadas Geograficas
Coordenadas Geograficas
 

Destaque

Classe insecta
Classe insectaClasse insecta
Classe insecta
MarianeSGS
 
Didatica
DidaticaDidatica
Didatica
dterror
 
Fatores do clima e tipos climáticos
Fatores do clima e tipos climáticosFatores do clima e tipos climáticos
Fatores do clima e tipos climáticos
Jefferson Santos
 
Fatores climáticos
Fatores climáticosFatores climáticos
Fatores climáticos
Roberta Sumar
 
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climaFatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
julio2012souto
 
Resumo fatores climáticos
Resumo fatores climáticosResumo fatores climáticos
Resumo fatores climáticos
Roberta Sumar
 
Variação da temperatura geografia
Variação da temperatura   geografia Variação da temperatura   geografia
Variação da temperatura geografia
Thepatriciamartins12
 
Factores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - TemperaturaFactores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - Temperatura
abarros
 

Destaque (8)

Classe insecta
Classe insectaClasse insecta
Classe insecta
 
Didatica
DidaticaDidatica
Didatica
 
Fatores do clima e tipos climáticos
Fatores do clima e tipos climáticosFatores do clima e tipos climáticos
Fatores do clima e tipos climáticos
 
Fatores climáticos
Fatores climáticosFatores climáticos
Fatores climáticos
 
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climaFatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
 
Resumo fatores climáticos
Resumo fatores climáticosResumo fatores climáticos
Resumo fatores climáticos
 
Variação da temperatura geografia
Variação da temperatura   geografia Variação da temperatura   geografia
Variação da temperatura geografia
 
Factores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - TemperaturaFactores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - Temperatura
 

Semelhante a 5 fatores e elementos climáticos

Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
Suely Takahashi
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
caduisolada
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Carson Souza
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Jonatas Carlos
 
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.pptaFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
VictorLuisDaSilva1
 
06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf
EdicarlosDourado
 
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Christie Freitas
 
1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos
Liliana Silva
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2
Christie Freitas
 
6º ano unidade 6
6º ano unidade 6 6º ano unidade 6
6º ano unidade 6
Beth Pettersen
 
Cap 8 clima geografia
Cap 8 clima geografiaCap 8 clima geografia
Cap 8 clima geografia
Geová da Silva
 
A dinâmica da atmosfera
A dinâmica da atmosferaA dinâmica da atmosfera
A dinâmica da atmosfera
Estude Mais
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
Isackson Mendes
 
Trabalho de geografia 2
Trabalho de geografia 2Trabalho de geografia 2
Trabalho de geografia 2
Trabalhodeartes
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Raffaella Ergün
 
Trabalho de geografia 2
Trabalho de geografia 2Trabalho de geografia 2
Trabalho de geografia 2
Trabalhodeartes
 
Revisão bimestral de geografia 2º bim 1º ano
Revisão bimestral de geografia 2º bim 1º anoRevisão bimestral de geografia 2º bim 1º ano
Revisão bimestral de geografia 2º bim 1º ano
eunamahcado
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
André Luiz Marques
 

Semelhante a 5 fatores e elementos climáticos (20)

Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
 
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.pptaFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
 
06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf
 
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
 
1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2
 
6º ano unidade 6
6º ano unidade 6 6º ano unidade 6
6º ano unidade 6
 
Cap 8 clima geografia
Cap 8 clima geografiaCap 8 clima geografia
Cap 8 clima geografia
 
A dinâmica da atmosfera
A dinâmica da atmosferaA dinâmica da atmosfera
A dinâmica da atmosfera
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 
Trabalho de geografia 2
Trabalho de geografia 2Trabalho de geografia 2
Trabalho de geografia 2
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
Trabalho de geografia 2
Trabalho de geografia 2Trabalho de geografia 2
Trabalho de geografia 2
 
Revisão bimestral de geografia 2º bim 1º ano
Revisão bimestral de geografia 2º bim 1º anoRevisão bimestral de geografia 2º bim 1º ano
Revisão bimestral de geografia 2º bim 1º ano
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 

Mais de karolpoa

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
karolpoa
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
karolpoa
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
karolpoa
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
karolpoa
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
karolpoa
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
karolpoa
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
karolpoa
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
karolpoa
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
karolpoa
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
karolpoa
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
karolpoa
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
karolpoa
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
karolpoa
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
karolpoa
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
karolpoa
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
karolpoa
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
karolpoa
 

Mais de karolpoa (20)

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 

Último

Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 

Último (20)

Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 

5 fatores e elementos climáticos

  • 3. Tempo Estado momentâneo da atmosférica em um determinado lugar, com relação a combinação dos seus componentes. Clima Corresponde ao comportamento do tempo em um determinado lugar durante um período longo, de pelo menos 30 anos.
  • 4. Fatores Climáticos Características que determinam o clima: latitude, altitude/relevo, albedo, massas de ar, continentalidade, maritimidade, correntes marítimas, vegetação e ação antrópica. Elementos Climáticos São os elementos que variam de acordo com a atuação dos fatores. Temos então: temperatura, umidade e pressão atmosférica.
  • 6. Tendo por base o Equador, à medida que nos aproximamos dos polos... CadaPaulistana Variações de temperatura conforme a latitude Isso acontece porque, em razão da forma geoide da Terra, os raios solares atingem a superfície terrestre de forma diferenciada. a latitude vai aumentando e as temperaturas vão diminuindo.
  • 7. A inclinação sobre o plano da Terra descreve em seu movimento ao redor do Sol (eclíptica), limitando a máxima intensidade de energia a uma restrita faixa compreendida entre o Trópico de Capricórnio (23º27’S) e o Trópico de Câncer (23º 27’N).
  • 8. O quadro abaixo indica a latitude e a temperatura de algumas cidades brasileiras. Observe-o. CIDADE LATITUDE Temperatura média anual Macapá 0 º 26,9 °C Vitória 20 ºS 25,4 ºC Florianópolis 27 ºS 20,8 ºC Porto Alegre 30 °S 20,0 °C
  • 9. Alguns climas do planeta são diretamente influenciados pelo fator latitude: polar, temperado e tropical. No entanto, a altitude pode diminuir ou mesmo anular a influência da latitude.
  • 10.
  • 12. É por isso que lugares situados na zona intertropical da Terra, mas com altitudes superiores a 5 000 m, permanecem cobertos de neve. A temperatura diminui com o aumento da altitude.
  • 13. Em média, para cada 200 metros de altitude que se sobe, a temperatura diminui aproximadamente 1º C. MarcosAurélio
  • 14.
  • 15. As formas de relevo atuam na variação de temperatura, pelas diferenças de altitude, e na circulação dos ventos. A Serra do Mar na região sudeste, por exemplo, e o Planalto da Borborema, no Nordeste, impedem a passagem de ventos úmidos do Atlântico para o interior do Brasil.
  • 17. As chuvas que se formam nas vertentes voltadas para o lado de onde vem os ventos úmido são as chamadas chuvas orográficas. Fonte: eltongeopa.blogspot.com
  • 19. O albedo é o índice de reflexão de uma superfície e varia de acordo com a sua cor. Os raios solares que penetram na atmosfera e são por ela refletidos, sem incidir na superfície, retornam ao espaço sideral e não alteram a superfície do planeta, já que não há retenção de energia .
  • 20. A neve por ser branca, reflete até 90% dos raios solares incidentes, enquanto a floresta amazônica, por ser verde-escuro, reflete apenas cerca de 15%. Quanto menor o albedo, maior a absorção de raios solares, maior o aquecimento e a irradiação de calor.
  • 21. Fonte: Sene & Moreira, geografia geral e do Brasil, 2013, p. 142.
  • 23. São grandes porções da atmosfera que possuem características comuns de temperatura, umidade e pressão e podem se estender por milhares de quilômetros. As massas de ar se formam quando o ar permanece estável por um tempo sobre uma superfície homogênea como os oceanos, as florestas e as calotas polares.
  • 24. Estas massas se deslocam por diferença de pressão (da maior para a menor) e levam junto a temperatura e umidade da área onde se formaram. Ao longo do seu deslocamento elas podem se transformar trocando calor e umidade.
  • 25. De uma forma geral as massas de ar são: Oceânicas: ar úmido. Continentais: ar seco, embora também existam as continentais úmidas que se formam sobre as grandes florestas. Tropicais e equatoriais: ar quente. Temperadas e polares: ar frio.
  • 26. mEa = quente e úmida; mEc = quente e úmida mTa = quente e úmida; mTc = quente e seca mPa = fria e úmida
  • 28. O efeito da continentalidade se manifesta no clima especialmente na temperatura e na umidade relativa. Na ausência dos efeitos amenizadores dos oceanos sobre as temperaturas, o aquecimento/resfriamento das superfícies continentais ocorre de forma mais rápida e com menor participação da umidade do ar, de modo que, além de serem mais secos, tais locais apresentam amplitudes térmicas diárias acentuadas.
  • 29. O que é amplitude térmica?
  • 30. Os mares e oceanos são fundamentais na ação reguladora da temperatura e da umidade dos climas. Além de servirem como os principais fornecedores de água para a Troposfera, controlam a distribuição de energia entre oceanos e continentes.
  • 31. A temperatura dos continentes, comparada à temperatura dos oceanos, é mais elevada no verão e mais baixa no inverno. Por isso: No Verão, as áreas litorâneas não aquecem tanto porque o oceano, que está ao seu lado, se encontra mais frio e vai diminuir as temperaturas. No Inverno, as temperaturas das áreas litorâneas, não vão arrefecer tanto, porque os oceanos vão liberar o calor que haviam recebido durante o Verão.
  • 32.
  • 33. Brisa Como o continente aquece mais rápido, o ar fica menos denso e sobe, isso facilita que o ar frio dos oceanos se desloque em direção ao continente, a brisa marítima. Durante a noite é o oceano que está mais aquecido que o continente dando origem a brisa terrestre.
  • 35. Estas correntes também influenciam na formação dos tipos de clima. Nas áreas atingidas por correntes oriundas de águas frias, predominam os climas mais secos (semi-árido/desértico). Ex.: Costa Oeste da América do Sul.
  • 36. Isto ocorre por dois motivos: As águas frias evaporam menos; As chuvas ocorrem sobre o próprio oceano.
  • 37. As correntes oriundas de águas quentes contribuem para aumentar a umidade, se originam nas regiões intertropicais e se deslocam para as latitudes maiores, como a corrente do Brasil.
  • 40. É um fator climático porque absorve e irradia parte da energia solar. O albedo será maior em áreas com vegetação esparsa ou desmatada e menor em áreas com coberturas vegetais mais densas.
  • 41. Grandes áreas vegetadas contribuem para a redução das temperaturas médias globais.
  • 42. As florestas equatoriais e tropicais também contribuem em relação a umidade. Calcula-se que aproximadamente 50% das chuvas da região amazônica provêm do processo de evapotranspiração, ou seja, da transferência da água do solo para a atmosfera através das plantas.
  • 43. As chuvas que se formam com a ascensão da umidade local são denominadas chuvas de convecção ou convectivas. A umidade é levada para altitudes mais elevadas onde as baixas temperaturas provocam a condensação e formação das nuvens. O resultado são chuvas fortes e de curta duração no verão. Fonte:geoplanetaonline.blogspot.com-
  • 45. As diferentes feições dos espaços intra-urbanos geram processos com intensidades distintas de aquecimento da camada de ar em que se inserem, resultando na ocorrência de campos térmicos bem demarcados em seu interior, identificados por ilhas térmicas/ ilhas de calor.
  • 46.
  • 47. Efeito obstáculo das edificações sobre o fluxo de ar influenciando a deposição de partículas É um efeito climático claramente antrópico
  • 49.
  • 50. Inversão térmica é um efeito natural que misturado a ação humana gera um grave problema ambiental.
  • 52. Modificado de: marciiabarbosa.blogspot.com- O trióxido de enxofre e o dióxido de nitrogênio transformam-se em ácido sulfúrico, ácido nítrico e ácido nitroso.
  • 54. Temperatura É o nível de calor resultado da ação da radiação solar, comumente dada em graus Celsius. Os continente e oceanos absorvem pouco mais da metade dos raios emitidos pelo sol e esta energia é liberada para atmosfera.
  • 55. A atmosfera é uma capa térmica, sem ela os dias seriam mais quentes e as noites mais frias. O padrão da variação diária da temperatura diária pode ser significativamente alterado pela presença de nebulosidade e vento.
  • 56. As nuvens diminuem a penetração de radiação solar durante o dia e retêm a radiação emitida pela Terra durante a noite. O resultado disto é uma menor amplitude entre as temperaturas máximas e mínimas.
  • 57. Já o vento, proporciona uma redistribuição do calor presente no ar, pois promove a troca de ar entre os locais. As isotermas são linhas que unem pontos com a mesma média de temperatura e são essenciais em um mapa meteorológico.
  • 59. O vapor de água representa somente 2% da massa total da atmosfera e 4% de seu volume, mas é o componente atmosférico mais importante na determinação do tempo e do clima. Quanto maior for a temperatura, maior será a capacidade do ar em absorver a umidade.
  • 60. Quando dizemos que a umidade do ar é de 80%, significa que faltam apenas 20% para o ar atingir seu ponto de saturação. Se a temperatura do ar diminui, o vapor se condensa e dá origem a diferentes formas de precipitação: chuva, neve, etc.
  • 61. Entre 30% e 20% de umidade do ar existe o estado de atenção, no qual as pessoas devem ingerir mais agua, evitar exercícios físicos ao ar livre, etc. Entre 20% e 12% é o estado de alerta, deve-se umedecer os olhos com soro evitar aglomerações e lugares fechados. Menor que 12% é estado de emergência e as atividades como aulas, coleta de lixo e correios são suspensas.
  • 63. Pressão atmosférica é o peso do ar atmosférico exercido por unidade de área. Nas áreas de elevada altitude a pressão diminui e nas áreas baixas a pressão aumenta porque o peso que o ar exerce é maior.
  • 64. A temperatura também influencia, o ar quente é mais dilatado e o ar frio mais comprimido. Então, nas áreas mais frias do planeta a pressão atmosférica é maior. A pressão do ar dá origem aos ventos, eles se originam nas áreas de maior pressão e se deslocam para as de menos pressão.
  • 65. Devido às diferenças de pressão, o ar está quase sempre em movimento, deslocando-se das zonas de alta pressão(fria) para zonas de baixa pressão(quente). Ar frio desce e o ar quente sobe. Fonte: geoblogger10.blogspot.com-
  • 66.  DUTRA, Márcia. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/marcinhacoronel/elementos-e- fatores-do-clima?qid=61e96886-514a-4d31-b51a- 58acd11e10a8&v=qf1&b=&from_search=3>. Acesso em: 20/08/2014.  JOIA, Antônio Luis & GEOTTEMS, Arno Aloísio. Geografia: leituras e interação, volume 1, 1ª Ed. – São Paulo: Leya, 2013.  LIMA, Ivanilson. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/ivanilsonlima/climatologia-fatores- e-elementos-do-clima?qid=61e96886-514a-4d31-b51a- 58acd11e10a8&v=qf1&b=&from_search=1>. Acesso em: 20/08/2014.  SENE, Eustáquio de , & MOREIRA, João Carlos. Geografia Geral e do Brasil: espaço geográfico e globalização. 2ª Ed., Saõ Paulo, Scipione, 2013.  SLIDESHARE. Disponivel em: <http://pt.slideshare.net/karolpoa/savedfiles?s_title=os- fatores-climticos&user_login=alicemiottello>. Acesso em: : 20/08/2014  TAKAHASHI, Suely. Aula cedida pela mesma.  VESENTINI, José Wiliam. Geografia: o mundo em transição. 2ª ed. – São Paulo: Ática, 2013. Referências