SlideShare uma empresa Scribd logo
CLIMATOLOGIA
Professora Carolina Corrêa
Conteúdos
Introdução a climatologia:
• Da climatologia clássica a moderna;
• Meteorologia e climatologia como
ciências afins.
Noções de tempo e clima.
carolcorreageo.blogspot.com
Objetivos
Introduzir o aluno ao aprendizado e ensino
da ciência climatológica;
Compreender a evolução dos estudos
climatológicos;
Identificar diferenças e semelhanças entre
climatologia e meteorologia;
Caracterizar e diferenciar tempo e clima.
carolcorreageo.blogspot.com
O clima está ruim ou o tempo está
ruim?
O clima está mudando ou o tempo
está mudando?
carolcorreageo.blogspot.com
Qual a diferença entre tempo e
clima?
carolcorreageo.blogspot.com
Tempo
Estado momentâneo da atmosférica em um
determinado lugar, com relação a
combinação dos seus componentes.
Clima
Corresponde ao comportamento do tempo
em um determinado lugar durante um
período longo, de pelo menos 30 anos.
carolcorreageo.blogspot.com
EVOLUÇÃO NA DEFINIÇÃO
DO CLIMA
Segundo HANN:
É o conjunto de fenômenos
meteorológicos que caracterizam o estado
médio da atmosfera em um ponto qualquer
da atmosfera.
carolcorreageo.blogspot.com
Segundo MAX SORRE:
Uma série de estados atmosféricos
sobre um determinado lugar em sua
sucessão habitual.
Segundo KÖPPEN:
Somatório das condições atmosféricas
que fazem um lugar da superfície terrestre
ser mais ou menos habitável para os
humanos, animais e plantas.
carolcorreageo.blogspot.com
Segundo MARCHI:
É o complexo das condições
atmosféricas de uma região que a torna
mais ou menos favorável às necessidades e
ao bem-estar do homem, bem como ao
desenvolvimento das plantas.
carolcorreageo.blogspot.com
E o que é climatologia?
carolcorreageo.blogspot.com
É o estudo científico do clima. Trata
dos padrões de comportamento da
atmosfera em suas interações com as
atividades humanas e com a superfície
terrestre durante um longo período de
tempo.
Mendonça e Oliveira, 2007.
carolcorreageo.blogspot.com
Por que estudar climatologia?
carolcorreageo.blogspot.com
O clima e os eventos de tempo
interferem nas atividades humanas, como
agricultura e gestão de recursos hídricos, e
na segurança do próprio ser humano
(Molion).
Fonte:irismaroliveira.blogspot.com-
carolcorreageo.blogspot.com
Breve histórico
Nos primórdios, devido a fraca
capacidade do homem de abstração e a seu
pouco conhecimento, atribuía-se os
fenômenos atmosféricos aos Deuses.
carolcorreageo.blogspot.com
O período de cheias e vazantes do rio
Nilo levou os egípcios a refletir sobre os
elementos do ar dos quais derivavam a
umidade e a consequente fertilidade dos
solos de várzeas do rio.
Fonte:www.fascinioegito.sh06.com-
carolcorreageo.blogspot.com
Foram os gregos os primeiros a produzir e
registrar de forma mais direta suas reflexões
sobre a atmosfera.
Hipócrates escreveu a obra Ares, Águas e
Lugares em 400 A.C. e Aristóteles,
Meterorológica em 350 A. C.. A divisão do
planeta em zona temperada e fria vem desta
época.
Fonte:marcosself.wordpress.com
carolcorreageo.blogspot.com
O domínio do mundo grego pelo
Império Romano provocou uma queda da
produção intelectual já que os romanos
estavam mais preocupados com a
expansão do que com os fenômenos da
natureza.
Fonte:romaeseuimperio.blogspot.com-
carolcorreageo.blogspot.com
Quando a religião cristã avançou sobre
a Europa, houve uma grande queda no
conhecimento da atmosfera, pois o
conhecimento científico passou a ser
contestado pela igreja, desse modo a
ciência ficou paralisada durante todo o
período do obscurantismo religioso da Idade
Media (aproximadamente mil anos).
carolcorreageo.blogspot.com
Fonte:www.comofazer.com.br-
Os estudos atmosféricos voltam a
florescer com o Renascimento, período no
qual Galileu Galilei inventou o termômetro
em 1593 e Torricelli inventou o barômetro
em 1643.
Fonte:www.mundoeducacao.com-
carolcorreageo.blogspot.com
O capitalismo passou a exercer
influencia sobre a produção científica uma
vez que esta era de suma importância para
sua expansão. Como muitos produtos
comercializáveis tinham sua origem no
campo o conhecimento a respeito do clima
era muito importante para que se pudesse
ter a maior produtividade possível.
carolcorreageo.blogspot.com
As duas guerras mundiais do século
XX tiveram auxílio do conhecimento da
atmosfera visto que a preparação dos
ataques só era possível a partir da
monitoração das condições atmosféricas
das regiões a serem atacadas.
Fonte:
acervosegundaguerra.blogspot.com-
carolcorreageo.blogspot.com
O desenvolvimento técnico científico
da sociedade no período pós-guerra
permitiu a invenção de inúmeros aparelhos
mais precisos em termos de análise da
atmosfera devido a investimentos oriundos
das grandes nações que estiveram em
guerra a fim de se prevenir de futuros
ataques.
carolcorreageo.blogspot.com
Em 1950 foi fundada a Organização
Meteorológica Mundial (OMM) que dava
continuação a Organização Meteorológica
Internacional (OMI), fundada no século
anterior (1873).
Os investimentos mais
consideráveis foram satélites
meteorológicos na década de 60.
Tal fato permitiu que se estudasse
a atmosfera de uma forma muito
mais detalhada e em escala
global.
carolcorreageo.blogspot.com
A OMM estabeleceu uma rede mundial
de informações meteorológicas
aprofundando o estudo da camada de ar
que envolve o planeta e consolidando a
importância deste conhecimento para o
progresso da sociedade humana.
carolcorreageo.blogspot.com
Com a internet inaugurou-se um
período de intensa circulação de
informações, o que facilitou a propagação
de dados meteorológicos e climáticos. O
fácil acesso a essas informações permitiu
um melhor conhecimento da dinâmica
atmosférica, contribui para elaboração de
pesquisas e popularizou a climatologia.
carolcorreageo.blogspot.com
O efeito sobre gerações
Nos últimos 7 mil anos viu-se o
surgimento de notáveis civilizações como
sumérios na Mesopotâmia e egípcios no
nordeste da África.
O “ótimo climático romano”, ocorrido
entre 400 a. C. e 200 d. C., foi marcado pelo
florescimento das civilizações grega, persa
e romana.
carolcorreageo.blogspot.com
Nos próximos 600 anos, o clima
resfriou gerando um período seco chamado
de Era Negra. A civilização de nazca, por
exemplo, desapareceu neste período.
Entre 800 a 1250 d. C. as temperaturas
ficaram mais altas que as atuais o que
permitiu que o norte do Canadá e a
Groelândia fossem colonizados.
carolcorreageo.blogspot.com
Nas américas se desenvolveram
astecas, incas e maias.
Vvvv
Fonte: clioedionisio.blogspot.com-
carolcorreageo.blogspot.com
Entre 1350 e 1920 o clima resfriou
caindo cerca de 2°, esse período ficou
conhecido como pequena idade do gelo
(PIG) com grandes mudanças sociais e
econômicas principalmente na Europa
Ocidental.
carolcorreageo.blogspot.com
É possível que as grandes navegações
dos séculos XV e XVI tenham sido forçadas
em razão das safras frustradas que geraram
pobreza e fome na Europa.
carolcorreageo.blogspot.com
Após 1920, o clima voltou a aquecer
lentamente mas as temperaturas ainda são
inferiores aos períodos passados.
Ligado aos avanços tecnológicos em
várias áreas do conhecimento, o clima atual
tem trazido uma relativa estabilidade social
num mundo globalizado.
Até quando?
carolcorreageo.blogspot.com
Meteorologia ou Climatologia?
carolcorreageo.blogspot.com
METEOROLOGIA
É a ciência que estuda a dimensão física,
química e a dinâmica da atmosfera. Ela aborda
em sua especificidade os fenômenos
meteorológicos, como raios, trovões, descargas
elétricas, nuvens, composição físico-química do
ar e a pressão atmosférica.
carolcorreageo.blogspot.com
A Meteorologia no seu sentido mais
amplo é uma ciência extremamente vasta e
complexa, pois a atmosfera é muito
extensa, variável e ambiente de um grande
número de fenômenos.
Se subdivide em:
carolcorreageo.blogspot.com
A Meteorologia Física estuda os
fenômenos atmosféricos relacionados
diretamente com a Física e a Química. Ex.:
processos termodinâmicos, composição e
estrutura da atmosfera;
processos físicos envolvidos na formação
de nuvens e precipitação;
reações físico-químicas dos gases e
partículas, etc.
carolcorreageo.blogspot.com
A Meteorologia Sinótica está
relacionada com a descrição, análise e
previsão do tempo.
Fonte: www.canalrioclaro.com.br-
carolcorreageo.blogspot.com
A Meteorologia Dinâmica também trata
dos movimentos atmosféricos e sua
evolução temporal mas, ao contrário da
Meteorologia Sinótica, sua abordagem é
baseada nas leis da Mecânica dos Fluídos e
da Termodinâmica Clássica. Sua principal
ferramenta são os computadores.
Com a crescente sofisticação dos
métodos de análise e previsão do tempo a
distinção entre a Meteorologia Sinótica e
Dinâmica está rapidamente diminuindo.
carolcorreageo.blogspot.com
CLIMATOLOGIA
É o estudo científico do clima, que trata dos
padrões de comportamento da atmosfera em
suas interações com as atividades humanas e
com a superfície terrestre durante um longo
período de tempo.
carolcorreageo.blogspot.com
Estuda os fenômenos atmosféricos do
ponto de vista de suas propriedades
estatísticas (médias e variabilidade) para
caracterizar o clima em função da
localização geográfica, estação do ano,
hora do dia, etc. É o estudo científico do
clima.
carolcorreageo.blogspot.com
A climatologia subdivide-se em:
 Climatologia Regional
 Climatologia Sinótica
 Climatologia Dinâmica
 Climatologia Física
 Climatologia Histórica
 Climatologia Aplicada
 Bioclimatologia
 Climatologia Agrícola
carolcorreageo.blogspot.com
CLIMATOLOGIA REGIONAL
É a descrição dos climas em áreas
selecionadas da Terra.
carolcorreageo.blogspot.com
CLIMATOLOGIA SINÓTICA
É o estudo do tempo e do clima em uma
área com relação ao padrão de circulação
atmosférica predominante. A climatologia
sinótica é, assim, essencialmente uma nova
abordagem para a climatologia regional.
carolcorreageo.blogspot.com
CLIMATOLOGIA DINÂMICA
Enfatiza os movimentos atmosféricos em
várias escalas, particularmente na circulação
geral da atmosfera.
carolcorreageo.blogspot.com
CLIMATOLOGIA FÍSICA
Envolve a investigação do
comportamento dos elementos do tempo ou
processos atmosféricos em termos de
princípios físicos dando ênfase à energia
global e aos regimes de balanço hídrico da
terra e da atmosfera.
carolcorreageo.blogspot.com
CLIMATOLOGIA HISTÓRICA
É o estudo do desenvolvimento dos climas
através dos tempos.
CLIMATOLOGIA APLICADA
Enfatiza a aplicação do conhecimento
climatológico e dos princípios climatológicos
nas soluções dos problemas práticos que
afetam a humanidade.
carolcorreageo.blogspot.com
BIOCLIMATOLOGIA
Estuda os fenômenos que regem os
mecanismos da natureza.
CLIMATOLOGIA AGRÍCOLA
Estuda os fenômenos climatológicos
ligados à produção animal e vegetal,
tentando estimar os fenômenos para evitar
perdas críticas na produção.
carolcorreageo.blogspot.com
CLIMATOLOGIA TRADICIONAL X
CLIMATOLOGIA MODERNA
CLIMATOLOGIA TRADICIONAL:
 Essencialmente descritiva e não
explicativa;
 A atmosfera parecia estática;
 Negligência das interações que ocorrem na
atmosfera.
carolcorreageo.blogspot.com
CLIMATOLOGIA MODERNA:
 Explica os fenômenos atmosféricos, além
de descrevê-los;
 A atmosfera é dinâmica
 Analisa a interação que ocorrem na
atmosfera e na interface atmosfera-
superfície da Terra.
carolcorreageo.blogspot.com
CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA
Estuda a distribuição dos climas
sobre a superfície terrestre e suas
relações com os demais componentes do
meio geográfico. Além de ser
fundamental para uma intervenção mais
consciente na organização do espaço
geográfico.
carolcorreageo.blogspot.com
APLICAÇÕES DA
CLIMATOLOGIA
carolcorreageo.blogspot.com
O CLIMA E A PAISAGEM NATURAL
Nos processos
Geomorfológicos;
Nos
Processos
Pedológicos;
carolcorreageo.blogspot.com
Nos Processos
Hidrológicos
Nos
Processos
Biológicos.
carolcorreageo.blogspot.com
O CLIMA E AS ATIVIDADES
HUMANAS
Na
Agricultura
Na Indústria
carolcorreageo.blogspot.com
Na Medicina/veterinária
No Turismo;
No Planejamento
Urbano.
carolcorreageo.blogspot.com
Deslizamentos e inundações
PROBLEMAS ASSOCIADOS
carolcorreageo.blogspot.com
Enchentes
carolcorreageo.blogspot.com
carolcorreageo.blogspot.com
Poluição atmosférica
carolcorreageo.blogspot.com
carolcorreageo.blogspot.com
Referências
 HISTÓRIA DA CLIMATOLOGIA. Disponível em:
<http://pt.scribd.com/doc/86234102/Historia-da-climatologia>.
Acesso em: 13/05/2014.
 LIMA, IVANILSON. Disponível em: <www.slideshare.net/>. Acesso
em: 13/05/2014.
 MENDONÇA, Francisco & DANNI-OLIVEIRA, Inês Moresco.
Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo, Oficina
de Textos, 2007.
 SANTANA, NILTON SOUZA. Uso de material cedido pelo mesmo.
carolcorreageo.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mecanismos Que Influenciam As VariaçõEs ClimáTicas
Mecanismos Que Influenciam As VariaçõEs ClimáTicasMecanismos Que Influenciam As VariaçõEs ClimáTicas
Mecanismos Que Influenciam As VariaçõEs ClimáTicas
Nuno Correia
 
Aula histórico
Aula históricoAula histórico
Aula histórico
Carolina Corrêa
 
Parte i
Parte iParte i
Parte i
zeopas
 
Conceitos fundamentais da geomorfologia
Conceitos fundamentais da geomorfologiaConceitos fundamentais da geomorfologia
Conceitos fundamentais da geomorfologia
Girlene Virginia
 
O clima no mundo
O clima no mundoO clima no mundo
O clima no mundo
Camilly Araújo
 
Antropoceno
AntropocenoAntropoceno
Antropoceno
Danislei Bertoni
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
margaridabt
 
Geologia 10 terra, um planeta em mudança
Geologia 10   terra, um planeta em mudançaGeologia 10   terra, um planeta em mudança
Geologia 10 terra, um planeta em mudança
Nuno Correia
 
Introducao geomorfologia
Introducao geomorfologiaIntroducao geomorfologia
Introducao geomorfologia
Luanna Gomes
 
Geo 10 terra, um planeta em mudança
Geo 10   terra, um planeta em mudançaGeo 10   terra, um planeta em mudança
Geo 10 terra, um planeta em mudança
Nuno Correia
 
Ppt 7 A Terra, Um Planeta Em MudançA
Ppt 7   A Terra, Um Planeta Em MudançAPpt 7   A Terra, Um Planeta Em MudançA
Ppt 7 A Terra, Um Planeta Em MudançA
Nuno Correia
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
karolpoa
 
Terra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudançaTerra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudança
Isabel Lopes
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Geologia cap1
Geologia cap1Geologia cap1
Geologia cap1
Sandro Gomes
 
Postulados geomorfológicos
Postulados geomorfológicosPostulados geomorfológicos
Postulados geomorfológicos
Girleno Oliveira
 
Ppt 7 A Terra, Um Planeta Em MudançA
Ppt 7   A Terra, Um Planeta Em MudançAPpt 7   A Terra, Um Planeta Em MudançA
Ppt 7 A Terra, Um Planeta Em MudançA
Nuno Correia
 
Geografia - Estudos sobre as características geológicas da Terra
Geografia - Estudos sobre as características geológicas da TerraGeografia - Estudos sobre as características geológicas da Terra
Geografia - Estudos sobre as características geológicas da Terra
Silvio Araujo de Sousa
 
1.1.dias adaptacao
1.1.dias adaptacao1.1.dias adaptacao
1.1.dias adaptacao
smtpinov
 
Formas e estruturas geológicas
Formas e estruturas geológicasFormas e estruturas geológicas
Formas e estruturas geológicas
Alexandre Gangorra
 

Mais procurados (20)

Mecanismos Que Influenciam As VariaçõEs ClimáTicas
Mecanismos Que Influenciam As VariaçõEs ClimáTicasMecanismos Que Influenciam As VariaçõEs ClimáTicas
Mecanismos Que Influenciam As VariaçõEs ClimáTicas
 
Aula histórico
Aula históricoAula histórico
Aula histórico
 
Parte i
Parte iParte i
Parte i
 
Conceitos fundamentais da geomorfologia
Conceitos fundamentais da geomorfologiaConceitos fundamentais da geomorfologia
Conceitos fundamentais da geomorfologia
 
O clima no mundo
O clima no mundoO clima no mundo
O clima no mundo
 
Antropoceno
AntropocenoAntropoceno
Antropoceno
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
 
Geologia 10 terra, um planeta em mudança
Geologia 10   terra, um planeta em mudançaGeologia 10   terra, um planeta em mudança
Geologia 10 terra, um planeta em mudança
 
Introducao geomorfologia
Introducao geomorfologiaIntroducao geomorfologia
Introducao geomorfologia
 
Geo 10 terra, um planeta em mudança
Geo 10   terra, um planeta em mudançaGeo 10   terra, um planeta em mudança
Geo 10 terra, um planeta em mudança
 
Ppt 7 A Terra, Um Planeta Em MudançA
Ppt 7   A Terra, Um Planeta Em MudançAPpt 7   A Terra, Um Planeta Em MudançA
Ppt 7 A Terra, Um Planeta Em MudançA
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
 
Terra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudançaTerra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudança
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Geologia cap1
Geologia cap1Geologia cap1
Geologia cap1
 
Postulados geomorfológicos
Postulados geomorfológicosPostulados geomorfológicos
Postulados geomorfológicos
 
Ppt 7 A Terra, Um Planeta Em MudançA
Ppt 7   A Terra, Um Planeta Em MudançAPpt 7   A Terra, Um Planeta Em MudançA
Ppt 7 A Terra, Um Planeta Em MudançA
 
Geografia - Estudos sobre as características geológicas da Terra
Geografia - Estudos sobre as características geológicas da TerraGeografia - Estudos sobre as características geológicas da Terra
Geografia - Estudos sobre as características geológicas da Terra
 
1.1.dias adaptacao
1.1.dias adaptacao1.1.dias adaptacao
1.1.dias adaptacao
 
Formas e estruturas geológicas
Formas e estruturas geológicasFormas e estruturas geológicas
Formas e estruturas geológicas
 

Semelhante a 1 noções de tempo e clima

2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
karolpoa
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
Carolina Corrêa
 
Clima 1 introdução
Clima 1   introduçãoClima 1   introdução
Clima 1 introdução
Walbruni
 
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptxQuestione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Questione-se Meteorologia FUNDAG slide 3.pptx
Questione-se Meteorologia  FUNDAG slide 3.pptxQuestione-se Meteorologia  FUNDAG slide 3.pptx
Questione-se Meteorologia FUNDAG slide 3.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Carta aberta para a presidente Dilma
Carta aberta para a presidente DilmaCarta aberta para a presidente Dilma
Carta aberta para a presidente Dilma
Prof. Oliveira Andrade
 
Carta aberta para a Presidente Dilma - BR
Carta aberta para a Presidente Dilma - BRCarta aberta para a Presidente Dilma - BR
Carta aberta para a Presidente Dilma - BR
Prof. Oliveira Andrade
 
Introdução à climatologia
Introdução à climatologiaIntrodução à climatologia
Introdução à climatologia
ELIZAVETHE QUINTELLA
 
Tempo geológico resumo.
Tempo geológico resumo.Tempo geológico resumo.
Tempo geológico resumo.
Camila Brito
 
CLIMATOLOGIA - ENEM 2023.pptx
CLIMATOLOGIA - ENEM 2023.pptxCLIMATOLOGIA - ENEM 2023.pptx
CLIMATOLOGIA - ENEM 2023.pptx
TalyaPinheiro1
 
AlteraçõEs ClimáTicas
AlteraçõEs ClimáTicasAlteraçõEs ClimáTicas
AlteraçõEs ClimáTicas
Luz Campos
 
07 int terra
07 int terra07 int terra
07 int terra
HENRI ALVES ISHIBA
 
Manual de aulas teoricas de hidrologia
Manual de aulas teoricas de hidrologiaManual de aulas teoricas de hidrologia
Manual de aulas teoricas de hidrologia
Hernandes30
 
MASSA DE AR
MASSA DE ARMASSA DE AR
MASSA DE AR
Nael.Passos
 
Clima
ClimaClima
Ppt 7 A Terra, Um Planeta Em MudançA
Ppt 7   A Terra, Um Planeta Em MudançAPpt 7   A Terra, Um Planeta Em MudançA
Ppt 7 A Terra, Um Planeta Em MudançA
Nuno Correia
 
Clima 1 tempo e_clima_escalas_temporal_e_espacial
Clima 1 tempo e_clima_escalas_temporal_e_espacialClima 1 tempo e_clima_escalas_temporal_e_espacial
Clima 1 tempo e_clima_escalas_temporal_e_espacial
Gabriel Lecoque Francisco
 
Tempo geologico
Tempo geologicoTempo geologico
Tempo geologico
Colégio Rainha da Paz
 
Questione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptxQuestione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...
Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...
Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...
alcscens
 

Semelhante a 1 noções de tempo e clima (20)

2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
 
Clima 1 introdução
Clima 1   introduçãoClima 1   introdução
Clima 1 introdução
 
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptxQuestione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
 
Questione-se Meteorologia FUNDAG slide 3.pptx
Questione-se Meteorologia  FUNDAG slide 3.pptxQuestione-se Meteorologia  FUNDAG slide 3.pptx
Questione-se Meteorologia FUNDAG slide 3.pptx
 
Carta aberta para a presidente Dilma
Carta aberta para a presidente DilmaCarta aberta para a presidente Dilma
Carta aberta para a presidente Dilma
 
Carta aberta para a Presidente Dilma - BR
Carta aberta para a Presidente Dilma - BRCarta aberta para a Presidente Dilma - BR
Carta aberta para a Presidente Dilma - BR
 
Introdução à climatologia
Introdução à climatologiaIntrodução à climatologia
Introdução à climatologia
 
Tempo geológico resumo.
Tempo geológico resumo.Tempo geológico resumo.
Tempo geológico resumo.
 
CLIMATOLOGIA - ENEM 2023.pptx
CLIMATOLOGIA - ENEM 2023.pptxCLIMATOLOGIA - ENEM 2023.pptx
CLIMATOLOGIA - ENEM 2023.pptx
 
AlteraçõEs ClimáTicas
AlteraçõEs ClimáTicasAlteraçõEs ClimáTicas
AlteraçõEs ClimáTicas
 
07 int terra
07 int terra07 int terra
07 int terra
 
Manual de aulas teoricas de hidrologia
Manual de aulas teoricas de hidrologiaManual de aulas teoricas de hidrologia
Manual de aulas teoricas de hidrologia
 
MASSA DE AR
MASSA DE ARMASSA DE AR
MASSA DE AR
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Ppt 7 A Terra, Um Planeta Em MudançA
Ppt 7   A Terra, Um Planeta Em MudançAPpt 7   A Terra, Um Planeta Em MudançA
Ppt 7 A Terra, Um Planeta Em MudançA
 
Clima 1 tempo e_clima_escalas_temporal_e_espacial
Clima 1 tempo e_clima_escalas_temporal_e_espacialClima 1 tempo e_clima_escalas_temporal_e_espacial
Clima 1 tempo e_clima_escalas_temporal_e_espacial
 
Tempo geologico
Tempo geologicoTempo geologico
Tempo geologico
 
Questione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptxQuestione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptx
 
Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...
Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...
Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...
 

Mais de karolpoa

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
karolpoa
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
karolpoa
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
karolpoa
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
karolpoa
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
karolpoa
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
karolpoa
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
karolpoa
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
karolpoa
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
karolpoa
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
karolpoa
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
karolpoa
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
karolpoa
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
karolpoa
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
karolpoa
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
karolpoa
 
Aula 1.2 revisão intemperismo
Aula 1.2 revisão intemperismoAula 1.2 revisão intemperismo
Aula 1.2 revisão intemperismo
karolpoa
 

Mais de karolpoa (20)

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1.2 revisão intemperismo
Aula 1.2 revisão intemperismoAula 1.2 revisão intemperismo
Aula 1.2 revisão intemperismo
 

Último

Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 

Último (20)

Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 

1 noções de tempo e clima

  • 2. Conteúdos Introdução a climatologia: • Da climatologia clássica a moderna; • Meteorologia e climatologia como ciências afins. Noções de tempo e clima. carolcorreageo.blogspot.com
  • 3. Objetivos Introduzir o aluno ao aprendizado e ensino da ciência climatológica; Compreender a evolução dos estudos climatológicos; Identificar diferenças e semelhanças entre climatologia e meteorologia; Caracterizar e diferenciar tempo e clima. carolcorreageo.blogspot.com
  • 4. O clima está ruim ou o tempo está ruim? O clima está mudando ou o tempo está mudando? carolcorreageo.blogspot.com
  • 5. Qual a diferença entre tempo e clima? carolcorreageo.blogspot.com
  • 6. Tempo Estado momentâneo da atmosférica em um determinado lugar, com relação a combinação dos seus componentes. Clima Corresponde ao comportamento do tempo em um determinado lugar durante um período longo, de pelo menos 30 anos. carolcorreageo.blogspot.com
  • 7. EVOLUÇÃO NA DEFINIÇÃO DO CLIMA Segundo HANN: É o conjunto de fenômenos meteorológicos que caracterizam o estado médio da atmosfera em um ponto qualquer da atmosfera. carolcorreageo.blogspot.com
  • 8. Segundo MAX SORRE: Uma série de estados atmosféricos sobre um determinado lugar em sua sucessão habitual. Segundo KÖPPEN: Somatório das condições atmosféricas que fazem um lugar da superfície terrestre ser mais ou menos habitável para os humanos, animais e plantas. carolcorreageo.blogspot.com
  • 9. Segundo MARCHI: É o complexo das condições atmosféricas de uma região que a torna mais ou menos favorável às necessidades e ao bem-estar do homem, bem como ao desenvolvimento das plantas. carolcorreageo.blogspot.com
  • 10. E o que é climatologia? carolcorreageo.blogspot.com
  • 11. É o estudo científico do clima. Trata dos padrões de comportamento da atmosfera em suas interações com as atividades humanas e com a superfície terrestre durante um longo período de tempo. Mendonça e Oliveira, 2007. carolcorreageo.blogspot.com
  • 12. Por que estudar climatologia? carolcorreageo.blogspot.com
  • 13. O clima e os eventos de tempo interferem nas atividades humanas, como agricultura e gestão de recursos hídricos, e na segurança do próprio ser humano (Molion). Fonte:irismaroliveira.blogspot.com- carolcorreageo.blogspot.com
  • 14. Breve histórico Nos primórdios, devido a fraca capacidade do homem de abstração e a seu pouco conhecimento, atribuía-se os fenômenos atmosféricos aos Deuses. carolcorreageo.blogspot.com
  • 15. O período de cheias e vazantes do rio Nilo levou os egípcios a refletir sobre os elementos do ar dos quais derivavam a umidade e a consequente fertilidade dos solos de várzeas do rio. Fonte:www.fascinioegito.sh06.com- carolcorreageo.blogspot.com
  • 16. Foram os gregos os primeiros a produzir e registrar de forma mais direta suas reflexões sobre a atmosfera. Hipócrates escreveu a obra Ares, Águas e Lugares em 400 A.C. e Aristóteles, Meterorológica em 350 A. C.. A divisão do planeta em zona temperada e fria vem desta época. Fonte:marcosself.wordpress.com carolcorreageo.blogspot.com
  • 17. O domínio do mundo grego pelo Império Romano provocou uma queda da produção intelectual já que os romanos estavam mais preocupados com a expansão do que com os fenômenos da natureza. Fonte:romaeseuimperio.blogspot.com- carolcorreageo.blogspot.com
  • 18. Quando a religião cristã avançou sobre a Europa, houve uma grande queda no conhecimento da atmosfera, pois o conhecimento científico passou a ser contestado pela igreja, desse modo a ciência ficou paralisada durante todo o período do obscurantismo religioso da Idade Media (aproximadamente mil anos). carolcorreageo.blogspot.com
  • 19. Fonte:www.comofazer.com.br- Os estudos atmosféricos voltam a florescer com o Renascimento, período no qual Galileu Galilei inventou o termômetro em 1593 e Torricelli inventou o barômetro em 1643. Fonte:www.mundoeducacao.com- carolcorreageo.blogspot.com
  • 20. O capitalismo passou a exercer influencia sobre a produção científica uma vez que esta era de suma importância para sua expansão. Como muitos produtos comercializáveis tinham sua origem no campo o conhecimento a respeito do clima era muito importante para que se pudesse ter a maior produtividade possível. carolcorreageo.blogspot.com
  • 21. As duas guerras mundiais do século XX tiveram auxílio do conhecimento da atmosfera visto que a preparação dos ataques só era possível a partir da monitoração das condições atmosféricas das regiões a serem atacadas. Fonte: acervosegundaguerra.blogspot.com- carolcorreageo.blogspot.com
  • 22. O desenvolvimento técnico científico da sociedade no período pós-guerra permitiu a invenção de inúmeros aparelhos mais precisos em termos de análise da atmosfera devido a investimentos oriundos das grandes nações que estiveram em guerra a fim de se prevenir de futuros ataques. carolcorreageo.blogspot.com
  • 23. Em 1950 foi fundada a Organização Meteorológica Mundial (OMM) que dava continuação a Organização Meteorológica Internacional (OMI), fundada no século anterior (1873). Os investimentos mais consideráveis foram satélites meteorológicos na década de 60. Tal fato permitiu que se estudasse a atmosfera de uma forma muito mais detalhada e em escala global. carolcorreageo.blogspot.com
  • 24. A OMM estabeleceu uma rede mundial de informações meteorológicas aprofundando o estudo da camada de ar que envolve o planeta e consolidando a importância deste conhecimento para o progresso da sociedade humana. carolcorreageo.blogspot.com
  • 25. Com a internet inaugurou-se um período de intensa circulação de informações, o que facilitou a propagação de dados meteorológicos e climáticos. O fácil acesso a essas informações permitiu um melhor conhecimento da dinâmica atmosférica, contribui para elaboração de pesquisas e popularizou a climatologia. carolcorreageo.blogspot.com
  • 26. O efeito sobre gerações Nos últimos 7 mil anos viu-se o surgimento de notáveis civilizações como sumérios na Mesopotâmia e egípcios no nordeste da África. O “ótimo climático romano”, ocorrido entre 400 a. C. e 200 d. C., foi marcado pelo florescimento das civilizações grega, persa e romana. carolcorreageo.blogspot.com
  • 27. Nos próximos 600 anos, o clima resfriou gerando um período seco chamado de Era Negra. A civilização de nazca, por exemplo, desapareceu neste período. Entre 800 a 1250 d. C. as temperaturas ficaram mais altas que as atuais o que permitiu que o norte do Canadá e a Groelândia fossem colonizados. carolcorreageo.blogspot.com
  • 28. Nas américas se desenvolveram astecas, incas e maias. Vvvv Fonte: clioedionisio.blogspot.com- carolcorreageo.blogspot.com
  • 29. Entre 1350 e 1920 o clima resfriou caindo cerca de 2°, esse período ficou conhecido como pequena idade do gelo (PIG) com grandes mudanças sociais e econômicas principalmente na Europa Ocidental. carolcorreageo.blogspot.com
  • 30. É possível que as grandes navegações dos séculos XV e XVI tenham sido forçadas em razão das safras frustradas que geraram pobreza e fome na Europa. carolcorreageo.blogspot.com
  • 31. Após 1920, o clima voltou a aquecer lentamente mas as temperaturas ainda são inferiores aos períodos passados. Ligado aos avanços tecnológicos em várias áreas do conhecimento, o clima atual tem trazido uma relativa estabilidade social num mundo globalizado. Até quando? carolcorreageo.blogspot.com
  • 33. METEOROLOGIA É a ciência que estuda a dimensão física, química e a dinâmica da atmosfera. Ela aborda em sua especificidade os fenômenos meteorológicos, como raios, trovões, descargas elétricas, nuvens, composição físico-química do ar e a pressão atmosférica. carolcorreageo.blogspot.com
  • 34. A Meteorologia no seu sentido mais amplo é uma ciência extremamente vasta e complexa, pois a atmosfera é muito extensa, variável e ambiente de um grande número de fenômenos. Se subdivide em: carolcorreageo.blogspot.com
  • 35. A Meteorologia Física estuda os fenômenos atmosféricos relacionados diretamente com a Física e a Química. Ex.: processos termodinâmicos, composição e estrutura da atmosfera; processos físicos envolvidos na formação de nuvens e precipitação; reações físico-químicas dos gases e partículas, etc. carolcorreageo.blogspot.com
  • 36. A Meteorologia Sinótica está relacionada com a descrição, análise e previsão do tempo. Fonte: www.canalrioclaro.com.br- carolcorreageo.blogspot.com
  • 37. A Meteorologia Dinâmica também trata dos movimentos atmosféricos e sua evolução temporal mas, ao contrário da Meteorologia Sinótica, sua abordagem é baseada nas leis da Mecânica dos Fluídos e da Termodinâmica Clássica. Sua principal ferramenta são os computadores. Com a crescente sofisticação dos métodos de análise e previsão do tempo a distinção entre a Meteorologia Sinótica e Dinâmica está rapidamente diminuindo. carolcorreageo.blogspot.com
  • 38. CLIMATOLOGIA É o estudo científico do clima, que trata dos padrões de comportamento da atmosfera em suas interações com as atividades humanas e com a superfície terrestre durante um longo período de tempo. carolcorreageo.blogspot.com
  • 39. Estuda os fenômenos atmosféricos do ponto de vista de suas propriedades estatísticas (médias e variabilidade) para caracterizar o clima em função da localização geográfica, estação do ano, hora do dia, etc. É o estudo científico do clima. carolcorreageo.blogspot.com
  • 40. A climatologia subdivide-se em:  Climatologia Regional  Climatologia Sinótica  Climatologia Dinâmica  Climatologia Física  Climatologia Histórica  Climatologia Aplicada  Bioclimatologia  Climatologia Agrícola carolcorreageo.blogspot.com
  • 41. CLIMATOLOGIA REGIONAL É a descrição dos climas em áreas selecionadas da Terra. carolcorreageo.blogspot.com
  • 42. CLIMATOLOGIA SINÓTICA É o estudo do tempo e do clima em uma área com relação ao padrão de circulação atmosférica predominante. A climatologia sinótica é, assim, essencialmente uma nova abordagem para a climatologia regional. carolcorreageo.blogspot.com
  • 43. CLIMATOLOGIA DINÂMICA Enfatiza os movimentos atmosféricos em várias escalas, particularmente na circulação geral da atmosfera. carolcorreageo.blogspot.com
  • 44. CLIMATOLOGIA FÍSICA Envolve a investigação do comportamento dos elementos do tempo ou processos atmosféricos em termos de princípios físicos dando ênfase à energia global e aos regimes de balanço hídrico da terra e da atmosfera. carolcorreageo.blogspot.com
  • 45. CLIMATOLOGIA HISTÓRICA É o estudo do desenvolvimento dos climas através dos tempos. CLIMATOLOGIA APLICADA Enfatiza a aplicação do conhecimento climatológico e dos princípios climatológicos nas soluções dos problemas práticos que afetam a humanidade. carolcorreageo.blogspot.com
  • 46. BIOCLIMATOLOGIA Estuda os fenômenos que regem os mecanismos da natureza. CLIMATOLOGIA AGRÍCOLA Estuda os fenômenos climatológicos ligados à produção animal e vegetal, tentando estimar os fenômenos para evitar perdas críticas na produção. carolcorreageo.blogspot.com
  • 47. CLIMATOLOGIA TRADICIONAL X CLIMATOLOGIA MODERNA CLIMATOLOGIA TRADICIONAL:  Essencialmente descritiva e não explicativa;  A atmosfera parecia estática;  Negligência das interações que ocorrem na atmosfera. carolcorreageo.blogspot.com
  • 48. CLIMATOLOGIA MODERNA:  Explica os fenômenos atmosféricos, além de descrevê-los;  A atmosfera é dinâmica  Analisa a interação que ocorrem na atmosfera e na interface atmosfera- superfície da Terra. carolcorreageo.blogspot.com
  • 49. CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA Estuda a distribuição dos climas sobre a superfície terrestre e suas relações com os demais componentes do meio geográfico. Além de ser fundamental para uma intervenção mais consciente na organização do espaço geográfico. carolcorreageo.blogspot.com
  • 51. O CLIMA E A PAISAGEM NATURAL Nos processos Geomorfológicos; Nos Processos Pedológicos; carolcorreageo.blogspot.com
  • 53. O CLIMA E AS ATIVIDADES HUMANAS Na Agricultura Na Indústria carolcorreageo.blogspot.com
  • 54. Na Medicina/veterinária No Turismo; No Planejamento Urbano. carolcorreageo.blogspot.com
  • 55. Deslizamentos e inundações PROBLEMAS ASSOCIADOS carolcorreageo.blogspot.com
  • 60. Referências  HISTÓRIA DA CLIMATOLOGIA. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/86234102/Historia-da-climatologia>. Acesso em: 13/05/2014.  LIMA, IVANILSON. Disponível em: <www.slideshare.net/>. Acesso em: 13/05/2014.  MENDONÇA, Francisco & DANNI-OLIVEIRA, Inês Moresco. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo, Oficina de Textos, 2007.  SANTANA, NILTON SOUZA. Uso de material cedido pelo mesmo. carolcorreageo.blogspot.com