SlideShare uma empresa Scribd logo
PEDOLOGIA
Prof. Carolina Corrêa
Origem e Formação dos Solos
OBJETIVOS
Conhecer e entender a origem dos
solos;
Identificar os processos que
contribuem para a formação dos
mesmos;
O que é solo?
Solo é um material
disposto em camadas,
não consolidadas, que
se estende da
superfície até a rocha
sólida .
Cada área possui
sua definição própria :
Agronomia, geologia,
engenharia civil, etc.
Linguajar comum: solo = terra =
material solto, natural da crosta terrestre
onde habitamos, utilizado como material de
construção e de fundação das obras do
homem.
Para o hidrólogo é simplesmente o
meio poroso que abriga reservatórios de
águas subterrâneas.
Para a geologia, o termo solo significa
o material inorgânico não consolidado
proveniente da decomposição das rochas, o
qual não foi transportado do seu local de
formação.
Chamamos de solo, em engenharia, a
rocha já decomposta ao ponto granular e
passível de ser escavada apenas com o
auxilio de pás e picaretas ou escavadeiras.
Para a agronomia, o termo solo
significa o material relativamente fofo da
crosta terrestre, consistindo de rochas
decompostas e matéria orgânica, o qual é
capaz de sustentar a vida. Desta forma, os
horizontes de solo para agricultura possuem
em geral pequena espessura.
Para EMBRAPA é uma coleção de
corpos naturais, constituído de partes
sólidas, líquidas e gasosas, tridimensionais,
dinâmicos, formados por materiais minerais
e orgânicos, que ocupam a maior parte do
manto superficial das extensões
continentais do nosso planeta, contém
matéria viva e podem ser vegetados na
natureza, onde ocorrem. (EMBRAPA, 1999).
E para a geografia?
Horizonte O: camada orgânica
superficial. É constituído por
detritos vegetais e substâncias
húmicas acumuladas na superfície.
É bem visível em áreas de floresta
e distingui-se pela coloração
escura e pelo conteúdo em matéria
orgânica (cerca 20%).
Horizonte A: camada mineral
superficial adjacente à camada
O. É o horizonte onde ocorre
grande atividade biológica o que lhe
confere coloração escurecida pela
presença de matéria orgânica.
Existem diferentes tipos de
horizontes A, dependendo de seus
ambientes de formação. É o
horizonte de maior mistura mineral
com húmus.
Mesmo sob forte intemperismo, o
Horizonte A pode levar milhares de anos
para se desenvolver até o ponto em que é
capaz de suportar o plantio.
Horizonte B - Horizonte
de maior concentração de argilas,
minerais oriundos de horizontes
superiores. É o solo com coloração
mais forte, agregação e
desenvolvimento.
Horizonte C: camada mineral
de material inconsolidado, de
material levemente modificado,
semelhante à rocha matriz.
Horizonte R: camada
mineral de material
consolidado, que constitui
substrato rochoso contínuo ou
praticamente contínuo, a não
ser pelas poucas e estreitas
fendas que pode apresentar.
Ou seja, rocha matriz não
alterada de difícil acesso em
campo.
Todo solo tem origem na
desintegração e decomposição das rochas
pela ação de agentes intempéricos ou
antrópicos.
Esta decomposição e
desintegração ocorre em função de:
Intemperismo químico;
Intemperismo biológico;
Intemperismo físico.
Fatores que influenciam o
Intemperismo
 Duração do intemperismo: Há mais
intemperismo, erosão e formação de solo
quanto mais longos forem os períodos de
tempo;
 Tipo de substrato rochoso: mais minerais
estáveis como quartzo, resultam em
intemperismo menos intenso;
 Clima de temperatura baixas: mais
intemperismo físico, expansão e contração
termais, rachadura do substrato rochoso,
fragmentação da rocha matriz em tamanhos
menores;
 Clima de temperaturas mais altas: mais
intemperismo químico, dissolução, alteração
para ajudar o intemperismo físico, formação
de argilominerais;
 Quantidade de chuva: quanto mais chuva,
mais dissolução de minerais, produção de
argilominerais, produção de partículas de
pequeno tamanho e erosão;
 Acidez da chuva: quanto maior a acidez
mais ação do intemperismo químico, com
mais dissolução de minerais e produção de
argilominerais.
Clima : Chuva e Temperatura
 Relevo de encosta íngreme: menos
intemperismo químico, mais intemperismo
físico e erosão;
 Relevo de enconsta suave: menos erosão
e intemperismo físico, mais intemperismo
químico.
Topografia
 A biosfera
A presença de organismos vegetais
(matéria orgânica) e animais intensificam
o processo de intemperismo. A
decomposição da matéria orgânica em
contato com a água torna-a mais ácida.
Já os principais agentes de
remobilização do solo são os animais, os
tatus, vermes, formigas, cupins, etc,
transportam e escavam consideráveis
quantidades de material do solo.
Influência do Intemperismo
no Tipo de Solo
Solos gerados em regiões onde há a
predominância do intemperismo químico
tendem a ser mais profundos e mais finos
do que aqueles solos formados em locais
onde há a predominância do intemperismo
físico.
Além disto, obviamente, os solos
originados a partir de uma predominância
do intemperismo físico apresentarão uma
composição química semelhante a da rocha
mãe, ao contrario daqueles solos formados
em locais onde ha
predominância do
intemperismo químico.
A água e um fator fundamental no
desenvolvimento do intemperismo químico
da rocha. Sendo assim, regiões com altos
índices de pluviosidade e altos valores de
umidade relativa do ar tendem a apresentar
uma predominância de intemperismo do tipo
químico, o contrario ocorrendo em regiões
de clima seco.
Influência do Clima no Tipo
de Intemperismo
A ciência que tem por objetivo estudar
a formação e classificação do solo, levando
em conta a ação de agentes climatológico é
a pedologia.
Segundo os pedologistas, a formação
do solo (s) é função da rocha origem (r), da
ação dos organismos vivos (o), do clima (cl),
da fisiografia (p) e do tempo (t).
s = f(r, o, cl, p, t)
 EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de solos, Rio
de Janeiro, RJ. Sistema brasileiro de classificação
de solos. Brasília: EMBRAPA/CNPS. Rio de Janeiro.
1999. 418p.
 LEPSCH, Igo F.. 19 Lições de Pedologia. São Paulo:
Oficina de Textos, 2011.
 PINTO C. S. Curso Básico de Mecânica dos Solos.
Editora Oficina de textos, 2005.
 TEIXEIRA, W.; TAIOLI, F. & FAIRCHILD T.
Decifrando a Terra. Ed. Oficina de Textos
Bibliografia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação dos solos
Classificação dos solosClassificação dos solos
Classificação dos solos
Suely Takahashi
 
Origem dos Solos
Origem dos SolosOrigem dos Solos
Origem dos Solos
Murilo Sierro
 
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGSAula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Elvio Giasson
 
Eroso 110530152950-phpapp01
Eroso 110530152950-phpapp01Eroso 110530152950-phpapp01
Eroso 110530152950-phpapp01
Suely Takahashi
 
Intemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologiaIntemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologia
Wendell Fabrício
 
Geologia: intemperismo
Geologia: intemperismoGeologia: intemperismo
Geologia: intemperismo
João Monteiro
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
Ruana Viana
 
Solo
SoloSolo
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Aula 1   ciencia do solo na agronomiaAula 1   ciencia do solo na agronomia
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Jadson Belem de Moura
 
Geografia os tipos de solo e as formas de ocupação humana
Geografia   os tipos de solo e as formas de ocupação humanaGeografia   os tipos de solo e as formas de ocupação humana
Geografia os tipos de solo e as formas de ocupação humana
Gustavo Soares
 
Apresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solosApresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solos
engenhar
 
Solos
SolosSolos
Solos
Cica2010
 
Os fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solosOs fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solos
Jadson Belem de Moura
 
O solo: formação e tipos
O solo: formação e tiposO solo: formação e tipos
O solo: formação e tipos
Regina Oliveira
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
Luciana Reis
 
Formação de solos
Formação de solosFormação de solos
Formação de solos
Leandro Oliveira
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
daianeagricola
 
Erosão
ErosãoErosão
Formação do relevo, erosão e intemperismo
Formação do relevo, erosão e intemperismoFormação do relevo, erosão e intemperismo
Formação do relevo, erosão e intemperismo
Ione Rocha
 
Intemperismo, erosão e formação dos solos
Intemperismo, erosão e formação dos solosIntemperismo, erosão e formação dos solos
Intemperismo, erosão e formação dos solos
Juarez Cavalcante
 

Mais procurados (20)

Classificação dos solos
Classificação dos solosClassificação dos solos
Classificação dos solos
 
Origem dos Solos
Origem dos SolosOrigem dos Solos
Origem dos Solos
 
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGSAula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
 
Eroso 110530152950-phpapp01
Eroso 110530152950-phpapp01Eroso 110530152950-phpapp01
Eroso 110530152950-phpapp01
 
Intemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologiaIntemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologia
 
Geologia: intemperismo
Geologia: intemperismoGeologia: intemperismo
Geologia: intemperismo
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Aula 1   ciencia do solo na agronomiaAula 1   ciencia do solo na agronomia
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
 
Geografia os tipos de solo e as formas de ocupação humana
Geografia   os tipos de solo e as formas de ocupação humanaGeografia   os tipos de solo e as formas de ocupação humana
Geografia os tipos de solo e as formas de ocupação humana
 
Apresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solosApresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Os fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solosOs fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solos
 
O solo: formação e tipos
O solo: formação e tiposO solo: formação e tipos
O solo: formação e tipos
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
 
Formação de solos
Formação de solosFormação de solos
Formação de solos
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
 
Erosão
ErosãoErosão
Erosão
 
Formação do relevo, erosão e intemperismo
Formação do relevo, erosão e intemperismoFormação do relevo, erosão e intemperismo
Formação do relevo, erosão e intemperismo
 
Intemperismo, erosão e formação dos solos
Intemperismo, erosão e formação dos solosIntemperismo, erosão e formação dos solos
Intemperismo, erosão e formação dos solos
 

Destaque

Rochas e Minerais
Rochas e MineraisRochas e Minerais
Geologiarochassedimentares
GeologiarochassedimentaresGeologiarochassedimentares
Geologiarochassedimentares
Federal University of Ceará
 
Rochas e minerais
Rochas e mineraisRochas e minerais
Rochas e minerais
Maria João Drumond
 
Ciências naturais 7 os minerais
Ciências naturais 7   os mineraisCiências naturais 7   os minerais
Ciências naturais 7 os minerais
Nuno Correia
 
Teste rochas 7º ano
Teste rochas 7º anoTeste rochas 7º ano
Teste rochas 7º ano
Sofia Ribeiro
 
X - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARESX - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARES
Sandra Nascimento
 

Destaque (6)

Rochas e Minerais
Rochas e MineraisRochas e Minerais
Rochas e Minerais
 
Geologiarochassedimentares
GeologiarochassedimentaresGeologiarochassedimentares
Geologiarochassedimentares
 
Rochas e minerais
Rochas e mineraisRochas e minerais
Rochas e minerais
 
Ciências naturais 7 os minerais
Ciências naturais 7   os mineraisCiências naturais 7   os minerais
Ciências naturais 7 os minerais
 
Teste rochas 7º ano
Teste rochas 7º anoTeste rochas 7º ano
Teste rochas 7º ano
 
X - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARESX - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARES
 

Semelhante a Aula 2 origem dos solos

Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Formação dos solos.docx
Formação dos solos.docxFormação dos solos.docx
Formação dos solos.docx
LUISDONIZETIDASILVA
 
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
AnaClaudiaHonorio
 
O solo
O soloO solo
Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No Mundo
ProfMario De Mori
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Solos
SolosSolos
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
elonvila
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
ssuser51d27c1
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
dela28
 
Apostila solos
Apostila solosApostila solos
Apostila solos
Carlos José de Mesquita
 
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptSolo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Gilson Nachtigall
 
Solo
SoloSolo
Solo - Pedogênese
Solo - PedogêneseSolo - Pedogênese
Solo - Pedogênese
Leandro A. Machado de Moura
 
Tipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas característicasTipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas características
philipe8
 
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1aAula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
Cezar Manzini
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
Gilson Nachtigall
 
Modulo 02 - O uso dos solos
Modulo 02 - O uso dos solosModulo 02 - O uso dos solos
Modulo 02 - O uso dos solos
Claudio Henrique Ramos Sales
 

Semelhante a Aula 2 origem dos solos (20)

Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Formação dos solos.docx
Formação dos solos.docxFormação dos solos.docx
Formação dos solos.docx
 
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
 
O solo
O soloO solo
O solo
 
Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No Mundo
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Apostila solos
Apostila solosApostila solos
Apostila solos
 
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptSolo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Solo - Pedogênese
Solo - PedogêneseSolo - Pedogênese
Solo - Pedogênese
 
Tipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas característicasTipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas características
 
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1aAula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
 
Modulo 02 - O uso dos solos
Modulo 02 - O uso dos solosModulo 02 - O uso dos solos
Modulo 02 - O uso dos solos
 

Mais de karolpoa

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
karolpoa
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
karolpoa
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
karolpoa
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
karolpoa
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
karolpoa
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
karolpoa
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
karolpoa
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
karolpoa
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
karolpoa
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
karolpoa
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
karolpoa
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
karolpoa
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
karolpoa
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
karolpoa
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
karolpoa
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
karolpoa
 

Mais de karolpoa (20)

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 

Último

MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 

Último (20)

MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 

Aula 2 origem dos solos

  • 2. Origem e Formação dos Solos OBJETIVOS Conhecer e entender a origem dos solos; Identificar os processos que contribuem para a formação dos mesmos;
  • 3. O que é solo? Solo é um material disposto em camadas, não consolidadas, que se estende da superfície até a rocha sólida . Cada área possui sua definição própria : Agronomia, geologia, engenharia civil, etc.
  • 4. Linguajar comum: solo = terra = material solto, natural da crosta terrestre onde habitamos, utilizado como material de construção e de fundação das obras do homem. Para o hidrólogo é simplesmente o meio poroso que abriga reservatórios de águas subterrâneas.
  • 5. Para a geologia, o termo solo significa o material inorgânico não consolidado proveniente da decomposição das rochas, o qual não foi transportado do seu local de formação. Chamamos de solo, em engenharia, a rocha já decomposta ao ponto granular e passível de ser escavada apenas com o auxilio de pás e picaretas ou escavadeiras.
  • 6. Para a agronomia, o termo solo significa o material relativamente fofo da crosta terrestre, consistindo de rochas decompostas e matéria orgânica, o qual é capaz de sustentar a vida. Desta forma, os horizontes de solo para agricultura possuem em geral pequena espessura.
  • 7. Para EMBRAPA é uma coleção de corpos naturais, constituído de partes sólidas, líquidas e gasosas, tridimensionais, dinâmicos, formados por materiais minerais e orgânicos, que ocupam a maior parte do manto superficial das extensões continentais do nosso planeta, contém matéria viva e podem ser vegetados na natureza, onde ocorrem. (EMBRAPA, 1999).
  • 8. E para a geografia?
  • 9.
  • 10. Horizonte O: camada orgânica superficial. É constituído por detritos vegetais e substâncias húmicas acumuladas na superfície. É bem visível em áreas de floresta e distingui-se pela coloração escura e pelo conteúdo em matéria orgânica (cerca 20%).
  • 11. Horizonte A: camada mineral superficial adjacente à camada O. É o horizonte onde ocorre grande atividade biológica o que lhe confere coloração escurecida pela presença de matéria orgânica. Existem diferentes tipos de horizontes A, dependendo de seus ambientes de formação. É o horizonte de maior mistura mineral com húmus.
  • 12. Mesmo sob forte intemperismo, o Horizonte A pode levar milhares de anos para se desenvolver até o ponto em que é capaz de suportar o plantio.
  • 13. Horizonte B - Horizonte de maior concentração de argilas, minerais oriundos de horizontes superiores. É o solo com coloração mais forte, agregação e desenvolvimento.
  • 14. Horizonte C: camada mineral de material inconsolidado, de material levemente modificado, semelhante à rocha matriz.
  • 15. Horizonte R: camada mineral de material consolidado, que constitui substrato rochoso contínuo ou praticamente contínuo, a não ser pelas poucas e estreitas fendas que pode apresentar. Ou seja, rocha matriz não alterada de difícil acesso em campo.
  • 16. Todo solo tem origem na desintegração e decomposição das rochas pela ação de agentes intempéricos ou antrópicos.
  • 17. Esta decomposição e desintegração ocorre em função de: Intemperismo químico; Intemperismo biológico; Intemperismo físico.
  • 18. Fatores que influenciam o Intemperismo  Duração do intemperismo: Há mais intemperismo, erosão e formação de solo quanto mais longos forem os períodos de tempo;  Tipo de substrato rochoso: mais minerais estáveis como quartzo, resultam em intemperismo menos intenso;
  • 19.  Clima de temperatura baixas: mais intemperismo físico, expansão e contração termais, rachadura do substrato rochoso, fragmentação da rocha matriz em tamanhos menores;  Clima de temperaturas mais altas: mais intemperismo químico, dissolução, alteração para ajudar o intemperismo físico, formação de argilominerais;
  • 20.  Quantidade de chuva: quanto mais chuva, mais dissolução de minerais, produção de argilominerais, produção de partículas de pequeno tamanho e erosão;  Acidez da chuva: quanto maior a acidez mais ação do intemperismo químico, com mais dissolução de minerais e produção de argilominerais.
  • 21. Clima : Chuva e Temperatura
  • 22.  Relevo de encosta íngreme: menos intemperismo químico, mais intemperismo físico e erosão;  Relevo de enconsta suave: menos erosão e intemperismo físico, mais intemperismo químico.
  • 24.  A biosfera A presença de organismos vegetais (matéria orgânica) e animais intensificam o processo de intemperismo. A decomposição da matéria orgânica em contato com a água torna-a mais ácida. Já os principais agentes de remobilização do solo são os animais, os tatus, vermes, formigas, cupins, etc, transportam e escavam consideráveis quantidades de material do solo.
  • 25. Influência do Intemperismo no Tipo de Solo Solos gerados em regiões onde há a predominância do intemperismo químico tendem a ser mais profundos e mais finos do que aqueles solos formados em locais onde há a predominância do intemperismo físico.
  • 26. Além disto, obviamente, os solos originados a partir de uma predominância do intemperismo físico apresentarão uma composição química semelhante a da rocha mãe, ao contrario daqueles solos formados em locais onde ha predominância do intemperismo químico.
  • 27. A água e um fator fundamental no desenvolvimento do intemperismo químico da rocha. Sendo assim, regiões com altos índices de pluviosidade e altos valores de umidade relativa do ar tendem a apresentar uma predominância de intemperismo do tipo químico, o contrario ocorrendo em regiões de clima seco. Influência do Clima no Tipo de Intemperismo
  • 28.
  • 29. A ciência que tem por objetivo estudar a formação e classificação do solo, levando em conta a ação de agentes climatológico é a pedologia. Segundo os pedologistas, a formação do solo (s) é função da rocha origem (r), da ação dos organismos vivos (o), do clima (cl), da fisiografia (p) e do tempo (t). s = f(r, o, cl, p, t)
  • 30.  EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de solos, Rio de Janeiro, RJ. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: EMBRAPA/CNPS. Rio de Janeiro. 1999. 418p.  LEPSCH, Igo F.. 19 Lições de Pedologia. São Paulo: Oficina de Textos, 2011.  PINTO C. S. Curso Básico de Mecânica dos Solos. Editora Oficina de textos, 2005.  TEIXEIRA, W.; TAIOLI, F. & FAIRCHILD T. Decifrando a Terra. Ed. Oficina de Textos Bibliografia