SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 61
CME
CENTRAL DE MATERIAL
ESTERELIZADO
PROFª JÉSSICA ANGELO
É a área responsável pela limpeza e
processamento de artigos e instrumentais
médico-hospitalares.
É no CME que se realiza o controle, preparo,
esterilização , acondicionamento e distribuição
dos materiais utilizados dentro da instituição
hospitalar.
Central de Material
Esterilizados
Unidade de apoio técnico a todas as áreas
assistenciais, sendo responsável pela:
• Recepção
• Limpeza;
• Preparo;
• Esterilização;
• Acondicionamento;
• Distribuição de materiais para as unidades do estabelecimento
de saúde.
RDC 50/2002
• Revestimento que permita limpeza e desinfecção (ex: piso resistente
ao calor, à umidade; parede lisa e plana)
• Janela: ampla, alta e telada
• Porta de material lavável
• Bem iluminada (geral e direta nas bancadas)
CME
Descentralizada : cada unidade é responsável
por preparar e esterilizar os materiais que
utiliza.
Semi-centralizada : cada unidade prepara o seu
material , mas o encaminha à central de
material para ser esterilizado.
Centralizada : os materiais de uso nas unidades
são totalmente processados na central.
PODE SER DIVIDIDA EM TRÊS TIPOS:
FLUXO DO PROCESSAMENTO
NO CME
Para que os materiais dos hospital sejam
limpos da maneira correta é necessário
que se tenha uma ordem correta de
recebimento e limpeza de cada material.
Áreas do CME
• Recepção
• Limpeza;
• Preparo;
• Esterilização;
• Acondicionamento;
• Distribuição de materiais para as unidades do estabelecimento de
saúde.
DEVE SER SEPARADA EM:
• Área contaminada: destinada a receber os artigos sujos e realizar
o processo de limpeza dos mesmos.
*recepção de artigos limpeza lavagem separação
• Área limpa: destinada ao preparo dos artigos.
*Área de preparo: análise e separação dos instrumentais, montagem
de caixas, pacotes, materiais especiais, etc.
*Área de esterilização: método de esterilização, montagem da carga,
acompanhamento do processo e desempenho do equipamento.
*Área de armazenamento: identificação dos artigos, data de preparo
e validade;
*Área de distribuição: define os horas para distribuição dos artigos
para as unidades do hospital, com exceção do CC.
*Área de recepção de roupas limpas: separação e dobradura.
Área Física
(RDCn0 50 de 2002)
O serviço de enfermagem em CME acredita na segurança da esterilização como
garantia de bom atendimento aos pacientes.
 Atuar na conscientização da equipe;
 No desenvolvimento das normas e rotinas, das técnicas corretas em todas as
atividades, à assistência prestada ao cliente;
 Fornecer o material esterilizado a todo hospital;
 Promover a interação entre as áreas;
 Adequar as condições ambientais às necessidades do trabalho na área;
 Planejar e implementar programas de treinamento e reciclagem que atendem às
necessidades da área junto à educação continuada;
 Favorecer o bom relacionamento interpessoal;
 Prover materiais e equipamentos que atendam às necessidades do trabalho na
àrea.
Objetivosda enfermagemno CME
ARTIGOS HOSPITALARES
DEFINIÇÃO – São materiais empregados na assistência à saúde;
PODEM SER:
– ARTIGOS DESCARTÁVEIS : seringas, abocath, agulhas,
eletrodos, etc.
–ARTIGOS PERMANENTES: aparelho de pressão, termômetro,
endoscópio, etc.
CLASSIFICAÇÃO DOS ARTIGOS
• CRÍTICOS
• SEMI-CRÍTICOS
• NÃO CRÍTICOS
ARTIGOS CRÍTICOS
São aqueles que penetram através da pele, mucosas, atingindo os
tecidos sub-epiteliais, sistema vascular, bem como todos os que
estejam diretamente conectados com este sistema e que possuem
alto risco para aquisição de infecção;
Ex:
agulhas
instrumentais cirúrgicos
cateteres urinários
bisturi.
ARTIGOS SEMI-CRÍTICOS
São artigos que entram em contato com a pele não-integra ou com
mucosas íntegras.
Ex:
endoscópios gastrointestinais;
equipamento de terapia respiratória;
espéculo vaginal;
ARTIGOS NÃO CRÍTICOS
São aqueles que entram em contato apenas com
pele íntegra ou não entram em contato com
pacientes e apresentam baixo risco de transmissão
de infecção;
Ex:
comadres
papagaios
aparelho de pressão
termômetro
cubas
Indicação
CRÍTICOS– Indicação de esterilização
SEMI-CRÍTICOS– Esterilização não obrigatória;
no mínimo desinfecção.
NÃO-CRÍTICOS– Dependendo do grau de
contaminação, podem ser submetidos à limpeza ou
desinfecção de baixo ou médio nível.
DESINFECÇÃO
Consiste na inativação ou redução dos micro-
organismos presentes num material inanimado ou
em superfícies com exceção de esporos
bacterianos, por meios físicos ou químicos.
.
A desinfecção não implica na eliminação de todos
os micro-organismos viáveis, porém elimina a
potencialidade infecciosa do objeto, superfície ou
local tratado.
CLASSIFICAÇÃO DA DESINFECÇÃO
Desinfecção de baixo nível: elimina bactérias,
vírus e fungos; não tem ação contra esporos, mas
não elimina micobactérias e o bacilo da
tuberculose;
O composto mais comumente utilizado é álcool
etílico, hipoclorito de sódio 0,025% - 30 minutos.
EPI
Desinfecção de nível médio: elimina
bactérias, a maioria dos vírus, fungos e micobactérias; não
destrói esporos.
Hipoclorito de sódio 1% - 30 minutos. EPI
Desinfecção de alto nível: destrói todas as
bactérias, micobactérias, fungos, vírus e parte dos esporos. O
enxágue deve ser feito com água estéril e a manipulação deve
seguir o uso de técnicas assépticas.
Glutaraldeído 2% (20 – 30 minutos). Portaria n0 3/2006.
EPI ( Máscara de filtro químico, avental impermeável, óculos,
luva de borracha cano longo, botas) – vapores: irritação nos
olhos, nariz e garganta/ corrosivo para alguns artigos de
metal. Validade 14 ou 28 dias.
Ácido Peracético 0,2% - 10 minutos. (Atóxico e sem efeito
residual) Não corrosivo/ EPI. Validade 30 dias.
LIMPEZA
Remoção de sujidade visível orgânica e inorgânica e por conseguinte de
sua carga microbiana.
A limpeza concorrente desta área deve ser realizada diariamente, no piso,
nas pias, nas mesas e nos balcões e, pelo menos uma vez por semana, a
Limpeza terminal deve ser feita incluindo os itens limpos diariamente e
mais as paredes, os armários, os vidros e as janelas.
OBJETIVOS
-Remover sujidades;
-Remover ou reduzir a quantidade de micro-organismos;
-Remover resíduos (químicos, orgânicos, endotoxinas – lipopolissacarídeos
Da parede celular de bactérias gram-negativas - biofilmes – cj. de células
microbianas associadas á superfície)
-Garantir a eficácia do processo de desinfecção e esterilização.
Limpeza manual
Fricção com escovas e dos uso de soluções de limpeza;
Restringir aos artigos delicados, desmontáveis;
Preferencial solução enzimática - constituem combinações de
detergentes e enzimas utilizados comumente em instrumentos
de difícil acesso e lumens estreitos;
Utilizar EPI apropriado: luva grossa de borracha
antiderrapante de cano longo, avental, bota, gorro, protetor
facial, máscara e óculos de proteção;
Friccionar artigos sob a água para evitar aerossóis.
Uso de EPIs :
É imprescindível o uso correto dos EPIs para o desenvolvimento das técnicas
de limpeza e desinfecção. São eles: aventais impermeáveis, luvas
anti-derrapantes de cano longo, óculos de proteção, máscaras.
Limpeza mecânica
Lavadora Ultra-Sônica: convertem ondas sonoras
de ultra-alta frequência em vibrações mecânicas que
se movem na água, criando bolhas microscópicas.
Ideal para artigos de conformação complexa
Lavadora Pasteurizadora: inativação de bactérias
patogênicas por meio de calor, relativamente a baixas
temperaturas (660C)
Lavadora Termodesinfetadora: limpam e
desinfetam, por meio térmico ou químico
(detergente é aplicado sob pressão por meio de bicos
ou braços rotativos)
Produtos utilizados
Limpadores enzimáticos
são compostos basicamente por enzimas, surfactantes e
solubilizantes. A combinação balanceada desses elementos faz com
produto possa remover a matéria orgânica do material em curto
período de tempo.
Soluções enzimáticas apresentam excelente ação de limpeza, mas
não possuem atividade bactericida e bacteriostática.
Enzimas
São substâncias produzidas que degradam a matéria orgânica
presente no material. Uma vez produzidas pelas células, uma
enzima pode ser isolada e irá manter suas propriedades. As enzimas
são classificadas em três maiores grupos funcionais dependendo do
tipo de substrato que irão afetar: proteases, lípases e amilases que
atuam em substratos protéicos, gorduras e carboidratos.
Tipos de embalagens
TECIDO DE ALGODÃO
• Estrutura produzida pelo entrelaçamento de um conjunto de fios dispostos
no sentido longitudinal, com outro no sentido transversal forma um ângulo
de 900
• Indicado: vapor saturado sob pressão ( validade 10 dias)
• Problema: baixa barreira microbiana, ausência de resistência à umidade,
padrão de alinhamento das fibras, baixa vida útil
PAPEL CREPADO
- Composto de 100% de celulose
- Eficiência diante da esterilização por vapor e óxido de etileno
- Validade: 60 dias no vapor e 12 meses no ETO
Embalagens
Permitir o transporte e o armazenamento do artigo odonto-médico-
hospitalar e mantê-lo estéril até o seu uso.
Saída do Ar
Entrada do Agente
esterilizante
Microrganismos
Embalagem
Produto
Penetrância
Dificuldades variadas
• tecido de
algodão
•papel grau
cirúrgico
•papel crepado
•manta de SMS
•filmes
•contêineres
rígidos
(válvula e filtro)
Validação a cada inserção ou troca de
embalagem
Qualificação de desempenho: a cada nova
configuração introduzida
•Tyvek
TIPOS DE EMBALAGENS
• TECIDO DE
ALGODÃO;
• SMS;
• PAPEL CREPADO.
TIPOS DE EMBALAGENS
• Papel grau cirúrgico
• Permeável ao agente esterilizante e
impermeável aos microrganismos;
• Pode se apresentar com duas faces
de papel ou uma de papel e a outra
de filme transparente;
• Esterilização à vapor (30 dias) e
Óxido de Etileno
(01 ano)
TyveK
• Constituída de poliolefinas
expandidas e mylar (polietileno em
tripla camada)
• Não contém celulose ( não absorve
o peróxido de hidrogênio)
• Recomendado para o plasma de
peróxido de hidrogênio
(01 ano)
•visibilidade do conteúdo
•indicador químico
•selagem segura
•indicação para abertura
•lote de fabricação
abertura asséptica
tamanhos variados
memória
Esterilização
Esterilização é o processo pelo qual os micro-organismos são
mortos a tal ponto que não seja mais possível detectá-los no
meio de cultura padrão no qual previamente haviam
proliferado.
Um artigo é considerado estéril quando a probabilidade de
sobrevivência dos micro-organismos que contaminam é menor
do que 1:1.000.000 (GRAZIANO; SILVA; BIANCHI, 2000)
Fatores que afetam a eficácia da
esterilização
A atividade dos agentes esterilizantes depende de inúmeros
fatores:
- Número e localização de microrganismos
- Resistência inata dos microrganismos
- Concentração e potência do agente germicida
- Fatores físicos e químicos
- Matéria orgânica
- Duração da exposição
ESTERILIZAÇÃO
PODE SER REALIZADA POR:
Processos físicos:
–Vapor saturado sob pressão (autoclave)
–Calor seco (estufa)
–Radiação (raios gama - cobalto 60)
Processos químicos:
–Grupo dos aldeídos (glutaraldeído e formaldeído)
–Ácido peracético
Processos físico-químicos:
–Óxido de etileno (ETO)
–Plasma de peróxido de hidrogênio
–Paraformoldeído (pastilhas)
Esterilização
•
Processos físicos - Esterilização por vapor saturado
sob pressão
# Vapor: (esporos
necessitam de calor e
umidade), temperatura
e pressão (121ºC a
134ºC e o tempo (15 a
30 minutos)
PROCESSO FÍSICO
Calor seco (estufa) – Não
recomendável
Caiu em desuso, pois as pesquisas
colocam em dúvida a sua
efetividade.
O processo de esterilização ocorre
com o aquecimento dos artigos por
irradiação do calor das paredes
laterais e base da estufa, com
conseqüente destruição dos
microorganimospor desidratação
das células.
O calor seco tem baixo poder de
penetração, pois se faz de forma
irregular e vagarosa, necessitando
de longos ciclos de exposição.
Materiais: termo resistente, como: instrumentais, materiais
inoxidáveis, óleos e pós.
Embalagem: caixa de aço inoxidável de paredes finas ou de
alumínio. Lacrar as caixas com fita de indicador químico.
Temperatura e tempo de exposição: varia de acordo com o
tipo de material e com a validação especifica. Para
instrumentais recomenda-se 205° C por 120 min. e para óleos e
pós 160° C por 120 min.
Cuidados recomendados: evitar o centro da estufa (pontos
frios), deixar espaço entre as caixas e não encostá-las na
parede.
PROCESSO FÍSICO-AUTOCLAVE
É altamente eficiente pelo seu poder de penetração realizado por
autoclaves. O vapor saturado, ou seja, de temperatura
equivalente ao ponto de ebulição da água, na pressão atmosférica
de 1 a 1.8, é o meio de esterilização mais econômico para
materiais termo resistentes.
Mecanismo de ação: O processo baseia-se na transformação
de água em vapor, sob a mesma temperatura. A atividade de
esterilização tem como princípio de morte celular a termo
coagulação das proteínas bacterianas, através do calor, de
modo que o MO perde suas funções vitais e morre.
Embalagens: algodão cru, papel grau cirúrgico, não tecido,
papel crepado caixa metálica perfurada e Kraft. Dispor os
pacotes de modo vertical, para facilitar a entrada, circulação
do vapor, bem como a eliminação do ar.
Temperatura indicada: 121 a 132° C
Tempo de exposição: de acordo com a natureza do material
(15 a 30 min.); 15 min. para materiais mais sensíveis ao calor
como luvas, extensões de borracha, entre outros e 30 min.
para materiais mais resistentes ao calor como instrumentais,
vidros, roupas, entre outros.
Tipos de autoclave
Gravitacional: A
injeção do vapor na câmara
força a saída do ar frio por
meio de uma válvula
localizada na parte inferior.
Desvantagens: formação
de bolhas de ar no
interior do pacote e
tempo mais longo para
penetração do vapor
• Pré-vácuo: por meio de
uma bomba de vácuo
contida no equipamento,
o ar é removido do artigo
e da câmara. Pode ser um
pulso ou em três ciclos
pulsáteis – favorece a
penetração mais rápida
do vapor.
• Após a esterilização, a
bomba de vácuo faz a
sucção do vapor e da
umidade interna da água
para secagem maisrápida
Indicadores Químicos
Classe I:
• Indicadores de
processo: Tiras
impregnadas com tinta
termo-química que muda
de coloração quando
exposto a temperatura.
(fita zebrada) amarelo p/
marrom geralmente
• Informa que passou pela
esterilização
 usados externamente em todos
os pacotes
 evidenciam a passagem do
material pelo processo
Indicadores Químicos
Teste de BOWIE & DICK – Indicadores para uso em testes
específicos - testa a eficácia do sistema de vácuo da autoclave pré-
vácuo.
Classe II:
 verifica a eficiência da bomba de vácuo
 espera-se mudança uniforme da cor do papel, em toda sua extensão
 recomenda-se que seja feito no primeiro ciclo do dia, com equipamento
pré-aquecido e com a câmara vazia.
 caso não haja homogeneidade na revelação, efetuar revisão imediata do
equipamento
Teste OK Falha no teste
IndicadoresQuímicos
Integrador: controla temperatura, tempo e qualidade do vapor.
Reagem com todos os parâmetros
Indicadores de simulação: Integrador mais preciso por oferecer
margem de segurança maior. Reage quando 95% do ciclo é
concluído.
Indicadores Biológicos
Preparação padronizada de esporos bacterianos autocontidos,
com suspensões de 106 esporos por unidade de papel filtro.
Indicam se a esterilização foi efetiva
Esporos Geobacillus stearothermophilus
Primeira geração: tiras de papel com esporos microbianos, incubados em
laboratório de microbiologia com leitura em 7 dias.
Indicadores Biológicos
Segunda geração: autocontidos com leitura em 24 a 48 horas
pela mudança de cor decorrente da mudança de pH do meio.
Incubação na própria CME
Terceira geração: autocontidos com leitura em 1 a 3 horas a
560C. Interação de uma enzima associada ao esporo
bacteriano com um substrato no meio de cultura. Ausência de
fluorescência: esporo destruído
Esterilização físico-química
Esterilização por óxido de etileno (ETO)
Gás incolor, explosivo e inflamável
Termossensíveis
Portaria Interministerial n0482/1999
Parâmetros: temperatura (500C a 650C),
concentração do gás (450 a 1200mg/L) umidade
(45 a 85%), tempo de exposição e aeração (2 a 5
horas respectivamente) e pressão interna da
câmara.
ETO
Alta penetração, difusibilidade – esteriliza artigos estreitos,
longos (até 2 metros).
Objetivo: saída do ETO residual
• Etilenocloridrina - produto derivado da reação do óxido
de etileno com o cloro.
• Etilenoglicol - produto derivado da reação do óxido de
etileno com água.
Esterilização por plasma de peróxido
de hidrogênio
• Termossensíveis
Autoclave de peróxido de
hidrogênio - STERRAD®
Esterilização Química
Imersão dos artigos em germicida químico
Utilizar produtos autorizados e registrados na ANVISA
Ácido Peracético
Mistura entre ácido acético, peróxido de
hidrogênio e água;
Rápida ação contra todas as formas de
microorganismos, incluindo esporos
microbianos, mesmo em baixas concentrações
(0,001% a 0,2%) - 60 minutos;
Pode ser aplicado em artigos termossensíveis;
Cuidado: componentes metálicos que não sejam
de ácido inoxidável.
Glutaraldeído
Tempo de 10 a 12 horas de imersão do artigo na
solução
Para esterilização a frio de artigos críticos termossensíveis,
como cateteres, drenos, tubos. E para artigos
termoresistentes como pinças, instrumentos metálicos
endoscópios, laparoscópicos.
Não é recomendado:
- Monitoramento da concentração,
- Manipulação incorreta (contaminação bacteriana –
infecções pós cirúrgicas),
- Limpeza incorreta,
- Tempo de imersão por período inferior ao recomendado,
resistência microbiana ao produto,
- Diluição do produto durante a sua utilização ao longo do
tempo
Armazenamento
Cuidados com os Artigos Esterilizados
Condições de estocagem do artigos esterilizados
• Quanto ao ambiente: deve ser limpo; arejado e seco; deve ser restrito à
equipe do setor.
• Quanto ao artigo: após o processo de esterilização, não colocá-lo em
superfície fria (pedra ou aço inoxidável ), utilizar cestos ou recipientes
vazados até que esfriem;
• invólucro (tecido de algodão cru, tecido não tecido, papel grau cirúrgico,
papel crepado, papel com filme, tyvec ou caixas metálicas perfuradas)
deve permanecer íntegro e ser pouco manuseado para evitar que os
pacotes rasguem ou solte o lacre;
• ser estocado em armários fechados com prateleiras;
• prateleiras identificadas de modo a facilitar a retirada do material;
• material deve ser estocado de acordo com a data de vencimento da
esterilização para facilitar a distribuição e não ficar material vencido no
estoque;
• estocar separadamente dos não estéreis para reduzir o nível de
contaminantes externos.
Tempo de validade de esterilização de
artigos
• A validade de esterilização vincula-se ao risco de recontaminação, tipo e
configuração do material de embalagem, número de vezes que é
manipulado antes do uso.
• Estocagem em prateleira aberta ou fechada, condições ambientais na área
de estocagem (limpeza, temperatura e umidade).
• Atualmente é um contra-senso estabelecer prazos genéricos por que os
fatores contaminantes do ambiente variam entre um serviço e outro.
• Devido às diferenças tanto em tipos de invólucros quanto em
características de estocagem é impossível recomendar tempos de
estocagem para itens estéreis que possam ser aplicados universalmente
(AORN)
Validação das embalagens-Vida de
prateleira
depende dos eventos relacionados
Houve algum evento que agrediu a embalagem? Caiu no chão?
Foi “apalpado”?
Foi aberto e fechado novamente?
Foi carregado debaixo dos braços?
Foi colocado elásticos, barbante?
Foi “amassado” colocando pesos ou
 guardados em gavetas apertadas?
Indefinido tempo de esterilização ?
 Manual de rotina e procedimentos;
 Padronização dos processos adotados, limpeza,desinfecção e
esterilização;
 Registro diário do processamento de artigos;
 Programa de manutenção preventiva dos equipamentos;
 Manual de funcionamento do equipamento;
 Utilização de indicadores adequados ao processo empregado;
 Barreira fixa até o teto da área suja e limpa.(Consultórios e Clinicas);
 Bancada adequadas para o preparo do material;
 Local de guarda dos material esterilizado (limpo e fechado);
 Fluxo racional de operacionalização, sem cruzamento de artigo
contaminado e artigo limpo.
Aspectos a serem observados:
 Baldes plásticos para desinfecção, enxágue.
 Recipientes com as soluções ativadas rotulados.
 Pias específicas para o material e lavagens das mãos com
sabão liquido e papel toalha.
 Local separado para o material de limpeza.
 Pisos, paredes laváveis.
 Equipamentos (autoclave e estufa)em perfeitas condições
de funcionamento (registro de manutenção e testes
químicos e biológicos) – (para artigos não pode autoclave
vertical).
 Cronograma de limpeza dos equipamentos (água e sabão)
 Verificar a existência dos EPIs.
•Fim!!
Referências Bibliográficas
1-SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENFERGEIROS DE CENTRO CIRÚRGICO,
RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO
(SOBBEC).Práticas Recomendadas.4ed. São Paulo, 2007.
2- POSSARI,J.F. Centro de material e esterilização: planejamento e gestão.3ed.São
Paulo, 2007.165p.
3-KAVANAGH,CMG. Elaboração do Manual de Procedimentos em Central de
Materiais e Esterilização.São Paulo: Atheneu, 2007.
4-OLIVEIRA, AC.Infecções Hospitalares: epidemiologia, prevenção e controle.Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.
5- FERNANDES, AT.Infecção Hospitalar e suas interfaces na área da saúde. São
Paulo: Atheneu, 2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Processo de esterilização
Processo de esterilizaçãoProcesso de esterilização
Processo de esterilizaçãoAmanda Amate
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoLuana Santos
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemJuliana Maciel
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgicoshaxa
 
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptxESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptxMariaTeresaDaCunha1
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoWilmar Ribeiro
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosSMS - Petrópolis
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccihLarissa Paulo
 
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarPrecauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarGrupo Ivan Ervilha
 
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.Eliete Santos
 
Limpeza hospitalar
Limpeza hospitalarLimpeza hospitalar
Limpeza hospitalar0100100100
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadahospital
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoSou Enfermagem
 

Mais procurados (20)

Processo de esterilização
Processo de esterilizaçãoProcesso de esterilização
Processo de esterilização
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Treinamento de CME
Treinamento de CMETreinamento de CME
Treinamento de CME
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
 
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptxESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarPrecauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
 
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
 
Limpeza hospitalar
Limpeza hospitalarLimpeza hospitalar
Limpeza hospitalar
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 

Semelhante a Cme completo

Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Conceicao Cavalcante
 
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfprocessodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfRaquelOlimpio1
 
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptxProcesso de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptxsavesegdotrabalho
 
Ua 4 slides
Ua 4 slidesUa 4 slides
Ua 4 slidesITHPOS
 
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmedTreinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmedmellrodrigues
 
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdfAula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdfHerikaValenzuelaferr
 
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmedTreinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmedshara cedraz
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurançaRenatbar
 
Recomendações para a limpeza do Bloco Operatório.pptx
Recomendações para a limpeza do Bloco Operatório.pptxRecomendações para a limpeza do Bloco Operatório.pptx
Recomendações para a limpeza do Bloco Operatório.pptxDelcioVumbuca
 
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdfK_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdfKatiaRegina87
 
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIA
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM  E FARMÁCIAAULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM  E FARMÁCIA
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIAKarineRibeiro57
 
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização -  definições, fatores e etapas.pptIntrodução à higienização -  definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.pptGUILHERMEERNANDES1
 
Aula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdfAula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdfTedTrindade1
 
Procedimento Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR NOS FAZEMOS(11)98950 3543
Procedimento  Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR  NOS FAZEMOS(11)98950 3543Procedimento  Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR  NOS FAZEMOS(11)98950 3543
Procedimento Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR NOS FAZEMOS(11)98950 3543TERCERIZADOS
 
Aula biossegurança dna
Aula biossegurança   dnaAula biossegurança   dna
Aula biossegurança dnaanadeiva
 
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014Bárbara Ostrosky de Oliveira
 

Semelhante a Cme completo (20)

aula 1 e 2 CME.ppt
aula 1 e 2 CME.pptaula 1 e 2 CME.ppt
aula 1 e 2 CME.ppt
 
Aula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptxAula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptx
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
 
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfprocessodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
 
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptxProcesso de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
 
Ua 4 slides
Ua 4 slidesUa 4 slides
Ua 4 slides
 
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmedTreinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
 
M4 Materiais
M4 MateriaisM4 Materiais
M4 Materiais
 
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdfAula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
 
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmedTreinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Recomendações para a limpeza do Bloco Operatório.pptx
Recomendações para a limpeza do Bloco Operatório.pptxRecomendações para a limpeza do Bloco Operatório.pptx
Recomendações para a limpeza do Bloco Operatório.pptx
 
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdfK_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
 
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIA
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM  E FARMÁCIAAULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM  E FARMÁCIA
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIA
 
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização -  definições, fatores e etapas.pptIntrodução à higienização -  definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
 
Aula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdfAula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdf
 
Procedimento Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR NOS FAZEMOS(11)98950 3543
Procedimento  Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR  NOS FAZEMOS(11)98950 3543Procedimento  Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR  NOS FAZEMOS(11)98950 3543
Procedimento Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR NOS FAZEMOS(11)98950 3543
 
Aula biossegurança dna
Aula biossegurança   dnaAula biossegurança   dna
Aula biossegurança dna
 
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
 

Cme completo

  • 2. É a área responsável pela limpeza e processamento de artigos e instrumentais médico-hospitalares. É no CME que se realiza o controle, preparo, esterilização , acondicionamento e distribuição dos materiais utilizados dentro da instituição hospitalar. Central de Material Esterilizados
  • 3. Unidade de apoio técnico a todas as áreas assistenciais, sendo responsável pela: • Recepção • Limpeza; • Preparo; • Esterilização; • Acondicionamento; • Distribuição de materiais para as unidades do estabelecimento de saúde. RDC 50/2002 • Revestimento que permita limpeza e desinfecção (ex: piso resistente ao calor, à umidade; parede lisa e plana) • Janela: ampla, alta e telada • Porta de material lavável • Bem iluminada (geral e direta nas bancadas) CME
  • 4.
  • 5. Descentralizada : cada unidade é responsável por preparar e esterilizar os materiais que utiliza. Semi-centralizada : cada unidade prepara o seu material , mas o encaminha à central de material para ser esterilizado. Centralizada : os materiais de uso nas unidades são totalmente processados na central. PODE SER DIVIDIDA EM TRÊS TIPOS:
  • 6. FLUXO DO PROCESSAMENTO NO CME Para que os materiais dos hospital sejam limpos da maneira correta é necessário que se tenha uma ordem correta de recebimento e limpeza de cada material.
  • 7. Áreas do CME • Recepção • Limpeza; • Preparo; • Esterilização; • Acondicionamento; • Distribuição de materiais para as unidades do estabelecimento de saúde.
  • 8. DEVE SER SEPARADA EM: • Área contaminada: destinada a receber os artigos sujos e realizar o processo de limpeza dos mesmos. *recepção de artigos limpeza lavagem separação • Área limpa: destinada ao preparo dos artigos. *Área de preparo: análise e separação dos instrumentais, montagem de caixas, pacotes, materiais especiais, etc. *Área de esterilização: método de esterilização, montagem da carga, acompanhamento do processo e desempenho do equipamento. *Área de armazenamento: identificação dos artigos, data de preparo e validade; *Área de distribuição: define os horas para distribuição dos artigos para as unidades do hospital, com exceção do CC. *Área de recepção de roupas limpas: separação e dobradura. Área Física (RDCn0 50 de 2002)
  • 9. O serviço de enfermagem em CME acredita na segurança da esterilização como garantia de bom atendimento aos pacientes.  Atuar na conscientização da equipe;  No desenvolvimento das normas e rotinas, das técnicas corretas em todas as atividades, à assistência prestada ao cliente;  Fornecer o material esterilizado a todo hospital;  Promover a interação entre as áreas;  Adequar as condições ambientais às necessidades do trabalho na área;  Planejar e implementar programas de treinamento e reciclagem que atendem às necessidades da área junto à educação continuada;  Favorecer o bom relacionamento interpessoal;  Prover materiais e equipamentos que atendam às necessidades do trabalho na àrea. Objetivosda enfermagemno CME
  • 10. ARTIGOS HOSPITALARES DEFINIÇÃO – São materiais empregados na assistência à saúde; PODEM SER: – ARTIGOS DESCARTÁVEIS : seringas, abocath, agulhas, eletrodos, etc. –ARTIGOS PERMANENTES: aparelho de pressão, termômetro, endoscópio, etc.
  • 11.
  • 12. CLASSIFICAÇÃO DOS ARTIGOS • CRÍTICOS • SEMI-CRÍTICOS • NÃO CRÍTICOS
  • 13. ARTIGOS CRÍTICOS São aqueles que penetram através da pele, mucosas, atingindo os tecidos sub-epiteliais, sistema vascular, bem como todos os que estejam diretamente conectados com este sistema e que possuem alto risco para aquisição de infecção; Ex: agulhas instrumentais cirúrgicos cateteres urinários bisturi.
  • 14. ARTIGOS SEMI-CRÍTICOS São artigos que entram em contato com a pele não-integra ou com mucosas íntegras. Ex: endoscópios gastrointestinais; equipamento de terapia respiratória; espéculo vaginal;
  • 15. ARTIGOS NÃO CRÍTICOS São aqueles que entram em contato apenas com pele íntegra ou não entram em contato com pacientes e apresentam baixo risco de transmissão de infecção; Ex: comadres papagaios aparelho de pressão termômetro cubas
  • 16. Indicação CRÍTICOS– Indicação de esterilização SEMI-CRÍTICOS– Esterilização não obrigatória; no mínimo desinfecção. NÃO-CRÍTICOS– Dependendo do grau de contaminação, podem ser submetidos à limpeza ou desinfecção de baixo ou médio nível.
  • 17. DESINFECÇÃO Consiste na inativação ou redução dos micro- organismos presentes num material inanimado ou em superfícies com exceção de esporos bacterianos, por meios físicos ou químicos. . A desinfecção não implica na eliminação de todos os micro-organismos viáveis, porém elimina a potencialidade infecciosa do objeto, superfície ou local tratado.
  • 18. CLASSIFICAÇÃO DA DESINFECÇÃO Desinfecção de baixo nível: elimina bactérias, vírus e fungos; não tem ação contra esporos, mas não elimina micobactérias e o bacilo da tuberculose; O composto mais comumente utilizado é álcool etílico, hipoclorito de sódio 0,025% - 30 minutos. EPI
  • 19.
  • 20. Desinfecção de nível médio: elimina bactérias, a maioria dos vírus, fungos e micobactérias; não destrói esporos. Hipoclorito de sódio 1% - 30 minutos. EPI Desinfecção de alto nível: destrói todas as bactérias, micobactérias, fungos, vírus e parte dos esporos. O enxágue deve ser feito com água estéril e a manipulação deve seguir o uso de técnicas assépticas.
  • 21. Glutaraldeído 2% (20 – 30 minutos). Portaria n0 3/2006. EPI ( Máscara de filtro químico, avental impermeável, óculos, luva de borracha cano longo, botas) – vapores: irritação nos olhos, nariz e garganta/ corrosivo para alguns artigos de metal. Validade 14 ou 28 dias. Ácido Peracético 0,2% - 10 minutos. (Atóxico e sem efeito residual) Não corrosivo/ EPI. Validade 30 dias.
  • 22. LIMPEZA Remoção de sujidade visível orgânica e inorgânica e por conseguinte de sua carga microbiana. A limpeza concorrente desta área deve ser realizada diariamente, no piso, nas pias, nas mesas e nos balcões e, pelo menos uma vez por semana, a Limpeza terminal deve ser feita incluindo os itens limpos diariamente e mais as paredes, os armários, os vidros e as janelas. OBJETIVOS -Remover sujidades; -Remover ou reduzir a quantidade de micro-organismos; -Remover resíduos (químicos, orgânicos, endotoxinas – lipopolissacarídeos Da parede celular de bactérias gram-negativas - biofilmes – cj. de células microbianas associadas á superfície) -Garantir a eficácia do processo de desinfecção e esterilização.
  • 23. Limpeza manual Fricção com escovas e dos uso de soluções de limpeza; Restringir aos artigos delicados, desmontáveis; Preferencial solução enzimática - constituem combinações de detergentes e enzimas utilizados comumente em instrumentos de difícil acesso e lumens estreitos; Utilizar EPI apropriado: luva grossa de borracha antiderrapante de cano longo, avental, bota, gorro, protetor facial, máscara e óculos de proteção; Friccionar artigos sob a água para evitar aerossóis. Uso de EPIs : É imprescindível o uso correto dos EPIs para o desenvolvimento das técnicas de limpeza e desinfecção. São eles: aventais impermeáveis, luvas anti-derrapantes de cano longo, óculos de proteção, máscaras.
  • 24. Limpeza mecânica Lavadora Ultra-Sônica: convertem ondas sonoras de ultra-alta frequência em vibrações mecânicas que se movem na água, criando bolhas microscópicas. Ideal para artigos de conformação complexa Lavadora Pasteurizadora: inativação de bactérias patogênicas por meio de calor, relativamente a baixas temperaturas (660C) Lavadora Termodesinfetadora: limpam e desinfetam, por meio térmico ou químico (detergente é aplicado sob pressão por meio de bicos ou braços rotativos)
  • 25. Produtos utilizados Limpadores enzimáticos são compostos basicamente por enzimas, surfactantes e solubilizantes. A combinação balanceada desses elementos faz com produto possa remover a matéria orgânica do material em curto período de tempo. Soluções enzimáticas apresentam excelente ação de limpeza, mas não possuem atividade bactericida e bacteriostática. Enzimas São substâncias produzidas que degradam a matéria orgânica presente no material. Uma vez produzidas pelas células, uma enzima pode ser isolada e irá manter suas propriedades. As enzimas são classificadas em três maiores grupos funcionais dependendo do tipo de substrato que irão afetar: proteases, lípases e amilases que atuam em substratos protéicos, gorduras e carboidratos.
  • 26. Tipos de embalagens TECIDO DE ALGODÃO • Estrutura produzida pelo entrelaçamento de um conjunto de fios dispostos no sentido longitudinal, com outro no sentido transversal forma um ângulo de 900 • Indicado: vapor saturado sob pressão ( validade 10 dias) • Problema: baixa barreira microbiana, ausência de resistência à umidade, padrão de alinhamento das fibras, baixa vida útil PAPEL CREPADO - Composto de 100% de celulose - Eficiência diante da esterilização por vapor e óxido de etileno - Validade: 60 dias no vapor e 12 meses no ETO
  • 27. Embalagens Permitir o transporte e o armazenamento do artigo odonto-médico- hospitalar e mantê-lo estéril até o seu uso. Saída do Ar Entrada do Agente esterilizante Microrganismos Embalagem Produto
  • 28. Penetrância Dificuldades variadas • tecido de algodão •papel grau cirúrgico •papel crepado •manta de SMS •filmes •contêineres rígidos (válvula e filtro) Validação a cada inserção ou troca de embalagem Qualificação de desempenho: a cada nova configuração introduzida •Tyvek
  • 29. TIPOS DE EMBALAGENS • TECIDO DE ALGODÃO; • SMS; • PAPEL CREPADO.
  • 30. TIPOS DE EMBALAGENS • Papel grau cirúrgico • Permeável ao agente esterilizante e impermeável aos microrganismos; • Pode se apresentar com duas faces de papel ou uma de papel e a outra de filme transparente; • Esterilização à vapor (30 dias) e Óxido de Etileno (01 ano) TyveK • Constituída de poliolefinas expandidas e mylar (polietileno em tripla camada) • Não contém celulose ( não absorve o peróxido de hidrogênio) • Recomendado para o plasma de peróxido de hidrogênio (01 ano)
  • 31. •visibilidade do conteúdo •indicador químico •selagem segura •indicação para abertura •lote de fabricação abertura asséptica
  • 33. Esterilização Esterilização é o processo pelo qual os micro-organismos são mortos a tal ponto que não seja mais possível detectá-los no meio de cultura padrão no qual previamente haviam proliferado. Um artigo é considerado estéril quando a probabilidade de sobrevivência dos micro-organismos que contaminam é menor do que 1:1.000.000 (GRAZIANO; SILVA; BIANCHI, 2000)
  • 34. Fatores que afetam a eficácia da esterilização A atividade dos agentes esterilizantes depende de inúmeros fatores: - Número e localização de microrganismos - Resistência inata dos microrganismos - Concentração e potência do agente germicida - Fatores físicos e químicos - Matéria orgânica - Duração da exposição
  • 35. ESTERILIZAÇÃO PODE SER REALIZADA POR: Processos físicos: –Vapor saturado sob pressão (autoclave) –Calor seco (estufa) –Radiação (raios gama - cobalto 60) Processos químicos: –Grupo dos aldeídos (glutaraldeído e formaldeído) –Ácido peracético Processos físico-químicos: –Óxido de etileno (ETO) –Plasma de peróxido de hidrogênio –Paraformoldeído (pastilhas)
  • 36. Esterilização • Processos físicos - Esterilização por vapor saturado sob pressão # Vapor: (esporos necessitam de calor e umidade), temperatura e pressão (121ºC a 134ºC e o tempo (15 a 30 minutos)
  • 37. PROCESSO FÍSICO Calor seco (estufa) – Não recomendável Caiu em desuso, pois as pesquisas colocam em dúvida a sua efetividade. O processo de esterilização ocorre com o aquecimento dos artigos por irradiação do calor das paredes laterais e base da estufa, com conseqüente destruição dos microorganimospor desidratação das células. O calor seco tem baixo poder de penetração, pois se faz de forma irregular e vagarosa, necessitando de longos ciclos de exposição.
  • 38. Materiais: termo resistente, como: instrumentais, materiais inoxidáveis, óleos e pós. Embalagem: caixa de aço inoxidável de paredes finas ou de alumínio. Lacrar as caixas com fita de indicador químico. Temperatura e tempo de exposição: varia de acordo com o tipo de material e com a validação especifica. Para instrumentais recomenda-se 205° C por 120 min. e para óleos e pós 160° C por 120 min. Cuidados recomendados: evitar o centro da estufa (pontos frios), deixar espaço entre as caixas e não encostá-las na parede.
  • 39. PROCESSO FÍSICO-AUTOCLAVE É altamente eficiente pelo seu poder de penetração realizado por autoclaves. O vapor saturado, ou seja, de temperatura equivalente ao ponto de ebulição da água, na pressão atmosférica de 1 a 1.8, é o meio de esterilização mais econômico para materiais termo resistentes.
  • 40. Mecanismo de ação: O processo baseia-se na transformação de água em vapor, sob a mesma temperatura. A atividade de esterilização tem como princípio de morte celular a termo coagulação das proteínas bacterianas, através do calor, de modo que o MO perde suas funções vitais e morre. Embalagens: algodão cru, papel grau cirúrgico, não tecido, papel crepado caixa metálica perfurada e Kraft. Dispor os pacotes de modo vertical, para facilitar a entrada, circulação do vapor, bem como a eliminação do ar. Temperatura indicada: 121 a 132° C Tempo de exposição: de acordo com a natureza do material (15 a 30 min.); 15 min. para materiais mais sensíveis ao calor como luvas, extensões de borracha, entre outros e 30 min. para materiais mais resistentes ao calor como instrumentais, vidros, roupas, entre outros.
  • 41. Tipos de autoclave Gravitacional: A injeção do vapor na câmara força a saída do ar frio por meio de uma válvula localizada na parte inferior. Desvantagens: formação de bolhas de ar no interior do pacote e tempo mais longo para penetração do vapor • Pré-vácuo: por meio de uma bomba de vácuo contida no equipamento, o ar é removido do artigo e da câmara. Pode ser um pulso ou em três ciclos pulsáteis – favorece a penetração mais rápida do vapor. • Após a esterilização, a bomba de vácuo faz a sucção do vapor e da umidade interna da água para secagem maisrápida
  • 42. Indicadores Químicos Classe I: • Indicadores de processo: Tiras impregnadas com tinta termo-química que muda de coloração quando exposto a temperatura. (fita zebrada) amarelo p/ marrom geralmente • Informa que passou pela esterilização  usados externamente em todos os pacotes  evidenciam a passagem do material pelo processo
  • 43.
  • 44. Indicadores Químicos Teste de BOWIE & DICK – Indicadores para uso em testes específicos - testa a eficácia do sistema de vácuo da autoclave pré- vácuo. Classe II:  verifica a eficiência da bomba de vácuo  espera-se mudança uniforme da cor do papel, em toda sua extensão  recomenda-se que seja feito no primeiro ciclo do dia, com equipamento pré-aquecido e com a câmara vazia.  caso não haja homogeneidade na revelação, efetuar revisão imediata do equipamento Teste OK Falha no teste
  • 45. IndicadoresQuímicos Integrador: controla temperatura, tempo e qualidade do vapor. Reagem com todos os parâmetros Indicadores de simulação: Integrador mais preciso por oferecer margem de segurança maior. Reage quando 95% do ciclo é concluído.
  • 46.
  • 47. Indicadores Biológicos Preparação padronizada de esporos bacterianos autocontidos, com suspensões de 106 esporos por unidade de papel filtro. Indicam se a esterilização foi efetiva Esporos Geobacillus stearothermophilus Primeira geração: tiras de papel com esporos microbianos, incubados em laboratório de microbiologia com leitura em 7 dias.
  • 48. Indicadores Biológicos Segunda geração: autocontidos com leitura em 24 a 48 horas pela mudança de cor decorrente da mudança de pH do meio. Incubação na própria CME Terceira geração: autocontidos com leitura em 1 a 3 horas a 560C. Interação de uma enzima associada ao esporo bacteriano com um substrato no meio de cultura. Ausência de fluorescência: esporo destruído
  • 49. Esterilização físico-química Esterilização por óxido de etileno (ETO) Gás incolor, explosivo e inflamável Termossensíveis Portaria Interministerial n0482/1999 Parâmetros: temperatura (500C a 650C), concentração do gás (450 a 1200mg/L) umidade (45 a 85%), tempo de exposição e aeração (2 a 5 horas respectivamente) e pressão interna da câmara.
  • 50. ETO Alta penetração, difusibilidade – esteriliza artigos estreitos, longos (até 2 metros). Objetivo: saída do ETO residual • Etilenocloridrina - produto derivado da reação do óxido de etileno com o cloro. • Etilenoglicol - produto derivado da reação do óxido de etileno com água.
  • 51. Esterilização por plasma de peróxido de hidrogênio • Termossensíveis Autoclave de peróxido de hidrogênio - STERRAD®
  • 52. Esterilização Química Imersão dos artigos em germicida químico Utilizar produtos autorizados e registrados na ANVISA Ácido Peracético Mistura entre ácido acético, peróxido de hidrogênio e água; Rápida ação contra todas as formas de microorganismos, incluindo esporos microbianos, mesmo em baixas concentrações (0,001% a 0,2%) - 60 minutos; Pode ser aplicado em artigos termossensíveis; Cuidado: componentes metálicos que não sejam de ácido inoxidável.
  • 53. Glutaraldeído Tempo de 10 a 12 horas de imersão do artigo na solução Para esterilização a frio de artigos críticos termossensíveis, como cateteres, drenos, tubos. E para artigos termoresistentes como pinças, instrumentos metálicos endoscópios, laparoscópicos. Não é recomendado: - Monitoramento da concentração, - Manipulação incorreta (contaminação bacteriana – infecções pós cirúrgicas), - Limpeza incorreta, - Tempo de imersão por período inferior ao recomendado, resistência microbiana ao produto, - Diluição do produto durante a sua utilização ao longo do tempo
  • 55. Cuidados com os Artigos Esterilizados Condições de estocagem do artigos esterilizados • Quanto ao ambiente: deve ser limpo; arejado e seco; deve ser restrito à equipe do setor. • Quanto ao artigo: após o processo de esterilização, não colocá-lo em superfície fria (pedra ou aço inoxidável ), utilizar cestos ou recipientes vazados até que esfriem; • invólucro (tecido de algodão cru, tecido não tecido, papel grau cirúrgico, papel crepado, papel com filme, tyvec ou caixas metálicas perfuradas) deve permanecer íntegro e ser pouco manuseado para evitar que os pacotes rasguem ou solte o lacre; • ser estocado em armários fechados com prateleiras; • prateleiras identificadas de modo a facilitar a retirada do material; • material deve ser estocado de acordo com a data de vencimento da esterilização para facilitar a distribuição e não ficar material vencido no estoque; • estocar separadamente dos não estéreis para reduzir o nível de contaminantes externos.
  • 56. Tempo de validade de esterilização de artigos • A validade de esterilização vincula-se ao risco de recontaminação, tipo e configuração do material de embalagem, número de vezes que é manipulado antes do uso. • Estocagem em prateleira aberta ou fechada, condições ambientais na área de estocagem (limpeza, temperatura e umidade). • Atualmente é um contra-senso estabelecer prazos genéricos por que os fatores contaminantes do ambiente variam entre um serviço e outro. • Devido às diferenças tanto em tipos de invólucros quanto em características de estocagem é impossível recomendar tempos de estocagem para itens estéreis que possam ser aplicados universalmente (AORN)
  • 57. Validação das embalagens-Vida de prateleira depende dos eventos relacionados Houve algum evento que agrediu a embalagem? Caiu no chão? Foi “apalpado”? Foi aberto e fechado novamente? Foi carregado debaixo dos braços? Foi colocado elásticos, barbante? Foi “amassado” colocando pesos ou  guardados em gavetas apertadas? Indefinido tempo de esterilização ?
  • 58.  Manual de rotina e procedimentos;  Padronização dos processos adotados, limpeza,desinfecção e esterilização;  Registro diário do processamento de artigos;  Programa de manutenção preventiva dos equipamentos;  Manual de funcionamento do equipamento;  Utilização de indicadores adequados ao processo empregado;  Barreira fixa até o teto da área suja e limpa.(Consultórios e Clinicas);  Bancada adequadas para o preparo do material;  Local de guarda dos material esterilizado (limpo e fechado);  Fluxo racional de operacionalização, sem cruzamento de artigo contaminado e artigo limpo. Aspectos a serem observados:
  • 59.  Baldes plásticos para desinfecção, enxágue.  Recipientes com as soluções ativadas rotulados.  Pias específicas para o material e lavagens das mãos com sabão liquido e papel toalha.  Local separado para o material de limpeza.  Pisos, paredes laváveis.  Equipamentos (autoclave e estufa)em perfeitas condições de funcionamento (registro de manutenção e testes químicos e biológicos) – (para artigos não pode autoclave vertical).  Cronograma de limpeza dos equipamentos (água e sabão)  Verificar a existência dos EPIs.
  • 61. Referências Bibliográficas 1-SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENFERGEIROS DE CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO (SOBBEC).Práticas Recomendadas.4ed. São Paulo, 2007. 2- POSSARI,J.F. Centro de material e esterilização: planejamento e gestão.3ed.São Paulo, 2007.165p. 3-KAVANAGH,CMG. Elaboração do Manual de Procedimentos em Central de Materiais e Esterilização.São Paulo: Atheneu, 2007. 4-OLIVEIRA, AC.Infecções Hospitalares: epidemiologia, prevenção e controle.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. 5- FERNANDES, AT.Infecção Hospitalar e suas interfaces na área da saúde. São Paulo: Atheneu, 2002.