SlideShare uma empresa Scribd logo

Câncer de mama

Luciane Santana
Luciane Santana
Luciane Santana--ACD.ENFERMAGEM em Fapen-Faculdade Paraense de Ensino

Trabalho feito com intenção de prevenção primária sobre cãncer de mama.

Câncer de mama

1 de 19
Baixar para ler offline
1
FACULDADE PARAENSE DE ENSINO
POLÍTICAS DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER
DISCENTE: Msc.Enfª:EDILEUZA LIMA.
JUNIOR/2015.
BÉLÉM-PA.
2
DISCENTES
Daniela Cavalcante
Luciane Santana
GRUPO DE APRESENTAÇÃO: 6
TEMA: CÂNCER DE MAMA
Trabalho apresentado como requisito
parcial para obtenção de avaliação da NP2 na disciplina de
(P.A.S.M) do Curso de Enfermagem da Turma:Q77 . Da
Faculdade Paraensende ensino (FAPEN).
Msc. Enfª:EDILEUZA LIMA.
JUNIOR/2015.
BELÉM-PA.
3
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO 04
CANCÊR DE MAMA 05
SINAIS E SINTOMAS 08
PREVENÇÃO DO CANCER DE MAMA 10
CUIDADOS FUDAMENTAIS DE ENFERMAGEM NA ATENÇÃO PARA MULHER
COM CANCÊR DE MAMA 11
FISIOPATOLOGIA DA CANCER DE MAMA 13
FATORES DE RISCO 14
LEIS 15
A RECONTRUÇÃO DESSAMAMA 17
CONSIDERAÇÕES FINAIS 18
REFERÊNCIAS 19
4
INTRODUÇÃO
O câncer de mama é um tumor maligno que se desenvolve na mama devido
a multiplicação de células anormais, consequência de alterações genéticas das
células da mama, que passam a se dividir descontroladamente. Sendo o mais
frequente no mundo, que atinge principalmente mulheres por vários fatores
genéticos, ambientais, comportamentais. (INCA-2012)
No Brasil o câncer de mama é uma das neoplasias malignas responsável
pelo grande índice de mortalidade em mulheres devido a vários fatores de risco a
idade avançada, a exposição prolongada aos hormônios femininos, o excesso de
peso, história familiar ou mutação genética e seu diagnostico em estádios
avançados. (Segundo o instituto nacional do câncer) estima 57.120 de novos casos,
pra isso a enfermagem vem com o papel da prevenção dentro da saúde publica e
prévia na orientação dessa mulher. (2014-INCA)
A priorização do controle do câncer de mama foi reafirmada em março de
2011, com o lançamento do plano nacional de fortalecimento da rede de prevenção,
diagnóstico e tratamento do câncer pela presidente da República. O plano previu
investimentos técnico e financeiro para a intensificação das ações de controle nos
estados e municípios. (INCA-2011).
5
1- CANCÊR DE MAMA
É uma doença causada pela multiplicação de células anormais, consequência
de alterações genéticas das células da mama, que passam a se dividir
descontroladamente, tanto ducto mamário quanto dos glóbulos mamários, assim
forma um tumor maligno. (INCA-2014)
No Brasil o câncer de mama é uma das neoplasias malignas responsável pelo
grande índice de mortalidade em mulheres devido a vários fatores de risco a idade
avançada, a exposição prolongada aos hormônios femininos, o excesso de peso,
história familiar ou mutação genética e seu diagnostico em estádios avançados. As
mulheres que não tiveram filhos ou tiveram o primeiro após os 35 anos, não
amamentaram, fizeram uso de reposição hormonal (uso de estrogênio e
progesterona associados), menstruaram antes de 12 anos ou entraram na
menopausa acima de 50 anos e estão mais pré-dispostas a desenvolver a doença
por longa exposição aos hormônios femininos A sobrevida média na população
mundial após cinco anos é de 61%.(INCA-2014)
Sua incidência cresce rápida e progressivamente acima de 35 anos,
raramente antes dessa faixa etária. Estatísticas indicam um aumento em sua
incidência nos países desenvolvidos quanto nos subdesenvolvidos. Segundo a OMS
(Organização mundial de saúde) registrou-se nas décadas de 60 e 70 um aumento
de 10 vezes em suas taxas de incidência por idades nos registros de câncer de base
populacional de diversos continentes. (INCA-2011)
O ministério da saúde (Brasil, 2004), tem como objetivo principal reduzir a
mortalidade por câncer de mama na população feminina, e tem aumentado as
realizações de cirurgias em 45% em reconstrução dos seios que esta prevista na lei
federal. Essa estimativa de novos casos é de: 57.120 (2014 - INCA)
6
O prognostico do câncer de mama vem evoluindo através dos avanços no
diagnostico e tratamento, mas isso causa um grande abalo físico, psicológica e
socialmente, devido acometer uma das partes mais valorizada do corpo da mulher e
tendo uma função significativa da sexualidade e sua identidade. (INCA-2012)
Essas modalidades de tratamento são bastante eficazes, uma vez que são
capazes de controlar o tumor primário e suas complicações. No entanto, o
planejamento terapêutico do paciente com câncer deve incluir um conjunto de
cuidados, dos quais a conduta clínica e/ou cirúrgica é apenas uma parte. Assim, a
"reabilitação tem como principal objetivo a melhoria da qualidade de vida do
indivíduo. Deve procurar atender às necessidades específicas de cada paciente,
com medidas que visem à restauração anatômica e funcional, ao suporte físico e
psicológico e à paliação de sintomas" (Ministério da Saúde/INCA, 1993, s/p).
Existem vários tipos de câncer de mama, mas alguns deles são bastante
raros. Em alguns casos, um único tumor na mama pode ser uma combinação destes
tipos de câncer de mama a ser uma mistura de câncer de mama in situ e invasivo.
 O carcinoma ductal in situ: é o mais comum do câncer, atinge os ductos da
mama.
 Carcinoma ductal invasivo: é considerado um invasor dos tecidos que
circundam, atinge os ductos da mama representa 65 a 85% dos cânceres
invasivos.
 Carcinoma lobular in situ: ele surge nas células dos lobos mamários e não
tem capacidade de atingi os tecidos adjacentes.
 Carcinoma lobular invasivo: é o segundo mais comum do câncer de mama,
que se origina nos lobos mamários.
 Carcinoma inflamatório: é o mas raro entre os câncer.
 Doença de Paget: é um tipo de câncer de mama mais raro, que acomete a
aréola ou mamilos, podendo afeta os dois ao mesmo tempo.
O Câncer de mama tem cura. Previna-se, fique de olho e mate no peito esta
doença! E diagnosticando-se cedo, o tratamento é geralmente fácil, sem implicar na
Anúncio

Recomendados

Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.
Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.
Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.biankathamara
 
Saúde da Mulher em Câncer de Mama
Saúde da Mulher em Câncer de MamaSaúde da Mulher em Câncer de Mama
Saúde da Mulher em Câncer de MamaBruna Oliveira
 
Câncer de mama- Outubro Rosa
 Câncer de mama- Outubro Rosa Câncer de mama- Outubro Rosa
Câncer de mama- Outubro RosaTeresa Oliveira
 
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de MamaPalestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mamapralucianaevangelista
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Um toque de carinho!
Um toque de carinho!Um toque de carinho!
Um toque de carinho!Cátia Costa
 
eBook - Câncer de mama
eBook - Câncer de mamaeBook - Câncer de mama
eBook - Câncer de mamaGnTech
 
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do úteroOutubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do úteroPaulaRhuama
 
Seminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mamaSeminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mamaMathielly Samara
 
Outubro Rosa e a prevenção do cancer de mama
Outubro Rosa e a prevenção do cancer de mamaOutubro Rosa e a prevenção do cancer de mama
Outubro Rosa e a prevenção do cancer de mamaGustavo Alvarez
 
Palestra câncer de mama
Palestra câncer de mamaPalestra câncer de mama
Palestra câncer de mamaclinicalivon
 
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)educacaodetodos
 
Palestra Amigas do Peito - Outubro Rosa
Palestra Amigas do Peito - Outubro RosaPalestra Amigas do Peito - Outubro Rosa
Palestra Amigas do Peito - Outubro RosaPsicologia Conexão
 
Câncer de cólo de útero
Câncer de cólo de úteroCâncer de cólo de útero
Câncer de cólo de úteroRoberta Araujo
 

Mais procurados (20)

Prevenção de câncer de colo do útero
Prevenção de câncer de colo do úteroPrevenção de câncer de colo do útero
Prevenção de câncer de colo do útero
 
Um toque de carinho!
Um toque de carinho!Um toque de carinho!
Um toque de carinho!
 
eBook - Câncer de mama
eBook - Câncer de mamaeBook - Câncer de mama
eBook - Câncer de mama
 
Cancer de Mama
Cancer de MamaCancer de Mama
Cancer de Mama
 
Outubro Rosa - Prevenção
Outubro Rosa - PrevençãoOutubro Rosa - Prevenção
Outubro Rosa - Prevenção
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
 
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do úteroOutubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
 
Seminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mamaSeminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mama
 
Outubro Rosa e a prevenção do cancer de mama
Outubro Rosa e a prevenção do cancer de mamaOutubro Rosa e a prevenção do cancer de mama
Outubro Rosa e a prevenção do cancer de mama
 
Outubro rosa
Outubro rosaOutubro rosa
Outubro rosa
 
cancer de mama
cancer de mamacancer de mama
cancer de mama
 
Palestra câncer de mama
Palestra câncer de mamaPalestra câncer de mama
Palestra câncer de mama
 
cartilha_cancer_de_mama_2022.pdf
cartilha_cancer_de_mama_2022.pdfcartilha_cancer_de_mama_2022.pdf
cartilha_cancer_de_mama_2022.pdf
 
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Palestra Amigas do Peito - Outubro Rosa
Palestra Amigas do Peito - Outubro RosaPalestra Amigas do Peito - Outubro Rosa
Palestra Amigas do Peito - Outubro Rosa
 
Cancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero prontoCancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero pronto
 
Outubro rosa
Outubro rosaOutubro rosa
Outubro rosa
 
Câncer de cólo de útero
Câncer de cólo de úteroCâncer de cólo de útero
Câncer de cólo de útero
 

Destaque

Cancer de mama completo
Cancer de mama completoCancer de mama completo
Cancer de mama completoHugo Pinto
 
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaOutubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaCarlos Lima
 
Saúde da Mama
Saúde da MamaSaúde da Mama
Saúde da MamaOncoguia
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de MamaOncoguia
 
Seminário câncer de mama
Seminário câncer de mamaSeminário câncer de mama
Seminário câncer de mamaThiessa Vieira
 
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
Câncer de mama   rastreamento e diagnosticoCâncer de mama   rastreamento e diagnostico
Câncer de mama rastreamento e diagnosticochirlei ferreira
 
Câncer de Mama e de Útero
Câncer de Mama e de ÚteroCâncer de Mama e de Útero
Câncer de Mama e de ÚteroRobeísa Danya
 
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do ÚteroTudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do ÚteroOncoguia
 
Estimativa 2014 - Incidência de Câncer no Brasil
Estimativa 2014 - Incidência de  Câncer no BrasilEstimativa 2014 - Incidência de  Câncer no Brasil
Estimativa 2014 - Incidência de Câncer no BrasilMinistério da Saúde
 
Câncer de mama - Patologia
Câncer de mama - PatologiaCâncer de mama - Patologia
Câncer de mama - PatologiaDanilo Alves
 
Câncer de mama - Palestra para comunidade
Câncer de mama -  Palestra para comunidadeCâncer de mama -  Palestra para comunidade
Câncer de mama - Palestra para comunidadeMaylu Souza
 
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.Harriane Rangel
 

Destaque (19)

Slides cancer de mama
Slides cancer de mamaSlides cancer de mama
Slides cancer de mama
 
Cáncer de mama
Cáncer de mamaCáncer de mama
Cáncer de mama
 
Cancer de mama completo
Cancer de mama completoCancer de mama completo
Cancer de mama completo
 
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaOutubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de Mama
 
Saúde da Mama
Saúde da MamaSaúde da Mama
Saúde da Mama
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Seminário câncer de mama
Seminário câncer de mamaSeminário câncer de mama
Seminário câncer de mama
 
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
Câncer de mama   rastreamento e diagnosticoCâncer de mama   rastreamento e diagnostico
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
 
Câncer de Mama e de Útero
Câncer de Mama e de ÚteroCâncer de Mama e de Útero
Câncer de Mama e de Útero
 
Cancer de Mama 4
Cancer de Mama 4Cancer de Mama 4
Cancer de Mama 4
 
Cancer De Mama
Cancer De MamaCancer De Mama
Cancer De Mama
 
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do ÚteroTudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
 
Tratamento do câncer de mama 2014
Tratamento do câncer de mama 2014Tratamento do câncer de mama 2014
Tratamento do câncer de mama 2014
 
Estimativa 2014 - Incidência de Câncer no Brasil
Estimativa 2014 - Incidência de  Câncer no BrasilEstimativa 2014 - Incidência de  Câncer no Brasil
Estimativa 2014 - Incidência de Câncer no Brasil
 
Mamografia
MamografiaMamografia
Mamografia
 
Câncer de mama - Patologia
Câncer de mama - PatologiaCâncer de mama - Patologia
Câncer de mama - Patologia
 
Câncer de mama - Palestra para comunidade
Câncer de mama -  Palestra para comunidadeCâncer de mama -  Palestra para comunidade
Câncer de mama - Palestra para comunidade
 
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
 

Semelhante a Câncer de mama

Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoCartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoFarmacêutico Digital
 
SLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptx
SLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptxSLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptx
SLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptxGlauciaVieira16
 
Slide saude da mulher (1).pptx
Slide saude da mulher (1).pptxSlide saude da mulher (1).pptx
Slide saude da mulher (1).pptxMicaelMota2
 
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"Marcia Oliveira
 
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdfCartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdfmaxion03
 
Artigo com Nathalia Belletato sobre o Outubro Rosa
Artigo com Nathalia Belletato sobre o Outubro RosaArtigo com Nathalia Belletato sobre o Outubro Rosa
Artigo com Nathalia Belletato sobre o Outubro RosaNathalia Belletato
 
2CANCER+DE+COLO_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
2CANCER+DE+COLO_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx2CANCER+DE+COLO_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
2CANCER+DE+COLO_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptxItauanaAlmeida1
 
Jornal Setemi News
Jornal Setemi NewsJornal Setemi News
Jornal Setemi NewsSetemi News
 
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014Farmacêutico Digital
 
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdfaula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdfAndreiaCosta151227
 
Outubro Rosa.pptx
Outubro Rosa.pptxOutubro Rosa.pptx
Outubro Rosa.pptxJssicaPaz5
 
Aula 4 ciclo do controle do cancer de mama 2018
Aula 4 ciclo do controle do cancer de mama 2018Aula 4 ciclo do controle do cancer de mama 2018
Aula 4 ciclo do controle do cancer de mama 2018Simone Amucc
 
Setemi News Outubro/16
Setemi News Outubro/16Setemi News Outubro/16
Setemi News Outubro/16Setemi News
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Silvio Bromberg
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Silvio Bromberg
 
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxAULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxVanessaAlvesDeSouza4
 

Semelhante a Câncer de mama (20)

Montenegro ca mama
Montenegro ca mamaMontenegro ca mama
Montenegro ca mama
 
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoCartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
 
SLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptx
SLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptxSLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptx
SLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptx
 
Slide saude da mulher (1).pptx
Slide saude da mulher (1).pptxSlide saude da mulher (1).pptx
Slide saude da mulher (1).pptx
 
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
 
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdfCartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
 
Sleo ca mama
Sleo ca mamaSleo ca mama
Sleo ca mama
 
Artigo com Nathalia Belletato sobre o Outubro Rosa
Artigo com Nathalia Belletato sobre o Outubro RosaArtigo com Nathalia Belletato sobre o Outubro Rosa
Artigo com Nathalia Belletato sobre o Outubro Rosa
 
2CANCER+DE+COLO_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
2CANCER+DE+COLO_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx2CANCER+DE+COLO_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
2CANCER+DE+COLO_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
 
Jornal Setemi News
Jornal Setemi NewsJornal Setemi News
Jornal Setemi News
 
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
 
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdfaula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
 
Outubro Rosa
Outubro RosaOutubro Rosa
Outubro Rosa
 
Outubro Rosa.pptx
Outubro Rosa.pptxOutubro Rosa.pptx
Outubro Rosa.pptx
 
Aula 4 ciclo do controle do cancer de mama 2018
Aula 4 ciclo do controle do cancer de mama 2018Aula 4 ciclo do controle do cancer de mama 2018
Aula 4 ciclo do controle do cancer de mama 2018
 
Setemi News Outubro/16
Setemi News Outubro/16Setemi News Outubro/16
Setemi News Outubro/16
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
 
Sb debate em saude
Sb debate em saudeSb debate em saude
Sb debate em saude
 
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxAULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
 

Mais de Luciane Santana

Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarLuciane Santana
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Luciane Santana
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Luciane Santana
 
Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Luciane Santana
 
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Luciane Santana
 
Iras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaIras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaLuciane Santana
 
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico  Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico Luciane Santana
 
Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Luciane Santana
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Luciane Santana
 
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMLuciane Santana
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemLuciane Santana
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e materialLuciane Santana
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Luciane Santana
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemLuciane Santana
 
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.Luciane Santana
 

Mais de Luciane Santana (20)

ISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das FábulasISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das Fábulas
 
Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalar
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
 
Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação
 
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
 
Iras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaIras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria aguda
 
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico  Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
 
Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje
 
Planejamento familíar
Planejamento familíarPlanejamento familíar
Planejamento familíar
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen)
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
 
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
 

Último

2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGOLUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGOxogilo3990
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...manoelaarmani
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfkeiciany
 
CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEIS
CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEISCIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEIS
CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEISColaborar Educacional
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfalexandrerodriguespk
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfAndreiaSilva852193
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoPaula Meyer Piagentini
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...manoelaarmani
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...
Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...
Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...Unicesumar
 
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...Colaborar Educacional
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...pj989014
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxssuser86fd77
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)
RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)
RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)Adriano De Souza Sobrenome
 

Último (20)

2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGOLUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
 
CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEIS
CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEISCIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEIS
CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO/PROJETO DE EXTENSÃO I - CIÊNCIAS CONTÁBEIS
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...
Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...
Agora, imagine a seguinte situação você é o coordenador da área de inovação e...
 
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
 
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)
RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)
RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)
 

Câncer de mama

  • 1. 1 FACULDADE PARAENSE DE ENSINO POLÍTICAS DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER DISCENTE: Msc.Enfª:EDILEUZA LIMA. JUNIOR/2015. BÉLÉM-PA.
  • 2. 2 DISCENTES Daniela Cavalcante Luciane Santana GRUPO DE APRESENTAÇÃO: 6 TEMA: CÂNCER DE MAMA Trabalho apresentado como requisito parcial para obtenção de avaliação da NP2 na disciplina de (P.A.S.M) do Curso de Enfermagem da Turma:Q77 . Da Faculdade Paraensende ensino (FAPEN). Msc. Enfª:EDILEUZA LIMA. JUNIOR/2015. BELÉM-PA.
  • 3. 3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 04 CANCÊR DE MAMA 05 SINAIS E SINTOMAS 08 PREVENÇÃO DO CANCER DE MAMA 10 CUIDADOS FUDAMENTAIS DE ENFERMAGEM NA ATENÇÃO PARA MULHER COM CANCÊR DE MAMA 11 FISIOPATOLOGIA DA CANCER DE MAMA 13 FATORES DE RISCO 14 LEIS 15 A RECONTRUÇÃO DESSAMAMA 17 CONSIDERAÇÕES FINAIS 18 REFERÊNCIAS 19
  • 4. 4 INTRODUÇÃO O câncer de mama é um tumor maligno que se desenvolve na mama devido a multiplicação de células anormais, consequência de alterações genéticas das células da mama, que passam a se dividir descontroladamente. Sendo o mais frequente no mundo, que atinge principalmente mulheres por vários fatores genéticos, ambientais, comportamentais. (INCA-2012) No Brasil o câncer de mama é uma das neoplasias malignas responsável pelo grande índice de mortalidade em mulheres devido a vários fatores de risco a idade avançada, a exposição prolongada aos hormônios femininos, o excesso de peso, história familiar ou mutação genética e seu diagnostico em estádios avançados. (Segundo o instituto nacional do câncer) estima 57.120 de novos casos, pra isso a enfermagem vem com o papel da prevenção dentro da saúde publica e prévia na orientação dessa mulher. (2014-INCA) A priorização do controle do câncer de mama foi reafirmada em março de 2011, com o lançamento do plano nacional de fortalecimento da rede de prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer pela presidente da República. O plano previu investimentos técnico e financeiro para a intensificação das ações de controle nos estados e municípios. (INCA-2011).
  • 5. 5 1- CANCÊR DE MAMA É uma doença causada pela multiplicação de células anormais, consequência de alterações genéticas das células da mama, que passam a se dividir descontroladamente, tanto ducto mamário quanto dos glóbulos mamários, assim forma um tumor maligno. (INCA-2014) No Brasil o câncer de mama é uma das neoplasias malignas responsável pelo grande índice de mortalidade em mulheres devido a vários fatores de risco a idade avançada, a exposição prolongada aos hormônios femininos, o excesso de peso, história familiar ou mutação genética e seu diagnostico em estádios avançados. As mulheres que não tiveram filhos ou tiveram o primeiro após os 35 anos, não amamentaram, fizeram uso de reposição hormonal (uso de estrogênio e progesterona associados), menstruaram antes de 12 anos ou entraram na menopausa acima de 50 anos e estão mais pré-dispostas a desenvolver a doença por longa exposição aos hormônios femininos A sobrevida média na população mundial após cinco anos é de 61%.(INCA-2014) Sua incidência cresce rápida e progressivamente acima de 35 anos, raramente antes dessa faixa etária. Estatísticas indicam um aumento em sua incidência nos países desenvolvidos quanto nos subdesenvolvidos. Segundo a OMS (Organização mundial de saúde) registrou-se nas décadas de 60 e 70 um aumento de 10 vezes em suas taxas de incidência por idades nos registros de câncer de base populacional de diversos continentes. (INCA-2011) O ministério da saúde (Brasil, 2004), tem como objetivo principal reduzir a mortalidade por câncer de mama na população feminina, e tem aumentado as realizações de cirurgias em 45% em reconstrução dos seios que esta prevista na lei federal. Essa estimativa de novos casos é de: 57.120 (2014 - INCA)
  • 6. 6 O prognostico do câncer de mama vem evoluindo através dos avanços no diagnostico e tratamento, mas isso causa um grande abalo físico, psicológica e socialmente, devido acometer uma das partes mais valorizada do corpo da mulher e tendo uma função significativa da sexualidade e sua identidade. (INCA-2012) Essas modalidades de tratamento são bastante eficazes, uma vez que são capazes de controlar o tumor primário e suas complicações. No entanto, o planejamento terapêutico do paciente com câncer deve incluir um conjunto de cuidados, dos quais a conduta clínica e/ou cirúrgica é apenas uma parte. Assim, a "reabilitação tem como principal objetivo a melhoria da qualidade de vida do indivíduo. Deve procurar atender às necessidades específicas de cada paciente, com medidas que visem à restauração anatômica e funcional, ao suporte físico e psicológico e à paliação de sintomas" (Ministério da Saúde/INCA, 1993, s/p). Existem vários tipos de câncer de mama, mas alguns deles são bastante raros. Em alguns casos, um único tumor na mama pode ser uma combinação destes tipos de câncer de mama a ser uma mistura de câncer de mama in situ e invasivo.  O carcinoma ductal in situ: é o mais comum do câncer, atinge os ductos da mama.  Carcinoma ductal invasivo: é considerado um invasor dos tecidos que circundam, atinge os ductos da mama representa 65 a 85% dos cânceres invasivos.  Carcinoma lobular in situ: ele surge nas células dos lobos mamários e não tem capacidade de atingi os tecidos adjacentes.  Carcinoma lobular invasivo: é o segundo mais comum do câncer de mama, que se origina nos lobos mamários.  Carcinoma inflamatório: é o mas raro entre os câncer.  Doença de Paget: é um tipo de câncer de mama mais raro, que acomete a aréola ou mamilos, podendo afeta os dois ao mesmo tempo. O Câncer de mama tem cura. Previna-se, fique de olho e mate no peito esta doença! E diagnosticando-se cedo, o tratamento é geralmente fácil, sem implicar na
  • 7. 7 retirada total das mamas. Mas se isto for necessário, a reconstrução da cirurgia plástica das mamas, melhora essa estética dessa mulher fornece excelentes resultados. (AZEVEDO e SILVA, 2010) As estratégias de atuação para a prevenção do câncer de mama podem ser classificadas em dois tipos: as que visam evitar a sua formação (prevenção primária), e as que têm por objetivo sua detecção precoce (prevenção secundária). 2- SINAIS E SINTOMAS
  • 8. 8 A melhor época do mês para que a mulher que ainda menstrua podendo se avaliar as mamas apalpando com as mãos na procurar alterações é alguns dias após a menstruação, quando as mamas estão menos ingurgitadas (inchadas). Nessas mulheres que apresentam estão na menopausa, este autoexame é feito em qual quer tempo desde que essa mulher tenha a orientação pra realizar o mesmo.(INCA-2012) Vistas as alterações logo deve ser relatadas ao seu médico de confiança, mesmo que elas tenham aparecido pouco tempo depois de uma mamografia ou do exame clínico das mamas feito pelo profissional de saúde. O câncer de mama pode ter esse seguinte sinais:  Nódulo único endurecido.  Abaulamento de uma parte da mama.  Edema (inchaço) da pele.  Eritema (vermelhidão) na pele.  Inversão do mamilo.  Sensação de massa ou nódulo em uma das mamas.  Sensação de nódulo aumentado na axila.  Espessamento ou retração da pele ou do mamilo.  Secreção sanguinolenta ou serosa pelos mamilos.  Inchaço do braço.  Dor na mama ou mamilo. Vale a pena lembrar que na grande maioria dos casos, a vermelhidão, inchaço na pele e mesmo o aumento de tamanho dos gânglios axilares representam inflamação ou infecção (mastite, por exemplo), (AZEVEDO e SILVA, 2010). Especialmente se acompanhados de dor. Mas como existe uma forma rara de câncer de mama que se manifestam como inflamação, estes achados devem ser relatados ao médico da mesma maneira, e a mulher deve passar por um exame
  • 9. 9 clínico, obrigatoriamente. (Leia mais em: http://www.oncoguia.org.br/conteudo/sinais-e-sintomas- do-cancer-de-mama/acesso em 19/05/15.). 3- PREVENÇÃO DO CANCER DE MAMA
  • 10. 10 A própria enfermagem esta treinada pra aparar essa mulher desde sua visita ao seu mastologista ao diagnostico. Orientando essa mulher que ela evite bebida alcoólica, praticar exercícios físicos, evitar o fumo, Cuidado principalmente na alimentação. (AZEVEDO e SILVA, 2010) Quando a enfermagem promove pra essa mulher a maneira adequada dessa orientação do alto exame fazer valer essa política de saúde dessa mulher com certeza, só temos a ganhar com isso. fonte:http://www.gotadebeleza.com/2011/01/prevencao-do-cancer-de-mama-comeca- na.html.Acesso:05/05/215. 4- CUIDADOS FUDAMENTAIS DE ENFERMAGEM NA ATENÇÃO PARA MULHER COM CANCÊR DE MAMA
  • 11. 11 A enfermagem tem um papel fundamental no tratamento do câncer de mama primeiramente esclarece ao paciente sobre a doença e o tratamento, a promoção do auto cuidado, o apoio emocional quer é de extrema importância para o paciente enfrentar o câncer e suas complicações e compreender que existem tratamento eficaz e que se pode ter uma qualidade de vida de forma satisfatória. (AZEVEDO e SILVA, 2010). Na fase pós-operatória, os objetivos principais de enfermagem são:  Evitar ou tratar contraturas musculares;  Prevenir ou minimizar linfedema;  Prevenir complicações circulatórias e respiratórias;  Evitar aderências cicatriciais;  Evitar ou tratar desvios posturais;  Alivio da dor;  Prevenir a limitação de movimento do membro da cirurgia.  Observar esse curativo e cuidados com assepsia. (AZEVEDO e SILVA, 2010) A enfermeira deve observar Cada paciente, avaliado individualmente para que seja definido quando começar a reabilitação. No primeiro dia de pós-operatório, a enfermagem explica a essa paciente a função do fisioterapeuta o mesmo é posicionar a paciente no leito, adequadamente, principalmente o membro superior do lado operado. Já no segundo dia, inicia-se a drenagem linfática e as mobilizações restritas. Os exercícios respiratórios devem ser iniciados
  • 12. 12 precocemente, para manter as funções da musculatura respiratória e prevenir complicações pulmonares. (AZEVEDO e SILVA, 2010) É muito importante que durante a reabilitação sejam feitos exercícios que trabalhem a amplitude de movimento do membro superior, pois fazem a manutenção da mobilidade, nutrição articular, prevenção de aderências teciduais e contraturas. Além de contribuírem para a inibição da dor e a melhora da circulação sanguínea que ajuda a prevenir tromboses sanguíneas, diminuem a progressão de atrofia muscular, mantêm a contratilidade da musculatura e contribuem para a melhora do estado psicológico e emocional.(SERRA VALLE,2010), 5- FISIOPATOLOGIA DA CANCER DE MAMA
  • 13. 13 O câncer caracteriza-se pelo aumento progressivo do número de células anormais, provenientes de um determinado tecido normal. Estas células anormais podem chegar acorrente sanguínea, invadir outros tecidos e disseminar-se em outros órgãos, causando a metástase. Esta malignidade celular altera o ácido desoxirribonucleico (DNA) e geralmente é causada pela ação de agentes físicos e biológicos considerados cancerígenos. O câncer é uma massa anormal de células ou tecidos com crescimento exagerado iniciado por um estímulo e continua crescendo mesmo depois que cessa o estimulo. .(SERRA VALLE,2010), 6- FATORES DE RISCO
  • 14. 14 Os principais fatores de risco para o câncer de mama estão ligados a idade, aspectos endócrinos e genéticos, mulheres com história de menarca precoce, menopausa tardia, primeira gravidez após os 30 anos, terapia de reposição hormonal pós-menopausa, principalmente se prolongada por mais de cinco anos, ingestão regular de bebida alcoólica, obesidade, principalmente quando o aumento de peso se dá após a menopausa, sedentarismo, a prática de atividade física e o aleitamento materno exclusivo são considerados fatores protetores, história familiar, principalmente em parentes de primeiro grau antes dos 50 anos Entretanto, o câncer de mama de caráter hereditário (predisposição genética) corresponde a cerca de 5- 10% do total de casos. (AZEVEDO e SILVA, 2010). 7- LEIS 7.1. LEI 9797 DE 6 DE MAIO DE 1999.
  • 15. 15 Art.1o As mulheres que sofrerem mutilação total ou parcial de mama, decorrente de utilização de técnica de tratamento de câncer, têm direito a cirurgia plástica reconstrutiva. Art. 2o Cabe ao Sistema Único de Saúde - SUS, por meio de sua rede de unidades públicas ou conveniadas, prestar serviço de cirurgia plástica reconstrutiva de mama prevista no art. 1o, utilizando-se de todos os meios e técnicas necessárias. § 1o Quando existirem condições técnicas, a reconstrução será efetuada no mesmo tempo cirúrgico. (Incluído pela Lei nº 12.802. de 2013) § 2o No caso de impossibilidade de reconstrução imediata, a paciente será encaminhada para acompanhamento e terá garantida a realização da cirurgia imediatamente após alcançar as condições clínicas requeridas.(Incluído pela Lei nº 12.802. de 2013)” (Decreto feito pelo Presidente da república em exercício na época e o Ministo da saúde: FERNANDO HENRIQUE CARDOSO E JOSÉ SERRA-1999.) 7.2. LEI SITADA 12.802 DE 24 DE ABRIL DE 2013. Altera a Lei no 9.797, de 6 de maio de 1999, que “dispõe sobre a obrigatoriedade da cirurgia plástica reparadora da mama pela rede de unidades integrantes do Sistema Único de Saúde - SUS nos casos de mutilação decorrentes de tratamento de câncer”, para dispor sobre o momento da reconstrução mamária. O que ela nós diz: A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faz saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1o O art. 2o da Lei no 9.797, de 6 de maio de 1999, passa a vigorar acrescido dos seguintes §§ 1o e 2o: Quando existirem condições técnicas, a reconstrução será efetuada no mesmo tempo cirúrgico.
  • 16. 16 No caso de impossibilidade de reconstrução imediata, a paciente será encaminhada para acompanhamento e terá garantida a realização da cirurgia imediatamente após alcançar as condições clínicas requeridas.” (Decretado pela presidente atual: DILMA ROUSSEFF e o ministro da saúde: Alexandre Rocha Santos Padilha-2013.). 7.3. Lei 11.664, de 2008. Foi decreta pela presidente da república Dilma. Mulheres que se encaixem nesses perfis também devem buscar orientação médica. As formas mais eficazes para a detecção precoce do câncer de mama são o o auto exame quando essa mulher se toca se conhece, exame clínico visita ao ginecologista e mastectologista no mínimo uma vez ao ano. e a mamografia.(INCA-20120 Ao estabelecer que todas as mulheres têm direito à mamografia a partir dos 40 anos, a Lei 11.664/2008 que entrou em vigor em 29 de abril de 2009 reafirma o que já é estabelecido pelos princípios do Sistema Único de Saúde. Embora tenha suscitado interpretações divergentes, o texto não altera as recomendações de faixa etária para rastreamento de mulheres saudáveis: dos 50 aos 69 ano.(INCA-2011). 7.4. Lei. 8922/94 Portador de Neoplasia Malígna (Câncer) ou possuidor de dependente (junto ao INSS ou Imp. Renda) igualmente possuidor, poderá sacar o FGTS e PIS. 8- A RECONTRUÇÃO DESSA MAMA O câncer de mama, dentre as neoplasias malignas, tem ocupado um lugar de destaque, por estar relacionado com os maiores índices de mortalidade no mundo, tornando-se uma das grandes preocupações em saúde pública.(INCA-2011).
  • 17. 17 A opção pela reconstrução mamária tem mostrado uma melhoria na adaptação da imagem corporal, bem como contribuído para restabelecer o equilí- brio psicológico que é perdido no momento do diagnóstico e da perda da mama. A reconstrução da mama é um procedimento cirúrgico, cujas diferentes técnicas permitem ao cirurgião plástico criar uma mama similar em forma, textura e característica da mama extraída, que pode ser realizado no mesmo ato cirúrgico da mastectomia. (INCA-2010). Como benefício psicológico inclui a preservação da imagem corporal, e quando é realizada por equipe especializada, não acrescenta morbidade adicional à mastectomia. A técnica de reconstrução mamária imediata à mastectomia, embora não seja o procedimento de escolha para todas, nos últimos anos tem se mostrado efetiva, pois representa um procedimento seguro, contribuindo dessa forma para um bom resultado psicológico. (INCA- 2013). O papel do INCA Consenso para Controle do Câncer de Mama. Esse que tem sido de total importância no rastreamento.(Instituto Nacional de câncer José Alencar Gomes da Silva-INCA). 9- CONSIDERAÇÕES FINAIS O Câncer de mama tem cura. Previna-se, fique de olho e mate no peito esta doença! E diagnosticando-se cedo, o tratamento é geralmente fácil, sem implicar na retirada total das mamas. Mas se isto for necessário, a reconstrução da cirurgia
  • 18. 18 plástica das mamas, melhora essa estética dessa mulher fornece excelentes resultados. Imaginamos o Brasil na década de 60, 70, 80 muitas mulheres morreram sem ao menos ter uma visita ao ginecologista, que em uma época a mulher era um descaso no Brasil, graças a Deus e as novas leis do SUS, essas diretrizes amparou essa mulher. Muito ainda deve ser feito no atendimento e diagnostico e direito imediato ao mamógrafo e aos demais acessos do tratamento de câncer de mama. A enfermagem tem sido primordial aos cuidados e atenção primaria da paciente tudo com palestras e uma orientação e fazendo valer essa politica de atenção. Referencias - Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2011. 2.
  • 19. 19 - Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Informativo quadrimestral do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Rio de janeiro: INCA; 2012. - Instituto Nacional de Câncer (Brasil). Falando sobre doenças da mama. Rio de Janeiro: INCA; 2013 - Instituto Nacional de Câncer (Brasil). Programa nacional de controle de câncer de mama. Rio de Janeiro: INCA; 2010. - (SERRA VALLE,2010),