SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Mostrar ao público que diarréia e a
desidratação são doenças que podem levar a
morte, que simples cuidados e precauções
podem prevenir os agravos.
Infelizmente a falta de informação e atenção
primária, podem levar essa criança a serias
consequências.
.
As doenças diarreicas podem ter várias
causas, mas quase todas resultam de
infecções intestinais que são transmitidas ao
doente por contaminação dos alimentos e da
água por fezes de outras pessoas.

Ocorre quando a perda de água e eletrólitos nas
fezes é maior do que a normal, resultando no
aumento do volume e da frequência das
evacuações e diminuição da consistência das
fezes.
Diarréia é geralmente definida como a
ocorrência de 3 ou + evacuações amolecidas
ou líquidas em um período de 24h. A
diarréia com sangue, com ou sem muco, é
chamada de disenteria.
 Falta de higiene tanto pessoal como no
ambiente domiciliar e sua proximidade;
 Ingestão de alimentos contaminados: mal
lavados, mal conservados ou lavados ou cozidos
em água contaminada;
 Desmame precoce: pelo risco de a mamadeira
ser mal lavada ou feita com água contaminada;
 Falta de saneamento básico: moradias sem rede
de esgoto, com córregos ou rios contaminados,
próximas a esgotos correndo a céu aberto
 MS-Cad.aten.Básica-2013
INFECCIOSA – a
maioria dos
patógenos (vírus,
bactérias e
parasitas) são
disseminados por
via fecal-oral,
através dos
alimentos e água
contaminada. O
rotavírus é a causa
mais importante de
gastroenterites
grave em crianças
NÃO INFECCIOSA-
Alergias,
deficiências
imunológicas,
intolerâncias
alimentares
 Desidratação
 Distúrbio hidroeletrolítico
 Desnutrição - decorrente da inapetência e
vômitos, mau aproveitamento dos alimentos
e catabolismo aumentado
M.S-Cad.aten.Básica-2013
M.S-Cad.aten.Básica-2013
 AVALIAR A CRIANÇA
>5 anos - tanto quanto o doente
quiser, ate 2 litros por dia
M.S-Cad.aten.Básica-2013
M.S-Cad.aten.Básica-2013
M.S-Cad.aten.Básica-2013
M.S-Cad.aten.Básica-2013
 Para a administração de líquidos por via
intravenosa (IV):
 Dar 100ml/Kg de solução em partes iguais
de soro glicosado a 5% e soro fisiológico a
0,9% para infusão em 2h.
 Ex.: 10Kg
 1000ml total 1ª fase 500ml SF
2ª fase 500ml SG 2h
Fase de expansão rápida
M.S-Cad.aten.Básica-2013
ESTUDO DE CASO
Pedro Henrique Souza da Silva, (Masculino),5meses,
DN:10-05-15.
PC:46cm EST:75cm,Peso:9000kg,Parto normal, Natural de
Belém do Pará ,foi consultado nesta unidade de pronto
atendimento infantil. Mãe dona: Lucia Silva. Reside na rua Sta.
Maria nº123.Bairro:Pratinha área de invasão de cuidados
precários com saneamento básico .Mora numa casa de
alvenaria com cinco cômodos água encanada a rua não é
asfaltada, fossa séptica, coleta de lixo não é feita regulamente.
Mora com seus pais e um irmão de 5 anos. Não existe
animais domésticos na casa.
QP: Febre há (+ - 3) dias acompanhada de evacuações
liquidas. HAD: Mãe relata que o paciente apresenta essa
febre há 3 dias acompanhado de evacuações liquidas e
otalgia e irritabilidade, pois o mesmo não consegue fazer a
sucção pra amamentação, na qual ainda é seu principal
alimento.ao verificar no exame físico, observou-se que havia
a presença de pequenas úlceras rasas na cavidade oral na
gengiva e abaixo da língua do paciente. Observou-se falta de
higiene com a auréola e o bico do seio da mãe da criança.
Sua imunização esta atualizada .Antecedentes pessoais
:Nasceu de parto normal, sem intercorrências, Apgar não
informado. Peso ao nascer: 3335g, EST:48cm PC:33cm,
Desenvolvimento neuropsicomotor adequado para sua
idade.
DIAGNOSTICO PLANEJAMENTO IMPLEMENTAÇÃO AVALIAÇÃO
1-Padrão ineficaz de
alimentação
Caracterizado pela
incapacidade de iniciar
uma sucção eficaz
relacionado pela
hipersensibilidade oral
2-Nutrição
desequilibrada
caracterizado pela
cavidade bucal ferida e
diarreia relacionada com
a capacidade
prejudicada de absorver
o leite materno
1-Elaborar ações de
ingestão do soro
caseiro pra essa
criança
2-Promover o
aleitamento materno
3-Destacar pra mãe
a importância do ato
de amamentar
4-Elaborar plano de
higiene oral do
paciente após a
amamentação e a
limpeza do seio
ofertado no
aleitamento
1-Encaminhar a
criança ao Pediatra
2-Encaminhar a mãe
ao serviço nutricional
3-Encaixar a mãe no
PROAME
1-Melhora do
quadro de
desidratação
2-Melhora ao
aceitar o leite
materno
3-Melhora na
sucção
Fonte: Diagnóstico de Enfermagem, NANDA 2014-2016
Aos primeiros sinais de perca de liquido como a diarréia dessa
criança, deve ser feita a oferta de água e soro caseiro e
imediatamente procurar uma UBS,
Reforçando a importância das políticas públicas de promoção,
proteção e apoio ao aleitamento materno. Pode parece pouco, mais
é muito na hora de salvar uma vida, São ações que primárias que
mudam, todo um quadro de saúde.
http://portalsaude.saude.gov.br/ Acesso em:25-10-2015.
http://www.brasil.gov.br/saude/2012/08/aleitamento-materno
Acesso em: 28-10-15.
Diagnostico de enfermagem da NANDA,2014-2016
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda
espontânea : – Brasília : Ministério da Saúde, 2012. – Cadernos de
Atenção Básica n. 28, Volume II p.51-62
Brasil. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Centro de
Vigilância Epidemiológica, caderno de vigilância epidemiológica,
“Prof. Alexandre Vranjac” – Divisão de Doenças Ocasionadas pelo
Meio Ambiente – São Paulo, 2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAELuana Santos
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoEnayad
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemIvanete Dias
 
Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Luciane Santana
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilAlexandre Donha
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosresenfe2013
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consultablogped1
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeAngelica Reis Angel
 
Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril Brenda Lahlou
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalRodrigo Abreu
 
Processos de Enfermagem na Hemoterapia
Processos de Enfermagem na HemoterapiaProcessos de Enfermagem na Hemoterapia
Processos de Enfermagem na HemoterapiaOdeirOdeirSilva
 
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof grazielaAssistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof grazielaWekanan Moura
 
Coqueluche
Coqueluche  Coqueluche
Coqueluche blogped1
 
Consulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaConsulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaAmanda Thaysa
 

Mais procurados (20)

Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
 
Gastrite
GastriteGastrite
Gastrite
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Sistema gastrointestinal
Sistema gastrointestinalSistema gastrointestinal
Sistema gastrointestinal
 
Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação
 
HIV Aids Caso Clinico
HIV Aids Caso ClinicoHIV Aids Caso Clinico
HIV Aids Caso Clinico
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
 
Resumo de caso clínico
Resumo de caso clínicoResumo de caso clínico
Resumo de caso clínico
 
Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 
Processos de Enfermagem na Hemoterapia
Processos de Enfermagem na HemoterapiaProcessos de Enfermagem na Hemoterapia
Processos de Enfermagem na Hemoterapia
 
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof grazielaAssistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
 
Coqueluche
Coqueluche  Coqueluche
Coqueluche
 
Consulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaConsulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericultura
 

Destaque

Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Marcela Lago
 
Enfermagem dengue, verminose, diarréia e hanseníase
Enfermagem dengue, verminose, diarréia e hanseníaseEnfermagem dengue, verminose, diarréia e hanseníase
Enfermagem dengue, verminose, diarréia e hanseníaseMarcos Otilio
 
Doenças diarreicas aguda
Doenças diarreicas agudaDoenças diarreicas aguda
Doenças diarreicas agudaBrunnaMello
 
Wanda De Aguiar Horta V Final
Wanda De Aguiar Horta V FinalWanda De Aguiar Horta V Final
Wanda De Aguiar Horta V FinalMarcos Moraes
 

Destaque (8)

Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Enfermagem dengue, verminose, diarréia e hanseníase
Enfermagem dengue, verminose, diarréia e hanseníaseEnfermagem dengue, verminose, diarréia e hanseníase
Enfermagem dengue, verminose, diarréia e hanseníase
 
Doenças diarreicas aguda
Doenças diarreicas agudaDoenças diarreicas aguda
Doenças diarreicas aguda
 
Wanda De Aguiar Horta V Final
Wanda De Aguiar Horta V FinalWanda De Aguiar Horta V Final
Wanda De Aguiar Horta V Final
 
Aula (1)
Aula (1)Aula (1)
Aula (1)
 
Wanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar HortaWanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar Horta
 
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagem
 

Semelhante a Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.

Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdfAula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdfGiza Carla Nitz
 
GECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentaçãoGECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentaçãoAnaB253108
 
Nutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptxNutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptxLarissaCampos96
 
Aula de desidratação[1]
Aula de desidratação[1]Aula de desidratação[1]
Aula de desidratação[1]mariacristinasn
 
Manejo do paciente com diarreia.pdf
Manejo do paciente com diarreia.pdfManejo do paciente com diarreia.pdf
Manejo do paciente com diarreia.pdfCelsoSoares25
 
Manejo paciente diarreia
Manejo paciente diarreiaManejo paciente diarreia
Manejo paciente diarreiaGenilson Silva
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxFranciscoFlorencio6
 
Praticas Alternativas I Estudo De Caso
Praticas Alternativas I   Estudo De CasoPraticas Alternativas I   Estudo De Caso
Praticas Alternativas I Estudo De CasoRosangela Filgueiras
 
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularAula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularmilagre moreira
 
Aula 18 - Doenças Metabólicas - Diabetes.pdf
Aula 18 - Doenças Metabólicas - Diabetes.pdfAula 18 - Doenças Metabólicas - Diabetes.pdf
Aula 18 - Doenças Metabólicas - Diabetes.pdfGiza Carla Nitz
 
Uso Do Copinho No Alojamento Canguru
Uso Do Copinho No Alojamento CanguruUso Do Copinho No Alojamento Canguru
Uso Do Copinho No Alojamento CanguruBiblioteca Virtual
 
TEMA: Avaliar epidemiologicamente os Casos de crianças com idades entre os 5-...
TEMA: Avaliar epidemiologicamente os Casos de crianças com idades entre os 5-...TEMA: Avaliar epidemiologicamente os Casos de crianças com idades entre os 5-...
TEMA: Avaliar epidemiologicamente os Casos de crianças com idades entre os 5-...Francisco Fernandes
 
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleLetícia Spina Tapia
 
Manual de orientação nutricional enteral em domicílio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicílio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicílio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicílio - NestleCreche Segura
 
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdfAula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdfDiogoSouza688960
 
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termoFÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termoProf. Marcus Renato de Carvalho
 
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdfCONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdfRAVENA AQUINO
 

Semelhante a Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação. (20)

Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdfAula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
 
GECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentaçãoGECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentação
 
Nutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptxNutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptx
 
Aula de desidratação[1]
Aula de desidratação[1]Aula de desidratação[1]
Aula de desidratação[1]
 
Manejo do paciente com diarreia.pdf
Manejo do paciente com diarreia.pdfManejo do paciente com diarreia.pdf
Manejo do paciente com diarreia.pdf
 
Manejo paciente diarreia
Manejo paciente diarreiaManejo paciente diarreia
Manejo paciente diarreia
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
 
Praticas Alternativas I Estudo De Caso
Praticas Alternativas I   Estudo De CasoPraticas Alternativas I   Estudo De Caso
Praticas Alternativas I Estudo De Caso
 
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularAula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
 
Aula 18 - Doenças Metabólicas - Diabetes.pdf
Aula 18 - Doenças Metabólicas - Diabetes.pdfAula 18 - Doenças Metabólicas - Diabetes.pdf
Aula 18 - Doenças Metabólicas - Diabetes.pdf
 
Uso Do Copinho No Alojamento Canguru
Uso Do Copinho No Alojamento CanguruUso Do Copinho No Alojamento Canguru
Uso Do Copinho No Alojamento Canguru
 
TEMA: Avaliar epidemiologicamente os Casos de crianças com idades entre os 5-...
TEMA: Avaliar epidemiologicamente os Casos de crianças com idades entre os 5-...TEMA: Avaliar epidemiologicamente os Casos de crianças com idades entre os 5-...
TEMA: Avaliar epidemiologicamente os Casos de crianças com idades entre os 5-...
 
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peitoO leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
 
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
 
Manual de orientação nutricional enteral em domicílio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicílio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicílio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicílio - Nestle
 
NUTRIÇÃO DO RECÉM-NASCIDO PRÉ-TERMO
NUTRIÇÃO DO RECÉM-NASCIDO PRÉ-TERMONUTRIÇÃO DO RECÉM-NASCIDO PRÉ-TERMO
NUTRIÇÃO DO RECÉM-NASCIDO PRÉ-TERMO
 
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdfAula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
 
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termoFÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
 
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdfCONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf
 

Mais de Luciane Santana

Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarLuciane Santana
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Luciane Santana
 
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Luciane Santana
 
Iras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaIras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaLuciane Santana
 
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico  Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico Luciane Santana
 
Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Luciane Santana
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Luciane Santana
 
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMLuciane Santana
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemLuciane Santana
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e materialLuciane Santana
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Luciane Santana
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemLuciane Santana
 
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.Luciane Santana
 

Mais de Luciane Santana (20)

ISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das FábulasISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das Fábulas
 
Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalar
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
 
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
 
Iras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaIras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria aguda
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico  Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
 
Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje
 
Planejamento familíar
Planejamento familíarPlanejamento familíar
Planejamento familíar
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen)
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
 
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
 

Último

QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 

Último (20)

QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 

Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.

  • 1.
  • 2.
  • 3. Mostrar ao público que diarréia e a desidratação são doenças que podem levar a morte, que simples cuidados e precauções podem prevenir os agravos. Infelizmente a falta de informação e atenção primária, podem levar essa criança a serias consequências. .
  • 4. As doenças diarreicas podem ter várias causas, mas quase todas resultam de infecções intestinais que são transmitidas ao doente por contaminação dos alimentos e da água por fezes de outras pessoas.
  • 5.  Ocorre quando a perda de água e eletrólitos nas fezes é maior do que a normal, resultando no aumento do volume e da frequência das evacuações e diminuição da consistência das fezes. Diarréia é geralmente definida como a ocorrência de 3 ou + evacuações amolecidas ou líquidas em um período de 24h. A diarréia com sangue, com ou sem muco, é chamada de disenteria.
  • 6.  Falta de higiene tanto pessoal como no ambiente domiciliar e sua proximidade;  Ingestão de alimentos contaminados: mal lavados, mal conservados ou lavados ou cozidos em água contaminada;  Desmame precoce: pelo risco de a mamadeira ser mal lavada ou feita com água contaminada;  Falta de saneamento básico: moradias sem rede de esgoto, com córregos ou rios contaminados, próximas a esgotos correndo a céu aberto  MS-Cad.aten.Básica-2013
  • 7. INFECCIOSA – a maioria dos patógenos (vírus, bactérias e parasitas) são disseminados por via fecal-oral, através dos alimentos e água contaminada. O rotavírus é a causa mais importante de gastroenterites grave em crianças NÃO INFECCIOSA- Alergias, deficiências imunológicas, intolerâncias alimentares
  • 8.  Desidratação  Distúrbio hidroeletrolítico  Desnutrição - decorrente da inapetência e vômitos, mau aproveitamento dos alimentos e catabolismo aumentado
  • 11.  AVALIAR A CRIANÇA
  • 12. >5 anos - tanto quanto o doente quiser, ate 2 litros por dia M.S-Cad.aten.Básica-2013
  • 16.  Para a administração de líquidos por via intravenosa (IV):  Dar 100ml/Kg de solução em partes iguais de soro glicosado a 5% e soro fisiológico a 0,9% para infusão em 2h.  Ex.: 10Kg  1000ml total 1ª fase 500ml SF 2ª fase 500ml SG 2h Fase de expansão rápida M.S-Cad.aten.Básica-2013
  • 17. ESTUDO DE CASO Pedro Henrique Souza da Silva, (Masculino),5meses, DN:10-05-15. PC:46cm EST:75cm,Peso:9000kg,Parto normal, Natural de Belém do Pará ,foi consultado nesta unidade de pronto atendimento infantil. Mãe dona: Lucia Silva. Reside na rua Sta. Maria nº123.Bairro:Pratinha área de invasão de cuidados precários com saneamento básico .Mora numa casa de alvenaria com cinco cômodos água encanada a rua não é asfaltada, fossa séptica, coleta de lixo não é feita regulamente. Mora com seus pais e um irmão de 5 anos. Não existe animais domésticos na casa.
  • 18. QP: Febre há (+ - 3) dias acompanhada de evacuações liquidas. HAD: Mãe relata que o paciente apresenta essa febre há 3 dias acompanhado de evacuações liquidas e otalgia e irritabilidade, pois o mesmo não consegue fazer a sucção pra amamentação, na qual ainda é seu principal alimento.ao verificar no exame físico, observou-se que havia a presença de pequenas úlceras rasas na cavidade oral na gengiva e abaixo da língua do paciente. Observou-se falta de higiene com a auréola e o bico do seio da mãe da criança. Sua imunização esta atualizada .Antecedentes pessoais :Nasceu de parto normal, sem intercorrências, Apgar não informado. Peso ao nascer: 3335g, EST:48cm PC:33cm, Desenvolvimento neuropsicomotor adequado para sua idade.
  • 19. DIAGNOSTICO PLANEJAMENTO IMPLEMENTAÇÃO AVALIAÇÃO 1-Padrão ineficaz de alimentação Caracterizado pela incapacidade de iniciar uma sucção eficaz relacionado pela hipersensibilidade oral 2-Nutrição desequilibrada caracterizado pela cavidade bucal ferida e diarreia relacionada com a capacidade prejudicada de absorver o leite materno 1-Elaborar ações de ingestão do soro caseiro pra essa criança 2-Promover o aleitamento materno 3-Destacar pra mãe a importância do ato de amamentar 4-Elaborar plano de higiene oral do paciente após a amamentação e a limpeza do seio ofertado no aleitamento 1-Encaminhar a criança ao Pediatra 2-Encaminhar a mãe ao serviço nutricional 3-Encaixar a mãe no PROAME 1-Melhora do quadro de desidratação 2-Melhora ao aceitar o leite materno 3-Melhora na sucção Fonte: Diagnóstico de Enfermagem, NANDA 2014-2016
  • 20. Aos primeiros sinais de perca de liquido como a diarréia dessa criança, deve ser feita a oferta de água e soro caseiro e imediatamente procurar uma UBS, Reforçando a importância das políticas públicas de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno. Pode parece pouco, mais é muito na hora de salvar uma vida, São ações que primárias que mudam, todo um quadro de saúde.
  • 21.
  • 22. http://portalsaude.saude.gov.br/ Acesso em:25-10-2015. http://www.brasil.gov.br/saude/2012/08/aleitamento-materno Acesso em: 28-10-15. Diagnostico de enfermagem da NANDA,2014-2016 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea : – Brasília : Ministério da Saúde, 2012. – Cadernos de Atenção Básica n. 28, Volume II p.51-62 Brasil. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Centro de Vigilância Epidemiológica, caderno de vigilância epidemiológica, “Prof. Alexandre Vranjac” – Divisão de Doenças Ocasionadas pelo Meio Ambiente – São Paulo, 2013.