SlideShare uma empresa Scribd logo
BIOSSEGURANÇA
• Conceitos de saúde, doença e profilaxia
• Obrigações legais do empregador e do
empregado quanto à saúde e higiene do trabalho.
Dr.Jefferson De Oliveira
SAÚDE
• A definição de saúde possui implicações
legais, sociais e econômicas dos estados de
saúde e doença; sem dúvida, a definição
mais difundida é a encontrada no
preâmbulo da Constituição da
Organização Mundial da Saúde: saúde é
um estado de completo bem-estar físico,
mental e social, e não apenas a ausência
de doenças.
DOENÇA
• Doença (do latim dolentia, padecimento)
designa em medicina e outras ciências da
saúde um distúrbio das funções de um órgão,
da psiqué ou do organismo como um todo que
está associado a sintomas específicos. Pode ser
causada por fatores externos, como outros
organismos (infecção), ou por desfunções ou
malfunções internas, como as doenças
autoimunes. A patologia é a ciência que
estuda as doenças e procura entendê-las.
DOENÇA
DOENÇA CAUSADOR
AIDS Vírus
Antrax Bactéria
Botulismo Bactéria
Brucelose Bactéria
Cancro das hastes Fungo
Cinomose Vírus
Febre aftosa Vírus
Ferrugem do café Fungo
Gonorréia Bactéria
Gripe Vírus
Hepatite Vírus
Herpes Zoster Vírus
Leptospirose Bactéria
Micoses Fungos
Podridão do colmo Fungo
Raiva Vírus
Tétano Bactéria
Tuberculose Bactéria
Varíola Vírus
"Vassoura de bruxa" Fungo
DOENÇA
Doença Via Período de incubação Sobrevivência`a
temperatura ambiente
M.Tuberculosis saliva
escarro
até 6 meses meses
M.Aureus saliva
Exsudatos , pele
de 4 a 5 dias dias
Vírus de vias aéras
superiores
saliva
secreções
até uma semana horas
Hepatite B saliva
Sangue, sêmen
até 6 meses meses
Hepatite A saliva
Sangue , sêmen
de 2 a 6 semanas dias
HIV sangue
sêmen , secreções
até 10 dias dias
PROFILAXIA
• Na área da saúde, do grego prophýlaxis
(cautela), é a aplicação de meios tendentes a
evitar a propagação de doenças.
• Uma doença tem um ou mais agentes
causadores. Estes necessitam de alguma
maneira interagir com o organismo para gerar a
doença. Toda e qualquer medida que procure
impedir esta interação pode ser chamada de
medida profilática.
PROFILAXIA
• Barreiras Primarias; EPI
• Barreiras Secundárias
• Laboratório Básico
• NB1 e NB2: Risco biologico das Classes 1 e 2
• Laboratório de Contenção
• NB3: Risco Biologico de classe 3
• Laboratório de Contenção Máxima
• NB4: Risco Biologico de classe 4
PROFILAXIA
• Micoorganismos
• Classe 1: Aqueles que não demonstra
capacidade comprovada de causar
doenças no homem.
• Classe 2:
E.Coli; Helicobacter Pylori; Klebsiela;
Streptococcus pyogenes; Staphylococcus
aureus; Yersenia spp; Herpes virus; Epsteins-barr;
Virus Hazara
PROFILAXIA
• Micoorganismos
• Classe 3:
HIV; Clostridium Botulinium; Histoplasma
capsulatum; Bacillus Anthracis; Mycobacterium
tuberculosis.
• Classe 4:
Vírus Ebola; Vírus Marburg; Vírus de Encefalite
Europeia; Vírus Lassa; Vírus da Encefalite
Primavera-verão Russa
PROFILAXIA
• Normas Gerais de Biossegurança
• Prender cabelos longos; proteger barba;
• Evitar o uso de calçados abertos;
• Manter unhas cortadas;
• Evitar usar joias ou adereços;
• Lavas as mãos;
• Não comer e beber em ambiente laboratorial;
• Não Fumar, aplicar cosméticos nem pentear os
cabelos em ambiente laboratorial;
Não é permitido na área laboratorial;
Crianças, ventiladores, rádio, plantas, animais.
MAPA DE RISCO
TIPO DE RISCO Químico Físico Biológico Ergonômico Mecânico
COR Vermelho Verde Marrom Amarelo Azul
Agentes
Causadores
Fumos metálicos
e vapores
Ruído e ou som
muito alto
Microorganismos
(Vírus, bactérias,
protozoários)
Má postura do corpo
em relação ao posto
de trabalho
Equipamentos
inadequados,
defeituosos ou
inexistentes
Gases asfixiantes
H, He, N eCO2
Oscilações e
vibrações mecânicas
Lixo hospitalar, doméstico
e de animais
Trabalho estafante
e ou excessivo
Máquinas e
equipamento
sem Proteção e ou
manutenção
Pinturas e
névoas em geral
Ar rarefeito
e ou vácuo
Esgoto, sujeira,
dejetos
Falta de Orientação
e treinamento
Risco de queda de nível,
lesões por impacto de
objetos
Solventes
(em especial os voláteis)
Pressões elevadas Objetos contaminados
Jornada dupla e ou
trabalho sem pausas
Mau planejamento
do lay-out e ou
do espaço físico
Ácidos, bases,
sais, álcoois, éters, etc
Frio e ou calor
Contágio pelo ar
e ou insetos
Movimentos repetitivos
Cargas e transportes
em geral
Reações químicas Radiação
Picadas de animais (cães,
insetos, repteis, roedores,
aracnídeos, etc)
Equipamentos
inadequadoe e
não ergonômicos
Risco de fogo,
detonação de
explosivos,
quedas de objetos
Ingestão de produtos durante
pipetagem
Aerodispersóides
no ambiente
(poeiras de vegetais e
minerais)
Alergias, intoxicações e
quiemaduras causadas
por vegetais
Fatores psicologicos
(não gosta do trabalho,
pressão do chefe, etc)
Risco de choque
elétrico
(correte contínua e
alternada)
RESPONSABILIDADES
• EMPREGADOR
• Apoiar os programas de segurança;
• Fornecer recursos adequados;
• Proporcionar um ambiente de trabalho seguro;
• Higienização das vestimentas;
• Garantir a conservação e higiene dos materiais;
• Assegurar capacitação dos trabalhadores;
• Fornecer linguaje escrita acessível ao trabalhador;
• Supervisão, fiscalização e cobrança.
RESPONSABILIDADES
• EMPREGADO
• Seguir os padrões, regras, regulamentos e
normas de saúde e segurança
ocupacional;
• Usar os EPIs e EPCs quando necessário;
• Relatar todos os acidentes/Incidentes e
doenças relacionados aos seus
supervisores.
RESPONSABILIDADES
• TODOS DEVEM SABER
• Procedimentos em caso de emergência;
• Localização dos equipamentos de
emergência
• Como usar os equipamentos de
emergência;
• Nomes e telefones das pessoas
responsáveis.
NIVEL DE SEGURANÇA
PROCEDIMENTOS PADRÃO DE LABORATORIO
PROCEDIMENTO LABORATÓRIO NB-1
• Acesso mediante autorização.
• Proibido crianças e animais.
• Áreas de circulação livre.
• Na posta deve estar anexado o símbolo internacional de risco
biológico.
• Identificação e número de telefone do profissional responsável.
• Os procedimentos técnicos ou administrativos, devem estar
descritos e de fácil acesso e do conhecimento dos técnicos
envolvidos.
• Lavas as mãos antes e depois de manipular agentes biologicos.
• Proibidas atividades de comer, beber, fumar, e aplicar cosméticos
(maquiagem, cremes) nas áreas de trabalho do laboratório.
PROCEDIMENTO LABORATÓRIO NB-1
• Recomenda-se a não utilização de cosméticos e adereços.
• É proibido levar qualquer objeto à boca no laboratório.
• No descarte, as agulhas usadas não devem ser dobradas,
quebradas, reutilizadas, recapeadas, removidas das seringas
ou manipuladas antes de desprezadas.
• A bancada de trabalho devem ser descontaminada ao final
de cada turno de trabalho e sempre que ocorrer
derramamento de agente biológica.
• Todos os resíduos devem ser descartados segundo as normas
vigentes e em cumprimento ao plano de gerenciamento de
resíduos da instituição.
PROCEDIMENTO LABORATÓRIO NB-3
• Trabalho com agentes biológicos da classe de risco 3.
• Laboratório NB 3 deve ser registrado junto a autoridades sanitárias
nacionais.
• Intensificação das praticas de segurança estabelecidas para o NB-2.
CBS classe ll ou lll.
• Jamais uma pessoa deve trabalhar sozinha dentro do laboratório de
NB-3.
• Exames medico periódicos são de caráter obrigatório.
• Todos os residuos devem ser obrigatoriamente esterilirizados antes de
descartados e/ou removidos do laboratório.
• O piso deve ser revestido de materiais contínuos e impermeáveis.
PROCEDIMENTO LABORATÓRIO NB-4
• Trabalho envolvendo agentes biológicos nível 4 com
potencial patogênico desconhecido. Para esses agentes
não há, nenhuma vacina ou terapia disponível.
• Utilização de roupa com pressão positiva ventiladas por
sistema de suporte à vida.
• Deve haver um registro de entrada e saída de pessoal, com
data, horário e assinaturas.
• Sistema de comunicação interno de imagem e/ou outro
dispositivo de comunicação de emergencia entre as áreas
de contenção e as áreas de suporte do laboratório e de
apoio técnico da edificação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
clinicansl
 
Normas biosseguranca
Normas biossegurancaNormas biosseguranca
Normas biosseguranca
diogoina
 
Avaliação de biossegurança
Avaliação de biossegurançaAvaliação de biossegurança
Avaliação de biossegurança
Marcos Randall
 
7 biossegurança laboratorial
7 biossegurança laboratorial7 biossegurança laboratorial
7 biossegurança laboratorial
William Dutra
 
NR-32
NR-32NR-32
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
SMS - Petrópolis
 
05. niveis de biosseguranca
05. niveis de biosseguranca05. niveis de biosseguranca
05. niveis de biosseguranca
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Princípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfPrincípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdf
Rherysonn Pantoja
 
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de  microbiologia Prof. Gilberto de JesusAula de  microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Tiago da Silva
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
sergio oliveira
 
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Bárbara Ostrosky de Oliveira
 
Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1
clinicansl
 
Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção
dapab
 
Biosseguranca
Biosseguranca  Biosseguranca
Biosseguranca
UERGS
 
Microbiologia parte 1
Microbiologia parte 1Microbiologia parte 1
Microbiologia parte 1
Elisângela Bispo
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Sheilla Sandes
 
Biossegurança 2
Biossegurança 2Biossegurança 2
Biossegurança 2
drjeffersontst
 
Material Biologico
Material BiologicoMaterial Biologico
Material Biologico
nutecs
 
Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança
Juliermeson Morais
 

Mais procurados (20)

Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Normas biosseguranca
Normas biossegurancaNormas biosseguranca
Normas biosseguranca
 
Avaliação de biossegurança
Avaliação de biossegurançaAvaliação de biossegurança
Avaliação de biossegurança
 
7 biossegurança laboratorial
7 biossegurança laboratorial7 biossegurança laboratorial
7 biossegurança laboratorial
 
NR-32
NR-32NR-32
NR-32
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
05. niveis de biosseguranca
05. niveis de biosseguranca05. niveis de biosseguranca
05. niveis de biosseguranca
 
Princípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfPrincípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdf
 
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de  microbiologia Prof. Gilberto de JesusAula de  microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
 
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
 
Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1
 
Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção
 
Biosseguranca
Biosseguranca  Biosseguranca
Biosseguranca
 
Microbiologia parte 1
Microbiologia parte 1Microbiologia parte 1
Microbiologia parte 1
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Biossegurança 2
Biossegurança 2Biossegurança 2
Biossegurança 2
 
Material Biologico
Material BiologicoMaterial Biologico
Material Biologico
 
Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança
 

Destaque

Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
Gabriela Montargil
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
drjeffersontst
 
Laboratório de biossegurança nb 3
Laboratório de biossegurança nb 3Laboratório de biossegurança nb 3
Laboratório de biossegurança nb 3
Wanderley Teixeira
 
biossegurança níveis riscos
biossegurança níveis riscosbiossegurança níveis riscos
biossegurança níveis riscos
Adila Trubat
 
Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
Soraya Lima
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
Juliana Maciel
 
Higiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia iiHigiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia ii
Adriana Silva
 
44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao
UPA Fortaleza
 
Biossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeBiossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúde
Wheverton Teixeira
 
Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]
Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]
Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]
Flavia Oliveira
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
TVJur.com
 
Biossegurança 3
Biossegurança 3Biossegurança 3
Biossegurança 3
drjeffersontst
 
Higiene e profilaxia – técnica de lavagem das
Higiene e profilaxia – técnica de lavagem dasHigiene e profilaxia – técnica de lavagem das
Higiene e profilaxia – técnica de lavagem das
Raquel Waack
 
Biosegurança em imobilização ortopédica
Biosegurança em imobilização ortopédicaBiosegurança em imobilização ortopédica
Biosegurança em imobilização ortopédica
foconavida
 
Biossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeBiossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúde
Rômulo Augusto
 
Trabalho aps o mapa de risco (1) (1)
Trabalho aps   o mapa de risco (1) (1)Trabalho aps   o mapa de risco (1) (1)
Trabalho aps o mapa de risco (1) (1)
Cris Máximo
 
44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao
evandroFREITAS
 
Riscos biológicos
Riscos biológicosRiscos biológicos
Riscos biológicos
Filipa Andrade
 

Destaque (20)

Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
 
Laboratório de biossegurança nb 3
Laboratório de biossegurança nb 3Laboratório de biossegurança nb 3
Laboratório de biossegurança nb 3
 
biossegurança níveis riscos
biossegurança níveis riscosbiossegurança níveis riscos
biossegurança níveis riscos
 
Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 
Higiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia iiHigiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia ii
 
44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao
 
Biossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeBiossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúde
 
Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]
Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]
Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Biossegurança 3
Biossegurança 3Biossegurança 3
Biossegurança 3
 
Higiene e profilaxia – técnica de lavagem das
Higiene e profilaxia – técnica de lavagem dasHigiene e profilaxia – técnica de lavagem das
Higiene e profilaxia – técnica de lavagem das
 
Biosegurança em imobilização ortopédica
Biosegurança em imobilização ortopédicaBiosegurança em imobilização ortopédica
Biosegurança em imobilização ortopédica
 
Biossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeBiossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúde
 
Trabalho aps o mapa de risco (1) (1)
Trabalho aps   o mapa de risco (1) (1)Trabalho aps   o mapa de risco (1) (1)
Trabalho aps o mapa de risco (1) (1)
 
44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao
 
Riscos biológicos
Riscos biológicosRiscos biológicos
Riscos biológicos
 

Semelhante a Biossegurança 4

Aula 1_Biosseg_2020_Nelma.pptx
Aula 1_Biosseg_2020_Nelma.pptxAula 1_Biosseg_2020_Nelma.pptx
Aula 1_Biosseg_2020_Nelma.pptx
GuilhermeVieiraBotel
 
biossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptxbiossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptx
MarcoReisBrugnerotto
 
7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx
7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx
7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx
MarcoReisBrugnerotto
 
biossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptxbiossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptx
ssuser2b53fe
 
Riscos biologicos agentes_biologicos_2013
Riscos biologicos agentes_biologicos_2013Riscos biologicos agentes_biologicos_2013
Riscos biologicos agentes_biologicos_2013
pamcolbano
 
Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02
Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02
Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02
Jordane Xisto
 
Clinicas de analise
Clinicas de analiseClinicas de analise
Clinicas de analise
Tuany Caldas
 
Biossegurança e riscos ocupacionais
Biossegurança e riscos ocupacionais Biossegurança e riscos ocupacionais
Biossegurança e riscos ocupacionais
Thiago Morəno
 
Gerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduosGerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduos
Julia Martins Ulhoa
 
Laura_Sichero_2014.pdf
Laura_Sichero_2014.pdfLaura_Sichero_2014.pdf
Laura_Sichero_2014.pdf
JonasRodriguesdeLima
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
sofiatech
 
biosse aula 7.pdf
biosse aula 7.pdfbiosse aula 7.pdf
biosse aula 7.pdf
FABIANOVALE5
 
Introdução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptx
Introdução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptxIntrodução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptx
Introdução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptx
MikaelleNunes2
 
Cartilha laboratorio55 atualizada 28 11 2016 (1)
Cartilha laboratorio55  atualizada 28 11 2016 (1)Cartilha laboratorio55  atualizada 28 11 2016 (1)
Cartilha laboratorio55 atualizada 28 11 2016 (1)
Rbtconseg Tst
 
Segurança do Trabalho nas Diferentes Áreas da Engenharia
Segurança do Trabalho nas Diferentes Áreas da EngenhariaSegurança do Trabalho nas Diferentes Áreas da Engenharia
Segurança do Trabalho nas Diferentes Áreas da Engenharia
Fernando S. S. Barbosa
 
biossegurança.pdf
biossegurança.pdfbiossegurança.pdf
biossegurança.pdf
KeniaSilvaCosta
 
Aula de biossegurança
Aula de biossegurançaAula de biossegurança
Aula de biossegurança
Bianca Melo
 
Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 2018
Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 2018Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 2018
Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 2018
Flávio Rocha
 
Apostila pratica farm-odonto
Apostila pratica farm-odontoApostila pratica farm-odonto
Apostila pratica farm-odonto
Fernanda Luiza
 
Apostila pratica farm-odonto
Apostila pratica farm-odontoApostila pratica farm-odonto
Apostila pratica farm-odonto
Lucas Stolfo Maculan
 

Semelhante a Biossegurança 4 (20)

Aula 1_Biosseg_2020_Nelma.pptx
Aula 1_Biosseg_2020_Nelma.pptxAula 1_Biosseg_2020_Nelma.pptx
Aula 1_Biosseg_2020_Nelma.pptx
 
biossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptxbiossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptx
 
7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx
7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx
7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx
 
biossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptxbiossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptx
 
Riscos biologicos agentes_biologicos_2013
Riscos biologicos agentes_biologicos_2013Riscos biologicos agentes_biologicos_2013
Riscos biologicos agentes_biologicos_2013
 
Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02
Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02
Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02
 
Clinicas de analise
Clinicas de analiseClinicas de analise
Clinicas de analise
 
Biossegurança e riscos ocupacionais
Biossegurança e riscos ocupacionais Biossegurança e riscos ocupacionais
Biossegurança e riscos ocupacionais
 
Gerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduosGerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduos
 
Laura_Sichero_2014.pdf
Laura_Sichero_2014.pdfLaura_Sichero_2014.pdf
Laura_Sichero_2014.pdf
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
 
biosse aula 7.pdf
biosse aula 7.pdfbiosse aula 7.pdf
biosse aula 7.pdf
 
Introdução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptx
Introdução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptxIntrodução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptx
Introdução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptx
 
Cartilha laboratorio55 atualizada 28 11 2016 (1)
Cartilha laboratorio55  atualizada 28 11 2016 (1)Cartilha laboratorio55  atualizada 28 11 2016 (1)
Cartilha laboratorio55 atualizada 28 11 2016 (1)
 
Segurança do Trabalho nas Diferentes Áreas da Engenharia
Segurança do Trabalho nas Diferentes Áreas da EngenhariaSegurança do Trabalho nas Diferentes Áreas da Engenharia
Segurança do Trabalho nas Diferentes Áreas da Engenharia
 
biossegurança.pdf
biossegurança.pdfbiossegurança.pdf
biossegurança.pdf
 
Aula de biossegurança
Aula de biossegurançaAula de biossegurança
Aula de biossegurança
 
Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 2018
Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 2018Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 2018
Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 2018
 
Apostila pratica farm-odonto
Apostila pratica farm-odontoApostila pratica farm-odonto
Apostila pratica farm-odonto
 
Apostila pratica farm-odonto
Apostila pratica farm-odontoApostila pratica farm-odonto
Apostila pratica farm-odonto
 

Mais de drjeffersontst

Apostila dst eps dr.jefferson oliveira
Apostila dst eps dr.jefferson oliveiraApostila dst eps dr.jefferson oliveira
Apostila dst eps dr.jefferson oliveira
drjeffersontst
 
5 aula eps
5 aula eps5 aula eps
5 aula eps
drjeffersontst
 
4 aula eps
4 aula eps4 aula eps
4 aula eps
drjeffersontst
 
3 aula eps
3 aula eps3 aula eps
3 aula eps
drjeffersontst
 
1 aula eps
1 aula eps1 aula eps
1 aula eps
drjeffersontst
 
2 aula eps
2 aula eps2 aula eps
2 aula eps
drjeffersontst
 
Apostila biosseguranca
Apostila biossegurancaApostila biosseguranca
Apostila biosseguranca
drjeffersontst
 

Mais de drjeffersontst (7)

Apostila dst eps dr.jefferson oliveira
Apostila dst eps dr.jefferson oliveiraApostila dst eps dr.jefferson oliveira
Apostila dst eps dr.jefferson oliveira
 
5 aula eps
5 aula eps5 aula eps
5 aula eps
 
4 aula eps
4 aula eps4 aula eps
4 aula eps
 
3 aula eps
3 aula eps3 aula eps
3 aula eps
 
1 aula eps
1 aula eps1 aula eps
1 aula eps
 
2 aula eps
2 aula eps2 aula eps
2 aula eps
 
Apostila biosseguranca
Apostila biossegurancaApostila biosseguranca
Apostila biosseguranca
 

Último

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 

Último (20)

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 

Biossegurança 4

  • 1. BIOSSEGURANÇA • Conceitos de saúde, doença e profilaxia • Obrigações legais do empregador e do empregado quanto à saúde e higiene do trabalho.
  • 3. SAÚDE • A definição de saúde possui implicações legais, sociais e econômicas dos estados de saúde e doença; sem dúvida, a definição mais difundida é a encontrada no preâmbulo da Constituição da Organização Mundial da Saúde: saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doenças.
  • 4. DOENÇA • Doença (do latim dolentia, padecimento) designa em medicina e outras ciências da saúde um distúrbio das funções de um órgão, da psiqué ou do organismo como um todo que está associado a sintomas específicos. Pode ser causada por fatores externos, como outros organismos (infecção), ou por desfunções ou malfunções internas, como as doenças autoimunes. A patologia é a ciência que estuda as doenças e procura entendê-las.
  • 5. DOENÇA DOENÇA CAUSADOR AIDS Vírus Antrax Bactéria Botulismo Bactéria Brucelose Bactéria Cancro das hastes Fungo Cinomose Vírus Febre aftosa Vírus Ferrugem do café Fungo Gonorréia Bactéria Gripe Vírus Hepatite Vírus Herpes Zoster Vírus Leptospirose Bactéria Micoses Fungos Podridão do colmo Fungo Raiva Vírus Tétano Bactéria Tuberculose Bactéria Varíola Vírus "Vassoura de bruxa" Fungo
  • 6. DOENÇA Doença Via Período de incubação Sobrevivência`a temperatura ambiente M.Tuberculosis saliva escarro até 6 meses meses M.Aureus saliva Exsudatos , pele de 4 a 5 dias dias Vírus de vias aéras superiores saliva secreções até uma semana horas Hepatite B saliva Sangue, sêmen até 6 meses meses Hepatite A saliva Sangue , sêmen de 2 a 6 semanas dias HIV sangue sêmen , secreções até 10 dias dias
  • 7. PROFILAXIA • Na área da saúde, do grego prophýlaxis (cautela), é a aplicação de meios tendentes a evitar a propagação de doenças. • Uma doença tem um ou mais agentes causadores. Estes necessitam de alguma maneira interagir com o organismo para gerar a doença. Toda e qualquer medida que procure impedir esta interação pode ser chamada de medida profilática.
  • 8. PROFILAXIA • Barreiras Primarias; EPI • Barreiras Secundárias • Laboratório Básico • NB1 e NB2: Risco biologico das Classes 1 e 2 • Laboratório de Contenção • NB3: Risco Biologico de classe 3 • Laboratório de Contenção Máxima • NB4: Risco Biologico de classe 4
  • 9. PROFILAXIA • Micoorganismos • Classe 1: Aqueles que não demonstra capacidade comprovada de causar doenças no homem. • Classe 2: E.Coli; Helicobacter Pylori; Klebsiela; Streptococcus pyogenes; Staphylococcus aureus; Yersenia spp; Herpes virus; Epsteins-barr; Virus Hazara
  • 10. PROFILAXIA • Micoorganismos • Classe 3: HIV; Clostridium Botulinium; Histoplasma capsulatum; Bacillus Anthracis; Mycobacterium tuberculosis. • Classe 4: Vírus Ebola; Vírus Marburg; Vírus de Encefalite Europeia; Vírus Lassa; Vírus da Encefalite Primavera-verão Russa
  • 11. PROFILAXIA • Normas Gerais de Biossegurança • Prender cabelos longos; proteger barba; • Evitar o uso de calçados abertos; • Manter unhas cortadas; • Evitar usar joias ou adereços; • Lavas as mãos; • Não comer e beber em ambiente laboratorial; • Não Fumar, aplicar cosméticos nem pentear os cabelos em ambiente laboratorial; Não é permitido na área laboratorial; Crianças, ventiladores, rádio, plantas, animais.
  • 12. MAPA DE RISCO TIPO DE RISCO Químico Físico Biológico Ergonômico Mecânico COR Vermelho Verde Marrom Amarelo Azul Agentes Causadores Fumos metálicos e vapores Ruído e ou som muito alto Microorganismos (Vírus, bactérias, protozoários) Má postura do corpo em relação ao posto de trabalho Equipamentos inadequados, defeituosos ou inexistentes Gases asfixiantes H, He, N eCO2 Oscilações e vibrações mecânicas Lixo hospitalar, doméstico e de animais Trabalho estafante e ou excessivo Máquinas e equipamento sem Proteção e ou manutenção Pinturas e névoas em geral Ar rarefeito e ou vácuo Esgoto, sujeira, dejetos Falta de Orientação e treinamento Risco de queda de nível, lesões por impacto de objetos Solventes (em especial os voláteis) Pressões elevadas Objetos contaminados Jornada dupla e ou trabalho sem pausas Mau planejamento do lay-out e ou do espaço físico Ácidos, bases, sais, álcoois, éters, etc Frio e ou calor Contágio pelo ar e ou insetos Movimentos repetitivos Cargas e transportes em geral Reações químicas Radiação Picadas de animais (cães, insetos, repteis, roedores, aracnídeos, etc) Equipamentos inadequadoe e não ergonômicos Risco de fogo, detonação de explosivos, quedas de objetos Ingestão de produtos durante pipetagem Aerodispersóides no ambiente (poeiras de vegetais e minerais) Alergias, intoxicações e quiemaduras causadas por vegetais Fatores psicologicos (não gosta do trabalho, pressão do chefe, etc) Risco de choque elétrico (correte contínua e alternada)
  • 13. RESPONSABILIDADES • EMPREGADOR • Apoiar os programas de segurança; • Fornecer recursos adequados; • Proporcionar um ambiente de trabalho seguro; • Higienização das vestimentas; • Garantir a conservação e higiene dos materiais; • Assegurar capacitação dos trabalhadores; • Fornecer linguaje escrita acessível ao trabalhador; • Supervisão, fiscalização e cobrança.
  • 14. RESPONSABILIDADES • EMPREGADO • Seguir os padrões, regras, regulamentos e normas de saúde e segurança ocupacional; • Usar os EPIs e EPCs quando necessário; • Relatar todos os acidentes/Incidentes e doenças relacionados aos seus supervisores.
  • 15. RESPONSABILIDADES • TODOS DEVEM SABER • Procedimentos em caso de emergência; • Localização dos equipamentos de emergência • Como usar os equipamentos de emergência; • Nomes e telefones das pessoas responsáveis.
  • 16. NIVEL DE SEGURANÇA PROCEDIMENTOS PADRÃO DE LABORATORIO
  • 17. PROCEDIMENTO LABORATÓRIO NB-1 • Acesso mediante autorização. • Proibido crianças e animais. • Áreas de circulação livre. • Na posta deve estar anexado o símbolo internacional de risco biológico. • Identificação e número de telefone do profissional responsável. • Os procedimentos técnicos ou administrativos, devem estar descritos e de fácil acesso e do conhecimento dos técnicos envolvidos. • Lavas as mãos antes e depois de manipular agentes biologicos. • Proibidas atividades de comer, beber, fumar, e aplicar cosméticos (maquiagem, cremes) nas áreas de trabalho do laboratório.
  • 18. PROCEDIMENTO LABORATÓRIO NB-1 • Recomenda-se a não utilização de cosméticos e adereços. • É proibido levar qualquer objeto à boca no laboratório. • No descarte, as agulhas usadas não devem ser dobradas, quebradas, reutilizadas, recapeadas, removidas das seringas ou manipuladas antes de desprezadas. • A bancada de trabalho devem ser descontaminada ao final de cada turno de trabalho e sempre que ocorrer derramamento de agente biológica. • Todos os resíduos devem ser descartados segundo as normas vigentes e em cumprimento ao plano de gerenciamento de resíduos da instituição.
  • 19. PROCEDIMENTO LABORATÓRIO NB-3 • Trabalho com agentes biológicos da classe de risco 3. • Laboratório NB 3 deve ser registrado junto a autoridades sanitárias nacionais. • Intensificação das praticas de segurança estabelecidas para o NB-2. CBS classe ll ou lll. • Jamais uma pessoa deve trabalhar sozinha dentro do laboratório de NB-3. • Exames medico periódicos são de caráter obrigatório. • Todos os residuos devem ser obrigatoriamente esterilirizados antes de descartados e/ou removidos do laboratório. • O piso deve ser revestido de materiais contínuos e impermeáveis.
  • 20. PROCEDIMENTO LABORATÓRIO NB-4 • Trabalho envolvendo agentes biológicos nível 4 com potencial patogênico desconhecido. Para esses agentes não há, nenhuma vacina ou terapia disponível. • Utilização de roupa com pressão positiva ventiladas por sistema de suporte à vida. • Deve haver um registro de entrada e saída de pessoal, com data, horário e assinaturas. • Sistema de comunicação interno de imagem e/ou outro dispositivo de comunicação de emergencia entre as áreas de contenção e as áreas de suporte do laboratório e de apoio técnico da edificação.