SlideShare uma empresa Scribd logo
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
O que é biossegurança?
É um conjunto de ações voltadas para
preservação, minimização ou eliminação de
riscos.
Tipos de riscos:
• Físico
• Químico
• Biológicos
• Acidentes
Risco 1
O risco individual e para a comunidade e baixa,são agentes biológicos, que
tem a probabilidade nula ou baixa de provocar infecções no homem ou em
animal sadio.
Risco 2
O risco individual é moderado, aplica-se a agentes biológicos que provocam
infecções no homem, onde o risco de propagação na comunidade é limitado.
Risco 3
Agentes biológicos que provocam infecções, graves.
Risco 4
O risco da comunidade é elevado,de fácil propagação.
Níveis de biossegurança:
•Nível 1
É adequado ao trabalho que envolva agentes bem
caracterizados e conhecidos por não provocarem doenças em
seres humanos e que possuam mínimo risco pessoal do
laboratório e meio ambiente.
•Nível 2
É semelhante ao nível 1 de biossegurança e é adequado ao
trabalho que envolva agentes de risco moderado para as pessoas
e para o meio ambiente.
•Nível 3
É aplicável para laboratórios clínicos,de diagnóstico,ensino e
pesquisa ou de produção onde o trabalho com agentes exóticos
possa causar doenças serias com potencialmente fatais como
resultando de exposição para inalação.
• Nível 4
É indicado para o trabalho que envolve agentes exóticos e
perigosos que exponham o indivíduo a um alto risco de
contaminação de infecções que podem ser fatais,além de
apresentarem em potencial relevado de transmissão por
aerossóis.
Classes de Riscos Biológicos
Níveis de biossegurança
• Práticas microbiológicas exigidas
• Práticas laboratoriais especiais
• Equipamentos de contenção exigidos
• Instalações laboratoriais
Nível 1 de Biossegurança (NB-1)
Adequado ao trabalho que envolva agente com menor grau de risco (Classe de Risco I) para profissionais do
laboratório e para o meio ambiente:
• Aplicação das BPLs e utilização de EPIs.
•O trabalho geralmente e conduzido em bancadas abertas, não exigindo equipamentos especiais de contenção.
•Os profissionais deverão ter treinamento especifico nos procedimentos realizados e trabalhar sob supervisão.
•O acesso ao laboratório será limitado ou restrito de acordo com definição do responsável e não será permitida a
entrada de animais e crianças.
• Procedimentos técnicos e administrativos descritos.
•O laboratório não esta separado das demais dependências do edifício.
•Deve possuir uma pia especifica para lavar as mãos.
Nível 2 de Biossegurança (NB-2)
Adequado ao trabalho que envolve agentes de risco moderado para os profissionais e para o meio ambiente, em geral
agentes causadores de doenças infecciosas (Classe de Risco II).
As instalações exigidas devem atender as especificações estabelecidas para o NB-1 acrescidas das seguintes exigências:
•Autoclave disponível para descontaminação no interior ou próxima ao laboratório de modo a permitir a
descontaminação de todo o material antes do seu descarte;
•Cabine de Segurança Biológica Classe I ou II e centrifuga com caçapa protegida sempre que houver manipulação de
materiais em que possa existir a formação de aerossóis.
•Os profissionais deverão ter treinamento especifico no manejo de agentes patogênicos, ser orientados sobre os
possíveis riscos e trabalhar sob supervisão.
•O acesso ao laboratório será limitado durante os procedimentos operacionais.
Nível 3 de Biossegurança (NB-3)
Adequado ao trabalho com microrganismos com elevado risco infeccioso (Classe de Risco III)
podendo causar doenças sistêmicas serias e potencialmente letais como Mycobacterium
tuberculosis, Coxiella burnetti e Brucella spp, entre outros:
•Barreiras de proteção individual devem ser utilizadas e toda manipulação realizada em cabine de
segurança biológica classe II ou III, com filtro HEPA.
•Oferecer treinamento especifico aos funcionários no manejo de agentes patogênicos e
potencialmente letais, orientar sobre os possíveis riscos e trabalhar sob supervisão.
• Quando não houver condições especificas para o NB-3 e instalações laboratoriais sem área de
acesso especificam, com ambientes selados ou fluxo de ar unidirecional, as atividades de rotina e
operações repetitivas podem ser realizadas em laboratório com instalação NB-2, acrescidas de
equipamentos de contenção e das praticas recomendadas para NB-3.
•Cabe ao pesquisador principal a decisão de programar essas modificações, comunicando-as a CIBio
e CTNBio (Biosseguranca em Laboratório de Saúde Publica – Oda, Leila, Avila, Suzana et al.
Brasilia).
•O acesso ao laboratório será controlado. Menores de idade não serão permitidos dentro do
laboratório.
Nível 4 de Biossegurança (NB-4)
Representa o nível Maximo de segurança. Adequado ao manuseio de agentes infecciosos que
possuem alto risco de infecção individual e de transmissão pelo ar e sempre que o trabalho envolver
OGM resultante de organismo receptor ou parenteral classificado como classe de risco NB-4.
Responsável técnico tem a responsabilidade final no controle do acesso ao laboratório
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Equipamentos de Proteção
EPI exemplos:
Jaleco
Óculos de Proteção
Luvas de látex (Borracha)
Luvas de vinil
Luvas de alta temperatura (Kevlar)
Máscaras de Proteção Respirador descartável -
equipamento está aprovado para
classe PFF1 (poeiras e névoas)
Máscara KSN - PFF2 VO C/ Válvula
Indicado para proteção das vias respiratórias
contra odores incômodos de vapores
orgânicos, poeiras tóxicas como: poeiras de
grãos, névoas, e fumos metálicos
EPC: exemplos
Cabines de segurança biológicas:
• Classe I
• Classe II
• Classe III
• Classe I, o ar que sai passa através de um filtro especial
denominado de HEPA e é eliminado no ambiente livre das
partículas contaminadas, esse tipo de cabine protege o
manipulador e o ambiente, porém não evita a contaminação
do material que está sendo manipulado.
Classe II, o ar é filtrado em filtros HEPA, antes de entrar e antes
de sair da cabine, protegendo o manipulador, o ambiente e o
material; essas duas cabines possuem abertura frontal
Classe III o ar é estéril, essa cabine é completamente fechada, o
que impede a troca de ar com o ambiente e funciona com
pressão negativa, ela oferece total segurança ao manipulador, e
os recipientes e o material a serem manipulados entram e saem
por meio de câmaras de desinfecção.
Chuveiro e lava olhos de emergência
Autoclave
Conduta dentro dos
laboratórios
• Programa de Prevenção de Risco Ambiental (PPRA) avaliado
anualmente (NR-32 MTE).
•„Exame pré-admissional e periódico (Clínico e Laboratorial) –
Programa de Controle
• Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) anual.
•„Programa de Vacinação atualizado.
•„Registro de doenças e acidentes de trabalho.
•„BPLCs (Boas Práticas em Laboratório Clínico) implantadas e
seguidas.
•„Acesso limitado ao laboratório.
BPLCs. .
•Proibido comer, beber, fumar, guardar alimentos e aplicar cosméticos na
área técnica.
•Prender os cabelos e evitar o uso de bijuterias.
•É vedado o uso de calçados abertos (chinelos e sandálias).
•Toda amostra biológica deve ser considerada potencialmente
contaminada.
•Obrigatório o uso de EPIs.
•Proibido pipetar com a boca.
• Obrigatória a descontaminação das bancadas de trabalho antes e após o
desenvolvimento das atividades.
• Proibido reencapar e entortar agulhas após o uso.
• Nunca manipular materiais não identificados.
•Segregar e acondicionar adequadamente resíduos biológicos, químicos e
ionizantes.
• Depositar todo material contaminado em recipientes apropriados para
autoclavação.
•Higienizar sempre as mãos.
Transporte de Amostras.
•Utilizar caixas rígidas preferencialmente providas de tampas
higienizáveis, contendo estantes que permitam que os frascos
permaneçam na posição vertical, evitando acidente por
derramamento. Devem ser resistentes a desinfetante químico ou calor.
• Devem ser lavadas frequentemente sempre que derramada.
Utilização de Cabines de Segurança.
• Ligar a cabine e a luz 10 a 15 minutos antes do uso
• Fechar as portas do laboratório e evitar circulação de pessoas durante o uso da
cabine.
•Colocar os equipamentos, meios de cultura, vidrarias etc. no plano de atividade da
área de trabalho.
• Limpar todos os objetos antes de introduzi-los na cabine e organizar os materiais
de modo que não se misturem os itens limpos e contaminados.
•Bicos de Bunsen não devem ser utilizados dentro da cabine, pois o calor pode
acarretar danos ao filtro HEPA e interromper o fluxo laminar de ar, causando
turbulência.
• Usar pipetador automático.
•Conduzir as manipulações no centro da cabine e minimizar os movimentos
dentro da mesma.
• Ao termino, a superfície de trabalho da cabine deve ser limpa com desinfetante
apropriado.
• Deixar a cabine ligada 10 a 15 minutos antes de desligá-la.
• Fazer controle da contagem de tempo do uso das lâmpadas UV, e de utilização da
cabine para fim de manutenção e troca do pré-filtro.
Controle da Geração de Aerossóis.
A manipulação de microrganismos, sangue, fluídos orgânicos, pó e
substâncias químicas poderá levar à formação de aerossóis, podendo
contribuir para ocorrência de enfermidades ocupacionais. Algumas
operações contribuem para formação de aerossóis.
• Uso de agitadores.
• Remoção de tampas de borracha, de rosca ou de algodão de tubos de
ensaio.
• Flambagem de alças de maneira inadequada.
• Inoculação de culturas com pipeta ou alça de forma inadequada.
• Remoção de meio de cultura líquido com seringa e agulha.
• Destampar frasco de cultivo ou suspensão de líquidos imediatamente
após agitá-lo.
• Romper células com ultrassom.
• Soprar a última gota de cultivo ou substância química de uma pipeta.
• Não vedar adequadamente frascos de substâncias tóxicas voláteis.
Regras gerais para preparação de aulas práticas nos laboratórios
• Uso obrigatório de bata branca (gola de padre, manga longa com punho sanfonado) e
calçado fechado;
• As mãos devem ser lavadas antes e após a realização dos procedimentos;
• Observar as rotinas e procedimentos do respectivo laboratório;
• Nunca levar nada à boca ou inspirar produtos; a pipetagem deve ser realizada com
dispositivo apropriado, nunca com a boca;
• Descartar o material segundo as normas legais técnicas vigentes – usar
apropriadamente os depósitos para material biológico e pérfuro-cortantes;
• Recomenda-se a utilização de luvas em caso de rachaduras ou ferimentos na pele das
mãos, ou quando houver contato com material infeccioso;
• Óculos protetores deverão ser usados na execução de procedimentos que produzam
borrifos de microorganismos ou de materiais perigosos;
• Todos os procedimentos devem ser realizados cuidadosamente a fim de minimizar a
criação de borrifos ou aerossóis;
• Deve-se sempre tomar uma enorme precaução em relação a qualquer objeto cortante,
incluindo seringas e agulhas, lâminas, pipetas, tubos capilares e bisturis, nos
laboratórios em que ocorre manipulação de materiais ou substâncias com elevado
potencial de criação de aerossóis ou borrifos infecciosos como centrifugação, trituração,
homogeneização, agitação vigorosa, misturas, ruptura por sonificação, abertura de
recipientes contendo materiais infecciosos, entre outros, deverá ser utilizada cabine de
segurança ou capela para tais procedimentos;
• As batas/jalecos utilizados durante os procedimentos no laboratório devem ser
retirados antes de sair para locais de convivência (alimentação, biblioteca, escritórios,
etc.).
Regras gerais para uso dos laboratórios durante as aulas práticas.
•Usar sempre óculos de proteção ao trabalhar no laboratório.
•É obrigatório o uso de avental nos trabalhos de laboratório e expressamente proibido o uso de
bermudas, chinelos e roupa de tecido sintético. Usar de preferência calçados fechados de
couro ou similar.
•Em casos de cabelos compridos, prendê-los para evitar. Não usar lentes de contato e / ou
adornos.
•Durante a permanência no laboratório deve-se evitar passar os dedos na boca, nariz e
ouvidos.
•Não consumir alimentos ou bebidas, não fumar nem mascar chicletes;
•Não aplicar cosméticos ou perfumes (maquiagem, cremes, ou outros).
•Não superlotar o laboratório – respeitar a capacidade máxima de cada laboratório definida
pelo Responsável do setor.
•Não pegar em vidrarias ou outros materiais do laboratório, nem ligar ou manusear
equipamentos;
•Não levar nada à boca, nariz ou olhos;
•Não inspirar (cheirar) nenhuma substância ou material exposto;
•Se comportar de maneira adequada para evitar danos e/ou acidentes dentro do laboratório.
•OBS: Para utilizar os produtos químicos ou equipamentos, é
necessário autorização de professores, técnicos ou estagiários.
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Higienização dos
laboratórios
Esta Norma Técnica Especial tem por finalidade, melhorar a
qualidade dos serviços de segurança e resultados prestados
pelos Laboratórios de Análises Clínicas e Postos de Coleta
de material
Limpeza e Desinfecção
Para o espaço físico dos laboratórios clínicos, é importante que a desinfecção de pisos,
paredes, vidraças, bancadas e superfícies não metálicas, seja feita com hipoclorito e sódio
0,5% e para superfícies metálicas, álcool etílico 70%, o piso deve ser limpo duas vezes por dia e
o lixo retirado nessa frequência também.
•Todos os funcionários deverão usar avental de mangas compridas, cor clara, fechado ou
abotoado na frente.
•Fazer lavagem do material, limpeza e desinfecção em geral, manuseio com o lixo, só poderá
ser realizado por funcionário protegido com avental, luvas de borracha e botas de borracha.
•O preparo e manipulação de reativos que possuam ou produzam gases tóxicos e irritantes
deverão ser feitos em capelas.
•Após o expediente de trabalho, ou quando se fizer necessário, deve ser feita a limpeza e
desinfecção de balcões, superfícies, paredes e pisos com solução desinfetante (de acordo com a
Portaria do MS nº 196 de 24/06/83).
Higienização das mãos
Mãos contaminadas podem ser as principais vias de transmissão de infecção
O simples ato de lavar as mãos com água e sabão liquido, visando a remoção de
bactérias transitórias e algumas residentes, como também células descamativas,
pelos suor, sujidades e oleosidade da pele, contribui para a diminuição do risco de
infecção:
Abrir a torneira e molhar as mãos sem encostar-se a pia.
Ensaboar as mãos com sabão liquido. Friccionar as mãos por cerca de 30 segundos,
realizando todos os movimentos a seguir:
a) friccione circularmente palma com palma;
b) friccione circularmente dorso com palma;
c) lavar os espaços interdigitais deslizando uma mão sobre a outra;
d) friccione as articulações de uma mão sobre a palma da outra;
e) lave o polegar com auxilio da outra mão;
Acidente com derramamento de Material Biológico
•Isolar a área atingida.
•Impedir a manipulação no local por pelo menos 30 minutos.
•Usar EPIs.
•Colocar papel toalha sobre o material derramado e sobre o mesmo, solução de hipoclorito de
sódio a 2%, ou cloro ativo, aguardar 15 minutos.
•Recolher em recipiente com saco para resíduo infectante ou saco autoclavavel as toalhas de
papel, luvas e todo material usado na descontaminação.
•Estilhaços de vidro ou plástico deverão ser recolhidos em caixa de perfuro cortante.
•Refazer a descontaminação da área com solução de hipoclorito de sódio a 2%.
Acidente com derramamento de Produtos Químicos
•Utilizar EPIs.
•Conter o liquido derramado em área reduzida.
•Cobrir o resíduo com vermiculina ou areia e aguardar sua absorção.
•Recolher todo o resíduo e o material utilizado para limpar a área em saco plástico preto para
posterior descarte.
Resíduos
Os Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), segundo a RDC no 306 de 2004 da Anvisa, são
classificados em cinco grupos, a saber:
Grupo A: resíduos com a possível presença de agentes biológicos que, por suas características,
podem apresentar risco de infecção.
Grupo B: resíduos contendo substancias químicas que podem apresentar risco a saúde publica
ou ao meio ambiente, dependendo de suas características de inflamabilidade, corrosividade,
reatividade e toxicidade.
Grupo C: quaisquer materiais resultantes de atividades que contenham radionuclideos em
quantidades superiores ao nível de isenção estabelecida pelas normas da Comissão Nacional
de Energia Nuclear (CNEN).
Grupo D: resíduos que não apresentam risco biológico químico ou radiológico podendo ser
equiparado a resíduo domestico passível de segregação para reciclagem.
Grupo E: materiais perfuro cortantes ou escarificantes.
3.5.1. Coleta interna I
De acordo com a Norma NBR 12807, a coleta interna I é a operação de
transferência dos recipientes do local de geração, para a sala de resíduo temporário.
Consiste no recolhimento do lixo das lixeiras, no fechamento do saco e no seu
transporte até a sala de resíduos, local de armazenamento temporário. Obs.:
Durante o período de transporte, os elevadores são bloqueados e destinados
exclusivamente para descida dos resíduos, desta forma evitando o cruzamento de
material limpo com material sujo. Os mesmo são higienizados após cada término
da coleta.
A coleta I é realizada para os resíduos do grupo A,D e E .
3.5.2. Coleta interna II
A Coleta interna II é definida como a operação de transferência dos recipientes do
armazenamento temporário para o armazenamento externo. Consiste no
recolhimento dos resíduos em contêineres de acordo com a especificidade até
abrigo externo. É estabelecida:
A destinação final para cada grupo de resíduos adotado pelos órgãos públicos
municipais é:
3.6.1. Resíduos do grupo A e E – descontaminação;
3.6.2. Resíduos do grupo B – incinerador;
3.6.3. Resíduos do grupo D – aterro sanitário.
LIXO
Todo o material proveniente da bacteriologia deverá ser autoclavado antes de ser
eliminado.
Todo o material utilizado que será desprezado deverá ser acondicionado em sacos
de polietileno, ou sacos duplos, segregados de outros resíduos não contaminados,
com uma cruz vermelha ou a palavra "Contaminada" inscrita na embalagem.
Este lixo deverá ser transportado cuidadosamente e a disposição final deve ser
adequada (incineração, aterro, coleta especial ou outro processo de destruição que
não contamine o ambiente e manipuladores).
V – POSTO DE COLETA DE MATERIAL
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Rotulagem e Simbologia
dentro dos Laboratórios
Devemos sempre estar atentos e observar bem os rótulos dos
produtos e manuais de equipamentos contidos nos laboratórios.
Nos rótulos das substâncias químicas constam especificações
sobre a composição e os perigos que estas podem oferecer.
Muitas vezes, essas informações se apresentam simbolizadas,
seguindo um padrão pré-estabelecido.
A seguir, apresentam-se a simbologia padrão constante nesses
produtos, a que estão associados e algumas precauções que
devem ser adotadas para utilização e armazenamento dos
mesmos.
 Facilmente Inflamável (F)
- Classificação: determinados peróxidos orgânicos; líquidos com pontos de
inflamação inferior a 21ºC, substâncias sólidas que são fáceis de inflamar, de
continuar queimando por si só; liberam substâncias facilmente inflamáveis por
ação de umidade.
-Precaução: evitar contato com o ar, a formação de misturas inflamáveis gás-ar e
manter afastadas de fontes de ignição.
Extremamente inflamável (F +)
- Classificação: líquidos com ponto de inflamabilidade inferior a 0ºC e o ponto
máximo de ebulição 35ºC; gases, misturas de gases (que estão presentes em forma
líquida) que com o ar e a pressão normal podem se inflamar facilmente.
-Precauções: manter longe de chamas abertas e fontes de ignição.
Tóxicos (T)
- Classificação: inalação, ingestão ou absorção através da pele, provoca
danos à saúde na maior parte das vezes, muito graves ou mesmo letais.
-Precaução: evitar qualquer contato com o corpo humano e observar
cuidados especiais com produtos cancerígenos, teratogênicos ou
mutagênicos.
Muito Tóxico (T+)
- Classificação: inalação, ingestão ou absorção através da pele, provoca
danos à saúde na maior parte das vezes, muito graves ou mesmo letais.
- Precaução: evitar qualquer contato com o corpo humano e observar
cuidados especiais com produtos cancerígenos, teratogênicos ou
mutagênicos.
Oxidante (O)
- Classificação: substâncias comburentes podem inflamar substâncias
combustíveis ou acelerar a propagação de incêndio.
-Precaução: evitar qualquer contato com substâncias combustíveis.
Perigo de incêndio. O incêndio pode ser favorecido dificultando a sua
extinção.
Nocivo (Xn)
-Classificação: em casos de intoxicação aguda (oral, dermal ou por
inalação), pode causar danos irreversíveis à saúde.
- Precaução: evitar qualquer contato com o corpo humano, e observar
cuidados especiais com produtos cancerígenos, teratogênicos ou
mutagênicos.
Irritante (Xi)
- Classificação: este símbolo indica substâncias que podem desenvolver uma
ação irritante sobre a pele, os olhos e as vias respiratórias.
-Precaução: não inalar os vapores e evitar o contato com a pele e os olhos.
Explosivo (E)
- Classificação: indica substâncias que podem explodir sob determinadas
condições.
-Precaução: evitar atrito, choque, fricção, formação de faísca e ação do calor.
- Corrosivo (C)
- Classificação: por contato, estes produtos químicos destroem o tecido vivo,
bem como vestuário.
- Precaução: não inalar os vapores e evitar o contato com a pele, os olhos e
vestuário.
Biossegurança
Risco Biológico Material nocivo ou irritante
Material Radioativo Transgênicos Material corrosivo
Material tóxico Inflamável Explosivo
Extintor de incêndio Proteção obrigatória para as mãos
Uso obrigatório de máscara Uso obrigatório de óculos de proteção
Proteção obrigatória para os pés Obrigatório o uso de Jaleco
Lavagem obrigatória das mãos
Proibido fumar
Entrada proibida

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biossegurança 2
Biossegurança 2Biossegurança 2
Biossegurança 2
drjeffersontst
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
05. niveis de biosseguranca
05. niveis de biosseguranca05. niveis de biosseguranca
05. niveis de biosseguranca
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Princípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfPrincípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdf
Rherysonn Pantoja
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
Lilian Keila Alves
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
clinicansl
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
Juliana Maciel
 
Boas praticas laboratoriais
Boas praticas laboratoriaisBoas praticas laboratoriais
Boas praticas laboratoriais
ohanarabelotomaz1
 
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicosManuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
UERGS
 
Epi e epc
Epi e epcEpi e epc
Epi e epc
RogerioAlves66
 
Coleta de materiais biológicos
Coleta de materiais biológicosColeta de materiais biológicos
Coleta de materiais biológicos
Péricles Monteiro
 
Niveis de biossegurança 1 2 3 4
Niveis de biossegurança 1 2 3 4Niveis de biossegurança 1 2 3 4
Niveis de biossegurança 1 2 3 4
Rbtconseg Tst
 
Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1
clinicansl
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
SMS - Petrópolis
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
nuiashrl
 
Aula 6 POP
Aula 6   POPAula 6   POP
Aula 6 POP
José Vitor Alves
 
Resíduos hospitalares
Resíduos hospitalaresResíduos hospitalares
Resíduos hospitalares
william vilhena
 
44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao
evandroFREITAS
 
Coleta de sangue venoso
Coleta de sangue venosoColeta de sangue venoso
Coleta de sangue venoso
Centro Universitário Ages
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Sheilla Sandes
 

Mais procurados (20)

Biossegurança 2
Biossegurança 2Biossegurança 2
Biossegurança 2
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
05. niveis de biosseguranca
05. niveis de biosseguranca05. niveis de biosseguranca
05. niveis de biosseguranca
 
Princípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfPrincípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdf
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 
Boas praticas laboratoriais
Boas praticas laboratoriaisBoas praticas laboratoriais
Boas praticas laboratoriais
 
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicosManuseio, controle e descarte de produtos biológicos
Manuseio, controle e descarte de produtos biológicos
 
Epi e epc
Epi e epcEpi e epc
Epi e epc
 
Coleta de materiais biológicos
Coleta de materiais biológicosColeta de materiais biológicos
Coleta de materiais biológicos
 
Niveis de biossegurança 1 2 3 4
Niveis de biossegurança 1 2 3 4Niveis de biossegurança 1 2 3 4
Niveis de biossegurança 1 2 3 4
 
Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Aula 6 POP
Aula 6   POPAula 6   POP
Aula 6 POP
 
Resíduos hospitalares
Resíduos hospitalaresResíduos hospitalares
Resíduos hospitalares
 
44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao
 
Coleta de sangue venoso
Coleta de sangue venosoColeta de sangue venoso
Coleta de sangue venoso
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 

Destaque

Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
sergio oliveira
 
Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança
Juliermeson Morais
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
Gabriela Montargil
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
drjeffersontst
 
Apostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpqApostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpq
Anderson Galvao
 
biossegurança níveis riscos
biossegurança níveis riscosbiossegurança níveis riscos
biossegurança níveis riscos
Adila Trubat
 
Apresentação Laboratório de Análises Clínicas Itanálises
Apresentação Laboratório de Análises Clínicas ItanálisesApresentação Laboratório de Análises Clínicas Itanálises
Apresentação Laboratório de Análises Clínicas Itanálises
Silvio Werson
 
Clinicas de analise
Clinicas de analiseClinicas de analise
Clinicas de analise
Tuany Caldas
 
Biossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeBiossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúde
Wheverton Teixeira
 
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio ClinicoGarantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Biomedicina SP
 
Rdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos
Rdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios ClínicosRdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos
Rdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos
Marcelo Polacow Bisson
 
Avaliação de biossegurança
Avaliação de biossegurançaAvaliação de biossegurança
Avaliação de biossegurança
Marcos Randall
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Adriana Saraiva
 
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISAManual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
redeamb
 
Trabalho aps o mapa de risco (1) (1)
Trabalho aps   o mapa de risco (1) (1)Trabalho aps   o mapa de risco (1) (1)
Trabalho aps o mapa de risco (1) (1)
Cris Máximo
 
Riscos físicos
Riscos físicosRiscos físicos
Riscos físicos
Filipa Andrade
 
Procedimentos em caso de acidentes
Procedimentos em caso de acidentesProcedimentos em caso de acidentes
Procedimentos em caso de acidentes
amaiarolim
 
Relatorio analise clinicas vanderley 3
Relatorio analise clinicas  vanderley 3Relatorio analise clinicas  vanderley 3
Relatorio analise clinicas vanderley 3
Vanderley Da Silva Acstro
 
modelo-de-mapa-de-risco
modelo-de-mapa-de-riscomodelo-de-mapa-de-risco
modelo-de-mapa-de-risco
Patrícia Rodrigues
 
Mapa de riscos
Mapa de riscosMapa de riscos
Mapa de riscos
hps22
 

Destaque (20)

Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
 
Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
 
Apostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpqApostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpq
 
biossegurança níveis riscos
biossegurança níveis riscosbiossegurança níveis riscos
biossegurança níveis riscos
 
Apresentação Laboratório de Análises Clínicas Itanálises
Apresentação Laboratório de Análises Clínicas ItanálisesApresentação Laboratório de Análises Clínicas Itanálises
Apresentação Laboratório de Análises Clínicas Itanálises
 
Clinicas de analise
Clinicas de analiseClinicas de analise
Clinicas de analise
 
Biossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeBiossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúde
 
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio ClinicoGarantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
 
Rdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos
Rdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios ClínicosRdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos
Rdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos
 
Avaliação de biossegurança
Avaliação de biossegurançaAvaliação de biossegurança
Avaliação de biossegurança
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
 
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISAManual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
 
Trabalho aps o mapa de risco (1) (1)
Trabalho aps   o mapa de risco (1) (1)Trabalho aps   o mapa de risco (1) (1)
Trabalho aps o mapa de risco (1) (1)
 
Riscos físicos
Riscos físicosRiscos físicos
Riscos físicos
 
Procedimentos em caso de acidentes
Procedimentos em caso de acidentesProcedimentos em caso de acidentes
Procedimentos em caso de acidentes
 
Relatorio analise clinicas vanderley 3
Relatorio analise clinicas  vanderley 3Relatorio analise clinicas  vanderley 3
Relatorio analise clinicas vanderley 3
 
modelo-de-mapa-de-risco
modelo-de-mapa-de-riscomodelo-de-mapa-de-risco
modelo-de-mapa-de-risco
 
Mapa de riscos
Mapa de riscosMapa de riscos
Mapa de riscos
 

Semelhante a Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014

Orientações de biossegurança em analises clinicas
Orientações de biossegurança em analises clinicasOrientações de biossegurança em analises clinicas
Orientações de biossegurança em analises clinicas
andressautomacao
 
Laboratório de biossegurança nível 2
Laboratório de biossegurança nível 2Laboratório de biossegurança nível 2
Laboratório de biossegurança nível 2
Biomedicina
 
Atividade Febre Aftosa 1.docx
Atividade Febre Aftosa 1.docxAtividade Febre Aftosa 1.docx
Atividade Febre Aftosa 1.docx
Rosete Lima
 
Atividade febre aftosa 1
Atividade febre aftosa 1Atividade febre aftosa 1
Atividade febre aftosa 1
Rosete Lima
 
Manual Biosseguranca Praticas Corretas
Manual Biosseguranca Praticas CorretasManual Biosseguranca Praticas Corretas
Manual Biosseguranca Praticas Corretas
Rodrigo Nunes
 
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdfK_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
KatiaRegina87
 
Aula 5 risco biológico
Aula 5 risco biológicoAula 5 risco biológico
Aula 5 risco biológico
danielserpa
 
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
pressinhas
 
biossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptxbiossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptx
ssuser2b53fe
 
7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx
7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx
7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx
MarcoReisBrugnerotto
 
biossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptxbiossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptx
MarcoReisBrugnerotto
 
Manual de virologia
Manual de virologiaManual de virologia
Manual de virologia
Luis Cueto
 
M4 Materiais
M4 MateriaisM4 Materiais
M4 Materiais
Mariana Ferreira
 
Laboratório de biossegurança nb 3
Laboratório de biossegurança nb 3Laboratório de biossegurança nb 3
Laboratório de biossegurança nb 3
Wanderley Teixeira
 
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmedTreinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
mellrodrigues
 
Aula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptxAula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Ua 4 slides
Ua 4 slidesUa 4 slides
Ua 4 slides
ITHPOS
 
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
pressinhas
 
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
74jc16
 
Microbiologia Geral - Laboratório de Microbiologia
Microbiologia Geral - Laboratório de MicrobiologiaMicrobiologia Geral - Laboratório de Microbiologia
Microbiologia Geral - Laboratório de Microbiologia
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 

Semelhante a Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014 (20)

Orientações de biossegurança em analises clinicas
Orientações de biossegurança em analises clinicasOrientações de biossegurança em analises clinicas
Orientações de biossegurança em analises clinicas
 
Laboratório de biossegurança nível 2
Laboratório de biossegurança nível 2Laboratório de biossegurança nível 2
Laboratório de biossegurança nível 2
 
Atividade Febre Aftosa 1.docx
Atividade Febre Aftosa 1.docxAtividade Febre Aftosa 1.docx
Atividade Febre Aftosa 1.docx
 
Atividade febre aftosa 1
Atividade febre aftosa 1Atividade febre aftosa 1
Atividade febre aftosa 1
 
Manual Biosseguranca Praticas Corretas
Manual Biosseguranca Praticas CorretasManual Biosseguranca Praticas Corretas
Manual Biosseguranca Praticas Corretas
 
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdfK_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
K_AISA_Aula4_biosseguranca.pdf
 
Aula 5 risco biológico
Aula 5 risco biológicoAula 5 risco biológico
Aula 5 risco biológico
 
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
 
biossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptxbiossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptx
 
7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx
7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx
7biosseguranalaboratorial-120813122204-phpapp02.pptx
 
biossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptxbiossegurança placas.pptx
biossegurança placas.pptx
 
Manual de virologia
Manual de virologiaManual de virologia
Manual de virologia
 
M4 Materiais
M4 MateriaisM4 Materiais
M4 Materiais
 
Laboratório de biossegurança nb 3
Laboratório de biossegurança nb 3Laboratório de biossegurança nb 3
Laboratório de biossegurança nb 3
 
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmedTreinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
Treinamento limpeza e_desinfeccao_secdon_e_secmed
 
Aula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptxAula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptx
 
Ua 4 slides
Ua 4 slidesUa 4 slides
Ua 4 slides
 
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
 
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
 
Microbiologia Geral - Laboratório de Microbiologia
Microbiologia Geral - Laboratório de MicrobiologiaMicrobiologia Geral - Laboratório de Microbiologia
Microbiologia Geral - Laboratório de Microbiologia
 

Último

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 

Último (20)

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 

Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014

  • 2. O que é biossegurança? É um conjunto de ações voltadas para preservação, minimização ou eliminação de riscos.
  • 3. Tipos de riscos: • Físico • Químico • Biológicos • Acidentes Risco 1 O risco individual e para a comunidade e baixa,são agentes biológicos, que tem a probabilidade nula ou baixa de provocar infecções no homem ou em animal sadio. Risco 2 O risco individual é moderado, aplica-se a agentes biológicos que provocam infecções no homem, onde o risco de propagação na comunidade é limitado. Risco 3 Agentes biológicos que provocam infecções, graves. Risco 4 O risco da comunidade é elevado,de fácil propagação.
  • 4. Níveis de biossegurança: •Nível 1 É adequado ao trabalho que envolva agentes bem caracterizados e conhecidos por não provocarem doenças em seres humanos e que possuam mínimo risco pessoal do laboratório e meio ambiente. •Nível 2 É semelhante ao nível 1 de biossegurança e é adequado ao trabalho que envolva agentes de risco moderado para as pessoas e para o meio ambiente.
  • 5. •Nível 3 É aplicável para laboratórios clínicos,de diagnóstico,ensino e pesquisa ou de produção onde o trabalho com agentes exóticos possa causar doenças serias com potencialmente fatais como resultando de exposição para inalação. • Nível 4 É indicado para o trabalho que envolve agentes exóticos e perigosos que exponham o indivíduo a um alto risco de contaminação de infecções que podem ser fatais,além de apresentarem em potencial relevado de transmissão por aerossóis.
  • 6. Classes de Riscos Biológicos
  • 7. Níveis de biossegurança • Práticas microbiológicas exigidas • Práticas laboratoriais especiais • Equipamentos de contenção exigidos • Instalações laboratoriais
  • 8. Nível 1 de Biossegurança (NB-1) Adequado ao trabalho que envolva agente com menor grau de risco (Classe de Risco I) para profissionais do laboratório e para o meio ambiente: • Aplicação das BPLs e utilização de EPIs. •O trabalho geralmente e conduzido em bancadas abertas, não exigindo equipamentos especiais de contenção. •Os profissionais deverão ter treinamento especifico nos procedimentos realizados e trabalhar sob supervisão. •O acesso ao laboratório será limitado ou restrito de acordo com definição do responsável e não será permitida a entrada de animais e crianças. • Procedimentos técnicos e administrativos descritos. •O laboratório não esta separado das demais dependências do edifício. •Deve possuir uma pia especifica para lavar as mãos. Nível 2 de Biossegurança (NB-2) Adequado ao trabalho que envolve agentes de risco moderado para os profissionais e para o meio ambiente, em geral agentes causadores de doenças infecciosas (Classe de Risco II). As instalações exigidas devem atender as especificações estabelecidas para o NB-1 acrescidas das seguintes exigências: •Autoclave disponível para descontaminação no interior ou próxima ao laboratório de modo a permitir a descontaminação de todo o material antes do seu descarte; •Cabine de Segurança Biológica Classe I ou II e centrifuga com caçapa protegida sempre que houver manipulação de materiais em que possa existir a formação de aerossóis. •Os profissionais deverão ter treinamento especifico no manejo de agentes patogênicos, ser orientados sobre os possíveis riscos e trabalhar sob supervisão. •O acesso ao laboratório será limitado durante os procedimentos operacionais.
  • 9. Nível 3 de Biossegurança (NB-3) Adequado ao trabalho com microrganismos com elevado risco infeccioso (Classe de Risco III) podendo causar doenças sistêmicas serias e potencialmente letais como Mycobacterium tuberculosis, Coxiella burnetti e Brucella spp, entre outros: •Barreiras de proteção individual devem ser utilizadas e toda manipulação realizada em cabine de segurança biológica classe II ou III, com filtro HEPA. •Oferecer treinamento especifico aos funcionários no manejo de agentes patogênicos e potencialmente letais, orientar sobre os possíveis riscos e trabalhar sob supervisão. • Quando não houver condições especificas para o NB-3 e instalações laboratoriais sem área de acesso especificam, com ambientes selados ou fluxo de ar unidirecional, as atividades de rotina e operações repetitivas podem ser realizadas em laboratório com instalação NB-2, acrescidas de equipamentos de contenção e das praticas recomendadas para NB-3. •Cabe ao pesquisador principal a decisão de programar essas modificações, comunicando-as a CIBio e CTNBio (Biosseguranca em Laboratório de Saúde Publica – Oda, Leila, Avila, Suzana et al. Brasilia). •O acesso ao laboratório será controlado. Menores de idade não serão permitidos dentro do laboratório. Nível 4 de Biossegurança (NB-4) Representa o nível Maximo de segurança. Adequado ao manuseio de agentes infecciosos que possuem alto risco de infecção individual e de transmissão pelo ar e sempre que o trabalho envolver OGM resultante de organismo receptor ou parenteral classificado como classe de risco NB-4. Responsável técnico tem a responsabilidade final no controle do acesso ao laboratório
  • 19. Luvas de látex (Borracha) Luvas de vinil Luvas de alta temperatura (Kevlar)
  • 20. Máscaras de Proteção Respirador descartável - equipamento está aprovado para classe PFF1 (poeiras e névoas) Máscara KSN - PFF2 VO C/ Válvula Indicado para proteção das vias respiratórias contra odores incômodos de vapores orgânicos, poeiras tóxicas como: poeiras de grãos, névoas, e fumos metálicos
  • 21. EPC: exemplos Cabines de segurança biológicas: • Classe I • Classe II • Classe III
  • 22. • Classe I, o ar que sai passa através de um filtro especial denominado de HEPA e é eliminado no ambiente livre das partículas contaminadas, esse tipo de cabine protege o manipulador e o ambiente, porém não evita a contaminação do material que está sendo manipulado.
  • 23. Classe II, o ar é filtrado em filtros HEPA, antes de entrar e antes de sair da cabine, protegendo o manipulador, o ambiente e o material; essas duas cabines possuem abertura frontal
  • 24. Classe III o ar é estéril, essa cabine é completamente fechada, o que impede a troca de ar com o ambiente e funciona com pressão negativa, ela oferece total segurança ao manipulador, e os recipientes e o material a serem manipulados entram e saem por meio de câmaras de desinfecção.
  • 25. Chuveiro e lava olhos de emergência Autoclave
  • 27. • Programa de Prevenção de Risco Ambiental (PPRA) avaliado anualmente (NR-32 MTE). •„Exame pré-admissional e periódico (Clínico e Laboratorial) – Programa de Controle • Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) anual. •„Programa de Vacinação atualizado. •„Registro de doenças e acidentes de trabalho. •„BPLCs (Boas Práticas em Laboratório Clínico) implantadas e seguidas. •„Acesso limitado ao laboratório.
  • 28. BPLCs. . •Proibido comer, beber, fumar, guardar alimentos e aplicar cosméticos na área técnica. •Prender os cabelos e evitar o uso de bijuterias. •É vedado o uso de calçados abertos (chinelos e sandálias). •Toda amostra biológica deve ser considerada potencialmente contaminada. •Obrigatório o uso de EPIs. •Proibido pipetar com a boca. • Obrigatória a descontaminação das bancadas de trabalho antes e após o desenvolvimento das atividades. • Proibido reencapar e entortar agulhas após o uso. • Nunca manipular materiais não identificados. •Segregar e acondicionar adequadamente resíduos biológicos, químicos e ionizantes. • Depositar todo material contaminado em recipientes apropriados para autoclavação. •Higienizar sempre as mãos.
  • 29. Transporte de Amostras. •Utilizar caixas rígidas preferencialmente providas de tampas higienizáveis, contendo estantes que permitam que os frascos permaneçam na posição vertical, evitando acidente por derramamento. Devem ser resistentes a desinfetante químico ou calor. • Devem ser lavadas frequentemente sempre que derramada.
  • 30. Utilização de Cabines de Segurança. • Ligar a cabine e a luz 10 a 15 minutos antes do uso • Fechar as portas do laboratório e evitar circulação de pessoas durante o uso da cabine. •Colocar os equipamentos, meios de cultura, vidrarias etc. no plano de atividade da área de trabalho. • Limpar todos os objetos antes de introduzi-los na cabine e organizar os materiais de modo que não se misturem os itens limpos e contaminados. •Bicos de Bunsen não devem ser utilizados dentro da cabine, pois o calor pode acarretar danos ao filtro HEPA e interromper o fluxo laminar de ar, causando turbulência. • Usar pipetador automático. •Conduzir as manipulações no centro da cabine e minimizar os movimentos dentro da mesma. • Ao termino, a superfície de trabalho da cabine deve ser limpa com desinfetante apropriado. • Deixar a cabine ligada 10 a 15 minutos antes de desligá-la. • Fazer controle da contagem de tempo do uso das lâmpadas UV, e de utilização da cabine para fim de manutenção e troca do pré-filtro.
  • 31. Controle da Geração de Aerossóis. A manipulação de microrganismos, sangue, fluídos orgânicos, pó e substâncias químicas poderá levar à formação de aerossóis, podendo contribuir para ocorrência de enfermidades ocupacionais. Algumas operações contribuem para formação de aerossóis. • Uso de agitadores. • Remoção de tampas de borracha, de rosca ou de algodão de tubos de ensaio. • Flambagem de alças de maneira inadequada. • Inoculação de culturas com pipeta ou alça de forma inadequada. • Remoção de meio de cultura líquido com seringa e agulha. • Destampar frasco de cultivo ou suspensão de líquidos imediatamente após agitá-lo. • Romper células com ultrassom. • Soprar a última gota de cultivo ou substância química de uma pipeta. • Não vedar adequadamente frascos de substâncias tóxicas voláteis.
  • 32. Regras gerais para preparação de aulas práticas nos laboratórios • Uso obrigatório de bata branca (gola de padre, manga longa com punho sanfonado) e calçado fechado; • As mãos devem ser lavadas antes e após a realização dos procedimentos; • Observar as rotinas e procedimentos do respectivo laboratório; • Nunca levar nada à boca ou inspirar produtos; a pipetagem deve ser realizada com dispositivo apropriado, nunca com a boca; • Descartar o material segundo as normas legais técnicas vigentes – usar apropriadamente os depósitos para material biológico e pérfuro-cortantes; • Recomenda-se a utilização de luvas em caso de rachaduras ou ferimentos na pele das mãos, ou quando houver contato com material infeccioso; • Óculos protetores deverão ser usados na execução de procedimentos que produzam borrifos de microorganismos ou de materiais perigosos; • Todos os procedimentos devem ser realizados cuidadosamente a fim de minimizar a criação de borrifos ou aerossóis; • Deve-se sempre tomar uma enorme precaução em relação a qualquer objeto cortante, incluindo seringas e agulhas, lâminas, pipetas, tubos capilares e bisturis, nos laboratórios em que ocorre manipulação de materiais ou substâncias com elevado potencial de criação de aerossóis ou borrifos infecciosos como centrifugação, trituração, homogeneização, agitação vigorosa, misturas, ruptura por sonificação, abertura de recipientes contendo materiais infecciosos, entre outros, deverá ser utilizada cabine de segurança ou capela para tais procedimentos; • As batas/jalecos utilizados durante os procedimentos no laboratório devem ser retirados antes de sair para locais de convivência (alimentação, biblioteca, escritórios, etc.).
  • 33. Regras gerais para uso dos laboratórios durante as aulas práticas. •Usar sempre óculos de proteção ao trabalhar no laboratório. •É obrigatório o uso de avental nos trabalhos de laboratório e expressamente proibido o uso de bermudas, chinelos e roupa de tecido sintético. Usar de preferência calçados fechados de couro ou similar. •Em casos de cabelos compridos, prendê-los para evitar. Não usar lentes de contato e / ou adornos. •Durante a permanência no laboratório deve-se evitar passar os dedos na boca, nariz e ouvidos. •Não consumir alimentos ou bebidas, não fumar nem mascar chicletes; •Não aplicar cosméticos ou perfumes (maquiagem, cremes, ou outros). •Não superlotar o laboratório – respeitar a capacidade máxima de cada laboratório definida pelo Responsável do setor. •Não pegar em vidrarias ou outros materiais do laboratório, nem ligar ou manusear equipamentos; •Não levar nada à boca, nariz ou olhos; •Não inspirar (cheirar) nenhuma substância ou material exposto; •Se comportar de maneira adequada para evitar danos e/ou acidentes dentro do laboratório. •OBS: Para utilizar os produtos químicos ou equipamentos, é necessário autorização de professores, técnicos ou estagiários.
  • 37. Higienização dos laboratórios Esta Norma Técnica Especial tem por finalidade, melhorar a qualidade dos serviços de segurança e resultados prestados pelos Laboratórios de Análises Clínicas e Postos de Coleta de material
  • 38. Limpeza e Desinfecção Para o espaço físico dos laboratórios clínicos, é importante que a desinfecção de pisos, paredes, vidraças, bancadas e superfícies não metálicas, seja feita com hipoclorito e sódio 0,5% e para superfícies metálicas, álcool etílico 70%, o piso deve ser limpo duas vezes por dia e o lixo retirado nessa frequência também. •Todos os funcionários deverão usar avental de mangas compridas, cor clara, fechado ou abotoado na frente. •Fazer lavagem do material, limpeza e desinfecção em geral, manuseio com o lixo, só poderá ser realizado por funcionário protegido com avental, luvas de borracha e botas de borracha. •O preparo e manipulação de reativos que possuam ou produzam gases tóxicos e irritantes deverão ser feitos em capelas. •Após o expediente de trabalho, ou quando se fizer necessário, deve ser feita a limpeza e desinfecção de balcões, superfícies, paredes e pisos com solução desinfetante (de acordo com a Portaria do MS nº 196 de 24/06/83).
  • 39. Higienização das mãos Mãos contaminadas podem ser as principais vias de transmissão de infecção O simples ato de lavar as mãos com água e sabão liquido, visando a remoção de bactérias transitórias e algumas residentes, como também células descamativas, pelos suor, sujidades e oleosidade da pele, contribui para a diminuição do risco de infecção: Abrir a torneira e molhar as mãos sem encostar-se a pia. Ensaboar as mãos com sabão liquido. Friccionar as mãos por cerca de 30 segundos, realizando todos os movimentos a seguir: a) friccione circularmente palma com palma; b) friccione circularmente dorso com palma; c) lavar os espaços interdigitais deslizando uma mão sobre a outra; d) friccione as articulações de uma mão sobre a palma da outra; e) lave o polegar com auxilio da outra mão;
  • 40. Acidente com derramamento de Material Biológico •Isolar a área atingida. •Impedir a manipulação no local por pelo menos 30 minutos. •Usar EPIs. •Colocar papel toalha sobre o material derramado e sobre o mesmo, solução de hipoclorito de sódio a 2%, ou cloro ativo, aguardar 15 minutos. •Recolher em recipiente com saco para resíduo infectante ou saco autoclavavel as toalhas de papel, luvas e todo material usado na descontaminação. •Estilhaços de vidro ou plástico deverão ser recolhidos em caixa de perfuro cortante. •Refazer a descontaminação da área com solução de hipoclorito de sódio a 2%. Acidente com derramamento de Produtos Químicos •Utilizar EPIs. •Conter o liquido derramado em área reduzida. •Cobrir o resíduo com vermiculina ou areia e aguardar sua absorção. •Recolher todo o resíduo e o material utilizado para limpar a área em saco plástico preto para posterior descarte.
  • 41. Resíduos Os Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), segundo a RDC no 306 de 2004 da Anvisa, são classificados em cinco grupos, a saber: Grupo A: resíduos com a possível presença de agentes biológicos que, por suas características, podem apresentar risco de infecção. Grupo B: resíduos contendo substancias químicas que podem apresentar risco a saúde publica ou ao meio ambiente, dependendo de suas características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxicidade. Grupo C: quaisquer materiais resultantes de atividades que contenham radionuclideos em quantidades superiores ao nível de isenção estabelecida pelas normas da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN). Grupo D: resíduos que não apresentam risco biológico químico ou radiológico podendo ser equiparado a resíduo domestico passível de segregação para reciclagem. Grupo E: materiais perfuro cortantes ou escarificantes.
  • 42. 3.5.1. Coleta interna I De acordo com a Norma NBR 12807, a coleta interna I é a operação de transferência dos recipientes do local de geração, para a sala de resíduo temporário. Consiste no recolhimento do lixo das lixeiras, no fechamento do saco e no seu transporte até a sala de resíduos, local de armazenamento temporário. Obs.: Durante o período de transporte, os elevadores são bloqueados e destinados exclusivamente para descida dos resíduos, desta forma evitando o cruzamento de material limpo com material sujo. Os mesmo são higienizados após cada término da coleta. A coleta I é realizada para os resíduos do grupo A,D e E . 3.5.2. Coleta interna II A Coleta interna II é definida como a operação de transferência dos recipientes do armazenamento temporário para o armazenamento externo. Consiste no recolhimento dos resíduos em contêineres de acordo com a especificidade até abrigo externo. É estabelecida: A destinação final para cada grupo de resíduos adotado pelos órgãos públicos municipais é: 3.6.1. Resíduos do grupo A e E – descontaminação; 3.6.2. Resíduos do grupo B – incinerador; 3.6.3. Resíduos do grupo D – aterro sanitário.
  • 43. LIXO Todo o material proveniente da bacteriologia deverá ser autoclavado antes de ser eliminado. Todo o material utilizado que será desprezado deverá ser acondicionado em sacos de polietileno, ou sacos duplos, segregados de outros resíduos não contaminados, com uma cruz vermelha ou a palavra "Contaminada" inscrita na embalagem. Este lixo deverá ser transportado cuidadosamente e a disposição final deve ser adequada (incineração, aterro, coleta especial ou outro processo de destruição que não contamine o ambiente e manipuladores). V – POSTO DE COLETA DE MATERIAL
  • 47. Rotulagem e Simbologia dentro dos Laboratórios
  • 48. Devemos sempre estar atentos e observar bem os rótulos dos produtos e manuais de equipamentos contidos nos laboratórios. Nos rótulos das substâncias químicas constam especificações sobre a composição e os perigos que estas podem oferecer. Muitas vezes, essas informações se apresentam simbolizadas, seguindo um padrão pré-estabelecido. A seguir, apresentam-se a simbologia padrão constante nesses produtos, a que estão associados e algumas precauções que devem ser adotadas para utilização e armazenamento dos mesmos.
  • 49.  Facilmente Inflamável (F) - Classificação: determinados peróxidos orgânicos; líquidos com pontos de inflamação inferior a 21ºC, substâncias sólidas que são fáceis de inflamar, de continuar queimando por si só; liberam substâncias facilmente inflamáveis por ação de umidade. -Precaução: evitar contato com o ar, a formação de misturas inflamáveis gás-ar e manter afastadas de fontes de ignição. Extremamente inflamável (F +) - Classificação: líquidos com ponto de inflamabilidade inferior a 0ºC e o ponto máximo de ebulição 35ºC; gases, misturas de gases (que estão presentes em forma líquida) que com o ar e a pressão normal podem se inflamar facilmente. -Precauções: manter longe de chamas abertas e fontes de ignição.
  • 50. Tóxicos (T) - Classificação: inalação, ingestão ou absorção através da pele, provoca danos à saúde na maior parte das vezes, muito graves ou mesmo letais. -Precaução: evitar qualquer contato com o corpo humano e observar cuidados especiais com produtos cancerígenos, teratogênicos ou mutagênicos. Muito Tóxico (T+) - Classificação: inalação, ingestão ou absorção através da pele, provoca danos à saúde na maior parte das vezes, muito graves ou mesmo letais. - Precaução: evitar qualquer contato com o corpo humano e observar cuidados especiais com produtos cancerígenos, teratogênicos ou mutagênicos.
  • 51. Oxidante (O) - Classificação: substâncias comburentes podem inflamar substâncias combustíveis ou acelerar a propagação de incêndio. -Precaução: evitar qualquer contato com substâncias combustíveis. Perigo de incêndio. O incêndio pode ser favorecido dificultando a sua extinção. Nocivo (Xn) -Classificação: em casos de intoxicação aguda (oral, dermal ou por inalação), pode causar danos irreversíveis à saúde. - Precaução: evitar qualquer contato com o corpo humano, e observar cuidados especiais com produtos cancerígenos, teratogênicos ou mutagênicos.
  • 52. Irritante (Xi) - Classificação: este símbolo indica substâncias que podem desenvolver uma ação irritante sobre a pele, os olhos e as vias respiratórias. -Precaução: não inalar os vapores e evitar o contato com a pele e os olhos. Explosivo (E) - Classificação: indica substâncias que podem explodir sob determinadas condições. -Precaução: evitar atrito, choque, fricção, formação de faísca e ação do calor. - Corrosivo (C) - Classificação: por contato, estes produtos químicos destroem o tecido vivo, bem como vestuário. - Precaução: não inalar os vapores e evitar o contato com a pele, os olhos e vestuário.
  • 53. Biossegurança Risco Biológico Material nocivo ou irritante Material Radioativo Transgênicos Material corrosivo
  • 54. Material tóxico Inflamável Explosivo Extintor de incêndio Proteção obrigatória para as mãos
  • 55. Uso obrigatório de máscara Uso obrigatório de óculos de proteção Proteção obrigatória para os pés Obrigatório o uso de Jaleco
  • 56. Lavagem obrigatória das mãos Proibido fumar Entrada proibida