SlideShare uma empresa Scribd logo
MICROBIOLOGIA
PROF. DR ENFERMEIRO
GILBERTO DE JESUS


A Microbiologia é a área da ciência que
dedica-se ao estudo de organismos que
somente podem ser visualizados ao
microscópio.
CLASSIFICAÇÃO DOS SERES
VIVOS








Estão divididos em 5 reinos
1-Metazoa ou Animália(não produz sua própria energia)
animais invertebrados, vertebrados,aves e mamíferos inclusive o
homem
2-Metaphyta ou Reino Plante(produz sua própria energia)algas
e plantas
3-Monera(organismos unicelulares ou uma única célula)bactérias
e algas azuis
4-Fungi(A maioria dos animais e plantas a que estamos
habituados encontram-se neste reino)e também os fungos
5-Protista(seres unicelulares como protozoários)
Giárdias,amebas e tripanossomos
Micro-organismos




Os micro-organismos são seres muito pequenos
que não podem ser vistos a olho nu e, para
enxergá-los, precisa-se da ajuda de um
MICROSCÓPIO
Os micro-organismos encontram-se distribuídos
em praticamente todos os lugares da natureza.
Estão no ar, na água (mares, rios, lagos e água
subterrânea) e no solo.
MEIOS DE TRANSMISSÃO DOS
micro-organismoS






Transmissão direta : Em que há um contato
físico entre o organismo doente com o
organismo sadio
Indireta : Através de objetos como
pratos,talheres,toalhas,agulhas utilizadas e
tocadas pela pessoa doente
Específica : Quando o micro-organismo
patogênico atinge o organismo sadio com auxílio
de um outro organismo. Ex: mosquito ou mosca
VIAS DE PENETRAÇÃO DE
micro-organismoS










Pele – ferimentos,picadas de
insetos,etc
Vias Respiratórias –
ambiente fechado
Sistema Digestório –
ingesta de alimentos
Sistema Geniturinário –
higiene inadequada
Parenteral – material
contaminado(agulhas)
DIVISÃO DA MICROBIOLOGIA
Bactérias


- Seres vivos mais simples do
ponto de vista estrutural, e de
menor tamanho, podendo ser
conhecidas também como
micróbios, algumas causam
doenças. São abundantes no
ar, no solo e na água e na sua
maioria inofensivas para o ser
humano, sendo algumas até
benéficas. (estômago-vit.K )
Vírus




- Do latin virus,
"veneno" ou "toxina")
são pequenos agentes
infecciosos
algumas dezenas de
vezes menores que as
minúsculas bactérias que não são visíveis ao
microscópio comum,
mas apenas ao
microscópio eletrônico
Fungos


- Membros de um grande
grupo de organismos que
inclui micro-organismos
tais como as leveduras e
bolores, bem como os
mais familiares
cogumelos
RESPIRAÇÃO CELULAR




A respiração celular é o processo de obtenção de
energia mais utilizado pelos seres vivos.
Ela pode ser de dois tipos, Respiração
Anaeróbia (sem utilização de oxigênio também
chamada de fermentação) e Respiração Aeróbia
(com utilização de oxigênio).
VIROLOGIA



É o estudo dos vírus e suas propriedades
Os vírus são “ácido nucléico envolvido por um
pacote protéico”, inertes no ambiente
extracelular, somente sendo capazes de
reproduzir-se dentro da célula hospedeira, por
isso são freqüentemente classificados como
"parasitas intracelulares obrigatórios".
ESTRUTURAS DO VÍRUS
ESTRUTURA MOLECULAR


O envoltório dos vírus, formado por proteínas, é
denominado capsídio. Além de proteger o
ácido nucléico viral, o capsídio tem a capacidade
de se combinar quimicamente com substâncias
presentes na superfície das células, o que permite
ao vírus reconhecer e atacar o tipo de célula
adequado a hospedá-lo.
INFECÇÃO E REPLICAÇÃO DOS
VÍRUS





Passo 1: O vírus se unir à sua célula hospedeira
Passo 2: O vírus ou a sua informação genética
penetra na célula.
Passo 3: O ácido nucleico é revestido que libera
o DNA ou RNA a partir do seu capsomeres ou
envelope lipídico e permite a célula hospedeira
para ler (expresso) as funções genéticas do vírus.


Etapa 4: Nesta fase, apenas uma parte da
informação genética viral é expresso, resultando
na síntese de apenas um subconjunto de
proteínas virais codificados coletivamente
denominados o início das funções dos genes
virais (proteínas). Em alguns casos, elas
contribuem diretamente para a replicação do
cromossomo viral. Em alguns casos, estas
proteínas virais desligam muitas das atividades
da célula-hospedeiro.




Passo 5: O ácido nucléico viral é, então,
sintetizados para produzir centenas ou milhares
de cópias do cromossomo viral.
Passo 6: Neste momento, um segundo
subconjunto das informações genéticas virais,
comumente chamado de proteínas tarde, é
expressa. Estas são as proteínas estruturais,
incluindo o capsomeres do vírus.




Passo 7: O capsomeres são montados para
formar um novo reservatório em torno do ácido
nucléico do vírus.
Passo 8: O vírus maduro tendo repetido suas
cópias novas, é liberada a partir da célula
infectada para atacar uma nova célula e repita o
processo.
DOENÇAS HUMANAS VIRAIS
 Catapora
 Hepatite
 Caxumba
 Hepatite A
 Conjuntivite
 Hepatite C
 Dengue
 Herpes
 Faringite
 Hidrofobia (raiva)
 Febre Amarela
 Dengue
 Gripe
 Poliomielite
 Gripe A
 Rubéola
 Gripe do Frango
 Sarampo
 Varíola
MICOLOGIA




Micologia vem do grego "Mykes" que quer dizer
cogumelo e "logos" estudo.
É a ciência que estuda os fungos.
METABOLISMO DOS FUNGOS


Os fungos são micro-organismos
heterotróficos e, em sua maioria, aeróbios
obrigatórios. No entanto, certas leveduras
fermentadoras, aeróbias facultativas, se
desenvolvem em ambientes com pouco
oxigênio ou mesmo na ausência deste
elemento.
PRINCIPAIS DOENÇAS
CAUSADAS POR FUNGOS



Monilíase ou Candidíase
É um dos mais irritantes corrimentos. Provoca
corrimento espesso e grumoso tipo “nata de
leite” e geralmente é acompanhado de coceira
ou irritação intensa. Cândida ou Monília é um
fungo, e a candidíase é, portanto, uma micose.
ACTINOMICOSES


É uma infecção crônica, purulenta e localizada, causada
por bactérias e fungos, sendo a Actinomyces israelii
(um bacilo que pode estar presente nas gengivas, nos
dentes e nas amígdalas) o mais frequente. Este tipo de
infecção pode atingir vários locais, embora seja mais
frequente no tecido subcutâneo e no tecido ósseo,
manifestando-se pelo surgimento de abcessos e de
fístulas. Esta doença afeta sobretudo o sexo masculino
e na idade adulta e apenas ocasionalmente indivíduos
do sexo feminino.
PITRÍASE VERSICOLOR






Também vulgarmente conhecida como "micose de praia" ou
"pano branco", a Pitiríase versicolor é uma micose mas, ao
contrário do que se pensa, não é adquirida na praia ou piscina.
O fungo causador da doença habita a pele de todas as pessoas e,
em algumas delas, é capaz de se desenvolver provocando as
manchas.
Muitas vezes, a doença é percebida poucos dias após a exposição
da pele ao sol, porque nas áreas da pele afetadas pela micose, a
pele não se bronzeia. Com o bronzeamento da pele ao redor,
ficam perceptíveis as áreas mais claras onde está a doença e a
pessoa acha que pegou a micose na praia ou piscina. Entretanto,
o sol apenas mostrou aonde estava a micose. Vem daí o nome
"micose de praia".
PARASITOLOGIA


É a ciência que estuda os parasitas, os seus
hospedeiros e a relações entre eles.
PROTOZOÁRIOS





São organismos com ampla
dispersão em ambientes úmidos e
aquáticos, com espécies de vida livre
e outras parasitárias de invertebrados
e vertebrados.
Podem causar doenças, por
exemplo: Tricomonas vaginales, parasita
da vagina das mulheres; e a doença
de Chagas, transmitida pelas fezes
do inseto chamado barbeiro ou
chupança (Triatoma infestans),
defecando nas proximidades do local
onde picou, permitindo que o agente
etiológico (protozoário da espécie
Tripanosoma cruzi) penetre na corrente
sangüínea através do orifício
causado pela picada.
HELMINTOS


Vermes cilíndricos e
afilados. Fazem parte do
reino animália. Alguns
são patológicos, como o
causador da
esquistossomose.
ARTRÓPODES


Os artrópodes são
invertebrados que
possuem patas
articuladas, tem uma
carapaça protetora
externa, que é o seu
esqueleto
INFECÇÃO HOSPITALAR


Qualquer tipo de infecção adquirida após a
entrada do paciente em um hospital ou após a
sua alta quando essa infecção estiver diretamente
relacionada com a internação ou procedimento
hospitalar, como, por exemplo, uma cirurgia.
DIAGNÓSTICO









Observação direta do paciente ou análise de seu prontuário.
Resultados de exames de laboratório.
Quando não houver evidência clínica ou laboratorial de infecção no
momento da internação no hospital, convenciona-se infecção
hospitalar toda manifestação clínica de infecção que se apresentar
após 72 horas da admissão no hospital.
Também são convencionadas infecções hospitalares aquelas
manifestadas antes de 72 horas da internação, quando associadas a
procedimentos médicos realizados durante esse período.
Os pacientes transferidos de outro hospital são considerados
portadores de infecção hospitalar do seu hospital de origem.
As infecções de recém-nascidos são hospitalares, com exceção das
transmitidas pela placenta ou das associadas a bolsa rota superior a 24
horas.
COMO SE ADQUIRE?




Qualquer pessoa que é obrigada a internar-se em
ambiente hospitalar para tratamento médico está
sujeita a contrair uma infecção hospitalar, que está
diretamente relacionada ao tempo de internação e
procedimento a ser realizado.
Em procedimentos cirúrgicos sempre existem mais
riscos de contrair infecção do que em uma
internação sem procedimentos já que Unidades de
Tratamento Intensivo (UTIs) ou Centros Cirúrgicos
são locais onde há muito mais chances de contrair
infecção.
COMO SE PREVINE?


A prevenção de infecções hospitalares por todo
o mundo depende muito mais da instituição
hospitalar e de seus trabalhadores do que dos
pacientes, já que ninguém se interna com
intenção de contrair doenças dentro do hospital.
Aula de  microbiologia Prof. Gilberto de Jesus

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
SMS - Petrópolis
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
Renato Varges - UFF
 
Aula 1 introdução a microbiologia
Aula 1 introdução a microbiologiaAula 1 introdução a microbiologia
Aula 1 introdução a microbiologia
Rubistenia Araújo
 
Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
Thiago Paulino
 
Aula 1 - M
Aula 1 - MAula 1 - M
texto e micro e parasito
texto e micro e parasito texto e micro e parasito
texto e micro e parasito
Paulo Henrique Campos Vilhena
 
Aula slides introdu+º+úo a microbiologia
Aula slides   introdu+º+úo a microbiologiaAula slides   introdu+º+úo a microbiologia
Aula slides introdu+º+úo a microbiologia
Simone Alvarenga
 
Principios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologiaPrincipios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologia
Luciano Marques
 
6 - parasitologia
6 - parasitologia6 - parasitologia
6 - parasitologia
Marcus Magarinho
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
Leonardo Souza
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
Jaqueline Almeida
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Hamilton Nobrega
 
Aula virus 3
Aula virus 3Aula virus 3
Aula virus 3
Marcia Moreira
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
lucas106085
 
Avaliação de biossegurança
Avaliação de biossegurançaAvaliação de biossegurança
Avaliação de biossegurança
Marcos Randall
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Brunno Lemes de Melo
 
Aula slides virologia
Aula slides   virologiaAula slides   virologia
Aula slides virologia
Simone Alvarenga
 
Princípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológicoPrincípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológico
Universidade de Brasília
 

Mais procurados (20)

Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
Aula 1 introdução a microbiologia
Aula 1 introdução a microbiologiaAula 1 introdução a microbiologia
Aula 1 introdução a microbiologia
 
Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
 
Aula 1 - M
Aula 1 - MAula 1 - M
Aula 1 - M
 
texto e micro e parasito
texto e micro e parasito texto e micro e parasito
texto e micro e parasito
 
Aula slides introdu+º+úo a microbiologia
Aula slides   introdu+º+úo a microbiologiaAula slides   introdu+º+úo a microbiologia
Aula slides introdu+º+úo a microbiologia
 
Principios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologiaPrincipios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologia
 
6 - parasitologia
6 - parasitologia6 - parasitologia
6 - parasitologia
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
 
Aula virus 3
Aula virus 3Aula virus 3
Aula virus 3
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
 
Avaliação de biossegurança
Avaliação de biossegurançaAvaliação de biossegurança
Avaliação de biossegurança
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Aula slides virologia
Aula slides   virologiaAula slides   virologia
Aula slides virologia
 
Princípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológicoPrincípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológico
 

Semelhante a Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus

Vírus e reino monera
Vírus e reino moneraVírus e reino monera
Vírus e reino monera
Roberto Bagatini
 
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptxMicrorganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Maria Céu Santos
 
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptxMicrorganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Maria Céu Santos
 
Resumo teórico de virologia
Resumo teórico de virologiaResumo teórico de virologia
Resumo teórico de virologia
emanuel
 
Microbiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptxMicrobiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptx
enfermeiraelainnechr
 
Vírus
VírusVírus
Microrganismos Oscar Couto_6º CF.pptx
Microrganismos Oscar Couto_6º CF.pptxMicrorganismos Oscar Couto_6º CF.pptx
Microrganismos Oscar Couto_6º CF.pptx
Maria Céu Santos
 
Sara, miriam e vivi (2)
Sara, miriam e vivi (2)Sara, miriam e vivi (2)
Sara, miriam e vivi (2)
Carla Gomes
 
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Marcelo Leal Souza
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação ViralAula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Jaqueline Almeida
 
Vírus e reino monera[1]
Vírus e reino monera[1]Vírus e reino monera[1]
Vírus e reino monera[1]
Roberto Bagatini
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
mateusgato
 
Microbilogia: Microrganismos Utilizados na Produção de Medicamentos - IFAL
Microbilogia: Microrganismos Utilizados na Produção de Medicamentos - IFALMicrobilogia: Microrganismos Utilizados na Produção de Medicamentos - IFAL
Microbilogia: Microrganismos Utilizados na Produção de Medicamentos - IFAL
Carlos Arroxelas
 
Unidade3 bio12 ano20_21
Unidade3 bio12 ano20_21Unidade3 bio12 ano20_21
Unidade3 bio12 ano20_21
Cláudia Barros Moreira
 
Microbios
MicrobiosMicrobios
Microbios
Rute Guilherme
 
Trabalhoooocnjana
TrabalhoooocnjanaTrabalhoooocnjana
Trabalhoooocnjana
Carla Gomes
 
Trabalhoooocnjana
TrabalhoooocnjanaTrabalhoooocnjana
Trabalhoooocnjana
Carla Gomes
 
Micróbios
MicróbiosMicróbios
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
Rodrigo Corte Real
 
Virus
VirusVirus

Semelhante a Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus (20)

Vírus e reino monera
Vírus e reino moneraVírus e reino monera
Vírus e reino monera
 
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptxMicrorganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
 
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptxMicrorganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
 
Resumo teórico de virologia
Resumo teórico de virologiaResumo teórico de virologia
Resumo teórico de virologia
 
Microbiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptxMicrobiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptx
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Microrganismos Oscar Couto_6º CF.pptx
Microrganismos Oscar Couto_6º CF.pptxMicrorganismos Oscar Couto_6º CF.pptx
Microrganismos Oscar Couto_6º CF.pptx
 
Sara, miriam e vivi (2)
Sara, miriam e vivi (2)Sara, miriam e vivi (2)
Sara, miriam e vivi (2)
 
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação ViralAula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
 
Vírus e reino monera[1]
Vírus e reino monera[1]Vírus e reino monera[1]
Vírus e reino monera[1]
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Microbilogia: Microrganismos Utilizados na Produção de Medicamentos - IFAL
Microbilogia: Microrganismos Utilizados na Produção de Medicamentos - IFALMicrobilogia: Microrganismos Utilizados na Produção de Medicamentos - IFAL
Microbilogia: Microrganismos Utilizados na Produção de Medicamentos - IFAL
 
Unidade3 bio12 ano20_21
Unidade3 bio12 ano20_21Unidade3 bio12 ano20_21
Unidade3 bio12 ano20_21
 
Microbios
MicrobiosMicrobios
Microbios
 
Trabalhoooocnjana
TrabalhoooocnjanaTrabalhoooocnjana
Trabalhoooocnjana
 
Trabalhoooocnjana
TrabalhoooocnjanaTrabalhoooocnjana
Trabalhoooocnjana
 
Micróbios
MicróbiosMicróbios
Micróbios
 
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
 
Virus
VirusVirus
Virus
 

Mais de Gilberto de Jesus

Apostila de cuidador
Apostila de cuidador Apostila de cuidador
Apostila de cuidador
Gilberto de Jesus
 
Cuidados de Enfermagem no Trauma abdominal
 Cuidados de Enfermagem no Trauma abdominal  Cuidados de Enfermagem no Trauma abdominal
Cuidados de Enfermagem no Trauma abdominal
Gilberto de Jesus
 
Historia da enfermagem período pré-cristão
Historia da enfermagem   período pré-cristãoHistoria da enfermagem   período pré-cristão
Historia da enfermagem período pré-cristão
Gilberto de Jesus
 
Medicação em pediatria
Medicação em pediatriaMedicação em pediatria
Medicação em pediatria
Gilberto de Jesus
 
Exame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoçoExame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoço
Gilberto de Jesus
 
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros  Proº Gilberto de JesusPrimeiros socorros  Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de JesusCalculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Drogas - Profº Gilberto de Jesus
Drogas - Profº Gilberto de JesusDrogas - Profº Gilberto de Jesus
Drogas - Profº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de JesusEtica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de JesusCalculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de JesusÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 

Mais de Gilberto de Jesus (12)

Apostila de cuidador
Apostila de cuidador Apostila de cuidador
Apostila de cuidador
 
Cuidados de Enfermagem no Trauma abdominal
 Cuidados de Enfermagem no Trauma abdominal  Cuidados de Enfermagem no Trauma abdominal
Cuidados de Enfermagem no Trauma abdominal
 
Historia da enfermagem período pré-cristão
Historia da enfermagem   período pré-cristãoHistoria da enfermagem   período pré-cristão
Historia da enfermagem período pré-cristão
 
Medicação em pediatria
Medicação em pediatriaMedicação em pediatria
Medicação em pediatria
 
Exame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoçoExame fisico cabeça e pescoço
Exame fisico cabeça e pescoço
 
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros  Proº Gilberto de JesusPrimeiros socorros  Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
 
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de JesusCalculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
 
Drogas - Profº Gilberto de Jesus
Drogas - Profº Gilberto de JesusDrogas - Profº Gilberto de Jesus
Drogas - Profº Gilberto de Jesus
 
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de JesusEtica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
 
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de JesusCalculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
 
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de JesusÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
 

Último

ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
DentiKi
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Misael Rabelo de Martins Custódio
 
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
bentosst
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
RAILANELIMAGOMES
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Werberth Ladislau Rodrigues da Silveira
 
anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
SmeladeOliveira1
 

Último (6)

ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
 
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
 
anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
 

Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus

  • 2.  A Microbiologia é a área da ciência que dedica-se ao estudo de organismos que somente podem ser visualizados ao microscópio.
  • 3. CLASSIFICAÇÃO DOS SERES VIVOS       Estão divididos em 5 reinos 1-Metazoa ou Animália(não produz sua própria energia) animais invertebrados, vertebrados,aves e mamíferos inclusive o homem 2-Metaphyta ou Reino Plante(produz sua própria energia)algas e plantas 3-Monera(organismos unicelulares ou uma única célula)bactérias e algas azuis 4-Fungi(A maioria dos animais e plantas a que estamos habituados encontram-se neste reino)e também os fungos 5-Protista(seres unicelulares como protozoários) Giárdias,amebas e tripanossomos
  • 4. Micro-organismos   Os micro-organismos são seres muito pequenos que não podem ser vistos a olho nu e, para enxergá-los, precisa-se da ajuda de um MICROSCÓPIO Os micro-organismos encontram-se distribuídos em praticamente todos os lugares da natureza. Estão no ar, na água (mares, rios, lagos e água subterrânea) e no solo.
  • 5. MEIOS DE TRANSMISSÃO DOS micro-organismoS    Transmissão direta : Em que há um contato físico entre o organismo doente com o organismo sadio Indireta : Através de objetos como pratos,talheres,toalhas,agulhas utilizadas e tocadas pela pessoa doente Específica : Quando o micro-organismo patogênico atinge o organismo sadio com auxílio de um outro organismo. Ex: mosquito ou mosca
  • 6. VIAS DE PENETRAÇÃO DE micro-organismoS      Pele – ferimentos,picadas de insetos,etc Vias Respiratórias – ambiente fechado Sistema Digestório – ingesta de alimentos Sistema Geniturinário – higiene inadequada Parenteral – material contaminado(agulhas)
  • 8. Bactérias  - Seres vivos mais simples do ponto de vista estrutural, e de menor tamanho, podendo ser conhecidas também como micróbios, algumas causam doenças. São abundantes no ar, no solo e na água e na sua maioria inofensivas para o ser humano, sendo algumas até benéficas. (estômago-vit.K )
  • 9. Vírus   - Do latin virus, "veneno" ou "toxina") são pequenos agentes infecciosos algumas dezenas de vezes menores que as minúsculas bactérias que não são visíveis ao microscópio comum, mas apenas ao microscópio eletrônico
  • 10. Fungos  - Membros de um grande grupo de organismos que inclui micro-organismos tais como as leveduras e bolores, bem como os mais familiares cogumelos
  • 11. RESPIRAÇÃO CELULAR   A respiração celular é o processo de obtenção de energia mais utilizado pelos seres vivos. Ela pode ser de dois tipos, Respiração Anaeróbia (sem utilização de oxigênio também chamada de fermentação) e Respiração Aeróbia (com utilização de oxigênio).
  • 12. VIROLOGIA   É o estudo dos vírus e suas propriedades Os vírus são “ácido nucléico envolvido por um pacote protéico”, inertes no ambiente extracelular, somente sendo capazes de reproduzir-se dentro da célula hospedeira, por isso são freqüentemente classificados como "parasitas intracelulares obrigatórios".
  • 14. ESTRUTURA MOLECULAR  O envoltório dos vírus, formado por proteínas, é denominado capsídio. Além de proteger o ácido nucléico viral, o capsídio tem a capacidade de se combinar quimicamente com substâncias presentes na superfície das células, o que permite ao vírus reconhecer e atacar o tipo de célula adequado a hospedá-lo.
  • 15. INFECÇÃO E REPLICAÇÃO DOS VÍRUS    Passo 1: O vírus se unir à sua célula hospedeira Passo 2: O vírus ou a sua informação genética penetra na célula. Passo 3: O ácido nucleico é revestido que libera o DNA ou RNA a partir do seu capsomeres ou envelope lipídico e permite a célula hospedeira para ler (expresso) as funções genéticas do vírus.
  • 16.  Etapa 4: Nesta fase, apenas uma parte da informação genética viral é expresso, resultando na síntese de apenas um subconjunto de proteínas virais codificados coletivamente denominados o início das funções dos genes virais (proteínas). Em alguns casos, elas contribuem diretamente para a replicação do cromossomo viral. Em alguns casos, estas proteínas virais desligam muitas das atividades da célula-hospedeiro.
  • 17.   Passo 5: O ácido nucléico viral é, então, sintetizados para produzir centenas ou milhares de cópias do cromossomo viral. Passo 6: Neste momento, um segundo subconjunto das informações genéticas virais, comumente chamado de proteínas tarde, é expressa. Estas são as proteínas estruturais, incluindo o capsomeres do vírus.
  • 18.   Passo 7: O capsomeres são montados para formar um novo reservatório em torno do ácido nucléico do vírus. Passo 8: O vírus maduro tendo repetido suas cópias novas, é liberada a partir da célula infectada para atacar uma nova célula e repita o processo.
  • 19.
  • 20. DOENÇAS HUMANAS VIRAIS  Catapora  Hepatite  Caxumba  Hepatite A  Conjuntivite  Hepatite C  Dengue  Herpes  Faringite  Hidrofobia (raiva)  Febre Amarela  Dengue  Gripe  Poliomielite  Gripe A  Rubéola  Gripe do Frango  Sarampo  Varíola
  • 21. MICOLOGIA   Micologia vem do grego "Mykes" que quer dizer cogumelo e "logos" estudo. É a ciência que estuda os fungos.
  • 22. METABOLISMO DOS FUNGOS  Os fungos são micro-organismos heterotróficos e, em sua maioria, aeróbios obrigatórios. No entanto, certas leveduras fermentadoras, aeróbias facultativas, se desenvolvem em ambientes com pouco oxigênio ou mesmo na ausência deste elemento.
  • 23. PRINCIPAIS DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS   Monilíase ou Candidíase É um dos mais irritantes corrimentos. Provoca corrimento espesso e grumoso tipo “nata de leite” e geralmente é acompanhado de coceira ou irritação intensa. Cândida ou Monília é um fungo, e a candidíase é, portanto, uma micose.
  • 24. ACTINOMICOSES  É uma infecção crônica, purulenta e localizada, causada por bactérias e fungos, sendo a Actinomyces israelii (um bacilo que pode estar presente nas gengivas, nos dentes e nas amígdalas) o mais frequente. Este tipo de infecção pode atingir vários locais, embora seja mais frequente no tecido subcutâneo e no tecido ósseo, manifestando-se pelo surgimento de abcessos e de fístulas. Esta doença afeta sobretudo o sexo masculino e na idade adulta e apenas ocasionalmente indivíduos do sexo feminino.
  • 25. PITRÍASE VERSICOLOR    Também vulgarmente conhecida como "micose de praia" ou "pano branco", a Pitiríase versicolor é uma micose mas, ao contrário do que se pensa, não é adquirida na praia ou piscina. O fungo causador da doença habita a pele de todas as pessoas e, em algumas delas, é capaz de se desenvolver provocando as manchas. Muitas vezes, a doença é percebida poucos dias após a exposição da pele ao sol, porque nas áreas da pele afetadas pela micose, a pele não se bronzeia. Com o bronzeamento da pele ao redor, ficam perceptíveis as áreas mais claras onde está a doença e a pessoa acha que pegou a micose na praia ou piscina. Entretanto, o sol apenas mostrou aonde estava a micose. Vem daí o nome "micose de praia".
  • 26. PARASITOLOGIA  É a ciência que estuda os parasitas, os seus hospedeiros e a relações entre eles.
  • 27. PROTOZOÁRIOS   São organismos com ampla dispersão em ambientes úmidos e aquáticos, com espécies de vida livre e outras parasitárias de invertebrados e vertebrados. Podem causar doenças, por exemplo: Tricomonas vaginales, parasita da vagina das mulheres; e a doença de Chagas, transmitida pelas fezes do inseto chamado barbeiro ou chupança (Triatoma infestans), defecando nas proximidades do local onde picou, permitindo que o agente etiológico (protozoário da espécie Tripanosoma cruzi) penetre na corrente sangüínea através do orifício causado pela picada.
  • 28. HELMINTOS  Vermes cilíndricos e afilados. Fazem parte do reino animália. Alguns são patológicos, como o causador da esquistossomose.
  • 29. ARTRÓPODES  Os artrópodes são invertebrados que possuem patas articuladas, tem uma carapaça protetora externa, que é o seu esqueleto
  • 30. INFECÇÃO HOSPITALAR  Qualquer tipo de infecção adquirida após a entrada do paciente em um hospital ou após a sua alta quando essa infecção estiver diretamente relacionada com a internação ou procedimento hospitalar, como, por exemplo, uma cirurgia.
  • 31. DIAGNÓSTICO       Observação direta do paciente ou análise de seu prontuário. Resultados de exames de laboratório. Quando não houver evidência clínica ou laboratorial de infecção no momento da internação no hospital, convenciona-se infecção hospitalar toda manifestação clínica de infecção que se apresentar após 72 horas da admissão no hospital. Também são convencionadas infecções hospitalares aquelas manifestadas antes de 72 horas da internação, quando associadas a procedimentos médicos realizados durante esse período. Os pacientes transferidos de outro hospital são considerados portadores de infecção hospitalar do seu hospital de origem. As infecções de recém-nascidos são hospitalares, com exceção das transmitidas pela placenta ou das associadas a bolsa rota superior a 24 horas.
  • 32. COMO SE ADQUIRE?   Qualquer pessoa que é obrigada a internar-se em ambiente hospitalar para tratamento médico está sujeita a contrair uma infecção hospitalar, que está diretamente relacionada ao tempo de internação e procedimento a ser realizado. Em procedimentos cirúrgicos sempre existem mais riscos de contrair infecção do que em uma internação sem procedimentos já que Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) ou Centros Cirúrgicos são locais onde há muito mais chances de contrair infecção.
  • 33. COMO SE PREVINE?  A prevenção de infecções hospitalares por todo o mundo depende muito mais da instituição hospitalar e de seus trabalhadores do que dos pacientes, já que ninguém se interna com intenção de contrair doenças dentro do hospital.