SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA




               GISLENE SILVA DOS SANTOS
           MARCIA OLIVEIRA DA FONSECA COSTA




PROJETO INTERDISCIPLINAR – SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA




                     JUIZ DE FORA
                         2012
GISLENE SILVA DOS SANTOS
           MARCIA OLIVEIRA DA FONSECA COSTA




PROJETO INTERDISCIPLINAR – SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA




                           Projeto interdisciplinar apresentado como
                           requisito parcial à conclusão do Curso de
                           Temas transversais nos PCN’s, da
                           Faculdade de Educação, Universidade
                           Federal de Juiz de Fora, Pólo Bicas.




                     JUIZ DE FORA
                         2012
INTRODUÇÃO

          A sexualidade é algo inerente à vida do ser humano. Isso significa dizer
que se constitui de uma necessidade do corpo, bem como tem grande importância
para o desenvolvimento psíquico e está relacionado à busca do prazer (BRASIL,
1998). Por estar ligada ao desenvolvimento do indivíduo, a sexualidade é assunto
presente em diferentes espaços de convívio social, seja entre os familiares seja
entre amigos de escola, da igreja, da comunidade e, atualmente, é também discutido
em veículos de comunicação em massa ou de comunicação virtual, como a televisão
e a Internet. Entretanto, o que se percebe é que nem sempre esse assunto é tratado
com a seriedade que merece. Diante da preocupação de que o conceito sobre o que
é sexualidade e suas implicações, pode ser compreendido erroneamente pelas
crianças e adolescentes, o tema Orientação Sexual deve ser trabalhado pela escola
de modo sistemático e planejado.
          É importante ressaltar que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação - LDB
declara em seu artigo 1º que:


                     A educação abrange os processos formativos que desenvolvem na
                     vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de
                     ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da
                     sociedade civil e nas manifestações culturais. (BRASIL, 1996)


          Considerando o exposto, compreende-se que assuntos relacionados à
formação do indivíduo em sociedade é matéria escolar: ética, pluralidade cultural,
saúde, meio ambiente, orientação sexual, entre outros. Assim, o tema “Orientação
Sexual” deve ser trabalhado em sala de aula como forma de orientar os alunos
acerca da sexualidade, levandos-os a usá-la com prazer e responsabilidade
conforme sugere os Parâmetros Curriculares Nacional – PCN’s (1998, p. 91) a
respeito deste eixo transversal:


                     O objetivo do trabalho de Orientação Sexual é contribuir para que os
                     alunos possam desenvolver e exercer sua sexualidade com prazer e
                     responsabilidade. Esse tema vincula se ao exercício da cidadania na
                     medida em que, de um lado, se propõe a trabalhar o respeito por si e
                     pelo outro, e, por outro lado, busca garantir direitos básicos a todos,
                     como a saúde, a informação e o conhecimento, elementos
                     fundamentais para a formação de cidadãos responsáveis e
                     conscientes de suas capacidades.
Assim   sendo,   o   que   pretendemos      desenvolver     é   um    projeto
interdisciplinar sobre sexualidade na adolescência que será proposto aos alunos
para que “possam desenvolver e exercer sua sexualidade com prazer e
responsabilidade” (BRASIL, 1998), problematizando, contextualizando, questionando
com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento da identidade e da autonomia.
             Para tanto, o projeto será desenvolvido considerando as orientações
previstas nos Parâmetos Curriculares Nacionais – Orientação Sexual que tem como
objetivo nortear o trabalho sob a temática em questão com clareza para todos os
envolvidos no processo educativo dos alunos. O que se ventila é que isso ocorra
através do diálogo aberto, despido de preconceitos e com diferentes olhares entre
as disciplinas existentes para que todos compreendam sua importância, dimensão
social e ética.

PÚBLICO ALVO

             O presente projeto se destina a turma do 5º ano da Escola Estadual Luiz
Salgado Lima. A turma é composta de 13 alunas e 12 alunos na faixa etária entre 10
e 12 anos.

CONTEXTO

             Observando a turma de 5º ano do ensino fundamental notamos que as
crianças começam a perceber as diferenças entre o corpo infantil e o corpo adulto.
Por isso, interessam saber sobre as mudanças ocorridas durante a puberdade,
sobre menstruação, relacionamento sexual, concepção, gravidez, etc.
             No que tange a sexualidade como assunto polêmico, os PCN's
(BRASIL,1998, p. 292) sugere que:


                      (...) as curiosidades das crianças a respeito da sexualidade são
                      questões muito significativas para a subjetividade, na medida em que
                      se relacionam com o conhecimento das origens de cada um e com o
                      desejo de saber. A satisfação dessas curiosidades contribui para que
                      o desejo de saber seja impulsionado ao longo da vida, enquanto a
                      não- satisfação gera ansiedade, tensão e, eventualmente, inibição da
                      capacidade investigativa. A oferta, por parte da escola, de um espaço
                      em que as crianças possam esclarecer suas dúvidas e continuar
                      formulando novas questões, contribui para o alívio das ansiedades
                      que muitas vezes interferem no aprendizado dos conteúdos
                      escolares.
As crianças conversam entre si sobre sexualidade, comentam sobre
programas ou cenas de novelas que veem pela TV, ou até sobre manifestações
afetivas e sexuais presenciadas. A turma já estudou em Ciências sobre o sistema
reprodutor que destacou os órgãos componentes do sistema reprodutor masculino e
feminino, a fecundação e a gestação, gravidez indesejada, métodos contraceptivos.
Entretanto, o assunto sexualidade na adolescência não fora abordado.
           É importante que as crianças reconheçam que o ato sexual além da
dimensão biológica (reprodutiva), envolve a dimensão psicofísica e a dimensão
afetiva, bem como a dimensão social. Neste sentido, deve-se trabalhar a questão do
vínculo afetivo entre os casais como pré-requisito para a promoção do
relacionamento sexual saudável entre parceiros, sendo o namoro uma fase de
estreitamento destes vínculos afetivos.

OBJETIVOS

- Identificar as alterações físicas decorrentes da puberdade e relacioná-las às
sensações de busca pelo prazer;
- Compreender o conceito sexualidade como forma de prazer ligada à afetividade;
- Compreender o conceito namoro como uma etapa do relacionamento entre duas
pessoas que se sentem atraídas e desejam se conhecer melhor.
- Identificar imagens que disseminam a cultura do corpo perfeito e que estimulam a
manifestação da sexualidade precoce.
- Reconhecer a prática de exercícios físicos saudáveis para manutenção da saúde
do corpo
- Identificar músicas que tratam da sexualidade de forma vulgar ou de forma poética,
e diferenciar o contexto onde estas veiculam.

JUSTIFICATIVA

           O tratamento da temática sexualidade e afetividade é atual e de suma
importância, uma vez que a partir de 10 ou 11 anos as crianças começam a se sentir
diferentes e a se comportar de forma diferente em virtude das alterações hormonais
ocasionadas pela puberdade. É necessário que eles compreendam a influência das
transformações biológicas sobre as transformações psicofísicas, social e afetiva do
ser humano, compreendendo assim como uma transformação natural inerente à
espécie humana.


DESENVOLVIMENTO
          Após destacar o assunto a ser tratado “Sexualidade na Adolescência”,
iniciar a sequência didática com a dinâmica caixa surpresa, distribuindo folhas de
papel ofício para que os alunos possam responder a duas perguntas: "O que eu já
sei sobre sexualidade?" "O que eu ainda não sei sobre sexualidade e o que eu ainda
preciso saber?". Junto com a turma, a professora deve determinar um tempo para
elaboração das respostas que serão colocadas na caixa surpresa. Assim, a
realização dessa dinâmica propiciará a avaliação dos conhecimentos prévios dos
alunos, bem como identificará as dúvidas e interesses dos alunos na ampliação dos
conhecimentos.
          Em seguida, cada aluno sorteará uma folha na caixa e lerá as respostas
aos questionamentos iniciais. Caso a folha sorteada seja a que ele mesmo
escreveu, deve devolvê-la e sortear outra folha. Após a leitura, a professora deve
incentivá-los a tecer comentários sobre o que o colega gostaria de saber, os
auxiliando a expor suas ideias, hipóteses e inferências, bem como fazer
esclarecimentos necessários inclusive sobre a diferença entre os conceitos de sexo
e sexualidade.
          Para enriquecer o assunto será reproduzido o vídeo Adolescentes,
Psicologia, Puberdade (para essa reprodução o vídeo será editado cortando o último
slide e colocando a música “Xote das Meninas” de Luiz Gonzaga como fundo
musical). Logo após, com base nos comentários de alunos e professor (a) sobre o
vídeo e sobre a música, um diálogo aberto e franco deve proporcionar a
compreensão de diversos conceitos: puberdade como uma alteração biológica que
influência o comportamento individual e social do adolescente; a sexualidade como
uma manifestação natural do corpo humano que envolve pensamentos, sentimentos
e ações; o namoro como uma fase em que duas pessoas se sentem atraídas e
desejam se conhecer melhor, mas também como uma relação em que há trocas
afetivas; o sexo como uma relação de afetividade mais intima entre o casal e como
um ato de reprodução humana garantindo a transcendência da espécie. Além disso,
serão exploradas a leitura de imagens contidas no vídeo, os conceitos histórico-
culturais abordados no "tempo da vovó" e na atualidade.
O vídeo mostra a preocupação da jovem em ter um corpo perfeito, isso é
uma marca da cultura atual. Muitas vezes o culto ao corpo perfeito influencia a
manifestação da sexualidade sem compromisso com a afetividade. Esse é um ponto
que deverá ser destaque na conversa, enfatizando que o corpo perfeito é aquele que
é dotado de saúde.
           Com vistas a proporcionar interdisciplinaridade entre Língua Portuguesa,
Arte, Educação Física e Matemática será proposto um trabalho em grupo, no qual
cada grupo com abordará um diferente aspecto:
           Grupo 1- pesquisar em revistas propagandas que cultuam a imagem do
corpo perfeito que incentivam a sexualidade e montar um painel com uma frase
crítica.
           Grupo 2 - pesquisar com auxílio do (a) professor (a) formas de garantir um
corpo saudável através de atividades físicas saudáveis e apresentar uma tabela de
quantas calorias são gastas durante uma hora de exercício e um cartaz com os
benefícios da prática rotineira de atividades físicas.
           Grupo 3 – pesquisar músicas ou videoclipes que estimulam a
manifestação da sexualidade, ou que falam sobre a sexualidade de forma vulgar, e
identificar o autor, a mensagem e o contexto de produção.
           Grupo 4 – pesquisar músicas ou videoclipes que falam sobre a
sexualidade enfatizando a afetividade entre duas pessoas e identificar o autor, a
mensagem e o contexto social onde a música é veiculada.
           O trabalho será feito em duas etapas: extraescolar e intraescolar, assim
os alunos terão a oportunidade de pesquisar em sites, solicitar o auxílio dos
familiares, como também poderão contar com o apoio de (a) professor (a) regente,
(a) professor (a) da Bibliotecária e professor (a) de educação física. Para que o
trabalho em grupo cumpra os objetivos esperados é necessário que a professora
acompanhe o desenrolar do mesmo auxiliando o grupo na sua produção dos
mesmos e enfatizando a importância da leitura crítica das imagens e das letras das
músicas.
CULMINÂNCIA E AVALIAÇÃO


             A culminância do projeto se dará com a socialização dos resultados das
pesquisas em grupo seguida de debate crítico. Através do debate, tanto a professora
quanto a turma poderão avaliar o que aprendeu sobre o assunto tratado.

RECURSOS MATERIAIS:

- Caixa encapada
- Folhas de papel sulfite
- Cartolinas
- Fita adesiva
- Cola
- Revistas
- CD
- DVD
- Aparelho reprodutor de CD
- Televisão
- Aparelho reprodutor de DVD
- Caneta
- Pincel atômico
- Régua

TEMPO APROXIMADO PARA A APLICAÇÃO DO PROJETO

 4 aulas de 50 minutos.




REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares
Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília:
MECSEF, 1998.

VÍDEO:      Adolescente     –   psicologia     –    puberdade.      Disponível:
<http://www.youtube.com/watch?v=x2ottdDJv-Y>. Acesso em 25 jun. 12.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ORIENTAÇÃO SEXUAL NAS ESCOLAS: A IMPORTÂNCIA E AS DIFICULDADES DA ABORDAGEM J...
ORIENTAÇÃO SEXUAL NAS ESCOLAS: A IMPORTÂNCIA E AS DIFICULDADES DA ABORDAGEM J...ORIENTAÇÃO SEXUAL NAS ESCOLAS: A IMPORTÂNCIA E AS DIFICULDADES DA ABORDAGEM J...
ORIENTAÇÃO SEXUAL NAS ESCOLAS: A IMPORTÂNCIA E AS DIFICULDADES DA ABORDAGEM J...
Junior Moraes
 
10.2 orientação sexual
10.2 orientação sexual10.2 orientação sexual
10.2 orientação sexual
celikennedy
 
Celma alessandra silva erika
Celma alessandra silva erikaCelma alessandra silva erika
Celma alessandra silva erika
Fernando Pissuto
 
Orientacao sexual
Orientacao sexualOrientacao sexual
Orientacao sexual
Alinebrauna Brauna
 
Orientação Sexual E A Escola – Segundo Os P C N
Orientação  Sexual E A  Escola –  Segundo Os  P C NOrientação  Sexual E A  Escola –  Segundo Os  P C N
Orientação Sexual E A Escola – Segundo Os P C N
souzagabrielli
 
Espaços formais de Educação Sexual na escola.
Espaços formais de Educação Sexual na escola.Espaços formais de Educação Sexual na escola.
Espaços formais de Educação Sexual na escola.
Fábio Fernandes
 
Brincadeiras invenções e transgressões de gênero na educação infantil
Brincadeiras invenções e transgressões de gênero na educação infantilBrincadeiras invenções e transgressões de gênero na educação infantil
Brincadeiras invenções e transgressões de gênero na educação infantil
Renata Cunha
 
Boa esperança.santa rita orientação sexual_1.ppt
Boa esperança.santa rita orientação sexual_1.pptBoa esperança.santa rita orientação sexual_1.ppt
Boa esperança.santa rita orientação sexual_1.ppt
temastransversais
 
Sexualidade na escola 06-04-16
Sexualidade na escola 06-04-16Sexualidade na escola 06-04-16
Sexualidade na escola 06-04-16
flor Oliveira
 
Linhas Orientadoras de Acção - Sec
Linhas Orientadoras de Acção - SecLinhas Orientadoras de Acção - Sec
Linhas Orientadoras de Acção - Sec
Cristina Couto Varela
 
12 dez
12 dez12 dez
Primeira infancia melhor
Primeira infancia melhorPrimeira infancia melhor
Primeira infancia melhor
Fundação de Economia e Estatística
 
Perfil do aluno noturno eja
Perfil do aluno noturno ejaPerfil do aluno noturno eja
Perfil do aluno noturno eja
Alexsandra Brito
 
Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação
Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação
Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação
Sandra Freitas
 
Laura simone
Laura simoneLaura simone
Laura simone
Fernando Pissuto
 
15 outubro
15 outubro15 outubro
15 outubro
LugaraoAfecto
 

Mais procurados (16)

ORIENTAÇÃO SEXUAL NAS ESCOLAS: A IMPORTÂNCIA E AS DIFICULDADES DA ABORDAGEM J...
ORIENTAÇÃO SEXUAL NAS ESCOLAS: A IMPORTÂNCIA E AS DIFICULDADES DA ABORDAGEM J...ORIENTAÇÃO SEXUAL NAS ESCOLAS: A IMPORTÂNCIA E AS DIFICULDADES DA ABORDAGEM J...
ORIENTAÇÃO SEXUAL NAS ESCOLAS: A IMPORTÂNCIA E AS DIFICULDADES DA ABORDAGEM J...
 
10.2 orientação sexual
10.2 orientação sexual10.2 orientação sexual
10.2 orientação sexual
 
Celma alessandra silva erika
Celma alessandra silva erikaCelma alessandra silva erika
Celma alessandra silva erika
 
Orientacao sexual
Orientacao sexualOrientacao sexual
Orientacao sexual
 
Orientação Sexual E A Escola – Segundo Os P C N
Orientação  Sexual E A  Escola –  Segundo Os  P C NOrientação  Sexual E A  Escola –  Segundo Os  P C N
Orientação Sexual E A Escola – Segundo Os P C N
 
Espaços formais de Educação Sexual na escola.
Espaços formais de Educação Sexual na escola.Espaços formais de Educação Sexual na escola.
Espaços formais de Educação Sexual na escola.
 
Brincadeiras invenções e transgressões de gênero na educação infantil
Brincadeiras invenções e transgressões de gênero na educação infantilBrincadeiras invenções e transgressões de gênero na educação infantil
Brincadeiras invenções e transgressões de gênero na educação infantil
 
Boa esperança.santa rita orientação sexual_1.ppt
Boa esperança.santa rita orientação sexual_1.pptBoa esperança.santa rita orientação sexual_1.ppt
Boa esperança.santa rita orientação sexual_1.ppt
 
Sexualidade na escola 06-04-16
Sexualidade na escola 06-04-16Sexualidade na escola 06-04-16
Sexualidade na escola 06-04-16
 
Linhas Orientadoras de Acção - Sec
Linhas Orientadoras de Acção - SecLinhas Orientadoras de Acção - Sec
Linhas Orientadoras de Acção - Sec
 
12 dez
12 dez12 dez
12 dez
 
Primeira infancia melhor
Primeira infancia melhorPrimeira infancia melhor
Primeira infancia melhor
 
Perfil do aluno noturno eja
Perfil do aluno noturno ejaPerfil do aluno noturno eja
Perfil do aluno noturno eja
 
Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação
Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação
Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação
 
Laura simone
Laura simoneLaura simone
Laura simone
 
15 outubro
15 outubro15 outubro
15 outubro
 

Destaque

Sexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescenciaSexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescencia
Sergio Cintra
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
hugo1993
 
Folder sobre orientação sexual para meninas
Folder sobre orientação sexual para meninasFolder sobre orientação sexual para meninas
Folder sobre orientação sexual para meninas
Evelyn Monte
 
8º ano
8º ano8º ano
127919432 educacao-sexual
127919432 educacao-sexual127919432 educacao-sexual
127919432 educacao-sexual
Pelo Siro
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
Ana Paula Jansen Hencker
 
Gravidez2
Gravidez2Gravidez2
Gravidez2
fc7c0809
 
A sexualidade e a gravidez na adolescência
A sexualidade e a gravidez na adolescênciaA sexualidade e a gravidez na adolescência
A sexualidade e a gravidez na adolescência
Soraiafmf Smf
 
Aula conceição lyra
Aula conceição lyraAula conceição lyra
Aula conceição lyra
CRISCASTROLARANJEIRA
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
Michele Pó
 
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIASEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
Jose Camara
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
Ana Paula Ribeiro de Oliveira
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
LuisMagina
 

Destaque (13)

Sexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescenciaSexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescencia
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Folder sobre orientação sexual para meninas
Folder sobre orientação sexual para meninasFolder sobre orientação sexual para meninas
Folder sobre orientação sexual para meninas
 
8º ano
8º ano8º ano
8º ano
 
127919432 educacao-sexual
127919432 educacao-sexual127919432 educacao-sexual
127919432 educacao-sexual
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
 
Gravidez2
Gravidez2Gravidez2
Gravidez2
 
A sexualidade e a gravidez na adolescência
A sexualidade e a gravidez na adolescênciaA sexualidade e a gravidez na adolescência
A sexualidade e a gravidez na adolescência
 
Aula conceição lyra
Aula conceição lyraAula conceição lyra
Aula conceição lyra
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
 
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIASEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
 

Semelhante a Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia

Sexualidade na Escola
Sexualidade na EscolaSexualidade na Escola
Sexualidade na Escola
LeandroFuzaro
 
Gravidez
GravidezGravidez
Sexualidade infantil
Sexualidade infantil Sexualidade infantil
Sexualidade infantil
Dhilma Freitas
 
Orientacao sexual
Orientacao sexualOrientacao sexual
Orientacao sexual
Placido Esporte Clube
 
Educação afetivo sexual
Educação afetivo sexualEducação afetivo sexual
Educação afetivo sexual
passarada
 
Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1
Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1
Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1
temastransversais
 
Artigo orientação sexual
Artigo orientação sexualArtigo orientação sexual
Artigo orientação sexual
Blog da Criançada
 
Artigo3
Artigo3Artigo3
PCN-Livro10 2-orientação sexual
PCN-Livro10 2-orientação sexualPCN-Livro10 2-orientação sexual
PCN-Livro10 2-orientação sexual
Manim Edições
 
Orientacao sexual mec
Orientacao sexual mecOrientacao sexual mec
Orientacao sexual mec
Adao Farias
 
PCN - Orientação Sexual
PCN - Orientação SexualPCN - Orientação Sexual
PCN - Orientação Sexual
Blog da Criançada
 
Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)
Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)
Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)
jornadaeducacaoinfantil
 
A educação sexual no pré escolar
A educação sexual no pré escolarA educação sexual no pré escolar
A educação sexual no pré escolar
Maria Amaral
 
Artigo5
Artigo5Artigo5
Afetividade no desenvolvimento infantil final
Afetividade no desenvolvimento infantil finalAfetividade no desenvolvimento infantil final
Afetividade no desenvolvimento infantil final
Isa Silveira
 
Ativ4 6 planodeaulareelaborado_kcalves
Ativ4 6 planodeaulareelaborado_kcalvesAtiv4 6 planodeaulareelaborado_kcalves
Ativ4 6 planodeaulareelaborado_kcalves
katiaalvesborges
 
Ativ4 6 planodeaulareelaborado_kcalves
Ativ4 6 planodeaulareelaborado_kcalvesAtiv4 6 planodeaulareelaborado_kcalves
Ativ4 6 planodeaulareelaborado_kcalves
katiaalvesborges
 
Educação Especial, publico alvo e suas especificidades
Educação Especial, publico alvo e suas especificidadesEducação Especial, publico alvo e suas especificidades
Educação Especial, publico alvo e suas especificidades
638287
 
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Rosane Domingues
 
Tecendo caminhos na relação entre as atividades Lúdicas e as praticas educativas
Tecendo caminhos na relação entre as atividades Lúdicas e as praticas educativasTecendo caminhos na relação entre as atividades Lúdicas e as praticas educativas
Tecendo caminhos na relação entre as atividades Lúdicas e as praticas educativas
christianceapcursos
 

Semelhante a Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia (20)

Sexualidade na Escola
Sexualidade na EscolaSexualidade na Escola
Sexualidade na Escola
 
Gravidez
GravidezGravidez
Gravidez
 
Sexualidade infantil
Sexualidade infantil Sexualidade infantil
Sexualidade infantil
 
Orientacao sexual
Orientacao sexualOrientacao sexual
Orientacao sexual
 
Educação afetivo sexual
Educação afetivo sexualEducação afetivo sexual
Educação afetivo sexual
 
Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1
Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1
Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1
 
Artigo orientação sexual
Artigo orientação sexualArtigo orientação sexual
Artigo orientação sexual
 
Artigo3
Artigo3Artigo3
Artigo3
 
PCN-Livro10 2-orientação sexual
PCN-Livro10 2-orientação sexualPCN-Livro10 2-orientação sexual
PCN-Livro10 2-orientação sexual
 
Orientacao sexual mec
Orientacao sexual mecOrientacao sexual mec
Orientacao sexual mec
 
PCN - Orientação Sexual
PCN - Orientação SexualPCN - Orientação Sexual
PCN - Orientação Sexual
 
Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)
Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)
Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)
 
A educação sexual no pré escolar
A educação sexual no pré escolarA educação sexual no pré escolar
A educação sexual no pré escolar
 
Artigo5
Artigo5Artigo5
Artigo5
 
Afetividade no desenvolvimento infantil final
Afetividade no desenvolvimento infantil finalAfetividade no desenvolvimento infantil final
Afetividade no desenvolvimento infantil final
 
Ativ4 6 planodeaulareelaborado_kcalves
Ativ4 6 planodeaulareelaborado_kcalvesAtiv4 6 planodeaulareelaborado_kcalves
Ativ4 6 planodeaulareelaborado_kcalves
 
Ativ4 6 planodeaulareelaborado_kcalves
Ativ4 6 planodeaulareelaborado_kcalvesAtiv4 6 planodeaulareelaborado_kcalves
Ativ4 6 planodeaulareelaborado_kcalves
 
Educação Especial, publico alvo e suas especificidades
Educação Especial, publico alvo e suas especificidadesEducação Especial, publico alvo e suas especificidades
Educação Especial, publico alvo e suas especificidades
 
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
 
Tecendo caminhos na relação entre as atividades Lúdicas e as praticas educativas
Tecendo caminhos na relação entre as atividades Lúdicas e as praticas educativasTecendo caminhos na relação entre as atividades Lúdicas e as praticas educativas
Tecendo caminhos na relação entre as atividades Lúdicas e as praticas educativas
 

Mais de temastransversais

G6 agua
G6 aguaG6 agua
Bicastiradentes meioambiente reciclagem
Bicastiradentes meioambiente reciclagemBicastiradentes meioambiente reciclagem
Bicastiradentes meioambiente reciclagem
temastransversais
 
Bicastiradentes saudeii higieneesaude
Bicastiradentes saudeii higieneesaudeBicastiradentes saudeii higieneesaude
Bicastiradentes saudeii higieneesaude
temastransversais
 
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantilBicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantil
temastransversais
 
Bicastiradentes pluralidadeculturalii etnias
Bicastiradentes pluralidadeculturalii etniasBicastiradentes pluralidadeculturalii etnias
Bicastiradentes pluralidadeculturalii etnias
temastransversais
 
Bicastiradentes pluralidadeculturali afrodescendencia
Bicastiradentes pluralidadeculturali afrodescendenciaBicastiradentes pluralidadeculturali afrodescendencia
Bicastiradentes pluralidadeculturali afrodescendencia
temastransversais
 
BicasTiradentes_EticaI_ConvívioSocialFamíliaeEscola
BicasTiradentes_EticaI_ConvívioSocialFamíliaeEscolaBicasTiradentes_EticaI_ConvívioSocialFamíliaeEscola
BicasTiradentes_EticaI_ConvívioSocialFamíliaeEscola
temastransversais
 
A plataforma moodle como exemplo de ambiente virtual
A plataforma moodle como exemplo de ambiente virtualA plataforma moodle como exemplo de ambiente virtual
A plataforma moodle como exemplo de ambiente virtual
temastransversais
 
Ilicínea meioambinte 6
Ilicínea meioambinte 6Ilicínea meioambinte 6
Ilicínea meioambinte 6
temastransversais
 
Boa esperança.santa rita saúde.2.ppt
Boa esperança.santa rita saúde.2.pptBoa esperança.santa rita saúde.2.ppt
Boa esperança.santa rita saúde.2.ppt
temastransversais
 
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
temastransversais
 
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
temastransversais
 
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
temastransversais
 
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
temastransversais
 
Ipanema durandé saúde-3.1ppt
Ipanema durandé saúde-3.1pptIpanema durandé saúde-3.1ppt
Ipanema durandé saúde-3.1ppt
temastransversais
 
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.pptBoa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
temastransversais
 
Boa esperança.santa rita meio ambiente 2.ppt
Boa esperança.santa rita meio ambiente 2.pptBoa esperança.santa rita meio ambiente 2.ppt
Boa esperança.santa rita meio ambiente 2.ppt
temastransversais
 
Boa esperança.santa rita saúde 1.ppt
Boa esperança.santa rita saúde 1.pptBoa esperança.santa rita saúde 1.ppt
Boa esperança.santa rita saúde 1.ppt
temastransversais
 
Boa esperança.santa rita meio ambiente 2.ppt
Boa esperança.santa rita meio ambiente 2.pptBoa esperança.santa rita meio ambiente 2.ppt
Boa esperança.santa rita meio ambiente 2.ppt
temastransversais
 
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.pptBoa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.ppt
temastransversais
 

Mais de temastransversais (20)

G6 agua
G6 aguaG6 agua
G6 agua
 
Bicastiradentes meioambiente reciclagem
Bicastiradentes meioambiente reciclagemBicastiradentes meioambiente reciclagem
Bicastiradentes meioambiente reciclagem
 
Bicastiradentes saudeii higieneesaude
Bicastiradentes saudeii higieneesaudeBicastiradentes saudeii higieneesaude
Bicastiradentes saudeii higieneesaude
 
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantilBicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantil
 
Bicastiradentes pluralidadeculturalii etnias
Bicastiradentes pluralidadeculturalii etniasBicastiradentes pluralidadeculturalii etnias
Bicastiradentes pluralidadeculturalii etnias
 
Bicastiradentes pluralidadeculturali afrodescendencia
Bicastiradentes pluralidadeculturali afrodescendenciaBicastiradentes pluralidadeculturali afrodescendencia
Bicastiradentes pluralidadeculturali afrodescendencia
 
BicasTiradentes_EticaI_ConvívioSocialFamíliaeEscola
BicasTiradentes_EticaI_ConvívioSocialFamíliaeEscolaBicasTiradentes_EticaI_ConvívioSocialFamíliaeEscola
BicasTiradentes_EticaI_ConvívioSocialFamíliaeEscola
 
A plataforma moodle como exemplo de ambiente virtual
A plataforma moodle como exemplo de ambiente virtualA plataforma moodle como exemplo de ambiente virtual
A plataforma moodle como exemplo de ambiente virtual
 
Ilicínea meioambinte 6
Ilicínea meioambinte 6Ilicínea meioambinte 6
Ilicínea meioambinte 6
 
Boa esperança.santa rita saúde.2.ppt
Boa esperança.santa rita saúde.2.pptBoa esperança.santa rita saúde.2.ppt
Boa esperança.santa rita saúde.2.ppt
 
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
 
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
 
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
 
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
Ipanema durandé meio-ambiente_8.2
 
Ipanema durandé saúde-3.1ppt
Ipanema durandé saúde-3.1pptIpanema durandé saúde-3.1ppt
Ipanema durandé saúde-3.1ppt
 
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.pptBoa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
 
Boa esperança.santa rita meio ambiente 2.ppt
Boa esperança.santa rita meio ambiente 2.pptBoa esperança.santa rita meio ambiente 2.ppt
Boa esperança.santa rita meio ambiente 2.ppt
 
Boa esperança.santa rita saúde 1.ppt
Boa esperança.santa rita saúde 1.pptBoa esperança.santa rita saúde 1.ppt
Boa esperança.santa rita saúde 1.ppt
 
Boa esperança.santa rita meio ambiente 2.ppt
Boa esperança.santa rita meio ambiente 2.pptBoa esperança.santa rita meio ambiente 2.ppt
Boa esperança.santa rita meio ambiente 2.ppt
 
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.pptBoa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.ppt
 

Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA GISLENE SILVA DOS SANTOS MARCIA OLIVEIRA DA FONSECA COSTA PROJETO INTERDISCIPLINAR – SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA JUIZ DE FORA 2012
  • 2. GISLENE SILVA DOS SANTOS MARCIA OLIVEIRA DA FONSECA COSTA PROJETO INTERDISCIPLINAR – SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA Projeto interdisciplinar apresentado como requisito parcial à conclusão do Curso de Temas transversais nos PCN’s, da Faculdade de Educação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Pólo Bicas. JUIZ DE FORA 2012
  • 3. INTRODUÇÃO A sexualidade é algo inerente à vida do ser humano. Isso significa dizer que se constitui de uma necessidade do corpo, bem como tem grande importância para o desenvolvimento psíquico e está relacionado à busca do prazer (BRASIL, 1998). Por estar ligada ao desenvolvimento do indivíduo, a sexualidade é assunto presente em diferentes espaços de convívio social, seja entre os familiares seja entre amigos de escola, da igreja, da comunidade e, atualmente, é também discutido em veículos de comunicação em massa ou de comunicação virtual, como a televisão e a Internet. Entretanto, o que se percebe é que nem sempre esse assunto é tratado com a seriedade que merece. Diante da preocupação de que o conceito sobre o que é sexualidade e suas implicações, pode ser compreendido erroneamente pelas crianças e adolescentes, o tema Orientação Sexual deve ser trabalhado pela escola de modo sistemático e planejado. É importante ressaltar que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação - LDB declara em seu artigo 1º que: A educação abrange os processos formativos que desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. (BRASIL, 1996) Considerando o exposto, compreende-se que assuntos relacionados à formação do indivíduo em sociedade é matéria escolar: ética, pluralidade cultural, saúde, meio ambiente, orientação sexual, entre outros. Assim, o tema “Orientação Sexual” deve ser trabalhado em sala de aula como forma de orientar os alunos acerca da sexualidade, levandos-os a usá-la com prazer e responsabilidade conforme sugere os Parâmetros Curriculares Nacional – PCN’s (1998, p. 91) a respeito deste eixo transversal: O objetivo do trabalho de Orientação Sexual é contribuir para que os alunos possam desenvolver e exercer sua sexualidade com prazer e responsabilidade. Esse tema vincula se ao exercício da cidadania na medida em que, de um lado, se propõe a trabalhar o respeito por si e pelo outro, e, por outro lado, busca garantir direitos básicos a todos, como a saúde, a informação e o conhecimento, elementos fundamentais para a formação de cidadãos responsáveis e conscientes de suas capacidades.
  • 4. Assim sendo, o que pretendemos desenvolver é um projeto interdisciplinar sobre sexualidade na adolescência que será proposto aos alunos para que “possam desenvolver e exercer sua sexualidade com prazer e responsabilidade” (BRASIL, 1998), problematizando, contextualizando, questionando com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento da identidade e da autonomia. Para tanto, o projeto será desenvolvido considerando as orientações previstas nos Parâmetos Curriculares Nacionais – Orientação Sexual que tem como objetivo nortear o trabalho sob a temática em questão com clareza para todos os envolvidos no processo educativo dos alunos. O que se ventila é que isso ocorra através do diálogo aberto, despido de preconceitos e com diferentes olhares entre as disciplinas existentes para que todos compreendam sua importância, dimensão social e ética. PÚBLICO ALVO O presente projeto se destina a turma do 5º ano da Escola Estadual Luiz Salgado Lima. A turma é composta de 13 alunas e 12 alunos na faixa etária entre 10 e 12 anos. CONTEXTO Observando a turma de 5º ano do ensino fundamental notamos que as crianças começam a perceber as diferenças entre o corpo infantil e o corpo adulto. Por isso, interessam saber sobre as mudanças ocorridas durante a puberdade, sobre menstruação, relacionamento sexual, concepção, gravidez, etc. No que tange a sexualidade como assunto polêmico, os PCN's (BRASIL,1998, p. 292) sugere que: (...) as curiosidades das crianças a respeito da sexualidade são questões muito significativas para a subjetividade, na medida em que se relacionam com o conhecimento das origens de cada um e com o desejo de saber. A satisfação dessas curiosidades contribui para que o desejo de saber seja impulsionado ao longo da vida, enquanto a não- satisfação gera ansiedade, tensão e, eventualmente, inibição da capacidade investigativa. A oferta, por parte da escola, de um espaço em que as crianças possam esclarecer suas dúvidas e continuar formulando novas questões, contribui para o alívio das ansiedades que muitas vezes interferem no aprendizado dos conteúdos escolares.
  • 5. As crianças conversam entre si sobre sexualidade, comentam sobre programas ou cenas de novelas que veem pela TV, ou até sobre manifestações afetivas e sexuais presenciadas. A turma já estudou em Ciências sobre o sistema reprodutor que destacou os órgãos componentes do sistema reprodutor masculino e feminino, a fecundação e a gestação, gravidez indesejada, métodos contraceptivos. Entretanto, o assunto sexualidade na adolescência não fora abordado. É importante que as crianças reconheçam que o ato sexual além da dimensão biológica (reprodutiva), envolve a dimensão psicofísica e a dimensão afetiva, bem como a dimensão social. Neste sentido, deve-se trabalhar a questão do vínculo afetivo entre os casais como pré-requisito para a promoção do relacionamento sexual saudável entre parceiros, sendo o namoro uma fase de estreitamento destes vínculos afetivos. OBJETIVOS - Identificar as alterações físicas decorrentes da puberdade e relacioná-las às sensações de busca pelo prazer; - Compreender o conceito sexualidade como forma de prazer ligada à afetividade; - Compreender o conceito namoro como uma etapa do relacionamento entre duas pessoas que se sentem atraídas e desejam se conhecer melhor. - Identificar imagens que disseminam a cultura do corpo perfeito e que estimulam a manifestação da sexualidade precoce. - Reconhecer a prática de exercícios físicos saudáveis para manutenção da saúde do corpo - Identificar músicas que tratam da sexualidade de forma vulgar ou de forma poética, e diferenciar o contexto onde estas veiculam. JUSTIFICATIVA O tratamento da temática sexualidade e afetividade é atual e de suma importância, uma vez que a partir de 10 ou 11 anos as crianças começam a se sentir diferentes e a se comportar de forma diferente em virtude das alterações hormonais ocasionadas pela puberdade. É necessário que eles compreendam a influência das transformações biológicas sobre as transformações psicofísicas, social e afetiva do
  • 6. ser humano, compreendendo assim como uma transformação natural inerente à espécie humana. DESENVOLVIMENTO Após destacar o assunto a ser tratado “Sexualidade na Adolescência”, iniciar a sequência didática com a dinâmica caixa surpresa, distribuindo folhas de papel ofício para que os alunos possam responder a duas perguntas: "O que eu já sei sobre sexualidade?" "O que eu ainda não sei sobre sexualidade e o que eu ainda preciso saber?". Junto com a turma, a professora deve determinar um tempo para elaboração das respostas que serão colocadas na caixa surpresa. Assim, a realização dessa dinâmica propiciará a avaliação dos conhecimentos prévios dos alunos, bem como identificará as dúvidas e interesses dos alunos na ampliação dos conhecimentos. Em seguida, cada aluno sorteará uma folha na caixa e lerá as respostas aos questionamentos iniciais. Caso a folha sorteada seja a que ele mesmo escreveu, deve devolvê-la e sortear outra folha. Após a leitura, a professora deve incentivá-los a tecer comentários sobre o que o colega gostaria de saber, os auxiliando a expor suas ideias, hipóteses e inferências, bem como fazer esclarecimentos necessários inclusive sobre a diferença entre os conceitos de sexo e sexualidade. Para enriquecer o assunto será reproduzido o vídeo Adolescentes, Psicologia, Puberdade (para essa reprodução o vídeo será editado cortando o último slide e colocando a música “Xote das Meninas” de Luiz Gonzaga como fundo musical). Logo após, com base nos comentários de alunos e professor (a) sobre o vídeo e sobre a música, um diálogo aberto e franco deve proporcionar a compreensão de diversos conceitos: puberdade como uma alteração biológica que influência o comportamento individual e social do adolescente; a sexualidade como uma manifestação natural do corpo humano que envolve pensamentos, sentimentos e ações; o namoro como uma fase em que duas pessoas se sentem atraídas e desejam se conhecer melhor, mas também como uma relação em que há trocas afetivas; o sexo como uma relação de afetividade mais intima entre o casal e como um ato de reprodução humana garantindo a transcendência da espécie. Além disso, serão exploradas a leitura de imagens contidas no vídeo, os conceitos histórico- culturais abordados no "tempo da vovó" e na atualidade.
  • 7. O vídeo mostra a preocupação da jovem em ter um corpo perfeito, isso é uma marca da cultura atual. Muitas vezes o culto ao corpo perfeito influencia a manifestação da sexualidade sem compromisso com a afetividade. Esse é um ponto que deverá ser destaque na conversa, enfatizando que o corpo perfeito é aquele que é dotado de saúde. Com vistas a proporcionar interdisciplinaridade entre Língua Portuguesa, Arte, Educação Física e Matemática será proposto um trabalho em grupo, no qual cada grupo com abordará um diferente aspecto: Grupo 1- pesquisar em revistas propagandas que cultuam a imagem do corpo perfeito que incentivam a sexualidade e montar um painel com uma frase crítica. Grupo 2 - pesquisar com auxílio do (a) professor (a) formas de garantir um corpo saudável através de atividades físicas saudáveis e apresentar uma tabela de quantas calorias são gastas durante uma hora de exercício e um cartaz com os benefícios da prática rotineira de atividades físicas. Grupo 3 – pesquisar músicas ou videoclipes que estimulam a manifestação da sexualidade, ou que falam sobre a sexualidade de forma vulgar, e identificar o autor, a mensagem e o contexto de produção. Grupo 4 – pesquisar músicas ou videoclipes que falam sobre a sexualidade enfatizando a afetividade entre duas pessoas e identificar o autor, a mensagem e o contexto social onde a música é veiculada. O trabalho será feito em duas etapas: extraescolar e intraescolar, assim os alunos terão a oportunidade de pesquisar em sites, solicitar o auxílio dos familiares, como também poderão contar com o apoio de (a) professor (a) regente, (a) professor (a) da Bibliotecária e professor (a) de educação física. Para que o trabalho em grupo cumpra os objetivos esperados é necessário que a professora acompanhe o desenrolar do mesmo auxiliando o grupo na sua produção dos mesmos e enfatizando a importância da leitura crítica das imagens e das letras das músicas.
  • 8. CULMINÂNCIA E AVALIAÇÃO A culminância do projeto se dará com a socialização dos resultados das pesquisas em grupo seguida de debate crítico. Através do debate, tanto a professora quanto a turma poderão avaliar o que aprendeu sobre o assunto tratado. RECURSOS MATERIAIS: - Caixa encapada - Folhas de papel sulfite - Cartolinas - Fita adesiva - Cola - Revistas - CD - DVD - Aparelho reprodutor de CD - Televisão - Aparelho reprodutor de DVD - Caneta - Pincel atômico - Régua TEMPO APROXIMADO PARA A APLICAÇÃO DO PROJETO 4 aulas de 50 minutos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MECSEF, 1998. VÍDEO: Adolescente – psicologia – puberdade. Disponível: <http://www.youtube.com/watch?v=x2ottdDJv-Y>. Acesso em 25 jun. 12.