SlideShare uma empresa Scribd logo
Revista Ciências da Educação
1
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
Tecendo caminhos na relação entre as atividades Lúdicas e as
praticas educativas.
Vivian Greece da Silva Melo1
vgrecce@hotmail.com
RESUMO
Pretendo tecer ao curso do presente artigo, ancoradas as referencias bibliográficas
especificas, considerações relativas ao conjunto de direitos a que fazem jus as
crianças evidenciando em especial as praticas educativas. Objetivando uma analise
que busca compreender quais os processos que estão relacionados as atividades
lúdicas que a criança desenvolve em suas relações sociais, na idade escolar com
seus familiares. Conhecer as atividades direcionadas ao brincar que podem fazer
parte do desenvolvimento psicossocial deste indivíduo. O método consiste em
identificar, por meio da análise de dados obtidos através de referidas bibliografias e
informações educativas.
Palavras-chaves: Criança; Brincar; Educação;
1
Mestranda em Ciências da Educação: Formação educacional, interdisciplinaridade e subjetividade pela
Universidad Autónoma Del Sur - UNASUR, Especialista em Educação Especial- Universidade Federal de Alagoas -
UFAL, Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes - Universidade de São Paulo - USP.
Atualmente é Professora de introdução à Psicologia, Psicologia Social do Curso de Serviço Social da Faculdade
Raimundo Marinho Maceió-AL e do Instituto de Ensino Superior Santa Cecilia- Arapiraca -AL.
Revista Ciências da Educação
2
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
O LÚDICO E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS
Segundo Vygotsky (1998) o brincar cria uma zona de desenvolvimento
proximal na criança, seja pela criação, pela imitação ou ainda pela definição de
regras específicas.
Ressalta ainda que no brinquedo a criança comporta-se de maneira mais
avançada do que é normalmente é. Com o brinquedo a criança ultrapassa limites
que lhe são preestabelecidos, interpreta situações e incorpora e altera significados,
apropriando-se assim em larga escala a sua cultura.
A ação no domínio da fantasia, numa situação imaginária, a criação de
intenções voluntárias e a formação dos planos da vida real e motivações volitivas -
tudo aparece no brinquedo, que se constitui, assim, no mais alto nível do
desenvolvimento infantil. A criança desenvolve-se, essencialmente, através da
atividade do brinquedo (WGOSTKY, 1988, p.117).
A brincadeira é uma atividade que a criança desenvolve em suas relações
sociais, na idade escolar com seus familiares, com outras crianças da mesma idade
sem objetivos educacionais ou de aprendizagem. Atividade essa que a criança faz
para recrear-se ou por diversão, com seus pais, professores, amiguinhos, com o
espaço e com a cultura na qual está inserida. Neste contexto a brincadeira da
criança encontra papel fundamental na educação infantil, pois as crianças se
desenvolvem e conhecem o mundo a partir das interações estabelecidas com a
história e cultura de outras crianças, de seus pais, de seus professores e das
pessoas envolvidas na instituição escolar. (Brougére apud Wajskop, 2001, p.31):
A brincadeira tem sido comumente apontada como espaço privilegiado do
desenvolvimento da criança. Deste modo, considera-se que ela deve ocupar lugar
de destaque na educação infantil. Porém, na realidade o que muitas vezes acontece
e que acaba cedendo espaço para outras atividades pelo educador.
Winnicott (2008) enfatiza a importância de brincar e de criar para a criança,
principalmente nos primeiros anos de vida na construção da identidade pessoal.
Para ele a escola tem por obrigação ajudar a criança completar a transição do modo
mais agradável possível, respeitando o direito de devanear, imaginar, brincar. O
lúdico é uma linguagem natural da criança, por isso torna-se importante sua
presença na escola desde a educação infantil. Através da brincadeira as crianças
recriam, repensam, imitam, experimentam os acontecimentos que lhes deram
Revista Ciências da Educação
3
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
origem. Favorecendo a autoestima, auxiliando no processo de interação com si
mesmo e com o outro, desenvolvem a imaginação, a criatividade, a capacidade
motora e o raciocínio.
Segundo Chateau, não é possível que se pense em infância sem pensar em
brincadeiras e o prazer que as acompanham. Uma criança que em sua infância é
privada do brincar futuramente poderá se tornar um adulto com dificuldades para
pensar (CHATEAU, 1987).
Em sentido geral a educação, é observada como uma forma de aprendizagem
em que conhecimentos, habilidades e hábitos de um grupo de pessoas são
transmitidos de uma geração a outra. Os métodos variam bastantes, e vão desde o
ensino, a investigação e o autodidatismo. De maneira geral ela ocorre por meio de
experiências que exercem um efeito formativo sobre a forma de pensar, agir e sentir
do ser humano.
A educação sempre teve um papel importante na história da humanidade. Os
antigos gregos, por exemplo, entendiam-na não apenas como a transmissão de
informações e de conhecimento, mas como um meio de se atingir o
desenvolvimento global do ser humano.
Para, Oliver Reboul, em O que é educar (www.edue.fe.ul,pt), a educação é
uma ação consciente, por meio da qual o ser humano é capaz de desenvolver suas
aptidões físicas e intelectuais, assim como sentimentos sociais estéticos e morais,
com o objetivo de cumprir, tanto quanto possível, a sua missão como homem. O
autor descreve também a existência de uma educação espontânea, que se dá de
forma inconsciente deste processo. Desta forma, qualquer pessoa, independente de
formação acadêmica, educa o outro individuo por meio de suas palavras e ações.
FAMÍLIA
No mundo inteiro considera-se que tanto os pais como a escola e o Estado
são responsáveis pela educação. No Brasil, a lei federal n° 9.394, de 20 de
dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e as bases da educação, diz em
seu artigo 1°: “A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na
vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e
pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas
manifestações culturais".
Revista Ciências da Educação
4
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
A família é a unidade básica da sociedade, e representa um grupo social
primário, formado por certo grau de parentesco ou não, que vive na mesma casa
(lar) Tradicionalmente, é representada pelo pai, pela mãe e por um ou mais filhos.
Ela influencia e é influenciada por outras instituições.
Considerando como o agente principal da educação, a família é uma
instituição importante para a formação dos filhos e futuros cidadãos. Cabe a ela a
satisfação das necessidades físicas, emocionais psicológicas e sociais de seus
filhos. Sua importância é muito grande no desenvolvimento de qualquer pessoa. O
papel que assumimos neste grupo social geralmente dá origem ao que nos
tornamos na fase adulta. (Revista: Psicologia, 2014, p. 15).
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
A alfabetização recebeu diferentes conhecimentos no decorrer do tempo
referente à sua prática e ao seu conceito e, por exemplo, na Antiguidade, só uma
pequena parcela privilegiada da população egípcia tinha acesso ao aprendizado da
escrita e da leitura dos hieróglifos, se tornando escriba. Atualmente, a sociedade é
grafocêntrica, ou seja, valoriza a cultura letrada, sendo toda vida cotidiana baseada
na leitura e na escrita, na compreensão dos sentidos, apesar de continuar fazendo
uso da mesma como arma ideológica e de ascensão social. A partir da década
de1980, o ensino da leitura e da escrita centrado no desenvolvimento das referidas
habilidades, desenvolvido com o apoio de material pedagógico que priorizava a
memorização de sílabas e/ou palavras e/ou frases soltas, passou a ser amplamente
criticado. Nesse período, pesquisadores de diferentes campos - Psicologia, História,
Sociologia, Pedagogia, etc. - tomaram como temática e objeto de estudo a leitura e
seu ensino, buscando redefini-Ios. (santos, p15) Nesse sentido Britto ratifica que:
A escrita surgiu como poder. Surgiu para garantir à propriedade, a posse, a
diferença, o controle de mercado, o estabelecimento de normas e
procedimentos. É tardia, na história da cultura escrita, a utilização deste
instrumento escrita como veículo de comunicação. É certo que, na
atualidade, ela se presta a uma infinidade de funções, entre as quais está a
comunicação (seja através de impressos, de manuscritos ou de falas
produzidas em função do escrito e que se transportam por técnicas de
reprodução que dispensam o suporte material).
Revista Ciências da Educação
5
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
REFERENCIAS
BRASIL, RESOLUÇÃO CEB/CNE 03/97. Disponível em:
portal.mec.gov.br/cne/arquivos
/pdf/CEBo397.pdf. Acesso em 13, jan, 2011. BRASIL
Britto, Luiz Percival Leme. Letramento e alfabetização: implicações para a
educação infantil. ln. Goulart, Ana Lúcia e Mello, Suely Amaral (orgs.). O mundo da
escrita no universo da pequena infância. Campinas, SP. Autores Associados, 2005.
(Coleção Polêmicas Nosso Tempo, 93).
Britto, Luiz Percival Leme. Educação Infantil e cultura escrita. ln. Goulart, Ana
Lúcia e Mello, Suely Amaral (orgs.). Linguagens infantis: outras formas de leitura.
BROUGERE,Giles. Brinquedo e Cultura, adaptada por Gisele Wajstop. 2a ed. São
Paulo: Cortez, 1997 Campinas, SP. Autores Associados, 2005. (Coleção Polêmicas
do Nosso Tempo, 91).
BHERlNG, E. e DE NEZ, T. B. Envolvimento de pais em creche: possibilidades e
dificuldades de parceria. Psic.: Teor. e Pesq., Abr 2002, vol.18, no. 1, p.63-73.
CHATEU, Jean. O jogo e a criança. São Paulo: SUMMUS_, 1987.
Educação Infantil. Revista Psicologia, São Paulo, Mythos Editora, ano V-, n.01
outubro. 2014
Oliver Reboul, O que é educar (www. edue. feul, gt) (acessado em 23-03-2014)
Santos, Carmi Ferraz, Alfabetização e letramento: conceitos e relações/
organizado por Carmi Ferraz Santos e Márcia Mendonça. 1ed. 1reimp. –Belo
Horizonte: Autêntica, 2007.
VYGOTSKY, L. S.. A Formação Social da Mente. 2°. ed. São Paulo: Martins
Fontes, 1988.
WAJSKOP, G. Brincar na pré-escola. 5. Ed. São Paulo: Cortez, 2001.
WlNNlCOTT, D.W. O brincar e a realidade. São Paulo: Imago, 1971.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação do caderno Dois Pacto
Formação do caderno Dois PactoFormação do caderno Dois Pacto
Formação do caderno Dois Pacto
weleslima
 
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educaçãoPNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
ElieneDias
 
Fundamentos teóricos e metodológicos da educação básica
Fundamentos teóricos e metodológicos da educação básicaFundamentos teóricos e metodológicos da educação básica
Fundamentos teóricos e metodológicos da educação básica
Lucimara Favaro Faria
 
Maria rosa ticiane erika
Maria rosa ticiane erikaMaria rosa ticiane erika
Maria rosa ticiane erika
Fernando Pissuto
 
Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 3
Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 3Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 3
Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 3
Blog Amiga da Pedagogia By Nathália
 
Bruna e vanessa
Bruna e vanessaBruna e vanessa
Bruna e vanessa
Fernando Pissuto
 
Amanda jessica tamara_viviany
Amanda jessica tamara_vivianyAmanda jessica tamara_viviany
Amanda jessica tamara_viviany
Fernando Pissuto
 
Marlene monica
Marlene monicaMarlene monica
Marlene monica
Fernando Pissuto
 
4. infâncias e suas linguagens
4. infâncias e suas linguagens4. infâncias e suas linguagens
4. infâncias e suas linguagens
Ulisses Vakirtzis
 
Maria solange
Maria solangeMaria solange
Maria solange
Fernando Pissuto
 
Andressa jessica erika
Andressa jessica erikaAndressa jessica erika
Andressa jessica erika
Fernando Pissuto
 
Priscila maria jehnnifer_simone
Priscila maria jehnnifer_simonePriscila maria jehnnifer_simone
Priscila maria jehnnifer_simone
Fernando Pissuto
 
Jucilene priscila
Jucilene priscilaJucilene priscila
Jucilene priscila
Fernando Pissuto
 
Fernanda otilia jose flavio
Fernanda otilia jose flavioFernanda otilia jose flavio
Fernanda otilia jose flavio
Fernando Pissuto
 
Kelly
KellyKelly
Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...
Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...
Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...
EMS27071992
 
Concepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da históriaConcepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da história
Lílian Reis
 
21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar
21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar
21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar
Eduardo Lopes
 
Jose flavio 1
Jose flavio 1Jose flavio 1
Jose flavio 1
Fernando Pissuto
 
Eixo linguagem oral e escrita
Eixo linguagem oral e escritaEixo linguagem oral e escrita
Eixo linguagem oral e escrita
Adriana Vieira de Souza Vieira
 

Mais procurados (20)

Formação do caderno Dois Pacto
Formação do caderno Dois PactoFormação do caderno Dois Pacto
Formação do caderno Dois Pacto
 
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educaçãoPNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
 
Fundamentos teóricos e metodológicos da educação básica
Fundamentos teóricos e metodológicos da educação básicaFundamentos teóricos e metodológicos da educação básica
Fundamentos teóricos e metodológicos da educação básica
 
Maria rosa ticiane erika
Maria rosa ticiane erikaMaria rosa ticiane erika
Maria rosa ticiane erika
 
Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 3
Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 3Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 3
Formação Continuada Coordenadores Pedagógicos 3
 
Bruna e vanessa
Bruna e vanessaBruna e vanessa
Bruna e vanessa
 
Amanda jessica tamara_viviany
Amanda jessica tamara_vivianyAmanda jessica tamara_viviany
Amanda jessica tamara_viviany
 
Marlene monica
Marlene monicaMarlene monica
Marlene monica
 
4. infâncias e suas linguagens
4. infâncias e suas linguagens4. infâncias e suas linguagens
4. infâncias e suas linguagens
 
Maria solange
Maria solangeMaria solange
Maria solange
 
Andressa jessica erika
Andressa jessica erikaAndressa jessica erika
Andressa jessica erika
 
Priscila maria jehnnifer_simone
Priscila maria jehnnifer_simonePriscila maria jehnnifer_simone
Priscila maria jehnnifer_simone
 
Jucilene priscila
Jucilene priscilaJucilene priscila
Jucilene priscila
 
Fernanda otilia jose flavio
Fernanda otilia jose flavioFernanda otilia jose flavio
Fernanda otilia jose flavio
 
Kelly
KellyKelly
Kelly
 
Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...
Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...
Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...
 
Concepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da históriaConcepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da história
 
21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar
21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar
21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar
 
Jose flavio 1
Jose flavio 1Jose flavio 1
Jose flavio 1
 
Eixo linguagem oral e escrita
Eixo linguagem oral e escritaEixo linguagem oral e escrita
Eixo linguagem oral e escrita
 

Semelhante a Tecendo caminhos na relação entre as atividades Lúdicas e as praticas educativas

Apresentação GRUPO1
Apresentação GRUPO1Apresentação GRUPO1
Apresentação GRUPO1
JulianeFD
 
Alinne alessandra muzzi
Alinne alessandra muzziAlinne alessandra muzzi
Alinne alessandra muzzi
Fernando Pissuto
 
Desenvolvimento infantil 2
Desenvolvimento infantil 2Desenvolvimento infantil 2
Desenvolvimento infantil 2
SimoneHelenDrumond
 
Ludiccdd
LudiccddLudiccdd
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO InfantilO Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
marlene_herter
 
Função social da escrita eliane poster
Função social da escrita eliane  posterFunção social da escrita eliane  poster
Função social da escrita eliane poster
Eliane Tramontin Silveira Moleta
 
A abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietaria
A abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietariaA abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietaria
A abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietaria
Veronica Almeida
 
Quadro de conteúdos- anual jardim II 2023.docx.pdf
Quadro de conteúdos- anual  jardim II 2023.docx.pdfQuadro de conteúdos- anual  jardim II 2023.docx.pdf
Quadro de conteúdos- anual jardim II 2023.docx.pdf
KeniaeRodrigoOliveir
 
Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
angelamesfreire2015
 
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondArtigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Thaynara e vanuza
Thaynara e vanuzaThaynara e vanuza
Thaynara e vanuza
Fernando Pissuto
 
Educaoinfantilparaqu 170620120431
Educaoinfantilparaqu 170620120431Educaoinfantilparaqu 170620120431
Educaoinfantilparaqu 170620120431
Prefeitura de Cianorte
 
Educação infantil, para quê?
Educação infantil, para quê?Educação infantil, para quê?
Educação infantil, para quê?
Magda Marques
 
BEBÊS 1.pdf
BEBÊS 1.pdfBEBÊS 1.pdf
BEBÊS 1.pdf
FlviaVeiga3
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
SimoneHelenDrumond
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumondInvestigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Oppi
OppiOppi
Ludicidade infantil artigo
Ludicidade infantil artigoLudicidade infantil artigo
Ludicidade infantil artigo
Márcia Santos
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
SimoneHelenDrumond
 
Ise tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomensoIse tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomenso
MARCOS SOUSA
 

Semelhante a Tecendo caminhos na relação entre as atividades Lúdicas e as praticas educativas (20)

Apresentação GRUPO1
Apresentação GRUPO1Apresentação GRUPO1
Apresentação GRUPO1
 
Alinne alessandra muzzi
Alinne alessandra muzziAlinne alessandra muzzi
Alinne alessandra muzzi
 
Desenvolvimento infantil 2
Desenvolvimento infantil 2Desenvolvimento infantil 2
Desenvolvimento infantil 2
 
Ludiccdd
LudiccddLudiccdd
Ludiccdd
 
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO InfantilO Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
 
Função social da escrita eliane poster
Função social da escrita eliane  posterFunção social da escrita eliane  poster
Função social da escrita eliane poster
 
A abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietaria
A abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietariaA abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietaria
A abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietaria
 
Quadro de conteúdos- anual jardim II 2023.docx.pdf
Quadro de conteúdos- anual  jardim II 2023.docx.pdfQuadro de conteúdos- anual  jardim II 2023.docx.pdf
Quadro de conteúdos- anual jardim II 2023.docx.pdf
 
Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
 
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondArtigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
 
Thaynara e vanuza
Thaynara e vanuzaThaynara e vanuza
Thaynara e vanuza
 
Educaoinfantilparaqu 170620120431
Educaoinfantilparaqu 170620120431Educaoinfantilparaqu 170620120431
Educaoinfantilparaqu 170620120431
 
Educação infantil, para quê?
Educação infantil, para quê?Educação infantil, para quê?
Educação infantil, para quê?
 
BEBÊS 1.pdf
BEBÊS 1.pdfBEBÊS 1.pdf
BEBÊS 1.pdf
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumondInvestigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
 
Oppi
OppiOppi
Oppi
 
Ludicidade infantil artigo
Ludicidade infantil artigoLudicidade infantil artigo
Ludicidade infantil artigo
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
 
Ise tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomensoIse tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomenso
 

Mais de christianceapcursos

EDUCAÇÃO E LETRAMENTO NO PROCESSO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSO...
EDUCAÇÃO E LETRAMENTO NO PROCESSO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSO...EDUCAÇÃO E LETRAMENTO NO PROCESSO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSO...
EDUCAÇÃO E LETRAMENTO NO PROCESSO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSO...
christianceapcursos
 
EDUCACIÓN Y ALFABETIZACIÓN EN EL PROCESO DE FORMACIÓN Y DESARROLLO DE RECURSO...
EDUCACIÓN Y ALFABETIZACIÓN EN EL PROCESO DE FORMACIÓN Y DESARROLLO DE RECURSO...EDUCACIÓN Y ALFABETIZACIÓN EN EL PROCESO DE FORMACIÓN Y DESARROLLO DE RECURSO...
EDUCACIÓN Y ALFABETIZACIÓN EN EL PROCESO DE FORMACIÓN Y DESARROLLO DE RECURSO...
christianceapcursos
 
LA METODOLOGÍA CIENTÍFICA, INVESTIGACIÓN PARTICIPANTE: APRENDER A PENSAR Y AC...
LA METODOLOGÍA CIENTÍFICA, INVESTIGACIÓN PARTICIPANTE: APRENDER A PENSAR Y AC...LA METODOLOGÍA CIENTÍFICA, INVESTIGACIÓN PARTICIPANTE: APRENDER A PENSAR Y AC...
LA METODOLOGÍA CIENTÍFICA, INVESTIGACIÓN PARTICIPANTE: APRENDER A PENSAR Y AC...
christianceapcursos
 
LOS MAESTROS Y LOS PROYECTOS EDUCATIVOS: USANDO LOS BLOGS COMO UNA HERRAMIENT...
LOS MAESTROS Y LOS PROYECTOS EDUCATIVOS: USANDO LOS BLOGS COMO UNA HERRAMIENT...LOS MAESTROS Y LOS PROYECTOS EDUCATIVOS: USANDO LOS BLOGS COMO UNA HERRAMIENT...
LOS MAESTROS Y LOS PROYECTOS EDUCATIVOS: USANDO LOS BLOGS COMO UNA HERRAMIENT...
christianceapcursos
 
EL DIRECTOR DE LA ESCUELA Y SUS COMPETENCIAS EN LA SOCIEDAD ACTUAL
EL DIRECTOR DE LA ESCUELA Y SUS COMPETENCIAS EN LA SOCIEDAD ACTUALEL DIRECTOR DE LA ESCUELA Y SUS COMPETENCIAS EN LA SOCIEDAD ACTUAL
EL DIRECTOR DE LA ESCUELA Y SUS COMPETENCIAS EN LA SOCIEDAD ACTUAL
christianceapcursos
 
EDUCACIÓN A DISTANCIA: A MEDIOS DE DIFUSIÓN DE LA EDUCACIÓN EN BRASIL
EDUCACIÓN A DISTANCIA: A MEDIOS DE DIFUSIÓN DE LA EDUCACIÓN EN BRASILEDUCACIÓN A DISTANCIA: A MEDIOS DE DIFUSIÓN DE LA EDUCACIÓN EN BRASIL
EDUCACIÓN A DISTANCIA: A MEDIOS DE DIFUSIÓN DE LA EDUCACIÓN EN BRASIL
christianceapcursos
 
7. educación a distancia a medios de difusión de la educación en brasil vanda
7. educación a distancia a medios de difusión de la educación en brasil vanda7. educación a distancia a medios de difusión de la educación en brasil vanda
7. educación a distancia a medios de difusión de la educación en brasil vanda
christianceapcursos
 
MAGISTERIO: ACERCA DE UN ANÁLISIS DE LOS ASPECTOS POLÍTICOS Y CURRICULUM EN B...
MAGISTERIO: ACERCA DE UN ANÁLISIS DE LOS ASPECTOS POLÍTICOS Y CURRICULUM EN B...MAGISTERIO: ACERCA DE UN ANÁLISIS DE LOS ASPECTOS POLÍTICOS Y CURRICULUM EN B...
MAGISTERIO: ACERCA DE UN ANÁLISIS DE LOS ASPECTOS POLÍTICOS Y CURRICULUM EN B...
christianceapcursos
 
INCLUSIÓN DE ESTUDIANTES CON DISCAPACIDAD INTELECTUAL EN LA EDUCACIÓN REGULAR
INCLUSIÓN DE ESTUDIANTES CON DISCAPACIDAD INTELECTUAL EN LA EDUCACIÓN REGULARINCLUSIÓN DE ESTUDIANTES CON DISCAPACIDAD INTELECTUAL EN LA EDUCACIÓN REGULAR
INCLUSIÓN DE ESTUDIANTES CON DISCAPACIDAD INTELECTUAL EN LA EDUCACIÓN REGULAR
christianceapcursos
 
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
christianceapcursos
 
PESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIR
PESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIRPESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIR
PESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIR
christianceapcursos
 
INVESTIGACIÓN PARTICIPATIVA: APRENDER A PENSAR INTERVIR
INVESTIGACIÓN PARTICIPATIVA: APRENDER A PENSAR INTERVIRINVESTIGACIÓN PARTICIPATIVA: APRENDER A PENSAR INTERVIR
INVESTIGACIÓN PARTICIPATIVA: APRENDER A PENSAR INTERVIR
christianceapcursos
 
8. investigación participativa aprender a pensar intervir.doc
8. investigación participativa aprender a pensar intervir.doc8. investigación participativa aprender a pensar intervir.doc
8. investigación participativa aprender a pensar intervir.doc
christianceapcursos
 
LA EDUCACIÓN AMBIENTAL: ESCUELA EN EL CONTEXTO
LA EDUCACIÓN AMBIENTAL: ESCUELA EN EL CONTEXTO LA EDUCACIÓN AMBIENTAL: ESCUELA EN EL CONTEXTO
LA EDUCACIÓN AMBIENTAL: ESCUELA EN EL CONTEXTO
christianceapcursos
 
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR
christianceapcursos
 
GESTÃO E POLÍTICAS EDUCACIONAIS
GESTÃO E POLÍTICAS EDUCACIONAIS GESTÃO E POLÍTICAS EDUCACIONAIS
GESTÃO E POLÍTICAS EDUCACIONAIS
christianceapcursos
 
A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA REFLEXIVA NO ENSINO F...
A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA REFLEXIVA NO ENSINO F...A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA REFLEXIVA NO ENSINO F...
A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA REFLEXIVA NO ENSINO F...
christianceapcursos
 
LA IMPORTANCIA DE LA PRÁCTICA REFLEXIVA COMO EVALUACIÓN DE APRENDIZAJE EN LA ...
LA IMPORTANCIA DE LA PRÁCTICA REFLEXIVA COMO EVALUACIÓN DE APRENDIZAJE EN LA ...LA IMPORTANCIA DE LA PRÁCTICA REFLEXIVA COMO EVALUACIÓN DE APRENDIZAJE EN LA ...
LA IMPORTANCIA DE LA PRÁCTICA REFLEXIVA COMO EVALUACIÓN DE APRENDIZAJE EN LA ...
christianceapcursos
 
FAMILIA Y ESCUELA: INDISCIPLINA EN CONTEXTO
FAMILIA Y ESCUELA: INDISCIPLINA EN CONTEXTOFAMILIA Y ESCUELA: INDISCIPLINA EN CONTEXTO
FAMILIA Y ESCUELA: INDISCIPLINA EN CONTEXTO
christianceapcursos
 
DESARROLLO EN LA ENSEÑANZA PROFESIONAL EN BRASIL
DESARROLLO EN LA ENSEÑANZA PROFESIONAL EN BRASILDESARROLLO EN LA ENSEÑANZA PROFESIONAL EN BRASIL
DESARROLLO EN LA ENSEÑANZA PROFESIONAL EN BRASIL
christianceapcursos
 

Mais de christianceapcursos (20)

EDUCAÇÃO E LETRAMENTO NO PROCESSO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSO...
EDUCAÇÃO E LETRAMENTO NO PROCESSO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSO...EDUCAÇÃO E LETRAMENTO NO PROCESSO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSO...
EDUCAÇÃO E LETRAMENTO NO PROCESSO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSO...
 
EDUCACIÓN Y ALFABETIZACIÓN EN EL PROCESO DE FORMACIÓN Y DESARROLLO DE RECURSO...
EDUCACIÓN Y ALFABETIZACIÓN EN EL PROCESO DE FORMACIÓN Y DESARROLLO DE RECURSO...EDUCACIÓN Y ALFABETIZACIÓN EN EL PROCESO DE FORMACIÓN Y DESARROLLO DE RECURSO...
EDUCACIÓN Y ALFABETIZACIÓN EN EL PROCESO DE FORMACIÓN Y DESARROLLO DE RECURSO...
 
LA METODOLOGÍA CIENTÍFICA, INVESTIGACIÓN PARTICIPANTE: APRENDER A PENSAR Y AC...
LA METODOLOGÍA CIENTÍFICA, INVESTIGACIÓN PARTICIPANTE: APRENDER A PENSAR Y AC...LA METODOLOGÍA CIENTÍFICA, INVESTIGACIÓN PARTICIPANTE: APRENDER A PENSAR Y AC...
LA METODOLOGÍA CIENTÍFICA, INVESTIGACIÓN PARTICIPANTE: APRENDER A PENSAR Y AC...
 
LOS MAESTROS Y LOS PROYECTOS EDUCATIVOS: USANDO LOS BLOGS COMO UNA HERRAMIENT...
LOS MAESTROS Y LOS PROYECTOS EDUCATIVOS: USANDO LOS BLOGS COMO UNA HERRAMIENT...LOS MAESTROS Y LOS PROYECTOS EDUCATIVOS: USANDO LOS BLOGS COMO UNA HERRAMIENT...
LOS MAESTROS Y LOS PROYECTOS EDUCATIVOS: USANDO LOS BLOGS COMO UNA HERRAMIENT...
 
EL DIRECTOR DE LA ESCUELA Y SUS COMPETENCIAS EN LA SOCIEDAD ACTUAL
EL DIRECTOR DE LA ESCUELA Y SUS COMPETENCIAS EN LA SOCIEDAD ACTUALEL DIRECTOR DE LA ESCUELA Y SUS COMPETENCIAS EN LA SOCIEDAD ACTUAL
EL DIRECTOR DE LA ESCUELA Y SUS COMPETENCIAS EN LA SOCIEDAD ACTUAL
 
EDUCACIÓN A DISTANCIA: A MEDIOS DE DIFUSIÓN DE LA EDUCACIÓN EN BRASIL
EDUCACIÓN A DISTANCIA: A MEDIOS DE DIFUSIÓN DE LA EDUCACIÓN EN BRASILEDUCACIÓN A DISTANCIA: A MEDIOS DE DIFUSIÓN DE LA EDUCACIÓN EN BRASIL
EDUCACIÓN A DISTANCIA: A MEDIOS DE DIFUSIÓN DE LA EDUCACIÓN EN BRASIL
 
7. educación a distancia a medios de difusión de la educación en brasil vanda
7. educación a distancia a medios de difusión de la educación en brasil vanda7. educación a distancia a medios de difusión de la educación en brasil vanda
7. educación a distancia a medios de difusión de la educación en brasil vanda
 
MAGISTERIO: ACERCA DE UN ANÁLISIS DE LOS ASPECTOS POLÍTICOS Y CURRICULUM EN B...
MAGISTERIO: ACERCA DE UN ANÁLISIS DE LOS ASPECTOS POLÍTICOS Y CURRICULUM EN B...MAGISTERIO: ACERCA DE UN ANÁLISIS DE LOS ASPECTOS POLÍTICOS Y CURRICULUM EN B...
MAGISTERIO: ACERCA DE UN ANÁLISIS DE LOS ASPECTOS POLÍTICOS Y CURRICULUM EN B...
 
INCLUSIÓN DE ESTUDIANTES CON DISCAPACIDAD INTELECTUAL EN LA EDUCACIÓN REGULAR
INCLUSIÓN DE ESTUDIANTES CON DISCAPACIDAD INTELECTUAL EN LA EDUCACIÓN REGULARINCLUSIÓN DE ESTUDIANTES CON DISCAPACIDAD INTELECTUAL EN LA EDUCACIÓN REGULAR
INCLUSIÓN DE ESTUDIANTES CON DISCAPACIDAD INTELECTUAL EN LA EDUCACIÓN REGULAR
 
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
 
PESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIR
PESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIRPESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIR
PESQUISA PARTICIPATIVA: SABER PENSAR PARA INTERVIR
 
INVESTIGACIÓN PARTICIPATIVA: APRENDER A PENSAR INTERVIR
INVESTIGACIÓN PARTICIPATIVA: APRENDER A PENSAR INTERVIRINVESTIGACIÓN PARTICIPATIVA: APRENDER A PENSAR INTERVIR
INVESTIGACIÓN PARTICIPATIVA: APRENDER A PENSAR INTERVIR
 
8. investigación participativa aprender a pensar intervir.doc
8. investigación participativa aprender a pensar intervir.doc8. investigación participativa aprender a pensar intervir.doc
8. investigación participativa aprender a pensar intervir.doc
 
LA EDUCACIÓN AMBIENTAL: ESCUELA EN EL CONTEXTO
LA EDUCACIÓN AMBIENTAL: ESCUELA EN EL CONTEXTO LA EDUCACIÓN AMBIENTAL: ESCUELA EN EL CONTEXTO
LA EDUCACIÓN AMBIENTAL: ESCUELA EN EL CONTEXTO
 
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR
 
GESTÃO E POLÍTICAS EDUCACIONAIS
GESTÃO E POLÍTICAS EDUCACIONAIS GESTÃO E POLÍTICAS EDUCACIONAIS
GESTÃO E POLÍTICAS EDUCACIONAIS
 
A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA REFLEXIVA NO ENSINO F...
A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA REFLEXIVA NO ENSINO F...A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA REFLEXIVA NO ENSINO F...
A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA REFLEXIVA NO ENSINO F...
 
LA IMPORTANCIA DE LA PRÁCTICA REFLEXIVA COMO EVALUACIÓN DE APRENDIZAJE EN LA ...
LA IMPORTANCIA DE LA PRÁCTICA REFLEXIVA COMO EVALUACIÓN DE APRENDIZAJE EN LA ...LA IMPORTANCIA DE LA PRÁCTICA REFLEXIVA COMO EVALUACIÓN DE APRENDIZAJE EN LA ...
LA IMPORTANCIA DE LA PRÁCTICA REFLEXIVA COMO EVALUACIÓN DE APRENDIZAJE EN LA ...
 
FAMILIA Y ESCUELA: INDISCIPLINA EN CONTEXTO
FAMILIA Y ESCUELA: INDISCIPLINA EN CONTEXTOFAMILIA Y ESCUELA: INDISCIPLINA EN CONTEXTO
FAMILIA Y ESCUELA: INDISCIPLINA EN CONTEXTO
 
DESARROLLO EN LA ENSEÑANZA PROFESIONAL EN BRASIL
DESARROLLO EN LA ENSEÑANZA PROFESIONAL EN BRASILDESARROLLO EN LA ENSEÑANZA PROFESIONAL EN BRASIL
DESARROLLO EN LA ENSEÑANZA PROFESIONAL EN BRASIL
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 

Tecendo caminhos na relação entre as atividades Lúdicas e as praticas educativas

  • 1. Revista Ciências da Educação 1 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Tecendo caminhos na relação entre as atividades Lúdicas e as praticas educativas. Vivian Greece da Silva Melo1 vgrecce@hotmail.com RESUMO Pretendo tecer ao curso do presente artigo, ancoradas as referencias bibliográficas especificas, considerações relativas ao conjunto de direitos a que fazem jus as crianças evidenciando em especial as praticas educativas. Objetivando uma analise que busca compreender quais os processos que estão relacionados as atividades lúdicas que a criança desenvolve em suas relações sociais, na idade escolar com seus familiares. Conhecer as atividades direcionadas ao brincar que podem fazer parte do desenvolvimento psicossocial deste indivíduo. O método consiste em identificar, por meio da análise de dados obtidos através de referidas bibliografias e informações educativas. Palavras-chaves: Criança; Brincar; Educação; 1 Mestranda em Ciências da Educação: Formação educacional, interdisciplinaridade e subjetividade pela Universidad Autónoma Del Sur - UNASUR, Especialista em Educação Especial- Universidade Federal de Alagoas - UFAL, Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes - Universidade de São Paulo - USP. Atualmente é Professora de introdução à Psicologia, Psicologia Social do Curso de Serviço Social da Faculdade Raimundo Marinho Maceió-AL e do Instituto de Ensino Superior Santa Cecilia- Arapiraca -AL.
  • 2. Revista Ciências da Educação 2 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 O LÚDICO E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS Segundo Vygotsky (1998) o brincar cria uma zona de desenvolvimento proximal na criança, seja pela criação, pela imitação ou ainda pela definição de regras específicas. Ressalta ainda que no brinquedo a criança comporta-se de maneira mais avançada do que é normalmente é. Com o brinquedo a criança ultrapassa limites que lhe são preestabelecidos, interpreta situações e incorpora e altera significados, apropriando-se assim em larga escala a sua cultura. A ação no domínio da fantasia, numa situação imaginária, a criação de intenções voluntárias e a formação dos planos da vida real e motivações volitivas - tudo aparece no brinquedo, que se constitui, assim, no mais alto nível do desenvolvimento infantil. A criança desenvolve-se, essencialmente, através da atividade do brinquedo (WGOSTKY, 1988, p.117). A brincadeira é uma atividade que a criança desenvolve em suas relações sociais, na idade escolar com seus familiares, com outras crianças da mesma idade sem objetivos educacionais ou de aprendizagem. Atividade essa que a criança faz para recrear-se ou por diversão, com seus pais, professores, amiguinhos, com o espaço e com a cultura na qual está inserida. Neste contexto a brincadeira da criança encontra papel fundamental na educação infantil, pois as crianças se desenvolvem e conhecem o mundo a partir das interações estabelecidas com a história e cultura de outras crianças, de seus pais, de seus professores e das pessoas envolvidas na instituição escolar. (Brougére apud Wajskop, 2001, p.31): A brincadeira tem sido comumente apontada como espaço privilegiado do desenvolvimento da criança. Deste modo, considera-se que ela deve ocupar lugar de destaque na educação infantil. Porém, na realidade o que muitas vezes acontece e que acaba cedendo espaço para outras atividades pelo educador. Winnicott (2008) enfatiza a importância de brincar e de criar para a criança, principalmente nos primeiros anos de vida na construção da identidade pessoal. Para ele a escola tem por obrigação ajudar a criança completar a transição do modo mais agradável possível, respeitando o direito de devanear, imaginar, brincar. O lúdico é uma linguagem natural da criança, por isso torna-se importante sua presença na escola desde a educação infantil. Através da brincadeira as crianças recriam, repensam, imitam, experimentam os acontecimentos que lhes deram
  • 3. Revista Ciências da Educação 3 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 origem. Favorecendo a autoestima, auxiliando no processo de interação com si mesmo e com o outro, desenvolvem a imaginação, a criatividade, a capacidade motora e o raciocínio. Segundo Chateau, não é possível que se pense em infância sem pensar em brincadeiras e o prazer que as acompanham. Uma criança que em sua infância é privada do brincar futuramente poderá se tornar um adulto com dificuldades para pensar (CHATEAU, 1987). Em sentido geral a educação, é observada como uma forma de aprendizagem em que conhecimentos, habilidades e hábitos de um grupo de pessoas são transmitidos de uma geração a outra. Os métodos variam bastantes, e vão desde o ensino, a investigação e o autodidatismo. De maneira geral ela ocorre por meio de experiências que exercem um efeito formativo sobre a forma de pensar, agir e sentir do ser humano. A educação sempre teve um papel importante na história da humanidade. Os antigos gregos, por exemplo, entendiam-na não apenas como a transmissão de informações e de conhecimento, mas como um meio de se atingir o desenvolvimento global do ser humano. Para, Oliver Reboul, em O que é educar (www.edue.fe.ul,pt), a educação é uma ação consciente, por meio da qual o ser humano é capaz de desenvolver suas aptidões físicas e intelectuais, assim como sentimentos sociais estéticos e morais, com o objetivo de cumprir, tanto quanto possível, a sua missão como homem. O autor descreve também a existência de uma educação espontânea, que se dá de forma inconsciente deste processo. Desta forma, qualquer pessoa, independente de formação acadêmica, educa o outro individuo por meio de suas palavras e ações. FAMÍLIA No mundo inteiro considera-se que tanto os pais como a escola e o Estado são responsáveis pela educação. No Brasil, a lei federal n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e as bases da educação, diz em seu artigo 1°: “A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais".
  • 4. Revista Ciências da Educação 4 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 A família é a unidade básica da sociedade, e representa um grupo social primário, formado por certo grau de parentesco ou não, que vive na mesma casa (lar) Tradicionalmente, é representada pelo pai, pela mãe e por um ou mais filhos. Ela influencia e é influenciada por outras instituições. Considerando como o agente principal da educação, a família é uma instituição importante para a formação dos filhos e futuros cidadãos. Cabe a ela a satisfação das necessidades físicas, emocionais psicológicas e sociais de seus filhos. Sua importância é muito grande no desenvolvimento de qualquer pessoa. O papel que assumimos neste grupo social geralmente dá origem ao que nos tornamos na fase adulta. (Revista: Psicologia, 2014, p. 15). ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A alfabetização recebeu diferentes conhecimentos no decorrer do tempo referente à sua prática e ao seu conceito e, por exemplo, na Antiguidade, só uma pequena parcela privilegiada da população egípcia tinha acesso ao aprendizado da escrita e da leitura dos hieróglifos, se tornando escriba. Atualmente, a sociedade é grafocêntrica, ou seja, valoriza a cultura letrada, sendo toda vida cotidiana baseada na leitura e na escrita, na compreensão dos sentidos, apesar de continuar fazendo uso da mesma como arma ideológica e de ascensão social. A partir da década de1980, o ensino da leitura e da escrita centrado no desenvolvimento das referidas habilidades, desenvolvido com o apoio de material pedagógico que priorizava a memorização de sílabas e/ou palavras e/ou frases soltas, passou a ser amplamente criticado. Nesse período, pesquisadores de diferentes campos - Psicologia, História, Sociologia, Pedagogia, etc. - tomaram como temática e objeto de estudo a leitura e seu ensino, buscando redefini-Ios. (santos, p15) Nesse sentido Britto ratifica que: A escrita surgiu como poder. Surgiu para garantir à propriedade, a posse, a diferença, o controle de mercado, o estabelecimento de normas e procedimentos. É tardia, na história da cultura escrita, a utilização deste instrumento escrita como veículo de comunicação. É certo que, na atualidade, ela se presta a uma infinidade de funções, entre as quais está a comunicação (seja através de impressos, de manuscritos ou de falas produzidas em função do escrito e que se transportam por técnicas de reprodução que dispensam o suporte material).
  • 5. Revista Ciências da Educação 5 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 REFERENCIAS BRASIL, RESOLUÇÃO CEB/CNE 03/97. Disponível em: portal.mec.gov.br/cne/arquivos /pdf/CEBo397.pdf. Acesso em 13, jan, 2011. BRASIL Britto, Luiz Percival Leme. Letramento e alfabetização: implicações para a educação infantil. ln. Goulart, Ana Lúcia e Mello, Suely Amaral (orgs.). O mundo da escrita no universo da pequena infância. Campinas, SP. Autores Associados, 2005. (Coleção Polêmicas Nosso Tempo, 93). Britto, Luiz Percival Leme. Educação Infantil e cultura escrita. ln. Goulart, Ana Lúcia e Mello, Suely Amaral (orgs.). Linguagens infantis: outras formas de leitura. BROUGERE,Giles. Brinquedo e Cultura, adaptada por Gisele Wajstop. 2a ed. São Paulo: Cortez, 1997 Campinas, SP. Autores Associados, 2005. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo, 91). BHERlNG, E. e DE NEZ, T. B. Envolvimento de pais em creche: possibilidades e dificuldades de parceria. Psic.: Teor. e Pesq., Abr 2002, vol.18, no. 1, p.63-73. CHATEU, Jean. O jogo e a criança. São Paulo: SUMMUS_, 1987. Educação Infantil. Revista Psicologia, São Paulo, Mythos Editora, ano V-, n.01 outubro. 2014 Oliver Reboul, O que é educar (www. edue. feul, gt) (acessado em 23-03-2014) Santos, Carmi Ferraz, Alfabetização e letramento: conceitos e relações/ organizado por Carmi Ferraz Santos e Márcia Mendonça. 1ed. 1reimp. –Belo Horizonte: Autêntica, 2007. VYGOTSKY, L. S.. A Formação Social da Mente. 2°. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1988. WAJSKOP, G. Brincar na pré-escola. 5. Ed. São Paulo: Cortez, 2001. WlNNlCOTT, D.W. O brincar e a realidade. São Paulo: Imago, 1971.