SlideShare uma empresa Scribd logo
Fonte: Pesquisas em sites e slides
Como eu nasci?
Ensino da Sexualidade
nas Escolas
Uma breve introdução
histórica...
• 1930: Professores processados e demitidos por
incluírem ensino de sexualidade em suas aulas.
• 1930-1960: Exclusão do tema “Educação Sexual” nos
debates educativos. Período de omissão oficial.
• 1968: Projeto de Lei da deputada carioca Júlia
Steimbruck que pretendia estabelecer a obrigatoriedade
da educação sexual nas escolas.
• 1970: Comissão Nacional de Moral e Civismo registrou a
frase: “Não se abre à força um botão de rosa, sobretudo
com as mãos sujas”.
• Anos 80: Surgimento da AIDS e aumento do número de
casos de gravidez na adolescência. Pressão de alunos e
professores que se interessavam pelo tema.
• 1993: Uma pesquisa realizada constatou que 86% das
pessoas ouvidas eram favoráveis à inclusão de
Orientação Sexual nas escolas.
• Se desenvolve primeiramente no lar.
• Os pais não devem esconder tanto dos
filhos o tema da sexualidade porque os
filhos podem crescer com a ideia que é
algo tão sujo e pecaminoso que falar no
assunto já é por si errado. Não havendo
o diálogo.
• O assunto deve surgir desde bebê.
Satisfazendo a dúvida da criança no
momento.
É dever da mãe conversar sobre o sexo e
sexualidade com as filhas e o pai com os
filhos?
Diálogo
• A mãe e o pai, juntos, devem conversar
com seus filhos;
• O casal também ter que ter um diálogo
franco e honesto entre si sobre os valores
morais.
Sexualidade é um termo amplamente abrangente
que engloba inúmeros fatores e dificilmente se encaixa em
uma definição única e absoluta.
Teoricamente, a sexualidade assim como a
conhecemos, inicia-se juntamente à puberdade ou
adolescência, o que deve ocorrer por volta dos 12 anos de
idade (Art. 2º - Estatuto da Criança e do Adolescente).
Entretanto, em prática, sabemos que não se configura
exatamente desta forma.
O termo “sexualidade” nos remete a um universo
onde tudo é relativo, pessoal e muitas vezes paradoxal.
Pode-se dizer que é traço mais íntimo do ser humano e
como tal, se manifesta diferentemente em cada indivíduo
de acordo com a realidade e as experiências vivenciadas
pelo mesmo.
A noção de sexualidade como busca de
prazer, descoberta das sensações
proporcionadas pelo contato ou toque,
atração por outras pessoas (de sexo oposto
e/ou mesmo sexo) com intuito de obter
prazer pela satisfação dos desejos do corpo,
entre outras características, é diretamente
ligada e dependente de fatores genéticos e
principalmente culturais. O contexto influi
diretamente na sexualidade de cada um.
• Comunicação é mais do que palavras.
Os pais devem
mostrar que
sexo é mais que
algo fisiológico,
é uma questão
de profundo
conhecimento
do outro e
portanto não
deve ser
banalizado.
- Por volta dos 11 – 12 anos, o adolescente está mais
voltado para si mesmo, para o seu corpo;
-Entrar em contato com o corpo modificado é algo que,
quase sempre, causa desconforto e estranheza;
- Com a intensa excitação, característica da
adolescência, sintomas como medos e fobias podem
aparecer;
Características da Sexualidade
Doenças Sexualmente
Transmissíveis
O que é? E o
conhecimento dos alunos
a respeito...
O que é?
• Esse conceito agrupa aquelas doenças que se
transmitem pelo contato sexual entre duas
pessoas, e engloba as antigas doenças
venéreas, incluindo a AIDS.
Alguns dados estatísticos...
• A pesquisa "Retrato do Comportamento Sexual
do Brasileiro“ mostra que 35,4% dos brasileiros
fizeram sexo antes dos 15 anos de idade.
• Nos últimos anos foram registrados 362.364
casos de AIDS no Brasil, sendo 4.331 (1,2%)
entre adolescentes na faixa etária de 13 aos 19
anos.
Segundo estudantes
entrevistados...
• Principais meios de transmissão:
• Principais formas de prevenção:
• Conhecimento a respeito de algumas DST’s:
http://www.aids.gov.br/pagina/quais-sao-dst
• Não se deve acentuar a ligação entre sexualidade e
doença ou morte.
• As informações sobre as doenças devem ter
sempre como foco a promoção da saúde e de
condutas preventivas
• A promoção da saúde e o respeito ao outro
vinculam-se à valorização da vida e também são
assuntos que devem ser trabalhados.
A Influência da Mídia na
sexualidade da criança e do
adolescente.
E o posicionamento da escola...
A sexualidade está relacionada com os valores e o
contexto cultural que o adolescente está inserido.
Diante disso, a preocupação que surge é que tipo de
cultura está subsidiando o adolescente nos dias atuais
e que tipo de sexualidade está inventando para
inserir-se em sua época.
...os pais tornam a televisão uma babá eletrônica das
crianças, que passam a ficar horas e horas inativas,
quietas, sentadas ou deitadas na frente do aparelho, sem
atividades lúdicas, motoras e sociais”. (Hália Pauliv Souza)
Pode a televisão formar a identidade dessa criança, pois a
relação de dominador que a TV tem sobre o receptor- a
criança- tende a fazer que ela imite
comportamentos e atitudes transmitidos pelos programas e
propagandas da televisão.
Programação Atual da Televisão...
• A mídia se torna uma formadora de opiniões,
e a criança passa a entender as coisas da
forma que é colocada.
• A forma que a sexualidade é colocada para
essas crianças geralmente não é colocada
na forma educativa e com restrições para
cada idade.
A grande oferta de produtos pornográficos em qualquer
banca de revistas ou locadora de vídeos, a exposição
exagerada do corpo, principalmente do feminino, os
programas televisivos e a banalização da sexualidade
tem dificultado a tarefa de educar os jovens.
• Família como a primeira e a principal forma
educadora da criança.
• Mesmo a família sabendo que ela é a primeira
responsável pela educação sexual das crianças,
vem delegando para a escola este ensinamento.
Afinal, a criança de hoje passa mais tempo na escola
do que em casa com seus familiares, sem contar que a
maioria de seus amigos estão na escola.
• No entanto, os seus valores éticos e morais sempre
serão os primeiros apreendidos pelas crianças e os
mais relevantes em suas vidas.
• “Quando a escola e a família não se completam
na ação educativa, não há programa de
orientação sexual capaz de trazer o benefício e
o aproveitamento total do que propõe”.
(SOUZA, 2002, p.112).
• Hoje em dia, a maioria das publicações na mídia sobre a
vida sexual dos adolescentes conta com um ponto de
partida:
Duvidas e curiosidades sobre sexualidade, vindos quase
sempre de autores anônimos...
• Isso traz a criança e ao adolescente a oportunidade de:
-Se reconhecer na mídia,
-Ter sua dúvida respeitada, comentada e esclarecida –E ao
mesmo tempo, ter sua identidade preservada
O papel da escola na
sexualidade
• O papel da Escola é abrir espaço para que a pluralidade
de concepções, valores e crenças sobre a sexualidade
possa se expressar. O trabalho de orientação sexual,
compreende a ação da Escola como complementar à
educação dada pela família.
+
• Como a sexualidade parece irreversivelmente constitutiva
do humano, ela vai atravessar as ações cotidianas de
professores e alunos.
• Mas que daí a escola tenha que controlar suas
manifestações ou efeitos é outra coisa.
• A intervenção da escola nessas situações deve se dar
de forma a apontar a inadequação de tal comportamento
às normas do convívio escolar. Não se trata portanto de
julgar tais manifestações, mas apenas de delimitar a
inadequação do espaço da escola para sua efetivação
Como os alunos recebem
o tema: Sexualidade
• A revista Veja publicou uma reportagem sobre a
influência da mídia no comportamento sexual dos
jovens. Nesta reportagem o depoimento de um garoto
de dez anos foi o mais significativo : “Eu sei tudo sobre
sexo”.
Como os alunos recebem
o tema: Sexualidade
• Os principais elementos de transmissão deste tema são: a
linguagem, o local (escola), o professor e o aluno.
• Linguagem: expressa um pensamento que é vinculado com a
própria concepção, convicção e valores sobre a vida sexual e
moral do próprio interlocutor (professor).
• Escola: hoje em dia os pais até preferem que a escola passe
essa informação para os seus filhos. Mas será que todos os
professores estão preparados para abordar este tema?
Como os alunos recebem
o tema: Sexualidade
• Professor: ficam incomodados em transmitir este tipo de
conteúdo para seus alunos.
Iniciação Sexual Precoce
- Idade média da primeira relação sexual:
• 1. Ocorre entre 15 e 16 anos para os homens;
• 2. Para as mulheres ocorre aos 17 anos.
- O início cada vez mais precoce da atividade sexual pode
expor os adolescentes a risco aumentado de infecções por
doenças sexualmente transmissíveis, a gravidezes
indesejadas e a abusos sexuais;
Sexo precoce
- Adolescentes que apresentam vida sexual ativa:
•  14% dos jovens entre 11 e 14 anos;
•  44% dos jovens entre 15 e 17;
•  72% dos jovens acima dos 18 anos.
Gravidez
Obrigada pela atenção

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Falando sobre ECA
Falando sobre ECA Falando sobre ECA
Falando sobre ECA
guest1cff3369
 
Educação Sexual
Educação SexualEducação Sexual
Educação Sexual
Jorge Barbosa
 
estatuto
estatuto estatuto
estatuto
guest9fe2149
 
18 de maio
18 de maio18 de maio
18 de maio
Ivanílson Santos
 
Direitos deveres
Direitos deveresDireitos deveres
Direitos deveres
Alex Sales
 
Sexualidade na educação infantil
Sexualidade na educação infantilSexualidade na educação infantil
Sexualidade na educação infantil
Mary Lopes
 
Ser mulher.pptx
Ser mulher.pptxSer mulher.pptx
Ser mulher.pptx
Ricardo Alexandre
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescente
marcaocampos
 
Convivência Familiar
Convivência FamiliarConvivência Familiar
Convivência Familiar
RASC EAD
 
Adolescencia e sexualidade (1)
Adolescencia e sexualidade (1)Adolescencia e sexualidade (1)
Adolescencia e sexualidade (1)
Lulusinhah
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
Alinebrauna Brauna
 
Sexualidade na Escola
Sexualidade na EscolaSexualidade na Escola
Sexualidade na Escola
LeandroFuzaro
 
Aula sobre o eca
Aula sobre o ecaAula sobre o eca
Aula sobre o eca
Diego Alvarez
 
LDB - 9394/96
LDB - 9394/96LDB - 9394/96
LDB - 9394/96
Marcelo Assis
 
Estatuto da Criança e do Adolescente
Estatuto da Criança e do AdolescenteEstatuto da Criança e do Adolescente
Estatuto da Criança e do Adolescente
Guaraciara Lopes
 
Quais os perigos da tecnologia na infância?
Quais os perigos da tecnologia na infância?Quais os perigos da tecnologia na infância?
Quais os perigos da tecnologia na infância?
diogofranciscorocha
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade  powerpointSexualidade  powerpoint
Sexualidade powerpoint
escola 2/3 Bernardino Machado
 
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação FinalSexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
guest63f1fa
 
Familia na atualidade
Familia na atualidadeFamilia na atualidade
Familia na atualidade
Portal do Vestibulando
 
Convivência familiar - aula 1
Convivência familiar - aula 1Convivência familiar - aula 1
Convivência familiar - aula 1
RASC EAD
 

Mais procurados (20)

Falando sobre ECA
Falando sobre ECA Falando sobre ECA
Falando sobre ECA
 
Educação Sexual
Educação SexualEducação Sexual
Educação Sexual
 
estatuto
estatuto estatuto
estatuto
 
18 de maio
18 de maio18 de maio
18 de maio
 
Direitos deveres
Direitos deveresDireitos deveres
Direitos deveres
 
Sexualidade na educação infantil
Sexualidade na educação infantilSexualidade na educação infantil
Sexualidade na educação infantil
 
Ser mulher.pptx
Ser mulher.pptxSer mulher.pptx
Ser mulher.pptx
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescente
 
Convivência Familiar
Convivência FamiliarConvivência Familiar
Convivência Familiar
 
Adolescencia e sexualidade (1)
Adolescencia e sexualidade (1)Adolescencia e sexualidade (1)
Adolescencia e sexualidade (1)
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
 
Sexualidade na Escola
Sexualidade na EscolaSexualidade na Escola
Sexualidade na Escola
 
Aula sobre o eca
Aula sobre o ecaAula sobre o eca
Aula sobre o eca
 
LDB - 9394/96
LDB - 9394/96LDB - 9394/96
LDB - 9394/96
 
Estatuto da Criança e do Adolescente
Estatuto da Criança e do AdolescenteEstatuto da Criança e do Adolescente
Estatuto da Criança e do Adolescente
 
Quais os perigos da tecnologia na infância?
Quais os perigos da tecnologia na infância?Quais os perigos da tecnologia na infância?
Quais os perigos da tecnologia na infância?
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade  powerpointSexualidade  powerpoint
Sexualidade powerpoint
 
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação FinalSexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
 
Familia na atualidade
Familia na atualidadeFamilia na atualidade
Familia na atualidade
 
Convivência familiar - aula 1
Convivência familiar - aula 1Convivência familiar - aula 1
Convivência familiar - aula 1
 

Destaque

Sexualidade: Tema de escola?
Sexualidade: Tema de escola?Sexualidade: Tema de escola?
Sexualidade: Tema de escola?
Marilia Aparecida Lima Ciuffo
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Alinebrauna Brauna
 
Sexualidade dificuldades-e-problemas-13-10-01-10
Sexualidade dificuldades-e-problemas-13-10-01-10Sexualidade dificuldades-e-problemas-13-10-01-10
Sexualidade dificuldades-e-problemas-13-10-01-10
bimurer
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
APlima
 
Masculinidades
MasculinidadesMasculinidades
Masculinidades
Arare Carvalho Júnior
 
Sexualidad en la adolescencia
Sexualidad en la adolescenciaSexualidad en la adolescencia
Sexualidad en la adolescencia
AlejandropaezRamos1611420
 
Sexualidad en el adolescente
Sexualidad en el adolescenteSexualidad en el adolescente
Sexualidad en el adolescente
Irene Opd
 
Sexualidad en la adolescencia
Sexualidad en la adolescenciaSexualidad en la adolescencia
Sexualidad en la adolescencia
Felipe Flores
 
Cotidiano das relações interpessoais no tempo e no espaço social
Cotidiano das relações interpessoais no tempo e no espaço socialCotidiano das relações interpessoais no tempo e no espaço social
Cotidiano das relações interpessoais no tempo e no espaço social
pibidsociais
 
Sexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescenciaSexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescencia
Filipa Sousa
 
Educacion sexual adolescencia
Educacion sexual adolescenciaEducacion sexual adolescencia
Educacion sexual adolescencia
ISFD Nª101
 
TALLER DE EDUCACIÓN SEXUAL
TALLER DE EDUCACIÓN SEXUALTALLER DE EDUCACIÓN SEXUAL
TALLER DE EDUCACIÓN SEXUAL
Jacqueline Faust
 
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Thiago de Almeida
 
PresentacióN Educacion De Sexualidad
PresentacióN Educacion De SexualidadPresentacióN Educacion De Sexualidad
PresentacióN Educacion De Sexualidad
leslukita
 

Destaque (14)

Sexualidade: Tema de escola?
Sexualidade: Tema de escola?Sexualidade: Tema de escola?
Sexualidade: Tema de escola?
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
 
Sexualidade dificuldades-e-problemas-13-10-01-10
Sexualidade dificuldades-e-problemas-13-10-01-10Sexualidade dificuldades-e-problemas-13-10-01-10
Sexualidade dificuldades-e-problemas-13-10-01-10
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Masculinidades
MasculinidadesMasculinidades
Masculinidades
 
Sexualidad en la adolescencia
Sexualidad en la adolescenciaSexualidad en la adolescencia
Sexualidad en la adolescencia
 
Sexualidad en el adolescente
Sexualidad en el adolescenteSexualidad en el adolescente
Sexualidad en el adolescente
 
Sexualidad en la adolescencia
Sexualidad en la adolescenciaSexualidad en la adolescencia
Sexualidad en la adolescencia
 
Cotidiano das relações interpessoais no tempo e no espaço social
Cotidiano das relações interpessoais no tempo e no espaço socialCotidiano das relações interpessoais no tempo e no espaço social
Cotidiano das relações interpessoais no tempo e no espaço social
 
Sexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescenciaSexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescencia
 
Educacion sexual adolescencia
Educacion sexual adolescenciaEducacion sexual adolescencia
Educacion sexual adolescencia
 
TALLER DE EDUCACIÓN SEXUAL
TALLER DE EDUCACIÓN SEXUALTALLER DE EDUCACIÓN SEXUAL
TALLER DE EDUCACIÓN SEXUAL
 
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
 
PresentacióN Educacion De Sexualidad
PresentacióN Educacion De SexualidadPresentacióN Educacion De Sexualidad
PresentacióN Educacion De Sexualidad
 

Semelhante a Sexualidade na escola 06-04-16

Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescenciaBicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
temastransversais
 
Diferentes fontes de informação sobre sexualidade.
Diferentes fontes de informação sobre sexualidade.Diferentes fontes de informação sobre sexualidade.
Diferentes fontes de informação sobre sexualidade.
Fábio Fernandes
 
Orientacao sexual
Orientacao sexualOrientacao sexual
Orientacao sexual
Alinebrauna Brauna
 
Gravidez
GravidezGravidez
Pcn 10.5 Tt OrientaçãO Sexual
Pcn   10.5   Tt OrientaçãO SexualPcn   10.5   Tt OrientaçãO Sexual
Pcn 10.5 Tt OrientaçãO Sexual
literatoliberato
 
Sexualidade infantil
Sexualidade infantil Sexualidade infantil
Sexualidade infantil
Dhilma Freitas
 
Orientacao sexual
Orientacao sexualOrientacao sexual
Orientacao sexual
Placido Esporte Clube
 
Sexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e AprendizagemSexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e Aprendizagem
Márcia Cafeland
 
10.2 orientação sexual
10.2 orientação sexual10.2 orientação sexual
10.2 orientação sexual
celikennedy
 
educação sexual.pptx
educação sexual.pptxeducação sexual.pptx
educação sexual.pptx
RenildaCarvalho1
 
Bicastiradentes orientaçãosexual
Bicastiradentes orientaçãosexualBicastiradentes orientaçãosexual
Bicastiradentes orientaçãosexual
temastransversais
 
1º série reda cem - 10.15
1º série   reda cem -  10.151º série   reda cem -  10.15
1º série reda cem - 10.15
MatheusMesquitaMelo
 
PCN-Livro10 2-orientação sexual
PCN-Livro10 2-orientação sexualPCN-Livro10 2-orientação sexual
PCN-Livro10 2-orientação sexual
Manim Edições
 
Orientacao sexual mec
Orientacao sexual mecOrientacao sexual mec
Orientacao sexual mec
Adao Farias
 
PCN - Orientação Sexual
PCN - Orientação SexualPCN - Orientação Sexual
PCN - Orientação Sexual
Blog da Criançada
 
Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1
Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1
Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1
temastransversais
 
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Rosane Domingues
 
2ºc
2ºc2ºc
Projeto leonor original
Projeto leonor originalProjeto leonor original
Projeto leonor original
Leonor
 
445 4
445 4445 4

Semelhante a Sexualidade na escola 06-04-16 (20)

Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescenciaBicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
 
Diferentes fontes de informação sobre sexualidade.
Diferentes fontes de informação sobre sexualidade.Diferentes fontes de informação sobre sexualidade.
Diferentes fontes de informação sobre sexualidade.
 
Orientacao sexual
Orientacao sexualOrientacao sexual
Orientacao sexual
 
Gravidez
GravidezGravidez
Gravidez
 
Pcn 10.5 Tt OrientaçãO Sexual
Pcn   10.5   Tt OrientaçãO SexualPcn   10.5   Tt OrientaçãO Sexual
Pcn 10.5 Tt OrientaçãO Sexual
 
Sexualidade infantil
Sexualidade infantil Sexualidade infantil
Sexualidade infantil
 
Orientacao sexual
Orientacao sexualOrientacao sexual
Orientacao sexual
 
Sexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e AprendizagemSexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e Aprendizagem
 
10.2 orientação sexual
10.2 orientação sexual10.2 orientação sexual
10.2 orientação sexual
 
educação sexual.pptx
educação sexual.pptxeducação sexual.pptx
educação sexual.pptx
 
Bicastiradentes orientaçãosexual
Bicastiradentes orientaçãosexualBicastiradentes orientaçãosexual
Bicastiradentes orientaçãosexual
 
1º série reda cem - 10.15
1º série   reda cem -  10.151º série   reda cem -  10.15
1º série reda cem - 10.15
 
PCN-Livro10 2-orientação sexual
PCN-Livro10 2-orientação sexualPCN-Livro10 2-orientação sexual
PCN-Livro10 2-orientação sexual
 
Orientacao sexual mec
Orientacao sexual mecOrientacao sexual mec
Orientacao sexual mec
 
PCN - Orientação Sexual
PCN - Orientação SexualPCN - Orientação Sexual
PCN - Orientação Sexual
 
Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1
Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1
Ipanema durandé orientacao-sexual_3.1
 
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
 
2ºc
2ºc2ºc
2ºc
 
Projeto leonor original
Projeto leonor originalProjeto leonor original
Projeto leonor original
 
445 4
445 4445 4
445 4
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 

Sexualidade na escola 06-04-16

  • 1. Fonte: Pesquisas em sites e slides
  • 3. Ensino da Sexualidade nas Escolas Uma breve introdução histórica...
  • 4. • 1930: Professores processados e demitidos por incluírem ensino de sexualidade em suas aulas. • 1930-1960: Exclusão do tema “Educação Sexual” nos debates educativos. Período de omissão oficial. • 1968: Projeto de Lei da deputada carioca Júlia Steimbruck que pretendia estabelecer a obrigatoriedade da educação sexual nas escolas.
  • 5. • 1970: Comissão Nacional de Moral e Civismo registrou a frase: “Não se abre à força um botão de rosa, sobretudo com as mãos sujas”. • Anos 80: Surgimento da AIDS e aumento do número de casos de gravidez na adolescência. Pressão de alunos e professores que se interessavam pelo tema. • 1993: Uma pesquisa realizada constatou que 86% das pessoas ouvidas eram favoráveis à inclusão de Orientação Sexual nas escolas.
  • 6.
  • 7. • Se desenvolve primeiramente no lar. • Os pais não devem esconder tanto dos filhos o tema da sexualidade porque os filhos podem crescer com a ideia que é algo tão sujo e pecaminoso que falar no assunto já é por si errado. Não havendo o diálogo. • O assunto deve surgir desde bebê. Satisfazendo a dúvida da criança no momento.
  • 8. É dever da mãe conversar sobre o sexo e sexualidade com as filhas e o pai com os filhos?
  • 9. Diálogo • A mãe e o pai, juntos, devem conversar com seus filhos; • O casal também ter que ter um diálogo franco e honesto entre si sobre os valores morais.
  • 10. Sexualidade é um termo amplamente abrangente que engloba inúmeros fatores e dificilmente se encaixa em uma definição única e absoluta. Teoricamente, a sexualidade assim como a conhecemos, inicia-se juntamente à puberdade ou adolescência, o que deve ocorrer por volta dos 12 anos de idade (Art. 2º - Estatuto da Criança e do Adolescente). Entretanto, em prática, sabemos que não se configura exatamente desta forma. O termo “sexualidade” nos remete a um universo onde tudo é relativo, pessoal e muitas vezes paradoxal. Pode-se dizer que é traço mais íntimo do ser humano e como tal, se manifesta diferentemente em cada indivíduo de acordo com a realidade e as experiências vivenciadas pelo mesmo.
  • 11. A noção de sexualidade como busca de prazer, descoberta das sensações proporcionadas pelo contato ou toque, atração por outras pessoas (de sexo oposto e/ou mesmo sexo) com intuito de obter prazer pela satisfação dos desejos do corpo, entre outras características, é diretamente ligada e dependente de fatores genéticos e principalmente culturais. O contexto influi diretamente na sexualidade de cada um.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15. • Comunicação é mais do que palavras.
  • 16. Os pais devem mostrar que sexo é mais que algo fisiológico, é uma questão de profundo conhecimento do outro e portanto não deve ser banalizado.
  • 17.
  • 18. - Por volta dos 11 – 12 anos, o adolescente está mais voltado para si mesmo, para o seu corpo; -Entrar em contato com o corpo modificado é algo que, quase sempre, causa desconforto e estranheza; - Com a intensa excitação, característica da adolescência, sintomas como medos e fobias podem aparecer; Características da Sexualidade
  • 19.
  • 20. Doenças Sexualmente Transmissíveis O que é? E o conhecimento dos alunos a respeito...
  • 21. O que é? • Esse conceito agrupa aquelas doenças que se transmitem pelo contato sexual entre duas pessoas, e engloba as antigas doenças venéreas, incluindo a AIDS.
  • 22. Alguns dados estatísticos... • A pesquisa "Retrato do Comportamento Sexual do Brasileiro“ mostra que 35,4% dos brasileiros fizeram sexo antes dos 15 anos de idade. • Nos últimos anos foram registrados 362.364 casos de AIDS no Brasil, sendo 4.331 (1,2%) entre adolescentes na faixa etária de 13 aos 19 anos.
  • 24. • Principais formas de prevenção:
  • 25. • Conhecimento a respeito de algumas DST’s: http://www.aids.gov.br/pagina/quais-sao-dst
  • 26. • Não se deve acentuar a ligação entre sexualidade e doença ou morte. • As informações sobre as doenças devem ter sempre como foco a promoção da saúde e de condutas preventivas • A promoção da saúde e o respeito ao outro vinculam-se à valorização da vida e também são assuntos que devem ser trabalhados.
  • 27. A Influência da Mídia na sexualidade da criança e do adolescente. E o posicionamento da escola...
  • 28. A sexualidade está relacionada com os valores e o contexto cultural que o adolescente está inserido. Diante disso, a preocupação que surge é que tipo de cultura está subsidiando o adolescente nos dias atuais e que tipo de sexualidade está inventando para inserir-se em sua época.
  • 29. ...os pais tornam a televisão uma babá eletrônica das crianças, que passam a ficar horas e horas inativas, quietas, sentadas ou deitadas na frente do aparelho, sem atividades lúdicas, motoras e sociais”. (Hália Pauliv Souza)
  • 30. Pode a televisão formar a identidade dessa criança, pois a relação de dominador que a TV tem sobre o receptor- a criança- tende a fazer que ela imite comportamentos e atitudes transmitidos pelos programas e propagandas da televisão.
  • 31. Programação Atual da Televisão...
  • 32. • A mídia se torna uma formadora de opiniões, e a criança passa a entender as coisas da forma que é colocada. • A forma que a sexualidade é colocada para essas crianças geralmente não é colocada na forma educativa e com restrições para cada idade.
  • 33. A grande oferta de produtos pornográficos em qualquer banca de revistas ou locadora de vídeos, a exposição exagerada do corpo, principalmente do feminino, os programas televisivos e a banalização da sexualidade tem dificultado a tarefa de educar os jovens.
  • 34. • Família como a primeira e a principal forma educadora da criança.
  • 35.
  • 36. • Mesmo a família sabendo que ela é a primeira responsável pela educação sexual das crianças, vem delegando para a escola este ensinamento. Afinal, a criança de hoje passa mais tempo na escola do que em casa com seus familiares, sem contar que a maioria de seus amigos estão na escola. • No entanto, os seus valores éticos e morais sempre serão os primeiros apreendidos pelas crianças e os mais relevantes em suas vidas.
  • 37. • “Quando a escola e a família não se completam na ação educativa, não há programa de orientação sexual capaz de trazer o benefício e o aproveitamento total do que propõe”. (SOUZA, 2002, p.112).
  • 38. • Hoje em dia, a maioria das publicações na mídia sobre a vida sexual dos adolescentes conta com um ponto de partida: Duvidas e curiosidades sobre sexualidade, vindos quase sempre de autores anônimos... • Isso traz a criança e ao adolescente a oportunidade de: -Se reconhecer na mídia, -Ter sua dúvida respeitada, comentada e esclarecida –E ao mesmo tempo, ter sua identidade preservada
  • 39. O papel da escola na sexualidade • O papel da Escola é abrir espaço para que a pluralidade de concepções, valores e crenças sobre a sexualidade possa se expressar. O trabalho de orientação sexual, compreende a ação da Escola como complementar à educação dada pela família.
  • 40. +
  • 41. • Como a sexualidade parece irreversivelmente constitutiva do humano, ela vai atravessar as ações cotidianas de professores e alunos. • Mas que daí a escola tenha que controlar suas manifestações ou efeitos é outra coisa.
  • 42. • A intervenção da escola nessas situações deve se dar de forma a apontar a inadequação de tal comportamento às normas do convívio escolar. Não se trata portanto de julgar tais manifestações, mas apenas de delimitar a inadequação do espaço da escola para sua efetivação
  • 43. Como os alunos recebem o tema: Sexualidade • A revista Veja publicou uma reportagem sobre a influência da mídia no comportamento sexual dos jovens. Nesta reportagem o depoimento de um garoto de dez anos foi o mais significativo : “Eu sei tudo sobre sexo”.
  • 44.
  • 45. Como os alunos recebem o tema: Sexualidade • Os principais elementos de transmissão deste tema são: a linguagem, o local (escola), o professor e o aluno. • Linguagem: expressa um pensamento que é vinculado com a própria concepção, convicção e valores sobre a vida sexual e moral do próprio interlocutor (professor). • Escola: hoje em dia os pais até preferem que a escola passe essa informação para os seus filhos. Mas será que todos os professores estão preparados para abordar este tema?
  • 46. Como os alunos recebem o tema: Sexualidade • Professor: ficam incomodados em transmitir este tipo de conteúdo para seus alunos.
  • 48. - Idade média da primeira relação sexual: • 1. Ocorre entre 15 e 16 anos para os homens; • 2. Para as mulheres ocorre aos 17 anos. - O início cada vez mais precoce da atividade sexual pode expor os adolescentes a risco aumentado de infecções por doenças sexualmente transmissíveis, a gravidezes indesejadas e a abusos sexuais;
  • 49. Sexo precoce - Adolescentes que apresentam vida sexual ativa: •  14% dos jovens entre 11 e 14 anos; •  44% dos jovens entre 15 e 17; •  72% dos jovens acima dos 18 anos.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 55.
  • 56.

Notas do Editor

  1. Porém, quando falamos que a família é a primeira e a principal educadora da criança, logo lembramos de que, na sociedade atual, as famílias, de forma geral, estão mais ausentes em relação a décadas atrás. Elas estão menos presentes em casa e na vida dos filhos. É nesse momento que o professor entra em ação!!!
  2. No entanto, cabe à família educar e à escola orientar sem esquecer de que uma não substitui nem concorre com a outra; ao contrário, elas devem estar sempre vinculadas e se completando.